MES na Prática. Gestão da Produção no século XXI. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MES na Prática. Gestão da Produção no século XXI. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados."

Transcrição

1

2 MES na Prática Gestão da Produção no século XXI Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados.

3 MES na Prática 2/36 Sumário 1Introdução Falando um pouco de siglas (caia fora enquanto é tempo), vamos entender isso de uma vez por todas...5 2O que é MES? Um pouco de história da industria no Brasil O MES entra em Ação...9 3O que uma solução MES deve possuir e quais tarefas deve executar? Como escolher e contratar uma solução MES Levantar as necessidades da produção Avaliar a solução MES Coleta de dados Apresentação das informações Avaliar a aderência da solução Avaliar o custo/benefício da solução Conhecer a solução em produção (estudo de caso) Realizar um projeto piloto Dica adicional: Comece pequeno Aprofundando sobre Coleta de Dados, a base de toda solução MES Coleta Automática versus Coleta Manual E quando a coleta só pode ser manual? A solução MES e o controle de qualidade A solução MES ajuda a aumentar o ROI em ERP, PCP e outras tecnologias Aumento do ROI em ERP Aumento do ROI em PCP Aumento do ROI em Logística Exemplificando: 5 ganhos com gerenciamento de máquinas feito pelo MES Redução de paradas e tempo de ociosidade Aumento na qualidade final dos produtos...30

4 MES na Prática 3/ Aumento na produtividade total da indústria Balanço entre produtividade, paradas e custo das máquinas Informação certa na hora certa MES na Prática Que tal fazer um piloto com o Kite MES...33

5 MES na Prática 4/36 1 INTRODUÇÃO Neste e-book vamos falar da tecnologia que está sendo utilizada por indústrias de todo mundo para gestão da produção industrial, essa solução é conhecida como MES (Manufacturing Execution System ou Sistema para a Execução na Manufatura) ou MOM (Manufacturing Operations Management ou Gerenciamento de Operações na Manufatura). O pessoal gosta de siglas e esses nomes confundem mais do que explicam, por isso vou falar sobre tudo isso na prática e de como se beneficiar de uma solução MES. Os capítulos foram desenvolvidos de forma independente, você pode ler em sequencia é claro, mas eu sugiro que você analise no índice os tópicos que mais interessam e faça a leitura destes tópicos. Em um outro momento você pode consultar outros tópicos conforme a necessidade. O assunto é muito amplo e fazer uma leitura de todos os capítulos pode ser cansativa e pouco proveitosa. Boa leitura.

6 MES na Prática 5/ Falando um pouco de siglas (caia fora enquanto é tempo), vamos entender isso de uma vez por todas Antes um pouco de esclarecimento sobre as siglas, prometo que não volto a falar mais sobre isso, aliás se você achar que isso não faz diferença na prática (e não faz mesmo) pode pular para o próximo capítulo. A sigla MES foi usado pela primeira vez pela AMR 1 na década de 1990 e veio, aparentemente, de Manufatura Integrada por Computador (CIM) primeiro termo que surgiu na década de 1980 na Universidade de Purdue. Isso foi antes de muitos dos padrões da indústria terem sido estabelecidos, como o ISA-95, e antes que o ERP se tornasse a principal ferramenta de TI para a maioria das empresas de manufatura. No início os sistemas MES eram muito precários e o como o chão de fábrica não é para amadores o desenvolvimento do sistema não acabava nunca o que fez com que, nos Estados Unidos, a sigla MES ficasse com a reputação de um sistema caro e arriscado de ser adquirido. Do final de 1990 ao início de 2000, o crescimento e a consolidação no mercado dos ERP foi sem precedentes. No entanto, esse crescimento muitas vezes não incluíam soluções para o chão de fábrica, e a necessidade de gerenciamento de operações de fabricação e integração do chão de fábrica com a gestão corporativa. Vale ressaltar que estamos falando do mercado americano, no Brasil não foi muito diferente, mas vamos tratar disso no próximo capítulo. Ao mesmo tempo, grande parte do bom trabalho feito na indústria com relação a automação, em particular na criação de padrões de nível de lote, como ISA-88, estava abrangendo outras áreas da indústria como a norma ISA-95. Neste padrão, o termo Manufacturing Operations Management (MOM) foi mencionado pela primeira vez e detalhando atividades e 1 AMR Research é uma empresa de Boston e que realiza análise de mercado e definiu o Sistema de Execução de Manufatura (MES) como "uma camada funcional de tecnologia da informação que liga os sistemas de controle do chão de fábrica ao planejamento de negócios para entregar a fabricação um plano de produção viável e realista ".

7 MES na Prática 6/36 processos incluindo as áreas de: Produção, Qualidade, Manutenção e Inventário. Em função da má fama da sigla MES alguns fabricantes de software mudaram para sigla MOM ou Solução MOM ou ainda Plataforma MOM (entendeu a jogada?) e algumas dessas soluções eram mais flexíveis que os antigos sistemas, seguindo a norma ISA-95 mais de perto. Outros fabricantes de sistemas continuaram utilizando a sigla MES e também trabalharam para adequar o sistema a norma. Como ficou essa história toda? Calma, está quase acabando... MOM : sem quaisquer outras palavras descritivas, geralmente se refere aos processos de produção e não a software Plataforma MOM ou Solução MOM: é geralmente usado para diferenciar de soluções mais velhas MES MES : representa o software para gestão da produção e ainda é usado por muitos fabricantes. Cometário: No caso do Brasil a sigla MOM não pegou e provavelmente não vai pegar, poucas industriais conhecem o MES (aliás é por isso que estou escrevendo esse e-book, afinal de contas) e nós da Kite resolvemos adotar a sigla MES que parece significar melhor o que queremos e tem uma sonoridade melhor, mas afinal quem se importa? Eu avisei para pular esse história toda de siglas. O importante é saber se a solução faz aquilo que a indústria precisa na gestão da produção.

8 MES na Prática 7/36 2 O QUE É MES? 2.1 Um pouco de história da industria no Brasil O setor industrial talvez seja a última fronteira em termos de tecnologia de hardware e software. Por várias razões, mas principalmente por segurança, a tecnologia deve estar muito madura para ser implantada em um ambiente industrial, principalmente no chão de fábrica. Por exemplo, a automação industrial utiliza a mesma infra estrutura tecnológica há mais de 30 anos. Os PLCs ou CLPs (Controladores Lógicos Programáveis) possuem a mesma estrutura e as mesmas linguagens de programação e isso faz todo o sentido, afinal de contas se o processo está sendo controlado e atendendo as expectativas, não há razão para mudanças. As redes industriais foram definidas há alguns anos atrás e continuam em uso, tanto do ponto de vista físico (cabeamento, conectores) quanto do ponto de vista de protocolos de comunicação. Por outro lado, a gestão corporativa, bem mais recente, utiliza recursos de tecnologia mais atuais e a mudança é muito mais rápida. A infra estrutura é feita por computadores pessoais e notebooks ligados em rede local utilizando tecnologia ethernet. Para armazenamento da informação, são utilizados bancos de dados relacionais que seguem o mesmo modelo, em linhas gerais, e as informações são acessadas através da linguagem SQL (daí a sigla aparecer no nome de alguns bancos de dados) na maioria dos casos. No início, existiam vários programas, feitos de forma isolada, para a gestão corporativa. Com o passar do tempo esses módulos foram associados sob um grande guarda-chuva chamado ERP (Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos da Empresa) e estão

9 MES na Prática 8/36 sendo chamados atualmente de Sistema Integrado de Gestão Empresarial pela intenção de gerenciar toda a empresa em um só sistema. Existe uma distorção aí, inclusive na tradução de ERP para SIG ou SIGE, porque a finalidade do ERP é o planejamento dos recursos e é baseado no MRP II (Manufacturing Resource Planning ou Planejamento dos Recursos da Manufatura), siglas, siglas, siglas... O Planejamento é, ou deveria ser, o coração dos ERPs. Os outros módulos deveriam servir de suporte ao planejamento da manufatura. Os ERPs foram baseado em uma técnica chamada MRP e em seguida MRPII. E isso é um problema uma vez que o planejamento com essa técnica considera os recursos ilimitados, ou seja, não considera as possíveis e prováveis restrições da produção, como por exemplo, falta de matériaprima, quebra de máquina, dificuldade dos operadores, etc e isso no mundo real problemas surgem o tempo todo, não temos produção com capacidade infinita. Estamos falando então de dois mundos muito diferentes. A gestão e principalmente o planejamento da manufatura são feitos considerando que a produção não possui restrições, uma produção ideal. O dia a dia da produção é justamente trabalhar em uma produção real onde restrições e problemas surgem de todas as partes. Isso explica, em parte, porque existe tanto conflito entre gestão (com ERP principalmente) e a produção. Além disso a visão de tecnologia e principalmente de evolução tecnológica é bem diferente. Os sistemas de ERP prometem (ou prometiam) gerenciar a indústria toda, incluindo a produção, e isso de fato ocorre mas somente do ponto de vista administrativo. Para os sistemas de ERP a produção é uma caixa preta onde entra matéria-prima e utiliza-se recursos humanos; e os custos envolvidos e saem produtos acabados em um determinado tempo. A informação detalhada do que ocorre na produção, quais são problemas e como resolver, onde investir, quando e quem treinar não interessam.

10 MES na Prática 9/36 Daí a razão de em muitas empresas o Diretor ou Gerente da produção "tirar coelho da cartola" para gerenciar e o software mais utilizado seja, ainda hoje, o Microsoft Excel. Isso é estranho mas é a realidade no mundo todo. É estranho, principalmente, porque os produtos da indústria são a razão de ser, de existir da própria indústria, e o investimento em sistema é feito no suporte e no planejamento mas não na execução do que foi planejado para ser produzido. 2.2 O MES entra em Ação Por causa da falta de soluções que atendessem de verdade a necessidade do chão de fábrica surgiu o conceito de MES - Manufacturing Execution Systems - ou Sistemas para a Execução da Manufatura. Ou seja, como saber se o que foi planejado esta sendo executado e se não está porque, onde estão os problemas, quais são as paradas que mais ocorrem, onde investir, quem precisa ser treinado. O trabalho de uma solução MES começa com o início da fabricação de um produto, com o início da execução de uma OP (Ordem de Produção) e se encerra com o produto acabado, detalhando ao máximo o que esta dentro da "caixa preta" da produção. O planejamento das ações necessárias para aumentar a produtividade e a eficiência é mais fácil com dados reais baseados em histórico da produção que devem ser armazenados pelo MES e são apresentados em forma de relatórios de todos os tipos (principalmente gráficos). Por outro lado para o dia a dia o MES deve fornecer informação em tempo real que permita atuar no processo para evitar paradas prolongadas e perda de produtividade. Inclusive enviando alarmes quando ocorrem falhas que impedirão de atingir o que foi planejado. Um ponto importante nessa "ponte entre dois mundos" está relacionado a coleta de dados. Alguns sistemas MES utilizam o conjunto de

11 MES na Prática 10/36 CLPs instalados na produção para coletar dados de máquinas, porém tão importante quando dados de produção e de máquinas são informações sobre os operados ou do pessoal de linha de produção. Isso vai exigir uma interface com seres humanos ou HMI ou IHM (Interface Homem Máquina) e nem todos os projetos de automação industrial preveem isso. Uma outra opção com custo mais baixo é utilizar equipamentos de coleta específicos que possam ler dados da máquina e informações fornecidas pelos operadores, tudo ao mesmo tempo, e ainda que sejam robustos para "enfrentar" a linha de produção. O MES é um sistema que precisa trabalhar junto com ERP, trocando informações, mas é um sistema a parte. É um sistema híbrido (formado por software e hardware) que gera informações de histórico e em tempo real, além do mais precisa estar em operação 24 horas por dia em 7 dias da semana. 3 O QUE UMA SOLUÇÃO MES DEVE POSSUIR E QUAIS TAREFAS DEVE EXECUTAR? Em linhas gerais pode-se dizer que uma solução MES deve fornecer informações sobre tudo que acontece na linha de produção, no chão de fábrica. E aí estão além das controle da produção em si com tempo de produção, atrasos, produtos acabados, refugos, também as informações sobre as máquinas, operadores, o controle de qualidade, a manutenção, enfim tudo que estiver relacionado com a produção. A MESA Manufacturing Execution System Association (clique aqui para visitar o site) é uma associação de (grandes) fabricantes e usuários de soluções MES que tem a finalidade de estabelecer algumas linhas que permitam que os sistemas MES possam atender as funcionalidades da

12 MES na Prática 11/36 industria. Na figura abaixo está o digrama geral do Modelo MESA que mostra quais as operações de negócio como Vendas, Financeiro, Engenharia, Figura 1: Modelo MESA Certificações e Controle de Ativos buscam informações e recebem respostas da solução MES. A estratégias como lean manufatcturing, controle da qualidade, etc geram objetivos e esperam resultados da produção. Outra fator importante é notar que quanto mais próximo da manufatura/produção mais estamos falando em tempo real, como mostra a linha na lateral direita. Finalmente temos no diagrama os grupos que fazem parte das

13 MES na Prática 12/36 operações de manufatura/produção e que devem estar na solução MES: Rastreabilidade de Produtos e Genealogia: Uma solução MES deve ser capaz de identificar quando um produto foi produzido, se houve algum problema no produto ou no lote, quais os operadores da linha e qual a matéria-prima utilizada. É claro que todo esse controle tem um custo. Toda a matéria-prima, partes montadas e produto acabado necessitam de ser codificados, normalmente com código de barras e essa informação, uma etiqueta com código de barras por exemplo, deve permanecer intacta durante a vida útil do produto. Esse controle é fundamental quando o produto está relacionado a risco de acidentes e/ou vidas como produtos para o setor de petróleo e gás, hospitalares, farmacêutica, energia nuclear, etc. Alocação de Recursos: Quais são e como estão sendo utilizados os recursos na produção. Normalmente os ERPs controlam os recursos que estão na produção do ponto de vista contábil e fiscal, a solução MES cabe informar sobre a utilização desses recursos, principalmente recursos que sejam fundamentais para a produção, sejam difíceis de repor e caros. É o caso dos moldes e ferramentas onde, em muitos casos, é feito pela solução MES o controle da vida útil de cada molde/ferramenta. Análise de Desempenho: Talvez uma das mais importantes atividades do MES seja análise de desempenho. O desempenho de máquinas, linhas e operadores devem ser monitorados o tempo todo e desvios importantes devem gerar alarmes para a equipe de gestão. Gestão de Processo: A gestão de processo executado pelo MES corresponde ao gerenciamento da sequencia de ordem de produção e a rota de fabricação de um produto, impedindo que ocorram desvios definidos pela engenharia.

14 MES na Prática 13/36 Aquisição e Coleta de Dados: É a atividade mais importante de uma solução MES. Ou os dados são coletados de forma correta e em tempo real ou as informações geradas (os relatórios) estarão errados ou desatualizados ou as duas coisas. Coletar informações em uma planta é uma atividade complexa e que exige uma solução robusta e consistente e ao mesmo tempo extremamente flexível. É a base onde se apoia toda a solução MES Gerenciamento da Qualidade: A finalidade de se fabricar um produto é que ele seja produzido com qualidade adequada ao mercado onde está inserido. O que tudo isso significa? Simples, nem todos os carros são uma Ferrari, mas todos tem que levar pessoas de um lugar a outro em segurança e em um tempo considerado adequado pelo usuário. Dessa forma a gestão da qualidade, diferente da garantia da qualidade, deve permitir que se avalie a quantidade de refugo, as causas de refugo e ainda se verificações de qualidade programadas foram realizadas no momento adequado. Enfim, o MES deve gerenciar se o que a Garantia da Qualidade planejou foi executado. Gestão do Trabalho ou Gestão de Operadores: É a segunda função mais importante de uma solução MES, porque uma vez tendo como coletar dados da forma correta, o MES deve fornecer o maior número possível de informação sobre o trabalho, as dificuldades, o desempenho, etc dos operadores na produção. Sem essa informação é praticamente impossível que a equipe de gestão possa tomar decisões adequadas com relação a equipe no chão de fábrica. Liberação de Produtos: É o final do trabalho da solução MES onde o produto acabado é enviado para o estoque e o sistema ERP é realimentado com informações reais da produção.

15 MES na Prática 14/36 Logística: A responsabilidade da solução MES é o gerenciamento de material em produção e da matéria-prima utilizada durante a produção, essa informação deve ser transferida para o ERP em tempo real para que a equipe de PCP (Planejamento e Controle da Produção) possa atender as necessidade futuras de matéria-prima e para que a equipe de Qualidade possa atuar caso a matéria-prima esteja gerando o produto acabado com problemas de qualidade. Dá para notar que a quantidade de responsabilidade de uma solução MES não é pequena e levando em consideração que o chão de fábrica é para quem tem nervos de aço a solução MES deve ter duas características fundamentais: 1. Robustez: precisa funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, chova ou faça sol, gerando informação em tempo real. 2. Flexibilidade: sempre que surgir uma nova necessidade a solução tem que ter capacidade de ser ampliada em pouco tempo para atender a essa nova necessidade, porém sem perder a robustez Agora que já falamos (e muito) da teoria vamos ver como utilizar um sistema MES na Prática.

16 MES na Prática 15/36 4 COMO ESCOLHER E CONTRATAR UMA SOLUÇÃO MES O objetivo de uma indústria é atender determinadas necessidades do mercado através de um produto, logo, sua principal atividade é a produção. Certo? Apesar de vivermos na era da informação e presenciarmos muitas inovações na área industrial nas últimas décadas, ainda são raros os casos de indústrias que fazem uma gestão completa que abrange seu processo produtivo. As empresas fizeram altos investimentos em gestão para abranger áreas e processos administrativos, porém, a produção ainda é gerida de forma intuitiva e desintegrada dos demais softwares de gestão da empresa. O fato de a gestão da empresa não abranger o chão de fábrica faz com que, como vimos no capítulo anterior, a empresa não possua informações de como está sendo produzido e, por consequência, acabe perdendo dinheiro por não apurar as perdas na produção, tempo de parada de máquinas, manutenção, prazos etc. Por tratar-se de uma solução ainda em ascensão no mercado, muitas indústrias ainda não tem o conhecimento do impacto que um MES pode causar na produtividade, e não sabe como iniciar nesse mundo. Elencamos uma série de etapas no processo de identificação, escolha, avaliação e contratação de uma solução MES: 4.1 Levantar as necessidades da produção O primeiro passo foi dado, e a indústria sabe que precisa ter um maior controle da produtividade e integrar informações produzidos no chão de fábrica ao ERP para que a gestão seja plena. O primeiro pensamento do

17 MES na Prática 16/36 gestor/responsável por efetuar esse controle é desenvolver procedimentos manuais, que envolvem papel e caneta. Em um caso um pouco mais intermediário, esse gestor vai desenvolver, ou buscar pronta, uma planilha Excel para realizar o controle. Qualquer uma dessas medidas acarretará problemas no longo prazo, pois além do risco de falhas humanas, ainda existem pontos negativos, como falta de confiabilidade dos dados e desmotivação das pessoas que executarão as tarefas. Portanto, independente do tamanho da indústria, é essencial que a produção seja controlada de forma profissional e automatizada, através de uma solução como o MES. 4.2 Avaliar a solução MES Mesmo que a indústria opte por fazer o controle manual, vai chegar o momento em que ela identificará que o método é inviável, e apenas uma solução MES é capaz de atendê-la. Quando isso ocorre, chega a hora de avaliar o que o mercado oferece nesse sentido. Na hora de avaliar uma solução MES, dois fatores devem ser rigorosamente considerados: Coleta de dados Sem dados precisos e em tempo real todo o processo de gerenciamento será prejudicado, a coleta dados é um fator fundamental na escolha de um sistema MES, então a primeira pergunta a se fazer para um fornecedor de MES é: Como é feita a coleta de dados? É de forma manual? As informações precisam ser lançadas em outro momento em um computador? As informações são lançadas em um computador no meio da produção? Isso pode significar que a solução é incompleta e os mesmos problemas com relação a coleta totalmente manual podem acontecer.

18 MES na Prática 17/36 Quando o fornecedor dispõe de coletores, é importante avaliar a qualidade dos equipamentos, praticidade no uso, robustez para aguentar o dia-a-dia, etc. É muito importante avaliar se a introdução dos coletores não atrapalhará no chão de fábrica, por isso, um dos requisitos é avaliar o uso de coletores que enviam os dados usando rede sem fio. Algumas soluções MES utilizam CLPs (Controladores Lógicos Programáveis) através de Sistemas SCADA (Supervisório) para obter e processar os dados da produção, mas isso só vale se a empresa já tem a planta automatizada e um sistema supervisório já implantando, senão for o caso como obter os dados em coletores? Apresentação das informações A segunda pergunta a fazer: Como as informações são apresentadas ou disponibilizadas? Se as informações não são disponibilizadas em tempo real, a solução possui uma falha que irá comprometer a utilização. O MES deve oferecer um tempo de resposta, por exemplo, abaixo de 5 segundos para que a informação seja disponibilizada a tempo de tomar uma decisão. Um dos exemplos dessa necessidade é a solução exibir as informações através de displays dispostos no chão de fábrica, ou na área de manutenção para atendimento urgente de paradas, ou ainda no setor de PCP caso falte matéria prima. Um outro diferencial é o fato do MES ser web-based e permitir que as informações sejam acessadas através de dispositivos como tablets e smartphones, o que aumenta a mobilidade e acessibilidade das informações. 4.3 Avaliar a aderência da solução Após realizar as primeiras avaliações é hora de avaliar se o MES é aderente à necessidade da indústria. Isso envolve atender os diferentes

19 MES na Prática 18/36 tamanhos e localidades de plantas. Diferentes segmentos de indústrias demandam diferentes características, e é essencial que a solução MES permita ser customizada para adaptar-se a necessidades específicas da indústria. Não menos importante é avaliar a possibilidade de integração do MES com o ERP da empresa, pois os sistemas devem trabalhar integrados para que a gestão seja completa. 4.4 Avaliar o custo/benefício da solução Uma solução que foi aprovada nas etapas anteriores já está bem cotada, mas não basta ser completa e aderente para ser considerada a ideal para sua indústria - ela precisa ser viável. Na hora de balancear o custo/benefício, é preciso avaliar se o preço da solução MES está adequado ao que ela oferece e, mais do que isso, o valor que sua indústria obterá ao fazer a aquisição. Estamos falando aqui de ROI (retorno de investimento), que é um fator que deve ser levado em conta e calculado para estimar quando os benefícios do MES retornarão o dinheiro investido no projeto. A flexibilidade oferecida pelo fornecedor na hora da aquisição do MES pode contribuir para esse ROI. 4.5 Conhecer a solução em produção (estudo de caso) Uma etapa que não pode ser pulada durante a avaliação do MES é conhecê-lo em produção, em uma indústria de verdade. É recomendado visitar plantas ou avaliar a solução em operação real, mesmo que online e conversar com profissionais que já adotaram MES e quais são suas opiniões a respeito da solução adotada. Além de possibilitar a avaliação do produto e conferir na prática os benefícios, ainda é possível obter algumas boas práticas de mercado ao fazer benchmark com outra indústria.

20 MES na Prática 19/ Realizar um projeto piloto É quase impossível fazer a aquisição de um projeto completo de MES sem antes realizar um projeto piloto. É possível realizar um período de avaliação de 1 a 3 meses com a solução MES já em produção em parte da sua planta para familiarizar-se e ver na prática os primeiros resultados obtidos. É a partir do projeto piloto que a indústria decidirá o tamanho do projeto inicial e os prazos para evoluí-lo para que ele abranja toda a indústria um dia no futuro. 4.7 Dica adicional: Comece pequeno Mesmo após decidir pela solução, é importante que o projeto de MES seja incremental, com marcos para escalar o projeto. Realizar um investimento pesado de uma só vez pode impossibilitar que toda a solução seja implantada e obtenha a aceitação de todos os envolvidos. 5 APROFUNDANDO SOBRE COLETA DE DADOS, A BASE DE TODA SOLUÇÃO MES A base de dados em qualquer sistema ou software é o acumulo de informação de alguma área por algum tempo, mas alguém já viu uma base dados? Normalmente não se sabe nem onde está armazenada. E como os dados são inseridos nessa base? A base de dados com as informações sobre a produção são, como o nome diz, a base para que se possa gerar relatórios, o que significa dados errados relatórios errados. E a gente sabe o que acontece quando a base de um prédio ou uma de uma casa não foi bem feita, em algum momento a casa cai, e aí já é tarde demais...

21 MES na Prática 20/36 Uma das coisas mais importantes em qualquer sistema de gestão é a base de dados, o que significa informação, e muitas vezes isso é negligenciado. Até se faz de alguma forma o backup mas não estamos falando de perder os dados mas sim da informação que esses dados representam e que irão representar no futuro. O primeiro problema para que se tenha uma base de dados que permita fornecer informação correta está na coleta de dados e no caso da produção industrial alguns complicadores pioram a situação. Algumas coisas que mais dificultam a coleta de dados na produção são: Muitas coisas acontecem ao mesmo tempo, ou seja, tem muito dado importantes sendo gerado o tempo todo. Quem trabalha na produção tem que produzir produto e não dados, porém geram dados a cada momento. Normalmente as informações, principalmente as relativas a problemas precisam ser informadas na hora, não da para esperar, depois talvez não dê para fazer mais nada. As informações de histórico, que apontam tendências, precisam, obrigatoriamente, ser corretas, precisas, porque senão, em pouco tempo, ninguém acredita mais nessas informações. As pessoas que estão na produção precisam ser realimentadas com informação e decisões o mais rápido possível. Tudo isso faz com que técnicas para a coleta de dados que se aplicam em outras áreas não possam ser utilizadas na produção. E com é que se faz então? Eu só conheço uma forma: Coleta

22 MES na Prática 21/36 Automática, ou pelo menos o mais automática que for possível, sem interferência de pessoas. Mas quanto mais automática mais caro e aí vem a necessidade de analisar: Afinal quais as informações que nós precisamos da produção? Onde se quer chegar? Quais são nossos problemas de produção hoje? Dá para iniciar anotando em papel, usando planilhas mas em algum momento será necessário instalar equipamentos de coleta de dados automática na produção. Isso parece ser inevitável Coleta Automática versus Coleta Manual Para ser competitiva uma indústria precisa coletar dados de produção, de preferência em tempo real, para obter uma série de análises estratégicas, como o desempenho da produção de uma máquina específica, um grupo de operadores ou máquinas e até mesmo toda uma linha de produção. Além de analisar individualmente o desempenho, é preciso um sistema integrado que tenha capacidade de centralizar e processar as informações para medir, por exemplo, os níveis OEE da indústria como um todo. Neste processo de controle da produção, existe um sujeito com um papel fundamental, principalmente para indústrias que precisam de informação em tempo real: o coletor de dados e, se possível, usando rede sem fio. Pode parecer que não, mas a linha de produção se movimenta com o tempo, novas máquinas são instaladas, linhas criadas outras desativadas, pode ter certeza: isso acontece e ficar mudando equipamento no chão de fábrica não é uma tarefa simples. Um coletor de dados capaz de trabalhar através de rede sem fio permite a instalação rápida e limpa, e gera dados em tempo real para uma solução MES que possa interpretar e processar essas informações permitindo a tomada de decisões estratégicas para a corporação. Por tratar-se de um

23 MES na Prática 22/36 equipamento usado no chão de fábrica, um dos principais requisitos é a robustez para suportar o ambientes com poeira, vibração, ruídos e altas temperaturas. Além disso, deve possuir capacidade de processamento e memória para realizar um controle multitarefa e não perder nenhuma ocorrência na produção. Outra característica que deve estar aliada a robustez é a flexibilidade, cada caso é um caso, cada linha é uma linha e o equipamento precisa estar preparado para se adaptar a qualquer realidade. Agora que sabemos os benefícios e características gerais de um coletor de dados sem fio, vamos abordar como ele pode ajudar indústrias que estão em diferentes situações: Situação 1: Indústrias não possuem formas de controle da produção Bem, seria um grande passo - talvez muito grande - para uma indústria que não possui sequer uma forma de controlar a produção já iniciar com um sistema completo capaz de fazer a gestão em tempo real, mas não é impossível. O mais recomendável neste caso é iniciar com um sistema mais simples, com coleta manual para, posteriormente, avançar para algo mais completo e automatizado. Situação 2: Indústrias que realizam a de coleta de dados de forma manual Existem muitas indústrias que possuem formas de controlar sua produção, seja através de software ou outros controles mais primários, mas a grande maioria faz a coleta de forma manual. Neste caso, o software ou planilha é alimentada por pessoas que precisam monitorar e registrar as ocorrências da produção e lança-los no computador. Mas, além do enorme risco de falhas humanas nesse processo, existe algo mais desmotivador para um funcionário do que uma tarefa como essa? Um coletor automático

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

Utilização da Planilha de Análise de Decisão

Utilização da Planilha de Análise de Decisão Utilização da Planilha de Análise de Decisão METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO - VERSÃO 1. A planilha apresentada está pronta e formatada para ser utilizada no processo de Análise de Decisão envolvendo

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

OEE à Vista. Apresentando Informações da Produção em Tempo Real. Primeira Edição 2013 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados.

OEE à Vista. Apresentando Informações da Produção em Tempo Real. Primeira Edição 2013 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. Apresentando Informações da Produção em Tempo Real Primeira Edição 2013 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. 2/20 Tópicos 1Introdução...3 2O que é Gestão à Vista?...3 3Como é a Gestão à Vista

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 Confidencialidade, Propriedade Intelectual e Marca Registrada Apresentação Renato Mendes renato.mendes@mezasoft.com

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem Supervisão e monitoração da produção Análise de perdas, falhas e causas Indicadores de desempenho OEE e TRS O chão de fábrica em tempo real Mesmo quando todas as variáveis são idênticas mesmo produto,

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@em.pucrs.br Resumo Este trabalho visa mostrar a importância da integração entre sistemas de ERP 1 e

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1

Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1 Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1 1. O que é o GesOper O GesOper é um software integrado, desenvolvido para obtenção de resultados financeiros,

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Perguntas frequentes dos vendedores sobre preços e licenciamento do SQL Server 2012

Perguntas frequentes dos vendedores sobre preços e licenciamento do SQL Server 2012 Perguntas frequentes dos vendedores sobre preços e licenciamento do SQL Server 2012 Publicado: 3 de Novembro de 2011 Direitos autorais Este documento foi desenvolvido antes da fabricação do produto, portanto

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@pucrs.br Tiago Leonardo Broilo (PUCRS) broilo@pucrs.br Isaac Newton Lima da Silva (PUCRS) isaac@pucrs.br

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Change Management Aplicação : Ocorrências Comuns Você já teve problemas em encontrar um programa ou uma configuração quando precisava colocar uma máquina para

Leia mais

Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos.

Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos. Lenke e Meitech é um grupo de empresas especializadas em fornecer equipamentos e sistemas para a indústria de alimentos. Atuando a mais de 10 anos no mercado brasileiro, com o apoio de profissionais experientes,

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA O InterLIMS se apresenta

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo CEP - DA Controle Estatístico do Processo Principais Funcionalidades Automatiza as rotinas do Controle Estatístico do Processo A solução para CEP da Directa Automação, composta de software e hardware,

Leia mais

ERPGovernance é uma Suite de gestão de Negócios que abrange totalmente a necessidade

ERPGovernance é uma Suite de gestão de Negócios que abrange totalmente a necessidade ERPGovernance é uma Suite de gestão de Negócios que abrange totalmente a necessidade do cliente, dentre estas : Financeiro, Orçamento, Compras, Vendas, Contabilidade, CRM, Gestão de Projetos, Gestão de

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

White Paper. Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI)

White Paper. Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI) White Paper Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI) Escalabilidade inerente elimina o custo incremental Introdução

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

Lean Manufacturing. Teoria e Prática. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados.

Lean Manufacturing. Teoria e Prática. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. Lean Manufacturing Teoria e Prática Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. Lean Manufacturing.- Teoria e Prática. 2/28 Sumário 1Introdução...3 2As bases do Lean...5 3Lean e

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Neury Boaretto (CEFET-PR) neury@pb.cefetpr.br João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais