Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento"

Transcrição

1 CHAPTER 5 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento Introdução A avicultura moderna é caracterizada pela obtenção de máximo desempenho e rendimento da ave, sendo fundamental o processo de incubação artificial. O processo de incubação artificial tem por objetivo produzir pintainhos com qualidade e que esta produção possibilite atender a demanda do mercado consumidor. A responsabilidade de produzir pintainhos de qualidade estende-se muito além dos limites do incubatório, uma vez que os resultados obtidos pelo processo de incubação artificial são grandemente influenciados pelo tipo de matéria-prima, em questão o ovo incubável. Desta maneira, a granja de matrizes divide com o incubatório a responsabilidade de produção de pintainhos de qualidade, uma vez que a qualidade do pintainho está diretamente relacionada com a qualidade do ovo que será incubado. Os ovos produzidos por um lote de reprodutoras têm um custo agregado no momento da postura e é, portanto, simples economia assegurar que sejam da melhor qualidade e que os manejos com os ovos ao longo de todo o processo mantenham essa qualidade inalterada. Um ovo de qualidade apresenta como características: Provenientes de aves saudáveis; Ser livre de microorganismos; Boa espessura de casca; Forma ovoidal com câmara de ar íntegra; Ser fértil; Não apresentar deformidades; Não apresentar trincas. A sequência dos manejos com os ovos é de fundamental importância, determinando a qualidade dos pintainhos. Coletas, fumigações, armazenamento na granja, transporte para o incubatório, recebimento/fumigação na chegada

2 90 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino no incubatório, classificação e estocagem também determinam a manutenção da qualidade dos ovos a serem incubados. É preciso ter em mente que o ambiente onde o ovo é produzido exerce grande influência sobre sua qualidade. Neste contexto, é preciso que a granja possua condições adequadas de biosseguridade que evitem possíveis contaminações dos ovos. Adicionalmente, de nada adianta um ótimo manejo dos ovos na granja se esses cuidados não forem estendidos até o incubatório. A busca pela qualidade dos pintainhos produzidos deve ser entendida como um esforço conjunto, em que o não cumprimento de boas práticas de manejo dos ovos incubáveis implica em prejuízos que não atendem aos objetivos da atividade. Manejo dos ovos na granja Coleta de ovos Deve-se realizar a coleta e conjuntamente, uma pré-seleção desses ovos. No mínimo cinco coletas por dia (três pela manhã e duas pela tarde) devem ser realizadas. Atualmente, recomendações de sete a dez coletas diárias têm sido mais preconizadas por acreditar-se que quanto maior o número de coletas, melhor será a qualidade do ovo incubável. Os objetivos com esta prática são: reduzir o número de ovos trincados e quebrados; reduzir o número de ovos postos na cama e, portanto, reduzir a contaminação; reduzir o tempo de permanência dos ovos em ambiente contaminado. É necessário descartar os ovos que apresentem pouca chance de eclosão ou que impliquem na produção de pintainhos de baixa qualidade. Ovos muito grandes ou muito pequenos dificultam a incubação, ovos deformados, casca trincada, casca suja (sangue, fezes de galinha, fezes de mosca), casca anormal, alteração da coloração normal da casca, entre outros fatores podem implicar no descarte desses ovos para a incubação. A maior concentração de postura é no período da manhã. Desta maneira, as coletas de ovos devem ser concentradas no período das 6 às 12 horas, no mínimo 4 vezes por período. No período entre 13 a 17 horas, as coletas de ovos devem ser no mínimo 3 vezes por período. Ovos sujos normalmente são provenientes de cama, porém podem ser de ninho quando as fêmeas dormirem nos ninhos ou quando o intervalo entre coletas é muito grande. Ovos sujos geralmente têm taxas de nascimento 10% a 15% menores que as obtidas com ovos limpos. O ideal é não incubar ovos sujos. Os funcionários devem desinfetar as mãos antes de colher os ovos, principalmente se os ovos de cama forem recolhidos inicialmente.

3 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 91 Distribuição da postura durante o dia lote de 5000 fêmeas com 82% de produção ave/dia, total de 4100 ovos/dia. 6 às 8 horas 35% ovos 8 às 10 horas 25% ovos 10 às 12 horas 20% 820 ovos 13 às 15 horas 12% 492 ovos 15 às 17 horas 8% 328 ovos Fonte: FACTA (1994) Os ovos postos sobre a cama são contaminados e exigem cuidados especiais na coleta e higiene. Os ovos de cama devem ser coletados antes e separados dos ovos de ninho, sendo destinados à comercialização para panificadoras ou indústrias de alimento em geral. Porém, quando houver necessidade os ovos de cama podem ser destinados à incubação. Nesse caso, os ovos devem ser higienizados imediatamente após a coleta mas nunca devem ser limpos com palha de aço para evitar ranhuras e não facilitar a penetração de bactérias e fungos para o interior do ovo. Quando destinados a incubação, os ovos de cama devem ser incubados em máquinas de estágio único devido ao maior controle sanitário. A coleta, o armazenamento e a incubação dos ovos de cama devem ser sempre separados dos ovos de ninho, pois têm menor eclodibilidade e explodem mais nas incubadoras que os ovos de ninhos devido a maior contaminação verificada naqueles ovos. A higienização dos ovos deve ser feita imediatamente após a colheita, e devem ser limpos a seco pois a prática de lavar ovos sujos e de cama aumenta a contaminação. Os ovos sujos podem contaminar os demais e, por isso representam um risco para o incubatório, além de conferirem uma queda expressiva na eclosão. Eclosão dos ovos postos sobre a cama. Estocagem Eclosão Eclosão Padrão 1 4 dias 60% 78% 5 8 dias 54% 73% 6 13 dias 42% 69% Fonte: FACTA (1994)

4 92 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino Recomenda-se que os ovos durante a colheita sejam acondicionados em bandejas de plástico desinfetadas, pois são laváveis, de fácil desinfecção e possibilitam melhor circulação de gás durante a fumigação. Desinfecção dos ovos A superfície do s ovos em nenhum momento pode ser considerada um ambiente estéril. Apesar de ser produzido por reprodutora saudável, o ovo pode ser contaminado por fezes, material de ninho, mãos do tratador, água, bandejas, cama, piso e poeira. Ao passar pela cloaca, o ovo já sofre uma contaminação e quando em contato com o ninho e com o ambiente do galpão tem aumentada essa contaminação. Apesar das barreiras naturais do ovo, muitas bactérias passam para o seu interior devido ao diferencial de temperatura no resfriamento póspostura. Neste contexto, é muito importante reduzir esta carga microbiana, pois quanto menor for a contaminação, menor será a possibilidade de o embrião morrer devido à contaminação. Número médio de bactérias na casca de ovos classificados como limpos, ligeiramente sujos e sujos. Condição da casca Número de bactérias Baixo Médio Alto Limpa Ligeiramente suja Suja Fonte: Gentry & Quarlei, 1972 A contaminação inicial do ovo apresenta apenas algumas colônias de microorganismos, os quais multiplicam-se dez vezes em apenas 60 minutos (North, 1984). Efeito do tempo decorrido após a postura sobre o número de bactérias da casca. Idade dos ovos Número de bactérias na casca Antes da postura Após 15 minutos Após 1 hora Fonte: North, 1978

5 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 93 Ovos com boa qualidade de casca, com peso específico adequado podem ter penetração de bactérias em apenas 30 minutos. Mesmo os ovos que são livres de organismos patogênicos, podem ser contaminados com microorganismos que não são patogênicos mas que se desenvolvem durante o processo de incubação, produzindo gases que podem ocasionar o estouro dos ovos na máquina de incubação e a contaminação dos demais ovos. Desta maneira, recomenda-se que a primeira higienização seja realizada no momento da coleta, no máximo 30 minutos após a postura, tentando assim evitar que os microorganismos atravessem a casca e contaminem a clara e a gema. Ainda assim, ovos bem higienizados podem se recontaminar durante um curto armazenamento ou durante o transporte em apenas uma hora de viagem. Vários são os métodos disponíveis para a higienização do ovo, sendo que todos são eficazes quando adequadamente aplicados. Os mais utilizados são: Higienização seca: fumigação Higienização úmida: imersão, lavagem em água corrente, diferencial de pressão e pulverização; Higienização pelo calor. Após a coleta, recomenda-se que os ovos sejam submetidos a fumigação tríplice e pulverização úmida. Armazenamento do ovo na granja e transporte Após a coleta, é muito importante tentar preservar a qualidade dos ovos. O tempo de permanência dos ovos nos galpões de produção deve ser o menor possível, uma vez que maiores tempos de permanência representam maiores níveis de contaminação desses ovos. Os ovos devem ser transportados para o incubatório uma vez por dia. Quando necessário pode haver uma sala de armazenamento de ovos na granja produtora, porém o tempo de permanência desses ovos não deve ser superior a um dia. Para tanto, o ambiente onde os ovos são armazenados na granja deve ser limpo e desinfetado semanalmente, e dotado de termômetros, termostatos, higrômetros e termômetro de bulbo úmido. Outro cuidado a ser tomado com os ovos é quanto a altura de empilhamento das bandejas, não sendo recomendado pilhas com mais de oito bandejas uma vez que se verifica um aumento de ovos trincados nesses casos. A sala de armazenamento de ovos não deve conter outros produtos, principalmente produtos que apresentem fortes odores.

6 94 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino O transporte de ovos para o incubatório deve ser feito nos horários mais frescos do dia. Para o transporte dos ovos da granja para o incubatório, devese utilizar um furgão de transporte dos ovos o qual precisa ser diariamente higienizado e fumigado pelo menos duas vezes por semana, assim como as caixas e bandejas nas quais os ovos serão transportados também devem sempre ser mantidas limpas. No caso de ovos que serão transportados por longas distâncias, deve-se utilizar um furgão climatizado com temperatura entre 20 o a 22 o C e umidade entre 70% e 75%, com condições igualmente adequadas de higienização e desinfecção. Cuidados especiais com o transporte devem ser tomados para evitar perdas devido a quebra dos ovos transportados. Para tanto, é preciso instruir o motorista sobre os cuidados com a carga a ser transportada e os devidos cuidados com o veículo de transporte, que garantam seu adequado funcionamento. Uma segunda pulverização pode ser feita antes do envio dos ovos para o incubatório, no momento da seleção na granja. A terceira desinfecção deve ser feita com a chegada dos ovos no incubatório. Uma quarta desinfecção dos ovos pode ser feita quando são retirados da câmara fria (estocagem) e enviados para a sala de préaquecimento (fumigação ou pulverização). Manejo dos ovos no incubatório Sala de ovos As principais atividades desenvolvidas na sala de ovos estão relacionadas com o recebimento, classificação e armazenamento até o momento de incubação dos ovos. Recebimento dos ovos O período ideal para o recebimento dos ovos é aquele em que os funcionários possam executar adequadamente os procedimentos de fumigação, objetivando minimizar problemas como morte embrionária causada por temperatura, concentração de fumigantes ou tempo de exposição inadequados. A terceira desinfecção é feita logo após a chegada dos ovos no incubatório. Essa desinfecção pode ser por fumigação (simples, dupla ou triplíce) ou pulverização.

7 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 95 No caso em que os ovos serão armazenados no incubatório, é preciso ter atenção redobrada com o procedimento de fumigação, pois a ocorrência de condensações na casca implicará em aumento da ação do agente higienizante nos pontos onde ocorreu a condensação, ocasionando um aumento na mortalidade embrionária. Para que a fumigação realizada no incubatório seja eficiente é preciso que três fatores fundamentais sejam obtidos simultâneamente: a temperatura seja mantida ao redor de 25 o a 30 o C, a umidade relativa entre 55% e 70%, e o tempo de exposição ao agente fumigante entre 10 e 20 minutos. A concentração do formol não deve ser superior à concentração na dose tríplice, e só deve ser administrada nos casos de ovos que não foram fumigados nas granjas. No caso de ovos previamente fumigados, a fumigação simples mostra-se eficiente. Agentes fumigantes e dosagens por m3 utilizadas nos diferentes tipos de fumigação Fumigação Formol líquido Permanganato de K Paraformaldeído Simples 14 ml 7g 2g Dupla 28 ml 14g 4g Tríplice 42 ml 21g 6g Fonte: Muraroli & Mendes (1994) Após a fumigação, os ovos deverão ser condicionados na sala de ovos, onde serão separados por lote de matrizes e data de produção. Em seguida, os ovos serão submetidos a classificação Classificação dos ovos Objetiva-se com esta prática selecionar os ovos que sejam mais adequados para serem incubados, buscando com isso manter a uniformidade dos lotes, garantindo maior eficiência do manejo e qualidade do produto final. A classificação dos ovos varia de acordo com os interesses da empresa, como número de pintainhos a serem fornecidos por dia, número de granjas a serem atendidas, entre outros fatores. Porém, os critérios básicos para proceder a classificação dos ovos são: faixa de peso dos ovos, qualidade da casca, limpeza, idade das matrizes e armazenamento. A qualidade dos ovos para incubação refere-se à condição externa da casca (limpeza, integridade e forma), o peso do ovo, a idade do lote e as suas condições internas (câmara de ar, mancha de sangue, etc).

8 96 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino Padrão de aproveitamento médio de ovos de lotes de matrizes com 26 a 65 semanas de idade. Total de ovos incubáveis 94,5% Total de ovos trincados 1,5% Total de ovos inutilizados 0,5% Total Extra + Grande + Pequeno 2,5% Total Tortos + Casca Fina + Enrugados 0,5% Total Sujos + Dormidos 0,5% Fonte: Patrício (1994) a. Faixa de peso de ovo O peso dos ovos influencia a percentagem de eclosão. A definição das faixas de peso é muito importante durante a classificação dos ovos, uma vez que ovos de diferentes tamanhos não se encaixam corretamente em uma mesma bandeja de incubação. Somado a isto, ovos de diferentes tamanhos e pesos originam pintainhos de pesos diferentes, implicando em desuniformidade do lote. As faixas de peso são determinadas pelo incubatório ou de acordo com condições de vendas. Mercado de atuação Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Vendas 50 a 56g 57 a 66g 67g acima Integração 48 a 54g 55 a 62g 63g acima Fonte: Muraroli & Mendes (1994) Ovos extremamente grandes ou pequenos não devem ser incubados. Ovos muito grandes são geralmente de duas gemas e aparecem em maior quantidade durante o período inicial de postura, assim como os muito pequenos. Com relação ao peso do ovo, é preciso considerar três fatores:

9 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 97 Existe uma correlação positiva entre o peso do ovo e o peso do pinto ao nascer. O peso ideal do ovo para incubar é de aproximadamente 60 g, sendo que 65 a 70% será o peso do pinto. Geralmente admite-se como mínimo o peso de 50 g e não se limita o máximo, com exceção aos ovos de 2 gemas. Ovos pequenos têm um período de incubação menor que os grandes, portanto devem ser incubados separados daqueles. O ideal é incubar por faixa de peso: 52 a 60 g; 60 a 70 g; e 70 g para cima. A percentagem de perda de umidade de ovos pequenos é maior que de ovos grandes. Por isso, os ovos pequenos têm que ser incubados com uma umidade maior que os ovos grandes. Efeito do peso dos ovos sobre a percentagem de eclosão. Peso de ovos (g) e % de eclosão ovo ,o -2,0-1,0-0,5 100% -0,5-1,0-2,o -3,0-4,0-6,0 Fonte: Muraroli & Mendes (1994) b. Idade das ves O peso do ovo varia com a idade da reprodutora e a linhagem. Ovos de mesmo peso produzidos por aves mais velhas apresentam maior eclodibilidade e melhor qualidade do pintainho. A incubação de ovos provenientes de matrizes de diferentes idades em máquinas distintas é uma importante ferramenta que possibilita o controle da temperatura e umidade das máquinas, assim como os horários de carregamento, possibilitando a melhoria da qualidade dos pintainhos ao nascimento. A seleção dos ovos pode ser feita na granja ou no incubatório (sala de ovos). A classificação requer o acompanhamento de um funcionário especialmente treinado, tanto na máquina quanto na classificação manual. Este processo deve ser realizado uma única vez, porque cada vez que são manuseados mais ovos serão trincados. As trincas podem variar de 0,5 a 2,0%, dependendo da habilidade da equipe selecionadora ou da regulagem da máquina classificadora.

10 98 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino c. Integridade e forma da casca Ovos trincados, com casca deformada, super-calcificados, casca mole, casca enrugada, achatados nos pólos, não devem ser incubados. Todos esses fatores prejudicam a eclodibilidade. Tipo Fertilidade % S/Ovos Férteis Eclosão S/Ovos Incub. Normais 82,3 87,2 71,7 Trincados 74,6 53,2 39,7 Deformados 69,1 48,9 33,8 Casca Ruim 72,5 47,3 34,3 Sem Câmara de Ar 72,3 32,4 23,4 Câmara de Ar Desclocada 91,1 68,1 53,2 Mancha de Sangue 78,7 71,5 56,3 Fonte: North (1978) Armazenamento dos ovos O armazenamento dos ovos férteis é uma prática muitas vezes necessárias na incubação comercial. Na maioria das vezes, o objetivo é evitar a mistura de ovos de diferentes lotes e idades. Porém, esta prática pode implicar em alterações na eclodibilidade dos ovos, necessitando de atenção aos fatores relacionados com a prática, como temperatura e umidade da sala de armazenamento, além do tempo de armazenamento. Temperatura Os ovos devem ser armazenados em temperaturas abaixo do zero fisiológico (23,9 o C) para evitar o desenvolvimento do embrião fora da incubadora. Normalmente, é utilizada a temperatura entre 18 e 21 o C consideradas ideais para o armazenamento dos ovos. O resfriamento dos ovos deve ser lento, sendo realizado num período entre 6 a 8 horas. Umidade A umidade relativa deve ser mantida entre 70% e 85%, para evitar a desidratação do embrião e a condensação de gotículas de condensação na superfície dos ovos.

11 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 99 Tempo O tempo máximo de armazenamento é de 4 dias, principalmente para o armazenamento de ovos provenientes de matrizes com mais de 48 semanas de idade. Ovos de matrizes com menos de 48 semanas de idade possibilitam um tempo de armazenamento de até 7 dias sem prejuízos na eclosão. A partir daí a eclodibilidade cai na proporção de um ponto percentual por dia a mais de armazenamento. Os ovos postos pela manhã devem ser armazenados à tarde e, os postos à tarde devem ser armazenados à noite. Condições ideais de armazenamento de ovos férteis Condições Período de armazenamento Até 4 dias 4 a 8 dias 8 a 14 dias > 14 dias Temperatura ( o C) 19 a a a a 14 Umidade (%) Viragem Não Sim Sim Sim Ponta fina p/cima Não Não Sim Sim Cobertura Não Sim Sim Sim Empacotamento Não Não Sim Sim Fonte: Decuypere & Michels, 1992 Preparação da carga de ovos Após as etapas de classificação e armazenamento dos ovos, realiza-se a preparação da carga de ovos para incubação. Esta preparação deve considerar a data de produção e o tempo de armazenamento dos ovos, assim como idade das matrizes e as linhagens, pois são fatores que também afetam a eclosão uma vez que necessitam de condições diferentes de incubação (temperatura, umidade e horas de incubação). Recomenda-se incubar ovos de diferentes lotes em máquinas diferentes e, quando possível, em dias diferentes. Datas de produção Incubar sempre os ovos com as datas de produção mais velhas. Para não haver erros é preciso identificar todas as bandejas de ovos classificados com a data de postura, e essa identificação deve ser feita ainda na granja.

12 100 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino Idade das matrizes Manter sequência das idades dos lotes, incubando sempre que possível os ovos de um mesmo lote nas mesmas incubadoras, facilitando dessa forma possíveis regulagens de temperatura e umidade de acordo com os lotes. O número de pintainhos que será fornecido para um determinado cliente e o horário de saída desses pintainhos são importantes fatores a serem considerados na preparação da carga de ovos para incubação. Pré-aquecimento dos ovos Os ovos devem ser acondicionados em bandejas especiais para serem colocadas nas máquinas incubadoras. Se o aquecimento for feito na incubadora, uma carga de ovos armazenados a 18 o C determina uma queda de temperatura da máquina, podendo levar a um atraso da eclosão. Para evitar o problema, deve-se aquecer os ovos lentamente por 8 a 12 horas na sala de pré-aquecimento. O pré-aquecimento pode ser uma boa prática para ovos estocados em temperaturas abaixo de 20 o C mas, precisa ser feita com condições de temperatura, umidade e ventiliação adequadas para evitar a consensação dos ovos e provocar mortalidades embrionárias e contaminações dos ovos acima dos padrões desejados. Muitos incubatórios fazem o pré-aquecimento na frente das incubadoras e os resultados são aceitáveis quando a sala tem uma boa circulação de ar e a temperatura da sala se mantém entre 24 o e 28 o C com umidade relativa em torno de 60%. O tempo ideal de pré-aquecimento é de aproximadamente 8 horas e a temperatura a ser atingida deve ser a metade da diferença entre a temperatura da sala de armazenamento (câmara fria) e a temperatura de incubação somada à temepratura da sala de armazenamento, porém a temperatura interna dos ovos no momento da incubação deve encontrar-se no intervalo entre 26 o a 28 o C. Sala de incubação Os ovos permanecem nessa sala por aproximadamente 19 dias. O período de incubação é dividido em duas fases distintas: fase de incubação que corresponde as primeiras 450 horas, sujeita a variações; e fase de nascimento, correspondente as últimas 54 horas, também podendo variar.

13 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 101 Incubação dos ovos Os ovos são transferidos para a sala de incubadoras após a preparação da carga e o pré-aquecimento. O tempo previsto para o nascimento dos pintainhos, que consiste no período de incubação mais o tempo nos nascedouros varia de 496 a 510 horas, sendo esta variação devido a época do ano, estoque dos ovos, sistema de ventilação, isolamento térmico das salas e máquinas incubadoras e nascedouros, regulagem da entrada e saída de ar das incubadoras. No transporte dos ovos para o interior das incubadoras deve-se evitar choques mecânicos com estruturas do incubatório, objetivando assim garantir a integridade física dos ovos a serem incubados. O horário ideal de incubação deve ser determinado em função da idade da matriz, tempo de estocagem dos ovos, horário previsto para o início dos trabalhos e retirada dos pintainhos. Outra variável a ser considerada é a época do ano, pois as diferenças entre temperaturas de verão e inverno associadas ao inadequado manejo da temperatura no incubatório podem ocasionar quedas na percentagem de eclosão e na qualidade dos pintainhos. O horário de retirada dos pintainhos é fator importante para a definição da hora correta de incubação pois, pode haver pintainhos prontos para a retirada antes do previsto implicando em possíveis desidratações desses pintainhos ou, em situação contrária, os pintainhos atrasarem, pode haver pintos com umbigo mal cicratizado e consequentemente contaminação, como também pode acontecer um aumento no número de ovos bicados e não nascidos. A temperatura ideal da sala de incubação é de 24 o C, podendo variar 3o para mais ou para menos. Temperaturas fora da faixa aceitável podem implicar em atrasos ou adiantamentos nos nascimentos, uma vez que a temperatura da sala de incubação influencia na temperatura das incubadoras, que deve ser de 37,3 o C a 37,5 o C. Recomenda-se 60% a umidade relativa do ar no interior das incubadoras como sendo a umidade ideal, cuidando para que a umidade relativa não fique inferior a 50% nas incubadoras, o que implicaria em aumento no tempo de incubação e atraso no nascimento. A renovação do ar das salas de incubação devem suprir as necessidades de renovação de ar das incubadoras e do ambiente. A renovação de ar na incubadora deve ser calculada baseada na composição do ar seco e nas trocas gasosas do embrião durante a incubação.

14 102 Wagner Azis Garcia de Araújo & Luis Fernando Teixeira Albino Efeitos dos níveis de oxigênio e CO2 O dióxido de carbono é um produto do metabolismo da incubação, e a tolerância do embrião é de 0,25% a 0,5% no interior da incubadora. Concentrações superiores a 2% reduzem drasticamente a eclodibilidade. A falta de oxigenação adequada pode determinar mortalidade embrionária entre 13 e 14 dias e 19 e 21 dias. Entre 19 e 21 dias observa-se que o estímulo para bicar a casca se dá por falta de O2 e excesso de CO2 na câmara de ar dos ovos. Ambiente com excesso de CO2 pode determinar a morte do embrião nessa fase. Posição dos ovos na incubadora O ovo deve ser colocado na bandeja com a ponta fina voltada para baixo, ou seja, com a câmara de ar voltada para cima. Caso contrário, o pintainho se desenvolverá com a cabeça virada para a ponta fina que não tem câmara de ar. Nesse caso, a mortalidade pode ser superior a 10% e a refugagem superior a 40%. Viragem dos ovos O sistema de viragem dos ovos é fundamental durante o processo de incubação, sendo que o ângulo de viragem ideal é de 90 o que é dividido e realizado a cada uma hora. O objetivo dessa prática é impedir a aderência do embrião na membrana da casca. A galinha vira os ovos várias vezes ao dia (1 vez a cada 15 minutos). Na incubadora a viragem é realizada até o 18o dia em um ângulo de 45 o a cada hora. Não deve ser um movimento circular porque a mambrana cório-alantóide se rompe e o embrião morre. Transferência dos ovos para a câmara de eclosão A transferência deve ser realizada entre 444 a 448 horas de incubação, ou seja, 18,5 dias após terem sido colocados nas incubadoras. A transferência deve ser rápida para evitar queda de temperatura dos ovos. Cada bandeja de incubação deve ser convertida em uma bandeja de eclosão. No momento da transferência devem ser evitadas as correntes de ar, procedendo o desligamento dos ventiladores da sala de incubação durante a transferência. Desinfecção Os ovos que tenham 24 a 96 horas de incubação não deverão ser submetidos a fumigações pois tal prática pode determinar mortalidade

15 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento 103 embrionária. Entretanto, pode ser feita uma fumigação simples na carga da incubadora e na transferência dos ovos. Além disso, recomenda-se o processo contínuo de desinfecção na câmara de eclosão (nascedouros), utilizando-se travesseiros embebidos em formol ou bandejas com solução de formol colocadas no nascedouro antes da retirada dos pintainhos. Objetiva-se com esta prática a redução de possível contaminação dos pintainhos no nascedouro, e a cicatrização dos seus umbigos, sendo que este procedimento implica ainda na pré-queima da penugem que apresentará então cor amarelada. Conclusão O manejo e os cuidados com os ovos incubáveis têm início na granja das matrizes reprodutoras, sendo que o término dessas práticas de manejo só ocorrerá no incubatório, com o nascimento dos pintainhos. O entendimento e visualização da importância de cada etapa, assim como a associação entre os cuidados de responsabilidade da granja com os cuidados de responsabilidade do incubatório, são as únicas garantias de que a busca por produtividade e melhorias da eficiência podem ser alcançadas.

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

Desinfeção dos ovos incubáveis

Desinfeção dos ovos incubáveis CHAPTER 9 Desinfeção dos ovos incubáveis Introdução Ao longo dos anos, várias práticas relacionadas ao manejo das aves produtoras de ovos férteis têm sido implantadas visando à melhoria do processo produtivo.

Leia mais

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 APRESENTAÇÃO Ao mesmo tempo em que expressamos nossos agradecimentos pela aquisição desse produto fabricado com tanto orgulho, lembramos também que não basta

Leia mais

FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DOS PINTOS DE UM DIA, DESDE A INCUBAÇÃO ATÉ RECEBIMENTO NA GRANJA.

FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DOS PINTOS DE UM DIA, DESDE A INCUBAÇÃO ATÉ RECEBIMENTO NA GRANJA. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE DOS PINTOS DE UM DIA, DESDE A INCUBAÇÃO ATÉ RECEBIMENTO

Leia mais

Incubadoras de estágio único e múltiplo

Incubadoras de estágio único e múltiplo CHAPTER 4 Incubadoras de estágio único e múltiplo Introdução A uniformidade de pintinho de um dia no alojamento é essencial e vem se tornando cada vez mais evidente que a vitalidade e a uniformidade. O

Leia mais

Guia de Manejo de Incubação. incubação. cobb-vantress.com

Guia de Manejo de Incubação. incubação. cobb-vantress.com Guia de Manejo de Incubação incubação cobb-vantress.com Introdução Nos últimos anos, várias foram as modificações ocorridas nos incubatórios, como: introdução do monitoramento por computador, controle

Leia mais

We engineer your success. All over the world. Informações Gerais. Automação de Incubatórios

We engineer your success. All over the world. Informações Gerais. Automação de Incubatórios We engineer your success. All over the world. Informações Gerais Automação de Incubatórios A Viscon Automação de Incubatórios proporciona: Projeto de incubatório altamente eficiente Redução de custos de

Leia mais

BioStreamer HD. Incubadoras de estágio único de alta densidade projetadas para elevada capacidade H D

BioStreamer HD. Incubadoras de estágio único de alta densidade projetadas para elevada capacidade H D BioStreamer HD Incubadoras de estágio único de alta densidade projetadas para elevada capacidade H D 1 2 O conceito HD No catálogo da linha S, você pode observar como essa moderna gama de incubadoras de

Leia mais

Medir a Perda de Água do Ovo?

Medir a Perda de Água do Ovo? Incubação IntroduÇÃO A Aviagen fornece aos clientes uma ampla série de informativos técnicos em vários formatos, como artigos, objetivos de desempenho e especificações do produto, manuais de manejo e especificações

Leia mais

ANTES DE LIGAR O SEU EQUIPAMENTO, FAVOR LER O MANUAL ATENTAMENTE, PARA MELHOR APROVEITAMENTO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

ANTES DE LIGAR O SEU EQUIPAMENTO, FAVOR LER O MANUAL ATENTAMENTE, PARA MELHOR APROVEITAMENTO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO Página 1 de 10 MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO GC 220TU (110-220V E BATERIA) COM CONTROLE DE UMIDADE NÃO POSSUI CARREGADOR DE BATERIA A 1ª. CHOCADEIRA A BATERIA DO MERCADO. APRESENTAÇÃO Ao mesmo tempo em que

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango 1 de 6 20/7/2009 14:35 Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc Pesquisadora Sistema de Produção de Aves - Embrapa Suínos e Aves O manejo inicial dos frangos

Leia mais

Bi Aves Chocadeira B30A CHOCADEIRA B30A. Manual de Instruções. Página 1

Bi Aves Chocadeira B30A CHOCADEIRA B30A. Manual de Instruções. Página 1 CHOCADEIRA B30A Manual de Instruções Página 1 Parabéns por ter adquirido a chocadeira B30A. Bi Aves A B30A passou por inúmeros testes até a sua comercialização, permitindo assim que o seu custo seja acessível

Leia mais

INCUBAÇÃO. Investigação das Práticas de Incubação. Setembro/2010. ROSS TECH Como Investigar as Práticas de Incubação

INCUBAÇÃO. Investigação das Práticas de Incubação. Setembro/2010. ROSS TECH Como Investigar as Práticas de Incubação INCUBAÇÃO ROSS TECH Como Investigar as Práticas de Incubação Setembro/2010 Investigação das Práticas de Incubação Avaliando Sobre o Autor a Fertilidade A Aviagen proporciona a seus clientes Especificações

Leia mais

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Dezembro / 2011 Otimizando a Taxa de Conversão Alimentar do Frango de Corte Este artigo foi elaborado especificamente para produtores de aves

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

Bi Aves Chocadeira B30 CHOCADEIRA B30D. Manual de Instruções. Página 1

Bi Aves Chocadeira B30 CHOCADEIRA B30D. Manual de Instruções. Página 1 CHOCADEIRA B30D Manual de Instruções Página 1 Parabéns por ter adquirido a chocadeira B30D. A B30D passou por inúmeros testes até a sua comercialização, permitindo assim que o seu custo seja acessível

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

Biosseguridade na produção de matrizes pesadas

Biosseguridade na produção de matrizes pesadas CHAPTER 1 Biosseguridade na produção de matrizes pesadas Introdução Biosseguridade é hoje algo primordial para a sobrevivência de todos os tipos de explorações comerciais de aves domésticas. O enorme crescimento

Leia mais

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS INTRODUÇÃO Galinhas poedeiras ou de postura são aquelas destinadas à produção de ovos, sendo este considerado de alto valor nutricional, podendo a sua qualidade ser influenciada

Leia mais

Desenvolvimento ótimo de frangos de corte. Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte

Desenvolvimento ótimo de frangos de corte. Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte Desenvolvimento ótimo de frangos de corte Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte Índice Introdução Objetivos 4. Indicadores finais de desempenho 4.1. Mortalidade/pesos

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Manual de Manejo MATRIZES. Seção 2. Uma marca Aviagen

Manual de Manejo MATRIZES. Seção 2. Uma marca Aviagen MATRIZES Seção 2 Manual de Manejo Uma marca Aviagen Prefácio Sobre este Manual Este manual tem por finalidade ajudar os clientes da Aviagen a otimizar a performance de suas matrizes. Não de destina a dar

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE M. K. Eckman Departamento de Ciência Avícola Universidade de Auburn Auburn, AL 36849 5416 Prioridades Influência da Temperatura na Produção de

Leia mais

Incubatórios chave na mão. Soluções completas para o máximo retorno econômico

Incubatórios chave na mão. Soluções completas para o máximo retorno econômico Incubatórios chave na mão Soluções completas para o máximo retorno econômico 1 Incubatórios chave na mão Como maximizar o retorno do investimento no incubatório / 4 Maximizar a produtividade, minimizar

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Biosseguridade nos incubatórios

Biosseguridade nos incubatórios 1. Introdução CHAPTER 2 Biosseguridade nos incubatórios O trabalho no incubatório envolve um grande número de seres vivos (ovos embrionados e pintos) em um espaço reduzido caracterizando uma alta densidade

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) Código Sanitário para Animais Terrestres 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 Versão não oficial (OIE) BIOSEGURANÇA EM ESTABELECIMENTOS APÊNDICE 3.4.1. Procedimentos de

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Avicultura de postura Karime Cruz França Instituto de Tecnologia do Paraná Setembro 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 SISTEMAS DE PRODUÇÃO...4 2.1 Pinteiro...4 2.2

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition Mai/2010 Cama de Aviário Cama de Aviário Introdução O objetivo do uso da cama de aviário é evitar o contato direto da ave com o piso, servir de substrato para a absorção da água, incorporação das fezes

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

MANUAL DE USO E INSTRUÇÕES

MANUAL DE USO E INSTRUÇÕES Página 1 de 20 MANUAL DE USO E INSTRUÇÕES Índice Apresentação...02 Configurações e cuidados...03 Montagem e desmontagem das grades...04 Chocadeiras Bivolt e PID...05 Chocadeiras com Umidostato...06 Chocadeiras

Leia mais

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO INFORMAÇÕES SOBRE AVESTRUZES CRIAÇÃO DE RATITAS: - EMA Vivem na América do Sul e são menores.

Leia mais

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação 10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação DEFEITO ASPECTO CAUSA PROCEDIMENTO a) massa dura a) ajustar a consistência da massa b) pouco descanso b) aumentar o tempo de descanso c) massa encascada

Leia mais

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS TA - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. o SEMESTRE 0 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS PED C: Débora Parra Baptista Apoio: Elisabete Dias INTRODUÇÃO:

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Sebastião Florêncio Pereira Neto CRMV-SP 20766 Itabom - SP Pontos Primordiais para a Produção de Frangos

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PIPOQUEIRA CADENCE POP201

MANUAL DO USUÁRIO PIPOQUEIRA CADENCE POP201 MANUAL DO USUÁRIO PIPOQUEIRA CADENCE POP201 Obrigado por adquirir a Pipoqueira Cadence POP201, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções,

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Processamento de bacalhau salgado seco

Processamento de bacalhau salgado seco Outubro 2007 LEAL Processamento Geral de Alimentos Processamento de bacalhau salgado seco Trabalho elaborado por: João Vaz n.º 20503003 Bruno Lopes n.º 20503026 Joana Sousa n.º 20603070 Introdução Quando

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a:

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a: ANEXO NORMAS TÉCNICAS PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS, PRODUTORES DE OVOS E AVES LIVRES DE PATÓGENOS ESPECIFICOS (SPF) E DE OVOS CONTROLADOS E DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PESO DO OVO SOBRE A ECLODIBILIDADE E O PESO DO PINTO AO NASCIMENTO

INFLUÊNCIA DO PESO DO OVO SOBRE A ECLODIBILIDADE E O PESO DO PINTO AO NASCIMENTO INFLUÊNCIA DO PESO DO OVO SOBRE A ECLODIBILIDADE E O PESO DO PINTO AO NASCIMENTO Jucilene Silva do Nascimento 1, Bruna Silva Belo 2, Henrique Jorge de Freitas 3, Marcelo Bastos Cordeiro 3, Fábio Augusto

Leia mais

MODELOS DE AQUECIMENTO

MODELOS DE AQUECIMENTO MODELOS DE AQUECIMENTO Paulo Giovanni de Abreu D.Sc. - Área de Construções Rurais e Ambiência Embrapa Suínos e Aves Introdução Nos primeiros dias de vida, o sistema termorregulador das aves ainda não está

Leia mais

Entenda como é produzida uma vacina Vacina de influenza, Instituto Butantan

Entenda como é produzida uma vacina Vacina de influenza, Instituto Butantan Entenda como é produzida uma vacina Vacina de influenza, Instituto Butantan Imagens apresentadas pela Dra. Cosue Miyaki, pesquisadora do Instituto Butantan, em Simpósio sobre Produção de Vacinas realizado

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

Criação de galinha caipira

Criação de galinha caipira Criação de galinha caipira CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA 1 Introdução A criação de galinhas caipiras sempre foi para os pequenos produtores uma importante fonte de produção de alimentos proteicos (carne e

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL BEM-ESTAR ESTAR NA PRODUÇÃO DE AVES DE POSTURA PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL 1930-1960 Período comercial Piracicaba/SP Setembro de 2012 Dra. Aérica Cirqueira Nazareno Pesquisadora - NUPEA A criação de aves

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DE RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS Rev 02 1/5 1. Objetivo Este manual tem por objetivo orientar os usuários / clientes quanto aos itens a serem

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

vacina? se produz uma

vacina? se produz uma Como vacina? se produz uma A tecnologia Este é o Instituto Butantan, o maior produtor de vacinas e soros da América Latina e cujo maior cliente atualmente é o Ministério da Saúde. Já a tecnologia original

Leia mais

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE Resolução 9/2003 da ANVISA: tudo que o profissional de Segurança do Trabalho precisa

Leia mais

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. Motivação Relatos

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

PERDAS DE ECLOSÃO COM A ESTOCAGEM DE OVOS DE GALINHA NO INCUBATÓRIO.

PERDAS DE ECLOSÃO COM A ESTOCAGEM DE OVOS DE GALINHA NO INCUBATÓRIO. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE Rogério Carlos Sturm Vanderlei de Lima PERDAS DE ECLOSÃO COM A ESTOCAGEM DE OVOS DE GALINHA NO INCUBATÓRIO. Castro 2008 Rogério

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4 MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidades para Dutos de Ar-condicionados Linha DX Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados centrais - Linha DX Índice Modo de Usar Paginas

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL. Manual de Instruções

TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL. Manual de Instruções TERMO HIGRÔMETRO CONFORT CONTROL MODELO 30.5011 Manual de Instruções Termo-higrômetro Confort Control Funções: Temperatura Interna Umidade relativa do ambiente Valores máximos e mínimos Ponto de orvalho

Leia mais

Definições. O que é um INCUBATÓRIO. Custo de produção. Controle sobre a prole. Manejo intensivo para domesticação. o Justificativa de instalação

Definições. O que é um INCUBATÓRIO. Custo de produção. Controle sobre a prole. Manejo intensivo para domesticação. o Justificativa de instalação Definições O que é um INCUBATÓRIO o Justificativa de instalação Custo de produção Controle sobre a prole Manejo intensivo para domesticação Manejo de Incubatório Equipamentos necessários o Incubadora Tamanho

Leia mais

MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França

MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França MANEJO DE FRANGOS DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França Produção frango de corte (dinâmica) (45g) 42 dias (1080 horas) (2,600 kg) - ganhando 60,8 g/dia 2,53g/hora Simultâneo Aves na mesma idade Planejamento

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Manual de Colagem Silicone Glazing

Manual de Colagem Silicone Glazing Sumário Sumário... 2 1. Introdução... 3 2. Tipos de Selante Estrutural... 3 2.1. Selante estrutural monocomponente... 3 2.2. Selante estrutural bi componente... 3 3. Antes de Começar a Colar... 4 4. Procedimento

Leia mais

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura 1 MANEJO DA CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA A criação do bicho-da-seda é dividida em duas fases: a jovem e a adulta. A fase jovem do bicho-da-seda compreende o 1 o e o 2 o estádio larval. Nessa, as lagartas são

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio Proteção do meio ambiente O gás é um hidrocarboneto, formado no interior da Terra há milhões de anos. Ele é o produto da decomposição de animais

Leia mais

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA INTRODUÇÃO À DIETÉTICA A Dietética é a disciplina que estuda as operações a que são submetidos os alimentos após a cuidadosa seleção e as modificações que os mesmos sofrem durante os processos culinários.

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 R CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA 1. APRESENTAÇÃO 5. Levante lentamente a ponta da mangueira

Leia mais

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Pedro Miranda Soares Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Tal como todos os equipamentos mecânicos, o Ar Condicionado necessita da sua manutenção

Leia mais

Manual do Proprietário SELAMAX MP300

Manual do Proprietário SELAMAX MP300 Manual do Proprietário SELAMAX Seladora 1 2 3 4 5 Fig. A Fig. B 9 6 7 8 10 11 12 Fig. C Fig. D Fig. E Fig. F 2 PARABÉNS! Você acaba de adquirir um equipamento dentro da mais alta tecnologia disponível

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Iogurteira Naturalle IOG100

MANUAL DO USUÁRIO. Iogurteira Naturalle IOG100 MANUAL DO USUÁRIO Iogurteira Naturalle IOG100 Obrigado por adquirir a Iogurteira Naturalle, modelo IOG100, um produto de qualidade, seguro, eficiente e desenvolvido com a mais alta tecnologia. É muito

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais