Se até as árvores morrem Jeanne Benameur

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Se até as árvores morrem Jeanne Benameur"

Transcrição

1 Tradução Luciano Machado Temas Luto infantil; Vida hospitalar; A imaginação como defesa Guia de leitura para o professor 112 páginas Resumo Matias e Celina aguardam na sala de espera do hospital. Tendo sofrido um acidente, seu pai se encontra em coma profundo, entre a vida e a morte. Dominique, a mãe, permanece ao lado do marido, arrasada pela dor, alheia a tudo o mais. Espectadores impotentes diante da tragédia que as atingiu, as duas crianças vagam desamparadas pelos corredores brancos. Tentando lidar com a dor inerente à situação, os irmãos Matias e Celina criam histórias em um mundo paralelo onde o pai é a Grande Águia, um herói mais forte que a morte, o qual fará com que tudo volte a ser como antes. Matias, pouco mais velho que Celina, esmera-se por tranqüilizar a irmã, ainda que ele mesmo seja assaltado por fortes crises de angústia. O mundo ao redor (escola, amigos, professores, rotina doméstica) perde muito da sua importância nesse intervalo, em que apenas os poderes mágicos oferecem algum consolo contra o silêncio e a falta de sentido.

2 Mas isso não dura para sempre, pois eles não demoram a defrontar com a dura realidade que os obriga a elaborar o luto pelo pai. E são as palavras de Isaías, um velho faxineiro africano, que vão ajudá-los a superar tamanha perda, mostrando-lhes quão necessário é reaprender a viver. Além da literatura Após conviver com o desamparo de Matias e Celina às voltas com o coma do pai, você encontrará a seguir informações sobre alguns dos temas abordados nessa história: a medicalização da morte, o papel da imaginação e da memória nos processos de luto, a percepção infantil do morrer, entre outros assuntos. Não se trata de subestimar os aspectos propriamente literários da narrativa, nem de converter os personagens em mera ilustração de distúrbios psicológicos, mas sim de oferecer ao professor subsídios conceituais para explorar, em sala de aula, as questões suscitadas no decorrer da leitura. Assim, a partir de contribuições de diversas disciplinas (história, antropologia, psicanálise etc.), procura-se ampliar o leque de referências do educador, levando em conta a carga de angústia mobilizada em situações extremas como as enfocadas nesta coleção. Ritos fúnebres Dividida em grupos, a turma pode pesquisar os significados da morte e os rituais que a acompanham em outras culturas e religiões. No México, por exemplo, o Dia dos Mortos (2 de novembro) é comemorado com uma grande e colorida festa nos cemitérios. Já para os budistas, o corpo físico é apenas um abrigo temporário da consciência. A morte, nessa religião, significa apenas o abandono do corpo pela consciência, que continua viva e pode ressurgir em outro corpo. Por isso, não há razão para lamentar quando uma pessoa morre. A morte tem história Se vivessem em outra época, Celina e Matias provavelmente não passariam tardes e mais tardes no hospital. Entregar o doente grave aos cuidados de médicos e enfermeiros (em vez de tratá-lo em casa) é uma atitude que se torna comum a partir do século XX. As mudanças na representação social da morte e na maneira de lidar com os moribundos constituem um dos objetos de estudo do historiador francês Philippe Ariès ( ), autor de livros como História da morte no Ocidente (Rio de Janeiro: Ediouro, 2003) e O homem diante da morte (Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981, 2 v.). Ariès explica que, durante a Idade Média, existia maior intimidade entre o morrer e os homens, que encaravam o fim da vida de maneira natural. É o que ele chama de morte domesticada : morrer fazia parte do cotidiano e do destino coletivo do homem. A transformação se inicia no século XVII, quando a angústia em relação à mortalidade começa a aparecer devido ao enfraquecimento dos vínculos com as tradições grupais e do consolo oferecido anteriormente pela religião. No século XIX, o esforço da

3 No interior do Nordeste brasileiro até hoje persiste o costume de beber o morto : servir café, cachaça e biscoito para quem compareça ao velório. Após a pesquisa, os grupos podem apresentar os resultados para o restante da classe, por meio de um seminário. Esta atividade ajuda os alunos a ampliar seus horizontes, relativizando o conceito de morte e as formas de encará-la. E também pode servir como pretexto para trabalhar a tolerância cultural e religiosa. A terra dos pés juntos O longo caminho de construção do conceito de morte, assim como as dificuldades de assimilar o morrer como condição universal e irreversível também deixam marcas na linguagem. Uma delas é a profusão de eufemismos e circunlóquios com que nos referimos ao término da vida. O dicionário Aurélio, no verbete morrer, arrola vários deles, alguns dos quais muito curiosos: abotoar o paletó; assentar o cabelo; bater as botas; comer capim pela raiz; dar com o rabo na cerca; empacotar; entregar a rapadura; esticar a canela; ir para o Acre, passar desta para melhor; virar presunto. O professor pode sugerir aos alunos que investiguem a origem desses circunlóquios, mediante consulta a dicionários de provérbios e a outros textos sobre tradições populares. Tal investigação poderia levá-los à produção de um texto (poema ou narrativa em prosa), utilizando essas expressões e até criando outras, dentro do mesmo espírito. ciência para racionalizar a morte convive com o romantismo da literatura, que encara o fim da vida como algo admirável, uma fuga do cotidiano. Ariès dá a essa época o nome de era da bela morte. De acordo com o historiador, no século XX aparece uma maneira absolutamente nova de morrer, especialmente nas áreas urbanas e mais desenvolvidas tecnologicamente. A essência dessa nova morte é a invisibilidade: no lugar do leito de morte e da família, entra o hospital, onde são prolongados ao máximo os últimos momentos de vida e onde se morre sozinho. Esse fenômeno se intensifica nas décadas de 1930 a 1950, e a sociedade ocidental passa a viver a era da morte interdita, em que o fim da vida se torna vergonhoso e deve ser escondido. Ao mesmo tempo que a sociedade se esforça para tornar a morte obscena, tem uma ânsia de controlá-la: aparecem uma enxurrada de livros, artigos, conferências, documentários e programas de TV sobre a morte e o morrer. As crianças entendem, sim! Para Dominique, mãe de Celina e Matias, é difícil falar sobre o estado grave do marido. É comum que os adultos fiquem inseguros quando têm de falar de morte com seus filhos ou alunos. Muitos acreditam que as crianças não sabem o que isso significa e que se deve poupá-las ao máximo em situações de falecimento. Mas o mais provável é que elas já tenham presenciado a morte de algum bichinho ou visto alguma cena parecida num desenho animado ou programa de TV. De modo geral, o tema da morte começa a aparecer para a criança por volta dos três anos. Os adultos podem não identificar essa compreensão porque a criança a expressa com os meios de que dispõe, ou seja, ela não fala diretamente da morte, mas a representa em seus desenhos e em suas brincadeiras. Nessa idade, os pequenos ainda acham que o fato é temporário, como acontece nos desenhos animados. Ao ingressar na idade escolar, a criança desenvolve gradativamente as noções de permanência e universalidade da morte. O domínio completo dessas noções demanda uma série de conquistas cognitivas. De acordo com Jean Piaget ( ), biólogo e psicólogo suíço, criador da Epistemologia Genética, esse período da vida corresponderia à aquisição das operações concretas. Entre os 5 e os 9 anos, a criança aprende que a morte é irreversível, mas imagina que isso só acontece com os outros, a menos que vivencie a perda de alguém muito próximo. É só por volta dos dez anos que ela passa a perceber a morte como a

4 interrupção das atividades do corpo, algo natural, que faz parte da vida e que ocorre com todos. Quando a perda é vivenciada, seja qual for a idade da criança, é essencial que ela se sinta segura e bem cuidada. Tristeza, irritação e medo são algumas das reações possíveis a esse fato. É importante não ocultar dela a verdade, mas também não forçá-la, obrigando-a a ir a enterros e velórios. Explicar de forma simples o que está acontecendo, deixando-a livre para perguntar é a melhor maneira de fazer com que ela assimile o acontecimento. As coisas findas Amar o perdido/ deixa confundido/ este coração.// Nada pode o olvido/ contra o sem sentido/ apelo do Não.// As coisas tangíveis/ tornam-se insensíveis/ à palma da mão.// Mas as coisas findas/ muito mais que lindas,/ essas ficarão. A propósito das considerações sobre a importância da memória nos processos de luto, o professor pode apresentar à classe o poema Memória, do escritor mineiro Carlos Drummond de Andrade ( ), que faz parte do livro Claro enigma, de Com base nele, os alunos poderiam tentar responder a uma das últimas perguntas feitas por Matias ao seu amigo Isaías: Mas como se pode amar alguém que não está mais aqui? (p. 103). Ao professor cumpriria destacar a ação paradoxal da memória, que dá permanência ao que passou, conferindo sentido ao que se viveu (só fica o que significa), daí seu poder poético e curativo em relação à dor da ausência. Lembrar para melhor esquecer Matias passa a aceitar melhor a perda do pai quando conhece Isaías, o faxineiro do hospital, que ensina o menino a contar com as lembranças para que o pai continue vivo dentro dele. Para Freud, as lembranças também eram uma das chaves para resolver conflitos emocionais. De acordo com a teoria psicanalítica, o ser humano procura se proteger das experiências dolorosas e conflitivas vividas na infância. A fim de evitar o sofrimento psíquico, ele recalca a memória desses fatos, subtraindo-os da consciência. Só que essas memórias recalcadas continuam agindo no inconsciente e seguem causando dor. No ensaio Recordar, repetir, elaborar (1914), o pai da psicanálise explica que, em vez de simplesmente recordar os fatos reprimidos como algo pertencente ao passado, o homem os revive nas suas atitudes do dia-a-dia, fenômeno ao qual dá o nome de repetição neurótica. O processo de terapia psicanalítica consiste, justamente, em trazer à tona essas lembranças reprimidas, fazendo com que o paciente as reproduza como recordações, não como atitudes. Dessa forma, ele tem a chance de se libertar das neuroses e viver com seu passado, em vez de se sentir refém dele. Quando se perde alguém querido, a memória também tem um papel essencial, como explica Freud em Luto e melancolia (1917). De acordo com ele, a pessoa que atravessa um período de luto perde o interesse pelo mundo externo, porque o objeto do seu amor perdido não está mais presente. O trabalho do luto, como Freud o denomina, consiste em desprender a energia depositada no objeto perdido, liberando o sujeito para novos investimentos afetivos. Para alcançar tal desprendimento, cada uma das memórias e expectativas relativas ao objeto perdido é evocada. A recordação (ao contrário da repetição neurótica) traz, de certa forma, o objeto perdido de volta e nos ajuda a superar sua perda.

5 Riso é remédio Enquanto Doutores da Alegria não é lançado em vídeo e DVD, pode-se em havendo condições técnicas no colégio promover para os alunos uma exibição de Patch Adams o amor é contagioso (Patch Adams, dirigido por Tom Shadyac, Estados Unidos, 1998). O filme é baseado na história verdadeira de Hunter Adams (interpretado por Robin Williams), um médico dos anos 1970 que usava o humor para tratar seus pacientes. Depois de assistir ao filme, vale a pena incentivar um debate sobre o papel desempenhado pelo humor nos momentos de dificuldade e impasse. Nariz vermelho sobre fundo branco Matias e Celina driblam a dor causada pela doença do pai e o tédio que sentem nos corredores do hospital criando um mundo de fantasia. Nele, o pai se transforma na Grande Águia e eles, em Águia Marrom e Pequena Montanha, ou em tripulantes da Nave Branca. O vôo da imaginação cria um consolo momentâneo e lhes permite, ainda que de modo limitado, enfrentar a dureza da situação real ao mesmo tempo que expressam suas angústias. No Brasil, existe um grupo de artistas que também usa as armas da imaginação para lidar com as agruras da doença e a solidão dos hospitais. São os Doutores da Alegria, que têm por objetivo levar a brincadeira até as crianças que estão internadas nesse tipo de instituição. Vestidos de palhaço, eles visitam, sempre em duplas, quartos e UTIs provocando o riso em quem está triste e de cama. Muitas vezes, os palhaços-doutores são a única visita que a criança recebe. O criador do grupo é Wellington Nogueira, que atende pelo nome de Dr. Zinho e se diz especialista em besteirologia. Em 1988, quando morava em Nova York e sonhava ser ator da Broadway, conheceu o trabalho do Big Apple Circus Clown Care Unit, um programa que levava palhaços para visitar crianças em hospitais. Wellington teve de voltar ao Brasil para visitar o pai, que estava na UTI. Resolveu trocar a Broadway pelo Hospital das Clínicas de São Paulo e, em 1991, fundou a organização Doutores da Alegria, sem fins lucrativos. Hoje, a equipe de besteirólogos leva seus esquetes terapêuticos a cinco hospitais de São Paulo, dois do Rio de Janeiro e três de Recife. Para fazer parte do grupo, os atores têm de passar por um processo de seleção rigoroso e fazer estágio e treinamento para não perder a graça durante a jornada de seis horas diárias visitando crianças e adolescentes doentes. Em 2005, o grupo comemorou 13 anos de atividade com um longa-metragem no cinema. Em Doutores da Alegria, dirigido por Mara Mourão, o próprio Wellington Nogueira e seus besteirólogos contam a história da trupe, que já visitou mais de 350 mil pacientes. Para seguir pensando... Livros O que é a morte, de José Luiz de Souza Maranhão (São Paulo: Brasiliense, p.). Neste livro, o professor de filosofia não trata da morte de maneira solene ou pesada. A proposta de seu ensaio é crítica e provocadora, abordando diversas concepções filosóficas a respeito do morrer. Maranhão levanta questões a respeito da abreviação e

6 do prolongamento da vida e mostra que a repressão da morte na sociedade capitalista (que se esforça para transformá-la em tabu) é também uma estratégia para disfarçar injustiças sociais. Uma morte muito suave, de Simone de Beauvoir (Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p.). A mãe de Simone de Beauvoir foi internada para tratar de uma fratura no fêmur, mas acabou descobrindo que tinha câncer. O livro narra suas últimas semanas de vida e traz os sentimentos e reflexões da escritora francesa. Não há morte natural: nada do que acontece ao homem jamais é natural, pois sua presença questiona o mundo. Todos os homens são mortais, mas para cada homem sua morte é um acidente e, mesmo que ele a conheça e a consinta, uma violência indevida, ela conclui. O homem e a morte, de Edgar Morin (Rio de Janeiro: Imago, p.). A espécie humana é a única para a qual a morte está presente ao longo da vida, a única a acompanhar a morte com um ritual funerário, a única a crer na sobrevivência ou no renascimento dos mortos, diz o pensador francês. A partir dessa constatação, Morin faz um estudo antropológico da morte, analisando os rituais ligados a ela como uma maneira de entendê-la melhor. E propõe a literatura, por muito tempo desprezada pelos historiadores, como fonte para entender o comportamento humano em relação ao fim da vida. Filmes Fale com ela, dirigido por Pedro Almodóvar (Hable com ella, Espanha, 2002). Nesse filme, o coma faz com que uma grande amizade nasça entre dois homens. O jornalista Marco (Darío Grandinetti) sofre um grande baque quando sua namorada, a toureira Lydia (Rosario Flores), é atacada por um touro e entra em coma. No hospital, ele recebe o apoio do enfermeiro Benigno (Javier Câmara). Há quatro anos, o enfermeiro dedica-se inteiramente a Alicia (Leonor Watling), jovem bailarina em estado vegetativo. Benigno aconselha Marco a seguir seu método de trabalho: conversar com Lydia e esperar por um milagre. Peixe grande e suas histórias maravilhosas, dirigido por Tim Burton (Big Fish, Estados Unidos, 2003). Ed Bloom (Ewan McGregor/Albert Finney) não perde a oportunidade de contar um causo, e todo mundo adora ouvir as histórias de seus feitos fantásticos. Menos o seu filho, Will (Billy Crudup), que não suporta ver todas as atenções voltadas para o pai. Quando Ed rouba a cena na festa de noivado de Will, ele se afasta do pai e vai morar na França. Só que Ed fica muito doente, e a mãe de Will, Sandra (Jessica Lange), pede que ele volte para casa. Começa, então, a busca de Will pelo verdadeiro pai. Memória e fantasia se confundem e ajudam a recuperar o relacionamento entre os dois. Elaboração do guia Lavínia Fávero (jornalista e tradutora); supervisão Eliane Jover (psicóloga e jornalista, mestre em Psicologia Clínica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul); preparação Fabio Weintraub; revisão Penelope Brito, Carla Mello Moreira e Gislaine Maria da Silva

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE Apresentação Seja bem vindo ao curso de Formação em Tanatologia à distancia oferecido pela Rede Nacional de Tanatologia. Você será acompanhado em seus estudos por

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular ECCE HOMO A Morte Resumo Documentário que concebe o conceito da morte em diferentes momentos históricos e sociais. Apresenta comentários de estudiosos e especialistas, proporciona visualização de ritos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

IMAGEM E ATITUDES DIANTE DA MORTE : CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA RESENHA DE A SOLIDÃO DOS MORIBUNDOS DO SOCIÓLOGO NORBERT ELIAS

IMAGEM E ATITUDES DIANTE DA MORTE : CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA RESENHA DE A SOLIDÃO DOS MORIBUNDOS DO SOCIÓLOGO NORBERT ELIAS IMAGEM E ATITUDES DIANTE DA MORTE : CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA RESENHA DE A SOLIDÃO DOS MORIBUNDOS DO SOCIÓLOGO NORBERT ELIAS Graciela Márcia Fochi 195 Mariluci Neis Carelli 196 ELIAS, Norbert. A solidão

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

Morte: Como as pessoas enfrentam? 1

Morte: Como as pessoas enfrentam? 1 Morte: Como as pessoas enfrentam? 1 Valéria Tinoco Lidar com a morte, enfrentar a morte é, talvez, uma das tarefas mais difíceis do homem pós-moderno. Nem sempre foi assim, parece ter sido mais fácil!

Leia mais

Celia Regina Lopes Feitoza

Celia Regina Lopes Feitoza Celia Regina Lopes Feitoza Se quiser falar ao coração do homem, há que se contar uma história. Dessas que não faltam animais, ou deuses e muita fantasia. Porque é assim, suave e docemente que se despertam

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral Eutanásia e Luto dos responsáveis em Oncologia Veterinária Profa. Dra. Renata A Sobral Oncologia Relação direta! Cancêr : Morte O medo. A apreensão. Veterinário oncologista - ponto de vista particular!

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

Tem a : Quem é nosso evangelizando?

Tem a : Quem é nosso evangelizando? CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo www.cvdee.org.br - Sala Evangelize Estudos destinados ao Evangelizador/Educador da Criança e do Jovem Tem a : Quem é nosso evangelizando? Eis,

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO CARVALHO, Lucas Emmanuel 1 COSTEIRA, Aldenildo A. M. F. 2 DIAS, Gustavo Vieira 3 NASCIMENTO, Janine

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS FUMAR É GOSTOSO, MAS MATA...

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS FUMAR É GOSTOSO, MAS MATA... FUMAR É GOSTOSO, MAS MATA... O hábito de fumar foi apresentado pelo cinema como um símbolo do glamour e de status, o mais fino dos prazeres. Se você assistir ao filme Casa Blanca, saberá do que estou falando.

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE

A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE LIMA, Irlana Andresa Macedo de ¹; NÓBREGA, Thaís da Costa ²; OLIVEIRA, Iaponira Cortez Costa de ³. RESUMO Este estudo teve

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

O teatro e suas múltiplas moradias: O Hospital em Foco

O teatro e suas múltiplas moradias: O Hospital em Foco PAINEL O teatro e suas múltiplas moradias: O Hospital em Foco Anderson Luis Ferreira Rosa Rosiane Aparecida Nogueira Martins UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Resumo: Este texto tem como objetivo apresentar

Leia mais

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Cláudia Nabarro Munhoz 1 Há muita polêmica na área da saúde em relação à utilização da Psicanálise em contextos institucionais.

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS

A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS Eliyara Ikehara Unisalesiano eliyara@hotmail.com Yamila do Santos Monteiro Unisalesiano yamillan@bol.com.br Orientadora: Elza Brígida

Leia mais

O que as crianças pensam da morte

O que as crianças pensam da morte Compreendendo a infância Perdas auxiliando os pais e as crianças a lidarem com a perda de alguém próximo Compreendendo a infância é uma série de pequenos textos escritos por experientes terapeutas de crianças

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS UM COMPROMISSO COM A VIDA CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS AMBULATÓRIO DE DOENÇA DE CHAGAS UNIDADE DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIDADE DE

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Revista Crescer. Como falar de morte com seu filho?

Revista Crescer. Como falar de morte com seu filho? Revista Crescer Como falar de morte com seu filho? Saiba de que maneira as crianças entendem a perda e veja o que fazer nesse momento. Simone Tinti Siobhán é uma garota que vive em um casarão em Dublin,

Leia mais

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA 1 SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA Paulo Borges RESUMO A apresentação deste artigo refere-se à parte teórica do pôster homônimo e destina-se a ilustrar uma reflexão a respeito das mãos presentes no trabalho

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Considerando que a Portaria 100/97, de 18 de Dezembro, determina que no âmbito da educação Extra-Escolar podem ser criados

Leia mais

Quando a criança morre

Quando a criança morre Quando a criança morre Neste trabalho, são abordadas algumas questões referentes ao processo de compreensão da condição de mortalidade, bem como ao enfrentamento da própria morte pela criança, a partir

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf nasceu em 1915, durante a guerra e morreu com 48 anos, em 1963. Chamava-se Édith Giovanna Gassion. Seu primeiro nome foi dado em homenagem a

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

2014 Agosto Ed. 15 1

2014 Agosto Ed. 15 1 2014 Agosto Ed. 15 1 2 2014 Agosto Ed. 15 Editorial Caros assinantes, Como sinalizamos na edição de julho, esta edição fala sobre Felicidade. Começar a construir uma edição abordando um tema tão profundo

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia

A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia Às margens de um rio, nos arredores de sua terra natal - a cidade de Yamagata - Daigo observa a persistência dos salmões

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós! Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!.turma: 1º Período A Professora

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá Guia para Pais Boa Saúde Nós cuidamos bastante da saúde física das nossas crianças cuidamos para que comam bem e que estejam agasalhadas quando faz frio e também as motivamos para a prática de esportes

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES DE DRACENA

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO

PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Guia do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros realizam reuniões abertas

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Lynn Alves 2 A presença dos jogos na história da humanidade tem início com a própria evolução do homem, antes até de serem estabelecidas normas

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais