Sete por Sete contos e crônicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sete por Sete contos e crônicas"

Transcrição

1 1

2 Sete por Sete Este e-book foi produzido para ser distribuído de forma gratuita. Fica totalmente proibida a venda integral ou parcia do trabalho. Todos os direitos reservados. Outros trabalhos do autor, links: 2

3 Índice Apresentação 04 Contos 1. Para cada qual o seu quinhão Rio memória A prece A casa de Levi Dionísio contra o tempo O lago Um dia quente 19 Crônicas 1. Ser, o verbo O feixe e o peixe Meu trabalho A espera de um milagre Um relance Crônica de um homem encasulado Sem novidade 30 3

4 Apresentação No creo en las brujas, pero que ellas hay, hay. E partindo deste princípio latino, foi escolhido o título deste trabalho. O sétimo dia é dedicado ao descanso e muito provavelmente seja o dia do ocioso, e como tal, decidi agrupar os textos em conjunto de sete sob dois gêneros: contos e crônicas. Sete é o número da intuição e para os que acreditam, a intuição vem de Deus. Não não, não sou profeta, sou poeta. Não vais encontrar aqui nada tão revelador. Cito tal mérito acreditando que ele cabe à todos que se proprõe expor-se, deixando suas vergonhas à mostra. Grafitar em papel as fantasias e delírios próprios de todos nós é, antes de competência propriamente dita com as palavras, gesto desavergonhado. E sem vergonha nenhuma vou tentando me apropriar da aura mística que cerca o número sete. Se são sete as cores do arco-íris, são sete as notas musicais e sete são os espíritos de Deus, faço em sete textos cada gênero meu. Não esqueço, é claro, que sete também é conta de mentiroso...mas, quem disse que sempre falamos a verdade. 4

5 Contos 5

6 Para cada qual o seu quinhão (Janeiro, 2008) Já passava de meio-dia e a tarde seguia quente; A carroça já estava bem cheia de material. Tinha na sua maior parte papelão, mas iam também latinha de cerveja e refrigerante e garrafa pet. Quinzé foi para escola de manhã e à tarde se juntava ao pai para catar as sobras na Cidade Alta. Carroceiro como o pai, o menino já sentia o peso da responsabilidade do sustento da casa. Embora os estudos não se perdessem de vista, nem dele, nem de seu Damião, seu pai. Depois de queimar as pestanas nos cadernos, queimava a moleira no sol. Benção, pai. Deus lhe abençoe diz seu Damião passando a mão em sua cabeça. Quinzé já estava virando homem. As barbas azulando na cara, logo logo tinha que começar a tirar. Desde de pequeno todos o chamavam assim, Quinzé para desgosto de sua mãe. A mulher o batizou na Igreja da Matriz com um nome tão bonito, nome do avó materno do menino: Joaquim José. Mas não tinha jeito não, o povo só chamava de Quinzé, e assim ficou. Vamo ficar aqui nesse pé de castanhola um pouquinho meu fi, tá quente demais. A gente começa já a catar seu Damião estava ofegante. Pararam a carroça na sombra para dar descanço aos três: seu Damião, Quinzé e o burrico. Na família eram em cinco. Seu Damião e dona Rita tiveram três filhos, sendo o menino Quinzé o mais velho. Esse aí era doido por bolacha e quando se sentaram no meio-fio da calçada, o menino tira de sua mochila surrada - Ó, que eu trouxe - um pacote de bolacha. Vixi Maria, que eu tava era com fome seu Damião enche a mão. E debaixo daquela pé de castanhola a vida da cidade passava sob aquele sol de rachar. Os que podiam mais passavam em carros com ar condicionado, e os que podiam menos se abrigavam nas sombras das árvores. Quinzé puxou do bolso da mochila um livrinho e meteu na cara que isso menino? - quis saber seu Damião; É estória de cordel - responde Quinzé com um ar de graça. Se é de piada, conte ai para mim que não sei lê seu Damião cutuca as costelas do filho. Não é piada não pai, é a estória de um guaxinim. É assim... 6

7 O cantador do cordel narra a estória, que jura ser verdadeira, de um guaxinim sabido. Esse tal bicho atazanava a vida de um coronel sisudo, que tinha sua propriedade lá pros lados de Monte Alegre. Uma fazenda grande com muito gado, roça de todo tipo e um aviário repleto de penosas. Era conhecido por não fazer caridade nem para salvar a alma das mãos do capeta. Na missa só aparecia quando era de corpo presente ou de sétimo dia de alguma personalidade que lhe rendesse algum ganho político. Ignorante, só quem era o povo lhe dava bom-dia, ele perguntava, porque? Pois bem, esse tal guaxinim começou a sumir com as galinhas do dito coronel. Vixi que o homem ficou doido. Descomungou o animal, conferiu-lhe ao capeta a paternidade, botou seus capangas todos para procurar o bicho e dar vim na vida do infeliz; Nada. Correram a propriedade toda, entraram nas terras dos vizinhos, com ou sem permissão, e não encontraram paradeiro do bicho. Foi da vez que o coronel infezado disse, eu mermo vou matar esse descomungado, ele vai ver ; Aprontou-se; Montou guarda dias e dias na porta do aviário. Não foi um nem dois dias que ficou vigilante de noite e dormindo durante o dia, não; Foram para lá de dez dias e nada do bicho aparecer. Aquilo só fazia o homem ficar mais irado. Até que o dia chegou. O coronel sentiu o sangue ferver quando viu o bicho se esgueirando mansinho pela cerca dos fundos. O danado olhava para um lado e para o outro, como se já imaginasse o perigo rodando. Apoiou-se nas patas de trás e cheira o ar, ahhh... - suspirava o guaxinim. O coronel deixou o ladrão se aproximar, pois não queria errar o disparo, tinha que ser certeiro no tiro e acabar com a vida do marginal. O bicho parecia um gato aprotando o bote. Lento se chegou na porta do aviário e quando estava para passar por um buraco na grade o coronel disparou sua espingarda. O coronel não era só ruim de natureza, era ruim de mira também. O guaxinim correu para se safar, mas o coronel foi atrás do delinqüente. O bicho partiu pelo mato a dentro com o coronel em seu encalço; E pegue tiro, pegue tiro, e pegue errar, pegue errar, até que o bicho se metou numa pedreira antiga. Um serrote já todo recortado da extração de granito parece que servia de esconderijo do danado. E numa reentrânsia e outra o bicho ficou encurralado, sem saída e acuo-se. O coronel esbaforido da carreira, carregou a espinguarda e mirou bem na cabeça do guaxinim. Seu ódio era tanto que até falar com o bicho ele 7

8 falou. Olhe aqui seu safado, isso é para nunca mais vim mexer no que é dos outros. Andou tirando o que é meu, agora vou tirar sua vida. Quinzé parou a leitura para coçar o nariz. Vamo hôme, como ficou esse caso, o coronel matou o bicho? - seu Damião estava aperriado. Calma agora é que vem o bom tranqüilizou Quinzé. O bicho acuado e sem saída, apoio-se nas patas de trás e bem devagar foi levantando as patas em rendição. E para surpresa do coronel, mirou-o com seus olhos negros e tristes quase chorando e disse: Porque me julgas meu senhor? Se nada de tão mal fiz à ti. Dizes que roubei o que era teu, Confesso que não entendi, Pois o homem não é possuidor, Mas sim pastorador, Das coisas que lhe deu O pai Nosso Senhor O coronel nessa hora ficou mudo; Nunca soube que guaxinim falava. Baixou a arma e deu meia volta, crente que um milagre presenciara; Benzou-se e voltou correndo para casa, celou seu cavalo e a galope foi parar na Matriz. Entrou e se ajoelhou aos pés da Virgem Mãe e da Cruz, suando feito chaleira quente, jurando eternamente não maltratar jamais um ser vivente. Eu acredito que seja verdade sim. Não duvido das coisas de Deus diz seu Damião fazendo o sinal da cruz. É só uma estória pai; Mas verdade seja dita que cada um tem seu quinhão aqui na terra arremata Quinzé. Levantam-se batendo a areia das bundas tocam o burrico. Ainda havia muito trabalho até o fim do dia, catando as sobras dos outros. Varrendo dos olhos de muitos seus excessos e desperdícios. 8

9 Rio Memória (São Paulo, 10/01/05) Saudade é uma palavra que só se traduz em versos. Na poesia a saudade é capaz de transpor o tempo e o espaço. Lia saindo da sombra do interior da Candelária, ofusca-se com o sol em seus olhos. Debaixo de um azul imaculado, o calor de Fevereiro ardia a capital fluminense. O centro do Rio de Janeiro era novo de novo. As antigas ruas de paralelepípedos, os postes de iluminação à gás, paredes e monumentos sem as marcas de tribos urbanas. Todas as construções eram de uma novidade saudosa. Mergulhado no silêncio que pairava nas ruas próximas a catedral, ninguém a transitar por lá. Nem o canto dos beneditinos se ouvia do Mosteiro de São Bento. Abraçando o sol, Lia atravessa a praça. Com um novo frescor na pele, segue numa lenta caminhada pela Rua Primeiro de Março. Com todas as janelas e portas fechadas a sua volta, ela contemplava o vazio de uma via sem volta. Aos poucos, aflorando do silêncio, ela percebe uma música cadenciada. Estava próxima à Rua do Ouvidor. A música se intensificava e junto com ela uma vibração de reconhecimento fazia seu coração se animar. Uma vontade de ver de novo, de dançar de novo, de brincar de novo. A cidade na esquina da Rua do Ouvidor, antes silenciosa e vazia, abre-se numa apoteose. Vindos do Paço uma turba alegre vai transmutando o silêncio em festa. As janelas antes fechadas, abrem-se saudando a música que passa na rua (seria choro ou samba?). Das janelas escancaradas rostos mascarados aparecem - era o rancho carnavalesco. Lia revive as alegrias de tempos passados e seu coração lhe aperta o peito. Uma multidão numa profusão de felicidade descendo a rua do Ouvidor contagiava tudo ao redor. Eram muitos rostos - muitos conhecidos, muitos anônimos. Da música que ouvia reconheceu Ernesto Joaquim cantando Pelo Telefone e Donga. Nobres, plebeus e índios Tamoios se misturavam. Lia vê no meio da multidão sombras do passado - Men de Sá acompanhando Dona Leopoldina e Dom Pedro II. O filho de Carlota Joaquina, apaixonado pela arte da fotografia, conduz uma câmera pendurada no pescoço registrando tudo numa eternidade presente. No enquadramento da lente do Imperador, Chiquinha Gonzaga sorria 9

10 cantando o Abre Alas ao lado de Noel Rosa. De mãos dadas com uma baiana, Cartola e Nelson Cavaquinho cantam para a mulata sambar. O Bando de Tangarás avança sem Noel que ficou para trás. Pixinguinha tocava acompanhando Coelho Neto em Cidade Maravilhosa. Bem atrás deles vinham Leila Diniz de abraços dados com Renato Russo instigando o povo para a revolução. Não a revolução contra franceses nem a garrafadas, mas a revolução da alegria. O cheiro da lança perfume toma conta do ambiente. Uma chuva de confetes e serpentinas alcançavam os cabelos de Lia. Os que caíam no chão voltavam soprados pela brisa para acima dos telhados. Cortejado por um cordão de pastorinhas vinha o profeta Gentileza distribuindo flores e sorrisos. A palavra profetizada no meio do povo bendizia o amor; Um bêbado, amparado pelo equilibrista, lutava para ficar de pé e não perder a festa. Estes dois quase derrubam Vinícius e Tom que esperavam a garota de Ipanema passar. Lia estava fascinada com o colorido das fantasias. Arlequins e pierrôs pajeavam as belas columbinas; Anjos, demônios e orixás evoluíam no meio dos foliões; Moças e rapazes passavam cantando e puxaram quem estivesse ao redor; Uma mão estendeu-se, Lia viu seu pai lhe sorrir não fica aí parada, vem brincar com a gente. O velho sambista do morro arrasta a filha para o meio da folia e juntos giravam, riam e dançavam. As janelas permaneciam abertas. De uma delas Lia viu o pernambucano Manuel Bandeira com um caderninho na mão dando testemunho do carnaval que se emoldurava a sua frente. Em outra, Machado de Assis estava mais contemplativo. Espectadores da cultura e cotidiano registrando em sua arte os costumes do carioca. O Rio de Janeiro na saudade de Lia era a cidade da alegria. A alegria do Carnaval permanece eterna onde tempo e espaço não existem. Pessoas amadas e que há tanto tempo ela não via estavam lá também. A eterna capital do Brasil resplandecendo numa manhã de Domingo de calor e carnaval, fez Lia rejuvenescer. Sentia-se livre e feliz. Os dias tristes de doença acabaram. Enquanto estava na Candelária orando pela sua querida cidade, o coração de Lia parou. Pedia a São Sebastião que intercedesse ao Senhor piedade aos seus filhos mais carentes. Seu povo que desce das favelas para realizar o maior espetáculo do mundo na Marquês de Sapucaí é o mesmo 10

11 que morre nas mãos da violência das ruas asfaltadas de hoje. Lia, negra velha e lutadora, viveu até o último dia animada pela fé em Nossa Senhora da Penha. Desejava que sua cidade um dia acordasse num lindo dia de carnaval. Neste dia não haveriam ricos nem pobres, negros ou brancos só haveriam gente; A casa de branco era de todas as cores, que felizes e amados, cantando as belezas do lugar, fizeram germinar entre o mar e a montanha a urbe da alegria; E do alto, o Senhor de abraços abertos vela dia e noite a cidade maravilhosa. 11

12 A prece (Janeiro, 2008) Enquanto seu espírito ladrava em seus ouvidos angústias e tédio, a rua já silenciava sobre o sossego dos que zelam pela rotina. Ressoavam vozes distantes, talvez uivos, talvez gemidos, e ele escaneava as janelas do prédio da frente, com todas as luzes apagadas. Rodou a cabeça sobre o pescoço para aliviar a tensão, como se quisesse que a brisa da noite lhe cortasse sob o queixo; ah, misericórdia. A brisa soprou e não foi feliz em seu intento; Ele sai da varanda, vai até sua pequena estante conservada do pó e das traças, e os olhos agora escaneam os títulos. Procurava um livro de poesias e haviam vários. Uma coleção de loucos atormentados, onde misturavam-se fantasmas e viv'almas, todos ali à disposição, sem distinção de suas naturezas, prontos para lhe servir; Seus dedos resgataram alguns do sepulcro de madeira de lei; Os olhos escanearam as palavras, os versos, as rimas, as páginas; Um após outro, os poemas vão empilhando-se na mente e no chão como uma coluna de sete palmos; Apesar de todas as imagens primorosamente cantadas pelos mestres, habilidosos e resignados na construção de sonhos, a imagem mais nítida ainda era aquele silêncio; Seguiu vagando à deriva naquele nada, tentando não sossobrar nos seus próprios pensamentos; Suas preces eram em vão; Cada poema ao qual se agarrava era levado para o fundo junto com ele. Guardou os livros novamente em seus lugares e lhes pediu perdão; Não intencionou profaná-los no adiantado da hora. Já que ele não tinha paz ao menos deixasse que os outros a desfrutasse, sossegados. E ele ficou ali como náufrago do tempo, como aquele que procura por toda parte uma razão sequer que o convença de que os dias não são iguais, e que num dia desses, em meio a uma prece, algum milagre poderia realmente acontecer. 12

13 A Casa de Levi (São Paulo, 10/03/2005) Vaguei pelo mundo à procura de quem pudesse responder às perguntas lançadas à rosa dos ventos. Quantos mares ainda hei de navegar até encontrar um porto, um lar? Sentado nesta areia branca, contemplando a paciência das vagas do mar, procuro relembrar as palavras que no passado animaram o coração do homem. Eu era um faminto desnorteado na escuridão do silêncio, com fome e medo de conhecer a verdade. Batendo em muitas portas seguia meu caminho procurando o verbo que viesse dar sentido a amargura, ao desespero e à falta de amor. Mastiguei o fel de minha vida, açoitei a minha própria carne. Uma busca inútil de felicidade condicionada em tudo que não fosse eu. Inglória odisséia que os anos transformaram em medo. Ruas de pedra e dor; Saindo da areia da praia continuei vagando pelo mundo e vendo outros famintos que, como eu, procuravam a felicidade em vis prazeres: o êxtase da falsa felicidade como prenúncio da vã realidade; Eu era a humanidade perdida em si mesma, cega na luz do néon, surda às palavras de amor e muda diante de sua própria imagem - minha própria imagem; Reflexo do homem que mora nas calçadas e becos urbanos, preso ao vício da carne, corrompido e sem ética. Só que um dia bati a Tua porta. Quando cheguei a porta já estava destrancada. Fui convidado para entrar e dissestes que assim sua casa sempre esteve já estava a minha espera. Fui entrando e reconhecendo o lugar. Era de uma beleza não pronunciável e de um encanto irrecusável; Aquela casa era meu porto. Em suas palavras voltei ao passado e naveguei no mar ao redor do mundo. Durante a viagem Tu falastes da simplicidade do amor e mostrastes meu reflexo nestas águas calmas e limpas. Minha imagem estava tranqüila e feliz; O mundo que me mostrastes continuava igual, os mesmos becos e as mesmas ruas de pedra. Era o mesmo mundo, mas ao final da viagem eu mudei. Não espero mais que o mundo me faça feliz. A minha felicidade eu construo a cada dia. A minha felicidade é de dentro para fora. E sempre que volto a esta praia e sinto esta areia lembro de Ti. 13

14 Estou saciado e feliz, já não sinto tanta fome. Ouvindo o som das vagas do mar, ouço as palavras do peregrino que nasceu na casa de Levi, que semeou os ventos com palavras de amor e deixou a porta de sua casa destrancada para que qualquer um possa entrar. 14

15 Dionísio contra o tempo (São Paulo, 23/01/05) Ao calor de uma fogueira estalavam gravetos verdes; Nela aqueciam-se o passado e o presente, que caminharam juntos um longo traço de vida nas veredas desses sertões. Procuravam e esperavam um futuro que nunca chegava. O moço e o velho Dionísio descansavam contemplando as sombras dos mandacarus que, ao redor, bruxuleavam ante a luz da fogo. O velho Dionísio já cansado de andar, olha para o seu passado ainda moço, vê nele a culpa de sua solidão e seu desterro: - Cruzando as veredas desse sertão Tendo o sol e a lua por companhia Tratei de selar meu coração, Ó cego passado que me traia Vaguei só pelo cascalho da estrada Cada curva era a porta de novo estirão, A covardia me vendava os olhos Cada vez que o amor me tocava o coração Tu, jovem passado maldito Condenou-me por anos aflito, Fugi, então, de um presente bendito Quiçá medo de um futuro desdito E o jovem Dionísio despertando de sua letargia, revira o baú das lembranças que arrastava por onde fosse a cada ano mais pesado; Recolhe para ti seus momentos nessa memória, e guardo aqui o presente que tu, presente ancião, teimas em esquecer: - Lealdade conferi ao teu coração Covardia que dizes, é a fuga do amor Diria prudência, pois tem maior valor Não ser pássaro preso em alçapão 15

16 Querias tu quedar-se aprisionado? Ou criar raízes ao lado da paixão? De quem seria então o seu coração, Se desgraça assim tivesse se confirmado? Querias ter perdido o horizonte da estrada? Dedicar anos de tua vida a outrem? Se tivesses um dia ao amor se rendido Não haveria no seu coração nada restado Dionísio velho vivia sim, vivia um presente infeliz ladedo à solidão. Velho e sozinho foi sua paga pelo medo de correr os riscos do amor. No passado se negou a amar todas as vezes que esse pomo lhe foi presenteado ao coração; Conservou o prazer egoísta da liberdade ilusória, abrindo e fechando porteiras sem nunca ter paragem; Tinha um pesado baú de lembranças e aventuras para arrastar agora, mas ninguém com quem compartilhar seu peso; Vivera todo tipo de experiência: conheceu todo tipo de gente e dinheiro nunca lhe faltou para o necessário. Embora destemido aventureiro, nunca ousou cruzar a linha da paixão; Tremia diante dos olhos quentes, o ferrão do amor. Agora, jogando terra em mais uma fogueira apaga a labareda que lhe aquecia, por hora; Os fantasmas que lhe rodeavam desaparecem em gritaria. Só não se apagam as lembranças de um passado efêmero e dos amores não vividos. - O nada em meu coração é que restou Maldita prudência da covardia Rasgar o peito e abrir-se à paixão deveria Errando o coração encontrou prazeres fúteis Deixei de amar com leveza e doçura Cheio de doces lembranças hoje ele estaria Juventude do passado o tempo levou O longínquo horizonte hoje está próximo À solidão, a covardia me condenou 16

17 O lago (Janeiro, 2008) Preciso voltar à tona antes que perca meus sentidos. Nesse azul amplo e cristalino inundado de silêncio fico ouvindo o ritmo abafado das batidas de um coração e mergulho cada vez mais fundo. E enquanto meu corpo submerso desce, meus ouvidos sentem a pressão; Ainda não vejo o leito lá embaixo apenas o nada e o sentir de espectros que me observam ademais das sombras. Ainda tenho fôlego para nadar até a superfície e voltar a segurança do pier. Agora lembro quando estava lá; Observava a refração da luz que se perdia infinitamente para o fundo, sem medo e em linha reta. Meus pensamentos mergulhavam na sedução daquela luz que se precipitava para o desconhecido, sem desvios, sem hesitação, ávida de vontade. Aquele reflexo me fez lembrar, minha mãe e eu, ainda menininha, ela prendendo os lindos cabelos para não molhá-los, dizendo com zelo: cuidado Marié, fique nadando no rasinho, que é mais seguro ; Se houvesse lembrado de minha mãe antes do mergulho, talvez não fosse hipnotizada pela beleza daquele plácido lago afogo-me nele. É engraçado que neste instante que sou mulher, esqueço a conduta que sempre me preservou dos perigos. Por tantas vezes banhei-me em outros lagos, serenos e belos como este, mas sempre me mantive nas partes rasas, na superficialidade segura das águas, até este dia; Caminhei pelo pier até o ponto mais avançado e de lá inclinei-me para ver o meu próprio reflexo. O tempo havia passado rápido demais e no meu rosto nem mais um sinal da menininha insegura e frágil que fui. Vi, ainda ofuscada com lembranças, se espalhando em águas azuis, a beleza sedutora daquele lago, e percebi de alguma forma que não sei, que havia reciprocidade nesse encantamento, como se ele desejasse conhecer as profundezas de minha alma tanto quanto eu desejava me perder em sua imensidão. - Marié, és bela e não sei de ti nada além de teus lindos olhos e os beijos que deitei aos teus pés, disse-me a luz refrada nas águas; Então mergulhei. Sinto minha alma completamente abraçada pela paz e pelo prazer de ser absorvida por algo novo. É como se eu fizesse parte daquele todo e vice-versa, como se tudo aquilo que eu ainda não conhecia fizesse parte 17

18 de mim. Mas é preciso voltar à tona agora antes que eu perca os sentidos; Ainda não tenho certeza se esse lago tem fundo ou seu leito jaz sob os domínios eternos de Plutão; Preciso voltar à superfície para tomar fôlego; Deixo as sombras para depois, antes que eu perca a lucidez, pois por maior que seja meu amor e meu desejo de descobrir o que se esconde dos meus olhos, é preciso resgardar o meu particular do todo. E vejo agora a luz do sol sobre minha cabeça, na tona d'água, mas antes de emergir ouço um lamento vindo do fundo, uma batida ritmada e abafada que julguei ser um coração, como se eu tivesse deixado algum sentimento de partida. 18

19 Um dia quente (Dezembro, 2007) A semana inteira passou e para todos os dias fui testemunha de manhãs de sol e tardes quentes. Para um mulher solteira e beirando os 60 anos, dias como esses só pioram os calores. Sessenta anos e parece que ainda ontem gozava dos meus vinte anos e peitos duros, que agora flácidos preciso massagiar todos os dias à procura dos tais caroços; Maldita doença. Então chega o Sábado e chove; Chega o Sábado, então feira. Banca por banca arrastando meu carrinho e segurando um guarda-chuva, torna a tarefa ainda mais chata. Olha a beterraba, dona Santa, tá novinha..., é aqui, é aqui que tá barato dona Santa, alface novinha...vamo levar ; Essa gente grita demais, se eu quero beterraba, eu compro beterraba, se não quero não adianta berrar. Ou será que eu deveria também ter berrado mais na vida? Ter sido menos santa? Talvez não estivesse só. Talvez meu apartamento fosse de dois quartos, com uma cozinha grande para receber os netos e filhos e uma cama de casal com um marido velho e doente para cuidar. Sei lá, acho que ser santa é ter família para dar conta. E a chuvinha vai caindo e molhando meus peitos. Guarda-chuva de merda, não guarda nada. Já tenho quase tudo comprado só falta chuchu, onde fica? Ah, lá na banca do seu Toco...seu Toco, nunca soube porque chamam ele assim. Tá tudo novinho dona Santa, pode escolher... ; É, vou escolher. Ao menos isto eu posso escolher. Sempre escolhendo as verduras, as roupas para vestir, os livros para ler, minha mãe sempre dizia que eu ia ficar cega de tanto ler. Porque não vai ao baile com suas irmãs? Vê se arruma um marido. Nunca ouvia direito, aquilo ao final parecia um alarido. O problema é que nunca me escolheram, nunca fizeram a opção por mim. Aqui está, seu Toco, meio quilo de chuchu. As vezes aquele ditado que diz que, quem fala o que quer, ouve o que não quer, é a mais pura verdade. Enquanto separava o pagamento do chuchu, me ocorreu sanar minha curiosidade fútil e saber o porque daquele apelido. Seu Toco, porque esse apelido que lhe deram?. O homem no alge de seus 50 anos, aparentemente, com aquela camisa aberta que dava para ver que mais 19

20 parecia um macaco do que gente, pegou nos seus bagos e com a mão bem cheia e sem cerimônia disse não sei não dona Santa, o povo fala demais. Aquele homem deveria ter vergonha de fazer uma pilhéria de tão maugosto com uma senhora, deveria ser preso. Fiquei muda, sem palavras e com o dinheiro na mão. Tem coisas na nossa vida que demoram tanto acontecer; Olhei para seu Toco e disse meio sem pensar, seu Toco acho que não vou levar esse chuchu não, ele tá meio sem graça ; O que vai ser então dona Santa? ; Olhei para o safado que ainda segura os bagos e disse, vê pra mim meio quilo de cenoura, mas dessas ai, bem grossas. 20

21 Crônicas 21

22 Ser, o verbo (Dezembro, 2007) Sou um homem; Poderia dizer também, sou latino-americano, brasileiro, potiguar, natalense. Nas mais diversas formas possíveis de adjetivação poderia eu dizer, sou caucasiano, magro e calvo; Ou fugindo dessas qualidades físicas e políticas, eu poderia simplesmente dizer, sou um homem, sou poeta. E é essa a armadilha do verbo; E esse verbo que é tão intenso e invasivo, tão secreto e misterioso, até para o próprio indivíduo, nos prende na arapuca da busca da auto-definição. As colunas do templo da Acrópole quardam seus mistérios milenares, suas histórias cravadas no mármore, mas estão lá, límpidas à luz do sol, e o artista com sua genialidade pode descrevê-la, o cientista vasculha suas frestas e conta a história; As células urticantes da água-viva, pençonhentas e letais, invisíveis aos olhos de suas vítimas estão lá melhor não tocadas, são reais, e mostram de forma clara e dolor o que são; Mas o que dizer da alma do homem? - Por mais fundo que seja o buraco escarafunchado na sua alma, por mais eloqüente seja a retórica, mais nebuloso se torna o ser. E vamos por ai, sou isto, sou aquilo, não sou isto, nem aquilo; Mas somos o que afinal? Quantos adjetivos, locuções adjetivas, frases, odes e apologias geniais serão o bastante para atingir o cerne da questão? Será que Hamlet é o temos então? Então este poeta dando-se a licensa de ser simplista pode dizer que é administrador de empresas formado pela Universidade do RN, pós-graduado em logística empresarial pelo Mackenzie, e morador do mundo. São Paulo e Natal são para este, Meca e Jerusalém, quardadas as devidas proporções, mas são meus berços de vida. Sou um homem em fuga do pragmatismo que cercou minha vida profissional e que cercam ainda, sem dúvida, muitas de minhas ações. Faço da minha poesia uma redenção da alma, um elixir de viver, uma boia de salva-vidas, e ela vai me levando à deriva nesse mar ilusionário que teimamos em chamar de realidade. 22

23 O feixe e o peixe (Dezembro, 2007) Os momentos raros em que o silêncio invade os cantos desse meu mundo particular, são particularmente produtivos em devaneios e lembranças. Neste trinta e um de dezembro, em particular, fui encharcado pela música de Lenine e veio a lembrança de um comportamento inocente na minha infância; Deixada lá para trás, enterrada em algum lugar da dunas de Pitangui ou pairando sobre os arrecifes de pedras que separa esta da praia de Graçandu, eu e minha trupe pescávamos ao cair de tardes de baixa-mar e eu, ingenuamente, acreditava que podia controlar o comportamento dos peixinhos e fazê-los cair em meu anzol - eles caiam; E Lenine diz: às vezes acho que sai dos teus olhos o feixe do raio que controla a onde cerebral do peixe. Hoje a rua está vivendo aquele clima típico de virada de ano; Uma calma anormal nessa metrôpole que não pára; Ruas enfeitadas e palco para shows, a celebração está no ar. Vamos somando aí todas as populações do mundo cristão que, para os que aí fazem parte, acreditam de fato que o mundo todo compartilha do mesmo clima e Lenine diz: nenhuma rede é maior que o mar, nem quando ultrapassa o tamanho da terra ; O que tem de tão especial nessa data, além de marcar um dia num calendário válido para parte do mundo? - Talvez seja aí que entra nossa onda cerebral para controlar os peixes. Não há de fato nenhuma mudança iminete além da virada da folhinha do calendário; Não será nada além de como acrescentar uma casa decimal num número, ou somar simplesmente mais um e igualar a dois mil e oito, ou zerar o relógio à meia-noite (mas qual meia-noite, de São Paulo ou Sydnei? lá já é ano novo); Os peixes deste lado do mundo vão permanecer na mediocridade do seu mundo de consumo, caindo em muitos anzóis, pois há algo mais poderoso controlando suas vidas; Os judeus e mulçumanos também têm suas datas em que somam seus anos em seus calendários e caem também em anzóis do fundamentalismo e do poder. Se eu ainda tivesse lá, nos arrecifes de Pitangui, estaria controlando os peixinhos a caírem em meu anzol, inocentemente; Nosso poder de controlar os peixes seria muito maior e mais lindamente digno, 23

24 se fosse alinhado numa rede do tamanho da terra, em que todos caissem nela, que todos focassem suas ondas cerebrais no bem comum e felicidade geral da humanidade; Até lá, vou pescando minhas lembranças e Lenine cantando: eu caio na rede, não tem quem não caia. 24

25 Meu trabalho (Dezembro, 2007) Na alvorada de todos os dias, pássaros de todos os matizes repetem as cantigas que aprenderam no perder da evolução, despertando o preguiçoso, anunciando mais um sol. O que dizer deles? São trabalhadores? Ninguém percebeu ainda sua importância? Então deixem os pássaros cantarem e voarem, e enchamos as estações; Ônibus, trens, metrôs e caminhões, nos levam aos escritórios, fábricas, lojas e canaviais. Não dá tempo para ouvir poesia. Não produzo pão, não sei capinar a terra, nem cozinhar feijão. Fico aqui nesse ócio, a fazer versos e ler, ler, ler. Não produzo nada não. Não sei vender carros, jóias, roupas ou relógios, talvez as flores eu consiga vender; Seria mais honesto comigo mesmo, se tenho alguma beleza para oferecer. E o dinheiro? Vem ou não? Meu trabalho não produz nada não. Esses dias passam a perder de vista, e a medonha ganância graça nas nossas entranhas. Sou trabalhador sim, mas de obra enfadonha. Os peões, os capitães e os soldados todos, fazem o ouro brotar de qualquer lugar, não importa quem vai pagar, nem o que vai custar, tem que produzir, tem que prosperar. E eu fico aqui, no meu trabalho sem nada gerar. Seria eu trabalhador? Há quem vá duvidar. Deixem para lá o cantador, vamos encher os bolsos dos capitães. A ordem não pode perder, senão a ordem desordena aí... aí vocês vão ver. Não há passáros cantadores na minha casa, nem árvores que os abrigue. Fico então a imaginar a cantoria que eles fazem por aí. Quanto aos outros trabalhores não posso ignorá-los, tenho aos montes ao meu lado; Angustiados, desesperançados e cansados de engordar o gado dos patrões. E com eles fico solidário, pois também não guardo nada para mim nesse trabalhar de todo dia, uma vez que meu trabalho é para agradar a alma dos outros. 25

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Setembro de 2014 Sumário Luciana Pereira da Costa... 2 Luiz Paiva Neto... 2 Comunicado... 3 Debi Godoi Galvão... 3 Sou a criança...

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

A MATA. Um roteiro. Fábio da Silva. 22/05/2010 até 10/08/2012

A MATA. Um roteiro. Fábio da Silva. 22/05/2010 até 10/08/2012 A MATA Um roteiro de Fábio da Silva 22/05/2010 até 10/08/2012 Copyright 2012 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados Rua Ana Teles, 489, casa 14 Praça Seca Rio de Janeiro 21.341-460 (21) 3833-5022

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

futebol (peça de diego pinheiro)

futebol (peça de diego pinheiro) futebol (peça de diego pinheiro) A verdade é que eu amo a humanidade, e por isso me considero uma pessoa de maldade eterna... sonhei ontem com um mosteiro... um mosteiro de tamanho colossal. liguei imediatamente

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

ÇÃO Chico Buarque DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE

ÇÃO Chico Buarque DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE DOCE A MÚSICA SILENCIOSA LARGA MEU PEITO SOLTA-SE NO ESPAÇO FAZ-SE CERTEZA MINHA CANÇÃO RESTIA DE LUZ ONDE DORME O MEU IRMÃO... DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Só para que eles possam saciar meu desejo Incontrolável de apenas te olhar...

Só para que eles possam saciar meu desejo Incontrolável de apenas te olhar... APENAS... Eu vivi a cor dos teus olhos E respirei o brilho do teu olhar... Depois percebi que estava morrendo, Porque fechaste teus olhos E preferiste sonhar um outro sonho... Chorei, mas não sei se por

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

O VENTO - Karina Gondim Togami - Série: 1ªA

O VENTO - Karina Gondim Togami - Série: 1ªA Inspirada em Arte de amar - Manuel Bandeira O VENTO - Karina Gondim Togami - Série: 1ªA Ser como o vento que passa Soprando na tarde vazia Dando as pessoas Uma enorme sensação de alegria. Ser como a chuva

Leia mais

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas.

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas. Passa Passarinho Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas Rumores de asas Não passa Passarinho Pelo meu mundo sozinho Deixa tuas asas Formarem

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA RUA SAUDADE Roteiro de Curta-Metragem São as últimas horas da madrugada., senhora viúva com mais de setenta anos, passa pelo portão da rua de sua casa no Bexiga. Carrega um carrinho de feira consigo. Sai

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

POESIAS QUÂNTICAS E OUTRAS. Autor: Péricles Alves de Oliveira

POESIAS QUÂNTICAS E OUTRAS. Autor: Péricles Alves de Oliveira POESIAS QUÂNTICAS E OUTRAS Autor: Péricles Alves de Oliveira Olhai e contemplai o Cosmo em toda sua plenitude e possibilidades, e nele sentireis a verdadeira força e presença de Deus. (Péricles Alves de

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana)

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana) Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Memórias de um Vendaval

Memórias de um Vendaval 3 4 Memórias de um Vendaval 5 6 Carlos Laet Gonçalves de Oliveira MEMÓRIAS DE UM VENDAVAL 1ª Edição PerSe São Paulo - SP 2012 7 Copyright 2011, Carlos Laet Gonçalves de Oliveira Capa: O Autor 1ª Edição

Leia mais