QUANDO TODOS OS CAMINHOS LEVAVAM A PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUANDO TODOS OS CAMINHOS LEVAVAM A PORTUGAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA QUANDO TODOS OS CAMINHOS LEVAVAM A PORTUGAL Impacto da Guerra dos Cem anos na vida económica e política de Portugal (Séculos XIV-XV) APÊNDICE ARDIAN MUHAJ DOUTORAMENTO EM LETRAS RAMO: HISTÓRIA ESPECIALIDADE: HISTÓRIA MEDIEVAL 2013

2 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA QUANDO TODOS OS CAMINHOS LEVAVAM A PORTUGAL Impacto da Guerra dos Cem anos na vida económica e política de Portugal (Séculos XIV-XV) APÊNDICE ARDIAN MUHAJ TESE ORIENTADA PELA PROFESSORA DOUTORA MANUELA MENDONÇA ESPECIALMENTE ELABORADA PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM HISTÓRIA MEDIEVAL 2013

3

4 2

5 Índice Apêndice Pliográfico... 4 Quadros e gráficos Documentos ilustrativos

6 Apêndice Pliográfico Combate naval (s. XIV). Smithfield Decretals. British Library, Royal 10. E. IV, fol Domínio público. A intenção deste apêndice é ilustrar e documentar os dados e os resultados analisados. Isto porque consideramos que é muito importante confirmar se, durante a crise dos séculos XIV- XV, a presença económica portuguesa no exterior e a presença económica do exterior em Portugal diminuiu, como seria de esperar no caso de um país em profunda crise, ou se, pelo contrário, aumentou. No primeiro caso - diminuição desta presença - os dados iriam dar mais fundamento à tese da crise económica dos finais da Idade Média em Portugal. Assim sendo, a diminuição da presença económica justificar-se-ia plena e perfeitamente, com a real decadência económica e demográfica. No segundo caso - aumento da presença económica - a tese da (profunda) crise económica não poderá ser sustentada. 4

7 Os dados apresentados neste apêndice e trabalhados ao longo do nosso texto, mostram, não simplesmente um aumento percentual desta presença, mas mesmo um significativo crescimento da mesma. Comparando a presença económica portuguesa nos períodos , ou seja, desde a conquista do Algarve até à Peste Negra e , ou seja, entre a Peste ou o início da Guerra dos Cem Anos e o fim desta Guerra, não conseguimos convencer-nos sobre a existência duma decadência e crise económica nos séculos XIV-XV. Concretamente, entre 1350 e 1450, aumenta significativamente o peso da economia portuguesa, quer no continente, quer na Península, no Mediterrâneo, em África e no Atlântico. Vamos visualizar um dos agentes mais importantes dos contactos económicos de Portugal com o exterior ou seja os dados relativos aos navios que possibilitaram os diversos contactos, através de um esboço, a que chamamos pliográfico 1. Consideramos fundamental para o entendimento do comércio marítimo medieval, o estudo de um dos agentes mais importantes que o viabilizavam: os próprios navios. Isto tendo em conta que neste tempo um navio queria dizer navio mercantil, mesmo se falarmos de galés e que o propósito principal dos navios era o comércio, sendo secundária a sua utilização militar e também temporária, por vezes até forçada 2. O tipo de navio no qual se transportavam as mercadorias veio a ter maior importância a partir da segunda metade do século XIV, quando o serviço de seguros marítimos se desenvolveu, acompanhando o aumento da insegurança nas rotas comerciais 3. Dados importantes a ter em conta são: o nome pelo qual era conhecido o navio 4, o respectivo tipo, a tonagem e o tempo de vida útil 5 ; a identificação do patrão ou patrões, dos mestres e dos marinheiros 1 A escolha deste termo, talvez demasiado pessoal, deve-se ao facto de não termos considerado oportuno incluir os dados sobre os navios num apêndice prosopográfico; isto porque não se trata de pessoas (prosopoi), mas de navios (plio). 2 Richmond, The War at Sea, in determinate occasioni, gli assicuratori tracciassero sottili distinzioni tra i vari tipi di vascelli e che tali distinzioni avessero un incidenza sul premio pattuito. Ceccarelli, Stime senza probabilità, From the beginning of the fourteenth century, however, almost all ships were named after saints Back in Louis IX of France left for his first crusade aboard a Genoese ship called, inappropriately enough, Moneta ( money ). the virtual disappearance of auguratives and the concomitant rise in saints names may be taken to indicate a loss of confidence in one s own power and a growing need for patronage and protection. Kedar, Merchants in Crisis, Em1384, três das dez galés do rei francês, se dizia que eram 27 anos e que necessitavam de extensa reparação. Richmond, The War at Sea,

8 que nele serviam, assim como a geografia da sua actividade comercial. Todavia, sobretudo no século XIV, os dados sobre os navios são muito escassos. Mesmo quando se registam as taxas pagas, a verdade é que o nome do navio, do mestre, o porto de origem e o destino aparecem muito raramente 6. O século XV não aumenta significativamente o conjunto de dados sobre os tipos de navios em circulação, nem sobre a sua morfologia 7. A terminologia utilizada para designar os vários ou os mesmos tipos de navios era em geral internacional 8. Gras apresenta oito diferente nomes de navios, segundo os Customs Accounts, para os séculos XIV-XVI: Navis, Balingera, Batella, Carvela, Craiera, Galia, Scapha, Spinacia 9. Mas outros autores acrescentam diferentes nomes também usados: Bussa, Fluna, Gabot, Hulk, Dogger, Lodship, Galles, Carracka, Barge, Nef, Tarite, Boat, Ship, Cog 10. Muitos dos patrões dos navios eram ao mesmo tempo os seus mestres 11, sendo certo que um navio podia pertencer a uma pessoa ou a um grupo 12. Em 1390, um tabelião de Vila do Conde, proprietário da terça parte do navio Santa Cruz, passou uma procuração ao marinheiro Julião Domingues, para que este administrasse em seu nome a referida parte 13. O Black Book of the Admirality indica o salário que um marinheiro, segundo o antigo costume, devia cobrar para uma viagem de Londres a Lisboa: vinte s. (hillings) de portagem que, por sua vez, correspondia a metade do salário para uma viagem de Londres a Bordeaux 14. Um dos navios mais mencionados e utilizados era a barca que, segundo Themudo Barata, era também o tipo de navio mais usado pelos portugueses no Mediterrâneo, na primeira metade do século XV. 6 Gras, The Early English Customs System, 303 e ss. 7 Problems arise with the host of vessels described in the sources as navis, nef or ship : we do not know if the term denoted a distinct type of sailing ship, or was just a catch-all. Oared ship-type names abound: galley, balinger, barge, but beyond quantifiable points such as crew size or numbers of oars, it is difficult to distinguish between them. Friel, Winds of Change? Ships and the Hundred Years War, Nos capitulos do Porto nas cortes de 1436 dizia-se ouve em ella grande poderio de Naves, quando passou a Cepta, que forão bem setenta Naus, e barchos, afora muita outra fustalha. Sampaio, As póvoas marítimas, II, Gras, The Early English Customs System, Runyan, Naval Power and Maritime Technology during the Hundred Years War, Childs, Anglo-Castilian trade in the later Middle Ages, Portugal na Crise dos Séculos XIV e XV, p Portugal na Crise dos Séculos XIV e XV, The Black Book of the Admirality with an Appendix, edited by Sir Travers Twiss, vol. I, pp

9 Trata-se geralmente de um navio de um só timão, com uma coberta e sem remos 15. Segundo o volume de carga, vinha depois da nau, mas antes de outras embarcações, como as fustalhas e as pinaças 16. A sua utilização nas viagens dos descobrimentos foi comum, antes do aparecimento da caravela. Assim, a expedição que realizou a passagem do Cabo Bojador, em 1434, era composta por uma barca, patroneada por Gil Eanes e um barinel, onde ia Afonso Gonçalves Baldaia 17. Segundo Viterbo, no tempo de D. Afonso Henriques as naus chamavam-se barcias 18. Um tipo rudimentar de embarcação eram as barcas de passagem, que se testemunham desde o tempo de D. Afonso Henriques 19. Eram pequenas embarcações, que faziam as travessias de rios e ribeiras, ligando as duas margens 20. O salário, ou o frete que se dava chamava-se navagem, ou navegajem 21. O Barinel (balinger, ou ballinger) era uma espécie de embarcação pequena, que possuia um único mastro contendo uma vela quadrangular 22. Podia ser movido utilizando a vela ou através de remos 23 e foi usado sobretudo nos séculos XV e XVI. Normalmente tinha uma capacidade que não ultrapassava 15 Barata, Navegação, comércio e relações políticas, Sampaio, As póvoas marítimas, II, There is no information about the ships used in the voyages preceding the passage of Bojador in 1434, but according to Azurara those used from 1434 to 1441 were the barcha and the barinel, both small, and three of non-specified type. Diffie e Winius, Foundations of the Portuguese Empire, 1, 118; Sobre os tipos de navios veja-se Leite, Descobrimentos, I, , , 231; Russell-Wood, A World on the Move: The Portuguese in Africa, Asia, and America, (The John Hopkins University Press, 1998), 28; O Infante D. Henrique mandou// armar hũa barca a capitania da qual deu a hũ Gilianes seu criado natural da villa de Lagos João de Barros, Decada primeira da Asia de Ioão de Barros: dos feitos que os portugueses fezerão no descobrimento & conquista dos mares& terras do Oriente, Lisboa 1628, p consta da Historia da Fundação do Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa. in 160 navibus, quas Barcias nominamus. E daqui se manifesta, que erão barcas grandes, ou naos pequenas este vasos de guerra, que se envaminhavão desde as partes do Norte à Palestina. Viterbo, Elucidario das palavras, termos, e frases, t. I, 1798, p Nas fontes lamecentes guardou-se lembrança das barcas Moledo e Porto de Rei, que a rainha D. Mafalda, mulher de D. Afonso Henriques, mandou construir. Serrão, História de Portugal, I, 2. a ed., 202. E no almoxarifado de serpa a barca da pasagem e o pegoo e a orta que chamam do penedo e o rreguengo. ANTT, Chancelaria de D. João I, livro I, n. 612, f. 88v, Marques, A Diversificação económica, De hum arrendamento da Camara de Mem-Corvo de 1380 consta, que o arrendatario devia ter a Navegagem do Porto do Pocinho. Da mesma palavra usa ElREi D. Diniz em huma carta para a mesma camera de 1289, fallando na dita barca. No de 1396 ElRei D. João I..., julgou, que as Barcas, e Navegajens do Douro, desde o Porto Velho até defronte do Prédo, pertencião ao Concelho de Mem-Corvo. Viterbo, Elucidario das palavras, termos, e frases, II, 1799, p O barinel era maior do que a barca. Em 1434 na expedição de dobragem do Cabo Bojador, o Infante mandou armar hum barinel que foi o maior nauio que ate então tinha inuiado... & em sua companhia foi Gileanes em sua barca Barros, Decada primeira da Asia de Ioão de Barros, f. 10v. Balingers appeared in the mid xv sec. some, reaching 100 tons and even 300 or 500 tons. Childs, Anglo-Castilian trade in the later Middle Ages,159. The barinel resembled the cog, and is generally described as being a little larger than the barca. A barinel was perhaps 15-18m long and m in beam. Yossi Dotan, Watercarft in world coins, Eastbourne, UK, Alpha Press, 2007, p

10 os 100 tóneis. Era uma embarcação de pequeno calado que utilizava remos e vela latina 24. Um documento de 1441 incluia um pedido do House of Commons, dirigido ao Henry VI, para que despachasse oito navios grandes, cada um com uma capacidade de tranporte de 150 homens. Cada navio grande deveria ser acompanhado de uma barca, com 80 pessoas e um ballinger, com 40. Também se previa a presença de quatro pinaças, com 25 pessoas cada. As bateiras representavam um outro tipo de barcas rudimentares 25. Entre todos os tipos de navios, a caravela tem chamado a maior atenção, sobretudo por parte dos autores portugueses 26, por se tratar de uma invenção importante na história naútica e ser um navio muito provavelmente de origem portuguesa 27. Normalmente a tonagem inicial era de quarenta tóneis, mas mais tarde chegou aos 150 ou As velas latinas tornavam possível uma navegação mais rápida e contra o vento. O vocábulo parece ter origem em cáravo ou cárabo, aportuguesamento do grego κάραβος, um barco ligeiro usado no mediterrâneo. Segundo alguns, o vocábulo é de origem árabe carib (embarcação de porte médio e de velas triangulares). A sua primeira utilização documentada na língua portuguesa data de O nome pode também ter origem num tipo de navio antigo, conhecido por carabus em latim 29. A caravela foi aperfeiçoada durante os séculos XV e XVI. Tinha inicialmente pouco mais de 20 tripulantes. Era uma embarcação rápida, de fácil manobra, capaz de bolinar e que, em caso de necessidade, podia ser movida a remos. Com cerca de 25 m de comprimento, 7 m de largura e 3 m de calado, deslocava toneladas e cerca de 60 pessoas; tinha 2 ou 3 mastros, convés único e popa sobrelevada. As velas latinas (triangulares) permitiam-lhe bolinar 24 Carita, História da Madeira, barcas e bateiras, com pessoas e animais, faziam a travessia do rio. Pereira, Alcácer do Sal na Idade Média, Uma das maiores preocupações dessa historiografia foi a de tentar perceber as origens da caravela. Barata, Navegação, comércio e relações politicas, Henrique Lopes de Mendonça, Estudos sobre navios portugueses nos séculos XV e XVI in Centenário do descobrimento da América Memórias da Comissão Portugueza, Lisboa, 1892; Henrique Quirino Fonseca, A caravela portuguesa e a prioridade técnica das navegações henriquinas, Coimbra, 1934; João Brás de Oliveira, Os navios das descobertas, Lisboa, 2 ed., 1940; Martin Malcolm Elbl, The Portuguese Caravel and European Shipbuilding: Phases of Development and Diversity, Revista da Universidade de Coimbra, 33 (1985): ; Childs, Anglo-Castilian trade in the later Middle Ages, Childs, Anglo-Castilian trade in the later Middle Ages, Hutchinson, Medieval Ships and Shipping, 44; Ignacio da Costa Quintela, A caravela portuguesa, Annaes da marinha portuguesa (1975):

11 (navegar em ziguezague contra o vento). Nos finais do séc. XV aparece a caravela redonda 30, respondendo à necessidade de maior tripulação e espaço 31. Traduz uma inegável invenção portuguesa, tendo sido vários carpinteiros portugueses solicitados para construção deste tipo de navio. A título de exemplo, recordemos que se construiu uma em Ecluse e duas em Bruxellas, nos anos Carraca ou Nau 33 é uma denominação genérica para os navios de grande porte, até o século XV usados em viagens de longo curso 34. Em vários documentos a nau surge com a denominação de nave (do latim navis), termo utilizado quase sempre entre 1211 e Opõe-se-lhe o termo embarcação, aplicado a barcos de menores proporções, utilizados em percursos pequenos. Durante a época dos Descobrimentos, houve uma evolução dos tipos de navio utilizados. A barca, destinada à cabotagem e pesca, era ainda utilizada ao tempo de Gil Eanes, quando, em 1434, dobrou o Cabo Bojador, como ficou referido. Entre o século XIII e a primeira metade do XV, serviam essencialmente para transportar mercadorias que provinham dos portos da Flandres, no norte da Europa, para a Itália, no mar Mediterrâneo e vice-versa. À época de Fernando de Portugal as naus desenvolveram-se e multiplicaram-se de forma assinalável. O volume de carga também aumentou, alcançando as duzentas toneladas no século XV, e as quinhentas, no século seguinte same rig as a carrack with a foresail, square mainsail and lateen mizzen, but not the carrack's high forecastle. In this form it was sometimes known as caravela redonda. Richard Woodman, The History of the Ship: A Comprehensive Story of Seafaring from the Earliest Times to the Present Day (London: Conway Maritime Press, 2005), It had a foremast with square sails and three other masts with a lateen each, for a total of 4 masts. André W. Sleeswyk, "Carvel-planking and Carvel Ships in the North οf Europe", Archaeonautica, 14(1998): Paviot, La politique navale des ducs de Bourgogne, if it is decided to make use of the duke s balinger and to buy outright twelve carvels in Portugal, which will cost 12,000 crowns, they will be able to carry 200 to 300 men each; and if besides them the duke buys two naves of 600 tons, costing at least 2,500 crowns each, these would suffice for the passage of those going by sea. And the said carvels and naves would cost 17,000 crowns. Vaughan, Philip the Good, Carraca, é nome que os italianos davam às naus. Humberto Leitão, Vicente Lopes, Dicionário de linguagem de marinha antiga e actual (Lisboa, 1963), 109; Veja-se também: Maria Alexandra Tavares Carbonell Pico, A terminologia naval portuguesa anterior a 1460 (Lisboa: Sociedade de Lingua Portuguesa, 1963); The nao, or carrack... had antecedents in the Italian merchant vessels of the later Middle Ages, but the Portuguese had placed their own imprint on them. Russell-Wood, A World on the Move, C était le terme générique, en Europe du nord, pour tout gros navire rond venant de la mer Méditerranée, mais, dans la seconde moitié du quinzième siècle, on utilisa indifféremment les mots caraque, nave ou nef. Paviot, La politique navale des ducs de Bourgogne, De um artigo de exportação ordinária nesta época temos conhecimento pelo Escambo entre o Bispo e o concelho do Porto..., em 1331: he em feyto dos Almudes do ssal dos Anaaos, que vam a frança, que a Eigreja quer que pague, como sse fossem a Vouga. Sampaio, As póvoas marítimas, II,

12 Coca 36. O termo cog refere-se às embarcações na forma de casca de noz, que eram as embarcações de carga mais utilizados no Mar do Norte e no Bâltico 37. A sua capacidade de carga tinha chegado, desde os meados do século XIII, a mais de 200 tóneis 38. Em 1297 é referida uma coca entre os barcos dos mercadores do Norte de Espanha, que em Lisboa provocaram um motim 39. Este testemunho é uma das primeiras referências da sua presença na Península 40. Ha indicações de que os portugueses utilizavam também as cocas para o comércio, sobretudo com o Mar do Norte 41. A galé era o navio comercial de longo curso. Bem armado, era um verdadeiro castelo flutuante. Em virtude da maior segurança que as galés ofereciam, os seguradores cobravam aos navios desarmados, por vezes, o dobro do preço que pediam às galés 42. Uma das primeiras representações gráficas da morfologia e da maneira de construção das galés encontra-se num manuscrito dos meados do século XV, o livro de Miguel de Rodes, um marinheiro de Veneza 43. Era um navio típico do Mediterrâneo, embora se testemunhe também no Mar do Norte The larger northern cog was used in the fourteenth century, as with the S Marie Cog of Castro, which unloaded 130 tons of cargo at Exeter in 1338, and the navis vocat La Rodecogg of Bristol which sailed to Portugal in Childs, Anglo-Castilian trade in the later Middle Ages, Rose, Digs and Documents, p. 68. Este tipo de navio eram os mais importantes e maiores navios da navegação na Europa do Norte. during the 12th and 13th centuries there was an intense interchange of constructional features between Nordic ships and cogs, as well as in the 14th and 15th centuries between cogs and hulcs. This led to confusion in the terminology around 1400 so that one and the same ship might be called a cog in one harbour and a hulc in the next in the written records. Ole Crumlin-Pedersen, To be or not to be a cog: the Bremen Cog in perspective, The International Journal of Nautical Archaeology 29.2 (2000): 241; As early as 1241 a cog is recorded with a capacity of 240 tons. Runyan, Naval Power and Maritime Technology during the Hundred Years War, 62; Ole Crumlin-Pedersen, To be or not to be a cog: the Bremen Cog in perspective, The International Journal of Nautical Archaeology 29.2 (2000): Laureano Carbonell Relat, La Coca, nave del Medioevo, Revista de Historia Naval, IV/15 (1986), p. 49. Antonio Ortega Villoslada, La Coca En El Intercambio Mercante Atlántico-Mediterráneo, AEM 38/1 (2008): 432; DP, vol. I, pp : como recresesse tençom e peleia e uolta entre o Conçelho da Cidade de Lixboa da hua parte e os Maestres, Mercadores, Marieyros e outras gentes que andam nas naues e nos Baixees e nos Aloques e nas Cocas de Ffonte Rabia, de Sam Seuaschaao, de Vermeeo, de Quitari, de Crasto, de Laredo, de Santamder e de Abelhes e da Crunha que ora estam no Porto da dita Cidade de Lixboa La noticia más antigua que he localizado está datada en 1297, merced a un pleito promovido en Lisboa. En 1303 se mencionan en los archivos ingleses algunas cocas gallegas en Burdeos, pero de nuevo el texto no está redactado en la Corona de Castilla. Aun en la primera mitad del siglo XIV, no surge referencia alguna a buques castellanos designados con tal vocablo. Villoslada, La Coca En El Intercambio Mercante Atlántico-Mediterráneo, Até aparecem nacionais do reino proprietários de cocas. Barata, Navegação, comércio e relações politicas, Ceccarelli, Stime senza probabilità. Assicurazione e rischio nella Firenze rinascimentale, Utilizando os dados deste manuscrito, dos meados do séc. XV, se tem reconstruido the lines and body plan, sheer elevation and deck view of a galea de Fiandra. Rose, Digs and Documents, Unfortunately the Mediterranean term was widely adopted in the north, obscuring the great differences between the true galley and the local galleys. Rodger, The Safeguard of the Sea,

13 A Hulca era uma embarcação utilizada nas águas do Mar Norte, mas de que os portugueses também se serviam para o seu comércio 45. Pinaças, eram Embarcação de pequeno fuste, de vela e remo, não muito segura, mais ligeira 46. Seguro maritimo. O perigo das guerras da segunda metade do sec. XIV levou ao aumento do número de viagens seguradas, assim como o aumento dos preços dos seguros 47. Lisboa aparece na documentação genovesa, desde a segunda metade do séc. XIV, como destino e ponto de partida, nos itinerarios cobertos pelos seguros marítimos. Na década de 1370 encontramos seguros contratados em Génova para trajectos de Lisboa para Ecluse e também um seguro para uma viagem de ida e volta, Ecluse-Lisboa-Ecluse ou Middlebourg 48. Nos percursos entre o Mediterrâneo e o Mar do Norte, as viagens de e para Lisboa tinham o preço total do seguro mais baixo. Assim, de Ecluse para Genova, o preço total do seguro às vezes era 80 vezes mais alto do que para o percurso de Ecluse para Lisboa, ou seja fl no primeiro caso e só 100 fl. no segundo 49. Entre Genova e Inglaterra chega a fl. (5200 para Southampton e 1350 para Londres); entre Genova e Middlebourg, 1850 fl.; As mercadorias transportadas de Sevilha a Ecluse, 1050 fl.; de Sevilha a Londres ou Ecluse, 1300 fl.; e entre Lisboa e Ecluse as mercadorias seguradas custaram um total de 300fl 50. Na direcção oeste-leste, dentro do Mediterrâneo, os valores eram mais baixos, mas mesmo neste caso eram muito elevados, se tivermos em conta a distancia do percurso. Assim, pelo transporte de panos de Werwicq, entre Napoles e Famagusta, 300fl.; entre Cadiz e Sicilia, 100fl.; entre Sevilha e Chio, 250fl.; entre Cadiz e Genova, 200fl Um documento de 1408 faz saber que se rompirent sur l ile de Gadsand..., une caraque de Genes et une hulc de Portugal. CAEB, no In the fourteenth century the hulk began to develop until it was able to rival the cog as a major load carrier in the medieval economy. Basil Greenhill, The Mysterious Hulc The Mariner's Mirror 86 (2000): 3-18; Dollinger, The German Hansa, Dizem que de serem de pinho, lhe proviera o nome. Viterbo, Elucidario das palavras, termos, e frases, II, p Sturler no seu estudo do comércio genovês com o Mar do Norte encontrou o primeiro seguro em 1348 para o transporte de vinho de Savona a Ecluse. Sturler, Les relations commerciales, t. I, p Sturler, Les relations commerciales, I, p ; II, nos.. 505, Sturler, Les relations commerciales, I, p Sturler, Les relations commerciales, I, p Sturler, Les relations commerciales, I, p

14 Navios portugueses no exterior Data T 52 O Nome Patrão Mestre Geografia Fonte 1225 n Pt Cardinale Inglaterra Bibl n Pt (3-6) navios Inglaterra Bibl n Pt (navios) Sandwich Bibl n Pt Francis Inglaterra Bibl. 56 Johannis 1299 n Pt (navios) Inglaterra Bibl. 57 Sec. XIV n Pt Anthony Vidyal Inglaterra TNA n Pt St. Ana Geraldo Pires Lourenço Sandwich Bibl Gonçalves Southamp 1304 n Pt St. Agatha Francisco Sandwich Bibl Estevão Southamp 1304 n Pt La Rose Estevão Durães Sandwich Bibl n Pt (3 navios) Inglaterra Bibl Abreviaturas: T= tipo; O=Origem; n= navio; b= barca; na= nau; ba= barinel; ca= caravela; hu=hulca; Pt= Portugal; Lis= Lisboa; Prt= Porto; Ing= Inglaterra 53 O navio La Cardinale, detida em 1225, na Inglaterra tinha 30 mercadores e tripulação. RLC, , ed. T. D. Hardy, 1844, pp. 63, 66, 69, 84, 89, 92, 116, 119. Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, 29; Trata-se de uma embarcação de alto bordo. Em Maio de 1226 o rei deu ordem para a entrega da maior parte da carga, mas o barco, segundo parece, ficou em poder do monarca. No entanto comenta Barros O nome que se dá ahi á embarcação apresada é La Cardinale, que na verdade não sõa a portuguez. Barros, História da Aministração Pública, X, Os salvo-condutos concedidos em Junho e Novembro de CPR, , pp. 42-3, 53. São em total 103 nomes, mas 25 aparecem nas duas listas. Os salvo-condutos datados de Junho, recorded the names in four groups of 13, 10, 9 and 10, perhaps representing four ships. The second set of safe-conducts for 61 men, granted in November, might thus represent from three to six trading vessels. Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Mercadores da Baiona como William de Saltu e Bernard de Grisil complained from time to time of robberies when they were trading in Lisbon and had Portuguese ships arrested at Sandwich (1293) and Romney (1298 or 1299). CCR, , p. 283; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Os salvo-conductos concedidos pela coroa inglesa em 1297 e 1299 não foram suficientes para deter os habitantes locais de saquear o navio de Johannis, which was wrecked between Shoreham and Portsmouth in CPR, , p. 544; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Romney (1298 or 1299). Embora neste caso os portugueses levaram o caso perante o parlamento inglês, o pedido não foi satisfeito. CPR, , pp. 16, 34, 69, 519; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Mercador do Porto e mestre que segundo uma queixa apresentada as autoridades inglesas quando tinha chegado com os seu navio em Southampton, as autoridades do porto prenderam o seu navio para o serviço do rei, deteram a equipagem e confiscaram os bens no valor de 200 libras. TNA, SC/8/77/3827, datado Em 21 de Março de 1305, deu entrada no porto de Sandwich, com patrão Geraldo Pires, e com mestre Lourenço Gonçalves de Lisboa. Gras, The Early English Customs System, Salzman, English Trade in the Middle Ages, Em 21 de Março de 1305, deu entrada no porto de Sandwich, com mestre (Franciscus Stephanus). Salzman, English Trade, 412; Gras, The Early English Customs System, O facto de ter dado entrada no mesmo dia com dois outros navios portugueses, (Santa Ana e Santa Agata) indica que os navios portugueses viajavam em comboio. Gras, The Early English Customs System,

15 1309 n Lis Inglaterra Bibl Lis Flandres Bibl Pt Inglaterra Bibl n Pt Domingues Flandres Bibl. 66 João e Pero 1318 n Prt Jesus Cristo Inglaterra CPR n S. António Inglaterra Bibl n Pt (6 navios) Valência Bibl n Pt (2navios) Inglaterra CCR n Prt S. Maria Inglaterra Bibl Durante o ano fiscal três navios portugueses which came in account for the whole of the relatively high import figure of that year. Lloyd, Alien Merchants in England in the High Middle Ages, Um navio de Lisboa carregado com fruta seca foi saqueada pelos locais quando foi naufragou perto de Hove no inverno de CPR, , p. 252; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Em 1313 dois mercadores de Lisboa voltando de Flandres ran aground off Romney and arranged salvage with local men for one-quarter of the value. CPR, , pp. 67, 142; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, Em 1317, João Domingues e Pedro Domingues, indo para Flandres com um navio carregado com vinho, ancoraram por causa dos ventos contrarios no porto de Patristowe na Cornualha e os habitantes levaram o vinho e as outras mercadorias como se o navio tivesse naufragado. A importância deste acontecimento para a documentação do comercio de vinho entre Portugal e Inglaterra e sublinhada por Simon, The History of the Wine Trade, I, it furnishes the earlies absolutely definite evidence of the existence of the wine trade of Portugal. CPR 11 Ed. II., Part II., m. 37d; 13 Ed. II., m Estavam a transportar vinho para Flandres, e ancoraram perto de Padstow, mas os cabos partiram e o navio foi saqueda. CPR, , pp. 169, 296, 403, 604, 609; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, (navis Jehsu Christi de Portu) que segundo uma queixa de Martim Bek de 22 de Novembro de 1318 mercador de Porto ele com outros mercadores do Porto carregavam mercadorias do Porto para Inglaterra e o navio foi levado para a Ilha de Wight, a suas mercadorias foram saqueadas por John de Presford e outros. Também no Verão de 1320, ele com o seu navio Jesus Cristo partiu em direcção a Inglaterra. Mas o navio nunca chegou ao destino, por se ter afundado ao largo da Ilha de Wight, e em 5 de Agosto de 1320 foi registado como perdido. O seu caso e do seu navio Jesus Cristo, surge por cinco vezes entre 1320 e 1336, interferindo nas ocorrências das petições. CPR, 12 Ed. II., Part. I., memb. 14d.; 14 Ed. II., Part. I., memb. 20d e 8d; Simon, The History of the Wine Trade in England, I, 183; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, 30, que data do ano 1320 este incidente; CPR Edward II, Part 1, vol. 3, p. 538, 546.; Faria e Miranda, Pur bone alliance et amiste faire, 117; O caso aberto em 5 de Agosto de 1320, prolongou-se durante mais de uma década.... CPR Edward II, part 1, vol. 3, p. 538; part 1, vol. 4, p. 380; part 2, vol. 4, p. 315; Edward III, part 1, vol. 3, p. 298; Faria e Miranda, Pur bone alliance et amiste faire, Segundo um documento de 8 de Março de 1321, dois mercadores portugueses Afonso Pires e Gonçalvo Pires queixavam-se de que enquanto carregavam mercadorias de Lisboa para Inglaterra no navio São Antonio, algumas pessoas de Cornualha capturaram o navio e levaram as mercadorias no valor de 400. CCR, , p. 410; Simon, The History of the Wine Trade in England, I, 183; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, O concelho de Lisboa tinha enviado 6 navios para buscar trigo, para aliviar a míngua de pão. No entanto em Eixata, os navios foram tomados por oito galés catalãs. ACA, CRD, Afonso III, caixa 22, n. o 2630, fol. ¼, (2/05/1334); resumido em Barata, (Organização), Portugal e o Mediterrâneo: Resumo de Documentos de Arquivos de Espanha e de Itália. doc John Lambroun, William Vivian, Oger de Kernek and Roland Trewynarfd, who with others forcibly entered two ships which had come to Cornwall with cargoes of merchandise of merchants of Portugal. CPR , 1338, June 3, 71 Miranda, História do Porto, de Junho de 1339: O navio Santa Maria do Porto encontra-se em Inglaterra, mas não se conhece o nome do mercador ou do mestre... Eduardo III pede a um mercador italiano- Giovanni Bussyns, da Lombardia- para equipar o navio do Porto com armas, servindo em Winchelseas, para protecção dos mares. 13

16 1349 n Fl S. Marie of Nicholas Petriwas CPR 72 Moretrike 1352 n Lis S. Clara Pedro de S. Inglaterra CPR 73 Martinho 1352 n lis S. Cruz Alexander Inglaterra CPR n Prt Espírito Salvador Ferrero Inglaterra CPR 75 Santo 1352 n Pt S. Maria Domyngus le Inglaterra CPR 76 Clerk 1352 n Lis La Seinte Gomicius de Inglaterra CPR 77 Johan Lynpos 1352 n Lis João Ordelo Inglaterra CPR Pt S. Salveour João Rodrigues Inglaterra CPR n Lis S. Vicente Vicente Pires Inglaterra CPR n Lis Gonçalves Afonso Inglaterra CPR Pt Inglaterra Bibl n Pt Ricardus Inglaterra Bibl CPR, , , p Em 25 de Julho de 1352 obteve um salvo-conduto por um ano pela coroa inglesa. CPR, , 25 de Julho de 1353, p. 311.; Serrão, História de Portugal, I, 366; Quadro Elementar, XIV, pp La Seinte Croice of Lysbone. CPR, , 1352, July 25, p Em 25 de Julho de 1352, obteve um salvo-conduto por um ano para se dirigir a Inglaterra. Salvador Ferrero, master of a ship called La Seinte Esprit of Port in Portugal. CPR, , 25/07/1352, p. 311; Foedera, III/ 1, 1825, p Em 25 de Julho de 1352 obteve salvo-conduto do rei inglês junto com outros mercadores portugueses. CPR, , p. 311; Domyngus Clericus, magister navis vocatae La Seint Marie de Port. Rymer, III, parte 1, 1825, p Em 25 de Julho de 1352 obteve salvo-conduto de um ano para comerciar na Inglaterra. CPR, , p Mestre John Ordelo e que obteve um salvo-conduto por um ano do rei inglês em 25 de Julho de 1352, junto com outros navios de Portugal. Foedera, III, parte 1, 1825, p. 247.; CPR, , 25 de Julho de 1352, p safe-conduct John Rodrigues, master of a ship La Seinte Salveour of Portugal. CPR, , , p Vicent Piers, master of a ship called La Seinte Vyscent of Lysbone. CPR, , 25 de Julho de 1352, p Gunsalvus Alfonso, master of a ship of Lysbone. CPR, , 25 de Julho de 1353, p Numa carta de 1357 do rei da Inglaterra ao D. Afonso IV, temos noticia dum navio português que havia sido atacado e tomado pelos franceses, e depois tendo sido capturado por ingleses, garantindo que os bens resgatados seriam inteiramente restituídos, ao abrigo da convenção entre os dois países. Não se sabe se a promessa foi comprida, tendo em conta que segundo o direito maritimo inglês if a ship was captured by an enemy and then recaptured before she has been taken into the enemy s harbour or territorial waters, she should be restored to the owners, on payment of salvage money; but if she had passed definitely into the enemy s power before recapture, then she would be good prize. Foedera, VI, p ; Faria e Miranda, Pur bone alliance et amiste faire, 115. CPR Edward III, vol. 11, p. 580; Salzman, English Trade, Patrão de navio quanto parece pelo nome, mencionado num documento de 7 de Agosto de Parece ser o mesmo que aparece num documento duas decadas mais tarde, neste caso tendo obtido um perdão sobre uma disputa de dívida de 201 com John de Munden. Carus-Wilson, The Overseas Trade of Bristol, ; CPR , 1377, Feb. 20, p

17 Portingale 1371 b Prt S. Cristovão Julião Pires Inglaterra Bibl n Pt S. Michel Nicolas Menea Inglaterra CPR n Pt S. Cruz João Afonso Inglaterra CPR n Pt S. Martinho John Mountier Inglaterra CPR n Pt S. Maria D. Fernando Gonçalo Grande Falmouth CPR n Pt S. Thomas Inglaterra 89 CPR n Pt João Durant Inglaterra CPR n Pt Jorge Mengis Inglaterra CPR n Pt S. Maria Guernsey CPR n Pt Corpo Santo João Geraldes Southampt CCR n Prt S. Pedro João Melho Iglaterra CPR n Pt S. Maria Inglaterra Bibl. 96 Oliver 1379 na Lis S. Marie Martim Pires Bristol Bibl Requerimento de Julião Pires, mestre da barca La Cristofre (S. Cristóvão), "do porto de Portugal", com fruta de Algarve que pertencia a certo mercador de Londres, e que fora arrestada no porto de Dartmouth. Shillington e Chapman, The Commercial Relations of England and Portugal, 300; DP, I, p ano Navio que esta incluído numa carta de privilégio a mercadores portugueses, CPR, , , p safe conduct for one year John Alfons, master of a ship called La Seint Crois CPR, , , p Navio que esta incluído numa carta de privilégio a mercadores portugueses, CPR, , , p Tinha sido levado pela tempestade na costa de Falmouth. CPR, , , p Navio que enquanto estava carregado com mercadorias e bems do Reynold de Spelta foi destruida pela tempestade e que os bens que carregava tinham dado a costa de Devon e Dorset. 90 CPR, vol. XV, , 4 de Março de 1371, p Mestre dum dos dois navios portugueses que se naufragaram na costa inglesa de Kent, that some evildoers took their goods and wares in the ships at Dengenasse and carried them away. CPR , 1373, Mar. 8, p Mestre dum dos dois navios portugueses naufragadas na costa inglesa de Kent. CPR , 1373, Mar. 8, p Navio de Portugal que foi capturado perto da ilha de Guernsey by men of the island of Gerneseye, and the tackling of the ship, also touching wines that were in the ship at the time of the taking. CPR , 1373, Sept. 10, p Foi presa no porto de Southampton por causa da apreensão em Portugal de Walter Cokkesden, com mercadorias John Polymond. O rei inglês ordena que se procede a apreensão das mercadorias que diversos mercadores portugueses tinham neste navio, até ao contra-valor de 200 marcos. CCR, , ( ), p to let pass whether it will a ship of Oporto called la Seint Petre, whereof John May is master, which the king with the advice of the council has caused to be delivered to merchants of Portugal. CPR, , 1374, April 16, p Décadas mais tarde, em 1410, um navio do Porto, chamado também S. Pedro, com patrão Pedro Eanes, aparece na Valência, num documento que se refere ao transporte de dois judeus portugueses de Valência para Portugal. ARV, Protocolos, n o 2607, fl. s/n; resumido em Barata, Portugal e o Mediterrâneo: Resumo de Documentos, doc. 90. ( ). Provavelmente se trata do mesmo navio. 96 London and Salisbury merchants took goods from Lisbon to Waterford in the Portuguese ship St Mary Oliver in 1374 CCR, , p. 13; Childs, Anglo-Portuguese Relations in the Fourteenth Century, 41; Entre os sete navios portugueses que chegaram em Bristol em figurava a Mary Oliver. Childs, Anglo-Portuguese Relations, Carus-Wilson, The Overseas Trade of Bristol, no. VI, p

18 1380 b Pt João Bono Valência Bibl n Pt Fernando I Inglaterra Bibl n Pt (navios) Inglaterra CPR n Pt Inglaterra CCR n Pt Inglaterra CCR n Pt Fernando I Inglaterra CCR n Lis S. Maria da Nicolão Eanes Inglaterra Bibl 104. Graça 1383 n Pt S. Maria Estevão Inglaterra Bibl 105. Domingues 1383 n Pt Inglaterra Bibl n Pt Inglaterra CPR n Pt Inglaterra CPR n Pt Inglaterra CPR Barco que levava trigo para Valência e que o seu patrão teve uma disputacom o judeu valenciano Jacon Xambell. ACA, Canc. Real, n o 1486, fol. 168v-179 (12/09/1380); resumido em Barata, Portugal e o Mediterrâneo: Resumo de Documentos, doc Don Fernandus, king of Portugal might export cloth from Bristol, and Edward IV wool from London. TNA, K. R. Customs, 16/10 ( ); Gras, The Early English Customs System, CPR , , p CCR , 44, 12 de Março de 1382, Sandwich 'Market Privileges ', Borough Market Privileges: The hinterland of medieval London, c.1400 (2006) CCR , 44, , 'Market Privileges ', Borough Market Privileges: The hinterland of medieval London, c.1400 (2006). URL: britishhistory.ac.uk/ 23 September Navios de D. Fernando. certain merchandise unloaded from a ship of the king of Portugal, which with its load of wine was on the way to Flanders but touched at Southampton for fear of the king's Norman enemies. CCR , 53, 'Market Privileges ', Borough Market Privileges: The hinterland of medieval London, c.1400 (2006). URL: 23 September Some ships made repeated voyages, as did the St. Mary Grace (master, Nicholas Yanus), which exported cloth for Portuguese and Italian merchants in June 1383, was back with 102 tuns of wine in October, and left once more with a large consignement of cloth worth 1,016 mainly for Italians in January Childs, Anglo-Castilian trade, Navio no qual Estevão Domingues era mestre and John Gunsales, merchant thereof, that when they had brought the said ship, laden with coopes (copularum) of fruit, 40 tuns of bastard wine and wine of Algarves, a pipe of grain, two quintals of wax and other merchandise to Southampton, took her outside the port, whereby through incautious navigation she became a wreck and was lost. CPR , 1383, Jan. 30, p 256. 'Market Privileges ', Borough Market Privileges: The hinterland of medieval London, c.1400 (2006). 23 September Um navio de mercadores portugeses foi capturado por um navio inglês que pertencia a William Foxton de Calais, e com mestre Richard Toty. Em Junho de 1383 um mandato de arresto foi dado para ele e outros oficiais e marinheiros que participaram na captura. Outro mandato de Julho de 1383 para deter John Alcok e John Brian. Facsimile of First Volume of Ms. Archives of the Worshipful Company of Grocers ano 1383, f. 58 Richard Tony, and others who at sea near the English coast boarded a ship of Portugal, bound to England, asaulted them and carried off their ship and goods. CPR, , 8 de Junho de 1383, p. 286; captured a ship at sea of certain merchants of Portugal laden with their goods. CPR , 1383, July. 2, p 349; CPR , 1383, July. 18, p CPR, , P to arrest certain persons who lately captured a ship of Portugal. 108 CPR , , p Richard Toty seized and captured a ship at sea of certain merchants of Portugal. 16

19 1383 n Lis S. Maria Lourenço Eanes Inglaterra Bibl b Prt S. Maria Nicolão Portugal ANTT 111 Domingues 1384 na Prt Palonbeta Salvador Portugal ANTT 112 Dominguez 1384 b St de Muja Joham Vicente Portugal ANTT ba Pt Santiago João Eanes Portugal ANTT b Prt Gil Vicente Nicolão ANTT 115 Domingues 1385 na Prt Santa Cruz Salvador Juaez ANT b Prt [da passagem] Vasco Martim de Mello Portugal ANTT n Pt (3 navios) Southmapt CPR n Pt S. Maria João João Gonçalves Southampt CPR 119 Gonçalves 109 the capture in a ship of William Foxton of calais of a ship of Portugal. CPR , , p Navio no qual Lourenço Eanes era mestre.. CPR, , 1383, March. 8, p Chancelaria de João I, I/1, n. o 391, fl. 52, p Um ano mais tarde ( 29/09/1385) ele aparece como mestre da barca de Gil Vicente: carta de confirmaçam de huũs pardieiros que som na dicta cidade do porto na Ruas das congostas dada a njcollaao domingues mestre da barcha de gil vicente Chancelarias Portuguesas D. João I, I/2, n. o 712, fl. 103, p Carta per que o dicto senhor fez doaçam pera sempre a saluador dominguez meestre da nnao palonbeta e a njcollaão dominguez meestre da barcha sancta maria moradores no porto. Aparece no mesmo documento com Nicolão Dominguez, mestre da barca Santa Maria, na ocasião da doação de umas casas a eles e seus herdeiros na rua das Congostas do Porto. Podemos conjeturar que se trata de dois irmãos, e que as duas embarcações eram propriedade do Salvador. Este é reforçado ainda mais pelo facto que Nicolão um ano depois em 29 de Setembro de 1385 aparece como mestre da barca de Gil Vicente, o que reduz a possibilidade que as vezes um pessoa mencionado como mestre pode ser também patrão dela. Chancelaria de D. João I, Vol. I, t. 1, Livro I, n. 391, 5 de Agosto de 1384, f. 52, p. 202; Outra tal carta de confirmaçam de huũs pardieiros que som na dicta cidade do porto na Rua das congostas dada a njcollaao domingues [sic] meestre da barcha de gil vicente Chancelaria de D. João I, Vol. 1, t. 2, Livro I, n. 712, f. 103, , p Carta per que o dicto senhor deu em teença a joham vicente seu uasallo a rrenda que elle ha d auer da sua barca do porto de muja termo de santarem etc. Chancelaria de D. João I, Vol. I, t. 1, Livro I, n. 334, , f. 44, p o dicto senhor deu de foro pera sempre a Johan eannes meestre da barcha de santiago e a sua molher. Chancelaria de D. João I, Vol. I, t. 1, Livro I, n. 325, 20 de Setembro de 1384, f. 43, p /09/1385 doaçam pera sempre a saluador dominguez meestre da nnao palonbeta e a njcollaão dominguez meestre da barcha sancta maria moradores no porto. Um ano antes (05/08/1384) ele exercia a sua actividade como mestre da barca Santa Maria, de Salvador Dominguez, (seu irmão?). Chancelaria de João I, I/1, n. o 391, 5/08/1384, fl. 52, p /04/1385 Carta per que o dicto senhor confirmou a saluador Juaaez meestre da naao sancta cruz morador na cidade do porto hũa doaçam que lhe fez em seendo regedor destes regnos de hũas casas que som na dicta cidade no adro. Chancelaria de D. João I, Vol. 1, t. 2, Livro I, n. 711, f. 103, 27 de Abril 1385, p Chancelaria de João I, I/2, n. o 612, fl. 88 v. o, p petition of master of the order of St. James of Portugal, for payment whereof three ships of Portugal laden with divers goods and merchandise are at his suit arrested in the port of Southampton. CPR, , 1385, July 20, p Navio português no qual parece que João Gonçalves era patrão ou mestre e que foi assaltada no porto de Southampton por John Foxton the younger. CPR , 1385, Feb. 18, p

20 1386- n Prt Catarina João Martinho Southampt TNA n Pt Inglaterra TNA n Pt Inglaterra CCR n Prt Catarina Southampt Bibl co It Bartolome de Portugal Bibl 124. Pendola 1390 n Pt Santa Cruz Alvaro Portugal Bibl. 125 Gonçalves 1391 n Pt Inglaterra TNA b lis Espírito Vasco Peres, Barcelona Bibl. 127 Santo Pedro Rodrigues 1392 n Pt S. Maria de Bibl. 128 Faro 1395 b Pt Nicolau Eanes Barcelona Bibl Afonso Gil Barcelona Bibl William Archer, merchant of Winchester. v. John Martyn, master of the Katerine de la Port, of Portugal: Undue delay at Oporto in voyaging to Southampton. TNA C 1/68/104; Em 27 de Janeiro de 1391 da entrada no porto de Bristol, com mestre João Garcia. Carus-Wilson, The Overseas Trade of Bristol, n. 7, p Richard Garner v. Servat de Bosk, owner of the barge Seinte Marie de Baione: Seizure of a ship of Portugal, freighted by complainant. Datado como TNA C 1/75/ merchants of Portugal whose ship was wrecked near Dover to load the part of their hides, and other merchandise that was salved and to take it to Middelburg CCR , , , CCR, , Em Junho de 1387 o mercador de Londres Richard Odiham exportou de Southampton panos. Childs, Anglo- Portuguese Relations in the Fourteenth Century, 40. Odiham foi City Chamberlain para a maior parte da década de 1380, e era um dos apoiantes do Mayor Brembre, ele também com forte interesse no comércio com Portugal. Clementine Oliver, Parliament and Political Pamphletering in Fourteenth-century England (York: York Medieval Press, 2010), A) Em 1388 fait assurer, pour un montant de 250 l. gen. la coque dont le patron est Bartolomeo de Pendola, pour la traversee de Lisbonne a Middelbourg. Giovanni Spinola, fait assurer pour un montant de 250 l. Gen, le navire dont le patron est Isnello Spinola, ainsi que les draps charges a son bord a l Escluse a destination de Lisbone ; Sturler, Les relations commerciales, II, no. 504; ; ibid.,, II, no Em 1390, Alvaro Gonçalves tabelião de Vila do Conde, proprietário da terça parte do navio Santa Cruz, passou uma procuração a Julião Domingues para que este administrasse em seu nome a referida parte. Portugal na Crise dos Séculos XIV e XV, Datado como de Fernan Lopiz, of the ship of Portugal. v. John Cotiler, Walter Huntes, and others: Seizure of ship and goods. TNA C /1/7/ Em 1391, os seus proprietários, ambos cidadãos de Lisboa, venderam a barca Espirito Santo, aos barceloneses Pedro Bonmancip e Pedro Cases Noves por 280 libras. Barata, Navegação, comércio e relações políticas, 152, 159; resumido em Barata, Portugal e o Mediterrâneo: Resumo de Documentos, doc. 30. (Janeiro 1391) 128 Perroy, The Diplomatic Correspondence of Richard II, doc. 144, pp Barata, Portugal e o Mediterrâneo: Resumo de Documentos, doc. 38. ( ). 18

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466)

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) Filipe Themudo Barata FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN JUNTA

Leia mais

DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO

DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO Sumário elaborados por Miguel Gomes Martins Design Joana Pinheiro Arquivo Municipal de Lisboa 2009 1 1433, Setembro, 23, Sintra D. Duarte solicita ao concelho

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco

GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI Prof.: Mercedes Danza Lires Greco PERIGOS IMAGINÁRIOS x PERIGOS REAIS TERRA = PIZZA = ABISMO

Leia mais

Tubo BLACKETT 10 ANOS, edição limitada. BLACKETT 10 years, cylindrical box limited edition.

Tubo BLACKETT 10 ANOS, edição limitada. BLACKETT 10 years, cylindrical box limited edition. Tubo BLACKETT 10 ANOS, edição limitada. BLACKETT 10 years, cylindrical box limited edition. George Blackett George Blackett, originário da cidade de Leeds estabeleceu-se na cidade do Porto no século XIX

Leia mais

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA A. EURICO CARLOS ESTEVES LAGE CARDOSO PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA EDIÇÃO DO AUTOR LISBOA 1998 ÍNDICE A - CAUSAS PARTICULARES DA EXPANSÃO MARÍTIMA.. 7 1. Situação Geográfica e Política do

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Pergaminhos Avulsos, pasta 15.

Pergaminhos Avulsos, pasta 15. Pergaminhos Avulsos, pasta 15. Localização estrutural dos conteúdos: Igreja de Santiago de Évora BPE, Pergaminhos Avulsos, pasta 15. Entidade detentora: Biblioteca Pública de Évora Código de referência:

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Rota dos Descobrimentos Portugueses

Rota dos Descobrimentos Portugueses LAGOS CENTRO HISTÓRICO Rota dos Descobrimentos Portugueses A epopeia dos descobrimentos portugueses, e em especial a fase henriquina, constitui um dos marcos de maior relevância na história da cidade de

Leia mais

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados

Leia mais

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Foral de Guimarães Tradução Aires Augusto do Nascimento Revista de Guimarães, n.º 106, 1996, pp. 35-41 TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Observação preliminar: A tradução do foral de Guimarães pretende

Leia mais

A Feira de Dom Dinis O mercador

A Feira de Dom Dinis O mercador A Feira de Dom Dinis O mercador. Escola lombarda (séc. XV). Manuscrito latino De Sphera, n.º 209. Biblioteca Municipal de Modena. LE GOFF, Jacques Por amor das cidades: conversas com Jean Lebrun. Lisboa:

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

ARTIMANHA MODELISMO CARAVELA PORTUGUESA REDONDA - Escala 1/50 - Versão da Artimanha Modelismo

ARTIMANHA MODELISMO CARAVELA PORTUGUESA REDONDA - Escala 1/50 - Versão da Artimanha Modelismo Na documentação técnica existem regimentos relativos à construção de caravelas: as caravelas redondas, um nome moderno que vingou na historiografia, pela mesma razão que se chamam redondos navios como

Leia mais

PORTUGAL NO PASSADO. Portugal nos séculos XV e XVI A Expansão

PORTUGAL NO PASSADO. Portugal nos séculos XV e XVI A Expansão PORTUGAL NO PASSADO Portugal nos séculos XV e XVI A Expansão Conquistada a paz com Castela, D. João I procurou recuperar as finanças do Reino que se encontravam exauridas após vinte e oito anos de hostilidades.

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA!

EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA! EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA! Em parceria com: PARA RESERVAR VISITA 1. Reúna toda a informação necessária Dia e horário pretendidos*; número de participantes; idades/ciclo de ensino;

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog O que é? ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE Active Voice ( Voz Ativa): Ocorre quando o sujeito pratica a ação, e é chamado de agente. Ex: Robert

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Inglês 22 Passive Voice

Inglês 22 Passive Voice Inglês 22 Passive Voice A voz passiva é muito utilizada em inglês. Por sorte, ela não é difícil de entender. Observe como ela é organizada. To be + Participle = Passive Usando-se então o verbo to be, em

Leia mais

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas 1 Sumário: Contexto e antecedentes A reforma metrológica A reforma dos pesos As outras medidas Os padrões nacionais O controlo metrológico A evolução até

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Floriano Manuel Graúdo Lagarto

Leia mais

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3ª AULA - SUMÁRIO Os condicionalismos da expansão europeia e a busca de novas rotas comerciais. Condições da

Leia mais

Inglês 17 Past Perfect

Inglês 17 Past Perfect Inglês 17 Past Perfect O Past Perfect é um tempo verbal utilizado quando temos duas ações que ocorreram no passado, porém uma delas ocorreu antes da outra. When you called, she had just received the bad

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA BIBLIOTECA CENTRAL DA MARINHA Série II N.º 31 ABRIL / JUNHO 2015 PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS A Anais do Clube Militar Naval Vol. 144, tomos 7 a 12, Julho/Dezembro de 2014

Leia mais

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste?

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? 1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? Na escolha do Brasil como alvo do ataque empresado pela wic pesou uma variedade de motivos. A América portuguesa constituiria o elo frágil do sistema imperial castelhano,

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

MEMÓRIAS PAROQUIAIS Bemposta Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758

MEMÓRIAS PAROQUIAIS Bemposta Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758 MEMÓRIAS PAROQUIAIS Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758 José Pereira (www.bemposta.net) Na Torre do Tombo estão depositados com a designação de Dicionário Geográfico, as Memórias paroquiais,

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

Inglês 12 Present perfect continuous

Inglês 12 Present perfect continuous Inglês 12 Present perfect continuous Este tempo é ligeiramente diferente do Present Perfect. Nele, notamos a presença do TO BE na forma BEEN, ou seja, no particípio. Conseqüentemente, nota-se também a

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA ORGANIZAÇÃO DESIGNAÇÃO CÓDIGO / COTA Entidade Detentora: ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA BIBLIOTECA CENTRAL DA MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA BIBLIOTECA CENTRAL DA MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA BIBLIOTECA CENTRAL DA MARINHA Série II N.º 12 JULHO / SETEMBRO 2010 S26-17 CHORÃO, Luís Bigotte A crise da República e a Ditadura Militar / Luís Bigotte Chorão. -

Leia mais

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo.

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo. Lesson 24: Prepositions of Time (in, on, at, for, during, before, after) Lição 24: Preposições de tempo Como usar preposições de tempo. Reading (Leituras) I was born in 2000. (Eu nasci em 2000.) We work

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Inglês com Inglesar Jota Filho

Inglês com Inglesar Jota Filho Inglês com Inglesar Jota Filho Aula Prática Parte 5 Texto em Inglês: Reddy Fox He was afraid that he would fall through into the water or onto the cruel rocks below. Granny Fox ran back to where Reddy

Leia mais

A Indústria de Cruzeiros: Oportunidades e estratégias para o Alto Minho

A Indústria de Cruzeiros: Oportunidades e estratégias para o Alto Minho A Indústria de Cruzeiros: Oportunidades e estratégias para o Alto Minho Marta Sá Lemos 24 out. 2012 Sumário O porto de Leixões Fundamentos do Novo Terminal de Cruzeiros O Novo Terminal de Cruzeiros Trabalho

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

A changing reality: Religious and Cultural Tourism in the Alentejo

A changing reality: Religious and Cultural Tourism in the Alentejo A changing reality: Religious and Cultural Tourism in the Alentejo Prof. José António Falcão (Dept of Historical and Artistic Heritage, Diocese of Beja) Santiago combatendo os Mouros Mestre do Retábulo

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ESTUDANTE DE INTERCÂMBIO EXCHANGE STUDENT APPLICATION FORM Semestre

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil SOARES, Nathalia Fernandes Brasil - Angola: aproximando-os

Leia mais

Guia de Codificação. Projeto de Leitura Online

Guia de Codificação. Projeto de Leitura Online Guia de Codificação Projeto de Leitura Online A AVENTURA DOS DESCOBRIMENTOS Processo Localizar e retirar informação explícita Itens de seleção Escolha múltipla (1 ponto) Associação (1 ponto) Itens de construção

Leia mais

Melguelro. Davld. lendária viagem do. peloarctico. navegador português. Na rota da. Uma associação de Peniche lançou. continuam envoltas em mistério

Melguelro. Davld. lendária viagem do. peloarctico. navegador português. Na rota da. Uma associação de Peniche lançou. continuam envoltas em mistério Na rota da lendária viagem do navegador português peloarctico Davld Melguelro Uma associação de Peniche lançou o projecto de construção de um veleiro destinado a expedições científicas. Está em curso a

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Verbs - Simple Tenses

Verbs - Simple Tenses Inglês Prof. Davi Verbs - Simple Tenses Simple Present Simple Past Simple Future Simple Present - Formação Infinitivo sem o to Ausência do auxiliar (usa-se to do ) Inclusão de s na 3ª pessoa do singular

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Índice APOSTILA DE INGLÊS Módulo I - EXPRESSÕES PARA USO COTIDIANO - SUBJECT PRONOUNS - VERBO

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO BÁSICO Name: Nº Class

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO BÁSICO Name: Nº Class ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO BÁSICO Name: Nº Class Date: / / Teacher: Mark: ( ) Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos mínimos necessários. Agora, você

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 3 5 Unidade 3 Nome: Data: 1. Leia o texto a seguir e responda ao que se pede. Entre os séculos X e XIII, na Europa, o desenvolvimento de novas técnicas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Palavras cognatas, palavras repetidas e marcas tipográficas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Fatos: A língua inglesa teve origem

Leia mais

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ A Guiné-Bissau de hoje fez parte das terras africanas com uma fundamental importância na empresa dos Descobrimentos que Portugal empreendeu, a partir do Século

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

A Cruz Verde da bandeira de Cristobal Colon Carlos Fontes

A Cruz Verde da bandeira de Cristobal Colon Carlos Fontes A Cruz Verde da bandeira de Cristobal Colon Carlos Fontes Pintura de John Vanderlyn (1775-1852), Landing of Columbus at the Island of Guanahani, West Indies, October 12th, 1492, 1836/1837. Capitólio, Washington

Leia mais

4. PLACEMENT OFFERED Number of Placement offered: Two places in the Romantic Museum of Macieirinha Farm.

4. PLACEMENT OFFERED Number of Placement offered: Two places in the Romantic Museum of Macieirinha Farm. 1. COMPANY Porto City Hall - www.cm-porto.pt Municipal Department of Museums and Cultural Heritage 2. LOCATION Rua Entre Quintas, 219 4050-240 Porto Portugal 3. MAIN ACTIVITY The Municipal Department of

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Madalena Simões de Almeida Vaz Pinto. Modernismo em língua desdobrada Portugal e Brasil. Tese de Doutorado

Madalena Simões de Almeida Vaz Pinto. Modernismo em língua desdobrada Portugal e Brasil. Tese de Doutorado Madalena Simões de Almeida Vaz Pinto Modernismo em língua desdobrada Portugal e Brasil Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da PUC-Rio como requisito parcial para obtenção

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 LEIA O TEXTO A SEGUIR E RESPONDA AS QUESTÕES 1 E 2. Does the color red really make

Leia mais

2 Versalles. VE 110 BLG Biblioteca Vitrine Library Bibliothèque. Comprimento Anchura Lenght Longueur 1,40

2 Versalles. VE 110 BLG Biblioteca Vitrine Library Bibliothèque. Comprimento Anchura Lenght Longueur 1,40 Versalles Versalhes é uma cidade francesa, situada no departamento Yvelines e Île-de-France. Cidade artificial, criada a partir do zero com a vontade do rei Louis XIV, Versalhes foi a sede do poder político

Leia mais

Technical Information

Technical Information Subject Ballast Water Management Plan To whom it may concern Technical Information No. TEC-0648 Date 14 February 2006 In relation to ballast water management plans, we would advise you that according to

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES Nome Nº Turma 6º Data 04/02/14 Nota Disciplina Recuperação AnualLÌNGUA INGLESA - TRABALHO 1) Enumere (1) bom ( ) too

Leia mais

ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS. Dossier

ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS. Dossier ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS Dossier 2014 Vela e Cascais Uma ligação histórica Em terra, uma compacta multidão distribuía-se pelas muralhas da cidadela; no mar grande número de

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

ENEM 2011 English. Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91

ENEM 2011 English. Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91 Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91 GLASBERGEN, R. Today s cartoon. Disponível em: http://www.glasbergen.com. Acesso em: 23 jul. 2010. Na fase escolar, é prática comum que os professores

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da "nova" PCP.

O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da nova PCP. O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da "nova" PCP. O Programa Nacional de Recolha de Dados de Pesca Funchal, 27 de Junho de 2013 Lídia Gouveia

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos : A 12 1 Adriana Beatriz Pinto Pereira Cortez S 13078 2 Ana Francisca Conceição Costa S 136 3 Ana Francisca Rodrigues Preces 1307 4 António José da Silva Loreto S 13084 Beatriz Moura Neves Beja Facas S

Leia mais

ENTRE NA AVENTURA QUE MUDOU O MUNDO!

ENTRE NA AVENTURA QUE MUDOU O MUNDO! ENTRE NA AVENTURA QUE MUDOU O MUNDO! INAUGURA ABRIL DE 2014 Porto, Miragaia, junto ao edifício da Alfândega UMA EXPERIÊNCIA INTERATIVA ÚNICA MUSEU INTERATIVO Um espaço que suporta a sua oferta em tecnologia

Leia mais