ORIENTAÇÕES GERAIS PARA PREPOSTOS COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CAERN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES GERAIS PARA PREPOSTOS COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CAERN"

Transcrição

1 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA PREPOSTOS COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CAERN Exposição: Radir Azevedo Meira Filho

2 PREPOSTOS I. FUNÇÃO II. PRESSUPOSTOS PARA ATUAÇÃO III. MODOS DE ATUAÇÃO IV. RESPONSABILIDADES

3 I. FUNÇÕES DO PREPOSTO I.A. CONCEITO I.B. O PREPOSTO NO PROCESSO I.C. PRODUÇÃO DE PROVA ORAL I.D. BUSCA DA CONFISSÃO I.E. AUSÊNCIA DE CAPACIDADE POSTULATÓRIA I.F. REALIZAÇÃO DE ACORDOS JUDICIAIS

4 I.A. CONCEITO I.A.1. PREPOSTO: Aquele que representa e que tem conhecimento dos fatos. I.A.2. Representante do empregador pessoa jurídica cuja missão específica é substituí-lo na audiência ou outro ato formal e nela prestar declarações que servirão como prova. I.A.3. O preposto é a pessoa mais importante da audiência, pois através dele a CAERN se manifesta.

5 I.B. O PREPOSTO NO PROCESSO I.B.1. A pessoa jurídica é uma ficção, por isso processualmente precisa ser representada. I.B.2. A representação se resume a audiências, pois em outros atos processuais é representada por advogado. I.B.3. As audiências poderão ser de conciliação/preliminar, instrução/julgamento ou audiência una. I.B.4. A presença do preposto em processos administrativos não é tão importante como vemos nos processos judiciais.

6 I.C. PRODUÇÃO DE PROVA ORAL I.C.1. O processo civil permite a produção de vários tipos de prova em busca de se chegar à verdade. I.C.2. Entre as provas possíveis, existe o depoimento pessoal das partes que pode ser requerido por um dos litigantes ou de ofício pelo Juiz. I.C.3. Para que a prova reflita a mais absoluta verdade e possa ajudar na concretização da tese da CAERN é importante que o preposto seja um profundo conhecedor dos fatos.

7 I.D. BUSCA DA CONFISSÃO I.D.1. O preposto que desconhecer ou que venha a transmitir uma versão errada dos fatos poderá desencadear o fenômeno processual da confissão. I.D.2. É o fenômeno da confissão o objetivo maior da colheita do depoimento pessoal da parte (pessoa física) ou do preposto (pessoa jurídica). I.D.3. A confissão é a mais importante das provas, pois é formada pelas próprias informações da parte litigante. Depois que um fato é confessado dificilmente será desconstituído.

8 I.E. AUSÊNCIA DE CAPACIDADE POSTULATÓRIA I.E.1. Com exceção de alguns órgãos do Judiciário, como os Juizados Especiais, um jurisdicionado só poderá postular em Juízo por meio de Advogado. I.E.2. Como os Juizados Especiais são orientados pelos critérios da oralidade, simplicidade e informalidade em audiências de conciliação tem sido possível a postulação de provas por preposto (Art. 2º da Lei 9.099/95).

9 I.F. REALIZAÇÃO DE ACORDOS JUDICIAIS I.F.1. A depender do órgão do Judiciário, a presença do preposto é necessária para fins de realização de acordo judicial, já que, a existência de procuração com poderes para transigir não será o bastante para que o advogado da CAERN possa fazer o Acordo. I.F.2. O acordo deverá seguir as normas internas da CAERN, sob pena do preposto responder por eventual excesso de poderes. I.F.3. No caso do preposto comparecer a uma audiência sem a auxílio de um dos advogados da Companhia, será imprescindível que nossa Assessoria Jurídica tenha sido consultada previamente para fins de orientações gerais e eventual apresentação de proposta de acordo.

10 II. PRESSUPOSTO PARA ATUAÇÃO II.A. DESIGNAÇÃO II.B. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS II.C. ATRIBUIÇÕES ANTES DA AUDIÊNCIA II.D. PREPOSTO E TESTEMUNHA II.E. PREPOSTO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA II.F. APRESENTAÇÃO DO PREPOSTO

11 II.A. DESIGNAÇÃO DO PREPOSTO II.A.1. O preposto, como representante legal da empresa, será designado por meio de Carta de Preposição, que é o instrumento formal de designação. II.A.2. Na Justiça do Trabalho o preposto deverá ser empregado do empregador, salvo em raras ocasiões, como, por exemplo, nas relações de emprego doméstico. II.A.3. A CAERN, como de praxe, sempre designa seus empregados como prepostos, portanto, qualquer empregado da Companhia poderá ser designado. Geralmente o critério utilizado para eleição é o prévio conhecimento dos fatos.

12 II.B. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS II.B.1. É necessário que o preposto seja identificado antes do início da audiência para tanto é necessário que ele apresente um dos seguintes documentos oficiais: Carteira de Identidade; Carteira Nacional de Habilitação; Carteira de Trabalho e Previdência Social; outros documentos oficiais com foto. II.B.2. Carta de Preposição. II.B.3. Proposta escrita de acordo, se for o caso. II.B.4. Para facilitar a identificação do preposto perante advogados e terceiros importante o uso de crachá em local de fácil visualização.

13 II.C. ATRIBUIÇÕES ANTES DA AUDIÊNCIA II.C.1. Colher todas as informações possíveis acerca dos fatos debatidos na causa, conversar com outros empregados, informar fatos que julgue relevantes aos advogados da CAERN. II.C.2. Quando o preposto for o responsável pelas informações que subsidiarão as peças de defesa, será imprescindível que o documento informativo seja entregue com antecedência mínima de 10 dias úteis à Assessoria Jurídica. II.C.3. Tomar conhecimento do local da audiência e chegar com antecedência mínima de 30 minutos.

14 II.D. PREPOSTO E TESTEMUNHA II.D.1. A manifestação do preposto, na condição de representante da pessoa jurídica em ato judicial, produz efeitos em relação ao representado, nos limites de seus poderes. II.D.2. Testemunhar é prestar um depoimento a respeito de algum fato acontecido, do qual o depoente tenha presenciado ou tido conhecimento. II.D.3. Como a testemunha tem o dever de manter a imparcialidade, quem atuar como preposto não poderá ser testemunha.

15 II.E. PREPOSTO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA II.E.1. A perícia poderá ser necessária quando o conhecimento de alguns fatos depender de conhecimentos técnicos e científicos (art. 145, CPC) Ex: pedido de pagamento de adicional de insalubridade; condição de saúde de empregado. II.E.2. Depois de determinada a perícia as partes nomearão assistentes técnicos juntamente com quesitos a serem esclarecidos. II.E.3. O preposto não poderá ser funcionar como assistente técnico, nem muito menos como perito.

16 II.F. APRESENTAÇÃO DO PREPOSTO II.F.1. O preposto deverá comparecer ao local designado se portando de forma adequada em relação aos seus trajes, sendo proibida a entrada com: bermudas, sem camisas, roupas decotadas etc. II.F.2. O tratamento dispensado ao juiz, promotores e advogados da parte adversa: Excelência ; Doutor ; Senhor etc. OBS: evitar tratamento utilizando os termos: Você ; Moço ; Rapaz ; Amigo etc.

17 III. MODOS DE ATUAÇÃO III.A. PREGÃO III.B. MODO DE PRESTAR DEPOIMENTO III.C. CONSULTA AO ADVOGADO III.D. ATA DE AUDIÊNCIA III.E. AUXILIAR DO ADVOGADO

18 III.A. PREGÃO III.A.1. Pregão é o chamamento das partes envolvidas na audiência, assim, serão chamados a parte adversa e a CAERN (não o preposto). III.A.2. O Preposto deverá manter sua atenção redobrada na hora do pregão para que sua participação na audiência não seja prejudicada. III.A.3. É recomendado que ao chegar ao órgão do Judiciário no qual ocorrerá a audiência, o preposto se informe na secretaria sobre o andamento da pauta de audiências.

19 III.B. MODO DE PRESTAR DEPOIMENTO III.B.1. Prepostos só podem depor sobre fatos que realmente conheçam. III.B.2. O Preposto somente responde ao que o Juiz pergunta, sendo conveniente se limitar às perguntas formuladas, não sendo prudente acrescentar detalhes ou fatos ao que foi perguntado. III.B.3. Consultas: o Preposto poderá consultar breves notas, de forma a melhor se orientar quanto aos fatos, mas não poderá consultar o advogado durante seu depoimento.

20 III.C. CONSULTA AOS ADVOGADOS III.C.1. A consulta ao advogado deverá ser feita sempre antes de iniciado o depoimento. III.C.2. O advogado fará perguntas de acordo com o que tiver conversado com o Preposto e a depender da estratégia processual traçada. III.C.3. As perguntas ao Preposto serão sempre feitas pelo Juiz ou pelos advogados diretamente, contudo as respostas sempre serão direcionadas ao Juiz, a quem cabe presidir o ato.

21 III.D. ATA DE AUDIÊNCIA III.D.1. Todas as informações prestadas pelo Preposto poderão ocasionar algum impacto na tese processual da CAERN. III.D.2. Ao final da audiência todos os depoimentos serão reduzidos a termo, caso não tenham sido objeto de gravação em áudio e vídeo. III.D.3. A ata de audiência deverá reproduzir tudo o que foi relatado, de modo que a atenção para o conteúdo do referido documento deve ser redobrada, sempre deverá ser lido calmamente antes de qualquer assinatura.

22 III.E. AUXILIAR DO ADVOGADO III.E.1. O Preposto deverá atuar também como auxiliar do advogado no sentido de transmitir informações importantes durante depoimento de perito, parte adversa ou testemunhas. III.E.2. Como as oportunidades processuais poderão ser preclusivas, é imprescindível que alguma informação importante seja relatada no momento em que o ato processual acontece. Ex: contradita de testemunha.

23 IV. DAS RESPONSABILIDADES IV.A. EM CASO DE AUSÊNCIAS INJUSTIFICADAS A ATOS PROCESSUAIS. IV.B. EM CASO DE NÃO ENCAMINHAMENTO ANTECIPADO DE INFORMAÇÕES. IV.C. EM CASO DE NÃO CUMPRIMENTO DE ORDENS JUDICIAIS TEMPESTIVAMENTE.

24 IV.A. EM CASO DE AUSÊNCIAS INJUSTIFICADAS IV.A.1. Em razão da importância do Preposto, em caso de ausência em atos processuais, como, por exemplo, em audiências poderá ser decretada a revelia da CAERN. IV.A.2. Como essa ausência em audiência do Preposto poderá ocasionar significativos prejuízos processuais, o Preposto poderá responder administrativa pela ausência, com eventual responsabilização funcional.

25 IV.B. NÃO ENCAMINHAMENTO ANTECIPADO DE INFORMAÇÕES IV.B.1. As informações solicitadas pela Assessoria Jurídica são imprescindíveis para montagem da estratégia processual, de modo que, por se tratar de trabalho intelectual, deverão ser prestadas com a maior rapidez possível. IV.B.2. Caso não encaminhas a tempo de permitir a confecção das peças processuais, poderá também haver responsabilização funcional.

26 IV.C. NÃO CUMPRIMENTO DE ORDENS JUDICIAIS EM TEMPO IV.C.1. Na maior parte das situações a CAERN será intimada para cumprimento de decisões judiciais por meio da Assessoria Jurídica. IV.C.2. Como de praxe essa ordem para cumprimento será encaminhada ao setor competente por meio de memorando com definição de prazo. IV.C.3. Caso a determinação judicial não seja cumprida tempestivamente, possivelmente haverá incidência de multa e responsabilização funcional.

27 PERGUNTAS PARA FIXAÇÃO 1ª) Qual a consequência processual em caso de ausência de um preposto em audiência? 2ª) Qual a principal condição para ser preposto? 3ª) Quem poderá representar a pessoa jurídica em audiências? 4ª) Qual o objetivo principal ao se colher o depoimento do Preposto?

28 FIM

PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO

PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO OBJETIVO Proporcionar aos participantes conhecimentos sobre o preparo do preposto frente à justiça do trabalho, e representar a empresa com conhecimento e

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Leia atentamente as questões e boa prova! Cada resposta vale 1 ponto! Data: 00/00/20 Nome aluno:

Leia atentamente as questões e boa prova! Cada resposta vale 1 ponto! Data: 00/00/20 Nome aluno: Prova de Segurança do Trabalho para responder 3 edição Prova de Segurança do Trabalho 20 Professor: Nestor W. Neto Técnico em Segurança do Trabalho N 3023 Sejam bem vindos! Se chegaram até aqui já são

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO 1 MANUAL DO ESTAGIÁRIO, BACHARELADO 2 APRESENTAÇÃO O aprendizado do Direito não se restringe à compreensão dos textos legais e doutrinários: a prática efetiva da advocacia é uma dimensão fundamental do

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada 1 PROCURAÇÃO 1. Conceito: A procuração é um instrumento de mandato. De seu conceito entende-se que alguém (mandante, outorgante ou constituinte) outorga poderes a outrem (mandatário, outorgado ou procurador)

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS DAS PROVAS Comprovação das alegações - art. 848, CLT Princípios: a) Princípio do contraditório e ampla defesa direito fundamental de se manifestar reciprocamente sobre as provas apresentadas, bem como,

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto, fixa os valores dos Preços Públicos dos demais serviços prestados pela DAE S/A Água

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO AULA 07.1 - INTRODUÇÃO TERMINOLOGIAS NO No processo do trabalho há um dialeto próprio, que define: -O AUTOR como sendo o RECLAMANTE; -O RÉU como sendo do RECLAMADO. 1 2 DO O direito

Leia mais

http://www.jf.jus.br/cjf/orcamento e financas/legislacao/lei%20no%2011653%20 %20PPA%20 %202008 2011.pdf/view

http://www.jf.jus.br/cjf/orcamento e financas/legislacao/lei%20no%2011653%20 %20PPA%20 %202008 2011.pdf/view Plano de Aceleração do crescimento (PAC) Legislação Plano Plurianual (PPA) 2008 2011 http://www.jf.jus.br/cjf/orcamento e financas/legislacao/lei%20no%2011653%20 %20PPA%20 %202008 2011.pdf/view Decreto

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO

INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO 15463 2005 Data: 13/01/2005 INSTITUI CARREIRAS DO GRUPO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PODER EXECUTIVO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS O Povo do Estado de Minas

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos ASSENTO nº 010/2009 Ministério Público do Estado de Mato Grosso I) A gravação audiovisual da audiência nos processos criminais não é obrigatória. A regra do art. 405, 2º do CPP é norma de natureza permissiva,

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. PROJETO DE LEI N 8.046, de 2010 (Do Senado Federal) EMENDA

COMISSÃO ESPECIAL DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. PROJETO DE LEI N 8.046, de 2010 (Do Senado Federal) EMENDA COMISSÃO ESPECIAL DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL PROJETO DE LEI N 8.046, de 2010 (Do Senado Federal) Dispõe sobre a reforma do Código de Processo Civil. EMENDA Alteram-se, no PL nº 8046, de 2010,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de concluir uma convenção sobre cumprimento de medidas

Leia mais

Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013.

Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013. Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013. Prezado Cliente, Empregados Públicos Celetistas do Estado de São Paulo - DER, SUCEN, Secretaria da Saúde, etc... Em ação judicial proposta pela

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - 8ª REGIÃO - SÃO PAULO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - 8ª REGIÃO - SÃO PAULO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA Pelo presente instrumento de prestação de serviços de Assessoria e Consultoria Jurídica, de um lado o CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA

Leia mais

TELE NORDESTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A.

TELE NORDESTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. TELE NORDESTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n 02.558.156/0001-18 NIRE n 2630001109-3 TELPE CELULAR S.A. CNPJ/MF n 02.336.993/0001-00 NIRE n 2630001043-7 TELASA CELULAR S.A. CNPJ/MF n 02.328.592/0001-09

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 1.4. Ensino Médio, maior parte: Regular Supletivo Técnico Telecurso Outros:

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 1.4. Ensino Médio, maior parte: Regular Supletivo Técnico Telecurso Outros: I - DADOS DE Curso Pré-Vestibular do Campus Araras da UFSCar Ficha para Caracterização Socioeconômica do Candidato Processo Seletivo 2011 ADOS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIAL I.A. SOBRE A ESCOLARIDADE DO(A) CANDIDATO(A)

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015.

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. A Coordenação do Curso de Direito e a Coordenação do

Leia mais

Direito Processual Civil II.» Contéudo programático.» Bibliografia Básica

Direito Processual Civil II.» Contéudo programático.» Bibliografia Básica Direito Processual Civil II» Contéudo programático» Bibliografia Básica» Aula 2 Conteúdo programático 1º. 1. Bimestre O Processo Objeto Natureza Jurídica Relação Jurídica Processual Formação Atos e termos

Leia mais

Prática Jurídica 1. Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista

Prática Jurídica 1. Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista Prática Jurídica 1 Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista 17/02 Quanto à bibliografia, a professora recomenda apenas o Curso de direito processual do trabalho de Carlos Henrique Bezerra Leite.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO O Doutor MARCO AURÉLIO CHICHORR FALAVINHA, Juiz Federal Presidente do Juizado Especial Federal Cível da 30ª Subseção Judiciária de Osasco, Seção Judiciária do Estado de

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

3.12 Questões comentadas 3.13 Questões Cespe/UNB

3.12 Questões comentadas 3.13 Questões Cespe/UNB SUMÁRIO 1. NOÇÕES INICIAIS 1.1 Sistemas Processuais Penais 1.1.1 Sistema inquisitório 1.1.2 Sistema misto (ou híbrido) 1.1.3 Sistema acusatório 1.1.4 Modelo adotado no Brasil 1.2 Fontes do Processo Penal

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS 12ª REGIÃO ASSESSORIA JURÍDICA. P A R E C E R (nº 004/2002)

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS 12ª REGIÃO ASSESSORIA JURÍDICA. P A R E C E R (nº 004/2002) ASSESSORIA JURÍDICA P A R E C E R (nº 004/2002) ASSISTENTE SOCIAL. SIGILO PROFISSIONAL. QUESTÃO ÉTICA-JURÍDICA. ESTIPULAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL. PROIBIÇÃO DE DIVULGAR. Solicita a Sra. Valéria

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7187 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 141/2015 de 8 de setembro Aprova o Regime Geral do Processo Tutelar Cível, e procede à primeira alteração

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004. O Corregedor-Geral da Justiça Federal da 2 a Região, no uso de suas atribuições legais, e

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004. O Corregedor-Geral da Justiça Federal da 2 a Região, no uso de suas atribuições legais, e CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004 Disciplina os procedimentos a serem adotados durante e após as audiências para o registro audiovisual de depoimentos e interrogatórios. O Corregedor-Geral

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

GUILHERME DUARTE DA CONCEIÇÃO Procurador do Trabalho

GUILHERME DUARTE DA CONCEIÇÃO Procurador do Trabalho INQUÉRITO CIVIL Nº 002226.2011.15.000/2-10 DENUNCIANTE: DELEGACIA DE POLÍCIA FEDERAL EM PIRACICABA INQUIRIDOS: GABRIEL MIFFLIA ALANES LLUSCO -EUSEBIA VILLALOBOS TARQUI -HIPPYCHICK MODA INFANTIL LTDA. -TERACOMM

Leia mais

Apresentação... 25 PARTE 1 PARTE GERAL

Apresentação... 25 PARTE 1 PARTE GERAL 2ª Edição SUMÁRIO Apresentação... 25 PARTE 1 PARTE GERAL CAPÍTULO 1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1.1. Dicas para uma boa redação... 29 1.2. Linha do tempo... 31 1.3. Dicas para as reclamações trabalhistas...

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O advogado deve, no exercício da profissão

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal PAF

Processo Administrativo Fiscal PAF Processo Administrativo Fiscal PAF Ivan Luís Bertevello www.macedosoaresebertevello.adv.br OBJETIVO O Processo Administrativo Fiscal (PAF) objetiva solucionar os conflitos surgidos entre os contribuintes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CARAGUAPREV Regulamenta as atribuições do Serviço de Saúde Ocupacional da Divisão de Medicina e

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. N 08/02 ACORDO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E A REPÚBLICA DA BOLÍVIA E A REPÚBLICA

Leia mais

(Tabela de correspondência de artigos com o código antigo)

(Tabela de correspondência de artigos com o código antigo) (Tabela de correspondência de artigos com o código antigo) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 49 LEI N.º 41/2013, DE 26 DE JUNHO 49 Artigo 1.º Objeto 49 Art. 2.º Remissões 49 Art. 3.º Intervenção oficiosa do juiz

Leia mais

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1.ª REAJA SUMÁRIO: Introdução. Propostas apresentadas na 1.ª REAJA: I Organização Judiciária; II Processo administrativo;

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe da Central de Assessoramento Criminal DIGITAR DOCUMENTOS Analisado por: Escrivão/RE da Central de Assessoramento Criminal Aprovado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet

Leia mais

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT.

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT. Olá pessoal! Na aula de hoje comentarei a prova de Processo do Trabalho de Técnico Judiciário do TRT/Campinas que foi aplicada este ano, cuja banca organizadora foi a Fundação Carlos Chagas (FCC). Direito

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais.

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. O CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso das atribuições que

Leia mais

Edital N. 08/2015 - DF

Edital N. 08/2015 - DF Edital N. 08/2015 - DF O DOUTOR MARCO ANTONIO CANAVARROS DOS SANTOS, M.M Juiz Direto e Diretor do Fórum da Comarca de Novo São Joaquim, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE:

Leia mais

PREPARAR E APOIAR O DEPOIMENTO ESPECIAL 1 OBJETIVO

PREPARAR E APOIAR O DEPOIMENTO ESPECIAL 1 OBJETIVO Proposto por: PREPARAR E APOIAR O DEPOIMENTO ESPECIAL Equipe do Núcleo de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes (NUDECA) Analisado por: Diretor da Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar (DIATI)

Leia mais

00004 AUDITOR GERAL 2,89 00569 SUPER CONTADORI 2,89 00010 SECR.EXECUTIVO 2,87 00599 GERENTE GERAL 2,87

00004 AUDITOR GERAL 2,89 00569 SUPER CONTADORI 2,89 00010 SECR.EXECUTIVO 2,87 00599 GERENTE GERAL 2,87 PLR - Banco do Brasil NRF Especial NRF 01 NRF 02 e 03 ESP 01 02 03 000 AUDITOR GERAL 2,89 069 SUPER CONTADORI 2,89 00010 SECR.EXECUTIVO 2,87 099 GERENTE GERAL 2,87 00011 ASSES.ESP.PRESI 2,75 00012 CONS.JURIDICO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013.

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013. Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS Coordenador) Aprovado por: Juiz Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

Exmos. Colegas, Com os melhores cumprimentos e a mais elevada estima, dos colegas,

Exmos. Colegas, Com os melhores cumprimentos e a mais elevada estima, dos colegas, Exmos. Colegas, Foi publicado em anexo à Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho, o Novo Código de Processo Civil, que entrará em vigor já no próximo dia 01 de Setembro, aplicando se o mesmo aos processos pendentes

Leia mais

AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL

AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL Trata-se da ação visando obrigar a FHEMIG a conceder ao servidor a promoção por escolaridade adicional, com base em formação complementar ou superior àquela exigida

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA PRINCÍPIOS DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PARA CASOS DE INSOLVÊNCIA ENTRE OS MEMBROS DO ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO DA AMÉRICA DO NORTE (NAFTA)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 003/09 ENTIDADE SOLICITANTE: Departamento de Água

Leia mais

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE CURSO SUPERIOR EM BACHAREL EM SITEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av. Presidente Wilson, 1013 Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS EDITAL DE CONCORRÊNCIA DAA N 5/2007 ANEXO II - MODELOS

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS EDITAL DE CONCORRÊNCIA DAA N 5/2007 ANEXO II - MODELOS 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS EDITAL DE CONCORRÊNCIA N 5/2007 ANEXO II - MODELOS Advocacia Contenciosa cível - Estado de Paraná 2 ÍNDICE DECLARAÇÃO SOBRE

Leia mais

Competência dos Juizados da Fazenda Pública (valor da causa, matéria e procedimentos)

Competência dos Juizados da Fazenda Pública (valor da causa, matéria e procedimentos) Competência dos Juizados da Fazenda Pública (valor da causa, matéria e procedimentos) Antonio Vinicius Amaro da Silveira Juiz de Direito Turma Recursal da avini@tj.rs.gov.br I Introdução Art. 98, I, da

Leia mais

PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve:

PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve: PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve: Art. 1º Aprovar as Normas Procedimentais da Comissão de Anistia, na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Serviço de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2012

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2012 DJe de 13/06/2012 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2012 Dispõe quanto ao procedimento para encaminhamento e oitiva dos genitores que manifestem

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.241846/2014-53 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

Leia atentamente as orientações, pois elas serão o seu referencial ao longo de todo o Curso de Prática Jurídica.

Leia atentamente as orientações, pois elas serão o seu referencial ao longo de todo o Curso de Prática Jurídica. São Luís, 24 de junho de 2014. Caro Discente, Bem-vindo(a) ao Curso de Prática Jurídica da Universidade CEUMA! Registramos, abaixo, as orientações fundamentais sobre o II Curso de Prática Jurídica 2014.1,

Leia mais

Rua 87, nº 581, Setor Sul, Goiânia Goiás, CEP: 74.093-300

Rua 87, nº 581, Setor Sul, Goiânia Goiás, CEP: 74.093-300 REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO JURÍDICO DA ASSOCIAÇÃO DOS SUBTENENTES E SARGENTOS PM/BM DO ESTADO DE GOIÁS ASSEGO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO JURÍDICO - RIDjur CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

ÍNDICE SISTEMÁTICO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ÍNDICE SISTEMÁTICO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL PARTE GERAL LIVRO I - DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO - DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS CAPÍTULO I - DAS NORMAS

Leia mais

AULA 1 18/02/11 INTRODUÇÃO AO PROCESSO TRABALHISTA

AULA 1 18/02/11 INTRODUÇÃO AO PROCESSO TRABALHISTA AULA 1 18/02/11 INTRODUÇÃO AO PROCESSO TRABALHISTA 1 A EVOLUÇÃO HISTÓRICA No início do século XX, todas as demandas trabalhistas eram recepcionadas pela justiça comum. Todos os processos tomavam por base

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Plenária Geral Eleição do Sub-conselho da Rede PE, dividido entre:

REGIMENTO INTERNO. Plenária Geral Eleição do Sub-conselho da Rede PE, dividido entre: REGIMENTO INTERNO Capítulo I Da realização da TEIA PE 2010. Artigo 1º A TEIA PE 2010, Encontro dos Pontos de Cultura de Pernambuco, será realizada entre os dias 25 e 29 de março de 2010, nos horários listados

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 INSTITUI O CÓDIGO DE PROCESSAMENTO DISCIPLINAR PARA O NUTRICIONISTA HABILITADO (INSCRITO NO CONSELHO) O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Cartilha Prepostos. Orientações Gerais

Cartilha Prepostos. Orientações Gerais Cartilha Prepostos Orientações Gerais 2014 CAERN Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte. Cartilha: Prepostos Orientações Gerais. 1. ed. Natal, 2014. Conteúdo Programático: MEIRA FILHO, Radir

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

Plano de Ensino. Distribuição da Carga Horária Matutino Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 02 10 06 08 08 04 Aulas de

Plano de Ensino. Distribuição da Carga Horária Matutino Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 02 10 06 08 08 04 Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Processo Constitucional Ano/semestre: 2012/1 - Carga horária: Total: 40 Semanal: 2 Professor: Isabelle de Baptista Período/turno: Matutino e Noturno

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários.

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários. Proposto por: Juiz de Direito Analisado por: Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ) ATENÇÃO: A cópia impressa a

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Turma: 8º Ano

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Turma: 8º Ano Matemática 1) A expressão (2y 3 3y 2 ). (2y 3 +3y 2 ) é igual a: a) 4y 6 9y 4 b) 4y 9 9y 4 c) 4y 9 + 9y 4 d) 4y 9 + 9y 4 2) O desenvolvimento de (2x 3y) é: a) 2x 2 3y 2 b) 4x 2 + 9y 2 c) 4x 2-12xy + 9y

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

VI FÓRUM ESTADUAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS e VII ENCONTRO ESTADUAL DE TURMAS RECURSAIS

VI FÓRUM ESTADUAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS e VII ENCONTRO ESTADUAL DE TURMAS RECURSAIS VI FÓRUM ESTADUAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS e VII ENCONTRO ESTADUAL DE TURMAS RECURSAIS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO / PROGRAMAÇÃO DATA: 05 E 06 DE NOVEMBRO DE 2009 LOCAL: AUDITÓRIO DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS

Leia mais

DECRETO Nº , DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013

DECRETO Nº , DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 24.721, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 PEDRO BIGARDI, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e face ao que consta do Artigo 10 da Lei Municipal

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais