Engenharia de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software"

Transcrição

1 Engenharia de Software Introdução aos Processos de Software: modelos e ciclo de vida de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

2 Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em especial a interpretação de tradução, reprodução, distribuição ou comercialização física ou na Web do conteúdo contido nos slides, estão sujeitas a autorização prévia pelo autor. Hugo Vieira Lucena de Souza, 2015 Todos os textos, nomes, marcas e figuras de outras publicações e autores contidos neste documento estão devidamente referenciados através de suas obras originais e protegidos pelas leis de propriedades intelectuais.

3 Agenda Introdução aos Processos de Software Fundamentos da concepção de etapas em projetos de software Entrada, saída, trabalho, artefatos e insumos: estrutura funcional dos processos Arcabouço, subprocessos, atividades e tarefas: hierarquia Ciclo de vida de software O processo essencial de software: fases primárias e de suporte; Uma visão estrutural do ciclo de vida de software; Modelos de processos de software Modelo em cascata Modelo em espiral Modelo prototipado iterativo Modelo evolucionário Modelo de reuso Referências

4 Introdução aos Processos de Software Continuando nossas aulas sobre a Engenharia de Software, iremos estudar hoje um dos principais fundamentos desta disciplina, indispensável para entender todos os demais conteúdos que veremos mais a frente; Os processos de software compõem toda uma base das tecnologias atuais que as empresas utilizam em seus projetos, sendo importantes para que entendamos como estão compostas suas estruturas, além de suas aplicações; Também veremos os principais modelos, evolucionários e os princípios do ciclo de vida de software. Portanto, fiquem ligados nos tópicos abordados pelos slides e tenham uma boa aula!

5 Introdução aos Processos de Software Quando estudamos os fundamentos da ES, como vimos no slide anterior, entendemos que a construção de um software depende, e muito, da organização de como suas etapas estão decompostas; Estas etapas, precisam estar bem ordenadas, sendo exercidas de uma maneira sequencial ou paralela, mediante as exigências impostas pelo cliente, tempo e os custos que o projeto pode tangenciar; Desta forma, quando precisamos definir, seja em um ou mais projetos, como as atividades estar programadas, quais tarefas cada uma recomenda, além de outros fatores que podem facilitar o desenvolvimento das soluções, estamos falando de processos de software;

6 Introdução aos Processos de Software Um processo de software pode ser descrito simplesmente por: Um conjunto de atividades, tarefas, procedimentos ou um esforço concentrado em realizar o desenvolvimento de uma meta, objetivo, ou perspectiva buscando obter como resultado um produto, sendo este um documento, arquivo, código-fonte ou quaisquer outros artefatos em um ciclo de vida bem definido software

7 Introdução aos Processos de Software Os processos de software surgiram á medida que as empresas de desenvolvimento foram sendo fundadas. Algumas delas, contribuíram com a pesquisa, os testes e a aplicação de suas atividades internas, publicando os resultados para a comunidade acadêmica; Falando um pouco menos da história, e um pouco mais do contexto técnico, os processos não são tão simples como pensamos. Cada tipo de processo utiliza uma notação diferente, possui uma estrutura diferente, além de funcionalidades e aplicações que podem variar de acordo como cenário; Em tese, um processo pode ser composto de vários componentes, mas dois são fundamentais para serem estudados, sendo eles:

8 Introdução aos Processos de Software Uma estrutura funcional: todos os processos de software utilizam uma notação, ou seja, um fluxo, que garante a retroalimentação com os demais processos. Para entendermos melhor, podemos observar a figura: [1]

9 Introdução aos Processos de Software A estrutura funcional de um processo geralmente é formada por uma entrada, que pode ser renomeada por insumo. Um insumo é um item necessário para que o processo inicia, podendo ser várias coisas, desde um simples rabisco, até um pacote de códigos-fontes; As atividades são as rotinas de trabalho que os colaboradores desenvolvem. Cada processo pode variar totalmente suas atividades, que vão desde as de gestão até as produção; Os resultados, serviços ou produtos gerados podem ser reconhecidos como saída do processo, caracterizando um insumo de entrada para o próximo processo. Observe que esta sequencia forma um ciclo, que acontece a medida que as etapas vão evoluindo;

10 Introdução aos Processos de Software Uma estrutura hierárquica: os processos estão formados por uma hierarquia conhecida como arcabouço. O arcabouço é a forma pela qual o processo está decomposto, sendo mais complexo, ou mais simples, mediante as necessidades do cliente; O arcabouço tem uma estrutura padrão, considerada universal, que pode ser representada conforme a figura: Subprocessos Atividades Tarefas Estrutura básica de um processo

11 Introdução aos Processos de Software Cada processo é composto por outros processos [caso necessário], por atividades e tarefas. A estrutura é um padrão adotado por muitos autores e empresas, que estipulam como as etapas devem estar organizadas para obter resultados efetivos; Apesar de simples, a especificação do arcabouço é um pouco trabalhosa em ser realizada. Cada nível subsequente requer todo o conhecimento do negócio, para que sejam evitados desvios no projeto; Como entender isto na prática? Imagine um projeto de um software na engenharia civil; Como saber todos os detalhes que o software precisa implementar? Resposta: é preciso detalhar todas as características, por mais minuciosas que sejam elas;

12 Ciclo de vida de Software Todas as etapas e processos precisam ser configurados de forma similar. Desta forma, os processos de software podem ser formados por cinco, seis, n etapas, que delimitam como e por que cada profissional deve exercer suas atividades; Algo que garante que tudo ocorrerá bem é o alinhamento destes processos é o ciclo de vida de software. O ciclo é a composição de todos os processos participantes, adaptando as necessidades da empresa, do projeto e do cliente à infarestrutura, ao tempo e uma série de fatores que podem pesar para a evolução do produto; O ciclo de vida é comum na maioria dos modelos atuais. Isto significa dizer que existem alguns processos que são considerados por muitas tecnologias em seus arcabouços, como podemos ver a seguir:

13 Ciclo de vida de Software Fase de projeto/planejamento/análise: é uma etapa indispensável e comum a muitos modelos e tecnologias. Nesta fase, os profissionais buscam idealizar o que poderão projetar e como irão realizar este projeto; Fase de implementação/codificação/testes: é a etapa de plena operação, estando presente em todos os projetos. Os testes, podem ser realizados nesta etapa, como também podem ser definidos como processos, algo que varia com o escopo adotado pela empresa; Fase de validação/entrega/instalação: é a fase em que o cliente participa, recebendo parcialmente uma versão como protótipo ou até mesmo a versão final do software; Fase de otimização/atualização/feedback: nesta etapa o cliente já está com o software instalado [versão parcial ou final] e o mesmo reporta o que é necessário para melhorá-lo ou simplesmente para complementá-lo com novas funcionalidades;

14 Ciclo de vida de Software Todas estas etapas formam o que a literatura intitula como ciclo de vida essencial de software. Este ciclo serve como referência para que os processos estejam alinhado de acordo com as áreas-chave, que significam o que é, ou não, necessário, para ser considerado um processo de software; Quando falamos sobre área-chave, estamos nos referindo à qualidade. Como só iremos estudar a qualidade de software mais a frente, é importante que saibamos que cada grupo de processos pode se decompor ou estender novos processos, estipulando a quantidade de passos necessários para que se desenvolva o resultado buscado;

15 Ciclo de vida de Software Por formar um conjunto de processos, o ciclo de vida de software também requer uma estrutura. A estrutura do ciclo de vida remete definir quais processos serão primários, ou de implementação, quais processos serão secundários, conhecidos como de suporte; O que isto significa? Os processos que desenvolvem o software são fundamentais; Os processos primários são estes processos fundamentais; Os processos secundários são aqueles que buscam auxiliar com a documentação, configuração, dentre outras propriedades que podem variar de empresa para empresa;

16 Diante desta visão, a ES sugeriu que ao longo dos anos fossem publicados alguns ciclos de vida, baseados nesta notação que estudamos e com características diferentes; Os principais modelos serviram como fonte de referência para que os profissionais entendessem qual a importância em se formatar corretamente um ciclo de vida adequado as suas necessidades; Desta forma, os modelos foram utilizados por um longo tempo, sendo os mesmos conhecidos por: Modelo em cascata: foi o primeiro modelo de processo criado, e tem como principais características possuir um ciclo sequencial e linear em que cada processo só poderá iniciar quando seu antecessor estiver totalmente concluído. O modelo é conhecido por ser tradicional e hierárquico, sendo composto pelas seguintes etapas:

17 Modelo em Cascata; [2]

18 As etapas do Modelo em cascata diversificam suas funções a cada novo avanço obtido no projeto: Definição de requisitos: é a etapa em que são levantadas as demandas do cliente. Nesta etapa, é comum a realização de entrevistas, encontros, visitas, dentre outros eventos que facilitem a captação das necessidades acerca do problema do cliente; Projeto de sistema e software: o projeto não é formado apenas pelo software em si, mas uma série de fatores que impactam no seu sucesso ou fracasso. Podem ser analisadas a viabilidade, os custos, a configuração e mais outros escopos que contribuem para o fechamento ou não da proposta; Implementação e testes de unidade: é a etapa em que o produto de software é desenvolvido e testado. As unidades representam módulos do software ou pacotes de códigos-fontes que em breve serão integrados;

19 Integração e teste do sistema: é a etapa em que o produto de software é testado e integrado com outros softwares, sejam versões, ou ainda software diferentes de um mesmo projeto; Operação e Manutenção: é a etapa em que o software é instalado no ambiente do trabalho do cliente e posteriormente otimizado para correção de eventuais problemas; Apesar de ter um conjunto de etapas bem distribuídas, o modelo em cascata é ultrapassado e já está teoricamente em desuso. Por que teoricamente? Há empresas que moldam seus processos baseados neste modelo; Muitos processos surgem utilizando esta arquitetura;

20 Algumas de suas principais vantagens podem ser listadas por: Modelo bem estruturado e com etapas bem definidas; Etapas com funções descritas e hierarquicamente com uma retroalimentação que garante a produção do software; Processos de gestão integrados aos processos de engenharia; Algumas das principais desvantagens que pode ser listadas: Modelo rígido, o que não facilita a aplicação de mudanças nas etapas; O feedback do cliente torna a construção do software engessada, o que representa algo inviável caso seja seguido à risca; Não há ordenação sobre o que cada processo deve produzir, e quais são suas entradas e saídas, determinando que as etapas sejam interrompidas caso ocorra algum tipo de atraso;

21 Modelo em espiral: é um modelo que surgiu posteriormente ao modelo em cascata com uma proposta inovadora: integrar e e realizar as etapas todas de maneira paralela através de iterações; Uma iteração é um intervalo de tempo definido pela equipe de projeto para que todas as etapas do projeto sejam realizadas para que sejam analisados os resultados, problemas, mudanças, e de um modo geral, para que as informações relevantes sejam atualizadas; O modelo em espiral tem como principais características ser iterativo e prototipado. Isto significa que a cada nova iteração são apresentadas novas funcionalidades ao cliente, e que, pequenas versões do software são instaladas e disponibilizadas para que o mesmo teste, através de protótipos do software;

22 O modelo tem suas etapas paralelas, baseado em uma organização que segue o seguinte escopo: [3]

23 Observe que as etapas neste modelo variam em relação ao cascata. Desta forma, as etapas, que não são sequenciais, mas sim, paralelas, estão conhecidas como fases, especificando atividades diferentes; Qual a diferença entre etapa e fase? A etapa é aquela que sucede uma etapa anterior que foi concluída, e geralmente não precisará ser reiniciada. A fase pode retroalimentar outras fases, sem a determinação de conclusão, mas sim, de reinicio em um ciclo de vida de software

24 Planejamento: é a fase em que os custos, riscos e todas as estimativas de projeto são avaliadas para serem realizadas. Esta fase utiliza gráficos, rascunhos e outros artefatos que representam dados para serem utilizados e atualizados nas fases seguintes; Modelagem: a modelagem corresponde a especificação estrutural [arquitetura do software], funcional [métodos e funções], comportamental [fluxo] e demais propriedades que tornam o software mais enxuto e objetivo. Geralmente a modelagem ocorre com o uso da UML, uma linguagem de modelagem estudada em APS; Construção: corresponde a codificação do software com a realização dos testes; Entrega/feedback: a entrega corresponde a apresentação dos resultados ao cliente e a entrega das pequenas funcionalidades em um protótipo; A comunicação é algo que deve ser exercido à todo momento no ciclo. Algo fundamental para que os resultados apareçam é está em sintonia direta com o cliente;

25 Quais as vantagens do modelo em espiral? Modelo adaptável as mudanças, visto que as iterações atualizam as prioridades do cliente; Entregas rápidas das funcionalidades, reportando a evolução do software para verificar se o projeto tem um rumo de sucesso; Quais as desvantagens do modelo em espiral? Falta um pouco de foco no modelo, visto que as constantes mudanças podem dificultar o retorno, feedback, ou busca por funções substituídas em iterações que ja foram concluídas; Inconsistência no produto, e dificuldades de gerenciar versões que podem estar totalmente incompatíveis ao término do ciclo, dificultando a certificação de qualidade em alguns cenários;

26 Modelo prototipado iterativo: é um modelo conhecido por ser iterativo e ao mesmo tempo produzir versões completas do software que podem ser utilizadas e substituídas quando os requisitos do cliente estiverem totalmente atualizados e completos; Na prática, este modelo é similar ao em cascata e ao em espiral ao mesmo tempo. As semelhanças, na verdade, podem ser vistas pois o modelo reúne propriedades comuns à ambos, que vão desde a formação de um ciclo contínuo e sequencial, mas com entregas constantes; As fases estão presentes em cada iteração, mas com uma diferença simples. Cada fase não é realizada paralelamente, como o em espiral, mas de maneira linear, dando forma ao modelo, como uma espécie de fase completa com subfases que são exercidas, conforme consta a figura:

27 Modelo Prototipado Iterativo; [4]

28 Da mesma forma que os anteriores, o modelo tem lá suas vantagens e desvantagens. Algumas das principais vantagens que podemos citar estão listadas como: O ciclo de vida facilita a busca pelos requisitos reais, facilitando a adaptação do cliente à real proposta do projeto, economizando um certo tempo ao invés de entregar várias versões de protótipos; As versões completas servem para entender como o negócio realmente funcionam e servem para analisar o que se torna indispensável e dispensável como funcionalidades em um feedback mais completo; As principais desvantagens podem ser listadas por: O ciclo torna as mudanças mais demoradas e hierárquicas; Os protótipos completos podem estender o tempo do projeto e os custos;

29 Modelo Evolucionário: este modelo é um dos mais utilizados atualmente pelas empresas. Seu nome sugere o ciclo de vida que o mesmo desempenha, obtendo como principal característica desenvolver a construção do software e gradativamente ir incrementando novas funcionalidades em comum acordo entre o cliente e os desenvolvedores; Um pouco diferente dos demais, as fases do ciclo de vida evolucionário são realizadas de maneira concorrente. Isto significa dizer que uma fase não precisa ser realizada apenas quando sua antecessora for concluída, mas sim,que todas são realizadas ao mesmo tempo; Esta técnica é conhecida hoje em dia como desenvolvimento rápido ou desenvolvimento concorrente, em que o ciclo de vida segue:

30 Modelo Evolucionário [5]

31 Falando rapidamente sobre suas fases, podemos entender que a especificação ocorre com a prática na análise, mas sem um padrão comum a ser adotado. Cada empresa pode adotar suas técnicas, e ao mesmo tempo, ir retornando os primeiros documentos desta especificação; O desenvolvimento e a validação ocorrem instantaneamente quando novas funcionalidades estão sendo solicitadas pelo cliente, o que torna o ciclo concorrente e com papéis que precisam andar integrados; As entregas estão baseadas em software que serve como base, sendo otimizado à medida que o cliente vai ficando satisfeito. Por conta deste fator, o projeto pode ser simples ou mais complexo, variando o tempo e os custos ao longo da produção do software;

32 O modelo evolucionário reporta muitas vantagens dos quais podemos citar algumas: Desenvolvimento integrado e alinhado, garantindo uma maior contenção de erros e problemas de processo e produto; Geralmente o projeto reporta um tempo curto e o cliente pode está mais por dentro do que está sendo desempenhado, obtendo desta forma resultado mais objetivos e concretos; O modelo também abrange algumas desvantagens, dos quais podemos citar: A falta de pessoas qualificadas pode afetar o desempenho, visto que os processos buscam integração das atividades; Apesar de o ciclo não citar diretamente documentação, muitas vezes, o registro das atividades não é realizado, sendo algo determinante para garantir que o modelo tem uma arquitetura suficiente para cobrir grandes projetos;

33 Chegamos no último modelo que estaremos estudando, sendo o mesmo conhecido por Modelo de Reuso de Sofware. Apesar de não ser muito comentado nas aulas de ES, este modelo tem alavancado uma evolução impactante em mercados de software que buscam integrar soluções e portabilidade de software; O modelo tem como característica principal desenvolver modelos de componentes que podem ser adaptados em software diferentes, de arquiteturas diferentes, mas que podem se complementar nos mesmos mesmos projetos; Isto significa dizer que o software pode ser desenvolvido por completo, ou apenas em um formato de unidades, como pacotes, bibliotecas, módulos ou outras formas de especificação;

34 O ciclo de vida é simples, e a notação de desenvolvimento segue um processo contínuo de refinamento dos componentes. O refinamento ocorre conforme podemos ver na figura a seguir: [6]

35 O ciclo de vida utiliza técnicas provenientes de várias áreas da ES, sendo algumas delas: Projeto de componentes: é o conjunto de etapas que codifica, refina e testa modelos de classes, além da prescrição de domínios para o desenvolvimento de pacotes de software; Implementação e testes dos componentes: a implementação é algo comum a este modelo, pois o mesmo utiliza a linguagem Java e os fundamentos de orientação a objetos. A técnica de construção principal é conhecida como OCL, que busca delimitar as propriedades, diretrizes e restrições dos objetos criados; Gerenciamento e reuso: o gerenciamento é conhecido como reuso de software, realizado através da rastreabilidade dos componentes, que podem ser utilizados em vários projetos e módulos de software;

36 Quais as vantagens deste modelo? O modelo inova, evitando o retrabalho de software, além de economizar custos, tempo, dentre fatores de projeto; O reuso viabiliza o uso de soluções que já foram testadas e aprovadas, amenizando os riscos de investimentos em projetos complexos; E as desvantagens do modelo? Apesar de reportar boas soluções, cada cenário é um cenário e este pensamento requer uma análise mais complexa, o que pode ao mesmo tempo auxilia e prejudicar um ou mais projetos; O reuso é um ciclo complexo, que exige engenheiros capacitados e que na prática precisam está em um ambiente instável e seguro;

37 Concluindo nossas aulas, vimos os principais modelos de ciclo de vida de software e aprendemos que: Um processo de software é algo fundamental para um projeto, delimitando seu crescimento ou fracasso em uma empresa; Cada ciclo determina a forma como o software será desenvolvido, e quais as técnicas que podem ser adotadas nos projetos de software; A evolução dos processos depende das empresas e da forma com o que elas os avaliam; Projeto, produto e processo, além das pessoas, são componentes fundamentais para o alinhamento correto do sucesso nas empresas! Nos vemos na próxima aula! Até lá!

38 Referências [1] PRIME UP. Foto-reprodução pública Processos de Software. Material institucional da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio. Disponível em: < > Acesso em 18 fev [2] NING. Foto-reprodução pública Modelo em Cascata. Disponível em: <http://api.ning.com/files/vnxswnoot05gla6ae4w- PLdPaBmPZziECNvNZ4AzBfvC1mqf0cb9SmjfeUlgcKoCJ4hZtHFGwrt3KoYf0jVXQ3CdrM5nwotr/ AANALISTADESISTEMASVALEC2012_61.jpg > Acesso em 19 fev [3] DEV Media. Foto-reprodução pública Modelo em Espiral. Disponível em: < Higor_Medeiros/processos_es/image003.gif > Acesso em 19 fev [4] DEV Media. Foto-reprodução pública Modelo em Espiral. Disponível em: < Higor_Medeiros/processos_es/image002.gif > Acesso em 19 fev [5]RIOS, Jocelia. Foto-reprodução pública Modelo Evolucionário. Material Institucional do Instituto Federal de Ciência e Te c n o l o g i a d a B a hia - IFBA. Disponível e m : < sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=12&cad=rja&uact=8&ved=0cfgqfjal&url=http%3a%2f%2fwww.wiki.ifba.edu.br%2fads %2Ftiki-download_file.php%3FfileId%3D626&ei=2OXlVNnGLrLLsAS-44DwDw&usg=AFQjCNEGKc4-NJYsYL12D4xhflJfcrSfA&sig2=bXfeGK0d26f6uwNS5KWNHw&bvm=bv ,d.cWc > Acesso em 19 fev. 2015

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software: histórico, evolução, aplicações e os principais tipos de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos

Leia mais

Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão da Informação: dado, informação, conhecimento e a organização empresarial Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

Introdução a microinformática: fundamentos de software, hardware, sistemas operacionais e tipos de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L.

Introdução a microinformática: fundamentos de software, hardware, sistemas operacionais e tipos de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Introdução a microinformática: fundamentos de software, hardware, sistemas operacionais e tipos de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza Aula 03 - Redes e Conectividade Prof. Hugo V. L. Souza Agenda Introdução as Redes de Computadores Fundamentos das redes de alta velocidades e a internet Redes locais e privadas - LANs Redes locais sem

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Introdução a Gestão de Pessoas nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Pessoas nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Pessoas nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L.

Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L. Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Márcio Lopes Cornélio Slides originais elaborados por Ian Sommerville O autor permite o uso e a modificação dos slides para fins didáticos O processo de Um conjunto estruturado

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02)

Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02) Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02) As melhores práticas de Engenharia de Software: Verificar Continuamente a Qualidade do Software Controlar Mudanças de Software Professor Gabriel Baptista

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Unidade I Conceitos BásicosB. Conceitos BásicosB

Unidade I Conceitos BásicosB. Conceitos BásicosB à Engenharia de Software Unidade I Conceitos BásicosB Pedro de Alcântara dos Santos Neto pasn@ufpi.edu.br 1961 a 1963 Surgimento de novos Hardwares 1963-1968 Crise do Software! Incapacidade de se utilizar

Leia mais

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Síntese do Projeto Pedagógico do curso Objetivos do curso Objetivo Geral O curso em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da ESADE,

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Engenharia de Software Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos. Exercício

Engenharia de Software Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos. Exercício Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Exercício Em grupo de 4 alunos (2 desenvolvedores e 2 usuários), simular uma reunião

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos

Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos 1 Resumo Importância da Gestão do Escopo na Gestão de Projetos Amanda Oliveira Zoltay - amanda.zoltay10@gmail.com Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Goiânia,

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar?

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar? O PROJECT MODEL CANVAS (www.pmcanvas.com.br) é uma ferramenta que permite que um projeto seja entendido no contexto dos aspectos Fundamentals da teoria de gerenciamento de projetos. A metodologia facilita

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Luiz Leão luizleao@gmail.com luizleao.com Atividades em PDS Análise econômica e de requisitos (Análise). Especificação do Software (Especificação). Desenho

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

O Tema Progresso e o Princípio de Gerenciar por Estágios. Palavras Chave: Estágios de Gerenciamento. Progresso. Controle. Projetos. PRINCE2.

O Tema Progresso e o Princípio de Gerenciar por Estágios. Palavras Chave: Estágios de Gerenciamento. Progresso. Controle. Projetos. PRINCE2. O Tema Progresso e o Princípio de Gerenciar por Estágios Ronielton Rezende Oliveira 1 Management Plaza Internacional 2 Resumo PRINCE2 é um método estruturado e não proprietário para gerenciamento de projetos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula PARTE I E-mail: falbo@inf.ufes.br Curso: Engenharia da Computação (Atualizadas por e Monalessa Perini Barcellos - 2011)

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução Prof. MSc. Hugo Souza Começando nossa disciplina sobre os sistemas operacionais modernos iremos abordar inicialmente

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Práticas de Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP Versão 1.6.4 Setembro 2009 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 2ª Edição (a publicar) Autor: Darci

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios

Introdução à Engenharia de Software. Profª Jocelma Rios Introdução à Engenharia de Software Profª Jocelma Rios Jun/2013 O que pretendemos Apresentar os conceitos básicos de engenharia de software e as disciplinas que a compõem Apresentar as questões mais relevantes

Leia mais

Processo de Software - Revisão

Processo de Software - Revisão Processo de Software - Revisão Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Pressman, R. S. Engenharia de Software, McGraw-Hill, 6ª. Edição,

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software Introdução à Engenharia de Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introdução à Engenharia de Objetivo Depois desta aula você terá uma noção geral do que é a engenharia de software e dos seus objetivos

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2014

Levantamento de Governança de TI 2014 Levantamento de Governança de TI 2014 Resultado individual: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Segmento: Executivo - Sisp Tipo: Autarquia A classificação deste documento é de responsabilidade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Capítulo 6 ENGENHARIA DE SOFTWARE CONCEITOS BÁSICOS Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Nos anos 40, quando se iniciou a evolução dos sistemas computadorizados, grande parte dos esforços,

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais