Implementação da Estratégia. Controlo e Garantia da Qualidade. Ioanna Garefi, Andy Syrianoy (ATLANTIS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação da Estratégia. Controlo e Garantia da Qualidade. Ioanna Garefi, Andy Syrianoy (ATLANTIS)"

Transcrição

1 Título do projecto Module V Unidade 10 Autores Material de treinamento online Estratégia de Desenvolvimento da Formação nas Pequenas Empresas Implementação da Estratégia Controlo e Garantia da Qualidade Ioanna Garefi, Andy Syrianoy (ATLANTIS) Este projecto foi co-financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita.

2 Tabela de Conteúdos Módulo V. Implementação da Estratégia Unidade 10: Controlo e Garantia da Qualidade Entrada...4 Palavras-chave...4 Objectivos de Aprendizagem...4 Tempo previsto...4 Introdução Planeamento dos Recursos da Empresa (PRE) O que é o PRE? Porquê usar o PRE? Onde posso encontrar informação sobre o software PRE? Como posso determinar se a minha empresa necessita do software PRE? Boa prática Intel Gestão da Qualidade Total O que é a Gestão da Qualidade Total? Porquê adoptar o TQM na sua empresa? Recursos da Gestão da Qualidade Total Como Aplicar a Filosofia da TQM na Minha Empresa? Boa Prática FedEx Seis Sigma O que é a Abordagem Seis Sigma? Porquê usar a abordagem Seis Sigma? Fontes de informação sobre os Seis Sigma Como podem as PMES tirar vantagens da abordagem Seis Sigma? Boa Prática Motorola Confiabilidade, Manutenção e Segurança O que significam estes termos? Porquê usar as nomas RAMS no controlo dos seus Sistemas? Onde pode encontar mais informação sobre RAMS? Como é possível adoptar os padrões RAMS? Estudo de Caso CENELEC Europeia, Normas Ferroviárias CENELEC Processo de Reengenharia do Negócio O que é o Processo de Reengenharia do Negócio? Como Implementar o Processo de Reengenharia do Negócio? Onde pode ser aplicado o Processo de Reengenharia dos Negócios? Como é aplicado o Processo de Reengenharia do Negócio ao nível das PMEs? Melhoria Contínua através de Ciclos da Monitorização, Avaliação e de Feedback O que é a Melhoria Contínua? Objectivos do CI?...16 Módulo V Unidade 10 2

3 Onde pode o CI ser aplicado na empresa? Como posso aplicar o CI na minha empresa? Boa Prática - Aplicação do Kaizen na Toyota...18 Sumário dos Principais Pontos...18 Livros /Artigos...19 Websites...20 Módulo V Unidade 10 3

4 Módulo V. Implementação da Estratégia Unidade 10:Controlo e Garantia da Qualidade Entrada Palavras-chave Controlo da qualidade, gestão da qualidade, planeamento da qualidade, satisfação do cliente, redução do desperdício, melhoria contínua, melhoria, planeamento dos recursos, fluxos de informação, gestão dos dados, Seis sigma, RAMS, processo de reengenharia do negócio Objectivos de Aprendizagem Este módulo apresenta os aspectos mais importantes relacionados com o Controlo da Qualidade (QC) e a Garantia da Qualidade (QA). Nesta unidade debatem-se algumas das mais importantes soluções práticas e conceitos tais como o planeamento dos recursos da empresa (Enterprise Resource Planning). Também se demonstra alguns dos métodos mais importante da Garantia da Qualidade que se adequam especificamente às PMES como gestão da qualidade total, Seis Sigma, Processo de Reengenharia do Negócio, etc.). Por último o módulo evidencia como os ciclos de avaliação, monitorização e de feedback podem ser utilizados para a melhoria contínua da sua empresa. Depois de terminar este módulo será capaz de compreeender os conceitos de QC e QA, através da apresentação de conceitos e técnicas selecionadas que irão revelar-se muito úteis para a sua empresa. Tempo previsto Introdução O tempo aproximado para percorrer o módulo é 45 minutos. O melhor caminho para construir credibilidade, para assegurar uma gestão efectiva e a coordenação da actividade da sua empresa, é implementar um plano de controlo de qualidade, que garantirá os padrões de qualidade dos produtos e dos serviços prestados aos clientes, através da garantia de qualidade. O termo controlo de qualidade abrange todas as atividades operacionais e ações que necessitem de ser acompanhadas a fim de controlar a qualidade dos produtos ou serviços prestados pela respectiva empresa. Isto implica que todas as actividades da empresa são constantemente supervisionadas por profissionais experientes e que tudo funciona corretamente (por exemplo, de acordo com o designado conjunto de actividades planificadas) Módulo V Unidade 10 4

5 O termo garantia da qualidade, é, em resumo, um passo à frente do controlo da qualidade dado que define o conjunto de acções que são seguidas para assegurar que o controlo da qualidade se realiza correctamente. A garantia da qualidade envolve testar sistematicamente as actividades da empresa e a prestação de informações periódicas bem como revisões a fim de fornecer a reflexão necessária sobre as operações da empresa. A garantia da qualidade também indica quais as actividades que necessitam de ser desenvolvidas e o que deve ser feito de forma a melhorar a qualidade dos produtos e serviços, com o objectivo de superar as expectativas do cliente. Antes de iniciar qualquer acção é essencial seleccionar que actividades e técnicas podem ser aplicadas em benefício da sua empresa e construir a sua estratégia nesse sentido. As secções seguintes fornecem informação relevante sobre os elementos mais importantes relacionados com o controlo de qualidade e a garantia de qualidade Planeamento dos Recursos da Empresa (PRE) O que é o PRE? O software para o planeamento dos recursos da empresa (ERP/ Enterprise Resource Planning software, em inglês) foi criado em 1990, como uma combinação do software MRP (Requisitos para o planeamento do Material Material Requirements PLanning) inicialmente desenvolvido pela IBM, tendo evoluiu para software MRP II (Planeamento dos Recursos de Produção Manufacturing Resource Planning) e software de contabilidade básica. O software evoluiu gradualmente ao longo dos anos e o termo PRE (ERP) abrange agora praticamente todo o software que gere os múltiplos aspectos da empresa 1. O PRE facilita o fluxo de informação entre diferentes funções dentro de uma empresa, uma vez que combina todos os processos de negócio e actividades de gestão da empresa. Ele fornece aos decisores uma visão global da empresa, dado que abrange todos os seus aspectos, as unidades e divisões, independentemente da sua localização geográfica e as delegações Porquê usar o PRE? A necessidade de usar o software PRE é detectada quando as empresas têm problemas no negócio relacionados com o fluxo de informação. A incapacidade de acesso imediato à informação pode afectar 1 Tom Bellinson, BPTrends (2009), The ERP software promise. 2 ERP Overview, January By Haim Mendelson, Graduate School of Business, Stanford University, Stanford, CA , Research assistance by Korhan Gurkan and Anne Korin is gratefully acknowledged. Módulo V Unidade 10 5

6 consideravelmente o processo de decisão e levar a decisões erradas de gestão. 3 O software PRE pode melhorar consideravelmente a forma como a sua empresa funciona, dado que: 1. Fornece uma visão abrangente da sua empresa e acesso a dados classificados (dados financeiros, stocks, informação sobre o pessoal, etc.), sempre que necessário e quando precisar; 2. Melhora a visibilidade das funções da sua empresa; 3. Pode conduzir à redução de custos; 4. O software pode incrementar grandemente a produtividade 5. Pode ajudar a melhorar a sua estratégia 6. Ajuda o pessoal a trabalhar de forma mais organizada. Tenha presente que a instalação do software PRE pode suportar os custos ocultos e isso pode levar algum tempo para ver se compensa. Algumas empresas podem necessitar de meses devido ao facto de que a adaptação, a conversão dos dados e o seu ajustamento é um processo demorado e o pessoal pode ter que ser formado para integrar o software nas actividades diárias. A adopção do PRE requer o compromisso de o testar e constantemente investir em recursos da empresa para o seu desenvolvimento Onde posso encontrar informação sobre o software PRE? 1. ERP Central (www.erpcentral.com): fornece uma visão sobre software disponível e as suas implicações. 2. SAP (www.sap.com): O líder em aplicações de gestão é uma empresa fundada em 1972, na Alemanha. Como líder de mercado, a pioneira SAP desenvolveu uma solução específica vertical, para 19 sectores industriais Como posso determinar se a minha empresa necessita do software PRE? O processo de selecção do software PRE certo, depende da complexidade e objectivos das aplicações seleccionadas. Se a empresa tendo vindo a demonstrar um rápido desenvolvimento, então é o exacto momento para se livrar dos procedimentos manuais e proceder a uma revisão dos seus sistemas. O software PRE só se aplica às grandes empresas? A resposta é não; o software PRE não é um benefício exclusivo das grandes empresas. 5 3 "Selling" restructuring to SMEs through ERP implementation, Igor Nazor Centar za strucne studije Sveucilišta u 4 ERP Overview, January By Haim Mendelson, Graduate School of Business, Stanford University, Stanford, CA , Research assistance by Korhan Gurkan and Anne Korin is gratefully acknowledged. Módulo V Unidade 10 6

7 Ultimamente as PMES são a escolha mais popular dos vendedores do PRE, devido às actuais tendências que levam a uma maior consciência da sua utilidade. No entanto é importante ter em mente que os sistemas PRE significam perda de flexibilidade e observância das regras. Como é conhecido, as PMEs operam em meios competitivos diferentes das grandes empresas, devido ao facto das PMEs poderem fazer as suas actividades de modo mais livre, sem se fixar em normas rigorosas o que praticamente significa que podem desenvolver o seu negócio de uma forma singular. 6 Portanto, disponha de algum tempo para identificar o que torna a sua empresa única, se os papéis do seu staff estão claramente definidos dentro do seu quadro operacional, como a padronização e o cumprimento das regras podem levar à perda da sua vantagem competitiva no mercado Boa prática Intel A Intel é uma empresa multinacional, exemplo de sucesso de implementação do software PRE. O software apoia mais de 10,000 utilizadores e o ambiente corre em aproximadamente 250 servidores. A Intel segue uma estratégia PRE descentralizada. As vendas e o marketing foram os primeiros departamentos a implementar o software de modo a apoiarem as próprias actividades. Rapidamente, outros departamentos da Intel seguiram uma abordagem semelhante e, hoje, a Intel implementou o PRE nas finanças, gestão dos materiais, gestão do armazém e outras funções Gestão da Qualidade Total O que é a Gestão da Qualidade Total? A Gestão da Qualidade Total (Total Quality Management/TQM) é um processo de melhoria contínua, que também pode ser caracterizado como uma filosofia de gestão. TQM implica fazer negócios, através da melhoria contínua da qualidade dos serviços de uma empresa. A principal ideia subjacente ao TQM é garantir a qualidade dos serviços e produtos através da aplicação de uma vasta gama de tarefas de gestão, tais como gestão dos recursos humanos, gestão de todo o processo comercial em vez de processos estatísticos. 8 5 Discussing ERP's intervention in small and Medium Enterprises <http://www.erpwire.com/erparticles/erp-for-small-business.htm> Viewed September ERP implementation and actual work practice in SMEs: a dialectic Perspective, Dimitris Nathanae,L Bill Papantoniou, Dimitris Papageorgiou. 7 White Paper <www.intel.com/it>, Viewed September Total Quality Management: A continuous improvement process 4 (1996), PHCC Educational Foundation. Módulo V Unidade 10 7

8 TQM baseia-se numa filosofia de redução de custos, enfatizando especificamente a redução de desperdício, ajudando os fornecedores a prover produtos e serviços de qualidade de modo a obter a máxima satisfação e vantagem competitivas no mercado Porquê adoptar o TQM na sua empresa? TQM pode proporcionar benefícios directos à sua organização: 1. Fornece uma visão directa da sua empresa e informações sobre o pessoal 2. É um meio efectivo de melhorar a comunicação 3. Pode conduzir a uma melhoria efectiva da produtividade e da eficiência 4. Pode ajudar a identificar as prioridades e as acções que necessitam de ser implementadas 5. Evidencia as fraquezas da sua empresa 6. Torna o seu pessoal mais activo através da observação das actividades diárias 7. Ajuda todos os colaboradores da sua empresa a adoptar uma abordagem de qualidade aplicada no desenvolvimento de todas as tarefas, independentemente da sua complexidade Recursos da Gestão da Qualidade Total 1. A EFQM: é uma fundação sem fins lucrativos que nos últimos 20 anos tem partilhado informações úteis sobre a implementação estratégica entre os seus sócios. (http://ww1.efqm.org) 2. EUN TQM: É uma rede europeia de Universidades para a gestão da qualidade total criada para dar aos estudantes e professores europeus a oportunidade de explorar princípios e metodologias subjacentes ao TQM. (http://mbatqm.unipi.gr//index.php?option=com_content&task=view&id=60 &Itemid=53) Como Aplicar a Filosofia da TQM na Minha Empresa? Antes de aplicar um sistema TQM na sua empresa é importante identificar aspectos básicos que devem ser seguidos. Uma vez estabelecidos os objectivos, logo desde o início deve ser adoptado o compromisso com a qualidade e o seu contínuo desenvolvimento. As etapas envolvem: a identificação das fases, o estabelecimento da responsabilidade no trabalho, identificação de um ponto de referência, o respectivo planeamento de acordo com cada projecto /ciclo e, finalmente, informar os funcionários sobre as suas responsabilidades Total Quality Management <http://www.school-for-champions.com/competition/tqm.htm> Viewed September Total Quality Management: A continuous improvement process 4, 1996 PHCC Educational Foundation. Módulo V Unidade 10 8

9 Seamus Mc Nulty identificou 10 pontos-chave para o TQM 11, que são apresentados no quadro seguinte: Os 10 passos do TQM 12 : 1. Siga Novo Pensamento Estratégico 2. Conheça os seus Clientes 3. Tome com Verdadeiros os Requisitos dos Clientes 4. Concentre-se na Prevenção e não na Correcção 5. Reduza o Desperdício Crónico 6. Prossiga uma Estratégia de Melhoria Contínua 7. Use uma Metodologia Estruturada no Desenvolvimento dos Processos 8. Use uma Abordagem Equilibrada 1. Aplique a todas as Funções da sua empresa Boa Prática FedEx FedEx serve como exemplo de sucesso na aplicação do TQM, o fornecimento de inputs de alto valor na hora certa, foi possível através de serviços prestados pela indústria express. Originalmente este serviço começou na FedEx, no meio da década de Seis Sigma O que é a Abordagem Seis Sigma? A abordagen Seis Sigma foi introduzida e desenvolvida pela Motorola no início dos anos 90 e mais tarde foi adoptada pela General Electric ed Allied Signal. Jack Welsh CEO da GE alega que o Seis Sigma foi a estratégia mais desafiadora e com maior potencial, desde sempre adoptada na General Electric. 14 Seis Sigma é um quadro de gestão global que evoluiu a partir do enfoque na melhoria dos processos através do uso das ferramentas estatísticas para um quadro efectivo e abrangente da gestão do negócio. Seis Sigma tem duas definições: (1) um conjunto de ferramentas para a melhoria dos processos e produtos e, (2) uma abordagem para a melhoria dos processos e do desempenho empresarial. Por outras palavras, é um meio 11 Total Quality Management Viewed September Total Quality Management Viewed September Global Impacts of FedEx in the New Economy Viewed September Quality & Productivity Journal, September 2000, The Six Sigma Approach. Hemant Urdhwareshe, General Manager, Supplier Quality Assurance, Cummins India Ltd. Módulo V Unidade 10 9

10 de desenvolver a liderança e provocar mudanças radicais nas competências de gestão. 15 De acordo com Daniel L. Quinn, Seis Sigma tornou-se sinónimo da melhoria de qualidade, de redução de custos, de melhoria da relação de lealdade com o cliente e da obtenção de resultados finais Porquê usar a abordagem Seis Sigma? A General Elecric, no seu relatório anual de contas de 2000, afirmou que: O Seis Sigma transformou o foco da empresa do interior para o exterior, mudou a nossa maneira de pensar, de formar os nosso futuros líderes e conduziu-nos a tornar-mo-nos uma organização verdadeiramente focalizada no cliente. 16 A adopção da abordagem Seis Sigma impulsiona grandes retornos para a empresa, pode servir como meio de formação dos líderes, uma vez que as posições de topo exigem que os gestores tenham um conhecimento global da filosofia Seis Sigma Fontes de informação sobre os Seis Sigma 1. Seis Sigma Europa: Recursos de Qualidade Seis Sigma para as empresas europeias. (http://www.isixsigma.com/) 2. ASQ s Lean e Conferência Six Sigma: a conferência dedicada ao debate sobre as últimas ferramentas, metodologias e soluções para desenvolver os negócios. (http://www.asq.org/conferences/six-sigma/index.html) 3. O Instituto Lean Seis Sigma em Paris (http://www.lean-six-sigma.pro) Como podem as PMES tirar vantagens da abordagem Seis Sigma? Uma empresa antes de iniciar a abordagem Seis Sigma deve ter em conta várias considerações. Existem relatos da sua grande utilidade para as grandes empresas, mas parece desencorajadora para as pequenas empresas tendo em conta que necessita de muita formação, tem elevados custos de investimento, esforço em tempo integral, rotinas de trabalho e implica usar estatísticas complicadas Rath & Strong's six sigma leadership handbook, AON Management consulting, p Rath & Strong's six sigma leadership handbook, p Special Issue of the International Journal of the Computer, the Internet and Management, Vol. 14 No.SP1, August, 2006, A Methodology to Support Six Sigma Implementation in SMEs as elearning, Runchana Sinthavalai (p. 23.1). Módulo V Unidade 10 10

11 Runchana Sinthavalai propõe um conjunto de soluções para a implementação do Seis Sigma nas PMEs, tais como evitar um sistema complicado pelo recurso a termos simples, a adopção de certas partes e ferramentas, adoptar uma abordagem de auto-formação em vez de fazer recurso a consultores externos. Sugere ainda que as actividades Seis Sigma sejam integradas como parte das actividades regulares da empresa Boa Prática Motorola A Motorola é pioneira na abordagem do Seis Sigma; tem um histórico impressionante de milhões de dólares economizados resultantes da utilização desta ferramenta na melhoria do negócio. A Motorola também oferece formação e certificação nos Estados Unidos e na Europa através da Universidade Motorola Confiabilidade, Manutenção e Segurança O que significam estes termos? O termo muitas vezes referido é RAMS (Reliability, Availability, Maintainability and Safety) remetem para as normas que qualquer sistema de Controlo da Qualidade deve ter. Este conjunto de requisitos garante que o sistema é capaz de desempenhar as suas funções sob quaisquer condições dadas, (confiabilidade), pode ser recuperado e voltar ao seu estado original, em caso de manutenção e será capaz de realizar as actividades exigidas, sem prejuízo no seu ciclo de vida (manutenção) sem qualquer risco (segurança). A disponibilidade (availability) é frequentemente omissa, pois é, uma simples função da Confiabilidade e da manutenção. 20 A análise RAMS pode ser aplicada para a revisão de qualquer sistema, independentemente da sua natureza. Os sectores da energia, medicina e comunicações têm sido identificados como tendo necessidade de análise RAMS. Estes sectores têm necessidade de verificação constante a fim de estarem actualizados nos processos de evolução e garantirem a prevenção de possíveis falhas e riscos dos sistemas. Por exemplo, no sector da energia é imperativo ter-se sistemas estáveis e confiáveis, dado que muitos outros sectores de actividade dependem daquele, sendo caracterizado por desenvolver actividades interdependentes que muitas vezes têm a ver com vidas humanas. Sempre que tais riscos estão presentes, a confiabilidade científica, manutenção e a segurança dos sistemas operacionais devem ser a regra e não a excepção. 19 (ibid p. 23.2). 20 Wikipedia Entry on Safety, Last Viewed September Módulo V Unidade 10 11

12 Os padrões da RAMS determinam claramente que a qualidade das tarefas e dos défices em qualquer um dos campos que representam (contabilidade, manutenção, disponibilidade e segurança) resultará em custos extras (que serão muito mais elevados do que o custo original do sistema de teste deste padrão). Esta é função onde muito boas capacidades de gestão são essenciais para minimizar possíveis custos extras Porquê usar as nomas RAMS no controlo dos seus Sistemas? As relações inter-sectoriais são cada vez mais avançadas e complexas. Por esta razão as normas RAMS, tornam-se uma necessidade dado que podem reduzir a quantidade de recursos necessários. Estas normas são as melhores paras as indústrias que envolvem bens/serviços mais avançados cientificamente, tais como transportes, indústrias do espaço, etc., em que as questões da segurança e precisão são de vital importância. Estas especificações fazem parte do controlo da qualidade total e são extremamente complicadas Onde pode encontar mais informação sobre RAMS? 1. O Grupo TÜV Rheinland sendo um dos principais fornecedores de serviços técnicos em todo o mundo, oferece serviços para consecução da Qualidade e Segurança. O RAMS faz parte dos serviços que oferecem, designadamente a análise RAMS, em sectores onde é essencial, nomeadamente o ferroviário. (http://www.tuv.com/de/en/rams.html) 2. O Simpósio anual de Confiabilidade e Manutenção é também, uma fonte de informação e uma forma de se manter em contacto com os últimos desenvolvimentos em RAMS. Os investigadores são convidados a apresentar e a partilhar os resultados das suas pesquisas teóricas e práticas, sejam histórias de sucesso, sejam aprendizagens feitas com a aplicação da confiabilidade e a manutenção(http://www.rams.org/) Como é possível adoptar os padrões RAMS? Se a sua empresa pertence a um dos sectores acima referidos, tais como comunicações e medicina e portanto envolve risco e necessita de segurança, então seria boa ideia investir uma parte do seu capital e adoptar as normas RAM, ou através da contratação de uma empresa que possa oferecer o serviço ou através da contratação de um perito Estudo de Caso CENELEC Europeia, Normas Ferroviárias CENELEC Um exemplo de sucesso na implementação das normas RAMS é o caso da CENELEC 22 (Comité Europeu de Normalização Electrotécnica) normas Ferroviárias. CENELEC integrou as normas RAMS, que têm sido aplicadas com sucesso em todos os novos projectos internacionais de 21 Wikipedia Entry on Total Quality Management, Last Viewed September Cenelec Railway Standards at TUV website, Last Viewed September Módulo V Unidade 10 12

13 tecnologia ferroviária. Essas normas não se aplicam só aos sistemas de transporte ferroviário pesado, mas também aos sistemas de transporte de electricidade e transportes colectivos urbanos Processo de Reengenharia do Negócio O que é o Processo de Reengenharia do Negócio? No início de 1900 Henri Fayol, o pai da teoria da gestão descobriu o conceito de engenharia: é conduzir a empresa para o atingimento dos objectivos procurando obter a melhor vantagem de todos os recursos disponíveis. De acordo com Hammer M. Champy: Reengenharia é o repensamento fundamental e o redesenho radical dos processos do negócio a fim de alcançar melhorias drásticas em áreas críticas de desempenho, como custos, qualidade, serviço e velocidade. 23 O que implica o processo de reengenharia do negócio para a sua empresa? O termo abarca todas as mudanças drásticas que podem ser aplicadas ao seu sistema de gestão, à estrutura, à gestão de pessoal e assim por adiante. Adequa-se a todas as mudanças que de alguma maneira podem afectar a condução dos seus negócios Como Implementar o Processo de Reengenharia do Negócio? Frederick Taylor em 1880s disse que a reengenharia devia ser feita de modo a tornar todos os seus processo os melhores do seu grupo.. 25 Se o objectivo desejado é fazer com que a empresa se destaque das outras concorrentes e sobreviver às constantes mudanças nos mercados, então o processo de reengenharia é a resposta. Quando implementado com sucesso pode conduzir à melhoria da qualidade dos seus produtos e ou serviços. Pode maximizar a satisfação do cliente e ainda ter um impacto muito positive nas suas finanças. O processo de reengenharia pode transformar uma organização problemática numa organização competitiva e garantir um bom lugar no mercado no seio dos seus concorrentes Hammer,M., Champy.J., (1993), Reengineering the Corporation: A Manifesto for Business Revolution., Harper Collins, London. 24 Successfully Performing BPR, By Michael Covert, Visible Systems Corporation, Copyright 1997, Visible Systems Corporation. Pp1. 25 Business Process Reengineering Analysis and Recommendations, Maureen Weicher, William W. Chu, Wan Ching Lin, Van Le, Dominic Yu, December, 1995., pg Business Process Reengineering Analysis and Recommendations, Maureen Weicher, William W. Chu, Wan Ching Lin, Van Le, Dominic Yu, December, 1995., pg. 4. Módulo V Unidade 10 13

14 Onde pode ser aplicado o Processo de Reengenharia dos Negócios? De acordo com os especialistas, a reengenharia deve incidir mais sobre os processos da organização e não sobre a organização enquanto tal. Depois de identificar e registar os processos que necessitam de mudanças, deve decidir quais é que necessitam de remodelação e hierarquizá-los segundo a sua função, nível de influência e de viabilidade. 27 O sucesso do processo de reengenharia requer suporte por parte da gestão, especialmente quando é identificada resistência. Nesta situação um gestor qualificado pode ajudar a conduzir o grupo para a mudança e a reforçar as acções que irão beneficiar a empresa que está a ser reorganizada. O gestor em questão deve possuir as competências adequadas para convencer o pessoal de que a mudança não só vai beneficiar a empresa onde trabalham, mas também a sua posição. Não importa quanto relutantes podem estar, o que é necessário é trabalhar com eles no sentido de atingir os objectivos da empresa Como é aplicado o Processo de Reengenharia do Negócio ao nível das PMEs? O processo de reengenharia é de vital importância, particularmente para as PMEs, especialmente na Europa, onde a melhoria contínua se está a transformar em regra. 29 Como as pessoas são o motor das PMEs (devido ao facto de que as funções diárias estarem muito dependentes do seu pessoal e das relações entre a gerência e os funcionário serem mais claras), muitas centram-se em operações organizacionais, como as operações PRE (ERP). A pequena escala operacional das PMEs não deve desencorajá-la a abraçar a mudança. Uma melhor organização e a adopção de novos processos podem ser benéficos para qualquer empresa independentemente do seu tamanho. Veja como os processos de reengenharia podem ajudar a sua empresa a longo prazo: 1. Melhoria do serviço ao cliente 2. Melhor distribuição de tarefas 3. Optimização do fluxo de trabalho 4. Eficiente uso dos recursos da empresa 5. Aumento do lucro 6. Redução de custos e desperdício 27 Business Process Reengineering: A Consolidated Methodology, Subramanian Muthu, Larry Whitman, and S. Hossein Cheraghi, Dept. of Industrial and Manufacturing Engineering Wichita State University Wichita, KS , USA, 1999, p Successfully Performing BPR, By Michael Covert, Visible Systems Corporation, Copyright 1997, Visible Systems Corporation. P2. 29 Achieving Business Process Improvement in SMEs Using Open Source Content Management Systems Nikolaos A. Panayiotou, Sotiris P. Gayιalis and Stavros T. Ponis, 2005, p. 1. Módulo V Unidade 10 14

15 No entanto, existe o risco de empresas de escala menor poderem ser confrontadas com obstáculos devido ao pequeno número de colaboradores e limitados recursos que são pré-requisitos para a adopção e implementação de mudanças radicais. No entanto, se tem uma estratégia centrada no sucesso a longo prazo, sobreviver no mercado em vez de lucro rápido, deve aplicar o processo de reengenharia. O sucesso da reestruturação organizacional das PMEs depende se o líder da empresa tem determinação para a implementar e se vai ser feita no momento adequado a fim de reduzir o risco de fracasso. Este processo é claramente da responsabilidade do gestor que terá de dirigir todas as etapas. 30 Portanto o sucesso depende, não só, da disponibilidade de recursos e competências, mas também da determinação da liderança e da capacidade existente para o conduzir Estudo de Caso Visibilidade da linha metodológica da engenharia da IBM A IBM desenvolveu uma estrutura para compreensão dos processos do negócio i.e. a metodologia para o processo de reengenharia, conhecida por Visibilidade da linha metodológica da engenharia da IBM. Neste sentido foi organizado um manual que apresenta todas as tecnologias da IBM e as técnicas de desenvolvimento da reengenharia, muito útil para a aplicação de processos de reengenharia. 31 Pode fazer o download do manual da IBM no seguinte site (http://www.redbooks.ibm.com/abstracts/sg html) 10.6 Melhoria Contínua através de Ciclos da Monitorização, Avaliação e de Feedback O que é a Melhoria Contínua? O Processo de Melhoria Contínua (também conhecido por CIP/Continuos Improvement Process ou CI/Continuos Improvement) é um processo de gestão das entregas ao cliente no sentido de constantemente as avaliar melhorar a sua eficiência e flexibilidade. 32 O termo por si só significa que o processo está em curso. O CI destina-se a uma gestão centrada no ser humano, portanto, o gestor da PME tem de ser capaz de identificar a necessidade de melhorar continuamente a competitividade da empresa, para assegurar o seu crescimento, o lucro e o seu lugar no mercado. 33 Na gestão de qualidade total, CI representa as actividades 30 Business Process Reengineering in small Companies, p Business Process Reengineering and Beyond, An IBM Redbooks publication, Wikipedia, Continuous Improvement, Viewed September ISO9000 based advanced quality approach, for continuous improvement of manufacturing processes, Deeb Salah Iung Benoît, p. 1. Módulo V Unidade 10 15

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004 AberdeenGroup O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo Agosto de 2004 Aberdeen Group, Inc. 260 Franklin Street Boston, Massachusetts 021103112 USA Telefone: 617 723 7890 Fax: 617 723 7897 www.aberdeen.com O

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Produção e Gestão da Cadeia de Valor Global

Produção e Gestão da Cadeia de Valor Global Produção e Gestão da Cadeia de Valor Global Os Discentes: Ângela Andrade Filomena Pacheco Maura Sousa Nelson Barroso Índice Caracterização da Cadeia de fornecimento e da Logística; Estratégias globais

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP The Fladgate Partnership Taylor s Port Sector Produção vinícola Produtos Vinho do Porto Web www.taylor.pt/pt Soluções e serviços SAP SAP Business Suite A Taylor

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima Material para os Discentes da Universidade da Madeira NP EN ISO 9000, 9001 e 9004 Elaborado em 2005 por Herlander Mata-Lima 1 NORMAS ISO 9000 As normas ISO 9000 servem de base para as organizações, independentemente

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

3. Como especificar as necessidades de inovação para um problema empresarial

3. Como especificar as necessidades de inovação para um problema empresarial 3. Como especificar as necessidades de inovação para um problema empresarial Palavras-Chave Análise sistémica, análise processual, fluxograma, processo de negócio, ciclo de processo, Método Black Box Objectivos

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Especial - Lean Seis Sigma Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Os líderes da implantação Lean Seis Sigma devem expandir suas ideias e adotar novas abordagens

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

Paulo Roberto Borges Ferreira. IMPLEMENTAÇÃO DE ERP s: Características e Estratégias de implementação

Paulo Roberto Borges Ferreira. IMPLEMENTAÇÃO DE ERP s: Características e Estratégias de implementação Paulo Roberto Borges Ferreira IMPLEMENTAÇÃO DE ERP s: Características e Estratégias de implementação Paracatu 2012 RESUMO Este trabalho visa atender uma demanda esquecida, e agora emergente, de empresas

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO FICHA TÉCNICA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Direcção do Projecto

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS www.svc.pt www.areaeconomica.net DEPARTAMENTOS E DIVISÕES Contabilidade e Fiscalidade [Accounting/Tax/Reporting] Oferecemos um serviço diferenciado no âmbito da execução

Leia mais