Servidor de mail elástico em Cloud Computing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Servidor de mail elástico em Cloud Computing"

Transcrição

1 Servidor de mail elástico em Cloud Computing Paulo Abreu, Vitor Castro Mestrado de Informática Universidade do Minho Braga, Portugal Resumo O correio electrónico é, neste momento, o serviço mais utilizado na internet, sendo uma das maiores invenções das tecnologias de informação, desde o aparecimento da internet. Com a nova era das infraestruturas distribuídas, as Clouds, vão aparecendo cada vez mais serviços distribuídos que oferecem melhor performance e estabilidade. Pretende-se fazer uma investigação sobre o funcionamento de um serviço de mail distribuído tirando proveito de uma plataforma construída com recurso ao Hadoop. O estudo apresenta resultados interessantes que podem servir como ponto de partida para investigações futuras, na área de serviços distribuídos. Palavras chave: Cloud Computing, Distributed Filesystem, Map Reduce, Postfix, Hadoop. 1 Introdução O correio electrónico é, neste momento, o serviço mais utilizado na internet, sendo uma das maiores invenções das tecnologias de informação, desde o aparecimento da Internet. Como quase todas as invenções, o surge de uma necessidade, a necessidade de comunicar entre entidades ligadas através de uma rede. Um servidor de , como o Postfix, funciona em cima de um sistema operativo e que, através do protocolo SMTP, permite que sejam feitos envios e entregas de mensagens, através de uma rede que pode ter dimensões escaláveis até à dimensão da internet. Um servidor de mail está sujeito a grandes cargas, provocadas por s fidedignos ou por spam, o que afecta a performance do serviço e por consequência, afecta o funcionamento das empresas, dos serviços, em suma, do utilizador. Com o aparecimento do conceito de Cloud, surge um novo conceito de serviços e infraestruturas, que permitem obter melhor perfomance, mais segurança e acima de tudo, quase dissipa os limites dos serviços e torna-os escaláveis. Os servidores de mail não são excepção, o que nos permite escalar o serviço de mail e desta forma aumentar a sua performance, bem como garantir mais segurança dos dados à custa da dispersão de informação. No trabalho efectuado, foi construída uma Cloud, com recurso ao Hadoop, o que nos permitiu construir um serviço de mail distribuído, usando para o efeito o Postfix. 1.1 Objectivo O objectivo deste trabalho é criar uma Cloud onde possamos ter um serviço de mail elástico que funciona de forma distribuída, sobre uma plataforma de máquinas onde a informação é armazenada e processada paralelamente. Desta forma, há vários aspectos que podem ser estudados como a performance dos servidores de mail elásticos, o funcionamento distribuído da plataforma, bem como os conceitos de escalabilidade, eficiência e confiabilidade. Particularmente: Pretende-se verificar que numa Cloud com Hadoop é feito o processamento e armazenamento distribuído e desta forma, é possível construir um modelo em que os serviços de mail herdam esta propriedade. Espera-se obter uma performance superior do serviço de mail numa arquitectura distribuída, em comparação com um servidor de mail normal.

2 2 1.2 Arquitectura A arquitectura da Cloud implementada tem por base o funcionamento do Hadoop. Esta pode ser arquitectada de diferentes formas, tendo na sua constituição um conjunto de Datanodes e um Namenode, os slaves e o master, respectivamente. No caso em estudo, foi criada uma infraestrutura com um Namenode e quatro Datanodes. Embora o Hadoop tenha algumas limitações, como será referido, é na sua generalidade uma boa forma de se poder estudar uma plataforma distribuída, contudo, carece de melhoramentos que dada a sua natureza, podem ser feitos pelos próprios investigadores e enviados para a equipa que mantém e dá continuidade ao projecto. 1.3 Aplicabilidade Numa visão mais geral, o trabalho elaborado consiste em criar um serviço de mail de elevada disponibilidade, que garanta segurança da informação e com indíces elevados de performance. Por todas as características apresentadas, a ideia e o trabalho realizado podiam passar para soluções de carácter empresarial, desde que fossem feitas melhorias no filesystem distribuído e algumas optimizações no servidor de mail. Certamente que algumas empresas que têm constantemente problemas com os serviços de mail, desde perdas de dados, excesso de mensagens por processar ou até efectuar alterações no serviço sem downtime, optariam por uma solução que lhes permitisse resolver esses problemas. Nas secções que se seguem é exposta a abordagem a este tema, onde se pode encontrar informação relativa às ferramentas utilizadas, arquitectura da infraestrutura, resultados e a respectiva discussão dos mesmos. O documento termina com a conclusão que retrata uma análise geral do projecto. 2 Abordagem 2.1 Cloud The cloud is a virtualization of resources that maintains and manages itself. [11] - Kevin Hartig, Sun Microsystems. O termo de Cloud surge da utilização da imagem de nuvem para representar redes, mais precisamente grandes redes como a internet. Contudo, neste momento o termo Cloud já não é usado para representar um grande conjunto de ligações, routers, switchs e servidores, mas sim para representar serviços. Com o aparecimento do conceito de Cloud, surge uma nova era na informática que vai certamente revolucionar os conceitos de infraestruturas e serviços. Desta forma o utlizador perde a noção de tudo o que está por trás de um serviço, ou até mesmo a forma como este funciona, focando o seu interesse na performance, segurança e na disponibilidade do serviço. Vive-se uma nova era onde ninguém quer ficar atrasado na corrida e a avaliar pelos investimentos recentes de grandes empresas como a Yahoo!, Google, IBM, DELL, HP e muitas outras, pode-se facilmente concluir que é uma onda que quem não a apanhar, será certamente arrastado com ela ou atirado para fora - Ou as empresas adoptam a Cloud ou ficam obsoletas. [1] A Google, amazon e outras grandes multinacionais, têm espalhado por todo o mundo, vários centros de dados o que lhes permite criar uma enorme Cloud à escala mundial. Já pensaram quantas vezes não tinham acesso ao Gmail por este estar indisponível, ou quantas vezes não conseguiram fazer um pesquisa no Google porque o motor debusca não respondia? Porém, não é inimaginável que a Google tenha avarias nos seus centros de dados como acontece em todos os outros, contudo,

3 3 usufrui de um novo modelo de arquitectura, aliado a outras medidas, que permite dissipar os problemas e manter a elevada disponibilidade dos serviços, a Cloud. Claro que o termo Cloud pode levar a conclusões erradas, pois nem todas têm o mesmo funcionamento, nem a mesma arquitectura. É portanto um termo que nos remete para um plano de abstração, onde se retrata uma infraestrutura, com uma dada arquitectura e um conjunto de serviços que funcionam em cima de uma camada aplicacional onde se aglutinam os vários componentes da infraestrutura, como se fossem um todo. 2.2 Hadoop O Hadoop[3] surge em 2004, por Doug Cutting & Mike Cafarella. Nasce assim uma plataforma de software que usa map reduce, retratado na figura 1, num sistema de ficheiros distribuído. Este modelo define-se pelos princípios de escalabilidade, eficiência, confiabilidade e economia. Figura 1. Map Reduce software framework É escalável porque permite que o número de nodos seja aumentado ou diminuído sem que isto provoque uma quebra no funcionamento do serviço, o que também permite guardar e processar pequenas ou grandes quantidades de informação, dependendo do número de nodos que são usados. A efeciência vem do modo de funcionamento do Hadoop, que distribuí a informação pelos nodos e desta forma faz um processamento paralelo, tornando-o mais rápido que um serviço que processa toda a informação num só ponto, como se pode verificar através dos resultados obtidos pelas benchmarks referidas na wiki do Hadoop [8,9]. Esta forma de funcionamento permite economia de custos e maximização de recursos, pois a informação ao ser processada e armazenada em computadores que estejam livres para o fazer, permite utilizar melhor os recursos disponiveís e construir um centro de processamento de dados que pode ir desde algumas unidades até centenas de unidades de processamento. Por fim, o Hadoop mantém mais que uma cópia da informação, podendo até replicar a informação por todos os nós da Cloud, aumentando a confiabilidadedo serviço e diminuído a probalidade de perda da informação devido a falhas. O projecto Hadoop continua em evolução, quer no sentido de resolver algumas limitações que ainda tem, quer para explorar novas formas de o aplicar nas mais variadas temáticas, como por exemplo o HBase[4]. Como foi referido, o Hadoop ainda tem algumas limitações, das quais destacamos os problemas de processamento de symbolic links, o Job Tracker, ou Namenode, é um SPOF(Single Point of Failure), ou seja, em caso de falha deste nó, os pedidos que já foram enviados para a Cloud não são respondidos e até que seja nomeado um novo Job Tracker, não são processados mais pedidos. Existem vários projectos que utilizam o Hadoop, alguns na área de investigação e outros já em sistemas de produção, como podem verificar no conjunto de patrocinadores que são apresentados na wiki[7] do Hadoop.

4 4 2.3 Postfix O Postfix[12], definido como um MTA(Mail Transfer Agent) foi originalmente construído por Wietse Venema, sendo desde 1998 um software live que permite enviar e receber s de forma rápida, segura e eficaz. Surge nos centros de investigação da IBM, sendo inicialmente designado por Secure Mailer, aparecendo como uma evolução do Sendmail, mas com maior cuidado ao nível da segurança, performance, fiabilidade e flexibilidade, sendo estas as suas principais características. Um atravessa várias fases, nomeadamente a composição, envio, recepção e visualização, onde para o efeito, é utilizado o protocolo SMTP(Simple Media TransferProtocol). Parte deste processo é feito pelas aplicações normalmente designadas por MUA(Mail User Agent), como por exemplo o mutt, o Outlook Express e o Netscape Communicator, estando presentes na concepção do e na visualização, ou seja, os pontos de contacto com o utilizador comum. É precisamente no envio e recepção que o Postfix é utilizado, funcionamento como um estafeta que se encarrega de entregar as mensagens, o transporte, seguindo-se a recepção do , funcionando desta feita como MSA (Mail Submission Agent). Devido à sua natureza de software livre, é possível alterar a forma como este opera, podendo ser modelado mediante as nossas exigências, quer ao nível da configuração do serviço, quer editando a source e alterando o modo como são feitas as operações que garantem o funcionamento do serviço. Desta forma podemos modelar o software e preencher certos problemas que não resultam ou não são resolvidos pela camada aplicacional que rodeia o funcionamento deste serviço. O Postfix é configurável ao ponto de evitar que o sistema operativo entre num estado de degradação funcional e termine num crash por falta de memória, devido ao excesso de carga ou a outras variáveis que influenciam a sua estabilidade. Postfix has been designed from the beginning to handle unexpected hardware or software problems gracefully. [2] 2.4 Configuração do Hadoop Na configuração do Hadoop é necessário indicar o endereço do Master e uma lista de endereços de todos os Slaves, através dos ficheiros de configuração HADOOP HOME/conf/master e HA- DOOP HOME/conf/slaves. Para além destas configurações, é no ficheiro HADOOP HOME/conf/hadoop-site.xml onde se inserem todas as outras configurações necessárias, tais como: Nome do filesystem, indicado o endereço/porta para o master; Replicação do filesystem com o número de máquinas replicadas Localização do filesystem Map Reduce Job Tracker com o endereço/porta Para as restantes ferramentas foi realizada uma instalação default. 2.5 Estrutura da Cloud A Cloud baseia-se numa estrutura de master e slaves de forma a garantir que os dados do sistema de ficheiros são distribuidos pelos slaves e coordenados pelo master. De forma a tentar optimizar o processamento de mails no Postfix, foi instalado um servidor de mail em cada slave para permitir uma distribuição dos pedidos por cada Datanode. A máquina que contém o master do Hadoop, é também utilizada para fazer a distribuição de mails através da ferramenta Balance que usa o algoritmo de Round Robin. Assim o cliente de mail desconhece a existência de uma Cloud ou mesmo que os pedidos lançados por ele serão tratados por máquinas diferentes.

5 5 Figura 2. Arquitectura da Cloud 2.6 Fuse DFS É utilizado para montar um sistema de ficheiros virtual e intercepta as operações referentes a esse sistema de ficheiros, propagando as operações no Hadoop, onde se encontra a informação e representação do sistema de ficheiros. Assim, qualquer outro computador que se ligue a este sistema de ficheiros irá ver reflectidas todas as alterações realizadas pelos outros nós da estrutura distribuída. 2.7 Configuração do Postfix O funcionamento do Hadoop obriga que o postfix seja configurado com maildirs por ser criado um lock exclusivo aos ficheiros que são replicados para os Datanodes da Cloud. Este lock faz com que o não seja processado correctamente, fazendo com que demore mais tempo a estar disponível para leitura e por outro lado introduz latência no processo. Usando maildirs, ao testar o funcionamento do servidor de mail com o Hadoop, verificamos que sempre que um era recebido pelo serviço, ocorriam erros pelo facto do fuse usado pelo Hadoop, o Fuse DFS, não suportar symbolic lynks. Desta feita, tivemos que editar a source do Postfix e alterar o seu funcionamento normal. O Postfix com funcionamento em maildirs, cria três directorias, nomeadamente a new, cur e tmp. Sempre que um é recebido pelo servidor de mail, este passa pela directoria tmp, é criado um symbolic link para a directoria new e só depois é transferido para a directoria new, sendo removida a entrada na tmp, bem como o symbolic lynk. De forma a contornar a limitação do Fuse DFS, alteramos o processo referido e em vez de criar symbolic lynks, o passa directamente da directoria tmp para a directoria new, sem criação do link. Com este modus operandis, as mensagens são enviadas e recebidas correctamente, ao mesmo tempo que deixam de haver erros na estrutura distribuída. 2.8 Envio de s O envio de s foi feito através de uma script que permite enviar mails em blocos ou de forma contínua. A script de envio é chamada como um comando de shell, ficando a correr até que, por

6 6 intervenção de um operador, esta seja terminada. A forma de execução e os parâmetros passados são os mesmos para todos os testes realizados, de forma a ter um padrão de envio de s, para não provocar desvios nos resultados. 2.9 Recolha de métricas Para melhor compreensão dos testes realizados, definiram-se três modelos, o Modelo N, o Modelo D1 e o Modelo D2. O Modelo N consiste no funcionamento normal de um servidor de mail, sem que este faça parte de um modelo distribuído. Quanto ao Modelo D1, é a representação da arquitectura distribuída concebida com o Hadoop, onde cada entidade da infraestrutura tem um servidor de mail Postfix com as mesmas configurações que foram colocadas no Modelo N. Por fim, o Modelo D2 consiste em ter uma arquitectura como no Modelo D1, contudo apenas uma máquina funciona como servidor de mail, enquanto que as outras máquinas são apenas Datanodes, que embora tenham a mesma informação, são funcionalmente distintas da primeira máquina descrita. Para fazer a análise dos dados, foram recolhidas métricas através de ficheiros de log do Postfix. Para tal, foi necessário criar scripts de recolha de dados, permitindo saber quantos mails foram processados em determinado período de tempo. Estas scripts extraem, para ficheiros de texto, a informação que representa a entrada do no servidor, a hora correspondente e o identificador de cada . 3 Avaliação 3.1 Hardware e Software O estudo realizado carece de uma infraestrura que nos permita aproximar o mais possível de um comportamento real, motivo pelo qual foram utilizadas máquinas virtuais que representam as entidades constituintes da Cloud. Embora inicialmente a infraestrutura tenha sido criada em máquinas bastante rudimentares, foi possível migrar as máquinas virtuais para algumas máquinas gentilmente cedidas pelo grupo de sistemas distribuídos. Desta forma, tornou-se possível a realização de testes em que o estrangulamento da performance não fosse a capacidade computacional, mas sim as limitações impostas pelas aplicações ou pelo próprio modelo distribuído. Uma Cloud é constituída por uma camada aplicacional e uma camada física que a suporta. Na camada física, definiu-se uma implementação base da infraestrutura com cinco computadores iguais ligados numa LAN. Cada máquina tem as seguintes características: Hardware: Processador: Intel Core 2 Duo 2.13Ghz Memória: 1Gb RAM Disco: Seagate, 8Mb Cache, 7200RPM Rede: Gigabit (GbE) Software: Sistema Operativo: Unbuntu Kernel VMWare Server A correr uma imagem com o Sistema Operativo: CentOS 4.7 / 750Mb de RAM Todas as configurações adicionais para o funcionamento do projecto, foram implementadas nas imagens de VMWare, o que permitiu tornar a infraestrutura facilmente portável. Na camada aplicacional, foram instaladas e configuradas, uniformemente em todas máquinas, as aplicações que se seguem:

7 7 Hadoop [3] Fuse DFS (incluído no Hadoop) Postfix [12] Balance 3.42 [10] 3.2 Resultados Como referido, foram efectuados três testes em condições exactamente iguais, contudo com finalidades diferentes. O primeiro teste é feito na arquitectura distribuída Hadoop, sobre as condições anteriormente descritas. Ao fim do período temporal estabelecido, é feita a recolha de informação através da análise dos logs aplicacionais. Da análise dos logs, é apurada a informação que nos permite construir uma representação gráfica do desempenho obtido, tal como se pode verificar na Figura 3. Na Figura 3, o número de mails processados é apresentado no eixo vertical em função da escala Figura 3. Total de mails processados por cada máquina temporal do teste. Na representação anterior, pode-se verificar que existem quatro séries, onde cada uma retrata o comportamento de um Datanode da Cloud. O número de mails processados são 4025 na Maq.1, 4111 na Maq.2, 4365 na Maq.3 e por fim, 4621 na Maq.4, sendo esta uma amostra recolhida no espaço de vinte minutos. No segundo teste, sob as mesmas condições que o primeiro teste efectuado, é usado um servidor de mail numa das máquinas da infraestrutura, com um funcionamento independente. Trata-se portanto de um servidor de mail normal, ou seja, sem arquitectura distribuída. Na Figura 4, pode-se verificar que na série Modelo N, é apresentado o comportamento do Postfix sem arquitectura distribuída, sendo a amostra recolhida nas mesmas condições que o teste anterior. A composição que se segue, pretende estabelecer uma comparação entre o Modelo N e os Modelos D1 e D2, sendo o Modelo D1 o somatório de mails processados pelos vários Datanodes. Os totais obtidos são mails processados para o Modelo N, para o Modelo D1 e para o Modelo D2.

8 8 Figura 4. Modelo N vs Modelo D1 e D2 3.3 Discussão No gráfico do Modelo D1, o primeiro teste, mostra o comportamento individual de cada entidade da arquitectura distribuída. Através de uma análise da Figura 3, verifica-se que apesar de numa fase inicial ter um crescimento acentuado e regular, revela algumas quebras no processamento de s. Estas quebras podem resultar das variações na carga computacional, sendo esta induzida pelo Hadoop em cada máquina da infraestrutura distribuída, bem como pela carga que advém dos Datanodes serem simultâneamente servidores de mail. Os servidores de mail do Modelo D1 processaram quantidades de mail ligeiramente diferentes, o que pode estar relacionado com o comportamento referido no ponto anterior. O somatório dos s processados por todos os servidores atinge valores um pouco aquém do esperado, sendo isto discutido nos pontos que se seguem. O Modelo D2, com um Postfix e o mesmo número de Datanodes que o Modelo D1, apresentou resultados muito inferiores a esse modelo. Este comportamento era esperado, pois com o Modelo D1 a carga computacional é dividida por várias máquinas enquanto que no Modelo D2 todos os s são processados em apenas um servidor e o resto da infraestrutura apenas armazena a informação. Desta forma, consegue-se atingir um dos objectivos propostos. Quanto ao Modelo N, apresentou óptimos resultados de performance, chegando mesmo a superar os outros modelos propostos. Porém, este resultado vem contra o esperado. Pretendia-se provar que um modelo distribuído quando sujeito a testes de carga, responderia com melhor performance que um servidor de mail normal, contudo isto não foi alcançado. Pela análise da Figura 4, constata-se que, em termos globais, o Modelo N tem melhor comportamento que o Modelo D1, quando submetido a cargas iguais. Uma limitação que prejudica os modelos distribuídos D1 e D2, é o funcionamento do Fuse DFS, que devido a falhas provoca problemas não só de desempenho como funcionais, nomeadamente a já retratada falha[5] no tratamento de symbolic links, bem com uma falha[6] que condiciona a performance do Hadoop. A segunda falha apresentada provoca um grande impacto negativo no processamento de grandes quantidades de ficheiros, o que se retrata nos testes efectuados para o Modelo D1. Como se pode verificar na Figura 4, quando se aproxima dos dez mil mails processados, há uma quebra significativa na performance, agravando-se a partir dos quinze minutos do teste. Quando o teste se aproxima dos trinta mil mails processados, o Fuse deixa de responder e o modelo distribuído torna-se impraticável. Outra razão pela qual os modelos D1 e D2 apresentaram resultados aquém

9 9 do esperado, prende-se com o facto de os servidores de mail não serem disjuntos das entidades que representam os Datanodes. Esta configuração induz carga suplementar que prejudica o desempenho do serviço de mail e simultâneamente o desempenho global da Cloud. Como sugestão para dar continuidade a esta investigação, sugere-se que seja desenvolvida uma aplicação middleware que permita substituir o Fuse, de forma a estabelecer uma comunicação directa entre a API do Hadoop e Postfix. 4 Conclusão Na conjugação do Hadoop com o Postfix, nem sempre foi fácil a integração de um serviço de mail numa plataforma distribuída, dadas as limitações que há de parte a parte. Contudo, conseguimos provar que é possível ter uma camada aplicacional distribuída e funcional. Devido às limitações impostas, não é possível provar que o Postfix num modelo distribuído tem melhor performance que no seu funcionamento normal, porém, há benefícios claros em seguir um modelo distribuído, pois este permite replicação da informação e uma maior disponibilidade do serviço. Uma investigação posterior, executada nos mesmos módulos mas desta feita, com recurso a um midleware que permitisse substituir o Fuse-DFS, poderia fornecer resultados mais satisfatórios para uma solução como a do Modelo D1. 5 Agradecimentos Gostaria de agradecer ao professor José Orlando Pereira e ao professor António Luís Sousa, pela supervisão e disponibilização de uma infraestrutura de testes, extendendo estes agradecimentos ao grupo de sistemas distribuídos do departamento de informática, da Universidade do Minho. À Joana Guimarães e Andreia Castro, o nosso muito obrigado pelo apoio. Referências 1. N. Carr. Ou empresas adotam cloud ou ficam obsoletas K. D. Dent. Postfix - The definitive guide. O Reilly, A. S. Foundation. Hadoop A. S. Foundation. Hbase A. S. Foundation. Fuse-dfs should support symlinks A. S. Foundation. Fuse module chokes on directories with lots (10,000+ or so) files. https://issues.apache.org/jira/browse/hadoop-3797, A. S. Foundation. Hadoop wiki A. S. Foundation. Hadoop wiki - data processing benchmarks A. S. Foundation. Hadoop wiki - hardware benchmarks I. S. GmbH. Balance K. Hartig. What is cloud computing? Postfix. Postfix web site de Janeiro de 2009

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

CONFIGURAÇÕES DE SERVIDORES DE CORREIO ELECTRÓNICO

CONFIGURAÇÕES DE SERVIDORES DE CORREIO ELECTRÓNICO CONFIGURAÇÕES DE SERVIDORES DE CORREIO ELECTRÓNICO Pedro Vale Pinheiro 1, Mário Bernardes 2 Centro de Informática da Universidade de Coimbra 3000 COIMBRA vapi@student.dei.uc.pt, mjb@ci.uc.pt Sumário Este

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Weather Search System

Weather Search System Weather Search System PROJECTO DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM RELATÓRIO Grupo 2 Gonçalo Carito - Nº57701 Bernardo Simões - Nº63503 Guilherme Vale - Nº64029 Índice Weather Search System...1 1. A Solução Implementada...3

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA. Características e requisitos técnicos DE DOCUMENTOS WHITE PAPER SERIES

WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA. Características e requisitos técnicos DE DOCUMENTOS WHITE PAPER SERIES WEEBOX GESTÃO SIMPLIFICADA DE DOCUMENTOS Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11132 Autor Luís Faria, Miguel Ferreira Contribuição Amazing Ideas Distribuição

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark Sistemas Distribuídos e Engenharia de Software Projecto de 2010/2011

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos I Capítulo 6 Replicação - 2011 - DI/FCT/UNL Replicação... O que é? Replicação: Definição e Objectivos A replicação de dados consiste na manutenção de múltiplas cópias da mesma informação em dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL I SUMÁRIO EXECUTIVO I.I ENQUADRAMENTO GERAL O ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) realizou, pela segunda vez, um estudo de aferição da qualidade, na perspectiva do utilizador, dos serviços

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Informática CAD Trabalho III PThreads e OpenMP Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Maio 2008 Resumo Neste

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE. Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369

Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE. Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369 Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369 O Problema: A falha dos sites na Cloud e a variabilidade da performance das máquinas

Leia mais

Consulte os anexos com as configurações dos softwares de correio electrónico e as instruções de utilização do novo webmail.

Consulte os anexos com as configurações dos softwares de correio electrónico e as instruções de utilização do novo webmail. Caro(a) Colega: O novo servidor de correio electrónico está finalmente operacional! O Grupo de Trabalho da Intranet da Escola Secundária de Emídio Navarro apresenta-lhe alguns conselhos que elaborámos

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Internet e seus recursos

Internet e seus recursos O Portal dos Miúdos e Graúdos Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Educação Internet e seus recursos Portal dos Catraios, 2002 Vitor Gonçalves Conceito Básico INTERNET é uma rede global

Leia mais

Operador de informática. ... quando nos ligamos a internet, o mais certo é que parte substancial do tempo seja gasto à procura de informação.

Operador de informática. ... quando nos ligamos a internet, o mais certo é que parte substancial do tempo seja gasto à procura de informação. Directórios Motores de busca ftp newsgroups... quando nos ligamos a internet, o mais certo é que parte substancial do tempo seja gasto à procura de informação. Felizmente existem sites especiais que nos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

MC714A - 2º Semestre 2015. Nomes: Roberto Hayasida Mariane Previde Cibelle Begalli

MC714A - 2º Semestre 2015. Nomes: Roberto Hayasida Mariane Previde Cibelle Begalli MC714A - 2º Semestre 2015 Nomes: Roberto Hayasida Mariane Previde Cibelle Begalli RAs:103984 121192 135334 Facebook Introdução Os 4 grandes tipos de sistemas de armazenamento utilizados no Facebook: OLTP

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Hadoop - HDFS. Universidade Federal de Goiás Ciência da Computação

Hadoop - HDFS. Universidade Federal de Goiás Ciência da Computação Hadoop - HDFS Universidade Federal de Goiás Ciência da Computação O que é Hadoop? Um framework para lidar com aplicações distribuídas que fazem uso massivo de dados Originalmente construído para a distribuição

Leia mais

Trabalho de TI. Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias

Trabalho de TI. Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias Trabalho de TI Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias índice Introdução Freeware o que é? Shareware o que é? Open source Download o que é? Upload o que é? Peer to peer Programas de download Emule

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Guia de Aplicações da Lexmark ESF T3 2012

Guia de Aplicações da Lexmark ESF T3 2012 Aplicações Lexmark Ajude os seus clientes a explorar todo o potencial das respectivas impressoras simples e multifuncionais compatíveis com as soluções da Lexmark As Aplicações Lexmark foram concebidas

Leia mais

Por razões de segurança não guardamos as passwords (palavra-passe) dos acessos aos sites. Será necessário gerar uma nova password.

Por razões de segurança não guardamos as passwords (palavra-passe) dos acessos aos sites. Será necessário gerar uma nova password. 1 de 7 11-11-2010 09:17 Painel de Administração cpanel Instruções Iniciais Estamos muito gratos por ter escolhido alojar o seu site na IBERWEB. Em caso de dúvidas, por favor contacte de imediato o nosso

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2. Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2. Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2 REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 2 Avaliação sumária da matéria do Capítulo 2 Pergunta: 1 A figura (ver Anexo) ilustra três diagramas de mensagens referentes a pedidos que clientes

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho.

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho. Computação Paralela Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Desenvolvimento de Aplicações Paralelas Uma Metodologia

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR Índice Noções Básicas 3 Workflow 4 Permissões 5 Acessos 5 Layout 5 Autenticação 6 Homepage 8 Contactos 8 Upload 11 Relatórios 15 Verbatins 18 Utilizadores

Leia mais

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Taxinomia? Taxinomia = classificação científica; nomenclatura das classificações; O que é necessário para a criação de uma CDN? Como fazer a distribuição e

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Nuno Matias, António Pinto Resumo As plataformas baseadas na nuvem (ou cloud computing) pressupõem a disponibilidade de informação,

Leia mais

Iteração 2 Design inicial

Iteração 2 Design inicial Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Engenharia de Software Iteração 2 Design inicial Projecto: FX-Center Grupo: BEDS David Pacheco (nº 32665) Cesário Lucas

Leia mais

LIÇÃO: Segurança Informática Reconhecimento de Vírus e Acção

LIÇÃO: Segurança Informática Reconhecimento de Vírus e Acção LIÇÃO: Segurança Informática Reconhecimento de Vírus e Acção Idade-alvo recomendada: 11 anos Guia da lição Os alunos irão desenvolver uma compreensão básica de problemas de segurança online e prevenção

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Livro de Receitas. Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2009-04-17 Versão 1.1. Framework de aplicações com Web Services

Livro de Receitas. Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2009-04-17 Versão 1.1. Framework de aplicações com Web Services Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Departamento Engenharia Informática Livro de Receitas Framework de aplicações com Web Services 2009-04-17 Versão 1.1 Índice Índice... 2 Nota prévia...

Leia mais

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática FrontPage Express Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática O que é o FrontePage Express Para aceder ao programa que vai

Leia mais

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Conteúdos/Temas Competências Avaliação 1.1. Conceitos Introdutórios - Conhecer os conceitos básicos: Informação Informática Tecnologias da Informação e - Conhecer

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO)

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Total de Horas (a) (Ciclo de Formação) Componente de Formação Sociocultural Português

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

Conteúdos. Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático

Conteúdos. Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático Conteúdos Correio Electrónico Protocolos POP3 e SMTP Endereços de correio electrónico Trabalho Prático O desejo de comunicar é a essência das redes. As pessoas sempre desejaram corresponder entre si através

Leia mais

Serviços na INTERNET

Serviços na INTERNET Serviços na INTERNET Introdução A Internet é uma rede global que disponibiliza diversos serviços. Os mais conhecidos hoje em dia são a World Wide Web (WWW), o correio electrónico e o Internet Chat Relay

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Falhar não é opção, Recupere com rapidez

Falhar não é opção, Recupere com rapidez Backup & Recovery Falhar não é opção, Recupere com rapidez Apresentamos uma solução de recuperação premiada para dados, aplicações e sistemas destinada a ambientes físicos e virtuais. O StorageCraft disponibiliza

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas Arquiteturas Paralelas e Distribuídas TSI-6AN Apresentado por: Cleber Schroeder Fonseca 1 CLOUD COMPUTING 2 Cloud Computing A expressão cloud computing (computação nas nuvens) começou a ganhar força em

Leia mais

Microsoft Windows Server 2003

Microsoft Windows Server 2003 Microsoft Windows Server 2003 Breve Manual Introdução/Instalação Brevíssima história dos sistemas operativos da Microsoft No início dos computadores pessoais, um punhado de recém licenciados criou um sistema

Leia mais

FACILIDADES DE COLABORAÇÃO

FACILIDADES DE COLABORAÇÃO MICROSOFT OFFICE 365 FACILIDADES DE COLABORAÇÃO Março 2012 A CLOUD365 estabeleceu acordos estratégicos com os principais fornecedores de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), entre os quais destacamos

Leia mais

Documento de ajuda para utilizadores de Office 2010/2007

Documento de ajuda para utilizadores de Office 2010/2007 Documento de ajuda para utilizadores de Office 2010/2007 Pág. 3 - MUDANÇAS NO CORREIO ELETRÓNICO OFFICE 365 Pág. 8 - DIFICULDADES OU DÚVIDAS Este documento destina-se a ajudar utilizadores em migração

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000

Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000 Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000 Como aproveitar a performance da solução para revolucionar a implantação de sistemas Introdução As organizações, independentemente do tamanho

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Outlook 2010 Colecção: Software

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais