PROGRAMAS SOCIAIS FEDERAIS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BOLSA FAMÍLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS SOCIAIS FEDERAIS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BOLSA FAMÍLIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMAS SOCIAIS FEDERAIS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA BOLSA FAMÍLIA João Pessoa /PB 2005 ALDACY DE PAIVA COSTA

2 POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS SOCIAIS FEDERAIS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA : BOLSA FAMÍLIA Monografia apresentada ao curso de especialização em Gestão Pública, promovido pela Universidade Estadual da Paraíba em convênio com o Governo do Estado da Paraíba, como requisito parcial para obtenção do Grau de Especialista em Gestão Pública. Orientadora : Profª Dra. Auri Donato da Costa Cunha João Pessoa//PB 2005

3 POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS SOCIAIS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA: BOLSA FAMÍLIA MONOGRAFIA APROVADA EM / / Profª Auri Donato da Costa Cunha Examinador Examinador João Pessoa/PB 2005

4 RESUMO O estudo em foco teve como objetivo analisar a atuação do Programa Bolsa Escola junto aos beneficiários no Centro de Cidadania IDALIA DA SILVA LIMA AZEVEDO na cidade de João Pessoa/PB, no conjunto dos Bancários. A pesquisa foi realizada com os beneficiários do referido programa. As entrevistas foram realizadas no Centro da Cidadania, centro este pertencente a Coordenadoria do Programa Bolsa Família em João Pessoa. Discorreu sobre a questão da distribuição de renda no Brasil; abordou sobre as políticas públicas de transferência de renda e apontou o grau de impacto na melhoria da qualidade de vida dos beneficiários do programa. Concluiu-se que o grau de impacto na melhoria da qualidade de vida das famílias do programa tem sido satisfatório. Os dados obtidos através da pesquisa de campo revelaram que muito embora 70% dos entrevistados tenham feito algumas críticas negativas em relação ao Programa, também reconhecem a relevância do mesmo. Constatou-se também, a importância do Programa para toda a sociedade envolvida no contexto onde estão inseridas as famílias contempladas. Palavras-chave: Políticas Públicas; Programas Sociais; Bolsa Família.

5 ABSTRACT The study in focus jun had as objective to analyze the performance of the Program Stock market School you to the beneficiaries in the Centro de Cidadania IDALIA DA SILVA LIMA AZEVEDO in the city of Pessoa/PB João, in the set of the Bank clerks. The research was carried through with the beneficiaries of the related program. The interviews had been made in the Center of the Citizenship, center this pertaining a Coordenadoria of the Bolsa-Família Program in João Pessoa. It discoursed on the question of the distribution of income in Brazil; it approached on the public politics of income transference and pointed the degree of impact in the improvement of the quality of life of the beneficiaries of the program. It concluded that the degree of impact in the improvement of the quality of life of the families of the program has been satisfactory. The data gotten through the field research had disclosed that much even so 70% of the interviewed ones have made some critical ones, also recognize the relevance of the Program. It was also evidenced, the importance of the Program for all the involved society in the context where the benefited families are inserted. Key-words: Políticas Public; Social Programs; Bolsa Família.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Considerações Metodológicas FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Renda: Breve Histórico A Distribuição de Renda no Brasil A Má Distribuição de Renda: Fatores Históricos POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCLUSÃO SOCIAL Do Fome Zero a Bolsa Família Planejamento Execução do Programa Bolsa Família ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE 78

7 1 INTRODUÇÃO O Programa Bolsa Família, do Governo Federal, é o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o de combater a fome e a miséria, e promover a emancipação das famílias mais pobres do país. Através do Programa o Governo Federal concede mensalmente benefícios em dinheiro para famílias em situação de exclusão social, com renda per capita de até R$ 100,00(cem reais), que associa à transferência do benefício financeiro o acesso aos direitos sociais básicos saúde, alimentação, educação e assistência social. O Bolsa Família criado pela Lei nº , de 9 de janeiro de 2004, unificou todos os benefícios sociais (Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio Gás) do governo federal num único programa. A medida visa dar mais agilidade na liberação do dinheiro a quem precisa, reduziu burocracias e criou mais facilidade no controle dos recursos, dando assim mais transparência ao programa. Os programas de transferência de renda, além de beneficiar as famílias pobres, estão aumentando o dinheiro em circulação nos municípios. Em comparação com as transferências constitucionais obrigatórias, como o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o Bolsa Família equivale a um adicional de repasse de 18,6% do FPM do conjunto dos municípios brasileiros. Ao se somar

8 com os demais programas, as transferências de renda do governo federal equivalem a 33,9% do FPM (Programa Fome Zero - O Bolsa Família está presente em municípios do País. Em setembro de 2004, o programa atendeu mais de 5 milhões de famílias, de acordo com os números do Ministério de Desenvolvimento e Combate a Fome (MDS). A meta prevista pelo governo é chegar a 8,7 milhões em 2005 e, em 2006, 11,2 milhões, ou seja, todas as famílias pobres, conforme dados do IBGE. Segundo os critérios do programa, as famílias com renda per capita mensal de até R$ 50,00 recebem um benefício básico de R$ 50,00 mais um valor variável de R$ 15,00 por filho de até 15 anos(bolsa Escola), gestantes e nutrizes, até o limite de R$ 45,00. O dinheiro é entregue mensalmente às famílias por meio de cartão magnético, através da Caixa Econômica Federal, órgão que operacionaliza o Programa. Implantado em outubro de 2003, dentro do conjunto de ações do Fome Zero, o Bolsa Família unificou os programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação e Auxilia Gás. O objetivo foi dar proteção integral a todo grupo familiar, além de reduzir custos operacionais. Com a mudança, o governo aumentou os recursos destinados a cada família e, ainda, o número de beneficiários. Está, também, integrando as políticas sociais. Após a unificação, o valor médio do benefício por família triplicou, passando de R$ 24,00 para R$ 73,00, em média. O Cadastro Único, principal ferramenta do Programa Bolsa Família visa assegurar a participação de todas as famílias pobres em políticas sociais bem

9 como melhorar o uso dos recursos públicos, principalmente porque evita sobreposição de programas. Principal programa de transferência de renda do Governo Federal, o Bolsa Família está presente em mais de 6,5 milhões de lares e a meta é chegar a todas as famílias que atendam aos critérios do programa até o fim de O Programa Bolsa Família vem com uma perspectiva de que é capaz de minimizar a pobreza no nosso pais, tendo como agravante a má distribuição de renda; como importante gerador de renda nos municípios; forte arma de combate a pobreza juntamente com a oferta de programas complementares que possibilitem a saída da condição de pobreza. Portanto, observando as condições de dificuldades enfrentadas pelo Governo Federal especificamente no processo de gestão do beneficio e apesar do trabalho das instâncias de governo que compõem da Rede Pública de Fiscalização do Bolsa Família, é de extrema importância que o programa seja acompanhado pela sociedade civil, além disso, se faz necessário uma pesquisa para avaliar os impactos do Bolsa Família, visando estimar o impacto do referido programa na economia dos municípios e mensurar sua importância na melhoria das condições de vida de seus beneficiários, a partir de um diagnóstico, utilizando como universo de pesquisa o município de João Pessoa, Paraíba. Considerando estas questões como relevantes, a pesquisa em foco teve por objetivo analisar aspectos do Programa, entre os quais partiu-se das seguintes hipóteses: o Programa Bolsa Família está contribuindo para melhorar a qualidade de vida das famílias beneficiadas, atingindo os objetivos do Programa Fome Zero,

10 programa este que visa reduzir o grau de miséria entre as famílias brasileiras, bem como vem cumprido o seu objetivo dentro das metas do Programa Bolsa Escola, no sentido de erradicar o índice de analfabetismo? 1.1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Analisar a contribuição o Programa Bolsa Família do Governo Federal na melhoria da qualidade de vida de seus usuários Objetivos Específicos: Analisar o grau de impacto dos programas de transferência de renda sobre a população beneficiária; Averiguar a eficiência das políticas públicas de transferência de renda e gestão do programa Bolsa Família; Identificar e analisar o grau de impacto na melhoria da qualidade de vida de seus beneficiários.

11 1.2 Considerações Metodológicas Caracterização do Estudo Toda e qualquer classificação de pesquisa se faz mediante algum critério. Assim, é usual a classificação de pesquisas com base em seus objetivos gerais, podendo ser classificadas em três grandes grupos: exploratória, descritiva e explicativa (LAKATOS, 2004). A pesquisa exploratória é vista como o primeiro passo de todo o trabalho científico. Este tipo de pesquisa tem por finalidade, especialmente quando se trata de pesquisa bibliográfica, proporcionar maiores informações sobre determinado assunto; facilitar a delimitação de uma temática de estudo; definir os objetivos ou formular as hipóteses de uma pesquisa ou, ainda, descobrir um novo enfoque para o estudo que se pretende realizar. Pode-se dizer que a pesquisa exploratória tem como objetivo principal o aprimoramento de idéias ou a descoberta de intuições. Na maioria dos casos, a pesquisa exploratória envolve: a) levantamento bibliográfico; b) entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; c) análise de exemplos que estimulem a compreensão do fato estudado. Através da pesquisa exploratória avalia-se a possibilidade de se desenvolver um estudo inédito e interessante, sobre uma determinada temática. Sendo assim, este tipo de pesquisa tem como objetivo proporcionar maior

12 familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito. De um modo geral, esta pesquisa constitui um estudo preliminar ou preparatório para outro tipo de pesquisa. Embora o planejamento da pesquisa exploratória seja bastante flexível, quase sempre ela assume a forma de pesquisa bibliográfica ou de estudo de caso. A pesquisa bibliográfica procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos. Pode ser realizada independentemente ou, também, como parte da pesquisa descritiva ou experimental, quando é feita com o intuito de recolher informações e conhecimentos prévios acerca de um problema para o qual se procura resposta ou acerca de uma hipótese que se quer experimentar. Em ambos os casos, busca-se conhecer e analisar as contribuições culturais ou científicas existentes sobre um determinado assunto, tema ou problema. A pesquisa bibliográfica abrange toda a bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico e meios de comunicação como rádio, gravações em fita magnética e audiovisuais (filmes e televisão) (LAKATOS, 2004). O estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira que permita a investigação de seu amplo e detalhado conhecimento. Por essa razão cabe lembrar que, embora este tipo de estudo se processe de forma relativamente simples, pode exigir do pesquisador nível de capacitação mais elevado que o requerido para outros tipos de delineamento, devido à dificuldade de generalização dos resultados obtidos,

13 quando a unidade escolhida para a investigação for bastante anormal em relação às muitas de sua espécie. Este estudo caracteriza-se por grande flexibilidade, sendo impossível estabelecer um roteiro rígido que determine com precisão como deverá ser desenvolvida a pesquisa. Porém, na maioria dos estudos de caso, é possível distinguir as seguintes fases: delimitação da unidade-caso; coleta de dados; análise e interpretação dos dados; e redação do relatório. A difusão deste tipo de estudo está ligada à prática psicoterapêutica, caracterizada pela reconstrução da história do indivíduo, bem como ao trabalho dos assistentes sociais junto a indivíduos, grupos e comunidades. Atualmente, o estudo de caso é adotado na investigação de fenômenos das mais diversas áreas do conhecimento. A pesquisa descritiva procura observar, registrar, analisar, classificar e interpretar os fatos ou fenômenos (variáveis), sem que o pesquisador interfira neles ou os manipule. Este tipo de pesquisa tem como objetivo fundamental a descrição das características de determinada população ou fenômeno. Ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis, isto é, aquelas que visam estudar as características de um grupo: sua distribuição por idade, sexo, procedência, nível de escolaridade, estado de saúde física e mental, e outros. Procura descobrir, com a precisão possível, a freqüência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com os outros, sua natureza e características. São inúmeros os estudos que podem ser classificados como pesquisa descritiva e uma de suas características mais significativas é a utilização de

14 técnicas padronizadas de coletas de dados, tais como o questionário e a observação sistemática, e instrumentos como a observação e o formulário. Algumas pesquisas descritivas vão além da simples identificação da existência de relações entre variáveis, objetivando determinar a natureza dessa relação aproximando-se, assim, da pesquisa explicativa. A pesquisa descritiva pode assumir diversas formas e, de um modo geral, assume a forma de um levantamento, sendo mais realizada por pesquisadores das áreas de ciências humanas e sociais, preocupados com a atuação prática. É também utilizada por instituições educacionais, partidos políticos, empresas, e outras organizações. A pesquisa explicativa, além de registrar, analisar e interpretar os fenômenos estudados, tem como preocupação primordial identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos, isto é, suas causas. Este é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da realidade, porque explica a razão e o porquê das coisas. O presente estudo caracteriza como descritivo e a investigação de cunho bibliográfico, documental e exploratória. Quanto aos meios de investigação é um estudo de caso, porque investiga um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto real, quando as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não são claramente evidentes, utilizando assim múltiplas fontes de evidências, como documentos e bibliografias (textos, artigos, relatórios entre outros) relacionados aos Programas de Transferência de Renda, e para uma melhor compreensão desse tema faz jus, até porque a literatura sobre políticas públicas não é muita vasta, um maior enfoque sobre a

15 distribuição de renda no Brasil. Adentrando, será abordado o assunto políticas públicas para transferência de renda, especificando o Programa Bolsa Família. Universo/amostra O estudo foi realizado no CENTRO DA CIDADANIA IDÁLIA DA SILVA LIMA AZEVEDO Bancários, na cidade de João Pessoa, onde foram entrevistadas famílias, as quais são beneficiadas com o referido programa, Centro este pertencente a Coordenadoria do Programa Bolsa Família, local onde é realizado o cadastramento e o recadastramento das famílias residentes naquelas imediações. Apenas a população que estava presente para fazer o recadastramento é que foi entrevistada, visto que já dispunha das informações para serem analisadas no presente trabalho. Assim o presente estudo foi desenvolvido com base em dados secundários e primários, no primeiro caso foram pesquisados livros, documentos, artigos, e revistas sobre o assunto especificamente. Quanto aos dados primários, a coleta foi realizada através da aplicação de questionários, em função da homogeneidade dos elementos, cerca de 2% do universo, contendo itens com perguntas fechados e abertas, objetivando uma maior precisão das informações, bem como fidelidade, da realidade a ser investigada, considerando as seguintes variáveis: renda, moradia, saúde, lazer, bens materiais entre outros. Instrumento da pesquisa

16 Foi utilizado como instrumento da pesquisa a entrevista semiestruturada e previamente elaborada, bem como formulário com questões aberta e fechadas, aplicado junto a população beneficiada com o Programa Bolsa Família do Governo Federal, conforme descrito no item universos da amostra. Análise dos dados A análise dos dados ocorreu a partir dos resultados obtidos através da aplicação dos formulários, instrumento direto de coleta de dados, para identificar os fatores que interferem no controle efetivo do Programa, além de estimar o impacto na economia dos municípios e mensurar sua importância na melhoria das condições de vida do grupo familiar. Os dados obtidos serão analisados com base em um enfoque no método quanti/qualitativo e apresentado em forma de tabela e discutido à luz da literatura pertinente.

17

18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Renda: Breve Histórico Para um melhor entendimento do tema relacionado as políticas públicas de transferência de renda, parte-se do princípio que se faz necessário conhecer o que significa renda. A renda, de acordo com Silva (1996), pode ser tomada no sentido amplo e no sentido restrito. Num sentido amplo, todas as categorias da repartição (renda, salários, juros, lucros e impostos), podem ser considerados como renda; daí os estudos da Renda Nacional que englobam todas as espécies do sistema econômico. Segundo Vasconcellos (1996, p. 92) a Renda Nacional : é agregado representativo do fluxo dos recursos nacionais em bens e serviços, gerados ao longo de um determinado período. Inclui salários, rendimentos de profissionais liberais, lucros privados e lucros obtidos por empresas públicas, juros, aluguéis e receitas provenientes de arrendamento. Antigamente, porém, a palavra renda era usada em sentido restrito. Tratava-se do pagamento ou remuneração que cabia ao proprietário do solo, no qual são encontrados os bens duráveis da natureza, tais como as quedas d água, as jazidas, os terrenos cultiváveis, as minas entre outros. Apesar de ser um dos capítulos mais antigos da humanidade, as questões que envolvem renda não perdeu a atualidade, pois até hoje o problema

19 continua o mesmo: saber como repartir entre todos de maneira satisfatória, o resultado da produção. A concentração da renda nas mãos de poucos é outro desafio para o governo, os economistas e cientistas sociais. A distribuição de renda nacional ou social, de acordo com SILVA (1996), é uma teoria que procura explicar, do ponto de vista da política socialdemocrática como o produto nacional é repartido entre os diversos agentes econômicos. Para um melhor entendimento do que se trata a repartição e sua origem, é necessário conhecer fatores que concorrem ou influem na produção, que são: Terra Trabalho Capital Com o desenvolvimento da sociedade, de modo geral, a produção passou a ser conseguida por meio de empresas (comerciais, industriais, agrícolas entre outros). Por ser de tamanha importância a inclusão da empresa na vida moderna, esta passou a ser considerada como um novo fator de produção, isto é, um quarto fator. Com a formação de muitas empresas de produção, surge outro fenômeno, que é o de repartição. De certa forma, as empresas devem ser consideradas como unidades encarregadas da repartição ou da distribuição de renda, assim como da produção. O que determina esta distribuição é, antes de mais nada, o montante de salários, o qual deduzido do produto, deixa como resíduo, nas mãos dos

20 capitalistas ativos ou empresários, o lucro bruto, ficando para eles a tarefa de dividir ou fazer a distribuição da renda com os subordinados. Dadas estas considerações, pode-se dar um outro conceito sobre repartição, sendo que este conceito se baseia na chamada repartição funcional da renda, que segundo Silva (1996, p. 81) é a repartição ou distribuição significa dividir entre os proprietários dos fatores de produção o resultado obtido com a venda dos bens e serviços. Quanto a essa questão, Troster (1996, p. 205) afirma que a distribuição funcional da renda refere-se à repartição da renda entre os fatores de produção, fundamentalmente o trabalho e o capital. A repartição encontra fundamento no direito de propriedade, que significa o direito de cada pessoa dispor livremente das coisas que lhe pertencem. Ao Estado cabe assegurar o direito de propriedade, dentro de sua função geral de atender ao bem coletivo. A influência do Estado no sistema econômico é tão preponderante que o mesmo passou a ser considerado parte integrante do sistema. O Estado para atingir seus fins, precisa do concurso de funcionários civis, militares, tem que adquirir bens e serviços entre outros, e, para manter sua ação, necessita de recursos que vai obter dos particulares, em forma de contribuições ou tributos (impostos e taxas). Estando ciente destes aspectos mencionados, pode-se concluir que a distribuição de renda em um país, dentre os diferentes agentes econômicos, é o resultado não só das rendas obtidas livremente por meio dos fatores produtivos,

21 mas também ela será condicionada pela ação do setor público por meio da política distributiva impostos e subsídios. Para se entender a repartição da renda é impossível não levar em consideração a atuação do Estado, uma vez que este é um dos únicos órgãos que possui o poder de intervir no sistema econômico, tendo a capacidade de diminuir as diferenças exageradas de renda, e para esta finalidade o Estado utiliza a política distributiva, que segundo Troster (1994, p. 206) é uma política que compreende um conjunto de medidas cujo objetivo principal é modificar a redistribuição da renda entre os indivíduos ou grupos sociais. Os instrumentos que dispõe a política de distribuição de renda são, fundamentalmente: Sistema Tributário ou Impostos instrumento quantitativamente mais relevante dentro da política distributiva. De acordo com Troster (1994, p. 206) os impostos são definidos como uma imposição do Estado a indivíduos, unidades familiares e empresas, para que paguem uma certa quantidade de dinheiro em relação a determinados atos econômicos, por exemplo, ao realizar o consumo de um bem, ao obter receitas pelo trabalho ou ao gerar lucros nas empresas. Os gastos com transferência de renda, entre os quais cabe ser destacados os que correspondem ao seguro-desemprego e os subsídios associados à política educacional, ainda segundo o autor (p. 208), as transferências são as provisões que se realizam sem a provisão correspondente de bens e serviços por parte do receptor. As transferências buscam garantir uma

22 base mínima do nível de vida para todos os indivíduos e dar igualdade primária na distribuição de renda. Assim, aquelas medidas que implicam intervenção direta no mecanismo de mercado essas medidas passam a atuar no processo de formação de receitas, isto é, sobre as forças da demanda e oferta de mão-de-obra e sobre outros fatores da produção tais como capital, a exemplo, a imposição de salários mínimos, a limitação dos dividendos e dos aluguéis e os controles sobre os preços geralmente de artigos de primeira necessidade. 2.2 A Distribuição de Renda no Brasil O Brasil historicamente tem apresentado um padrão de renda bastante desigual. Nos anos 90 o governo brasileiro buscou melhorar o padrão de renda através da estabilização da economia. De fato, após a implementação do Plano Real (1993/94), que foi muito bem sucedido em reduzir a taxa de inflação no país, o padrão de distribuição de renda melhorou de maneira consistente. A estabilização dos preços no Brasil foi muito importante na melhora da distribuição de renda porque o setor informal da economia, que é bastante significativo na economia brasileira, predominantemente composto de indivíduos com baixa renda não tinha como se proteger da perda do poder de compra. De acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice de Gini da renda dos chefes de famílias evoluiu de 0,6366 em 1991 para

23 0,6090 em 2000, indicando um clara melhora. Entretanto, o índice de Gini da renda familiar regrediu de 0,5698 em 1987 para 0,5813 em 1996, o que poderia sugerir uma piora no padrão da renda familiar. Este último dado porém considera todas as rendas além da renda do trabalho, que tendem a serem rendas subestimadas nos bancos de informações do IBGE. Uma análise de mais longo prazo revela que houve uma melhora no padrão de renda nos anos 90 comparado com o final da década de 80, mas não uma melhora em relação ao início desta mesma década. Todavia, considerando que a década de 90 reverteu o padrão de crescimento da desigualdade, iniciado na segunda metade dos anos oitenta, este resultado foi bastante relevante para a sociedade brasileira. Além disso, vale ressaltar que a melhora após o plano Real foi mais consistente do que a do início da década de 90, pois esta estava associada com recessão. Um aspecto importante da desigualdade de renda no Brasil está relacionado com a distribuição setorial de renda, ou seja, a participação de cada setor da economia no produto comercializado; com a divisão pessoal de renda, isto é, o grau de concentração de rendimentos entre os residentes deste país e com a desigualdade de renda regional, a região Sudeste é extremamente mais rica do que as demais macro regiões do país. Além disso, consideradas as distribuições de renda internas em cada região, verifica-se que Sul e Sudeste apresentam melhor padrão de distribuição de renda do que as demais regiões. Nos anos 90 houve uma melhora na desigualdade dentro das regiões, acompanhando a melhora geral do país, mas entre as regiões a desigualdade permaneceu inalterada. Sobre a distribuição interna de cada região pode-se dizer

24 que as regiões Norte e Nordeste continuaram a apresentar um padrão de desigualdade maior dos que as demais regiões. Há concentração de renda na região Sudeste e melhor evidenciada ao comparamos estes dados com a divisão territorial ou com a repartição da população por região. O Sudeste tem pouco mais de 42% da população brasileira, mas responde por quase 60% da renda nacional; já o Nordeste tem pouco menos de 30% da população e menos de 15% da renda nacional, o que faz com que o rendimento médio da região Sudeste seja praticamente o triplo do rendimento médio da região Nordeste. Nota-se também, que há um ligeiro processo de modificação da participação regional na renda, com o crescimento das regiões Norte e Centro-Oeste, com queda para a região Sudeste, devido à evolução da fronteira agrícola e ao desenvolvimento subseqüente que ela acarreta. A forte concentração regional, porém, ainda se faz presente. O Sudeste responde por praticamente 60% da renda nacional, enquanto o Norte e o Centro-Oeste somadas são responsáveis por apenas 10% desta renda. Outra mudança ocorrida no Brasil nos anos 90 foi a distribuição da renda do trabalho das mulheres, de acordo com o IBGE a média de salários aumentou de 28,7% em termos reais entre 1989 e A média de salários dos homens, entretanto, diminuiu de 14,7% no mesmo período, resultado que pode estar relacionado com aumento de concorrência devido a entrada das mulheres no mercado de trabalho. Estes resultados e a considerável estabilidade de preços desde 1994 têm sugerido novas discussões e estudos sobre políticas para continuação do processo de melhora do padrão de distribuição de renda no país, pois o grau de

25 desigualdade social, na atualidade é ainda alarmante. Outra motivação tem sido ao conseqüente aumento de outros problemas sociais, tais como o da criminalidade e da violência urbana, especialmente nas grandes metrópoles. As pesquisa realizadas, no contexto atual, aponta, sobretudo, a importância da educação para reduzir a desigualdade de renda, compreendendo desde trabalhos baseados na teoria do capital humano até aqueles, mais ligados à classe política, que sugerem simplesmente transferências de renda para família com filhos em idade escolar. A alta concentração de renda da economia brasileira também pode ser observada quando seus números são comparados com os do resto do mundo. O Brasil disputa a liderança da pior distribuição de renda com Honduras, Guatemala e Guiné-Bissau. Mesmo países de baixo desenvolvimento econômico, como a Etiópia ou Uganda, tem distribuição de renda muito melhor que a brasileira. Nos países desenvolvidos, em média, os 20% mais ricos tem uma renda que é oito ou dez vezes superior que àquela dos 20% mais pobres, enquanto no Brasil essa diferença é de 25 vezes maior. Utilizando o índice ajustado pela ONU, o Brasil cai ainda mais no ranking e passa a ser o 70º, sendo considerado o país de pior distribuição pessoal de renda do mundo.

26 2.3 A Má Distribuição de Renda no Brasil: Fatores Históricos A má distribuição de renda no Brasil busca explicações na sua história. Por um lado, tem-se o período colonial, no qual as terras foram distribuídas em grandes latifúndios, aos quais poucos tiveram acesso, e isto não foi reformulado depois da Independência ou da Proclamação da República. Por outro lado, o processo de industrialização por substituição de importação adotou tecnologias que utilizavam intensivamente o fator capital em vez de mão-de-obra, isto num país onde a intensidade dessa mesma mão-de-obra foi inferior àquela dos detentores do capital. Sobre o processo industrialização, Mello (1986) acrescenta que desenvolvimento industrial brasileiro pode ser caracterizado como um processo retardatário de expansão do capitalismo, querendo indicar, com isso, tanto o momento histórico mais geral do qual o país partiu rumo à industrialização, quanto a base material interna que definiria o potencial de superação de certas etapas necessárias ao longo do tempo. De acordo com esta visão, as especificidades da industrialização retardatária podem ser acompanhadas a partir de um esquema endógeno de investigação para o processo de acumulação de capital que se põe em curso a partir da década de Sua natureza estava localizada em dois vetores: a) o ponto de partida da industrialização brasileira, que residia no fato de a economia nacional estar assentada, no século XIX, sobre uma atividade produtiva de

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza?

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza? Transferências de renda no Brasil O Fim da Pobreza? PET - Economia - UnB 20 de novembro de 2013 Outline A Autora 1 A Autora Sonia Rocha 2 Renda Mensal Vitaĺıcia (RMV) Bolsa Escola 3 Fome Zero O Novo Programa

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA O que é É o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média Perguntas e Respostas sobre a Definição da 1 Sumário Afinal, o que é classe média?... 3 Por que a SAE/PR propôs uma definição de classe média?... 3 Para que serve uma definição de classe média?... 3 O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Atendência de forte ex

Atendência de forte ex ARTIGO Estudo traça o novo perfil do desemprego no Brasil A abertura comercial sem critérios, aliada ao contexto competitivo interno de altas taxas de juros e ausência de financiamento de médio e longo

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados análise, a seguir, tem como objetivo apresentar a organização, o A perfil e o dimensionamento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, no Brasil, enfocando os principais

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Juliana Petroceli - Assessora Técnica Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

A globalização e as desigualdades: quais as evidências?

A globalização e as desigualdades: quais as evidências? A globalização e as desigualdades: quais as evidências? Paulo Roberto de Almeida (pralmeida@mac.com; www.pralmeida.org) in: capítulo 8 de: A Grande Mudança: conseqüências econômicas da transição política

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL

REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL Sumário Executivo Elaborado por José Márcio Camargo Denise de Pasqual Ernesto Moreira Guedes Filho Maio/

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO Painelistas: Prof. Dr. Benjamin Alvino de Mesquita (Brasil) Prof. Dr. Adriano Sarquis Bezerra de Menezes (Brasil) Prof. Dr. Jair do

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA.

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. 229 DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. Lucas Paduan Folchito Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel lucaspaduan@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 Rosycler Cristina Santos Simão 1 Sandro Eduardo Monsueto 2 Resumo Este artigo tem por objetivo fazer uma breve descrição da distribuição de renda

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Uma Política Industrial para o Brasil

Uma Política Industrial para o Brasil Uma Política Industrial para o Brasil 11 Os marcos históricos do desenvolvimento industrial brasileiro são o ponto de partida para reflexões sobre os desafios enfrentados pela indústria brasileira nos

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

A Economia Angolana nos Últimos Anos

A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia cresceu : Saiu de uma base pequena para uma base muito maior. Deixou os tempos de grandes taxas de crescimento, mas instáveis, para taxas médias mais sustentáveis.

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 DO MARKETING DO PRODUTO À ENGENHARIA DO PRODUTO - A MUDANÇA DE FOCO NECESSÁRIA PARA ATUAÇÃO NOS SEGMENTOS ECONÔMICOS DO MERCADO

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE Francieli Martins Batista Licenciada em Ciências Sociais/UEM Resumo: O presente texto traz apontamentos a cerca da formação capitalista brasileira

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Educação e Políticas Sociais no Brasil

Educação e Políticas Sociais no Brasil lucianapsico@yahoo.com.br Educação e Políticas Sociais no Brasil Este trabalho apresenta resultados parciais de uma dissertação de mestrado que vem sendo desenvolvida no Programa de Pós Graduação da Faculdade

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais