Batida Antológica. Autor: Denis dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Batida Antológica. Autor: Denis dos Santos"

Transcrição

1 Batida Antológica Autor: Denis dos Santos

2 Índice CACARECO JUNK Vagabundo Metropolitano Introdutório Poesia maiúscula Vida Busca Alegre poesia de inspiração Deus Sobre a ocorrência do mundo O segundo sonho Querência Volúpia Vergonha Meia e calça Folha em branco Beco do pinto Cadela velha Sem sentido Campo x Cidade Curta poesia Pipa no ar Procura à Poética ÚLTIMAS INSPIRAÇÕES Parede suja Só festa no lugar de uma reunião familiar monótona Bonde do isqueiro Ensaio Difuso Verde vôo imaginativo Volta Sideral Ecovia

3 A gangorra Lancinante Dormindo na penumbra Lugar comum Lugar comum II Meu e teu Bôro báu bême Conto do Morro do Balangandã Poemeto do amor de irmão Manhã Noturna Fora de tempo Outros significados Wesley Vila Acesos da Contravenção POESIA BEAT Ação enroscada Na mais verde rama Marcha Beat Engenharia da carne Baladinha da sex(s)ta Alucinação lunar Campainhas padrão Artigos proibidos Soneto xarope Sistema de Droga Onda Grossa Tropical Psicotrópica Mundo Animal (Canção do Exílio Animal) O capeta 'tá na terra! Poetar no infinito AMOR ou completa vírgula Amo

4 Amálgamas com beijo No tempo do contrabando O Retorno do Uno Férias Floridas

5 Uma apresentação oriental A curtição e o amadurecimento do tempo com poesia estimulam naturalmente uma íntima e crescente relação com o meio no qual se vive, no mesmo tempo que em plenitude emerge para a Iluminação do Eu-Superior e a realização de um maior contato junto a Shiva. A escalada interna aquieta no Coração a ritmada batida da sabedoria, ao transpor o eu-egóico e a ignorância para assim ser perceptível o real estado da graça de Guru. O sabido abrir das mentes é espontâneo e confunde-se com o Ser Infinito seguindo uma antiga fórmula da Natureza, que em seu equilíbrio renovar é preservar nas fontes a paz individual e a beatitude, em busca do estado de absorção de si mesmo, sem conceitos, e tornar o conhecimento de si o combustível mesmo para a realização e dissolução no Eu-Superior. No despontar do Caminho de Luz da Consciência Infinita, proveniente do próprio Coração, é absorvida a Realidade Una do Conhecimento, alcançado à Plenitude junto ao Corpo do Ser Supremo. Assim aconteceu a geração beat de Jack Kerouac, Beatles, Castaneda e toda uma gama virtuosa de entidades exóticas, dotada de talento e inspiração transcendentais, unindo e enveredando vertentes até hoje ao cantar o amor universal do ocidente ao oriente, na maior manifestação cultural da Humanidade.

6 CACARECO JUNK

7 Vagabundo Metropolitano À céu aberto, ribombam arranha-céus e rotundas em cores na metrópole. E o errante, sobre o degrau, prostra as mãos em devoção, clamando: - Ó gran pitangueira anã você tão humilde e ostentosa, em tua beleza e perfumes voro, inebriado de outras fumaças, por apenas uma porção de seu docinho de fuligem!, Dai-me sã silvestre, uma oportunidade de juntos fecundarmos canteiros e terrenos baldios com muitas mais das divindades de seu porte., Prometo enterrar com carinho o doce dos doces de vossa semente no âmago de nossa fofa terra! Verdejante e corada de tanto lisonjeio, a bicha como que enverga os galhos e despeja em suas mãos uma batelada de incríveis e biteludas pitangas. Assim mais tarde, irradiante do prazeroso reencontro de doçura, entrega toda a coleta à dama na faia e, para completar o dia perfeito faz o último pedidinho do dia: - Passa ma femme meu amor, aquele cafezinho preto na meia do véio. Enquanto isso eu preparo aquele velho naco de fumo...

8 Introdutório Corre em mim o sangue dos deuses das donzelas, a ambição da plebe dos verdadeiros reis e a felicidade. Sou já o instrumento protetor das peles e não só o animal ferido de outrora ignorado dentro de sua razão reles, mas o digno porvir da nova aurora. Sou, sou tudo, sou o nada, sou a massa ignara de excitantes membros posto afora, na luz fulgurante do extasiante mundo feito em carne especialmente para mim. Único animal que quando nasce chora sou agora ser-humano único e sereno, nas graças de Gaia virando querubim.

9 Poesia maiúscula DADA VIAGEM RACIONAL É BALADAMUSICAL RIMARVERDADEIRA... É NATURALNAMOREIRA.

10 Vida Ó maravilhoso espetáculo da Terra, pairei tão contente, extasiado e surpreso em sua volúpia sempiterna que bem me vi como um sopro. Nunca dizer insignificante embora seu desdém edificante renova em mim a trajetória de uma malha intermitente e decisória. A vida é não parar, às vezes pensar que sou e como um peixe no mar dizer à amada que estou... Volte para mim perseguida! Te amo tanto que vou em suas asas, a mais garrida, contemplar os privilégios de seu show.

11 Busca Procuro se preciso nas minúcias um termo e o encontro próximo quando me fio se fazendo clara à origem qual um fio que se curto é deleite, senão levo a ermo. Ah, quantas alvoradas me apresentariam resposta se como um raio, o desconhecimento não pairasse em meu labirinto, mas iluminasse a pergunta que eu mesmo fiz para que a encontrasse.

12 Alegre poesia de inspiração Logo cedo à química do amor percorrendo todo meu corpo e deslocando as sensações da próxima quimera num ardor característico de nervos relaxados. Mas cadê aquele poeta que está dentro de mim que a pouco brincava e versava livre exsudando aos poros a desejada rima, e que agora se choca nas barragens da língua? Continuo aqui, no mesmo lugar, paciente à sua espera ao mesmo tempo que te busco em todos os lugares do universo.

13 Deus Sigo seu caminho enxergando os meus e me guio pela sua essência, tão vivaz e cristalino na criação dos céus o ser supremo no infinito de minha semelhança.

14 Sobre a ocorrência do mundo Poucas respostas tive ao pensar no assunto mas, por que raios paramos nesse buraco? Não que seja o entendimento e os fatos imutáveis mas terá surgido de uma pergunta ou resposta, anunciando a chegada da grande novidade? Especulações à parte, me sinto um fractal reunido num universo de dimensões e realidades por vezes pouco concebida e impalpável, até na relação da vivacidade com qualquer matéria. A grande excursão da consciência liberta e solitária por natureza à busca espacial, é a própria pureza conservada do progresso onde o filho é a substância do filho.

15 O segundo sonho Durmo e não acordo. Ou penso que acordei? Aonde existe pensamento, é onde penso que sou algum raciocínio ou parte dele localizado ribombando a consciência querente de vida. Fabulosíssima epopéia essa que me despertou! Sinto pulsar todos os motivos existentes de uma nobre quimera desejada, ou qualquer inexistência que seja no tempo da desilusão de sentir-se acordado no onírico da querência.

16 Querência Sinto por hora o inteligível deslizar das órbitas interdiscais no espaço comum das intuições subliminares. Será meu desejo tão ardente em fulgor que separa a realidade da razão esperada? Apenas eu sei.

17 Volúpia É tão doce o cheiro da manhã de primavera os arvoredos, e o gorjear com as pupas suaves melodias do sabiá montando o ninho! A preguiça baixa ao solo no tempo que a fruta cai e a suculenta polpa espirra não sei se antes de subir ou depois da escalada da volúpia por dentre as flores transformadas.

18 Vergonha Por que fugiste desta forma! Você sempre tão ardorosa, às vezes passa por mim toda cheia de manha, esguia e dona da situação: te olho e você não! Procuro olhar novamente para confirmar o sentimento, se de afeição ou admiração no rubor da minha espera, e no orgulho de um possível porvir, mascaro qualquer reação: você olha e eu não...

19 Meia e calça Vestimentas saborosas e quente qualidade dos babados soltos às canelas sobrepostas. Eta gosto popular! Imitam até à pele protegida, toda fragilidade dos sentimentos basais, produtos da satisfação de se sentir vivo. Já o peito, eu vigio!

20 Folha em branco Lembro a linda brochura na escola, a ser escrita nas tardes quentes de brincadeira que a espontânea careta espanta. Como o tempo passa, não! Hoje a quero preenchida em preto, branco, ou colorido, já que importa mesmo sabemos, é o sono bom, a diversão, o tesão. O que faço então nessa trilha? Rabisco um amanhã desse modo: o que é bonito aos óleos, não esquecemos.

21 Beco do pinto A ruela amanheceu cheia de penas, uns dizem ter vindo da fazenda, outros que a passarada migrando, nas tendas do beco do pinto montou sua senda. Mas como, se ninguém viu passando nem o fazendeiro nem os pintos ou qualquer pomba-rola voando? Ficou mesmo, foi o cheiro dos campos.

22 Cadela velha Late a cadela na ladeira passando rente aos postes. Sabe que na frente na moita, está a filhote molhada secando ao sol a lamber o passarinho morto já com o bucho cheio à espera do vira-lata. Cachorrinha bonita essa toda malhada e carinhosa. Bem podiam ser das minhas as cadelas manhosas no terreno baldio da rua de baixo! Qual criança nunca teve ou amou uma cachorro! Curioso bicho esse que alegra tanto nossas tardes.

23 Sem sentido Louca vida esta que quando penso encontro não uma, mas mais, muito mais do que consigo conceber. Quem dera eu fosse um deus e agisse certo em todas conclusões já que quando criei as fórmulas quis o nada como maior satisfação.

24 Campo x Cidade Começa o jogo um toca no outro juiz manda voltar pelota parada pelota voando torcida vibra e o juiz apita! É falta! Que isso! Viajou bicho? A próxima é cartão...

25 Curta poesia Deleite todos sua imensidão e sua mansidão à sombra dos toldos.

26 Pipa no ar Voa o enorme papagaio a desbicar do verde galho, e o vento que bate no rosto levanta o mesmo com gosto. E corta a linha os peixinhos o hábil quadrado das sombras, rente às nuvens dos pinhos que buscam juntar as lombras.

27 Procura à Poética Busco um tema dentre os infinitos: e tudo só para me sentir melhor. No latejar dos lampejos, estaciono meus pensamentos: e aguardo em virtude baixar no verso. Como giros transcendentais, escapamos à nulidade da frequentemente boçal rotina intermitente: e no emaranhado de questões pendentes da realidade, desdobramos o universo de uma informação ausente. Essa que só passa a existir no presente tema, quando reluz o lume certeiro do desejo: e em sua escolha, arranjo palavras de ensejo para enredar meus sentimentos e o de toda gente. Como pescar conceitos nos recônditos da mente: e a alma nada aos espirros nervosos fisgadas idéias guardadas, em corpos reunidos na farta rede do querente. Nos sentidos escondo minha perdição. Em verdade declaro, - minha intenção. Tal como penso; - minha quimera. E no tempo vindouro: - minha espera.

28 ÚLTIMAS INSPIRAÇÕES

29 Parede suja Ando virando a lata e o líquido que esparrama, lembra o néctar na mesa que nos servem, os pratos fisgando a gente os talheres esparramados da mudança e também todas quinquilharias. Molhação em contrastes diversos e a Aurora boreia imunda às paredes molhadas em cinza, borrões e incrustações azuladas, escuras em faixas longas pela branca parede da sala. Só faltava chover na cidade e a lambança estaria feita! Tomarem o rolo jogado e o pincel molhado estarem à disposição da suja pintora, e do entardecer chegarmos limpos à garantida balada noturna.

30 Só festa no lugar de uma reunião familiar monótona O povo aproveita à beça a louca vibração do palco fervendo os hormônios e os saltos aos pulos, chamam a atenção da tribo delirando na arquibancada. Que agitação danada esta transformando o suor num melaço cheiroso, fedido e grudento de tão social em suas ambições na fina mistura da diversão! É claro olharmos extasiados toda algazarra de risos nos cantos das tendas armadas, todos os palhaços e também toda panacéia de elogios dignas de uma grande festa que acaba deus sabe quando, já que não existe hora para acabar. Interessante notar no fim da noite os olhos cerrados, mas esbeltos da ávida platéia à troca de banda! Todos sedentos na barganha repunham os sais convencidos enquanto uma parte embarcava na tenda ao lado outra viagem, e tão intensa quanto a primeira, dançavam sobre a luz da alvorada encerrada num verde-violáceo, própria de pirilampos brincando no gramado fértil da vida. Eta solzinho bom esse!

31 Bonde do isqueiro - Fogo! Fogo! Quem tem fogo! E o bonde não pára onde ninguém pára mas todos queimam a pelota de fumo cheirando na brasa do som rolando. - Quem tem fogo! Fogo! Fogo! Tenho, não tenho não tenho, tenho outro perto do cinzeiro. Que vai acontecer? Vou acender! - Fogo! Fogo! Quem tem fogo! Espera o bongue no colo a boca sugando no colo à chama acesa o bocal. E nos trilhos trepida a galera da boa, viagem maneira.

32 Ensaio Difuso Simulacro no mar de interferências provocadas e tomadas no cenário surreal das culturas é dissonante enquanto fonte perceptiva mas ainda no palco clara representativa. Tudo posso, se desdifuso a rima repartida na obscura beleza de um soneto e com livres versos declamar na poesia as estrofes do coração num quente canto. Breve peça no artifício textual, preencha toda regra coloquial no simples diretivo campo do respeito, e liberte a proposta que arde no peito.

33 Verde vôo imaginativo Aproveito no giro da Terra um vôo alto catapultado ao toque lunar impulso plano, e mesmo em flutuar raso no vento oportuno me deixo guiar seguro pelo sol incauto. No caminho, pouso aliviado na nuvem próxima em posição de lótus, à colcha aquífero e pueril, estufa de origem metropolitana, e avisto a primavera ávido por seu cheiro, na precipitação gentil. Por indução, me exilo no campo afora alçando novos planares a exemplo da fauna: pela amêndoa do esquilo voador, a rapidez pelo néctar da borboleta, a altivez. E ainda rente, contemplo a flora verde vivaz que não virou savana.

34 Volta Sideral Voltei de uma viagem pelo cosmos trazendo uma nova da última dobra espacial, cria genuína de nebulosas em choque. Na pressa de me acomodar no núcleo quente da via láctea onde de elípticas e irregulares espiralavam ao mesmo tempo as ex-galáxias solitárias, fui percebendo melhor seus contornos e pensava como raios carregar minha grande futura geradora galáctica incólume e aquecida para algum lugar daqui perto, nem que fosse desdobrando na esquina da Vênus com a Mercúrio, e eu já tava contente. "Mas não!, - dizem uns muito espaço ocupar, "Não, mas..." - dizem outros muito tempo levar. De qualquer maneira, trago a danada nem que seja voando à Cavalo.

35 Ecovia Contrasta a paisagem do colorido Amazonas, numa imensa variedade de penagens, as excrescências, e aos extratos semeados completa com a massa, o encanto, com infinita admiração: - a bicharada! De giros em rodopios pousa na copa o tranqüilo sabiá a montar o ninho e atento ao ribombeio esvoaçante do vizinho vislumbro, no farfalhar das caudas: - a papagaiada! Perdido da matilha, na beira da lagoa roça o animal molhado numa boa e na fértil terra a olhar o nada contemplo, no saudoso reencontro: - a cachorrada! Novas possibilidades de sombra e sossego das suculentas flores a colher no galho e as suculentas frutas a de uma dieta completa avisto, na oportuna mata: - a macacada!

36 A gangorra Balança ao espaço o menino faceiro na gangorra imemorial do parque da vida. Para cima apeia um novo impulso, para baixo eleva um outro pulo. Do alto avistam alguns adultos e no solo perscrutam todas as crianças à espera de um brinquedo vago e inteiro. E pairam serelepes em outro meneio um rápido balouço entre murmúrios e o despontar do dia no parque da vida.

37 Lancinante De ontem feito em carne hoje sou todo nervos, e amanhã sabe-se lá o quê.

38 Dormindo na penumbra Dorme ao relento o menino alheio ao contrato político. Um sonha modesto aos ventos e o outro atento aos contentos, esperam aos pobres se amando ainda às luzes apagando. E na retraída sombra da cruz o renovar da aurora faz jus: - Vai lá menino, toma o que é teu!, orienta o papai do céu - E volte ao bento sono.

39 Lugar comum Rio cadeira guarda-roupa cama telhado escada passarela corredor, fila planeta estrela lua, meteoro cometa escuro claro, duro mole quente carne osso nervo raio semente tempo buraco-negro minhoca espaço.

40 Lugar comum II Sento aliviado e um ventinho sopra num lugar próximo onde me situo. Um vento quente e molhado concluo, pois sinto uma satisfação de sobra.

41 Meu e teu Seguro em nossas mãos cheio de graças, está o futuro e ambas suam. Nosso bem-estar está em jogo e o cheiro doce de um, mistura ao azedo d'outro e vice-versa. E no polapola naturalmente exsudante de um lindo sentimento, penso o presente a ser dado.

42 Bôro báu bême Quando nada baixa ao papel ligo incerto o rádio elétrico em busca de um som meloso ou metal a depender da circunstância, companhia ou lero.

43 Conto do Morro do Balangandã A terra fofa cheia de gente acomoda uma reunião inusitada: a baianada a fazer o teste da saia! O bonito bordado feito a mão apresenta agora o novo tecido incrível e porreta à base de pimenta. Embora tenha começado a chover a proposta continua no arrastar dos adornos, que a especiaria temperasse a lama e animasse os santos do paraíso, para lembrá-los do acarajé e do cuscuz, do vatapá e todos pratos quentes da nossa Bahia tão caliente. Pelo visto, agitou todo mundo!

44 Poemeto do amor de irmão Obrigado vós e pais tios, vôs e mães e a primaiada toda das vilas, pelas andanças e amizades todas. Qualquer explicação é mera tentativa de expressar o amor todo sentido, e que vibra nos corações como calor.

45 Manhã Noturna O céu ainda vermelho cai. Parece coisa de profecia ou mera construção [poética mas o que aflora, antes de tudo, é a beleza. Sempre que o tempo periga virar, parece acordarmos de um [pesadelo mas a sensação, numa análise fria, é de estarmos sempre vigiados. Pode ser que por nós mesmos, extasiados na intempérie, pairando ainda a incrível sensação do divino repartindo a benção [do porvir. Longos momentos de esquecimento e o nada seriam [uma citação, mas está perto de ser a única: além da potência [do fabuloso alvorecer sempre existirá a pessoa ao lado, o amigo, a parentada, [a bondosa natureza ao redor. E, além de tudo, ainda é madrugada! E a noite sendo uma criança, quando damos por si, percebemos qualquer luminar, seja da onde [for, seja de uma estrela próxima ou não, ou o simples [reflexo da nossa próxima gram-maior. Ó aurora por tardar, chegue desalaranjada dessa vez, se for de tua satisfação, mas continue a aquecer nossa morada pueril, e aproxime a consciência desperta do ente mais próximo em sua [clareza! Ó magnífico luar, queira seu acontecimento junto às marés e o arrastar dos ventos, enveredar livre às escuras e [obscuras praias e, por favor, deixe escapar também aquela aragem [da areia quente, típica dos sonhos mais voluptuosos dos enamorados:

46 é certo serem cíclicos seus acontecimentos, mas te quero [eternamente em ares de festa... Assim, tratemos de amanhecer logo, não tarde [outra noite nova...

47 Fora de tempo Ontem, hoje, amanhã manhã, tarde, noite escuro, colorido, claro antes, durante, depois... Nadas múltiplos imundos sopros bola murcha mundo afora todo material residual e igual, e cama quente do vivente inconsciente.

48 Outros significados (ou a mente filmada) Depois de tantas fitas qualquer besteira é bobagem e a dúvida nunca pára: o que há a rolar? Só sabemos da pelota de terra e outras cositas, mas o que fica mesmo são outros significados.

49 Wesley Vila Grande amigo esse carinha maluco - De hora em hora fila a bóia! Mente descrente na ignorância em uníssono - De tempo em tempo alegre vóra! Chama a loura pensando no louro - De vóra em vóra sereno tempera! E gora outra crente no bolo - De papo em papo voa à desforra! Bota na conta e chama ao campo - E de trago em trago na rama declama!

50 Acesos da Contravenção Hoje nos grandes conglomerados tanta poluição quanto anúncios de todas as espécies e interesses anuviam tanto a mente de quem passa que se mimetizam no escuro da desinformação. Numa bela e chata tarde de domingo, um amigão da galera traz consigo baseado, cigarros e bebidas. O pessoal mais novo, empolvorosa, excita-se em êxtase e admiração com o galã e sua gata botando fogo na bomba, e mais ainda com o grosso calibre da especiaria, diziam ser, de Santa Catarina. Alheio às fascistas proibitivas acerca das substâncias e os que aportam, o jovem, defronte ao cheiro inebriante e a brasa acesa, encontra-se no ápice subversivo de sua vida e das próximas gerações e o ébrio torpor da juventude transviada transcende o entorpecimento. - Tudo aquilo que falaram torna claro que não passam de mentiras ou interesses escusos, e nada impedirá uma vida de liberdade e maiores volúpias! Não fosse tamanha exposição das preconceituosas divagações sobre drogas, conclusões impertinentes não entrariam na ordem inconsciente do dia. - Porra véi, ninguém merece!,

51 exclama a gatinha no tempo que carbura a fumaça na mente, dando mais um peguinha na bagana. E assim todos riem da voz fanhosa e o alento da subversão, e a situação se perpetua, ao menos enquanto durarem maiores e estranhas proibições.

52 POESIA BEAT

53 Ação enroscada Tresmalha louca intrépida intrínseca antes do chão do mar o continente, afluentes de formação em extratos ascendentes céus azuis, a terra barrenta na água suja depósito de lodo ígneo escura cinzas claras reversas brandas no desopilar de calor âncoras obtusas. Depois do pó derrete primeiro a verve gelada areiando por cima torrando baixo dentro em frente sapeca de lado no mesmo vento virtuose de visco ulular no sol para ver se esquenta também os cantos em longas solapadas ao voltar dos becos, do giro massa não-escalar infinita a garganta seca mas de glosa molhada

54 mesma da perereca linda da natureza, na hora que parar sobram as luzes!, pois já é tempo de voltar mormaço agora colorido debalde no campo corpos já sem dor você me beijar e de dois numa faixa retornar, e grunhindo de um dar dois nós a pupar n'amoreira a galope doce, a cumeeira cheia transbordar da massa eira nossas boas e velhas chapadas.

55 Na mais verde rama À sombra do chumaço tropical paira o mais agradável microclima rasteiro encontrado em nós, tal gomos de morada do bambuzal, ancestral também na rama, ladeados cuneiformes entrenós. Qual cabana apache do grilo, lasca tentativa ajunta-lo, densas hastes móveis em fósseis arranjos sésseis. Amarela vermelha rosada. De volta a verde rama, queima o cone interno declarado fervor de lama.

56 Marcha Beat Na Unidade rumamos à concretude da infinita linha imaterial, num infinito Universo atemporal, de um simples foco em alude. Vontade Divina retirada já, quase variação de tempo - e Seu Corpo no Centro da Alma do Absoluto Cosmo em Remanso. Concessão vital no crepúsculo, ofuscar o esplendor pelo calor à verve, tostado e noturno? Púrpuro ou nebuloso mentor de cordão irradiante e pulsante, exótica à faixa cintilante.

57 Engenharia da carne Mera redundância estaria e até no fim-do mundo tocaria o verbo balançar na carne no ninar ou qualquer tocada "principal noturna intrincada" e edificante alvorada estandarte. Longa, alongada onda, és também brasa primórdio! E como tudo que nesse mundo dura, amola ou faz milagres, e considerado material próximo aproxima sua entoada fervilhante: "- És viagem ao relento léu em seu depurado gosto de céu."

58 Baladinha da sex(s)ta - À Glauco Mattoso Um beijo, um abraço e um queijo: que mais preciso que isso a não ser a toada em uníssono do bom e velho ensejo na nossa morada ou qualquer trepadeira vistosa na rua, subirmos e vê-la nua, juntinhos a pintura da Cher. Seu sorriso claro inspira-nos a tentar proezas mil enquanto lá embaixo, dormindo, guardamos baixinho suspiros de nosso sonho bento e vil, nos respingos de um luar bem-vindo. ]

59 Alucinação lunar Gostos tantos qual enxurradas e o povo, mais do que as estrelas, trespassam à sensação delirante queimando e torrando defronte. Também mel de outrora, etéreo mel lancinante, no asco, sua afetada juventude. De brilhantes crateras diurnas, clarificada instituição humana, seu beijo frio tempera noturna.

60 Campainhas padrão - ao Racionalismo O mundo ao redor esclarece pululante às vezes, e como sempre, sempre ao alcance deslizante escorregar e acionar do maquinante. "- A da vizinha pode até ser maior!", mas não é o alcance ainda menor tal o chamar embaixo berrante ou encima qual motim consoante!

61 Artigos proibidos Melancólica colina em plena primavera alheia rima desconsiderada em seus tecidos qual masoquismo enrustido e eternidades no inferno garantidas a quem se resguarda em casa ou o Érebo. Flores vistosas enchem os olhos d'água enquanto a semente da paz guarda o caminho de quem está só de passagem no crepúsculo. "- Mas alto lá meu rebanho!" Já comum "estória para boi dormir" pensar ser demais três voando, é o casal de velhinhos, naquela serenidade, simular saudoso o encontro com a beata. Ao invés de tornar história tão pequena influência conto a verdade torcendo ser a sua na trajetória nebulosa de grande atividade a esperar a iluminação do laboratório racional.

62 Soneto xarope - à Castro Alves Saia na sacada e veja um sorriso se abrir no céu noturno, e o frescor pluvioso e fluminense em brisas no crescente alvorecer cósmico o branco véu junção do encontro às vizinhanças gloriosas. Nas calçadas, de um prazeroso passeio ao léu, suavizar ainda mais a febre juvenil ao contemplar da cintilante lua gentil, meia escura na penumbra, seu doce mel. Deleite essa porção mate, hortelã ou camomila n'amoreira ou floridos canteiros de verde cipreste, sana minha dor de amante à sombra da faia. E deixe efetuar a ardorosa volúpia celeste junto do azedo processo catabólico e maçante ao sorver a especial mistura de teor emulsionante.

63 Sistema de Droga Para ocuparem um estratégico ponto na favela achega um comerciante a procurar um sócio e aflitos na fronteira esperarem a muamba para o tempo dos jovens e usuários no ócio. Passada a trouxa de mão em mão no tronco oco guarda depressa: "- O cabeça 'tá chegando!" pois a ordem era embrulhar um milhão. E mesmo desentendido e sabido da contravenção o viandante curioso arremata na bica, entre a barraca de doce e a venda, o ainda subdesenvolvido produto pela nação.

64 Onda Grossa Garantido efeito da marola! Aquela marola da boa e da qual surfamos até seu orgiástico rebento. Quão saudosa maresia, como se voasse a tal névoa úmida e malograda, e que por poucos rendidos muito acabam fodidos. Mas de sua eterna atualidade, na chapada o que enreda é a brisa.

65 Tropical Psicotrópica Na alta estrada a viagem por dentre buracos e atalhos, toda sorte de fenômenos beiram psicodélicos ao lado: plantações luxuosas de doces cogumelos gigantes e coloridos ecstases de prazer sensacionais em bagas de cheirosas flores sortidas sementes tropicais. Adentro às possibilidades de colheita, cascatas fluviais cristalinas contrastam montanhas à fundo num céu de nuvem vermelha laranja regrados à cânhamo e chimarrão, encerrar o cenário na irrupção da encosta, numa sombrinha sem igual.

66 Mundo Animal (Canção do Exílio Animal) Ó sabiá da minha palmeira por onde voavas tão revolto, que de volta a ti paixão, pressentia as nuvens de monções a chegar. Baixava fugaz dos granizos, de palmeira em palmeira, todo enlameado embora posto que chafurdando atrás de uma suculenta minhoca, e perdia-se com a cuca por dentre a relva jamaicana, nas pradarias do planalto meridional. E como se falasse, o bicho logo cantava: Crê amor! Crê em mim... Bela Dona! Achando mui peculiar o gorjear, mesmo em voltar aos afazeres do lar, ao atravessarem voando e hábil a pinguela, tomaram na faia os primeiros respinguelos, pressentindo as nuvens de monções a chegar.

67 O capeta 'tá na terra! Se não bastasse todo sofrimento o amor de todo não vingaria na volta da dor um quente sereno relaxar no mesmo o homem que ria.

68 Poetar no infinito No imortal desenrolar poético a reversa rima do pó abraça ao ar membros e prazeres através dos tempos. Errático e muito embora doce, de quando azedo o caminho reto ao desejo perpassa lusco, mas amaina.

69 AMOR ou completa vírgula A santa sensação do amor imaculado sentimento bendito a moda do momento ou o mesmo passageiro juvenil presente de todas épocas e eras do fogo eterno da paixão. Sedenta e aficionada amante emoção tipicamente afeminada rima do sentido imaterial mas tão existente quanto bica das montanhas geladas escorrida por infinitos rumos aos desertos para deleite viajante rotatório delirante compartilhado refrescante escarpa digestória em meio à vento na espraiada nutritidora e fruta do paraíso como se doce o próprio mar. Som da vida em flor pétala à pétala num buquê com seus botões à mostra simétrico fractal unido desde criaturas crias animais mansas com seu fervor até intelectos dinossauros bufões cor-de-rosa musicais polados enroscados sobrepostos quão instintivo órgão religioso sobrehumano espírito do conjunto o racional leitinho do bico do peitinho da mãe Terra alento voador da paz

70 a natural onipresença é o amor. Você chegou meu bem e eu cheguei também. E como um formamos algo incrível juntos. Sentem todos a chama eterna e inflama amizade dessa coisa que gama e só nos traz felicidade. Feliz é quem se rende à veemência sem culpa de um sentimento todo seu e assim achega a gente num afeto sob a lua que a solidão a paixão resolveu.

71 Amo Venho chegando para te surpreender, te dizer tudo que precisavas, só que na batida de seu coração que é só o que eu precisava. No trajeto, não ouso nenhum zigue-zague não ouço nada dos lados. Penso apenas em chegar logo pois tenho medo que não saiba que te amo mais ainda que tudo.

72 Amálgamas com beijo Longeva liga metametálica de transição curtida desembocada avermelha em formação para rosear a bochecha e roxear o pescoço combinam desde a alquímica de cerveja e tremoço dos encontros no banheiro nos shoppings nas praças ou mesmo qualquer cara-de-pau nas calçadas enveredar carno-aquoso onipresente sua bocaça bela e doce eternamente entornando todos os orifícios até a mente limpar o suor a língua em seus cantos em água ou a testa molhar quente de novo em outra rodada de beijos tantos dessa vez secar nas esparsas no mesmo processo embora misturado num chão forrado de lenço perfumado só que agora às patativas e magnólias.

73 No tempo do contrabando Tarde na balada numa boa fumava um tranquilo e chapado: - Ei Miguel, que passa na zona azul?, dizia o malandro com o zóio esbugalhado, no delírio de pensar a muamba chegando, - Que massa véio, 'magina se vêm daquelas? e emocionados da possibilidade, Delito exclama: - Corre que lá chegam nossas felicidades!, dando mais um rápido peguinha na bagana e voando com o bagulho ainda na mão. Defronte ao estabelecimento mesmo, salvo as honrarias da malandragem, voraz abre o embrulho e dá aquela cafungada: - Que barato lôco grande irmão! - Podes crer carinha, a viagem foi longa mas valeu... - Pelo cheiro subo até nas paredes! - Deixe-me ir. Aquele beijo pra Constanza, e marquemos logo de nos encontrar no Club3000!, despedindo-se rápido com abraços os amigos. De volta da função, Delito já seco de tanto bater fliperama larga mão e beija Miguel, seu companheiro, até na boca de tanta felicidade, mas ao desembrulhar a muamba: - Mas que pepito! Que merreca é essa? - Tava osso véio, então sobrou só isso... Moral da história: o que é muito para um, pode não ser para o outro.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço.

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço. IN EXTREMIS Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia Assim! de um sol assim! Tu, desgrenhada e fria, Fria! postos nos meus os teus olhos molhados, E apertando nos teus os meus dedos gelados... E um dia

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

1. VOZES UNIDAS. Letra e Música: Márcio Catunda

1. VOZES UNIDAS. Letra e Música: Márcio Catunda 1. VOZES UNIDAS Letra e Música: Márcio Catunda Canto em nome do mundo querendo que a paz permaneça no ar e quem souber o segredo pode num segundo fazê-la brilhar. E no silêncio da vida a voz clarividente

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS)

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA, YEMANJA...(BIS) RAINHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR...BIS É BONITO O CANTO DE YEMANJA SEMPRE

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008 COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008 1. ENTRADA (Deixa a luz do céu entrar) Tu anseias, eu bem sei, por salvação,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Tenho Sede - Gilberto Gil

Tenho Sede - Gilberto Gil Tenho Sede - Gilberto Gil Traga-me um copo d'água, tenho sede E essa sede pode me matar Minha garganta pede um pouco d'água E os meus olhos pedem teu olhar A planta pede chuva quando quer brotar O céu

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

O PASSAPORTE PARA O AMOR

O PASSAPORTE PARA O AMOR O PASSAPORTE PARA O AMOR Dom Juan Michel ÍNDICE 01 A Lua e Eu 02 Um Lindo Amanhecer 03 A Aliança do Amor 04 A Flor dos Desejos 05 As Milhas do Amor 06 Quando o Amor Me Leva a Sonhar 07 O Vento Sopra Lá

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO HINÁRIO NOVA DIMENSÃO Tema 2012: Flora Brasileira Rabo de Galo (Worsleya rayneri) Padrinho Alfredo Alfredo Gregório de Melo 1 www.hinarios.org 2 01 BRILHANTES PEDRAS FINAS Marcha - Valsa Ao pai eterno

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote CORTEJO DIVINO I As ruas são um jardim E na festa mais singela, Ao abrir duma janela, Um perfume de alecrim. Gentes que mostram assim, Que o Mundo tem mais valor E, em traços de pintor, Há quem pinte bem

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

1. A ESTRELA E A LUA

1. A ESTRELA E A LUA 1. A ESTRELA E A LUA A ESTRELA E A LUA ERAM DUAS IRMÃS COSME E DAMIÃO TAMBÉM SÃO DOIS IRMÃOS OXALÁ E OGUM GUIA NOSSOS PASSOS SOMOS FILHOS DE UMBANDA QUE BALANÇA MAIS NÃO C 2. CADE DOUM COSME E DAMIÃO,

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS CANTATA DE NATAL 2015 ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS 1. O PRIMEIRO NATAL AH UM ANJO PROCLAMOU O PRIMEIRO NATAL A UNS POBRES PASTORES DA VILA EM BELÉM LÁ NOS CAMPOS A GUARDAR OS REBANHOS DO MAL NUMA NOITE

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito Era uma vez um boneco de neve chamado Bonifácio, que vivia numa terra distante onde fazia muito frio. Ele era um boneco especial, porque podia

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2009 NOVEMBRO/2009 BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA Assim como nós, cidadãos, temos documentos para sermos identificados onde quer que estejamos, como brasileiros temos nossa

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com O balão. Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow www.biografiasporencomenda.com O Balão Ainda não tinhas nascido quando recebeste o teu primeiro presente.

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Glaucus Saraiva - poeta gaúcho

Glaucus Saraiva - poeta gaúcho Um dia, ao retornar da escola, Felipe tentou explicar ao pai que o professor havia falado sobre o chimarrão, que é uma bebida saudável e símbolo do Rio Grande do Sul, entre outras coisas. Armando, seu

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DOS SAMBAS. Autor Samba Melodia Letra Enredo Total

FICHA DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DOS SAMBAS. Autor Samba Melodia Letra Enredo Total FICHA DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DOS SAMBAS Autor Samba Melodia Letra Enredo Total Cosminho Santa Marta Grupo Bom Clima Jorginho, Luizão e Paulo Sunga Mauro Montezuma e Tota Nego Wando e Sidimar Paulo e Rafael

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar!

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar! O livro por escrever Poderiam ser o início de um livro, estas palavras De um livro sem princípio nem fim Aquele espaço em que para me encontrar Teria de me ausentar por uma eternidade Afastar-me dos sons

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda)

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) propósito Viver pouco mas viver muito Ser todo o pensamento Toda a esperança Toda a alegria ou angústia mas ser Nunca morrer enquanto

Leia mais

Azul Trovão de Ondas Tamanho: W8508xH20000mm

Azul Trovão de Ondas Tamanho: W8508xH20000mm Azul Trovão de Ondas Tamanho: W8508xH20000mm TROVÃO DE ONDAS Este é mais um integrante do projeto bolhas padrão em espiral e camada sobre camada de ondulação, as marés recordam o trovão que se aproxima

Leia mais

Tenda de Umbanda Caboclo Ubirajara e Vovó Tereza PONTOS CANTADOS DE YORI COSME E DAMIÃO

Tenda de Umbanda Caboclo Ubirajara e Vovó Tereza PONTOS CANTADOS DE YORI COSME E DAMIÃO PONTOS CANTADOS DE YORI COSME E DAMIÃO 2012 Saravá Cosme, Damião e Doum! Amibejá PONTOS CANTADOS DE YORI Têm festa na rua e no coração; Crianças correndo com balas na mão; Daí me sua graça e devoção; É

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Harmonia no lar Duas regras infalíveis na santa escola do bem Quem não estuda não sabe, quem não trabalha não tem A alegria de uma casa tem esse preço em comum

Leia mais

Estrelas Estrelas nos olhos... Ele tem um brilho intenso nos olhos... Tem um brilho que se expande em estrelas nos meus olhos... Faz pensar...em ser brilho... Brilho nos olhos dele... Perfume de Amor Flor,

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Meditação Rita Soliéri

Meditação Rita Soliéri Meditação Rita Soliéri C o n t o Mais que os olhos Ana Miranda Vós, árvores, que tendes a me dizer, tão mudas? Tão solitárias. Falam apenas ao vento seus murmúrios de vegetais, silenciam da solidão, na

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch Uma história de amor Elisa Tiegs Gnewuch Capa TSA - sobre arquivo livre do banco de imagens Morguille (morguefile.com) Todos os direitos desta obra são exclusivos da autora. As mais lindas palavras de

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais