TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

2 Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I

3 DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO PARTICIPATIVO A IMPORTÂNCIA DO MODERADOR

4 O QUE É MODERAÇÃO? Moderação: é uma forma de condução de processos de discussão de forma objetiva e equilibrada contribuindo para que todos participem ativamente na construção do produto dessa discussão. (Colete, 2005) Promove a aprendizagem de novas relações de trabalho; Otimiza recursos e conhecimentos presentes em prol da elaboração criativa de soluções.

5 QUEM É O MODERADOR? Pessoa que facilita a comunicação entre os participantes de um evento e promove o processo de trabalho em grupos através da aplicação do método de moderação. Sua tarefa consiste em ajudar ao grupo no processo de encontrar um resultado comum. (Ortiz, 2005) O moderador não necessariamente precisa ser especialista no tema tratado, mas tem que dominar os mecanismos da comunicação, dinâmicas e técnicas que facilitam o trabalho em grupo.

6 QUEM É O MODERADOR? O moderador é a pessoa que irá orientar o grupo para o desenvolvimento do processo e para a utilização das ferramentas. É o elemento de apoio metodológico e instrumental para o grupo. Para o bom desempenho da sua tarefa, necessita conhecer bem o seu papel e delimitar clareza o seu comportamento. (Ortiz, 2005) O moderador poder ser designado pelo termo de facilitador, assessor, coordenador, condutor ou termos semelhantes.

7 TÉCNICAS DE MODERAÇÃO Instrumentos para a participação: Técnicas de Visualização; Problematização; Estruturação de idéias; Dinâmicas de grupo. Condução de reuniões sob o enfoque participativo. Métodos participativos mais utilizados em projetos sociais: METAPLAN; ZOOP; PES; Enfoque Participativo.

8 MODERAÇÃO O TEMA: PMSB A COMUNICAÇÃO O GRUPO: GESTORES E TÉCNICOS MUNICIPAIS + EMPRESAS + CIDADÃOS

9 ELEMENTOS-CHAVE DA MODERAÇÃO O tema O assunto a ser discutido deve estar claramente definido e organizado. O grupo A comunicação Na condução de uma reunião devem ser considerados: O moderador deve ser capaz de manter o grupo atento e comprometido com as discussões. - A composição do grupo; Cuidados com a comunicação: SABER FALAR E OUVIR - A dinâmica que se estabelece entre os integrantes; - A relação do grupo com o tema proposto e seu grau de governabilidade para -intervenções curtas e claras; -falar no momento certo; -linguagem acessível ao grupo; -foco no tema; -relacionar as contribuições do Grupo; -certificar-se de que está sendo entendido; -esclarecer idéias e categorias; tomada de decisão -ouvir com atenção; -atenção à comunicação verbal e não-verbal. sobre a temática em discussão.

10 Estimula o debate horizontal Utiliza instrumentos de comunicação mais apropriado Sensibiliza para aspectos relevantes do Evento É o elemento de ligação entre os participantes Garante a orientação do processo Mobiliza conhecimentos e experiências PAPEL DO MODERADOR Estimula a participação de todos Garante o equilíbrio entre os participantes Presta apoio instrumental e metodológico Assegura o suporte afetivo e psicológico Motiva para o trabalho coletivo e auto-gestão

11 O PAPEL DO MODERADOR O moderador deve: Preparar o evento junto com os interessados; Mobilizar os conhecimentos e energia criativa dos participantes; Facilitar o intercambio horizontal (sem hierarquias); Orientar o grupo com regras e técnicas para as várias sessões; Contribuir para a geração de um ambiente agradável, informal, de confiança mútua, que fortaleça a integração e a cooperação entre os participantes.

12 O PAPEL DO MODERADOR O moderador não deve: Impor sua linha de análise da situação; Realizar palestras magistrais, depositando sua linha de pensamento nos participantes; Improvisar conteúdos; Reagir a situações de conflito,de debate intenso, de resistência, rompendo a dinâmica positiva do grupo.

13 INSTRUMENTOS QUE CONTRIBUEM PARA A PARTICIPAÇÃO

14 TÉCNICAS DE VISUALIZAÇÃO Facilita o processo da comunicação e torna objetivo o trabalho do grupo. A técnica de visualização com fichas (cartelas, tarjetas), um instrumento que: agiliza o levantamento e a socialização de opiniões; possibilita aprofundar a reflexão individual; estimula a capacidade de síntese; facilita a organização de idéias; organiza o processo de discussão; colabora para melhor acompanhamento do debate; documenta a discussão; propicia o nivelamento com níveis hierárquicas distintos.

15

16 COMO TRABALHAR COM O METAPLAN As letras devem ser legíveis a 6 metros de distância. Os cartões devem conter três a quatro linhas no máximo. Os cartões e fichas devem conter somente palavraschave com uma idéia compreensível. Uma idéia = Um cartão.

17 COMO TRABALHAR COM CARTÕES Cada painel deverá ser montado com no máximo 35 cartões. As cores e formas devem ser usadas de maneira significativa. Deve-se estruturar os cartões por blocos ou nuvens. Deve-se utilizar títulos e estabelecer relações entre as ideias.

18 OUTRAS RECOMENDAÇÕES Utilizar papel colorido para fotocópia, cortado no meio ou em três partes; Utilizar marcadores de feltro azuis ou pretos; o vermelho e o verde deveriam ser apenas para sublinhar ou anotar comentários; Fixe os cartões de uma forma fácil de remover: um alfinete no centro superior, ou uma pequena porção de massa colante (sticky stuff), ou adesivo no centro superior.

19 IMPORTÂNCIA DA VISUALIZAÇÃO MÓVEL EM TARJETAS VANTAGENS PORQUE Garante a participação de todos sem 1. Permite a participação ativa do grupo distinção de hierarquia ou influência da timidez individual. Permite a cada participante ver suas contribuições no painel, identificando sua contribuição no coletivo. Facilita a estruturação das idéias. Possibilita representar de forma didática 2. Aumenta a qualidade da situações complexas. comunicação Utiliza outro canal de percepção além da audição

20 IMPORTÂNCIA DA VISUALIZAÇÃO MÓVEL EM TARJETAS VANTAGENS PORQUE Facilita a memorização. 3. Fortalece Aprendizagem o efeito 4. Aumenta a integração grupal concentração e Racionaliza a discussão da possibilitando seu aprofundamento. Obriga o instrutor a distinguir entre informações essenciais e secundárias, afim de não abusar da capacidade de assimilação do auditório. Torna transparente o processo de trabalho.

21 FORMAS E CORES DO MATERIAL TARJETAS Cores que podem ser usadas: brancas, amarelas, verdes, azuis OVAIS PARA EXPLICAR 11X 19 cm RETANGULARES DE USO GERAL 10 X 21 cm NUVENS NUVENS PARA PARATÍTULOS TÍTULOS RESSALTAR 20 cm NUMERAR 17 cm ORGANIZAR 10 cm

22 FORMAS E CORES DO MATERIAL ESCRITA USO DE TAMANHOS E CORES DIFERENTES PARA DESTACAR ALGO QUE SE QUER OU QUE SEJA NECESSÁRIO. SÍMBOLOS E DESENHOS!?

23 FORMAS E CORES DO MATERIAL LINHAS E PONTOS MATERIAIS AUXILIARES CANETAS HIDROGRÁFICAS, PAINÉIS, ALFINETES, PAPEL KRAFT, COLA, FITA ADESIVA, MÁQUINA FOTOGRÁFICA.

24 RECOMENDAÇÕES PARA A VISUALIZAÇÃO O que fazer? Usar tarjetas da mesma cor para os mesmos assuntos Cada idéia deve ser compreensível sem comentários Escrever com letra legível Idéias precisas e concisas Apenas uma idéia por tarjeta 3 ou 4, no máximo, linhas por tarjeta

25 IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE PROBLEMATIZAÇÃO É a provocação de um debate ou análise por meio de pergunta; Visa provocar a reflexão, facilitar a interação e a mobilização de experiências e idéias; É um instrumento metodológico que irá alimentar a intervenção do moderador rumo aos objetivos traçados.

26 PROBLEMATIZAÇÃO: PRINCÍPIOS QUE DEVEM SER OBSERVADOS: O moderador deve, sempre que possível, utilizar perguntas relevantes para provocar a reflexão. Deve procurar evitar a dominação de alguns participantes sobre os demais e facilitar a interação. Deve promover a mobilização de experiências e idéias de todos os participantes.

27 PROBLEMATIZAÇÃO PRINCÍPIOS QUE DEVEM SER OBSERVADOS: Formular a pergunta é o principio básico da moderação, servindo como fio condutor dos trabalhos em grupo. Estimular discussões que interessam aos participantes. A PERGUNTA que inicia cada nova etapa deve produzir um impacto favorável sobre a continuidade da reflexão realizada pelo grupo e, por isso, PRECISA SER BEM PREPARADA.

28 COMO FORMULAR A PERGUNTA Formular de forma clara e concisa Visualizar as respostas no painel Como formular a pergunta? Não improvisar Preparar com antecedência

29 SABER PERGUNTAR ESTABELECE UM CANAL DE COMUNICAÇÃO Ser de interesse coletivo Despertar curiosidade Ativar a diversidade de opiniões A PERGUNTA DEVE Estar bem visualizada Despertar confiança Levantar novas perguntas

30 A PERGUNTA NÃO DEVE SER MUDADA DEPOIS DE TER SIDO COLOCADA CONDUZIR SIMPLESMENTE ÀS RESPOSTAS SIM/NÃO LEVAR A DISCUSSÕES INFRUTÍFERAS A PERGUNTA NÃO DEVE SER EXCLUSIVA PARA ALGUNS DO GRUPO LEVAR A SENTIMENTO DE CULPA SER INCÔMODA, DIFÍCIL OU DESAGRADÁVEL LEVAR A JUSTIFICATIVAS

31 COLETA E ESTRUTURAÇÃO DE IDÉIAS Objetivo: estruturação de idéias a partir da síntese coletiva que cada um dos participantes tem sobre um tema. Vantagens: Técnica muito utilizada em trabalho com grupos; Elevado grau de eficiência na estruturação de idéias e obtenção de resultados;

32 COLETA E ESTRUTURAÇÃO DE IDEIAS É excelente ferramenta no desenvolvimento do enfoque participativo; Serve para coletar e ordenar idéias, opiniões, propostas, com relação a um determinado tema; Estimula a criatividade; Possibilita o alcance rápido de uma conclusão.

33 A TEMPESTADE DE IDÉIAS Passos para a operacionalização da TEMPESTADE DE IDÉIAS: 1 REGISTRO: As idéias são registradas individualmente, em fichas e as fichas são fixadas no painel.; 2 ORDENAÇÃO: A seguir, as idéias são ordenadas, agrupadas de acordo com critérios definidos pelo grupo; 3 AVALIAÇÃO: as idéias são discutidas, avaliadas e complementadas; 4 CONCLUSÃO: o grupo dá um título para cada agrupamento.

34 ALGUMAS REGRAS PARA COLETAR IDÉIAS Não avaliar, criticar ou julgar as idéias apresentadas. Todas têm seu valor. Estimular todas as idéias. Pegar carona nas idéias dos outros e desenvolvê-las. Colocar todas as idéias (tarjetas/fichas) no painel.

35 OBJETIVOS DOS EVENTOS SETORIAIS Passo crucial para o sucesso de qualquer evento. Mesmo uma reunião de rotina deverá ter claro o seu objetivo. Se o objetivo não é claro, repetimos uma rotina sem ter a clareza do que é esperado do grupo, e o trabalho coletivo não avança! Conhecer os antecedentes da reunião ajuda a definir com mais precisão os seus objetivos. OBS: Muito cuidado para não confundir objetivos da reunião com objetivos que o grupo deseja alcançar no futuro. Manual Prático, p.15.

36 CARACTERIZAÇÃO DOS PARTICIPANTES A organização dos eventos setoriais (local, material, etc.) e os métodos a serem utilizados dependerão totalmente do número e do perfil dos participantes. Quais as informações que os participantes já têm? O que é preciso informar a todos antes de iniciar a discussão? Qual o nível de liderança dos participantes da reunião? Qual a capacidade de persuasão das lideranças?

37 CARACTERIZAÇÃO DOS PARTICIPANTES O grupo já se conhece ou trabalha junto pela primeira vez? Existe alguma outra característica do grupo que deve ser levada em conta? (Vêm de culturas diferentes? Pertencem a grupos em conflito? Alguns não sabem ler ou escrever? Etc.)

38 CARACTERIZAÇÃO DOS PARTICIPANTES Quantas pessoas serão convidadas? Como dividir com este número os grupos de trabalho? A sala prevista comporta este número de pessoas, mesmo com grupos de trabalho? E mais quantas perguntas forem necessárias para se ter uma idéia clara da composição e perfil do grupo de trabalho.

39 ELABORAÇÃO DA AGENDA OU PAUTA DE TRABALHO A agenda, roteiro ou pauta de trabalho é importante porque todos estão de acordo quanto ao QUE será discutido, em QUE ORDEM, e POR QUANTO TEMPO. Este procedimento proporciona uma referência para que os participantes se preparem com antecedência (lendo documentos, fazendo pesquisas, ou discutindo com seus vizinhos), e cheguem com a mesma expectativa ao evento.

40 EXEMPLO DE UMA AGENDA DE TRABALHO 09h00: Abertura e apresentação dos participantes. Aprovação da agenda. 09h40: Apresentação do tema PMSB. ///Resp.: X e Y 10h00: Apresentação do Convênio CREA-MG/FUNASA. Discussão e conclusões. /// Intervalo 11h30: Trabalho de grupo. 12h30: Almoço 14h30: Apresentação e consenso sobre as necessidades do trabalho./// Intervalo 16h30: Agenda de tarefas para implementação dos trabalhos. 17h30: Avaliação final. OBS: Uma agenda muito detalhada sobrecarrega o texto com informações e faz com que as informações mais importantes desapareçam no meio do mesmo.

41 ESCOLHA DO LOCAL DE REUNIÕES SETORIAIS Em um evento de caráter participativo, devemos preocupar com o conforto dos participantes. O formato ideal para reuniões de caráter participativo é com cadeiras em círculo, ou em U, que proporcionam uma atmosfera de conversa e integração. Preocupar-se com a distribuição de lanche e com a lista de presença.

42 MATERIAL VISUAL Uso de bloco de papel gigante (flipchart), um painel com cartolinas, ou ainda cartazes em branco são os materiais mais comuns de apoio à visualização. Uso de mapas impressos.

43 CONVITES Para as lideranças; Para as autoridades; Para os funcionários públicos; Especificamente para o Poder Legislativo.

44 CONDUÇÃO E COORDENAÇÃO DA REUNIÃO Citar todas as autoridades presentes e lideranças da comunidade; Citar os funcionários públicos presentes; Agenda de trabalho com datas limites para realização das tarefas. Eleger um relator dentre os presentes comunidade para documentação da reunião. da

45 CONDUÇÃO E COORDENAÇÃO DA REUNIÃO Apresentação do PMSB Apresentação de um vídeo ou filme para iniciar a discussão ou A distribuição de um texto para leitura ou Um trabalho de grupo para elaborar a questão inicial do trabalho.

46 CONDUÇÃO E COORDENAÇÃO DA REUNIÃO Resolvendo problemas, tirando conclusões e tomando decisões: Avaliar opções, estabelecer critérios de decisão. Selecionar as melhores opções e decidir. Visualizar as decisões, propostas e sugestões. Visualizar os pontos de conflito para futuras decisões.

47 CONDUÇÃO E COORDENAÇÃO DA REUNIÃO Encerramento Reunir e confirmar as decisões de consenso. Desenvolver um plano de implementação responsabilidades. com

48 MOMENTOS FUNDAMENTAIS PARA A PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PMSB Anúncio público da decisão de se elaborar o plano de forma democrática e participativa; Discussão do diagnóstico e incorporação das contribuições dos participantes; Discussão das prioridades a serem complementadas e hierarquizadas com a participação das representações sociais.

49 MOBILIZAR É: COMUNICAÇÃO CULTURA EDUCAÇÃO ORGANIZAÇÃO

50 GESTÃO INTEGRADA DA MOBILIZAÇÃO NÚCLEO PALAVRA CHAVE RETORNO (PROJETO) IMPACTO (PESSOAL) ASPECTOS RELEVANTES COMUNICAÇÃO INFORMAÇÃO VISIBILIDADE ALERTA DIÁLOGO INDIVÍDUO DIÁLOGO CIDADE EDUCAÇÃO CONSCIENTIZAÇÃO QUALIDADE MUDANÇA PROCESSOS NOVA MENTALIDADE CULTURA SENSIBILIZAÇÃO AFETIVIDADE SEDUÇÃO IMAGINÁRIO NÃOORGANIZADO ORGANIZAÇÃO ATUAÇÃO SUSTENTABILIDADE ENGAJAMENTO REDES PARCEIRAS GRUPOS SOCIAIS

51 Contatos: Telefone: (031)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Moderação. Introdução

Moderação. Introdução Este texto foi adotado para fim exclusivo de apoio didático ao Curso de Gestão Estratégica Pública - Turma 2005 - uma parceria entre a Escola de Extensão da Unicamp e a Escola de Governo e Desenvolvimento

Leia mais

DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ

DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ 1 DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ PRESSUPOSTOS DA TÉCNICA Muitos problemas de insucesso escolar devem-se ao facto de os alunos não saberem estudar de modo eficiente. Existem alguns aspetos que devem ser levados

Leia mais

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA Missão do Senai Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade

Leia mais

HÁBITO DE ESTUDO: ORGANIZAÇÃO E PERSISTÊNCIA

HÁBITO DE ESTUDO: ORGANIZAÇÃO E PERSISTÊNCIA HÁBITO DE ESTUDO: ORGANIZAÇÃO E PERSISTÊNCIA Franciele Xhabiaras Grapiglia Graduada em Pedagogia Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional frangrapiglia@yahoo.com.br Estamos sempre em processo

Leia mais

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012 Introdução a Engenharia de Produção Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO Introdução a Engenharia de Produção Objetivos 1. Apresentar ao educando o curso de Engenharia de Produção com suas diversas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS UTILIZANDO FERRAMENTAS DA EAD 04/2005 029-TC-C4 LANE PRIMO SENAC/CE laneprimo@aol.com C MÉTODOS E TECNOLOGIAS 4 EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil

Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil Disciplina: AMBIENTAÇÃO EM EAD Professor: Bruno Oliveira A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CONTEXTOS NACIONAL E INTERNACIONAL Esta primeira

Leia mais

Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações

Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações Núcleo 2.3 - O atendimento de grupos: psicodrama, suas técnicas e aplicações DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicodinâmica e Desenvolvimento COORDENADOR: Marcia Almeida Batista PROFESSORES: Adrianna Loduca Ribeiro

Leia mais

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade ENTREGA: 09/04/09 Professor: Carlos José Maria Olguin Um Estudo de Viabilidade Você deve fazer um estudo de viabilidade para um projeto de sistema de

Leia mais

WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011

WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011 WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011 WORKSHOP 1 Cianotipia os desenhos azuis da luz Formador(a) Ricardo Gonçalves WORKSHOP 2 O design gráfico e o design de comunicação na sala de aula de

Leia mais

Lançamento confirmado para outubro/13

Lançamento confirmado para outubro/13 O Vale Cultura é um benefício de R$50,00 que poderá ser dado pelas empresas brasileiras aos seus funcionários que ganham até 5 salários mínimos para consumo de atividades culturais Lançamento confirmado

Leia mais

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR GESTÃO POR COMPETÊNCIAS http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR COMPETÊNCIA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS Competências individuais Competências organizacionais 1 Competências

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PMSB FUNASA CREA/MG AGOSTO 2013 MÓDULO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS OFICINAS SEGUNDA-FEIRA (TARDE)

CAPACITAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PMSB FUNASA CREA/MG AGOSTO 2013 MÓDULO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS OFICINAS SEGUNDA-FEIRA (TARDE) SEGUNDA-FEIRA (TARDE) 13:00/14:00 Apresentação 1 - PMSB Introdução aos trabalhos. Grupos. Apresentar os participantes. Explorar a sensibilidade, princípio de percepção e integração do grupo. Formalizar

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO ESTRATÉGIAS PARA PROVA TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS MENTALIDADE E CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO OBJETIVO DO MÓDULO SEU MAIOR CONCORRENTE É VOCÊ. SE VOCÊ IDENTIFICA OS PRÓPRIOS ERROS E ORGANIZA

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

TÍTULO: Núcleo de Assessoria Jurídica Popular

TÍTULO: Núcleo de Assessoria Jurídica Popular TÍTULO: Núcleo de Assessoria Jurídica Popular AUTOR: Agenor de Souza Santos Sampaio Neto E-MAIL: sampaioneto@ig.com.br INSTITUIÇÃO: FABAC Faculdade Baiana de Ciências ÁREA TEMÁTICA: Direitos Humanos 1.

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 011 / 2014 DSEI Kayapó Mato Grosso A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa

Leia mais

ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS

ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS ANEXO 18 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO GESTÃO ADMINISTRATIVA E CAPTAÇÃO DE RECURSOS Data: março 2012 - total 12 horas com 03 módulos de 4 horas Local: Municípios de Paranaíta, Alta Floresta

Leia mais

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL

POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N 26/07 POLÍTICA DE PROMOÇÃO E COOPERAÇÃO EM PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões N 02/01, 03/02,

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando.

1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando. 1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando. Normas para elaboração do Resumo Expandido INFORMAÇÕES GERAIS 1) Os resumos expandidos e a ficha de inscrição devidamente preenchida

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

Escola Portuguesa de Luanda Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16

Escola Portuguesa de Luanda Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16 Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16 - Capa preta A3, com lombada de 3cm e com elásticos; - Régua de 30 cm transparente; - Esquadro de 45º de 30cm; - Transferidor semi-circular; - Lápis

Leia mais

Rotulagem Ambiental: Um Estudo Sobre a NBR 14020

Rotulagem Ambiental: Um Estudo Sobre a NBR 14020 Rotulagem Ambiental: Um Estudo Sobre a NBR 14020 Maria Fernanda Preussler (UNISC) ferpre@ibest.com.br Jorge André Ribas Moraes (UNISC) jorge@unisc.br Marquion Vaz (UNISC) marquion@gmail.com Eduardo Luz

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES TEMA: POLÍTICAS PÚBLICAS E O ENSINO DAS ARTES: ENTRE A FORMAÇÃO E A AÇÃO EM ARTES VISUAIS,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 114 Pronunciamento no encerramento

Leia mais

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL Renata Fonseca Bezerra¹, Eliete Alves de Sousa¹, Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Francisco Cleiton da Rocha²

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram;

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram; Pesquisa da 13ª Semana Nacional de Museus Período de aplicação: 25 de maio a 30 de junho de 2015 Coordenação de Estudos Socioeconômicos e Sustentabilidade Ceses Departamento de Difusão, Fomento e Economia

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Restaurante-Escola

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Restaurante-Escola Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico Restaurante-Escola Recife, 2004 Preâmbulo O presente projeto visa definir as diretrizes que nortearão a celebração do Convênio de

Leia mais

alfabetizaçãocomoliberdade

alfabetizaçãocomoliberdade alfabetizaçãocomoliberdade 53 A DÉCADA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALFABETIZAÇÃO: EDUCAÇÃO PARA TODOS Plano de Ação Internacional; Implementação da Resolução nº 56/116, da Assembléia Geral.Relatório do Secretário-Geral

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

NOVAS OPORTUNIDADES Congressos. Seminários. CMSpeople.com

NOVAS OPORTUNIDADES Congressos. Seminários. CMSpeople.com NOVAS OPORTUNIDADES Congressos. Seminários. CMSpeople.com Bem-vindo à CMS 380 EVENTOS 4.500 ORADORES 20 PAÍSES +100.000 EXECUTIVOS 220.000 VISITAS EM NOSSAS PÁGINAS 140 MEIOS 55.000 SEGUIDORES VIA MÍDIAS

Leia mais

LISTA DE MATERIAL DE ARTE - 2012

LISTA DE MATERIAL DE ARTE - 2012 LISTA DE MATERIAL DE ARTE - 2012 ARTE - 6º ano 01 lápis 2B 01 Marcador para Porcelana Creative Marker na cor roxa. 01 Pote de 250 ml de tinta acrílica (cor vermelha ou amarela). 01 caixa de cola colorida

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC II CONGRESSO NACIONAL DO & XXII JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO O Direito em reforma: reflexões diante das mudanças sociais, políticas e jurídicas na sociedade brasileira São Luís/MA, 04 a 06 de novembro

Leia mais

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Procedimentos do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Procedimentos do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual de Procedimentos do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos Manual de Procedimentos do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos Brasília, agosto de 2001 2001.

Leia mais

Índice. Convites. Lembranças. Ramos de Noiva. Decoração e Outros. Formas de pagamento e Envio

Índice. Convites. Lembranças. Ramos de Noiva. Decoração e Outros. Formas de pagamento e Envio Fada dos Pontos A Fada dos Pontos é especialista na criação de produtos originais e únicos, efetuados com carinho e totalmente personalizados ao vosso gosto. Através da escolha da vossa cor preferida,

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS

QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS INTRANET BENEFÍCIOS QUALQUER MOMENTO E LUGAR PROTEJA SEUS DADOS Via Prática Intranet permite que você acesse todas as informações importantes a qualquer hora, não importa onde você está. Tudo que você

Leia mais

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá MiniLabEletroMag-RA Raryel C. Souza, Claudio Kirner DMC Depto. de Matemática e Computação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá e-mails: {raryel.costa, ckirner}@gmail.com 1 Visão geral Alguns conceitos

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

Índice 4. A AVALIAÇÃO CONTÍNUA DO NÚCLEO SETORIAL 29

Índice 4. A AVALIAÇÃO CONTÍNUA DO NÚCLEO SETORIAL 29 Índice 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 2. ELEMENTOS BÁSICOS DA MODERAÇÃO DE OFICINAS DE CONSULTORIA GRUPAL 4 2.1. A Participação 4 2.2. A Motivação 5 2.3. A Desmotivação 7 2.4. Sentimento de Grupo 8 3. METAPLAN

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL Sugestões Para o Teu Estudo Não há regras rígidas para um estudo efectivo e bem sucedido, pelo que cada pessoa deve desenvolver a sua própria abordagem ao mesmo. Contudo, no geral, o acto de estudar envolve

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade : reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo, Luis Borges Gouveia mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt ProjEstQ, CEREM Universidade Fernando Pessoa Universidade

Leia mais

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO

CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO CONCURSO PARA A REDE DE ESCOLAS ASSOCIADAS DA UNESCO AGRICULTURA FAMILIAR Comissão Nacional da UNESCO ; u r l: h t t p : / / w w w. u n e s c o p o r t u g a l. m n e. p t Concurso para a Rede de Escolas

Leia mais

Reunião com pais. Tema: Hábitos de estudo. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento

Reunião com pais. Tema: Hábitos de estudo. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento Tema: Hábitos de estudo 1. Objetivos da reunião 1.1. Aprofundar reflexões sobre a necessidade de se criarem hábitos de estudo. 1.2. Compreender que situações e posturas familiares simples tendem a ajudar

Leia mais

Requisitos para inscrição

Requisitos para inscrição COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 000271-2013-A INSTRUTOR DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL II ÁREA DE ATUAÇÃO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INFORMÁTICA BÁSICA CFP 1.44 SÃO BERNARDO DO CAMPO CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Preâmbulo O presente regulamento cumpre o estipulado nos artigos n.º 7.º, 7.º-A, 7.º-B e 13.º-A do Despacho n.º 11886-A/2012, de 6 de setembro (que altera o despacho n.º 18987/2009, de 17 de agosto, com

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL I E II / 2016-01 apontador para lápis (Jumbo) com depósito - 03 lápis Jumbo triangular grafite - 01 estojo simples com zíper - 01 tesoura escolar de boa qualidade (sem

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual de Aplicação

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual de Aplicação Manual de Aplicação Outubro de 2011 A Marca A identidade visual do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) foi construída sobre a ideia do homem, integrado e funcional. A marca deve ser

Leia mais

CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO. TEXTO: Quando a sociedade quer...

CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO. TEXTO: Quando a sociedade quer... CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO TEXTO: Quando a sociedade quer... Era uma vez um país muito grande e muito quente. Era um país de lastimáveis tradições educativas. Séculos se passaram antes que conseguisse

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

Palavra da Direção INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO

Palavra da Direção INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO MAIO D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO Palavra da Direção Todas as nossas homenagens àquelas que merecem o maior

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines

Escola Básica Vasco da Gama de Sines FICHA INFORMATIVA: PERÍMETRO DE UM POLÍGONO TEMA: PERÍMETROS E ÁREAS O perímetro de uma figura plana fechada é o comprimento da linha que limita a figura. É o comprimento da linha que limita o polígono

Leia mais

A boa educação é moeda de ouro, em toda parte tem valore

A boa educação é moeda de ouro, em toda parte tem valore CENTRO EDUCACIONAL SÃO JOSÉ Maternal (2 anos) Material Individual ( ) 2 cadernos grande de 48 folhas brochura ( ) 1 avental ( ) 1 pasta portfólio com 50 folhas ( ) 1 Vidro de Cola branca 90g ( ) 1 lápis

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.003, DE 2011 Cria a figura do Vigilante Ambiental Voluntário em caráter nacional. Autor: Deputado Guilherme Mussi Relator: Deputado

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 068 24/08/00 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL O treinamento

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 cm As medidas em cm são referentes à BORDA SUPERIOR da Folha. A configuração das margens da página deve ser a seguinte: superior e esquerda 3 cm; inferior e direita 2 cm. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Nacional de Assistência à Saúde/SNAS ABC DO SUS COMUNICAÇÃO VISUAL

Ministério da Saúde Secretaria Nacional de Assistência à Saúde/SNAS ABC DO SUS COMUNICAÇÃO VISUAL Ministério da Saúde Secretaria Nacional de Assistência à Saúde/SNAS ABC DO SUS COMUNICAÇÃO VISUAL Brasília 1991 1991. Ministério da Saúde Secretaria Nacional de Assistência à Saúde Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto de Intervenção

ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto de Intervenção Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Educação a Distância e Tecnologia Educacional Curso Serviço Social UNITINS ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto

Leia mais

REGULAMENTO DO III CONCURSO DE PRODUTOS, PROCESSOS E SERVIÇOS INOVADORES DO IF SUDESTE MG

REGULAMENTO DO III CONCURSO DE PRODUTOS, PROCESSOS E SERVIÇOS INOVADORES DO IF SUDESTE MG IF DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REITORIA NITTEC NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA Av. Francisco Bernardino, 165 6º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4161 / 4113 REGULAMENTO

Leia mais

BANCO VOTORANTIM S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

BANCO VOTORANTIM S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BANCO VOTORANTIM S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO O Banco Votorantim S.A. ( Votorantim ), em atendimento ao disposto na Instrução CVM n 505, de 27 de setembro de 2011 ( Instrução CVM nº. 505 ), da Comissão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

Relatório Mesa 7. I. Introdução

Relatório Mesa 7. I. Introdução OBJETIVO 7 Meta 9 Meta 10 Relatório Mesa 7 QUALIDADE DE VIDA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e reverter a perda de

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ. Plano do Projeto. Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região

PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ. Plano do Projeto. Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ Plano do Projeto CONDESC Página 1 I APRESENTAÇÃO O Projeto intitulado

Leia mais

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Introdução Em geral, não há uma solução única para um projeto de sistema de abastecimento de água Uma mesma opção pode admitir diferentes: variantes, formas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Elaboração: Bruno Márcio Agostini, M. Sc. São João del Rei - MG Julho de 2010 TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PRELIMINARES O presente

Leia mais

TIME, um desafio para alta performance

TIME, um desafio para alta performance TIME, um desafio para alta performance 1. Introdução O objetivo desse artigo é discutir um caminho para tornar os times de trabalho mais eficazes, mais produtivos, voltados a resultados significativos.

Leia mais

Mês Objetivos Atividades Local Recursos Colaboradores

Mês Objetivos Atividades Local Recursos Colaboradores Graça Jardim Proporcionar aos um ambiente acolhedor e amigo, integrando-os no centro de ; Receção aos e visualização de fotografias de anos anteriores. Cento Social e Cultural do Cabouco. Tela. Projetor

Leia mais

RELATO DAS ESTRATÉGIAS DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO EM CURSOS LATO SENSU À DISTÂNCIA

RELATO DAS ESTRATÉGIAS DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO EM CURSOS LATO SENSU À DISTÂNCIA RELATO DAS ESTRATÉGIAS DE ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO EM CURSOS LATO SENSU À DISTÂNCIA Curitiba Paraná - 05/2011 Silvia Teresa Sparano Reich UFPR tccmidias@gmail.com Sandramara Scandelari Kusano

Leia mais

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES 1. OBJETIVO MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES O objetivo deste manual é servir de referência para demonstrar o funcionamento operacional dos serviços da Orla DTVM, relativo à sua mesa de

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do senhor urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Em busca das cores. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Episódio explora de maneira

Leia mais

LIPOR. IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA

LIPOR. IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA LIPOR IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA A LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto é a entidade responsável

Leia mais

Aplicações da Matemática

Aplicações da Matemática Aplicações da Matemática DOCENTE: Prof. Doutor Ricardo Teixeira DISCENTES: Filipa Araújo Rui Ferreira Sónia Neto Dezembro de 2011 Introdução... 3 Actividades Jogo SUPERTMATIK Quiz Astronomia... 4 Como

Leia mais

Junho / 2011 Ano 10 nº 142

Junho / 2011 Ano 10 nº 142 REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO, DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO E DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO NÚCLEO DAS LICENCIATURAS CONVÊNIO PARFOR Junho / 2011 Ano 10 nº 142...1 FICHA

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O Presente Projeto Básico consiste na contratação de empresa para prestação de serviços de execução de uniformes, entre eles camisetas,

Leia mais