filhos do sul Diogo Sinhoroto João Costa Pedro Tavares Ricardo Diniz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "filhos do sul Diogo Sinhoroto João Costa Pedro Tavares Ricardo Diniz"

Transcrição

1 filhos do sul

2

3 filhos do sul Diogo Sinhoroto João Costa Pedro Tavares Ricardo Diniz

4 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Qualquer forma de reprodução, distribuição, tratamento digital ou modificação desta obra só pode ser feita sob autorização prévia dos seus autores ª EDIÇÃO , Expedição Filhos do Sul

5

6

7 Os Filhos do Sul Diogo Sinhoroto Jornalista João Costa Jornalista Pedro Tavares Engenheiro Ricardo Diniz Jornalista F-1000 XK Deserter Carro

8

9 O Projeto De dezembro de 2004 a março de 2005, quatro amigos deram a volta na América do Sul em uma caminhonete, munidos de e- quipamento fotográfico e de vídeo. O objetivo, conhecer um continente que está escondido dos olhos do mundo, e mostrá-lo a partir das impressões que tiraram como profissionais e habitantes dessa parte do planeta. A expedição Filhos do Sul nasceu a partir de uma grande amizade entre os quatro integrantes do grupo que, desde que se conheceram, compartilham um interesse em comum, que beira o fanatismo, por lugares, culturas e povos desconhecidos. Essa paixão, somada ao amor pelas viagens de carro - e de baixo custo -, tornaram a América do Sul uma escolha óbvia. A escolha do carro como meio de transporte se justifica, entre outras facilidades, pela possibilidade de moldar itinerários, e de atingir desde as grandes capitais até os rincões mais inexplorados. O roteiro da expedição Filhos do Sul foi baseado não apenas nos pontos turísticos tradicionais, mas nas estradas e cidades que estão entre eles, pedaços de América do Sul geralmente esquecidos pelo turismo tradicional. Afinal, também é lá que estão os personagens principais desse continente. O que o Brasil tem em comum com seus vizinhos? Como suas histórias se influenciaram mutuamente? Quem é o povo sulamericano? Afinal de contas, o que é a América do Sul? Essas foram algumas das questões que os Filhos do Sul tentaram desvendar.

10

11 Roteiro

12

13 diário de bordo

14

15 Brasil 10 de dezembro de 2004 Rio de Janeiro São José dos Campos Até que enfim chegou o dia. As últimas semanas em casa foram corridas, cheias daqueles últimos preparativos que não acabam nunca. E cheia de gastos também; alguns previstos e outros nem tanto. Mas o que importa é que finalmente estamos na estrada. Decidimos antecipar um pouco a saída, fazendo assim a primeira das inevitáveis alterações no nosso roteiro inicial. Em vez de madrugarmos no sábado, saímos do Rio às 17 horas com destino a São José dos Campos. Conseguir começar a viagem foi um parto, mas não poderia ser muito diferente. Definir o que levar na bagagem e, principalmente, o que deixar para trás nos próximos três meses não foi fácil. E o passaporte? Comprovante de vacinação? Cartões? Dólares? Cuecas? Não esquecemos nada, ou, pelo menos, ainda não demos falta de nada. O que deve acabar acontecendo logo... Pegamos um engarrafamento enorme na Dutra até chegarmos em Volta Redonda, a terra natal de dois dos Filhos do Sul. Só chegamos em São José depois da meianoite, debaixo de muita, muita chuva, onde dormimos na casa da Graziela, irmã do Diogo. A viagem no primeiro dia demorou para engrenar. A idéia é conseguir sair o mais rápido possível do Brasil. Ainda não dá para contar muita coisa, além do fato de termos tido nossas últimas refeições saudáveis em um bom tempo... Na trilha sonora, os destaques foram: o primeiro do Los Hermanos, e o Rei Roberto cantando a chuva fina no nosso párabrisa (no nosso caso era um temporal mesmo). E ganhamos também uma companheira de aventuras: uma Nossa Senhora de Aparecida, que vê e ouve tudo o que acontece na F Já somos quase caminhoneiros! 15

16 FILHOS DO SUL 11 de dezembro de 2004 São José dos Campos Lages O dia começou com a primeira boa notícia sobre o seguro do carro em um bom tempo: Aloízio, o gerente de seguros (ir)responsável, finalmente deu uma dentro e conseguiu mandar os papéis do seguro por Sedex 10 a tempo. Depois de um bom café da manhã, rearrumamos tudo no carro e partimos mais tarde do que gostaríamos - para o sul. Uma parada em São Paulo para um alinhamento de última hora na F-1000, e já estávamos de volta à estrada. Na tenebrosa rodovia da morte, que liga São Paulo a Curitiba, fizemos um belo almoço à base de pão de forma e patê de presunto, com suco de morangos silvestres pra descer. Depois, dirigimos sem parar até Lages em Santa Catarina, onde chegamos já tarde da noite, com muito frio. Na busca por um hotel para quatro rapazes, enfrentamos um pouco do conhecido machismo sulista, vindo de um sujeito muito do mal-encarado metido num poncho. Quarto para casal: 20 reais. Quarto para 2 homens 25. Afinal, até onde eu sei, dois homens não formam um casal... Achamos um quarto péssimo no hotel Paris, onde nos amontoamos pelo chão, entre penicos e camisinhas usadas. No meio da noite, um momento de apreensão. Ainda dormindo, João levantou da cama chamando por Juninho. Deitado ao seu lado em uma cama de casal, Diogo tentou acalmar o rapaz: O que foi, porra? - João: Juninho, o carro!!! - Diogo: O que foi, porra? - João (já recobrando os sentidos): Esse carro anda muito... 16

17 ARGENTINA Argentina 12 de dezembro de 2004 Lages (BRA) Chajarí (ARG) Fomos acordados junto com o galo pelo funcionário do Hotel Paris. Ainda era muito cedo quando tomamos nosso delicioso café da manhã na F Começar a viagem logo ao amanhecer era fundamental pra cumprir nosso objetivo de terminar o dia em solo argentino. Mais uma vez, botamos o pé no acelerador e esquecemos do freio. A única parada do dia foi em um restaurante na beira da estrada em Canoas, onde pudemos cometer o luxo de tirar a barriga da miséria. Com o estômago forrado, só paramos a caranga em Uruguaiana. Lá estávamos nós, na esperada fronteira entre Brasil e Argentina. Cabe aqui uma errata: no meio do caminho, decidimos tirar o Uruguai do trajeto. Seria uma passagem rápida e decidimos evitar as estradas desertas da noite uruguaia e toda a burocracia de passar por mais uma fronteira. Então, fica pra outra vez... Resolvidos os trâmites burocráticos na fronteira (declaramos o laptop e as câmeras para evitar problemas), pudemos, enfim, respirar os ares argentinos. A cidade escolhida para passarmos a noite foi Chajarí, a 500 km de Buenos Aires. Esperando uma cidade-fantasma de beira de estrada, fomos surpreendidos por uma cidade bem agitada, povoada por belas mulheres que não paravam de olhar pra gente. Ou pro carro. Ou sabe lá Deus o porquê. Ficamos em um hotel luxuoso (para os padrões da viagem), mas com um preço que cabia no nosso bolso. O terceiro dia da viagem terminou com cerveza Quilmes, briga de deliquentes juvenis e polícia botando geral no camburão. Nós, macaquitos, ficamos fora dessa. 17

18 FILHOS DO SUL 13 de dezembro de 2004 Chajarí Buenos Aires Saímos de Chajarí por volta das oito e meia. Preparamos um café da manhã com pão com presuntada, toddynho e pão de mel, que comemos já na estrada. Logo que entramos na ruta principal, recebemos uma bela acolhida da simpática policia rodoviária argentina. A infração, gravíssima, era a não utilização dos cintos de segurança no banco de trás. A multa, 270 pesos, que depois viraram 55 pesos, que acabaram se transformando em 55 reais. Depois de muito choro e vela, a multa, aplicada em uma estrada argentina, foi paga em moeda brasileira. De positivo, uma boa conversa com os policiais, que versou sobre jornalismo, música argentina e as sensacionais atrações turísticas da província de Entre Ríos. Seguimos viagem já esperando outras abordagens policiais igualmente mal-intencionadas, o que acabou não acontecendo, pelo menos não hoje. Chegamos em Buenos Aires depois das 3 da tarde. Achamos um albergue aprazível, um estacionamento aceitável, e fomos pras ruas da capital argentina. Comemos, conhecemos a Casa Rosada, a Plaza de Mayo, Puerto Madero, e voltamos para o albergue para resolver nossas questões informáticas. Fica a expectativa para um esperado desafio futebolístico entre Brasil e Argentina, proposta pelo irritantemente simpático rapaz do estacionamento. Aguardem notícias, se vencermos. 14 de dezembro de 2004 Buenos Aires Acordamos no nosso quarto compartilhado com um inglês e um francês e fomos aproveitar o café da manhã do albergue. Nada de mais, mas era incluído no preço. Antes de sairmos para co- 18

19 ARGENTINA nhecer a cidade, fomos convidados por um funcionário do albergue a comer um asado que ele faria para os hóspedes a 12 pesos por cabeça, vinho incluído. Saímos a pé por San Telmo, onde fica o albergue Corre Caminos, e resolvemos caminhar até La Boca, parando para reforçar o café com umas maçãs. O imponente estádio de La Bombonera nos anunciou que estávamos perto. Macaquitos pobres que somos, não quisemos pagar para entrar. Juninho ainda tentou burlar a vigilância mas o segurança assinalou impedimento e tivemos que nos contentar em ver pelo buraco do portão. Demos uma volta pelo bairro, onde éramos parados de 2 em 2 metros por vendedores simpaticíssimos, oferecendo as mais baratas milanesas com papas da cidade. Recusamos polidamente, e nos picamos para Palermo, dessa vez de ônibus. Em mais uma tentativa de melhorar a imagem dos brasileiros no estrangeiro, oferecemos o lugar a uma senhora que morava por lá, que impediu que saltássemos do lado oposto da cidade. Os bosques de Palermo, cheios de simpáticas mulheres de biquíni na véspera, já não estavam tão bem freqüentados, e perderam muito do seu encanto. Andamos pelo Jardim Botânico da cidade, olhamos por cima da grade do Jardim Zoológico e sentamos no gramado para comer umas hamburguesas. Sob um calor escaldante, fomos até a margem do rio da Prata. Exaustos, voltamos de ônibus para o centro. Uma passada na calle Florida para câmbio, casquinhas e uma pepsi, e já estávamos de volta ao albergue. De banho tomado, ficamos jogando sinuca até sermos chamados para o esperado asado. Estava muito bom, mas seria ainda melhor se ao invés de vinhos quentes nos oferecessem uma cerveja gelada Ricardo chegou a recusar o vinho e se os homens não fossem maioria absoluta na mesa. 19

20 FILHOS DO SUL Se o esperado desafio futebolístico não aconteceu, o Brasil não fez feio na sinuca. João e Ricardo venceram primeiro um combinado franco-suíço, para depois ganharem duas cervejas do holandês Holandinho, que jogava com Juninho. A partir daí, o que se viu foi muita cerveja e muita confraternização entre os povos australianos, canadenses, israelenses, franceses, ingleses, chilenos, eslovacos e até argentinos. Até o palhaço resolveu dar uma passadinha por lá de dezembro de 2004 Buenos Aires Neuquén Em uma viagem de carro com duração de três meses, é natural que alguns dias sejam monótonos. E assim foi a nossa saída da capital argentina até a esperada chegada na Patagônia. Começamos o dia vencendo a ressaca e o calor insuportável do quarto sem ventilador. A vontade de permanecer em Buenos Aires por mais um dia era grande e unânime, mas decidimos seguir o cronograma e continuar a viagem. Despedimo-nos do pessoal do albergue e botamos o pé na estrada. Entre a província de Buenos Aires e a província de Neuquén, nosso ponto de chegada, passamos pela província de La Pampa e lá entramos oficialmente na Patagônia. A refeição do dia, feita em um posto de gasolina na beira da estrada em pleno deserto patagônico, foi choripán (pão com chorizo - a linguiça deles - para os especialistas em culinária). Comemos (ou, pelo menos tentamos), assistimos El Chavo Del Ocho (Chaves, para os especialistas em televisão) e o funcionário do posto que nos atendeu parecia saído do mesmo programa. Do nada, surgiram três jovens montados em uma única e diminuta motoca. Entraram, compraram biscoitos, jogaram uma partida de totó, subiram na moto e foram embora. Será essa a diversão da juventude no deserto? 20

21 ARGENTINA A monotonia imperou na maior parte da viagem e só foi quebrada por um maravilhoso pôr-do-sol quando o relógio já marcava mais de nove horas da noite. Simplesmente embasbacante. Logo depois entramos em uma estrada que liga o nada ao lugar nenhum, a famosa Conquista del Desierto. Chegamos em Neuquén de madrugada e decidimos passar a noite em um pequeno hotel que se encaixava bem no nosso estilo. Bom e barato. 16 de dezembro de 2004 Neuquén Junín de Los Andes A partir de Neuquén, a Patagônia não é apenas uma imensa extensão de terras planas e desertas. Os lagos de água cristalina e alguns picos nevados já começam a aparecer no caminho até Junín de Los Andes, onde iríamos passar a noite. Saímos de Neuquén bem cedo, em direção a um parque paleontológico no qual foi descoberto o esqueleto do maior carnívoro do mundo. O dinossauro foi descoberto por um mecânico, um senhor de cerca de sessenta anos, que estava lá no museu e nos explicou detalhes sobre as riquezas pré-históricas da região. Demos sorte dele estar lá... Fomos conhecer também as pegadas fossilizadas dos dinossauros, mas elas não eram grande coisa. A essa altura já tínhamos visto crateras muito maiores nas estradas pelas quais passamos. Depois fomos conhecer outro recorde mundial daquela região: o maior lago artificial do mundo, formado após o represamento de um rio para a construção de uma hidrelétrica. O lugar é lindo, as fotos ficaram legais, mas tínhamos que pegar a estrada logo. Almoçamos numa parrilla assistindo a Mujeres Enamoradas, a novela brasileira que fica muito melhor quando dublada em espanhol. Chegamos em Junín de Los Andes no final da tarde, vimos o Vulcão Lanin, na divisa entre Argentina e Chile, mas só de longe, porque o tempo fechou à medida que nos aproximávamos. Mas o melhor do dia ainda estava por vir: um camping à beira do lago Huechulafquen, sob um bosque digno desses que se vê no cinema. O frio começava a apertar, 21

22 FILHOS DO SUL então montamos o acampamento rápido: João e Juninho montaram a barraca, Ricardo fez o macarrão e Diogo acendeu a fogueira. O sol baixou tarde, quase dez da noite, quando fomos deitar. Antes, uma partida de buraco. Na nossa primeira noite acampados, dormimos impressionados com a beleza daquele lugar. Não vai dar pra esquecer esse cenário. 17 de dezembro de 2004 Junín de Los Andes Bariloche Acordamos à beira do Lago Huechulafquen com uma sensação térmica não muito superior a zero grau. O sol estava totalmente coberto pela neblina, o que impedia o passeio até a base do Vulcão Lanin. A alternativa foi um passeio pelo Parque Nacional Lanin, que, além das árvores e lagos, era também cheio de coelhos, em habitat natural. Paramos algumas vezes numa tentativa inútil de pegar os coelhos, mas, óbvio, eles eram muito mais a- riscos do que nós, macaquitos brasileños. E além do mais, pegar coelho pra quê? Saindo de Junín de Los Andes, fomos para outra cidade: San Martín de Los Andes, a uns 30 km de distância, onde se inicia a Ruta de los Siete Lagos. De lá fomos para Villa La Angostura, uma espécie de Campos do Jordão argentina. A ruta tem um trecho asfaltado e um trecho de rípio (terra e pedra), e é emoldurada por muitos lagos (ficamos com a impressão de serem bem mais que sete...). O sol ia e voltava, o que tirou um pouco da beleza do lugar, mas nada grave. Continuamos na estrada até San Carlos de Bariloche, onde a gente alugou uma casa. Cozinha equipada, sala, quarto, banheiro: 10 pesos por pessoa. Valeu a pena. Depois de um almoço com cara de jantar fomos ver a cara da noite em Bariloche. Pegamos um dia surreal: o Boca Juniors tinha acabado de ganhar a Copa Sul-Americana (2 a 0 contra o Bolívar). Uma multidão foi pras ruas da cidade, enlouquecida, ignorando completamente o frio absurdo que fazia naquela noi- 22

23 ARGENTINA te. Nós fizemos o mesmo. E aprendemos vários gritos de guerra bocudos, boquenses, sei lá, que diziam coisas como: La puta madre, la puta que te parió, ó, ó, ó e Boca no tiene marido... Boca no tiene mujer... Solo tiene un hijo bobo, que se llama River Plate. Cariocas que somos, há muito tempo não comemorávamos um título com tanta intensidade. Seguimos a torcida até a entrada de uma discoteca: uma gente estranha, de 16 ou 17 anos em média, que enfrentava o vento frio do Lago Nahuel Huapi de camiseta regata... Desistimos de acompanhá-los. Debaixo dos nossos quilos de casaco, achamos que aquela galerinha ali não era a nossa. Vimos outras discotecas da cidade (uma era até aceitável). Tomamos uma cerveja, comemos e voltamos pra casa, outra vez, mortos de frio. 18 de dezembro de 2004 Bariloche Sarmiento Acordamos no nosso cortiço muito bem aquecido, arrumamos tudo e fomos pra rua. O frio habitual da cidade piora muito com o vento, que não parava de soprar um minuto coisa normal em toda a Patagônia. Compramos mantimentos no supermercado e comprovamos nossa vocação para macaquitos farofeiros: na avenida principal da cidade, encostamos o carro e devoramos o café da manhã de sanduíche de mel com queijo e toddynho, sob o olhar desconfiado dos turistas que saíam do hotel em frente. Demos uma volta pelo centro de Bariloche, onde conhecemos a belíssima catedral da cidade. Partimos então para mais um dia de estrada, dessa vez descendo a região dos lagos em direção à costa atlântica. O percurso é muito bonito nessa época do ano, quando as flores amarelas e violetas cobrem a encosta das estradas, e os picos nevados completam a paisagem de Suíça latinoamericana. O tempo continuou meio estranho, ora abrindo muito sol, ora desabando pancadas de chuva. Paramos em El Bolsón, uma es- 23

24 FILHOS DO SUL pécie de Visconde de Mauá Argentina, cheia de hippies e com uma feirinha de artesanato muito da maneira. Comemos uma hamburguesa pra variar e seguimos viagem. Da paisagem meio serrana, passamos rapidamente à aridez do deserto patagônico. Às vezes, no meio do nada, cruzávamos com alguma cidade de não mais que uma rua, um posto de gasolina e um comedor, na maioria das vezes, bem arrumadinha. No mais, uma reta interminável, ou infinita highway, como já dizia Humberto Gessinger. Aproveitamos o dia longo e decidimos dormir em Sarmiento, no meio do caminho entre os Andes e o Atlântico. Péssima escolha, como veríamos depois. Já passava das 10 e meia da noite quando entramos na cidade. Numa rápida busca pelos três hotéis da cidade, descobrimos que estava tudo lotado por causa de uma tal domada de caballos. Que tipo de cidade fica lotada por causa de uma domada de caballos??? A mais de 100 quilômetros de qualquer outra alma viva, e diante da possibilidade de voltar para a estrada às 11 da noite, resolvemos decidir de barriga cheia, e paramos numa pizzaria. Sentamos, e tínhamos acabado de pedir uma pizza quando, do nada, Diogo teve uma premonição. Levantou, foi ao carro e voltou com a notícia: janela quebrada. Voamos para a F-1000, onde estavam, entre outras coisas, nosso laptop, filmadora e câmeras fotográficas. O saldo, lamentável, foi uma filmadora roubada. Poderia ter sido bem pior, mas esse tipo de pensamento positivo não ajudou muito na hora. Demos mole, isso era fato. Mas lembramos de Aloízio, o corretor de seguros já citado neste diário, que uma vez disse: não adianta ficar caçando as bruxas, é melhor tentar desfazer o feitiço. Saímos desabalados, meio procurando suspeitos, meio procurando uma delegacia. Acabamos na segunda, onde fomos atendidos pela simpática, mas burocraticíssima polícia da província de Chubut. Uma mega-operação foi 24

25 ARGENTINA montada para buscar os ladrões. Ela durou mais ou menos 10 minutos, e envolveu um policial e uma patrulha. Ao nosso lado, uma senhorinha que parecia habitué do local reclamava de qualquer coisa que não conseguimos entender. Ao mesmo tempo, a mãe de uma menina de 14 anos pedia ajuda para achar a filha, sumida há mais de um dia. Era demais para a valente polícia de Chubut. Depois de quase duas horas preenchendo um boletim de ocorrência, o delegado concordou em nos deixar dormir por lá, já que já eram quase 2 da manhã. Ele nos levou então a uma sala cheia de homens estranhíssimos, que logo percebemos serem os presos. O lugar era uma espécie de sala de recreação, com televisão, jogatina, chimarrão e artigos de artesanato que eles fabricavam. Parados na porta com sacos de dormir na mão, vimos os detentos saindo um a um, uns rindo da nossa cara, outros irritados por terem sido interrompidos no que quer que estivessem fazendo. Para nosso estupor, eles foram ocupando quartos vizinhos ao nosso, sem que a policial fizesse nenhuma menção de trancar qualquer porta. Quando perguntamos se elas não seriam fechadas, a resposta foi intrigante: eles são quase de confiança... Quase!!! Bloqueamos nós mesmos a porta com uma cadeira e, depois de uma noite de tensão absurda, tivemos um acesso de riso incontrolável. Nos ajeitamos no chão entre os pertences dos presos, em meio a um cheiro de cola insuportável, e dormimos. 19 de dezembro de 2004 Sarmiento Río Gallegos Depois de uma noite tensa na delegacia, uma vez que qualquer barulho era motivo para cagaço, acordamos e vimos o sol nascer 25

26 FILHOS DO SUL quadrado. Como era de se esperar, a câmera não foi encontrada durante as horas em que tentamos dormir. Era hora de seguir viagem e a primeira providência a ser tomada era a colocação de um novo vidro na janela da caranga. Como sempre não pudemos contar muito com a sorte, pois não seria fácil fazer isso em pleno domingo na cidade sem lei da Argentina. Fomos conduzidos por uma policial ao vidraceiro oficial da cidade de Sarmiento. O sujeito até foi simpático, mas não pôde fazer nada além de improvisar um plástico no buraco da janela até a nossa próxima parada em Río Gallegos. Conseguimos nos despedir da traumática cidade de Sarmiento com a janela de plástico que foi descartada alguns quilômetros depois. Como desgraça pouca é bobagem, assim que arrancamos o plástico entramos em uma fortíssima chuva de granizo. Além de nos preocupar com o gelo na pista e com as pedras atingindo o vidro dianteiro, tivemos que enfrentar o vento incrivelmente gelado que entrava belo buraco da janela. Vencida a tempestade, voltamos a improvisar um plástico que nos protegeu o resto da viagem da chuva que ia e voltava, dessa vez, em menor intensidade. A sorte voltou a nos sorrir assim que chegamos em Río Gallegos. Chegamos tarde demais pra trocar o vidro, mas em tempo de conseguir um bom hotel com estacionamento, banho quente e TV a cabo. Comemos um bom miojo e fomos dormir com a impressão de que o dia seguinte seria melhor. Afinal, era hora de pegar a estrada rumo a Ushuaia. 20 de dezembro de 2004 Río Gallegos Ushuaia Ótima noite de sono, problema do vidro resolvido logo pela manhã, estávamos prontos para sair do continente e chegar à Terra do Fogo. Río Gallegos, que é muito mais um ponto de parada para quem viaja de carro pela Patagônia, não é uma cidade mui- 26

27 ARGENTINA to especial. E parece que está cada vez mais decadente, já que as rotas de vôo pela região esvaziam o local. Ir de Río Gallegos até Ushuaia é um trajeto comum, mas nada fácil. Estradas de rípio, burocracia na fronteira entre Argentina e Chile, mais estradas de rípio, esperar a balsa para cruzar o Estreito de Magalhães e chegar na Terra do Fogo, mais burocracia na fronteira dessa vez para sair do Chile e voltar para a Argentina (só dá pra chegar de carro em Ushuaia se você passar pelo Chile). Mas o trajeto é bonito. O oceano aparecia e sumia com freqüência à nossa esquerda, e os animais ao redor da estrada eram desculpa para encostar o carro toda hora: grupos de guanacos (espécie de lhama), ovelhas, muitas ovelhas, patos selvagens e uma ave de pernas compridas parecida com um avestruz ou ema, mas que não era nem uma coisa nem outra. Tinha até uma placa mandando tomar cuidado com raposas na pista. Parecia coisa para encantar turista, mas uns cinqüenta metros depois cruzamos com um filhote de raposa atravessando a rodovia com toda calma. Mas não tão calma o suficiente para que a gente conseguisse fazer a foto. Vai ficar só na história mesmo... Um pouco depois um pássaro suicida cruzou o nosso caminho, coitado, e bateu no carro. O ambiente árido da Terra do Fogo vai mudando bastante de figura à medida que a gente se aproxima de Ushuaia. Bosques com troncos super-retorcidos pelo vento, lagos e montanhas. Lá no alto, neves eternas. Chegamos na cidade junto com o pôrdo-sol, cerca de 22:30, depois de enfrentarmos uma nuvem de poeira interminável na estrada, que, contra o sol, atrapalhava bastante a visibilidade. Tentamos ficar no mesmo albergue que Diogo, João e Marcos ficaram em 2002, mas o preço havia quase dobrado desde aquela época. Encontramos uma opção mais barata, com uma cara ótima, e bom clima. Além de nós, estão hospedados aqui um espanhol, um canadense e um monte de israelenses. Uma das meninas nos explicou que todos eles (inclusive as mulheres) tinham acabado de sair do exército, onde foram obrigados a servir ao país por três anos (os homens) ou um ano 27

28 FILHOS DO SUL (as mulheres). Ela nos contou que sua base era na Faixa de Gaza, e que a cada dia dois de seus amigos ou conhecidos não voltavam para o acampamento porque tinham morrido em algum conflito. Depois da dureza do exército (que não é uma opção, mas uma obrigação de qualquer israelense), eles saem pelo mundo viajando por cerca de um ano. Viajar é sempre bom, mas para eles parece ter outro significado. Antes de dormir fizemos um macarrão e começamos a planejar nosso natal. Os papéis do amigo-oculto já foram sorteados; temos que comprar os presentes. 21 de dezembro de 2004 Ushuaia Acordamos para um ótimo café da manhã, com direito a uma tradição que pretendemos adotar para a viagem: doce de leite no pão. Comemos cerca de 10 pãezinhos e, satisfeitos, estávamos prontos para conhecer a mais austral e uma das mais belas cidades do mundo. No café, mais conversa com os gringos (leia-se israelenses) e uma conclusão: o brasileiro é mesmo o povo mais bem-humorado do mundo. Enquanto nós rimos e brincamos a cada 2 minutos de conversa em português, os outros hóspedes às vezes parecem muito sérios, não soltam uma risada, e parecem estar sempre discutindo os destinos da humanidade. Eles devem nos achar encantadores, ou completos idiotas. O único momento de descontração maior para eles é quando nos perguntam (e TODOS nos perguntam) como é o carnaval no Brasil. Rio ou Salvador? Rio, claro! Violência? Não, é só não dar mole pelas ruas, nada que impeça a visita. Nosso primeiro passeio em Ushuaia foi no Parque Nacional de Tierra del Fuego. O lugar é lindo, com várias opções de trilhas para todos os gostos. Escolhemos uma que João e Diogo já conheciam da outra viagem, e fomos em frente. Chegamos ao alto 28

29 ARGENTINA de um morro, de onde se tem uma visão panorâmica do fim do canal de Beagle e da cadeia de montanhas do lado chileno. Lá no alto, uma árvore estrategicamente colocada nos colocou ainda mais perto do céu. Um detalhe interessante sobre o parque, e sobre a vegetação da região, é a mudança das cores de acordo com as estações do ano. Quando estiveram nesse mesmo lugar, no outono de 2002, João e Diogo viram uma paisagem muito vermelha e laranja, um dos símbolos daqui. No primeiro dia desse verão 2004/05, a história é bem diferente: muito, muito verde. Difícil escolher a melhor época para se vir a Ushuaia. No caminho pela trilha vimos o trabalho engenhoso dos castores, na construção das castoreras, represas feitas de galhos e troncos. Chegamos a avistar uns dois bichos, mas eles mergulharam mais rápido que o flash das nossas máquinas. Dentro do parque também fica a Baía Lapataia, que marca o final da Ruta Panamericana (Ushuaia-Alasca). Muitas fotos, e uma sensação boa de se sentir no fim do mundo. Encerramos o dia no parque e voltamos correndo para o albergue para preparar um almoço, que a fome já apertava. Saímos de novo para a rua depois de meia-noite e acabamos parando num lugar chamado Lennon Pub, que não tocava nada relacionado aos Beatles, mas era até bem divertido. Tomamos umas cervejas e voltamos para dormir no albergue. 22 de dezembro de 2004 Ushuaia Devido às sérias restrições que fazemos ao nosso limitado orçamento, acordar cedo para conseguir comer um bom café da manhã no albergue se torna uma obrigação e é uma missão das mais difíceis. Mas vale o esforço, pois, além de encher a barriga, nos sobra mais tempo para curtir as belezas do Fim do Mundo. É muita coisa pra ver e aproveitar e muito pouco tempo. E olha 29

30 FILHOS DO SUL que por aqui a noite começa perto da meia-noite e o dia seguinte começa a raiar antes das quatro da manhã... Decidimos aproveitar o tempo bom pra fazer um passeio de barco pelas pequenas ilhas próximas a Ushuaia. Depois de analisar a relação custo-benefício de várias propostas, optamos por desembolsar cinqüenta pesos por cabeça para embarcar no barco de nome Barracuda. A partida estava marcada para as três da tarde, o que nos deixou com tempo para subir o Glaciar El Martial. Pegamos a caranga, fomos até o teleférico e começamos a subida. O frio já começava a apertar e a tornar a caminhada mais complicada e bem mais prazerosa. Na primeira meia hora de subida, avistamos e tocamos no primeiro bloco de gelo. E o frio transformava a chuva em pequenos flocos de gelo. A paisagem fascinante serviu para revigorar o ânimo para terminar o trajeto até a base do glaciar, ou até aonde a nossa falta de equipamento apropriado nos permitia chegar. Mas era mais que suficiente... era ótimo. Estávamos na neve e estávamos muito felizes. Esquecemos o frio e decidimos esquiar. Com os pés, com a bunda ou de qualquer outra maneira. Saímos do glaciar perto das três horas e aceleramos até o barco. Sem tempo para o almoço, a refeição do dia foi biscoito cream cracker e água. O sacrifício valeu a pena. O passeio pode não ser lá muito barato e o frio pode beirar o insuportável em alto mar, mas a recompensa está em cada parada nas pequenas ilhas para avistar centenas de aves e dezenas de lobos-marinhos. A atração final é a chegada ao Farol do Fim do Mundo e, de lá, voltamos pra terra firme. Depois saciar a fome, que não era pouca, descansamos e aproveitamos o tempo para atualizar o diário de bordo e ligar para as famílias (cada vez mais preocupadas desde o episódio do roubo em Sarmiento). Assim que voltamos para o albergue, descobrimos que mais israelenses haviam chegado. A invasão estava 30

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

R010 NAT Patagônia Argentina

R010 NAT Patagônia Argentina R010 NAT Patagônia Argentina INTRODUÇÃO AO DESTINO A Ando leva você a um dos mais incríveis Patrimônios Universais da UNESCO! Aquele que estiver disposto a andar em suas trilhas magníficas, com certeza

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile.

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Fig. 1: Mapa do sul da América do Sul com detalhamento da Região dos Lagos no sul do Chile. Em amarelo as principais estradas e em azul a rota percorrida

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Pousamos no pequeno aeroporto de Katmandu um pouco depois das 6 da manhã. Apenas três aviões cargueiros estavam no aeroporto e poucas caixas com produtos para a população.

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

COLÔNIA DO SACRAMENTO

COLÔNIA DO SACRAMENTO COLÔNIA DO SACRAMENTO Esta é uma viagem para: Voltar aos anos 20, Comer queijo colonial, Caminhar bastante pelas ruas de pedra, sentir vontade de fotografar cada esquina. Há várias formas de incluir Colônia

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

1º DIA LISBOA / SÃO PAULO

1º DIA LISBOA / SÃO PAULO Itinerário ( voos e horários indicativios ): 1º DIA LISBOA / SÃO PAULO Comparência no aeroporto por volta das 21H00. Depois das formalidades de check in, embarque no voo TP87, às 23H30, em direcção a São

Leia mais

Belém e Ilha de Marajó 7 dias

Belém e Ilha de Marajó 7 dias A surpreendente paisagem das praias marajoaras Belém é encantadora por suas mangueiras centenárias que sombreiam as ruas da capital paraense, localizada em uma baía rodeada por água e floresta amazônica.

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração.

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Marcus Vinícius Rodrigues Garcia. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Liège, Belgica. Bom, agora já faz quase três meses que eu estou aqui na Bélgica

Leia mais

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net Guia do Mochileiro O Guia do Mochileiro foi totalmente desenvolvido por mim. Os direitos autorais dele pertem exclusivamente ao LPTS, sendo proibida cópia parcial ou integral do texto e das fotos. Os Sims

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

NACIONAIS DIA NA COLÔNIA. HOLANDA NO PARANÁ (Carambeí e Castrolanda) (Witmarsum) Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS

NACIONAIS DIA NA COLÔNIA. HOLANDA NO PARANÁ (Carambeí e Castrolanda) (Witmarsum) Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS Catálogo de Viagens Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS DIA NA COLÔNIA (Witmarsum) Venha participar de um dia inesquecível, onde vamos ter a oportunidade de conhecer o modo de vida dos imigrantes menonitas

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

20 dicas especiais para quem vem a Buenos Aires de cruzeiro

20 dicas especiais para quem vem a Buenos Aires de cruzeiro 20 dicas especiais para quem vem a Buenos Aires de cruzeiro 20 dicas especiais para quem vem a Buenos Aires de cruzeiro Quando a chega a temporada de cruzeiros, nossa caixa de emails começa a lotar com

Leia mais

Viagem ao Gerês e à Galiza (Agosto de 2007)

Viagem ao Gerês e à Galiza (Agosto de 2007) Viagem ao Gerês e à Galiza (Agosto de 2007) Por: Jaqueline, Davide, Ivo e André DIA 1-3 de Agosto de 2007 Partida de Olhão em direcção a Coimbra, onde chegamos por volta das 16h00. Ida até à praia fluvial

Leia mais

Viagem a Dornes e Sertã

Viagem a Dornes e Sertã Viagem a Dornes e Sertã (19 e 20 de Março de 2011) Por: RuckFules 1 No fim de semana, aproveitando os belos dias de Sol com que a chegada da Primavera nos presenteou, decidi dar uma volta pelo interior,

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

EXPEDIÇÃO IMPÉRIO INCA 2015

EXPEDIÇÃO IMPÉRIO INCA 2015 MACHU PICCHU, LAGO TITICACA, DESERTO DO ATACAMA, NORTE ARGENTINO 23 DIAS (veículos) FORMATO EXPEDIÇÃO COM VEÍCULOS GRUPO MÁXIMO PARA A VIAGEM: 20 PESSOAS OU 08 VEÍCULOS Saída Brasil (em veículos) : 03/09/

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2 E-livro FICHA CATALOGRÁFICA Celeste, Krauss O galo e a coruja cupinzeira/celeste Emília Krauss Guimarães Antônio Carlos Guimarães [organização e revisão] Lambari: Edição do Autor; Belo Horizonte: Antônio

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com BASIC QUESTIONS 200 Opportunities to Discover PORTUGUESE Basic Questions - Portuguese TABLE OF CONTENTS 1. SABE?...3 2. COMO?...4 3. QUANTO TEMPO?...5 4. QUANTOS?...6 5. QUANTO?...7 6. COM QUE FREQUÊNCIA?...8

Leia mais

Uma área da Patagônia Argentina que permite apreciar os grandes lagos, montanhas e bosques. Comidas típicas, ar puro e tranquilidade.

Uma área da Patagônia Argentina que permite apreciar os grandes lagos, montanhas e bosques. Comidas típicas, ar puro e tranquilidade. Uma área da Patagônia Argentina que permite apreciar os grandes lagos, montanhas e bosques. Comidas típicas, ar puro e tranquilidade. Os passeios acontecem pelas vilas paradisíacas como: Bariloche, Villa

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL)

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) A Cidade Maravilhosa Rio de Janeiro, também conhecida como a Cidade Maravilhosa, é a segunda maior cidade do Brasil, e com certeza faremos com que você tenha um maravilhoso

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa 10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa Cães são uma fonte constante de amor e diversão, mas, além disso, nos ensinam algumas das maiores lições de nossas vidas Debbie Gisonni, do Cachorro:

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Viagem de lançamento do veleiro WEST - 6-9 junho 2015 Projeto A ponte entre a escola e a Ciência Azul Ricardo Estevens, ES 2/3 Anselmo de Andrade,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18 PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== PASSEIO NO BOSQUE

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO quinze quilômetros. A do Poço do Soldado é uma das mais populares. Os moradores dizem que a força da água é uma verdadeira massagem. Na do Caboclo há duas duchas, escorrego e piscinas naturais, além de

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

I. Informações pessoais e acadêmicas. 3. Quais os pontos positivos e negativos do Programa Bolsas Luso-Brasileiras?

I. Informações pessoais e acadêmicas. 3. Quais os pontos positivos e negativos do Programa Bolsas Luso-Brasileiras? RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO PROGRAMA DE BOLSAS LUSO-BRASILEIRAS EDIÇÃO 2007 Utilize este roteiro para elaborar o Relatório de Intercâmbio o qual deverá conter os itens abaixo I. Informações pessoais e acadêmicas

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Terceiro Relatório de Intercâmbio de Longa Duração

Terceiro Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Terceiro Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Carlos Araujo RCRJ/Nova Iguaçu Odense, Danmark. Os últimos meses chegaram e já passaram. No geral, aconteceram muitos encontros com os intercambistas

Leia mais

Campos Neutrais Pelos Viajantes da Câmera

Campos Neutrais Pelos Viajantes da Câmera Turismo Fotográfico Campos Neutrais Pelos Viajantes da Câmera Janeiro - 2014 Foto: JM Lanita - Capilla-Taim/Brasil RS 1 Viajantes da Câmera nos Campos Neutrais por Felipe Nyland Porto Alegre amanhecia

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Em horário oportuno traslado ao aeroporto para embarque em vôo com destino a Ushuaia (Tierra del Fuego). Chegada, recepção e traslado ao hotel.

Em horário oportuno traslado ao aeroporto para embarque em vôo com destino a Ushuaia (Tierra del Fuego). Chegada, recepção e traslado ao hotel. Buenos Aires ** roteiro e fotos Viva Terra Chegada em Buenos Aires, recepção e traslado ao hotel. Hospedagem por 01 noite com café da manhã. Buenos Aires Ushuaia Em horário oportuno traslado ao aeroporto

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010 WORLD CUP Turistas do Sul, Junho/20 Total: 4.835 entrevistas : 46% (n=2.204) : 4% (n=202) : 41% (n=2.000) : 6% (n=307) : 3% (n=122) Perfil dos entrevistados PRINCIPAL FINANCIADOR DA VIAGEM Está pagando

Leia mais

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES 7 DIAS E 6 NOITES Breve introdução CONCEITO O itinerário de 7 dias e 6 noites é para aqueles que desejam explorar uma das regiões mais belas do nosso litoral a bordo de um iate clássico e luxuoso. Boa

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 7 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 7 I Ser + adjetivo Estar + adjetivo Eu sou Eu estou Você/ ele/ ela é Você/ ele/

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Itinerário detalhado: Detalhes do Programa. As principais atracções. Itinerário resumido

Itinerário detalhado: Detalhes do Programa. As principais atracções. Itinerário resumido Itinerário detalhado: Dia 1: Chegando ao aeroporto, começa a aventura na Reserva Biológica Huilo Huilo Aeroporto até a Reserva Biológica Huilo Huilo, Chile Detalhes do Programa Código: NAT 01 Temporada:

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2012. Professora: Giovana Barbosa de Souza. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 4 Período: Matutino 1º semestre/2012 Professora: Giovana Barbosa de Souza Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Alimenta o fogo atormenta o mar arrepia o corpo joga

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

AÉREO 20/04 A 30/04/2016 PATAGÔNIA FANTÁSTICA ASSEPAN

AÉREO 20/04 A 30/04/2016 PATAGÔNIA FANTÁSTICA ASSEPAN AÉREO 20/04/16 (quarta) 21/04/16 (quinta) 22/04/16 (sexta) 23/04/16 (sábado) 24/04/16 (domingo) 25/04/16 (segunda) 26/04/16 (terça) 27/04/16 (quarta) 28/04/16 (quinta) 29/04/16 (sexta) 13:00 hs - Encontro

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais