ISBN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.institutomemoria.com.br ISBN: 978 85 66201 76 5"

Transcrição

1 Todos os direitos reservados Instituto Memória Editora & Projetos Culturais Av. Cândido de Abreu, 776 Conj. 803 CEP Curitiba/PR. Central de atendimento: (41) Editor: Anthony Leahy TEIXEIRA. A.V. ISBN: Administração, Direito e Tecnologia a serviço da Cidadania. Coordenadores: Alex Volnei Teixeira e Dalton Borba. Organizadores: Maurício Dalri Timm do Valle e Alisson Marcelo Laurindo. Autores: Alisson Marcelo Laurindo et al. Instituto Memória Centro de Estudos da Contemporaneidade. Curitiba p. 1.Direito 2.Administração 3. Tecnologia I. Título CDD

2 247 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA GESTÃO DA INFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL: TRANSFORMAÇÕES NA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMO FATORES DECISIVOS MIGUEL ANGEL TOBIAS MARTINEZ 107 EDELVINO RAZZOLINI FILHO 108 MARIA DO CARMO DUARTE FREITAS 109 NARA MEDIANEIRA STEFANO Introdução A sociedade passa por mudanças contínuas ao longo do tempo. A sociedade industrial pós-guerra evoluiu, transformandose em uma sociedade de serviços e, ultimamente a chamada sociedade da informação. O controle da informação é essencial para as organizações, que constantemente capturam e a posicionam para que mais tarde possam facilmente utilizá-la. Esta é uma questão presente no contexto estratégico vigente, onde as organizações se encontram inseridas (DEPARIS et al., 2014). Controlar suas próprias informações é um salto para a inovação e permite que as organizações criem e mantenham vantagem competitiva. 107 Engenheiro. Universidade Federal do Paraná (UFPR). Contato: 108 Professor. Doutor. Universidade Federal do Paraná (UFPR). Contato: 109 Professor. Doutor. Universidade Federal do Paraná (UFPR). Contato: 110 Doutor. Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Contato: Na percepção de Figueroa (1998), a intensidade da competência global tem criado um ambiente volátil nos negócios, pois as empresas têm que se preocupar em manter-se competitivas o mercado e isso implica, entre tantos aspectos em otimizar o

3 248 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA tempo de resposta no desenvolvimento de novos produtos e ordens de entrega ao cliente; satisfazer os seus clientes; oferecer produtos e serviços personalizados; reduzir os custos; e oferecer produtos íntegros e processos de pagamento simplificado a clientes multinacionais. Com estas perspectivas sobre o ambiente de negócios e, para cumprir com as demandas anteriores, os sistemas de planejamento e gestão precisam se adequar as necessidades da organização. Neste contexto insere-se a tomada de decisões, que tem como base a consulta às informações sobre a economia, mercado, comportamento, tendências, entre outros fatores para mudança ou adaptação da organização no mercado a qual está inserida. Nesta perspectiva a organização é vista como um Sistema vivo. Assim, utilizando a definição de Cassaro (2003) sobre Sistema tem-se: que ele é um conjunto de partes e componentes, logicamente estruturados, com a finalidade de atender a um determinado objetivo. Dessa forma, no campo organizacional pode-se dizer que Sistema é um grupo de funções estruturadas logicamente, para atender a determinados objetivos. Uma empresa é um grande sistema, e o que a movimenta é um conjunto de informações produzidas pelos seus sistemas de informações com o único objetivo de chegar ao planejamento e ao controle de suas operações. Sabe-se que no contexto empresarial as informações são valiosos ativos intangíveis (KRISTANDL; BONTIS, 2007; CHAREONSUK; CHANSA-NGAVEJ, 2010; ARRIGHETTI; LANDINI; LASAGNI, 2014) que atuam como um diferencial na busca por novas perspectivas. Antes da era do conhecimento, o mundo dos negócios geria os bens tangíveis com as práticas contábeis tradicionais. No entanto, a gestão dos intangíveis passou por modificações. O foco em ativos tangíveis no período industrial se deslocou para o ativo intangível na era do conhecimento. Tornando o conhecimento o fator chave no sucesso da competitividade das organizações.

4 249 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA As informações a nível organizacional tem-se tornado de valor substancial na era do conhecimento, ou seja, sua utilização é essencial para a sobrevivência e manutenção da rotina de uma empresa (SEZÕES; OLIVEIRA; BAPTISTA, 2006). Com estas perspectivas, a pesquisa faz uma análise bibliográfica sobre a evolução das principais mudanças ocorridas nas técnicas, estratégias, ferramentas e atividades que possibilitam a tomada de decisão, na ótica da gestão da informação. Ou seja, em relação à forma como a tomada de decisão é auxiliada pela tecnologia. Justifica-se esse estudo pelo fato de alertar as organizações a tornarem-se organização mais dinâmica e atuante em relação as suas concorrentes. Na medida em que os sistemas de informação estão sendo desenvolvidos e aprimorados continuamente, e os colaboradores em todos os níveis da organização estejam devidamente qualificados, capacitados a usar as informações fornecidas pelo sistema para as suas tomadas de decisões. A metodologia utilizada para o desenvolvimento do trabalho possuiu um caráter bibliográfico (MATTAR, 2007), sendo uma pesquisa exploratória que visa prover o pesquisador de um conhecimento mais aprofundado a respeito do tema ou o problema de pesquisa. Os métodos de coleta de dados utilizados foram levantados em fontes secundárias, tais como: livros, revistas, Internet, artigos científicos. Foram utilizadas as bases do Portal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para fazer as buscas da pesquisa. Desta forma, a revisão bibliográfica tem a finalidade de um melhor esclarecimento de conceitos e reunir por meio do material existente, as informações disponíveis sobre o tema. O presente trabalho encontra-se organizado da seguinte forma: além desta introdução, o artigo apresenta: (ii) panorama histórico mundial da utilização da informação; (iii) gestão da informação nas organizações; (iv) tomada de decisão nas organizações; (v) ferramentas para a tomada de decisão; (vi) tecnologia na tomada de decisão; (vii) técnicas para a tomada de decisão; (viii) fatores determinantes para gestão da informação; (ix) discussões e conclusões e, por fim as referências utilizadas.

5 250 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA 2. PANORAMA HISTÓRICO MUNDIAL DA UTILIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO Ao fazer a resenha histórica sobre este tema, é necessário atentar-se às evoluções do conceito de estratégia pelo viés do uso da informação. Desta forma, a informação privilegiada é sinônimo de vantagem competitiva (ARZING; GIROUD, 2014) sobre os concorrentes e determinante para a sobrevivência e o sucesso de qualquer atividade. Retornando à análise da história do homem nos primórdios, a humanidade tem desenvolvido e utilizado ações relacionadas à gestão da informação (ALMEIDA, 2012). Para sobreviver, o homem precisou conviver coletivamente e aplicar melhor seus esforços e habilidades, almejando conseguir melhores resultados. Reinos antigos foram levantados e, embora ainda não sejam reconhecidos como apoiados por métodos científicos, surgiram diversos empreendimentos em todo o mundo. A informação implícita já era usada pelos povos antigos como, por exemplo: os Persas, Egípcios, Fenícios e outros Orientais, que ao seu modo já utilizavam a informação, para: posicionamento dos astros, comportamento das marés, temporadas de chuva e seca, e precisavam saber tudo isso com o objetivo, de facilitar a tomada de decisões: a data certa de cultivo, planejar períodos de pesca, entre outras atividades (SEZÕES; OLIVEIRA; BAPTISTA, 2006). Neste âmbito existem também as primeiras linhas escritas sobre estratégia por Sun Tzu no livro A Arte da Guerra que iniciaram há 2500 anos, seguidas por Maquiavel no séculos XV-XVI com livros como o Príncipe até chegar a Clausewitz no Século XIX (SEZÕES; OLIVEIRA; BAPTISTA, 2006). O ser humano, para sobreviver, precisou conviver em grupo e criar formas de aplicar melhor seus esforços, diminuindo esforços físicos e aumentando os resultados. Impérios foram construídos seguindo alguma abordagem e, embora não reconhecida como método científico ocidental, surgiram empreendimentos em todo o mundo. O Quadro 1 exemplifica as ações tomadas por exércitos, países e organizações, ao longo da história que evidenciam serem as

6 251 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA teorias e técnicas (MAXIMIANO, 2004) usadas nesse Século para a gestão das organizações oriundas de práticas do passado. Quadro 1 Atividades podendo ser consideradas como tomada de decisões na historia Época Local/evento Ações relacionadas à gestão da informação Desde 4000 a.c. Desde 3500 a.c. Século V a.c. Oriente Organizações militares Grécia Projetos de engenharia; Construção de cidades; Edificação de pirâmides; Projetos de irrigação. Exército assírio; Exército romano; Sun Tzu; Organização, disciplina, hierarquia, logística, planejamento de longo prazo, formação de recursos humanos. Administração democrática de cidades e estados; Ética: a responsabilidade dos políticos era promover a Felicidade dos cidadãos (Platão); Qualidade como sinônimo de melhor e mais alto desempenho; Método científico (busca de conhecimento por meio da investigação sistemática e da reflexão abstrata).

7 252 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Entre o Século VII a.c. e IV d.c. Roma Administração do império multinacional; Administração de projetos de engenharia e construção; Planejamento e controle das finanças públicas; Exército profissional. Século XVI Renascimento Grandes empresas de comércio; Invenção da contabilidade; Retomada dos valores humanistas; Maquiavel (O Príncipe). Século XVIII Revolução Industrial Máquina a Vapor Conceito de fábrica; Surgimento dos sindicatos; Primórdio dos Estudos da administração enquanto disciplina. Fonte: Adaptado de Maximiano (2004) As evidencias das práticas do uso da informação para tomada de decisões em eventos ou etapas importantes da história citadas, agora recebem complemento da resenha histórica relacionada com a tomada de decisões. Chiavenato (2000) relacionou como três as Eras da Administração no século XX (Quadro 2).

8 253 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Quadro 2 As três eras da administração no Século XX Era clássica Início da industrialização; Estabilidade; Pouca mudança; Previsibilidade; Regularidade e certeza. Administração científica; Teoria Clássica; Relações humanas; Teoria da burocracia. Era Neoclássica Era da informação a partir dos anos 1980 Desenvolvimento industrial; Aumento da mudança; Fim da previsibilidade; Necessidade de inovação. Tecnologia de informação (TI); Globalização; Ênfase nos serviços; Aceleração da mudança; Imprevisibilidade; Instabilidade e incerteza. Teoria neoclássica; Teoria estruturalista; Teoria comportamental; Teoria de sistemas; Teoria da contingência. Ênfase na: Produtividade; Qualidade; Competitividade; Cliente; Globalização. Fonte: Chiavenato (p. 430, 2000) O Quadro 2 ressalta a necessidade que se tem ao longo do tempo de obter informação de qualidade para ser transformada, posteriormente, em conhecimento e em determinadas situações em uma escolha para decisão. E também, é imprescindível demonstrar

9 254 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA como as mais recentes estratégias usadas na tomada de decisões são auxiliadas pela tecnologia. Neste contexto, considera-se a tecnologia como a aplicação prática do conhecimento (CUBEREK et al., 2013), seja ele científico ou outro conhecimento organizado incluindo qualquer ferramenta, técnica, produto, processo, método, organização ou sistema em tarefas práticas. A necessidade de informações para assistência na tomada de decisão demonstra-se antiga. Porém, com o surgimento da tecnologia possibilitou-se auxílio ou melhoria deste processo Também é importante destacar que o gerenciamento de qualquer processo deve ser alimentado de informações úteis, bem administradas, possibilitadas de encontrar tendências, estudar possibilidades, facilitando assim a decisão a ser tomada. 3. GESTÃO DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Para discorrer sobre a Gestão da informação nas organizações podemos fazer um resgate de Silva (2007) onde evidencia-se que pessoas e organizações, sejam públicas ou privadas, dependem da informação e de seus processos decisórios, mas para ser usada eficazmente é fundamental que a informação seja gerenciada para a sustentabilidade e competitividade organizacional. Este processo de Gestão de Informação deve gerir os recursos de informação organizacionais tanto internos como externos. A vida da Gestão da informação inicia a partir da década de 1980 traz uma crescente importância na vida das organizações; que termina por colocá-la no mesmo lugar dos demais processos dentro de uma organização, e assim passou a ser uma atividade essencial, como qualquer outro tipo de trabalho desenvolvido. A Gestão de informação atua numa organização identificando o fluxo de informação que é peculiar para cada uma delas. A gestão de informação é responsável de mapear este fluxo, identificando pessoas, tecnologia usada, fontes de informação, produtos e serviços, compondo esse conjunto de atividades à maneira como a informação e o conhecimento é obtido, distribuído e utilizado. Todas as etapas e atores no fluxo de informação precisam ser identificados a fim de

10 255 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA detectar as influencias sobres os processos decisórios ou problemas que possam surgir. A informação tornou-se um recurso estratégico das organizações e, para tanto é necessário que o conhecimento seja gerenciado (MARTIN-RIOS, 2014). O conhecimento (ALAVI; LEIDNER, 2001) é a informação possuída na mente de um indivíduo. É informação personalizada ou subjetiva relacionada a fatos, procedimentos, conceitos, interpretações, ideias, observações e julgamentos (que pode ou não ser único, útil, preciso, ou estruturado). Informações tornam-se conhecimento, quando são processadas na mente de um indivíduo. Este conhecimento torna-se então, informações de novo uma vez que é articulado ou comunicado aos outros na forma de textos, fala, ou outros meios. Apresenta-se no Quadro 3 uma breve classificação, proposta por Alter (1992), dos sistemas de informação para melhor entender a gestão da informação nas organizações. Quadro 3 Classificação dos sistemas de informação Nome do Sistema Descrição Transacionais e Automação de Escritórios São os de nível mais baixo num sistema organizacional e trata-se de uma grande quantidade de informações processadas diariamente, tais como ordens de compra, pedidos, contabilidade ou contas pendentes. Este tipo de atividade que geram ou modificam os dados armazenados são chamadas transações. Informações Gerenciais São os que aumentam os dados dos sistemas do nível anterior com o objetivo de ter uma visão da situação da organização como pode ser as vendas no mês ou no ano. Reforçam os objetivos da organização ao fazer uma comparação do desempenho com as metas estabelecidas.

11 256 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Sistemas de Suporte à Decisão Ajudam aos tomadores de decisões por médio de modelos e ferramentas para analisar informações Sistemas de Informação a Executivos São os que viabilizam as informações sobre a organização de forma interativa e rápida ao mesmo tempo podendo ser exibidas em diferentes formatos Sistemas Especialistas Fazem que o conhecimento e informações de especialistas fiquem disponíveis para outros participantes da organização Sistemas não Estruturados São sistemas de utilidade temporária, mas de muita importância já podem ser usados para alguma atividade na organização de alta administração como, por exemplo, o lançamento de um novo produto ou empreendimento. Fonte: Adaptado de Alter (1992) Portanto, a gestão da informação se adere não somente aos processos de organização da informação, mas também às necessidades de informação. Ela centra-se nos fluxos e ações referentes à informação (e não exclusivamente nos sistemas de informação). 4. TOMADA DE DECISÃO NAS ORGANIZAÇÕES Na concepção de Morgan (1996) organizações são, em larga escala, sistemas de tomada de decisões o que mostra a importância como um processo para o funcionamento contínuo da organização. Desta forma o mesmo conceito é sustentado com as palavras de Simon (1965) onde é destacado que as atividades nas organizações são, essencialmente, atividades de tomada de decisão e resolução de problemas. Pois, como argumenta Emmerich (1962, p, 161) decisões são tomadas a todo instante nas organizações. Em outras palavras, constituem o conteúdo do trabalho dos administradores ou que tem a responsabilidade de dirigir uma organização.

12 257 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Choo (2006) concorda que o conhecimento ou informações necessárias para a tomada de decisões estão disseminadas por toda a organização em diversas formas. E que o conhecimento de uma organização é resultado da especialização e da experiência dos membros da mesma e de clientes, fornecedores e parceiros. Nessa perspectiva Choo (2006) também aponta que se os processos de tomada de decisão, das organizações, fossem embasados na informação como instrumento para subsidiar as decisões, o nível de competitividade delas poderia ser maior, Quadro 4. Quadro 4 Informação necessária para tomada de decisões Informações de ambientes internos da organização, pontos: Pontos Fracos Pontos Fortes Informações necessárias para a tomada de decisão numa organização Informações de ambientes externos à Organização (os concorrentes) pontos Pontos Fracos Pontos Fortes Conhecimento do terreno (mercado envolvente). Fonte: Adaptado de Sezões, Oliveira e Baptista (2006) O Quadro 4 mostra, partindo-se do conceito de tomada de decisão por meio da gestão de informação efetiva na organização, que é preciso conhecer de forma mais exata possível os pontos fracos e fortes internos. Assim como, os possíveis concorrentes e as especificidades do ambiente onde essa está inserida. Para que uma organização tenha sucesso tem que ter as informações necessárias sobre a área na qual está inserida, assim também como conhecer aos seus concorrentes com isto terá a capacidade suficiente para melhorar processos internos: pontos fracos internos.

13 258 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Com o anteriormente exposto pode-se dizer que o processo de tomada de decisões longe de ser deliberado, é condicionado por certos fatores que limitam nossa capacidade de decisão em qualquer área em que se esteja envolvido: O contexto o situação, informação disponível para a tomada da decisão e a perspectiva pessoal (objetividade). 5. FERRAMENTAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Em termos genéricos, a tomada de uma decisão não é simples ou trivial, consiste em ato que é realizado, praticamente, diariamente. Em sua maioria, trata-se de decisões de curto prazo ou impacto, mas também existem aquelas que têm implicações marcantes no futuro (CAÑABETE, 1997). Deve-se buscar aquela decisão que permite a perspectiva de maior benefício, a melhor opção das possíveis, mas para isso, é preciso que se faça um processo de avaliação de opções. Este processo, ao contrário da liberdade, está condicionado uma a série de fatores que limitam a capacidade de decisão: o contexto (cenário ou ambiente); a informação disponível para a tomada de decisão (certeza ou incerteza) e a perspectiva individual (forma de entendimento ou grau de comprometimento com a situação) (CAÑABETE, 1997). A partir das cinco etapas do processo decisório propostas por Simon (1965), Cañabete (1997) propõe dois passos importantes que podem aprimorar o processo de tomada de decisão, conforme segue: Primeiro passo: para a tomada de decisão é importante inicialmente para identificar: Qual é o requerimento ou necessidade que gera a tomada de decisão? Que alternativas possíveis podem ser consideradas? e que possíveis cenários podem ter o lugar? O segundo passo: consta da aplicação de alguma técnica de análise que facilite o processo de decisão, diante desta pesquisa serão descritas algumas delas, além de outras ferramentas assistidas por computador que são mais recentes e de maior alance.

14 259 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA 6. TECNOLOGIA NA TOMADA DE DECISÃO O processo de tomada de decisões por meio da tecnologia iniciou com a aparição dos computadores (os enormes e muito lembrados mainframes na década de 1960), quando se iniciaram as primeiras ferramentas no nível de automatização onde os computadores forneciam reportes simples iniciando assim a era do software gestor de informação nas organizações. Ainda que existam as técnicas para a tomada de decisão, contudo, o objetivo deste trabalho é apresentar a evolução das ferramentas auxiliadas, desenvolvidas e sustentadas por meio da ciência e tecnologia como foi o surgimento das Enterprise Resource Planning (ERP) nos anos 1970 (HWANG, 2014), e conforme as necessidades e exigências foram aumentando também a complexidade destas ferramentas, como segue na Figura 1 onde se descreve o surgimento de outras como o Customer Relationship Management (CRM) (KHODAKARAMI; CHAN, 2014), Supply Chain Management ( SCM) (LOTFI et al., 2013), Data Warehouses (HUANG; DUY; FANG, 2014) e Internet (HANAFIZADEH; KEATING; KHEDMATGOZAR, 2014). Figura 1 Evolução dos sistemas para tomada de decisões MRP MRP JIT/ KANBAN ERP MES Fonte: Autores Para Orlicky (1975) os Sistemas de Controle e Planejamento de Manufatura (MRP), existiram desde os primórdios da revolução industrial para mecanizar as tarefas e melhorar a confiabilidade e planejamento da manufatura, mas esses sistemas se automatizaram com a introdução dos mainframes no final dos anos 1950 e início dos anos Os MRP apresentavam uma clara vantagem, visto que ofereciam uma procura maior, com foco de demanda para o DRP e-commerce Business Intelligence e-scm

15 260 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA planejamento e ordem da manufatura de produtos e de inventário. Introduziram ainda as ferramentas de reportes de produção básicos por meio do computador, os mesmos eram utilizados para a avaliação de uma agenda de pedido de materiais conforme se verifica no exemplo da Figura 2. Figura 2 Exemplo de um relatório feito por uma MPR Fonte: Neves (2008) Meados da década de 1970, os Sistemas nomeados de Manufacturing Resource Planning (MRP II), gradualmente começaram a substituir os sistemas MRP. Estes eram desenvolvidos no mesmo contexto que os MRP. No entanto, crescia e agregava a capacidade de planejamento dos requerimentos, resultando na possibilidade de fazer, pela primeira vez, o cálculo de todos os materiais e a capacidade de produção. Os sistemas MRP II requeriam um alto grau de intervenção humana. E isto se tornou um problema com o desenvolvimento do

16 261 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA mercado e das organizações cada vez maiores. A primeira solução para este problema veio no começo dos anos 90 com os Manufacturing Execution Systems (MES), que representaram um desenvolvimento crítico na interface dos MRP II das empresas. Rondeau e Lewis (2001) expõe que a contribuição mais importante dos sistemas MES é a unificação dos processos de manufatura com um sistema de valor de entrega com foco nos requerimentos e demanda dos clientes. Bem como da flexibilidade, do trabalho em tempo real, da realimentação e do controle de um vasto elenco de processos relacionados com a manufatura, seguindo assim para uma melhor resposta aos requerimentos do mercado. Para Reary (2000) as empresas a nível global estão cada vez mais cedo atentas as necessidade de se tornarem flexíveis ao desenvolverem recursos com ênfase na extração da informação tida como de valor, para que possam alinhar as demandas da empresa à satisfação de sua clientela. Embora a introdução dos sistemas MES tenha melhorado o grau de integração vertical com as funções de produção, os Sistemas ERP geraram um melhor grau horizontal das empresas naquele momento. Os sistemas ERP habilitaram às empresas para a melhoria contínua dos processos em cadeia com o provedor, por meio da administração flexível com o cliente. De acordo com Mabert, Soni e Venkataramanan (2003) o sucesso da implementação de um Sistema ERP permite a identificação e implantação de um conjunto das melhores práticas, procedimentos e ferramentas feitas para realizar com excelência os processos na organização por intermédio da integração funcional. Na mesma década surgiu o Distribution Requirement Planning (DRP), um módulo incorporado dos ERP (Figura 3), fazendo a expansão da empresa à um mercado externo, permitindo a demanda de diversos centros de distribuição. Figura 3 Exemplo de um reporte ERP

17 262 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Fonte: Na década dos anos 1980, os modelos MRP II disputaram território em empresas que apresentavam sistemas japoneses JIT/Kanban (Just-in-time), com a posição de vanguarda na gestão de materiais e de produção. Quando comparados ao JIT parece definir-se o MRP como um sistema de produção empurrada ( push system ) uma vez que as instruções de produção são dadas e os JIT são classificados como sistemas de produção puxada ( pull system ) onde as novas ordens de produção são condicionadas ao volume existente de estoques. Vollmann (1997) discute os princípios básicos dos modelos MRPII e JIT e mostra que, menos que conflitantes, os modelos podem ser usados de forma complementar. Segundo Kenworthy (1997), mesmo no Japão, o berço do paradigma Just in Time, observou-se empresas implantando sistemas do tipo MRP II. Já o e-commerce e e-business envolvem todo empreendimento em que as atividades ocorrem em algum meio eletrônico entre os participantes, ou seja, todo o conjunto de transações organizacionais suportadas pela Internet (B2B Business to Business e B2C Business to Costumers) (FRONTINI, 1999; ZUO et al, 2013; ROSACI; SARNÈ, 2014).

18 263 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Os sistemas de e-commerce podem ser um conceito que engloba um vasto conjunto de aplicações de apoio à tomada de decisão que possibilitam um acesso rápido, partilhado e interativo das informações, bem com a sua análise e manipulação; por meio destas ferramentas, os utilizadores podem descobrir relações e tendências e transformar grandes quantidades de informação em conhecimento útil (RAZZOLINI FILHO, 2013). Desta forma destaca-se o termo Business Intelligence que surgiu apenas na década de 1980, pela empresa Gartner Group (PRIMAK, 2008) como o processo inteligente de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoração de dados contidos em Data Warehouse e/ou Data Mart, gerando informações para o suporte à tomada de decisões no ambiente de negócios, ganhando impulso no desenvolvimento de soluções a partir da segunda metade dos anos 1990 e ao longo dos anos Na ótica de Angeloni e Reis (2006) Business Intelligence é um guarda-chuva conceitual, que se destina à captura de dados, informações e conhecimentos que possibilitam às empresas competirem com maior eficiência em uma abordagem evolutiva de modelagem de dados. Sendo capazes de promover a estruturação de informações em depósitos retrospectivos e históricos, permitindo sua modelagem por ferramentas analíticas. O seu conceito é abrangente e envolve todos os recursos necessários para o processamento e disponibilização da informação ao usuário. A partir do desenvolvimento dos primeiros sistemas de SCM (Supply Chain Management) ao longo dos anos 1990 e 2000, chega-se ao desenvolvimento dos primeiros sistemas de e- SCM (eletronic Supply Chain Management), que podem ser entendidos como: A administração sinérgica da cadeia de valor dos canais suprimentos em ambientes eletrônicos, suportada por arquitetura de tecnologia da informação e da comunicação, de todos os participantes da cadeia de valor, por meio da integração de seus processos de negócio, visando sempre agregar valor ao produto final em cada elo da cadeia, por meio de elevados níveis de serviço, gerando vantagens competitivas sustentáveis ao longo do tempo (RAZZOLINI FILHO, 2014, p. 62).

19 264 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Ou seja, a tendência evolutiva dos sistemas de apoio à tomada de decisão é de uma maior integração intra e interorganizacional, de forma de as decisões sejam tomadas sempre a partir de uma visão sistêmica. Portanto, nesta sessão teve-se a oportunidade de olhar as técnicas simples ou rudimentares para a tomada de decisões. Com exemplificação da ajuda da tecnologia para a tomada das decisões, facilitando ao gestor de uma organização a tomada de uma decisão desde que esteja com as informações certas no momento certo. 7. TÉCNICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO No entanto, além das ferramentas auxiliadas pela tecnologia pode-se mencionar outras técnicas existentes que podem-se considerar rudimentares ou simples por não precisar de ajuda da tecnologia a seguir serão mostradas algumas delas ANÁLISE SWOT Creditada a Albert Humphrey Pesquisador na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970; o termo SWOT (SOARES et al., 2008) é uma sigla oriunda do idioma inglês, e é um acrônimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats), como mostra a Figura 4. Figura 4 Esquema de um análise SWOT Fonte: Diniz (2012)

20 265 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA Essa ferramenta é utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente) para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa; considerada simples por verificar a posição estratégica da empresa no ambiente em questão ANALISE DAS CINCO FORÇAS Modelo desenvolvido por Michael Porter em 1979 e destina-se à análise do ambiente de competição entre empresas (Figura 5). Figura 5 Esquema de um análise das cinco forças Fonte: Porter (2007) As forças competitivas presentes no macroambiente afetam a capacidade para servir os seus clientes e obter lucros; uma mudança em qualquer uma das forças normalmente requer uma nova pesquisa (análise) para reavaliar o mercado MATRIZ KEPNER-TREGOE Desenvolvida por Charles H. Kepner e Benjamin Tregoe nos anos 1960; o método é uma série de técnicas (Figura 6) estruturadas

21 266 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA para obter, priorizar e avaliar a informação (KEPNER & TREGOE, 2001). Figura 6 Exemplo de uma Matriz Kepner-Tregoe Fonte: Ferreira (2012) Conhecido como matriz Kepner ou matriz perfil competitivo ou matriz GUT; no contexto de gestão empresarial foca na valoração e priorização de riscos ÁRVORES DE DECISÃO Ferramentas (Figura 7) que podem ser utilizadas para dar ao agente a capacidade de aprender, agir e prever futuras tomadas de decisões. Figura 7 Exemplo de uma árvore de decisão Fonte: Pozzer (2006)

22 267 ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E TECNOLOGIA A SERVIÇO DA CIDADANIA O aprendizado (GETULIO, 2012) é indutivo e ocorre por observa das interações com o mundo e seu processo interno de tomada de decisões; usa um conjunto de regras SE- ENTÃO (ifthen); toma como entrada uma situação descrita por um conjunto de atributos e retorna uma decisão DIAGRAMA DE PARETO É uma das sete ferramentas da qualidade, o princípio de Pareto (Figura 8) é evitar que problemas sem importância sejam colocados diante de outros mais graves; é um gráfico de barras que ordena as frequências das ocorrências, da maior para a menor, permitindo a priorização dos problemas; visualização e identificação das causas ou problemas mais importantes, possibilitando a concentração de esforços sobre os mesmos (NANCY, 2004). Figura 8 Exemplo de um diagrama de Pareto Fonte: METACOMET (2007) Outras técnicas simples de ajuda na tomada de decisões podem ser as seguintes: Análises de risco e impacto, análise da Indústria, árvores de decisão, grid analysis ou análises da grade e Análise Custo-Benefício.

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT.

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT. 1 A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS THE IMPORTANCE OF INFORMATION SYSTEMS IN COMPANY MANAGEMENT MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 INTRODUÇÃO 5 ÍNDICE PREFÁCIO Carlos Zorrinho 11 PREFÁCIO Jorge Rocha de Matos 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 CAPÍTULO

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Administração de Sistemas de Informação

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Administração de Sistemas de Informação Faculdades Pitágoras de Uberlândia Redes de Computadores Disciplina: Administração de Sistemas de Informação Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010

Leia mais

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente FASES DA EVOLUÇÃO DOS SI E DO CONCEITO DE INFORMAÇÃO Período Conceito de informação 1950-1960 Mal necessário,necessidade burocrática. 1960-1970

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Carlos Augusto Angrisano (USP) carlos.angrisano@poli.usp.br Fernando José Barbin Laurindo (USP) fjblau@usp.br Resumo

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Relacionamento: Tônica da Gestão Os conceitos de Planejamento Estratégico, Gestão em Sistemas e Tecnologias de Informação e os respectivos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO INTERNACIONAL ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Carga horária semanal Etapa 4 5 OBJETIVO Realizar escolhas sobre a adoção de tecnologias e sistema

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13)

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais