1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação"

Transcrição

1 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão e crítica da realidade, fundamentadas pelo pensamento filosófico e norteadas por princípios e valores éticos, levam a uma maior compreensão do mundo, propiciam escolhas conscientes e um atuar justo tanto no cotidiano quanto no exercício profissional, tornando-o consciente de sua importância como indivíduo e cidadão. Nesse sentido, a intenção dessa disciplina não é responder a questões filosóficas nem formar filósofos, mas sim aprimorar o pensar em todos aqueles que atuam ou pretendem atuar como administradores. O pensamento filosófico aproxima o homem do mundo, proporciona uma maior compreensão da realidade e a descoberta de novos significados para a existência, tornando o ser humano capaz de ajustar suas escolhas e ações no convívio com o outro, com o mundo e em sua experiência profissional. Conhecer os temas, as idéias, os conceitos e a história da Filosofia amplia a nossa experiência de compreensão do mundo e nos permite ser donos de nosso próprio pensar, falar e agir. A Filosofia é um modo de pensar que acompanha o homem em sua tarefa de compreender o mundo e agir sobre ele. Cada aula corresponde a um Roteiro de Estudo, elaborado a partir do conteúdo apresentado e discutido em sala, que estará postado no blog. Cabe ressaltar que o presente material é apenas o ponto de partida e orientação para estudo e não substitui o conteúdo dos livros indicados ao final de cada roteiro. 1. Introdução A todo o momento estamos diante de crenças, julgamentos e regras de comportamento. Muitas dessas crenças são silenciosas, muitos desses comportamentos são aceitos como óbvios e naturais. Toda nossa conduta se baseia em valores morais, religiosos, políticos, artísticos e estéticos.

2 2 Em nosso cotidiano, as opiniões e os preconceitos orientam nossas conversas e ações, é o chamado senso comum. O que caracteriza o senso comum não é sua verdade ou falsidade, mas a sua falta de fundamentação coerente, precisa e sistemática. A maioria das pessoas não questiona suas crenças, seu valores, seus propósitos, seus sonhos e seu pensar. Essa atitude leva o indivíduo a se distanciar da realidade e a agir sem responsabilidade, pois ele já não é dono de seu próprio pensar, portanto não é dono de sua fala e suas ações. É importante que o homem passe a analisar, refletir e criticar, tornando-se capaz de compreender o mundo, o outro e a si próprio. A Filosofia proporciona a aproximação entre o homem e a realidade. A atividade filosófica é fundamentada na análise, reflexão e crítica da realidade e dos seres humanos, de como se pensa, fala e age. Filosofia é a decisão de não aceitar como naturais e evidentes as idéias, os fatos, as situações e os valores do cotidiano. A primeira coisa que surge ao estudarmos Filosofia são perguntas: - Para que serve a Filosofia? - O que é Filosofia? - Para que eu vou estudar isso? - O que isso traz de bom e útil para minha vida? - Como e onde praticar a Filosofia? Não há respostas definitivas, mas as perguntas são fundamentais na Filosofia. A Filosofia parte do desejo de conhecer a realidade, ir além das aparências. Filosofia tem a ver com pensar melhor a realidade, conhecer a realidade. Compreender a realidade para agir melhor. A Filosofia é importante para todas as áreas, não apenas no nível profissional, mas no pessoal, afetivo, familiar, ético. A função do administrador é resolver problemas, tomar decisões. O administrador decide o melhor para a empresa a partir de uma determinada realidade. Ele precisa ter o pensamento organizado e estruturado para escolher corretamente. O administrador precisa saber pensar, analisar, avaliar, criticar e propor soluções coerentes.

3 3 A Filosofia leva a idéia de PENSAR. Quando pensamos trabalhamos com a palavra, usamos a linguagem. Produzimos conhecimento, produzimos conceitos. Conceitos são idéias desenvolvidas ou elaboradas a respeito de um assunto. Antes de chegarmos ao conceito partimos de uma idéia inicial: o pré-conceito. O pré-conceito é uma idéia não elaborada, incompleta, parcial. O pré-conceito só se torna negativo se nos restringirmos a ele, sem desenvolvê-lo. O conceito é amplo e completo. 2. São tarefas da Filosofia: desenvolver os pré-conceitos, torná-los conceitos elaborados e amplos. desenvolver a capacidade de pensar. desenvolver a capacidade de agir melhor, de formar valores e tornar assim o homem mais livre. 3. Etimologia da palavra Filosofia, vem do grego: amor pelo saber, amizade à sabedoria philos amor Sophia - à sabedoria A Filosofia nasceu do amor que busca compreender o mundo, os outros e a si mesmo. Foi o desejo de se compreender a realidade que originou a filosofia. Até o século XVI, todo conhecimento científico estava ligado à Filosofia. Cabe ressaltar que somente o ser humano é capaz de buscar o conhecimento. Os animais seguem os seus instintos e os deuses sabem tudo. 4. Realidade aparente/realidade essencial Percepção é a relação entre as coisas e nós, e nós e as coisas, em seu exterior, por meio dos nossos sentidos. Realidade é aquilo que tem sentido para nossa consciência. Será que percebemos as coisas como realmente são? O que é minha percepção? O que a realidade? O exemplo do movimento da terra deixa claro o quanto a percepção pode nos enganar. Vemos que o sol nasce a leste e se põe a oeste... Nossos olhos nos fazem acreditar que o Sol se move à volta da terra e que esta parece imóvel... No entanto, a

4 4 astronomia demonstra que não é isso que acontece. A terra é um planeta num sistema cuja estrela central se chama Sol, ou seja, a Terra é um planeta do Sistema Solar e ela, juntamente com outros planetas, é que se movem à volta do Sol, num movimento de translação (Marilena Chauí). Assim, precisamos ir além da aparência, das percepções, das verdades prontas, das crenças e opiniões. É preciso mudar a atitude: sair da atitude costumeira de aceitar tudo e passar a desconfiar e a fazer perguntas. Toda nossa conduta, todo nosso pensar possui valores morais, religiosos, políticos, artísticos e estéticos. A maioria das pessoas não questiona suas crenças, seu valores, seus propósitos, seus sonhos e seu pensar. Essa atitude leva a um distanciamento da realidade, ao desconhecimento do mundo a sua volta e do seu papel na vida, a passividade e ao descompromisso. 5. Adotar a Atitude Filosófica Adotamos uma atitude filosófica quando nos distanciamos da vida cotidiana por meio do pensar. Saímos da aparência e buscamos a essência das coisas. A Filosofia ou atitude filosófica inicia-se quando abandonamos nossas certezas cotidianas e queremos ir além nos momentos de crise, que nos levam a transformação. A atitude filosófica pressupõe a atitude crítica. Sempre pensamos crítica como falar mal de algo ou alguém. Não é bem isso. Crítica significa ter a capacidade de julgar, discernir e decidir corretamente, saber examinar racionalmente as coisas sem preconceitos e julgamentos e, também, poder avaliar detalhadamente uma idéia, valor, costume, comportamento. Para sermos críticos precisamos nos afastar do que queremos analisar e analisar o fato, a idéia, como se nunca a tivéssemos visto. A primeira atitude filosófica é dizer não ao senso comum, em uma atitude negativa. A segunda atitude filosófica é perguntar, em uma atitude positiva. Filosofia é a decisão de não aceitar como naturais e evidentes as idéias, os fatos, as situações e os valores do cotidiano. A filosofia surge quando queremos provas racionais para nossas crenças.

5 5 6. A atitude filosófica envolve um conjunto de habilidades a serem exercitadas: 1º. Questionar : significa ser curioso, perguntar sobre tudo que existe, pensar sobre as coisas, suspeitar do que é dito habitualmente, desconfiar dos pré-conceitos, do senso comum. O que é? Questiona a realidade essencial e profunda de algo. O que são as coisas que estão à nossa volta? O que significam os costumes, as crenças e a natureza? Quem somos? Como acontece? Como é estrutura e a significação de algo. Como funcionam as coisas naturais e humanas? Qual a origem das coisas? Por quê? Para quê? Qual a origem e causa de algo. Qual o sentido, a razão, a justificativa, a finalidade, o objetivo das coisas ou fenômenos naturais e humanos? 2º. Investigar: procurar respostas para os problemas, buscar conclusões melhores. formular hipóteses, analisar, comparar e buscar princípios examinar, formular e desenvolver razoes e argumentos 3º. Ampliar horizontes considerar maneiras de novas de ver a realidade Pesquisar o já conhecido e se ela pode ainda ser útil Imaginar novas possibilidades e elaborar sínteses 7. O conhecimento filosófico O conhecimento filosófico vai ser resultado do exercício e do processo de filosofar, buscando a verdade sem querer possuí-la. O ser humano busca um sentido para sua existência e um sentido mais amplo da realidade. A questão central da filosofia: quem é o ser humano e qual é o sentido da vida, da realidade. Preocupa-se em conhecer a si próprio e com o destino da humanidade. As conclusões filosóficas são sempre parciais e as respostas levam sempre a novas perguntas.

6 6 8. O pensar Há diferença entre pensar e ter pensamentos. O pensar é uma atividade: O pensamento é o passeio da alma, diz um filósofo grego desconhecido. Pensar é um movimento, uma atividade, uma ação. É uma atividade pela qual a inteligência coloca algo diante de si para atentamente considerar, avaliar, pesar, equilibrar, entender. Por meio do pensamento manifestamos nossa capacidade de elaborar regras, normas, leis e princípios. Nós pensamos e sabemos que pensamos. Essa capacidade de refletir sobre o nosso próprio pensamento nos permite encadear processos de abstração. São esses processos de abstração que nos levam a conhecer a realidade e atribuir significados a essa realidade. Isso é possível por que o homem é dotado de razão, da capacidade de raciocinar. O pensamento conta com seu mais poderoso invento: a palavra. É a palavra que confere ao homem essa capacidade de pensar. O pensamento nos familiariza com o mundo e nos leva a compreender o significado dos objetos, das pessoas e das relações entre uns e outros. Nem todos os pensamentos levam à verdade, ou seja, resultam de uma forma lógica correta. Para chegar ao conhecimento verdadeiro, o pensar deve ser movido pelo raciocínio, com uma lógica e argumentos válidos. O processo de pensar pode levar a uma realidade cada vez mais aprimorada. A abstração filosófica nos permite sair da aparência para a essência. Segundo diversas teorias, só é considerado livre o ser humano que é autônomo, capaz de pensar por si mesmo e dar respostas originais a si próprio e ao mundo. E acredita-se que isso é um aprendizado, ou seja, fruto de educação é possível por meio da educação oferecer as condições de aprimorar sua capacidade de pensar. O mundo é feito de idéias. As idéias são frutos do pensamento. Um pensar pobre não produz idéias, gera um mundo pobre. Perguntas que devemos fazer: Minhas crenças correspondem a um saber verdadeiro a um conhecimento? A minha fala é coerente? O que orienta minha atitude? Qual o sentido de minha ação?

7 7 9. O pensamento, a linguagem e o conhecimento. O pensamento é a fala internalizada, enquanto a linguagem é a expressão do pensamento. A linguagem permite a comunicação com o mundo, com os outros. O fazer humano deve ser resultado do conhecimento. E o conhecimento é resultado de um pensar correto. O fazer humano deve modificar a realidade exterior, formar os homens, aproximá-los entre si e enriquecer o mundo de valores. Existem várias formas de conhecer e interpretar a realidade, com diferentes enfoques e metodologias: O mito imagens, símbolos e significados. História e narrativa. O senso comum herança, tradição, experiências A ciência estrutura seu saber pelo método científico A Filosofia reflexão rigorosa, sistemática A religião fé, transcendência da vida humana A arte - intuição e sensibilidade 10. Como a Filosofia trabalha: As perguntas filosóficas não se dão ao acaso, se dão de modo sistemático. Sistemático vem de sistema - do grego que significa que todas as partes estão ligadas, articuladas, ordenadas, coerentes, graças a princípios comuns. Para que possamos obter uma visão crítica de nossas crenças, atitudes e opiniões, as questões filosóficas se realizam de modo sistemático, metódico e coerente, ou seja, trabalham com enunciados e declarações precisas, encadeamento lógico entre as declarações, conceitos válidos e comprovados, fundamentação racional. 11. Filosofia se preocupa com as condições e os princípios do conhecimento racional e verdadeiro, a origem, a forma e o conteúdo dos valores éticos, políticos, artísticos e culturais,

8 8 as transformação histórica dos conceitos, idéias e valores, o estudo das diversas modalidades da consciência: percepção, imaginação, memória, a linguagem, inteligência, reflexão, experiência, comportamento, vontade, desejo, paixão, a interpretação das idéias ou significação da realidade, mundo natureza, cultura, histórica, subjetividade, objetividade, conflito, contradição. A Filosofia se interessa por aquele instante em que a realidade natural mundo das coisas e a realidade histórica - mundo dos homens tornam-se estranhas, espantosas e incompreensíveis. Quando o senso comum já não consegue responder. A Filosofia consiste em três atividades: análise, reflexão e crítica. FILOSOFAR: é interrogar principalmente sobre os fatos, problemas e dilemas que cercam o ser humano em seu contexto histórico. Esse contexto muda ao longo do tempo, e por isso alguns temas de reflexão filosófica variam. Formulam-se novas questões tais como: a humanidade será dominada pela técnica? Quais valores conduzem o homem moderno? 12. Para que serve a Filosofia? O senso comum da nossa sociedade considera útil apenas o que dá prestígio, poder, fama, riqueza. Julga útil pelo uso prático, lucrativo e visível das coisas. Mas será mesmo esse o conceito de útil? Ou será útil algo que torna possível: Abandonar a ingenuidade e preconceitos do senso comum Romper com a submissão das idéias dominantes e aos poderes estabelecidos Compreender a significação do mundo, cultura e história Conhecer o sentido da criação humana. A consciência de si e das próprias ações em busca da felicidade e liberdade - através do pensamento, permitir que o homem seja seu próprio condutor. Filosofia é o conhecimento da nossa civilização ocidental, durante anos. Uma herança valiosa que pertence a nós todos. A Filosofia gera as ferramentas para pensar, pesquisar e gerar conhecimento. O conhecimento não está inscrito no mundo,

9 9 ele foi produzido pelo homem, em alguma época e lugar. O conhecimento é fruto do pensamento. Filosofar é interrogar principalmente sobre fato, problemas e dilemas que cercam o ser humano em seu contexto histórico. 13. Alguns conceitos Tanto o senso comum quanto a ciência são formas de conhecimentos válidos e úteis para o homem, não havendo superioridade entre essas duas formas de compreender e agir na realidade. No entanto, é importante fazer essa distinção para estabelecer as diferenças entre essas duas possibilidades de conhecimento e sua aplicabilidade Senso comum É o conhecimento recebido por tradição e que ajuda a nos situarmos no cotidiano, para compreendê-lo e agir sobre ele. É um conjunto de crenças, baseadas no conhecimento espontâneas e não-crítico, mas que revelam o esforço de buscar soluções para a nossa vida cotidiana. Essas noções podem esconder idéias falsas e preconceituosas. No entanto, não podemos desprezar o senso-comum, pois essa forma de conhecimento tão universal contém muita sabedoria essencial para o desenvolvimento e organização da humanidade (ex: a roda e o fogo). O que caracteriza o senso comum não é sua verdade ou falsidade, é a ausência de crítica, fundamentação e coerência dessas concepções. O senso comum é transmitido no cotidiano, por meio da cultura e hábitos, de pende de julgamento e de valores. Muitas vezes essas concepções do senso comum se transformam em ditados populares. O senso comum lida com opiniões e pré-conceitos, noções parciais e com julgamentos da realidade Ciência A ciência produz um conhecimento sistemático e empiricamente fundamentado, a partir de um método racional. A partir da observação rigorosa, a ciência busca conhecer explicar a realidade forma objetiva, sem interferência de valores e julgamentos. A ciência trabalha com conceitos, que são as noções elaboradas,

10 10 testadas rigorosamente, comprovadas. Busca descobrir leis gerais que sejam válidas para várias situações particulares Dogmatismo - Dogmas são conhecimentos inquestionáveis, são noções estabelecidas sem contestação e crítica. O dogmatismo é a nossa crença de que o mundo existe e é exatamente igual ao que percebemos, por isso não é necessário criticar e refletir sobre a realidade A atitude dogmática é a aceitação natural e espontânea diante das coisas do mundo: acreditamos e percebemos o mundo pronto e conhecido. É uma atitude conservadora, ou seja, queremos conservar o mundo e as coisas como já são naturalmente. Criamos idéias preconcebidas e rígidas em defesa desse mundo Atitude filosófica é o oposto da atitude dogmática - A atitude filosófica pressupõe a dúvida e a crítica, não aceitar como naturais as coisas, os fatos, as idéias os comportamentos, os valores da nossa vida cotidiana. É preciso desconfiar das opiniões e crenças estabelecidas pela sociedade e cultura, e, também, desconfiar das próprias opiniões e crenças. É a atitude que nos leva a analise, reflexão e critica. Ir além da aparência e buscar a essência das coisas, dos fatos, dos valores, opiniões. Procurar saber o que é (significado), como é (estrutura) e por que é (causa) de algo. 14. Atividades: O Mito da Caverna é uma das passagens mais conhecidas da história da filosofia, faz parte do livro VII de A República, de Platão. A República é um diálogo entre Sócrates e seus amigos, que apresenta o método de investigação filosófica e sintetiza os principais temas da filosofia de Platão, ou seja, a organização da sociedade, a natureza política, o papel da educação e a essência da justiça. 15. Leitura básica 1. Convite à Filosofia. Introdução. Marilena Chauí. 2. Platão, pags. 121, 123 e 124 em Filosofando de Aranha e Martins 3. Texto anexo e abaixo: O que é Filosofia, Gilberto Dimenstein.

11 11

12 12

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Prof. MSc. Paulo Cesar Lopes Krelling Universidade Federal do Paraná Núcleo de Educação a Distância Praça

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com Surgimento da ciência. Conceito filosófico do conhecimento e interesse pela pesquisa. Colaboradores: Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

Um Mundo Sem Fronteiras. A Nova Era Econômica

Um Mundo Sem Fronteiras. A Nova Era Econômica Um Mundo Sem Fronteiras A Nova Era Econômica Quais São as Principais Conseqüências Da Nova Era Econômica? A Nova Era Econômica A Concorrência É Muito Maior Atendimento De Coração A Nova Era Econômica

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE

BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Grace Da Ré Aurich,

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população

7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população 102 7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população A população está constantemente exposta às ondas eletromagnéticas (OEM) de radiofreqüências (RF) de baixa intensidade oriundas de diversas

Leia mais

A FÍSICA EM DESAFIOS

A FÍSICA EM DESAFIOS A FÍSICA EM DESAFIOS DESAFIO 3 O nosso projecto: Porque também achamos a Física divertida, lá conseguimos arranjar um pouquinho de espaço e tempo, para respondermos ao Desafio 3 proposto. AS LEIS de NEWTON.

Leia mais

1. Introdução. Palavras Chaves: Observação do Espaço Escolar. Cotidiano. Processo formativo.

1. Introdução. Palavras Chaves: Observação do Espaço Escolar. Cotidiano. Processo formativo. A OBSERVAÇÃO DA ROTINA ESCOLAR COMO MEIO DE CONHECIMENTO: POSSIBILIDADES FORMATIVAS PARA O FUTURO PROFESSOR, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A PARTIR DO PIBID. Santos, Vanessa Lago dos Licencianda em Pedagogia,

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP

INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP 1 INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP Túlio Ricardo Alarcon 1 RESUMO: A presente pesquisa focou-se na objetividade de permear as lacunas do treinamento

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo:

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo: Aula 1.2 Conteúdo: FILOSOFIA: Outras formas de pensar 1. Filosofia e Mitologia: O conhecimento tradicional indígena 2. Filosofia e Religião 3. Filosofia e senso comum 2 Habilidades: Perceber outros tipos

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

CONHECIMENTO 1 CONCEITO

CONHECIMENTO 1 CONCEITO CONHECIMENTO 1 CONCEITO No sentido correto da palavra, conhecer é elucidar a realidade. Etimologicamente a palavra elucidar vem do latim lucere, cujo significado é trazer luz. Assim, conhecer significa

Leia mais

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013 O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013 05 12/09/2013 É a área voltada para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas a criação e progressão de um projeto, que

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

CÍRCULO DE CULTURA: CONTRIBUIÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA E DA CRIATIVIDADE

CÍRCULO DE CULTURA: CONTRIBUIÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA E DA CRIATIVIDADE CÍRCULO DE CULTURA: CONTRIBUIÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA E DA CRIATIVIDADE Ana Elídia Torres Ana Maria Rodrigues de Carvalho annaelidia@hotmail.com Faculdade de ciências e letras - Universidade Estadual

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

APRENDER E ENSINAR COM TECNOLOGIAS: CONSTRUÇÃO DE OBJETO MULTIMÍDIA ESCOLAR VOLTADO PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL RESUMO

APRENDER E ENSINAR COM TECNOLOGIAS: CONSTRUÇÃO DE OBJETO MULTIMÍDIA ESCOLAR VOLTADO PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL RESUMO APRENDER E ENSINAR COM TECNOLOGIAS: CONSTRUÇÃO DE OBJETO MULTIMÍDIA ESCOLAR VOLTADO PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Rosilãne de Lourenço Lorenzoni 1 Profª. Drª. Meri Lourdes Bezzi 2 RESUMO A construção do conhecimento

Leia mais

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA Cristiano Corrêa de Paula 1 RESUMO: Utilizando-se do conceito formulado por Jung sobre manifestação religiosa, este artigo discorre sobre como se dá a manifestação

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Ação de Voluntariado junto a um grupo de crianças residentes na Vila do Ipê na cidade de Guaíba/RS Semeando a consciência sócio-ambiental

Ação de Voluntariado junto a um grupo de crianças residentes na Vila do Ipê na cidade de Guaíba/RS Semeando a consciência sócio-ambiental Ação de Voluntariado junto a um grupo de crianças residentes na Vila do Ipê na cidade de Guaíba/RS Semeando a consciência sócio-ambiental Autores: Ana Cláudia C. de Mello, Denise Ávila, Dílson Antônio

Leia mais

José, o coleciona-dor¹. Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR

José, o coleciona-dor¹. Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR José, o coleciona-dor¹ Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR Resumo O trabalho José, o coleciona-dor foi desenvolvido

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA O CURSO DE EXTENSÃO CINE EDUCAÇÃO HORÁRIOS

CHAMADA PÚBLICA PARA O CURSO DE EXTENSÃO CINE EDUCAÇÃO HORÁRIOS CHAMADA PÚBLICA PARA O CURSO DE EXTENSÃO CINE EDUCAÇÃO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) Câmpus Cidade de Goiás faz saber, pela presente Chamada Pública, que estarão

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação

ÍNDICE. Capítulo 1 : O valor da Inovação ÍNDICE Capítulo 1 : O valor da Inovação Estamos na era da Inovação A responsabilidade da educação A mudança da cultura Mas o que é inovação? Inovar vale a pena Estudo de caso: TUDO e Itaú: uma parceria

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia)

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) 1 2 Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) Em todo desenvolvimento de software, um aspecto fundamental

Leia mais

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC 7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC Processo de Trabalho e Qualificação Profissional do médico APS PROVAB / Lei 12.871

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Pedro (Espírito) Psicofonia compilada por Maria Regina Neves Campos Revisão: Filipe Alex da Silva

Pedro (Espírito) Psicofonia compilada por Maria Regina Neves Campos Revisão: Filipe Alex da Silva O Poder no Mundo Espiritual 05/10/2014 Pedro (Espírito) Psicofonia compilada por Maria Regina Neves Campos Revisão: Filipe Alex da Silva Resumo: Neste estudo são relembrados os conceitos das realidades

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

Dividiremos nossa aula em:

Dividiremos nossa aula em: Curso: Pedagogia Profa. Ms. Mara Pavani da Silva Gomes Ciências, tecnologia e qualidade de vida Dividiremos nossa aula em: 1) Algumas considerações sobre a ciência 2) A atividade científica 3) Construção

Leia mais

VIRAL. Para quem? Hoje em dia até uma ideia se pode tornar VIRAL.

VIRAL. Para quem? Hoje em dia até uma ideia se pode tornar VIRAL. VIRAL Hoje em dia até uma ideia se pode tornar VIRAL. VIRAL é uma exposição interativa que explora o que é o contágio e como funciona, revelando fenómenos biológicos, sociais e questionando o seu impacto

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

Filosofia, investigação e ensino na universidade

Filosofia, investigação e ensino na universidade Filosofia, investigação e ensino na universidade Desidério Murcho King s College London desiderio.murcho@kcl.ac.uk I Congresso Internacional sobre Filosofia na Universidade VI Simpósio Sul Brasileiro sobre

Leia mais

O uso de jogos no ensino da Matemática

O uso de jogos no ensino da Matemática 607 O uso de jogos no ensino da Matemática Cyntia Luane Silva Godoy 1 Marlene Menegazzi 2 RESUMO Neste trabalho irei abordar a importância do uso de jogos no ensino da Matemática como um recurso didático

Leia mais

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. Resumo: MIGUEL, Rebeca Signorelli UNICAMP rebs.rebequinha@gmail.com PRODÓCIMO, Elaine UNICAMP elaine@fef.unicamp.br

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 205 OS NOMES DE LUGARES DE ORIGEM INDÍGENA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO 6º AO 9º DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE ESTUDO TOPONÍMICO

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

Divulgação Gratuita - Kit Concursos

Divulgação Gratuita - Kit Concursos Por Alexandre L.C. Versão 2014 Divulgação Gratuita - Kit Concursos Introdução Parabéns! Você deu um grande passo para conquistar sua vaga em um concurso público. Depois de muitos estudos e muito interesse

Leia mais

AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS *

AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS * AFETIVIDADE NA ESCOLA: ALTERNATIVAS TEÓRICAS E PRÁTICAS * MÁRIO SÉRGIO VASCONCELOS ** ão é recente a discussão sobre o papel da afetividade na constituição da subjetividade humana. Inserida na história

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo III Ensinos por Parábolas

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo III Ensinos por Parábolas FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo III Ensinos por Parábolas Objetivo Interpretar a parábola da rede, segundo o entendimento

Leia mais

Economia Doméstica - Finanças Pessoais -

Economia Doméstica - Finanças Pessoais - Economia Doméstica - Finanças Pessoais - Parte A Introdução e Visão Geral Parte B Planejamento e Acompanhamento - Técnicas Prof. Maurício Cury POUPAR x GASTAR Situação: Dois casais amigos onde, cada casal

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO É POSSÍVEL ACONTECER UM ACIDENTE DE TRABALHO NESTAS CONDIÇÕES? Percepção de Riscos e Prevenção As pessoas são realmente descuidadas? As pessoas realmente percebem os riscos?

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus NA DENSIDADE DO HUMANO EMERGE A VIDA DE DEUS, Nossa espiritualidade marista, aberta ao diálogo interreligioso, a quem está em busca

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO

MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Setembro/2015 MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Prof. Dr. Marcos Vinicius Cardoso ESTRUTURA DA PÓS GRADUAÇÃO Definida pelo parecer n. 977/65; Já estava prevista na Lei de Diretrizes

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas A EDUCAÇÃO ESPÍRITA Roteiro 5 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Indicar as diferenças existentes entre instrução e

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br de 8 4 Que tipo de concurseiro é você? FASCÍCULO 4 - MAIO DE 2014 www.concurseirosolitario.com.br [ EDITORIAL] N ão poderíamos estar mais satisfeitos com a repercussão causada por esta nova série de fascículos,

Leia mais

Etnocentrismo, racismo e preconceito

Etnocentrismo, racismo e preconceito MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 1 TEXTO 1 Etnocentrismo, racismo e preconceito Nesse texto, você terá a oportunidade de rever as idéias que circulam à sua volta a respeito de racismo. Será que

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica

Educação Moral e Religiosa Católica Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Ano letivo: 205/6 Educação Moral e Religiosa Católica Planos de Unidade do 7º ano de escolaridade Unidade letiva : As origens Metas: B. Construir uma chave de

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Formação estatística dos licenciandos em matemática no Brasil

Formação estatística dos licenciandos em matemática no Brasil Formação estatística dos licenciandos em matemática no Brasil Bezerra, Lucicleide y Gitirana, Verônica UFPE Resumo O presente artigo é parte de uma pesquisa de mestrado que analisa a inserção da estatística

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE INTRODUÇÃO A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE Tomando-se como base o texto de Ferreira (1999) 1, neste material apresentam-se algumas questões que circundam o debate do ambientalismo, especialmente quando pensado

Leia mais

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida *

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Mariene Helena Duarte¹, Maria da Gloria Bastos de Freitas Mesquita² marieneduarte@hotmail.com ¹ Graduanda em Química Bolsista Iniciação

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

O silêncio não a discordância é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar. Warren Bennis

O silêncio não a discordância é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar. Warren Bennis 3.LIDERANÇA O silêncio não a discordância é a única resposta que os verdadeiros líderes deveriam se recusar a aceitar. Warren Bennis 3.1 AFINAL, O QUE É SER LÍDER? Quando falamos em liderança, as pessoas

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Cada célula do ser vivo contém imensa

Cada célula do ser vivo contém imensa ECTOPLASMA Cada célula do ser vivo contém imensa variedade de características vitais e vibracionais, organizacionais no todo ou em partes específicas, que dependem das condições física, mental e vibracional

Leia mais

OPTOMETRIA COMPORTAMENTAL COMO MODELO DE ANÁLISE PARA RECONHECIMENTO DE DISTÚRBIOS INTRODUÇÃO

OPTOMETRIA COMPORTAMENTAL COMO MODELO DE ANÁLISE PARA RECONHECIMENTO DE DISTÚRBIOS INTRODUÇÃO OPTOMETRIA COMPORTAMENTAL COMO MODELO DE ANÁLISE PARA RECONHECIMENTO DE DISTÚRBIOS Ricardo Domingos Mondadori Optometrista, Pres. do Conselho Regional de Optometria SC Prof. de Optometria do CIEPH INTRODUÇÃO

Leia mais

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado Paula Rebouças Estudo Exploratório I. Introdução A Dislexia é uma síndrome caracterizada por problemas na leitura: ao ler a pessoa

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A.

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. A Voz da Revelação Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. Hoje nós falaremos sobre a Voz da Revelação. A Voz que você está

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PROJETOS AMBIENTAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE NARANDIBA SP

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PROJETOS AMBIENTAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE NARANDIBA SP EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PROJETOS AMBIENTAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE NARANDIBA SP Resumo ARANA, Alba Regina Azevedo 1 - UNOESTE Grupo de Trabalho Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: sem agencia finaciadora

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FILOSOFIA II. 2ª O pensamento enquanto pensamento reflexivo e filosófico.

EXERCÍCIOS DE FILOSOFIA II. 2ª O pensamento enquanto pensamento reflexivo e filosófico. EXERCÍCIOS DE FILOSOFIA II 2ª O pensamento enquanto pensamento reflexivo e filosófico. QUESTÃO 01 É bastante comum ouvirmos essa frase dos adultos: As crianças de hoje já não brincam como as de antigamente.

Leia mais