Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos André Baptista Barcaui Princípios de Gerência de Projetos e Gerência de Integração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos - 2004 André Baptista Barcaui Princípios de Gerência de Projetos e Gerência de Integração"

Transcrição

1 Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos Professor: Disciplina: André Baptista Barcaui Princípios de Gerência de Projetos e Gerência de Integração

2 Curso de Pós-Graduação MBA Executivo Gerência de Projetos Princípios de Gerência de Projetos e Gerência de Integração Prof. André Baptista Barcaui

3 Sobre o Material Didático Todos os direitos em relação ao design deste material didático são reservados à Fundação Getulio Vargas. Todos os direitos quanto ao conteúdo deste material didático são reservados ao(s) autor(es). Diretores das Escolas EBAPE/FGV Prof. Bianor Scelza Cavalcanti EPGE/FGV Prof. Renato Fragelli Cardoso Diretor do IDE Prof. Clovis de Faro Diretores Executivos FGV Management Prof. Ricardo Spinelli de Carvalho FGV Online Prof. Carlos Longo FGV PDE Prof. José Guilherme Heráclito Lima Núcleo FGV - Brasília Profª. Maria do Socorro V. de Carvalho ISAE Amazônia Profª. Rosa Oliveira de Pontes ISAE Paraná Prof. Norman de Paula Arruda Filho ILG Alphaville (Barueri-SP) Prof. Marilson Gonçalves Superintendentes Regionais Prof. Paulo Mattos de Lemos Prof. Silvio Roberto Badenes de Gouvêa Prof. Djalma Rodrigues Teixeira Filho A sua opinião é muito importante para nós Fale Conosco! i

4 1 Sumário 1. PROGRAMA DA DISCIPLINA EMENTA CARGA HORÁRIA TOTAL OBJETIVOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO M ETODOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO B IBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUMIDO DO PROFESSOR TEXTOS PARA ESTUDO PORQUE GERENCIAR PROJETOS? THE HISTORY OF PROJECT MANAGEMENT CREATING A PROJECT PLAN FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO EM GP GERENCIANDO OBJETIVAMENTE SEU PROJETO MATERIAL COMPLEMENTAR... 25

5 2 1. Programa da disciplina 1.1 Ementa Histórico e conceituação de projeto, programa e gerência de projeto. Ciclo de vida e processos de um projeto. Áreas de conhecimento segundo o PMI (Project Management Institute). Estudos de caso, gerência da Integração. Confecção do plano de projeto. Estruturas organizacionais para gerenciamento de projetos. Características do Gerente de Projetos. 1.2 Carga horária total 36 horas/aula 1.3 Objetivos Definir o que é um projeto e os aspectos essenciais inerentes ao seu ciclo de vida; Identificar os fatores que podem levar ao sucesso ou ao fracasso de um projeto; Identificar os principais stakeholders de um projeto e os diferentes papéis que desempenham; Relacionar as áreas de conhecimento em Gerência de Projetos e suas características; Analisar os processos envolvidos na gerência de projetos e seu impacto na condução do mesmo; Descrever os principais itens a serem abordados em um plano de projeto; Estabelecer um paralelo entre a teoria de projetos e a realidade cotidiana na empresa.

6 3 1.4 Conteúdo programático Características de um projeto Histórico da Gerência de Projetos Ciclo de vida e processos de um projeto Áreas de conhecimento em gerência de projetos Confecção do plano de projeto Estruturas Organizacionais para gerenciamento de projetos Análise de Cases voltados para prática e com base na teoria estudada. Conceito e definição de um projeto. Projeto x Programa. O que é gerenciamento de projetos. A evolução da carreira. Stakeholders e sua importância. Fatores que determinam o sucesso de um projeto Posicionamento histórico do surgimento e desenvolvimento da disciplina.. Iniciação. Planejamento. Controle. Execução. Finalização. Overlap das fases. Introdução as áreas de: escopo, tempo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação, risco, e aquisições. Sub-processos envolvidos em cada área. A importância do plano de projeto. O que abordar. Controle do plano ao longo do projeto. Gerência de Mudanças. Funcional x Projetizada. Estruturas matriciais e suas diferenças. Influência do tipo da estrutura na condução dos projetos Sessão de discussão sobre o tema, trabalho em sala de aula procurando explorar casos reais de projetos. 1.5 Metodologia Apresentação do conteúdo programático com uso de datashow, estudo de casos com apoio de vídeos, vivências e debates.

7 4 1.6 Critérios de avaliação A nota dos alunos estará baseada em dois patamares: Prova sobre o conteúdo da disciplina (60%); Desenvolvimento e apresentação de um trabalho em grupo realizado em sala de aula com base em tópicos relativos a disciplina (40%). 1.7 Bibliografia recomendada A bibliografia recomendada para esta disciplina e que pode servir de apoio e fonte de consulta para os alunos encontra-se listada abaixo: 1. CLELAND, David I. & IRELAND, David. Project Manager s Portable Handbook. New York: McGraw-Hill Inc., CLELAND, David I. Project Management: Strategic Design and Implementation. New York: McGraw-Hill, COHEN, Dennis; GRAHAM, Robert. The Project Manager s MBA: how to translate project decisions into business success. San Francisco: The Jossey-Bass Inc., GOLDRATT, Eliyahu. Critical Chain. Great Barrington: The North River Press, IBBS, William & REGINATO, Justin. Quantifying the Value of Project Management. Newton Square: Project Management Institute, KERZNER, Harold. Project Management: a systems approach to planning, scheduling, and controlling. 8a edição. New York: John Willey & Sons., LEACH, Lawrence. Critical Chain Project Management. Norwood: Artech House, MEREDITH, Jack R. & MANTEL, Samuel J. Project Management: a managerial approach. New York: John Willey & Sons Inc, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Project Management Body of Knowledge (PMBOK). Newton Square: Project Management Institute, TAYLOR, James. A Survival Guide for Project Managers. New York: American Management Association (AMACOM), WIND, Jerry Y.; MAIN, Jeremy. Driving Change. New York: The Free Press, 1998.

8 5 1.8 Curriculum resumido do professor André B. Barcaui é Doutorando em Engenharia pela COPPE/UFRJ, Mestre em Sistemas de Gestão pela UFF-RJ e formado em Informática pela PUC-RJ. Possui mais de 12 anos atuando na área de gerência de projetos. Foi Project Office Manager da HP Consulting responsável pela região Latino-Americana e Gerente de Programa e Serviços na IBM, tendo gerenciado vários projetos em diferentes áreas como outsourcing, telecomunicações e gerência de ambiente de IT. É membro-fundador do PMI Chapter Rio, onde concluiu sua certificação PMP em É professor também de MBA s da FGV/RJ, da FIA/USP em Gerência de Projetos e Consultor na área de gerência de projetos e montagem de PMOs. Representa também a empresa ESI International, líder mundial em treinamento em gerência de projetos no Brasil.

9 6 2. Textos para Estudo 2.1 Porque Gerenciar Projetos? André B. Barcaui, MSc, PMP Muitos executivos hoje se perguntam sobre o real valor e aplicabilidade dessa tal gerência de projetos em suas empresas. Se você já ouviu falar sobre isso em alguma palestra ou se você já não aguenta mais aquele seu velho amigo e entusiasta da idéia comentando sobre o assunto, já deve também ter se perguntado a mesma coisa: até onde vale a pena investir tempo e dinheiro para garantir um bom gerenciamento de projetos? Essa mesma pergunta já foi feita e repetida muitas vezes por várias pessoas envolvidas em empreendimentos das mais diferentes complexidades. Da preparação de uma nova campanha de marketing a construção de uma hidroelétrica, de um novo sistema de fluxo de caixa ao envio do homem a lua. Mas onde começou tudo isso? Porque essa febre avassaladora chamada gerência de projetos está sendo ouvida e pregada em toda parte nos dias de hoje? Para entender melhor onde tudo começou é preciso voltar um pouco no tempo. Desde a época das pirâmides, problemas e conceitos relativos a gestão de projetos, já eram sentidos. O termo trabalho foi cientificamente definido por Frederick Taylor ( ), sendo o primeiro a considerar um tipo de desenho de processos. Mas só no pós-guerra é que técnicas de gerenciamento de projetos foram definidas e agrupadas de forma a serem consideradas uma disciplina. O grande catalisador deste acontecimento foi o Departamento de Defesa Americano, que através de iniciativas como o programa Polaris ( ), alavancou ferramentas de diagramação de rede como PERT (Program Evaluation and Review Technique) e tantos outros termos hoje usados, como a famosa sala de acompanhamento de projetos, nossa war room. Depois dos militares, os setores de construção, automotivo, cinematográfico e aeroespacial também foram grandes patrocinadores do crescimento da disciplina, percebendo rapidamente o quanto poderiam estar se beneficiando através dessa abordagem. Gerenciamento de times multi-disciplinares e atingimento de objetivos únicos dentro de períodos finitos de tempo e com limitações de recursos parecia mais factível.

10 E a cada dia surgem novos estudos e técnicas que apoiam as áreas de conhecimento envolvidas no gerenciamento de projetos. Conceitos como os de empresas projetizadas, PMO (Project Management Office), softwares de planejamento e controle poderosíssimos, e metodologias de gerenciamento estão cada vez mais presentes no nosso cotidiano. Como tudo na vida, esse movimento não aconteceu por acaso. É preciso observar o contexto do mundo em que se vive hoje, para compreender o sentido de tamanha revolução. Nada mais seguro de ser afirmar, do que afirmar que nada mais é seguro. As empresas e seus profissionais passam hoje por processos de mudança contínua para evoluírem de acordo com os rumos que o mundo aponta. Por maiores que sejam as diferenças de opinião, não podem ser ignorados os efeitos da globalização, da tecnologia que nos envolve, dos anseios da sociedade que fazemos parte, e principalmente do cada vez mais impaciente, intolerante, e exigente cliente que somos nós mesmos. Os pensamentos relativos à qualidade vêm evoluindo muito desde Deming, Crosby e Juran. A tendência é que vire até mesmo commodity, em um mundo onde cada vez mais a experiência proporcionada por produtos e serviços se tornou a chave para satisfação. Mas essa evolução não é trivial. É necessário poder de adaptação, é necessário muitas vezes mudar literalmente o modus operandi e a forma de pensar para poder evoluir. Cada novo passo, uma mudança, e a cada mudança, um novo projeto. Chegamos ao cerne da questão. Se o desenvolvimento de seu departamento, divisão ou empresa depende de projetos, nada mais justo e razoável do que realizá-los com excelência. Na verdade não se gerencia projetos por gerenciar. O que realmente se espera é uma melhoria de performance. Diretores e clientes não gostam de surpresas. Em função disso, talvez uma outra forma de definir gerência de projetos seja como uma apólice de seguros. Planejamento e controle são partes integrantes do jogo e, por definição, reduzem os fatores de risco envolvidos nesse ambiente de constante mudança. Agora tome o nosso querido Brasil como exemplo. Se partirmos da premissa que todo o risco carrega consigo uma oportunidade associada, que país melhor do que o nosso para se transformar restrições e dificuldades em resultados positivos? É esse o objetivo de se ter projetos bem gerenciados! Diminuir incertezas, atingir a satisfação de seu cliente seja ele interno ou externo, e sair ileso ao fim do projeto. E sair ileso não significa somente entregar dentro do prazo, do orçamento previsto e com qualidade. Existe mais por trás dessa definição de sucesso. Um projeto antes de qualquer coisa é constituído por pessoas. Fazer com que essas pessoas se sintam bem e cresçam ao longo do projeto em torno de um objetivo comum também é um indicativo de sucesso. E todos somos conscientes das dores e delícias embutidas em gerenciar pessoas. Multiplique isso por um ambiente de característica passageira como de um projeto, e veremos a importância do conhecimento e da experiência que se faz necessária a um gerente de projetos. Outro indicativo é o aprendizado armazenado para projetos futuros. As chamadas lições aprendidas. Porque não faz sentido errar duas vezes. 7

11 8 Alguns autores dizem que gerenciar projetos é na verdade gerenciar problemas o tempo todo. Talvez estejam corretos. O fato é que não importando a área de atuação de sua empresa (podemos extrapolar esse pensamento até mesmo para projetos da vida pessoal), é necessário adaptar processos, treinar pessoas, disponibilizar ferramentas, e mover montanhas se preciso para aumentar as chances. E mesmo assim não é garantido. Tirando a ficção e a fantasia de lado, o sucesso em projetos não se dá num passe da mágica. Mas uma coisa é certa: muito pior é nunca tentar. 2.2 The History of Project Management Toney Sisk (Fonte: Project management, in its modern form, began to take root only a few decades ago. Starting in the early 1960s, businesses and other organizations began to see the benefit of organizing work around projects and to understand the critical need to communicate and integrate work across multiple departments and professions. The Early Years: Late 19 th Century We can travel back further, though, to the latter half of the 19 th century and to the rising complexities of the business world to see how project management evolved from management principles. Large-scale government projects were the impetus for making important decisions that became management decisions. In this country, the first large organization was the transcontinental railroad, which began construction in the early 1870s. Suddenly, business leaders found themselves faced with the daunting task of organizing the manual labor of thousands of workers and the manufacturing and assembly of unprecedented quantities of raw material. Early 20 th Century Efforts Near the turn of the century, Frederick Taylor ( ) began his detailed studies of work. He applied scientific reasoning to work by showing that labor can be analyzed and improved by focusing on its elementary parts. He applied his thinking to tasks found in steel mills, such as shoveling sand and lifting and moving parts. Before then, the only way to improve productivity was to demand harder and longer hours from workers. The inscription on Taylor's tomb in Philadelphia attests to his place in the history of management: "the father of scientific management."

12 9 Taylor's associate, Henry Gantt ( ), studied in great detail the order of operations in work. His studies of management focused on Navy ship construction during WWI. His Gantt charts, complete with task bars and milestone markers, outline the sequence and duration of all tasks in a process. Gantt chart diagrams proved to be such a powerful analytical tool for managers that they remained virtually unchanged for nearly a hundred years. It wasn't until the early 1990s that link lines were added to these task bars depicting more precise dependencies between tasks. Taylor, Gantt, and others helped evolve management into a distinct business function that requires study and discipline. In the decades leading up to WWII, marketing approaches, industrial psychology, and human relations began to take hold as integral parts of business management. Mid-20 th Century Efforts After WWII, the complexities of projects and a shrinking war-time labor supply demanded new organizational structures. Complex network diagrams called PERT charts and the critical path method were introduced, giving managers greater control over massively engineered and extremely complex projects (such as military weapon systems with their huge variety of tasks and numerous interactions at many points in time). Soon these techniques spread to all types of industries as business leaders sought new management strategies and tools to handle their growth in a quickly changing and competitive world. In the early 1960s, general system theories of science began to be applied to business interactions. Richard Johnson, Fremont Kast, and James Rosenzweig described in their book The Theory and Management of Systems how a modern business is like a human organism, with a skeletal system, a muscular system, circulatory system, nervous system, and so on. Today This view of business as a human organism implies that in order for a business to survive and prosper, all of its functional parts must work in concert toward specific goals, or projects. In the following decades, this approach toward project management began to take root in its modern forms. While various business models evolved during this period, they all shared a common underlying structure (especially for larger businesses): that the project is managed by a project manager, who puts together a team and ensures the integration and communication of the workflow horizontally across different departments.

13 Creating a Project Plan Joe Launi (Fonte: SD Magazine, Maio de 1999) A solid project plan is a blueprint or a game plan that charts the entire project s course. It should minimize the cost of rework by anticipating and addressing problems early in the project. There is nothing more frustrating for a CIO than approving a project plan only to find out months later that the recommended technology cannot be applied. To combat this, risk assessment is a mandatory step in effective project planning. The fundamental premise of good project management states that the project manager s greatest challenge is effectively balancing the components of time, cost, scope, quality, and expectations. Figure 1 shows the project diamond, which signifies this balance. Figure 1: Project Diamond The components of the project diamond have a symbiotic relationship. For example, when a user requests an additional report that wasn t agreed in the requirement specifications, the project s scope and quality change. This will change the other project components as well. As a result, the diamond s shape will be skewed, graphically depicting a project out of control. The challenge is managing change while keeping the diamond s shape intact. Project planning defines the diamond, while effective change and expectation management lets you manage it throughout the project s life cycle. In this article, I ll define a methodical approach to assembling project plans. This approach will help your team manage client and upper management expectations by accurately and effectively defining any project s scope, cost, time, and quality dimensions.

14 This process combines pre-project discovery methods with proven management science techniques, and consists of the following steps: Performing your factor analysis Developing your project agreement Creating your change control procedures Developing your work breakdown structure Estimating the tasks Creating the schedule Performing risk assessment 11 Performing Your Factor Analysis In the Seven Habits of Highly Effective People (Covey Leadership Center, 1998) author and management scientist Steve Covey writes, To be understood, you must seek to understand. Often, from the moment a project is initiated, developers make assumptions about the effort ahead and how to attack it. Too often, they leap to conclusions about projects to the point of preparing plans or estimates based largely on invalid or incomplete information and the project fails to meet its budget, objective, and schedule expectations. Sooner or later (usually later) in the development process, the conditions you should have discovered in the planning process, like choosing the right mix of human resources, become apparent, and the project efforts or deliverables suffer. How many times have you completed a documentation task only to realize that a technical writer would have performed it better than the programmer? Factor analysis is a disciplined technique for investigating, analyzing, and understanding a project before you make commitments. Similar to requirements analysis in a standard development methodology, factor analysis questions should not only focus on system requirements but also the environmental issues surrounding the project. These issues include: What is the project s scope? Are all client personnel committed to the project? What is the acceptance criteria? How will I communicate project status? Often, a good factor analysis will lead to the inclusion of a technical requirements analysis phase in the system development effort. This process consists of 10 key factors or elements of every project. Once you understand them, you and your team can explore each element s impact on the project and the appropriate project deliverables. Performing a factor analysis removes much of the mystery from planning and estimating future events. It is a structured, critical first step in confirming what you know and exposing what you don t know about a project.

15 Following are the 10 factors of every project. As you gather information about the specific factors, it s important to document expectations, constraints, and associated issues to consider during subsequent planning activities. Definition/Scope: The primary project s purpose, including major functions and deliverables, and the purpose of the project relative to the organizational whole Resources: The financial, technical, material, and human resources you need to support or perform the project Time: Elapsed time and actual work time required to complete the project Procedures: The various organizational requirements: policies and procedures, methodologies, quality program, work request initiation, financial review, and so on Environment: The project s entire cultural, political, geographical, physical, and technical context Change: New or different future conditions, requirements, events, or constraints discovered within or imposed on the project and the associated procedures for managing project change Communications: Meetings, status reports, presentations, and complexities that will affect communication Commitment: The degree of sponsor, user, and other stakeholder support Expectations: Business, productivity, operational, cultural, or any other performance changes you expect as a result of project implementation Risk: The potential jeopardies to project success and, conversely, the jeopardies associated with not doing the project or some aspect of the project. 12 Develop Your Project Agreement The project agreement is the contract or proposal that defines the work you need to do in terms of the project diamond. In addition, project agreements document the project schedule by depicting a work breakdown structure the foundation for accurate estimates, task dependencies, and eventually a critical project path. It is important to negotiate project agreements so that the client and the project manager agree on the work needed and the schedule to accomplish it. Stakeholders should understand their requirements, but they might not grasp the time frames and cost for development and implementation. The project manager must be comfortable debating all of the diamond s components. The ultimate goal should be a mutual understanding of the diamond s dimensions. This creates buy-in on both sides.

16 13 Creating Change Control Procedures A project can change at any time. For example, new requirements can be introduced. Change management is simply the process of analyzing and evaluating potential changes in the project s scope, schedule, quality, or cost for orderly integration into the project plan. The project manager s role is not just to implement customer requirements but also to assist and facilitate in the impact assessment of all change items. The project manager must work with the client to make good business decisions. The change process, which you must document in the project agreement, is the vehicle to advance this. A universal truth applies to any project: change will occur constantly, dynamically, and usually, without warning. Freezing requirements is a popular, though rarely feasible, approach to controlling the inevitable. A good project manager recognizes the inevitability of change and plans for effective change management. Effective project management anticipates change and the calculated reaction to it. Ineffective change management will blur the boundaries of when and what is to be delivered. If you don t plan for change, the ground will be well-tilled for poisonous project weeds and skewed expectations. Since my definition of quality is conformance to customer requirements, the process of evaluating and communicating the effects of change with the client is fundamental to a strong project management process. Developing Your Work Breakdown Structure Creating a work breakdown structure is integral to planning, estimating, scheduling, and managing a project. It is the process of decomposing a project into its detailed work tasks, and logically arranging these tasks to accomplish the project s objectives. This includes identifying the phases, deliverables, and activities you need to accomplish project objectives. The lowest level of a work breakdown structure provides the basis for estimating and cost-tracking. It s generally the most reliable level in which to estimate. More often than not, poor estimates reflect missing tasks, rather than poorly estimated, known tasks. Without a comprehensive work breakdown structure, you can t measure or predict project progress, costs, and accountability. Moving down the hierarchy represents an increasing amount of work detail. The lowest detail level tasks are called work packages. Work packages are the units you schedule the project work by. You use the higher- or summary-level tasks for project sizing and negotiation, cost accounting, and management and customer status reporting. You also define project milestones in the work breakdown structure. Milestones are major events or points in time that you ll measure your progress against.

17 Figure 2 depicts a work breakdown, or decomposition, diagram. It shows the typical work breakdown structure numbering convention. Figure 2: Typical Work Breakdown Diagram 14 Estimating the Tasks You must estimate the approximate time and costs you need to complete the project you described in the work breakdown structure, and in accordance with environmental constraints you identified during factor analysis. Preparing estimates of time and cost can be difficult for project managers. If you follow factor analysis and work breakdown structure principles properly, you ll develop estimates with greater confidence. Most estimate problems are caused by failing to identify all the necessary tasks, not from poor time estimation of the identified tasks. You cannot estimate time or costs for tasks that have not been identified. You can develop estimates at various levels of detail. You can develop planning approximations for budgetary purposes with higher-level work breakdown structures than contract estimates for billing. In general, estimates prepared at the lowest level of the work breakdown structure are more reliable and accurate than estimates prepared at the higher levels. Project managers often have problems because they don t compensate for a few basic estimating concepts. For example, it may take 40 hours to complete a programming task. This does not necessarily mean the task duration will last one week. If a programmer is in high demand and divided between two projects, this task could actually take two weeks. If a vacation week falls in those two weeks, it may take three weeks to complete this 40- hour task. The time you spend estimating a project may be a small percentage of the total project time. It is still important to document the estimate, because it not only lets you improve the standard (for future estimates), it also lets you teach the estimating process to someone else. Creating the Schedule Once you identify all the project tasks and establish their duration, you can assign staff resources, derive task dependencies, and then develop the subsequent schedule. Scheduling is the process of varying scope, time, resource, and risk constraints to select and document the optimum project time and staff schedule. The project schedule will be your primary tool for monitoring the project life cycle s progress. You must revise it periodically to reflect the inevitable changes I discussed earlier.

18 Scheduling, like estimating, occurs throughout the project life cycle. First, create the initial schedules to negotiate the project agreement. Then, each time the project changes, you complete the work breakdown structure and associated estimates and rework the schedule. This includes analyzing the tasks and resource requirements to determine their impact on the remaining project. Once you assemble the schedule, you should clearly understand the critical path. The project s critical path will determine the project completion date. The critical path has the least amount of float (or 0 float days) of all paths, and has the longest elapsed time of all paths. In summary, any task on the critical path that slips its completion date will make the project s end date slip as well. Thus, tracking the critical path will help you determine whether or not your project will end on time. Equally important, tasks on the critical path may not be the most project critical tasks. Critical path is a management science concept that only addresses the time dimension of the diamond. Contrary to popular belief, not all projects are time critical. The critical path may not be the place where you should spend the majority of your time. Critical path tasks, for example, might be documentation activities, while design and programming fall on paths with float. You may choose to spend the bulk of your time monitoring the design and programming activities while letting the documentation specialists inform you of any potential time delays. 15 Perform Risk Assessment Risk is an inherent component of project management. Whenever you undertake any project, you expose yourself to risk. Project risk is anything that will adversely affect project objectives. Risk is the possibility of incurring some harm and therefore is related to the potential occurrence of some events. When assessing risk, consider these three factors: The risk event itself The event s probability The effect s potential severity. Risk management is the process of identifying, analyzing, and responding to risk throughout the project s life cycle. This response should take the form of contingency plans additional tasks built into the work breakdown structure to mitigate a risk event, deflecting the risk items to another entity, and so on. For example, a project team is developing a system that calls for the implementation of new technology. The team has the resources necessary to develop the system but fears it lacks the resources to implement the new technology.

19 16 The risk scenario would look something like the following Table 1. Table 1: Risk Scenario Examples Risk Event: Risk Probability: Impact: Response: What if we don't have the resources to implement the new technology when it's needed late in the project? 75% chance the resources will not be available. 90% chance the resources, if available, will perform poorly. Project will not complete on time, quality of the final project will be compromised if the technology is not installed properly. Find a qualified subcontractor to assist or perform the new technology implementation. As you can see, the response in Table 1 will have a major impact on your project agreement. This adds greater complexity to the project and affects the cost by adding tasks to the work breakdown structure. In addition, it will affect the quality of the system you install. At a minimum, you should use this type of analysis for all risk events with a high probability of occurrence and a high degree of impact. Manage the Diamond by Managing Expectation Effective project planning is not conducted in a vacuum. It must be carried out in coordination and cooperation with all appropriate stakeholders. You must manage their expectations throughout the process. The project manager must constantly look for opportunities to create win-win relationships by negotiating the work that must be accomplished. A project manager who declares that this can t be done in the time frame allotted will meet with stiff resistance from client management. On the other hand, a project manager who can defend this statement with a solid understanding of the project s scope, backed by a logical work breakdown structure; thoughtful estimate; thoughtful estimate and project schedule; and concise risk analysis will be met with a response like, Maybe you re right. Help me understand what you understand. This is effective expectation management and proper development of winwin relationships. Once your project plan is in place, it s easy to simply manage your project diamond.

20 Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrúcio, MSc, PMP Gerente de Projetos Sênior Lucent Technologies A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos tenham que ser implantados dentro dos prazos requeridos, de acordo com o orçamento aprovado e conforme os requisitos definidos pelo cliente. Para que tudo isso dê certo, é necessário seguir uma metodologia de planejamento, execução e controle que seja consagrada pela comunidade. A metodologia que vamos descrever é aquela definida pelo PMI e que vem sendo adotada por várias empresas, com pequenas adaptações. Mesmo outras metodologias, como a PRINCE (Projects IN Controlled Environments) desenvolvida pelo Departamento de Comércio do Governo Britânico, tem forte inspiração na metodologia do PMI. A metodologia desenvolvida pelo PMI e que pode ser estudada no manual PMBOK (Project Management Body of Knowledge) abrange as seguintes áreas: Gerência da Integração - Desenvolvimento do Plano do Projeto - Execução do Plano do Projeto - Controle de Mudanças Gerência do Escopo - Início - Planejamento do Escopo - Definição do Escopo - Verificação do Escopo - Controle de Mudança do Escopo Gerência do Tempo - Definição das Atividades - Seqüência das atividades - Estimativa da Duração das Atividades - Desenvolvimento do Cronograma - Controle do Cronograma Gerência de Custos - Planejamento de Recursos - Estimativa de Custos - Orçamento de Custos - Controle de Custos

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Infocon 2004 Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Agenda Definição; Histórico; Governança Coorporativa de TI; O Modelo

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Objectivos globais PROJECTO INTEGRADOR LEI 2010/11/12/13 NOÇÕES DE GESTÃO DE PROJECTOS. 1ª parte (IJ) 2ª parte (RL)

Objectivos globais PROJECTO INTEGRADOR LEI 2010/11/12/13 NOÇÕES DE GESTÃO DE PROJECTOS. 1ª parte (IJ) 2ª parte (RL) PROJECTO INTEGRADOR LEI 2010/11/12/13 NOÇÕES DE GESTÃO DE PROJECTOS Isabelina Jorge, PMP, isabelina.jorge@gmail.com Rui Leal, Mst EI, rui.leal@gmail.com Objectivos globais 1ª parte (IJ)! Abordagem standard

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Curricular Unit Plan ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. GESTÃO DE PROJECTOS INFORMÁTICOS Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

Fundamentos de Gerenciamento de Projetos. Paulo Ferrucio, PMP

Fundamentos de Gerenciamento de Projetos. Paulo Ferrucio, PMP Fundamentos de Gerenciamento de Projetos Paulo Ferrucio, PMP Agenda Definição de Projeto, Programa e Portfolio Metodologias de Gestão de Projetos Como nascem os projetos Características do Gerente de Projetos

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Fabiano Sannino A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Project Communications Management. PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br

Project Communications Management. PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br Project Communications Management PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br Quem não se comunica se intrubica Abelardo CHACRINHA Barbosa Gerência da Comunicação O gerente de projeto gasta de 75% a 90% de seu

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Instruções aos candidatos: (1) Preencher somente o número de inscrição em todas as folhas. (2) Usar caneta preta ou azul. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Leia mais

MBA Executivo EMPREENDEDORISMO. Prof. Allan Marcelo de Campos Costa. acosta@pr.sebrae.com.br. Realização Fundação Getulio Vargas FGV Management

MBA Executivo EMPREENDEDORISMO. Prof. Allan Marcelo de Campos Costa. acosta@pr.sebrae.com.br. Realização Fundação Getulio Vargas FGV Management MBA Executivo EMPREENDEDORISMO Prof. Allan Marcelo de Campos Costa acosta@pr.sebrae.com.br Realização Fundação Getulio Vargas FGV Management Todos os direitos em relação ao design deste material didático

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000 Gerenciamento do Tempo PMBOK Guide 2000 1 Objetivos desta Aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para a gerência do tempo de um projeto segundo o PMBOK 2 O que é Gerência de Tempo?

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I.

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. Melina Gatti Duque Faculdade do Litoral Sul Paulista (1) Rua Eurico Gaspar Dutra, 836 Canto do Forte CEP 11700-330 Praia Grande/SP melinagatti@yahoo.com.br

Leia mais

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola O USO U DE PLATAFORMAS GRATUITAS PARA GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola Reunião da Unidade de Epidemiologia

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP WORKSHOP [ WORKSHOP SOBRE O WORKSHOP O PMDome é um treinamento muito dinâmico e prático em gerenciamento de projetos onde os participantes são divididos em times que, em uma competição desafiadora e animada,

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS BASEADO NO MODELO M

ANÁLISE COMPARATIVA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS BASEADO NO MODELO M ANÁLISE COMPARATIVA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS BASEADO NO MODELO M DEBORA VIRGINIO ROSA UNINOVE Universidade Nove de Julho deborenhas@gmail.com MARCÍRIO SILVEIRA CHAVES UNINOVE

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE PYLCROW Portugal LISBOA Email: info.pt@pylcrow.com Telefone: +351 21 247 46 00 http://www.pylcrow.com/portugal WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda?

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda? Resumo Integrar é procurar tornar partes distintas em um todo e que não percam seu objetivo. Gerenciar um projeto requer uma forte atuação integradora, visto que são muitas e complexas as funções a serem

Leia mais

ANÁLISE DE VALOR AGREGADO EM PROJETOS (EARNED VALUE)

ANÁLISE DE VALOR AGREGADO EM PROJETOS (EARNED VALUE) ANÁLISE DE VALOR AGREGADO EM PROJETOS (EARNED VALUE) TREINAMENTO OBJETIVO Capacitar os alunos em uma das mais poderosas ferramentas de controle de projetos disponível no mercado. A análise de valor agregado

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA).

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). Poços de Caldas / MG 2014 MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

Focos de oportunidades para a melhoria no monitoramento do desempenho de projetos de desenvolvimento de software

Focos de oportunidades para a melhoria no monitoramento do desempenho de projetos de desenvolvimento de software Focos de oportunidades para a melhoria no monitoramento do desempenho de projetos de desenvolvimento de software José Abranches Gonçalves UniFMU jose.abranches@uol.com.br Cristiane Yayoko Ikenaga Centro

Leia mais

Planeamento de Releases (1/2)

Planeamento de Releases (1/2) SCRUM (Parte II) Planeamento de Releases (1/2) o O planeamento de Releases associa histórias a releases o O cliente Define as histórias Decide qual o valor de negócio para cada uma delas Decide que histórias

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS SUMÁRIO RESUMO

GERÊNCIA DE PROJETOS SUMÁRIO RESUMO GERÊNCIA DE PROJETOS Tamara Pereira de Sá¹ Robson Zambrotti² SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO. 2 ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO. 3 RESULTADOS. 4 REFERÊNCIAS. RESUMO Este estudo apresenta uma análise dos conceitos

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Keyla Guimarães Macharet Brasil 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Escopo de Projetos Parte 04 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

design para a inovação social

design para a inovação social design para a inovação social mestrado em design - 15 16 universidade de aveiro gonçalo gomes março de 2016 s.1 ergonomia ergonomia > definição Ergonomia A ergonomia (do grego "ergon": trabalho; e "nomos":

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NAS EMPRESAS THALITA ZOTTELE NUNES THOMAZ i RESUMO A gestão adequada dos projetos traz benefícios para a organização podendo ser empregada em resoluções de problemas

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Autor : Eduardo Newton Oliveira Vieira, PMP Você já parou para pensar no número de mudanças (culturais, tecnológicas,

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

PMBOK Guide Construction Extension

PMBOK Guide Construction Extension PMBOK Guide Construction Extension Alonso Mazini Soler amsol@j2da.com.br Twitter: @alonsosoler Avenida Valdemar Ferreira, 463-05.501-000 São Paulo, SP Fone/Fax: (11) 3032-0662 1 ALONSO MAZINI SOLER é sócio

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Gestão de Projetos Introdução ao PMBOK Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar o modelo de gerência de projetos definido pelo PMBOK. PMBOK 2 Ao final desta aula você será capaz

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais 16-junho-2008 L.F.Perondi Definição Projeto A unique set of coordinated

Leia mais

Competências Gerenciais

Competências Gerenciais Gerenciais usando o PMCD para alavancar sua carreira Ayres set 2015 1 Ayres, MsC*, PMP, MBA, ITIL, ISO 20000, COBIT Consultor, professor e palestrante nas áreas de governança, gestão e projetos. Mestrando

Leia mais

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM PROJETOS TREINAMENTO

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM PROJETOS TREINAMENTO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM PROJETOS TREINAMENTO OBJETIVO Capacitar o aluno a compreender a ligação vital entre o gerenciamento da qualidade e o sucesso do projeto. Aprenda identificar as necessidades

Leia mais

Definição de projeto segundo o PMI Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Definição de projeto segundo o PMI Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. 1 2 3 Definição de projeto segundo o PMI Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Temporário Temporário significa que todos os projetos possuem

Leia mais

Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas?

Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas? Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas? Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br CLIENTES SETA CLIENTES SETA T I V I T

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

A Utilização das Diretrizes do Guia PMBOK nos Projetos Elaborado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas

A Utilização das Diretrizes do Guia PMBOK nos Projetos Elaborado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas A Utilização das Diretrizes do Guia PMBOK nos Projetos Elaborado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas Heitor Soares Moreira Engenheiro Ambiental hsmengenheiro@yahoo.com.br RESUMO Gerenciar projetos

Leia mais

Tecnologia da Informação em Saúde. Consulado Americano no Brasil. Altino Ribeiro Leitão Gerente-geral de Informação e Sistemas 17 de Setembro de 2014

Tecnologia da Informação em Saúde. Consulado Americano no Brasil. Altino Ribeiro Leitão Gerente-geral de Informação e Sistemas 17 de Setembro de 2014 Tecnologia da Informação em Saúde Consulado Americano no Brasil Altino Ribeiro Leitão Gerente-geral de Informação e Sistemas 17 de Setembro de 2014 Missão Institucional da ANS Promover a defesa do interesse

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing.

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes - ECA Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação Planejamento de Comunicação Organizacional:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA.

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA. 3rd International Conference on Information Systems and Technology Management 3º Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação 11 th World Continuous Auditing Conference De 31

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 1 Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Apresentação da Disciplina Sobre o professor Marco

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA Gerenciamento de Projetos de TI Alércio Bressano, MBA Os projetos possuem em seu código genético o fracasso! Eles nasceram para dar errado! Nós é que temos a responsabilidade de conduzí-los ao sucesso!

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Aula 4 - Gerenciamento de Projeto

Aula 4 - Gerenciamento de Projeto Aula 4 - Gerenciamento de Projeto Organizar, planejar e elaborar cronogramas para projetos de software. Baseado nos slides de: Ian Sommerville 2000 - Software Engineering, 6th edition Marcos Silva, 2003

Leia mais

1. Evolução da técnicas de gerenciamento

1. Evolução da técnicas de gerenciamento Gestão de Projetos Evolução das técnicas de gerenciamento; A história do gerenciamento de projetos; Características dos projetos; Causas de fracasso em projetos; Ciclo de vida de um projeto e suas fases;

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

A METHOD OF STRATEGIC MANAGEMENT AND PLANNING TO OBTAIN COMPETITIVENESS IN FARMING BUSINESS

A METHOD OF STRATEGIC MANAGEMENT AND PLANNING TO OBTAIN COMPETITIVENESS IN FARMING BUSINESS A METHOD OF STRATEGIC MANAGEMENT AND PLANNING TO OBTAIN COMPETITIVENESS IN FARMING BUSINESS Mr. Frederico Fonseca Lopes MARKESTRAT ffflopes@markestrat.org Ms. Janaína Gagliardi Bara USP / FEARP / MARKESTRAT

Leia mais

A meus pais, Ari e Célia, sempre presentes, todo o meu amor incondicional!

A meus pais, Ari e Célia, sempre presentes, todo o meu amor incondicional! ii A meus pais, Ari e Célia, sempre presentes, todo o meu amor incondicional! iii Agradeço à Deus, esta força maior, pela vida, pela sabedoria e pelo amor. Mas, sobretudo, por me ensinar saber fazer ser

Leia mais

Proposta de uso da gestão de projetos na organização de eventos do setor acadêmico

Proposta de uso da gestão de projetos na organização de eventos do setor acadêmico Proposta de uso da gestão de s na organização de eventos do setor acadêmico Renato A. Sakamoto renato.sakamoto@br.pwc.com Universidade Presbiteriana Mackenzie Engenharia de produção R. da Consolação, 930

Leia mais