Começo saudável: o primeiro mês de vida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Começo saudável: o primeiro mês de vida"

Transcrição

1 Começo saudável: o primeiro mês de vida /Chileshe Chanda 2 Assegurar que todas as crianças conseguem a água, o saneamento e a higiene de que necessitam 1

2 Autor: /Eliza Deacon 2

3 Introdução Trazer uma vida nova ao mundo deveria ser um momento de amor e esperança para mãe e bebé, onde quer que vivam. Mas, em todo o mundo, um em cada 50 partos acaba num grande desgosto para os pais, uma vez que o precioso filho, ou filha, recém-nascido, irá morrer antes de ter um mês de idade. Em 2014, mais de 2,7 milhões de bebés morreram nas primeiras quatro semanas de vida. Este é principalmente um problema do mundo em desenvolvimento mais de 99% das mortes de recém-nascidos ocorrem nos países de rendimentos baixos ou médios. 1 Este enorme desperdício de vidas e de potencial não se deve, em grande parte, à ausência de sistemas de saúde caros e intensivos disponíveis para os bebés doentes no mundo desenvolvido. Calcula-se que em sete de cada dez casos, as vidas destes bebés poderiam ter sido salvas com procedimentos médicos simples e baratos. 2 Tragicamente, se cada um em cinco bebés que morrem no primeiro mês de vida no mundo em desenvolvimento, tivessem sido lavados com água limpa, e tivessem recebido cuidados num ambiente limpo por pessoas que tinham lavado as mãos, estas mortes prematuras teriam sido evitadas. 3 No ano passado, morreram quatro bebés cada cinco minutos na África Subsariana ou no Sul da Ásia 4 de causas perfeitamente evitáveis como sépsis, meningite ou tétano todas doenças fortemente associadas a condições pouco higiénicas. A investigação demonstra que quando se garante que todos os bebés têm um começo saudável, o risco de contrair essas doenças diminui dramaticamente. É difícil imaginar que haja algum profissional de saúde, oficial de um departamento de saúde, ou ministro de saúde que não tenha conhecimento dos riscos de expor os bebés a infecções devido a condições de falta de limpeza durante o parto e a práticas de higiene inadequadas. E no entanto, as mulheres continuam a dar à luz em ambientes sem água limpa, sabão ou saneamento, com a ajuda de assistentes que não podem seguir, ou não o fazem, práticas de higiene básica. A ligação entre as mãos sujas, a água pouco limpa e a mortalidade infantil já são conhecidas há mais de 150 anos, por isso esta situação não está à espera de resposta, mas é em vez disso uma injustiça à espera de acção. No ano em que o mundo vai substituir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, é o momento de garantir que a próxima geração de crianças tem o melhor começo de vida possível um começo saudável. 3

4 O contexto O próximo ano será a culminação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. O Objectivo 4 é reduzir a mortalidade infantil em dois terços em relação ao nível de Este objectivo, ao ritmo actual do progresso, não será alcançado a nível global até 2028, segundo as projecções das Nações Unidas. Actualmente, somente duas regiões, a América Latina e a Ásia de Leste e o Pacífico alcançaram as reduções visadas. A nível global, a taxa de mortalidade para as crianças com menos de cinco anos diminuiu quase para metade - de 90 mortes por mil nadosvivos, para 48. Hoje em dia, irão morrer menos crianças do que em 1990, e é encorajador ver que o ritmo actual de redução da taxa de mortalidade é a mais elevada em duas décadas. No entanto, uma em dez crianças na África Subsariana não irá chegar ao quinto ano de vida e mais de seis milhões de crianças ainda morrem todos os anos, principalmente de causas evitáveis. O progresso para reduzir a mortalidade neonatal tem sido lento, diminuindo apenas em um terço entre 1990 e Como resultado, os bebés que morrem no primeiro mês de vida representam agora 44% de todas as mortes de crianças com menos de cinco anos, em comparação com 37% em Calcula-se que ao ritmo actual do progresso para reduzir a taxa de mortalidade neonatal na África Subsariana, o risco de morte dentro das primeiras quatro semanas de vida em África irá corresponder ao risco actual nos países de rendimentos altos, em Este ano, as Nações Unidas irão decidir quais serão os sucessores dos ODMs, conhecidos como os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. A pede um objectivo dedicado para a provisão de água e de saneamento para toda a gente, em todo o lado, até Proporcionar um começo saudável para os bebés As primeiras semanas são a fase mais vulnerável da vida de uma criança - ele ou ela tem 15 vezes mais probabilidade de morrer do que em qualquer outra altura no primeiro ano de vida. 6 Na África Subsariana e no Sul da Ásia, cerca de uma em cada cinco mortes no primeiro mês de vida são causadas por sépsis, meningite e tétano. 7 Nestas duas regiões, em 2013, estas doenças em conjunto mataram mais de bebés recém-nascidos. Destes problemas, sépsis é o mais perigoso, causando18-20% das mortes de recém-nascidos. 8 Nesses 80 países com taxas elevadas de mortalidade neonatal, que em conjunto representam quase nove de dez mortes a nível global, sépsis representa 40% das mortes neonatais tardias. 11 Para poder infectar um ser humano, as bactérias necessitam de uma via de transmissão um modo de passar de um ser humano para outro. A via de transmissão para estas três doenças está fortemente associada a condições e práticas pouco higiénicas durante o parto. É por esta razão que é tão crucial que os bebés tenham um Começo Saudável: começar a vida num ambiente higiénico e receber cuidados de modo seguro. Sépsis Sépsis é uma condição grave geralmente causada por infecções bacterianas. As bactérias que causam sépsis neonatal são transmitidas pouco tempo antes, durante ou depois do parto. Podem ser transmitidas pelo sangue ou pela pele da mãe, ou através do canal de parto antes ou durante o parto, ou do meio ambiente durante ou depois do parto. A água limpa, o saneamento seguro e as práticas de higiene do pessoal de saúde e das mães nas instalações para o parto podem reduzir o risco de infecção em ambos os casos. Hábitos de limpeza e de lavagem de mãos durante o parto, e lavagem de mãos por parte dos profissionais de saúde depois do parto são necessários para reduzir o risco de sépsis. As infecções também podem ser facilmente transmitidas se se usarem instrumentos sujos para cortar o cordão umbilical, ou por superfícies contaminadas tais como camas, e outros objectos. Se não se conseguir assegurar que uma mulher tem um local limpo onde dar à luz, que a parteira, ou a pessoa que assiste ao parto, ou o médico, têm as mãos lavadas quando assistem ao parto e que a lâmina que separa a criança da mãe quando se corta o cordão umbilical está limpa, significa que o bebé corre risco de contrair sépsis. 4

5 A dimensão do problema Mortalidade neonatal devido a infecções As taxas de morte devido a infecções neonatais variam através do mundo em desenvolvimento. Enquanto dois terços de todas as mortes de recémnascidos se devem somente a dez países (Tabela 1), a proporção de mortes causadas por infecções varia dentro desses países. Tabela 1: Países com grandes números de mortes neonatais Angola, por exemplo, é o local mais perigoso do mundo para se ser um bebé, onde todas as infecções representam quase 30% de todas as mortes neonatais. Apesar de a China ser um dos países com o maior número absoluto de mortes neonatais, a percentagem de mortes causadas por todas as infecções é ligeiramente superior a 10%. Países com os maiores números de mortes Taxa de mortalidade neonatal (números por nados-vivos) Número de Mortes Número de recém-nascidos perdidos devido à sépsis/meningite/tétano 9 Percentagem de mortes neonatais devido a sépsis/meningite/tétano Índia 29, ,4 Nigéria 37, ,8 Paquistão 42, ,0 China 7, ,7 RDC 38, ,6 Etiópia 27, ,4 Bangladesh 24, ,3 Indonésia 14, ,5 Angola 46, ,2 Quénia 26, ,9 Estudo de Caso Mary Mwape, 39 anos de idade, é parteira no Hospital Missionário de Lubwe, no nordeste da Zâmbia. O hospital serve como centro de encaminhamento para a zona, apesar de não ter água e saneamento adequados. Uma enfermaria para partos sem água é um perigo para a mãe das crianças recém-nascidas. Se um recém-nascido com um cordão fresco [cordão umbilical] for lavado usando água de poços pouco profundos ou água insegura, é provável que a criança contraia doenças como tétano neonatal ou sépsis neonatal, que podem causar a morte da criança. Sabemos que deveríamos lavar as mãos cuidadosamente antes de ver outra paciente, mas o que podemos fazer numa situação em que não há água corrente? Ensinamos as futuras mães a manter bons padrões de higiene pessoal durante a gravidez, mas o problema surge quando nós, como profissionais de saúde, não conseguimos proporcionar um ambiente limpo e seguro para as mães parturirem. /Chileshe Chanda 5

6 Na Serra Leoa, que tem uma das taxas de mortalidade neonatal mais elevada do mundo, em média, durante a vida, uma mulher em cada 21 terá perdido uma criança devido a uma infecção no primeiro mês de vida. O risco equivalente no Reino Unido é uma mulher em cada Os países com taxas de mortalidade neonatal relativamente mais baixas também tendem a ter uma percentagem inferior de mortes devido a infecções. Nos países com uma taxa de mortalidade neonatal mais elevada, tipicamente entre um quarto e um terço dessas mortes devem-se a infecções evitáveis e tratáveis. 10 Um bebé na África Subsariana tem 30 vezes mais probabilidade de morrer de uma infecção no primeiro mês de vida do que um bebé no mundo desenvolvido, e em muitas partes do mundo em desenvolvimento essas mortes são um acontecimento comum. Por exemplo, na Serra Leoa, que tem uma das taxas de mortalidade neonatal mais elevada do mundo, em média, durante a vida, uma mulher em cada 21 terá perdido uma criança devido a uma infecção no primeiro mês de vida. O risco equivalente no Reino Unido é uma mulher em cada (Tabela 2). As mães pobres têm muito mais probabilidade de perder um bebé devido a uma infecção os bebés que nascem nos agregados familiares de rendimentos baixos têm três vezes mais probabilidade de morrer de sépsis no primeiro mês de vida do que os que têm pais com rendimentos altos. 11 Tabela 2: Países com taxas elevadas de mortes neonatais causadas por sépsis/tétano/meningite em comparação com os riscos no mundo desenvolvido País Taxa de mortalidade neonatal todas as causas 12 (números por 1000 nados-vivos) Números de mortes de recémnascidos em 2013 Taxa de mortalidade devido a sépsis/ tétano/ meningite Número de mortes de recém-nascidos devido a sépsis/tétano/ meningite Percentagem de mortes de recém-nascidos devido a sépsis/tétano/ meningite 13 Probabilidade de uma mãe perder o bebé devido a sépsis etc. durante a vida 14 Serra Leoa 44, , ,3 1 em 21 Guiné Bissau , ,3 1 em 20 Angola 46, , ,2 1 em 17 Somália 46, , ,6 1 em 16 Paquistão , ,4 1 em 32 Lesoto 43, , em 37 Mali 40, , ,6 1 em 17 Afeganistão 36, , ,8 1 em 23 Zimbábue 39, , ,2 1 em 35 Costa do Marfim 37, , ,1 1 em 26 EUA , ,5 1 em RU 2, , ,5 1 em Suécia 1, , ,1 1 em Austrália 2, , ,9 1 em Canadá 3, , em Japão , em

7 Causas de mortalidade dos recém-nascidos 13 1,7 Pneumonia 7 5, nos países desenvolvidos % 41 Complicações pré-parto Sépsis Partos difíceis Anomalias congénitas 30 na África Subsariana % 30 10,4 5 Outros Estatísticas arredondadas 20 Água, latrinas e higiene nas instalações dos serviços de saúde Como parte dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, tem havido um esforço concertado para aumentar o número de partos a que assiste um funcionário de saúde competente, e em particular, no caso dos partos nas instalações dos serviços de saúde. E no entanto, nas próprias instalações preparadas para servir as comunidades com serviços de saúde e acolher uma vida nova ao mundo, frequentemente não há uma provisão constante de água limpa, latrinas que funcionem ou instalações para lavar as mãos. Conforme exposto claramente em "Normas essenciais de saúde ambiental nos serviços de saúde" 15, da Organização Mundial de Saúde, estas são as defesas básicas da frente de batalha contra as infecções, e a falta desses serviços põe em dúvida se esses estabelecimentos podem servir adequadamente como instalações de saúde. Um inquérito da OMS, a ser publicado proximamente, realizado às instalações dos serviços de saúde em 54 países em desenvolvimento 16 revela que 38% não têm provisão de água limpa, 19% não proporcionam saneamento melhorado e 35% não têm sabão para lavar as mãos. Nos países da África Subsariana investigados, essa percentagem aumenta para 42%. Estes números também não reflectem se a provisão de água é constante. A OMS calcula que das instalações de saúde que têm algum tipo de provisão de água limpa, cerca de metade não têm uma provisão fiável. Estudo de Caso /Chileshe Chanda Peggy Mpundu, 36 anos de idade, da aldeia de Mwasha em Lubwe, perdeu recentemente os filhos gémeos devido a uma suspeita de infecção apenas quatro dias depois do parto. Kapya e Mpundu nasceram no hospital e tiveram alta no segundo dia. No dia seguinte, começaram a ter problemas para respirar e os pais levaram-nos outra vez para o hospital onde infelizmente faleceram. Disseram-me que a água dos poços pouco profundos era prejudicial para os bebés. Ter dado banho aos meus filhos com água de um poço pouco profundo deixou-me com uma sensação de culpa e de mágoa. Quem me dera ter sabido que a água podia ser prejudicial. A Peggy desde então teve outro filho mas o marido Sylvester diz que a perda dos gémeos teve um enorme impacto sobre o casal. Têm o cuidado de usar água limpa para evitar infectar o bebé novo. 7

8 Água, latrinas e higiene durante o parto Sem fontes de água limpa facilmente disponíveis para lavar as enfermarias ou as mãos, as instalações dos serviços de saúde podem transformar-se em refúgios de bactérias perigosas, e os profissionais de saúde transmitem, sem o saber, as doenças de um paciente para outro. Uma revisão realizada em 2011 às infecções adquiridas nos serviços de saúde demonstrou que em alguns países em desenvolvimento, um em cada dois pacientes (45,6%) deixaram o hospital com uma infecção que não tinham quando tinham entrado no hospital. 17 Mais de 150 anos desde que Ignaz Semmelweis associou a lavagem de mãos às infecções contraídas pelas mães durante o parto, melhorar as práticas de higiene dos profissionais dos serviços de saúde a nível mundial continua a ser um desafio. Num estudo 18 realizado num grande hospital universitário africano, só havia tentativas para lavar as mãos 12% do tempo e só era possível fazêlo eficazmente em 4% das oportunidades, apesar de nove em cada dez enfermarias terem um lavatório com sabão. Um estudo 19 levado a cabo nas unidades de maternidade no Sul da Nigéria demonstrou que somente duas em cada cinco instalações tinham sabão ou antisséptico dentro, ou na vizinhança, das salas de operação ou das salas de parto. Para garantir um parto limpo, a OMS defende a prática dos "seis princípios de limpeza": mãos limpas, uma superfície limpa para o parto, um períneo limpo, nada sujo inserido na vagina, uma ferramenta limpa para cortar o cordão umbilical e um cordel limpo para atar o cordão. Os funcionários de saúde das aldeias na Tanzânia, como parte de um estudo, receberam formação sobre os " seis princípios de limpeza " da OMS, e receberam um kit de parto limpo com lençóis de plástico, uma lâmina de barbear limpa, um cordel para atar o cordão e um barra de sabão. Os recém-nascidos cujas mães tinham usado o kit de parto tinham 13 vezes menos probabilidade de desenvolver uma infecção do cordão umbilical. Mesmo somente o facto de a mãe tomar banho antes do parto reduzia o risco de infecção do cordão quase quatro vezes. 20 No Sul do Nepal 21, observaram-se mais de recémnascidos durante o primeiro mês de vida e os investigadores perguntaram às mães se a pessoa que tinha assistido ao parto tinha lavado as mãos antes do parto e se elas próprias tinham lavado as mãos antes de manusear o bebé recém-nascido. Os bebés que tinham sido assistidos por uma pessoa que tinha lavado as mãos tinham 25% menos probabilidade de morrer, mesmo se a mãe não tivesse lavado as mãos. Quando tanto a mãe como a pessoa que assistia ao parto tinham lavado as mãos, a probabilidade do bebé morrer diminuía para menos de metade (56%). No Nepal, uma redução de 56% de mortalidade neonatal poderia ter salvo mais de vidas novas somente no último ano. Para além do risco de infecção que essas condições podem causar, a falta de água limpa, de latrinas e de uma boa higiene podem ter outras consequências para os utentes dos serviços de saúde. Por exemplo, pode pedir-se às parturientes que tragam os próprios jerry cans de água para beber e se lavarem durante o parto. Essa água pode ser recolhida de fontes pouco seguras tal como rios ou charcos, o que não só coloca tanto as mães como os bebés em situação de grave risco de contrair uma infecção potencialmente fatal, mas a falta de condições higiénicas pode desencorajar as mulheres de irem às instalações dos serviços de saúde, desse modo prejudicando os esforços para aumentar a proporção de partos com assistência de auxiliares competentes. A provisão de serviços de água e de saneamento nas instalações dos serviços de saúde também podem capacitar os profissionais de saúde para que proporcionem assistência mais segura às mães e aos recém-nascidos, apoiando assim os esforços para aumentar a retenção e a motivação dos funcionários. Quem era Ignaz Semmelweis? Semmelweis foi a primeira pessoa a darse conta da importância de lavar as mãos para evitar infecções. Em 1874 trabalhava na clínica materna do Hospital Geral de Viena e convenceu-se de que a limpeza era o elemento fundamental para evitar a febre puerperal, conhecida vulgarmente como febre do parto, nas mulheres que acabavam de ser mães. No primeiro mês em que trabalhou no hospital, quase uma em cinco mães morreram dessa febre, que é habitualmente causada por sépsis. Começou a insistir que todas as pessoas que trabalhavam na enfermaria tinham de lavar as mãos ao entrar e que a sala estivesse sempre limpa. A taxa de mortalidade dentro de dois anos tinha praticamente desaparecido. Apesar disso, infelizmente, a maioria dos profissionais de saúde continuaram convencidos de que a doença se espalhava devido ao "miasma" ou ar sujo, e Semmelweis foi despedido do posto, muito ridicularizado e eventualmente internado numa instituição psiquiátrica. Os progressos por ele conseguidos não foram reconhecidos até cerca de três décadas depois da sua morte. Jenő Doby 8

9 Colocar a limpeza no centro da assistência médica Na maioria dos países, a abordagem actual em relação às infecções dos bebés concentra-se em tratamentos com antibióticos, em vez de evitar as infecções desde o início. Esforços recentes para melhorar a saúde materna e neonatal tendeu a não prestar atenção à importância de proporcionar a um bebé um começo de vida saudável, concentrando-se em vez disso em aumentar o número de auxiliares competentes ou de assistência obstétrica de emergência. Por exemplo, no Plano de Acção para todos os Recém- Nascidos deste ano 22 da OMS e UNICEF, cujo objectivo é acabar com as mortes neonatais evitáveis até 2035, não há pontos de acção chave para os governos garantirem que os assistentes ao parto e as mães têm acesso à água limpa, ao saneamento e à higiene durante o parto. No plano, as infecções são designadas como um factor importante que contribui para as taxas de mortalidade neonatal, mas o objectivo é dar antibióticos a pelo menos metade dos bebés com infecções. As recomendações actuais da OMS sobre assistência pósnatal para as mães e os recém-nascidos incluem somente uma referência à água, ao saneamento ou à higiene nomeadamente falar com as mulheres sobre higiene enquanto as directivas para as Normas para a Assistência Materna e Neonatal não incluem recomendações sobre a provisão de água, saneamento e higiene. As práticas recomendadas pela OMS dos "seis princípios de limpeza" mencionadas acima implica a importância de haver água limpa disponível, mas não é explícita. O Objectivo de Desenvolvimento do Milénio que incluía ampliar o acesso à água e ao saneamento não incluía as instalações de saúde como um alvo específico - uma omissão que provavelmente atrasou o progresso de outros ODMs tais como reduzir a mortalidade materna e as mortes infantis. Dar à luz na Tanzânia Um estudo recente para avaliar as condições de água e de saneamento na Tanzânia 23 demonstrou que, em média, 44% das instalações de saúde onde as mulheres dão à luz tinham água adequada e instalações de saneamento, mas somente um quarto das salas de parto dentro desses centros de saúde tinham provisão de água e latrinas. Os investigadores calcularam que mesmo se todas as mulheres na Tanzânia decidissem dar à luz num centro de saúde, menos de dois terços desses nascimentos (59%) seriam em centros que podiam proporcionar um ambiente seguro para a mãe e o bebé. /Eliza Deacon Não havia água suficiente na clínica de saúde quando dei à luz. Depois do parto, lavei-me e o meu filho foi lavado com a água que a mulher do meu irmão tinha ido buscar para mim ao rio. Nessa altura era a estação seca, por isso tiveram de escavar parte do rio para conseguir água. O bebé viveu apenas sete dias. Se tivesse havido disponibilidade regular de água segura suficiente na clínica, esta situação podia ter sido evitada. Aisha Mukde, Tanzânia (na imagem acima) Ruanda Depois do genocídio no Ruanda em 1994, o novo governo desse país comprometeu-se a uma ordem do dia do desenvolvimento centrada em prover serviços básicos para a população. Como parte dessa decisão, o governo definiu objectivos ambiciosos para a provisão de água e de saneamento, com o fim declarado de conseguir acesso universal até A importância destes serviços é totalmente reconhecido pelo governo como sendo um estímulo para o desenvolvimento económico e social, a redução da pobreza e a saúde pública. Desde 2000 que a quota da população com acesso à água limpa aumentou em 10% para 72%, enquanto a quota da população com latrinas que funcionam aumentou quase metade para 67%. 24 Actualmente, o Ruanda lidera África em termos da velocidade a que está a reduzir as mortes dos recémnascidos devido a infecções a taxa anual de redução de sépsis/meningite/tétano é de 6,8% enquanto a taxa de mortes por pneumonia está a diminuir em 12% por ano. 25 Durante os últimos 14 anos a taxa de mortalidade por nados-vivos devido ao grupo de doenças mencionado acima diminuiu de 9,95 para 3,94. 9

10 O que tem de se fazer O acesso à água limpa, ao saneamento seguro e a serviços de higiene é um direito humano básico. Em conjunto, representam os blocos essenciais para uma boa saúde e a ausência destes blocos tem um impacto particularmente devastador sobre as crianças. A ausência de dados robustos de ensaios significa que é difícil calcular a proporção das mortes neonatais causadas por infecções que podem ser evitadas melhorando o acesso à água, ao saneamento e à higiene nas instalações de saúde. No entanto, a ligação causal entre as condições e as práticas pouco higiénicas é suficientemente aceite para justificar medidas políticas e dos programas que assegurem que as instalações de saúde satisfazem padrões básicos de água limpa, saneamento e higiene. A quer que toda a gente, em todo o lado tenha acesso à água limpa, ao saneamento e à higiene até Para que o mundo consiga este objectivo, a está convencida que todas as instalações de saúde têm de ser urgentemente equipadas com instalações de água e de saneamento, e os sistemas de saúde têm de ser responsabilizados por garantir que estes padrões são cumpridos. Toda a gente tem de trabalhar em conjunto para garantir que a expectativa de vida dos membros mais vulneráveis da sociedade não é reduzida apenas a semanas somente porque não há água limpa com a qual lhes dar banho, ou sabão para lavar as mãos das pessoas que cuidam deles. A todos os níveis dos serviços de saúde, desde os profissionais de saúde individuais até aos gestores dos hospitais, oficiais do Ministério de Saúde e ministros, assim como organizações internacionais de saúde, tem de haver responsabilidade individual e colectiva por manter condições higiénicas nos centros de saúde. Os esforços para se evitarem e controlarem as infecções têm de ser centrados na provisão geral dos serviços de saúde de qualidade. A pede a todas as organizações que trabalham em questões de saúde internacional, aos ministérios de saúde nacionais e aos governos doadores que actuem urgentemente do seguinte modo: 1. Os governos nacionais garantem que os serviços de água, de saneamento e de higiene (WASH) são incluídos em todos os planos para reduzir a desnutrição, a desnutrição aguda, as doenças infantis evitáveis e as mortes neonatais, e/ou nos planos dos sistemas de saúde mais abrangentes que abarcam quaisquer ou todos estes objectivos. Garantem que há financiamento disponível e que é usado em conformidade. 2. As iniciativas internacionais e nacionais de saúde e nutrição incluem WASH nas políticas e garantem que são financiadas, monitorizadas e executadas. 3. Todas as instalações dos serviços de saúde têm água corrente limpa, latrinas seguras para os pacientes (separadas para homens e mulheres, com fechaduras e iluminação, são fáceis de usar para as crianças e acessíveis para as pessoas portadoras de deficiência), lavatórios que funcionam para os funcionários de saúde e os pacientes em todas as salas de tratamento e de parto. 4. Não se constroem instalações de serviços de saúde novas sem serviços de água e de saneamento adequados e sustentáveis. 5. Os profissionais de saúde comprometem-se a incluir as boas práticas e a promoção da higiene na formação profissional, nos planos e nas acções. Os funcionários e os pacientes são informados e capacitados para praticarem medidas adequadas de higiene. 6. Todas as maternidades 26 asseguram que há higiene básica e um ambiente estéril, particularmente nas salas de parto e nas salas de operação tal como lavagem de mãos com sabão, limpeza e desinfecção repetida das instalações, e separação segura dos desperdícios humanos e médicos de modo que não haja contacto com pessoas. 7. A monitorização e a avaliação do progresso para a cobertura universal de saúde incluem dados sobre a disponibilidade de serviços de água, saneamento e higiene nas instalações dos serviços de saúde e a nível de agregado familiar para produzir informação para as estratégias e o planeamento. 8. Os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável deveriam incluir uma meta dedicada à água e ao saneamento com objectivos ambiciosos para o acesso universal a WASH até A estrutura deveria garantir a integração dos objectivos de WASH e dos objectivos de saúde, tal como cobertura universal de saúde e prevenção da mortalidade materna e das crianças com menos de cinco anos. 10

11 Estudo de Caso Esther Mongi é uma parteira no Centro de Saúde Mlali, na Tanzânia. Anteriormente, quando o centro de saúde não tinha água, aconselhávamos os parentes a trazer três jerry cans de água quando a mãe vinha para o parto. Um era para ela se limpar antes de entrar na sala de parto. O segundo para limpar o local depois do parto. E o terceiro para lavar a roupa da mãe, que ela usava durante o parto. As mulheres grávidas [...] queixavam-se de ter de trazer a água de casa para o parto, o que levou a que o número de partos neste serviço de saúde diminuísse. A água que os parentes traziam para o parto não era limpa nem segura. Sentimo-nos mal[...] e por vezes sentimo-nos desmoralizados porque como é que se pode trabalhar numa instalação de saúde sem água suficiente? /Eliza Deacon Bibliografia 1 fs_newborndealth_illness/en/ 2 Darmstadt G L, Bhutta Z A, Cousens S, Adam T, Walker N, de Bernis L, Evidence-based, cost-effective interventions: how many newborn babies can we save?, Lancet 2005;365 (9463) Committing to Child Survival: a promise renewed, Unicef files.unicef.org/publications/files/apr_2014_web_15sept14.pdf 4 Global, regional and national causes of child mortality in with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis, Lancet dx.doi.org/ /s (14) Neonatal Mortality Levels for 193 Countries in 2009 with trends since 1990: A systematic analysis of progress, projections and priorities, Oestergaard MZ1, Inoue M, Yoshida S, Mahanani WR, Gore FM, Cousens S, Lawn JE, Mathers CD; United Nations Inter-Agency Group for Child Mortality Estimation and the Child Health Epidemiology Reference Group. 6 fs_newborndealth_illness/en/ 7 Global, regional, and national causes of child mortality in , with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis, Lancet dx.doi.org/ /s (14) Late neonatal between 7 and 28 days arxiv.org/ftp/arxiv/papers/1411/ pdf 9 Global, regional and national causes of child mortality in with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis, Lancet dx.doi.org/ /s (14) Neonatal Mortality Levels for 193 Countries in 2009 with trends since 1990: A systematic analysis of progress, projections and priorities, Oestergaard MZ1, Inoue M, Yoshida S, Mahanani WR, Gore FM, Cousens S, Lawn JE, Mathers CD; United Nations Inter-Agency Group for Child Mortality Estimation and the Child Health Epidemiology Reference Group. 11 Neonatal cause-of-death estimates for the early and late neonatal periods for 194 countries: , Shefali Oza,a Joy E Lawn,a Daniel R Hogan,b Colin Mathersb & Simon N Cousensa 12 Deaths per thousand live births 13 Global, regional and national causes of child mortality in with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis, Lancet dx.doi.org/ /s (14) United Nations Department of Economic and Social Affairs: Total Fertility esa.un.org/wpp/excel-data/fertility.htm 15 Essential environmental standards in health care, John Adams, Jamie Bartram, Yves Chart ealth_care.pdf.pdf 16 OMS, forthcoming: Water, sanitation and hygiene in health care facilities: Global status and recommendations 17 Making Health A Right for all: Universal Health Coverage and Water, Sanitation and Hygiene, Action for Global Health/, Assessing hand hygiene resources and practices at a large African teaching hospital, Owusu-Ofori A1, Jennings R, Burgess J, Prasad PA, Acheampong F, Coffin SE. 19 Assessment of infection control practices in maternity units in Southern Nigeria, Friday O1, Edoja O, Osasu A, Chinenye N, Cyril M, Lovney K, Julia H. 20 Evaluation of a clean delivery kit intervention in preventing cord infection and puerperal sepsis in Mwanza, Tanzania MCHN_delivery_kit_eval_tanzania.pdf 21 Maternal and Birth Attendant Hand Washing and Neonatal Mortality in Southern Nepal, Victor Rhee, MHS; Luke C. Mullany, PhD; Subarna K. Khatry, MBBS; Joanne Katz, ScD; Steven C. LeClerq, MPH; Gary L. Darmstadt, MD; James M. Tielsch, PhD archpedi.jamanetwork.com/ article.aspx?articleid=379789#ref-poa Every Newborn: An action plan to end preventable deaths, Organização Mundial de Saúde e UNICEF 23 info%3adoi%2f %2fjournal.pone Mapa Hídrico de África 25 Estatísticas da Lancet 26 Definidas como qualquer instalação de saúde onde as mulheres dão à luz. 11

12 Começo Saudável é a prioridade de advocacia da para os próximos quatro anos ( ), que foca a atenção em melhorar a saúde e a nutrição dos bebés recém-nascidos e das crianças. Iremos fazê-lo lutando para que o acesso à água, ao saneamento e à promoção da higiene seja integrado na política e na provisão de saúde a nível local, nacional e internacional. Fevereiro de Durham Street Londres SE11 5JD Imagem da capa: Peggy e Sylvester Mpundu perderam recentemente não apenas um bebé, mas um par de gémeos quatro dias depois do parto devido a uma suspeita de infecção. Aldeia de Mwasha, Lubwe, Zâmbia. Números de registo de obras de beneficência (Inglaterra e País de Gales) e SC (Escócia).

Começo saudável: WASH e a saúde infantil

Começo saudável: WASH e a saúde infantil Começo saudável: WASH e a saúde infantil Começo Saudável é a prioridade de advocacia da WaterAid para os próximos quatro anos (2015-2019), que foca a atenção em melhorar a saúde e a nutrição dos bebés

Leia mais

A solução para a escassez

A solução para a escassez A solução para a escassez A necessidade urgente de mais ajuda com melhores objectivos para o sector de água e de saneamento Elaborado por John Garrett, Analista Político Sénior Finanças para o Desenvolvimento,

Leia mais

Sobrevivência do Recém Nascido e da Criança

Sobrevivência do Recém Nascido e da Criança 2009 Sobrevivência do Recém Nascido e da Criança Resumo de Política Calcula-se que, todos os anos, 9,2 milhões de crianças morrem antes de atingirem o seu quinto aniversário quase uma criança a cada três

Leia mais

Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa

Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa Dados práticos, políticas e apoios programáticos para a prestação de cuidados de saúde aos recém-nascidos em África Todos os anos morrem pelo menos 1,16 milhões

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Glossary. Filhos meus

Glossary. Filhos meus Glossary Filhos meus Por que razão colocar as latrinas no centro dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável pode transformar a saúde das crianças em todo o lado até 2030 WaterAid/Anna Kari Resumo de

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONSENSO

DECLARAÇÃO DE CONSENSO Consulta Técnica sobre HIV e Alimentação Infantil realizada em nome da IATT Equipe de Trabalho Inter Agencias sobre a Prevenção de infecções pelo HIV em mulheres grávidas, mães e seus bebes Genebra, 25

Leia mais

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Destinatários: Médicos Especialistas e Internos de Especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, Medicina Interna, Medicina Geral e Familiar e outras

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

Cuidados pós-natais para mães e recémnascidos

Cuidados pós-natais para mães e recémnascidos Abril de 2015 www.mcsprogram.org Cuidados pós-natais para mães e recémnascidos Destaques das diretrizes de 2013 da Organização Mundial da Saúde Informações de base Os dias e as semanas após o parto (o

Leia mais

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Semmelweis Ao ser contratado em 1846 como médico assistente na Primeira Clínica Obstétrica do Allgemeine Krankenhaus (Hospital

Leia mais

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA!

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Combater A SIDA, a Malária e outras doenças Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Confiei em ti! Metesme nojo! Não estou autorizado a falar contigo. Trouxeste vergonha à tua família! Como

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

Uma visão para WASH pós-2015

Uma visão para WASH pós-2015 Uma visão para WASH pós-2015 A visão da WaterAid para pós-2015 é uma estrutura de desenvolvimento nova e ambiciosa que unifica a erradicação da pobreza e os objectivos sustentáveis de desenvolvimento,

Leia mais

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica O Ano Internacional do Saneamento 2008 Panorâmica Um instantâneo da actual situação: 2,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a saneamento melhorado. 2 mil milhões vivem em zonas rurais.

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

UM CAMINHO UNIVERSAL. UM DIREITO DA MULHER À SAÚDE

UM CAMINHO UNIVERSAL. UM DIREITO DA MULHER À SAÚDE RESUMO EXECUTIVO O ESTADO DA OBSTETRÍCIA NO MUNDO 2014 UM CAMINHO UNIVERSAL. UM DIREITO DA MULHER À SAÚDE SAÚDE REPRODUTIVA GESTAÇÃO PARTO PERÍODO PÓS-NATAL Resumo Executivo O Estado da Obstetrícia no

Leia mais

Asobrevivência de um recém-nascido está

Asobrevivência de um recém-nascido está POPULATION REFERENCE BUREAU Perspectivas Políticas na Saúde de Recém-Nascidos Setembro de 2007 SALVAR A VIDA DE RECÉM-NASCIDOS Cuidados Pós-Natal: Uma Oportunidade Crucial para Salvar Mães e Recém-Nascidos

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

Toda a gente, em todo o lado 2030. Estratégia Global da WaterAid 2015-2020

Toda a gente, em todo o lado 2030. Estratégia Global da WaterAid 2015-2020 Toda a gente, em todo o lado 2030 Estratégia Global da WaterAid 2015-2020 Nós somos a WaterAid A nossa visão é a de um mundo onde toda gente, em todo o lado tem água segura, saneamento e higiene. A nossa

Leia mais

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia

Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia Coisas que deve saber sobre a pré-eclâmpsia A pré-eclâmpsia é muito mais comum do que a maior parte das pessoas pensa na realidade ela é a mais comum das complicações graves da gravidez. A pré-eclâmpsia

Leia mais

Cabo Verde NASCIMENTOS, MORTES E INIQUIDADES População total 495 000 Partos por ano 15 000

Cabo Verde NASCIMENTOS, MORTES E INIQUIDADES População total 495 000 Partos por ano 15 000 Cabo Verde População total 495 Partos por ano 15 Rácio de mortalidade materna por 1 nados-vivos 15 Mortes maternas por ano - Taxa de nados-mortos por 1 partos 16 Nados-mortos por ano 2 Taxa de mortalidade

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV Grupo alfa DIÁRIO DE SEMMELWEIS texto 1 O VÍRUS DO PÂNICO [Numeração tâmil

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Libreville, 29 de Agosto de 2008 REPUBLIQUE GABONAISE Organização Mundial da Saúde Escritório Regional Africano Declaração de Libreville sobre

Leia mais

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é um Banco de Leite Humano? 2. Em que situações é utilizado o Leite Humano Pasteurizado, as suas vantagens e desvantagens? 3. Que critérios

Leia mais

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico REPORTE PREPARADO PARA O HSBC: RESUMO EXECUTIVO Junho 2012 Sumário executivo O desafio da água O crescimento econômico e populacional estão tornando

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

A Estratégia Global da WaterAid

A Estratégia Global da WaterAid A Estratégia Global da WaterAid 2009 2015 A Estratégia Global da WaterAid: 2009 2015 Índice 3 Introdução 5 A crise da água e do saneamento 6 WaterAid água e saneamento para todos 8 Como trabalhamos 11

Leia mais

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção

Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção Tuberculosis Portuguese Tuberculose A tuberculose a doença, o tratamento e a prevenção A tuberculose é uma doença infecciosa que normalmente afecta os pulmões, embora também possa afectar qualquer parte

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000)

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000) P TRIMESTRE Introdução RELATÓRIO DE RESUMO DA ALMA: 2P o DE 205 No mês de Julho de 205, a Etiópia e a Comissão Económica das Nações Unidas para África vão ser os anfitriões da 3ª Conferência Internacional

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012

RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012 RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012 Antecedentes Apesar do progresso feito nos últimos anos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

Consumo de drogas e HIV/SIDA

Consumo de drogas e HIV/SIDA ONUSIDA COLECÇÃO BOAS PRÁTICAS Consumo de drogas e HIV/SIDA Declaração da ONUSIDA apresentada na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas Programa Conjunto das Nações Unidas sobre

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

Oportunidades para os Recém-Nascidos em Africa

Oportunidades para os Recém-Nascidos em Africa Oportunidades para os Recém-Nascidos em Africa Todos os anos, na África Sub-Sahariana, morrem 1,16 milhões de bebés no primeiro ano de vida, e mais um milhão de bebés são nados-mortos. Recentemente, vários

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Novembro 2012 - Setembro 2013

Novembro 2012 - Setembro 2013 ON SANITATION AND WATER KIT DE FERRAMENTAS DA CAMPANHA Novembro 2012 - Setembro 2013 Mantenha as suas promessas é uma campanha internacional que apela aos decisores para cumprirem os compromissos que assumiram

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

Desenvolvimento Estaturo-Ponderal da Criança

Desenvolvimento Estaturo-Ponderal da Criança Desenvolvimento Estaturo-Ponderal da Criança Introdução O crescimento e desenvolvimento da criança é um assunto pelo qual os pais manifestam especial interesse, uma vez que frequentemente são geradas dúvidas

Leia mais

Protecçao Social Sensível à Criança. Seminário de Protecçao Social, Maputo 21 Maio 2013 Karin de Rooij, UNICEF Moçambique

Protecçao Social Sensível à Criança. Seminário de Protecçao Social, Maputo 21 Maio 2013 Karin de Rooij, UNICEF Moçambique Protecçao Social Sensível à Criança Seminário de Protecçao Social, Maputo 21 Maio 2013 Karin de Rooij, UNICEF Moçambique Sensível á Criança, Porque? Samora Machel: Crianças sao as flores que nunca murcham.

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

Dossier s o l c i c º 2 e º 1 Escolas r ira 2ªfe squece e o Não grup e d m alho DM co :-) b a r T s O gas re o sob eus cole os m Projecto de: Maao de 2009 O Dossier onde os alunos, os pais e os professores

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

Porque é que Saneamento e Abastecimento de Água são importantes para o Crescimento e Desenvolvimento da República de Angola

Porque é que Saneamento e Abastecimento de Água são importantes para o Crescimento e Desenvolvimento da República de Angola Cobertura (%) Porque é que Saneamento e Abastecimento de Água são importantes para o Crescimento e Desenvolvimento da República de Angola É necessário em Angola um aumento significativo de investimento

Leia mais

Relatório. O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde?

Relatório. O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde? O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde? Resumo Resumo de recomendações: 1. As instituições globais de saúde deveriam reconhecer e dirigir-se ao impacto do saneamento sobre

Leia mais

Pior epidemia de ebola da história começou com a morte de um menino

Pior epidemia de ebola da história começou com a morte de um menino Pior epidemia de ebola da história começou com a morte de um menino Emile Ouamouno tinha só dois anos de idade e vivia em um remoto vilarejo no sul da Guiné, na África Ocidental, quando começou a ter febres,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 2: Buscando maneiras de combater doenças hipertensivas, hemorragias e infecções puerperal da

Leia mais

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 1 OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 Esta é a primeira de uma série de actualizações regulares do Roteiro de Resposta ao Ébola. A presente actualização

Leia mais

ADOPÇÃO DE UMA ABORDAGEM CENTRADA NAS CRIANÇAS: INTEGRAÇÃO PARA MAXIMIZAR O IMPACTO SOBRE A SAÚDE INFANTIL

ADOPÇÃO DE UMA ABORDAGEM CENTRADA NAS CRIANÇAS: INTEGRAÇÃO PARA MAXIMIZAR O IMPACTO SOBRE A SAÚDE INFANTIL ADOPÇÃO DE UMA ABORDAGEM CENTRADA NAS CRIANÇAS: INTEGRAÇÃO PARA MAXIMIZAR O IMPACTO SOBRE A SAÚDE INFANTIL AfGH OUTUBRO DE 2013 ADOPÇÃO DE UMA ABORDAGEM CENTRADA NAS CRIANÇAs: INTEGRAÇÃO PARA MAXIMIZAR

Leia mais

Saneamento e Água para Todos. Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças

Saneamento e Água para Todos. Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças Saneamento e Água para Todos Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças Imagens da capa da frente: Will Boase Photography; WaterAid/Dermot Tatlow/ Panos Pictures; WaterAid/Dieter

Leia mais

Documento com Perguntas Frequentes sobre a Iniciativa de Acesso Global

Documento com Perguntas Frequentes sobre a Iniciativa de Acesso Global Documento com Perguntas Frequentes sobre a Iniciativa de Acesso Global A Roche lançou o Programa de Acesso Global a testagem de carga viral para o HIV O Programa expande o acesso aos cuidados através de

Leia mais

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Na primeira semana após o nascimento, é-lhe oferecida a possibilidade de efetuar um rastreio de diagnóstico precoce ao seu bebé. Porque

Leia mais

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte.

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado. Saiba seus direitos. A Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION DIREITOS DAS MULHERES ONLINE Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio Coordenadora do Projecto SIITRI, Moçambique Ò o UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTO DA WORLD

Leia mais

A PRÓXIMA REVOLUÇÃO CONCEDER A CADA CRIANÇA A OPORTUNIDADE DE SOBREVIVER

A PRÓXIMA REVOLUÇÃO CONCEDER A CADA CRIANÇA A OPORTUNIDADE DE SOBREVIVER A PRÓXIMA REVOLUÇÃO CONCEDER A CADA CRIANÇA A OPORTUNIDADE DE SOBREVIVER A PRÓXIMA REVOLUÇÃO CONCEDER A CADA CRIANÇA A OPORTUNIDADE DE SOBREVIVER A Aliança Internacional Save the Children é a principal

Leia mais

Controlo Pós-Natal III

Controlo Pós-Natal III CAPÍTULO 4 III Controlo Pós-Natal Charlotte Warren, Pat Daly, Lalla Toure, Pyande Mongi Todos os anos, em África, morrem pelo menos 125 000 mulheres e 870 000 recém-nascidos na primeira semana após o parto.

Leia mais

SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2008. Sobrevivência Infantil

SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2008. Sobrevivência Infantil SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2008 Sobrevivência Infantil SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2008 Agradecimentos A produção deste relatório não teria sido possível sem a orientação e a contribuição de muitas

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014 1 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada

Leia mais

GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ:

GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ: PORTUGUESE GRIPE SUÍNA E GRAVIDEZ: Como pode proteger-se e ao seu bebé Este folheto informa-a sobre: a vacinação contra a gripe suína (gripe A H1N1), que pode receber durante a gravidez, para a ajudar

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ruth Castel-Branco, Organização Internacional do Trabalho Conferencia do SASPEN Maputo, 2 de Setembro 2014 Sumário Contexto A Protecção

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Em 2000, 189 chefes de Estado e de Governo assinaram a Declaração do Milénio que levou à formulação de 8 objectivos de desenvolvimento, a alcançar entre 1990 e 2015. Os ODM - Objectivos de Desenvolvimento

Leia mais

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades PROJECTO DE NUTRIÇÃO INFANTIL RESUMO DAS ACTIVIDADES MOÇAMBIQUE Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades Apresentação do projecto IYCN em Moçambique O Projecto de

Leia mais

Os Recém-nascidos Africanos -

Os Recém-nascidos Africanos - Os Recém-nascidos Africanos - como contá-los e fazer com que contem! Joy Lawn, Pyande Mongi, Simon Cousens Calcula-se que mais de um milhão de bebés africanos morrem durante as primeiras 4 semanas de vida

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

vidas Em risco Uma agenda para acabar com as mortes evitáveis de crianças

vidas Em risco Uma agenda para acabar com as mortes evitáveis de crianças vidas Em risco Uma agenda para acabar com as mortes evitáveis de crianças Foto da capa: Uma menina, de vinte e um anos, sentada com a sua bebé Margaret de três dias numa cama da nova Residencial Materna

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Sumário III. 11 Os recém-nascidos africanos - como contá-los e fazer com que eles contem I

Sumário III. 11 Os recém-nascidos africanos - como contá-los e fazer com que eles contem I Sumário 2 Mensagem - Dr.ª Gertrude Mongella, do Parlamento Pan-Africano 3 Prefácio - Dr. Francisco Songane, Parceria Para a Saúde Materna, Neonatal e Infantil 4 Introdução - Professor E. Oluwole Akande,

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais