Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 9-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 21 DE MAIO DE Aprova o Regulamento do Protocolo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, CEPE, por meio do Parecer n 151-CEPE, de 3 de abril de 2009, e o Conselho de Administração, CAD, por meio do Parecer n 177-CAD, de 24 de abril de 2009, contidos no Protocolo nº 3.171, de 28 de março de 2007, aprovaram, e eu sanciono, nos termos do art. 9º, inciso X, do Regimento Geral da UNICENTRO, a seguinte Resolução: Art. 1º Fica aprovado o Regulamento do Protocolo Geral da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO, anexo a esta Resolução. Art. 2 Revoga-se a Resolução n 027-CEPE/UNICENTRO, de 2 de junho de Art. 3º Esta Resolução entra em vigor nesta data. Gabinete do Reitor da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. Prof. Vitor Hugo Zanette, Reitor. 1 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

2 REGULAMENTO DO PROTOCOLO GERAL DA UNICENTRO Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

3 SÚMULA TÍTULO ÚNICO DO PROTOCOLO GERAL... 1 CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA CONSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO II DOS DOCUMENTOS SUJEITOS À AUTUAÇÃO... 1 CAPÍTULO III DA MONTAGEM DO PROCESSO... 2 CAPÍTULO IV DA TRAMITAÇÃO DO PROCESSO... 3 CAPÍTULO V DA JUNTADA E DO APENSAMENTO... 3 SEÇÃO I DA JUNTADA... 3 SEÇÃO II DO APENSAMENTO... 3 CAPÍTULO VI DA CIÊNCIA DO PROCESSO... 4 CAPÍTULO VII DA CÓPIA DO PROCESSO... 4 CAPÍTULO VIII DO ARQUIVAMENTO DO PROCESSO... 4 CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 ANEXO 3 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

4

5 ANEXO À RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 9-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 21 DE MAIO DE REGULAMENTO DO PROTOCOLO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO TÍTULO ÚNICO DO PROTOCOLO GERAL CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Protocolo Geral da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO, é órgão vinculado à Secretaria Geral da Reitoria, encarregado do recebimento, do cadastro e do acompanhamento de todos os documentos protocolizados encaminhados às autoridades e às unidades da Instituição. Art. 2º Esse Protocolo organiza-se em unidades instaladas nos locais em que é efetivado o atendimento ao público em geral e à comunidade acadêmica, de acordo com as necessidades institucionais. CAPITULO II DOS DOCUMENTOS SUJEITOS À AUTUAÇÃO Art. 3º Para efeitos deste Regulamento, autuação é todo o conjunto de operações que dão ao expediente ou documento a forma processual, e deve ser gerada por um documento inicial, expressando com clareza: I o assunto; II o interessado; III endereço do interessado para contato; IV a data; V a assinatura. 1º É autuado o expediente ou documento que tramita pela Universidade e necessita de controle efetivo ou preservação. 2º Não são autuados relatórios e/ou documentos juntados aos processos que originaram a matéria, como relatórios de projeto de pesquisa, de extensão, entre outros. 3º O interessado é sempre um órgão administrativo ou pedagógico da Instituição, exceto quando se tratar de assuntos particulares. 4º Na súmula do processo, é vedado o uso de texto que não seja uma síntese do conteúdo do documento que embasa o processo protocolizado. 1 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

6 original. Art. 4º O documento inicial que atende ao prescrito no artigo anterior é sempre 1º Documentos não originais resultantes de reprodução, inclusive s impressos, não figuram como documento inicial. 2º Os documentos referidos no parágrafo anterior são juntados ao processo, após um requerimento que se constitui no documento inicial. anexos. 3º Todos os documentos são encartados no processo e numerados, exceto os Art. 5 Assuntos que demandam tramitação por órgãos do Estado são autuados pelo Protocolo Geral, no Sistema de Protocolo Integrado do Estado do Paraná. Art. 6º CAPÍTULO III DA MONTAGEM DO PROCESSO São procedimentos iniciais do atendente de Protocolo: I promover a identificação do processo com o número correspondente e a data do protocolo do processo, quando autuado; II carimbar, rubricar e numerar todas as folhas do processo, exceto os anexos, na parte superior direita; III dar título ao processo, fazendo uma síntese do assunto; IV entregar ao interessado o comprovante de protocolo; V autuar o processo no sistema próprio; VI efetuar encaminhamento do processo ao órgão competente, conforme o assunto, exceto quando o documento que originou o processo estiver identificando o destinatário. documento. do Protocolo. Art. 7º Parágrafo único. É vedado ao atendente de Protocolo impedir a protocolização de qualquer O deferimento ou indeferimento do processo não é competência Art. 8º A capa do processo é considerada a folha número um, as demais folhas devem ser juntadas ao processo seguindo a ordem cronológica e sequencial. Parágrafo único. Cada órgão por onde tramitar o processo exara pareceres, informações ou conclusões que permitam fornecer, às instâncias finais de análise, elementos e dados suficientes para apreciação e deliberação final. Art. 9º É obrigatória a formalização de texto de despacho de processo tanto no sistema informatizado de tramitação quanto nos autos do processo. 1 Os pareceres juntados aos autos devem corresponder, na íntegra, ao conteúdo formulado no respectivo sistema informatizado de tramitação. 2º É vedado qualquer preenchimento no verso das folhas do processo. 2 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

7 3º São anulados todos os espaços em branco deixados nas folhas de despacho, quando não utilizadas na íntegra. juntadas. 4º Cada órgão por onde tramitar o processo carimba e numera as folhas a ele Art. 10. É vedada e sujeita às penalidades previstas em lei a substituição, alteração ou retirada de folhas do processo. Parágrafo único. As alterações são feitas por meio do ajuntamento de novas folhas, corrigindo e/ou esclarecendo o conteúdo considerado incorreto. CAPÍTULO IV DA TRAMITAÇÃO DO PROCESSO Art. 11. O prazo máximo de permanência de um processo em determinado órgão é de cinco dias úteis, exceto os que aguardam juntada de documentos e/ou deliberações de Conselhos. Parágrafo único. O interessado que se sentir prejudicado com relação ao trâmite de seu processo pode recorrer às instâncias superiores solicitando providências. Art. 12. Os campos destinados ao encaminhamento, existentes na capa do processo, são rigorosamente preenchidos, rubricados e datados, quando de seu recebimento, durante a tramitação. Art. 13. O processo somente tramita fisicamente depois de seu encaminhamento pelo respectivo sistema informatizado de tramitação. documento. Art. 14. CAPÍTULO V DA JUNTADA E DO APENSAMENTO SEÇÃO I DA JUNTADA Neste Regulamento denomina-se juntada o ato de unir aos autos um novo Parágrafo único. O ato de que trata o caput deste artigo é mencionado na folha de despacho, por meio de parecer ou termo de juntada, com a indicação do que se juntou, data e assinatura de quem o fez. SEÇÃO II DO APENSAMENTO Art. 15. Neste Regulamento denomina-se apensamento, o ato de apensar um processo a outro, que com ele tem relação por tratar-se de mesmo assunto. 1º O processo apensado pode ser desapensado a qualquer momento. Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

8 2º Para apensar e/ou desapensar é solicitado ao Protocolo, por escrito, na folha de despacho, com identificação e assinatura do solicitante, em todos os processos a serem apensados ou desapensados. 3º O apensamento e/ou desapensamento de processos somente é realizado por ato do setor de Protocolo. CAPÍTULO VI DA CIÊNCIA DO PROCESSO Art. 16. O interessado toma conhecimento do parecer ou decisão final, declarandose ciente, no próprio processo, sendo-lhe facultada a cópia desse documento. 1 Quando o interessado for pessoa externa à UNICENTRO, cabe ao Protocolo Geral dar-lhe ciência da decisão sobre o seu pedido. 2 Quando o interessado for docente, agente universitário ou discente, deve tomar ciência da decisão junto ao respectivo Departamento Pedagógico, órgão de lotação ou Divisão de Apoio Acadêmico, DIAP. CAPÍTULO VII DA CÓPIA DO PROCESSO Art. 17. Pode ser expedida cópia de processo em tramitação, ou arquivado, desde que requerida via protocolo. 1 Se o interessado pela cópia for o proponente do processo, não há necessidade de solicitação protocolizada. 2 Cabe ao Protocolo encaminhar o requerimento da cópia ao interessado pelo processo cuja cópia é requerida, para que tome ciência e a autorize ou não. 3 Após a autorização de que trata o parágrafo anterior, o Protocolo e/ou Arquivo Geral fornece a cópia, no máximo, em 48 horas, mediante ciência de recebimento no próprio requerimento de solicitação. 4 Quando a fotocópia requerida for de interesse privado, o solicitante assume os custos das fotocópias. CAPÍTULO VIII DO ARQUIVAMENTO DO PROCESSO Art. 18. Todo o processo, após concluído e encerrado, é encaminhado ao Arquivo de cada Campus. Parágrafo único. Considera-se concluído um processo quando houver uma decisão final expressa por meio de parecer, portaria ou resolução. 4 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

9 Art. 19. Somente é permitido o arquivamento de processos, fora dos arquivos referidos no artigo anterior, nas seguintes unidades: I na Divisão de Apoio Acadêmico, DIAP, quando se tratar de processo protocolizado por alunos de graduação e que, pelo seu conteúdo, necessite ficar arquivado na pasta do aluno; II na Diretoria de Pós-Graduação, DIRPG, quando se tratar de processo protocolizado por aluno de pós-graduação e que, pelo seu conteúdo, necessite ficar arquivado na pasta do aluno; III na Pró-Reitoria de Recursos Humanos, PRORH, quando se tratar de processo cujo conteúdo verse sobre a vida funcional de servidor. Art. 20. Processos que necessitam de acompanhamento, por qualquer unidade institucional em sua execução, ficam sob a guarda da respectiva unidade até a sua conclusão, para posterior arquivamento. CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 21. Qualquer pessoa que manuseie os processos tem o dever de zelar pela sua conservação, manutenção e guarda. Art. 22. É vedada a retirada de qualquer processo do domínio institucional, sob pena de responsabilidade civil, criminal e administrativa. Art. 23. Os casos omissos neste Regulamento são resolvidos pelo Conselho de Administração, CAD, ouvida a Secretaria Geral da Reitoria da UNICENTRO, SEGRE. Art. 24. Este Regulamento entra em vigor nesta data. Gabinete do Reitor da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. Prof. Vitor Hugo Zanette, Reitor. 5 Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

10 ANEXO AO REGULAMENTO DO PROTOCOLO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO FOLHA DE DESPACHO PROTOCOLO N. Campus CEDETEG: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 03 Fone/FAX: (42) CEP

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 107-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE SETEMBRO DE 2008. Aprova o Regulamento de registro de diplomas da UNICENTRO e de instituições conveniadas não-universitárias. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 118/2004-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Supervisionado de Graduação do Curso de Administração da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento da Agência de Inovação da UNICENTRO, NOVATEC. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Arquivo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 4, p. 6-12 em 10/4/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

RESOLUCAO N 16, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUCAO N 16, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTERIO DA EDUCACAo SECRETARIA DE EDUCACAo PROFISSIONAL ETECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAo, CIENCIA ETECNOLOGIA DE GOlAS INSTITUTO FEDERAL L(, RESOLUCAO N 16, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. o PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUCAO N 20, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUCAO N 20, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTERIO DA EDUCACAo SECRETARIA DE EDUCACAo PROFISSIONAL ETECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAo, CIENCIA ETECNOLOGIA DE GOlAS INSTITUTO FEDERAL RESOLUCAO N 20, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. o PRESIDENTE

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 137/2014-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 9 DE SETEMBRO DE 2014. Aprova o Regulamento do Laboratório de História Ambiental e Gênero, do Departamento de História, Campus Santa Cruz, Unidade Universitária

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 3 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 5 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 6 CONCLUSÃO DE CURSO 6 RELATÓRIO TÉCNICO 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

EDITAL Nº 037/2016 Referente ao Aviso Nº 049/2016, publicado no D.O.E. de 21/04/2016.

EDITAL Nº 037/2016 Referente ao Aviso Nº 049/2016, publicado no D.O.E. de 21/04/2016. EDITAL Nº 037/2016 Referente ao Aviso Nº 049/2016, publicado no D.O.E. de 21/04/2016. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, e ainda, considerando

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO RESOLUÇÃO N o. 01, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Institui o Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Direito da Universidade Federal de Lavras O Colegiado do Curso de Direito da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS

REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS A Presidente da Academia de Educação Montenegro, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, tendo em vista o Regimento Interno das Faculdades

Leia mais

Estado do Piauí Tribunal de Contas

Estado do Piauí Tribunal de Contas Estado do Piauí Tribunal de Contas RESOLUÇÃO n.º 20/2013, de 01 de julho de 2013. Dispõe sobre o processo eletrônico e a assinatura digital no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Piauí. O TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 188, de 03 de novembro de 2015.

RESOLUÇÃO nº 188, de 03 de novembro de 2015. RESOLUÇÃO nº 188, de 03 de novembro de 2015. O Conselho Universitário CONSUNI, no uso de suas atribuições e em conformidade com Parecer nº 037, de 29 de outubro de 2015, R E S O L V E: Art. 1º Aprovar

Leia mais

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97)

Resolução nº 9, de 16 de julho de 1997 (publicada no Diário Oficial da União de 13.8.97) Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SCN Quadra 2 Projeção C, Brasília, DF CEP 70712-902 Tel.: (61) 426-8599 Fax: (61) 328-5523 cade@cade.gov.br Resolução nº 9, de 16

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no exercício de suas atribuições legais, para fins de uniformizar procedimentos relativos

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010 Publicada no Boletim de Serviço, nº 8 em 6/8/2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre a administração de bens móveis patrimoniais no âmbito da Secretaria do Supremo Tribunal

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N 0 53, DE 30 DE ABRIL DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO nº 01/09 - PREVIMPA

INSTRUÇÃO nº 01/09 - PREVIMPA INSTRUÇÃO nº 01/09 - PREVIMPA Regulamenta, no âmbito do PREVIMPA, o uso de Transporte Administrativo, estabelece competências para o gerenciamento, controle e uso dos veículos automotores, e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre pesquisas eleitorais (Eleições de 2010).

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o avanço tecnológico,

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Administração do Centro Universitário Salesiano de São Paulo Unidade de Ensino de Americana

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Administração do Centro Universitário Salesiano de São Paulo Unidade de Ensino de Americana Regulamento das Atividades Complementares do de Administração do Centro Universitário Salesiano de São Paulo Unidade de Ensino de Americana Aprovado na Reunião de Colegiado do em 21/01/2015. Janeiro -

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008.

PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal PORTARIA Nº 22, DE 1º DE ABRIL DE 2008. Estabelece normas complementares necessárias à aplicação da Lei nº 3.914, de 05 de dezembro de 2006, regulamentada

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2 O SEMESTRE DE 2013

NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2 O SEMESTRE DE 2013 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS COORDENADORIA DE INGRESSO DISCENTE NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 2, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 (*)

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 2, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 (*) INSTRUÇÃO NORMATIVA No 2, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 (*) O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA), no uso das atribuições que lhe confere o art. 22º,

Leia mais

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES Artigo 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa no Uso Científico de Animais,

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Estabelece procedimentos de credenciamento de funcionários de entidades autorizadas a emitir certificados de origem, para fins de acesso ao sistema

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 71-CEPE/UNICENTRO, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova o Regulamento da Capacitação Docente da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE APOIO À AÇÃO PEDAGÓGICA DIVISÃO CENTRAL DE ESTÁGIOS E INTERCÂMBIOS MANUAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE APOIO À AÇÃO PEDAGÓGICA DIVISÃO CENTRAL DE ESTÁGIOS E INTERCÂMBIOS MANUAL Divisão Central de Estágios e Intercâmbios - Manual do Estagiário UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE APOIO À AÇÃO PEDAGÓGICA DIVISÃO CENTRAL DE ESTÁGIOS E INTERCÂMBIOS

Leia mais

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DAS JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES JARI DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ MT. O prefeito Municipal de Cuiabá-MT,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 07 /201 4 DE 14 DE NOVEMBRO DE 201 4

INSTRUÇÃO NORMATIVA 07 /201 4 DE 14 DE NOVEMBRO DE 201 4 INSTRUÇÃO NORMATIVA 07 /201 4 DE 14 DE NOVEMBRO DE 201 4 Dispõe sobre os procedimentos para a Certificação de Conclusão do Ensino Médio e da Declaração Parcial de Proficiência com base nos resultados do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM NEUROCIÊNCIA APLICADA À EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE

Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade normatizar

Leia mais

EDITAL Nº 004/2013. 1.4- As funções públicas deverão ser tão somente as vinculadas ao impedimento de titular.

EDITAL Nº 004/2013. 1.4- As funções públicas deverão ser tão somente as vinculadas ao impedimento de titular. EDITAL Nº 004/2013 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS E O SECRETARIO MUNICIPAL DE SÁUDE, no uso de suas atribuições legais e com base nos dispositivos de leis municipais vigentes,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento, que tem como finalidade, normatizar a estrutura e funcionamento do Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO Nº 24

BOLETIM DE SERVIÇO Nº 24 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECRETARIA - EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO E INOVAÇÃO DIVISÃO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Homologa o Regulamento pertinente a Pedidos de Recursos na Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Homologa o Regulamento pertinente a Pedidos de Recursos na Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO UNIV N o 5 DE 16 DE ABRIL DE 2010. Homologa o Regulamento pertinente a Pedidos de Recursos na Universidade Estadual de Ponta Grossa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Este regulamento entra em vigor a partir desta data.

Este regulamento entra em vigor a partir desta data. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS HORTOLÂNDIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e considerando a decisão do Conselho de Câmpus

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 101/2014 Dispõe sobre a Regulamentação para registro e funcionamento de Meios de Hospedagem no Município de Foz do Iguaçu, exceto Hotéis, Flats, Apart-Hotéis, Hotéis-Residência e Similares.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Procedimental NP 50.03.015 Utilização de Serviços Gráficos.

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS PRINCÍPIOS GERAIS: Cabe à chefia dos pontos de tramitação fiscalizar a movimentação de processos e documentos na Unidade Administrativa pela qual respondem; O encaminhamento

Leia mais

Resolução 02 de 24 de agosto de 2015.

Resolução 02 de 24 de agosto de 2015. Resolução 02 de 24 de agosto de 2015. Regulamenta a avaliação docente no que se refere à Progressão e à Promoção nas Carreiras de Magistérios Superior do Pessoal Docente da Faculdade de Filosofia e Ciências

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2012 Página 1 de 18 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão

Leia mais

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003 Regulamenta disposições da Lei n 13.478, de 30 de dezembro de 2002, alterada pela Lei nº 13.522, de 19 de fevereiro de 2003, que instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA 2010 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1º - A COMISSÃO DE ÉTICA PARA O USO DE ANIMAIS CEUA-UCB, órgão vinculado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 104/2004-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 104/2004-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 104/2004-CAD/UNICENTRO Aprova Termo Aditivo de Gestão Financeira de Curso Seqüencial em Gestão Imobiliária firmado entre a UNICENTRO e a FAU. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003. Revoga a Resolução n.º 1.115, de 19 de dezembro de 2000, que dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N. 0146/2007 Regulamenta procedimentos acadêmicos e administrativos para os Cursos de Graduação da Universidade Estadual de Londrina. RESOLUÇÃO CEPE Nº XXX/2011 Regulamenta procedimentos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010.

INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. A PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE, no uso das atribuições que

Leia mais

DE Diretoria de Ensino cae@svs.iffarroupilha.edu.br (55)3257.4142 CAE Coordenação de Assistência Estudantil cae@svs.iffarroupilha.edu.

DE Diretoria de Ensino cae@svs.iffarroupilha.edu.br (55)3257.4142 CAE Coordenação de Assistência Estudantil cae@svs.iffarroupilha.edu. DE Diretoria de Ensino cae@svs.iffarroupilha.edu.br (55)3257.4142 CAE Coordenação de Assistência Estudantil cae@svs.iffarroupilha.edu.br (55)3257.4173 REGULAMENTO DE CONVIVÊNCIA DISCENTE DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC PORTARIA NORMATIVA N.º 003 DE 1º DE JUNHO DE 2010 A Presidente do Instituto de Meio Ambiente do Acre -, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 1º, da Lei Estadual nº. 851, de 23 de tubro

Leia mais

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs

CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO. REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs CÂMARA DE FISCALIZAÇÃO E REGISTRO REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CFA/CRAs JANEIRO DE 2015 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755r Conselho Federal de Administração. Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE RESOLUÇÃO Nº 048/2007-CEPE Aprova o Regulamento da Residência em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial da Unioeste. Considerando o contido no Processo CR nº 19335/2006, de 03 de outubro de 2006,

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais