COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP"

Transcrição

1 Porto Velho, Março COMUNICADO MODIFICAÇÕES NO PLANO DE CONTAS SIGAP Com o objetivo de manter a uniformização do Plano de Contas dos órgãos e entidades municipais, o qual é parte integrante do Sistema Integrado de Gestão e Auditoria Pública SIGAP, nos termos do que dispõe a Instrução Normativa n.º 019/TCE-RO/2006, o Tribunal de Contas está disponibilizando a 1.ª Atualização efetuada no referido Plano de Contas para o exercício de Essa atualização visa atender as seguintes Portarias da Secretaria do Tesouro Nacional STN: n.ºs 406, de ; 504, de e 48, de , que alteram a Portaria STN n.º 340, de , além de observar a Portaria STN N.º 338, DE , que trata das receitas intra-orçamentárias. Da mesma forma, essa atualização traz as contas necessárias à contabilização do FUNDEB, o qual foi instituído pela Emenda Constitucional n.º 053, de , cuja regulamentação está sendo realizada por meio da Medida Provisória n.º 339, de Foram realizadas também outras alterações que se fazem necessárias para a continuidade do processo de padronização e consolidação das contas públicas nacionais. Comunica-se que, caso seja necessário, assim que for publicada a Portaria do Ministério da Previdência Social, que irá atualizar a Portaria MPS N.º 916/2003, o Tribunal procederá as alterações pertinentes no plano de contas do SIGAP. As alterações promovidas encontram-se disponíveis para download na página da Internet deste Tribunal, no link do SIGAP, cujos códigos e especificações deverão ser adotados, obrigatoriamente, na Execução Orçamentária do exercício de 2007.

2 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 6 RECURSOS DA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DO RPPS SIM P A 6 OUTROS ADIANTAMENTOS SIM S 4 VALORES EM TRÂNSITO REALIZÁVEIS SIM F A 5 OUTROS VALORES EM TRÂNSITO SIM F A 6 OUTROS TÍTULOS DO TESOURO NACIONAL PRÉ-FIXADO SIM F A 6 OUTROS TÍTULOS DO TESOURO NACIONAL PÓS -FIXADO SIM F A 5 TÍTULOS E VALORES SIM F A 5 PROVISÃO PARA PERDAS DE TÍTULOS E VALORES SIM S 4 INVESTIMENTOS COM A TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DO RPPS SIM F A 5 INVESTIMENTOS COM A TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DO RPPS SIM F A 5 PROVISÃO PARA PERDAS DE INVESTIMENTOS COM A TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DO RPPS SIM S 4 EMPRÉSTIMOS COM RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS A RECEBER SIM P A 5 EMPRÉSTIMOS A RECEBER SIM P A 5 PROVISÃO PARA PERDAS DE EMPRÉSTIMOS A RECEBER SIM P A 5 MARCAS, DIREITOS E PATENTES INDUSTRIAIS SIM P A 5 SOFTWARES SIM P A 5 OUTROS BENS INTANGÍVEIS SIM S 6 CRÉDITO INICIAL SUPLEMENTAR SIM O A 7 ORIGINÁRIO DO ORÇAMENTO SIM O A 7 NÃO ORIGINÁRIO DO ORÇAMENTO SIM O A 7 ORIGINÁRIO DO ORÇAMENTO SUPLEMENTAÇÃO AUTOMÁTICA SIM S 7 CRÉDITOS ESPECIAIS SIM O A 7 CRÉDITOS ESPECIAIS SUPLEMENTAÇÃO SIM O A 7 CRÉDITOS ESPECIAIS REABERTOS SIM C A 4 VALORES PATRONAIS RPPS FOLHA PRÓPRIA SIM S 5 CONTROLE DE BENS E VALORES SIM C A 6 AMORTIZAÇÃO DO DÉFICIT ATUARIAL SIM C A 6 PARCELAMENTO DE DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS NÃO S 7 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT DO RPPS NÃO S 8 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT DO RPPS DO EXERCÍCIO NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT APOSENTADORIAS EXECUTIVO / INDIRETAS Folha: 2

3 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT APOSENTADORIAS LEGISLATIVO NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT PENSÕES NÃO S 8 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT DO RPPS DO EXERCÍCIO ANTERIOR NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT DO EXERCÍCIO ANTERIOR APOSENTADORIAS EXECUTIVO / INDIRETAS NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT - DO EXERCÍCIO ANTERIOR - APOSENTADORIAS LEGISLATIVO NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE PARA COBERTURA DE DÉFICIT - DO EXERCÍCIO ANTERIOR - PENSÕES OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DA FONTE NÃO S 7 TESOURO OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DA FONTE NÃO S 8 TESOURO - DO EXERCÍCIO OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA NÃO F A 9 PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO - EXECUTIVO / INDIRETAS OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA NÃO F A 9 PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO - LEGISLATIVO OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA NÃO F A 9 PAGAMENTO DE PENSÕES DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DA FONTE NÃO S 8 TESOURO - DO EXERCÍCIO ANTERIOR OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA NÃO F A 9 PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO ANTERIOR - EXECUTIVO / INDIRETAS OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA NÃO F A 9 PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO ANTERIOR - LEGISLATIVO Folha: 3

4 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A 9 OBRIGAÇÃO DE REPASSE CONCEDIDO AO RPPS PARA PAGAMENTO DE PENSÕES DA FONTE TESOURO - DO EXERCÍCIO ANTERIOR OBRIGAÇÕES PATRONAIS A RECOLHER - PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A SIM F A 7 NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS SIM S 6 BENEFÍCIOS A PAGAR SIM F A 7 DO EXERCÍCIO SIM F A 7 DO EXERCÍCIO ANTERIOR SIM F A 7 PRECATÓRIOS DE BENEFÍCIOS SIM F A 7 PRECATÓRIOS DE BENEFÍCIOS - EXERCÍCIO ANTERIOR SIM S 4 VALORES EM TRÂNSITO EXIGÍVEIS SIM F A 5 VALORES A DEBITAR SIM S 5 PROVISÕES ATUARIAIS PARA AJUSTES DO PLANO SIM P A 6 PROVISÃO ATUARIAL PARA RISCOS NÃO EXPIRADOS SIM P A 6 PROVISÃO ATUARIAL PARA OSCILAÇÃO DE RISCOS SIM P A 6 PROVISÃO ATUARIAL PARA BENEFÍCIOS A REGULARIZAR SIM P A 6 PROVISÃO ATUARIAL PARA CONTINGÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SIM P A 6 OUTRAS PROVISÕES ATUARIAIS PARA AJUSTES DO PLANO SIM S 4 RECURSOS ARRECADADOS SIM S 5 ARRECADAÇÃO POR DESTINAÇÃO SIM S 6 ARRECADAÇÃO BRUTA SIM C A 7 ARRECADAÇÃO BRUTA DE RECEITA VINCULADA SIM C A 6 OUTROS RECURSOS DE RECEITA VINCULADA SIM C A 4 VALORES PATRONAIS RPPS - FOLHA PRÓPRIA TRANSFERÊNCIAS A INSTITUIÇÕES PRIVADAS SEM FINS NÃO S 4 LUCRATIVOS NÃO S 6 VENCIMENTOS E VANTAGENS FIXAS - PESSOAL CIVIL NÃO S 7 OUTRAS DESPESAS FIXAS - PESSOAL CIVIL TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS PARA COBERTURA DE DESPESAS COM PESSOAL CONTRATADO ATRAVÉS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NÃO F A NÃO S 6 OBRIGAÇÕES PATRONAIS NÃO F A 7 FGTS NÃO F A 7 INSS SIM F A 7 ENCARGOS DE PESSOAL REQUISITADO DE OUTROS ENTES Folha: 4

5 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O RPPS SIM F A 7 MULTAS SIM F A 7 JUROS SIM F A 7 ENCARGOS DE PESSOAL REQUISITADO DE OUTROS ENTES SIM F A 7 OUTRAS OBRIGACOES PATRONAIS SIM F A 7 RESSARCIMENTO DE DESPESAS DE PESSOAL REQUISITADO NÃO F A 8 AMORTIZAÇÃO DE DÉBITOS COM O FUNDO/INDIRETA DE SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL SIM S 6 RESSARCIMENTO DE DESPESAS DE PESSOAL REQUISITADO - OPERAÇÕES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM F A 7 PESSOAL REQUISITADO DE OUTROS ORGAOS NÃO F A 6 AUXÍLIO FARDAMENTO NÃO F A 8 OUTRAS CONTRIBUIÇÕES IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL SIM F A 7 URBANA - IPTU SIM F A 7 IMPOSTO DE RENDA SIM F A 7 IMPOSTO SOBRE SERVICOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN SIM F A 7 CONDOMÍNIOS SIM F A 7 LOCAÇÃO DE IMÓVEIS SIM F A 7 SERVIÇO DE ÁGUA E ESGOTO SIM F A 7 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO EM GERAL SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALAR, ODONTOLÓGICO E SIM F A 7 LABORATORIAIS SIM F A 7 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS - PESSOA JURÍDICA OBRIG. TRIBUT. E CONTRIB. - OPERAÇÕES INTRA SIM S 6 ORÇAMENTÁRIAS SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL SIM F A 7 URBANA - IPTU SIM S 6 DESPESAS DE EXERCICIOS ANTERIORES SIM F A 7 SERVIÇOS DE TERCEIROS - PESSOA JURÍDICA SIM F A 7 OBRIGAÇÕES TRIBUTARIAS E CONTRIBUTIVAS SIM F A 7 INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES SIM S 6 INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES SIM F A 7 INDENIZAÇÕES SIM F A 7 RESTITUIÇÕES Folha: 5

6 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 7 MATERIAL DE CONSUMO DE USO DURADOURO SIM S 5 APLICAÇÕES DIRETAS - OPERAÇÕES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM S 6 AQUISIÇÕES DE IMÓVEIS SIM F A 7 EDIFÍCIOS SIM F A 7 TERRENOS SIM F A 7 SALAS E ESCRITORIOS SIM F A 7 OUTROS BENS IMÓVEIS CONTRIBUIÇÕES PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE NÃO S 6 SOCIAL CONTRIBUIÇÕES PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE NÃO S 7 SOCIAL - PRINCIPAL NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIDORES ATIVOS PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIDORES INATIVOS E PENSIONISTAS PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIDORES ATIVOS PARA A ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SERVIDOR CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIDORES INATIVOS PARA A NÃO F A 8 ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SERVIDOR CONTRIBUIÇÃO DOS PENSIONISTAS PARA A ASSISTÊNCIA NÃO F A 8 MÉDICA DO SERVIDOR NÃO F A 6 TÍTULOS DE RESPONSABILIDADE DO GOVERNO FEDERAL NÃO F A 6 TÍTULOS DE EMISSÃO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS FEDERAIS TÍTULOS DE EMISSÃO DE SUBSIDIÁRIAS DE INSTITUIÇÕES NÃO F A 6 FINANCEIRAS FEDERAIS NÃO F A 6 AÇÕES E COTAS DE SOCIEDADES NÃO F A 6 OUTROS RENDIMENTOS DE TÍTULOS NÃO S 5 FUNDOS DE INVESTIMENTOS NÃO F A 6 FUNDOS DE INVESTIMENTOS RENDA FIXA NÃO F A 6 FUNDOS DE APLICAÇÕES EM COTAS - RENDA FIXA NÃO F A 6 FUNDOS DE AÇÕES NÃO F A 6 FUNDOS DE APLICAÇÕES EM COTAS - RENDA VARIÁVEL NÃO F A 6 OUTROS FUNDOS DE INVESTIMENTOS NÃO S 6 REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS DE RECURSOS VINCULADOS Folha: 6

7 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A NÃO F A NÃO F A NÃO F A NÃO F A NÃO F A NÃO F A NÃO S NÃO F A NÃO F A 8 RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - ROYALTIES RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDEF RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDO DE SAÚDE RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE - ASPS RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDEB RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS - FUNDO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FNAS RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS DE RECURSOS VINCULADOS RECEITA DE RENDIMENTOS DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - FUNDO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR RECEITA DE RENDIMENTOS DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - FUNDO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR NÃO S 6 REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS DE RECURSOS NÃO VINCULADOS NÃO F A 7 RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS DE POUPANÇA RECEITA DE REMUNERAÇÃO DE OUTROS DEPÓSITOS DE NÃO F A 7 RECURSOS NÃO VINCULADOS SIM S 5 REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SIM F A 6 REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS EM RENDA FIXA SIM F A 6 REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS EM RENDA VARIÁVEL REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS EM FUNDOS SIM F A 6 IMOBILIÁRIOS NÃO F A 8 COTA-PARTE DO FPM - FUNDEB NÃO F A 8 COTA-PARTE DO ITR - FUNDEB Folha: 7

8 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A 8 TRANSFERENCIA FINANCEIRA - L.C.N 87/96 - FUNDEB NÃO F A 8 COTA-PARTE DO ICMS - FUNDEB NÃO F A 8 COTA-PARTE DO IPVA - FUNDEB NÃO F A 8 COTA-PARTE DO IPI/EXPORTACAO - FUNDEB NÃO F A 8 TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDEF NÃO F A 8 TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDEB SIM S 6 MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O RPPS SIM F A 7 MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL SIM F A 7 MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUIÇÃO DO SERVIDOR SIM F A 6 COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS ENTRE RGPS E RPPS NÃO F A 6 DESCONTOS OBTIDOS NÃO S 5 ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ADQUIRIDOS COM RECURSOS VINCULADOS NÃO F A 6 RECURSOS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ADQUIRIDOS COM OUTROS NÃO F A 6 RECURSOS VINCULADOS NÃO F A 5 ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ADQUIRIDOS COM RECURSOS NÃO VINCULADOS NÃO S 5 ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS ADQUIRIDOS COM RECURSOS VINCULADOS NÃO F A 6 RECURSOS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS SIM S 2 RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM S 3 RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM S 4 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - INTRA-ORÇAMENTÁRIAS CONTRIBUIÇÕES PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE NÃO S 6 SOCIAL - INTRA-ORÇAMENTÁRIAS CONTRIBUIÇÕES PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE NÃO S 7 SOCIAL - PRINCIPAL NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO A SAUDE DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTENCIA SOCIAL DO SERVIDOR CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO SIM S 6 INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DE SERVIDOR ATIVO CIVIL - INTRA- ORÇAMENTÁRIA Folha: 8

9 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DE SERVIDOR INATIVO CIVIL - INTRA- ORÇAMENTÁRIA SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DE PENSIONISTA CIVIL - INTRA- ORÇAMENTÁRIA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA AMORTIZAÇÃO DO SIM F A 7 DÉFICIT ATUARIAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA EM REGIME DE SIM F A 7 PARCELAMENTO DE DÉBITOS NÃO S 6 OUTRAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PARA A SAÚDE DO SERVIDOR EM REGIME DE PARCELAMENTO DE DÉBITOS SIM S 3 RECEITA PATRIMONIAL - INTRA-ORÇAMENTÁRIA SIM S 4 RECEITAS IMOBILIÁRIAS SIM F A 5 ALUGUÉIS SIM S 3 OUTRAS RECEITAS CORRENTES INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM S 4 MULTA E JUROS DE MORA SIM S 5 MULTA E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUIÇÕES SIM S 6 MULTA E JUROS DE MORA DA CONTRIBUIÇÃO PARA O RPPS SIM F A 7 MULTA E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUIÇÕES PATRONAIS SIM F A 7 MULTA E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUIÇÕES DO SERVIDOR SIM S 6 MULTA E JUROS DE MORA DE OUTRAS CONTRIBUIÇÕES MULTA E JUROS DE MORA DE OUTRAS CONTRIBUIÇÕES SIM F A 7 PRINCIPAL SIM S 4 INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES SIM S 5 INDENIZAÇÕES SIM F A 6 OUTRAS INDENIZACOES SIM S 5 RESTITUIÇÕES SIM F A 6 OUTRAS RESTITUIÇÕES SIM S 4 RECEITAS DIVERSAS SIM F A 6 OUTRAS RECEITAS SIM S 2 RECEITAS DE CAPITAL - INTRA-ORÇAMENTÁRIAS SIM S 3 ALIENAÇÃO DE BENS SIM S 4 ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS SIM F A 5 ALIENAÇÃO DE TÍTULOS MOBILIÁRIOS SIM F A 5 ALIENAÇÃO DE OUTROS BENS MÓVEIS SIM S 4 ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS Folha: 9

10 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 5 ALIENAÇÃO DE OUTROS BENS IMÓVEIS SIM S 3 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS SIM F A 6 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS DIVERSOS SIM S 3 OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL SIM F A 4 OUTRAS RECEITAS NÃO F A 3 (R) RENÚNCIA NÃO F A 3 (R) RESTITUIÇÕES NÃO F A 3 (R) DESCONTOS CONCEDIDOS NÃO F A 3 (R) COMPENSAÇÕES NÃO F A 8 (R) DEDUÇÕES DA RECEITA DO FPM - FUNDEB NÃO F A 8 (R) DEDUÇÕES DA RECEITA PARA FORMAÇÃO DO FUNDEB - IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL - ITR NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEF - ICMS - DESONERACAO - LEI COMPLEMENTAR 87/ NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - ICMS - DESONERACAO - LEI COMPLEMENTAR 87/ NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEF - ICMS NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - ICMS NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - IPVA NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEF - IPI/EXPORTACAO NÃO F A 8 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEB - IPI/EXPORTACAO NÃO F A 4 (R) RENDIMENTOS NEGATIVOS EM APLICAÇÕES FINANCEIRAS CT NÃO F A 3 (R) RETIFICAÇÕES NÃO F A 3 (R) OUTRAS DEDUÇÕES SIM P A 6 EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS PROVISÕES PARA PERDAS DE INVESTIMENTOS COM A TAXA DE ADMINISTRAÇÃO SIM F A SIM F A 7 PROVISÕES PARA PERDAS DE EMPRÉSTIMOS A RECEBER SIM F A 5 AJUSTES FINANCEIROS SIM F A 5 AJUSTES NÃO FINANCEIROS Folha: 10

11 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram INCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: REPASSE PREVIDENCIARIO PARA PAGAMENTOS DE SIM F A 6 RESPONSABILIDADE DA FONTE TESOURO SIM P A 5 INCORPORAÇÃO DE BENS INTANGÍVEIS SIM F A 7 REVERSAO DE PROVISOES PARA PERDAS DE INVESTIMENTOS COM A TAXA DE ADMINISTRAÇÃO SIM F A 7 REVERSÃO DE PROVISÃO PARA PERDAS DE EMPRÉSTIMOS A RECEBER Folha: 11

12 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram ALTERADAS no Plano de Contas, para execução em 2007, as seguintes contas: * Estas contas passaram a ser Sintéticas/Analíticas ou tiveram os códigos trocados/alterados; ** Foi alterado o Sistema da Conta; *** Foi alterado o Nome e/ou a Função da Conta * SIM S 5 ADIANTAMENTOS A PESSOAL *** SIM S 4 TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS * SIM S 4 BENS INTANGIVEIS * NÃO O A 8 SUPERAVIT FINANCEIRO * NÃO O A 8 SALDO ANTERIOR - REDUÇÕES ORÇAMENTÁRIAS * NÃO O A 8 EXCESSO DE ARRECADACAO * NÃO O A 8 OPERACOES DE CREDITO * NÃO O A 8 AUXILIOS E CONVENIOS * NÃO O A 8 DOACOES * SIM S 3 DESPESAS E DIVIDAS DOS ESTADOS E MUNICIPIOS * SIM F A 6 INSS * SIM S 5 DIVERSOS CONSIGNATÁRIOS * SIM F A 6 OUTROS CONSIGNATÁRIOS * NÃO F A 6 OBRIGAÇÕES PATRONAIS A RECOLHER - RPPS * SIM S 6 OUTROS ENCARGOS * SIM S 3 DESPESAS E DIVIDAS DOS ESTADOS E MUNICIPIOS * SIM C A 4 DIREITOS E OBRIGACOES CONTRATADAS *** SIM F A 7 CONTRIBUICAO PARA O PIS/PASEP OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS-PESSOA JURIDICA - INTRA- ORÇAMENTÁRIAS * SIM S * NÃO S 5 JUROS DE TITULOS DE RENDA * NÃO S 5 REMUNERACAO DE DEPOSITOS BANCARIOS *** NÃO S 6 TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DO FUNDEB *** NÃO F A 6 TRANSFERENCIAS DE RECURSOS DA COMPLEMENTAÇÃO DA UNIÃO AO FUNDEB * NÃO F A 7 AMORTIZACOES DE EMPRESTIMOS - EM CONTRATOS * NÃO F A 6 AMORTIZACOES DE EMPRÉSTIMOS DIVERSOS (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 3 FUNDEF/FUNDEB *** NÃO S 4 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO FUNDEF/FUNDEB - TRANSFERENCIAS INTERGOVERNAMENTAIS Folha: 12

13 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram ALTERADAS no Plano de Contas, para execução em 2007, as seguintes contas: * Estas contas passaram a ser Sintéticas/Analíticas ou tiveram os códigos trocados/alterados; ** Foi alterado o Sistema da Conta; *** Foi alterado o Nome e/ou a Função da Conta. (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 5 FUNDEF/FUNDEB - TRANSFERENCIA DA UNIAO (R) DEDUCOES DA RECEITA DO FPM - FUNDEF/FUNDEB E *** NÃO S 7 REDUTOR FINANCEIRO. (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 6 FUNDEF/FUNDEB - ICMS - DESONERACAO - LEI COMPLEMENTAR 87/96 (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 5 FUNDEF/FUNDEB - TRANSFERENCIA DO ESTADO (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 7 FUNDEF/FUNDEB - ICMS (R) DEDUCOES DA RECEITA PARA FORMACAO DO *** NÃO S 7 FUNDEF/FUNDEB - IPI/EXPORTACAO Folha: 13

14 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram EXCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: SIM F A 6 FUNDOS RESOLUÇÃO CMN N.º 3.244/04, ART. 3.º, INCISO II, b SIM F A 6 FUNDOS RESOLUÇÃO CMN N.º 3.244/04, ART. 3.º, 1.º SIM F A 6 FUNDO DE RENDA FIXA REFERENCIADO SIM F A 6 FUNDO DE CURTO PRAZO SIM F A 5 OUTROS FUNDOS DE INVESTIMENTOS EM RENDA FIXA SIM F A 5 AÇÕES SIM F A 5 FUNDO DE AÇÕES SIM F A 5 OUTROS INVESTIMENTOS EM RENDAS VARIÁVEIS NÃO C A 8 CONTRAPARTIDA DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DA PRÓPRIA ESTRUTURA DO RPPS NÃO S 8 DO EXERCÍCIO REPASSE PREVIDENCIÁRIO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL NÃO F A 9 EXECUTIVO / INDIRETAS REPASSE PREVIDENCIÁRIO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL NÃO F A 9 LEGISLATIVO NÃO S 8 DO EXERCÍCIO ANTERIOR REPASSE PREVIDENCIÁRIO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL NÃO F A 9 EXECUTIVO/INDIRETAS REPASSE PREVIDENCIÁRIO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL NÃO F A 9 LEGISLATIVO SIM S 4 RESERVAS ATUARIAIS SIM P A 5 RESERVAS DE BENEFÍCIOS A REGULARIZAR SIM P A 5 RESERVAS DE OSCILAÇÕES DE RISCOS SIM P A 5 RESERVAS DE CONTINGÊNCIAS SIM P A 5 RESERVAS PARA AJUSTES DO PLANO SIM C A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DA PRÓPRIA ESTRUTURA DO RPPS NÃO S 8 CONTRIBUIÇÃO PARA O PASEP NÃO F A 9 PASEP SERVIDORES NÃO F A 9 PASEP PROFESSORES NO EFETIVO EXERCÍCIO DO MAGISTÉRIO (60% FUNDEF) NÃO S 6 APOSENTADORIAS E REFORMAS NÃO S 7 OUTRAS APOSENTADORIAS NÃO F A 8 APOSENTADORIAS DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO DO MUNICÍPIO NÃO S 6 PENSÕES Folha: 14

15 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram EXCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO S 7 OUTRAS PENSÕES NÃO F A 8 PENSÕES DE RESPONSABILIDADE DO TESOURO DO MUNICÍPIO SIM F A 6 COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ENTRE O RGPS E O RPPS NÃO F A 8 COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ENTRE O RPPS DO ESTADO E O RPPS COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ENTRE O RPPS DOS NÃO F A 8 MUNICÍPIOS E O RPPS NÃO F A 8 CONTRIBUICAO DOS SERVIDORES ATIVOS PARA A ASSISTENCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUICAO SERVIDORES INATIVOS E PENSIONISTAS PARA A ASSISTENCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUICAO DOS SERVIDORES ATIVOS PARA A ASSISTENCIA MEDICA DO SERVIDOR CONTRIBUICAO DOS SERVIDORES INATIVOS PARA A NÃO F A 8 ASSISTENCIA MEDICA DO SERVIDOR CONTRIBUICAO DOS PENSIONISTAS PARA A ASSISTENCIA NÃO F A 8 MEDICA DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DE SERVIDOR INATIVO CIVIL PARA O RPPS NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL DE PENSIONISTA PARA O RPPS SIM S 6 MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO CPSS MULTAS E JUROS DE MORA EXCEDENTES A 1% DA SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS - CPSS MULTAS E JUROS DE MORA ATÉ O LIMITE DE 1% DA SIM F A 7 CONTRIBUIÇÃO PARA O PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS -CPSS MULTAS E JUROS DE MORA DAS CONTRIBUICOES NÃO S 8 PREVIDENCIARIAS DO REGIME PROPRIO NÃO F A 9 MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUICAO DOS SERVIDORES ATIVOS PARA O RPPS Folha: 15

16 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram EXCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A 9 MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUICAO DOS SERVIDORES INATIVOS PARA O RPPS MULTAS E JUROS DE MORA DA CONTRIBUICAO DOS NÃO F A 9 PENSIONISTAS PARA O RPPS NÃO S 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO SERVIDOR NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO SERVIDOR RECURSO LIVRE NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO SERVIDOR RECURSO MDE NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DO SERVIDOR RECURSO FUNDEF NÃO S 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR RECURSO LIVRE NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR RECURSO MDE NÃO F A 9 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR RECURSO FUNDEF NÃO S 6 CONTRIBUICOES PATRONAIS DO EXERCICIO NÃO S 7 PATRONAL CIVIL ATIVO NÃO S 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL ATIVO - RECURSO LIVRE NÃO F A 9 CONTRIBUICAO PATRONAL - RECURSO LIVRE - SERVIDORES EXECUTIVO / INDIRETAS CONTRIBUICAO PATRONAL - RECURSO LIVRE - AGENTES NÃO F A 9 POLITICOS NÃO F A 9 CONTRIBUICAO PATRONAL - RECURSO LIVRE - SERVIDORES DO LEGISLATIVO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL ATIVO - RECURSO MDE NÃO S 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL ATIVO - RECURSO FUNDEF CONTRIBUICAO PATRONAL - PROFESSORES EM EFETIVO NÃO F A 9 EXERCICIO DO MAGISTERIO - 60% DO FUNDEF CONTRIBUICAO PATRONAL - RECURSO FUNDEF - DEMAIS NÃO F A 9 PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL ATIVO - RECURSO ASPS Folha: 16

17 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram EXCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO S 7 PATRONAL CIVIL INATIVO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL INATIVO - RECURSO LIVRE EXECUTIVO / INDIRETAS NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL INATIVO - RECURSO MDE NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - CIVIL INATIVO - RECURSO ASPS NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL -CIVIL INATIVO - RECURSO LIVRE - LEGISLATIVO NÃO F A 7 PATRONAL - PENSIONISTA CIVIL NÃO F A 7 MULTA E JUROS SOBRE CONTRIBUIÇÕES PATRONAIS AO RPPS NÃO S 6 CONTRIBUICOES PATRONAIS DE EXERCICIOS ANTERIORES NÃO S 7 PATRONAL CIVIL ATIVO NÃO S 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL ATIVO - RECURSO LIVRE CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - RECURSO LIVRE NÃO F A 9 SERVIDORES EXECUTIVO / INDIRETAS CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - RECURSO LIVRE NÃO F A 9 AGENTES POLITICOS CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - RECURSO LIVRE NÃO F A 9 SERVIDORES DO LEGISLATIVO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT -CIVIL ATIVO - RECURSO MDE NÃO S 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT -CIVIL ATIVO - RECURSO FUNDEF CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - PROFESSORES EM NÃO F A 9 EFETIVO EXERCICIO DO MAGISTERIO - 60% DO FUNDEF CONTRIBUICAO PATRONAL -EX ANT - RECURSO FUNDEF NÃO F A 9 DEMAIS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL ATIVO - RECURSO ASPS NÃO F A 7 PATRONAL CIVIL INATIVO NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL INATIVO - RECURSO LIVRE EXECUTIVO / INDIRETAS NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL INATIVO - RECURSO MDE NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL INATIVO - RECURSO ASPS Folha: 17

18 CÓDIGO DA CONTA RPPS SIS SA NIV NOME DA CONTA DO TCE Foram EXCLUÍDAS no Plano de Contas, para utilização no exercício de 2007, as seguintes contas: NÃO F A 8 CONTRIBUICAO PATRONAL - EX ANT - CIVIL INATIVO - RECURSO LIVRE LEGISLATIVO NÃO F A 7 PATRONAL - EX ANT - PENSIONISTA CIVIL NÃO F A 7 MULTA E JUROS SOBRE CONTRIBUIÇÕES PATRONAIS AO RPPS NÃO F A 8 AMORTIZAÇÃO DE DÍVIDAS COM O RPPS NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA O ATENDIMENTO A SAÚDE DO SERVIDOR NÃO F A 8 CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PARA A ASSISTÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR SIM S 6 CONTRIBUIÇÕES PATRONAIS DO EXERCÍCIO SIM F A 7 PATRONAL CIVIL ATIVO SIM F A 7 PATRONAL CIVIL INATIVO SIM F A 7 PATRONAL PENSIONISTA CIVIL SIM S 6 CONTRIBUIÇÕES PATRONAIS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES SIM F A 7 PATRONAL CIVIL ATIVO SIM F A 7 PATRONAL CIVIL INATIVO SIM F A 7 PATRONAL PENSIONISTA CIVIL Folha: 18

19 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA S U M A R I O _ I - INTRODUÇÃO II - ESTRUTURA III RELAÇAO E FUNÇÃO DAS CONTAS

20 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA I N T R O D U Ç Ã O 1.1 ESTE PLANO DE CONTAS FOI EFETUADO COM O PROPOSITO DE ATENDER, A PARTIR DO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2007, DE MANEIRA UNIFORME E SISTEMATIZADA, AO REGISTRO CONTABIL DOS ATOS E FATOS RELACIONADOS COM OS RECURSOS DO TESOURO MUNICIPAL SOB A RESPONSABILIDADE DOS ORGAOS DA ADMINISTRACAO DIRETA E INDIRETA, DE FORMA A PROPORCIONAR MAIOR FLEXIBILIDADE NO GERENCIAMENTO E CONSOLIDACAO DOS DADOS E ATENDER AS NECESSIDADES DE INFORMACOES EM TODOS OS NIVEIS DA ADMINISTRACAO, DOS ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO E DE TODA A SOCIEDADE. 1.2 ESTE PLANO DE CONTAS FOI ELABORADO UTILIZANDO A MESMA ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS DA UNIÃO CONTEMPLANDO AS CONTAS DA PORTARIA N 916/2003 DO MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, E ALTERAÇÕES POSTERIORES, DE UTILIZAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS E OBJETIVA, PRINCIPALMENTE: EVIDENCIAR O PATRIMÔNIO E SUAS VARIAÇÕES, PROPORCIONANDO O CONHECIMENTO ADEQUADO DA SITUAÇÃO ECONÔMICA, PATRIMONIAL, ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DE TODAS AS ENTIDADES; POSSIBILITAR A EXTRACAO DE RELATORIOS NECESSARIOS A ANALISE GERENCIAL, INCLUSIVE BALANCO ORCAMENTARIO, FINANCEIRO E PATRIMONIAL E DEMONSTRACAO DAS VARIACOES PATRIMONIAIS, CONFORME ANEXOS 12, 13, 14, 15, EXIGIDOS PELA LEI N DE 17 DE MARCO DE 1964, ASSIM COMO TODOS OS RELATÓRIOS NECESSÁRIOS AO CUMPRIMENTO DAS EXIGÊNCIAS CONTIDAS NA LEI COMPLEMENTAR N 101 DE 2000, A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL; PADRONIZAR O NIVEL DE INFORMACOES DOS ORGAOS DA ADMINISTRACAO DIRETA E INDIRETA COM A FINALIDADE DE AUXILIAR O PROCESSO DE TOMADA DE DECISAO, AMPLIANDO A QUANTIDADE DESSAS INFORMACOES E FACILITANDO A ELABORACAO DO BALANCO GERAL DO MUNICÍPIO; PERMITIR, ATRAVES DO PLANO DE CONTAS, A IMPLANTACAO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE INFORMACOES ORCAMENTARIAS, FINANCEIRAS E PATRIMONIAIS NA ADMINISTRACAO PUBLICA MUNICIPAL, CAPAZ DE ATENDER AOS ASPECTOS LEGAIS E GERENCIAIS EM TODOS OS NIVEIS DA ADMINISTRACAO, ASSIM COMO CALCULAR OS CUSTOS PÚBLICOS E MANTER CONTROLE INDIVIDUALIZADO DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES.

21 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA E S T R U T U R A O PLANO DE CONTAS COMPREENDE DEZ NIVEIS DE DESDOBRAMENTO, CLASSIFICADOS E CODIFICADOS DE ACORDO COM A SEGUINTE ESTRUTURA X X X X X XX XX XX XX XX!!!!!!!!!! 1. NIVEL - CLASSE!!!!!!!!!! 2. NIVEL - GRUPO!!!!!!!!! 3. NIVEL - SUBGRUPO!!!!!!!! 4. NIVEL - ELEMENTO!!!!!!! 5. NIVEL - SUBELEMENTO!!!!!! 6. NIVEL - ITEM!!!!! 7. NIVEL - SUBITEM!!!! 8. NÍVEL DESDOBRAMENTO!!! 9. NÍVEL DESDOBRAMENTO!! 10. NÍVEL DESDOBRAMENTO! O PRIMEIRO NIVEL REPRESENTA A CLASSIFICACAO MAXIMA NA AGREGACAO DAS CONTAS NAS SEGUINTES CLASSES : 1- ATIVO 2- PASSIVO 3- DESPESA 4- RECEITA 5- RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCICIO 6- RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCICIO OBS: OS NÍVEIS 08, 09 E 10 SERÃO UTILIZADOS PELO TRIBUNAL DE CONTAS PARA COLOCAR OS DESDOBRAMENTOS NECESSÁRIOS. OS NÍVEIS 09 E 10 PODEM SER AGRUPADOS EM UM ÚNICO NÍVEL CASO SEJA NECESSÁRIO O DESDOBRAMENTO DE MAIS DE 99 CONTAS NO NÍVEL 09.

22 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA O ATIVO INCLUI AS CONTAS CORRESPONDENTES AOS BENS E DIREITOS, DEMONSTRANDO APLICACAO DOS RECURSOS; O PASSIVO COMPREENDE AS CONTAS RELATIVAS ÀS OBRIGACOES, EVIDENCIANDO AS ORIGENS DOS RECURSOS APLICADOS NO ATIVO; A DESPESA INCLUI AS CONTAS REPRESENTATIVAS DOS RECURSOS DESPENDIDOS NA GESTAO, A SEREM COMPUTADOS NA APURACAO DO RESULTADO; A RECEITA INCLUI AS CONTAS REPRESENTATIVAS DOS RECURSOS AUFERIDOS NA GESTAO, A SEREM COMPUTADOS NA APURACAO DO RESULTADO; O RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCÍCIO INCLUI AS CONTAS REPRESENTATIVAS DAS VARIAÇÕES NEGATIVAS DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO E DA APURAÇÃO DO RESULTADO RESPECTIVO; O RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCÍCIO INCLUI AS CONTAS REPRESENTATIVAS DAS VARIAÇÕES POSITIVAS DA SITUAÇÃO LÍQUIDA DO PATRIMÔNIO E DA APURAÇÃO DO RESULTADO RESPECTIVO; O ATIVO COMPREENDE OS SEGUINTES GRUPOS DE CONTAS: 1.1- ATIVO CIRCULANTE 1.2- ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO 1.4- ATIVO PERMANENTE 1.9- ATIVO COMPENSADO O PASSIVO E REPRESENTADO PELOS SEGUINTES GRUPOS DE CONTAS : 2.1 PASSIVO CIRCULANTE 2.2 PASSIVO EXIGIVEL A LONGO PRAZO 2.3 RESULTADO DE EXERCICIOS FUTUROS 2.4 PATRIMONIO LIQUIDO 2.9 PASSIVO COMPENSADO P L A N O D E C O N T A S _ O ATIVO CIRCULANTE COMPREENDE AS DISPONIBILIDADES DE NUMERARIO, OS RECURSOS A RECEBER, AS ANTECIPACOES DE O ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO SAO OS DIREITOS REALIZAVEIS NORMALMENTE APOS O TERMINO DO EXERCICIO SEGUINTE; O ATIVO PERMANENTE REPRESENTA OS INVESTIMENTOS DE CARATER PERMANENTE, AS IMOBILIZACOES, BEM COMO DESPESAS O ATIVO COMPENSADO COMPREENDE CONTAS COM FUNCAO PRECIPUA DE CONTROLE, RELACIONADAS AOS BENS, DIREITOS,

23 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA O PASSIVO CIRCULANTE COMPREENDE AS OBRIGAÇÕES PENDENTES OU EM CIRCULAÇÃO, EXIGIVEIS ATÉ O TERMINO DO EXERCICIO SEGUINTE; O PASSIVO EXIGIVEL A LONGO PRAZO COMPREENDE AS OBRIGACOES EXIGIVEIS APOS O TERMINO DO EXERCICIO SEGUINTE; O RESULTADO DE EXERCICIOS FUTUROS COMPREENDE AS CONTAS REPRESENTATIVAS DE RECEITA DE EXERCICIOS FUTUROS, BEM COMO AS DESPESAS A ELA CORRESPONDENTE. O PLANO DE CONTAS PADRONIZADO PELO TCE-RO, PARA O EXERCÍCIO DE 2007, MANTÉM ESTA CONTA APENAS PARA FINS DE FECHAMENTO DE BALANÇO, SENDO CONTA SINTÉTICA SEM DESDOBRAMENTOS ANALÍTICOS, OU SEJA, SEM CONTAS PARA LANÇAMENTO; O PATRIMONIO LIQUIDO REPRESENTA O CAPITAL, AS RESERVAS E OS RESULTADOS ACUMULADOS; O PASSIVO COMPENSADO COMPREENDE AS CONTAS DE CONTRAPARTIDA DO ATIVO COMPENSADO COM FUNCAO PRECIPUA DE CONTROLE, RELACIONADAS AOS BENS, DIREITOS,OBRIGACOES E SITUACOES NAO COMPREENDIDAS NO PATRIMONIO MAS QUE, DIRETA OU INDIRETAMENTE, POSSAM VIR A AFETA-LO, INCLUSIVE AS RELATIVAS A ATOS E FATOS RELACIONADOS COM A EXECUCAO ORCAMENTARIA E FINANCEIRA; A DESPESA COMPREENDE OS RECURSOS DESPENDIDOS NA GESTAO, A SEREM COMPUTADOS NA APURACAO DO RESULTADO DO EXERCICIO, DESDOBRA 3.3 DESPESAS CORRENTES 3.4 DESPESAS DE CAPITAL 3.9 RESERVA DE CONTINGÊNCIA AS DESPESAS CORRENTES COMPREENDEM AS CONTAS, DESDOBRADAS EM TRANSFERÊNCIAS E APLICAÇÕES DIRETAS, DE DESPESAS COM PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS, JUROS E ENCARGOS DAS DIVIDAS INTERNA E EXTERNA E OUTRAS DESPESAS CORRENTES, OBSERVADAS AS CONCEITUACOES EXISTENTES NOS DISPOSITIVOS LEGAIS E NORMAS PERTINENTES EM VIGOR; AS DESPESAS DE CAPITAL CORRESPONDEM AS CONTAS, DESDOBRADAS EM TRANSFERÊNCIAS E APLICAÇÕES DIRETAS, DE DESPESAS DE INVESTIMENTOS, INVERSOES FINANCEIRAS, AMORTIZACAO DAS DIVIDAS INTERNA E EXTERNA E OUTRAS DESPESAS DE CAPITAL, OBSERVADAS AS CONCEITUACOES LEGAIS PERTINENTES EM VIGOR; A RESERVA DE CONTINGÊNCIA, CUJA FORMA DE UTILIZAÇÃO E MONTANTE, DEFINIDO COM BASE NA RECEITA CORRENTE LÍQUIDA, SERÃO ESTABELECIDOS NA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS, DESTINADA AO ATENDIMENTO DE PASSIVOS CONTINGÊNTES E OUTROS RISCOS E EVENTOS FISCAIS IMPREVISTOS; AS DESPESAS AINDA MAIS DETALHADAS OBJETIVAM OFERECER INFORMACOES MAIS ESPECIFICAS SOBRE GASTOS DO SETOR PUBLICO;

24 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA SEMPRE QUE OCORRER A NECESSIDADE DE CRIAR UMA NOVA CONTA OU DESDOBRAR UMA CONTA JÁ EXISTENTE PARA REGISTRAR UM FATO OU ATO NOVO, A ENTIDADE DEVE SE UTILIZAR DOS TRÊS ÚLTIMOS NÍVEIS DO CÓDIGO DA CONTA NÃO SENDO NECESSÁRIO SOLICITAR AUTORIZAÇÃO PARA O TRIBUNAL DE CONTAS, MAS APENAS COMUNICAR AS ALTERAÇÕES EFETUADAS. DESDOBRADAS NAS SEGUINTES CATEGORIAS ECONOMICAS: 4.1 RECEITAS CORRENTES 4.2 RECEITAS DE CAPITAL 4.9 (R) DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE OUTRAS DE NATUREZA SEMELHANTE, BEM COMO AS PROVENIENTES DE TRANSFERENCIAS CORRENTES, OBSERVADAS AS CONCEITUACOES LEGAIS PERTINENTES EM VIGOR; AS RECEITAS DE CAPITAL CORRESPONDEM AS OPERAÇÕES DE CRÉDITO, ALIENAÇÃO DE BENS, AMORTIZAÇÕES E OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL, BEM COMO AS PROVENIENTES DE TRANSFERENCIAS DE CAPITAL, OBSERVADAS AS NORMAS LEGAIS PERRTINENTES EM VIGOR; AS DEDUÇÕES DA RECEITA CORRENTE CORRESPONDEM AS CONTAS REDUTORAS E TERÃO A SUA ESPECIFICAÇÃO SEMPRE PRECEDIDA DO SÍMBOLO (R) O RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCICIO CONTEM OS SEGUINTES GRUPOS: 5.1 RESULTADO ORCAMENTARIO 5.2 RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO O RESULTADO ORCAMENTARIO CORRESPONDE AS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS, INTERFERENCIAS PASSIVAS E AS MUTACOES PATRIMONIAIS PASSIVAS RESULTANTES DA EXECUCAO ORCAMENTARIA; O RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO ABRANGE AS DESPESAS EXTRA-ORÇAMENTÁRIAS, AS INTERFERENCIAS PASSIVAS E AS MUTACOES PATRIMONIAIS PASSIVAS INDEPENDENTES DA EXECUCAO ORCAMENTARIA O RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCICIO COMPREENDE OS SEGUINTES GRUPOS DE CONTAS: 6.1 RESULTADO ORCAMENTARIO 6.2 RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO 6.3 RESULTADO APURADO O RESULTADO ORCAMENTARIO REPRESENTA AS RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS, AS INTERFERENCIAS ATIVAS E AS MUTACOES PATRIMONIAIS ATIVAS RESULTANTES DA EXECUCAO ORCAMENTARIA;

25 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA O RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO ABRANGE AS RECEITAS EXTRA-ORÇAMENTÁRIAS, AS INTERFERENCIAS ATIVAS E AS MUTACOES PATRIMONIAIS ATIVAS INDEPENDENTES DA EXECUCAO ORCAMENTARIA O RESULTADO APURADO E CONTA TRANSITORIA UTILIZADA NO ENCERRAMENTO DO EXERCICIO PARA DEMONSTRAR A APURACAO DO RESULTADO DO EXERCICIO A ESTRUTURA BASICA DO PLANO DE CONTAS A NIVEL DE CLASSE/GRUPO CONSISTE NA SEGUINTE DISPOSICAO: 1 - ATIVO 2 - PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE REALIZAVEL A LONGO PRAZO EXIGIVEL A LONGO PRAZO 1.4 PERMANENTE RESULTADO DE EXERCICIOS FUTUROS 1.9 COMPENSADO PATRIMONIO LIQUIDO PASSIVO COMPENSADO 3 - DESPESA 4 - RECEITA DESPESAS CORRENTES RECEITAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL RECEITAS DE CAPITAL RESERVA DE CONTINGENCIA 4.9 (R)DEDUCOES DA RECEITA 5 - RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCICIO 6 - RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCICIO RESULTADO ORCAMENTARIO RESULTADO ORCAMENTARIO RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO RESULTADO APURADO A CONSOLIDACAO DE BALANCOS SERA EFETUADA NO 3. NIVEL(SUBGRUPO) DE ACORDO COM A ESTRUTURA EM ANEXO.

26 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA ESTRUTURA DE CONSOLIDACAO DE BALANCOS ATIVO 2 PASSIVO 1.1 CIRCULANTE 2.1 CIRCULANTE DISPONIVEL DEPOSITOS CREDITOS EM CIRCULACAO OBRIGACOES EM CIRCULACAO BENS E VALORES EM CIRCULACAO EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS EM CIRCULACAO VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO INVESTIMENTOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA 1.2 REALIZAVEL A LONGO PRAZO 2.2 EXIGIVEL A LONGO PRAZO DEPOSITOS REALIZAVEIS A LONGO PRAZO DEPOSITOS EXIGIVEIS A LONGO PRAZO CREDITOS REALIZAVEIS A LONGO PRAZO OBRIGACOES EXIGIVEIS A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS CONTRIBUIÇÕES CONTRATADAS COM O ENTE PELO RPPS 2.3 RESULTADO DE EXERCICIOS FUTUROS 1.4 PERMANENTE 2.4 PATRIMONIO LIQUIDO INVESTIMENTOS PATRIMONIO IMOBILIZADO RESERVAS DIFERIDO DEFICIT OU SUPERAVIT ACUMULADO 1.9 COMPENSADO 2.9 COMPENSADO EXECUCAO ORCAMENTARIA DA RECEITA PREVISÃO ORCAMENTARIA DA RECEITA FIXAÇÃO ORCAMENTARIA DA DESPESA EXECUCAO ORCAMENTARIA DA DESPESA EXECUCAO DA PROGRAMACAO FINANCEIRA EXECUCAO DA PROGRAMACAO FINANCEIRA DESPESAS E DIVIDAS DOS ESTADOS E MUNICIPIOS DESPESAS E DIVIDAS DOS ESTADOS E MUNICIPIOS EXECUCAO DE RESTOS A PAGAR EXECUCAO DE RESTOS A PAGAR COMPENSACOES ATIVAS DIVERSAS COMPENSACOES PASSIVAS DIVERSAS

27 PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA 3 DESPESA 4 RECEITA 3.3 DESPESAS CORRENTES 4.1 RECEITAS CORRENTES 3.4 DESPESAS DE CAPITAL 4.2 RECEITAS DE CAPITAL 3.9 RESERVA DE CONTINGENCIA 4.9 (R) DEDUCOES DA RECEITA 5 RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCICIO 6 RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCICIO 5.1 RESULTADO ORCAMENTARIO 6.1 RESULTADO ORCAMENTARIO DESPESA ORCAMENTARIA RECEITA ORCAMENTARIA INTERFERENCIAS PASSIVAS INTERFERENCIAS ATIVAS MUTACOES PASSIVAS MUTACOES ATIVAS 5.2 RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO 6.2 RESULTADO EXTRA-ORCAMENTARIO DESPESAS EXTRA-ORÇAMENTÁRIAS RECEITA EXTRA-ORÇAMENTÁRIA INTERFERENCIAS PASSIVAS INTERFERENCIAS ATIVAS DECRÉSCIMOS PATRIMONIAIS ACRÉSCIMOS PATRIMONIAIS 6.3 RESULTADO APURADO

28 Sim S 1 ATIVO Sim S 2 ATIVO CIRCULANTE Sim S 3 DISPONIVEL Sim S 4 DISPONIVEL EM MOEDA NACIONAL F A 5 CAIXA Sim S 5 BANCOS CONTA MOVIMENTO Sim S 6 CONTA UNICA DO RPPS Sim F A 7 BANCO DO BRASIL Sim F A 7 BRADESCO Sim F A 7 BANESPA Sim F A 7 CAIXA ECONOMICA FEDERAL Sim F A 7 UNIBANCO Sim F A 7 OUTROS BANCOS Sim F A 6 RECURSOS DA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO DO RPPS Não S 6 OUTRAS CONTAS Não F A 7 BANCO DO BRASIL Não F A 7 BRADESCO Não F A 7 CAIXA ECONOMICA FEDERAL O ATIVO INCLUI AS CONTAS CORRESPONDENTES DOS BENS E DIREITOS DEMONSTRANDO APLICAÇÃO DOS RECURSOS, SUBAGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A LONGO PRAZO, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. REGISTRA O SOMATORIO DAS CONTAS DO DISPONIVEL, DOS CREDITOS EM CIRCULACAO, DOS BENS E VALORES EM CIRCULACAO, DOS VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO E DOS INVESTIMENTOS DAS ENTIDADES REALIZAVEIS ATE O TERMINO DO EXERCICIO SEGUINTE. REGISTRA O SOMATORIO DOS VALORES EM CAIXA E EM BANCOS, BEM COMO EQUIVALENTES, QUE REPRESENTAM RECURSOS COM LIVRE MOVIMENTACAO PARA APLICACAO NAS OPERACOES DA UNIDADE E PARA OS QUAIS NAO HAJA RESTRICOES PARA USO IMEDIATO. REGISTRA O SOMATORIO DOS VALORES DAS DISPONIBILIDADES DE CAIXA, BANCOS CONTA MOVIMENTO E AS APLICACOES FINANCEIRAS. REGISTRA A MOVIMENTACAO FINANCEIRA DE NUMERARIO E OUTROS VALORES EM TESOURARIAS E PAGADORIAS REGISTRA O SOMATORIO DAS DISPONIBILIDADES BANCARIAS AGREGADAS NOS ITENS CONTA UNICA DA PREVIDENCIA SOCIAL E OUTRAS CONTAS, AGREGADAS NOS AGENTES FINANCEIROS AUTORIZADOS. APRESENTAR O SOMATÓRIO DOS VALORES DISPONÍVEIS NA CONTA ÚNICA DO RPPS. ESSA CONTA DEVERÁ SER DESDOBRADA PELO RPPS NA QUANTIDADE DE AGENTES FINANCEIROS EM QUE MANTENHA CONTA ÚNICA. REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DO AGENTE FINANCEIRO BANCO DO BRASIL S/A REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DO AGENTE FINANCEIRO BRADESCO REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DO AGENTE FINANCEIRO BANESPA REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DO AGENTE FINANCEIRO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DO AGENTE FINANCEIRO UNIBANCO REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO DA CONTA ÚNICA DO RPPS ATRAVÉS DE OUTROS AGENTES FINANCEIROS. REGISTRAR A MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DA TAXA DE AMINISTRAÇÃO DO RPPS, NO MONTANTE DA ALÍQUOTA FIXADA EM LEI. REGISTRA O SOMATORIO DAS DISPONIBILIDADES EXISTENTES NAS CONTAS BANCARIAS, AGREGADAS PELOS SUBITENS IDENTIFICATIVOS DOS BANCOS CORRESPONDENTES. REGISTRA O SOMATORIO DA MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DAS CONTAS EXISTENTES NA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCO DO BRASIL. REGISTRA O SOMATORIO DA MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DAS CONTAS EXISTENTES NA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BRADESCO REGISTRA O SOMATORIO DA MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA DAS CONTAS EXISTENTES NA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Folha: 28

Plano de Contas Único - 2008

Plano de Contas Único - 2008 Plano de Contas Único - 2008 Porto Velho, Novembro de 2007. COMUNICADO PLANO DE CONTAS SIGAP REGISTROS CONTÁBEIS DE 2008 Com o objetivo de manter a uniformização do Plano de Contas dos órgãos e entidades

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA III RELAÇAO E FUNÇÃO DAS CONTAS

PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA III RELAÇAO E FUNÇÃO DAS CONTAS PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007 ENTIDADES MUNICIPAIS DO ESTADO DE RONDÔNIA S U M A R I O _ I - INTRODUÇÃO II - ESTRUTURA III RELAÇAO E FUNÇÃO DAS CONTAS PLANO DE CONTAS PARA O EXERCÍCIO DE 2007

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DIVISÃO DE RECURSOS FINANCEIROS EXERCICIO 2013

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DIVISÃO DE RECURSOS FINANCEIROS EXERCICIO 2013 BALANCO-FINANCEIRO RECEITA RECEITA 171.497.549,97 INGRESSOS ORCAMENTARIOS 129.298.464,81 INTERFERENCIAS ATIVAS 129.298.464,81 TRANSFERENCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS 129.298.464,81 REPASSE RECEBIDO 129.298.464,81

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DIVISÃO DE RECURSOS FINANCEIROS EXERCICIO 2012

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DIVISÃO DE RECURSOS FINANCEIROS EXERCICIO 2012 BALANCO-FINANCEIRO RECEITA RECEITA 12.255.327,67 INGRESSOS ORCAMENTARIOS 9.425.690,28 INTERFERENCIAS ATIVAS 9.425.690,28 TRANSFERENCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS 9.425.690,28 REPASSE RECEBIDO 9.425.690,28

Leia mais

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO.

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO. Diário Oficial Ano: 2 Edição: 231 Páginas: 40 Atos Oficiais Decreto - Nº 0532/2014 Portaria - Nº 0054/2014 Contas Públicas Balanço Orçamentário - BALANÇO Índice do diário Atos Oficiais Decreto Nº 0532/2014

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES 379.374,45 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA

RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES 379.374,45 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA ANEXO 1 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA E DESPESA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS Agosto / 2011 Orçamento Fiscal, da Seguridade Social e de Investimentos. Adendo II à Portaria

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

Balancete Analítico. Governo de Estado do Amazonas. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico. Governo de Estado do Amazonas. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 107.637.042,14 622.052.832,26 225.991.734,15 503.698.140,25 D 110000000 - Ativo Circulante 33.694.900,62 103.677.150,11 99.175.407,00 38.196.643,73 D 111000000 - Disponivel 33.690.337,04

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José da Lapa

Prefeitura Municipal de São José da Lapa Estado de Minas Gerais Demostração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 - Lei 4.320/64 ENTIDADE: 000 - CONSOLIDADO lilian@sonner.com.br 30-03-2015 13:44:25 400000000 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 300000000

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 1. Alterações de caráter geral: Além das alterações pontuais, envolvendo a criação, inativação ou alteração de contas, foram realizadas

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

PORTARIA Nº 492, DE 29 DE JUNHO DE 2006

PORTARIA Nº 492, DE 29 DE JUNHO DE 2006 15 REPÚBLICA F Novembro EDERATIVA DO BRASIL PORTARIA Nº 492, DE 29 DE JUNHO DE 2006 O SECRETÁRIO-ADJUNTO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, 2 zembro 2005, do

Leia mais

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS 112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS NÆo DB 121110501 EMPRESTIMOS CONCEDIDOS A RECEBER Sim

Leia mais

1) COMO CONTABILIZAR O REPASSE PARA A CÂMARA, UTILIZANDO AINDA, EXCEPCIONALMENTE, A FIGURA DO SUPRIMENTO?

1) COMO CONTABILIZAR O REPASSE PARA A CÂMARA, UTILIZANDO AINDA, EXCEPCIONALMENTE, A FIGURA DO SUPRIMENTO? 1) COMO CONTABILIZAR O REPASSE PARA A CÂMARA, UTILIZANDO AINDA, EXCEPCIONALMENTE, A FIGURA DO SUPRIMENTO? Resposta: Segundo o Manual de Orientação sobre o Plano de Contas Único, deste Tribunal, o repasse

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Orçamentário da Despesa Exercício : 07/2015

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Orçamentário da Despesa Exercício : 07/2015 Pág. 1 Balancete Orçamentário da Despesa Correção Código Descrição da Despesa Orçado Orçamento Exp./Ext. Suplementação Anulação Rec.Autorizado Empenhado Cancelado Saldo Órgão : 06 02.195.968/0001-46 0000

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

Balancete Analítico. Saldo Mês Inicial

Balancete Analítico. Saldo Mês Inicial 100000000 - Ativo 40.014.044,69 1.247.288.939,72 645.839.588,07 641.463.396,34 D 110000000 - Ativo Circulante 15.145.606,97 309.093.371,32 315.398.093,96 8.840.884,33 D 111000000 - Disponivel 15.141.043,39

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

Balancete De Verificacao Do Sistema Patrimonial Plano PCASP-MT Atributo: Todos Março / 2016

Balancete De Verificacao Do Sistema Patrimonial Plano PCASP-MT Atributo: Todos Março / 2016 Março / 2016 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 1.1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSOLIDACAO

Leia mais

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente

Codigo Nivel Contabil TP Descricao UG Fonte Banco Agencia Conta Corrente Estado do Parana Relacao Cadastral do Plano de Contas Folha: 1 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO 2 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S ATIVO CIRCULANTE 3 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00.00.00 S CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Módulo 10 - Resultado Primário e Resultado Nominal

Leia mais

Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública

Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública Secretaria Municipal de Infra-Estrutura Contabilidade Geral do Município Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública Exercício 2008 JÂNIO WASHINGTON BARBOSA DA CUNHA SECRETÁRIO DE INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis EXERCÍCIO Elaboração dos Demonstrativos Contábeis Considerando a Lei Orçamentária Aprovada para a Prefeitura de Belo Jardim para o exercício de X1, e os fatos contábeis ocorridos, lance os valores nos

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza ATIVO Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00.00 1.1.1.1.0.00.00.00 1.1.1.1.1.00.00.00 1.1.1.1.1.01.00.00 CAIXA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 12 ANEXO 13 BALANÇO FINANCEIRO R$ R$ R$ Dezembro/2005 REPASSES PREVIDENCIARIOS RECEBIDOS PELO

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 12 ANEXO 13 BALANÇO FINANCEIRO R$ R$ R$ Dezembro/2005 REPASSES PREVIDENCIARIOS RECEBIDOS PELO Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Página 1 de 12 ORÇAMENTÁRIA 17.730.518,55 ORÇAMENTÁRIA 16.682.800,26 RESULTADO AUMENTATIVO DO EXERCICIO 17.730.518,55 RESULTADO DIMINUTIVO DO EXERCICIO 16.682.800,26

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2014 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO 71.824,50 D 3.869.412,56 3.857.233,06 84.004,00 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006 Página 1 de 6 RECEITA SEGUNDO AS S S - EXERCÍCIO DE 2006 1.0.0.0.00.00.00.00.00 CORRENTES 1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.1.0.00.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e)

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e) RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 Diretoria da Área Orçamentária e Financeira SALDO PREVISÃO RECEITAS DOTAÇÃO DESPESAS DESPESAS DESPESAS SALDO ATUALIZADA REALIZADAS

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Fundo Especiais Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Facilitador : Toribio Nogueira de Carvalho Contador, Pós-Graduado em Contabilidade Pública Fundos Especiais Organização e estrutura de mecanismo financeiro,

Leia mais

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4.

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4. PREVIDENCIA SOCIAL DO MUN. DE CAMPINA GRANDE DO SUL ESTADO DO PARANÁ Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº

Leia mais

<ESFERA DE GOVERNO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Créditos Orçamentários e Suplementares

<ESFERA DE GOVERNO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Créditos Orçamentários e Suplementares $1(;2,,,6(*81'2$370361ž$78$/,=$'$3(/$370361žH370361ž 02'(/26(,16758d (6'(35((1&+,0(172'$6'(021675$d (6&217È%(,6 Os Regimes Próprios de Previdência Social deverão elaborar, anualmente, as seguintes Demonstrações

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56

CREFITO/MT Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 1.474.008,93D 717.680,43 804.036,65 1.387.652,71D 1.1 - ATIVO

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III)

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a Otica do PCASP 2013 (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Lourenço de Wallau Contribuição Patronal a) Empenho no ente patrocinador na natureza de

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As orientações constantes deste manual devem ser observadas pelas Unidades Gestoras para encerramento do exercício,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005

Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 2 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 Prefeitura Municipal de Coimbra Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Contabilidade Publica - Planejar Periodo: 01/09/2005 a 30/09/2005 31/12/2005 16:20:56 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 437.605,02

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto - SAMAE

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto - SAMAE Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto - SAMAE Página: 1 1 ATIVO 46.859.822,91 D 2.440.686,53 1.920.092,25 47.380.417,19 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.193.603,71 D 1.009.425,93 1.174.607,47 1.028.422,17

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARANÁ Data: 19/03/10 SIM- AM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS- ACOMPANHAMENTO MENSAL Hora: 14:40:39

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARANÁ Data: 19/03/10 SIM- AM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS- ACOMPANHAMENTO MENSAL Hora: 14:40:39 1.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 14.033.075,00 13.097.929,05 935.145,95 1.1.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.10.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.12.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 1.1.12.02.00.00.00

Leia mais

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas. Codigo Descricao Bimestre Bimestre

Execucao dos Orcamentos (Art.2o, Inciso XII) - Receitas Realizadas. Codigo Descricao Bimestre Bimestre 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.142.667,56 6.041.042,82 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 65.007,91 368.480,79 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 40.647,97 303.303,40 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MODELO / SUGESTÃO PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS METAS DO TERCEIRO

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo RECEITA ESTIMADA E DESPESA FIXADA - EDUCAÇÃO APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo IPTU 134.000,00 IRRF

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

CORE/SE Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26

CORE/SE Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26 Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Sergipe CNPJ: 13.044.524/0001-26 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 614.264,79D 336.216,98 106.634,21 843.847,56D 1.1 - ATIVO

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20

CRP/PA Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Conselho Regional de Psicologia 10ª Região - Pa/Ap - CRP10 CNPJ: 37.115.540/0001-20 Balancete Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 723.347,50D 3.344.572,02 3.148.733,90 919.185,62D 1.1 - ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 90.603.291,75 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 39.564.561,26 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS Coordenação de Normas Técnicas ROTINA CONOR/SUNOT/CGE n 035/2013

CONTADORIA GERAL DO ESTADO SUPERINTENDÊNCIA DE NORMAS TÉCNICAS Coordenação de Normas Técnicas ROTINA CONOR/SUNOT/CGE n 035/2013 Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 035/2013 Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registros referentes à restituição de indébitos fiscais. Considerando as

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

SANTA CATARINA 1.1.2.1.9.99.00.00.00.0847 (49280) F CAIXA ECONOMICA FEDERAL C/POUPANÇA 16.290,65D 81,45 0,00

SANTA CATARINA 1.1.2.1.9.99.00.00.00.0847 (49280) F CAIXA ECONOMICA FEDERAL C/POUPANÇA 16.290,65D 81,45 0,00 Saldo Atual Agosto 1/11 1 ATIVO CIRCULANTE 52.433.883,22D 8.025.234,70D 6.219.762,87 1.993.560,05 4.801.778,99 1.596.845,70 53.851.867,10D DISPONÍVEL EM MOEDA NACIONAL 4.671.088,56D 1.020.406,80 8.421.949,05D

Leia mais

SANTA CATARINA SAMAE DE SAO FRANCISCO DO SUL Balancete de Verificação - 2013

SANTA CATARINA SAMAE DE SAO FRANCISCO DO SUL Balancete de Verificação - 2013 Página: 1/11 1 ATIVO 39.747.824,30D 5.428.708,46 5.174.675,21 40.001.857,55D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 6.053.896,51D 970.444,48 1.850.402,07 5.173.938,92D 1.1.1 DISPONIVEL 2.956.995,26D 963.507,86 840.221,03

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SILVES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SILVES 1.0.0.0.0.00.00.00.00.0000 Ativo 32.660.958,34-6.363.147,12 47.004.771,41 6.231.871,07 44.351.853,94 32.792.234,39-1.1.0.0.0.00.00.00.00.0000 Ativo Circulante 9.721.402,71-6.363.147,12 45.984.575,48 6.231.871,07

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014.

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 004/2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para os registros patrimoniais e orçamentários do Fundo

Leia mais

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO 001 Previsão orçamentária inicial da receita Estado de Santa Catarina 1 5.2.1.1.1.00.00 Previsão inicial da receita bruta 1 6.2.1.1.0.00.00 Receita a realizar 002 Previsão adicional da receita 1 5.2.1.2.1.XX.XX

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2014 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS 3.1.1 - Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná

FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUN. DE UMUARAMA - FPMU Estado do Paraná CNPJ:09.122.645/0001-71 Exercício: 2014 Balanço Financeiro do Regime Próprio de Previdência Social Art. 103 da Lei 4.320/1964 no Período de

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

Comparativo Receita Orçada / Arrecadada

Comparativo Receita Orçada / Arrecadada Comparativo Receita Orçada / 1000000000 RECEITAS CORRENTES 2.559.915.741,00 2.315.164.067,05 244.751.673,95 1100000000 RECEITA TRIBUTÁRIA 653.441.115,00 532.491.940,91 120.949.174,09 1110000000 IMPOSTOS

Leia mais

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF 3º Quadrimestre/2008 Centro Administrativo do Governo Rodovia SC 401 - km. 5, nº 4600 Saco Grande II - Florianópolis - SC

Leia mais