Marco histórico inicial: Revolução Industrial - crescimento populacional nas metrópoles.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marco histórico inicial: Revolução Industrial - crescimento populacional nas metrópoles."

Transcrição

1 HISTÓRICO Marco histórico inicial: Revolução Industrial - crescimento populacional nas metrópoles. Novo modelo de produção: produção em série, a standartização da produção, a homogeinização da produção. Consolidação: Segunda Guerra Mundial - tecnologia de ponta. Característica: produção unilateral por parte do fornecedor. Rompimento do conceito clássico de produção. Prevalecimento da quantidade em detrimento da qualidade. Conseqüência: defeitos surgiram e o consumidor passou a ser lesado. Direito privatista (Código Civil que tutela as relações individuais) incompatível com a nova sociedade de massa. Fornecedor assume a posição de força na relação de consumo. Necessidade da Intervenção estatal. No Brasil a CF/88 estabeleceu : Art. 5º, XXXII da CF Estado promoverá na forma da lei, a defesa do consumidor; Art. 170, V da CF A defesa do consumidor é princípio da ordem econômica; Art. 48 do ADCT prazo para o Congresso Nacional elaborar o CDC: 120 dias Proteção constitucional implícita: Dignidade da pessoa humana art. 1º, III da CF; Direito à vida caput do art. 5º da CF; Direito à intimidade, vida privada, honra e imagem art. 5º, X da CF; Direito à informação art. 5º, XXXIII da CF; Princípio da eficiência art. 37, caput da CF; Regulamentação da publicidade de certos produtos art. 220, 4º da CF. - 1

2 Princípio da liberdade do consumidor agir e escolher e do fornecedor empreender. CDC Lei 8078/90: - um microssistema multidisciplinar; - lei principiológica; - normas de ordem pública e interesse social. Diante deste contexto histórico, surgiu a tutela específica de defesa do consumidor em todo o mundo, visando reequilibrar a relação de consumo, seja reforçando a posição de consumidor, seja limitando certas práticas de mercado. RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO Conceito: É a relação jurídica existente entre fornecedor e consumidor tendo por objeto a aquisição de produtos ou utilização de serviços pelo consumidor (Nelson Nery Jr.) Sujeitos: Fornecedor e Consumidor Objeto: Produtos e Serviços Sujeitos: Consumidor: o CDC traz quatro definições: I artigo 2º, caput: consumidor destinatário final. Teoria Finalista: consumidor seria apenas aquele que adquire o bem para utilizá-lo em proveito próprio.teoria restritiva. Teoria Maximimalista: O conceito é objetivo, i.e., se consumido o produto qualquer que seja a sua finalidade, caracterizada está a figura do consumidor. Jurisprudência: Teoria Finalista com certo abrandamento se constatar vulnerabilidade da pessoa jurídica. - 2

3 II artigo 2º, parágrafo único: consumidor por equiparação: coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo. Adoção de medidas de segurança para os produtos perigosos como a informação ostensiva e adequada sobre a periculosidade respectiva; a regularidade na prestação do serviço público. III artigo 17: consumidor por equiparação: consumidor por equiparação todas as vítimas do evento danoso (bystander) Pessoa estranha à relação de consumo, mas que sofreu prejuízo em razão dos defeitos intrínsecos ou extrínsecos do produto ou serviço. EX: na queda de um avião em área residencial. IV artigo 29: consumidor por equiparação: são todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas comerciais (capítulo V do Título I). Basta a mera exposição às práticas comerciais ou contratuais para que se esteja diante de um consumidor a merecer tutela do CDC (ex: publicidade enganosa). Fornecedor: conceito legal: artigo 3º do CDC. Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica que forneça ao mercado de consumo determinado produto ou serviço. Fornecedor: gênero do qual fabricante, produtor, construtor, importador e comerciante são espécies. Pessoa física (profissional liberal, autônomo) ou jurídica; Pessoa jurídica de direito público ou pessoa jurídica privada: administração pública direta, indireta e concessionárias; - 3

4 Entes despersonalizados: não dotados de personalidade jurídica, inclui pessoa jurídica de fato/ sociedade em comum (ex: camelô, massa falida a quebra de um fabricante de TV não deve eliminar a garantia do funcionamento dos aparelhos). Objeto: a) produto: artigo 3º, 1º: é todo bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial. Qualquer objeto de interesse em dada relação de consumo, destinado a satisfazer uma necessidade do adquirente como destinatário final. EX: mútuo bancário bem imaterial. Produto gratuito ou amostra grátis. b) serviço: artigo 3º, 2º. Toda atividade remunerada fornecida no mercado de consumo, salvo as decorrentes das relações trabalhistas. Característica: remuneração.direta ou indireta. Quando a lei fala em remuneração não está referindo-se a preço cobrado. Deve-se entender por remuneração todo e qualquer tipo de cobrança ou repasse, direto ou indireto. Atividade de natureza bancária Para Nelson Nery a atividade bancária é relação de consumo por 4 motivos: Por serem remunerados; Por serem oferecidos de modo amplo e geral; Por serem vulneráveis os tomadores de tais serviços; Pela habitualidade e profissionalismo na sua prestação. Súmula 297 do STJ. - 4

5 STF: as relações de consumo de natureza bancária ou financeira devem ser protegidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Esse foi o entendimento do Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) que, por maioria, (nove votos a dois) julgou improcedente o pedido formulado pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras (Consif) na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) Serviço público art. 22 do CDC. Nos termos deste dispositivo os serviços públicos devem ser adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos. Serviços contínuos e inadimplemento: 02 correntes: 1- CDC, ao estabelecer a continuidade como uma das características do serviço essencial, não pode ser interrompido ainda que haja inadimplemento; 2- Nos termos do art. 6º, 3º, II da Lei nº 8987/95, é possível a interrupção em caso de inadimplemento, uma vez que nestes casos não estaria caracterizada a descontinuidade do serviço. A gratuidade não se presume. Consumidor ou Contribuinte: _ Serviço prestado de forma individualizada, com contraprestação direta por meio de tarifas ou preços públicos relação de consumo EX: transporte coletivo prestado direta ou indiretamente pelo Poder Público.; _ Serviço prestado de forma universal, com contraprestação por meio de tributo relação jurídica tributária Ex saúde ou segurança pública. IV - Princípios do CDC e Direitos Básicos do Consumidor a) dignidade da pessoa humana: é garantia fundamental que ilumina todos os demais princípios e normas do ordenamento jurídico pátrio. Art. 1º, III da CF e art. 4º, caput do CDC; Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios: - 5

6 b) proteção à vida, saúde e segurança: corolário do princípio da dignidade. Arts. 4º, caput e 6º, I do CDC. Os consumidores têm o direito de não serem expostos a perigos que atinjam sua incolumidade física; Art. 6º São direitos básicos do consumidor: I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos; Tem os consumidores e terceiros não envolvidos em dada relação de consumo, incontestável direito de não serem expostos a perigos que atinjam suas incolumidades físicas. c) proteção: arts. 1º e 4º, caput: garantem ampla proteção moral e material ao consumidor; Uma das questões básicas que justifica a existência da lei é a necessidade de proteção do consumidor em relação à aquisição de certos produtos ou serviços. EX: nos casos de medicamentos únicos para tratar doenças graves, nos serviços públicos, no suprimento de alimentos básicos, justifica-se a intervenção do Estado para garantir os aludidos suprimentos ao consumidor. O CDC foi elaborado justamente para tutelar o vulnerável na relação de consumo. d) transparência: art. 4º, caput. Consubstancia-se na obrigação do fornecedor de dar ao consumidor a oportunidade de conhecer os produtos ou serviços que são oferecidos, bem como a forma de contratação; O princípio da transparência será complementado pelo dever de informar (art. 6º, III), única forma de se conhecer o produto ou serviço, bem como pela obrigação de apresentar previamente o conteúdo do contrato, nos termos do art. 46. e) harmonia: será explicitado pelos princípios da boa-fé e do equilíbrio. Art. 4º, caput e III. A harmonia nas relações de consumo nasce dos princípios constitucionais da isonomia, da solidariedade e dos princípios gerais da atividade econômica. - 6

7 f) vulnerabilidade: art. 4º, I: o consumidor é a parte mais fraca na relação jurídica de consumo. Tal fraqueza (fragilidade) decorre de dois aspectos: um de ordem técnica, referente aos meios de produção, cujo conhecimento é monopólio do fornecedor e outro de ordem econômica; I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo; O primeiro aspecto está ligado aos meios de produção e, conforme dito, o conhecimento é monopólio do fornecedor. Quando se fala em monopólio quanto aos meios de produção, estamos nos referindo não só aos aspectos técnicos e administrativos para a fabricação ou distribuição do produto ou serviço, mas também ao fato de ser o fornecedor quem estabelece exclusivamente o que, quando e de que maneira produzir, de sorte que o consumidor está à mercê daquilo que é produzido. É por isso que quando se fala em escolha do consumidor, ela já nasce reduzida, pois só poderá optar por aquilo que existe e for oferecido no mercado. A oferta foi decidida unilateralmente pelo fornecedor, sem qualquer participação do consumidor. O segundo aspecto da vulnerabilidade é o econômico e diz respeito a maior capacidade financeira, via de regra, do fornecedor em relação ao consumidor. É fato que haverá consumidores com capacidade econômica até superior à do fornecedor, entretanto, a vulnerabilidade poderá existir no aspecto técnico. g) intervenção do Estado: art. 4º, II: para proteger o consumidor assegurando o acesso e qualidade dos produtos e serviços; Política Nacional Relação de Consumo Princípios: II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor: a) por iniciativa direta (PROCON é exemplo de órgão público de proteção e defesa do consumidor); b) por incentivos à criação e desenvolvimento de associações representativas (ADECON Associação de Defesa e Orientação do Consumidor / RS; IDEC Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor); c) pela presença do Estado no mercado de consumo; - 7

8 Trata-se da síntese do que dispõe o art. 170 da CF, no sentido de que cabe ao Estado propiciar o livre mercado e a livre concorrência, intervindo no mercado apenas em casos de abuso ao poder econômico, ou para suprir alguma lacuna da própria iniciativa privada. EX: Secretaria de Direito Econômico, com destaque para seus departamentos de proteção e defesa do consumidor (órgão central do sistema nacional de defesa do consumidor) e de defesa da ordem econômica. d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de qualidade, segurança, durabilidade e desempenho. EX: INMETRO Instituto Nacional de Metrologia e ABNT Associação Brasileira de Normas e Técnicas. h) boa-fé objetiva: art. 4º, III. III - harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo e compatibilização da proteção do consumidor com a necessidade de desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a viabilizar os princípios nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal), sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e fornecedores; Já a boa-fé objetiva presente no CDC, é uma regra de conduta, ou seja, é o dever das partes agirem dentro dos parâmetros de honestidade e lealdade, a fim de se estabelecer o equilíbrio nas relações de consumo. Nada tem a ver com a verificação da má-fé subejtiva do fornecedor ou consumidor. P.S.: O novo CC incorporou a boa-fé objetiva em seu art i) equilíbrio: princípio que busca a realização concreta de outro princípio, o da Justiça (art. 3º, I da CF). O CDC confere uma série de prerrogativas ao consumidor, visando equilibrar a relação de consumo. Mas não há falar em violação ao princípio constitucional da isonomia, pois estas prerrogativas visam colocar o vulnerável da relação em pé de igualdade com o fornecedor. - 8

9 j) igualdade nas contratações: art. 6º, II: o fornecedor não pode diferenciar o consumidor entre si. Deve oferecer as mesmas condições para todos, salvo conceder certos privilégios a pessoas que necessitam proteção especial. EX: idosos, crianças, gestantes: aplicação concreta do princípio da isonomia; Art. 6º São direitos básicos do consumidor: II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações; k) dever de informar: art. 6º, III: III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem; O fornecedor está obrigado a prestar todas as informações acerca do produto e do serviço, suas características, qualidades, riscos, preços,... de maneira clara e precisa, não se admitindo falhas ou omissões. O dever de informar somado à educação do consumidor, tem por objeto garantir a este a liberdade de escolha (pois a ciência das características do produto ou serviço lhe trará maior segurança no momento da aquisição), tornando efetivo, desta maneira, o equilíbrio das partes na relação de consumo. l) proteção contra publicidade enganosa ou abusiva: art. 6º, IV do CDC; IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços; m) proibição das práticas e cláusulas abusivas: art. 6º, IV. n) princípio da conservação: art. 6º, V (traz implícito esses princípio): Esse princípio está explícito no art. 51, 2º do CDC. - 9

10 EX: cláusula abusiva que é retirada de contrato de adesão de um determinado plano de saúde. o) Modificação e revisão das cláusulas que estabeleçam prestações desproporcionais ou se tornem excessivamente onerosas (art. 6º, V do CDC). p) Adequação e eficiência do serviço público: art. 6º, X: X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral. q) Responsabilidade solidária de todos os partícipes pelos danos causados: art. 7º, parágrafo único. Parágrafo único. Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo. Isso significa que o consumidor pode escolher a quem acionar: um ou todos. O escolhido responde pelo todo, podendo voltar-se contra os outros responsáveis para se ressarcir ou repartir os danos; r) Inversão do ônus da prova: tem por objeto facilitar a defesa do consumidor. Nos termos do art. 6º, VIII do CDC, o juiz poderá inverter o ônus da prova quando constatado um de seus elementos verossimilhança das alegações ou hipossuficiência do consumidor. Com a inversão, não caberá ao autor-consumidor provar que um determinado produto é defeituoso, uma vez que este ônus caberá ao fornecedor réu. Em matéria de publicidade, a inversão do ônus da prova é automática, i.e., ao fornecedor não basta veicular a verdade, é necessário que a prova da verdade da informação veiculada seja mantida em arquivo para eventual checagem (artigo 36, parágrafo único). O art. 38 do CDC trata de exceção à regra do CDC prevista no artigo 6º, inciso VIII que prevê a inversão do ônus da prova de forma não automática, ou seja, quando a critério do juiz for reconhecida a verossimilhança da alegação ou a hipossuficiência do consumidor - 10

11 Verossimilhança das alegações: aparência de verdade; Hipossuficiência Momento da inversão: 03 correntes: I) no despacho da petição inicial. Crítica: a inversão ocorrerá a critério do juiz. Portanto, cabe ao magistrado constatar a existência ou não da hipossuficiência ou verossimilhança das alegações. Desta forma, a inversão não poderia ocorrer com o despacho da inicial, uma vez que o juiz não teve tempo hábil para analisar a presença ou não dos requisitos ensejadores da inversão. II) Na sentença. Crítica: causaria surpresa às partes. EX: consumidor propõe ação de reparação de danos e não faz prova dos fatos constitutivos do seu direito acreditando na inversão deste ônus. Se o juiz apreciar a inversão só na sentença, poderá causar surpresa e prejuízo ao consumidor se não efetivar a inversão. III) Até ou na fase de saneamento,. Melhor posicionamento, uma vez que o juiz terá analisado a existência ou não da verossimilhança das alegações ou hipossuficiência do consumidor e não causará surpresa às partes. s) Prevenção e reparação dos danos materiais e morais: art. 6º, VI. VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos; Prevenção: ao dano material e moral significa que está garantido ao consumidor o direito de postular em juízo medidas cautelares (art. 84, 3º) com pedido de liminar a fim de evitar esses danos. EX: arts. 83 e 84 do CDC. RESPONSABILIDADE CIVIL NO CDC Histórico: Marco inicial: Revolução Industrial Consolidação: Segunda Guerra Mundial Rompimento conceito clássico de produção - 11

12 Defeitos começam a surgir e o Direito Clássico prevê apenas a responsabilidade subjetiva. Necessidade de novo modelo de responsabilidade: Responsabilidade Objetiva. a) Responsabilidade Civil Objetiva É aquela que independe da existência de culpa. b) Teoria do Risco: a base da responsabilidade civil objetiva Toda pessoa que exerce alguma atividade empresarial cria um risco de dano para terceiros e deve ser obrigada a repará-lo, ainda que sua conduta seja isenta de culpa. c) Diferença entre vício e defeito: Parte da doutrina entende que vício e defeito são expressões distintas: Vício: diz respeito à inadequação dos produtos e serviços para os fins a que se destinam. Defeito: diz respeito à insegurança de um produto ou um serviço. Por outro lado, parcela da doutrina entende que as expressões se implicam reciprocamente. Para esta corrente existem duas espécies de vício/defeito: 1) o de qualidade; 2) o de segurança. O CDC prevê duas modalidades de responsabilidade: 1ª) responsabilidade pelo fato do produto e do serviço; 2ª) responsabilidade por vício do produto e do serviço. 1ª) Da responsabilidade pelo fato do produto. Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos. Fato do produto: refere-se aos acidentes de consumo. Produto defeituoso: art. 12, 1º 1 O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - sua apresentação; - 12

13 II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi colocado em circulação. 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido colocado no mercado. O dispositivo contempla 03 categorias de fornecedores: a) fornecedor real: fabricante, produtor e construtor; b) fornecedor presumido: importador do produto industrializado ou in natura; c) fornecedor aparente: aquele que coloca seu nome ou marca no produto final. Fundamentos jurídicos da solidariedade: art. 7º, parágrafo único e art. 25, 1º e 2º. Art. 7º, Parágrafo único. Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo. Art Havendo mais de um responsável pela causação do dano, todos responderão solidariamente pela reparação prevista nesta e nas seções anteriores. 2 Sendo o dano causado por componente ou peça incorporada ao produto ou serviço, são responsáveis solidários seu fabricante, construtor ou importador e o que realizou a incorporação. O caput do art. 12 prevê, segundo a doutrina, 03 modalidades de defeitos: a) defeito de concepção ou criação: abrange os defeitos no projeto, formulação, inclusive o design dos produtos; b) defeito de produção ou fabricação: abrange os defeitos de fabricação, construção, montagem, manipulação e acondicionamento dos produtos; c) defeito de informação ou comercialização: abrange a apresentação, informação insuficiente ou inadequada, inclusive a publicidade. Nesse sentido o CDC também fornece um conceito de produto defeituoso (art. 12, par. 1 o.): - 13

14 1 O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - sua apresentação; II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi colocado em circulação. No tocante às inovações tecnológicas, o CDC não considera o produto defeituoso. Art. 12, par. 2 o.: 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido colocado no mercado. O comerciante só responderá nas hipóteses dos incisos do art. 13. Art. 13. O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo anterior, quando: I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser identificados; II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor, construtor ou importador; EX: produtos a granel, vendidos em feira ou supermercados. III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis. EX: Não refrigera corretamente queijo fresco ou iogurte. Direito de regresso: art. 13, parágrafo único: Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua participação na causação do evento danoso. É vedada a denunciação da lide art. 88 CDC. Art. 88. Na hipótese do art. 13, parágrafo único deste código, a ação de regresso poderá ser ajuizada em processo autônomo, facultada a possibilidade de prosseguir-se nos mesmos autos, vedada a denunciação da lide. A denunciação traria nova pessoa à lide e nova causa de pedir. Excludentes de responsabilidade art. 12, 3º CDC. - 14

15 3 O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será responsabilizado quando provar: I - que não colocou o produto no mercado; II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste; III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. O caso fortuito e a força maior exclui o nexo de causalidade somente após a colocação do produto no mercado de consumo. > Responsabilidade pelo fato do serviço: art. 14. Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. Serviço defeituoso: art. 14, 1º: 1 O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - o modo de seu fornecimento; II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi fornecido. 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas. Causas excludentes de responsabilidade art. 14, 3º 3 O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar: I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste; II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. O caso fortuito e a força maior exclui o nexo de causalidade somente quando se manifestam durante ou após a prestação do serviço. Ex: assalto em transporte coletivo - Resp.nº Responsabilidade dos profissionais liberais art. 14, 4º. - 15

16 4 A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa. É a responsabilidade subjetiva, exceção ao princípio da responsabilidade objetiva que rege as relações de consumo. Razões: natureza intuito pesonae e atividade de meio. É possível a inversão do ônus da prova diante da responsabilidade subjetiva. 2ª) Da responsabilidade pelo vício do produto: art. 18, caput. Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas. São duas as modalidades de vício: qualidade e quantidade. Vício de qualidade: aquele que torne o produto impróprio, inadequado, lhe diminua o valor ou esteja em desacordo com informações da oferta. Respeitadas as variações decorrentes de sua natureza. Disciplina das sanções art. 18, 1º/4º 1 Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional do preço. 2 Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do consumidor. 3 O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do 1 deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial. - 16

17 4 Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do 1 deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do 1 deste artigo. Vício de quantidade: art. 19, caput: É aquele cujo conteúdo líquido é inferior às indicações constantes do recipiente, embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária. Sanções: art. 19: I abatimento proporcional do preço; II complementação do peso ou medida; III substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo. Se impossível o 1º substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos; mediante complementação se o outro produto for mais caro; ou, restituição proporcional do valor pago, se o outro produto for mais barato. IV: restituição da quantia paga sem prejuízos das perdas e danos (tem que provar). Vício do Serviço Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I - a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível; Vide 1º II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional do preço. 1 A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente capacitados, por conta e risco do fornecedor. Serviços Públicos art. 22 Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos. - 17

18 Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código. Serviços contínuos e inadimplemento: 02 correntes: 1ª O CDC ao estabelecer a continuidade do serviço público essencial vetou a possibilidade de interrupção, mesmo diante de inadimplemento. Nesses casos, o Poder Público deverá valer-se dos instrumentos processuais hábeis para receber o valor devido, como a ação de cobrança. 2ª Nos termos do art. 6º, 3º, II, da Lei 8987/95 é possível a interrupção após aviso prévio, uma vez que nesses casos não estaria caracterizada a descontinuidade do serviço público. Fundamento: a gratuidade não se presume e o Poder Público não pode ser compelido a prestar serviço público ininterrupto se o usuário deixa de cumprir com suas obrigações, sob pena de comprometer a prestação do serviço perante toda a coletividade. IX PRÁTICAS COMERCIAIS OFERTA Não confundir com o Direito Privado: no modelo privatista regido pelo CC a oferta dá-se de pessoa para pessoa. Diferentemente, a oferta do CDC tutela especificamente a produção em série da sociedade de massa. O modelo atual é o da massificação, da produção em série, imposto com o objetivo de diminuição dos custos de produção e de atingir um maior número de consumidores. Na ortodoxia contratual, principalmente francesa, a regra era de que a oferta não produzia qualquer obrigação propriamente dita, e aquele que fizesse a oferta (proponente ou policitante) poderia se retratar desde que o prometido não tivesse sido aceito pela pessoa a quem foi dirigida (aceitante ou oblato). Assim, constatamos que a vinculação estava condicionada à aceitação, já que a oferta pura e simples não trazia consigo força obrigatória. A oferta prevista pelo CDC possui como uma de suas principais características o princípio da vinculação. Características da oferta do CDC: Art. 30. Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado. 1 a ) Toda informação ou publicidade tem que ser suficientemente precisa; 2ª) Vinculação da Oferta; 3 a ) Integra o contrato que vier a ser celebrado. 4ª) As informações devem ser: I corretas; II claras; - 18

19 III precisas; IV ostensivas; V em língua portuguesa; Recusa do cumprimento da oferta art. 35. I - Cumprimento forçado da oferta: o consumidor poderá valer-se dos instrumentos processuais existentes para fazer valer este direito. II - Aceitação de outro produto ou serviço equivalente; III - Rescisão do contrato com restituição do valor pago mais perdas e danos. X PUBLICIDADE Conceito: é toda informação dirigida ao público consumidor com o objetivo de promover, direta ou indiretamente, uma atividade econômica. Publicidade X Propaganda; Princípios que regem a publicidade no CDC: 1 o ) Princípio da identificação da publicidade: art. 36, caput. Art. 36. A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal. 2 o ) Princípio da vinculação contratual da publicidade: pode o consumidor exigir o cumprimento do veiculado na mensagem publicitária, nos termos do art. 35 do CDC; 3 o ) Princípio da veracidade da publicidade: art. 37 do CDC que proíbe a publicidade enganosa; 4 o ) Princípio da não abusividade da publicidade: art. 37 que proíbe a publicidade abusiva; 5 o ) Princípio da inversão obrigatória do ônus da prova no tocante à veracidade da publicidade: art. 38 do CDC; Art. 38. O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina. 6 o ) Princípio da transparência/da fundamentação da publicidade: art. 36, parágrafo único Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá, em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem. 7 o ) Princípio da correção do desvio da publicidade: é a contrapropaganda, prevista nos arts. 56, XII e 60, caput e parágrafo 1 o, todos do CDC. - 19

20 Publicidade enganosa: art. 37, 1º e 3º. Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. 1 É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços. 3 Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço. Conceito: é a publicidade inteira ou parcialmente falsa, capaz de induzir o consumidor em erro. Espécies: Publicidade enganosa por comissão: o fornecedor afirma algo que não é real; Publicidade enganosa por omissão: o fornecedor deixa de informar sobre dado essencial do produto ou do serviço (art. 37, 3º). Dado essencial é todo aquele que tem o poder de fazer com que o consumidor não materialize o negócio de consumo, caso o conheça. EX: cigarro e bebidas alcoólicas. Elemento subjetivo da publicidade enganosa: a intenção do anunciante não tem relevância para a caracterização da publicidade enganosa. Capacidade de enganar e erro real: não é exigível que o consumidor tenha sido enganado concretamente. Puffing: é o exagero publicitário. Só será permitido quando lhe faltar a precisão suficiente, quando tiver caráter jocoso, características que não permitem ser objetivamente encarado como vinculante. Anúncio ambíguo: se o anúncio tiver mais de um sentido, basta que um seja falso para que toda a mensagem seja considerada enganosa. Publicidade abusiva: art. 37, 2º 2 É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança. Conceito: é a publicidade antiética, que fere a vulnerabilidade do consumidor, seus valores sociais e a própria coletividade como um todo. Uma publicidade pode ter um anúncio enganoso e ao mesmo tempo abusivo. - 20

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

Cartilha do Serviço de Atendimento ao Cliente

Cartilha do Serviço de Atendimento ao Cliente Versão CSAC 12/2012 Cartilha do Serviço de Atendimento ao Cliente DIREITOS E DEVERES - SAC Prefácio Em cumprimento a Portaria nº 371, de 29 de dezembro de 2009 do INMETRO, atendendo os requisitos 7.1 e

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR

DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RETA FINAL - MG RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO A relação jurídica de consumo possui três elementos, a saber: o subjetivo, o objetivo e o finalístico. Por elemento subjetivo devemos entender

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA!

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! CUIDADOS AO COMPRAR UM PRODUTO Houve um tempo em que o consumidor se sentia desamparado na hora de adquirir um produto. Sem contar com

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Por André Motoharu Yoshino Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Leia mais

Dos direitos do consumidor Temas abordados nessa aula:

Dos direitos do consumidor Temas abordados nessa aula: Dos direitos do consumidor Temas abordados nessa aula: a) Disposições gerais (Arts. 1 a 3) b) Da política nacional de relações de consumo (Arts. 4 e 5) c) Dos direitos básicos do consumidor (Art. 6) d)

Leia mais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais Direito do Consumidor Aula 01 Professora Flávia Zebulum O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais -Direito e Garantia Fundamental: Art. 5, XXXII CF/88 -Princípio Inerente a Ordem Econômica: Art.

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais DIREITO DO CONSUMIDOR AULA 02 Das práticas Comerciais 1. Da Oferta Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

Práticas Comerciais. Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo

Práticas Comerciais. Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo Práticas Comerciais Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo A garantia contratual A garantia ganhou proteção específica, mas não exaustiva. A lei garante

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR II

DIREITO DO CONSUMIDOR II DIREITO DO CONSUMIDOR II RESPONSABILIDADE CIVIL Prof. Thiago Gomes Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR 1. CONTEXTUALIZAÇÃO E agora Doutor? Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA OFERTA VÍNCULO DA RELAÇÃO DE CONSUMO MERCADO DE CONSUMO OFERTA Artigo 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Relações de Consumo

Responsabilidade Civil nas Relações de Consumo Responsabilidade Civil nas Relações de Consumo Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil III Publicação no semestre 2015.1 Autor: Valberto Alves de Azevedo Filho

Leia mais

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida PROCON CAMPINAS MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida Bem diz o ditado: Quem casa quer casa! Com casas e apartamentos cada vez

Leia mais

Francisco José Soller de Mattos

Francisco José Soller de Mattos Princípios gerais da publicidade no Código de Proteção e Defesa do Consumidor Francisco José Soller de Mattos Introdução Nosso ordenamento jurídico não obriga a Nosso ordenamento jurídico não obriga a

Leia mais

COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE "... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO. Art. 18. No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito,

COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE ... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO. Art. 18. No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito, COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE "... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO Art. 18 No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito, deve ele ser consertado, não havendo outro jeito. Não sendo o

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público ATENDIMENTO - Prof. Mariana Fittipaldi 1- Aurora contratou com determinada empresa de telefonia fixa um pacote de serviços de valor preestabelecido que incluía ligações locais de até 100 minutos e isenção

Leia mais

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 Noções de Direito do Consumidor Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 AULA 01 18/06/2012 Mini Currículo P r o f e s s o r e A d v o g a d o. E s p e c i a l i s t a e m R e l a ç õ e s d e C o n s

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 2014 CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Proteção e Defesa

Leia mais

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio.

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio. GUIA PRÁTICO DO CONSUMIDOR O que é Código de Defesa do Consumidor? - É uma lei de ordem pública (8.078/90) que estabelece direitos e obrigações de consumidores e fornecedores, para evitar que os primeiros

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 LEI Nº 10.962, DE 11 DE OUTUBRO DE 2004 DECRETO Nº 2.181, DE 20 DE MARÇO DE 1997 DECRETO Nº 5.903, DE 20 DE SETEMBRO DE

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...11 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...11 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 2 4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990... 11 TÍTULO IDos Direitos do Consumidor... 11 CAPÍTULO I - Disposições Gerais... 11 CAPÍTULO II - Da Política Nacional de Relações

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 LEI Nº 10.962, DE 11 DE OUTUBRO DE 2004 DECRETO Nº 2.181, DE 20 DE MARÇO DE 1997 DECRETO Nº 5.903, DE 20 DE SETEMBRO DE

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

Práticas comerciais. Oferta. Ahyrton Lourenço Neto

Práticas comerciais. Oferta. Ahyrton Lourenço Neto Ahyrton Lourenço Neto Especialista em Administração Tributária pela Universidade Castelo Branco. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Atua como advogado e é professor

Leia mais

Código de Proteção e Defesa do Consumidor

Código de Proteção e Defesa do Consumidor Ministério da Justiça Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor - DPDC Código de Proteção e Defesa do Consumidor e Decreto nº 2.181, de 20 de Março de 1997

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Distribuição Gratuita Edição Comentada CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 2012 LEI DIREITOS DEVERES SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE GUARULHOS Conheça seu sindicato contribuinte, saiba tudo que o sincomércio

Leia mais

São 12 Modelos de Cartas, para as seguintes reclamações:

São 12 Modelos de Cartas, para as seguintes reclamações: São 12 Modelos de Cartas, para as seguintes reclamações: 1. Reclamação ou solicitação em geral 2. Reclamação de alteração unilateral do contrato 3. Reclamação por falta da entrega de nota fiscal 4. Solicitação

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 LEI Nº 10.962, DE 11 DE OUTUBRO DE 2004 DECRETO Nº 2.181, DE 20 DE MARÇO DE 1997 DECRETO Nº 5.903, DE 20 DE SETEMBRO DE

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor

Código de Defesa do Consumidor Código de Defesa do Consumidor O Código de Defesa do Consumidor e os Cirurgiões-Dentistas Agora é lei, os prestadores de serviço estão obrigados a manter em local visível e de fácil acesso ao público

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR O PROCON MUNICIPAL tem como principal tarefa a proteção e defesa do consumidor, por isso desenvolveu este guia para melhor transparência e respeito, para você, consumidor.

Leia mais

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail. Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.com - A política econômica de defesa do consumidor. -- Liberalismo,

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR (Lei n 8.078, de 11 de setembro de 1990) 2010 LEI N 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI Nº 8.078/90. Profª Martha Messerschmidt

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI Nº 8.078/90. Profª Martha Messerschmidt CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI Nº 8.078/90 Profª Martha Messerschmidt ART. 1º NORMAS DE ORDEM PÚBLICA e INTERESSE SOCIAL: - Normas cogentes, imperativas = equilíbrio das relações de consumo. - São

Leia mais

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11 SUMÁRIO O Código de Defesa do Consumidor 7 Como ser um consumidor bem informado? 8 O que é relação de consumo? 10 Conheça os seus direitos 11 Prazos para reclamar 17 O que é cadastro 19 Dicas importantes

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 INTRODUÇÃO Antigamente não existia uma lei que protegesse as pessoas que comprassem um produto ou contratassem qualquer

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NAS RELAÇÕES CONTRATUAIS DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL NAS RELAÇÕES CONTRATUAIS DE CONSUMO 1 RESPONSABILIDADE CIVIL NAS RELAÇÕES CONTRATUAIS DE CONSUMO Sumário 1. Introdução 2. Aspectos Constitucionais 3. A relação de consumo 4. Produtos e Serviços 5. A responsabilidade civil e seus elementos

Leia mais

Curso de Formação em Direitos do Consumidor

Curso de Formação em Direitos do Consumidor Curso de Formação em Direitos do Consumidor Apresentação Olá! Bem vindo ao Curso de Formação em Direitos do Consumidor do PROCON Carioca. Este curso foi desenvolvido para todos os consumidores da cidade

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

DIREITOS DO CONSUMIDOR Prof. Danilo Vieira Vilela

DIREITOS DO CONSUMIDOR Prof. Danilo Vieira Vilela Direitos Difusos e Coletivos - UNISO 1 DIREITOS DO CONSUMIDOR Prof. Danilo Vieira Vilela Sumário Origens e evolução histórica... 2 Fundamento Constitucional... 2 O Código de Defesa do Consumidor (lei 8.078/90)...

Leia mais

LEI Nº 8.078, Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

LEI Nº 8.078, Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR!"# LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR DIA 07 DE DEZEMBRO DE 2007 PROFESSOR FLÁVIO TARTUCE

DIREITO DO CONSUMIDOR DIA 07 DE DEZEMBRO DE 2007 PROFESSOR FLÁVIO TARTUCE 1 Direito do consumidor Lei 8.078/90 - CDC O nosso direito do consumidor é referência para outros países. 1.1 Diálogo das fontes É uma teoria alemã trazia ao Brasil pela professora Cláudia Lima Marques.

Leia mais

Código de Proteção e Defesa do Consumidor

Código de Proteção e Defesa do Consumidor Código de Proteção e Defesa do Consumidor CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR O Código de Defesa do Consumidor CDC, regulamentado pela Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, estabelece normas de proteção e direito

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

consumidor consulte seus direitos

consumidor consulte seus direitos Câmara dos Deputados consumidor consulte seus direitos com VINICIUS CARVALHO Deputado Federal Centro de Documentação e Informação Coordenação de Publicações BRASÍLIA 2008 05948.indd 1 25/04/2008 13:50:24

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av.

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907, bairro Caminho das Arvores,

Leia mais

Cartilha do Jovem Consumidor

Cartilha do Jovem Consumidor MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/PI Cartilha do Jovem Consumidor Projeto Educação para o Consumo Responsabilidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) Obriga a apresentação de documento de identidade do titular de cartão de crédito ou débito, ou de seu dependente, conforme

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos

Telecomunicações: faça valer seus direitos Telecomunicações: faça valer seus direitos Exercer nosso direito à comunicação é uma questão de cidadania. Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja aqui

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

Boas Vendas, Boas Compras!

Boas Vendas, Boas Compras! Boas Vendas, Boas Compras! Foto: Erick Barros (Banco de Imagens do Senac) Guia prático de direitos e deveres para lojistas e consumidores Guia prático de direitos e deveres para lojistas e consumidores

Leia mais

O EMPRESÁRIO E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR

O EMPRESÁRIO E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR O EMPRESÁRIO E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR DIREITO COMERCIAL E LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA 3º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO.. MACAPÁ 2011 1 EMENTA: 1. Conceito.

Leia mais

Sumário. O telefone... 21 Nota à sétima edição... 23 Prefácio à sétima edição... 25 Prefácio à segunda edição... 27

Sumário. O telefone... 21 Nota à sétima edição... 23 Prefácio à sétima edição... 25 Prefácio à segunda edição... 27 O telefone... 21 Nota à sétima edição... 23 Prefácio à sétima edição... 25 Prefácio à segunda edição... 27 Capítulo I Contextualizando o CDC... 35 1. O CDC como um microssistema legislativo... 35 2. O

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR. Índice. Título I Dos direitos do consumidor ( arts.1ºa60º ) Capítulo I Disposições gerais ( arts.

CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR. Índice. Título I Dos direitos do consumidor ( arts.1ºa60º ) Capítulo I Disposições gerais ( arts. CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Índice Título I Dos direitos do consumidor ( arts.1ºa60º ) Capítulo I Disposições gerais ( arts.1º a 3º ) Capítulo II Da política nacional de relações de consumo

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR

DIREITO DO CONSUMIDOR Capitulo I DIREITO DO CONSUMIDOR SUMÁRIO 1. Regulamentação das relações de consumo: 1.1 A Constituição e Código de Defesa do Consumidor; 1.2. Norma de ordem pública e de interesse social; 1.3. Aplicação

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE.

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total CONTRATOS REGULAMENTAÇÃO DOS CORRETORES E DO CONTRATO DE CORRETAGEM DO CORRETOR

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR Orientador Empresarial Ciladas do Consumo-Como Evitar-Decisões do STJ Ajudam AS CILADAS DO CONSUMO NA MIRA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 488, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007 Aprova o Regulamento de Proteção e Defesa dos Direitos dos Assinantes dos Serviços de Televisão por Assinatura. O CONSELHO

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais