CHAllUtlAN:PROEANGELADAROCHA A PERCEPÇÃO DE COMPRADORES ORGANIZACIONAIS QUANTO VALÉRIA ACIOLI PESSÔA DE CARVALHO. AGOST0l1993

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAllUtlAN:PROEANGELADAROCHA A PERCEPÇÃO DE COMPRADORES ORGANIZACIONAIS QUANTO VALÉRIA ACIOLI PESSÔA DE CARVALHO. AGOST0l1993"

Transcrição

1 ABSTRACfOF1HESISPRESENfEDTOCOPPEADIUFRJASPAR'fML FULFILLMENT OF me REQUIREMENTS FOR me DEGREE OF MASTER OF SCIENCE (M. Sc.). A PERCEPÇÃO DE COMPRADORES ORGANIZACIONAIS QUANTO À IMAGEM DO PAÍS DE ORIGEM DOS PRODUTOS VALÉRIA ACIOLI PESSÔA DE CARVALHO AGOST0l1993 CHAllUtlAN:PROEANGELADAROCHA

2 A PERCEPÇÃO DE COMPRADORES ORGANIZACIONAIS QUANTO À 1MAGEM DO PAÍS DE ORIGEM DOS PRODUTOS VALÉRIA ACIOLI PESSÔA DE CARVALHO TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS À OBTENçÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M. Se.). APROVADA POR: PROF ANGELADAROCHA COPPEADI UFRJ PROF FREDERICO A DE CARVALHO COPPEADI UFRJ PROF EVERARDO ROCHA PUCIRJ RIO DE JANEIRO, RI - BRASIL AGOSTO DE 1993

3 I Carvalho, valéria Acioli Pessôa de A Percepção de Compradores Organi7.acionais Quanto à Imagem do País de Origem dos Produtos. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRl, IX, IOlp. Tese - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD, Mestrado em Administração. 1, Marketing 2. Produtos Importação 3. Comportamento do Consumidor I. COPPEAD/UFRl 11. TlIulo

4 Aos meus pais 11

5 III AGRADECIMENTOS A conclusão deste trabalho não teria sido possível sem a Professora Angela da Rocha, a quem agradeço pela orientação objetiva e tranqüilizadora. Agradeço também à Professora Letícia Moreira Casotti, pela orientação tranqüila, pelo apoio constante e a Sérgio Pessoa, pelo apoio durante todo o tempo de realização deste trabalho; a José Luiz de Barros pelo auxi1io nos gráficos; a Adriana Vinha Nunes Mantelli pelas sugestões; a todos os amigos que, incondicionalmente, me deram ânimo para levar este estudo até o fim e a André Dantas Silva, pela paciência. Finalmente, não poderia deixar de agradecer a meus pais o apoio incansável, em todos os momentos. A eles, dedico este trabalho.

6 IV RESUMO Resumo da Tese apresentada à COPPEAD/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do Grau de Mestre em Ciências (M. Se.). A PERCEPÇÃO DE COMPRADORES ORGANIZACIONAIS QUANTO À IMAGEM DO PAÍs DE ORIGEM DOS PRODUTOS Valéria Acioli Pessôa de Carvalho Agosto de 1993 Orientadora: Profa. Angela da Rocha Programa: Administração A percepção da imagem de produtos importados pode ser influenciada por vários fatores, entre eles o país de origem dos produtos. No presente estudo, investiga-se a presença desta influência na percepção de produtos, de modo geral, e de categorias de produtos. O estudo foi realizado entre compradores organizacionais de determinada loja de departamentos, sediada no Rio de Janeiro.

7 v o estudo chegou às seguintes conclusões: 1. De fonna geral, a percepção do comprador organizacional, quanto a produtos em geral, parece depender da imagem que ele tem quanto a determinados atributos, derivados de infonnações inmnsecas e exmnsecas. Esta imagem parece também depender de alguns fatores, que reforçam a existência de uma relação inversa entre desenvolvimento econômico e risco percebido: clima político-cultural do país e origem do sistema de valores do país, e desenvolvimento econômico do país. 2. De forma geral, a percepção do comprador organizacional, quanto a classes de produtos, depende da imagem que ele tem em relação ao país de origem do produto, especificamente no que conceme à classe em questão. Esta imagem parece ser afetada pelos estereótipos ligados ao país de origem da classe do produto.

8 VI ARSTRACT Abstraet of thesis presented to COPPEAD/UFRJ as partial fulfillment of the requirements for the degree of Master of Scienee (M. Se.). THE PERCEPTION OF ORGANIZATIONAL BUYERS ON THE IMAGE OF THE COUNTRY OF ORIGIN OF PRODUCTS ValériaAcioli Pessôa de Carvalho August 1993 Chairman: Prof. Angela da Roeha Departament: Administration The image of an imported product may be influenced by many factors, among which lhe country-of-origin of lhe product. This study investigates such an influence in lhe perception of products, in general, and in perception of specific product categories. The sample of lhe study was formed by organizational buyers of a department store chain, located in lhe city of Rio de Janeiro. The study arrived to lhe following conclusions: I. The image of foreign products as perceived by organizational buyers seem to depend on lhe perception of some specific product attributes. It also seems to be associated to some factors, which suggest an inverse

9 VII relationship between economic development and perceived risk, such as political and cultural situation or lhe country or origin, and lhe levei or lhe economic development or lhe country. 2. [n general, perceptions of organizationals buyers, conceming product categories, seem to be related to lhe image of lhe country of origin or lhe product, especifically conceming to lhe class ofproducts considered. Such image seems to be inlluenced by the stereotypes associated to lhe country-of-origin of each product category.

10 VIII SUMÁRIO I.. INTRODUÇAO... O I 1.1. O ORJETWO DA PESQUISA IMPORTAN"CIA DO ESTUDO~ REVISAO DE UTERATURA... 06, CONCEITOS BASICOS O PAÍs DE ORIGEM E O CONCEITO DO CONSUMIDOR EM RELAÇÃO A PRODUfOS IMPORTADOS Produtos de Países Desenvolvidos Produtos de Países Desenvolvidos vs. Países Menos Desenvolvidos Produtos de Países Menos Desenvolvidos III.. METODOLOGIA DEFINIÇÃO DAS PERGUNTAS DE PESQUISA POPUIA.ÇÃO E AMOSTRA COLETA DE DADOS I1I.3.1. Seleção do Método de Coleta de Dados I1I.3.2. Elaboração do Instrumento de Coleta de Dados Estrutura do Questionário Pré-Teste Trabalho de C8l11po An.á1ise dos Dados Umitaçóes do Estudo... 39

11 IX, IV.. ANALISE DOS RESULTADOS IV.I. PERQllÇÃOoosmoDUfOSOUCAlEGORIADEmODUfOS, DE ACORDO COM O PAÍs OU GRUPOS DE PAÍSES IV.I.I. Percepção dos Produtos em Geral V.1.1.I.Percepção dos Produtos em Geral, Em Função do País de Origem V Percepção dos Produtos em Geral, Em FW1ção do Grupo de Países de Origem V.2.PERCEPÇÃO DOS PRODUTOS, POR CATEGORIA V.2.1. Em Função do Pais de Origem W.2.2. Em Função do Grupo de Países de Origem V.3.AF1NIDADE COM PAÍSES OU GRUPOS DE PAÍSES... 65, 1V.4.CARACTERISTICAS PESSOAiS v - CONCLUSAO VI.. BIBLIOGRAFIA ANEXO 1.. TABElA , ANEX.O 2.. QUESTIONAR.IO... 90

12 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

13 2 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO I. I. OBJETIVO DA PESQUISA o presente estudo tem, por objetivo, verificar a percepção de compradores organizacionais, isto é, homens e mulheres cujo trabalho consiste, basicamente, em comprar produtos para abastecimento de determinada cadeia de lojas varejistas, quanto à imagem que estes compradores têm, em relação ao país de origem destes mesmos produtos. A escolha do tema originou-se a partir da observação, nesta cadeia varejista, do aumento da compra de diversos produtos importados, a partir do ano de Questionou-se, inicialmente, quais os mecanismos motivadores do aumento de compra de importados, de maneira geral, e quais os mecanismos motivadores em relação à compra de produtos importados específicos, de determinados países. Com base na revisão de literatura e em pesquisa realizada dentro da empresa acima mencionada, procurou-se responder a tais indagações IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Segundo SUZUKI ET ALUI (33), "a integração econômica mundial já pode ser vislumbrada em menor escala naquilo que se convencionou chamar de blocos econômicos regionais. Estes blocos compõem-se de países vizinhos, com características comuns e interesses complementares, que se uniram a fim de fortalecer suas economias. Em última instilllcia, objetivam conseguir maior poder de barganha junto a outros blocos regionais e, consequentemente, uma

14 3 Visualizando esta integração, muitos países hoje adotam a política de 'portas abertas'. Os primeiros que pressentiram essa tendência já apresentam maior especialização em suas atividades econômicas, estando com suas posições praticamente consolidadas no cenário internacional. Os demais, por sua vez, ou estão se adequando a esta mudança, ou ainda continuam relutando, devendo se integrar neste processo mesmo que tardiamente. Neste contexto encontramos o Brasil, que, após anos de economia fechada, tenta se inserir na comunidade internacional, ainda carregando um histórico impregnado de legislações protecionistas, que causaram atrasos tecnológicos em diversos setores produtivos. Para se chegar ao ideal de mercado comum, devem ser superados os obstáculos concernentes às diferenças existentes entre os países. Políticas cambiais, inflação e padronização dos produtos são alguns exemplos dessas dificuldades. " Qualquer política industrial, de qualquer governo, terá sempre poder para acelerar ou retardar a dependência do país em relação ao exterior ou lançar as bases para o crescimento autônomo e independente. No caso brasileiro, o lançamento da nova política industrial, em 15 de março de 1990, pelo governo Collor, teve como objetivo liberar as restrições às importações e, consequentemente, forçar o aumento da concorrência no mercado interno, induzindo as indústrias aqui instaladas a buscar formas de produção mais eficientes, conseguindo-se assim a redução dos preços dos produtos locais.

15 4 Conforme parecer do Secretário Especial de Política Econômica do Ministério da Economia do governo Collor, Antônio Kandir, em entrevista à Revista VISÃO (24), "aquela política ou modelo econômico foi montado com base na proposta de abertura do mercado interno a importações e a urna maior participação de empresas estrangeiras aqui dentro, seja através da compra de empresas nacionais, públicas ou privadas." Ainda segundo Kandir, na visão do governo, essa verdadeira virada nos rumos da política econômica encontraria justificativa na tendência mundial em direção à abertura das economias. Naquele momento de transição, algumas pequenas e médias empresas poderiam não sobreviver, fechando suas portas para que toda a economia voltasse a funcionar normalmente. No primeiro instante, previu-se alguma concentração da renda, seguida de crescimento concentrado nas grandes empresas e, fmalmente, proliferação de pequenas e médias empresas. No momento do lançamento da nova política industrial, o Brasil se encontrava em plena recessão, sem dinheiro disponível na praça e juros muito altos. Adicionalmente, o convívio prolongado das empresas com a inflação, teve como conseqüência o afrouxamento dos controles sobre a eficiência e a produtividade, com visível queda nos investimentos em tecnologia. Como paliativo, os fabricantes repassavam, aos preços finais, os aumentos nos custos decorrentes de sua própria ineficiência. Com a abertura de mercado, tomou-se mais fácil, para o varejista, comprar produtos importados pois, em muitos casos, o preço de custo, incluindo frete internacional, seguro internacional e impostos sobre importação, ainda era inferior ao preço de custo de produto similar nacional.

16 5 Adicionalmente, multiplicaram-se as possibilidades de importação: pelo correio; através de Empresas Comerciais Exportadoras (ECE's); através das Trading Companies; através de Consórcios; através de Agentes de Comércio Exterior; e através de Canal Direto (operacionalizada pelo próprio interessado). Assim, centenas de produtos importados, de diversos países, começaram a fazer parte das prateleiras das lojas e dos supermercados. Pode-se supor que a imagem que o consumidor tinha, em relação a estes produtos, de acordo com o país de origem, tenha sofrido transformações, em virtude do seu contato com diferentes produtos e nacionalidades e, consequentemente, queda de preconceitos. Considerando a quase ausência de estudos deste tipo, no Brasil, este trabalho objetiva detectar esta percepção, em função das mudanças decorrentes da abertura de mercado.

17 6 ~ CAPITULO 11 REVISÁO DE LITERATURA

18 7 CAPÍTULO 11 - REVISÃO DE UTERATURA Este capítulo apresenta uma revisão da literatura sobre o tema. Inicialmente, são apresentados os conceitos básicos, relevantes para o presente estudo. Em seguida, analisam-se os principais estudos realizados sobre o assun to, em sua maioria objetos de revistas especializa das na área de Mar keting. II.l. CONCEITOS BÁSICOS Segundo BAYfON (04), o comportamento humano pode ser agrupado em três categorias: motivação, cognição e aprendizagem. A motivação se refere a determinações, impulsos, aspirações ou desejos, que dão início à seqüência e eventos conhecidos por "comportamento". A cognição é a área na qual se verificam todos os fenômenos mentais (percepção, memória, julgamento, pensamento etc). A aprendizagem diz respeito às mudanças de comportamento que ocorrem ao longo do tempo, em relação às condições de estímulo externas. Cada uma dessas áreas, isoladamente, está associada a problemas específicos do comportamento do consumidor. Tomadas em conjunto, no entanto, permitem um entendimento global do seu comportamento. De acordo com BENNETT & KASSARJIAN (05), o aprendizado e a percepção influenciam as ações finais do consumidor em sua decisão de comprar ou

19 8 não comprar determinado item. Entretanto, não explicam adequadamente o porquê do comportamento do indivíduo. A motivação pode ser considerada como a força impulsora por trás do comportamento que, por sua vez, é guiado por cognições, pelo aprendizado e por influências grupais e culturais.. Motivação Voltando a BAYfON (04), a motivação surge a partir de sistemas de tensão, que criam um estado de desequilíbrio para o indivíduo. Tal estado aciona uma seqüência de eventos psicológicos direcionados para a seleção de um objetivo e para a seleção de padrões de ação que, respectivamente, aliviarão o indivíduo das tensões e o conduzirão ao objetivo desejado. As necessidades, originadoras destes sistemas de tensão, se dividem em duas categorias abrangentes: as necessidades biogênicas, como fome, sede e sexo e as necessidades psicológicas, originadas dos sistemas de tensão, presentes nas condições psicológicas do indivíduo e em suas relações com os outros. Embora não haja muita discordância sobre quais sejam as necessidades biogênicas específicas, existe considerável divergência de opiniões sobre quais sejam as necessidades psicogênicas específicas.

20 9 BENNETT & KASSARJIAN (05) citam MASLOW, defendendo a existência de cinco conjuntos de necessidades básicas, agrupados em ordem decrescente de importância: la) Necessidades Fisiológicas Alimento, água, sono, alívio de perigos físicos, e assim por diante. MASLOW considera estas necessidades as mais importantes de todas. 2a) Necessidades de Segurança Baseiam-se na busca de segurança física, na procura de estabilidade no mundo, na preferência pelas coisas familiares em detrimento das nãofamiliares, ou do conhecido em detrimento do desconhecido. 3a) Necessidades Afetivas Necessidades de amor, afeição e enquadramento social. Embora, para certo número de pessoas, as necessidades fisiológicas e de segurança estejam satisfeitas, as afetivas não estão. 4a) Necessidades de Estima Representam o desejo de estima, prestígio, auto-respeito, reputação e status, surgindo a partir do momento em que as necessidades afetivas estão mais ou menos satisfeitas. 5a) Necessidades de Auto-Realização Esta necessidade é basicamente o desejo de auto-satisfação e de realização do potencial. De acordo com MASLOW, a emergência dessa necessidade de ordem superior depende da satisfação anterior das ordens inferiores.

21 lo Portanto, com exceção das "Necessidades de Auto-Realização", as demais necessidades não dependem da total realização das anteriores para que originem tensão no indivíduo. BAYTON (04) ressalta que uma falácia da análise da motivação está na hipótese de que uma situação particular envolve apenas uma necessidade específica. Na maioria dos casos, o comportamento do indivíduo é determinado por um conjunto de necessidades. Outra falácia é a hipótese de que comportamentos idênticos têm bases motivacionais idênticas. Isto ocorre, quer estejamos pensando em dois indivíduos diferentes, quer no mesmo indivíduo, em dois momentos diferentes.. Personalidade BAYTON(04) e BENNETI & KASSARJIAN (05), apóiam a TEORIA FREUDIANA para explicar a influência da personalidade, definida como um "padrão coerente de respostas ao mundo, que influem sobre o indivíduo, tanto a partir de fontes internas quanto de fontes externas". A abordagem psicanalítica de Freud salienta que a personalidade é composta de três sistemas principais de forças psicológicas ou entidades lógicas interdependentes: o id, o ego e o superego. Em seu sentido mais amplo, ego e superego são entidades mentais, pois envolvem memória, percepção, julgamento e pensamento.

22 11 a)id Sistema original de personalidade, é a fonte de toda a energia impulsora psíquica (a libido) do homem. Este não pode expressar esses impulsos básicos, sua natureza animal, na sociedade, pois iriam de encontro com as suas regras, costumes, regulamentos e valores. b)superego O superego é o representante interno dos valores e ideais tradicionais da sociedade. Pode ser conceituado como o sentido moral da personalidade ou como a consciência. Sua função é inibir os impulsos do ido c) Ego O Ego é um sistema de forças que funciona para controlar e redirigir os impulsos do id, de maneira que seja possível conseguir alcançar a satisfação no mundo real, dessa maneira resolvendo o conflito entre id e superego. Através da percepção, da memória, do julgamento e do pensamento, o ego tenta integrar, de um lado, as necessidades e, de outro, as condições do mundo exterior, de tal modo que as necessidades possam ser satisfeitas sem perigo ou dano para o indivíduo. O modo de oego enfrentar cada conflito e o modo pelo qual as energias da libido são guiadas ou deslocadas, são os responsáveis pelas ricas personalidades, interesses, motivos variados, atitudes e padrões de comportamento de cada um.

23 12 Há algumas evidências de que existe uma correlação positiva entre o grau de envolvimento do ego e o volume de atividade cognitiva (memória, per cepção, julgamento e pensamento) envolvido. Isto quer dizer que os produtos de consumo que requerem baixos graus de envolvimento do ego serão comprados a partir de decisões menos conscientes do que os produtos que requerem graus mais elevados de envolvimento do ego. Alguns estudos tentaram relacionar as variáveis do consumidor com o conceito que o indivíduo tem de si próprio, tentando provar que os indivíduos percebem os produtos que possuem ou que gostariam de possuir em termos de seu significado para si próprios e para os outros. Se houver uma correlação entre a imagem simbólica do produto e a imagem que o indivíduo tem de si próprio, haverá maior probabilidade de avaliação positiva e conseqüente aquisição do produto ou marca. Outro tipo de pesquisa, envolvendo a personalidade, chamada pesquisa psicográfica ou de estilo de vida, usa métodos de análise de conglomerados e de análise de fatores, dividindo o total do mercado em segmentos, baseados em interesses, valores, opiniões, atitudes e variáveis demográficas. Os valores, atitudes e crenças de um indivíduo, assim como sua personalidade, influenciam a maneira como ele percebe e organiza o mundo,

24 13 estabelecendo o que chamamos de "Defesa Perceptual" (ou "Tabus"). BENNETT & KASSARJlAN (05) afirmam que "o comportamento do consumidor depende, em grande parte, de seu conhecimento do mundo à sua volta." As sensações do mundo externo são alteradas por memórias de aprendizados anteriores, fantasias, crenças, atitudes, valores e personalidade, além de estimulo puro. Até a língua do indivíduo, sua gramática e seu léxico influenciam a maneira como ele irá perceber o mundo à sua volta. A integração dessas percepções, memórias, expectativas, atitudes etc, compreende a estrutura cognitiva do indivíduo.. Cognição & Percepção Nossas estruturas cognitivas nos permitem uma organização significativa, ou interpretação. Não somos surpreendidos por sensações aleatórias mas, à medida que dispomos de mais informações, nossas cognições são reorganizadas de uma estrutura significativa para outra. Consequentemente, as percepções não ocorrem em estado desorganizado. Percebemos somente o que fizer sentido dentro do contexto de nossas estruturas cognitivas. Por um lado, selecionamos as mensagens que não queremos perceber; por outro, distorcemos, modificamos e, muitas vezes, adicionamos elementos de maneira que, frequentemente, vemos o que queremos ver.

25 14 Parte da seletividade de percepção é devida à expectativa, ou predisposição do perceptor, ou seja, o consumidor mais uma vez percebe o que ele quer ver. Assim, espera-se que a marca mais conhecida seja de melhor qualidade do que a desconhecida. BAYTON (04) reforça que os processos cognitivos são considerados intencionais, por auxiliarem o individuo em suas tentativas de obter a satisfação de suas necessidades. São também considerados reguladores, por determinarem em grande parte a direção e os passos específicos dados pelo indivíduo, em sua tentativa de obter a satisfação das necessidades iniciais. No entanto, os indivíduos às vezes não estão conscientes da exata natureza dos impulsos que dão início a seus padrões de comportamento. Quando isto ocorre, eles tentam explicá-los através da "racionalização", atribuindo ao mesmo motivações aceitáveis para sua estrutura de personalidade. Esses indivíduos podem racionalizar, sem terem consciência de que o estão fazendo. Há casos, contudo, em que os indivíduos estão bastante conscientes de suas motivações mas, achando que seria prejudicial ou socialmente inaceitável a revelação das mesmas, ocultam-nas deliberadamente. Os motivos racionalizados diferem dos dissimulados nas implicações psicológicas; entretanto, na pesquisa de consumo orientada para a análise motivacional, é raro encontrarem-se tentativas de separar os dois motivos.

26 15. Expectativa Segundo BENNETT & KASSARJIAN (05), o que uma classe de objetos (marcas) e os objetos específicos "prometem" em termos de gratificação é conhecido como "expectativas" -genéricas e específicas. Os diferentes objetos percebidos podem ser avaliados em termos da geração de expectativas semelhantes. Este fenômeno de similaridade de expectativas, dentro de um conjunto de diferentes objetos visados, é conhecido como "generalização". "O indivíduo se porta perante a coisa nova, de maneira similar à maneira porque se porta perante outras coisas com as quais ele acha a coisa nova similar." Do ponto de vista das percepções do consumidor, as características diferenciadoras podem ser chamadas de "traços" ou "dicas", e não têm o mesmo grau de importância nas decisões do consumidor - algumas delas são muito mais importantes do que as outras. Os traços são irrelevantes, quando não representam um atributo diferenciador crítico de um dado objeto. A Aprendizagem e a Formação do Hábito QuandO o consumo ou utilização de um objeto visado conduz à gratificação das necessidades iniciais, ocorre o reforço. Se, mais tarde, surgirem as mesmas necessidades, o indivíduo estará propenso a repetir o processo de seleção e obtenção do objeto.

27 16 A este tipo de mudança comportamental- que aumenta a probabilidade de repetição de um ato -chama-se aprendizagem, e é necessário um "reforço" para que ocorra a "aprendizagem". O reforço contínuo influenciará os processos cognitivos. A memorização do objeto visado será cada vez mais intensificada. As expectativas associadas a determinadas características estarão cada vez mais fundamentadas e será cada vez maior a distãncia psicológica entre a marca cuja compra é repetida e as concorrentes. Com reforço contínuo, o volume de atividade cognitiva decresce e o indivíduo se envolve cada vez menos em atividades mentais para tomar decisões. Isto pode continuar até que, ao surgir a necessidade, as atividades para concretizar a aquisição do objeto sejam praticamente automáticas. Neste ponto, formouse um hábito. Os hábitos não são propriamente forças iniciadoras: são padrões de respostas repetitivas, precedidas de um mínimo de atividade cognitiva. A freqüência da repetição da resposta não é um critério válido para determinar a existência ou não de um hábito. O hábito realmente existe no caso do indivíduo persistir em um ato, mesmo após este ter deixado de proporcionar a gratificação da necessidade. Portanto, se a compra decorre, em grande parte, de um hábito, há muito pouca atividade cognitiva para ser trabalhada pelo concorrente.

28 17. O Papel do Grupo no Comportamento do Consumidor. BENNETT & KASSARJIAN (05) ressaltam a importância do papel dos grupos no comportamento do consumidor, definindo "grupo" como: a) Pessoas que são interdependentes umas das outras, de tal maneira que o comportamento de um dos membros potencialmente influencia o comportamento de cada um dos outros; e b) O compartilhar de uma ideologia - um conjunto de crenças, valores e normas - que regula cada conduta. De acordo com KRECH (19), a Organização Social, ou seja, a reunião de muitos grupos, é caracterizada pela posse de (a) produtos culturais (tais como prédios, vestimentas, preces, fórmulas mágicas, canções), (b) um nome ou símbolo coletivo, (c) padrões de ação distintivos, (d) um sistema comum de crenças e (e) agentes ou técnicas de reforço. A maioria de nós pertence a muitos grupos, já que, na maioria dos casos, nenhum grupo pode preencher todas as necessidades de cada um de seus membros. Para que um grupo continue a existir, deve exercer pressão sobre o indivíduo para que este se conforme com a ideologia grupal. Assim, todo grupo tem agentes e técnicas para obrigar o indivíduo ao conformismo, além de sanções para os comportamentos impróprios.

29 18 Numerosos estudos indicaram a influência do grupo sobre o indivíduo na alteração de seus padrões de consumo. Talvez o mais influente dos grupos no padrão de comportamento de consumo do indivíduo seja o grupo familiar, onde muitas das decisões não são tomadas unilateralmente, mas "a díade marido-mulher, ou alguma outra combinação nuclear de membros da família, é a unidade decisória". Aparentemente, nos casais mais velhos, a especialização de papéis toma-se mais rígida. Assim, o envolvímento conjunto na tomada de decisões é encontrado principalmente nas famílias de renda média e entre os casais mais jovens, e é relacionada com a extensão das relações e com uma especialização de papéis mais flexível entre marido e mulher. Conforme DAVIS (08), há considerável variabilidade nos papéis do marido e da mulher, sendo que a percepção do marido e da esposa diferem quanto a quem tem a maior influência. Diversos estudos também indicam que a compra de diferentes categorias de produtos tomam-se mais importantes ou não, dependendo do ciclo de vida da família. À medida que a família envelhece, os papéis se tomam mais especializados e a decisão sobre qualquer produto tende a ser mais unilateral, alterando assim o padrão de consumo e de compra.

30 PAÍs DE ORIGEM E O CONCEITO DO CONSUMIDOR EM RElAÇÃO A PRODUTOS IMPORTADOS Segundo BILKEY (06), os produtos são percebidos como consistindo em uma gama de informações, tanto intrinsecas (gosto, design e aspecto) como extrínsecas (preço, marca e garantias). Cada informação fomece ao consumidor uma base para que este possa avaliar o produto. Tanto observações empíricas como estudos e pesquisas indicam que o país de origem tem considerável influência na percepção da qualidade de um produto. Esta influência vale para produtos em geral, segundo os trabalhos de ANDERSON E CUNNINGHAM (01); BANNISTER E SAUNDERS (03); GAEDEKE (12); LILLIS E NARAYANA (22); NAGASHlMA (23); REIERSON (26); para classes de produtos, de acordo com AYROSA (02); ETZEL & WALKER (11); GAEDEKE (12); KAYNAK & CAVUSGIL (18); NAGASHIMA (23); REIERSON (26); para específicos tipos de produtos: GAEDEKE (12); REIERSON (26); SCHOOLER (29); SCHOOLER E SUNOO (31); SCHOOLER E WILDT (30); VELARDE CHONG (35); WHITE E CUNDIFF (38); e para marcas específicas: ERICKSSON, JOHANSSON & CHAO (17); GAEDEKE (12). De acordo com ERICKSON, JOHANSSON & CHAO (17), a imagem de determinado produto pode ser formada por algumas variáveis, tais como marca, símbolos utilizados na propaganda, opinião favorável de pessoa em destaque na sociedade e a predisposição, favorável ou não, do país importador, em relação ao país de origem dos produtos.

31 20 Este conceito da existência de uma predisposição, também denominada "estereótipo", é reforçado por outros autores: AYROSA (02); JOHANSSON, DOUGLAS & NONAKA (7); HAN (6) e VELARDE CHONG (35). HAN, por exemplo, afirma que, no que tange à avaliação do produto, ao se examinar o papel da imagem do país de origem, existe, implícita ou ainda explicitamente, um "efeito-halo", que os consumidores utilizam para inferir a qualidade de determinada marca desconhecida. ERICKSON, JOHANSSON & CHAO O O) e JOHANSSON, DOUGLAS & NONAKA O 7) perceberam que a imagem do país de origem afeta a avaliação que os consumidores possam fazer dos atributos de um produto, mas não a avaliação de produtos, em geral. Adicionalmente, não verificaram diferenças significativas na avaliação dos produtos de determinado país de origem, quando os consumidores têm familiaridade com os mesmos, em comparação com consumidores que não tenham tal familiarldade. HAN (16) concluiu que, quando os consumidores não estão familiarizados com os produtos de determinado país, a imagem deste país serve como um "halo", através do qual os consumidores inferem atributos. Isto pode, indiretamente, criar alguns conceitos, que posteriormente irão afetar as atitudes perante algumas marcas. Em contrapartida, à medida que os consumidores se tornam familiarizados com alguns produtos de determinados países, a imagem do país de origem pode se tomar um determinante das opiniões destes consumidores sobre os atributos dos produtos, afetando diretamente suas atitudes perante algumas marcas.

32 21 Para se entender melhor o que é estereótipo, deve-se rever o conceito de "Etnocentrismo" que, segundo ROCHA (27), "... é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência. No plano intelectual, pode ser visto como a dificuldade de pensarmos a diferença; no plano afetivo, como sentimentos de estranheza, medo, hostilidade etc." Esta tendência em julgar a própria cultura superior às demais, pode influir na percepção do consumidor em relação ao país de origem dos produtos, valorizando os produtos nacionais, em detrimento dos importados. Pode ainda ocorrer o fenômeno denominado "Etnocentrismo Invertido" que, segundo RODRIGUES (28), citado por AYROSA (02), "...faz ver outros homens e outras culturas como "melhores", não é uma experiência rara: padecem dele com freqüência vários grupos indígenas incluídos na órbita da sociedade ocidental, assim como muitas populações (ou parte delas) nos países colonizados, que vivem do sonho de um dia, pelo 'progresso', chegar 'lá', na metrópole." Nestes casos, o consumidor pode valorizar os produtos importados, em detrimento do produto local. Ainda de acordo com AYROSA (02), a observação da forma pela qual um determinado grupo de consumidores avalia os produtos fabricados em outros países, deve levar em consideração a possibilidade da presença de atitudes etnocêntricas por parte dos consumidores, uma vez que suas atitudes podem ser baseadas em estereótipos, associados aos países de origem dos produtos considerados. No intuito de investigar a influência do país de origem sobre a forma de como este é percebido pelos espectadores, AYROSA (02) realizou

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Estímulos de Marketing Outros Estímulos Características do comprador Processo de decisão do comprador Produto Preço Praça Promoção Econômicos Tecnológicos Políticos Culturais Culturais Sociais Pessoais

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira

Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre o autor... 15 Prefácio... 17 Capítulo 1 Desmistificando o Marketing... 20 Mas o que é Marketing?...20

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR O comportamento do consumidor estuda como pessoas, grupos e organizações selecionam, compram, usam e descartam artigos, serviços, idéias ou experiências para satisfazer suas

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Perfil do Consumidor Brasileiro Brasileiros barganham e esperam promoções para adquirir bens de maior valor 64% Esperam por promoções para ir às compras

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG 20/09/2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG Professores

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Definição Um questionário é um formulário impreso ou on-line com perguntas que os usuários e demais participantes devem responder, a fim de

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil Categoria: Consumo - Moda Segmento: Sapatos femininos Mercado: Brasil Edição 02 www.azimute720.com.br 2011 Quem Somos Uma agência

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

O comportamento do comprador de automóveis novos II

O comportamento do comprador de automóveis novos II O comportamento do comprador de automóveis novos II Fauze Najib Mattar I - INTRODUÇÃO Quais variáveis são levadas em conta na escolha da loja na hora de adquirir ou trocar automóveis novos? Quantas lojas

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO

EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO Aluno: Marcos Rodrigues Gomes Orientadora: Ana Heloísa da Costa Lemos INTRODUÇÃO Atualmente os indivíduos procuram

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK.

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. Pesquisa sobre a experiência de compra em lojas de brinquedos Outubro 2012 Amostra 200 homens e mulheres com filhos entre 3 e 11 anos Mais de 51 anos 3% Sexo

Leia mais

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 INTRODUÇÃO O aumento da internacionalização lança o desafio cada vez maior para as empresas atraírem e reterem líderes capazes de viver em ambientes complexos e compreender

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO

GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZAÇÃO, UNIVERSIDADE E MERCADO DE TRABALHO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais, Diversões e Espetáculos Públicos JUNHO/2000 2 2000

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

6 Levantamento de Dados

6 Levantamento de Dados 6 Levantamento de Dados 6.1. Definição dos momentos relevantes Os momentos relevantes da empresa foram determinados usando a metodologia proposta que englobava a análise do histórico da empresa no período

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Curso: Gestão de TI - UNIP Disciplina: Sistemas de Informação Professor: Shie Yoen Fang Agosto/2011 1 Aula 2 Revisão Apresentação da ementa Trabalho opcional Conceitos gerais de

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais