MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM. Aprova as regras de transição do Sistema de Matrícula Seriado para o Sistema de Matrícula por Disciplina dos Cursos de Graduação da UFTM. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições regimentais, resolve: Art. 1º Aprovar as regras de transição do Sistema de Matrícula Seriado para o Sistema de Matrícula por Disciplina dos Cursos de Graduação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, na forma desta Resolução. Art. 2º No ano letivo de 2013 será realizada a implantação e transição do Regime de Matrícula Seriado para o Regime de Matrícula por Disciplina dos Cursos de Graduação da UFTM. Art. 3º Para todas as atividades de educação superior considerar-se-ão todas as definições contidas no artigo 42 do Regulamento de Graduação, inserindo-se as seguintes: I - Componentes curriculares devedores: são aqueles em que o discente obteve reprovação. II Equivalência: processo de análise do conteúdo programático de componentes curriculares oferecidos pela UFTM, com o objetivo de considerar determinado componente curricular equivalente àquele cursado no correspondente módulo exigido para integralização do currículo do curso e de dispensar o discente de cursá-la. Cabe ao Colegiado de Curso atribuir ou não a equivalência de acordo com os critérios de ementa, o conteúdo programático e a carga horária. III Pré-requisito: é o componente curricular ou componentes curriculares em que o discente deve obter aprovação prévia para que possa efetuar a matrícula em outro(s) componente(s) curricular(es). IV Correquisito: é o componente curricular ou componentes curriculares que deve(m) ser cursado(s) simultaneamente, ou previamente com aprovação, a outro(s) componente(s) curricular(es). Art. 4º Os Colegiados dos Cursos de Graduação são responsáveis pela adequação da Matriz Curricular vigente para o Curso para o Sistema de Matrícula por Disciplina, observando os seguintes critérios:

2 (FL. 2 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) I as cargas horárias dos componentes curriculares serão expressas em múltiplos de 15 (quinze) horas/aula, equivalentes a um crédito; II deverão ser criados os pré-requisitos e os correquisitos para os componentes curriculares, com a recomendação de que sejam evitados sempre que possível; III a mudança de pré-requisito ou correquisito de componente curricular posterior ao ingresso no curso não desobriga o aluno de cursá-lo sob as novas exigências; IV os cursos da mesma área poderão criar componentes curriculares eletivos comuns que deverão constar na Matriz Curricular de cada curso; V componentes curriculares optativos: são os de livre escolha do discente, dentro de um elenco oferecido pelos cursos de graduação, cujos créditos excedem o mínimo necessário e não entram no cômputo da integralização curricular, auxiliando na formação complementar; VI - componentes curriculares eletivos: são os de livre escolha do discente, dentro do elenco oferecido pelos cursos e previstos na carga horária necessária à integralização do currículo, sendo que o discente reprovado em um ou mais componentes curriculares eletivos não precisará cursar obrigatoriamente o mesmo componente curricular, desde que integralize a carga horária mínima dos componentes curriculares eletivos da Matriz Curricular do curso; VII - os componentes curriculares com mesma ementa e carga horária terão o mesmo código; VIII - os Departamentos Didático-Científicos poderão realizar estudos com vistas à adequação da oferta de componentes curriculares comuns a dois ou mais cursos, procedendo, quando possível, à sua unificação; IX - o registro de reprovação constará no histórico escolar do aluno até a conclusão de sua graduação. Art. 5º Os discentes da UFTM matriculados a partir de 2013 serão regidos pelo Sistema de Matrícula por Disciplina. 1º A matrícula do discente ingressante será realizada automaticamente nos componentes curriculares constantes no primeiro período, conforme sequência estabelecida na Matriz Curricular do curso. 2 Entende-se por primeiro período a primeira matrícula realizada pelo discente no curso, independentemente de resultados de aproveitamento de créditos internos e externos. 3º A matrícula não poderá ser aceita com menos de 8 (oito) ou mais de 36 (trinta e seis) créditos por período letivo, salvo nos casos especiais, que deverão ser avaliados pelo Colegiado do curso, ou nos impedimentos de ordem regimental ou operacional. Art. 6º As matrículas em componentes curriculares obrigatórios e eletivos serão processadas observando o limite de vagas por turma.

3 (FL. 3 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) 1º O número de vagas num componente curricular não poderá ser inferior ao número de vagas ofertadas por curso no Processo Seletivo, mais 20% (vinte por cento) correspondente às previstas para os reprovados. 2º Os Departamentos Didático-Científicos ou órgãos equivalentes poderão oferecer turmas extras para componentes curriculares com alto índice de retenção. 3º Conceder-se-á matrícula num determinado componente curricular, independentemente de vaga, quando se tratar de discente ingressante por transferência ex-officio, com amparo na legislação vigente. Art. 7 O discente poderá matricular-se em componentes curriculares de outros cursos na UFTM como optativo, desde que haja vaga, conforme aprovação da Coordenação de ambos os cursos. Art. 8º A matrícula é composta por três fases consecutivas: I inscrição; II confirmação; III validação. Parágrafo único. É compulsório aos acadêmicos o cumprimento dos incisos I e II, para fins de manutenção do vínculo acadêmico. Art. 9º Na fase de inscrição, o acadêmico deverá preencher formulário eletrônico, assinalando os componentes curriculares que tem interesse em cursar. 1º A ausência de seleção dos componentes curriculares acarretará em perda da vaga. 2º No formulário de inscrição, constarão somente os componentes curriculares que o acadêmico está apto a cursar, tendo como base o histórico escolar do discente e a proposição de uma sequência lógica sugerida de estudos de acordo com a Matriz Curricular do curso, distribuídos da seguinte maneira: I componentes curriculares alocados no semestre em que o acadêmico está posicionado; II componentes curriculares de semestres anteriores devedores ao semestre de posicionamento; III componentes curriculares de semestres posteriores ao semestre de posicionamento; IV componentes curriculares eletivos do curso. 3º A critério da Pró-Reitoria de Ensino, a inscrição eletrônica poderá ser substituída por inscrição manual, atendidos os termos desta Resolução.

4 (FL. 4 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) Art. 10 A distribuição das vagas disponíveis nos componentes curriculares obedecerá à seguinte ordem: I componentes curriculares do semestre de posicionamento do acadêmico; II componentes curriculares de semestres anteriores ao de posicionamento do acadêmico; III componentes curriculares de semestres posteriores ao semestre de posicionamento do acadêmico; IV componentes curriculares eletivos. Art. 11 Ficam garantidas aos acadêmicos vagas nos componentes curriculares alocados no seu semestre de posicionamento, exceto as que tiverem pré-requisitos ou correquesitos não cumpridos. Art. 12 Quando houver oferta de mais de uma turma para um mesmo componente curricular, o acadêmico deverá fazer a escolha da turma. 1º Se o número de inscritos em uma turma for maior que o de vagas, o critério de desempate será o maior coeficiente de rendimento acadêmico. 2º Os acadêmicos que não conseguirem vaga na turma pretendida, de acordo com o critério acima, serão redistribuídos nas turmas em que houver vaga. Art. 13 O coeficiente de rendimento acadêmico é definido como a média ponderada calculada por créditos das notas dos componentes curriculares cursados (aprovação e reprovação). Art. 14 Para a matrícula nos componentes curriculares de semestres anteriores, devedores ou em dependência, quando o número de inscritos for maior que o de vagas, serão adotados os seguintes critérios para desempate, nesta ordem: I maior percentual de carga horária total cursada com aproveitamento; II maior coeficiente de rendimento acadêmico. Art. 15 Para os componentes curriculares alocados nos semestres posteriores ao de posicionamento do acadêmico, quando o número de inscritos for maior que o de vagas, serão adotados os seguintes critérios para desempate, nesta ordem: I maior coeficiente de rendimento acadêmico; II maior percentual de carga horária total cursada com aproveitamento. Art. 16 Para a matrícula nos componentes curriculares eletivos, quando o número de inscritos for maior que o de vagas, serão seguidos os critérios de desempate, na seguinte ordem:

5 (FL. 5 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) I maior percentual de carga horária cursada com aproveitamento; II maior coeficiente de rendimento acadêmico. Art. 17 A solicitação de inscrição em componentes curriculares que não constarem na Matriz Curricular do curso poderá ser requerida ao coordenador do curso na fase de confirmação da matrícula como optativo. Art. 18 O sistema aceitará inscrição somente em componentes curriculares em que o discente houver cumprido os pré-requisitos e os correquisitos. Art. 19 Na fase de confirmação, obrigatoriamente, o discente deverá entregar impresso e assinado o formulário de matrícula, na Coordenação do curso para validação, devendo ser assinado também pelo coordenador do curso. 1º O discente que necessitar de ajuste de matrícula deverá requerê-lo à Coordenação de curso no prazo estabelecido no Calendário Acadêmico. Art. 20 A matrícula do discente a partir do segundo semestre será obrigatoriamente validada via sistema pela Coordenação do curso no prazo estabelecido no Calendário Acadêmico. Art. 21 As fases de matrícula obedecerão rigorosamente às datas previamente divulgadas no Calendário Acadêmico. Art. 22 A periodização ideal do acadêmico é contada a partir do seu ingresso na UFTM, subtraindo-se a quantidade de semestres em que a matrícula esteve trancada. Parágrafo único. O período ideal deve ser definido pelo coordenador do curso, nas situações que exigirem a elaboração de adaptação ou plano estudo. Art. 23 O processamento da matrícula envolve a participação efetiva do discente, do coordenador do curso, dos Departamentos Didático-Científicos, da Pró-Reitoria de Ensino - PROENS, do Departamento de Registro e Controle Acadêmico - DRCA e do Departamento de Sistemas de Informação DSIM, competindo: I À PROENS: a) baixar instruções sobre o processamento da matrícula. II À COORDENAÇÃO DO CURSO: a) coordenar, orientar, acompanhar e validar as matrículas, bem como proceder às adaptações curriculares dos discentes do curso.

6 (FL. 6 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) b) solicitar aos Departamentos Didático-Científicos ou órgãos equivalentes as vagas necessárias nos componentes curriculares com vistas à integralização curricular, de acordo com o Projeto Pedagógico do curso, nos prazos previstos no Calendário Acadêmico; c) elaborar, de acordo com o interesse institucional, o quadro de horários do curso, juntamente com os coordenadores dos Departamentos Didático-Científicos envolvidos; d) em casos excepcionais, decidir sobre o deferimento das matrículas. III À SECRETARIA DE APOIO PEDAGÓGICO: a) inserir no Sistema de Controle Acadêmico e Docente - SISCAD, em cada período letivo, até 30 dias antes do término do período anterior, os componentes curriculares (turmas de aula) que serão oferecidos, bem como todos os parâmetros necessários para a matrícula dos discentes de graduação. b) controlar a lista de ofertas e acompanhar as atualizações das matrizes curriculares; c) atualizar os dados dos docentes do Instituto no SISCAD; d) manter arquivo atualizado dos Planos de Ensino de acordo com a regulamentação específica. IV AO DRCA: a) supervisionar, orientar e acompanhar todo o processo da matrícula via sistema. V AO DEPARTAMENTO DIDÁTICO-CIENTÍFICO OU ÓRGÃO EQUIVALENTE: a) ofertar o número de vagas por componente curricular e avaliá-lo, em casos excepcionais, mediante solicitação do coordenador de curso. VI AO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: a) oferecer um Sistema Acadêmico eficiente, que possibilite o cumprimento integral desta Resolução; b) oferecer suporte técnico, manual de instrução, treinamento, manutenção, acompanhamento diário e orientação aos usuários do Sistema Acadêmico; c) responsabilizar-se pela segurança do banco de dados; d) implantar atualizações e alterações necessárias no SISCAD para atender às necessidades e às normas da Instituição.

7 (FL. 7 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) VII AO DISCENTE: a) efetuar a matrícula, rigorosamente, nos prazos estabelecidos no Calendário Acadêmico; b) responsabilizar-se por sua matrícula e pela escolha dos componentes curriculares que integralizarão o currículo obrigatório de acordo com o tempo de duração de cada curso. Art. 24 O discente poderá solicitar cancelamento de matrícula em um ou mais componentes curriculares, exceto os discentes ingressantes. 1º Em caso de componente curricular que seja correquisito, é necessário o cancelamento da matrícula dos componentes curriculares que o tenham como correquisito. 2º Não se concederá cancelamento de matrícula em componente curricular quando, no momento da solicitação, for observado que já se cumpriu mais de 25% da sua carga horária. 3º Não se concederá mais de um cancelamento de matrícula no mesmo componente curricular, devendo este ser solicitado conforme prazo previsto no Calendário Acadêmico. 4º A matrícula será convertida em cancelamento quando não houver o oferecimento do componente curricular que o discente esteja apto a cursar. Art. 25 O Colegiado do curso, em conjunto com os Departamentos Acadêmicos envolvidos, deverá proceder, quando necessário, ao diagnóstico para adequar a oferta e a demanda de vagas, visando detectar as causas da inadequação e providenciar medidas para os respectivos ajustes. Art. 26 Os Colegiados dos cursos de Graduação poderão definir número mínimo de alunos para funcionamento de uma turma para cada disciplina em caso de matrícula inferior ao previsto no artigo 6º - 1º. Art. 27 Os procedimentos referentes à matrícula, à integralização de carga horária e ao registro dos componentes curriculares eletivos e optativos seguirão os mesmos critérios dos componentes curriculares obrigatórios. Art. 28 O aluno deverá requerer ao DRCA, um ano antes da data prevista de colação de grau, a verificação de pendências e providências relacionadas à Matriz Curricular do curso. Art. 29 As aulas serão ministradas, ordinariamente, de segunda a sexta-feira, conforme tabela abaixo, e eventualmente aos sábados, nos períodos matutino e vespertino: Período Matutino Período Vespertino Período Noturno 7h10min 8h 13h10min 14h 19h 19h50min 8h 8h50min 14h 14h50min 19h50min 20h40min 8h50min 9h40min 14h50min 15h40min 21h - 21h50min 10h 10h50min 16h 16h50min 21h50mi 22h40min 10h50min 11h40min 16h50min 17h40min - 11h40min 12h30min 17h40min 18h30min -

8 (FL. 8 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) 1º A duração de cada aula será de 50 minutos. 2º Os horários para realização dos estágios serão definidos pelos Colegiados de curso. Art. 30 Os quadros de horários dos cursos de Graduação da UFTM deverão ser divulgados pelo Coordenador de curso de Graduação até 15 (quinze) dias antes do término do período letivo anterior, na página da UFTM, bem como nos quadros de avisos. Art. 31 A matrícula dependerá do atendimento às seguintes condições: I manifestação do discente nos prazos fixados no Calendário Acadêmico; II cumprimento dos pré-requisitos exigidos; III inexistência de conflito de horários entre os componentes curriculares solicitados. Art. 32 Ao discente que ingressou na Instituição em período anterior à vigência desta Resolução será permitido cumprir o máximo de créditos ou carga horária estipulado na Matriz Curricular para o período, ainda que exceda o limite máximo estabelecido. Art. 33 Não será permitida a renovação de matrícula ao discente que, em seu primeiro período, for reprovado por infrequência em todos os componentes curriculares, sem justificativa formal, em documento hábil, sem a devida apreciação do Colegiado do curso e deliberação do COENS. Art. 34 A matrícula em componentes curriculares a partir do segundo semestre é obrigatória e deverá ser feita no prazo estipulado no Calendário Acadêmico. 1º Será recusada a matrícula do discente que não concluir o seu curso no prazo máximo estipulado para integralização do respectivo currículo. 2º Excepcionalmente, o requerimento de matrícula fora do prazo somente poderá ser deferido mediante a aferição ou comprovação de existência da vaga e de autorização do Colegiado do curso, após análise do pedido com a devida justificativa. Art. 35 Não será permitido ao discente cursar componentes curriculares nos quais não esteja matriculado. Art. 36 Não será permitida a matrícula simultânea em dois ou mais cursos de graduação conforme a Lei nº , de 11/11/2009. Art. 37 A matrícula é o ato de vinculação do discente à Instituição, caracterizando a imediata adesão do discente ao Regimento Geral, ao Regulamento de Graduação, a esta Resolução e a outras normas da UFTM, vedada a invocação de desconhecimento a seu favor. Art. 38 A UFTM oferecerá vagas em componentes curriculares para o Programa de Mobilidade Acadêmica a serem preenchidas de acordo com as normas vigentes na Universidade.

9 (FL. 9 DA RESOLUÇÃO N 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM) Art. 39 Dentro do Programa de Mobilidade Acadêmica, o discente da UFTM poderá cursar componentes curriculares em outra IES do País ou do exterior, com prévia autorização do Colegiado do curso, da Diretoria de Relações Internacionais e Interinstitucionais e da Pró- Reitoria de Ensino, mediante requerimento junto à Coordenação do curso para posterior aproveitamento, excetuando-se os componentes curriculares em que o aluno foi reprovado. Art. 40 Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho de Ensino - COENS. Art. 41 Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a Resolução nº 6, de 29 de março de 2012, do Conselho Universitário da UFTM. Art. 42 Revogam-se as disposições em contrário. PROF. DR. VIRMONDES RODRIGUES JUNIOR Presidente do CONSU

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33 ANEXO I ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 NORMAS ACADÊMICAS DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA - UNILAB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA - UNILAB RESOLUÇÃO N 030/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Normatiza os procedimentos relativos à matrícula de estudantes dos cursos de graduação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR ALTERAÇÃO APROVADA - RESOLUÇÃO Nº 018/13-COGEP 19/04/2013 CURITIBA Abril de 2013 Capítulo I DA NATUREZA DOS CURSOS Art. 1.o

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

Trancamento de matrícula

Trancamento de matrícula Matrícula * O aluno deverá observar as datas fixadas no calendário escolar para efetuar sua matrícula. Deverá observar a seqüência das disciplinas do currículo padrão do seu curso, os pré-requisitos, e

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR ALTERAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 08/2015 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO COEPE/UEMG Nº 132/2013

RESOLUÇÃO COEPE/UEMG Nº 132/2013 RESOLUÇÃO COEPE/UEMG Nº 132/2013 Regulamenta a implantação do regime de matrícula por disciplina nos Cursos de Graduação da Universidade do Estado de Minas Gerais UEMG e institui procedimentos e limites

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG REGULAMENTO DE MATRÍCULA EM CURSOS DE DEPENDÊNCIA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG REGULAMENTO DE MATRÍCULA EM CURSOS DE DEPENDÊNCIA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG Ato de aprovação: Resolução do Reitor nº 73/2013, de 25/10/2013. FORMIGA-MG 2013 Ato de aprovação: Resolução do Reitor

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2014 CONSEPE (Alterada pela Resolução n 018/2015 CONSEPE, Resolução nº 026/2015-CONSEPE n 044/2015 - CONSEPE)

RESOLUÇÃO Nº 005/2014 CONSEPE (Alterada pela Resolução n 018/2015 CONSEPE, Resolução nº 026/2015-CONSEPE n 044/2015 - CONSEPE) RESOLUÇÃO Nº 005/2014 CONSEPE (Alterada pela Resolução n 018/2015 CONSEPE, Resolução nº 026/2015-CONSEPE n 044/2015 - CONSEPE) Dispõe sobre as normas e os procedimentos para a matrícula de acadêmicos nos

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos CAPÍTULO I Da Natureza e dos Fins dos Cursos Art. 1º Os cursos de pós-graduação Lato sensu

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Art. 1 o O Estágio regulamentado pela Lei N o 11.788, de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA. Capítulo II - Da Coordenação Acadêmica e Estrutura Administrativa

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA. Capítulo II - Da Coordenação Acadêmica e Estrutura Administrativa Ministério da Educação Universidade Federal de Mato Grosso Campus Universitário de Sinop Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Programa de Pós-Graduação em Zootecnia- PPGZ Mestrado REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

Normas Aplicáveis ao Curso de Graduação em Administração da FGV-EAESP

Normas Aplicáveis ao Curso de Graduação em Administração da FGV-EAESP Versão aprovada pela Resolução 5/2015 da Reunião do Conselho de Gestão Acadêmica em 22 de junho de 2015. SUMÁRIO TÍTULO I - DA ESTRUTURA DA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO... 1 TÍTULO

Leia mais

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE RESOLUÇÃO Nº 056/2010 Dispõe sobre a admissão à monitoria e seu exercício, e dá outras providências. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário do Maranhão, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 346/2005 Publicada no D.O.E. de 20-09-2005 Pág.17 Estabelece normas para a alteração de Regime de Trabalho, Controle

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

Câmara Superior de Pós-Graduação do Conselho Universitário da Universidade Federal de

Câmara Superior de Pós-Graduação do Conselho Universitário da Universidade Federal de RESOLUÇÃO Nº 02/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, denominado

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas

Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas RESOLUÇÃO N 01/2014 Dispõe sobre a concessão e manutenção de bolsas de estudos do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO B. O. UFPE, RECIFE V. 41 Nº 13 ESPECIAL PÁG. 01

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL N o 3.476. Ano XXIII - Estado do Tocantins, sexta-feira, 30 de setembro de 2011

DIÁRIO OFICIAL N o 3.476. Ano XXIII - Estado do Tocantins, sexta-feira, 30 de setembro de 2011 52 REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Lato sensu. Dispõe sobre o Regimento dos Cursos de Pós-Graduação Lato sensu na esfera da Fundação Universidade do Tocantins - Unitins. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 26/2010 Aprova o Regulamento e a Estrutura Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 023/92 Autoriza a criação e aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Desporto e Educação Física, em nível de Mestrado, com linha de pesquisa em Desporto

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 033/2012-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 18/04/2012. Aprova alteração da nomenclatura do Programa de Pós-graduação em

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD Telefones: (55) 3332-0545 e (55) 3332-0351 - Endereço eletrônico: http://www.unijui.edu.br/ppgd Correio eletrônico: ppgd@unijui.edu.br PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 66/2013 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, na categoria Especialização, denominado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE Anexo à Resolução nº 19,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007

RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007 - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS RESOLUÇÃO N 189 CEPEX/2007 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DE ENCARGOS DOCENTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Reitor e Presidente do CONSELHO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação. Principais Novidades e Modificações Perguntas e Respostas Frequentes

Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação. Principais Novidades e Modificações Perguntas e Respostas Frequentes Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação Resolução 171/2013 CONSEPE/UFRN Principais Novidades e Modificações Perguntas e Respostas Frequentes Autoria: Assessoria Acadêmica do CCET Revisão: Pró-Reitoria

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII...

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII... ÍNDICE CAPÍTULO I...01 DAS FINALIDADES...01 CAPÍTULO II...01 DOS OBJETIVOS...01 CAPÍTULO III...02 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS...02 DO ENCAMINHAMENTO...02 DA ANÁLISE E DA APROVAÇÃO PRELIMINAR...03

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Regulamento de Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) do Curso de Direito da Celer Faculdades

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO Capitulo I Do Programa Art.1 O presente regulamento do Programa de Monitoria estabelece as regras para o exercício da monitoria por alunos regularmente matriculados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2015 Revoga a Resolução nº 39/2007 do Consepe, aprova e dá nova redação ao Regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ RESOLUÇÃO Nº 16/2013-CONSU De 13 de junho de 2013 EMENTA: Revoga a resolução nº 010/2013-CONSU e Fixa normas de afastamento de Técnico-Administrativos

Leia mais

REGULAMENTO DA MOBILIDADE ACADÊMICA ESTUDANTIL DO IF SUDESTE MG CAPITULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO

REGULAMENTO DA MOBILIDADE ACADÊMICA ESTUDANTIL DO IF SUDESTE MG CAPITULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO Reitoria REGULAMENTO DA MOBILIDADE ACADÊMICA ESTUDANTIL DO IF SUDESTE MG Este regulamento visa estabelecer a organização e o funcionamento da Mobilidade Acadêmica Estudantil Nacional e Internacional, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 02/2008 Aprovada a nova redação do Regulamento e da Estrutura Acadêmica do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA

NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA NORMA SOBRE OS REGIMES DE TRABALHO DO DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO UEMA Aprovada pela Resolução n /20XX CONSUN/UEMA, de XX de xxxx de 20XX CAPÍTULO I DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Art. 1 São consideradas

Leia mais

RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015 RESOLUUÇÃO Nº 295/2014-CEPE, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 152/2015-CEPE, DE 24 DE SETEMBRO DE 2015 Aprova Normas para Cursos de Especialização da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário. RESOLUÇÃOUnC-CONSEPE018/209 Aprova Regulamento do Programa de Monitoria, para a Universidade do Contestado UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem como objetivo geral a produção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA CAMPO GRANDE MS Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Justificativa Conforme consta nas leis de 2004 e 2005, parecer CNE/CES Nºs: 210/2004, e 023/2005, um curso de graduação em Administração desenvolve-se

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSEPE, DE 20 DE MAIO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSEPE, DE 20 DE MAIO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA - MINAS GERAIS CONSEPE RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSEPE, DE 20 DE MAIO DE 2011. Estabelece o Regulamento dos Cursos

Leia mais