PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS"

Transcrição

1 WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS PARTE I: Profa. Dra. Maria Cristina Nobre e Castro (UFF) Doenças renais primárias em gatos que podem evoluir para DRC (jovem X adulto) e DRC no idoso Mestranda Fernanda Chicharo Chacar (USP) Gatos adulto jovens com DRC e litíase renal /ureteral versus hipercalcemia idiopática Prof. Dr. Marcio A. Brunetto (USP) Particularidades na dieta terapêutica de gatos com DRC de evolução prolongada INTERVALO PARTE II MV, Ms e Doutor Luciano H. Giovaninni (UNICPET Nefrologia e Urologia) Acidose metabólica na doença renal crônica em felinos Profa. Dra. Marcia Mery Kogika (USP) Avaliação crítica transplante renal e perspectivas da terapia com células tronco na DRC em gatos Perguntas e Respostas

2 DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS JOVENS E IDOSOS MARIA CRISTINA NOBRE E CASTRO CBNUV

3 DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS JOVENS E IDOSOS Causas de DRC gatos jovens e adultos DRC em gatos idosos: Etiologia IRIS Fatores de Progressão

4 DOENÇA RENAL CRÔNICA Declínio lento e progressivo da função renal Presença de lesões estruturais e/ou funcionais por mais de 3 meses

5 Etiologia DRC: gatos adultos jovens x idosos Doenças familiares Pielonefrite crônica Hipercalcemia Nefrolitíase Progressão da IRA Neoplasias FIV e outros

6 DRC 153 gatos FIV + e 306 gatos FIV Conclusão: Não houve associação de azotemia com FIV A presença de proteinúria foi associada à infecção natural por FIV Proc Natl Acad Sci USA 2012, 109:

7 VICTÓRIA, 3 ANOS NEFROLITÍASE, URETEROLITÍASE DIAGNÓSTICO HÁ 2 ANOS. DRC 4

8 YASMIM, 6 ANOS, RAGDOLL Rim esquerdo: 3,14 cm Rim direito: 2,2 cm Irregulares, presença de microcálculos

9 YASMIM, 6 ANOS, RAGDOLL maio/2013 outubro/2014 Creatinina 2,9 3,0 Ureia Fósforo 4,2 4,9 Cálcio (7-11 mg/dl) 10,0 10,2 Cálcio i (4,5-5,7 mg/dl) 5,6 5,75 Potássio (3,6-5,1 mmol/l) 5,1 5,8* Densidade Urinária RPC 0,14 0,30 PA 130mmHg 150 mmhg ECC (escore c corporal) 3/3 2/3 Ultrassonografia alterada alterada Desidratação leve leve

10 Saudáveis DRC 32,5% 37,5% 30% ECC no momento do diagnóstico dos 18 pacientes que morreram: 11 gatos (61,11%) em ECC 1; 5 gatos (27,77%) em ECC2; 2 gatos (11,11%), em ECC 3. Figura 1- Escore de Condição Corporal (ECC) dos 70 felinos do Grupo I (saudáveis) e 40 felinos do Grupo II (doentes). * diferença significante entre os grupos I e II no ECC 2 (x2=15,9; P<0,01). ** diferença significante entre os grupos I e II no ECC 3 (x2 =26,6; P<0,01).

11 JADE, 2 ANOS. FILHA DA YASMIM Há 15 dias apresentou vômitos e apatia. Obra em casa. Ureia: 90 Creatinina: 2,5 Urinálise:.. US sem alterações Já está se alimentando e com atitude normal e com Creatinina: 2,3; Ureia: 56 IRA? DRC? Em acompanhamento

12 62 gatos (grupo controle): 133 Ragdoll (9 meses a 8,8 anos): alteração US sugestiva de DRC em 5,3% (7/133), nenhum com PKD e apenas 1/133 com alteração laboratorial

13 CHIMINHA, 5 ANOS, SRD Maio: emagrecimento, vômitos, ECC 2/5 Azotemia: creatinina 7 mg/dl DRC 4 Rins diminuídos Hematócrito 14%. Transfusão, tratamento de suporte. Outubro: Azotemia: creatinina 4 mg/dl DRC 4 Estável Fluido SC Terapia de suporte Etiologia??

14 n.43/86 Grupo com alteração articular n.88/128

15 ETIOLOGIA DA DRC :?? Nefrite túbulo-intersticial DiBartola et al, 1987; Lulich et al, 1992; Elliot et al 1998; Ross et al, 2006 Na maioria dos casos a etiologia primária PAS 100x não é identificada DRC: em 1 a 3 % da população de gatos geriatras (Chew et al, 2011) Gatos anos: 31% Gatos > 15 anos: 32%

16 Doença Renal Crônica Estágio Creatinina mg/dl Características clínicas Risco < 1,6 Histórico sugestivo de maior risco para DRC: doença renal anterior, exposição à nefrotoxinas,raças, idade. I < 1,6 Não azotêmicos. Marcadores presentes: densidade urinária, proteinúria, Imagem: cistos, alterações estruturais II 1,6-2,8 Azotemia leve. Sinais inespecíficos III 2,9-5,0 Azotemia moderada. Sinais de uremia presentes. IV >5,0 Azotemia grave. Risco crise urêmica Subestadiamento: Pressão Arterial Proteinúria (RPC)

17 Doença Renal Crônica Sinais clínicos Letargia Anorexia Pu/Pd Perda de peso Vômitos Fraqueza Halitose Constipação...

18 Doença Renal Crônica diagnóstico Histórico /anamnese / exame físico Não esquecer: avaliação nutricional e pressão arterial E no mínimo: Hemograma Ureia Creatinina Albumina e globulina Cálcio total e iônico Fósforo Potássio Tiroxina Urinálise RPC Cultura e TSA

19 Doença Renal Crônica - Progressão Hiperparatireoidismo renal secundário Proteinúria Hipertensão intraglomerular Hipertensão sistêmica Mineralização renal Estresse oxidativo Infecções urinárias... Felino, M, SRD, com 17 anos Com 25 anos

20 Doença Renal Crônica - Progressão Survival of cats with naturally occuring chronic renal failure. Syme et al. JVIM 2006; 20: Association of laboratory data and death within one month in cats with chronic kidney disease. Kuwahara et al. JSAP 2006, 47: Prognostic Factors in cats with chronic kidney disease. King et al. JVIM 2007; 21: Survival in cats with naturally occurring chronic kidney disease ( ). Boyd et al. JVIM 2008, 22: Clinical pathological variables predicting progression of azotemia in cats with chronic kidney disease. Chakrabarti, Syme & Elliot. JVIM 2012,26: Risk factors associated with the development of chronic kidney disease in cats evaluated at primary care veterinary hospitals. Greene et al. JAVMA 2014, 244: Perda de peso,...

21 RELAÇÃO PROTEÍNA-CREATININA URINÁRIA CÃES RPC GATOS < 0,2 < 0,2 SUBESTÁGIO DRC Não proteinúrico 0,2 0,5 0,2 0,4* Suspeito (proteinúria leve) > 0,5 > 0,4 Proteinúrico

22 HIPERTENSÃO ARTERIAL Aferição da Pressão Arterial: Brown et al, 2007 PAS (mmhg) Risco LOA rins, cérebro, olhos, coração < 150 mínimo baixo moderado 180 alto Hipertensão na DRC: 20 a 60%

23 DRC: SOBREVIDA E PARÂMETROS 35 GATOS* Castro e al, 2008 Hematócrito ECC Tiroxina PAS (hipotensão) Sobrevida Creatinina Uréia Fósforo RPC 18 óbitos * DRC 2: n.19 DRC 3: n.12 DRC 4: n. 04

24 Objetivos do Tratamento Controlar Sinais de Uremia Nutrição Ideal Retardar a Progressão da DRC Minimizar os desequilíbrios de eletrólitos, vitaminas e minerais Tratar o que for tratável

25 Obrigada!!

26 WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS PARTE I: Profa. Dra. Maria Cristina Nobre e Castro (UFF) Doenças renais primárias em gatos que podem evoluir para DRC (jovem X adulto) e DRC no idoso Mestranda Fernanda Chicharo Chacar (USP) Gatos adulto jovens com DRC e litíase renal /ureteral versus hipercalcemia idiopática Prof. Dr. Marcio A. Brunetto (USP) Particularidades na dieta terapêutica de gatos com DRC de evolução prolongada INTERVALO PARTE II MV, Ms e Doutor Luciano H. Giovaninni (UNICPET Nefrologia e Urologia) Acidose metabólica na doença renal crônica em felinos Profa. Dra. Marcia Mery Kogika (USP) Avaliação crítica transplante renal e perspectivas da terapia com células tronco na DRC em gatos Perguntas e Respostas

WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS

WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS WORKSHOP PARTICULARIDADES NA DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS ADULTOS X IDOSOS PARTE I: Profa. Dra. Maria Cristina Nobre e Castro (UFF) Doenças renais primárias em gatos que podem evoluir para DRC (jovem

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília SÍNDROME URÊMICA SINTOMAS SINAIS CLEARANCE DE CREATININA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Cuidados pré-diálise Controle de pressão

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal:

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Roteiro 1. Fisiologia 2. Fisiopatologia (doença renal crônica) 3. Teorias 4. Diagnóstico precoce 5. Terapia Cálcio Fósforo Cálcio T.G.I. Fósforo

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

Bem-vindo à edição online da theveterinarian

Bem-vindo à edição online da theveterinarian Edição 11, Outubro 2013 Bem-vindo à edição online da theveterinarian Novidades em clínica, apresentadas por Eukanuba Veterinary Diets Bem-vindo à edição online da the Veterinarian apresentada pela Eukanuba

Leia mais

HIPERPARATIREOIDISMO RENAL SECUNDÁRIO EM CADELA RELATO DE CASO SECONDARY RENAL HYPERPARATHYROIDISM IN A DOG CASE

HIPERPARATIREOIDISMO RENAL SECUNDÁRIO EM CADELA RELATO DE CASO SECONDARY RENAL HYPERPARATHYROIDISM IN A DOG CASE 82 CIÊNCIAS AGRÁRIAS RELATO DE CASO HIPERPARATIREOIDISMO RENAL SECUNDÁRIO EM CADELA RELATO DE CASO SECONDARY RENAL HYPERPARATHYROIDISM IN A DOG CASE Fernanda de Souza Coelho 1, Renata Furlan Pereira de

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 Modelos de Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público-Privado Paulo Luconi Dir técnico da ABCDT pauloluconi@uol.com.br

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

Hiperparatiroidismo Secundário Renal: Avaliação da sua relevância clínica

Hiperparatiroidismo Secundário Renal: Avaliação da sua relevância clínica INÊS PAULO RODRIGUES MENANO MAIA Hiperparatiroidismo Secundário Renal: Avaliação da sua relevância clínica Orientador: Dr. Luís Miguel Caeiro Chambel Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE

Diretrizes Assistenciais. Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE Diretrizes Assistenciais Cuidados com os Pacientes Renais Crônicos durante internação no HIAE Versão eletrônica atualizada em jan/2012 Definição Cuidados com os pacientes renais crônicos durante avaliação

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HIDROCLOROTIAZIDA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

Por quê abordar a Doença Renal Crônica?

Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Patrícia Ferreira Abreu Secretaria Geral da Sociedade Brasileira de Nefrologia Patrícia Ferreira Abreu Sociedade Brasileira de Nefrologia Critérios para uma doença

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Sinais e sintomas na avaliação renal

Sinais e sintomas na avaliação renal Sinais e sintomas na avaliação renal Prof. Dra Marcia Camegaçava Riyuzo Disciplina de Nefrologia Pediátrica Departamento de Pediatria FMB - UNESP Trato urinário Sintomas gerais História clínica Febre,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Prof. Evandro Silva Favarato Clínica Médica de Cães e Gatos Objetivo geral Fornecer informações que permitam a construção de conhecimentos necessários para a compreensão da

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

PROGRAMA NEFRUZA PROMOVENDO VIDAS. RESPONSABILIDADE SOCIAL. Projeto de Prevenção de Doenças Renais DIA MUNDIAL DO RIM/2012

PROGRAMA NEFRUZA PROMOVENDO VIDAS. RESPONSABILIDADE SOCIAL. Projeto de Prevenção de Doenças Renais DIA MUNDIAL DO RIM/2012 Projeto de Prevenção de Doenças Renais DIA MUNDIAL DO RIM/2012 Realização: NEFRUZA/ Conselho Regional de Farmácia/ Secretaria Municipal de Saúde DIA MUNDIAL DO RIM/ 2012 PLANEJAMENTO DA AÇÃO A Clínica

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO EM NEFROLOGIA

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO EM NEFROLOGIA PROTOCOLO DE REGULAÇÃO EM NEFROLOGIA 1 1. INTRODUÇÃO A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício de algumas atividades

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and Young Adults and Risk for End-Stage Renal Disease

Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and Young Adults and Risk for End-Stage Renal Disease Universidade Federal de Juiz de Fora Núcleo de Estudos e Pesquisas em Nefrologia - Niepen Programa de Educação Continuada Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and

Leia mais

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA NT53/2013 Solicitante: Ilmo DR FLÁVIO BARROS MOREIRA - juiz de Direito da 1ª Vara Cível de Passos Numeração: 0115064-25.2012 Data: 23/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: CINACALCETE

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Disciplina: Pediatria II Prof.: Dra. Miroslava Gonçalves Tema da Aula Teórica: Transplante renal em Pediatria Autores: Ângela Melo Equipa Revisora: Cláudia

Leia mais

Efeito da Associação da Dieta, do Ômega Três, e de Antioxidantes em Cães Portadores de Doença Renal Crônica. Pillar Gomide do Valle

Efeito da Associação da Dieta, do Ômega Três, e de Antioxidantes em Cães Portadores de Doença Renal Crônica. Pillar Gomide do Valle UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Efeito da Associação da Dieta, do Ômega Três, e de Antioxidantes em Cães Portadores de Doença Renal Crônica Pillar Gomide do Valle Belo Horizonte

Leia mais

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE Unidade I Princípios Básicos, 2 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Composição dos Fluidos Corporais, 3 Água, 3 Solutos, 4 Espaços dos Fluidos,

Leia mais

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3 12 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 4, de 2010 0004-2773/10/39-04/12 Arquivos Catarinenses de Medicina Avaliação do estado nutricional e do perfil clínicoepidemiológico dos pacientes em

Leia mais

Urolitíases. Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina

Urolitíases. Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina Urolitíases Urolitíases Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina Seqüela de uma ou mais anormalidades, envolve fatores fisiológicos e doenças

Leia mais

RESPOSTA ÀS RECLAMAÇÕES À PROVA DE SERIAÇÃO NEFROLOGIA

RESPOSTA ÀS RECLAMAÇÕES À PROVA DE SERIAÇÃO NEFROLOGIA RESPOSTA ÀS RECLAMAÇÕES À PROVA DE SERIAÇÃO NEFROLOGIA Teste Branco Pergunta 61 Não são aceites as reclamações referentes à alínea 2, já que está claramente explícita no livro de texto de referência a

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS ASSOCIADA À DOENÇA RENAL CRÔNICA E DIÁLISE Autor: Aline Akemi Yamahira Orientador (a):

Leia mais

Osteodistrofia fibrosa de origem renal em dois cães idosos: relato de caso. Fibrous osteodystrophy of renal origin in two old dogs: case report

Osteodistrofia fibrosa de origem renal em dois cães idosos: relato de caso. Fibrous osteodystrophy of renal origin in two old dogs: case report RCPV (2014) 109 (589-590) 51-56 Osteodistrofia fibrosa de origem renal em dois cães idosos: relato de caso Fibrous osteodystrophy of renal origin in two old dogs: case report Marcelo A. M. K. Alves 1*,

Leia mais

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA

EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA EFEITO PROJETADO DA DIETA DE REDUÇÃO DE SAL NA DOENÇA CARDIOVASCULAR FUTURA AP R E S E N TAD O P O R R E N AT O AN T U N E S C AI R E S N A R E U N I Ã O D A U N I D AD E D E H I P E R T E N S Ã O D O

Leia mais

Hipocalcemia da vaca leiteira

Hipocalcemia da vaca leiteira Hipocalcemia da vaca leiteira Sinonímias paresia obstétrica ou do parto febre vitular hipocalcemia da parturiente Afecção caracterizada por Hipocalcemia fraqueza muscular geral paralisia flácida colapso

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. Jair Oliveira Rodrigues; Matheus Gonçalves de Sousa; Mithally Suanne Ribeiro Rocha; Rodrigo da Silva Santos Instituto de Ciências da

Leia mais

CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo

CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo 20:53:02 Dr_Online entra na sala 20:55:36 fcmira entra na sala 20:57:28 Dr-Online entra na sala 21:06:16 [Dr-Online] oi 21:06:24 Carmen entra na sala 21:09:28 [fcmira] Boa noite

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org Hipertensão Arterial Considera-se se HTA quando a tensão arterial

Leia mais

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO INTRODUÇÃO: - A anemia aplás-ca é caracterizada pela acentuada redução ou ausência de células eritroides, mieloides e megacariocí-cas na medula óssea, com resultante

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Nefrologia

Assistência de Enfermagem em Nefrologia Assistência de Enfermagem em Nefrologia Waldimir Coelho V Capítulo 1 - SINDROME NEFRÍTICA AGUDA A síndrome nefrítica aguda é a manifestação clínica da inflamação glomerular. A glomerulonefrite referese

Leia mais

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%)

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) 99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) Livre ionizada (50-60%) Anion inorgânico (5-10%) Valor

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Cloridrato de metformina

Cloridrato de metformina Cloridrato de metformina Prati-Donaduzzi Comprimido de liberação prolongada 500 mg e 750 mg Cloridrato de metformina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de metformina Medicamento genérico

Leia mais

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008)

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Oudega R, Van Weert H, Stoffers HEJH, Sival PPE, Schure RI, Delemarre J, Eizenga WH traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema PROTEINÚRIA, HEMATÚRIA E GLOMERULOPATIAS Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Luciene Alves Silva, Biomédica, Gestora de Qualidade, Laboratório Central do Hospital do Rim e Hipertensão-Fundação

Leia mais

Anemia: Conteúdo. Definições

Anemia: Conteúdo. Definições Anemia Resumo de diretriz NHG M76 (março 2003) Van Wijk MAM, Mel M, Muller PA, Silverentand WGJ, Pijnenborg L, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA EM PEQUENOS ANIMAIS

DOENÇA RENAL CRÔNICA EM PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA DE PQUENOS ANIMAIS DOENÇA RENAL CRÔNICA EM PEQUENOS ANIMAIS Vanessa Corsi Campinas, out. 2007. VANESSA CORSI Aluna no Curso de Clínica

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

Motricidade ISSN: 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal

Motricidade ISSN: 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Motricidade ISSN: 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Carvalho, M.T.V.; Batista, A.P.L.; Almeida, P.P.; Machado, D.M.; Amaral, E.O. Qualidade de vida dos pacientes

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 176/15 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, ad referendum, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 176/15 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, ad referendum, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 176/15 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, ad referendum, no uso de suas atribuições legais, e considerando: o trabalho de educação permanente e suporte assistencial desenvolvido

Leia mais

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells 30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells António Pedro Machado Scores de Wells Doença tromboembólica venosa Cálculo da probabilidade clínica pré-teste de

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDOBÁSICO Introdução O ph do líquido extracelular é uma das variáveis mais rigorosamente reguladas do organismo. Os limites vitais da variação do ph para mamíferos

Leia mais

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Sistema Vestibular Introdução Função: transmitir a informação do ouvido interno até o cérebro

Leia mais

Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro

Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro Perfil da Doença Renal Crônica O Desafio Brasileiro 2007 Preparado pelo Grupo Multisetorial de Doença Renal Crônica: SBN SOBEN ABCDT Associações de Pacientes Renais Crônicos Índice INTRODUÇÃO... 3 CONCEITO

Leia mais

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev.

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. OSTEOPREVIX D carbonato de cálcio colecalciferol APRESENTAÇÕES

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg Diaformin cloridrato de metformina Comprimido IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg Citostal Cápsulas 10mg e 40mg APRESENTAÇÕES CITOSTAL (lomustina) é apresentado na forma farmacêutica de cápsulas nas concentrações de 10mg e 40mg em frascos com 5 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg Esta bula sofreu aumento no tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente

Leia mais

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g Glifage XR cloridrato de metformina APRESENTAÇÕES Glifage XR 500 mg: embalagens contendo 30 comprimidos

Leia mais

Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica

Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica & Biópsia Hepática Helma Pinchemel Cotrim Universidade Federal da Bahia BIÓPSIA HEPÁTICA SIM? DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA DIAGNÓSTICO HISTOLÓGICO - PONTOS FAVORÁVEIS 1- Amplo espectro e necessidade

Leia mais

DOENÇA RENAL POLICÍSTICA FELINA

DOENÇA RENAL POLICÍSTICA FELINA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA EM PEQUENOS ANIMAIS DOENÇA RENAL POLICÍSTICA FELINA

Leia mais

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 Desnutrição protéico-calóricacalórica Síndrome clínica em conseqüência de um balanço energético

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL E DOR EM PACIENTES QUE REALIZAM HEMODIÁLISE

ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL E DOR EM PACIENTES QUE REALIZAM HEMODIÁLISE 70 ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL E DOR EM PACIENTES QUE REALIZAM HEMODIÁLISE Paula de Barros; Isabela Malaguti; Thamara Müller Santos; Daiane Carolina Nascimento dos Santos; Layane Lopes Napoleão; Renata

Leia mais

PIELONEFRITE EM PEQUENOS ANIMAIS - REVISÃO DE LITERATURA PYELONEPHRITIS IN SMALL ANIMALS - REVISION OF LITERATURE

PIELONEFRITE EM PEQUENOS ANIMAIS - REVISÃO DE LITERATURA PYELONEPHRITIS IN SMALL ANIMALS - REVISION OF LITERATURE PIELONEFRITE EM PEQUENOS ANIMAIS - REVISÃO DE LITERATURA PYELONEPHRITIS IN SMALL ANIMALS - REVISION OF LITERATURE GALVÃO, André Luiz Baptista Médico Veterinário, Pós-graduando em Medicina Veterinária da

Leia mais

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012 Science in Health jan-abr 2014; 5(1): 6-11 CUSTO DO TRATAMENTO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGIO TERMINAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2012. COST OF TREATMENT

Leia mais

RENAGEL (cloridrato de sevelamer) Genzyme do Brasil Ltda. Comprimido Revestido 800 MG

RENAGEL (cloridrato de sevelamer) Genzyme do Brasil Ltda. Comprimido Revestido 800 MG RENAGEL (cloridrato de sevelamer) Genzyme do Brasil Ltda. Comprimido Revestido 800 MG Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. RENAGEL cloridrato

Leia mais

Cistite em felino macho jovem associada a medo e insegurança

Cistite em felino macho jovem associada a medo e insegurança INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL X Encontro do Ambulatório Escola Prof. Kamil Curi Cistite em felino macho jovem associada a medo e insegurança Dra. Cassia Regina Alves Pereira Médica Veterinária Etiologia

Leia mais