GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO"

Transcrição

1 ~_IIIIIIIIIIIIII/lIIIIIIIIIIIIIIIII" 111 GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Soluções integradas de sistemas corporativos atendem às necessidades de gestão dos processos de negócio? Banca examinadora Prof. Orientador. Prof.. Prof..

2 Dedico à minha esposa e meus filhos com a gratidão por toda paciência e apoio

3 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO MARCO ANTONIO LEITE DA CUNHA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Soluções integradas de sistemas corporativos atendem às necessidades de gestão dos processos de negócio? Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação, opção MBA, da EAESPIFGV Área de Concentração: Administração da Produção e Sistemas de Informação como requisito para obtenção de título de mestre em Administração. Orientador: Prof. Marcos Augusto de Vasconcellos SÃO PAULO 1998 (J) (J) "- r- (J) co FundClção Getulio Vargas Escola de Administração de Empresas de sao P'ftulo. Biblioteca

4 CUNHA, Marco A.L. da Gestão integrada de processos de negócio: soluções integradas de sistemas corporativos atendem às necessidades de gestão dos processos de negócio? São Paulo: EAESPIFGV, p. (Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação, opção MBA, da EAESPIFGV, Área de Concentração: Administração da Produção e Sistemas de Informação). Resumo: Trata das necessidades organizacionais de integração vertical, entre os níveis hierárquicos, entre decisões e ação, especialmente entre decisões estratégicas e operacionais nos processos de negócio. Discute a necessidade de coordenação e integração das ações na organização através de sistemas de informações corporativos. Palavras-Chaves: Processos - Negócio - Integração - Sistemas - Informação - Com etitividade - Decisão - Estraté ia - A ão - Or aniza ão - etc...

5 Índice 1. Introdução Necessidades de integração de processos de negócio A gestão integrada dos processos de negócio toma-se uma vantagem competitiva? Coordenação e integração das ações Competência central da organização Processo central de negócio da organização A integração dos processos de negócio Medições em um novo ambiente de negócios As novas tecnologias digitais contribuem para integração das redes corporativas de negócios? A tecnologia digital Da arquitetura centralizada de sistemas para a computação distribuída A desintermediação da organização ampliada A integração da cadeia de valores da organização A cadeia de suprimentos estendida As soluções integradas de sistemas de informações corporativos (Enterprise Resource Planning) atendem às necessidades das organizações?, Técnicas de administração de manufatura Competitividade nas operações de manufatura MRPII - manufacturing resource planning A técnica de cálculo MRP A técnica de administração de manufatura MRPII JIT - just in time OPT - optimized production technology Evolução da solução ERP Visão geral da solução ERP II

6 Abrangência das soluções integradas Análise das empresas segundo os critérios do Gartner 59 Group. 3. Pesquisa sobre a implantação de soluções corporativas de sistemas integrados (ERP) em empresas industriais Soluções ERP's pesquisadas Considerações sobre a pesquisa. 4. Conclusão final. 5. Apêndices Apêndice I: Pesquisa sobre implantação de soluções corporativas de sistemas integrados (ERP) em empresas industriais Pesquisa realizada na EATON Ltda - Div. de Transmissões Pesquisa realizada na Robert Bosch Ltda. 5:1.3. Pesquisa realizada na New Holland Latino Americana Pesquisa realizada na Singer do Brasil Ind. e Com. Ltda Pesquisa realizada nas Indústrias Gessy Lever Ltda Apêndice II: Módulos e componentes das soluções pesquisadas Referências bibliográficas III

7 Agradecimentos Esta dissertação é o resultado de uma reflexão sobre a minha experiência profissional na área de tecnologia de informações, na qual venho atuando há mais de 20 anos, e da minha formação acadêmica nas áreas de sistemas de informação e de administração de empresas. Sou muito grato a todos os profissionais com quem trabalhei e a todos os professores que contribuíram direta ou indiretamente na realização deste trabalho. Todas as falhas encontradas nesta dissertação são conseqüências da minha falta de habilidade na elaboração deste trabalho. Agradeço à Promon Tecnologia, particularmente nas pessoas de Carlos Eduardo Barretti e Luiz Gonzaga Marinho Brandão, a qual me permitiu dedicar os esforços necessários para a realização deste projeto. Sou muito grato aos profissionais das empresas entrevistadas, que atenciosamente dedicaram um tempo precioso atendendo às minhas solicitações desta pesquisa. Agradeço especialmente ao meu orientador, Professor Marcos Augusto de Vasconcellos, que, com toda sua sabedoria, serenidade e seu brilhantismo intelectual, mostrou-me os caminhos para realizar esta dissertação. A todos que me ajudaram, gostaria de expressar-lhes minha gratidão. IV

8 Figuras Cadeia de valor de Porter 26 Fluxo do processo de negócio 29 Cadeia de suprimentos estendida As cinco dimensões competitivas segundo Slack 33 Fatores de competitividade 35 Modelo de fases Equação da manufatura Lógica do MRP 41 Arquitetura básica do MRP Kanban 47 Medição de resultados do OPT 50 Evolução do ERP 52 Visão geral do ERP 54 Magic Quadrant 59 Modelo de avaliação do ERP 60 Funcionalidade das soluções analisadas Funcionalidade por tipo de processo Viabilidade das empresas 65 v

9 1. Introdução Esta dissertação visa a debater as necessidades organizacionais de integração vertical, entre os níveis hierárquicos, entre decisões e ação, especialmente entre decisões estratégicas e operacionais. Atuando cada vez mais em suas competências centrais, as organizações necessitam coordenar, monitorar e sincronizar não somente suas ações como também as de seus fornecedores e clientes. Neste conceito de cadeia de valores ampliada, discute-se a abrangência da gestão dos processos de negócio, que extrapola as fronteiras da organização convencional e integra fornecedores, clientes, parceiros e a comunidade, exigindo uma integração que pode ser viabilizada através de soluções integradas de sistemas corporativos apoiados em novas tecnologias de informação e de telecomunicação. As questões de foco na competência central e nos processos centrais de negócio são discutidas sob a perspectiva da cadeia estendida de suprimentos, considerando as necessidades de integração e coordenação das ações entre os agentes dos processos que atuam interna e externamente à empresa. Através de levantamentos de pesquisa, analisam-se as tendências de utilização de soluções integradas de sistemas de informações (Enterprise Resource Planning) para suportar os processos de negócios da nova organização ampliada e para agilizar o intercâmbio de informações entre os elementos organizacionais para sincronizar decisões e ações. Discute-se a gestão de processos de negócio considerando as evoluções tecnológicas da nova era digital e os paradigmas de competitividade das organizações industriais num mercado globalizado.

10 2. Necessidades de integração de processos de negócios. Nesta seção discutem-se as necessidades de integração de processos de negócio na cadeia de valores ampliada da organização. Aborda-se a questão das dimensões de competitividade e da gestão por processos na organização aberta. Analisa-se a tendência de utilização das soluções corporativas de sistemas integrados para monitorar e coordenar o fluxo de bens materiais e de informações A gestão integrada dos processos de negócio torna-se uma vantagem competitiva? Nesta subseção abordam-se conceitualmente as necessidades de integração entre decisão e ação nas organizações orientadas a processos de negócio. Discute-se o problema da coordenação das ações no ambiente interno e externo da empresa, numa abordagem de cadeia de valores ampliada com a participação de terceiros nos processos de negócio. Coloca-se a questão da competitividade na organização, focada em competências e processos centrais, e discute-se a abrangência da cadeia de suprimentos estendida Coordenação e integração das ações. A operacionalização das decisões estratégicas demanda um profundo conhecimento das capacidades e limitações organizacionais. Este conhecimento, que envolve questões complexas relativas à tecnologia, ao mercado, às capacidades gerenciais e operacionais, reside nas várias áreas de responsabilidade da organização. Quando consideramos a tendência atual, de urna nova organização aberta com sua cadeia de valores ampliada, cada vez mais inter-relacionada com parc~iros de negócio, muitas vezes, concorrentes e ao mesmo tempo parceiros, percebemos um grau de complexidade significativamente elevado, não só para operacionalizar as decisões corno, inclusive, para decidir a estratégia. 2

11 A organização hierarquizada, onde as decisões vêm do topo para serem operacionalizadas através de procedimentos-padrão, caracteriza-se por um menor grau de incerteza decorrente do seu ambiente fechado. Entretanto, num ambiente aberto e competitivo de mercado, sua capacidade de reação fica limitada em função da organização funcional. A valorização dos resultados departamentais, inerentes a este tipo de organização, obscurece a visão dos processos de negócio e a do valor agregado na percepção do cliente A cadeia de valores ampliada, característica fundamental da organização aberta, é fruto da percepção dos ganhos de produtividade obtidos através do foco nas competências centrais da empresa. Neste ambiente, aumenta-se a incerteza nos processos de negócio e inserem-se variáveis de difícil controle decorrentes da participação de terceiros em atividades complementares. Tal complexidade permite-nos inferir sobre a necessidade de coordenação e integração das ações e de um sistema informacional de monitoração abrangente. Neste contexto de abrangência da organização ampliada, os processos de negócio necessitam ser competitivos, tanto nas atividades focadas pela organização corno naquelas realizadas por parceiros e, portanto, fora da área de competência central da empresa. Consequentemente, economias de escala e escopo passam a ser fundamentais em toda a cadeia de valores da organização. o processo de globalização nas empresas industriais tem tornado cada vez mais relevante a questão da escala de produção. Esta questão, que é fundamental na racionalidade econômica, vem ganhando maior importância nas considerações de eficiência e competitividade do mercado globalizado. A economia de escala permite a redução dos custos marginais de produção e preços mais competitivos. Preços competitivos geram aumento de demanda e resultam na possibilidade de aumento de escala de pro~ução. 3

12 o estabelecimento de padrões produtivos e a utilização de partes comuns na elaboração de vários produtos têm contribuído de forma significativa para a obtenção da economia de escala. Quando a organização atua num mercado específico e em pequena escala, a transformação de seu produto em um componente comum a uma vasta gama de outros produtos pode proporcionar uma economia de escopo com resultados similares à economia de escala. Se, por um lado, a economia de escopo possibilita focar a competência central da firma, por outro, exige um nível elevado de coordenação das ações no planejamento dos vários produtos que utilizam um componente comum. Podemos considerar que os vários produtos da firma, mesmo atuando em segmentos de mercado com demanda relativamente pequena, podem obter vantagem competitiva em função da economia de escala de seus componentes e, consequentemente, ganhos significativos pela economia de escopo obtida para seus produtos. Portanto, foco na competência central, economia de escala e de escopo são questões lógicas da racionalidade econômica no mercado de atuação da empresa. No entanto, a aplicação do conhecimento adquirido pela sociedade tem sido crescente em termos de inovação de processos e produtos. Um processo de negócio ou o mercado de um produto podem desaparecer rapidamente em função de uma ruptura tecnológica. Este fato enseja a questão fundamental da capacidade de reação às mudanças de forma rápida e eficiente pela organização em toda a cadeia de valores. A reflexão sobre a evolução tecnológica e sobre o processo de globalização econômica afetando a competitividade da organização remete-nos à questão da agilidade e flexibilidade de reação às mudanças. A coordenação das ações, a integração entre os níveis hierárquicos de organização e entre os vários membros participantes da cadeia de valores ampliada de organização representam um fator fundamental de competitividade neste ambiente de negócios para atender às exigências dos clientes. 4

13 Neste cenário de mudanças, o tempo de resposta às exigências do mercado pode ser uma questão de competitividade ou mesmo de sobrevivência. Num mercado globalizado, podemos ter muito mais clientes. No entanto, o mercado oferece inúmeras opções aos clientes e há muito mais organizações competindo pelo mesmo cliente, o qual é cada vez mais exigente e, por isso, solicita que façamos as coisas de que ele precisa, e da forma que ele deseja. Conseqüentemente, agilidade e flexibilidade para reagir às mudanças tecnológicas e mercadológicas tornam-se pré-requisitos para a manutenção e conquista de novos clientes. Podemos inferir que uma nova organização, apoiada em um sistema informacional eficiente, que seja capaz de transformar dados importantes em informações para a tomada de decisão, poderá obter vantagem competitiva reduzindo o tempo de respostas às mudanças. A decisão próxima da ação pode transformar-se em elemento fundamental na coordenação das ações e na integração intra e entre organizações da cadeia de valores ampliada. Finalmente, registra-se um comentário do Professor Ivan de Sá Motta que, em 1984, no CEAG (Curso de Especialização em Administração para Graduados) da Fundação Getúlio Vargas, foi propositadamente reducionista, numa aula de métodos quantitativos, afirmando que "Administrar é planejar e controlar. a ação". Sá Motta referia-se nesta ocasião ao termostato que se regula em função de retroalimentação das informações de temperatura do ambiente. De fato, o ambiente de negócios atual exige flexibilidade no ciclo de planejar e controlar as ações. Considerando a participação de terceiros na cadeia de valores ampliada da organização, sobre os quais a monitoração é limitada, percebe-se a necessidade de um sistema informacional eficiente e retro alimentado com as informações do ambiente para coordenar e integrar as ações. 5

14 Competência central da organização. "The traditional concept of management (Hammer, 1997, p.94)1 is reaching the end of the road" A integração das habilidades e tecnologias, que proporcronam uma contribuição na percepção de valor para o cliente e um diferencial competitivo, tem sido reconhecida nas organizações como uma competência central. A preocupação com suas competências centrais está relacionada à tendência das indústrias em terceirizar as atividades que não são significativas para o benefício do cliente. Este processo de terceirização tem como pré-requisito uma profunda avaliação de atividades que não representam uma competência central e também das empresas que possuem as melhores condições do mercado para suprirem a organização com as atividades complementares dos seus processos de negócio. Quando consideramos a tendência da organização em focar suas competências centrais e complementar as atividades com a participação de terceiros, estendemos os processos de negócio para além dos limites tradicionais e físicos da empresa. Desta forma, constituímos uma empresa virtualmente integrada, que maximiza o valor percebido pelo cliente através de suas competências centrais, mas que depende de uma cadeia de valores ampliada para conseguir atender seu mercado. Uma competência central pode representar uma vantagem competitiva para o negócio, entretanto, uma vantagem competitiva da organização não é necessariamente uma competência central. Um canal de distribuição, uma parceria para o fornecimento de suprimentos ou uma fábrica com alta produtividade podem significar uma vantagem competitiva no mercado de atuação da empresa, mesmo não sendo uma competência central. Este bem abstrato, de origem logística, que não faz parte dos ativos tradicionais da empresa, tem alta significância na cadeia de valores da organização. A eficiência e a 1 O conceito tradicional de administrar está chegando ao fim da linha. 6

15 eficácia deste processo estendido de negócio, mesmo pertencendo a terceiros, podem representar uma vantagem competitiva para a organização. As considerações sobre o tema, na bibliografia estudada, permitem inferir que as organizações focadas em suas competências centrais necessitam atuar em rede, com parceiros de negócio, para complementar atividades de sua cadeia de valores ampliada. Estas empresas, invariavelmente, necessitam de um sistema informacional abrangendo todos os envolvidos nos processos de negócio e, com muita freqüência, procuram desenvolver uma competência central na sincronização das ações necessárias para gerir sua cadeia de valores ampliada. o fato de uma empresa terceirizar qualquer atividade da sua cadeia de valores não significa aumento de produtividade, a menos que consiga fazer melhor fora aquilo que já fazia internamente. Um processo de terceirização de uma atividade, que não seja uma competência central, pode se transformar numa desvantagem competitiva caso seja mal conduzido. É fundamental que o parceiro de negócio tenha competência na atividade terceirizada, que o contrato estabelecido esteja equilibrado entre as partes numa relação ganha-ganha e que a logística entre os parceiros esteja muito bem integrada e sincronizada. Acordos equilibrados no processo de terceirização soam como algo natural e muito óbvio. No entanto, a experiência de muitas empresas neste processo tem sido frustada em função de contratos mal elaborados. Conceitos de incentivo à eficiência, compartilhamento de risco, assimetria de informação, coordenação e monitoração das, ações não têm sido aplicados da melhor forma e, conseqüentemente, têm representado sérios problemas na cadeia de valores da organização ampliada, resultando em desvantagem competitiva. Neste sentido, podemos inferir que a competitividade da organização ampliada, atuando em rede com parceiros de negócio e focando suas competências centrais, está 7

16 fortemente relacionada com a eficácia da gestão integrada das ações na cadeia de valores estendida e, por conseguinte, a integração entre decisão e ação toma-se uma necessidade para viabilizar a eficiência em todas as atividades dos processos de negócio. Tomemos como exemplo a questão da eficiência na gestão dos inventários da empresa. Uma análise simplista sobre esta questão permite afirmarmos que, ao transferirmos os excessos do inventário para um distribuidor de produtos finais ou para um fornecedor de suprimentos, livramos a organização dos custos referentes ao capital empregado e da manutenção deste ativo. No entanto, numa análise mais profunda percebemos que o inventário representará um acréscimo nos custos dos parceiros que será repassado ao produto final, tomando-se uma desvantagem competitiva que se refletirá nos negócios da organização. Concluindo: é importante refletirmos que o foco na competência central representa uma vantagem competitiva. Porém, uma vantagem competitiva não é necessariamente uma competência central. Considerando uma cadeia de valores ampliada, podemos inferir que a eficiência em todos os processos de negócio é uma necessidade e que, num sistema de parcerias entre organizações, a gestão integrada é peça fundamental para a competitividade da organização. Neste cenário de crescente integração das habilidades dos parceiros de negócio, o sistema informacional da cadeia de valores ampliada representa o elemento que pode minimizar a assimetria de informações entre os agentes dos processos de negócio da organização Processo central de negócio da organização. A administração orientada a processos de negócios é recente nas organizações, apesar de ter sua origem na administração científica de Frederick Winslow Taylor no início do século XX. O projeto do processo de trabalho foi impulsionado de forma significativa pelo advento da engenharia industrial e da tecnologia de informação. Os processos 8

17 desenhados antes dos avanços da informática e das comunicações perderam muito em,, termos de velocidade no fluxo de informações e consequentemente na integração das ações com os objetivos estratégicos da organização. i I Até recentemente, o foco em departamentos e funções era considerado a melhor abordagem para a produtividade operacional em função da redução de incertezas. No entanto, o departamento de produção, perseguindo seus objetivos de redução de custos e de aumento da eficiência dos recursos aplicados, pode deixar de atender pedidos de clientes. A área de vendas, para atingir seus objetivos de cotas, pode realizar pedidos com margem de contribuição insignificante para o negócio. Mesmo um departamento.da área produtiva pode gerar inventário desnecessário para atingir seus objetivos :de eficiência e conseguir utilizar integralmente a capacidade dos recursos humanos e dos equipamentos. As regras convencionais, focadas em departamentos e funções, induzem ao raciocínio.de que, para se atingir o ótimo global, é fundamental garantir que se consiga o ótimo local nas áreas e departamentos (Goldratt, 1986, p.178). O foco nos processos de negócio possibilita visualizar a organização como um todo, sob a ótica do cliente, de uma forma horizontalizada e perceber o valor agregado em toda a cadeia de valores do negócio. Neste sentido, podemos imaginar que somente o ótimo global representa algum ganho no processo e que a integração das ações torna-se fundamental para os resultados. Alguns teóricos da reengenharia de processos têm tipificado e caracterizado os vários processos de negócio. Segundo Davenport (1994, p.257), em seu livro "Reengenharia de Processos", o processo de desenvolvimento de produtos, de serviços e de entrega estão delineados claramente: processo de pesquisa, como elemento inicial e direcionado ao desenvolvimento de produtos; processo de engenharia e projeto de produto, etapa em que se conceitua o produto e a forma de produzi-lo; processo de fabricação, que tratada transformação de insumos em produtos ao cliente; processos logísticos, que tratam das questões de fluxo de informações, materiais e produtos. 9

18 Este tipo de abordagem, caracterizando e tipificando os processos, considera a cadeia de valores da organização linearmente e de forma muito consistente. No entanto, para atender a um futuro mercado, os processos de negócio deverão focar as vantagens competitivas necessárias para agregar um maior valor na percepção dos futuros clientes. Neste sentido, a flexibilidade para desenvolver as competências exigidas pelo mercado e a sensibilidade dos valores percebidos pelos clientes tornam-se questões fundamentais. Da mesma forma que consideramos o foco em competências centrais, podemos fazer inferências sobre a necessidade de focarmos os processos centrais de negócio. Processos centrais de negócio, por definição, são aqueles que tratam dos fatores críticos para a implementação da arquitetura estratégica da organização, são, enfim, os processos de negócio que proporcionam os valores de que necessitamos fornecer aos clientes. A visão estratégica da organização deve identificar os processos centrais de negócio bem como as competências centrais da organização. Assim como uma competência central, um processo central de negócio pode também representar uma vantagem competitiva. Se considerarmos a cadeia de valores ampliada da organização, podemos vislumbrar que processos de negócios, com abrangência além dos limites tradicionais e físicos da organização, podem representar vantagens competitivas sem necessariamente serem processos centrais. A logística de distribuição ou suprimentos podem representar uma importante vantagem competitiva, ser atividades realizadas por parceiros de negócios e representar um importante agregador de valor para o cliente final. É substantivo refletir sobre a integração entre a arquitetura estratégica e os processos centrais de negócios. A integração entre as decisões e ações pode representar a vantagem competitiva no mercado em que a empresa vai competir. Podemos sugerir que a efetividade e a eficiência dos processos centrais de negócio devem proporcionar os resultados esperados e consumir o mínimo de recursos necessários para produzi-los. 10

19 A integração dos processos de negócio. As questões colocadas sobre competência central e processo central de negócio remetem à questão fundamental da integração dos processos de negócio. As integrações entre decisão e ação e entre todas as atividades de uma cadeia de valores ampliada podem manter uma simetria de informações entre os agentes do processo e, desta forma, direcionar esforços e recursos às ações que tornem o processo eficiente e efetivo para gerar o valor percebido pelo cliente. Neste sentido, o significado de integração dos processos de negócio cresce em abrangência e relevância quando consideramos a cadeia de valores ampliada e a necessidade de sincronizar as ações intra e entre organizações para produzir o valor percebido pelo cliente em todo o processo. Pode-se inferir, portanto, que a integração entre processos é ponto fundamental para conseguir vantagem competitiva.. Mesmo os processos secundários no setor de serviços, que não suportam as atividades relacionadas às competências centrais, necessitam estar sincronizados com os objetivos do negócio. Uma atividade de entrega de um produto final mal realizada pode comprometer todo um processo desde seu início. A metáfora "nenhuma corrente é mais forte que seu elo mais fraco" emprega-se adequadamente ao conceito de cadeia de. valores ampliada. A aproximação entre clientes e fornecedores, na cadeia de valores ampliada da organização, é um grande desafio para os atuais administradores. As questões de contratações de serviços, incentivos à eficiência e fluxo de informações ganham uma dimensão expressiva neste novo cenário. A integração dos agentes, participantes dos processos de negócio, exige uma constante troca de informações. As novas tecnologias de redes de comunicações e sistemas integrados de informática têm sido aplicadas de forma crescente pelas organizações para agilizar o fluxo e melhorar a acurácia das informações. 11

20 Neste contexto, além dos componentes tecnológicos necessários à integração das funções da organização e entre parceiros de negócios, é fundamental que a organização domine a gestão dos processos para obter qualidade organizacional. Muitas empresas, dentre elas algumas pesquisadas neste trabalho, têm se utilizado de sistemas integrados (ERP- Enterprise Resource Planning) para sincronizar suas operações entre agentes do processo de negócio. Os investimentos significativos realizados na implementação de soluções integradas visam a coordenar e a sincronizar as operações de manufatura, distribuição e financeira. A possibilidade de redução dos tempos de comunicação das necessidades entre clientes e fornecedores e a percepção das reações do mercado mais rapidamente proporcionam uma importante vantagem às organizações. Michael Hammer (1997, p.95), em seu livro "Além da Reengenharia", criou uma metáfora muito interessante sobre um time de futebol americano representando a empresa orientada a processos. Suas observações sobre os deveres dos coordenadores de ataque e de defesa, na definição da estratégia e das decisões tomadas próximas à ação, representam com maestria as necessidades de integração entre decisão e ação e entre os vários processos de negócios de uma cadeia de valores ampliada da organização Medições em um novo ambiente de negócios. O problema das medições dos resultados nas organizações sempre esteve presente entre as grandes preocupações das empresas. As organizações hierarquizadas privilegiam a especialização das áreas funcionais e medem a eficiência nos vários departamentos da empresa. Utilizam-se de critérios como a utilização de recursos humanos e materiais " para medir a utilização dos recursos disponíveis. 12

21 Segundo GOLDRATT (1997, p.ll O), a contabilidade de custos tradicional está errada na forma de medira performance dos negócios. O que determina o sucesso do negócio é a taxa de fazer dinheiro através das vendas e não o enfoque de custos. O que determina a fraqueza do processo é o elo mais fraco da cadeia de valores, lugar onde os esforços devem ser envidados. Consequentemente, a soma dos ótimos locais não representa o ótimo global na cadeia de valores da organização. A especialização em áreas funcionais possibilita graus elevados de produtividade local, entretanto, não garante que este ganho seja refletido nos resultados globais do negócio. Um setor produtivo pode ser induzido a produzir mais itens que proporcionem alto rendimento, para alocar melhor seus recursos e deixar de produzir algo fundamental para atender um pedido de cliente. Neste caso, pode-se obter um resultado ótimo local em termos de eficiência e, ao mesmo tempo, produzir uma enorme ineficiência no sistema como um todo. A integração entre as diversas áreas funcionais das organizações departamentalizadas gera conflitos de interesses em razão do processo de medição dos resultados individualizados. O método de medição funcional orienta o comportamento dos profissionais no sentido de obter o máximo de produtividade localmente sem a preocupação com o resultado global dos negócios. A orientação a processos de negócio visa a maximizar os ganhos através da integração das ações e da especialização das funções sem o ônus da organização funcional das empresas tradicionalmente hierarquizadas. O cruzamento das funções de uma organização horizontalizada minimiza os problemas dos feudos que buscam sobrevivência pelo poder político dos departamentos. Uma questão fundamental que se coloca é o estabelecimento da métrica de resultados neste novo conceito em que a visão integrada da cadeia de valores deve direcionar as ações no sentido de maximizar o valor percebido pelo cliente. 13

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Introdução ao Sistema de Informação

Introdução ao Sistema de Informação Introdução ao Sistema de Informação Prof.: Luiz Mandelli Neto Conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores. Sobreviver Prosperar O sistema de informação auxilia as empresas: Estender

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC Multimídia Prof.ª Sylvia Augusta Catharina Fernandes Correia de Lima Floresta - PE 2013 CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo. 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo

Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo. 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo 10 Ações para Companhias Nacionais de Petróleo As Companhias Nacionais de Petróleo (NOCs) têm

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais