Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho"

Transcrição

1 Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC

2 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de Acidente/Doença Ocupacional?

3 Doença Ocupacional Nexo Técnico Profissional ou do Trabalho Nexo Técnico equiparado a acidente do trabalho ou Nexo Técnico Individual NTEP

4 Doença Ocupacional Nexo Técnico Profissional ou do Trabalho Agente X Doença Lista A e B Anexo II Decreto Doença X Agente

5 DEMÊNCIA F02.8 Síndrome, geralmente crônica e progressiva Patologia encefálica, de caráter adquirido

6 DEMÊNCIA Etiologia: Epilepsia, Alcoolismo, Hipotireoidismo adquirido, LES, Tripanosomíase, Intoxicações, AIDS, Doença de Parkinson, Doenças vasculares cerebrais isquêmicas e Contusões cerebrais repetidas, como as sofridas pelos boxeadores.

7 DEMÊNCIA substâncias asfixiantes: monóxido de carbono (CO), sulfeto de hidrogênio (H²S); sulfeto de carbono; metais pesados (manganês, mercúrio, chumbo e arsênio); derivados organometálicos (chumbo tetraetila e organoestanhosos).

8 DELIRIUM F05.0 Síndrome caracterizada por rebaixamento do nível de consciência Pode ocorrer no curso de uma demência Distúrbio da orientação (no tempo e no espaço) Atenção (hipovigilância e hipotenacidade) Associada ao comprometimento global das funções cognitivas

9 DELIRIUM substâncias asfixiantes: monóxido de carbono (CO), dissulfeto de hidrogênio (H2S); sulfeto de carbono; metais pesados (manganês, mercúrio, chumbo e arsênio); derivados organometálicos (chumbo tetraetila e organoestanhosos); trauma crânio-encefálico (TCE)

10 TRANSTORNO COGNITIVO LEVE F06.7 Alterações da memória Alterações da orientação Alterações da capacidade de aprendizado e redução da capacidade de concentração em tarefas prolongadas

11 TRANSTORNO COGNITIVO LEVE Etiologia infecções (inclusive por HIV) ou de distúrbios físicos, tanto cerebrais quanto sistêmicos; brometo de metila; chumbo e seus compostos tóxicos; manganês e seus compostos tóxicos; mercúrio e seus compostos tóxicos; sulfeto de carbono; tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos; tricloroetileno, tetracloroetileno, tricloroetano e outros solventes orgânicos halogenados neurotóxicos; outros solventes orgânicos neurotóxicos; níveis elevados de ruído.

12 TRANSTORNO ORGÂNICO DE PERSONALIDADE F07.0 Alteração da personalidade e do comportamento que aparece como um transtorno concomitante ou residual de uma doença, lesão ou disfunção cerebral.

13 TRANSTORNO ORGÂNICO DE Etiologia PERSONALIDADE brometo de metila; chumbo ou seus compostos tóxicos; manganês e seus compostos tóxicos; mercúrio e seus compostos tóxicos; sulfeto de carbono; tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos ; tricloroetileno, tetracloroetileno, tricloroetano e outros solventes orgânicos halogenados neurotóxicos; outros solventes orgânicos neurotóxicos

14 TRANSTORNO MENTAL ORGÂNICO OU SINTOMÁTICO NÃO-ESPECIFICADO F09 Uma série de transtornos mentais agrupados por terem em comum uma doença cerebral de etiologia demonstrável, uma lesão cerebral ou outro dano que leva a uma disfunção que pode ser primária, como nas doenças, lesões ou danos que afetam direta e seletivamente o cérebro, ou secundária, como nas doenças sistêmicas nas quais o cérebro é um dos múltiplos órgãos envolvidos.

15 TRANSTORNO MENTAL ORGÂNICO OU SINTOMÁTICO NÃO-ESPECIFICADO F09 Demência na doença de Alzheimer Demência vascular Síndrome amnésica orgânica (não-induzida por álcool ou psicotrópicos) Vários outros transtornos orgânicos (alucinose, estado catatônico, delirante, do humor, da ansiedade) Síndrome pós-encefalite e pós-traumática, incluindo, também, a psicose orgânica e a psicose sintomática.

16 TRANSTORNO MENTAL ORGÂNICO OU SINTOMÁTICO NÃO-ESPECIFICADO Etiologia brometo de metila; chumbo e seus compostos tóxicos; manganês e seus compostos tóxicos; mercúrio e seus compostos tóxicos; sulfeto de carbono; tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos; tricloroetileno, tetracloroetileno, tricloroetano e outros solventes orgânicos halogenados neurotóxicos; outros solventes orgânicos neurotóxicos.

17 ALCOOLISMO CRÔNICO RELACIONADO AO TRABALHO F10.2 Modo crônico e continuado de usar bebidas alcoólicas Descontrole periódico da ingestão Padrão de consumo de álcool com episódios freqüentes de intoxicação Preocupação com o álcool e o seu uso, apesar das conseqüências adversas desse comportamento para a vida e a saúde do usuário

18 ALCOOLISMO CRÔNICO RELACIONADO AO TRABALHO F10.2 A Sociedade Americana das Dependências, em 1990, considerou o alcoolismo como uma doença crônica primária que tem seu desenvolvimento e manifestações influenciados por fatores genéticos, psicossociais e ambientais, freqüentemente progressiva e fatal

19 ALCOOLISMO CRÔNICO RELACIONADO AO TRABALHO Etiologia Problemas relacionados ao emprego e ao desemprego: condições difíceis de trabalho (Z56.5); Circunstância relativa às condições de trabalho (Y96).

20 EPISÓDIOS DEPRESSIVOS F32.- Humor triste Perda do interesse e prazer nas atividades cotidianas Sensação de fadiga aumentada Dificuldade de concentração Baixa auto-estima e autoconfiança Desesperança Idéias de culpa e inutilidade Visões desoladas e pessimistas do futuro Idéias ou atos suicidas.

21 EPISÓDIOS DEPRESSIVOS F32.- O sono encontra-se freqüentemente perturbado, geralmente por insônia terminal Diminuição do apetite, geralmente com perda de peso sensível. Ansiedade são muito freqüentes Angústia tende a ser tipicamente mais intensa pela manhã As alterações da psicomotricidade podem variar da lentificação à agitação. Os episódios depressivos devem ser classificados nas modalidades: leve, moderada, grave sem sintomas psicóticos, grave com sintomas psicóticos.

22 EPISÓDIOS DEPRESSIVOS Etiologia brometo de metila; chumbo e seus compostos tóxicos; manganês e seus compostos tóxicos; mercúrio e seus compostos tóxicos; sulfeto de carbono; tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos; tricloroetileno, tetracloroetileno, tricloroetano e outros solventes orgânicos halogenados neurotóxicos; outros solventes orgânicos neurotóxicos

23 ESTADO DE ESTRESSE PÓS- TRAUMÁTICO F43.1 Resposta tardia e/ou protraída a um evento ou situação estressante (de curta ou longa duração) de natureza excepcionalmente ameaçadora ou catastrófica. O paciente experimentou, testemunhou ou foi confrontado com um evento ou eventos que implicaram morte ou ameaça de morte, lesão grave ou ameaça da integridade física a si ou a outros.

24 ESTADO DE ESTRESSE PÓS- TRAUMÁTICO F43.1 Fatores predisponentes Traços de personalidade ou história prévia de doença neurótica, podem baixar o limiar para o desenvolvimento da síndrome ou agravar seu curso, mas não são necessários nem suficientes para explicar sua ocorrência.

25 ESTADO DE ESTRESSE PÓS- Etiologia TRAUMÁTICO outras dificuldades físicas e mentais relacionadas ao trabalho: reação após acidente do trabalho grave ou catastrófico, ou após assalto no trabalho (Z56.6); circunstância relativa às condições de trabalho (Y96).

26 NEURASTENIA (Inclui Síndrome de Fadiga) F48.0 Presença de fadiga constante, acumulada ao longo de meses ou anos em situações de trabalho em que não há oportunidade de se obter descanso necessário e suficiente. A fadiga é referida pelo paciente como sendo constante, como acordar cansado, simultaneamente física e mentalmente, caracterizando uma fadiga geral.

27 NEURASTENIA (Inclui Síndrome de Fadiga) F48.0 Má qualidade do sono, Dificuldade de aprofundar o sono Despertares freqüentes durante a noite, especificamente insônia inicial, dificuldade para adormecer ou a cabeça não consegue desligar Irritabilidade ou falta de paciência Desânimo Outros sintomas: dores de cabeça, dores musculares (geralmente nos músculos mais utilizados no trabalho), perda do apetite e mal-estar geral. Trata-se, em geral, de um quadro crônico.

28 NEURASTENIA (Inclui Síndrome Etiologia de Fadiga) brometo de metila; chumbo e seus compostos tóxicos; manganês e seus compostos tóxicos; mercúrio e seus compostos tóxicos; sulfeto de carbono; tolueno e outros solventes aromáticos neurotóxicos; tricloroetileno, tetracloroetileno, tricloroetano e outros solventes orgânicos halogenados neurotóxicos; outros solventes orgânicos neurotóxicos.

29 OUTROS TRANSTORNOS NEURÓTICOS ESPECIFICADOS (Inclui Neurose Profissional) F48.8 Transtornos mistos de comportamento, crenças e emoções que têm uma associação estreita com uma determinada cultura Neurose profissional: afecção psicógena persistente, na qual os sintomas são expressão simbólica de um conflito psíquico, cujo desenvolvimento encontra-se vinculado a uma determinada situação organizacional ou profissional

30 OUTROS TRANSTORNOS NEURÓTICOS ESPECIFICADOS (Inclui Neurose Profissional) A neurose profissional apresenta três formas clínicas: NEUROSE PROFISSIONAL ATUAL: neurose traumática, reativa a um trauma atual; PSICONEUROSE PROFISSIONAL: quando uma dada situação de trabalho funciona como desencadeante, reativando conflitos infantis que permaneciam no inconsciente; NEUROSE DE EXCELÊNCIA: desenvolvida a partir de certas situações organizacionais que conduzem a processos de estafa (burn-out *) pessoas que investem intensamente seus esforços e ideais em determinada atividade.

31 OUTROS TRANSTORNOS NEURÓTICOS ESPECIFICADOS (Inclui Neurose Profissional) F48.8 Etiologia problemas relacionados ao emprego e ao desemprego (Z56.-); desemprego (Z56.0); mudança de emprego (Z56.1); ameaça de perda de emprego (Z56.2); ritmo de trabalho penoso (Z56.3); má adaptação ao trabalho (condições difíceis de trabalho) (Z56.5); outras dificuldades físicas e mentais relacionadas ao trabalho (Z56.6).

32 TRANSTORNO DO CICLO VIGÍLIA-SONO DEVIDO A FATORES NÃO-ORGÂNICOS F51.2 Fatores não-orgânico - perda de sincronia entre o ciclo vigília-sono do indivíduo e o ciclo vigília-sono socialmente estabelecido como normal, resultando em: Insônia Interrupção precoce do sono Sonolência excessiva.

33 TRANSTORNO DO CICLO VIGÍLIA-SONO DEVIDO A FATORES NÃO-ORGÂNICOS F51.2 O transtorno do ciclo vigília-sono relacionado ao trabalho pode ser incluído nessa categoria, uma vez que, por definição, é determinado pela jornada de trabalho à noite em regime fixo ou pela alternância de horários diurnos, vespertinos e/ou noturnos, em regime de revezamento de turnos.

34 TRANSTORNO DO CICLO VIGÍLIA-SONO DEVIDO A FATORES NÃO-ORGÂNICOS Considera-se jornada de trabalho normal diurna a divisão do tempo de trabalho no horário entre 6 e 18 horas, com base na semana de seis dias e nas quarenta e quatro horas semanais.

35 Etiologia TRANSTORNO DO CICLO VIGÍLIA-SONO DEVIDO A FATORES NÃO-ORGÂNICOS Problemas relacionados com o emprego e com o desemprego: má adaptação à organização do horário de trabalho (trabalho em turnos ou trabalho noturno) (Z56.6); Circunstância relativa às condições de trabalho (Y96)

36 SENSAÇÃO DE ESTAR ACABADO (SÍNDROME DE BURN-OUT OU SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL) CID-10 Z73.0 Resposta prolongada a estressores emocionais e interpessoais crônicos no trabalho Desgaste Desistência Perda de energia Perda do sentido de sua relação com o trabalho Desinteresse Qualquer esforço lhe parece inútil.

37 SENSAÇÃO DE ESTAR ACABADO (SÍNDROME DE BURN-OUT OU SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL) CID-10 Z73.0 É composta por três elementos centrais: exaustão emocional (sentimentos de desgaste emocional e esvaziamento afetivo); despersonalização (reação negativa, insensibilidade ou afastamento excessivo do público que deveria receber os serviços ou cuidados do paciente); diminuição do envolvimento pessoal no trabalho (sentimento de diminuição de competência e de sucesso no trabalho).

38 Etiologia SENSAÇÃO DE ESTAR ACABADO (SÍNDROME DE BURN-OUT OU SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL) ritmo de trabalho penoso (Z56.3); outras dificuldades físicas e mentais relacionadas ao trabalho (Z56.6).

39 PREVENÇÃO DO NEXO PROFISSIONAL Vigilância dos ambientes, das condições de trabalho e dos efeitos ou danos à saúde Ação integrada, com abordagem interdisciplinar, capacitada a lidar e a dar suporte ao sofrimento psíquico do trabalhador, aos aspectos sociais e de intervenção nos ambientes de trabalho. Na presença de um fator de risco químico, as medidas de controle ambiental que visam à eliminação ou à redução dos níveis de exposição devem ser introduzidos

40 PREVENÇÃO DO NEXO PROFISSIONAL Intervenção sobre as condições de trabalho conteúdo das tarefas, dos modos operatórios e dos postos de trabalho; ritmo e intensidade do trabalho; fatores mecânicos e condições físicas dos postos de trabalho e das normas de produção; sistemas de turnos; sistemas de premiação e incentivos; fatores psicossociais individuais; relações de trabalho entre colegas e chefias; medidas de proteção coletiva e individual implementadas pelas empresas; as estratégias individuais e coletivas adotadas pelos trabalhadores.

41 Doença Ocupacional Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário - NTEP Lista C Anexo II Decreto 3.048

42 NTEP F10-F19 Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa Indústria extrativista Industria de transformação Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação Construção Comércio; Reparação de veículos automotores e motocicletas Transporte, armazenagem e correio Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Atividades administrativas e serviços complementares Administração pública, defesa e seguridade social Outras atividades e serviços

43 NTEP F20-F29 Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e transtornos delirantes Indústria extrativista Industria de transformação Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação Construção Comércio; Reparação de veículos automotores e motocicletas Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Atividades administrativas e serviços complementares Administração pública, defesa e seguridade social Outras atividades e serviços

44 NTEP F30-F39 Transtornos do humor [afetivos] Indústria extrativista Industria de transformação Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação Comércio; Reparação de veículos automotores e motocicletas Transporte, armazenagem e correio Alojamento e alimentação Informação e comunicação Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Atividades administrativas e serviços complementares Administração pública, defesa e seguridade social Saúde humana e serviços sociais

45 NTEP F40-F48 Transtornos neuróticos, transtornos relacionados com o stress e transtornos somatoformes Indústria extrativista Industria de transformação Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação Comércio; Reparação de veículos automotores e motocicletas Transporte, armazenagem e correio Informação e comunicação Atividades profissionais, científicas e técnicas Atividades administrativas e serviços complementares Administração pública, defesa e seguridade social Saúde humana e serviços sociais

46 Obrigada!

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho Saúde Mental no Trabalho Disciplina de Medicina Social e do Trabalho Acadêmicos: Arthur Danila, Barbara Novaes, Caio Casella, Bruna Piloto, Bruno Zanon, Bruno Ricci Orientadora: Prof a. Dra. Débora Glina

Leia mais

TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO

TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO CID -10 Equipe técnica: Charles Haro, Vanderly J. da Silva; Vera L. Carvalho; Vera Rizzatti 1.0 CARACTERISTICAS GERAIS Os agravos à saúde mental relacionados ao

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Psiquiatria na Perícia Médica Estabelecimento de nexo entre o adoecimento e o trabalho Eduardo Sá Oliveira

Psiquiatria na Perícia Médica Estabelecimento de nexo entre o adoecimento e o trabalho Eduardo Sá Oliveira Psiquiatria na Perícia Médica Estabelecimento de nexo entre o adoecimento e o trabalho Eduardo Sá Oliveira Síndromes psiquiátricas orgânicas relacionadas ao trabalho Demência em outras doenças específicas

Leia mais

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL Virginia Célia de B. Oliveira Psicóloga O NORMAL E O PATOLÓGICO Conceitos de Normalidade 1. O normal: Visão de saúde como o oposto à doença;

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

Ferramentas de Avaliação de Nexo Causal para Transtornos Mentais

Ferramentas de Avaliação de Nexo Causal para Transtornos Mentais Ferramentas de Avaliação de Nexo Causal para Transtornos Mentais Carlos Augusto Maranhão de Loyola. CRM-PR 20879. II Congresso Paranaense de Medicina do Trabalho Curitiba, 27 de novembro de 2014. Ferramentas

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA PSICOPATOLOGIA CLASSIFICAÇÕES DIAGNÓSTICAS COMPREENSÃO DAS SÍNDROMES Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG 2 Embora a psicopatologia psiquiátrica contemporânea tenda, cada vez mais, a priorizar

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Os transtornos mentais comuns (TMC), expressão criada por Goldberg & Huxley (1992), caracterizam-se por sintomas como insônia,

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Números da Acidentalidade Relacionada aos Transtornos Mentais e Comportamentais na Indústria da Construção 2007 a 2014

Números da Acidentalidade Relacionada aos Transtornos Mentais e Comportamentais na Indústria da Construção 2007 a 2014 Números da Acidentalidade Relacionada aos Transtornos Mentais e Comportamentais na Indústria da Construção 2007 a 2014 1 Lista C Anexo do Decreto n 3048/99, que regulamenta a Previdência Social Descrição:

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

MEDIDAS PREVENTIVAS. a importância do investimento em medidas preventivas

MEDIDAS PREVENTIVAS. a importância do investimento em medidas preventivas MEDIDAS PREVENTIVAS a importância do investimento em medidas preventivas GESTÃO PÚBLICA A excelência em gestão pública será um valor adquirido e preservado pelas instituições públicas e um valor requerido

Leia mais

Maria Regina Rocha Ramos

Maria Regina Rocha Ramos CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SEMI- IMPUTABILIDADE E DA INIMPUTABILIDADE PENAIS RESULTANTES DE TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO ASSOCIADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Maria Regina Rocha Ramos Sumário:

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Selma Lancman Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro de 2008 Terapeuta Ocupacional.

Leia mais

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Perda Auditiva Ocupacional Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Fatores para a Perda Auditiva Ocupacional Agentes físicos: ruído, vibrações, radiações, temperaturas extremas, pressões anormais, umidade;

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho 5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro Saúde Mental no Trabalho no Contexto Atual Vera Lucia Zaher zaher@usp.br Laboratório de Investigação Médica LIM 01 da Faculdade

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR Neri M. Piccoloto www.terapiascognitivas.com.br TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR Em todos os países industrializados do mundo, a incidência de depressão,

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17

Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17 Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17 2.1 Algoritmo de Decisão para Baixo Desempenho Escolar... 22 2.2 Algoritmo de Decisão para Problemas

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br F00-F99 CAPÍTULO V : Transtornos mentais e comportamentais F00.0*Demência na doença de Alzheimer de início precoce (G30.0+) F00.1*Demência na doença de Alzheimer de início tardio (G30.1+) F00.2*Demência

Leia mais

Como Usar este Livro 1

Como Usar este Livro 1 Sumário CAPÍTULO 1 Como Usar este Livro 1 PÚBLICO 1 ORGANIZAÇÃO DO LIVRO 2 CONTENDO O EXCESSO DE DIAGNÓSTICOS E EVITANDO MODISMOS 5 PROBLEMAS COM O DSM-5 5 Cuidado!: 6 A ENTREVISTA DE DIAGNÓSTICO 7 DIAGNÓSTICO

Leia mais

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com F20.0 Esquizofrenia Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com algumas variedades menos comuns e transtornos intimamente relacionados. F20.0 F20.3 Critérios gerais

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS PROJETO: ANÁLISE TÉCNICA NEXO TÉCNICO EPIDEMIOLÓGICO PREVIDENCIÁRIO - NTEP Vulnerabilidades Empresariais da decreto 6042 do INSS ANEXO II AGENTES PATOGÊNICOS CAUSADORES DE DOENÇAS

Leia mais

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS)

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) XIII - TRATAMENTO I DEFINIÇÃO II INTELIGÊNCIA III FATORES ETIOLÓGICOS IV EPIDEMIOLOGIA V - DIAGNÓSTICO DO RETARDO MENTAL NA CRIANÇA VI - CLASSIFICAÇÃO VII - FORMAS ETIOLÓGICAS

Leia mais

Curso de atualização em Medicina do Trabalho

Curso de atualização em Medicina do Trabalho Curso de atualização em Medicina do Trabalho MÓDULO 3 Transtornos Mentais Relacionados ao trabalho Eduardo Sá Oliveira Médico, com TE em Psiquiatria ABP/AMB Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C)

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) NOME: DATA: Faça um círculo na resposta de cada item que melhor descreva seu paciente nos últimos 7 dias. 1. Insônia Inicial: 0 Nunca

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA Atualmente os ambientes educacionais não estão mais localizados somente nas Escolas e/ou Instituições de ensino. Muitas organizações,

Leia mais

Absenteísmo no trabalho

Absenteísmo no trabalho 1 Absenteísmo no trabalho Nuno A. C. Murcho Saul Neves de Jesus O trabalho comporta um conjunto de valores que lhe são intrínsecos, sendo uma atividade indispensável para o desenvolvimento individual e

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL Danila Rafaela do Nascimento Jeane Aparecida de Oliveira Silva Maria Betânia Soares da Rocha

Leia mais

Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho

Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho Catarina Paulos 6 de Março de 2012 Auditório do IEFP VIOLÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO Uso intencional de poder contra uma pessoa ou um grupo,

Leia mais

STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA

STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA i Enf.ª Ana Catarina Silva Ferreira Enf.ª Ana Catarina Martins Garrett Enf.ª Conceição Fernandes da Silva Neves Centro Hospitalar Baixo Vouga Serviço de Neurologia STRESS

Leia mais

Pseudodemência Depressiva

Pseudodemência Depressiva Pseudodemência Depressiva Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos psiquiátricos do envelhecimento A A velhice é um triste inventário de perdas e limitações Diminuem - a visão

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 22, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 22, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 22 - Áreas de atuação em Psiquiatria Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO

O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO (2006) Luciana Raupp Di Bernardi Psicóloga. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina Diretoria de Saúde - Seção Psicossocial

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL E TRABALHO

PROTOCOLO DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL E TRABALHO PROTOCOLO DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL E TRABALHO PROTOCOLO DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL E TRABALHO Governador da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde do Estado da Bahia Washington Luis Silva Couto Superintendente

Leia mais

Situações Passíveis de Denúncia em Vigilância de Saúde do Trabalhador

Situações Passíveis de Denúncia em Vigilância de Saúde do Trabalhador Situações Passíveis de Denúncia em Vigilância de Saúde do Trabalhador Constituem-se situações sujeitas à denúncia na Vigilância em Saúde do Trabalhador: Aquelas potencialmente geradoras de risco à saúde

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 07 TÉCNICO DE ENFERMAGEM (Saúde Mental e Psiquiatria) 01. C 11. E 21. D 02. E 12.

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Intervenção dos Serviços de Saúde do Trabalho no âmbito da prevenção do consumo de substâncias psicoativas em meio laboral DATA: 13.05.2013 Para: Médicos

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados.

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Contexto 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Empregados sob efeito de droga utilizam, em média, 67% da capacidade de trabalho, tem o triplo de probabilidade de chegar atrasado ou faltar

Leia mais

Dr. João Paulo C. Solano Equipe de Controle da Dor Divisão de Anestesia ICHC - FMUSP

Dr. João Paulo C. Solano Equipe de Controle da Dor Divisão de Anestesia ICHC - FMUSP Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor - 2015 Dr. João Paulo C. Solano Equipe de Controle da Dor Divisão de Anestesia ICHC - FMUSP Quando indicar avaliação Pq? Suspeita

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão

DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão Lucivani Soares Zanella* Patricia Zimermann** JUSTIFICATIVA De acordo com Giusti (2013), a automutilação

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

Claudio C. Conti www.ccconti.com. Transtorno Bipolar e Esquizofrenia

Claudio C. Conti www.ccconti.com. Transtorno Bipolar e Esquizofrenia Claudio C. Conti www.ccconti.com Transtorno Bipolar e Esquizofrenia Transtorno bipolar - definição CID-10: F31 Transtorno afetivo bipolar Transtorno caracterizado por dois ou mais episódios nos quais o

Leia mais

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH)

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Por Ana Luiza Borba Psicóloga e Especialista em Psicopedagogia O aluno com distúrbio de aprendizagem (DA), possui, no plano educacional, um

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável.

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável. MENTE E ESPÍRITO EQUILIBRIO ENTRE CORPO, Em busca da cura, por uma vida mais saudável. Que a felicidade deve ser construída de dentro para fora e pode ser definida como um estado de espírito que não depende

Leia mais

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS UNIMED CAMPINAS - Área de atuação: Campinas e 12 cidades da região - Habitantes - Campinas: 1.064.669 - Região: 1.108.538 - Total de usuários: 635.280 - Local:

Leia mais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Síndrome de Burnout Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Zelia Simone Sobrosa Psicóloga com pós-graduação em Neuropsicopedagogia 2013 Conceito Burnout é

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais