Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez"

Transcrição

1

2 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez

3 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez Módulo I Infecções, Viagens & Gravidez Moderadores: Clara Soares & Fernando Maltez

4 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez Viajar Grávida / Imunizações Jaime Nina

5 Jaime Nina A H Graduado Hospital Egas Moniz (CHLO) Professor Universidade Nova de Lisboa (IHMT & FCM)

6 A Grávida & Viagens Jaime Nina

7 O Mundo parece vez mais pequeno,

8

9

10

11

12 NASA Apollo 8 Earthrise 24 Dec 1968

13 O Mundo é cada vez mais pequeno,

14 O Mundo é cada vez mais pequeno, todos viajam (ou querem viajar)

15 O Mundo é cada vez mais pequeno, todos viajam (ou querem viajar) no presente

16 O Mundo é cada vez mais pequeno, todos viajam (ou querem viajar) no presente muito facilitado pelo transporte de massas

17 pelo mar

18 Índia ou por terra

19 Sudão ou por terra

20 O Mundo é cada vez mais pequeno, todos viajam (ou querem viajar) no presente muito facilitado pelo transporte de massas e pela velocidade

21 pelo ar

22 quer em negócios

23 ou em lazer

24 Hoje, qualquer ponto do Mundo está apenas a algumas horas de distância

25 Mas nem todos os viajantes são iguais!

26 Mas nem todos os viajantes são iguais! Alguns são um pouco diferentes, e necessitam cuidados um pouco diferentes, especiais

27 Mas nem todos os viajantes são iguais! Alguns são um pouco diferentes, e necessitam cuidados um pouco diferentes, especiais

28 Viajantes especiais I. Bebé II. Criança III. Grávida IV. Idoso V. Diabético VI. HIV+ VII. Insuficiente cardio-respiratório VIII. Insuficiente renal IX. Altitudes elevadas

29 Viajantes especiais I. Bebé II. Criança III. Grávida IV. Idoso V. Diabético VI. HIV+ VII. Insuficiente cardio-respiratório VIII. Insuficiente renal IX. Altitudes elevadas Seguro de Doença em Viagem

30 Viajantes especiais I. Bebé II. Criança III. Grávida IV. Idoso V. Diabético VI. HIV+ VII. Insuficiente cardio-respiratório VIII. Insuficiente renal IX. Altitudes elevadas Seguro de Doença em Viagem

31 e as grávidas também Mamaafrica.

32 Viajantes Grávidas Riscos: I. Trombo-embolismo II. Altitude III.Acidentes / Violência IV. Infecções V. Alterações alimentares: hipoglicémia hiperglicémia VI. Fármacos & VII.

33 Os riscos de Viajar na Gravidez variam com a idade desta (níveis do fundo uterino numa gravidez normal) 2011 Company Name

34 Viajantes Grávidas Riscos: I. Trombo-embolismo II. Altitude III.Acidentes / Violência IV. Infecções V. Alterações alimentares: hipoglicémia hiperglicémia VI. Fármacos & VII.

35 Viajantes Grávidas Riscos Infecciosos 1. Vacinas 2. Diarreias 3. Malária

36 Malária Turistas malaria easy targets

37 Malária Zé Maciel Grávidas Turistas malaria very easy targets holidayspregnancy J Nina

38 Stop Malaria

39 Viajantes Grávidas Riscos Infecciosos Vacinas Diarreias 3. Malária

40 Programa Nacional de Vacinas Portugal

41 Impacto do PNV (Programa Nacional de Vacinação) em Portugal Doença Difteria Polio Tétano Tosse convulsa Σ Década Casos t Década casos t importados adaptado de - P Valente in Notíc Méd

42 1. Have targets and goals

43 Vacinas Vacinar: Contra quê? Com quê? Quando? A quem? Em que sequência? Como associar?

44 As Vacinas não são egoístas Para além da protecção individual, muitas vacinas oferecem herd immunity, sendo assim importantes armas na protecção da saúde de populações

45 Na decisão de vacinar ponderar... Benefícios Custos

46 Vacinas Ponderar: Zonas a visitar Duração da estadia Objectivo da estadia Doenças co-existentes Experiência anterior Duração da imunidade Contra-indicações vacina Efeitos secundários Reacções locais à vacina... Profissão Idade Sexo Gravidez Aleitamento Estilo de vida Alergias Custo da vacina Comodidade...

47 Vacinas Ponderar: Zonas a visitar Duração da estadia Objectivo da estadia Doenças co-existentes Experiência anterior Duração da imunidade Contra-indicações vacina Efeitos secundários Reacções locais à vacina... Profissão Idade Sexo Gravidez Aleitamento Estilo de vida Alergias Custo da vacina Comodidade...

48 14.Respect the weak Há riscos, mas com cuidados apropriados podem ser minorados e ultrapassados

49 Vacinas Lembrar: Não decidir vacinar = Decidir não vacinar

50 Vacinas Básico Tipos Principais de Vacinas from: N Garçon & M Goldman in Sci Am 301(4):52-59.

51 Vacinas Princípios Gerais - 1 Vacinas mortas, de toxinas modificadas ou de componentes podem ser livremente associadas e/ou intervaladas entre si ou com vacinas vivas, sem interferência de eficácia (há excepções...)

52 Vacinas Princípios Gerais - 2 Vacinas vivas dadas simultaneamente e/ou com intervalos curtos, podem potenciar-se, antagonizar-se, ou não interferirem (conforme os casos...)

53 Vacinas Princípios Gerais - 3 Gamaglobolina hiperimune específica dada simultaneamente ou com intervalo curto poderá (ou não...) antagonizar a vacina homóloga (mais no caso de vacinas vivas)

54 Vacinas Princípios Gerais - 4 Diarreia aguda poderá (ou não...) interferir com a eficácia de vacinas orais inactivadas, mas (aparentemente) menos com as vacinas orais vivas

55 Vacinas Princípios Gerais - 5 Como princípio, vacinas mortas ou de componentes são seguras na gravidez, mas vacinas vivas sistémicas devem ser consideradas contra-indicadas na gravidez, até prova em contrário (e conforme as circunstâncias...)

56 Vacinas vivas sistémicas devem ser consideradas contra-indicadas na gravidez

57 Vacinas Contra o Quê: 1. Infecções Cosmopolitas Tuberculose Tétano, Difteria, Tosse convulsa Sarampo, Papeira, Rubéola Hib, Pneumocócica Hepatite B Gripe... (conforme as circunstâncias...)

58 Vacinas Contra o Quê: 2. Infecções Pan-tropicais Tifóide ETEC Hepatite A Cólera... (conforme as circunstâncias...)

59 Vacinas Contra o Quê: 3. Infecções Locais Cólera Febre Amarela Encefalite Japonesa B Encefalite Europeia da Carraça Poliomielite (por enquanto...) Meningite Meningocócica Doença de Lyme Raiva...

60 Till 10 February 2015

61 Vacinas: Febre Amarela

62 Vacinas: Febre Amarela A mais importante das febres hemorrágicas A com maior potencial epidémico ± casos, com ± / ano 1 Potencial epidémico Ex. 2 Memphis, US, 1878, 5 Ag.- 19 Out. ± residentes brancos ( > 70 %) A única infecção objecto de extensa regulamentação internacional 1 - WER (40): Tennessee St Med Assoc The Centennial History of the TSMA

63 Epidemia de Memphis, 1878 Popul. negra Popul. branca ± 14000, ± casos, 1946 mortes ± 6000, ± 5800 casos, 4204 mortes O Ebola do século XIX from: MBA Olostone in Viruses, plagues & History. Oxford / New York, Oxford University Press.

64 Yellow fever patient from the Dafur epidemic UNAMID / AG Ferran

65 adapted from WHO s notified cases J Nina. 2003

66 Febre Amarela: Ciclo Peters & Gilles

67 Vacinas: Anti-Amarílica - 1 Vacina 17-D Viva, Atenuada, Estirpe Asibi Eficácia ++++: até hoje nem 1 por FA num vacinado Segurança: ++++ Vias de administração + usadas: IM e SC Dose única vitalícia? 10/10 anos Cadeia de frio-dependente Antagonismo com o BCG Muito barata WER (40):

68 Vacinas: Anti-Amarílica - 2 Reacções locais: leves & raras Reacções sistémicas: leves & raras Alergia a ovos Reacções graves: Encefalite (26 casos, em > 4 x 10 8 vacinados, 16/26 < 7 meses, 24/26 cura sem sequelas, 2 : 1 bebé 3 anos, 1 HIV+ com CD4 ) Hepatite (muito raro) Falência multi-orgão (muito raro: 7 casos, com 6 - todas > 60 anos) WER (40):

69 Vacinas: Anti-Amarílica - 3 Contra-indicações absolutas: Anafilaxia a Vacinação FA prévia Sida ou outra imunodeficiência grave Contra-indicações relativas: HIV + Gravidez Idade < 8 meses Idade > 70 anos Insuficiência hepática grave WER (40):

70 Vacinas: Anti-Amarílica - 4 Vacinação na Gravidez: evidência Apenas 4 estudos publicados em revistas referenciadas (até 2011): 1 Oju, Nigéria estudo oportunista 101 gravidezes durante surto FA (9800 casos, 5600 ) com 3-4 anos seguimento, comparados com a população geral local: nenhuma diferença detectada 2 Uberlândia, Brasil estudo caso-controle (39 grávidas vacinadas, 74 controles): risco de aborto espontâneo x 2,3, mas nº muito baixos 3 Campinas, Brasil 480 grávidas vacinadas durante um surto FA, comparadas população geral: não detectadas quaisquer diferenças nº malformações, abortos espontâneos, nados-mortos ou prematuros 4 Campinas, Brasil 304 grávidas vacinadas comparadas com controles não vacinados: não detectadas quaisquer diferenças nº malformações, abortos espontâneos, nados-mortos ou prematuros, apenas naevus adapted from: 1 A Nasidi et al in Trans R S Trop Med Hyg 87(3): AS Nishioka et al in Trop Med Int Health 3(1): CES Suzano et al in Vaccine 24(9): DP Cavalcanti et al in Trop Med Int Health 12(7):

71

72

73

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES

VACINAÇÃO DE GESTANTES VACINAÇÃO DE GESTANTES Renato de Ávila Kfouri INTRODUÇÃO A vacinação de grávidas muitas vezes pressupõe oportunidades perdidas de vacinação da mulher, antes da concepção. Doenças imunopreveníveis deveriam

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód.

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tempo Descrição Sem Rejeição 00-01 Def. Idade superior a 69 anos 11

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos

IMPFDIENST. Brochura informativa para Pais e Alunos IMPFDIENST Brochura informativa para Pais e Alunos Serviço de Vacinação Exmos. Pais e Encarregados de Educação Caros alunos Em colaboração com os médicos escolares e o Serviço de Medicina Cantonal (Departamento

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Saúde Pág.: 25 Assunto: Vacinação antes da viagem

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada [cover] Depois de a sua criança ser vacinada Vacinar a sua criança significa que tomou uma decisão importante para a proteger contra uma ou mais doenças infecciosas. Para que saiba o que esperar depois

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Vacinação de crianças do ensino pré-escolar Três anos e quatro meses de idade

Vacinação de crianças do ensino pré-escolar Três anos e quatro meses de idade Portuguese translation of Immunisation for pre-school children three years and four months old Vacinação de crianças do ensino pré-escolar Três anos e quatro meses de idade Introdução Este panfleto contém

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas { Idade } recém-nascido 2 meses { Vacinas e respectivas doenças } DTPa = 1.ª dose (Difteria, Tétano, Tosse Convulsa) : regularmente ao longo da infância*; tensão arterial: periodicamente ao longo da infância*;

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde NOTA INFORMATIVA A implementação generalizada de programas de vacinação nas últimas décadas permitiu atingir ganhos notáveis no controlo das doenças preveníveis por vacinação. Contudo, este controlo tem

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO...

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... ASSUNTO PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... 1. A QUESTÃO COLOCADA... tendo as vacinas efeitos secundários e contra indções que legitimidade tem um enfermeiro...para vacinar a criança sem

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Vacinação dos bebés até aos 12 meses

Vacinação dos bebés até aos 12 meses Portuguese translation of Immunisation for babies up to a year old Vacinação dos bebés até aos 12 meses Introdução Este guia destina-se a pais de bebés até 12 meses de idade. Fornece informações sobre

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE)

A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE) A guide to childhood immunisations for babies up to 13 months of age. (PORTUGUESE) [p.1] Guia de vacinação para bebés até 13 meses de idade Vacinação a melhor forma de proteger o seu filho [p.2] As duas

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Portuguese translation of Immunisation for babies just after their first birthday Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Introdução Este folheto contém fatos sobre a primeira vacina VASPR

Leia mais

Câmara Municipal de Itápolis 1

Câmara Municipal de Itápolis 1 Câmara Municipal de Itápolis 1 Apresentação Prezado Cidadão, Esta é a Cartilha da Boa Saúde de Itápolis, uma publicação da Câmara Municipal de Vereadores que tem por objetivo trazer à população informações

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde Atualizado em Abril 2015 PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO O conteúdo desta página é meramente informativo

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática Epidemiologia de Doenças Transmissíveis Introdução à teoria matemática 14 milhões de mortes por DTs (1999) CAUSAS Africa Americas Médio Orien Europa SE Asia Total Doenças não transmissíveis 2300057 4255439

Leia mais

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis

Automatos celulares. Em Modelação de Doenças Transmissíveis Automatos celulares Em Modelação de Doenças Transmissíveis Portugal 2004 & 2008 Doenças de Notificação Obrigatória (8 a 10 mil casos/ano) Número de notificações por ano Varicela: 100 120 mil casos / ano?

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 VACINAS Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução... 1 2

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Perguntas Freqüentes 1. Guia de. Medicina. para pacientes

Perguntas Freqüentes 1. Guia de. Medicina. para pacientes Perguntas Freqüentes 1 Guia de Medicina doviajante para pacientes Guia de Medicina doviajante para pacientes O objetivo do CBMEVi é que o viajante guarde apenas boas lembranças da viagem. E este Guia é

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece.

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece. DÚVIDAS FREQUENTES Existe regulamento sobre doações de sangue? Sim. Todas as unidades coletoras seguem extensa regulamentação da Anvisa e pode ser encontrada no site: www.saude.gov.br Doar sangue engorda

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA O Estado de S.Paulo Vida & Liberada droga contra câncer de pulmão Tarceva é o 1º remédio de terapia-alvo para combater a doença; um mês de tratamento custará R$ 8 mil Adriana Dias Lopes O primeiro remédio

Leia mais

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade.

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. [cover] Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram

Leia mais

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas Isolamento HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC Isolamento Categoria Específico Isolamento Doença Específico 1987: Precauções Universais 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas 1996: Novo Guia de

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

Orientação sobre Vacinação. Para proteger a criança contra as doenças contagiosas

Orientação sobre Vacinação. Para proteger a criança contra as doenças contagiosas 31 Orientação sobre Vacinação Para proteger a criança contra as doenças contagiosas A cidade de Yokohama realiza vários tipos de vacinações, com a colaboração da Associação Médica de Yokohama. Antes de

Leia mais

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. RUA LOURENÇO PINTO, 65 3015-2015 www.clinicapaciornik.com.br e-mail: centrodevacinas@clinicapaciornik.com.br Transmissão:

Leia mais

Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML

Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML Vacinação Ocupacional: Prevenir doenças & Promover saúde o t n e im d n e t A e

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

MODELO DE BULA VACINA COMBINADA CONTRA SARAMPO, CAXUMBA E RUBÉOLA (MMR)

MODELO DE BULA VACINA COMBINADA CONTRA SARAMPO, CAXUMBA E RUBÉOLA (MMR) MODELO DE BULA VACINA COMBINADA CONTRA SARAMPO, CAXUMBA E RUBÉOLA (MMR) DESCRIÇÃO A vacina é um pó liofilizado contendo três cepas virais: sarampo, caxumba e rubéola. a) O componente da vacina contra sarampo

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

Imunização Passiva e Ativa. Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005

Imunização Passiva e Ativa. Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005 Imunização Passiva e Ativa Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005 Imunização Passiva Proteção transitória. Ac pré formados são transferidos para um receptor. Naturalmente: : Ac maternos

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

INFORMAÇÕES PESSOAIS Atualmente você esta fora da Australia? ( ) Sim ( ) Não. (exatamente conforme o passaporte) Sobrenome Nome

INFORMAÇÕES PESSOAIS Atualmente você esta fora da Australia? ( ) Sim ( ) Não. (exatamente conforme o passaporte) Sobrenome Nome O visto de visitante (subclasse 600) permite visitar a Austrália para turismo, negócios, visita familiar ou amigos, e cursos até 3 meses de permanência. INFORMAÇÕES PESSOAIS Atualmente você esta fora da

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO

19/4/2010 NOTIFICAÇÃO Agravos Epidemiológicos Parte - 03 PROFa. MSc. MARISE RAMOS NOTIFICAÇÃO A ocorrência de casos suspeitos de varicela não requer notificação e investigação por não se tratar de doença de notificação compulsória.

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite B (2)

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação 2012. Vacinas; Vacinação; Programa Nacional de Vacinação; PNV. Médicos e Enfermeiros do Sistema de Saúde

Programa Nacional de Vacinação 2012. Vacinas; Vacinação; Programa Nacional de Vacinação; PNV. Médicos e Enfermeiros do Sistema de Saúde Francisco Henrique Moura George Digitally signed by Francisco Henrique Moura George DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Date: 2012.01.06 16:33:35

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

vacina febre amarela (atenuada)

vacina febre amarela (atenuada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina febre amarela (atenuada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para suspensão injetável + diluente para reconstituição. Cartucho contendo 1 frasco-ampola

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas

Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas Nº: 08/DT DATA: 21/12/05 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação 2006

Programa Nacional de Vacinação 2006 10 Direcção-Geral da Saúde Divisão de Doenças Transmissíveis 1 Programa Nacional de Vacinação 2006 Circular Normativa Nº 08/DT de 21/12/2005, revista Revogada a Circular Normativa nº 14 DSPS/DT de 16/12/1999

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO. Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO. Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VACINAÇÃO O conteúdo desta página é meramente informativo e educativo, e não

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Gripe Secções deste tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Complicações Prevenção Bibliografia Hiperligações seleccionadas Clips Áudio Introdução

Leia mais