AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO Dal Mago, A.* 1 ; Gusmão, M.C. 2 ; Belli Filho, P. 3 ; Oliveira, P.A.V. 4 ; Gosmann, H.A. 5 1 Mestranda da UFSC em Engenharia Ambiental, 2 Mestranda da UFSC em Engenharia Ambiental, 3 Professor, Dr. da UFSC, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, UFSC/CTC, Caixa Postal 476, Trindade, , Florianópolis SC Brasil, 4 Engº. Agrícola, PhD, pesquisador Embrapa Suínos e Aves, 5 Eng º. Agrônomo, MSc., pesquisador colaborador UFSC, Resumo As emissões de metano a partir da geração de dejetos animais têm contribuído para o aumento dos gases de efeito estufa (GEE), intensificando o problema do aquecimento global. A utilização de biodigestores no tratamento de dejetos animais além de reduzir a carga orgânica, também diminui a emissão de GEE quando o metano é queimado ou usado para gerar energia. Neste trabalho avaliou-se a concentração de metano presente e a quantidade de biogás produzida em 13 reatores anaeróbios utilizados no tratamento de dejetos de suínos localizados no estado de Santa Catarina, em diferentes épocas do ano. Além da análise do biogás, foram avaliadas as eficiências de remoção da demanda química de oxigênio (DQO) e sólidos voláteis (SV) para cada biodigestor. A concentração média de metano variou entre 51% e 72% no verão e entre 27% e 75% no inverno. A produção média de biogás registrada ficou entre a faixa de 1,6 a 7,6 m 3 /h no verão e de 1,5 m 3 /h a 14 m 3 /h inverno. A eficiência de remoção de DQO, na maioria dos biodigestores foi satisfatória, com uma média de 70% e de 75%, respectivamente, no verão e no inverno. Em relação aos SV, a eficiência de remoção nos biodigestores apresentou valores médios de 80% no verão e de 75% no inverno. Observando-se a eficiência dos biodigestores e as respectivas concentrações de metano presentes é possível verificar uma boa qualidade do biogás com potencial para aproveitamento energético. Palavras-chave: biogás, dejetos de suínos, metano. 269

2 BIOGAS PRODUCTION ASSESSMENT FROM ANAEROBIC REACTORS USED FOR THE TREATMENT OF SWINE WASTEWATER IN DIFERENT SEASONS OF THE YEAR Abstract The methane emissions from animal wastes have been contributing to the growth of greenhouse gases effect, intensifying the global warming problem. The application of biodigestors in animal wastes treatment not only reduces the organic matter, but also can reduce the emission of greenhouse gases when the methane is burnt or used to energy generation. In the present study, the methane concentration, as well as the amount of biogas produced in 13 anaerobic reactors, have been evaluated. These anaerobic reactors were used in swine wastes treatment, in the state of Santa Catarina, Brazil, in different seasons of the year. Besides the biogas analysis, the removal efficiency of oxygen chemical demand and volatile solids (VS) of each biodigestor were analyzed. The average concentration of methane varied from 51% to 72% in the summer, and between 27% and 75% in the winter. The average production of biogas varied between 1,6 m 3 /h and 7,6 m 3 /h in the summer and between 1,5 m 3 /h and 14 m 3 /h in the winter. The removal efficiencies of DQO have been satisfactory for most part of biodigestors, presenting an average of 70% and 75%, respectively, in the summer and winter. Regarding the VS, the removal efficiencies on biodigestors showed average values of 80% in summer and 75% in winter. Taking into account the efficiency of anaerobic digestors and the methane concentrations detected, the good quality of the biogas analyzed indicates its potential to energy recovery. Key-words: biogas, swine wastewater, methane. Introdução Atualmente existe a necessidade de reduzir os gases responsáveis pelo aquecimento global, devido às conseqüências ambientais registradas pela humanidade. O aumento das concentrações dos gases de efeito estufa como o metano (CH 4 ), o dióxido de carbono (CO 2 ) e óxido nitroso (N 2 O), provenientes das atividades humanas, tem contribuído para o aquecimento global e conseqüentemente para o derretimento das camadas polares em função de eventos climáticos atípicos. O tratamento anaeróbio de efluentes em digestores gera biogás, que quando emitido diretamente para atmosfera contribui para o efeito estufa global e deixa de ser aproveitado para fins energéticos. O biogás é uma fonte de energia renovável, obtida como um subproduto gerado pela anaerobiose, constituído basicamente por CH 4 e CO 2, e traços de outros gases. De acordo com Lagrange (1979) e Belli Fº (1995), a média da concentração de CH 4 no biogás varia entre 50% e 75% e de CO 2 entre 25% e 40%. O percentual de CH 4 contido no biogás é diretamente proporcional ao seu potencial para fins energéticos. 270

3 A produção de CH 4 a partir de efluentes da suinocultura depende das características dos dejetos e seu manejo, do número de animais, do sistema de produção, das condições ambientais e operacionais do reator. O presente trabalho teve como objetivo principal avaliar a concentração de CH 4 presente e a quantidade de biogás produzida, em reatores anaeróbios no tratamento de dejetos de suínos em Santa Catarina abrangendo diferentes épocas do ano, com ênfase nas estações de verão e inverno. Material e Métodos Para realizar esta pesquisa foram selecionados 13 digestores anaeróbios para dejetos de suínos, instalados em propriedades rurais, localizadas no sul e oeste do estado de Santa Catarina. Do total das propriedades estudadas, duas pertencem ao sistema de produção tipo ciclo completo (CC), seis unidades produtoras de leitões (UPL) e cinco tipo crescimento e terminação (CT). O CC é uma unidade de produção em que existem todas as fases do ciclo produtivo de suínos. Na UPL existe somente os reprodutores, nascimento de leitões e crescimento inicial, ou creche, com peso até 25 kg. O sistema CT é uma unidade de produção com suínos na faixa de 25 a 100 kg (OLIVEIRA, 2005). A medição da composição do biogás foi realizada através de um medidor portátil Drager X-am Esse aparelho faz a detecção e a medição simultânea e continua dos gases CH 4 e CO 2 através de sensores infravermelhos e do O 2 com sensor eletroquímico. As medições foram realizadas no verão e no inverno, nos períodos da manhã e da tarde. No período do inverno não foram realizadas medições nas propriedades P4, P8 e P9 devido a problemas operacionais e de infraestrutura. Para quantificar a produção de biogás em cada reator foi realizada a medição da velocidade, para depois calcular a vazão normalizada baseada nas variações de temperatura do biogás e pressão atmosférica local. O aparelho utilizado foi um termo-anemômetro Airflow TA45, aparelho portátil que mede a velocidade (m/s) e a temperatura (ºC) do biogás. Um sistema para as amostragens foi adaptado conforme a Figura 1. Para determinar as eficiências dos biodigestores com dejetos suínos foram avaliados os seguintes parâmetros: DQO e SV. Resultados e Discussão Os valores médios das concentrações do CH 4 no biogás e as vazões calculadas para as 13 propriedades são apresentados na Tabela 1. No período do verão a concentração média de CH 4 variou entre 51% e 72%, e vazão do biogás foi de 1,6 m 3 /h a 7,6 m 3 /h. As faixas de vazão do biogás estão relacionadas com os diferentes volumes de dejetos produzidos e ao sistema de criação de suínos adotado nas propriedades. No período do inverno, a variação na concentração de CH 4 foi de 27% a 75 %, sendo que esse valor mínimo, registrado na P12, pode ser atribuído a problemas operacionais que influenciaram diretamente a produção CH 4 no processo anaeróbio. Nas demais propriedades a concentração de CH 4 foi superior a 58,4%. A vazão do 271

4 biogás ficou entre a faixa de 1,5 m 3 /h a 14 m 3 /h. Nas propriedades P4, P8 e P9 não foram realizadas amostragens neste período, devido a problemas operacionais e de infra-estrutura. A Tabela 2 apresenta as eficiências de remoção de DQO e SV nos reatores obtidas nas duas épocas. As médias de remoção de DQO foram de aproximadamente 75% no período do inverno e de 70% no verão. Já as médias de remoção em termos de SV ficaram em torno de 80% no verão e 75% no inverno. Conclusões Os biodigestores analisados, na sua maioria, apresentam uma boa eficiência na remoção de SV e DQO, correspondendo ao que é esperado. A concentração de metano presente no biogás, exceto na propriedade P12 no inverno, está dentro das faixas apresentadas na literatura, o que reflete de modo geral o bom desempenho da dos digestores em termos das eficiências médias de remoção da matéria orgânica. Além disso, a boa qualidade do biogás representada pela composição de metano evidencia o potencial para o aproveitamento energético desta fonte renovável no estado de Santa Catarina e diminuição da emissão, para a atmosfera, de gases causadores de efeito estufa. Literatura Citada BELLI Fº, P. Stockage et odeurs des dejections animales cas du lisier de porc. Thèse de Doctorat de L Univesrsité de Rennes I. France p. LAGRANGE, B. Biomethane: principes, techiniques, utilizations. Édisud/Énergies alternatives. Aix-en-Provence, p. OLIVEIRA, P.A.V. de. Projeto de biodigestores e estimativa de produção de biogás em sistema de produção. Comunicado Técnico, 417. Embrapa Suínos e Aves,Concórdia, p. Entrada do biogás Mangueira Orifício para o sensor do termo-anemômetro 40 cm 10 cm 50 cm Registro 6 cm Redução da tubulação Orifício para a mangueira do detector de gases Saída do biogás Figura 1. Esquema do adaptador utilizado nas medições. 272

5 Nomenclatura Sistema de criação I Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos de Animais Tabela 1. Médias da vazão do biogás e concentração de metano obtidas no verão e no inverno. Propriedade Produção de dejetos (m 3 /dia) Volume do Biodigestor Características do Biogás Média (m 3 /h) (m 3 ) Verão Inverno Verão Inverno P1 3, ,8 ± 0,63 73,7 ± 3,20 1,6 1,5 CC P2 54, ,4 ± 1,51 69,0 ± 1,00 4,5 14,0 P3 7, ,8 ± 1,01 70,9 ± 1,88 2,5 3,9 P4 8, ,8 ± 0,58-6,1 - P5 6, ,1 ± 0,50 65,0 2,26 4,5 5,1 UPL P6 7, ,7 ± 1,03 75,1± 2,66 6,1 6,6 P7 4, ,7 ± 0,72 75,5 1,80 5,1 4,4 P8 139, ,7 ± 0,79-5,6 - P9 6, ,7 ± 1,23 63,9 1,82 7,6 6,4 P10 5, ,9 ± 0,56 65,6 2,25 7,0 4,4 P11 CT 6, ,7 ± 1,13 58,4 1,70 3,5 4,4 P12 6, ,8 ± 1, ,15 6,6 4,4 P13 8, ,8 ± 2,88-6,4 - CH 4 Média ± DP (%) Vazão Tabela 2. Eficiências de remoção de DQO e SV obtidas no verão e no inverno. Verão Inverno Propriedade DQO (%) SV (%) DQO (%) SV (%) CC P1 97,3 98,1 90,2 94,0 P2 93,3 92,4 52,1 33,4 P3 91,5 85,0 95,3 96,0 P4 42, UPL P5-42,1 76,4 87,8 P6-84,8 96,4 97,6 P7 95,5 95,6 77,2 89,9 P8 79,7 74,4 - - P9 57,0 68,7 34,3 37,2 P ,1 66,8 CT P11 81,1 89,4 85,2 92,6 P12 31,0 74,4 27,7 60,0 P13 85,6 78,

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Valderi Duarte Leite (1) Engenheiro Químico: DEQ/CCT/UFPB.Mestre em Saneamento: DEC/CCT/UFPB. Doutor em Saneamento : DHS/EESC/USP. Prof. do DQ/CCT/UEPB

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Comparação da eficiência ambiental de caldeira operada com gás natural e caldeira operada com casca de coco babaçu Gustavo Godoi Neves (Eng. de Produção - FAJ) gustavo_g_n@hotmail.com Dra Ângela Maria

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS PRODUÇÃO DE METANO A PARTIR DA CAMA DE FRANGO ASSOCIADA AO BIOFERTILIZANTE OBTIDO COM ESTRUME DE SUÍNOS Costa, L.V.C.* 1 ; Lucas Jr., J. 2 ; Xavier, C.A.N.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Diógenes Araújo Sônego (*), Reinaldo de Souza Bílio, Ester Ferreira Silva * Instituto Federal de Educação,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO

A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO A IMPORTÂNCIA PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA CONSCIENTIZAÇÃO E INCENTIVO À ADOÇÃO DE BIODIGESTORES EM CRIADOUROS DE GADO LEITEIRO José Henrique Gabetta Doutorando no Planejamento Energético

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE DEJETOS DE ORIGEM ANIMAL BIOGAS PRODUCTION FROM WASTE TO ANIMAL

PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE DEJETOS DE ORIGEM ANIMAL BIOGAS PRODUCTION FROM WASTE TO ANIMAL PRODUÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE DEJETOS DE ORIGEM ANIMAL BIOGAS PRODUCTION FROM WASTE TO ANIMAL EDVAL LUIZ BATISTA DOS SANTOS 1 GERALDO DE NARDI JUNIOR 2 Recebido em Junho de 2013. Aceito em Agosto de 2013.

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T12 Energia e Ambiente Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Dr. Eng. João Parente Efeito de estufa Aula # T12: Energia e ambiente Slide 2 of 53 Efeito de estufa

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Atmosfera Atmosfera é a camada gasosa ao redor da Terra. Hidrosfera é a parte líquida da Terra que corresponde a cerca de 80% da superfície. A água dos

Leia mais

Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios

Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios Produção Animal e Mudanças Climá4cas: Visão Geral e Desafios Luís Gustavo Barioni Embrapa Informá6ca Agropecuária Campinas, 9 de fevereiro de 2015 Ondas eletromagnéticas podem gerar calor! Espectro das

Leia mais

OBTENÇÃO DE GÁS CARBÔNICO: UMA PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA DISCUSSÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL

OBTENÇÃO DE GÁS CARBÔNICO: UMA PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA DISCUSSÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL III Jornada de Iniciação à Docência OBTENÇÃO DE GÁS CARBÔNICO: UMA PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA DISCUSSÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL RESUMO Renato Nunes de Andrade 1 Rayza Rosa Tavares Rodrigues2 2 Bruno Magela

Leia mais

II-040 CARACTERIZAÇÃO DO BIOGÁS E DO AFLUENTE EM BIODIGESTORES DA ATIVIDADE SUINÍCOLA EM SANTA CATARINA

II-040 CARACTERIZAÇÃO DO BIOGÁS E DO AFLUENTE EM BIODIGESTORES DA ATIVIDADE SUINÍCOLA EM SANTA CATARINA II-040 CARACTERIZAÇÃO DO BIOGÁS E DO AFLUENTE EM BIODIGESTORES DA ATIVIDADE SUINÍCOLA EM SANTA CATARINA Anigeli Dal Mago (1) Engenheira Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS DE ANIMAIS

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS DE ANIMAIS GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS DE ANIMAIS COMPARATIVO ENTRE REATORES UASB E BIODIGESTORES PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS Bortoli, M.* 1 ; Kunz, A. 2 ; Soares, H.M. 3

Leia mais

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição do projeto Ecoinvest Master Agropecuária - Captura e combustão de gases do efeito estufa de granjas suínas

Leia mais

DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS

DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS FABIO M. DA SILVA 1, JORGE DE LUCAS JUNIOR 2, MARIO BENINCASA 2, EZEQUIEL DE OLIVEIRA 3 RESUMO: Estudos foram desenvolvidos para dimensionar e adaptar o injetor

Leia mais

Fórum Produção Sustentável de Madeira. Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014. Programa ABC PROGRAMA ABC

Fórum Produção Sustentável de Madeira. Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014. Programa ABC PROGRAMA ABC Fórum Produção Sustentável de Madeira Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014 Programa ABC PROGRAMA ABC Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Linha de crédito para

Leia mais

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 O Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria do

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA A UFPR em 2011 manteve a tradição de fazer uma boa prova de segunda fase. Prova abrangente, clara, com boa escolha de temas e abordando atualidades. Destacamos o coerente

Leia mais

Carolina Luiza Rizental Machado

Carolina Luiza Rizental Machado Carolina Luiza Rizental Machado INTRODUÇÃO A energia termoelétrica é aquela gerada a partir da queima de algum combustível, tanto de fontes renováveis, quando de fontes não renováveis; As usinas termoelétricas

Leia mais

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo.

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo. 1. 1.1. Opção D. Ocorre emissão de radiação quando os electrões transitam de níveis energéticos superiores para níveis energéticos inferiores. A energia dessa radiação está quantificada, sendo igual à

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA. Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI

MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA. Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI MUDANÇAS CLIMÁTICAS e o PAPEL DA ESCOLA Prof.ª Ms. LUCIANE CORTIANO LIOTTI MUDANÇAS CLIMÁTICAS O QUE É? FONTE: GALLEGO, J. L.,2008 O PLANETA TERRA A Terra é um Planeta muito especial! Sua atmosfera funciona

Leia mais

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS Paulo Armando V. de Oliveira, Engº Agrícola, PhD Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de construções rurais/engenharia

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO BIOGÁS, UTILIZANDO RESÍDUOS DE ATERRO SANITÁRIO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO BIOGÁS, UTILIZANDO RESÍDUOS DE ATERRO SANITÁRIO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO BIOGÁS, UTILIZANDO RESÍDUOS DE ATERRO SANITÁRIO Rafael Pascoal Ramalho, Thais Sanches Vicchiarelli, José Ricardo Abalde Guede UNIVAP/FEAU - Engenharia Elétrica, Av.

Leia mais

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR POR MEIO DE ANALISADOR PORTÁTIL DE GASES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO-PR E ANÁLISE DOS SEUS EFEITOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO Bruno Maiolli Razera 1

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=546>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inventário de emissões de gás metano provenientes da fermentação entérica e óxido nitroso

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ph EM CULTIVO DE MICROALGA Chlorella vulgaris

AVALIAÇÃO DO ph EM CULTIVO DE MICROALGA Chlorella vulgaris AVALIAÇÃO DO ph EM CULTIVO DE MICROALGA Chlorella vulgaris Elias Trevisan 1 ; Miguel Leal Neto 2 ; Paula Moro 2 ; Silvio O. Hoshino 3 ; Pedro A. Arroyo 4. RESUMO: A produção de biocombustíveis tem proporcionado

Leia mais

MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES

MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES MANEJO DE DEJETOS EM SUINOCULTURA: BIODIGESTORES Prof. Dr. Jorge de Lucas Junior FCAV/UNESP - Jaboticabal, Depto de Engenharia Rural 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os dejetos de suínos não se constituíam em

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Poluição ambiental. Prof. Ana Karina Calahani Ache de Freitas

Poluição ambiental. Prof. Ana Karina Calahani Ache de Freitas Poluição ambiental Prof. Ana Karina Calahani Ache de Freitas Poluição: camada de ozônio Filtram os raios UV do sol Destruída pelos gases CFCs Problemas: câncer de pele, catarata e danos ao sistema imunológico

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO E GERAÇÃO DE ENERGIA COM USO DE BIODIGESTORES NO TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS

CRÉDITOS DE CARBONO E GERAÇÃO DE ENERGIA COM USO DE BIODIGESTORES NO TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS Créditos de carbono e geração de energia com uso de biodigestores no tratamento de dejeitos suínos CRÉDITOS DE CARBONO E GERAÇÃO DE ENERGIA COM USO DE BIODIGESTORES NO TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS Carbon

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998)

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) Thalison Lempke da Silva 1, Paulo Roberto Pelufo Foster 2 RESUMO - Este trabalho tem

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

4º Encontro de Energia no Meio Rural - Eficientização Energética da Fazenda Exp. PUC-Minas - Biodigestor de Baixo Custo

4º Encontro de Energia no Meio Rural - Eficientização Energética da Fazenda Exp. PUC-Minas - Biodigestor de Baixo Custo 4º Encontro de Energia no Meio Rural - Eficientização Energética da Fazenda Exp. PUC-Minas - Biodigestor de Baixo Custo Fernanda Araújo de Almeida Ricardo José Silva Melo Rafael Celestino Vidigal Prof

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Humano

Energia e Desenvolvimento Humano Aula 19 A energia elétrica de cada dia Página 321 O consumo de energia aumentou gradativamente ao longo das etapas de desenvolvimento. Este aumento está relacionado com o crescimento populacional e o desenvolvimento

Leia mais

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações Maurício Serra Pode-se dizer que a relação entre o homem e a natureza é historicamente uma relação de conflitos na medida em que o homem tem contribuído

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo

Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Quimica Avaliação das Emissões dos Transportes Rodoviários na Cidade de Maputo AUTORA : Magaia, Natália Isabel SUPERVISOR:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO ABATIMENTO DAS EMISSÕES DE CO 2 A PARTIR DE ATIVIDADES SUSTENTÁVEIS NO SETOR ENERGÉTICO, DE TRANSPORTES E FLORESTAL NO BRASIL ALINE G. MONTEIRO CLAUDINE P.DERECZYNSKI JÚLIO NICHIOKA

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

ECOLATINA 2007 7ª Conferência Latino-Americana sobre Meio Ambiente e Responsabilidade Social

ECOLATINA 2007 7ª Conferência Latino-Americana sobre Meio Ambiente e Responsabilidade Social ECOLATINA 2007 7ª Conferência Latino-Americana sobre Meio Ambiente e Responsabilidade Social AGROENERGIA SUSTENTÁVEL BIOCOMBUSTÍVEL, BIOGÁS E BIOFERTILIZANTE João Paulo Antônio Muniz 2007 OBJETIVO O grande

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Pedro Herlleyson Gonçalves Cardoso 1 RESUMO Este estudo

Leia mais

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Gás Porcentagem Partes por Milhão Nitrogênio 78,08 780.000,0 Oxigênio 20,95 209.460,0 Argônio 0,93 9.340,0 Dióxido de carbono 0,0379 379,0 Neônio 0,0018 18,0 Hélio

Leia mais

REVISTA PETRÓLEO & ENERGIA ARTIGO TÉCNICO

REVISTA PETRÓLEO & ENERGIA ARTIGO TÉCNICO 1 REVISTA PETRÓLEO & ENERGIA ARTIGO TÉCNICO Geração de Bioenergia (H 2 e CH 4 ) com resíduos industriais (glicerol e vinhaça) integrando o processo produtivo agroindustrial (biodiesel e álcool) com a valorização

Leia mais

Projeto Granja São Roque de Redução de Emissão de GEE

Projeto Granja São Roque de Redução de Emissão de GEE BIOGERAR COGERAÇÃO DE ENERGIA LTDA Projeto Granja São Roque de Redução de Emissão de GEE Documento de Concepção de Projeto Luis Proença 16/02/2009 Documento de Concepção de Projeto da Granja São Roque

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO INTRODUÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO Pagina 1 Josilene T.V. Ferrer Divisão de Questões Globais da CETESB PROCLIMA/CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Pagina

Leia mais

ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES

ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2013.1 (EDITAL Nº 004/2012) ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES Instruções: 1. A Sondagem dos Saberes está constituída de 20 (vinte)

Leia mais

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 / Nome: nº 1. Atualmente, a troposfera é constituída por espécies maioritárias, como o azoto, N 2, o oxigénio,

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

BIODIGESTÃO ANAERÓBIA DE DEJETOS DE SUÍNOS SOB EFEITO DE TRÊS TEMPERATURAS E DOIS NÍVEIS DE AGITAÇÃO DO SUBSTRATO - CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTIDA 1

BIODIGESTÃO ANAERÓBIA DE DEJETOS DE SUÍNOS SOB EFEITO DE TRÊS TEMPERATURAS E DOIS NÍVEIS DE AGITAÇÃO DO SUBSTRATO - CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTIDA 1 BIODIGESTÃO ANAERÓBIA DE DEJETOS DE SUÍNOS SOB EFEITO DE TRÊS TEMPERATURAS E DOIS NÍVEIS DE AGITAÇÃO DO SUBSTRATO - CONSIDERAÇÕES SOBRE A PARTIDA 1 CECÍLIA F. SOUZA 2, JORGE DE LUCAS JÚNIOR 3, WILLIAMS

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

BIODIGESTÃO ANAERÓBIA NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ANAEROBIC DIGESTION TO TREAT SWINE MANURE

BIODIGESTÃO ANAERÓBIA NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ANAEROBIC DIGESTION TO TREAT SWINE MANURE BIODIGESTÃO ANAERÓBIA NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ANAEROBIC DIGESTION TO TREAT SWINE MANURE Leandro Becalete RIZZONI Mestrando do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Alfenas. UNIFENAS.

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

a elevação do nível dos oceanos devido ao derretimento das calotas polares.

a elevação do nível dos oceanos devido ao derretimento das calotas polares. QUESTÃO O impacto do aquecimento global será grave, abrangente e irreversível, segundo um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, na sigla em inglês) divulgado em

Leia mais

Biogas from coffee waste

Biogas from coffee waste Biogas from coffee waste Two case studies Problem about 4 ton/day of coffee waste (solid content between 13 e 22%) from coffee substitutes production Inicially disposed on land Waste composition Waste

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Resumo da palestra Pec Nordeste 2015 Patrícia de Menezes Gondim Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Regularização Ambiental na Suinocultura A suinocultura é uma

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- Imagine que o quadriculado abaixo seja uma representação da composição do ar. No total, são 100 quadradinhos. PINTE, de acordo com a legenda, a quantidade

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS 5º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA Curitiba, PR, Agosto de 2010 Marcelo Schmid NOVEMBRO / 2008 marcelo@ideiaambiental.org.br MERCADO DE

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL ANA PAULA ANDERSON 1 e GILNEI CARVALHO OCÁCIA 2 1- SUMESA Sulina de Metais S/A 2- ULBRA/CANOAS Departamento de Engenharia

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Ciências Físico-Químicas

Ciências Físico-Químicas Teste Intermédio de Ciências Físico-Químicas Versão 1 Teste Intermédio Ciências Físico-Químicas Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 14.03.2012 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO LODO OBTIDO EM MANTA E LEITO DO REATOR

Leia mais

VI Semana de Tecnologia em Alimentos

VI Semana de Tecnologia em Alimentos BIODIGESTORES Diego Solak Castanho 1 ; Heder Jobbins de Arruda 2 1,2 Curso Técnico em Agroindústria UTFPR Campus Ponta Grossa. diegoscastanho@gmail.com Resumo O desenvolvimento de tecnologias para o tratamento

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ WILIAN DA S. RICCE 1, PAULO H. CARAMORI 2, HEVERLY MORAIS 3, DANILO A. B. SILVA 4, LETÍCIA TRINDADE ATAÍDE 5 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

Mudança do clima e acordos internacionais

Mudança do clima e acordos internacionais Mudança do clima e acordos internacionais FIESC Rodrigo F. Gatti Florianópolis, SC Setembro 2011 Mudanças Climáticas Clima X Tempo Ambos compreendem as varáveis que descrevem o estado da atmosfera: - temperatura;

Leia mais

EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA

EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA Introdução 1 Daniel Max Leonídio¹ (UEG) João Paulo Barreto Cunha² (UFLA) Elton Fialho dos Reis³ (UEG)

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-218 - COMPORTAMENTO DE PARTIDA E AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO E ARMAZENAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM UMA PEQUENA PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE BRAÇO DO NORTE - SC Alan Henn (1) Mestrando

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos

Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos Transformando resíduos em energia Geração de biogás a partir de resíduos orgânicos Conteúdo Biogás: Definição, características e matérias primas Panorama sobre o mercado de biogás na Alemanha Perspectivas

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

MODELOS DE AQUECIMENTO

MODELOS DE AQUECIMENTO MODELOS DE AQUECIMENTO Paulo Giovanni de Abreu D.Sc. - Área de Construções Rurais e Ambiência Embrapa Suínos e Aves Introdução Nos primeiros dias de vida, o sistema termorregulador das aves ainda não está

Leia mais

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA Revista Brasileira de Energia, Vol. 17, N o. 1, 1 o Sem. 2011, pp. 73-81 73 POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA André Luiz Zanette 1 RESUMO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I Iraci Martínez Pereira Gonçalves *, Sergio Ricardo Pereira Perillo * Rubson Pereira da

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Análise de qualidade de ar e conforto térmico nos meios de transporte públicos de Belém

Análise de qualidade de ar e conforto térmico nos meios de transporte públicos de Belém Análise de qualidade de ar e conforto térmico nos meios de transporte públicos de Belém Raphael de Souza Vale 1 Érika Castilho Brasil 2 Liciana Alice Nascimento Peixoto 3 Eliane de Castro Coutinho 4 1

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE AQUECEDORES ELÉTRICOS POR QUEIMADORES POROSOS RADIANTES

SUBSTITUIÇÃO DE AQUECEDORES ELÉTRICOS POR QUEIMADORES POROSOS RADIANTES Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais