LEI ROUANET PERCURSO E RELATOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI ROUANET PERCURSO E RELATOS"

Transcrição

1 LEI ROUANET PERCURSO E RELATOS

2

3 Mecenas: Patrocinador generoso, protetor das Letras, Ciências e Artes, dos artistas e sábios. Mecenato: Condição, título ou papel de mecenas. Novo Dicionário Aurélio

4 SUMÁRIO textos introdutórios 7 entrevistas Alexandre Machado 15 Alvaro Razuk 18 Dagmar Garroux 21 Danilo Miranda 24 Eliane Costa 28 Fábio Cesnik 32 Heloísa Buarque de Hollanda 35 Leonardo Brant 40 Mara Mourão 44 Mequita Andrade 47 Yacoff Sarkovas 50

5 artigos relacionados Políticas culturais no Brasil: trajetória e contemporaneidade [Antonio Albino Canelas Rubim] 65 Minc libera R$ 9,4 mi para Cirque du Soleil no Brasil [Silvana Arantes] 88 MEC cria Lei Rouanet da pesquisa [Renata Cafardo e Herton Escoba] 90 Uma Lei Rouanet da pesquisa [Claudia Izique] 92 Ministério não tem vocação para Irmã Dulce [Marcio Aith] 95 Museu Nacional volta a ser como no tempo do Império 98 Nem tanto ao céu, nem tanto à terra [Marcelo Gruman] 100 Artistas famosos e o incentivo fiscal [Antoine Kolokathis] 117 leis relacionadas Lei 7505 de 2 de julho de Lei de 30 de dezembro de Lei 8685 de 20 de julho de Programa Nacional de Apoio à Cultura 141 Projeto de Medida Provisória não aprovada 157 Edital do Proac (exemplo) 161 Projeto de Lei 6722/ O que muda na Lei Rouanet 202 anexos 205 BIBLIOGRAFIA SELECIONADA 234

6

7 A Atitude Brasil, empresa que atua nas áreas cultural, ambiental e de comunicação social, idealizou e publicou este livro para retratar os diversos aspectos históricos, teóricos e práticos dos incentivos à cultura no Brasil especialmente os da Lei Rouanet. Nossa intenção é informar os vários setores da sociedade quanto ao uso da legislação em vigor, às reformas e aos futuros implementos legais que contemplem as mudanças necessárias para uma política cultural mais respeitosa e eficiente no uso dos recursos disponibilizados. Reunir as opiniões das diferentes pessoas e entidades que utilizam ou oferecem apoio à produção cultural no Brasil é o objetivo central deste trabalho. Nossa pesquisa foi importante para identificar a existência de pensamentos convergentes entre os diversos setores, todos eles desejosos de que as mudanças na legislação resultem em maior democratização do acesso às mais variadas expressões Artísticas: cinema, música, dança, teatro, literatura, Artes visuais e preservação e restauração de patrimônios materiais e imateriais. Percebemos, também, a importância do alinhamento da riqueza e diversidade cultural brasileiras com as novas tecnologias, que permitem acesso à cultura em larga escala. Expressamos nosso especial agradecimento à Companhia Vale do Rio Doce, patrocinadora única, que viabilizou este projeto por também acreditar no futuro promissor da produção Artístico-cultural brasileira. 7

8

9 Lei Rouanet Percurso e Relatos Antonio Carlos Abdalla [Organizador] Este livro informativo e reflexivo é trabalho de referência sobre os resultados, expectativas, dúvidas, problemas e possíveis soluções concernentes à Lei Rouanet desde sua última reformulação. Evidentemente o livro não é exaustivo, mas reúne dados suficientes para pesquisa, estudo e compreensão dessa lei e de sua aplicação. Esse instrumento legal nos seus moldes atuais é, até onde se sabe, único na legislação mundial. A Lei Rouanet foi criada em 1991 (no Governo Fernando Collor de Mello, sendo Secretário da Cultura Sérgio Paulo Rouanet) e reformulada em 1995 (no Governo Fernando Henrique Cardoso, sendo Ministro da Cultura Francisco Weffort). Como política pública do Brasil para a área da Cultura, essa lei produziu amplo espectro de resultados e um não menor volume de dúvidas, opiniões e críticas. Tenham sido positivos ou duvidosos, os resultados obtidos são dignos de uma análise para assimilação de novas expectativas e adaptações. Não há dúvida de que a Lei Rouanet já deu mostras de que é chegado o momento de ampla discussão, revisão e regulamentação para suprir um elenco de novas perspectivas e necessidades das atividades culturais contemporâneas. Doze entrevistados figuras atuantes nos vários setores culturais e agentes da legislação atual emitem aqui opiniões recentes sobre a aplicação presente da citada lei, além de ex- Vanderlei Almeida/AFP/Getty Images 9

10 ternarem esperanças e comportamentos possíveis e desejados para uma reforma ainda apenas proposta. Foram entrevistados Alexandre Machado, Álvaro Razuk, Dagmar Garroux (Tia Dag), Danilo Santos de Miranda, Eliane Costa, Fábio Cesnik, Heloísa Buarque de Hollanda, Leonardo Brant, Mara Mourão, Mequita Andrade e Yacoff Sarkovas. Além das entrevistas, do texto integral da lei em vigor e do projeto de reforma, estão incluídos neste volume uma coletânea de textos e pequenos ensaios, a reprodução de documentos oficiais, tabelas, gráficos, uma bibliografia e alguns estudos comparativos que revelam o percurso e os resultados alcançados pela aplicação da Lei Rouanet nos últimos dezesseis anos. São múltiplos os objetivos principais da Lei Rouanet: garantir livre acesso a todas as fontes de cultura e ao pleno exercício dos direitos culturais; promover e estimular a regionalização da produção cultural e Artística brasileira, com a valorização dos recursos humanos e conteúdos locais; apoiar, valorizar e disseminar o conjunto das manifestações culturais e seus respectivos criadores; proteger a expressão cultural dos grupos formadores da sociedade brasileira, responsáveis pelo pluralismo da cultura nacional; salvaguardar a sobrevivência e o continuado florescimento dos modos de criar, fazer e viver da sociedade; preservar os bens materiais e imateriais do patrimônio cultural e histórico; estimular a produção e difusão dos bens culturais de valor universal, formadores de conhecimento, cultura e memória; priorizar o produto cultural originário do Brasil. Não é uma empreitada simples e os resultados demandam capacidade, coragem, perícia e ousadia. A pesquisa e análise do tema e objeto desta proposta deverá oferecer subsídios importantes para debates e estudos mais aprofundados, que verifiquem se os objetivos almejados pela aplicação da Lei Rouanet estão sendo ou não alcançados, em parte ou no todo, e proponham comportamentos e providências para que tais objetivos sejam resgatados e convenientemente observados e controlados pela sociedade. De que modo o Governo e a iniciativa privada podem atuar na construção, formulação e promoção de direitos culturais e de políticas públicas efetivas? Que espaços, fóruns e instâncias específicas podem promover essa interação e Articulação? De que modo tal Articulação pode combinar controle, eficiência, justiça e equidade social na distribuição e no acesso aos recursos públicos (renúncia fiscal) e aos bens culturais, materiais e imateriais de valor universal? São indagações e desafios como esses que justificam a pertinência e a relevância dos objetos deste trabalho. Para este livro tomar forma há um desafio na identificação, seleção, decisão e abrangência do material a ser tratado e ex- 10

11 plorado, pois as questões e possibilidades do tema são extensas. Além disso, não há como fazer escolhas ou traçar caminhos sem levar em conta o contexto, os fatores, os aspectos e os interesses locais públicos e privados que moldam e interferem fortemente nas definições e decisões sobre as formas, prioridades, usos e distribuição dos recursos públicos para a promoção e pleno exercício dos direitos culturais. À parte da legislação vigente e de toda a discussão sobre sua utilização, suas alterações e perspectivas, é oportuno lembrarmo-nos de uma figura em geral negligenciada mas fundamental no patrocínio à cultura: o mecenas. Afinal, a Lei Rouanet foi originalmente proposta para incentivar o mecenato. Parece justo resgatarmos essa figura, muito importante contemplada na implantação da lei. Que a Lei Rouanet atenda às expectativas e demandas para as quais foi criada é fato incontestável tão incontestável quanto a premência de se corrigirem as distorções existentes. Que os patrocinadores se convençam dos benefícios de apoiar a cultura e utilizem de forma prudente e justa os benefícios criados pela legislação é um desejo. Que esses fatores se unam para promover cultura em todas as suas manifestações é uma obrigação pois é essa, afinal, uma das poucas saídas para redimir o ser humano da mediocridade. 11

12 entrevistas

13

14

15 Alexandre Machado A primeira vez que se tentou incentivar a cultura por meio da isenção fiscal foi com a Lei Sarney, embrião da Lei Rouanet. Até então, no espírito da lei, as empresas não investiam em cultura porque não tinham conhecimento da importância dessa indústria. A ideia era que, com o tempo, os investimentos na área fossem realizados pela sua própria excelência e que, aos poucos, as empresas deixassem de receber incentivos governamentais. Essa situação durou até o governo Fernando Henrique Cardoso. Na mesma época, os cineastas brasileiros pleiteavam incentivos baseados na renúncia fiscal para investimentos em audiovisual. A produção enfrentava dificuldades após a extinção da Embrafilme e do Concine, órgãos governamentais de financiamento e fiscalização, se houvesse investimento na área. Mostravam ao Presidente da República que os grandes movimentos do cinema não produzidos em Hollywood tiveram apoio substantivo dos governos, sem que, praticamente, estes investissem um tostão. Tal proposta, embora discutível, acabou estimulando outras áreas que foram conquistando o mesmo benefício o que era justo. O benefício trouxe deformações: as empresas tinham poder de decisão sobre onde e quanto investir. Assim nasceu uma indústria de empreendimentos culturais baseada em falsa documentação e prestação de contas, notas frias e troca de facilidades. Havia outro problema: as ações eram esparsas e denotavam [p. 13] Mauricio Lima/AFP/Getty Images Rodrigo Baleia/LatinContent/Getty Images 15

16 a falta de uma linha de conduta consistente. Praticamente não existiam o incentivo à cultura e a percepção de que formar ou enriquecer determinada empresa poderia depender de sua vinculação com posturas culturais. Dizem que, apesar dessas deformações, a injeção de recursos financeiros movimentou a indústria da cultura. Para alguns especialistas, houve dinheiro lançado no mercado, sim, mas sem nenhum tipo de Articulação ou seja, ao acaso; era como atirar dinheiro de cima de um edifício para quem quisesse usá-lo. É preciso separar da opinião que se tem da Lei Rouanet o uso que dessa lei se faz. O fato é que, antes da Lei Rouanet, a indústria brasileira de cultura vivia traumatizada, seja por falta de recursos, seja por gestões como a do presidente Fernando Collor de Mello ( ), que destruiu tudo o que até então existia. A discussão Estado/Cultura, prejudicada pelas práticas anteriores, que favoreceram interesses paroquiais em detrimento das políticas públicas, está de volta. Uma das ideias por exemplo, a de como aumentar a participação de Estados que não têm tido acesso aos recursos incentivados parece simpática quando se pensa na estrutura de um país como o Brasil, mas colide com a essência da lei, que permite à empresa privada destinar os recursos de acordo com seus próprios interesses. Para uma empresa sediada em São Paulo, a atuação será preferencialmente em São Paulo. É claro que pode haver interesse em investir em regiões distantes mas, para isso, deverá haver planejamento de longo prazo e as políticas públicas de investimentos estimulados não poderão ser cortadas de uma hora para a outra, acarretando dificuldades para as empresas. Tem de existir algum tipo de transição, como fundos públicos aptos a assumir gradativamente os investimentos previstos. As empresas estatais e empresas de capital misto, que têm acionistas e interesses próprios como a Petrobras, por exemplo deverão ter suas políticas de investimento em cultura. Essa é uma questão relacionada com a boa ou a má gestão e não com o fato de o capital ser público, misto ou privado. A leitura que faço é que os recursos têm de estar a serviço da publicidade e do marketing (incluindo a formação e a consolidação de uma marca) e levar a empresa a avançar e ter bom proveito no que estiver fazendo. A Petrobras, que atua na área cultural, é um exemplo. Monopolista no mercado doméstico de combustíveis até a aprovação de uma emenda constitucional em 1995, a companhia teve de se preparar para enfrentar a concorrência (que praticamente não a arranhou, mas que ainda pode tentar constituir um mercado). Por isso, até mesmo uma empresa como essa precisa 16

17 estar preocupada com o fortalecimento de sua marca. O que é discutível é se a empresa pode, para tal fim, utilizar recursos de isenção fiscal. Investir na área da cultura depende de uma política interna bem traçada política que deverá ser de tão boa qualidade quanto os próprios produtos, respeitar a história da empresa e ser compatível com sua atuação na atividade pública. Para esse fim foram criadas regras relativas aos patrocínios: os incentivos deveriam ser utilizados para determinadas finalidades e não para qualquer projeto, como era feito anteriormente, quando não se tinha nenhuma responsabilidade pública. Criou-se um edital para cada área, com informações sobre o valor a ser investido e os critérios de julgamento. Esse edital tornou-se modelo. Na área de cinema, por exemplo, detectamos que, no Brasil, um dos problemas era a criação de uma nova geração de realizadores. Lembramo-nos de que, em outra época, antes dos filmes havia a exibição de curtas-metragens. Montamos então um programa, o Curta Petrobras às Seis, programação gratuita de filmes para estudantes iniciada em Foi esse um trabalho que propiciou o aparecimento de novos realizadores e expôs a marca Petrobras a um público jovem e interessado em cultura. Investir norteado pelos interesses da própria empresa, mista ou privada por mais honrados que sejam tais interesses não significa que se está investindo em projetos bons ou ruins mas, sim, em projetos não necessariamente identificados com o interesse público. Os valores advindos da renúncia fiscal não pertencem mais à empresa que os recolheu. Por isso, acredito que o direito de definir sobre o uso desse dinheiro cabe ao Estado ou a um fundo público direcionado à cultura. É preciso, porém, muito cuidado para que essa instância não fique atrelada aos governos. 17

18 Alvaro Razuk Sou arquiteto especializado em projetos e montagem de exposições de Artes visuais desde Convivo diariamente com a Lei Rouanet porque a maior parte dos meus trabalhos é sustentada pelos mecanismos de renúncia fiscal. O mercado da cultura cresceu muito desde que comecei a trabalhar nessa área. Não havia muitos profissionais especializados eu mesmo não sabia que existiam tantas possibilidades quando um amigo me convidou para montar uma exposição de jovens Artistas no local onde é atualmente o Museu AfroBrasil, em São Paulo. Para começar, reformamos o edifício. Em seguida, a Antártica Artes com a Folha, exposição patrocinada pelas duas empresas, concebida por cinco curadores que haviam viajado por todo o país para selecionar novos talentos e montada por um cenotécnico que trabalhava com teatro, foi inaugurada em Hoje, temos no Brasil mão-de-obra especializada para projetar exposições de Artes visuais, segmento que cresceu com a maior afluência do público e sua exigência com relação à qualidade. Além do Artista boêmio e romântico, que sempre vai existir, já existem profissionais preocupados com detalhes técnicos muito precisos, como o ar condicionado ou o gás menos prejudicial à obra de Arte. E até o Artesão, que tem o conhecimento do trabalho a ser feito e andou tão marginalizado, está começando a ver valorizado seu trabalho. 18

19 O mercado das Artes plásticas está maior e muitas empresas fazem trabalho corporativo, pensando em como melhorar o conteúdo. Nos últimos anos, formaram-se profissionais aptos a tratar das diversas facetas envolvidas na montagem de mostras, tais como o empréstimo de obras de Arte entre museus e galerias locais e internacionais, o desenho de embalagens para o transporte, assim como iluminadores, técnicos de projeção, conservadores e curadores. A conservação de uma obra de Arte é trabalho intenso e preciso a obra tem que chegar à reserva técnica muito bem embalada, ficar um dia esperando até se aclimatar, para depois ser aberta por um conservador que prepara o laudo correspondente. O relatório é repetido quando a obra sai. Esse profissional pode vir de várias áreas. O conservador vem em geral da área da história ou das Artes plásticas e acaba trabalhando em uma instituição, onde é formado por um mestre. Se houver algum problema, o restaurador é chamado. Restauradores de pintura, escultura ou papel podem frequentar cursos específicos para esse métier, inclusive no Brasil. São profissionais razoavelmente bem remunerados e há para eles um mercado de trabalho crescente em função do aumento no número de museus. Nesse processo, também o conservador, o produtor, os montadores (o cenotécnico que vai construir e pintar os painéis, o marceneiro especializado e os montadores de obras pessoais) têm noção de estética e geralmente vêm das Artes plásticas. As bienais de Arte têm tido importante papel na formação dos profissionais: ex-assistentes de Artistas do mundo todo, estudantes de Artes plásticas ou até mesmo Artistas formados acabam se encaminhando para essas carreiras. Antes, os trabalhos sofriam muitos estragos durante o transporte e a exposição; hoje, isso melhorou muito, porque as exigências técnicas para a montagem de uma mostra são maiores e mais complexas. Há alguns anos, trabalhei na exposição dos pergaminhos do Mar Morto, feitos de material orgânico um grande achado arqueológico. Estavam esticados com fita adesiva! Um absurdo! Atualmente, são conservados adequadamente, com controle de temperatura e umidade, além de rigorosamente protegidos contra a ação dos raios ultravioleta. Nosso maior problema atual é tirar a cola da fita adesiva. Sei que existem documentos que datam do Brasil pré-colombiano, feitos com um tipo de tinta que reagiu com o próprio papel, danificando-os. Antes não se dava atenção a esse tipo de detalhe, mas hoje há preocupação até com o papel colocado atrás de uma obra não pode ser de qualquer tipo; tem de ser neutro. 19

20 Lembro-me de que, quando montei uma exposição do Artista e designer Geraldo de Barros, o curador fez exigências: tratava- -se de trabalho feito com um tipo de fórmica durável, mas sujeito ao acúmulo de umidade por ser de madeira aglomerada; era preciso levar isso em especial consideração. De há 10 anos para cá, estamos aprendendo a trazer e levar obras de Arte e, para tanto, existem transportadoras especializadas. É claro que a Lei Rouanet, que viabilizou financeiramente muitas exposições, foi indiretamente responsável pelo avanço do nosso segmento. A lei é muito importante e movimentou nosso universo do trabalho, embora não seja ideal e apresente algumas distorções tais como, por exemplo, a concentração de projetos culturais no Sudeste do país, reflexo da concentração das empresas que optam pela renúncia fiscal. Sei que esse é um problema complicado, mas de qualquer forma é perfeitamente possível encontrar profissionais qualificados fora do eixo Rio São Paulo, se houver demanda. 20

21 Dagmar Garroux Tia Dag é educadora e fundadora da Casa do Zezinho Fundada em 1994 na região do Capão Redondo, sul da cidade de São Paulo, a ONG Casa do Zezinho atende cerca de 1000 crianças e jovens de baixa renda, dando a todos eles a oportunidade de frequentar oficinas e ateliês de Arte, praticar esportes e receber atendimento médico e odontológico. Em um país como o Brasil, todos os segmentos da sociedade, inclusive o poder público, têm de se conscientizar quanto ao fato de que vivemos a realidade social da diferença. Diferença nas escolas, nas moradias. O que é ser um Zezinho? Qual é a vivência de um Zezinho? Quais são os sonhos de um Zezinho? Quais são as expectativas da família de um Zezinho? Editamos um livro de fotos e desenhos, Santo Antônio das Artes Zezinhos, de Saulo Garroux e Levi Mendes Jr., um retrato da periferia a partir do ponto de vista das pessoas que fazem parte da Casa do Zezinho. Tiramos fotos da casa, da família mas não é só isso; também pedimos às crianças que reproduzissem as fotos em desenhos de seu próprio punho, para assim termos um comparativo entre a visão do fotógrafo e a visão do Zezinho. A cultura familiar, o bairro, o ambiente social e os sonhos do Zezinho estarão presentes nas páginas do livro. É necessário descobrir o que significa para esses meninos não ter formação, informação, moradia, saneamento básico e escola democrática. 21

22 Também é necessário que entendamos como treinar e capacitar, em apenas seis meses, pessoas que pularam todas as etapas do desenvolvimento humano brincar, alfabetizar-se, passear, instruir-se. Enfim, por que motivo os pobres têm de se capacitar apenas para telemarketing, limpeza ou portaria? Não que essas profissões sejam menos dignas, mas esses jovens sequer tiveram a chance de dizer o que querem ser! Retratar o Zezinho em todos os espaços que ele percorre faz parte da pedagogia do arco-íris, que criei ao longo destes anos de trabalho: se os pilares da educação formal são ser, saber e fazer Arte, na pedagogia do arco-íris foram transformados em filosofia, ciência, conhecimento e Arte. Os sinais da educação são os cinco sentidos, que têm de estar muito mais aguçados. Para se conhecer o Zezinho, são imprescindíveis olhar e ouvido apurados. São também indispensáveis o tato que representa, na realidade, o afeto: o abraçar, o beijar e o olfato. Os participantes da Casa do Zezinho vivem em lugares que cheiram mal; colocamos na Casa, então, incenso e perfume para tornar o ambiente agradável, de modo a penetrar na alma e utilizamos também a música para aguçar a audição. Atrair, encantar o jovem na cadeia do conhecimento é um dos papéis da Casa do Zezinho. Nesse tipo informal de educação, o produto cultural é absolutamente imprescindível. Temos um banco de dados dos Zezinhos que passaram pela Casa e suas respectivas histórias. Perdemos vinte deles: foram para o tráfico e morreram, estão presos ou se prostituíram. Mas também temos exemplos como o do Agenor, hoje educador de Artes plásticas da Casa, que entrou aqui aos 12 anos, cresceu, fez faculdade. A pessoa sobe de patamar na vida. Sentimos tanto isso que pretendemos todos os funcionários da Casa tenham um dia sido Zezinhos. Não é necessário possuir mente evoluída para investir em cultura. Investe-se em cultura quando se percebe que é possível criar uma identidade. Santo Antonio das Artes Zezinhos foi um projeto editorial que recebeu recursos incentivados por meio da Lei Rouanet. Eu não entendia a lei. Ficava confusa quanto ao que podia e que não podia ser entendido como cultura portanto, o que podia e que não podia ser financiado. É difícil fazermos uso de algo que não entendemos por completo. Só comecei a recorrer à Lei Rouanet em 2009, com a ajuda de produtores culturais. O livro, que não é didático, chega como produto cultural e educacional. Será distribuído a empresas, fornecedores, ONGs parceiras e algumas faculdades. É um projeto realizado com o patrocínio do banco Société Générale, francês. Levantamos R$180 mil graças ao apoio da Lei Rouanet. O banco já é nosso 22

23 parceiro há dois anos no projeto chamado Comunicação e Educação para o Século 21, destinado a jovens de 15 a 21 anos. Eu conhecia uma funcionária do banco que tinha informações sobre a Casa do Zezinho. Ela me levou ao Instituto Société Générale, onde apresentei o projeto do livro e mostrei por que era inovador. Era um mundo que o diretor da empresa não conhecia. O que empresários e executivos notam quando vêm à Casa do Zezinho são crianças pobres em um bairro de classe média no alto da montanha. Mas a primeira coisa que faço é levá-los até a favela de onde realmente vem o Zezinho. De uns anos para cá, tenho recorrido a outras leis como, por exemplo, a Lei Municipal de Incentivo à Cultura (Lei Mendonça), que permite a pessoas físicas ou jurídicas patrocinar um projeto cultural e deduzir do seu Imposto Sobre Serviços (ISS), ou do seu Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), uma parte do valor investido. Quando chegamos ao Capão Redondo, o local era zona de guerra. Observamos que as poucas palavras de que esses meninos dispunham para se expressar a precariedade de seu vocabulário gerava violência; eles entravam em conflito em qualquer tipo de negociação, o que acarretava agressão física e até mesmo à mão armada. Hoje tudo isso mudou completamente. Os moradores aprenderam a se organizar nos próprios bairros, criaram associações e até mesmo negócios próprios. Às vezes é difícil reconhecer a importância da cultura na formação do indivíduo, mas o maior potencial dos moradores da periferia é, sem dúvida alguma, a capacidade de Articulação que eles adquirem por meio das Artes visuais, da música e da dança. A princípio, a influência que a criança mostra não é bem aceita pela própria família. Aos poucos, porém, conseguimos alterar esse estado de coisas. No último inverno, uma de nossas educadoras presenteou um Zezinho com um cachecol. Os demais também quiseram ter cachecol... A educadora trouxe agulhas e novelos para quem quisesse aprender a fazer cachecóis. Meninos e meninas se candidataram. Tricotaram e levaram seus trabalhos para casa. Foi com isso que a maioria das mães se lembrou do dia em que elas aprenderam a fazer tricô. Houve diálogo. Tricô também é cultura. Temos outros projetos que queremos apresentar à Lei Rouanet: a orquestra de tambores e um grupo de dança. 23

24 Danilo Miranda É cultura toda e qualquer produção do ser humano da pedra que virou machado na pré-história à fibra ótica e engloba o domínio da matéria e o processo de criação. É o que torna a vida melhor e mais bonita, em todos os sentidos, incluindo a questão do simbólico: a obra de Arte, a mais nobre de todas as manifestações. Faz parte desse universo o processo que o homem desenvolveu para tornar-se capaz de conviver com a natureza, com o outro e consigo mesmo ao descobrir sua condição. Nesse sentido, a cultura tem grande abrangência. Temos um imaginário poderoso ainda em grande parte importado, mas adaptado à nossa realidade o que o torna diferente do dos países onde fomos buscá-lo. Temos uma fusão de imaginários. Nunca fomos tão globais e nunca fomos tão locais procuramos o equilíbrio entre as duas tendências e vivemos um momento em que se percebeu a importância dessa realidade. Mas ainda há mais discurso do que prática. Nosso Ministério da Cultura conta com uma parcela ínfima do Orçamento da União. Alguns países nem isso têm, o que torna nossa situação mediana; mas sabemos que, em outros, a cultura é tudo. A França é um exemplo: para ser o que é, valoriza sua tradição cultural fortíssima. Há anos, quando Mitterrand ainda estava no poder, Jacques Lang, ministro da Cultura e herdeiro de grandes nomes como o de André Malraux, criou a ideia da administração da cultura: 24

25 ele não tratava do assunto Cultura dentro do seu ministério, do ponto de vista administrativo, mas tratava de qualquer assunto que envolvesse cultura em qualquer ministério. É justamente o que tem de acontecer. Quando se deseja melhorar o sistema penitenciário, por exemplo, a cultura tem um papel a desempenhar; quando há necessidade de mudança de paradigmas comportamentais, a cultura tem um papel a desempenhar; quando a comunicação necessita de alterações, a cultura tem um papel a desempenhar. Essa importância da cultura ainda não chegou ao ponto de ser entendida como parte de um processo, mas alguns países já chegaram a esse nível de desenvolvimento. O Brasil já avançou bastante, mas ainda tem um longo caminho a percorrer. Quando dispunha da estrutura administrativa do Ministério da Educação (que até hoje se chama Ministério da Educação e Cultura MEC mas, na realidade, é apenas Ministério da Educação), a área cultural era contemplada com recursos, uma vez que a reserva constitucional para a educação lhe garantia uma parte. Com a criação do Ministério da Cultura, a reserva acabou questão técnica, mas de peso. Ou seja, houve valorização da cultura, que chegou ao nível ministerial; mas, por outro lado, houve também desvalorização, porque foram retirados recursos antes garantidos. Infelizmente, isso não foi restabelecido até hoje. Existe um discurso de valorização da cultura, de transformar o Ministério da Cultura em força expressiva no país mas, na prática, o dinheiro previsto no orçamento não chega a 1% do mesmo. O ex-ministro Gilberto Gil pretendia chegar a 1%. O ministro Juca Ferreira também. Em países que seguem a cartilha da UNESCO fala-se no mínimo de 2% do orçamento. O Estado tem de se envolver em duas áreas: primeiro, a que eu chamaria de infraestrutura dando condições para que a cultura aconteça em salas, museus, locais históricos, velhas igrejas, velhos centros espíritas, velhas sinagogas antes de criar qualquer coisa nova, precisamos garantir o que está em precário estado de conservação. A Lei Rouanet de alguma forma tem de contribuir para isso. Em segundo lugar viria o fomento: dar condições e dispor de ações efetivas para que aconteçam concursos, cursos, bolsas, acesso para aqueles que irão criar e consumir. Ao Ministério da Cultura não cabe realizar música, teatro, etc. mas, sim, abrir caminhos para que estes aconteçam. A Lei Sarney, que tinha aspectos práticos complicados, teve função didática porque criou um modelo. A Lei Rouanet gerou uma mentalidade por parte do empresariado e da sociedade brasileira. Cumpriu e cumpre essa missão e aqui reside a dúvida a respeito da política de tábula rasa que a reforma pretende fazer. 25

26 Esquecer e começar de novo seria errado. É preciso ver o que está errado e tentar corrigir os erros. Está errada, por exemplo, a vinculação do marketing ao incentivo. A solução é o poder público exigir o que a lei já estabelece: o interesse público como critério para a aprovação de projetos. No mercado de empresas privadas existem fenômenos curiosos que trazem benefícios principalmente para os bancos. Tais empresas criaram suas próprias estruturas ligadas à cultura isso tem sido positivo para sua imagem mas deveria haver uma definição mais clara desses investimentos, patrimônio realizado com dinheiro público. Não acho que isso seja totalmente negativo, mas tem de ser regulamentado. A Petrobras, por exemplo, empresa de capital misto, tem parte dos seus recursos vinculada a uma verba publicitária e de marketing. O que ela não pode fazer é utilizar os recursos da Lei Rouanet, resultantes de renúncia fiscal, como parte dessa verba de marketing. Não pode ser o mesmo dinheiro. Essa mistura é o grande defeito da lei, que tem de ser corrigido. Um Artista como o Roberto Carlos não precisa da lei, mas nada o impede de usá-la, embora possa não haver interesse público em suas apresentações. Quando falo em interesse publico, falo da expressão Artística, de seu conteúdo e da possibilidade de permitir acesso à população. Quem recebe recursos da Lei Rouanet não deveria vender o espetáculo a preço de mercado. O Vale Cultura é uma boa saída: vai trazer recursos para a cultura que irão estimular o acesso à mesma. O eixo Rio São Paulo é a região do país que produz informações e forma opiniões. Com o Vale Cultura, trabalhadores de todo o país terão acesso a esses bens e poderão consumi-los. Na virada do milênio, o SESC fez um levantamento para determinar o que estava acontecendo no país na área cultural. Era uma espécie de radiografia sem intervenção nem de órgãos governamentais, nem da imprensa, e nem mesmo dos SESC locais. Conseguimos localizar cerca de 150 produtores. Para que a população brasileira conheça o trabalho nascido fora do referido eixo, é preciso traçar uma política que dê condições para a realização desse trabalho. No SESC, temos alguns programas como, por exemplo, o Palco Giratório, que leva uma peça teatral do Amapá para a Bahia; da Bahia para o Rio Grande do Sul; do Rio Grande do Sul para o Mato Grosso... Fazemos um giro de maneira objetiva. Trata-se de um grande festival nacional que lota as salas de espetáculos. Temos de avançar. Até o final desta década teremos um PIB de pelo menos US$ 3 trilhões e certamente mais de 200 milhões de habitantes uma realidade que nos vai colocar entre as cinco ou seis principais nações. Copa do Mundo, Olimpíadas... tudo isso 26

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Antônio Eleilson Leite eleilsonleite@hotmail.com São Paulo, maio, 2014 Política cultural Nacional As três dimensões da cultura: simbólica, cidadã e econômica Fortalecimento

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS À MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS UM TRAJETO DE DISCUSSÃO QUE CHEGA A SUA ETAPA DECISIVA Foram seis anos de debate com os setores artísticos, acúmulo interno e gestão do atual modelo de fomento à cultura.

Leia mais

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM 4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM REGULAMENTO 1. Tipos de projetos beneficiados 2. Leis de incentivo à cultura 3. Categoria especial Acessibilidade 4. Cronograma do Edital 5. Valores de investimento 6. Inscrição

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL A Brookfield Incorporações é hoje uma das maiores incorporadoras do país. Resultado da integração de três reconhecidas empresas do mercado imobiliário Brascan Residential,

Leia mais

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS 1 I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. ESTADO: SANTA CATARINA 2. MUNCÍPIO: FLORIANÓPOLIS 3. ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 1 ATRAÇÃO DE RECURSOS ATRAÇÃO DE RECURSOS TRANSFORMAR DESPESA EM INVESTIMENTO A LEI DO ICMS ESTRUTURAÇÃO Superintendência específica Parceria SEFAZ

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

MANUAL DO PATROCINADOR

MANUAL DO PATROCINADOR MANUAL DO PATROCINADOR Neste manual você irá encontrar informações sobre os serviços que o trevo criativo oferece aos patrocinadores, além de informações sobre o funcionamento e benefícios das leis de

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Captação de Recursos Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Como Captar Recursos? Existem diversas maneiras das organizações conseguirem

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br. 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. Os anexos não serão aceitos por correio.

Leia mais

ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino

ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino Anselmo Serrat criou a Escola Picolino de Artes do Circo em 1985, em parceria com Verônica Tamaoki. Criada como uma escola de circo particular, a Escola

Leia mais

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo. Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de Experiência Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1 PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC Participação e controle social 2014 1 Apresentação Apresentamos a seguir nosso plano de metas para 2014, resultado de debates, reflexões de toda a equipe da Ouvidoria,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PRONAC N. 148285 APRESENTAÇÃO DO PROJETO Anjos da Noite Teatro (18 anos); apresenta o projeto Cadê a água!? com a montagem do Espetáculo Teatral Cadê a água!? e sua Circulação por 07 cidades de Santa

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Lárcio Benedetti. Consultor em patrocínio cultural

Lárcio Benedetti. Consultor em patrocínio cultural Consultor em patrocínio cultural A Lei Rouanet acostumou mal as empresas. Já vi muitas delas não investirem em cultura por não ter benefício fiscal. Como se uma coisa fosse sinônimo da outra. Formado em

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1 Introdução A Música e as artes quando praticada como atividade profissional, não é diferente de qualquer outra área de conhecimento. A formação de um músico

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social. [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09]

Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social. [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09] Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09] Apresentação O retrato social da cidade de São Paulo revela uma lógica contraditória: a cidade

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais

Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930. Realização: Promoção: Patrocínio:

Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930. Realização: Promoção: Patrocínio: Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930 Realização: Promoção: Patrocínio: Resumo Executivo Acreditamos que a cultura efetua uma transformação na vida das pessoas, no sentido de ampliar seu

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? FACULDADE: PÇL - NÚCLEO DE ARTE E TECNOLOGIA

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

EIXOS DA POLÍTICA PÚBLICA DO ESPORTE PARA JUVENTUDE

EIXOS DA POLÍTICA PÚBLICA DO ESPORTE PARA JUVENTUDE MINISTÉRIO DO ESPORTE EIXOS DA POLÍTICA PÚBLICA DO ESPORTE PARA JUVENTUDE APOLINÁRIO REBELO DANIELLE FERMIANO DOS SANTOS GRUNEICH Representantes do Ministério do Esporte no CONJUVE Marco no Governo Lula:

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

REGULAMENTO - 4º FESTIVAL DE CULTURA E ARTE DO GRANDE ABC

REGULAMENTO - 4º FESTIVAL DE CULTURA E ARTE DO GRANDE ABC REGULAMENTO - 4º FESTIVAL DE CULTURA E ARTE DO GRANDE ABC O 4º FESTIVAL DE CULTURA E ARTE DO GRANDE ABC têm como foco promover o intercâmbio cultural das mais variadas modalidades e linguagens artísticas

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

É Simples e Não Tem Custos

É Simples e Não Tem Custos INVESTIR EM CULTURA É Simples e Não Tem Custos TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA PATROCINAR PROJETOS NA LEI ROUANET 1 SUMÁRIO Direção Cultura 3 Investir em Cultura Antoine Kolokathis 4 Afinal, o que é

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO

PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO PROJETOS Serão aceitos projetos sob responsabilidade de organismos governamentais, não-governamentais e comunitários, legalmente constituídos

Leia mais

Descubra as novidades que preparamos para

Descubra as novidades que preparamos para Descubra as novidades que preparamos para 2012 A PRIMEIRA EDIÇÃO DO F E S T Z O O M FESTIVAL JOVEM D E C I N E M A, T V E N O V A S M Í D I A S F O I U M S U C E S S O! A 2a. edição do FestZoom - Festival

Leia mais

Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni

Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni Investimento cultural e o Sistema Jurídico Brasileiro Laura Fragomeni PANORAMA HISTÓRICO BRASILEIRO: Históricamente o Brasil viveu 20 (vinte) anos de regime militar. Neste período houve um grande esforço

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Novos talentos do clipe e da música

Novos talentos do clipe e da música Novos talentos do clipe e da música O que é? Objetivo: Realização do Festival de Clipes e Bandas, que premiará e revelará talentos da área musical e de videoclipes. Além disso, é objetivo do projeto criar

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais