CCG IMPACTO DOS CUSTOS DE MÃO DE OBRA NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS: ESTUDO EM UMA EMPRESA DO VALE DO ITAJAÍ SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CCG 010 - IMPACTO DOS CUSTOS DE MÃO DE OBRA NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS: ESTUDO EM UMA EMPRESA DO VALE DO ITAJAÍ SANTA CATARINA"

Transcrição

1 1 CCG IMPACTO DOS CUSTOS DE MÃO DE OBRA NA PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS: ESTUDO EM UMA EMPRESA DO VALE DO ITAJAÍ SANTA CATARINA Leandro Politelo Mestrando em Ciências Contábeis Universidade Regional de Blumenau FURB José Henrique Froes de Aruajo Bacharel em Ciências Contábeis Universidade Regional de Blumenau FURB Área Temática: Controladoria e Contabilidade Gerencial. RESUMO A precificação dos produtos pode ser afetada por inúmeros fatores, como concorrência, órgão regulador, relação de oferta e demanda, custos de produção, entre outros como utilidade do produto, exclusividade, marca. Em virtude de o custo de produção afetar a precificação, este estudo objetivou identificar os impactos dos custos de mão de obra na precificação de produtos em uma empresa do Vale do Itajaí. Esta pesquisa foi realizada em uma empresa referência em seu segmento no Vale do Itajaí Santa Catarina. Utilizou-se uma pesquisa qualitativa, o que permitiu identificar aspectos relevantes quanto à inferência dos custos com mão de obra no preço dos produtos, por meio de um estudo de caso na empresa pesquisada. Como resultados, destaca-se a utilização dos custos como base para precificação dos produtos da empresa. Identificou-se também que a empresa não inclui todos seus custos com mão de obra no preço de seus produtos, esta divergência contribuiu para o resultado negativo da empresa no período de análise. Por meio desta pesquisa conclui-se que, para as empresas que elaboram seus preços de venda com base em seus custos, que é imprescindível a análise adequada de seus custos com mão de obra a fim de atingir suas metas e objetivos, ademais, as empresas devem tomar por base o custo efetivo da mão de obra. Palavras-chave: Mão de obra. Custos. Preço de venda. 1 INTRODUÇÃO A contabilidade registra, interpreta e estuda os fenômenos que acontecem na entidade. Assim, torna-se de fundamental importância e está diretamente ligada com as demais áreas da organização. A contabilidade é o grande instrumento que auxilia a administração a tornar decisões coletando dados, mensurando-os monetariamente e em seguida registrando-os em forma de relatórios, os quais ficam disponíveis a administração. Grande parte dos gastos das empresas, principalmente as do ramo industrial, que tem notoriamente investimentos altíssimos em imobilizações e estoques, resumem-se aos custos de produção, aonde se alocam todos os desembolsos efetuados pela empresa em seu processo produtivo e etapas subsequentes, até deixar o produto pronto para comercialização. No ambiente empresarial, altamente competitivo, a correta formação de preços é fundamental, principalmente nas indústrias, que geralmente possuem custos específicos. Desta forma, delegar ao mercado a formação de preços, da mesma forma que utilizar métodos

2 2 falhos para isso e, ao menos arriscado para uma empresa, assim, a formação adequada do preço de venda de um produto evidencia-se como imprescindível. (SOUZA, et al., 2006). Uma realidade vivenciada pelas empresas, de um modo geral, diz respeito à dificuldade em estabelecer o preço de venda de seus produtos, ainda mais que é influenciado por diversos fatores internos e externos à empresa, que, muitas vezes, são de difícil identificação e mensuração. Diante desta dificuldade é comum os profissionais responsáveis pelo processo de formação de preços delegar essa tarefa ao mercado (SOUZA et al., 2006) Diante deste cenário, a questão de pesquisa deste estudo é: Quais os impactos dos custos de mão de obra na precificação de produtos? Assim, o objetivo deste estudo é identificar os impactos dos custos de mão de obra na precificação de produtos em uma empresa industrial do Vale do Itajaí Santa Catarina. Este estudo se justifica na medida em que fornece informações importantes a respeito da precificação de produtos. Devido à importância da contabilidade como contribuinte e fornecedora de informações, vê-se uma importância cada vez maior na aplicação dos métodos contábeis para a análise gerencial, visando à maximização de resultados. A justificativa se fundamenta ainda no fato de que o preço de venda tem se tornado uma das principais ferramentas de competição das empresas, de modo que sua correta formação pode servir como estratégia em qualquer estrutura de mercado, em especial naquelas altamente competitivas (DUTRA et al., 2005). Ainda, as organizações que se encontram em um ambiente econômico de mercado com acirrada concorrência, necessitam direcionar maiores esforços no planejamento e controle de seus fatores de produção, custos e receitas. Neste conjunto de informações incluem-se aquelas referentes a preços de custos (GOMES MACHADO; SOUZA, 2006). 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O propósito desta seção é apresentar uma revisão da literatura a despeito da formação do preço de vendas, benefícios sociais e Encargos sociais e sua relação com custos. 2.1 Formação do preço de venda O preço e a qualidade ao longo da história vem atuando como os principais fatores na escolha de um produto. Os desejos dos consumidores são ilimitados, mas seus recursos não. Por isso, o consumidor de um modo geral, compra o produto/mercadoria/serviço que o preço justificar. Desta forma o preço, para as empresas, é um elemento muito importante na determinação da sua participação no mercado e de seus lucros. Pode-se dizer então que o preço é a soma dos valores que os consumidores pagam por um produto/mercadoria ou serviço. É essencial saber constituir um preço de venda que possa, ao mesmo tempo, ser suficiente para suprir as necessidades da empresa e gerar um retorno financeiro, em forma de lucro, mas sem ter preços altos demais, principalmente nos dias atuais, onde a competição e a oferta de preços cada vez menores refletem cada vez mais influentemente nos resultados obtidos. Segundo Bruni e Famá (2008) os custos devem chegar a um nível em que se consiga maximizar os lucros de um período, mantendo sempre uma qualidade e atendendo os preços de mercado. Os autores seguem dizendo que se pode conduzir a formação de preços a algumas características:

3 3 a) Forma-se um preço-base; b) Critica-se o preço-base à luz das características existentes do mercado, como preço dos concorrentes, volume de vendas, prazo, condições de entrega, qualidade, aspectos promocionais etc; c) Testa-se o preço às condições do mercado, considerando-se as relações custovolume-lucro, ale de aspectos econômicos e financeiros; d) Fixa-se o preço mais apropriado com condições diferenciadas para atender a volumes diferentes, prazos não uniformes de financiamento e vendas, descontos para financiamentos (prazos concedidos) mais curtos, comissões sobre vendas para cada condição. (BRUNI; FAMÁ, 2003, p. 314) Sendo assim, deve ter a capacidade de equilibrar custos e preços a fim de se obter um resultado positivo. Esta relação deve ser mantida sempre que possível e, em sua impossibilidade, há de se considerar se ainda há viabilidade para o negócio da empresa e/ou mudanças necessárias e serem realizadas, como diversificação de mercado, alteração do ponto comercial entre outros, como reestruturação e investimentos. 2.2 Benefícios sociais Os benefícios sociais podem ser definidos como facilidades, conveniências, vantagens e serviços que as organizações oferecem a seus empregados, visando poupar-lhes esforços e preocupação (CHIAVENATO, 1998). Os benefícios complementam a remuneração do trabalhador e são formas de motivação. Os benefícios sociais podem ser classificados em obrigatórios e espontâneos. Os benefícios obrigatórios são os exigidos pela legislação trabalhista, previdenciária e convenções/ acordos sindicais. Os benefícios espontâneos são concedidos por liberdade das empresas. Dentre os benefícios obrigatórios, alguns são de responsabilidade da empresa e outros da previdência social. Dentre os benefícios obrigatórios destacam-se: a) 13 Salário: O artigo 7, inciso VIII da Constituição Federal estabeleceu a expressão décimo terceiro salário para a gratificação natalina, que era comumente paga pelos empregadores no final do ano. Conforme Oliveira (2005) o 13 salário deve ser pago em duas parcelas, sendo que a primeira deve ser paga até 30 de novembro e a segunda até o dia 20 de dezembro. O valor do 13 salário corresponderá a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente, sendo que a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será considerada como mês integral. b) Férias: A cada 12 meses de trabalho o empregado tem direito ao gozo de férias sem prejuízo da remuneração e a um terço a mais do que o salário normal. O Art. 130 da CLT define a quantidade de dias de gozo: Art. 130: Após cada período de 12 (doze) meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias, na seguinte proporção: I 30 (trinta) dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 5 (cinco) vezes; II 24 (vinte e quatro) dias corridos, quando houver tido de 6 (seis) a 14 (quatorze) faltas; III 18 (dezoito) dias corridos, quando houver tido 15 (quinze) a 23 (vinte e três) faltas; IV 12 (doze) dias corridos, quando houver tido de 24 (vinte e quatro) a 32 (trinta e duas) faltas. 1 É vedado descontar, do período de férias, as faltas do empregado ao serviço; 2 O período de férias será computado, para todos os efeitos, como tempo de serviço.

4 4 c) Vale Transporte: Conforme Vianna (2005) o vale transporte constitui um benefício que o empregador antecipa para o empregado para utilização efetiva em despesas de deslocamento residência trabalho e vice-versa, através do sistema de transporte coletivo. O vale transporte não tem natureza salarial e o empregador pode descontar 6 % (seis) do salário do empregado, limitado ao valor do vale transporte integral, para auxiliar com o custo. d) Horas Extras: O adicional de horas extras é devido pelo trabalho extraordinário à razão de pelo menos 50 % sobre a hora normal e 100% em domingos e feriados. Segundo Martins (2005, p. 263) a remuneração do serviço suplementar é composta do valor da hora normal, integrado por parcelas de natureza salarial e acrescido do adicional previsto em lei, contrato, acordo, convenção coletiva ou sentença normativa. e) Adicional por trabalho noturno: O artigo 73 da CLT trata do trabalho noturno: Art. 73: Salvo nos casos de revezamento semanal ou quinzenal, o trabalho noturno terá remuneração superior à do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 20 % (vinte por cento), pelo menos, sobre a hora diurna. 1 A hora do trabalho noturno será computada como de 52 minutos e 30 segundos. 2 Considera-se noturno, para efeitos deste artigo, o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e 5 horas do dia seguinte. 3 O acréscimo a que se refere o presente artigo, em se tratado de empresas que não matem, pela natureza de suas atividades, trabalho noturno habitual será feito tendo em vista os quantitativos pagos por trabalhos diurnos de natureza semelhante. Em relação as empresas cujo trabalho noturno decorra da natureza de suas atividades, o aumento será calculado sobre o salário mínimo geral vigente na região, não sendo devido quando exceder desse limite, já acrescido da percentagem. 4 Nos horários mistos, assim entendidos os que abrangem períodos diurnos e noturnos, aplica-se as horas de trabalho noturno o disposto neste artigo e seus parágrafos. 5 Às prorrogações do trabalho noturno aplica-se o disposto neste Capítulo. f) Adicional de Insalubridade: Conforme Oliveira (2005, p. 71) Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos a saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos. Há três graus de insalubridade: Maximo, médio e mínimo; os empregados que trabalham em condições insalubres têm assegurada a percepção de adicional respectivamente de 40%, 20% e 10% do salário mínimo ou salário profissional, não importando o salário que recebem. g) Adicional de Periculosidade: Conforme Oliveira (2005) são consideradas atividades ou operações perigosas aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos, em condições de risco acentuado. O empregado que trabalha em condições de periculosidade recebe um adicional de 30% sobre o salário efetivo, não incidindo esse percentual sobre gratificações, prêmios ou participações nos lucros na empresa. h) Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS): O recolhimento do FGTS é de 8% sobre a remuneração mensal dos trabalhadores, e nos casos de rescisão por iniciativa da empresa de 50%, sendo 40% depositados na conta do trabalhador, mais um adicional de 10% (LC 110/201). O FGTS é um depósito bancário destinado a formar uma poupança para o trabalhador, que poderá ser sacada nas hipóteses previstas na lei, principalmente quando é dispensado sem justa causa. Outrossim, servem os depósitos como forma

5 5 de financiamento para aquisição de moradia pelo Sistema Financeiro da Habitação. (MARTINS, 2005, p. 453) i) Diárias de Viagens: Conforme Martins (2005, p. 275), diárias são o pagamento feito ao empregado para indenizar despesas com o deslocamento, hospedagem ou pousada e alimentação e sua manutenção quando precisa viajar para executar as determinações do empregador. O art. 1 da Instrução Normativa n 8, de 1 de novembro de 1991, do Secretário Nacional do Trabalho, considera como de natureza salarial as diárias de viagens quando, não sujeitas a prestação de contas, excederem a 50% do salário mensal do empregado, no mês que forem pagas. Martins (2005, p. 275) ressalta: Distinguem-se as diárias das despesas de viagem ou reembolso de despesas. Nestas, o pagamento feito pelo empregador é, na verdade, o reembolso exato das despesas gastas pelo empregado na viagem, mediante prestação de contas, As diárias, porém, não ficam subordinadas à comprovação do valor gasto pelo empregado na viagem, recebendo o obreiro um valor estipulado pelo empregador, quer tenha desembolsado mais do que o recebido ou menos. j) Gratificação de Função: Segundo Martins (2005), a gratificação é devida em relação a maior responsabilidade que é atribuída ao empregado no desempenho de sua função. Em geral, essa gratificação ocorre em relação aos empregados que ocupam cargos de confiança. k) Salário família: Segundo Vianna (2005) o salário família será devido, mensalmente, ao segurado empregado urbano ou rural, e ao trabalhador avulso, que possui baixa renda, na proporção do respectivo número de filhos. Este benefício é apenas repassado ao trabalhador, não gerando assim um custo adicional para a empresa. O Salário Família é pago com o salário do colaborador, porém este valor é deduzido a Guia da Previdência Social. l) Salário maternidade: Conforme Martins (2005, p. 290) Consiste o salário maternidade numa renda mensal igual a remuneração integral da segurada. É pago pelo empregador que desconta o valor adiantado a trabalhadora em relação à contribuição previdenciária devida. Conforme a CLT: Art. 392 A empregada gestante tem direito a licença maternidade de 120 (cento e vinte) dias, sem prejuízo do emprego e do salário, 1 A empregada deve, mediante atestado médico, notificar o seu empregador da data de início do afastamento do emprego, que poderá ocorrer entre o 28 dia antes do parto e a ocorrência deste. 2 Os períodos de repouso, antes e depois do parto, poderão ser aumentados de 2 (duas) semanas cada um, mediante atestados médicos. 3 Em caso de parto antecipado, a mulher terá direito aos 120 dias do salário e demais direitos. 4 É garantido a empregada, durante a gravidez, sem prejuízo do salário e demais direitos. I Transferência de função, quando as condições de saúde o exigirem, assegurada a retomada da função anteriormente exercida, logo após o retorno ao trabalho. II Dispensa do horário de trabalho pelo tempo necessário para a realização de no mínimo seis consultas médicas e demais exames complementares. m) Auxílio Doença: Quando um empregado se afasta por motivo de doença por mais de 15 dias, seu contrato de trabalho é suspenso a partir do 16 dia. Quanto aos primeiros 15 dias, a empresa deve pagar o 13 salário; do 16 diante ficará isenta. (OLIVEIRA, 2007, p. 123) Os benefícios espontâneos são variáveis e independem de leis ou normativa, em geral são oferecidos pelas empresas como forma de incentivo aos funcionários. O benefícios espontâneos mais comuns são:

6 6 a) Alimentação: Segundo Chiavenato (1998), este benefício pode variar amplamente. Desde a concessão de vales refeição ou alimentação a uma cozinha industrial no estabelecimento da empresa. O beneficio pode ser pago totalmente pela empresa ou pode ser efetuado o desconto de 20% do valor da alimentação do salário do colaborador. b) Seguro de Vida em Grupo: Plano de seguro de vida em grupo é mais barato do que o plano individual. Pode ser custeado total ou parcialmente pela empresa. Ocasionalmente, envolve seguro de vida complementar para cobrir as indenizações decorrentes dos salários mais elevados. (CHIAVENATO, 1998, p. 91) c) Convênios diversos: Algumas empresas dispõem de convênios com os mais diversos serviços. Esses convênios podem ser para desconto em folha de pagamento com participação da empresa nos custos ou não. Destacam-se os convênios com farmácias, clínicas de saúde, assistência médica e odontológica, dentre outros. Outra questão que se inclui como variável trabalhista e deve ser considerada como impactante no custo da mão de obra são as relações sindicais. Os sindicatos apresentam-se cada vez mais como peças chaves no asseguramento dos direitos dos trabalhadores e merecem considerável atenção das classes empregadoras O direito coletivo do trabalho é uma ramificação do direito do trabalho que trata da organização sindical e suas consequências. Diante disso, Martins (2005, p. 702) define liberdade sindical, a liberdade sindical significa, pois, o direito de os trabalhadores e os empregadores se associarem, livremente, a um sindicato. Todo aquele que tiver interesse profissional ou econômico a ser discutido poderá reunir-se num sindicato. Sindicato é, assim, a associação de pessoas físicas ou jurídicas que têm atividades econômicas ou profissionais, visando à defesa dos interesses coletivos e individuais de seus membros ou da categoria. (MARTINS, 2005, p. 702) Conforme Hinz (2005), a principal função do sindicato é defender os interesses de seus representados. No âmbito trabalhista, ao sindicato profissional cabe a obtenção de melhorias nas condições de trabalho dos empregados; no caso dos sindicatos patronais resistir às pretensões dos sindicatos obreiros, além de municiar os representados de elementos que lhes sujam úteis no desempenho de suas atividades. Das negociações sindicais, surgem normas regulamentadoras: os acordos e convenções coletivas. Segundo Vianna (2005, p. 557) trata-se o acordo coletivo de uma negociação envolvendo questões trabalhistas realizada entre uma ou mais empresas e o Sindicato representativo dos empregados. A Constituição da república federativa do Brasil de 1988 (1988) assegura aos trabalhadores o reconhecimento dos acordos coletivos de trabalho, sendo este, portanto, plenamente eficaz. O conceito de convenção coletiva está previsto no artigo 611 da CLT: Art. 611: Convenção Coletiva de Trabalho é o acordo de caráter normativo pelo qual dois ou mais sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais estipulam condições de trabalho aplicáveis, no âmbito das respectivas representações, às relações individuais de trabalho. Em relação às cláusulas de acordos e convenções coletivas Hinz (2005, p.99) afirma: As cláusulas de acordos e convenções coletivos de trabalho podem ser classificadas em normativas ou obrigacionais. Normativas são as que criam direitos e obrigações aos empregados e empregadores representados pelos signatários. Tratam das condições em que o trabalho deverá ser exercido, dizendo respeito aos empregados e empregadores. As contratuais vinculam as pessoas jurídicas celebrantes dos contrato coletivo, referindo-se a pessoas jurídicas não relacionadas ao contrato de trabalho, stricto sensu.

7 7 Segundo Hinz (2005), a principal diferença entre acordo e convenção coletiva é a abrangência das normas, pois o acordo coletivo é celebrado entre o sindicato dos empregados e uma ou mais empresas da mesma categoria econômica, enquanto a convenção coletiva é celebrada entre o sindicato dos empregados e o sindicato de empregadores, abrangendo toda a categoria econômica. 2.3 Encargos sociais e sua relação com custos Conforme Rocha (1992), o custo da mão de obra envolve todos os gastos realizados, a título de remuneração, contribuições e benefícios sociais, bem como gastos com recrutamento, treinamento, manutenção e desligamento dos empregados. Sendo assim, o custo da mão de obra é formado pela remuneração direta, benefícios e encargos sociais. Segundo Vilaça (2002, p. 15), benefício social é: É conjunto de obrigações trabalhistas que devem ser pagas pelas empresas mensalmente ou anualmente, além do salário do empregado. No Brasil, incluem-se entre os encargos sociais os depósitos feitos no fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS), o percentual da firma devido ao Instituto de Administração da Previdência e Assistência Social (Iapas), o seguro de vida e o 13º salário. De modo geral esses encargos podem acarretar um desembolso mensal entre 50 e 90% a mais em relação ao salário de cada empregado. No mesmo sentido, Rocha (1992, p. 11), define encargos sociais como: Todos os gastos com mão-de-obra, exceto os relativos á unidade salarial considerada. São portanto, os custos excedentes à unidade salarial. A unidade salarial é a base de cálculo, isto é, o referencial a partir do qual todos os gastos são considerados como encargos sociais. Para Martins (2003) na situação no nosso país, onde os encargos representam um percentual sobre o valor pago ao trabalhador, precisa-se calcular para cada empresa o valor a ser atribuído por hora de trabalho. Sabemos que decorrem da legislação e do contrato de trabalho os repousos semanais remunerados, as férias, o 13 salário, a contribuição ao INSS, a remuneração dos feriados, as faltas abonadas por gala, nojo etc., além de vários outros direitos garantidos por acordos ou convenções coletivas de trabalho das diversas categorias profissionais. (MARTINS, 2003, p. 135) Martins (2003) afirma que a forma mais fácil de calcular os encargos trabalhistas é calcular os gastos durante um período de um ano, dividindo o valor encontrado pelo número de horas efetivamente trabalhadas e comparar com o valor contratado. Desta maneira, o cálculo dos encargos inicia com o levantamento do numero de horas efetivamente trabalhadas pelo funcionário. Depois disso, é necessário somar toda remuneração paga ao trabalhador considerando férias, 13 salário, horas extras, etc., incluir as contribuições sociais e demais benefícios concedidos pela empresa. Para o cálculo do custo hora é só dividir o montante encontrado pelo número de horas efetivamente trabalhadas. A Consolidação das Leis do Trabalho estabelece a jornada máxima semanal de 44 horas, sendo que o empregado tem direito ao descanso semanal remunerado de 7 horas e 20 minutos, correspondente a 7,33 horas. Vê-se que os encargos sociais têm uma grande representatividade no custo da mão de obra.

8 8 3 METODOLOGIA Quanto ao seu objetivo o presente estudo pode ser caracterizado como uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa. O procedimento utilizado para a coleta dos dados é o de levantamento e documental. A pesquisa se caracteriza ainda como um estudo de caso. A respeito da pesquisa descritiva Gil (2002, p. 42) descreve [...] como objetivo primordial à descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre as variáveis. A despeito da pesquisa documental Godoy (1995, p. 28) infere que esta consiste no exame de materiais de natureza diversa que ainda não receberam um tratamento analítico, ou que podem ser reexaminados, buscando-se interpretações novas e/ou complementares. De acordo com Roesch (1999, p. 156) a pesquisa qualitativa [...] se depara com uma quantidade imensa de notas de pesquisa ou de depoimentos, que se materializam na forma de textos, os quais terão de organizar para depois interpretar. Yin (2005) explicita que o estudo de caso é uma estratégia de pesquisa abrangente que estuda um fenômeno contemporâneo em seu contexto na vida real, apresenta variações e podem se deter a apresentação de casos individuais ou a generalizações fundamentada em múltiplos casos. 3.1 Descrição da empresa pesquisada A empresa foi fundada em 1937, tendo como produto principal, a fabricação de caixas de papelão pinho, muito utilizadas até meados dos anos 80 como embalagem de camisas e sapatos. A partir de 1991 a empresa passou por uma reestruturação, consequência da venda da empresa, tendo um novo quadro societário, que se mantêm até os dias atuais. A partir de então, houve uma migração gradativa da produção de caixas de papelão pinho para caixas de papelão ondulado, o que propiciou um crescimento considerável durante a década de 90. Desde então, a empresa é referência no ramo de cartonagem na região do Vale do Itajaí. 3.2 Instrumento de Pesquisa e Coleta de Dados Primeiramente para consecução do objetivo da pesquisa, estabeleceu-se contato com a empresa objeto de pesquisa por meio de e telefone. Após contato marcou-se uma entrevista com o administrador da empresa. Além da entrevista, foram utilizadas as demonstrações contábeis e outros relatórios de controles internos do exercício de 2010, como relatórios de recursos humanos, incluindo resumo da folha de pagamento, e projeções orçamentárias. A entrevista realizada caracterizou-se como semiestruturada com um roteiro previamente elaborado. Na medida em que o entrevistado apresentava suas respostas e percebia-se a necessidade de maior detalhamento destas, outras questões foram incluídas na entrevista com o objetivo de mitigar qualquer dúvida. Os demonstrativos contábeis foram utilizados com a finalidade de identificar o resultado do exercício, os custos, tributos e despesas da empresa. Os relatórios de controles internos serviram de suporte à análise dos dados na identificação dos custos com mão de obra, histórico de faltas, férias, horas extras, remunerações, políticas de benefícios a empregados, entre outras, como orçamento e controles orçamentários. 4 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A empresa possui 60 funcionários ativos remunerados como mensalistas, um sócio que recebe pro labore e um administrador não sócio, o qual era qualificado como empregado

9 9 quando da realização da pesquisa, sendo a remuneração deste paga através do regime horista. Além dos benefícios a funcionários descritos na CLT, a empresa oferece benefícios espontâneos como convênio com padarias e farmácias para desconto em folha de pagamento, pagamento de diárias de viagens e adiantamentos salariais. Os empregados têm assegurados alguns direitos estabelecidos na convenção coletiva, além daqueles apresentados na CLT. Os trabalhadores são representados pela Federação dos Trabalhadores na Indústria de Santa Catarina (FETIESC). Dentre os direitos adquiridos destacam-se: a) Garantia de emprego: 60 dias após o retorno do auxílio previdenciário e 2 anos antes de adquirir o benefício da aposentadoria, nas seguintes condições: o trabalhador tiver mais de 5 anos de empresa e 53 anos de idade se for do sexo masculino e 48 anos de idade se for do sexo feminino. b) Abono de falta do estudante: exame ou prova em estabelecimento de ensino oficial ou reconhecido. Segundo a administração da empresa este tipo de falta não ocorre. c) Dispensa do Aviso Prévio: Se a empresa demitir o funcionário o aviso prévio deverá ser indenizado no valor correspondente a remuneração de 30 dias. d) Prêmio decenal: A cada período de 10 anos de trabalho ininterruptos na mesma empresa o empregado fará jus a um premio denominado premio decenal de valor igual ao salário mensal percebido no mês em que o mesmo for pago. Conforme a administração, como os funcionários ficam em média 5 anos na empresa, esse custo nunca foi pago. e) Adicional noturno: É de 35%, sendo que a CLT traz apenas 20%. Este benefício afeta diretamente o custo da mão de obra da empresa. Como a empresa possui motoristas em seu quadro de funcionários que são responsáveis pelo frete da empresa, estes são enquadrados no sindicato nos condutores de veículos, que prevê um adicional por tempo de serviço na respectiva proporção: a) Triênio: A cada 5 anos ininterruptos na empresa, os trabalhadores têm direito a um adicional, a título de anuidade sindical, de 3% do salário. b) Quinquênio: A cada 7 anos ininterruptos na empresa, os trabalhadores têm direito a um adicional, a título de anuidade sindical de 5% do salário. A empresa pesquisada apresentou prejuízo no exercício de 2010, que foi o ano objeto da pesquisa. As diferenças entre o orçado quanto aos impostos, custos e despesas da empresa e o que foi realizado são apresentadas na tabela 1. Diante da tabela 1 observa-se que a principal diferença entre os resultados estimados e obtidos está nos custos. Neste trabalho buscou-se identificar se este resultado foi influenciado pelo custo da mão de obra. Tabela 1 Diferença entre valores orçados e realizados Descrição Orçado Realizado Diferença Impostos Custos ( ) Despesas (89.989) Total ( ) Fonte: Dados da pesquisa Na entrevista realizada o administrador da pesquisada informou que para a precificação dos produtos, o custo considerado de Mão de obra é baseado nas 220 horas acordadas no contrato de trabalho e este é acrescido ainda em 100% em virtude dos encargos sociais. Não são consideradas as horas efetivamente trabalhadas. Entendendo que o custo da mão de obra deve ser calculado com base nas horas efetivas de trabalho e que a empresa pesquisada possui obrigações trabalhistas além daquelas apresentadas na CLT calculou-se a

10 10 média salarial anual da empresa para determinação do custo efetivo da mão de obra. Nas tabelas 2 e 3 são apresentados os custos médios efetivos da hora trabalhada para um funcionário na jornada diurna e noturna. Tabela 2 Custo médio efetivo da jornada diurna Descrição Valores Remuneração média sem encargos (em horas) 4,49 Remuneração média considerada pela empresa (em horas) 9,98 Número máximo de dias à disposição do empregador 261 Jornada de trabalho diária 7,33 Horas a disposição por ano Custo efetivo da mão de obra ,30 Custo efetivo por hora 11,26 Fonte: Dados da pesquisa Para cálculo do custo médio efetivo apresentados na tabela 2 e na tabela 3 foram consideradas, com base na média histórica da empresa, quatro dias de licença não remunerada, quatro dias de descansos semanais não remunerados, nove dias de faltas abonadas, foram considerados também os feriados não trabalhados num exercício, as férias e os descansos semanais remunerados. Com base na tabela 2, os encargos sociais mínimos provocaram um acréscimo de 150,78% sobre o salário-hora contratado, ou seja, uma diferença a maior de aproximadamente 51% com relação às estimativas efetuadas pela empresa. Para cada hora trabalhada, há um erro entre o custo real do funcionário e o custo calculado pela empresa de R$ 1,28. Tabela 3 Custo médio efetivo da jornada noturna Descrição Valores Remuneração média sem encargos 4,56 Remuneração média considerada pela empresa (em horas) 9,12 Número máximo de dias à disposição do empregador 261 Jornada de trabalho noturna 6,42 Horas a disposição por ano Custo efetivo da mão de obra ,26 Custo efetivo por hora 14,45 Fonte: Dados da pesquisa A pesquisada tem alguns colaboradores que trabalham integralmente no horário noturno. Como o sindicato prevê o pagamento do adicional noturno de 35% sobre a remuneração noturna, levantou-se o custo efetivo da hora de um trabalhador que cumpre o horário noturno. Além disso, por ser trabalho noturno, o horário efetivamente trabalhado é menor que o horário diurno, assim a quantidade de horas efetivamente trabalhadas deste colaborador é menor que dos trabalhadores que cumprem a jornada diurna. Por meio da tabela 3 percebe-se que os encargos sociais representam um acréscimo de 216,89% em relação ao valor do salário hora contratado, neste caso a diferença entre a estimativa utilizada pela empresa e o custo real dos encargos do funcionário é de

11 11 aproximadamente 117%. Para os funcionários que trabalham no terceiro turno a diferença entre o valor estimado pela empresa do custo da mão de obra e o custo real é de R$ 5,33. Conforme legislação fundamentada o administrador não sócio, não sendo diretamente subordinado, deverá receber como remuneração pro labore. O custo efetivo por hora do administrador no período da pesquisa era de R$ 26,96, pois sua remuneração é paga de acordo com a legislação trabalhista, que prevê encargos sociais consideráveis sobre os salários. No caso do administrador, os encargos sociais provocaram um acréscimo de 97,95% na remuneração contratada, enquanto, conforme apresentado na tabela 4, que apresenta o custo da hora efetivamente trabalhada do administrador não sócio considerando a remuneração através de pro labore, este acréscimo seria de apenas 53,30%. Tabela 4 Custo médio efetivo do administrador por meio de pro labore Descrição Valores Remuneração média sem encargos 13,62 Número máximo de dias à disposição do empregador 282 Jornada de trabalho diária 7,33 Horas a disposição por ano Custo efetivo da mão de obra ,50 Custo efetivo por hora 20,88 Fonte: Dados da pesquisa Se o administrador não sócio tivesse como remuneração pro labore seu custo seria reduzido em aproximadamente 22,54% que, apesar de menos representativo em escala, se comparado com a diferença identificada nas tabelas 2 e 3 para remuneração dos funcionários da fábrica, ainda é significativo e contribuiria para amenizar o resultado negativo obtido no exercício. A empresa considerou um custo por quilo de R$ 0,25 referente mão de obra, porém, os custos de pessoal embutidos no custo do produto somam R$ ,59. Este valor divido pela produção média resulta em um custo de R$ 0,35 por quilo. Sendo a diferença no custo de R$ 0,10 por quilo, a diferença total no custo da mão de obra foi de R$ ,49 do estimado para o real. Para essa diferença pode-se assumir que a empresa não considerou a remuneração e contribuições sociais, não incluindo no custo o valor dos benefícios pagos. Percebe-se que apesar de a empresa pesquisada ter por prática a elaboração do orçamento, observa-se que ela não projeta adequadamente seus gastos com pessoal, de modo que há uma disparidade entre o valor orçado pela empresa e aquele realizado. A principal disparidade identificada está atrelada à empresa não considerar corretamente o custo efetivo de mão de obra. Entretanto, se verificada a tabela 1, que trata das diferenças entre os valores orçados e o realizado, percebe-se que além da questão dos custos com mão de obra, há outros custos que contribuíram para o resultado negativo do período, porém, não foram objeto desta pesquisa. Com relação às despesas, a diferença também pode ser explicada pelo custo da mão de obra do administrador. Cabe destacar também que não há de se falar em relação perfeita entre orçamento e execução, mas que a empresa deve reduzir ao máximo estas disparidades. Esta questão impacta diretamente na precificação dos produtos da empresa. Uma estimativa equivocada dos custos de mão de obra pode afetar significativamente o preço dos produtos da empresa, de modo que os produtos podem ficar muito caros e, assim, haver pouca procura do produto, ou então, o produto ficar com preço abaixo da margem necessária para cobrir as despesas do período.

12 12 No caso da empresa pesquisada, por ser uma indústria que elabora seus preços a partir de seus custos (conforme resposta obtida na entrevista), o fato de não considerar alguns itens no cálculo do custo da mão de obra levou-a a calcular o preço de seus produtos com margem inferior a que deveria, colaborando com o resultado negativo do período. 5 CONCLUSÃO Analisados os dados disponibilizados pela pesquisada e após embasar teoricamente as disciplinas e contextualizá-las verificou-se a influência das operações da empresa em seu preço venda. Através das análises feitas, verificou-se que a empresa não repassou todos os seus custos e despesas para seus clientes, desta forma, arcou com parte deles; fato este que afetou diretamente nos resultados obtidos, gerando um prejuízo. O objetivo deste artigo foi identificar o impacto do custo da mão de obra na precificação de produtos tendo como objeto de estudo uma empresa do Vale do Itajaí. Como base nos resultados pode-se concluir que os custos com mão de obra impactam diretamente no preço de venda da empresa pesquisada. Inicialmente, as demonstrações permitiram evidenciar que foi feito um estudo por parte da empresa para formar o preço de venda, no entanto alguns custos e despesas foram desconsiderados, o que acarretou em uma formação de preço abaixo do que seria necessário para cobrir todas as despesas e custos, o que gerou, dessa forma, o resultado negativo. Esta pesquisa evidencia a importância da correta avaliação dos custos com mão de obra na precificação dos produtos da empresa pesquisada. Indica também que as empresas devem considerar em seus custos, os benefícios concedidos a funcionários, sejam eles exigidos pelo sindicato da categoria ou concedidos voluntariamente, além daqueles apresentados pela CLT. A limitação dos dados não permitiu uma análise mais detalhada em alguns momentos, porém, ainda assim, foi possível apontar pontos a serem melhorados, no que tange a formação de preços e custos de oportunidade, assim como o planejamento tributário para a atual situação. Como recomendação para futuros estudos, inclui-se a aplicação desta pesquisa em outras empresas para comparação dos achados. Outra recomendação consiste em estudar outros fatores que impactam na precificação de produtos. Além destas, pode-se realizar pesquisas com foco na precificação de produtos com base na teoria da contingência e teoria institucional. REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm> Acesso em: 05 out Decreto - Lei 5.452/43 de 10 de novembro de CLT. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm> Acesso em: 30 set BRUNI, A. L.; FAMÁ, R. Matemática Financeira com HP 12C e Excel. 2. ed. São Paulo: Atlas, ;. Gestão de custos e formação de preços: com aplicações na calculadora HP 12C e Excel. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008

13 13 CHIAVENATO, I. Remuneração, benefícios e relações de trabalho. 2. ed. São Paulo: Atlas, GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, DUTRA, D. de J. da S.; HATAKEYAMA, K.; PILATTI, L. A.; KOVALESKI, J. L. Equívocos na metodologia de fomração do preço de venda: análise da metodologia adotada pelo SEBRAE. GEPROS. Gestão da produção e sistemas. v. 1, n. 1, p , GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, mai./jun GOMES MACHADO, D.; SOUZA, M. A. de. Análise das relações entre a gestão de custos e a gestão do preço de venda: um estudo das práticas adotadas por empresas industriais conserveiras estabelecidas no RS. Universo contábil. v. 2, n. 1, p , jan./abr HINZ, H. M. Direito coletivo do trabalho. São Paulo: Saraiva, MARTINS, E. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, S. P. Direito do trabalho. 21. ed. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, G. P. de, Contabilidade tributária. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, A. Manual de prática trabalhista. 41. ed. São Paulo: Atlas, ROCHA, W. Custo da mão-de-obra e encargos sociais. São Paulo: Atlas, ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, SOUZA, A. A. de; NOVELI, M.; MINELLO, I. F. ENDRICI, J. O. M.; AVELAR, E. A. Análise de sistemas de informações utilizados como suporte para os processos de estimação de custos e formação de preços. ABCustos Associação Brasileira de Custos. v. 1, n. 1, p. 1-23, set./dez VIANNA, C. S. V. Manual prático das relações trabalhistas. 7. ed. São Paulo: Ltr, VILAÇA, G.C. Alternativas para mensuração dos encargos sociais e do seu peso em relação à remuneração da mão-de-obra. São Paulo: Atlas, YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si firmam, de um lado, a DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED, sediada à Rua Pernambuco, 265, centro, Poços de Caldas MG, CNPJ nº 23.664.303.0001/04, doravante denominada apenas

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000954/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029028/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009096/2013-50 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

Categoria abrangida: Empregados em Empresas de Turismo de Porto Alegre

Categoria abrangida: Empregados em Empresas de Turismo de Porto Alegre Convenção Coletiva de Trabalho 46218.009286/2008-18 O SINDICATO DAS EMPRESAS DE TURISMO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINDETUR, conjuntamente com o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE TURISMO DE PORTO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 20/3/2014 10:43 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000166/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/03/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001874/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.003144/2014-04

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ESCOVAS E PINCÉIS DE SÃO PAULO e SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE JUNCO E VIME E VASSOURAS E DE ESCOVAS

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E CAPITALIZAÇÃO E DE AGENTES AUTÔNOMOS DE SEGUROS

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 5.

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CUIABÁ E VÁRZEA GRNADE, e do outro lado, representando

Leia mais

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 101 REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 1 INTRODUÇÃO Rodrigo Ribeiro Bueno* Os reflexos das parcelas trabalhistas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS

PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS Cláusula 01 - ABRANGÊNCIA A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá todas as Empregadoras e Empregados das categorias econômica

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000451/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012550/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.000803/2014-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072168/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 11/11/2015 ÀS 17:47 SINDICATO DOS EMPREG VEND E VIAJ DO COM NO ESTADO DO RS, CNPJ n. 92.997.394/0001

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de novembro de 2012

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Entre as partes, de um lado, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA

Leia mais