Para onde foi o jornalismo turístico? Análise de capas da revista Viagem & Turismo em 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para onde foi o jornalismo turístico? Análise de capas da revista Viagem & Turismo em 2007"

Transcrição

1 Para onde foi o jornalismo turístico? Análise de capas da revista Viagem & Turismo em 2007 Autor: Marcelo Carmo Rodrigues Titulação: Professor efetivo do Departamento de Turismo da UFJF; Mestrando em Comunicação pela FACOM-UFJF (Linha de pesquisa: Comunicação e Identidades); Especialista em Gestão de Negócios e Empreendedorismo pela FEA UFJF; Graduado em Turismo pela FACTUR (Santos Dumont /MG). Instituição: Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF Estado: Minas Gerais Endereço digital: Grupo temático: História do jornalismo Palavras-chave: comunicação; turismo; jornalismo turístico. Resumo: A prática do jornalismo remete ao século XVI. O turismo, quando relacionado ao Brasil, passa a ter seus primeiros registros impressos a partir dos Relatos de viagem. No século XXI, a revista Viagem & Turismo, aqui tomada como objeto empírico, pode ser considerada importante representante do jornalismo turístico, uma publicação da Editora Abril que chega à sua 149ª edição em março/2008 (ISSN X). O trabalho objetiva refletir o processo de desenvolvimento dessas duas ciências, discutindo o jornalismo turístico produzido pela revista, ao analisar as capas das 12 edições publicadas em 2007 e propor uma categorização a partir dos critérios de noticiabilidade utilizados por Nelson Traquina. Nesse artigo, que se pretende interdisciplinar, busca-se ainda apresentar reflexões quanto à existência (ou não) do jornalismo turístico. Introdução O desenvolvimento do turismo acabou por integrar-se ao processo de desenvolvimento da comunicação, particularmente a partir da invenção da escrita e, mais especificamente, com o estabelecimento da sociedade capitalista. As coincidências se dão a partir do advento da imprensa e se mantém até os dias de hoje. Dos relatos de viagem às novas tecnologias da comunicação, turismo e jornalismo sempre caminharam lado a lado. Os primeiros textos jornalísticos foram publicados na Inglaterra no início do século XVII. O mesmo não pode ser dito em relação ao turismo. Se o jornalismo tem quatro séculos de desenvolvimento, o turismo tem, a partir do século XX, seu período

2 de maior desenvolvimento. É no século XX que o turismo ganha maior expansão, entrando em sua fase chamada de turismo de massa ou turismo capitalista. O importante é ressaltar que, a partir do momento em que o turismo entra na sua fase capitalista (passando a ser importante componente do PIB de diversos países e regiões) começa a ser desenvolvido um jornalismo que talvez possa ser chamado de jornalismo turístico especializado na construção de textos que revelam (e também por isso encobrem) destinos turísticos ao redor do mundo. A proposta é refletir sobre os destinos que a revista Viagem & Turismo (a partir de agora abreviada para VT) apresentou durante as 12 edições mensais de 2007, sendo analisadas as capas dessas edições. Somente título, destino (praia, sol, montanha, urbano, cultural, nacional, internacional por exemplo) ou serviço (hotelaria out/2007) turístico apresentados. Serão utilizados os critérios estabelecidos por Nelson Traquina, para tentar descobrir quais são os valores-notícia utilizados pelos jornalistas e editores da VT em sua edição mensal. Pesquisar é ampliar os horizontes do conhecimento humano, incitando novas discussões e descobertas. Ao trabalhar novos temas, os profissionais de turismo, bem como de outras ciências, ampliam e revelam a importância do conhecimento adquirido na elaboração de novos rumos a serem seguidos para a profissão de turismólogo. Mais que um estudo de caso, o presente trabalho objetiva fazer uma reflexão sobre o desenvolvimento das relações entre turismo e jornalismo. 1. A informação como alavanca para o desenvolvimento do turismo O desenvolvimento do turismo coincide com o estabelecimento e o desenvolvimento da indústria da comunicação. Desde a chegada dos portugueses ao Brasil são inúmeros os exemplos - tanto da população local como dos estrangeiros - em representar a realidade brasileira, através de textos ou iconografias. Nos séculos da colonização brasileira pelos europeus, sempre houve a preocupação com os relatos histórico-sociais da época. Os séculos XV e XVI foram marcados pelas navegações, pelas grandes descobertas e avanços tecnológicos. Gutenberg, no final do século XV, inventa a 2

3 tipografia, que gera a possibilidade de ter textos reproduzidos em larga escala. Nos anos que se sucedem, começam a surgir os primeiros livros e os primeiros jornais. Concomitante ao desenvolvimento da imprensa, a Europa começa a preparar-se para a Revolução Industrial. As cidades se proliferam e as indústrias se multiplicam. A classe trabalhadora que está nascendo começa a lutar por seus direitos. Há êxodo rural, melhora nas condições de trabalho da população urbana e o surgimento de uma preocupação com o tempo livre dos empregados. Ao amplo processo de desenvolvimento industrial, alia-se um amplo processo de desenvolvimento das comunicações e do turismo, conforme descrito no livro Fundamentos do Turismo (DIAS, 2002, pag.44): No século XVII começou a haver o incremento do número de pessoas que visitavam os centros culturais e as grandes cidades... Estes grupos atingiram tal importância, sobretudo na França, que foi publicado por Saint Maurice em 1672 o Guia Fiel nas Viagens pela França. O escritor Reinaldo Dias, no texto acima, refere-se ao primeiro guia turístico impresso. Logo estava se referindo à primeira peça gráfica a respeito de um destino ou turístico, com cunho informativo. Pode-se atribuir a esse fato o início do estreitamento das relações entre turismo e comunicação. Nos anos seguintes, começa a haver também a impressão de outros guias turísticos na Inglaterra. A Terra Brazilis durante quatro séculos esteve mantida à margem da sociedade letrada, tido como terra de natureza exuberante, porém habitada por selvagens de acordo com documentos da época. Segundo relatos da historiografia oficial, apesar de ser uma ótima fonte de recursos e riquezas naturais, seu povo se mostra indolente e de difícil domesticação. Durante o descobrimento, bem como nos séculos subseqüentes e, principalmente no século XIX, há a publicação de inúmeros livros de viagem que se constituem na versão europeizada e/ou estrangeira do Brasil que encontrava-se em colonização. Em seu Relatos de viajantes como fontes da história social da população brasileira, a escritora Miriam L. Moreira Leite (1997, p. 10) revela: Antes de mais nada, convém constatar a extensão desse campo de literatura. Ela aparece em livros muito extensos (com cinco ou mais volumes), em livros curtos (de cem ou duzentas páginas), em artigos de revistas e em manuscritos, guardados em diferentes arquivos e museus do mundo. Existe sob a forma de literatura para adultos e para 3

4 crianças, como romance de aventuras, como literatura fantástica ou romance epistolar, havendo, na segunda metade do século XIX, reportagens jornalísticas e guias turísticos. Nesses relatos há uma grande preocupação em descrever as características do Brasil, bem como uma curiosidade em relação às condições de vida da sociedade brasileira. Os livros de viagem são os primeiros guias turísticos produzidos no Brasil. Eles são o relato das viagens e pesquisas de inúmeros escritores, pintores, intelectuais, botânicos, militares, excêntricos, educadores, padres e estudiosos das mais diversas áreas. Entretanto, eles mostram o Brasil visto sob o olhar do estrangeiro, conforme afirma a escritora Ana Maria de Moraes Beluzzo: Uma grande motivação para estudar o legado iconográfico e a literatura de viagem dos cronistas europeus está na possibilidade que oferecem de rever o Brasil. Mas, como estigma, essas obras só podem dar a conhecer o Brasil visto por outros. O olhar dos viajantes espelha também a condição de nos vermos pelos olhos deles. 2 A segunda metade do século XIX traz para o Brasil os primeiros indícios da Revolução Industrial. Em meio à efervescência política e econômica da época, surgem os primeiros jornais brasileiros. São daquele período o Correio Braziliense (1811), Gazeta da Tarde, 25 de março, Gazeta de Notícias, A República, Revista Ilustrada (1881), Jornal do Commercio e uma infinitude de outros periódicos. No início, os jornais se prestam mais à publicação de obras literárias e fatos curiosos. Em muitos desses jornais a escrita possui muito mais características de literatura e crônica do que características de texto jornalístico, como o concebemos na atualidade. Inclusive com espaço reservado para a comercialização de escravos e gêneros alimentícios. Sobre as características do texto jornalístico da época, afirma o texto Entre a História e o Jornalismo : O termo crônica foi retomado no século XVIII para textos que resgatavam sua forma primitiva, ou seja, ostentando características literárias. Foi quando as crônicas começaram a ser publicadas em 2 Entrevista concedida ao jornalista Helvécio Carlos (Estado de Minas, caderno Espetáculo, 19/03/00), por Ana Maria de Moraes Beluzzo, Doutora em História da Arte e autora do livro O Brasil dos viajantes (Metalivros/Objetiva). 4

5 jornais, confundindo ou fundindo o seu tempo histórico ao tempo jornalístico. E até ganharem imortalidade, sendo publicadas em livros, permanecerão presas ao tempo jornalístico, nascendo hoje e morrendo amanhã. 1 Os primeiros anos do século XX são marcados pelo aprimoramento dos meios de transporte. O automóvel começa a ser utilizado em maior escala pelas classes abastadas. A aviação começa a ganhar destaque, sendo que, em 1919, a KLM (Companhia aérea holandesa) realiza o primeiro vôo transatlântico. As estradas de ferro são cada vez mais utilizadas por unir pontos longínquos e devido ao seu baixo custo. Nessa época, há uma mudança na percepção do turismo, que pode ser notada através da fundação em Paris, em 1911, do Office National de Tourisme. Há também a fundação, em 1925, das Organizações Oficiais da propaganda Turística (UIOOPT), em Haia. Essa fundação é antecessora à Organização Mundial de Turismo (OMT), e tem como objetivo promover o turismo em todas as nações para seu progresso econômico, social e cultural (DIAS, 2002). A segunda metade do século XX é marcada por dois fatos importantes: o desenvolvimento do turismo de massas e a chegada da televisão no Brasil. O mundo assiste ao desenvolvimento da atividade turística como nunca visto antes: o lançamento do avião a jato; a expansão da indústria automobilística; construção, modernização e diversificação dos estabelecimentos de hospedagem; incremento da infra-estrutura, como: portos marítimos, marinas, vias expressas, aeroportos, instalações de energia elétrica, água potável e centros respectivos; estabelecimento de itinerários fixos, rápidos e seguros; criação de pacotes turísticos abertos ao crédito; efetivação de numerosas disposições em leis que passam a regulamentar as atividades turísticas e trabalhistas; profissionalização das atividades turísticas, em face da criação de inúmeros organismos de turismo oficiais e privados; e, por último, disponibilização para a população de sistemas de crédito, para implementar o lado social do turismo. Para revelar a importância que o turismo estava assumindo, no ano de 1967 é comemorado o Ano do Turismo Mundial. No caso do Brasil, todos os benefícios citados acima fazem parte também da nossa realidade. O jornalismo e o turismo no início do século XXI, e suas inter-relações, representam o desenvolvimento de duas poderosas estruturas do mundo moderno. 1 site TRÍALOGOS, texto Entre a História e o Jornalismo de Priscilla Fernandes. 5

6 Enquanto o turismo solidifica-se como a terceira economia do planeta que mais gera empregos (diretos e indiretos), o jornalismo apresenta-se como o quarto poder. Ao longo do tempo, o homem também se viu obrigado a criar pautas para a sua comunicação. Entre os temas que sempre foram pauta, em todo processo histórico da civilização atual, são os temas relacionados às diferentes culturas, seus deuses, sobre o que é novo, diferente e até mesmo igual. Dessas discussões sobre o novo, sobre o sacro, sobre o que é diferente. Se há séculos atrás, os primeiros relatos turísticos saíram das canetas bico de pena dos mais diferentes escritores e estudiosos, provenientes dos mais diferentes países, hoje esses mesmos relatos históricos são os precursores de uma ampla rede de informação via mídia de massa que procura mostrar os mais diversificados pontos turísticos da Terra. Sobre o papel do jornalismo no desenvolvimento do turismo, Nielsen afirma que a criação de publicações especializadas em turismo, a partir de 1950, fornece uma visão interessante dos avanços dos estudos em turismo como ciência social (2002, p. 33). Apesar de o turismo de massa ter se desenvolvido posteriormente ao jornalismo, são muitas as similaridades que envolvem as duas ciências, conforme explica a escritora Sabáh Auon (2001, p. 15) em À procura do paraíso no universo do turismo. O livro aborda principalmente as publicações em mídia impressa (revistas), mas mostra-se como parâmetro no estudo das relações entre turismo e jornalismo: Distanciando-se gradativamente dos discursos vigentes até o final da década de 1970, proferidos pelos teóricos da área que apreciavam definí-lo nas profusões dos slogans como indústria da paz, ou indústria sem chaminés, limpa por excelência, como portador de uma missão salvadora, ou difusor de conhecimento e cultura (Barreto 1995, pp ) -, o turismo tem sido compreendido dentro de uma nova ordem econômica em que valores e padrões se globalizam, agilizados pelos avanços das tecnologias da comunicação. Curiosamente, as duas entidades que mais discutem o papel da comunicação no desenvolvimento do turismo são o Vaticano e a OMT (Organização Mundial do Turismo). Como indício dessa preocupação, dentre as comemorações do Dia Mundial do Turismo - sempre comemorado em 27 de setembro em 1991, o tema discutido pela OMT foi: Comunicação, informação e educação: elementos motores do 6

7 desenvolvimento do turismo. A norma estabelecida, na data dessa comemoração, manda que as instituições promovam amplos debates sobre o tema abordado, preparando em seguida documentos que regulem e registrem as discussões. Para corroborar essa preocupação da OMT com as relações que unem turismo e imprensa, o artigo 06 do Código Mundial de Ética do Turismo declara (apud DIAS, 2002, p. 236): 6.6. A imprensa, sobretudo a imprensa especializada em turismo, e os outros meios de comunicação, incluindo os modernos meios de comunicação eletrônica, devem fornecer uma informação honesta e equilibrada sobre os acontecimentos e situações suscetíveis de influência na freqüência turística. Igualmente, devem ter por missão o fornecimento de indicações precisas e fiáveis aos consumidores de serviços turísticos. As novas tecnologias de comunicação e comércio eletrônico devem ser desenvolvidos e utilizados para esse fim, não devendo, de forma alguma, assim como a imprensa e os outros meios de comunicação, incentivar o turismo sexual. No Brasil também já começam a ser desenvolvidas discussões para nortear o desenvolvimento do turismo em suas relações com o jornalismo. No ano de 2001, foi realizado pela Universidade Metodista de São Paulo, na Faculdade Cátedra Unesco o I Congresso Internacional de Comunicação e Turismo. Em 2002, é lançado o livro Turismo e Mídia, pela editora Contexto, do escritor Christian Nielsen. No livro são apresentadas regras básicas para os profissionais de turismo que objetivam trabalhar com jornalismo turístico e/ou pretendam desenvolver uma boa comunicação e redação para turismo. 2. A revista VT e os valores-notícia de Nelson Traquina A revista VT em janeiro de 2008 chegou à sua 147ª edição, é uma publicação da editora Abril, está no mercado há mais de 12 anos e é líder em tiragem. A categorização se dará a partir de critérios de classificação do conteúdo e imagem da capa das edições mensais publicadas durante o ano de 2007, conforme tabela abaixo: MÊS/2007 MATÉRIA DE CAPA NAC/INTER REGIÕES GEO. JANEIRO Os segredos do litoral norte de São Paulo NAC BRASIL 7

8 FEVEREIRO O barato do Caribe INTER MARÇO Buenos Aires em dose dupla INTER ABRIL MAIO Sul da Bahia: oito dias perfeitos de sol, praia, boa comida e muito axé Orlando: as incríveis aventuras da VT em Orlando NAC INTER AMÉRICA CENTRAL AMÉRICA DO SUL BRASIL EUA JUNHO Esqui para econômicos e gastadores INTER AMÉRICA DO SUL JULHO Portugal de carro INTER EUROPA AGOSTO Espanha em transe INTER EUROPA SETEMBRO Taiti: você pode. A gente ensina INTER POLINÉSIA FRANCESA OUTUBRO As 33 pousadas mais charmosas e baratas do Brasil NAC BRASIL NOVEMBRO 12 motivos para amar Santa Catarina NAC BRASIL DEZEMBRO 12 dias nas praias mais bonitas do sul da Bahia (entretanto no site oficial da revista o título postado é Verão do dólar: com o real valorizado este fim de ano no exterior é dos brasileiros ) NAC BRASIL Tabela 01: Matérias de capa da revista VT no ano de Fonte: Revista VT Dentro do total de 12 publicações, cinco matérias de capa (41,6%) referem-se ao Brasil. Sobre a América do Sul há duas matérias (16,6%) que apresentem Buenos Aires e regiões de esqui na Cordilheira dos Andes. A Europa está presente em duas matérias (16,6%), através capas sobre Portugal e Espanha. Com uma matéria cada (8,4%) são apresentados os Estados Unidos (Orlando), América Central (praias do Caribe) e Polinésia Francesa (Taiti, Ilhas Galápagos, Ilhas Maurício). Pode-se concluir, que em quase metade das matérias (cinco edições) um destino brasileiro foi capa da revista: quatro dessas matérias referem-se ao turismo de sol e mar e uma faz análise pousadas e hotéis charmosos e baratos. Para avançar na pesquisa foram observados os valores-notícia propostos e discutidos por Nelson Traquina, em seu livro Teoria do jornalismo. Segundo o autor, os valores-notícia de seleção dividem-se em contextuais (dia noticioso, disponibilidade, equilíbrio, visualidade, concorrência) e substantivos (proximidade, relevância, tempo, novidade, notabilidade, inesperado, conflito, infração e escândalo). Já os valores-notícia de construção podem ser categorizados assim: personalização, simplificação, amplificação, relevância, dramatização, consonância. É baseado nesses valores-notícia 8

9 que serão analisadas as matérias de capa das edições mensais da revista VT durante o ano de Textos soltos, grande utilização de fotos (se for analisado minuciosamente poder-se-á chegar à conclusão que as fotos ocupam mais espaço que o texto redigido), aparente falta de preocupação com o texto jornalístico (às vezes podendo chegar a textos quase literários), título sem preocupação com o tamanho e/ou número de letras, utilização de gírias e jargões populares no corpo do texto esses itens compõem a capa e o corpo das matérias em análise. Numa tentativa de criar um campo de interseção entre o está publicado das capas da revista VT e as categorias propostas por Traquina foram construídas três tabelas. A primeira, apresentada abaixo refere-se ao valores-notícia de seleção, pelos critérios substantivos que, de acordo com Traquina, dizem respeito à avaliação direta do acontecimento em termos da sua importância ou interesse como notícia (Traquina, 2004, p. 78). Valor-notícia de Seleção - substantivos Notoriedade Proximidade Relevância Novidade Tempo Descrição Do ator principal Geográfica ou cultural Capacidade do acontecimento incidir ou ter impacto sobre as pessoas O que há de novo Forma de atualidade Presente/Ausente O ator é o destino. A pergunta é se há outros atores que poderiam ter sido escolhidos e os motivos que levaram à escolha. Geográfica: tanto há destinos próximos como distantes. Cultural: há cultural que são mais conhecidas dos leitores, mas há outras sem vínculos estreitos (Polinésia Francesa). Econômico-financeira: para qual percentual da população brasileira esses destinos estão próximos? Em uma primeira análise, não se percebe a presença desse valor-notícia. Até pelo fato de as matérias não informarem sobre as mazelas dos destinos apresentados, como se essas não existissem. Um dos valores mais presentes. Sempre há a preocupação de mostrar uma angulação nova, novos equipamentos. Mas, pode-se perceber ao longo dos anos, que os mesmos destinos são reapresentados. Ou seja, a pauta não varia muito ano a ano. As matérias são escritas de maneira a serem independente do tempo atuais, guias de bolso para o viajante 9

10 Inesperado Conflito/Controvérsia Infração Aquilo que irrompe e surpreende Violência física ou verbal, disputas políticas Escândalo, crimes, violação, transgressão de regras Tabela 02: Valores-notícia de seleção: substantivos. Fonte: Revista VT tranformando-o em algo tangível. A maneira como o texto é redigido já é um simulacro: pretende-se, através da leitura, levar o cliente até o destino (como se turismo pode ser aprendido, e não somente experimentado). Há uma preocupação em apresentar destinos consolidados turisticamente, mas com novas angulações. Normalmente destinos em que há conflitos não são pauta de matérias da revista. As infrações são sempre a favor do belo ou bom serviço. Já os valores-notícia de seleção, pelos critérios contextuais, dizem respeito ao contexto da produção da notícia (Traquina, 2004, p. 78) e estão descritos e seguir: Valor-notícia de Seleção: Contextuais Disponibilidade Equilíbrio Visualidade Concorrência Dia noticioso Descrição Facilidade com que é possível fazer a cobertura Quantas vezes o acontecimento foi noticiado Elementos visuais fotografias e filmes Concorrência entre empresas Os acontecimentos em concorrência com outros acontecimentos Tabela 03: Valores-notícia de seleção: contextuais. Fonte: Revista VT Presente/Ausente A revista, após decidida a matéria de capa, tem condições financeiras de mandar seus jornalistas/articulistas para qualquer destino. O importante é procurar saber o porquê da escolha, do gatekeeper. Se forem observados, todos os continentes da Terra, percebe-se que não há equilíbrio. O equilíbrio se dá de outra forma: Talvez seja o valor-notícia que mais se aplica. Podese depreender que as fotos, algumas vezes, são mais importantes que o texto. Há leitores que vêem a revista, ao invés de lê-la. Sim, há em número e condições bastante mercadológicas. Há outros títulos nacionais que abordam turismo e há concorrência bastante acirrada entre eles. O dia noticioso de uma publicação mensal tem, no mínimo, 30 dias (definição de pauta, realização de matérias, editoração, impressão, publicação, distribuição, chegada à casa do assinante). As matérias de capa sempre apresentam destinos/serviços que estão muito relacionados com a estação climática que está se iniciando. Por último, os valores-notícia de construção são definidos por Traquina como os critérios de seleção dos elementos dentro do acontecimento dignos de serem incluídos 10

11 na elaboração da notícia (Traquina, 2004, p. 91). Para esse estudo, pode-se acenar que esses (apresentados abaixo) são determinantes da elaboração da pauta da revista VT: Valor-notícia de construção Simplificação Amplificação Relevância Personalização Dramatização Consonância Descrição Acontecimento desprovido de complexidade, ambigüidade Capacidade de o acontecimento ser notado Notícia cheia de sentidos Valorização das pessoas envolvidas no acontecimento O reforço do lado emocional, a natureza conflitual Estórias que os leitores já conhecem Tabela 04: Valores-notícia de construção. Fonte: SIM Presente Os destinos são apresentados por jornalistas/articulistas que o apresentam de maneira bastante coloquial, com um olhar e um texto bastante livres. Os destinos somente têm apresentados sob o ponto de vista do que há ser explorado. Não são apresentados os problemas do lugar, o ponto de vista da população, as dificuldades pelas quais passa o início/desenvolvimento das atividades turísticas da região, com seus problemas sociais. Os textos procuram construir o paraíso perfeito. Independente do lugar, continente, região ou estação do ano os melhores destinos para se fazer turismo são os publicados nas capas da revista VT. Os sentidos que uma matéria da revista VT tenta aguçar são outros se relacionados ao jornalismo diário. Os critérios de relevância são, portanto, outros. Pode-se perceber uma preocupação dos jornalistas/articulistas em rechear as matérias de pontos relevantes. Há também a preocupação com mapas e guias para tornar mais fácil o acesso do leitor/viajante aos lugares indicados. O texto sempre procura ser o mais informal, o mais próximo possível. Tanto do leitor, quanto do destino apresentado. O texto não objetiva construir uma imagem negativa do destino e sim, sempre, positiva. O lado emocional é um dos mais ressaltados na construção das matérias e dos destinos Estórias e histórias sobre turismo são uma constante no jornalismo mundial em todos os formatos (rádio, jornalismo impresso, televisão, internet etc). Como representa um importante bem de consumo na atualidade há destinos turísticos da moda, exóticos e tradicionais que sempre estão (e retornam) à mídia. E outros novos destinos que a mídia faz questão de apresentar periodicamente. 3. Considerações finais 11

12 Pode-se observar que as capas por vezes apresentam matéria frias, em outras fait divers, por conterem um grande percentual de atemporalidade, com um texto que beira a literatura e ao mesmo tempo procura estar falando ao pé do ouvido, como se o leitor estivesse fazendo junto com o jornalista/articulista a viagem apresentada. Na edição de dezembro de 2007, o jornalista Ricardo Freire se aventura a percorrer a pé as praias mais bonitas (e desertas) do sul da Bahia. Ao descrever suas caminhadas ele é muito coloquial em seu texto, falando das dificuldades das pedras escorregadias, do sobe e desce das marés. Uma clara tentativa de como se isso fosse possível levar o leitor a refazer com ele o percurso. Como se o turismo não fosse uma atividade só possível através da experimentação. Que por melhor que seja a revista, o meio ou a mídia eles jamais conseguirão reproduzir a experiência única e presencial que é fazer turismo. E por se tratarem de fait divers as matérias da revista VT tenham que se munir de muitos dos valores-notícia. Complementando o que já foi dito acima, o dia noticioso de uma revista de turismo é diferente do dia noticioso de um jornal diário. O tempo, os atores (destinos e/ou serviços turísticos), o objeto muda bastante de um meio para o outro. E se a necessidade de fotografia ou imagem é cada vez mais fundamental para que uma notícia seja percebida pelo público destinos/serviços turísticos sempre despertam interesse. Mas, o turismo está representado nas capas da VT? Por que foram escolhidos aqueles destinos? Essa é a pergunta-chave da questão: como se monta a pauta de uma revista de turismo. Como são escolhidos os lugares, os bares, restaurantes, hotéis e muitos outros destinos/serviços turísticos. A pesquisa a respeito da existência da categoria jornalismo turístico ainda permite espaço para novas discussões: se existe, se é bem feito, como poderia ser feito. Os estudos de Traquina auxiliam na elaboração desse raciocínio. Pelas tabelas pode-se perceber que a maior parte dos valores-notícia (independente da categoria) encontra-se também nos textos da revista VT. Entretanto, pelo fato de o ator ser outro (destino e/ou serviços turísticos) também são outros os gatekeepers, os interesses, os olhares. Talvez, o leitor de matérias de turismo talvez esteja procurando novos atores. 4. Anexos: 12

13 Ilustração 1 - janeiro/07 Ilustração 2 - fevereiro/07 Ilustração 3 - março/07 Ilustração 4 - abril/07 Ilustração 5 - maio/07 Ilustração 6 - junho/07 13

14 Ilustração 7 - julho/07 Ilustração 8 - agosto/07 Ilustração 9 - setembro/07 Ilustração 10 - outrubro/07 Ilustração 11 - novembro/07 Ilustração 12 - dezembro/07 5. Referências bibliográficas: AUON, Sabáh. A procura do paraíso no universo do turismo. Campinas: Papirus, BORDENAVE, Juan. Além dos meios e mensagens. Petrópolis: Vozes, DIAS, Reinaldo; AGUIAR, Marina Rodrigues de. Fundamentos do Turismo. Campinas: Alínea, GODOY, Ana Maria. Jornalismo turístico campo de pesquisa e atuação para turismólogos Monografia de conclusão de curso, Faculdade de Turismo de Curitiba, Curitiba. HALL, Stuart. A produção social das notícias: o mugging nos media. In: Jornalismo: questões, teorias e estórias. TRAQUINA, Nelson (org). Veja: Lisboa, 1993, p

15 LEITE, M. M. Livros de viagem: Rio de Janeiro: UFRJ, NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das; MACHADO, Humberto Fernandes. O Império do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, NIELSEN, Christian. Turismo e Mídia. São Paulo: Contexto, PAULO II, João. XXII Dia Mundial do Turismo. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/messages/tourism/document> Acesso em 06 out PHILLIPS, E. Barbara. Novidade sem mudança. In: Jornalismo: questões, teorias e estórias. TRAQUINA, Nelson (org). Veja: Lisboa, 1993, p TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo, porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, Teorias do jornalismo, a tribo jornalística _ uma comunidade interpretativa transnacional. Vol. 2. Florianópolis: Insular, URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. São Paulo, Studio Nobel, ZARDO, Eduardo. Respostas de questionário a Ana Marina Godoy. Curitiba, WEAVER, Paul H. As notícias de jornal e as notícias de televisão. In: Jornalismo: questões, teorias e estórias. TRAQUINA, Nelson (org). Veja: Lisboa, 1993, p

I Critérios substantivos Critérios que dizem respeito à avaliação direta do acontecimento em termos da sua importância ou interesse.

I Critérios substantivos Critérios que dizem respeito à avaliação direta do acontecimento em termos da sua importância ou interesse. 2) VALORES-NOTÍCIA B) Para Nelson Traquina e Pierre Bourdieu, os jornalistas têm óculos através dos quais vêem certas coisas e não outras. Vêem de certa maneira as coisas que vêem. Operam uma seleção e

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Humsol e a luta contra o câncer de mama 1 Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem foi realizada para a disciplina de Rádiojornalismo ainda no quarto

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Jornal do Brasil - O primeiro jornal brasileiro da internet

Jornal do Brasil - O primeiro jornal brasileiro da internet 1 de 8 7/6/2010 13:48 ir direto para o conteúdo buscar notícias ir direto para as editorias Jornal do Brasil - O primeiro jornal brasileiro da internet Capa País Rio Economia Internacional Esportes Ciência

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres.

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. Assunto Turismo SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Geografia QUESTÕES de 01 a 06 INSTRUÇÕES: Questão 01 (Valor: 15 pontos)

Geografia QUESTÕES de 01 a 06 INSTRUÇÕES: Questão 01 (Valor: 15 pontos) Geografia QUESTÕES de 01 a 06 LEIA CUIDADOSAMENTE O ENUNCIADO DE CADA QUESTÃO, FORMULE SUAS RESPOSTAS COM OBJETIVIDADE E CORREÇÃO DE LINGUAGEM E, EM SEGUIDA, TRANSCREVA COMPLETAMENTE CADA UMA NA FOLHA

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Jornal Mural do Turista: estruturando alternativas para a informação 1

Jornal Mural do Turista: estruturando alternativas para a informação 1 Jornal Mural do Turista: estruturando alternativas para a informação 1 Thaís Holanda PRACIANO 2 Alejandro Vivanco SEPÚLVEDA 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO Produzido por alunos estagiários

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA 1. Plano de Comunicação interna 1.1 Aspectos estruturantes 1.1.1 Objetivo O objetivo maior do plano de comunicação interna é fortalecer a gestão do Programa Arpa, a coesão entre parceiros e agentes diretamente

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Ações com profissionais de turismo (Blogueiros e Agentes de Viagem) Fam Tours Press Trips Notícias

Ações com profissionais de turismo (Blogueiros e Agentes de Viagem) Fam Tours Press Trips Notícias Embarque na Viagem Seu portal de Turismo, Lazer, Entretenimento e Gastronomia. Media Kit Redes Sociais Palestras Viagens de inspeção Publicidade Difenciada Ações com profissionais de turismo (Blogueiros

Leia mais

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e universo Tema Água e vida / ciclo hidrológico do planeta Conteúdos Águas subterrâneas Usos / objetivos Aprofundamento do estudo sobre as águas

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 CRUSIOL, P.H.T. 1 ; DINIZ, L.B.S. 1 ; NASCIMENTO, L.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, pedroc@ cnpso.embrapa.br, lilian@cnpso.embrapa.br;

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

VIAGEM E TURISMO. Perfil da revista. Perfil do leitor. 76% de share³. Líder absoluta no segmento. 82% pertencem às classes AB

VIAGEM E TURISMO. Perfil da revista. Perfil do leitor. 76% de share³. Líder absoluta no segmento. 82% pertencem às classes AB VIAGEM E TURISMO Perfil da revista Líder absoluta no segmento Circulação de 97.630 exemplares¹ Mais de 286.000 leitores² 76% de share³ Perfil do leitor 82% pertencem às classes AB 63% possuem entre 25

Leia mais

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47 Sumário Introdução Pauta do livro 13 1 Empregos fixos freelance Quem mexeu no nosso queijo? 17 2 Empreendedorismo A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23 3 Terceirização

Leia mais

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário O Núcleo de Audiovisual e Documentário do CPDOC convida alunos inscritos regularmente em cursos

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto Embarque na Viagem Seu portal de Turismo, Lazer, Entretenimento e Gastronomia. Media Kit 2013 Notícias Fam Tours Press Trips Redes Sociais Publicidade Difenciada Projetos Especiais Perfil Cliente Oculto

Leia mais

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO Calendário ATIVIDADES DATA Lançamento no site Encerramento das inscrições Anúncio oficial dos finalistas Cerimônia de premiação dos vencedores 03 de

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

Mídia kit Outubro/2015

Mídia kit Outubro/2015 Mídia kit Outubro/2015 Quem somos? O Viajadora é um blog feito por duas amigas de infância que gostam de viajar gastando o mínimo possível, mas aproveitando ao máximo. De tanto dar dicas para os amigos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e hospedagens no Brasil e no mundo, também revela dicas valiosas

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

Os natos Beto Junqueyra

Os natos Beto Junqueyra ATIVIDADE III Ensino Fundamental Conteúdo: Atividades de Geografia e História para livro Os Natos Os natos Beto Junqueyra O Ícaro, nome dado ao meio de transporte utilizado pela equipe dos Natos, apresentava

Leia mais

Cruzeiro do Sul e o Sul

Cruzeiro do Sul e o Sul Atividade de Aprendizagem 17 Cruzeiro do Sul e o Sul Eixo(s) temático(s) Terra e universo Tema Estrelas / constelações / galáxias Conteúdos Constelações / pontos cardeais Usos / objetivos Problematização

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003015A - Jornalismo Impresso I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003015A - Jornalismo Impresso I Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003015A - Jornalismo Impresso I Docente(s) Angelo Sottovia Aranha Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 08 1 / 6 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto a imprensa sediada na capital e no interior de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais