CAIXAS DE ASSISTÊNCIA E RECURSOS HUMANOS: Um caso no setor elétrico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAIXAS DE ASSISTÊNCIA E RECURSOS HUMANOS: Um caso no setor elétrico."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CAIXAS DE ASSISTÊNCIA E RECURSOS HUMANOS: Um caso no setor elétrico. Autora: Renata Francisco Caldwell Professora Orientadora: Ana Cristina Guimarães Rio de Janeiro 2010

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES 2 INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CAIXAS DE ASSISTÊNCIA E RECURSOS HUMANOS: Um caso no setor elétrico. OBJETIVOS: Esta publicação atende a complementação didático-pedagógica de metodologia da pesquisa e a produção e desenvolvimento de monografia, para o curso de pós-graduação lato senso em Gestão de Recursos Humanos pela autora Renata Francisco Caldwell.

3 AGRADECIMENTOS 3 Agradeço à minha família, ao meu irmão Giovanni e aos meus pais Rodolfo e Iolanda, por todo o carinho. Ao amigo e companheiro Flávio, pela força e compreensão. Aos amigos da CAEFE por contribuírem a cada dia para o meu crescimento profissional. Aos colegas e professores do IAVM pela agradável e enriquecedora experiência acadêmica. E a todos que contribuíram para a realização de mais uma etapa em minha vida.

4 DEDICATÓRIA 4 Dedico este trabalho à minha família e aos meus amigos, por serem a base das minhas realizações.

5 RESUMO 5 Os benefícios sociais constituem um importante aspecto do pacote de remuneração. Desta maneira, a empresas investem nesses recursos a fim de valorizar o seu negócio, na medida em que os benefícios sociais além do aspecto competitivo no mercado de trabalho constituem-se em ações voltadas para a preservação das condições físicas e mentais dos empregados. Diante do contexto de reestruturação produtiva, os benefícios sociais adquirem papel relevante na reprodução da força de trabalho na medida em que as políticas sociais públicas vão sendo transferidas ao setor privado. Na pesquisa apresentada, que tem como recorte um caso no setor elétrico brasileiro, foi possível verificar que a Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear CAEFE assume papel relevante no sentido de complementar a política de recursos humanos de Furnas Centrais Elétricas para a concessão de benefícios sociais.

6 METODOLOGIA 6 O objeto de estudo deste projeto são os benefícios da Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear. Este será estudado a partir do material disponível pelas empresas CAEFE e Furnas Centrais Elétricas. Embora a CAEFE tenha outras empresas patrocinadoras previstas pelo seu estatuto, será interessante para esta pesquisa atrelá-la somente à empresa Furnas, que é a sua principal mantenedora e objeto a ser pesquisado neste trabalho. A metodologia de trabalho para a pesquisa apresentada consiste na análise de publicações e documentos destas empresas, bem como nas minhas observações enquanto assistente social inserida no contexto apresentado. O procedimento metodológico fundamental foi o levantamento das informações disponíveis nos arquivos, relatórios e nos sites de Furnas e da CAEFE. A bibliografia principal utilizada para fundamentar e compreender o tema foi Cardoso (2006), Chiavenato (2009) e Mota (2005).

7 SUMÁRIO 7 ITRODUÇÃO...08 CAPÍTULO I AS POLÍTICAS DE BENEFÍCIOS SOCIAIS...11 CAPÍTULO II 2.1 A CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS EMPREGADOS DE FURNAS E ELETRONUCLEAR A POLÍTICA DE BENEFÍCIOS DA CAEFE...23 CAPÍTULO III A POLÍTICA DE BENEFÍCIOS DE FURNAS E A COMPLEMENTAÇÃO DA CAEFE...31 CAPÍTULO IV A UTILIZAÇÃO DA REDE DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS DA CAEFE PELOS ASSOCIADOS...33 CONSIDERAÇÕES FINAIS...37 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...40

8 INTRODUÇÃO 8 O tema a ser pesquisado é a inserção da Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear CAEFE no contexto da Política de Recursos Humanos de Furnas Centrais Elétricas. Desta maneira, pretende-se estudar de que modo a atuação da CAEFE está atrelada à Política de Recursos Humanos de Furnas. O interesse pelo tema a ser estudado surgiu a partir da minha inserção enquanto assistente social da CAEFE. Observei que a criação desta instituição, no ano 2000, foi iniciativa de um grupo de gestores de Furnas e da Fundação Real Grandeza (fundo de pensão dos empregados de Furnas e Eletronuclear) para manter alguns benefícios que antes eram providos pela Fundação que, no contexto da reestruturação produtiva, complementava os benefícios que deixaram de fazer parte da Política de Recursos Humanos de Furnas. Esse movimento ocorreu a partir de uma determinação da Secretaria de Previdência Complementar, que inviabilizava a manutenção de atividades de caráter assistencial através dos fundos de pensões 1. A partir deste marco, os benefícios e serviços de caráter assistencial, até então administrados pela Fundação Real Grandeza, passaram a ser alocados na CAEFE, figura jurídica criada com a finalidade de proporcionar benefícios de caráter assistencial aos associados e suas famílias. Portanto, a alternativa viabilizada pela instituição e pelos trabalhadores foi a criação de outra pessoa jurídica, que legalmente pudesse manter a rede de benefícios assistenciais já existente, assim como criar novas ações neste aspecto. 1 Lei Complementar Nº 108, de 29 de maio de Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas e suas respectivas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências. Lei Complementar Nº 109, de 29 de maio de Dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar e dá outras providências.

9 9 Em 2006, a CAEFE assumiu materialmente seu quadro próprio e processos de trabalho, deixando o aspecto virtual para a constituição efetiva da organização, inclusive com o aspecto físico contemplado (criação da sede própria da CAEFE). Cabe ressaltar que esse histórico foi por mim vivenciado, desde 2004, quando comecei a estagiar na Caixa. Entretanto, não há registros publicados que apresentem este histórico e que tampouco relacionem a atuação da CAEFE à Política de Recursos Humanos de Furnas, a qual é uma das empresas mantenedoras da Caixa. Destaco ainda, que embora a CAEFE tenha outras empresas patrocinadoras previstas pelo seu estatuto, será interessante para esta pesquisa atrelá-la somente à empresa Furnas, que é a sua principal mantenedora e objeto a ser pesquisado neste trabalho. Diante desse contexto, são objetivos desta pesquisa verificar se os benefícios oferecidos pela CAEFE estão em consonância com a Política de Recursos Humanos adotada por Furnas e verificar a complementaridade das atividades exercidas pela Caixa às ações de Recursos Humanos de Furnas. No primeiro momento abordaremos as particularidades das políticas de benefícios socioassistenciais direcionadas aos trabalhadores das organizações. Será importante destacar ainda neste primeiro capítulo a discussão sobre a criação das caixas de assistência no contexto da privatização da Seguridade Social brasileira. Essa discussão torna-se relevante diante do atual cenário de reestruturação produtiva, quando os benefícios sociais tornam-se fundamentais para a reprodução da força de trabalho na medida em que as políticas sociais públicas vão sendo transferidas ao setor privado. No segundo capítulo do trabalho será apresentada a Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear CAEFE, seu negócio, estrutura e política de benefícios socioassistenciais, que são o objeto dessa pesquisa.

10 10 No terceiro momento do texto abordaremos a política de benefícios praticada por Furnas, percebendo de que modo os benefícios fornecidos pela CAEFE atuam em complementação à gestão de recursos humanos em Furnas. Nas considerações finais discutiremos a relevância da atuação da CAEFE para a prestação da assistência social no contexto de Furnas.

11 CAPÍTULO I 11 AS POLÍTICAS DE BENEFÍCIOS SOCIAIS Diante do contexto de reestruturação produtiva, os benefícios sociais adquirem papel relevante na reprodução da força de trabalho na medida em que as políticas sociais públicas vão sendo transferidas ao setor privado. O Estado deixa de cumprir seu papel enquanto provedor da Seguridade Social pública e passa a incentivar que as empresas privadas atuem principalmente em relação à assistência social, uma vez que as políticas de saúde e previdência tornam-se objetos de comercialização. Nesse movimento de transferência das funções públicas para a esfera privada das empresas, os direitos sociais são transformados em direitos corporativos, vinculados ao contrato de trabalho e ao desempenho dos trabalhadores. Conforme aponta Cardoso (2006) desde os anos 90 ficou evidenciado um progressivo e substancial processo de desmantelamento das estruturas jurídicas, financeiras e institucionais das políticas sociais públicas no Brasil. Paralelamente ao sucateamento dos serviços e benefícios sociais do Estado nas áreas de saúde, educação, habitação, assistência e previdência assistiu-se à proliferação de iniciativas privadas em todas as áreas aludidas. A falência e sucateamento do aparelho produtor de serviços públicos contribuíram para o crescimento das demandas sociais, que passam a ser objeto de conquistas do movimento sindical, ao mesmo tempo em que se naturaliza a idéia de eficácia do setor privado em detrimento do setor público (MOTA, 2005: 171). Trata-se de um programa internacional de reformas cujas principais metas são: redução dos gastos públicos, ampliação da participação do setor privado lucrativo e não-lucrativo, redução das contribuições sociais das empresas, desenvolvimento de políticas focalizadas na pobreza,

12 12 desenvolvimento de atividades voluntárias complementares aos serviços públicos. Sendo assim, Motta (2005) aponta duas principais conseqüências do processo que vem sendo efetivado pelo capital: 1)os trabalhadores que permanecem no mercado de trabalho tendem a defender corporativamente as conquistas, enquanto os que estão excluídos do mercado formal de trabalho tem as suas formas de organização coletiva esfacelada; 2) estão sendo criados, então, sistemas de seguridade próprios das empresas e voltados para aqueles trabalhadores que ainda possuem vínculos formais, enquanto os trabalhadores excluídos desse vínculo tornam-se clientela da assistência social. No Brasil, a partir do final dos anos 1980 a sociedade brasileira ensaiou a institucionalização e constitucionalização dos primeiros passos em prol do exercício da cidadania, de formas de democracia, de constitucionalização de novos direitos sociais, trabalhistas e políticos. Embora a arquitetura da seguridade brasileira pós-1988 tenha a orientação daquelas que formam o estado de bem-estar nos países desenvolvidos, as características excludentes do mercado de trabalho, o grau de pauperização da população, e o nível de concentração de renda e as fragilidades do processo de publicização do Estado, permitem afirmar que, no Brasil, a adoção da concepção de seguridade social não se traduziu objetivamente numa universalização dos benefícios sociais. Mesmo assim, as fragilidades existentes também não são suficientes para negar que os trabalhadores brasileiros, a partir dos anos 1980, adquiriram novos direitos, ampliaram o acesso a serviços públicos não mercantis, usufruíram de algum alargamento da oferta de benefícios, como os da assistência social, à exemplo do Benefício de Prestação Continuada BPC, e da saúde, dentre outros. Esse processo que possuiu apenas duas décadas passou a ser negado a partir dos meados dos anos 1990 em favor dos ideários neoliberais e de um conjunto de mudanças macroestruturais, momento em que as classes dominantes iniciam a sua ofensiva contra a seguridade social universal.

13 13 Antecedidas ora pelo discurso da crise da previdência, ora pelo da ampliação da participação da sociedade, segundo Mota (2005), a Previdência e a Assistência passaram a constituir uma unidade contraditória (a negação de um sistema único de previdência social pública é, ao mesmo tempo, a base para afirmação de um sistema único de assistência social) no processo de constituição da seguridade social brasileira. Os fundos de aposentadoria e pensões e os programas de assistência foram os que mais rapidamente registraram mudanças nos sistemas de proteção social, transformando os trabalhadores ora em "cidadãos consumidores" de serviços mercantis, ora em cidadãos-pobres merecedores da assistência social. Mota (2005) sinaliza ainda que uma das principais características que marcaram a expansão da seguridade social brasileira no pós-1964: ela se fez mediante a fragmentação dos meios de consumo coletivo, franqueando ao capital privado a prestação de serviços considerados rentáveis, como foi o caso da saúde e da previdência via mercado de seguros. A estes se junta o instituto da renúncia fiscal que, sob o argumento da colaboração empresarial, estimulou as empresas a ofertarem serviços sociais próprios aos seus empregados. Ao incluir no sistema segmentos não assalariados ou em situações sociais de vulnerabilidade, através da criação de programas de assistência social, afastavam os setores médios assalariados, transformando-os em consumidores de serviços privados complementares de saúde e previdência social. Pode ser apontada como conseqüência para a seguridade social a fragmentação do acesso dos trabalhadores ao sistema de proteção social. Pois no âmbito privado são identificados seguros sociais privados, destinados aos consumidores com renda suficiente para adquiri-los no mercado e serviços sociais oferecidos pelas empresas aos seus trabalhadores, mediados pelo contrato de trabalho. Já no âmbito público estão situados os serviços assistenciais destinados aos inaptos ou excluídos do trabalho assalariado, sob a responsabilidade do Estado.

14 14 Tais modificações trazem conseqüências no sentido de reduzir o papel do Estado na área do bem-estar social, transferindo os serviços para o setor privado. Se por um lado existe o movimento do Estado para transferir ao setor privado os seus mecanismos de proteção social, por outro as empresas buscam redefinir estratégias de gestão e ferramentas de recursos humanos para tornarem-se competitivas no mercado. Cesar (2006) sinaliza que há uma crescente preocupação das empresas em repensar as políticas de recursos humanos, integradas ao conjunto das demais políticas e estratégias organizacionais. O principal eixo deste redirecionamento consiste na implementação de novas modalidades de gestão da força de trabalho, que permitam a formação de um novo comportamento produtivo do trabalhador, baseado na confiabilidade e no envolvimento do mesmo com os objetivos da empresa. As principais estratégias adotadas apontam para o desenvolvimento de programas participativos e para a ampliação dos sistemas de benefícios e incentivos à produtividade do trabalho. Desta maneira, a estratégia de gestão recursos humanos das empresas busca integrar políticas e práticas de administração de recursos humanos aos programas de qualidade e produtividade a fim de reduzir os níveis de conflitos e comprometer os trabalhadores com os propósitos e metas das empresas. Chiavenato (2009) destaca que o salário pago em relação ao cargo ocupado constitui somente uma parcela do pacote de compensações que as empresas costumam oferecer aos seus empregados e que uma considerável parte da remuneração total é constituída por benefícios sociais e serviços sociais. É importante destacar que os benefícios socioassistenciais têm papel relevante na reprodução da força de trabalho e engajamento do trabalhador. Os benefícios e recompensas oferecidos pela organização influenciam na satisfação dos seus empregados, que estão dispostos a investir seus recursos individuais na medida em que obtém retornos e resultados dos seus investimentos.

15 15 Ninguém trabalha de graça. Como parceiro da organização, cada funcionário está interessado em investir com trabalho, dedicação e esforço pessoal, com os seus conhecimentos e habilidades desde que receba uma retribuição adequada. As organizações estão interessadas em investir em recompensas para as pessoas desde que elas possam receber contribuições ao alcance de seus objetivos (CHIAVENATO, 2004). Deste modo, as empresas adotam, segundo Chiavenato (2004), um sistema de remuneração que compreende 1) remuneração básica, representada pelo salário, mensal ou horário; 2) incentivos salariais, desenhados para recompensar os empregados por um bom desempenho e 3) benefícios, quase sempre denominados remuneração indireta. A concessão dos benefícios e serviços sociais, geralmente, é comum a todos os empregados, independentemente do cargo ocupado. Cabe ressaltar que algumas organizações estabelecem planos de benefícios diferenciados para os diferentes níveis de empregados. Segundo Chiavenato (2009), os benefícios sociais são as facilidades, conveniências, vantagens e serviços que as organizações oferecem aos seus empregados com vistas a poupar esforços e preocupação; constituindo meios indispensáveis à manutenção da força de trabalho dentro de um nível satisfatório de moral e produtividade. Os benefícios sociais constituem um importante aspecto do pacote de remuneração. O benefício é uma forma de remuneração indireta que visa oferecer aos empregados uma base para a satisfação de suas necessidades pessoais (CHIAVENATO, 2009: 108). Cabe ressaltar que para além do processo de privatização da políticas sociais, a origem dos benefícios sociais relaciona-se principalmente às exigências dos sindicatos e das negociações coletivas, legislações trabalhistas e previdenciárias, competição entre as organizações na disputa pelo mercado de recursos humanos, além da dedução de impostos obrigações tributárias das empresas.

16 16 Segundo Chiavenato, os benefícios sociais, inicialmente, estiveram orientados para uma cultura paternalista e limitada, justificada pela preocupação em reter talentos e baixar a rotatividade de pessoal; além da preocupação em reduzir impostos através dos incentivos oferecidos pelo Estado às instituições que prestassem esses benefícios. As empresas tornaram esses recursos ainda mais vantajosos ao seu negócio, na medida em que os benefícios sociais além do aspecto competitivo no mercado de trabalho constituem-se em ações voltadas para a preservação das condições físicas e mentais dos empregados. É importante destacar que, por atuarem na reprodução da força de trabalho, os benefícios sociais adquirem papel relevante na vida dos trabalhadores e que por esta razão os mesmos são utilizados pelas empresas para o aumento da produtividade e retenção dos mesmos. Do mesmo modo que os benefícios extra-salariais, os incentivos também se apresentam como instrumentos capazes de prender o trabalhador à empresa, possibilitando o aumento da produtividade, melhoria do desempenho e maior satisfação no trabalho (CESAR, 2006: 121). Merecem destaque na bibliografia sobre este tema, alguns dos benefícios sociais de maior expressão praticados pelas organizações. Transporte do pessoal: seja sob a forma de veículo individual (para determinados níveis) ou coletivo fretado, este benefício pode ser custeado integralmente pela empresa ou parcialmente subsidiado por ela. Uma alternativa é a concessão de vale-transportes aos empregados. Alimentação: o programa de alimentação do pessoal pode variar extensamente. Podo incluir desde instalações de refeitórios e cozinhas industriais a oferta de lanches, cafezinhos, cafés-da-manhã, etc. Na maioria das empresas é praticada a concessão de vales-refeições para o trabalhador utilizar em restaurantes nas imediações do local de trabalho. Assistência médico-hospitalar: no caso deste benefício, quase sempre há a divisão dos custos entre empresa e empregado. Em alguns casos envolve

17 17 revisão médica completa e anual para os empregados, podendo até prever a existência de ambulatórios médicos dentro da própria empresa. Outra alternativa para a concessão deste benefício é a contratação de seguros-saúde disponíveis no mercado. Assistência odontológica: este benefício é oferecido por meio de consultório dentário na própria empresa, por serviços especializados prestados fora da instituição ou ainda através de planos odontológicos contratados no mercado. Seguro de vida em grupo: o plano de seguro de vida em grupo é mais barato do que o plano individual. Este benefício é custeado integral ou parcialmente pela empresa. Ocasionalmente envolve seguro de acidentes pessoais. Planos de empréstimos pessoais: constituem uma espécie de assistência financeira da empresa ao seu pessoal. Estes auxílios podem ser desde planos simples envolvendo estudos de casos individuais até opções mais sofisticadas com alternativas de empréstimo e reembolsos com ou sem juros e ainda apresentando valores maiores e prazos mais dilatados de ressarcimento. Estes benefícios são quase sempre administrados pelo Serviço Social da organização. Serviço Social: a ação do Serviço Social pode ser elencada no rol dos benefícios uma vez que estes profissionais atuam sob a perspectiva de acesso e garantia dos direitos dos empregados, seja através de estudos de casos individuais vinculados ao contexto organizacional mais amplo, pesquisas sociais, elaboração de políticas, programas e projetos sociais voltados ao quadro de trabalhadores da empresa e da sociedade como um todo. O assistente social é um profissional que modifica a realidade social apresentada por meio de análise e intervenção especializada. Assistência jurídica: este benefício é oferecido por meio de assessoramento jurídico pelo corpo de advogados da própria empresa no atendimento demandas jurídicas apresentadas pelos empregados. Quase sempre é fornecida sem custo ao trabalhador.

18 18 Planos de complementação de aposentadorias: este benefício destinase a complementar o rendimento da previdência social pública dos empregados aposentados, através da criação de fundos específicos para tal fim. As empresas podem subsidiar parte deste fundo ou não. Estes benefícios podem ser efetivados através de fundações fechadas criadas pela própria empresa (os chamados fundos de pensão), entidades abertas ou até mesmo por contratação no mercado de planos de renda mensal assegurada. Grêmios ou clubes: é um benefício voltado à recreação, integração e bem-estar dos empregados e, em alguns casos, de suas famílias. A empresa disponibiliza instalações que permitam o desenvolvimento de práticas esportivas, de lazer e culturais; que os empregados podem utilizar durante intervalos, ao final do expediente ou até mesmo nos finais de semana. Em algumas atividades a utilização destes espaços pode estar atrelada aos índices de saúde do trabalhador, como por exemplo, no caso das academias. As empresas ampliam os sistemas de benefícios e incentivos, exigindo uma atuação centrada na forma técnica de administrá-los, modernizando e racionalizando o gerenciamento de recursos humanos, de modo a equacionar, positivamente, envolvimento, crescimento profissional e realização pessoal [dos trabalhadores] (CESAR, 1998: 172). Deste modo, observa-se que, voltados para as condições materiais ou psicológicas da força de trabalho, os benefícios sociais constituem um estímulo aos mesmos no sentido de aumentar a produção, estimular a adesão às metas e valores da empresa, bem como reter estes trabalhadores. Se na conjuntura atual o papel regulador e provedor do Estado em relação à proteção social encontra-se reduzido, cria-se terreno fértil para a expansão de entidades que têm por objetivo preencher a lacuna deixada pelo Estado neste aspecto. Podem ser destacadas as organizações não governamentais atuando nas estratégias de enfrentamento da pobreza no Brasil e, em relação ao campo do trabalho, entidades que se propõem a prestar benefícios de cunho socioassistencial ao trabalhador, para além das coberturas governamentais.

19 19 É, então, nesse contexto que se inserem as empresas que constituem a rede de proteção social aos trabalhadores de Furnas, que no caso da pesquisa apresentada, refere-se à Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear CAEFE. A proposta da CAEFE é prestar assistência aos seus associados, atuando em consonância com a política de recursos humanos das empresas patrocinadoras.

20 CAPÍTULO II A CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS EMPREGADOS DE FURNAS E ELETRONUCLEAR A Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e Eletronuclear (CAEFE) é uma sociedade civil de fins assistenciais e não econômicos, instituída em 17 de julho de 2000, com sede no Rio de Janeiro. A missão, visão, compromissos institucionais, valores e princípios da instituição são definidos a seguir. O compromisso institucional da CAEFE é atuar de forma pró-ativa, com foco na consecução dos objetivos da política de recursos humanos das patrocinadoras, em sintonia com as necessidades dos associados e com os desafios do mercado em que atua. A missão da CAEFE é desenvolver ações voltadas para a preservação da qualidade de vida dos empregados de Furnas, Eletronuclear, FRG e de outros associados, quer durante o ciclo produtivo de sua existência, quer ao longo do período de sua aposentadoria, considerando ainda que o amparo à família constitui elemento básico à plena realização do ser humano. A visão da CAEFE é ser referência em gestão da qualidade de vida, atuando na oferta de serviços eficientes voltados para promover a saúde, o bem estar e o desenvolvimento social dos seus Associados, proporcionandolhes tranqüilidade diante do futuro. Os valores da empresa são: ética, respeito, transparência, credibilidade, integridade, responsabilidade social. E os seus princípios: qualidade de vida, competência técnica, comunicação pró-ativa, racionalização econômica, excelência em processos e serviços e a valorização do ser humano. Cabe ressaltar que embora a CAEFE tenha definido em seu estatuto três empresas patrocinadoras (Furnas, Eletronuclear e Real Grandeza), a maior

21 21 parte dos recursos que sustentam a Caixa e a maioria dos seus associados é vinculada à empresa Furnas Centrais Elétricas. É importante destacar que a Caixa presta assistência aos associados oriundos das três patrocinadoras na condição de empregado e também na condição de aposentado. Estes benefícios são estendidos ainda ao pensionista quando o associado titular falece. Os benefícios sociais da CAEFE nasceram na Fundação Real Grandeza (que é a fundação de previdência privada de Furnas e Eletronuclear) e passaram, a partir do ano 2000, a compor a rede de benefícios assistenciais da Caixa, conforme determinação legal da Secretaria de Previdência Complementar, que impedia a prática de quaisquer ações consideradas assistenciais através dos fundos de pensão do país. A CAEFE desenvolve a sua política de benefícios através da captação de recursos financeiros oriundos da comercialização de seguros, que por si já podem ser configurados como benefícios sociais uma vez que oferecem condições diferenciadas ao grupo dos seus associados em relação ao mercado. Para além da captação dos recursos a Caixa presta os benefícios aos associados através do Serviço Social da instituição. seguir. Essa estrutura torna-se mais evidente ao observar o cronograma a CAEFE Presidência Diretoria de Administração Diretoria de Benefícios e Integração Social Diretoria Financeira Gerência de Seguros Serviço Social Gerência de Benefícios Integração Social

22 22 O cronograma permite perceber a estrutura da CAEFE, destacando a alocação das Gerências de Seguros, responsável pela captação dos recursos institucionais, e da Gerência de Benefícios e Integração Social, que articula a utilização dos recursos, empregando-os em ações assistenciais.

23 2.2 A POLÍTICA DE BENEFÍCIOS DA CAEFE 23 A política de benefícios da CAEFE é dividida basicamente em dois blocos: os seguros e os benefícios de cunho assistenciais. Ao setor de seguros cabe a captação de recursos, através da bonificação pela venda dos seguros ao universo de empregados, aposentados e pensionistas das empresas patrocinadoras. Ao setor de Serviço Social é imputada a incumbência de planejar, executar e avaliar todas as atividades que envolvam ações de cunho socioassistenciais. A CAEFE oferece aos seus associados os seguros de vida e acidentes pessoais em grupo, sendo estes parcialmente custeados pelas empresas patrocinadoras. Além destes, a Caixa disponibiliza os seguros residenciais e de veículo, que por tratar-se de apólice coletiva, possui alguns diferenciais em relação ao mercado. Cabe ressaltar que este último é a modalidade de seguro que movimenta maior recurso financeiro na CAEFE. O seguro de veículos é um serviço oferecido com o objetivo segurar veículos dos associados e seus dependentes em condições mais vantajosas se comparadas às oferecidas pelo mercado, visto que são apólices coletivas. O seguro de vida em grupo destina-se a garantir o pagamento de indenização aos segurados em caso de morte natural e acidental, invalidez permanente total por acidente, invalidez permanente parcial por acidente, invalidez funcional permanente total por doença, 50% da morte natural e acidental do cônjuge, 50% da invalidez permanente total por acidente e reembolso de despesas com funeral dos filhos dependentes. O seguro de acidentes pessoais busca garantir o pagamento de indenização aos beneficiários do segurado, exclusivamente, em caso de morte acidental.

24 24 O seguro residencial visa garantir o patrimônio e a tranqüilidade da família dos segurados. Além das garantias básicas (obrigatórias), pode ser ajustado às necessidades e possibilidades de pagamento de cada um, incluindo as garantias adicionais que esta apólice oferece. É importante destacar ainda que a Caixa recebe bonificação a partir da venda destes seguros e que este recurso é revertido para o investimento nos benefícios de cunho assistenciais. A administração e execução destes benefícios estão sob a responsabilidade do Serviço Social da CAEFE. A CAEFE oferece os seguintes benefícios assistenciais aos associados: Auxílio Alimentação, Empréstimo Social, Auxílio Funeral, Programa de Integração, Programa Educação, Saúde e Segurança, além do Serviço Social, que atua em relação às demandas individuais apresentadas, bem como realiza estudo e desenvolve projetos orientados para a garantia e avanço dos direitos dos associados. O Auxílio Alimentação é um benefício cujo objetivo é auxiliar os associados na complementação da alimentação familiar. Cabe ressaltar que nem todos os associados são contemplados por este benefício, pois há um recorte de remuneração, atualizado anualmente, para a sua concessão. O benefício é viabilizado através de um cartão magnético, com crédito mensal para ser utilizado em estabelecimentos comerciais credenciados. Sendo assim, o benefício não é somente uma ação que visa à melhoria da qualidade de vida, em relação a complementação alimentar do trabalhador ou assistido, e sim, como uma ação voltada ao contexto familiar do associado, trazendo melhoria imediata. O Benefício do Empréstimo Social é voltado ao associado que apresente dificuldade financeira, que estejam interferindo na dinâmica familiar e/ou comprometendo o orçamento doméstico.

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Criação Aprovado pela PREVIC em

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua.

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua. 1 Objetivos Estimular a participação cidadã dos profissionais das empresas do Grupo Camargo Corrêa em ações de voluntariado empresarial por meio do do Instituto Camargo Corrêa; Contribuir com o desenvolvimento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 7.915, de 08 de janeiro de 2001. Altera o texto da Lei nº 7.893, de 19 de dezembro de 2000 e seus anexos, que estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande do Norte para o exercício

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO IDENTIFICAÇÃO O Centro de Valorização da Criança, também designado pela sigla CEVAC, constituído em dez de setembro de 1987, é uma Entidade Filantrópica sem fins lucrativos,

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Material Explicativo Centrus

Material Explicativo Centrus Material Explicativo Centrus De olho no futuro! É natural do ser humano sempre pensar em situações que ainda não aconteceram. Viagem dos sonhos, o emprego ideal, casar, ter filhos, trocar de carro, comprar

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 Dispõe sobre o apoio tecnológico a micro e pequenas empresas e dá outras providências. Autor: Deputado ARIOSTO

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais