9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS"

Transcrição

1 161 9 PROGRAMAS, AÇÕES E PROJETOS PARA ATENDIMENTO DAS METAS

2 162 A partir das projeções apresentadas no capítulo anterior e para se considerar os elementos indicados no diagnóstico, foram estabelecidos Programas, Ações e Projetos para os serviços de saneamento, objetivando o atendimento das metas de universalização, manutenção e melhoria dos serviços de saneamento. Na seqüência, serão disponibilizadas as Tabelas que demonstram o planejamento elaborado, considerando as condições de prazos para os períodos: imediato, curto, médio e longo prazo. Tais critérios serão admitidos nas seguintes condições: Ações imediatas: Ano 1 a Ano 3 ( ) Ações de curto prazo: Ano 4 a Ano 9 ( ) Ações de médio prazo: Ano 10 a Ano 15 ( ) Ações de longo prazo: Ano 16 a Ano 20 ( ) As Tabelas referentes a cada ação de prazo para as atividades integrantes do saneamento básico seguirão a ordem: Sistema de Abastecimento de Água; Sistema de Esgotamento Sanitário. Foi estabelecido um sistema de hierarquização das áreas de intervenção prioritária, para tanto foram considerados levantamentos de campo, índice de salubridade ambiental do município entre outros. O sistema de hierarquização visa determinar quais as demandas são prioritárias e conseqüentemente beneficiadas através de investimentos em saneamento básico. Ressalta-se que a hierarquização apresentada é apenas uma sugestão, que pode ser modificada ou adequada de acordo com as necessidades do município.

3 Sistemas de abastecimento de Água IMPLANTAÇÃO IMEDIATA (2011 a 2013) SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Ampliação da capacidade tratamento de água R$ ª Manutenção Investimento em Ligações com Hidrômetro R$ 3.333, ª Consolidação Investimento com hidrometros para ampliação do índice de Hidrometração R$ , ª Consolidação Substituição de Hidrômetros para renovação do parque de Hidrômetros R$ , ª Manutenção Investimento em ampliação da rede de abastecimento de água R$ , ª Melhorias Investimento em ampliação da capacidade de reservação R$ ª Inovação Investimento em abastecimento de água na área rural R$ , ª Área Prioritária de Ação Implantação de programas de proteção do manancial R$ , ª Preservação Recomposição de mata ciliar dos mananciais R$ , ª Preservação Manutenção e melhoria das instalações dos sistemas de captação R$ , ª Melhorias Instalação de macro medidor nas adutoras de água tratada R$ , ª Manutenção Melhoria das condições de conservação dos reservatórios existentes R$ , ª Manutenção Instalação de medidores de níveis nos reservatórios R$ , ª Inovação Tratamento do lodo gerado na ETA R$ , ª Recuperação Monitoramento de Água Bruta e Tratada R$ , ª Área Prioritária de Ação Criação do Núcleo de Mobilização e Educação Ambiental R$ , ª Preservação Adequação documental para Licença Ambiental da ETA e Outorgas R$ , ª Preservação Elaboração de Cadastro Georeferenciado R$ , ª Preservação Estruturação de programa de controle de perdas R$ , ª Área Prioritária de Ação Total do Período R$ ,12 Tabela 44: Ações Imediatas para os Sistemas de Abastecimento de Água.

4 164 IMPLANTAÇÃO A CURTO PRAZO (2014 a 2019) SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Ampliação da capacidade de tratamento de água R$ ª Manutenção Investimento em Ligações com Hidrômetro R$ , ª Consolidação Investimento com hidrômetros para ampliação do índice de Hidrometração R$ ª Consolidação Substituição de Hidrômetros para renovação do parque de Hidrômetros R$ , ª Manutenção Investimento em ampliação da rede de abastecimento de água R$ , ª Melhorias Investimento em ampliação da capacidade de reservação R$ ª Inovação Investimento em abastecimento de água na área rural R$ , ª Área Prioritária de Ação Monitoramento de programas de proteção do manancial e matas ciliares R$ , ª Manutenção Manutenção e melhoria das instalações do sistema de captação R$ , ª Melhorias Melhoria das condições de conservação dos reservatórios existentes R$ , ª Manutenção Renovação da licença de operação da ETA R$ 4.000, ª Preservação Tratamento do lodo gerado na ETA R$ , ª Recuperação Monitoramento de Água Bruta e Tratada R$ , ª Área Prioritária de Ação Atualização do cadastro georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,86 Tabela 45: Ações de curto prazo para os Sistemas de Abastecimento de Água

5 165 IMPLANTAÇÃO A MÉDIO PRAZO (2020 a 2025) SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Ampliação da capacidade tratamento de água R$ ª Manutenção Investimento em Ligações com Hidrômetro R$ , ª Consolidação Investimento com hidrometros para ampliação do índice de Hidrometração R$ ª Consolidação Substituição de Hidrômetros para renovação do parque de Hidrômetros R$ , ª Manutenção Investimento em ampliação da rede de abastecimento de água R$ , ª Melhorias Investimento em ampliação da capacidade de reservação R$ ª Inovação Investimento em abastecimento de água na área rural R$ , ª Área Prioritária de Ação Monitoramento de programas de proteção do manancial e matas ciliares R$ , ª Manutenção Manutenção e melhoria das instalações dos sistemas de captação R$ , ª Melhorias Manutenção das condições de conservação dos reservatórios existentes R$ , ª Manutenção Renovação da licença de operação da ETA R$ 4.000, ª Preservação Manutenção das condições da ETA R$ , ª Manutenção Tratamento do lodo gerado na ETA R$ , ª Recuperação Monitoramento de Água Bruta e Tratada R$ , ª Área Prioritária de Ação Renovação da licença de operação da ETA R$ 4.000, ª Preservação Atualização do cadastro georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,68 Tabela 46: Ações de médio prazo para os Sistemas de Abastecimento de Água

6 166 IMPLANTAÇÃO A LONGO PRAZO (2026 a 2030) SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Ampliação da capacidade tratamento de água R$ ª Manutenção Investimento em Ligações com Hidrômetro R$ 693, ª Consolidação Investimento com hidrometros para ampliação do índice de Hidrometração R$ ª Consolidação Substituição de Hidrômetros para renovação do parque de Hidrômetros R$ , ª Manutenção Investimento em ampliação da rede de abastecimento de água R$ , ª Melhorias Investimento em ampliação da capacidade de reservação R$ ª Inovação Investimento em abastecimento de água na área rural R$ , ª Área Prioritária de Ação Monitoramento de programas de proteção do manancial e matas ciliares R$ , ª Manutenção Manutenção e melhoria das instalações dos sistemas de captação R$ , ª Melhorias Manutenção das condições de conservação dos reservatórios existentes R$ , ª Manutenção Manutenção das condições da ETA R$ , ª Manutenção Renovação da licença de operação da ETA R$ 4.000, ª Preservação Tratamento do lodo gerado na ETA R$ , ª Recuperação Monitoramento de Água Bruta e Tratada R$ , ª Área Prioritária de Ação Atualização do cadastro georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,61 Total de investimentos no sistema de abastecimento de água R$ ,27 Tabela 47: Ações de longo prazo para os Sistemas de Abastecimento de Água

7 Sistemas de Esgotamento Sanitário IMPLANTAÇÃO IMEDIATA (2011 a 2013) SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Rede coletora de esgotos, interceptores e acessórios Ligações prediais de esgoto Tratamento de esgotos Investimento em esgotamento sanitário na área rural Levantamento de necessidades para atendimento a áreas rurais - sistemas alternativos R$ , Total do Período R$ ,00 Tabela 48: Ações imediatas para o Sistema de Esgotamento Sanitário 1ª Área Prioritária de Ação Elaboração do Projeto Executivo de Esgotamento Sanitário R$ , ª Área Prioritária de Ação Adequação documental para Licença Ambiental e Outorga R$ , ª Consolidação Análise e monitoramento dos parâmetros do efluente tratado e corpo receptor R$ , ª Manutenção

8 168 IMPLANTAÇÃO EM CURTO PRAZO ( ) SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Rede coletora de esgotos, interceptores e acessórios R$ , ª Área Prioritária de Ação Ligações prediais de esgoto R$ , ª Área Prioritária de Ação Tratamento de esgotos R$ , ª Área Prioritária de Ação Investimento em esgotamento sanitário na área rural R$ , ª Recuperação Renovação da licença de operação da ETE R$ 4.000, ª Preservação Levantamento de necessidades para atendimento a áreas rurais - sistemas alternativos R$ , ª Consolidação Análise e monitoramento dos parâmetros do efluente tratado e corpo receptor R$ , ª Manutenção Atualização de cadastro Georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,34 Tabela 49: Ações de curto prazo para o Sistema de Esgotamento Sanitário

9 169 IMPLANTAÇÃO EM MÉDIO PRAZO ( ) SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Rede coletora de esgotos, interceptores e acessórios R$ , ªÁrea Prioritária de Ação Ligações prediais de esgoto R$ , ªÁrea Prioritária de Ação Tratamento de esgotos R$ , ªÁrea Prioritária de Ação Investimento em esgotamento sanitário na área rural R$ , ª Recuperação Levantamento de necessidades para atendimento a áreas rurais - sistemas alternativos R$ 5.000, ª Consolidação Renovação da licença de operação da ETE R$ 4.000, ª Preservação Análise e monitoramento dos parâmetros do efluente tratado e corpo receptor R$ , ª Manutenção Renovação da licença de operação da ETE R$ 4.000, ª Preservação Atualização de Cadastro Georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,54 Tabela 50: Ações em médio prazo para o Sistema de Esgotamento Sanitário

10 170 IMPLANTAÇÃO EM LONGO PRAZO ( ) SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Rede coletora de esgotos, interceptores e acessórios R$ , ªÁrea Prioritária de Ação Ligações prediais de esgoto R$ , ªÁrea Prioritária de Ação Tratamento de esgotos R$ ªÁrea Prioritária de Ação Renovação da licença de operação da ETE R$ 4.000, ª Preservação Investimento em esgotamento sanitário na área rural R$ , ª Recuperação Levantamento de necessidades para atendimento a áreas rurais - sistemas alternativos R$ 5.000, ª Consolidação Análise e monitoramento dos parâmetros do efluente tratado e corpo receptor R$ , ª Manutenção Atualização de Cadastro Georeferenciado R$ , ª Preservação Total do Período R$ ,11 Total de investimentos no sistema de esgotamento sanitário R$ ,99 Tabela 51: Ações em longo prazo para o Sistema de Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES

7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES 7. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES 7.1 Abastecimento de Água Como o prazo do convênio de gestão com a prestadora de serviços de abastecimento de água, a CASAN, tem o vencimento no mês de agosto de 2011, será

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ NAS ÁREAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E O QUE É? POR QUE ELABORAR O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO? É o principal instrumento para o planejamento

Leia mais

Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I. Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR

Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I. Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR PCR PRODETUR/NE I Apresentação: PRODETUR/NE I sem linha

Leia mais

ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66

ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66 ANEXO II ADMINISTRAÇÃO INDIRETA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE CNPJ.02.460.512/0001-66 PRIORIDADES E METAS FISCAIS PARA OS EXERCÍCIOS DE 2010 A 2013 FONTE DA RECEITA: 76 RECEITAS ORGÃO:

Leia mais

ÁGUA - SEDE URBANA. 2. O sistema de abastecimento de água atende toda a população urbana da sede? A. Sim. B. Parcialmente.

ÁGUA - SEDE URBANA. 2. O sistema de abastecimento de água atende toda a população urbana da sede? A. Sim. B. Parcialmente. ANEXO II FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES BÁSICAS DE SANEAMENTO DO MUNICÍPIO Dados do Município Município / UF: Nome do Prefeito(a): Endereço da Prefeitura: Data: / / Telefone: Email: População da Sede Urbana:

Leia mais

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo.

O Plano de Negócios deverá ser apresentado de acordo com os quadros apresentados abaixo. ANEXO 7 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL O objetivo da PROPOSTA COMERCIAL é a definição, por parte da LICITANTE, do valor da oferta pela Outorga da Concessão da Prestação do Serviço Público

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DO CONSUMIDOR E USUÁRIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA NOVO GAMA 1-ABASTECIMENTO DE ÁGUA Responsável Técnico - SANEAGO Mário João de Souza (62) 3243-3126 Concessionária: Saneago População: 88.835 População atendida: 85,20% Índice da região Centro-Oeste 89.50%

Leia mais

MUNICÍPIO DE TERESINA Plano Municipal de Saneamento Básico Programas, Projetos e Ações

MUNICÍPIO DE TERESINA Plano Municipal de Saneamento Básico Programas, Projetos e Ações 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA CNPJ 06.554.860/0003-64 Praça Marechal Deodoro, nº 860- Palácio da Cidade Teresina 64001-070 Teresina - PI Tel. (86) 3215 7512 FIRMINO DA SILVEIRA SOARES FILHO Prefeito

Leia mais

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água

Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Concepção de um Sistema de Abastecimento de Água Introdução Em geral, não há uma solução única para um projeto de sistema de abastecimento de água Uma mesma opção pode admitir diferentes: variantes, formas

Leia mais

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S

R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S R E L A T Ó R I O R E S U M I D O D E G E S T Ã O C O N T R O L E D E M E T A S Ao Sr. Gilmar Santa Catharina Chefe da Controladoria Geral do Município Prefeitura Municipal de Caxias do Sul No contexto

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico;

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico; INSTRUÇÃO NORMATIVA 0001/2013-GAB Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, delineados para municípios com até 50.000 habitantes. O Secretário

Leia mais

Projeto de reuso na ETA Guandu

Projeto de reuso na ETA Guandu Baía de Sepetiba Projeto de reuso na ETA Guandu Captação Desarenadores SITUAÇÃO ATUAL NETA 16 m3/s Elevatória de água bruta 27 m3/s VETA Floculadores Cx. de Tranqüilização Floculadores Decantadores Decantadores

Leia mais

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

ETE Sustentável. Eugênio Álvares de Lima e Silva

ETE Sustentável. Eugênio Álvares de Lima e Silva ETE Sustentável Eugênio Álvares de Lima e Silva Áreas de atuação da Copasa Abastecimento de Água: Captação Adução Tratamento Preservação Distribuição Esgotamento Sanitário: Coleta Transporte Tratamento

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO)

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) APÊNDICE H- INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) CAPITULO : PROCEDIMENTOS GERAIS PARA AVALIAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL - PROJETOS DE

Leia mais

Relatório Final de Projeto

Relatório Final de Projeto BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO Relatório Final de Projeto Project Completion Report PCR PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO DA BACIA DA BAÍA DA GUANABARA (PDBG) EMPRÉSTIMOS 782/OCBR & 916/SFBR PROJETO

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ Belo Horizonte, 18 de março de 2013 HISTÓRICO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ Implantação do Programa KfW I pela CAGECE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Região Metropolitana de São Paulo São Paulo 39 municípios - 20,1

Leia mais

Governador. Vice Governador. Secretário de Estado de Obras. Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos

Governador. Vice Governador. Secretário de Estado de Obras. Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos Governador Sergio Cabral Vice Governador Luiz Fernando de Souza Pezão Secretário de Estado de Obras Hudson Braga Presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos Wagner Granja Victer ABRIL / 2013 PROGRAMAS

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

Informações sobre desenvolvimento de projetos

Informações sobre desenvolvimento de projetos pág.: 1/7 1 Objetivo Regulamentar os procedimentos relativos à produção, distribuição e utilização das informações gerenciais necessárias ao acompanhamento das atividades relacionadas com os em desenvolvimento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB MUNICÍPIO DE TENENTE PORTELA - RS ETAPA VI - RELATÓRIO FINAL DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB MUNICÍPIO DE TENENTE PORTELA - RS ETAPA VI - RELATÓRIO FINAL DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB MUNICÍPIO DE TENENTE PORTELA - RS ETAPA VI - RELATÓRIO FINAL DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Dezembro de 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE TENENTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG)

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - PPGMADE Roberta Giraldi Romano -

Leia mais

PESQUISA DE PERCEPÇÃO SMARTCITIES / CIDADES INTELIGENTES

PESQUISA DE PERCEPÇÃO SMARTCITIES / CIDADES INTELIGENTES 21 262 Estados e o Distrito Federal 31 Respondentes Municípios 51 Secretários CIDADES CIDADES POPULAÇÃO Desafios das Cidades Segurança Pública 74% Saúde Trânsito Transporte público 50% 56% 55% Educação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular:

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA 1. DADOS GERAIS 1.1 Dados do Empreendedor a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: 1.2 Dados do Empreendimento:

Leia mais

Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais

Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais RESOLUÇÃO ARSAE-MG 72, DE 9 JULHO DE 2015. Determina a obrigatoriedade, por parte da Companhia de Saneamento de Minas Gerais Copasa, de prestar informações aos entes concedentes relacionadas aos valores

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA DO LAGO GUAÍBA

BACIA HIDROGRÁFICA DO LAGO GUAÍBA SERVIÇOS DE CONSULTORIA RELATIVOS AO PROCESSO DE PLANEJAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAGO GUAÍBA FASE C SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Reunião Plenária 18 de março de 2014 Comissão de Acompanhamento DRH

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA Julho / 2014 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 5 2 OBJETIVOS... 6 3 METODOLOGIA... 7 3.1 ESCOPO DA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA SUPERINTENDÊNCIA DE COBRANÇA E CONSERVAÇÃO JOAQUIM GABRIEL MACHADO NETO 29.11.2001 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização

Leia mais

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas

GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas GS Inima Brasil Água, o Princípio de todas as coisas A Empresa Holding GS Inima Brasil está localizada na cidade São Paulo possuindo cinco empresas

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna PSA Plano de Segurança da Água Sistema Passaúna Centro de Treinamento Sala Lago Itaipú Curitiba, 02.jul.2012 Descrição do Sistema de Abastecimento Passaúna Item Processo Descrição 2 Captação É o início

Leia mais

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa...

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa... ÍNDICE 30. PARA O CONSUMO HUMANO... 2 30.1. Introdução... 2 30.2. Justificativa... 3 30.3. Objetivos do Programa... 4 30.4. Metas... 4 30.5. Indicadores Ambientais... 4 30.6. Público-Alvo... 5 30.7. Metodologia

Leia mais

Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães Ferreira Neto Inês Maria Peixoto Barreto Email: omt@embasa.ba.gov.

Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães Ferreira Neto Inês Maria Peixoto Barreto Email: omt@embasa.ba.gov. Viabilidades de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário: um conceito indispensável no processo de desenvolvimento urbano Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPIO DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÃO

PODER EXECUTIVO MUNICIPIO DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÃO ANEXO VIII INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA AS LICITANTES deverão elaborar a PROPOSTA TÉCNICA observando o disposto no presente documento, descrito em duas partes a saber: - PARTE A- DIRETRIZES

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde. -Um olhar do SUS. Mariely Daniel

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde. -Um olhar do SUS. Mariely Daniel PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde -Um olhar do SUS Mariely Daniel Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Ministério da Saúde Departamento

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS nº 01/2016 CAPTAÇÃO DE RECURSOS DO COALIAR ORÇAMENTO 2013-2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS nº 01/2016 CAPTAÇÃO DE RECURSOS DO COALIAR ORÇAMENTO 2013-2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS nº /26 CAPTAÇÃO DE RECURSOS DO COALIAR ORÇAMENTO 23-25 O COMITÊ DAS BACIAS DO ALTO IGUAÇU E AFLUENTES DO ALTO RIBEIRA - COALIAR torna público aos interessados que está aberto

Leia mais

Estabelece a Politica Municipal de Saneamento Básico do Município de POÇO DAS ANTAS e dá outras providencias.

Estabelece a Politica Municipal de Saneamento Básico do Município de POÇO DAS ANTAS e dá outras providencias. LEI N 1.761/2014, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014. Estabelece a Politica Municipal de Saneamento Básico do Município de POÇO DAS ANTAS e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE POÇO DAS ANTAS, Estado

Leia mais

ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 2 TERMO DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO Apresenta-se nesse Termo de Referência os objetivos, metas e prazos que a LICITANTE deve considerar em seus estudos para determinar o valor de sua oferta pela outorga

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ nº 052/06, de 28/09/2006

Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ nº 052/06, de 28/09/2006 Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Criados e instalados segundo a Lei Estadual (SP) n o 7.663/91 e Lei Federal n o 9.433/97) Deliberação Conjunta dos

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE ITABELA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE ITABELA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE ITABELA Janeiro, 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 5 2 OBJETIVOS... 6 3 METODOLOGIA... 7 3.1 ESCOPO DA

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA/PE Sistema de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA/PE Sistema de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA/PE Sistema de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RELATÓRIO 2 - PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO DE PETROLINA/PE CONTRATO 111/2011 CONTRATANTE

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Governança da Água no Brasil

Governança da Água no Brasil Governança da Água no Brasil Devanir Garcia dos Santos Coordenador de Implementação de Projetos Indutores - ANA Seminário Água em Debate: Uso Sustentável da Água na Agricultura Desafios e Soluções Brasília

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS Andréia Guaracho Ramos (*) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação Santo André. Mestranda

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

PDF created with FinePrint pdffactory trial version http://www.pdffactory.com

PDF created with FinePrint pdffactory trial version http://www.pdffactory.com 01 Legislativa 031 Ação Legislativa 0023 DIVULGAÇÃO OFICIAL 5.600.00 179.000.00 184.600.00 0025 EDIFICAÇÕES PÚBLICAS 2.000.00 2.000.00 0014 DEFESA DO INTERESSE PÚBLICO NO PROCESSO JUDICIÁRIO 6.000.00 5.000.00

Leia mais

Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral

Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral 1 a 01 Matemática C 4 60-02 Geometria Analítica 4 60-03 Biologia Geral 3 45-04 Produção Textual Acadêmica

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

Case de Jundiaí Coleta e Tratamento de Esgotos

Case de Jundiaí Coleta e Tratamento de Esgotos Case de Jundiaí Coleta e Tratamento de Esgotos Figura - 1 Fonte: Fonte: site CSJ 1 Perfil Municipal de Jundiaí População: 355.417 habitantes Extensão Territorial: 432 Km 2 Localização: Taxa de mortalidade

Leia mais

Estratégias de Desenvolvimento Regional

Estratégias de Desenvolvimento Regional Estratégias de Desenvolvimento Regional Mesa Redonda sobre Desenvolvimento Regional nos Estados Brasileiros Marcelo Sacenco Asquino Coordenador da Área Regional Secretaria de Economia e Planejamento do

Leia mais

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA As LICITANTES deverão elaborar, observados os termos dos itens 64 e 65 do EDITAL, a PROPOSTA TÉCNICA conforme cada um dos tópicos descritos a seguir.

Leia mais

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce A BACIA DO RIO DOCE 2 Características Gerais da Bacia do Rio Doce Área da bacia 86.715 km² Extensão do curso principal Aprox. 850 km População

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

Instrumentos econômicos e financeiros para o GIRH. Introdução ao financiamento de recursos hídricos

Instrumentos econômicos e financeiros para o GIRH. Introdução ao financiamento de recursos hídricos Instrumentos econômicos e financeiros para o GIRH Introdução ao financiamento de recursos hídricos Metas e objetivos da sessão: explicar como as partes que constituem o setor de águas obtêm financiamento.

Leia mais

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque A APA Área de Proteção Ambiental de Itupararanga foi tema da palestra de abertura da Semana Paulo Freire, promovida pela ETEC - São Roque. O evento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DANOS S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C. Descrição da Área Afetada. Toda área RURAL do município.

AVALIAÇÃO DE DANOS S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C. Descrição da Área Afetada. Toda área RURAL do município. S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C AVALIAÇÃO DE DANOS 1 Tipificação: Código Denominação 2- Data de Ocorrência Dia Mês Ano Horário NE.SES 12.401 Estiagem 08 04 2009 09:00

Leia mais

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO Felipe Antº N. Madureira (Julho/2010) FELIPE ANTº NASCIMENTO MADUREIRA Engenheiro Civil - UFBA Gerente da Divisão de Esgotamento Sanitário Unidade Regional

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS - MA SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DE PROJETOS ESPECIAIS SEMPE

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS - MA SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DE PROJETOS ESPECIAIS SEMPE PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS - MA SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DE PROJETOS ESPECIAIS SEMPE Programa de Recuperação Ambiental e Melhoria da Qualidade de Vida da Bacia do Bacanga PLANO MUNICIPAL

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 6 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA... 8

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014 ANEXO II INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ALÍNEA A)

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de

Leia mais

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas de abastecimento de água e dos sistemas de esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário de Estado do

Leia mais

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05

RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 RESOLUÇÃO TARIFÁRIA n.º 01/05 LUIZ AUGUSTO CASTRILLON DE AQUINO, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A SANASA - CAMPINAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Programa de Gestão Integrada de Águas e da Paisagem

Programa de Gestão Integrada de Águas e da Paisagem Governo do Estado do Espírito Santo Programa de Gestão Integrada de Águas e da Paisagem Arcabouço para o Gerenciamento Ambiental e Social do Programa Setembro 2013 1 1. APRESENTAÇÃO O Programa de Gestão

Leia mais

Município de Araucária - PR

Município de Araucária - PR Município de Araucária - PR DIAGNÓSTICO 25 de Fevereiro de 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB AMPLA CONSULTORIA Equipe Técnica: NADINE LORY BORTOLOTTO Engenheiro Sanitarista e Ambiental CRISTIANE

Leia mais

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS SECRETARIA DE ESTADO DE SANEAMENTO E ENERGIA REÁGUA PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO DAS ÁGUAS Normativo 7 Parte Específica COMPONENTE INCREMENTO DA DISPONIBILIDADE DE ÁGUA SUBCOMPONENTE REÚSO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE LAFAIETE COUTINHO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE LAFAIETE COUTINHO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE LAFAIETE COUTINHO Setembro, 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 6 2. OBJETIVOS... 7 3. METODOLOGIA... 8

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

Relatório de Atividades 2005-2009

Relatório de Atividades 2005-2009 Relatório de Atividades 2005-2009 9º Fórum Municipal de Saneamento Ambiental de Penápolis Diretor Presidente Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis Implantação da Coleta de Óleo de Cozinha

Leia mais

Termo de Referência do Plano Municipal de Saneamento Básico

Termo de Referência do Plano Municipal de Saneamento Básico TERMO DE REFERÊNCIA PARA DEFINIÇÃO DA POLÍTICA E ELABORAÇÃO DO PLANO PARTICIPATIVO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA/AL. Arapiraca Junho de 2013 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

VALINHOS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

VALINHOS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE VALINHOS PRESTADOR: DAEV DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE VALINHOS Relatório R1 Diagnóstico Americana, agosto de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Concepção de ETEs nos Tempos Modernos

Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Concepção de ETEs nos Tempos Modernos 29_07_14 Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Concepção de ETEs nos Tempos Modernos 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS NAS ÚLTIMAS DÉCADAS Os objetivos do tratamento de esgotos

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde. Competências

Fundação Nacional de Saúde. Competências Competências A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (FUNASA), ÓRGÃO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, É UMA DAS INSTITUIÇÕES DO GOVERNO FEDERAL RESPONSÁVEL EM PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DE AÇÕES DE SANEAMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR SUBSTITUTIVO Nº 28/2013. CAPÍTULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR SUBSTITUTIVO Nº 28/2013. CAPÍTULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico CMSB e o Fundo Municipal de Saneamento Básico FMSB. CAPÍTULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Divisão de Compras e Licitações

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Divisão de Compras e Licitações ANEXO I INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO E CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DA PROPOSTA TÉCNICA 1. Composição da Proposta Técnica As LICITANTES deverão elaborar a PROPOSTA TÉCNICA conforme cada um dos tópicos descritos

Leia mais