UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI ISADORA SANTOS. Análise do Processo Produtivo da Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI ISADORA SANTOS. Análise do Processo Produtivo da Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI ISADORA SANTOS Análise do Processo Produtivo da Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA Balneário Camboriú

2 ISADORA SANTOS Análise do Processo Produtivo da Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração Ênfase em Gestão Empreendedora, Na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientador MSc. Roberto Hering Balneário Camboriú 2010

3 ISADORA SANTOS Análise do Processo Produtivo da Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA Esta monografia foi julgada adequada para a obtenção do título de Bacharel em Administração e aprovada pelo Curso de Administração Ênfase em Gestão Empreendedora da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação de Balneário Camboriú. Área de Concentração: Administração Balneário Camboriú, 08 de novembro de 2010 Prof.. MSc. Roberto Hering Orientador Prof. Mac. Marcio Daniel Diesel Avaliador Prof. MSc. Manuel Carlos Pinheiro Da Gama Avaliador

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiário(a): Isadora Santos Área de Estágio: Administrativa Professor Responsável pelos Estágios: Lorena Schröder Supervisor da Empresa: Mosélia Morais Santos Professor orientador: MSc. Roberto Hering

5 DADOS DA EMPRESA Razão Social: Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA Endereço: Rua Avelino Mandelli, s/n -- CEP , -- Caçador - SC Setor de Desenvolvimento do Estágio: Administrativo Duração do Estágio: 240 horas Nome e Cargo do Supervisor da Empresa: Mosélia Morais Santos/ Sóciagerente Carimbo e CNPJ da Empresa: /20

6 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Balneário Camboriú, 8 de novembro de 2010 A Empresa Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a divulgar os dados do Relatório de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Curricular Obrigatório, pela acadêmica Isadora Santos Mosélia Morais Santos Responsável pela Empresa

7 Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, pois o triunfo pertence a quem se atreve... A vida é muito para ser insignificante DEDICATÓRIA Charles Chaplin

8 Dedico este trabalho aos meus pais e ao meu irmão. Admiráveis enquanto pessoas, exemplos de vida, estiveram sempre presentes em todos os momentos vivenciados durante o curso. Serei eternamente grata por concederem a mim a oportunidade de realização acadêmica AGRADECIMENTOS

9 Agradeço primeiramente a Deus. Aos meus pais Luis Antonio e Mosélia pela dedicação que tiveram a vida inteira, pela paciência, pelo carinho e por toda compreensão que exercem. Agradeço imensamente aos meus familiares, que torceram por essa conquista. Mesmo aqueles que por algum motivo estiveram longe, no entanto, acreditando na minha capacidade. Aos professores e funcionários pelas excelentes contribuições dadas ao longo do curso. Em especial agradeço ao meu querido Professor Roberto Hering pela sua orientação, seu apoio e sua paciência para a elaboração desta Monografia. Ao Coordenador do Curso e Professor Márcio Daniel Kiesel pelo seu apoio, dedicação, preocupação para com seus alunos e principalmente pela sua amizade. Aos amigos e amigas que compreenderam a ausência, e sempre trouxeram palavras de otimismo. Agradeço também a empresa, pela oportunidade de realizar este trabalho e por fornecer informações e condições necessárias para sua execução.

10 RESUMO (EM PORTUGUÊS) O presente trabalho de conclusão de curso teve como objetivo a análise do processo produtivo da empresa Matisa Brasil, localizada em Caçador, no meio oeste de Santa Catarina. A presente tem como eitura vem sendo objeto de discussão sob vários enfoques. Nesta pesquisa, delimitou-se à concepção e política de leitura por parte de diretores de escolas públicas. (OBJETIVOS) Teve como principais objetivos identificar o conceito de leitura dos diretores de escola das cidades que compõem a Costa Esmeralda de Santa Catarina; verificar a produção de material sobre o município, disponibilizada para os alunos e identificar as ações para o acesso e o aprimoramento da leitura no interior da escola. (METODOLOGIA) Para o levantamento dos dados foram utilizados dois instrumentos: a entrevista informal, realizada com os gestores da empresa; e a pesquisa documental, aonde a acadêmica pode coletar dados que não receberam tratamento analítico. A partir desses dados a acadêmica pode realizar sua pesquisa. A análise foi qualitativa devido à coleta dos dados através da analise de documentos da empresa e entrevista. (RESULTADO) Os resultados de uma forma geral obtidos foram satisfatórios. As respostas dos diretores apontam para um conceito amplo de leitura, abertura de horizonte, novos conhecimentos, mas também para o sentido restrito interpretar e compreender a palavra escrita. Há diretores com políticas autoritárias, aconselhando professores, orientando sobre práticas de leitura, em todas as disciplinas. Outros atribuem ao professor de língua materna a responsabilidade pela leitura na escola. Nas observações do acadêmico, constatase que há bibliotecas, pequenas, mas destinadas mais à pesquisa do que a leituras. (CONCLUSÃO) Concluindo, os resultados registrados nos permitem ter uma visão maior daquilo que envolve toda uma política, especialmente a voltada para a leitura, nas escolas públicas de rede municipal e estadual. PALAVRAS-CHAVE: leitura, conceito, política. Atenção: utilizar fonte 12 e espaçamento simples entre linhas. Os resumos para monografias e trabalhos de conclusão de estágio deverão conter até 250 palavras (Clicar em Ferramentas, contar palavras).

11 ABSTRACT Nowadays, quality is one of the most important in order to achieve advantage upon competitors. But achieving quality is not easy. Besides all the work,it needs economic and financial resources to achieve objectives, which needs extra work to the process. Faced with a competitive reality, organizations are forced to find different methods to achieve better performance in the market. The propose of this study is to analyse the company's productive process Matisa Brazil in order to propose solutions that help improving process. The details of this analysis, as well as the tools for this improvement are discussed in this paper. In addition to help in the research, we used two instruments: the informal interview, held with the managers of the company; and documentary research, where the academic was able to collect data that have not received analytical treatment. From these data might realize their academic research. The quality of the analysis was due to data collection through analysis of company documents and interviews. The results shows the importance of examining each case inserted into the flow of production as they are intertwined with all sectors of the company. Point and also identify problems that can be improved in the process of production and storage of natural resourses. The conclusion of this work is based on the suggestion of building better storage conditions,so that doesn't happens pauses during the production process. That way you can improve the profit of the company, and then achieve competitive advantage. Keywords: administration, production management, production flow

12 LISTA DE ILUSTRAÇÃO Figura 1... Erro! Indicador não definido. Figuras São: (desenhos, esquemas, organogramas, fluxogramas, fotografias, mapas, etc) Quadros São: ( textos alfabéticos, dispostos em forma de matriz ) Tabelas São: ( textos alfanuméricos, ou numéricos, dispostos em forma de matriz) Gráficos São: (representações numéricas gráficas (pizzas linha, barras, etc...)

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema de estágio Problema de Pesquisa Objetivos da pesquisa Geral Específicos Justificativa da pesquisa Contextualização do ambiente de estágio Histórico da empresa A sua fundação é recente, estando à empresa há apenas cinco anos no mercado Dados da Identificação Ramo da atividade Mercado Características dos produtos vendidos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Administração da produção Administração de materiais Sistemas de administração de estoque MRP-II Manufacturing Resources Planning FMS Flexible Manufacturing System Sistema Just in Time e Kamban OPT Optimezed Production Technology Sistema dos máximos mínimos Sistema Seletivo ABC METODOLOGIA CIENTÍFICA... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. Tipologia da pesquisa... Erro! Indicador não definido. Sujeito do estudo... Erro! Indicador não definido. Instrumento de pesquisa... Erro! Indicador não definido. Para o desenvolvimento do presente trabalho utiliza-se da técnica de instrumentos de pesquisa a entrevista informal que, segundo GIL (1989) descreve que esse tipo de entrevista é o menos estruturado possível e só se distingue da simples conversação porque tem como objetivo básico a coleta de dados. Assim sendo, utiliza-se um grupo de questões abertas permitindo ao entrevistador captar a perspectiva do entrevistado.... Erro! Indicador não definido. Análise e apresentação dos dados... Erro! Indicador não definido. Limitações da pesquisa... Erro! Indicador não definido. 4 RESULTADOS OBTIDOS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4.1 Apresentação dos dados... Erro! Indicador não definido. 3 ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 5 REFERÊNCIAS... 48

14 1 INTRODUÇÃO Nos dias de hoje a gestão de estoques é um conceito que está presente em praticamente todos os tipos de empresas, assim como na vida cotidiana das pessoas. Desde o início da sua história a humanidade tem usado estoques de variados recursos, para seu desenvolvimento e sobrevivência, tais como ferramentas e alimentos. No meio empresarial, os estoques são de suma importância. Se por um lado o excesso de estoques representa custos operacionais e de oportunidade do capital empatado, por outro lado níveis baixos de estoque podem originar perdas de economias e custos elevados devido à falta de produtos. Encontrar o ponto ideal dos estoques, é um grande desafio que muitas empresas vem enfrentando. Os estoques de segurança impedem que ocorram problemas inesperados em alguma fase produtiva interrompendo as atividades sucessivas de atendimento da demanda. A existência de estoques de segurança em uma unidade fabril, evita que o processo produtivo pare em caso de uma avaria, alimentando as máquinas subsequentes durante a reparação. São ainda utilizados para salvaguardar uma empresa de incertezas nas suas operações logísticas. Lead-times (tempo entre colocar e receber um pedido), procura dos clientes, e quantidades recebidas são exemplos de fatores que podem apresentar variações não esperadas. A gestão de estoques é o principal critério de avaliação de eficiência do sistema de administração de materiais ela abrange uma série de atividades, que vão desde a programação e planejamento das necessidades de materiais em estoque, até ao controle das quantidades adquiridas, com a intenção de medir a sua localização, movimentação, utilização e armazenagem desses estoques de modo a responder com regularidade aos clientes em relação a preços, quantidades, e prazos. A gestão de estoques, é ainda, apesar da sua importância, extensão e complexidade, negligenciada em muitas empresas, sendo considerada como uma questão não estratégica e limitada à tomada de decisões em níveis organizacionais mais baixos. Por outro lado, outras empresas já perceberam como a gestão de estoques pode ser utilizada ao longo de toda a cadeia de suprimentos da qual fazem parte, e de todas as vantagens competitivas que isso pode vir a trazer.

15 Diante da situação apresentada a acadêmica irá realizar um estudo com o propósito de analisar o fluxo de produção e propor alternativas para evitar oscilações da produção. A pesquisa será desenvolvida na empresa Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA, situada na cidade de Caçador, estado de Santa Catarina. Trata-se de uma empresa de pequeno porte que tem como objeto social indústria e comércio de madeiras. Para a elaboração da pesquisa serão coletados dados do faturamento e da produção correspondentes aos meses de janeiro de 2009 a outubro de 2010, os quais formarão a base da projeção para o período seguinte. 1.1 Tema de estágio A área em que será feita a pesquisa é administração da produção; que pode ser definida como o estudo de técnicas e conceitos aplicáveis à tomada de decisões nas funções de produção e operações. Os conceitos e técnicas que fazem parte do objetivo da administração da produção dizem respeito às funções administrativas clássicas (planejamento, organização, direção e controle) aplicadas às atividades envolvidas com a produção física de um produto ou à prestação de um serviço. O sucesso de uma empresa depende da qualidade e produtividade de seus processos. Todo processo de produção ou prestação de serviços utiliza materiais, instrumentos de trabalho (como máquinas a equipamentos) a trabalho humano. Os recursos de uma empresa devem ser bem aproveitados. Para os recursos serem bem aproveitados é preciso alcançar resultados muito bons. É aproveitar bem a matéria prima, a capacidade das máquinas, o tempo a as habilidades das pessoas. Diante disso a acadêmica procura fazer uma pesquisa qualitativa no setor de produção, a fim de poder quantificar e analisar o fluxo de produção. Esta pesquisa será realizada em uma empresa de pequeno porte, com caráter familiar, que atua no setor madeireiro.

16 1.2 Problema de Pesquisa O objetivo principal do presente trabalho de conclusão de curso é avaliar o planejamento das necessidades de materiais na Matisa Brasil Ind. e Com. de Madeiras LTDA. Portanto a questão problema a ser respondida é: Como melhorar a gestão de estoques de matéria prima dentro da empresa Matisa Brasil Ind. e Com. de Madeiras LTDA? 1.3 Objetivos da pesquisa Geral O objetivo geral segundo Lakatos e Marconi (1992, p.103) está ligado a uma visão global e abrangente do tema. Relaciona-se com o conteúdo intrínseco, quer dos fenômenos e eventos, quer das idéias estudadas. O presente projeto de estágio tem como objetivo geral, propor alternativas para amenizar as oscilações da produção painéis na Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA Específicos Para Richardson (1999), objetivos específicos são as etapas que devem ser cumpridas para alcançar o objetivo geral. Portanto define-se para o presente projeto, os seguintes objetivos específicos: Levantar o fluxo de produção; Levantar o histórico de produção; Levantar o histórico de vendas; Analisar o fluxo de produção, histórico de produção e o histórico de vendas; Verificar alternativas viáveis para melhorar a produtividade da empresa.

17 1.4 Justificativa da pesquisa A justificativa de acordo com Lakatos e Marconi (1992), consiste numa exposição sucinta, porém completa, das razões de ordem teórica e dos motivos de ordem prática que tornam importante a realização da pesquisa. Em face ao momento que estamos vivendo, aonde a concorrência esta sempre aumentando e a busca pela excelência torna-se algo indispensável para todos. Surge a necessidade de melhorias no planejamento de estoque da organização, dando assim melhores condições de produção, e conseqüentemente um melhor resultado. Há uma grande preocupação da organização com a sua colocação no mercado, em nível de competitividade, fazendo-se necessário a definição de melhores condições de produção, e um planejamento adequado para o alcance do sucesso. A acadêmica junto com os proprietários e responsável pelo estágio identificou que não foi realizado até o momento este tipo de trabalho na empresa objeto de estudo. Em relação à viabilidade, é viável em questão do cronograma de tempo com o final deste estudo O acesso aos dados não apresentara dificuldades, pois se trata de uma empresa da família da qual a acadêmica pertence. Por fim, acredita-se na viabilidade do trabalho considerando-se que os recursos financeiros a serem despendidos são pequenos e que a acadêmica dispõe do tempo necessário para o desenvolvimento do estudo. Este estudo é de grande importância para a acadêmica que terá a oportunidade de fazer um trabalho acadêmico/prático agregando conhecimento, assim como para a empresa que poderá controlar melhor seus estoques a fim de maximizar seus lucros e evitar desperdícios, sendo importante também para a universidade, considerando-se que a pesquisa contribuirá para o acervo à disposição dos acadêmicos.

18 1.5 Contextualização do ambiente de estágio Histórico da empresa Luis Antonio Santos nasceu na cidade de Caçador, em 1957, e começou sua vida profissional muito cedo. Desde as suas primeiras atividades, sempre esteve em contato com a madeira. Começou na empresa Sincol S/A Portas de Madeira, no Controle de Produção durante três anos, em seguida exerceu o cargo de gerente industrial na Primo Tedesco S/A Papel e Celulose por 18 anos, e por fim na Madecal Agroindústria de Madeiras por 11 anos. A vontade de criar o seu próprio negócio sempre esteve presente dentro de Luis Antonio. Foi então que após algum tempo que surge a oportunidade. Fundada em 2005, a Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras, Iniciou suas atividades com o serviço de terceirização, fazendo blocks para uma madereira situada em Caçador. Hoje a empresa é constituída pelo Sócio e Gerente de Produção Luis Antonio Santos, sua mulher Mosélia Morais Santos, Sócia e Gerente Administrativa, um dos filhos Áttila Augusto Santos, Sócio e Gerente de Recursos Humanos. Possui 37 colaboradores na área da produção e três na área administrativa. A sua fundação é recente, estando à empresa há apenas cinco anos no mercado.

19 Figura 01 Empresa Matisa Brasil Fonte: Pesquisa documental Dados da Identificação A denominação social da empresa tem como origem o nome dos filhos dos empresários juntamente com o produto comercializado, que é a madeira. A empresa esta localizada na Rua Avelino Mandelli, s/n, no município de Caçador. Caçador é um município brasileiro do estado de Santa Catarina, localizado no meiooeste do estado, no Alto Vale do Rio do Peixe, com uma área de 1.009,8 km². A economia de Caçador desenvolveu-se através da extração e industrialização da madeira e do reflorestamento. A agricultura emerge como nova opção de geração de divisas, com destaque para os hortifrutigranjeiros. Caçador é considerado o maior produtor de tomates do sul do Brasil.

20 A Matisa Brasil Indústria e Comércio de Madeiras LTDA, é uma empresa de pequeno porte, com caráter familiar, desde sua fundação, sua administração e gerência, encontram-se membros da mesma família. Segundo Berhhoeft (1989), a empresa familiar é aquela que tem sua origem e história entrelaçada a uma família, ou então, aquela que mantém membros da família na administração do seu negócio, uma das mais relevantes características que tornam uma empresa familiar, refere-se á importância que desempenha a confiança mútua entre membros da família Ramo da atividade A organização, diante dos recursos oferecidos pelas florestas do municipio, sendo a Floresta Nacional de Caçador, com reflorestamento de pinus e araucária a maior floresta reflorestada de araucária do mundo, trabalha com estes recursos. O tipo do empreendimento se classifica como fabricação de produtos de madeira sólida ou partículas de madeira para a exportação Mercado Segundo Gordon E. Gresham relatou em artigo publicado no Seminário Internacional de Utilização da Madeira de Eucalipto para Serraria, os mercados de madeira mundiais sofreram alterações dramáticas nos últimos cinco ou seis anos - e muitas mudanças ainda estão ocorrendo, talvez de forma mais lenta, mas não obstante ainda muito significativas. A conclusão geralmente aceita é que evoluímos de um mercado mundial no qual os preços e volumes eram ditados pela demanda para uma nova situação em que os mercados são controlados por condicionantes ligados à oferta. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) em sua publicação "Estatísticas Florestais de Hoje para Amanhã" ("Forestry Statistics Today for Tomorrow") prevê que o consumo de madeira roliça para fins industriais vai

21 crescer dos 1,6 bilhões de metros cúbicos (m3) registrados em 1991 para 2,6 bilhões de m3 por volta do ano 2.010, enquanto que o consumo de madeira serrada vai passar de 456 para 745 milhões de m3, e o de painéis à base de madeira crescerá de 121 para 313 milhões de m3 no mesmo período. Hoje em dia a empresa trabalha com a fabricação de paineis. Possui um único cliente para paineis, a empresa Montoise DuBois, situada na cidade Mont de Marsan, em Cedex, na França. Os produtos obtidos durante o processo, como o cavaco e a maravalha, são vendidos para empresas locais. Seus fornecedores estão situados na cidade de Caçador e região Características dos produtos vendidos Seu principal produto é o Painel, proveniente de madeira serrada. O tipo de madeira trabalhada é o Pinus. São utilizadas duas espécies de Pinus, a espécie Eliottii e a espécie Taeda. Pinus Elliottii faz parte do grupo de espécies de pinheiros com área de distribuição no Canadá e Estados Unidos da América. Existem muitas áreas de reflorestamento com esse tipo de Pinus na América do Sul, especialmente na região sul do Brasil. Pinus Taeda assim como o Pinus Elliottii uma espécie de pinheiro amplamente utilizada em plantações florestais nos planaltos da Região Sul do Brasil. A empresa ainda trabalha com a política de não desperdício, utilizando todas as sobras provenientes do processo produtivo. E com a venda desses produtos, sendo classificados como produtos secundários

22 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Administração De acordo com Kwasnicka (1995) com o decorrer do tempo as organização se adaptaram as mudanças que surgiram com a revolução industrial e através de erros e acertos cresceram, empregando máquinas na produção em grande escala de mercadorias e contratando grande número de colaboradores. Neste contexto a administração e as formas organizacionais também mudaram, visando suprir as necessidades que foram surgindo no ambiente empresarial, havendo estudiosos que se dedicaram ao estudo e elaboração de conceitos referentes à administração. Atualmente os conceitos de administração estão bastante evoluídos. Existe porém técnicas do passado que ainda são bastante empregadas na atualidade (DAFT, 2005). A administração científica de Taylor tratou dos problemas administrativos em uma época em que haviam muitos conflitos entre as organizações e seus trabalhadores, sendo que em 1884 criticava a forma arrogante como a administração via os trabalhadores que moviam as fábricas. Taylor defendia uma maior valorização dos colaboradores, enfatizando uma melhor remuneração de acordo com sua produção, o que evidenciava que tratava mais das questões administrativas da produção (KWASNICKA, 1995). Já Fayol preocupava mais com a direção, contribuindo para a elaboração de diversos conceitos para a função administrativa, descrevendo os elementos da administração como sendo planejamento, organização, liderança, coordenação e controle (CERTO 2003). Motta (1982) ressalta que a administração científica trata o homem como um ser racional que pode escolher sempre as melhores alternativas para maximizar seus resultados. A única maneira de maximizar a eficiência do trabalho é através da análise das diferentes fases do trabalho para propor simplificação e redução ao mínimo dos esforços para obtenção do máximo resultado. Kwasnicka (1995) fala que conforme as atividades humanas vão tomando complexidade, maior é a necessidade de aprofundamento nas questões inerentes a ciência administrativa. Há diversos significados para a palavra administrar, como

23 ministrar, gerir, conferir. Mas quando se trata de negócios é fundamental ter um consenso no seu significado. De acordo com Chiavenato (2005) a administração é o processo de planejamento, organização, direção e controle da aplicação dos recursos organizacionais com vistas ao alcance de certos objetivos de forma eficiente e eficaz. É um complexo processo de tomada de decisões acerca dos recursos disponíveis e dos objetivos a serem alcançados. Concordando com o autor acima, Stoner e Freeman (1995) falam que a administração é um processo interativo que apresenta quatro atividades principais: 1 - Planejamento: os administradores pensam antecipadamente em seus objetivos e ações e seus são embasados em metodologias, planos ou lógica. 2 - Organização: processo de alocar o trabalho, a autoridade e os recursos em uma organização de forma que alcancem os objetivos definidos. 3 - Direção: liderar, influenciar e motivar os colaboradores na realização das tarefas em uma organização. 4 - Controle: se certificar de que os atos das pessoas envolvidas na organização estão na direção dos objetivos almejados. Envolve o estabelecimento de padrões de desempenho, a medição do desempenho e a comparação deste com padrões estabelecidos, caso contrário executar ações corretivas. Kwasnicka (1995) refere que o mais importante emprego da palavra administração é no processo de criação, direção, manutenção, operação e controle de uma organização. O planejamento está presente na maioria das definições de administração. De acordo com Oliveira (2002) o objetivo do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que trazem uma situação viável de avaliação das implicações futuras das decisões presentes em função dos objetivos almejados pela organização. Ressalta-se que no ambiente organizacional a administração tem a função de interpretar os objetivos almejados e transformá-los em ação empresarial, empregando o planejamento, a direção e o controle dos esforços em todas as áreas e em todos os níveis da organização para atingir tais objetivos (CHIAVENATO, 1994). Drucker (1989) afirma que a sociedade moderna é uma sociedade de

24 organizações, sendo que cada organização depende da administração para funcionar, como um órgão que transforma de maneira organizada o que de outra forma seria apenas uma massa dispersa. O século XIX assistiu a um monumental desfile de inovações e mudanças no cenário empresarial, dando condições para o surgimento da teoria administrativa, que com o passar dos anos foi se consolidando tornando a administração num complexo processo de tomada de decisões acerca dos recursos disponíveis e dos objetivos almejados, sendo necessária quando existe situações envolvendo pessoas que empregam recursos visando obtenção de determinados objetivos (CHIAVENATO, 2005). Atualmente a administração apresenta diversos desafios às organizações. As incertezas do mercado, as rápidas mudanças nos cenários empresariais, a concorrência acirrada, o desenvolvimento tecnológico e os fenômenos econômicos são fatores que precisam ser trabalhados de forma que mesmo assim as organizações alcancem seus objetivos de desenvolvimento no mercado (CHIAVENATO, 2000). Neste sentido pode-se afirmar que a administração é um conjunto de conhecimentos que fornecem ao administrador a capacidade de planejar, organizar, dirigir e controlar os esforços e os recursos de uma organização com vistas a atingir determinados objetivos. As organizações são propositadas e planejadamente construídas e elaboradas para atingir determinados objetivos, e também são reconstruídas, isto é, reestruturadas e redefinidas, na medida em que os objetivos são atingidos ou na medida em que se descobrem meios melhores para atingi-los com menor custo e menor esforço. Uma organização nunca constitui uma unidade pronta e acabada, mas um organismo social vivo e sujeito a mudanças (CHIAVENATO, 2005, p.44). Para Costa (2005) os objetivos das organizações são muito variáveis, existindo pontos em comum em todas as empresas como: - Buscar a melhor qualidade possível na solução de problemas, adaptando metodologias e modelos, mas mantendo as particularidades da linguagem, cultura e produtos da organização. - Estabelecer uma harmonia entre os recursos empresariais, direcionando todas as forças para atingir os objetivos propostos de forma constante e

25 crescente. - Integrar as atividades da organização através de um inter-relacionamento padronizado. Chiavenato (2005) afirma que as empresas apresentam objetivos direitos e indiretos. Os diretos relacionam-se a produção, venda ou prestação de serviços. Os indiretos são ganhar mais do que gastar e atender a comunidade em que está inserida através da satisfação de seus consumidores, bem como atendendo as finalidades sociais como a geração de empregos, a preservação do meio ambiente e busca pela qualidade de vida das pessoas. Ressalta-se que existem diversas áreas de administração com destaque para a administração geral, administração de marketing, administração de recursos humanos e a administração da produção. Para Roesch (2005) a administração geral engloba a maior parte dos desenvolvimentos da teoria organizacional. É uma área que trata da estrutura das empresas, racionalização do trabalho, formulários, espaço físico, entre outros itens necessários na realização de uma análise organizacional. De acordo com Kotler (2000) a administração de marketing é um processo através do qual as pessoas ou grupo de pessoas conseguem o que necessitam ou desejam com a criação de ofertas e livres negociações de produtos ou serviços. Com relação a administração de Recursos Humanos Gil (1994) fala que é o ramo da administração que engloba todas as ações que visam a integrar os trabalhadores e aumentar sua produtividade em uma organização. Já Administração da Produção representa a união dos recursos de uma organização com vistas a produzir bens e serviços (SLACK et al., 2002) tema este que será tratado com maiores detalhes no próximo item do presente trabalho. 2.2 Administração da produção De acordo com Slack et al. (2002) a Administração da Produção é a função administrativa responsável pelo estudo e desenvolvimento de técnicas de gestão da produção de bens e serviços. A produção é a função central das organizações e se incumbe de alcançar a razão de existir da empresa. Com o objetivo de atender as necessidades dos clientes de acordo com Slack

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar os fundamentos da Administração de. O que se espera da disciplina: Realizar estudos de técnicas e instrumentos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Alguns dos nossos Clientes

Alguns dos nossos Clientes Alguns dos nossos Clientes Processo de S&OP Caminho para a Excelência em Negócios A Realidade dos Processos Administrativos Muitas empresas gerenciam diversos planos para cada departamento mas não existe

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais