As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia"

Transcrição

1 As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

2 A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também são próprios da filosofia A Religião:(faculdade da sensação) Por meio de representações não conceituais e por meio da fé, a religião tende a alcançar certos objetivos que a filosofia procura atingir com os conceitos e com a Razão. As condições sociopolíticas e econômicas: São as condições socioeconômicas e políticas que condicionam o nascimento de determinadas idéias.

3 A Arte: Poemas Homéricos: Ilíada Odisséia O poeta busca ver as razões das coisas (de forma mítica-imaginação), mas prepara aquela mentalidade que em filosofia, levará à busca da: Causa e do princípio, do por que último das coisas. Hesíodo: Teogonia: Nascimento dos deuses Nascimento do cosmos: (pois muitos deuses coincidem com partes do universo e com fenômenos do cosmos). As Obras e os Dias: Princípios éticos: A justiça: dá ouvido à justiça e esquece completamente a prepotência. (Hesíodo); Justa medida: sem zelo demais: o melhor está no meio; e ficando no meio, alcançaras a virtude.

4 A Religião: Dois tipos ou duas modalidades: Pública: tudo é divino, porque tudo o que ocorre é explicado em função da intervenção dos deuses. Mistérios: Pertencia a círculos restritos que tinham suas crenças específicas e suas próprias práticas. Ambas têm a base politeísta.

5 A religião pública Grega: Tudo é divino: Tudo o que ocorre é explicado em função da intervenção dos deuses: Os fenômenos naturais são promovidos por Nume; Os raios e relâmpagos são arremessados por Zeus do alto do Olimpo; As ondas do mar são provocadas pelo tridente de Poseidon; O sol é levado pelo áureo carro de Apolo e assim por diante. Mas também a vida social dos homens, a sorte das cidades, das guerras e da paz são imaginadas como vinculadas aos deuses de modo não acidental e, por vezes, até mesmo de modo essencial.

6 Quem são esses deuses: São forças naturais personificadas em formas humanas idealizadas ou então são forças e aspectos do homem sublimados, hipostatizados e aprofundados em esplêndidas semelhanças antropomórficas. Recordamos que Zeus é a personificação da justiça; Atena da inteligência; Afrodite do amor etc. Esses deuses são homens amplificados e idealizados, sendo assim diferentes só por quantidade e não por qualidade

7 A religião pública dos gregos é O que isso significa: Naturalista Que a religião grega somente pede ao homem não é que ele mude a sua natureza, ou seja, se eleve acima de si mesmo, mas, ao contrário, que ele siga a sua própria natureza; Fazer em honra dos deuses aquilo que está em conformidade com sua própria natureza é tudo o que pede do homem; E, da mesma forma que a religião pública grega foi naturalista, também a primeira filosofia grega foi naturalista.

8 A religião mistérica grega: Os mais influentes são os mistéricos órficos: (Orfeu): Sua importância: O orfismo é importante porque introduz na civilização grega um novo esquema de crenças e uma nova interpretação da existência humana; Efetivamente, enquanto a concepção grega tradicional, a partir de Homero, considerava o homem como mortal, colocando na morte o fim total de sua existência, o orfismo proclama a imortalidade da alma e concebe o homem segundo um esquema dualista que contrapõe o corpo à alma.

9 O núcleo das crenças órficas pode ser resumido como: No homem se hospeda um princípio divino, um demônio (alma) que caiu em um corpo em virtude de uma culpa original; Esse demônio não apenas preexiste ao corpo, mas também não morre com o corpo, estando destinado a reencarnar-se em corpos sucessivos, através de uma série de renascimentos, para expiar aquela culpa original; Com seus ritos e suas práticas, a vida órfica é a única em condições de pôr fim ao ciclo das reencarnações, libertando assim a alma do corpo; Para quem se purificou (os iniciados nos mistérios órficos) há um prêmio no além (da mesma forma que há punição para os não iniciados).

10 Vejamos um texto original que traduz o núcleo central da doutrina: alegra-te, tu que sofreste a paixão: antes, não a havias sofrido. De homem, nasceste Deus ; Feliz e bem-aventurado, serás Deus ao invés de mortal! De homem, nascerás Deus, pois derivas do divino! Isso significa que o destino último do homem é o de voltar a estar junto aos Deuses.

11 Porque tais idéias nasceram: A idéia dos prêmios e castigos de além-túmulo, nasceu para eliminar o absurdo que frequentemente se constata sobre a terra, isto é, o fato de que os virtuosos sofrem e os viciosos gozam; A idéia da reencarnação (metempsicose), ou seja, da passagem da alma de um corpo para outro, nasceu para explicar a razão pela qual sofrem aqueles que parecem inocentes.

12 Corpo X Alma: O homem via pela primeira vez contraporemse em si dois princípios em contraste e luta: A alma (demônio) Corpo (tumba ou lugar de expiação da alma). Rompe-se assim a visão naturalista: o homem compreende que algumas tendências ligadas ao corpo devem ser reprimidas, ao passo que a purificação do elemento divino em relação ao elemento corpóreo tornase o objetivo do viver.

13 Uma observação necessária: Os gregos não tinham livros sacros ou considerados fruto de revelação divina; Consequentemente, não tiveram uma dogmática fixa e imutável; Portanto, na Grécia também não pôde subsistir uma casta sacerdotal custódia do dogma; Essa inexistência de dogmas e de custódios dos dogmas deixou uma ampla liberdade para o pensamento filosófico, que não encontrou obstáculos do tipo daqueles que teria encontrado em países orientais, onde a existência de dogmas e de custódios dos dogmas iriam contrapor resistências e restrições dificilmente superáveis.

14 As condições sociopolítico-econômicas que favoreceram o surgimento da filosofia: No que tange à situação política os gregos igualmente gozavam de uma situação privilegiada, porque foi o primeiro povo da história que conseguiu construir instituições políticas livres; Nos séculos VII E VI a.c., a Grécia sofreu uma transformação socioeconômica considerável; As cidades tornaram-se florescentes centros comerciais, acarretando um forte crescimento demográfico; A filosofia nasce primeiro nas colônias e não na mãe-pátria; E isso aconteceu precisamente porque, com sua operosidade e com seu comércio, as colônias alcançaram primeiro uma situação de bem-estar e, devido à distância da mãe-pátria, puderam construir instituições livres antes do que ela.

15 As condições sociopolítico-econômicas que favoreceram o surgimento da filosofia: significa precisamente que já havia, de um lado, uma lógica do mito e que, de outro lado, na realidade filosófica ainda está incluído o poder do lendário (CHÂTELET, 1981: 21). O surgimento do pensamento filosófico nas colônias gregas da Jônia é significativo, uma vez que ali se dava um maior contato com outras culturas (via navegação e trocas comerciais), levando a uma relativização do mito e das práticas religiosas. O mito, como explicação do real através do elemento sobrenatural e misterioso, é considerado insatisfatório; os primeiros filósofos procuram explicar a realidade natural a partir dela própria: naturalismo da Escola Jônica.

16 Condições históricas para o surgimento da Filosofia: viagens marítimas: que revelaram que deuses, heróis e monstros eram ficções, desmistificaram o mundo exigindo uma explicação mais racional do que a mítica; invenção do calendário: que possibilitou uma nova capacidade de abstração e contagem do tempo, agora visto como natural e não como um poder divino incompreensível; invenção da moeda: que permitiu o cálculo abstrato de equivalência do valor de diferentes coisas (trocas comerciais não mais por escambo);

17 invenção da escrita alfabética: que revela alta capacidade de abstração visto que não se representa a imagem da coisa que está sendo dita (como nos hieróglifos egípcios), mas a idéia dela, o que dela se pensa e se transcreve. surgimento da vida urbana: com o predomínio do comércio e do artesanato surge a classe dos comerciantes ricos que, para suplantar o poder das famílias aristocratas procuram prestígio financiando e estimulando as artes, as técnicas e os conhecimentos (filósofos pagos, os sofistas, por ex.) invenção da política: que por meio da implantação da idéia de lei (legislação que regula e ordena a pólis), do surgimento do espaço público (na ágora todo cidadão tem o direito de tomar a palavra para dialogar e deliberar sobre aspectos políticos da pólis) e da implantação do discurso político (as questões referentes à cidade devem ser discutidas, comunicadas e ensinadas pelo discurso político em público e não secretamente) contribuíram para o nascimento da Filosofia.

18 18

19 Da Polis à Política A ATIVIDADE POLÍTICA NASCE COMO ARTE DE CUIDAR DA POLIS. PARA ISSO É NECESSARIO DISCUTIR O COMO CUIDAR. E PARA QUE HAJA DISCUSSÃO DEVE HAVER PENSAMNETO. ENTRA EM CENA A FILOSOFIA. FILOSOFIA E POLÍTICA NASCEM JUNTAS, AMBAS

20 CIDADE-ESTADO

21 21

22 * ASSUNTO NASCIMENTO DA FILOSOFIA * CONTEXTO Antigüidade Clássica: Séc. VI IV a. C. Período Clássico Grego = DEMOCRACIA Grega * ANTECEDENTES: MITO Narrativa Sobre a Origem de Alguma Coisa GENEALOGIA = Mitos que Contam a Origem dos Seres EVOLUÇÃO COSMOGONIA = Narrativas Sobre a Origem do Mundo a Partir da Atuação de Forças Divinas TEOGONIA = Mitos que Contam a Origem dos Deuses LOGOS Pensamento Racional, Discurso Racional COSMOLOGIA = Conhecimento Racional da Ordem do Mundo * CONDIÇÕES PARA O SURGIMENTO DA FILOSOFIA: Viagens Marítimas e Criação da Moeda; Surgimento da Vida Urbana; Invenção do Calendário e da Escrita Alfabética. Invenção da POLÍTICA.

23 Referencia Bibliográfica ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, GARCIA, José Roberto. VELOSO, Valdecir da Conceição. Eureka: Construindo Cidadãos Reflexivos. Florianópolis: Sophos, REALE, G. ANTISERI, D. História da filosofia. 3 vol. São Paulo: Paulus, 1990.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS

ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS O QUE É A FILOSOFIA? A filosofia é uma forma de pensamento que nasceu na Grécia, por volta do século VI.a.C. Contrapondo-se ao pensamento mítico, que o antecede,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Introdução a mitologia Africana para sala de aula

Introdução a mitologia Africana para sala de aula Introdução a mitologia Africana para sala de aula Curso de extensão Universidade Castelo Branco Prof. Dr. Arthur Vianna (PUCSP) Escola de formação de Professores Curso de História Objetivo Proporcionar

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Observe a imagem. SHUTTERSTOCK Margem do rio Nilo no Egito Nas civilizações da Antiguidade, a presença dos rios é importante

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo.

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo. PLATÃO Platão, jovem aristocrata de Atenas foi familiar de Alcibíades e de Crítias tinha como nome verdadeiro Arístocles. O cognome deverá ter-se ficado a dever à envergadura dos seus ombros ou então à

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates 469 399 a.c. Divisor de águas na filosofia grega

Leia mais

Logoterapia & Espiritualidade

Logoterapia & Espiritualidade Logoterapia & Espiritualidade Liberdade da Vontade Ser Consciente Liberdade da Vontade Ser Responsável Liberdade da Vontade Perante o que? Liberdade da Vontade Perante quem? Liberdade da Vontade Vontade

Leia mais

Reflexão acerca do conceito de metempsicose em Platão

Reflexão acerca do conceito de metempsicose em Platão 1 Reflexão acerca do conceito de metempsicose em Platão Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduando em Filosofia Pela Universidade. Federal de Mato Grosso. E-mail: saviolaet@filosofante.org

Leia mais

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS Jörg Garbers GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS ORIGEM CARACTERÍSTICAS CONCEITOS RELIGIOSOS 1 FARISEUS 1.1 O NOME O nome fariseu provavelmente significa, os que se separam, os separados. O nome já expressa

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

JAIR REBELO. jairrebelo@hotmail.com. Parapsicólogo Clínico. Telefone 9911 3260

JAIR REBELO. jairrebelo@hotmail.com. Parapsicólogo Clínico. Telefone 9911 3260 JAIR REBELO Parapsicólogo Clínico jairrebelo@hotmail.com Telefone 9911 3260 AQUIETAR-SE Quando tomamos consciência da nossa respiração, eliminamos os vícios que vivem dentro de nós. O silêncio e á linguagem

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Platão

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Caminhos da Espiritualidade Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Espiritualidade O termo não está na Bíblia. Embora a palavra espiritualidade não esteja presente nas Escrituras, o conceito está. Obras da

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo:

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo: Aula 1.2 Conteúdo: FILOSOFIA: Outras formas de pensar 1. Filosofia e Mitologia: O conhecimento tradicional indígena 2. Filosofia e Religião 3. Filosofia e senso comum 2 Habilidades: Perceber outros tipos

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política:

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: Devido Para saberes às condições como era geográficas, constituída aas pólis, populações presta atenção isolaram-se

Leia mais

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA A palavra Filosofia é grega. É composta por duas outras: PHILO e SOPHIA. PHILO significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais; SOPHIA, sabedoria,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental.

3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental. 1 3ª. Apostila de Filosofia A origem e o nascimento da Filosofia e sua herança para o mundo ocidental. 1. A origem da palavra Filosofia é grega e composta por: Philo: amizade, amor fraterno Sophia: sabedoria

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Filosofia. Disciplina Curso Bimestre Série. Filosofia Ensino Médio 2 1ª. Habilidades Associadas

Filosofia. Disciplina Curso Bimestre Série. Filosofia Ensino Médio 2 1ª. Habilidades Associadas Filosofia Aluno Caderno de Atividades Pedagógicas de Aprendizagem Autorregulada - 02 1 Série 2 Bimestre Disciplina Curso Bimestre Série Filosofia Ensino Médio 2 1ª Habilidades Associadas 1. Identificar

Leia mais

Mitos gregos. Prof. Ms. Fábio Medeiros

Mitos gregos. Prof. Ms. Fábio Medeiros Mitos gregos Prof. Ms. Fábio Medeiros Prometeu e Pandora O crime de Prometeu e sua punição com o envio à terra de Pandora, a primeira mulher e maior infortúnio para os homens que trabalham. Prometeu e

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

Natividade de Nossa Senhora

Natividade de Nossa Senhora Rita de Sá Freire Natividade de Nossa Senhora 8 de setembro Na Igreja católica celebramos numerosas festas de santos. Entretanto, não se celebra a data de nascimento do santo, mas sim a de sua morte, correspondendo

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 1 Bruno Chaves Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 2 Bibliotecária Maria José Costa Amorim. CRB 13/707 C512p Chaves, Bruno. Provas bíblicas da existência de espíritos. / Bruno Chaves. Imperatriz-MA:

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO Razão e educação no mundo antigo: a paideia Prof. Dr. Wilson Alves de Paiva Introdução Povos anteriores: concepção

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros " SO EM DESENCANTO ". UNIVER

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros  SO EM DESENCANTO . UNIVER TIRE ALGUMAS DE SUAS DUVIDAS SOBRE CULTURA RACIONAL - O que é CULTURA RACIONAL? R - A Cultura Racional é a cultura do desenvolvimento do raciocínio. A cultura natural da Natureza. É o conhecimento da origem

Leia mais

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA.

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. 9 CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. Adriana A. Silva Éderson O. Passos INTRODUÇÃO Vergnaud (1982) propôs, em sua Teoria dos Campos Conceituais, que o

Leia mais

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias janeiro/2007 página 1 QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Maria Lucia Machado e Maria Malta Campos: Na maioria dos países

Leia mais

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar.

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar. CURSO: ENSINO MÉDIO COMPONENTE CURRICULAR: FILOSOFIA CARGA HORÁRIA: 40 HORAS PERÍODO: 1 ANO / 2014 UNIDADE: I TRANSMISSÃO: 08/10/2014 Qurta Feira ESTÚDIO: 01 Responsável: Glaucia Produção:Adriano Arte:

Leia mais

Roteiro 2 AS RELIGIÕES NÃO CRISTÃS (1)

Roteiro 2 AS RELIGIÕES NÃO CRISTÃS (1) FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro I Cristianismo e Espiritismo Módulo I Antecedentes do Cristianismo Roteiro 2 AS RELIGIÕES NÃO CRISTÃS (1) OBJETIVOS 1. Identificar,

Leia mais

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados.

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados. Análise da Mandala Pessoal Pessoa Exemplo 19/06/2006 Cara XXX, A sua Mandala é uma Mandala Mista, isto quer dizer que ela contém vários itens que são característicos de diversas Mandalas chamadas por nós

Leia mais

A TORRE DE BABEL Lição 06

A TORRE DE BABEL Lição 06 A TORRE DE BABEL Lição 06 1 1. Objetivos: Mostrar a tolice do orgulho e dos planos meramente humanos Quando começamos a nos orgulhar e tentamos ser importantíssimos aos próprios olhos, Deus não nos abençoa

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Rosângela Trajano. Brincando de filosofar História resumida da filosofia antiga para crianças Volume I

Rosângela Trajano. Brincando de filosofar História resumida da filosofia antiga para crianças Volume I Rosângela Trajano Brincando de filosofar História resumida da filosofia antiga para crianças Volume I Lucgraf Natal 2012 Capa: Jean Sartief Revisão: Adriana Assis de Aquino Diagramação: Joab. Impressão

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Mito, Razão e Jornalismo 1. Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP

Mito, Razão e Jornalismo 1. Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP Mito, Razão e Jornalismo 1 Érica Medeiros FERREIRA 2 Dimas A. KÜNSCH 3 Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP Resumo Este trabalho tem como objetivo relacionar os temas mito, razão e jornalismo. Com uma

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

Simulado de Filosofia I Etapa

Simulado de Filosofia I Etapa Simulado de Filosofia I Etapa Questão 01 O primeiro e o segundo período da filosofia são chamados: a) Cosmogônico e cosmológico. b) Cosmogônico e moralista. c) Cosmológico e antropológico. d) Cosmogônico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca PROGRAMA DO MUTIRÃO HABITACIONAL

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES Silva. M. C, (Dra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia CEFET-PR/PPGTE e doutora pela FAU-USP) Magnabosco, M. (Mestrando do

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

Assuntos abordados. Projeção astral IV - buscando o conhecimento objetivo. Considerações Finais. Meus Sites. http://www.universoholisticodoser.

Assuntos abordados. Projeção astral IV - buscando o conhecimento objetivo. Considerações Finais. Meus Sites. http://www.universoholisticodoser. Assuntos abordados Projeção astral IV - buscando o conhecimento objetivo Considerações Finais Meus Sites http://www.universoholisticodoser.com http://www.bemestareconhecimento.com Skype: filha.da.mata

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais