INFRAESTRUTURA - Opção 341 -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFRAESTRUTURA - Opção 341 -"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO EDITAL Nº 26/2012-GR PROVA ESCRITA PARA O EIXO PROFISSIONAL INFRAESTRUTURA - Opção INFORMAÇÕES AO CANDIDATO 1. Escreva seu nome e número de CPF, de forma legível, nos locais abaixo indicados: NOME: Nº. CPF: 2. Verifique se o EIXO PROFISSIONAL e o CÓDIGO DE OPÇÃO, colocados acima, são os mesmos constantes da sua FOLHA RESPOSTA. Qualquer divergência, exija do Fiscal de Sala um caderno de prova, cujo EIXO PROFISSIONAL e o CÓDIGO DE OPÇÃO sejam iguais aos constantes da sua FOLHA RESPOSTA. 3. A FOLHA RESPOSTA tem, obrigatoriamente, de ser assinada. Essa FOLHA RESPOSTA não poderá ser substituída, portanto, não a rasure nem a amasse. 4. DURAÇÃO DA PROVA: 3 horas, incluindo o tempo para o preenchimento da FOLHA RESPOSTA. 5. Na prova há 40 (quarenta) questões, sendo 10 (dez) questões de Conhecimentos Pedagógicos e 30 (trinta) questões de Conhecimentos Específicos, apresentadas no formato de múltipla escolha, com cinco alternativas, das quais apenas uma corresponde à resposta correta. 6. Na FOLHA RESPOSTA, as questões estão representadas pelos seus respectivos números. Preencha, por completo, com caneta esferográfica (tinta azul ou preta), toda a área correspondente à opção de sua escolha, sem ultrapassar as bordas. 7. Será anulada a questão cuja resposta contiver emenda ou rasura, ou para a qual for assinalada mais de uma opção. Evite deixar questão sem resposta. 8. Ao receber a ordem do Fiscal de Sala, confira este CADERNO com muita atenção, pois, nenhuma reclamação sobre o total de questões e/ou falhas na impressão será aceita depois de iniciada a prova. 9. Durante a prova, não será admitida qualquer espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem será permitido o uso de qualquer tipo de equipamento (calculadora, telefone celular, etc.), chapéu, boné, ou similares, e óculos escuros. 10. A saída da sala só poderá ocorrer depois de decorrida 1 (uma) hora do início da prova. A não observância dessa exigência acarretará a sua exclusão do concurso. 11. Ao sair da sala, entregue este CADERNO DE PROVA, juntamente com a FOLHA RESPOSTA, ao Fiscal de Sala. 12. Os três últimos candidatos deverão permanecer na sala de prova e somente poderão sair juntos do recinto, após a aposição em Ata de suas respectivas identificações e assinaturas.

2 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, apresenta diretrizes para todas as modalidades e níveis de ensino, disciplinando a educação escolar. Sobre os conhecimentos profissionais informais adquiridos em experiências extra-escolares, essa Lei possibilita a) a análise para inclusão sistêmica dos conhecimentos formais e informais nas matrizes curriculares ou nos componentes curriculares de áreas afins. b) o reconhecimento e a certificação de conhecimentos adquiridos na educação profissional, tecnológica ou no trabalho para fins de conclusão de estudos. c) o reconhecimento dos conhecimentos formais e informais adquiridos em experiências extra-escolares para promover a contextualização. d) a observância desses conhecimentos, via análise criteriosa, para isenção de estudos em componentes curriculares correspondentes. e) a identificação dos conhecimentos extra-escolares para ressignificação do currículo formal, promovendo maior relação teoria-prática. 2. A Lei Nº , de 29 de dezembro de 2008, institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica; cria, portanto, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. A partir dessa Lei, é correto afirmar que os Institutos Federais a) são equiparados às universidades devido a sua excelência predominante na oferta de educação tecnológica voltada para formação de tecnólogos nas áreas de engenharia. b) constituem-se centros de educação preferencialmente tecnológica para atender às demandas produtivas locais e regionais, investindo em ciência e tecnologia. c) ao serem equiparados às universidades, tendem à diminuição da oferta de educação profissional em nível técnico, investindo mais em educação superior tecnológica. d) ofertarão 50% das suas vagas para educação profissional de nível superior, tendo em vista sua nova reestrutura organizacional e sistêmica de instituição superior tecnológica. e) são equiparados às universidades, para efeito das disposições legais que regem a regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior. 3. Mais especificamente sobre os Direitos Humanos como princípio de vida que visa contribuir com uma melhor convivência humana em sociedade, através do respeito às diferenças, a Resolução CNE/CEB Nº 2, de 30 de janeiro de 2012, determina que os direitos humanos a) sejam tratados de forma integrada, como princípio norteador, permeando todo currículo do ensino médio. b) constituam-se em nova disciplina curricular eletiva em todos os anos do ensino médio. c) sejam incluídos nos currículos escolares em forma de componente curricular opinativo. d) sejam propostos e implementados pelo projeto político-pedagógico como área das ciências humanas. e) constituam-se em conteúdos obrigatórios de Filosofia e Sociologia, com a finalidade de promover a cidadania. 4. Analisando a Resolução CNE/CEB Nº 2, de 30 de janeiro de 2012, que define as diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio, encontramos uma proposta pedagógica voltada para transformações humanas e sociais permanentes em prol da construção de um mundo melhor. Com base nesse dispositivo legal, é correto afirmar que essas diretrizes curriculares propõem a) uma estruturação curricular sistemática com ênfase na formação propedêutica, ou seja, no acúmulo de conhecimentos científicos e tecnológicos que mais preparem jovens e adultos para adaptarem-se às inovações contemporâneas ocasionadas pelo desenvolvimento dos processos produtivos. b) uma estruturação curricular sistemática, com ênfase na formação profissional de jovens e adultos, a fim de capacitá-los melhor para o exercício de uma profissão específica, contribuindo, assim, com a diminuição do desemprego e, consequentemente, favorecendo a formação de uma sociedade brasileira mais apta a enfrentar as inovações científicas e tecnológicas ocasionadas pelos processos produtivos. c) uma estruturação curricular sistemática com ênfase na formação intelectual de estudantes para democratizar os conhecimentos científicos e tecnológicos, contribuindo, assim, com uma formação humana mais preparada para o exercício da cidadania, combatendo discriminações e preconceitos de classe, étnicos e outros que acentuam as injustiças sociais. d) uma estruturação curricular sistemática com ênfase na formação humana integral de sujeitos críticos, reflexivos, mais humanizados, incluindo a formação profissional, o cultivo do respeito às diferenças humanas de um modo geral, ao meio ambiente, e a formação de valores éticos que combatam as discriminações e os preconceitos geradores de desumanizações. e) uma estruturação curricular sistemática com ênfase na formação intelectual mais ampla de estudantes do ensino médio, objetivando principalmente a verticalidade de seus estudos em níveis mais elevados do conhecimento formal, para um melhor enfrentamento da competitividade no mercado de trabalho.

3 5. Considerando o Decreto Nº 5.840, de 13 de julho de 2006, que instituiu o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos PROEJA, indique a alternativa correta. a) A finalidade desse programa, além de ampliar a escolarização e profissionalização, consiste, sobretudo, em desenvolver habilidades e competências necessárias ao empreendedorismo local e regional, contribuindo para que estudantes concluintes iniciem seu próprio negócio no mundo do trabalho. b) A finalidade desse programa consiste em ampliar a escolarização de jovens e adultos, sua formação intelectual e profissional, respeitando os conhecimentos experienciais e profissionais prévios, aliando formação geral e educação profissional para uma melhor inclusão de jovens e adultos no mundo do trabalho. c) A finalidade principal e definidora desse programa consiste, tão somente, em investir na formação política e intelectual de jovens e adultos trabalhadores, para conquistarem um espaço no competitivo e excludente mercado de trabalho, compreenderem melhor os seus direitos e, assim, assumirem a cidadania de forma mais participativa. d) A finalidade dessa revolucionária intervenção política do Governo Federal consiste em preparar mão de obra qualificada e pragmática para atender ao mercado de trabalho, bem como profissionalizar jovens e adultos a partir das demandas locais e regionais do mundo produtivo, com vistas unicamente ao exercício de uma profissão, independentemente do nível de escolarização. e) O programa pauta-se no princípio de que o conhecimento sistemático é condição primeira para o mercado de trabalho, por isso investe na ampliação da formação propedêutica e intelectual, preparando a classe trabalhadora e social mais ampla, para atuar no mercado de trabalho. 6. [...] uma teoria do Capital Humano rejuvenescida, com ênfase no privado e no individual, ao invés de no investimento público, mercantiliza a educação, vendo-a como uma grande estratégia para potencializar a flexibilidade de trabalho e, consequentemente, para melhorar a competitividade da economia. Nesta visão, os indivíduos são maximizadores de consumo racionais e acredita-se que a busca pelo interesse pessoal no mercado de trabalho produzirá resultados desejáveis, econômica e socialmente (p.13) (apud Maclaren,1997, p. 27). Com base na citação apresentada, é correto afirmar que o autor a) apresenta a importância da teoria do Capital Humano em prol da eficácia das políticas públicas e transformações socioeconômicas mais igualitárias, possibilitando um desenvolvimento social, cultural e econômico mais pautado na justiça social, sendo a educação escolar compreendida como fundamental ao alcance dessa finalidade. b) apresenta uma teoria do Capital Humano defensora dos ideais socialistas, compreendidos como indispensáveis ao êxito do cenário capitalista que se antagoniza com ideologias individualistas e economicistas em prol do desenvolvimento social. Nesse sentido, a educação escolar passa a ser vista como um dos mecanismos para disseminar valores. c) traz uma reflexão sobre a lógica da teoria do Capital Humano, que busca, pela via da educação escolar, dentre outros meios, semear valores conservadores fundamentais ao êxito dos ideais capitalistas que alimentam, no cenário social mundial, o desenvolvimento do mercado de trabalho nesse sistema econômico, dificultando intervenções político-educativas opostas a essas ideias. d) enfatiza a importância da teoria do Capital Humano como defensora das políticas públicas voltadas para o social, pois ela compreende a preparação profissional integral como fator indispensável à ordem social e econômica capitalista, capaz de contribuir com a diminuição das desigualdades econômicas e sociais. e) demonstra a intenção política da teoria do Capital Humano de enfatizar, via educação escolar, a importância dos valores neoliberais como fundamentais ao predomínio das intervenções socialistas no cenário capitalista mundial. Nesse sentido, o neoliberalismo semeia valores humanistas fundamentais à diminuição das exclusões sociais. 7. Vistos a partir da perspectiva de um multiculturalismo crítico, os ataques conservadores contra o multiculturalismo (de ser separatista e etnocêntrico) revelam a compreensão errada dos seus porta-vozes da cultura branca anglo-americana de que a sociedade norte-americana fundamentalmente constitui relações de acordo ininterrupto. A visão liberal serve para sublinhar a ideia de que a sociedade norte-americana é simplesmente um fórum de consenso com diferentes pontos de vista das minorias acrescidas por enxerto. Nós nos deparamos aqui com uma política de pluralismo que ignora amplamente as ações de poder e privilégio. (Maclaren, 1997, p.124)

4 A partir da citação proposta, é correto afirmar que a) o multiculturalismo crítico busca o consenso ideopolítico entre os seus ideais transformadores com os ideais do conservadorismo opressor, pois sua essência defende uma democracia harmoniosa e consensual de sociedade global, combatendo, assim, o ódio e a violência de qualquer espécie. Nesse sentido, o consenso político-ideológico passa a ser compreendido como fundamental para uma cultura de paz. b) existe um embate político, ideológico e axiológico no cenário socioeconômico mundial, no qual valores conservadores e opressores buscam, camufladamente, permanecer hegemônicos em prol do status quo, enquanto outras perspectivas e ideais de um mundo mais humanizado empenham-se por transformações em prol de mais ampla justiça social, econômica, cultural e ambiental. c) a visão neoliberal constrói e emite uma crítica contra hegemônica que objetiva contrapor-se ao conservadorismo cultural mundial, e assim harmonizar-se com os ideais de resistência e transformação social, econômica e cultural disseminados pelo multiculturalismo crítico para combater, ideologicamente, qualquer tipo fetichizado de interesse mantenedor da moral opressora. d) as críticas conservadoras lançadas ao multiculturalismo crítico e de resistência buscam um consenso político com o mesmo, para colocar em evidência seus interesses e valores sociais que primam pela defesa das transformações culturais imprescindíveis à construção histórica de um mundo mais humano, pautado na lógica capitalista, na qual o êxito e o sucesso de cada pessoa só depende do fator individual. e) o multiculturalismo de resistência objetiva mitificar, fetichizar e mistificar as ideologias neoliberais que omitem interesses políticos pela manutenção dos privilégios de uma classe social sobre outra. Nesse sentido, sua finalidade consiste na formação de uma sociedade mundial mais harmoniosa, consensual e sem cicatrizes ocasionadas pelas lutas sociais em prol da construção de outras formas de organização social, econômica e cultural. 8. O pensamento de Paulo Freire que expressa sua concepção de educação, de mundo e de ser humano constituiu-se a partir da sua infância, da sua vida, do que ele viveu, tanto na dimensão pessoal quanto profissional. Tornou-se um cidadão do mundo pelo reconhecimento da sua contribuição praxiológica para educação, sendo sua obra considerada um clássico. Partindo do reconhecimento internacional do legado desse educador, é correto afirmar que o pensamento dele constitui-se em um(a) a) conjunto de experiências educacionais que, após serem vivenciadas nas mais renomadas universidades nacionais e internacionais, principalmente no período do exílio, deram forma a uma teoria da educação cujo objetivo geral consiste em fornecer subsídios a serem aplicados no dia a dia da prática docente no âmbito da educação escolar. b) filosófica, sociológica e política configuração de educação escolar, sistemática, de repercussão mundial, voltada para atender à educação de jovens e adultos, cujo objetivo primordial consiste na politização e conscientização das pessoas participantes, com vistas à transformação pessoal e social. c) gigantesco método internacional de alfabetização de adultos que, tendo iniciado na cidade do Recife e, posteriormente, em Angicos RN, na década de 60 do século passado, ainda pode ser aplicado sem adaptações em qualquer lugar do mundo, independentemente das diferenças culturais linguísticas. d) inovador e revolucionário paradigma de educação formal para ser analisado e socializado através dos currículos universitários e dos movimentos sociais, com a finalidade de formar profissionais de qualquer área do conhecimento, com mais ampla formação humana, profissional e visão crítica de mundo. e) pedagogia de resistência e teoria crítica da educação cujo conteúdo filosófico, sociológico, ético, estético, político e pedagógico prima por transformações pessoais, culturais, sociais, econômicas, etc, em prol da construção histórica e permanente de um mundo mais humanizado.

5 9. Analisando a complexidade do fenômeno Educação como objeto de estudo da Pedagogia compreendida como ciência da teoria e da prática dos processos educativos, João Francisco de Souza (2009, p.37), ao nutrir preocupações epistemológicas sobre Educação, percebe alguns equívocos presentes no imaginário social a respeito do significado desse fenômeno. Ele ressalta que a educação quase nunca é compreendida nem organizada como atividades culturais para o desenvolvimento da cultura. Assim, considerando a reflexão desse autor, indique a alternativa correta. a) A educação ainda não é valorizada como deve ser, e essa desvalorização histórica por parte dos poderes públicos em muito vem contribuindo com a desvalorização da classe docente. Nesses termos, para a educação funcionar de maneira mais satisfatória, faz-se necessária, a princípio, a valorização dessa classe de profissionais, bem como da escola como produtora de conhecimentos. b) A escola, devido a seu funcionamento sistêmico baseado em currículos a serem cumpridos, calendário, horas e normas estabelecidas, bem como em leis que precisam ser respeitadas, encontra dificuldades para promover o desenvolvimento do ser humano e, portanto, não consegue desenvolver-se como atividade cultural de forma mais salutar. c) A gestão escolar tem possibilidades de ousar na sua autonomia administrativa e construir, juntamente com sua comunidade interna e externa, um perfil de escola que atenda às necessidades da sociedade mais ampla, contribuindo, assim, com a formação de cidadãos e cidadãs mais conscientes dos seus direitos e deveres no mundo do trabalho e no cenário social mais amplo. d) A educação precisa ser compreendida, mais amplamente, como um fenômeno social, cultural e humano presente em toda dimensão da nossa existência pessoal e profissional, pois sua função primeira consiste em contribuir para um salutar desenvolvimento do ser humano, como ser inconcluso que se transforma e transforma o mundo. e) A educação ainda não é prioridade na agenda política dos governos. E esse descaso impossibilita o êxito que a educação necessita alcançar e que consiste em melhor atender à classe social menos favorecida. Essa ausência de prioridade governamental alimenta processos de exclusão social, pois a educação passa a ter dificuldades para cumprir seu papel de transmitir conhecimentos. 10. Em seu livro dialógico Medo e ousadia, o cotidiano do professor, Paulo Freire (2003, p.25) afirma que além de um ato de conhecimento, a educação é também um ato político. É por isso que não há pedagogia neutra. Partindo dessa reflexão, é correto afirmar que, para Paulo Freire, a educação: a) não escapa das estratégias governamentais, constituindo-se em um dos instrumentos para alcance de interesses político-partidários. b) tem uma dimensão política, metodológica, técnica, axiológica, gnosiológica, constituindo-se assim em um ato de conhecimento em prol das mudanças sociais. c) tem uma natureza política em todas as suas dimensões constituintes. Por isso, ela poderá ser libertadora ou conservadora do status quo. d) não tem como funcionar sem as interferências governamentais, pois, de certa forma, ela depende dessas intervenções para se manter. e) sempre receberá influências políticas dos grupos partidários que estão no poder, pois eles a utilizam para atingirem suas estratégias políticas. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. O CIO de uma empresa de TI defende o envolvimento constante e total de todos os seus gestores para o alcance dos objetivos estratégicos da qualidade. Em sua empresa, adotou um modelo de gestão da qualidade, que age preventivamente aos problemas e leva a empresa ao caminho da excelência, abrangendo a totalidade da organização, afetando profundamente a cultura da organização, atingindo todos os níveis hierárquicos e todos os processos, e qualificando as pessoas com base na iniciativa e no aperfeiçoamento contínuo. O modelo de gestão da qualidade adotado por ele é a) TQC Total Quality Control (Controle Total da Qualidade). b) Modelo do 5S. c) NBR ISO d) CEP Controle Estatístico de Processos. e) Reengenharia da Qualidade.

6 12. Na literatura que versa sobre qualidade, os três autores mais citados são Deming, Feigenbaum e Ishikawa, como os responsáveis pelo desenvolvimento dos princípios e das técnicas da qualidade total. Representa uma das ideias mais importantes de cada autor citado em relação à qualidade total, respectivamente, a) TQC (controle da qualidade total); todos os funcionários e áreas da empresa são responsáveis pela qualidade; os círculos da qualidade. b) Os círculos da qualidade; os 14 princípios da qualidade; ciclo PDCA. c) TQC (controle da qualidade total); a corrente de clientes; o cliente estabelece o conceito de qualidade. d) O cliente estabelece o conceito de qualidade; o ciclo PDCA; a corrente de clientes. e) A corrente de clientes; TQC (controle da qualidade total); os círculos da qualidade. 13. De acordo com Slack (2006) a produção pode ser classificada ao longo de quatro dimensões, denominadas de a) dimensão variação; dimensão sistematização; dimensão volume; dimensão contato com o consumidor. b) dimensão variedade; dimensão capacidade; dimensão volume; dimensão variação. c) dimensão volume; dimensão variedade; dimensão variação; dimensão contato com o consumidor. d) dimensão contato com o consumidor; dimensão capacidade; dimensão variabilidade; dimensão volume. e) dimensão capacidade; dimensão volume; dimensão variedade; dimensão sistematização. 14. O ciclo de Deming/Shewhart engloba quatro etapas que obedecem a uma determinada sequência. Qual das alternativas descreve corretamente essa sequência, de acordo com a figura abaixo? a) CONWIP. b) PDCA. c) TQM. d) DRP. e) CEP. 15. As afirmativas abaixo se referem ao Planejamento e Controle da Produção (PCP), à Gestão da Capacidade (GC) e à Gestão da Produção e Operações (GPO). I. O planejamento agregado desenvolve planos de produção de médio prazo referentes a emprego, estoque agregado, utilidades, modificações de instalações e contratos de fornecimento de materiais. II. Se uma empresa operar em base de produção sob encomenda em vez de produção para estoque, um backlog de pedido de clientes substituiria o tanque "estoque de produtos acabados". III. Todas as situações de planejamento e controle acontecem sob limitações de recursos, sendo mais conhecida as limitações de custos, da capacidade, de tempo e de qualidade. IV. O planejamento e controle da capacidade é a atividade que tem como objetivo preparar a carga de cada centro de trabalho para cada período, objetivando prever se o chão de fábrica poderá realizar um certo plano de produção para suprir uma certa oferta de produtos. V. No nível da microoperação, a estratégia de operações pode ser definida como sendo o padrão global de decisões e ações que define o papel, os objetivos e as atividades da produção, de forma que estes apoiem e contribuam para a estratégia de negócios da organização. Estão corretas, apenas, a) I, II e III. b) II, III e IV. c) III, IV e V. d) I, II e IV. e) I, IV e V.

7 16. Considere as afirmativas a seguir sobre MPS (master production schedule). I. O MPS determina o capital de giro necessário para reposição de insumos de produção. II. Os elementos do MPS mais afetados pelo tipo de sistema de produção são a administração da demanda, a determinação do tamanho de lote e o número de produtos a programar. III. Pode ser utilizado tanto em empresas de manufatura como em empresas de serviços. IV. O MPS é a base do planejamento eficiente do ciclo de vida dos diferentes produtos produzidos na empresa, desenvolvendo relações positivas com os fornecedores e o mercado consumidor. V. O MPS direciona toda a operação em termos do que é montado, manufaturado e comprado. Estão corretas, apenas, a) I, III e IV. b) I, IV e V. c) II e IV. d) II, III e V. e) II, III e IV. 17. Com relação ao planejamento e controle da produção, julgue as afirmações a seguir. I. Qualquer que seja o grau de sofisticação do processo de previsão numa empresa, é difícil utilizar dados históricos para prever futuras tendências, ciclos ou sazonalidades. II. O MPS (Master Production Schedule) é a fase mais importante do planejamento e controle de uma empresa, constituindo-se na principal entrada para o planejamento das necessidades de materiais. III. No planejamento e controle de médio prazo, a ênfase está mais no planejamento do que no controle, porque existe pouco a ser controlado com o uso de previsões de demanda agregada. IV. O equilíbrio entre as atividades de planejamento e de controle da produção é um aspecto que não está sujeito a mudanças ao longo do tempo. V. Se planejamento e controle é o processo de conciliar demanda e fornecimento, então a natureza das decisões tomadas para planejar e controlar uma operação produtiva dependerá tanto da natureza da demanda como da natureza do fornecimento nessa operação. Estão corretas, apenas, a) III, IV e V. b) I, II e III. c) I, II e V. d) II, III e V. e) I e IV. 18. No âmbito do sistema PCP (Planejamento e Controle da Produção), analise as asserções sobre o OPT (Optimized Production Technology). I. Os gargalos apenas determinam o fluxo do sistema, não definem os níveis de estoques. II. É aplicável a sistemas produtivos com grandes variações de demanda e mix de produto. III. Na OPT, ao contrário que acontece na maioria dos sistemas tradicionais, o tamanho dos lotes de processamento não varia de acordo com o tipo de recurso pelo qual estão passando. IV. É uma técnica computadorizada de administração da produção que auxilia a programação de sistemas produtivos baseada no ritmo ditado pelos recursos mais fortemente carregados. V. É contra o balanceamento da capacidade e a favor do balanceamento do fluxo de produção através da fábrica. Estão corretas, apenas, a) I, III e IV. b) II, IV e V. c) III, IV e V. d) I, II e III. e) I, II e V.

8 19. O MRP II (Manufacturing Resources Planning II) tem como objetivo planejar os recursos de manufatura, os quais incluem a capacidade de pessoal. O MRP I (Material Requirement Planning I) tem como objetivo permitir que as empresas calculem quantos materiais de determinado tipo são necessários e em que momento devem estar disponíveis para a fabricação, e o momento em que isso deve ser feito. Com base no texto acima, analise os itens a seguir. I. O MRP ajuda a fazer cálculos de volume e tempo baseados na idéia do que será necessário para suprir a demanda no futuro. II. Com base nos dados obtidos pelo MRP I sobre o que, quem, quando, onde, por que e quanto produzir (5W e 1H), o MRP II promove o cálculo da necessidade de mão de obra e identifica se a empresa terá um estouro de capacidade e, ante essa possibilidade, estabelece ações para se solucionar o problema. III. O controle da capacidade de mão de obra independe do grau de detalhamento do apontamento da produção, que, embora seja uma atividade que não agrega valor diretamente ao produto, deve ser avaliada e controlada. IV. No MRP I, as primeiras entradas para o planejamento das necessidades de materiais são os pedidos de clientes e a previsão de demanda. V. Enquanto muitas empresas de manufatura estão se esforçando bastante para reduzir o tempo de resposta à demanda dos clientes, outras ainda não chegaram ao estágio de ser capazes de responder Just in time aos pedidos de seus clientes. Estão corretas, apenas, a) II, III e IV. b) II, III e V. c) III, IV e V. d) I e II. e) I, IV e V. 20. Em relação à gestão de materiais, afirma-se que todo e qualquer armazenamento de material gera determinados custos, por exemplo, o custo com pessoal. Os custos relacionados com a manutenção do armazenamento de materiais nas organizações são representados por a) juros b) depreciação. c) salários. d) obsolescência. e) energia. 21. Os gerentes de estoques devem discriminar os diferentes níveis de controle que aplicam a diferentes itens. O processo recomendável para o controle de estoques que permite aos gerentes concentrarem seus esforços no controle dos itens mais significativos do estoque, é conhecido como a) ABC. b) PEPS. c) UEPS. d) MRP. e) LEC. 22. No que se refere ao controle estatístico da qualidade, assinale a alternativa que indique corretamente o nome da representação gráfica da figura abaixo.

9 a) Diagrama de dispersão. b) Diagrama de Pareto. c) Histograma. d) Folha de verificação. e) Diagrama de controle. 23. Em relação ao caminho crítico de um projeto, considere as afirmações abaixo. I. Tem folga total zero. II. A data mais cedo de início é a data mais próxima em que uma atividade pode começar, assumindo que todas as atividades predecessoras começam tão cedo quanto possível. III. Atrasando-o, atrasa-se todo o projeto. IV. Pode ser preterido no tocante ao término do projeto, pois não incide sobre as fases iniciais. V. Não pode ser representado ou identificado em diagrama de rede. Estão corretas, apenas, a) III e V. b) I e II. c) I, II e IV. d) I, III e V. e) I, II e III. 24. Subdividir as atribuições dos profissionais, bem como a hierarquia envolvida, em função da demanda das novas atividades caracteriza a) Estruturas organizacionais estratificadas. b) Hierarquias horizontalizadas. c) Estruturas organizacionais por projetos. d) Hierarquias tayloristas. e) Administração focada em objetivos. 25. Dadas as atividades que compõem certo projeto, suas durações e as relações de precedências mostradas a seguir, as somas das durações esperadas e a soma dos desvios padrões das atividades K e N são, respectivamente, a) 14,7 e 0,98. b) 12,4 e 1,77 c) 11,5 e 2,32 d) 15,3 e 0,85 e) 14,5 e 1, Quanto ao impacto do projeto de produto/serviço e processo nos objetivos de desempenho, relacione a coluna da esquerda com a da direita. (I) Qualidade ( ) Pode especificar produtos que podem ser feitos rapidamente ou que evitem demoras desnecessárias. (II) Rapidez ( ) Pode eliminar tanto falhas potenciais como aspectos propensos a erros do produto ou serviço (III) Confiabilidade ( ) Pode permitir variações que proporcionam um gama de produtos ou serviços oferecidos aos clientes. (IV) Flexibilidade ( ) Pode ajudar a tornar previsível cada estágio do processo ao exigir processos padronizados e previsíveis. (V) Custo ( ) Pode reduzir custos de cada peça componente do produto ou serviço e, também, reduzir o custo para combiná-los.

10 A sequência correta, de cima para baixo, é a) II, I, IV, III, V. b) I, IV, III, II, V. c) V, III, IV, I, II. d) I, II, V, IV, III. e) II, I, III, V, IV. 27. Quanto ao projeto de produtos e serviços, o principal objetivo do Método de Tagushi é a) calcular o caminho crítico de um projeto. b) testar a robustez de um projeto. c) reduzir o prazo final de execução de um projeto. d) avaliar os custos de um projeto. e) identificar os desvios de um projeto. 28. Acerca do Efeito Hawthorne, é correto afirmar que a) utilizou-se de níveis de ruído nos trabalhadores para estabelecer proporcionalidade entre ambiência e produtividade. b) foi responsável pelo início da época chamada de Administração Científica. c) derivou-se de experiências estabelecidas com supervisores de produção da Western Eletric, situada na cidade de Hawthorne dos EUA. d) observou-se uma proporcionalidade inversa entre o agente ambiental e a produtividade ao se expor o trabalhador à observação. e) os trabalhadores foram expostos à observação intermitente no decorrer da experiência. 29. Acerca da relação entre o Taylorismo e a Ergonomia, assinale a alternativa correta. a) A ergonomia, como se conhece atualmente, permite que a sua metodologia se mantenha em consonância com os propósitos tayloristas. b) As bases metodológicas do taylorismo foram utilizadas como balizadoras para a construção das diretrizes principais para a consciência ergonômica no pós-guerra. c) Um ambiente de trabalho isento de acidentes denotava, segundo o taylorismo, uma propensão à negligência na ambiência em questão. d) O taylorismo atribuía a baixa produtividade à tendência de vadiagem dos trabalhadores da indústria. e) Sob o ponto de vista conceitual, a ergonomia se define como a adaptação do homem ao trabalho, ao passo que o taylorismo preconiza a adaptação do trabalho ao homem. 30. Faz parte das categorias gerais de critérios de avaliação de opções de projetos a a) distributibilidade. b) exequibilidade. c) viabilidade. d) retroatividade. e) ponderabilidade. 31. A administração trabalha no sentido de controlar os gastos e, na maioria das organizações, o controle de gastos com mão-de-obra é de grande importância. O método usual é estabelecer-se um padrão de tempo para cada operação específica, e, assim, um índice de desempenho poderá ser determinado para cada operário ou para cada operação. Supondo que um operador produza, em um dia de 8h de trabalho, 600 peças boas por hora, e considerando o tempo-padrão de 8 minutos por peça, pode-se afirmar que, nessa operação, o seu índice de desempenho é igual a a) 1. b) 1,1. c) 0,9. d) 1,2. e) 0,8.

11 32. Utilizando o critério de Laplace, calcule a soma dos Valores Esperados das Alternativas (VEAs) da matriz de decisão abaixo. a) 210 b) 260 c) 350 d) 340 e) A empresa busca conquistar ou manter a liderança no mercado através da concentração dos esforços de expansão numa única ou em poucas atividades da relação produto/mercado. Sua vantagem é a redução dos custos unitários, e a desvantagem é a vulnerabilidade pela alta dependência de poucas modalidades de fornecimento de produção e vendas. O texto acima se refere à a) estratégia de internacionalização. b) estratégia de joint venture. c) estratégia de inovação. d) estratégia de nicho. e) estratégia de especialização. 34. Este conceito refere-se ao contexto sociopolítico e econômico no qual a empresa está inserida. A sua abrangência depende do porte, do segmento e/ou do raio de influência que a organização possui. Estamos nos referindo ao a) mesoambiente. b) microambiente. c) macroambiente. d) ambiente interno. e) ambiente externo. 35. A estratégia usada pela empresa como um primeiro passo, através de ferramentas de P & D de novos produtos, em busca da conquista ou da manutenção da liderança no mercado, concentrando os esforços de expansão numa única atividade ou em poucas atividades da relação produto/mercado está indicada na alternativa: a) estratégia de inovação. b) estratégia de nicho. c) estratégia de internacionalização. d) estratégia de especialização. e) estratégia de joint venture. 36. Nos estudos de Porter sobre a cadeia de valor encontram-se vários conceitos entremeados, entre eles a ideia do detalhamento ou do desdobramento de uma cadeia de valor para os níveis tático e operacional, que representa a a) arquitetura de processos. b) arquitetura de sistemas. c) arquitetura de valor. d) arquitetura da cadeia. e) cadeia de valor.

12 37. Constitui-se em um sistema basal para as operações logísticas e fonte para atividades de planejamento e coordenação. Através dele, informações logísticas são compartilhadas com outras áreas da empresa, tais como: marketing, finanças, entre outras. O mesmo é caracterizado por regras formalizadas, comunicações interfuncionais, grande volume de relações e um foco operacional nas atividades cotidianas. A combinação de processos estruturados e de grande volume de pactos aumenta a ênfase na eficiência do sistema de informações. O texto acima se refere à(ao) a) sistema multimodal. b) sistema transacional. c) sistema integrado. d) sistema de valor. e) cadeia de valor. 38. A presença de relatórios que tratam exceções são fundamentais para um bom gerenciamento, visto que as operações logísticas se caracterizam pelo intenso fluxo de informações. Por exemplo, um sistema de controle proativo deve ter capacidade de prever futuras faltas no estoque com base nas previsões de demanda e de recebimentos previstos. Como o nome sugere, armazena dados históricos e atuais de várias áreas da empresa em um único banco de dados, com o objetivo de facilitar a elaboração de relatórios. Este processo de desenvolvimento fornece uma oportunidade para a empresa rever e formalizar objetivos, planos e estratégia. Assinale a alternativa que contém a nomenclatura adequada às informações anteriores. a) data warehouse (dw) b) data shooter (ds) c) data hardware (dh) d) data feeling (dw) e) data management suply (dms) 39. Este é um processo de distribuição no qual a mercadoria recebida é redirecionada sem uma armazenagem prévia. Tudo isto faz diminuir o tempo, e o throughput time tem tendência a ser diminuído. O termo de origem estrangeira que designa um processo utilizado na distribuição de produtos com elevados índices de giro e de perecibilidade, os quais não são estocados, mas apenas cruzam o armazém, indo direto aos pontos de venda sem passar pelo processo de estocagem é a) cross pumping. b) pumping docking. c) cross docking. d) thoughput docking. e) cross feeling. 40. Considera-se como um dos processos da logística responsável pela administração dos materiais a partir da saída do produto desde a linha de produção até a entrega do produto no destino final. Em se tratando do produto acabado, ele tipicamente é encaminhado ao distribuidor. O distribuidor, por sua vez, vende o produto para um varejista e, em seguida, aos consumidores finais. Esse é o processo mais comum entre canais; porém, dentro desse contexto, existe uma série de variáveis e decisões estratégicas a serem tomadas pelo profissional de logística. Este processo é dividido em outros sub-processos. O referido processo e pelo menos três dos seus sub-processos são, respectivamente, a) expedição; logística reversa; gestão de estoques; gestão de transportes. b) distribuição; logística reversa; gestão de estoques; expedição. c) marketing; logística reversa; gestão de estoques; expedição. d) core business; expedição; gestão de transportes; expedição. e) front off; logística reversa; gestão de estoques; expedição.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas GESTÃO DE COOPERATIVAS E AGRONEGÓCIOS Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios será oferecido em nível de pós-graduação, pela Faculdade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais