Relatório mensal. maio. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café.

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório mensal. maio. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café."

Transcrição

1 Relatório mensal maio 2016 Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café

2 Resumo das exportações 3 Resumo das exportações de café - maio 2016 Brasil atinge 2,4 milhões de sacas de café exportadas em maio Safra se aproxima do fim Segundo o mais recente levantamento do Cecafé Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, em maio, penúltimo mês do ano safra , o Brasil exportou sacas de café produzido nacionalmente, o equivalente a mais de R$ 352 milhões em receita. Vale lembrar que os embarques de café arábica no ano-safra (jul/2015 mai/2016) foi o maior dos últimos cinco anos, passando das 27,4 milhões de sacas. O acumulado dos últimos 12 meses supera as 35 milhões de sacas. O desempenho de maio foi muito próximo ao do mês anterior, com volume estável de embarques e o Brasil teve êxito em atender os diversos mercados com qualidade. Por esse motivo, consideramos que tivemos uma boa performance, afirma Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé. Temos à frente apenas mais um mês de entressafra e então poderemos fazer a avaliação da safra como um todo, lembra Nelson. Outro destaque do relatório é o contínuo aumento da participação dos mercados emergentes entre janeiro e maio, que consumiram 5% a mais de café produzido no Brasil (mais de 2,1 milhões de sacas). Os países que também são produtores de café, por sua vez, tiveram um aumento de 11% (mais de 520 mil sacas) na compra de café brasileiro, ambos em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação aos principais destinos, houve crescimento dos embarques para o Japão (6,5%, mais de 1,1 milhão de sacas) e Federação Russa (18,8%, mais de 358 mil sacas), no acumulado do ano civil. Considerando-se a qualidade, no atual ano-safra, que se encerra em junho, o café representa, atualmente, 83,4% das exportações; o Robusta, 6,7%; solúveis, 9,8%; e Torrado & Moído, 0,1%. Preços Em maio, o preço médio da saca ficou em US$ 145,97, chegando à média de US$ 146,92 no ano civil.

3 4 Resumo das exportações Portos O Porto de Santos segue como a principal via de escoamento da safra para exportação de café do Brasil, com 84,4% das sacas passando por ali. Vale destacar também que o Porto do Rio de Janeiro teve um salto de 42% dos embarques no acumulado de 2016 (de janeiro a maio) em relação ao mesmo período do ano anterior. De janeiro a maio de 2016, o Brasil exportou para 114 países O relatório completo está disponível no site do CeCafé: SOBRE O CECAFÉ Fundado em 1999, o Cecafé Conselho dos Exportadores de Café do Brasil representa e promove ativamente o desenvolvimento do setor exportador de café no âmbito nacional e internacional. A entidade oferece suporte às operações do segmento por meio de mapeamento da sustentabilidade da cadeia cafeeira, intercâmbio de inteligência de dados, ações estratégicas e jurídicas, além de projetos de cidadania e responsabilidade social. Atualmente, possui 139 associados, entre exportadores de café, produtores, associações e cooperativas no Brasil, correspondendo a 94% dos agentes desse mercado no país. CONTATOS PARA IMPRENSA CDN Comunicação Rodrigo Ferrari (11) Rodrigo Garutti (11) EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - MENSAL Período: maio Sacas 60 Kg / US$ FOB Mil volume em sacas de 60 Kg Mês Robusta Café Verde Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado Exportações Totais de Café (sacas 60Kg) Receita Cambial US$ FOB Mil Preço Médio (US$ / saca) mai ,23 mai ,21 mai ,08 mai ,02 mai ,97 Var. % 2016 x ,7% -4,8% -17,1% -2,3% -19,7% -19,6% -17,4% -27,3% -12,1% Relatório mensal maio 2016

4 5 Resumo das exportações 1.2. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - MENSAL Período: 12 meses (junho/2015 a maio/2016) Sacas 60 Kg / US$ FOB Mil Mês Robusta Café Verde volume em sacas de 60 Kg Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado Exportações Totais de Café (sacas 60Kg) Receita Cambial US$ FOB Mil Preço Médio (US$ / saca) jun ,48 jul ,19 ago ,20 set ,52 out ,41 nov ,30 dez ,56 jan ,01 fev ,86 mar ,10 abr ,50 mai ,97 TOTAL PERÍODO ,44 US$ FOB / saca Total Mil sacas 60Kg 250 Conillon jun-15 jul-15 ago-15 set-15 out-15 nov-15 dez-15 jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 0 Relatório mensal maio 2016

5 Resumo das exportações EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - ANO CIVIL Período: janeiro/2016 a maio/2016 Sacas 60 Kg / US$ FOB Mil Período (jan/mai) Robusta Café Verde volume em sacas de 60 Kg Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado Exportações Totais de Café (sacas 60Kg) Receita Cambial US$ FOB Mil Preço Médio (US$ / saca) , , , , ,92 Var. % 2016 x ,5% 1,4% -10,1% -1,2% -0,4% -0,4% -9,2% -26,5% -19,0% Torrado & Moído 0,1% Robusta 2,4% 10,3% PARTICIPAÇÃO % POR QUALIDADE NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ 87,2% 1.4. EVOLUÇÃO DO VOLUME E RECEITA CAMBIAL DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - ANO CIVIL Período: janeiro a dezembro (acumulado) Mil Sacas 60 Kg / US$ FOB bi Mil sacas 60Kg , US$ Bilhões ,40 5,22 6,60 6, Mil sacas 60Kg Receita Cambial US$ bi

6 7 Resumo das exportações 1.5. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - ANO-SAFRA Período: julho a junho Sacas 60 Kg / US$ FOB Mil Período Robusta Café Verde volume em sacas de 60 Kg Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado Exportações Totais de Café (sacas 60Kg) Receita Cambial US$ FOB Mil Preço Médio (US$ / saca) jul-11 a mai ,96 jul-12 a mai ,44 jul-13 a mai ,87 jul-14 a mai ,69 jul-15 a mai ,54 Var. % 15/16 x 14/15-46,4% 3,2% -3,4% 2,6% 1,6% 1,6% -3,0% -22,5% -20,1% Torrado & Moído 0,1% Robusta 6,7% 9,8% PARTICIPAÇÃO % POR QUALIDADE NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ - ANO-SAFRA 83,4% Relatório mensal maio 2016

7 Resumo das exportações EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉS DIFERENCIADOS Período: janeiro a maio Sacas 60 Kg / US$ FOB Mil Tipo Café / Qualidade Volume Participação (%) no volume total da exportação Receita Cambial US$ FOB Mil Participação (%) no valor total da exportação Preço Médio (US$ / saca) Variação de Preço dos Cafés Diferenciados TOTAL GERAL EXPORTAÇÕES ,0% ,25 100,0% 146,92 Industrializado ( e T&M) ,3% ,29 10,5% 149,64 Verde ,7% ,5% 146,60 Ágio Média Naturais Ágio Média Café Verde Diferenciados ,4% ,2% 188,86 40,7% 28,8% Naturais / Médios ,3% ,3% 134,19 s ,2% ,7% 147,70 Ágio Naturais Ágio Média s Diferenciados ,8% ,52 25,7% 190,41 40,9% 28,9% s Naturais ,4% ,75 62,0% 135,14 Robustas ,4% ,8% 106,87 Ágio Médios Ágio Média Robusta Robustas Diferenciados ,5% ,75 0,5% 131,02 31,0% 22,6% Robustas Médios ,9% ,94 1,3% 100,02 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉS DIFERENCIADOS (JAN/MAI) Sacas 60Kg / Part.(%) E.U.A. 19% JAPAO 15% ITALIA 12% ALEMANHA BELGICA REINO UNIDO ESPANHA AUSTRALIA 3% 3% 3% 12% 10% Os 10 maiores países importadores de cafés diferenciados representam 82,0% dos embarques com diferenciação SUECIA 2% CANADA 2%

8 9 Resumo das exportações 1.7. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ POR CONTINENTE, GRUPO E BLOCO ECONÔMICO Período: janeiro a maio Sacas 60 Kg / US$ FOB mi jan-16 a mai-16 jan-15 a mai-15 Continente/Grupo/ Bloco Econômico Volume Receita Cambial US$ FOB mi Participação (%) Variação (%) em comparação ao mesmo período de 2015 Volume Receita Cambial US$ FOB mi Participação (%) Europa ,3 54% -10% ,0 55% América do Norte ,0 22% -17% ,2 24% Ásia ,2 18% 2% ,8 16% América do Sul ,5 3% -2% ,0 3% África ,5 1% -22% ,3 1% Oceania ,8 1% 18% ,1 1% América Central ,1 1% 83% ,0 0% União Européia ,1 50% -12% ,2 51% TPP (Trans-Pacific Partnership) ,7 33% -10% ,5 33% Oriente Médio ,5 5% -2% ,5 5% Leste Europeu ,6 4% 12% ,9 4% Países Árabes ,1 4% -13% ,6 4% BRICS ,9 3% 6% ,3 2% Mercosul ,0 2% -10% ,2 2% Países Importadores ,2 96,2% -10% ,0 97% Mercados Tradicionais ,9 80,2% -12% ,9 83% Mercados Emergentes ,3 16,0% 5% ,1 14% Países Produtores ,2 3,8% 11% ,4 3% 1.8. PERFIL DO CONSUMO MUNDIAL DE CAFÉ Período: 2012 a 2015 Milhões 200 Consumidores Produtores ,3 148,0 150,3 152, ,9 102,6 103,8 104,9 11, ,4 45, ,25 46,5 47, FONTE OIC Relatório mensal maio 2016

9 Resumo das exportações EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ PARA OS PRINCIPAIS DESTINOS Período: janeiro a maio Sacas 60 Kg País de Destino jan-16 a mai-16 jan-15 a mai-15 Variação (%) Alemanha ,89% E.U.A ,30% Italia ,11% Japao ,55% Outros 28% Alemanha 19% Belgica ,22% Russian Federation ,80% Suécia 2% Turquia ,67% Canadá 2% E.U.A. 18% Franca ,64% Canada ,08% Suecia ,96% Sub-total ,74% França 2% Turquia 2% Russian Federation 3% Bélgica 7% Japão 8% Itália 9% Outros ,39% TOTAL GERAL ,21% EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ POR UNIDADES DE DESPACHO E EMBARQUE Período: janeiro a maio Sacas 60 Kg jan-16 a mai-16 jan-15 a mai -15 Unidade Despacho Unidade Embarque Unidade Despacho Unidade Embarque Unidades da Receita Federal volume Part.(%) volume Part.(%) volume Part.(%) volume Part.(%) SANTOS , , , ,0 RIO DE JANEIRO , , , ,6 RIO DE JANEIRO , , , ,5 SEPETIBA , , , ,1 PARANAGUÁ , , , ,5 VITORIA , , , ,2 REDEX GUAXUPÉ/JAPY , ,9 - - REDEX POÇOS DE CALDAS , ,2 - - EADI VARGINHA - 0, ,0 - - SALVADOR , , , ,8 RODOVIÁRIO , , , ,8 OUTROS , , , ,0 TOTAL , , , ,0

10 17 Séries Estatísticas Séries Estatísticas 6.1. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS POR DESTINOS Período: 2011 a 2015 Sacas 60 Kg TOTAL EXPORTAÇÕES E.U.A ALEMANHA ITALIA JAPAO BELGICA REINO UNIDO TURQUIA RUSSIAN FEDERATION CANADA FRANCA ESPANHA MEXICO ARGENTINA SUECIA ESLOVENIA FINLANDIA HOLANDA (PAISES BAIXOS) COREIA DO SUL (REPUBL.) LIBANO GRECIA SIRIA VENEZUELA AUSTRALIA NORUEGA INDONESIA CHILE UCRANIA TUNISIA MALASIA POLONIA JORDANIA MONTENEGRO ARABIA SAUDITA Relatório mensal maio 2016

11 Séries Estatísticas TOTAL EXPORTAÇÕES PORTUGAL EMIR.ARABES UNIDOS TAIWAN ISRAEL DINAMARCA CINGAPURA MYANMAR (BIRMANIA) ROMENIA BULGARIA CUBA HUNGRIA CHINA ARGELIA URUGUAI EGITO EQUADOR CROACIA SERVIA NOVA ZELANDIA AFRICA DO SUL COLOMBIA PERU PARAGUAI BOLIVIA DJIBUTI LETONIA (LATVIA) VIETNAM NICARAGUA ESTONIA AUSTRIA TRINIDADE-e-TOBAGO LITUANIA LIBIA IRLANDA INDIA EL SALVADOR CHIPRE NIGERIA MARROCOS OMAN GEORGIA REP. DOMINICANA HONG KONG QATAR KUWEIT MALTA

12 19 Séries Estatísticas TOTAL EXPORTAÇÕES SUICA ANGOLA PAQUISTAO REPUBL. TCHECA GUATEMALA CABO VERDE QUENIA SUDAO BAREIN SURINAME GANA ISLANDIA ALBANIA UZBEQUISTAO ARMENIA AFEGANISTAO IRAQUE BENIN SARAWAK JAMAICA SENEGAL MADAGASCAR MAURICIO GABAO ESLOVAQUIA FILIPINAS MACAU NAMIBIA CONGO, REP. DEMOCRATICA DO DUBAI CONGO, REPUBLICA DO COSTA DO MARFIM GUINE GUIANA COREIA DO NORTE (R.D.POPULAR) ABU DHABI IRAN GUADALUPE TAITI CAMAROES BOTSUANA COSTA RICA COMORES IEMEM, REPUBLICA TAILANDIA Relatório mensal maio 2016

13 Séries Estatísticas TOTAL EXPORTAÇÕES FIJI ZIMBABUE ZAMBIA BANGLADESH GUINE EQUATORIAL TANZÂNIA SAMOA SEYCHELLES SRI LANKA TURCOMENISTAO AZERBAIDJAO GIBRALTAR SUAZILANDIA ARUBA MAURITANIA DOMINICA POLINESIA FRANCESA TOGO GUIANA FRANCESA HONDURAS PORTO RICO BURUNDI TADJIQUISTAO UGANDA MOÇAMBIQUE RUANDA ANTILHAS HOLANDESAS BAHAMAS CAZAQUISTAO GAMBIA PANAMA LIBERIA

Relatório Mensal MARÇO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal MARÇO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal MARÇO/2016 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Exportações de café brasileiro crescem 2,5% em março Bom nível de estoques foi o fator que puxou crescimento As exportações

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

Relatório Mensal FEVEREIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal FEVEREIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal FEVEREIRO/2016 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Brasil mantém média de 2,8 milhões de sacas de café em fevereiro Acumulado dos últimos doze meses soma 36,7 milhões

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim VISTOS CONSULARES - Você vai para o exterior? Uma das primeiras providências a ser tomada é procurar saber se o país de seu destino exige visto no passaporte junto à embaixada ou ao consulado para permitir

Leia mais

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ JULHO

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ JULHO RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ JULHO 2015 WWW.CECAFE.COM.BR qualidade Exportações Brasileiras de Café - Mensal Período: julho Sacas / US$ FOB Mil volume em sacas de Robusta Café Verde Arábica Verde

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Relatório Mensal JANEIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal JANEIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal JANEIRO/2016 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Brasil mantém seu share nas exportações de café alcançando a média de 36,5 milhões de sacas em 12 meses Destaque no

Leia mais

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ AGOSTO

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ AGOSTO RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ AGOSTO 2015 WWW.CECAFE.COM.BR Brasileiras de Café - Mensal Período: agosto volume em sacas de Café Verde Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado

Leia mais

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ NOVEMBRO

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ NOVEMBRO RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ NOVEMBRO 2014 WWW.CECAFE.COM.BR Brasileiras de Café - Mensal Período: novembro Sacas / volume em sacas de Café Verde Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JUNHO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ DEZEMBRO

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ DEZEMBRO RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ DEZEMBRO 2014 WWW.CECAFE.COM.BR Brasileiras de Café - Mensal Período: dezembro volume em sacas de Café Verde Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO / 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES DEZEMBRO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES NOVEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ MARÇO

RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ MARÇO RESUMO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CAFÉ MARÇO 2015 WWW.CECAFE.COM.BR Brasileiras de Café - Mensal Período: março Sacas / volume em sacas de Café Verde Verde Torrado & Moído Café Industrializado Industrializado

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2018 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES SETEMBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MAIO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES OUTUBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA ANEXO DA DECISÃO PL-1877/2015 Diárias Nacionais do Confea Tabela de Equivalência com o Anexo I, Decreto 5992/06 Classificação do Cargo / Emprego/ Função Norma Legal aplicável (Decreto 5992/2006) 1) Presidente

Leia mais

Relatório mensal. setembro. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café.

Relatório mensal. setembro. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café. Relatório mensal setembro 2016 Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café www.cecafe.com.br 2 Conselho dos Exportadores de Café do Brasil Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ SETEMBRO 2016

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES ABRIL / 2016 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS ABRIL 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 05/09/2009) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 05/09/2009) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ Brasileiras de Café Página 1 1.QUALIDADE EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ DEZEMBRO/2012 Robusta Arábica Total Verde Total Receita US$ Mil dez-08 154.229 2.841.470 2.995.699 926 250.586 251.512 3.247.211

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS MARÇO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES PRINCIPAIS PAÍSES DE DESTINO DA EXPORTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA - 2005 2005 Estados Unidos 421.693.481 25,29 México 124.421.946 7,46 Argentina 73.091.226 4,38 Federação da Rússia 59.379.834 3,56

Leia mais

Prevalência global de excesso de peso e obesidade de adultos por Região

Prevalência global de excesso de peso e obesidade de adultos por Região Prevência glob de excesso de peso e obesidade de adultos por Região Nacion/Region Região europeia Albânia 2008-9 Nacion 10302 15-49 44.8 8.5 29.6 9.7 DHS Arménia 2005 Nacion 6016 15-49 26.9 15.5 DHS Áustria

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ Exportações Brasileiras de Café Página 1 1.QUALIDADE Café Verde Robusta Arábica Total Verde EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ Volume (sacas 60 Kg) Total DEZEMBRO/2013 Exportações Totais de Café (sacas 60Kg)

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ

EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ Brasileiras de Café Página 1 1.QUALIDADE DEZEMBRO 2011 EXPORTAÇÕES EXPORTACÕES DE CAFÉ DEZEMBRO/2011 Robusta Arábica Total Verde Total Receita US$ Mil dez-07 50.710 2.017.089 2.067.799 7.714 282.828 290.542

Leia mais

Relatório mensal. março. Exportações Brasileiras

Relatório mensal. março. Exportações Brasileiras Relatório mensal março 2018 Exportações Brasileiras Conselho dos Exportadores de Café do Brasil 2 Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ MARÇO 2018 1.1. Exportações Brasileiras de Café - Mensal...

Leia mais

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas)

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas) País/Acondicionamento Carrega Descarrega Total Geral Alemanha 28.679.316 13.003.023 41.682.339 Carga geral fraccionada 6.145.879 6.145.879 Granel sólido 12.024.535 3.440.000 15.464.535 Roll on/off (c/propulsor)

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 04/05/2018) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 04/05/2018) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 29/06/2017) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 29/06/2017) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 25/05/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 25/05/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

TABELA - Destinos das exportações brasileiras de Laranja em NCM 8 dígitos: Sucos de laranjas, congelados, não fermentados

TABELA - Destinos das exportações brasileiras de Laranja em NCM 8 dígitos: Sucos de laranjas, congelados, não fermentados País Via de Volume Valor Preço Médio Transporte Bélgica Marítima 141.569.475 235.767.952 1.665,39 Estados Unidos Marítima 93.624.168 162.298.316 1.733,51 Países Baixos (Holanda) Marítima 78.144.511 139.108.254

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU África do Sul 1 Alemanha 1 Angola 1 Arábia Saudita 1 Argélia 1 Argentina 1 Bangladesh 1 Brasil 1 Camboja 1 Canadá 1 Cazaquistão 1 China 1 Congo 1 Coreia do Norte 1 Coreia

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC INDICADORES ECONÔMICOS Regiões Selecionadas: África, América Latina

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de A Diretoria da Fundação Professor Valle Ferreira, no uso de suas atribuições, resolve: CAPÍTULO I

RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de A Diretoria da Fundação Professor Valle Ferreira, no uso de suas atribuições, resolve: CAPÍTULO I RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a concessão, pela Fundação Professor Valle Ferreira, de apoio financeiro para a realização de eventos de ensino, pesquisa e extensão na Faculdade

Leia mais

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE DADOS DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE COURO MALAS Mercadoria: 42021100 - MALAS,MALETAS E PASTAS,DE COURO NATURAL/RECONST/ENVERN. 2005 2006 2007 País Kg US$ US$/Kg Part. Kg US$ US$/Kg Part.

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Em atendimento às Portarias CAPES n 156 de 28 de novembro de 2014 e n 132 de 18 de agosto de 2016, que

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS Prezado Professor, Bem-vindo ao Programa de Fomento à Pesquisa da FMP/FASE. Ele foi desenvolvido para estimular os docentes que desenvolvem investigação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007.

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007. ICC 119-3 6 março 2017 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 119. a sessão 13 17 março 2017 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 3 de março de 2017 Antecedentes

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO 2019 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

Esquemas. & diagramas caderno 17

Esquemas. & diagramas caderno 17 Esquemas & diagramas caderno 17 Tipos de fichas e tomadas Diversos tipos de formatos de fichas e tomadas que existem no mundo Actualmente, existem no mundo 14 tipos diferentes de fichas e tomadas de corrente.

Leia mais

Tabela Matrix SIP final

Tabela Matrix SIP final Países Valores em R$ Afeganistão 2,9131 África Do Sul 0,5163 África Do Sul-Móvel 1,6446 Aguila 1,0989 Alasca 0,1254 Albania 0,9588 Albania-Móvel 1,0104 Alemanha 0,1475 Alemanha-Móvel 1,7553 Andorra 0,3688

Leia mais

Tabela Matrix SIP para MSO

Tabela Matrix SIP para MSO Países Valores em R$ Afeganistão 1,9750 África Do Sul 0,3500 África Do Sul-Móvel 1,1150 Aguila 0,7450 Alasca 0,0850 Albania 0,6500 Albania-Móvel 0,6850 Alemanha 0,1000 Alemanha-Móvel 1,1900 Andorra 0,2500

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11,75% 13,00% 13,75% 12,75% 11,25% 10,25% 8,75% 9,50% 10,25% 10,75% 11,25% 12,50% 11,00% 10,50% 9,75% 9,00% 8,50% 8,00% 7,25% 8,00% 8,50% 9,00%

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA

Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA PAÍS/ACONDICIONAMENTO CARREGA DESCARREGA TOTAL ALEMANHA 40.621 46.091 86.712 Contentores 15.433 142 15.575 Granel líquido 0 5.135 5.135 Granel sólido 0 28.765 28.765 Roll on/off (c/propulsor) 25.187 12.050

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, SÉRIES ESTATÍSTICAS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, SÉRIES ESTATÍSTICAS PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, 1990-2008 SÉRIES ESTATÍSTICAS FICHA TÉCNICA Título Produção Científica Portuguesa, 1990-2008: Séries Estatísticas Autor Direcção de Serviços de Informação Estatística em

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 22/10/12 22/11/12 22/12/12 22/01/13 22/02/13 22/03/13 22/04/13 22/05/13 22/06/13 22/07/13 22/08/13 22/09/13 22/10/13 22/11/13 22/12/13 22/01/14 22/02/14 22/03/14 22/04/14

Leia mais

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO 2017 A Transparência Internacional é um movimento global com uma visão: um mundo em que governos, empresas, sociedade civil e a vida cotidiana das pessoas sejam livres

Leia mais

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU BENEFICIÁRIOS DO PROAP

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU BENEFICIÁRIOS DO PROAP MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU BENEFICIÁRIOS DO PROAP Em atendimento às Portarias CAPES n 156 de 28 de novembro de 2014, que aprova

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Em atendimento às Portarias CAPES n 156 de 28 de novembro de 2014 e n 132 de 18 de agosto de 2016, que aprova o regulamento

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Relatório mensal. outubro. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café.

Relatório mensal. outubro. Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café. Relatório mensal outubro 2016 Exportações Brasileiras e Consumo Externo de Café www.cecafe.com.br 2 Conselho dos Exportadores de Café do Brasil Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ OUTUBRO 2016 1.1.

Leia mais

ICC setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109. a sessão setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109. a sessão setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 7 18 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109. a sessão 25 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 17 de setembro

Leia mais

DIRETRIZES PARA CONCESSÃO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS PARA DISCENTES E DOCENTES DO PPGEF

DIRETRIZES PARA CONCESSÃO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS PARA DISCENTES E DOCENTES DO PPGEF DIRETRIZES PARA CONCESSÃO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS PARA DISCENTES E DOCENTES DO PPGEF 1. Das normas gerais 1.1. Cada discente regularmente matriculado no PPGEF poderá ter atendida anualmente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

Relatório mensal. novembro. Exportações Brasileiras

Relatório mensal. novembro. Exportações Brasileiras Relatório mensal novembro 2017 Exportações Brasileiras 2 Conselho dos Exportadores de Café do Brasil Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ NOVEMBRO 2017 1.1. Exportações Brasileiras de Café - Mensal...

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO 2017 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

Fixo-Fixo Fixo-Fixo. Chamada para: LOCAL Completamento Local 0, ,00000

Fixo-Fixo Fixo-Fixo. Chamada para: LOCAL Completamento Local 0, ,00000 Nº SISCOM -01 TARIFAS PRATICADAS Fixo Fixo Chamada para: LOCAL Completamento Local 0,05305 0,00000 % Desconto 0% 0% Tarifas Diferenciadas Plano Local P1 - LOCAL 023 Os valores acima estão sem tributos.

Leia mais

Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017

Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017 Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017 OBJETIVO Este edital tem por finalidade apoiar 22 (vinte e dois) docentes dos programas de pósgraduação da USP/São Paulo, Pirassununga

Leia mais

Relatório mensal. maio. Exportações Brasileiras

Relatório mensal. maio. Exportações Brasileiras Relatório mensal maio 2018 Exportações Brasileiras Conselho dos Exportadores de Café do Brasil 2 Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ MAIO 2018 1.1. Exportações Brasileiras de Café - Mensal... 5

Leia mais

Relatório Mensal NOVEMBRO/2015. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal NOVEMBRO/2015. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal NOVEMBRO/2015 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig O mês de novembro foi marcado por diversos fatores que agitaram o mercado de commodities e que contribuíram para

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Relatório mensal. outubro. Exportações Brasileiras

Relatório mensal. outubro. Exportações Brasileiras Relatório mensal outubro 2017 Exportações Brasileiras 2 Conselho dos Exportadores de Café do Brasil Conteúdo 1. RESUMO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ OUTUBRO 2017 1.1. Exportações Brasileiras de Café - Mensal...

Leia mais

...da Oceania Apátridas 5. Principais Nacionalidades 6. Por Nacionalidade, Sexo, Segundo a Idade 19

...da Oceania Apátridas 5. Principais Nacionalidades 6. Por Nacionalidade, Sexo, Segundo a Idade 19 98 Í n d i c e Nota Introdutória III 1 Residentes 1 1.1.1. Evolução Global de 1981 a 21 2 1.1.2. Crescimento Verificado Por Continente 2 1.1.3. Residentes da União Europeia 3 1.1.4....Restantes Países

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão.

Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão. País Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão. Classe I CD-1 Classe II CD-2 Classe III CD-3/4 Classe IV NS Classe V Afeganistão

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL EMI: VIG:

MANUAL DE PESSOAL EMI: VIG: EMI: 15.05.2001 VIG: 30.05.2001 1 * MÓDULO 29: DIÁRIAS CAPÍTULO 4: DIÁRIAS INTERNACIONAIS REFERÊNCIA: DECRETO Nº 91.800 de 18.10.1985, DECRETO Nº 3.643 de 26.10.2000 e DECRETO Nº 3.790 de 18.04.2001. ANEXO

Leia mais