ANAIS HÁBITOS DE VIDA E SEGURANÇA DOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS HÁBITOS DE VIDA E SEGURANÇA DOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS"

Transcrição

1 HÁBITOS DE VIDA E SEGURANÇA DOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS PAULO TARSO VILELA DE RESENDE ( ) FUNDAÇÃO DOM CABRAL PAULO RENATO DE SOUSA ( ) FUNDAÇÃO DOM CABRAL PAULO RODRIGUES CERQUEIRA ( ) FUNDAÇÃO DOM CABRAL RESUMO O presente trabalho investigou os hábitos de vida e segurança dos caminhoneiros de transporte de carga no Brasil. A atenção com esses trabalhadores tem efeitos na qualidade dos serviços das organizações e na segurança das estradas nacionais. Este estudo, através de uma pesquisa de natureza quantitativa e qualitativa, dados primários e entrevistas com 513 motoristas que viajavam em trechos acima de 400 quilômetros, levantou informações relevantes sobre os seus hábitos. Os resultados apresentaram pontos de extrema importância no que tange à vida desses profissionais de vital importância ao Brasil. Palavras-chave: Hábitos de vida, segurança, caminhoneiros. INTRODUÇÃO O Brasil possui uma estrutura respeitável de transporte de cargas pelo sistema rodoviário, principal modal nacional, responsável por aproximadamente 58% do transporte de produtos primários (ANTT, 2009). Segundo Senna e Michel (2007), o sistema de transporte brasileiro apresenta diversos problemas para suportar as necessidades de uma economia dinâmica, diante do seu crescimento e da posição que pretende assumir na economia global. A utilização do transporte rodoviário em geral é recomendada para distâncias menores, na faixa de 200 a 300 quilômetros (FARIA, 2001), e altamente recomendada para o transporte de mercadorias de alto valor agregado e perecíveis. O transporte rodoviário de cargas depende amplamente dos caminhoneiros para transportar cargas e providenciar as entregas no tempo acordado, com produtos dentro da qualidade e das exigências dos consumidores. Daí a importância dessa profissão. O contexto de trabalho dos caminhoneiros reflete as iniquidades da economia de mercado inserida em um mundo globalizado. A falta de qualificação e o baixo nível de escolaridade conduzem à submissão em empregos com baixa remuneração, às longas jornadas de trabalho, à exclusão social e ao distanciamento recorrente da família em função da profissão (ROCHA, 2008). O profissional insatisfeito na sua ocupação atua diretamente sobre a reputação da empresa, sobre a satisfação dos consumidores e a eficiência de toda a cadeia de suprimentos. No longo prazo, causa impactos na vantagem competitiva dos negócios e pode influenciar amplamente a economia das organizações. Por outro lado, há uma grande quantidade de trabalhadores autônomos que, de posse de caminhão próprio ou arrendado, luta diariamente pelo sustento da família, muitas vezes distante e numerosa. O presente estudo teve como objetivo geral verificar a realidade da profissão (autônomos ou funcionários de empresas e transportadoras) que atuam no transporte de cargas 1/17

2 de longa distância, em trânsito na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). O ambiente de trabalho dos caminhoneiros será apresentado com a finalidade de se montar o cenário de risco que a profissão expõe àqueles que a ela se dedicam. O objetivo proposto neste capítulo é enriquecer a discussão com a visão de autores especializados na questão da vida profissional e fazer a ligação com a rotina dos caminhoneiros, no intuito de se realizar uma análise segura dos dados que serão apresentados ao longo deste estudo. Basicamente, o estudo está dividido em quatro seções principais: (1) Revisão Bibliográfica, com os principais conceitos relacionados aos caminhoneiros; (2) Metodologia, em que os procedimentos de coleta de dados, tratamento de dados e amostra são apresentados; (3) Resultados e, finalmente, (4) Conclusões, em que são feitas considerações finais referentes às principais discussões do estudo. 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Situação ocupacional dos caminhoneiros O Brasil apresenta uma frota nacional de carga composta por veículos (ANTT, 2009). Desse total, (55,33%) dos veículos são operados por transportadores de carga autônomos e (44,26%) por empresas transportadoras. O GRÁF. 1 ilustra o fluxo de veículos nas rodovias federais (MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, 2007). Observa-se que há maior concentração do fluxo nas regiões Sudeste e Sul, com maior predomínio nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Gráfico 1: Mapa de fluxo de veículos pesados nas rodovias federais delegadas Fonte: MT, Os caminhoneiros são profissionais de fundamental importância para o desenvolvimento econômico do País, pois movimentam em todo o Território Nacional e em regiões fronteiriças elementos essenciais para o abastecimento das comunidades. O caminhoneiro brasileiro é um profissional que percorre longas distâncias e nem sempre se alimenta de forma adequada. Sua jornada de trabalho é frequentemente longa e ele tem sono de baixa qualidade. 2/17

3 Há uma grande dificuldade de regulamentação da profissão, muito em função da configuração do mercado, o que leva os motoristas a trabalharem longas jornadas, vários dias durante a semana. Segundo Gomes (2006), o setor de transporte de cargas usualmente classifica os motoristas como: - assalariados (registrados em carteira de trabalho); - agregados (trabalhadores informais autônomos ou terceirizados com firma aberta). O autor discute que, em algumas transportadoras, há a exigência de que caminhoneiros autônomos abram firma, porém, na realidade, não há diferença ocupacional entre estes e motoristas contratados. Há uma subavaliação da mensuração do frete rodoviário (KATO, 2005). De acordo com Silva Junior (2004), em uma pesquisa realizada pela COPPEAD/UFRJ e pela CNT (2002) foi revelado que o Brasil pratica um dos valores de fretes rodoviários mais baratos do mundo. Segundo o estudo, o frete rodoviário brasileiro custa, em média, US$18,00 por mil tkm movimentadas, enquanto nos Estados Unidos os valores de fretes chegam a US$56,00. Além disso, o valor médio pago pelos fretes é muito inferior aos custos incorridos, comprometendo a saúde e o crescimento do setor. Como principais causas para o baixo valor dos fretes rodoviários, foram apontados (CNT/COPPEAD, 2002): - baixas barreiras de entrada; - altas barreiras de saída; - baixa manutenção e renovação de veículos; - carregamentos com sobrepeso; - jornadas de trabalho excessivas; - inadimplência no setor. Com isso, a disparidade entre os custos e o preço médio do frete faz com que haja menos manutenção, aumento da jornada de trabalho e do carregamento dos veículos. Como há uma grande entrada de transportadores autônomos e empresas de transporte, aliada a dificuldades burocráticas de saída, observa-se uma elevação da oferta e queda dos valores de frete. Portanto, os transportadores autônomos são levados a praticar uma concorrência predatória, passando a transportar cada vez mais cargas, com menos manutenção dos veículos, maior velocidade de condução e redução nos lucros (CNT/COPPEAD, 2002). A frota brasileira possui uma idade média de aproximadamente 18 anos. Além da insegurança, foram apresentadas como consequências os altos custos de manutenção, o consumo de combustíveis e a poluição. Veículos mais antigos podem oferecer um frete mais barato, mas há uma considerável queda de produtividade. Com o aumento da oferta de transporte e, consequentemente, da concorrência, os motoristas tendem a trabalhar em uma jornada maior de trabalho, resultando em mais uma contribuição para a redução do frete e da segurança. Chahad e Cacciamali (2005) discutem que, nos dias de hoje, o processo de movimentação de cargas por transporte terrestre torna-se mais dependente das economias de custos e do controle do tempo de transporte. Para os autores, vivemos uma nova utilização de tecnologias, novos arranjos trabalhistas e maior ação de intermediários em todo o processo. Os motoristas de caminhão em todo o mundo vêm sendo afetados pelas demandas de competitividade das organizações, e a relação empregatícia, antes configurada como um emprego permanente, acarretou aumento da terceirização (CHAHAD; CACCIAMALI, 2005; DORN; BROWN, 2003). Muitos caminhoneiros, então, tornaram-se trabalhadores por conta própria, autônomos ou empresários com relação de dependência com a empresa, o que se caracteriza como uma camuflagem da relação de emprego (GOLDIN; FELDMAN, 1999). 3/17

4 Como exemplo, Chahad e Cacciamali (2005) apresentam situações enfrentadas por motoristas autônomos de caminhão, como ocorre na Argentina, onde atuam como trabalhadores independentes, mas com alta dependência em relação às transportadoras e às empresas. Situação similar é encontrada na Finlândia, onde muitos motoristas trabalham sob regime de aluguel preestabelecido por um único empregador. Portanto, observamos que, nas novas formas de relação do emprego, o motorista continua desempenhando as mesmas atividades de empregado permanente, porém sem um vínculo empregatício (CHAHAD; CACCIAMALI, 2005). Outra consequência é vista na proliferação de empresas de subcontratação. Segundo Chahad e Cacciamali (2005), elas servem para encobrir a relação de dependência, reconfigurando-se, assim, o mercado de trabalho e desorganizando a oferta de serviços, as remunerações e a sindicalização dos trabalhadores. Em resumo, o motorista trabalha numa relação de emprego assalariado encoberta e não está enquadrado como empregado, empresário ou pequeno capitalista (ILO, 2003). Os caminhoneiros são responsáveis pelo transporte de quase 60% do total de cargas movimentadas no Brasil (ANTT, 2009). São profissionais que usualmente dormem na boleia do caminhão, e diversas pesquisas mostram que eles se consideram marginalizados, com problemas de autoestima, desconforto, má qualidade de sono e de alimentação. Segundo Koller (2005), em uma pesquisa realizada com 239 caminhoneiros, situados em diversas regiões brasileiras, destacaram-se como os maiores problemas da profissão: (a) insegurança e violência (25,75%); (b) má qualidade das estradas (21,76%); (c) distância da família (10,11%); (d) corrupção policial (8,02%); (e) baixa remuneração (7,9%); (f) jornada de trabalho estafante (7,72 %); (g) pouca disponibilidade de cargas e frete barato (3,49%); (h) discriminação e preconceito (2,39%). Os resultados da pesquisa evidenciaram duas grandes queixas dos caminhoneiros: segurança e o papel da polícia. Muitos participantes afirmaram que o policiamento é ineficiente, pois não previne os assaltos, e os policiais são corruptos, por extorquirem dinheiro por meio de multas abusivas (KOLLER, 2005). Outro dado importante refere-se à imagem que os caminhoneiros acreditam que as pessoas têm em relação à profissão. 75,3% dos caminhoneiros afirmaram ser mal vistos (KOLLER, 2005). Grande parte dos entrevistados entretinha-se com conversas com amigos, TV, rádio, e uma parte menor buscava sexo e bebidas (VAZ, 2007; KOLLER, 2005). Quando questionados sobre o uso de bebida alcoólica, foi verificado que 30,5% disseram usar de um a três dias no mês. E 6,8% afirmaram consumir bebidas alcoólicas por 20 dias ou mais. 31,2% afirmaram ser fumantes frequentes, 5,2% afirmaram ingerir estimulantes (como o rebite) e 4,7% revelaram consumir drogas ilícitas (KOLLER, 2005). No próximo tópico, apresenta-se um levantamento de dados acerca da situação de risco enfrentada pela ocupação de caminhoneiros. 2.2 O profissional em risco: Caminhoneiros Motoristas profissionais, mais do que os motoristas comuns, contribuem significantemente para o número de acidentes de tráfego nas rodovias (TAYLOR; DORN, 2006). São acidentes que acarretam um extraordinário custo financeiro e humano. Gomes (2006) observa que o alto índice de acidentes nas rodovias brasileiras é responsável pela morte anual de 30 mil pessoas e causa um prejuízo de 15 bilhões de reais por ano, segundo estudo do IPEA (2003). 4/17

5 Mello (2000) descreveu que o excesso de atividade de trabalho na categoria dos motoristas pode acarretar distúrbios do sono, varizes, hérnia de disco e hemorroidas. Segundo Connor et al. (2001), a fadiga do motorista tem sido identificada como uma causa principal dos acidentes sérios, pois reduz a eficiência do desempenho de condução. Mais de um quarto dos motoristas de carga de longa distância relatou dormir ao volante durante os últimos 12 meses de condução, em pesquisa realizada por Mcartt et al. (2000). Taylor e Dorn (2006) seguem explicitando que são diversos os fatores que podem estar relacionados a acidentes na direção, porém, como causas de fadiga e baixo alerta na condução, destacaram: - estresse e demandas de tarefas; - horas na tarefa; - privação e desordens do sono; - período do dia e variação cardíaca; - motivação. A fadiga em conduções por longas horas pode acarretar retirada progressiva da atenção na estrada, particularmente em ambientes familiares (BROWN, 1994). Portanto, os profissionais deparam-se com um sobre-esforço cognitivo, muitas vezes maior do que em outras tarefas que requerem grande processamento de informações. Segundo Van der Holst et al. (2001), a condução prolongada em circunstâncias monótonas deve ser caracterizada como uma tarefa tão exigente quanto as tarefas que demandam alto esforço intelectual. Para Nascimento, Nascimento e Silva (2007), muitos caminhoneiros, devido a fatores socioeconômicos como dívidas pessoais, à crise no setor de transportes e às exigências de prazo, chegam a trabalhar por um período maior que 18 horas por dia. Para aliviar o sono, a ansiedade e o cansaço, muitos chegam a fazer uso de anfetaminas e bebidas alcoólicas. De acordo com Souza e Paiva (2005), o uso de anfetaminas por caminhoneiros em longa jornada é bastante comum. O mesmo se vê quanto ao consumo de bebidas alcoólicas, consideradas hoje como um dos principais causadores de acidentes e mortes nas estradas (PINSKY; LARANJEIRA, 1998). De acordo com os dados do Ministério dos Transportes (2009), as rodovias federais registraram no ano passado aproximadamente 138 mil ocorrências de trânsito, com um total de 239 mil veículos envolvidos, sendo um quarto deles caminhões. Para Branco (1999), o grande percentual de acidentes (aproximadamente 85%) está relacionado a falhas humanas. O autor identificou fatores mensuráveis (relacionados ao uso de drogas e à imprudência) e fatores não mensuráveis (estresse, tensão) e apresentou como principais motivos de acidentes: - inabilidade e imprudência ao conduzir o veículo; - excesso de velocidade; - desrespeito à sinalização; - desconhecimento do tempo e do espaço necessário à frenagem em cada velocidade; - alcoolismo; - estafa ocasional ou patológica. Segundo Stoohs et al. (1994), a sonolência diurna é um dos maiores fatores de risco de acidentes nas estradas. Outro fator preocupante envolve a questão do roubo de cargas. Fora os prejuízos financeiros e a necessidade de maiores investimentos em segurança, a violência contribui para o aumento da média de mortes de caminhoneiros no Brasil, que em 2004 chegou ao número de 281 mortes por grupo de 100 mil caminhoneiros, radicalmente maior em comparação aos países desenvolvidos (PAMCARY, 2005). 5/17

6 Reconhecendo a importância que os caminhoneiros têm no Brasil, na próxima seção abordaremos a metodologia a ser utilizada no presente estudo. 2. METODOLOGIA O objetivo da pesquisa foi avaliar os comportamentos e as práticas de trabalho, além da segurança percebida pelos motoristas nas estradas brasileiras. Segundo recomendação de Malhotra (2006), o estudo utilizou o tipo de pesquisa descritiva, que parte da análise de dados observados e levantados dos questionários aplicados aos participantes. A partir do questionário, buscou-se interrogar o comportamento, as intenções, as atitudes, a percepção, as motivações, as características demográficas, alguns dados sobre a realidade profissional e o estilo de vida do público focado. Para tal, foi elaborado um questionário estruturado e de ordem predeterminada, com vistas à padronização da coleta de dados. Foi adotado o método de observação natural e pessoal, em ambiente comum à rotina dos entrevistados, não havendo controle ou manipulação do questionário. A pesquisa contou com a participação de uma população de 513 motoristas profissionais de caminhão, autônomos ou empregados de transportadoras, que se encontrava em trânsito na Região Metropolitana de Belo Horizonte e cujos trechos viajados superavam a distância de 400 quilômetros. As entrevistas foram realizadas em dez postos de combustível, localizados em rodovias federais com grande circulação de caminhões. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (2009), Minas Gerais lidera o ranking de violência nas estradas, ao exibir o maior número de acidentes, pessoas feridas e vítimas fatais no Brasil. A seleção dos postos buscou contemplar os principais corredores de fluxo de carga em rodovias nas diversas direções e sentidos da malha que atravessa a RMBH. A estratégia de coleta de dados baseou-se em entrevistas nos postos de combustíveis, conduzida por uma equipe de cinco pesquisadores que, a cada dia, aplicaram os questionários em dois postos de combustíveis no turno da manhã, tarde e noite, dos dias 2 a 10 de julho de A pesquisa contou com uma margem de erro de 4,4 pontos percentuais, considerados satisfatórios para a aferição dos resultados. Para o tratamento e a análise estatística dos dados, foi apresentada estatística descritiva da amostra e, em seguida, foram analisadas as frequências das respostas. Do total da população analisada, cuja amostra é composta de 513 caminhoneiros, 165 (32%) participantes originam-se do Estado de Minas Gerais, 88 (17%) do Estado de São Paulo, 69 participantes (13%) são provenientes do Estado de Santa Catarina, 55 (11%) do Paraná, 41 (8%) do Rio Grande do Sul e pequena parte da amostra contou com motoristas de Goiás (17 participantes) e da Bahia (16 participantes), totalizando 6% de participação dos dois estados. Houve participação de caminhoneiros de diversos outros estados brasileiros, porém foi inferior a 3% da amostra. O GRÁF. 2 dá uma visão geral da distribuição de participantes. 6/17

7 Gráfico 2: Identificação Estado em que reside o caminhoneiro A grande participação de respondentes do Estado de Minas Gerais pode ser justificada pela quantidade de veículos de carga presente no estado, que atualmente conta com a segunda maior frota do País, com número inferior somente ao Estado de São Paulo. A considerável presença de participantes da Região Sul e de São Paulo vai também ao encontro do grande volume de veículos de carga nesses estados. Seguindo a tendência já observada em pesquisas anteriores (sobre o perfil do caminhoneiro), a disparidade de gêneros é praticamente absoluta na amostra. Apenas 2% das entrevistas contaram com a participação de mulheres. Quanto ao estado civil dos participantes, a maior parte da amostra é de casados (83%), enquanto o percentual de solteiros e divorciados é de 10% e 6%, respectivamente. Em relação à idade dos entrevistados, conforme demonstra o GRÁF. 3, observa-se que há um equilíbrio. Do universo da amostra, a maior parte tem idade de 30 a 39 anos (33%); 28%, de 40 a 49 anos; 20%, de 50 a 59 anos, e 15%, de 18 a 29 anos. Apenas 4% da amostra são representados por motoristas de 60 a 69 anos. Portanto, a participação de motoristas jovens é significativa, mas o público entre 30 e 39 anos é predominante. Gráfico 3: Identificação Idade dos caminhoneiros Em relação à renda média mensal, a grande maioria dos motoristas participantes (70%) recebe entre um e cinco salários mínimos por mês. Os que recebem entre 5 e 10 e entre 10 e 15 salários mínimos mensais compõem 23% e 5% da amostra, respectivamente (GRÁF. 4). 7/17

8 Apenas 2% do universo analisado faturam mais de 15 salários mínimos mensais. Os valores considerados para a análise de renda foram: Gráfico 4: Identificação Renda média mensal dos caminhoneiros Quanto à escolaridade, 67% dos entrevistados estudaram até o ensino fundamental e somente 22% completaram o ensino médio. Seguindo a tendência de outros estudos (KOLLER, 2005), apenas 2% dos motoristas apresentaram relação com o ensino superior. A maior parte dos entrevistados (38%) é motorista profissional há mais de 20 anos. 30% da amostra são compostos por motoristas com experiência de 11 a 20 anos, e 22%, de cinco a dez anos. A menor parte dos entrevistados refere-se a motoristas com menor experiência (10%), os quais atuam profissionalmente há menos de cinco anos. É forte a presença de filhos na família dos participantes (85%). Dentre os profissionais que possuem filhos, a maioria possui um ou dois filhos (GRÁF. 5). Dos entrevistados, 15% informaram não possuir filhos e 14% têm mais de quatro filhos. Gráfico 5: Identificação Número de filhos dos caminhoneiros Outro dado de fundamental importância ao estudo é com relação à propriedade do caminhão. A maior parte da amostra é de motoristas cujo caminhão pertence a empresas (65%). Vale considerar que esses profissionais nem sempre se enquadram no regime de contrato de CLT, portanto sem relação direta com a empresa. Os motoristas autônomos que possuem caminhão configuram 32% da amostra (GRÁF. 6). 8/17

9 Gráfico 6: Identificação Propriedade do caminhão No tocante à quantidade de dias que os motoristas passam fora de casa, em uma perspectiva mensal, 22% dos respondentes afirmaram passar praticamente o mês inteiro a trabalho (de 26 a 30 dias); 33% afirmaram se ausentar de casa de 16 a 25 dias e outros 33% não estão com a família de 6 a 15 dias. Pequena parte da amostra (12%) está em constante contato com a família (de um a cinco dias de ausência GRÁF. 7). A pressão emocional decorrente de medo de assaltos, acidentes, cumprimento do prazo e principalmente da ausência da família por longos períodos é um fator que afeta os profissionais de trânsito. Gráfico 7: Comportamento dias fora de casa por mês No universo da amostra, a maioria dos entrevistados não possui caminhoneiros na família (39%), 40% possuem até dois parentes caminhoneiros, enquanto a presença dos profissionais na família é maior em 22% dos casos (GRÁF. 8). Gráfico 8: Identificação. Existe outro caminhoneiro na família? 9/17

10 Foram realizados dois pré-testes para a avaliação da primeira versão do instrumento de coleta dos dados. A atividade teve como objetivo avaliar, testar e definir a praticidade da metodologia e a clareza e facilidade de entendimento das perguntas. Foi avaliado também o tempo de aplicação, bem como a fidelidade e veracidade nas respostas dos entrevistados. O pré-teste foi realizado pela coordenação de aplicação de testes do projeto e acompanhado pelos pesquisadores responsáveis pela adaptação do modelo de Cooper e Sloans (1988) e adaptação a fatos e questões pertinentes ao perfil dos motoristas. Essa etapa do trabalho teve a duração média de seis horas, considerando-se que o local selecionado para realização é privilegiado, por contar com alto número de caminhoneiros e ser um local de grande fluxo de carga e descarga. Sendo assim, foi possível atingir a meta estimada. A próxima seção apresenta os resultados descritivos da pesquisa realizados a partir do banco de dados formado conforme procedimentos anteriormente detalhados. 3. RESULTADOS Este tópico trata da percepção de segurança dos motoristas no dia a dia de trabalho. Segundo os respondentes, a percepção de insegurança em relação à profissão é presente em metade da amostra (GRÁF. 9). Gráfico 9: Segurança na profissão Nos cruzamentos realizados e demonstrados na TAB. 1, a insegurança na profissão de caminhoneiro atinge todas as faixas etárias. Entre os mais jovens, a insegurança na profissão atingiu a marca de 44,9%. Já no grupo de 40 a 49 anos, esse número chega a 51,7% e, para os trabalhadores de 60 a 69 anos, a insegurança assola 77,8% dos entrevistados. Tabela 1 Segurança Cruzamento Se sente seguro em sua profissão? e Idade Na tentativa de encontrar alguma ligação entre a insegurança vivida pelos profissionais do volante com supostos envolvimentos em acidentes, a TAB. 2 apresenta os dados obtidos na pesquisa. Dos profissionais que já se envolveram em acidentes, 44,3% sentem-se seguros no volante dos caminhões, contra 55,7% que não sentem segurança. Para os motoristas que 10/17

11 nunca se envolveram em acidentes, 53,6% sentem-se seguros e 46,4% demonstram insegurança. TABELA 2 Segurança Cruzamento Se sente seguro em sua profissão? e Já se envolveu em algum acidente Vinte e dois por cento dos motoristas afirmaram ter vivenciado uma ameaça ou assalto no trabalho. O percentual de duas ocorrências representou 15% da amostra, e 10% dos participantes sofreram ameaças ou assaltos no trabalho entre três a dez vezes (GRÁF. 10 e 11). Aproximadamente metade da amostra não apresentou problemas (52%) quanto ao tema. Também de acordo com o estudo, 38% dos entrevistados já se envolveram em algum acidente. Gráfico 10: Segurança. Índice de assaltos ou ameaças no trabalho Gráfico 11: Segurança Número de assaltos ou ameaças no trabalho 11/17

12 De acordo com a TAB. 3, vemos que há uma forte relação entre o sentimento de segurança dos motoristas com o número de assaltos ou ameaças sofridas no trabalho. Dos entrevistados que disseram ter sofrido um assalto ou ameaça, 59,3% se dizem ameaçados. Quando o número de ameaças ou assaltos passa para quatro, os percentuais são de 71,4% dos entrevistados que se sentem inseguros, contra apenas 28,6% que afirmam se sentir seguros com a profissão de caminhoneiro. TABELA 3 Segurança Cruzamento Se sente seguro em sua profissão? e Número de assaltos ou ameaças no trabalho Metade dos participantes analisados afirmou sentir insegurança no trabalho, o que leva os motoristas e as empresas a adquirirem itens de proteção frente aos prováveis riscos ocupacionais. 52% dos entrevistados apontaram como item de proteção o rastreador instalado no veículo. Foram também destacados: celular (6%), radioamador (4%), seguro (4%), armas brancas, como facões (4%) e travas (3%). Na amostra, 15% afirmaram não utilizar itens de proteção (GRÁF. 12) e 11% utilizam outros itens. Gráfico 12: Segurança Itens de proteção Com o objetivo de procurar compreender melhor alguns fatores que poderiam estar correlacionados com os hábitos dos motoristas, nesta parte da pesquisa são apresentados alguns cruzamentos considerados de interesse ao estudo. Para essa aferição de resultados, fezse necessária a divisão dos seguintes grupos: Grupo A: Engloba os participantes que responderam frequentemente ou muito frequentemente à maioria das seleções abaixo. 12/17

13 Grupo B: Engloba os participantes que responderam nunca ou raramente à maioria das seleções abaixo. - Ansiedade - Raiva - Cansaço - Irritabilidade - Insônia - Dores musculares - Cigarro O sono é de fundamental importância para todo e qualquer ser humano. E na profissão de caminhoneiro não é diferente; um descanso adequado é extremamente necessário para que o caminhoneiro desempenhe sua função da melhor maneira possível, sendo que qualquer tipo de comprometimento pode causar graves acidentes, como ocorre normalmente em nossas estradas. E, de acordo com este estudo, a preocupação com o sono se faz necessária, pois vários motoristas estão classificados no grupo de caminhoneiros que nunca ou raramente dormem de quatro a oito horas por dia. De todo o universo da amostra, alguns números destacam-se. Um percentual relevante de 16% dos participantes da pesquisa que têm viagens entre e km faz parte do grupo que raramente ou nunca dorme de quatro a oito horas por dia. Estão também nesse grupo que raramente ou nunca dorme de quatro a oito horas diariamente 22% dos entrevistados, os quais geralmente percorrem distâncias de 801 a km. Por fim, o número é ainda maior (25%) para os que percorrem mais de 3000 km. Longas distâncias e prazos curtos podem ser os fatores determinantes para que esses profissionais não durmam adequadamente e tenham prejuízos físicos e psicológicos. No cruzamento de diversas variáveis, como lugar onde dorme, qualidade do sono e qualidade da alimentação, alguns resultados apontam uma situação desfavorável para os caminhoneiros. Num cenário composto por dormir no caminhão, ter uma qualidade de sono ótima e uma alimentação ótima ou regular, 11% dos entrevistados encaixam-se no grupo dos que nunca ou raramente têm esse tipo de situação. Para um cenário parecido em que apenas se muda a variável qualidade do sono de ótima para boa, o índice de caminhoneiros que compõem o grupo dos que raramente ou nunca têm essa rotina chega a 22%. Se adicionarmos nesse grupo os caminhoneiros que nunca ou raramente têm uma boa qualidade do sono dormindo no caminhão e uma alimentação regular, esse número chega a 33% dos entrevistados. Na TAB. 4 é realizada a construção de novos cenários utilizando as variáveis renda mensal, idade e número de filhos. Os percentuais encontram-se bem distribuídos em toda a tabela, mas alguns podem ser apontados como sendo os mais significativos. Num panorama de renda mensal de até cinco salários mínimos, idade entre 30 e 39 anos e até dois filhos, 12% dos entrevistados participam do grupo dos que nunca ou raramente se deparam com essa realidade. Em outro cenário de renda de até cinco salários mínimos, idade entre 40 e 49 anos e até dois filhos ou mais, o índice da amostra atinge 14% de pessoas que nunca ou raramente vivem essa situação. 13/17

14 TABELA 4 Cruzamento Renda média mensal, Idade e Número de filhos Em outro cruzamento, em que mantem-se as variáveis anteriores renda e filhos e apenas altera-se a idade para mais de 50 anos, os resultados ainda produzem um percentual de 13% de caminhoneiros que se enquadram no grupo de quem nunca ou raramente se deparou com tal fato. Para níveis de renda acima de cinco salários mínimos, considerando-se qualquer idade e número de filhos, nenhum dos cruzamentos apresentou níveis maiores do que 5% entre os que responderam frequentemente ou muito frequentemente. Nos próximos cruzamentos, as variáveis serão: renda, experiência e propriedade do caminhão. Dez por cento dos entrevistados disseram nunca ou raramente ter renda de até cinco salários mínimos, experiência de cinco a dez anos e trabalhar com caminhão de empresas. O que pode sugerir, embora seja pouco provável, que as empresas pagam salários superiores a cinco salários mínimos. Doze por cento dos caminhoneiros afirmaram que nunca ou raramente estão presentes no cruzamento 10 a 20 anos de experiência, caminhão da empresa e faixa salarial de até cinco salários mínimos. Para um cenário semelhante, alterando-se a variável experiência para mais de 20 anos, o grupo de caminhoneiros que responderam nunca ou raramente viver tal fato compõe 15% dos entrevistados. Para cruzamentos feitos com renda maior que cinco salários mínimos, o grupo dos pesquisados que disseram acontecer qualquer uma das situações possíveis frequentemente ou muito frequentemente não passou de 1% em nenhum dos casos. Nas variáveis acidente, forma utilizada pelo motorista para cumprir prazo e uso de medicamento, um percentual de 12% dos motoristas afirmou que raramente ou nunca se envolve em acidentes, dirige mais tempo quando da necessidade de cumprir prazos e não usa medicamentos. Dezenove por cento estão no grupo que raramente ou nunca se envolve em acidentes, dirige mais tempo para cumprir os prazos e não faz uso de medicamento. Uma boa parcela dos motoristas (21%) compõe o grupo que nunca ou raramente não se envolve em acidente, não faz nada para cumprir prazos ou não usa medicamentos. Ou seja, esses 14/17

15 caminhoneiros realizam pelo menos um desses métodos inadequados na condução de um caminhão. 4. CONCLUSÕES Através de observações empíricas e conversas informais com os caminhoneiros, foi possível detectar alguns elementos que compõem a realidade do dia a dia desses profissionais. São eles: - As condições de higiene do local onde pararam eram precárias, sendo os banhos pagos e cronometrados pelo proprietário do posto. - Dormir dentro do caminhão nem sempre é opcional. Muitas vezes, é obrigatório porque no local, ou próximo a ele, não existem condições nem acomodações para dormir e/ou descansar. - A alimentação também é precária. A grande maioria dos motoristas prepara a comida em local adaptado como cozinha, na parte externa do caminhão. Notou-se que a refeição é simples e sem variedade. As condições de trabalho dos motoristas brasileiros de longas distâncias estão cada vez piores. O equilíbrio das condições de trabalho é colocado à prova a cada viagem, por pressões de tempo nas viagens ou por insegurança. A insegurança foi percebida como uma das maiores fontes de preocupação e estresse dos caminhoneiros. Segundo as declarações, é comum ocorrerem pequenos roubos nos postos de combustíveis onde os caminhoneiros estacionam para descansar e passar a noite e roubo de cargas nas estradas. As constantes preocupações com segurança, acidentes e pressão das empresas para cumprimento dos prazos podem desencadear doenças ligadas ao emocional do motorista, como estresse, nervosismo e irritabilidade. Esses resultados revelam que os motoristas de veículos de carga estão cada vez mais expostos às cobranças no trabalho. Conjuntamente, a remuneração dos seus serviços é baixa, fazendo com que esse profissional trabalhe num período de tempo cada vez maior, descuidando-se da manutenção do veículo e da velocidade permitida nas estradas, colocando em risco não somente sua integridade como a dos demais motoristas que cruzam as rodovias nacionais. Para cumprir as metas, muitos motoristas permanecem acordados por longas horas, o que, somado a hábitos alimentares inadequados e sobrepeso, termina por influenciar o desempenho dos motoristas ao volante, diminui a capacidade de reação e, consequentemente, aumenta o risco de acidentes nas rodovias brasileiras. Há necessidade urgente de maior atenção e regulamentação da atividade dos caminhoneiros para melhorar a qualidade dos mesmos e garantir uma segurança maior nas rodovias. REFERÊNCIAS ANTT. Agência Nacional de Transporte Terrestre. Disponível em: <http://www.antt.gov.br>. Acesso em: jul BRANCO, A. M. Segurança rodoviária. São Paulo: CL-A, BROWN, I. D. Driver Fatigue. Human Factors, p , CHAHAD, J. P.; CACCIAMALI, M. C. As transformações estruturais no setor de transporte rodoviário e a reorganização no mercado de trabalho do motorista de caminhão no Brasil. ABET - Associação Brasileira de Estudos do Trabalho, ano 5, Vol. 2, n. 10, /17

16 CNT/COPPEAD. Transporte de cargas do Brasil: ameaças e oportunidades para o desenvolvimento do país Diagnóstico e plano de ação, navegação e pontos de transporte de contêiners. Revista do BNDES, CONNOR, J.; WHITLOCK, G.; NORTON, R.; JACKSON, R. The role of driver sleepiness in car crashes: a systematic review of epidemiological studies. Accid. Anal., p , COOPER, C.; SLOAN, S. Occupation stress indicator: test sources of pressure in job. England: Windsor, DORN, L.; BROWN, B. Making sense of invulnerability at work a qualitative study of police drivers. Safety Science, p , FARIA, S. F. Fragmentos da história dos transportes. São Paulo: Aduaneiras, GOLDIN, A.; FELDMAN, S. Proteccion de los trabajadores: informe argentino, respuestas al cuestionario, country studies. Argentina: Geneve: ILO, GOMES, R. A. Transporte rodoviário de cargas e desenvolvimento econômico do Brasil: uma análise descritiva. Dissertação de Mestrado, Publicação T., Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Brasília, ILO. The scope of the employment relationship. 91 th session, report V, fifth item on the Agenda, International Labor Office, Geneve, IPEA. Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, DF, KATO, J. M. Cenários estratégicos para o transporte rodoviário de cargas no Brasil. Florianópolis: UFSC, KOLLER, S. A vida dos caminhoneiros brasileiros. Projeto de pesquisa: A vida dos caminhoneiros brasileiros. WCF Foundation/Brazil, Sweden, MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: Uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, MCCARTT, A., ROHRBAUGH, J., HAMMER, M., & FULLER, S. (2000). Factors associated with falling asleep at the wheel among long distance truck drivers. Accid. Anal., MELLO, M. Sleep patterns and sleep-related complaints of Brazilian interstate bus drivers. Brazilian Journal Medical Biological Research, 33, 71-77, MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. Plano Nacional de Logística e Transportes. Brasília: MT, MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. Programa de Redução de Acidentes no Trânsito PARE. Estatística de acidentes de trânsito nas rodovias federais do Brasil. Brasília: Ministério dos Transportes, NASCIMENTO, E. C.; NASCIMENTO, E.; SILVA, J. D. Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Saúde Pública, p , PAMCARY. Gerenciamento de riscos como meio de reduzir custos. FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL, Rio de Janeiro, PINSKY, I.; LARANJEIRA, R. O fenômeno de dirigir alcoolizado no Brasil. ABP-APAL, p , ROCHA, E. M. DST e AIDS em região de fronteiras: um estudo com caminhoneiros no estado de Rondônia. Cacoal, RO: UnB, SENNA, L. A. dos S., & MICHEL, F. D Rodovias auto-sustentadas: o desafio do Século XXI. São Paulo: Editora CLA. SILVA JUNIOR, R. F. Geografia de redes e da logística no transporte rodoviário. Presidente Prudente, SOUZA, J.; PAIVA, T.; REIMÃO, R. Sleep habits, sleepiness and accidents among truck drivers. Arquivo Neuropsiquiátrico, p , /17

17 STOOHS, R.; GUILLEMINAULT, C.; ITOI, A.; DEMENT, W. Traffic accidents in commercial long-haul truck drivers: the influence of sleep disordered, breathing and obesity. Sleep, p , TAYLOR, A. H.; DORN, L. Stress, fatigue, health, and risk of road traffic accidents among professional drivers: the contribution of physical inactivity. University of Exeter, Exeter, PRF. Departamento de Polícia Rodoviária Federal (2009). Disponível em: <http://www.dprf.gov.br>. VAN DER HOLST, M.; MEIJMAN, T.; ROTHENGATTER, T. Monitoring task set under fatigue: a study of time-on-task effects in simulated driving. Transp. Res. (Part F), p , /17

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

ANAIS FONTES DE TENSÃO E ESTRESSE NOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO MODELO OCCUPATIONAL STRESS INDICATOR

ANAIS FONTES DE TENSÃO E ESTRESSE NOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO MODELO OCCUPATIONAL STRESS INDICATOR FONTES DE TENSÃO E ESTRESSE NOS CAMINHONEIROS BRASILEIROS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO MODELO OCCUPATIONAL STRESS INDICATOR PAULO TARSO VILELA DE RESENDE ( pauloresende@fdc.org.br ) FUNDAÇÃO DOM CABRAIL PAULO

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Transporte Rodoviário e a Segurança nas Estradas

Transporte Rodoviário e a Segurança nas Estradas Transporte Rodoviário e a Segurança nas Estradas Darcio Centoducato Diretor de Gerenciamento de Riscos GPS Logística e Gerenciamento de Riscos S.A. 07/Maio Base de Conhecimento de Risco Sistemas para Seguros,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Pesquisa de Autonômos CNT - 2002 Relatório Analítico

Pesquisa de Autonômos CNT - 2002 Relatório Analítico Pesquisa de Autonômos CNT - 2002 Relatório Analítico Confederação Nacional do Transporte Pesquisa CNT 6 Pesquisa CNT APRESENTAÇÃO Com o objetivo de traçar um panorama do transportador autônomo brasileiro

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro.

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro. Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo Alves Caetano André Felipe Dutra Martins Rocha Elias João Henrique Dutra Bueno Estudo realizado com 111 empresas. O

Leia mais

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS e Empregados de Frota Relatório síntese de informações ambientais ÍNDICE Apresentação... 1. Dados da Pesquisa... 3. Perfil do Caminhoneiro.1

Leia mais

O que você encontrará nesse e-book? Sumário

O que você encontrará nesse e-book? Sumário [ E-BOOK] Sumário O que você encontrará nesse e-book? Lei N.º 13.103/15 Lei dos Motoristas...03 Como fazer controle de jornada...07 Controle de Jornada...09 Portaria Nº 373...17 Conclusão...20 Material

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica

MBA em Gestão Estratégica MBA em Gestão Estratégica Disciplina Extra Metodologia Científica Profa. Dra. Sonia Valle W. B. Oliveira Parte 1-23/03/2012 Parte 2-30/03/2012 1 Aula Extra Parte 2 Metodologia Científica 2 Agenda Dados

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014

Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014 Análise de Acidentes com Vítimas Fatais envolvendo Caminhões no Rio Grande do Sul de 2010 a 2014 Assessoria Técnica - 2015 1 ACIDENTES COM ENVOLVIMENTO DE PELO MENOS UM CAMINHÃO Índice Fonte e Metodologia...

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

13. Desatenção e cansaço

13. Desatenção e cansaço 13. Desatenção e cansaço Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do manual de Direção Defensiva do DENATRAN O ato de dirigir um veículo requer atenção permanente.

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Fórum Gestão e Eficiência de Frotas. Programa TransFormar. Desenvolvimento Comportamental de motoristas. Essencial na gestão dos negócios!

Fórum Gestão e Eficiência de Frotas. Programa TransFormar. Desenvolvimento Comportamental de motoristas. Essencial na gestão dos negócios! Fórum Gestão e Eficiência de Frotas Programa TransFormar Desenvolvimento Comportamental de motoristas. Essencial na gestão dos negócios! Nereide Tolentino Consultora Programa Volvo de Segurança no Trânsito

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete

Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete 0 Pesquisa sobre o transporte escolar oferecido aos alunos do Instituto Federal Farroupilha Câmpus Alegrete Autores: Alunos da Turma 201 da Licenciatura em Matemática Orientador: Professor Mauricio Lutz

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619 Possíveis Impactos da Lei 12.619 Introdução Custos do TRC Comportamento dos Custos Produtividade no TRC Exemplos COMPLEXIDADE da escolha de um Preço FRETE $ FRETE x Qtde Vendida CUSTOS RECEITA Concorrentes

Leia mais

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Prof. Fabian Salum 2012 Com o intuito de auxiliar no desenvolvimento estratégico e na compreensão da importância da inovação como um dos possíveis diferenciais

Leia mais

Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1)

Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1) Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1) Rachel Fanti Coelho Lima O objetivo deste artigo é apresentar algumas práticas e decisões gerenciais que vêm sendo adotadas

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto November 19, Resultados em : A Pesquisa de Qualidade de Vida da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DEZEMBRO/2010 PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE MANAUS, ANO 2010 - N 12 MANAUS AM 67,2% dos consumidores

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista 1. Introdução Este documento tem por objetivo apresentar a solução de software e serviço que atenderá a Lei nº 12.619 de 30 de abril de 2012,publicada no Diário

Leia mais

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Violência afetiva e violência doméstica contra idosos Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Autores: PATRÍCIA LUÍZA COSTA - Bacharel em Química pela UFMG.

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 Sumário: 1) Desafios econômicos do setor de seguros (Brasil e Mundo) 2) Princípios sobre Modelos

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

3 - Quem e como será fiscalizado o tempo de direção dos motoristas autônomos?

3 - Quem e como será fiscalizado o tempo de direção dos motoristas autônomos? Lei 12.619 1 - A lei já está em vigor ou entrará em qual data? R Sim. A lei está em vigor desde o dia 17/06/2012. 2 - O motorista profissional conforme artigo 67C, do CTB, na condição de condutor, é responsável

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG Atualização sobre a violência no trabalho Profª Andréa Maria Silveira UFMG VIOLÊNCIA Uso intencional de força física ou poder em ameaça ou ato, contra si mesmo, outra pessoa, grupo ou comunidade que resulte

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Secretaria de Política Nacional de Transportes Pesquisa Nacional de Tráfego 2011: Volumétrica e Origem e Destino Luiz Carlos Rodrigues Ribeiro Coordenador Geral de Planejamento OBJETIVO Elaboração de estudos

Leia mais

5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI)

5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI) 52 5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI) Para mapear a oferta, uma Request for Information (RFI) foi lançada no mercado, pela empresa pesquisada, com o objetivo de levantar informações adicionais

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Tatiana Guimarães Ferraz Andrade 1

Tatiana Guimarães Ferraz Andrade 1 Principais Mudanças no regime de trabalho determinadas pela Lei 13.103/15 e seus impactos no dia-a-dia das transportadoras e dos motoristas de veículos de cargas e de passageiros Tatiana Guimarães Ferraz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas 50 4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas Neste capítulo é apresentada a definição de transporte urbano de cargas, a Logística Urbana ou City Logistics, seu enfoque,

Leia mais

Comportamentos de Risco Entre Jovens. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro

Comportamentos de Risco Entre Jovens. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro Comportamentos de Risco Entre Jovens Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro 1. Por que esse estudo é relevante? Esse estudo procura investigar o engajamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Um diagnóstico de acidentes de caminhões

Um diagnóstico de acidentes de caminhões Um diagnóstico de acidentes de caminhões PAMCARY, corretora de seguros e gestora de riscos, analisando o perfil e as causas dos acidentes com veículos de carga, chegou às seguintes conclusões: Acidentes

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte.

Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte. Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte. Anna Carolina Côrrea Pereira 1 ; Ana Gabriela Furbino Ferreira 2 ; Igor Jackson Arthur Costa e Souza 3 ; José Irley Ferreira Júnior 4 ; Antônio

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Soluções de Gestão e Gerenciamento de Riscos que Criam Valor e Sustentabilidade à Logística ou Seu GR Pode Tornar a Logística Mais Verde?

Soluções de Gestão e Gerenciamento de Riscos que Criam Valor e Sustentabilidade à Logística ou Seu GR Pode Tornar a Logística Mais Verde? Soluções de Gestão e Gerenciamento de Riscos que Criam Valor e Sustentabilidade à Logística ou Seu GR Pode Tornar a Logística Mais Verde? II Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes 10 de Dezembro

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Veículos de carga e segurança rodoviária

Veículos de carga e segurança rodoviária Veículos de carga e segurança rodoviária João Rodrigo G. Mattos (DEPROT/UFRGS) João Fortini Albano (PPGEP/UFRGS) Resumo O presente trabalho contextualiza e comenta as principais alterações ocorridas no

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4 O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DA ESCOLA DE SAÚDE DO MEIO AMBIENTE DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO,

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

BLOCO DO BAFÔMETRO NAS RODOVIAS

BLOCO DO BAFÔMETRO NAS RODOVIAS BLOCO DO BAFÔMETRO NAS RODOVIAS Brasília, 07 de fevereiro - A Polícia Rodoviária Federal vai intensificar ainda mais a fiscalização de embriaguez ao volante durante a operação Carnaval, que começa à zero

Leia mais

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 Priscila Aparecida Olivette Licencianda do Curso de Geografia pela Unicentro e Bolsista Fundação Araucária (PR) pri_xd93@hotmail.com

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador VITAL DO RÊGO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador VITAL DO RÊGO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 91, de 2003, do Senador Paulo Paim, que dispõe sobre a regulamentação da atividade de motorista

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais