SÉRGIO RINALDO MORATO SOARES SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO DA ATIVIDADE DE LUBRIFICAÇÃO EM INDÚSTRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÉRGIO RINALDO MORATO SOARES SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO DA ATIVIDADE DE LUBRIFICAÇÃO EM INDÚSTRIAS"

Transcrição

1 1 SÉRGIO RINALDO MORATO SOARES SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO DA ATIVIDADE DE LUBRIFICAÇÃO EM INDÚSTRIAS

2 2 SÉRGIO RINALDO MORATO SOARES SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO DA ATIVIDADE DE LUBRIFICAÇÃO EM INDÚSTRIAS PIRACICABA 2010

3 3 SÉRGIO RINALDO MORATO SOARES SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO DA ATIVIDADE DE LUBRIFICAÇÃO EM INDÚSTRIAS Piracicaba 2010

4 4 SOARES,Sérgio Rinaldo Morato. Sistema Informatizado de Gestão da Atividade de Lubrificação Industrial páginas. Trabalho de Conclusão de Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Centro de Ensino Presencial Conectado, Universidade Norte do Paraná, Piracicaba, RESUMO A atividade de lubrificação industrial, demanda gerenciar um grande número de dados, como todos os pontos de aplicação, o tipo de lubrificante, os intervalos de intervenção, manter registros históricos de consumo de lubrificantes e das atividades. A implementação de um sistema informatizado para o gerenciamento de tais informações permite total confiabilidade para atender aos requisitos básicos da atividade, que são : levar a todos os pontos de lubrificação, o lubrificante adequado, em intervalos adequados, na quantidade preconizada pelo fabricante da máquina, com as melhores práticas. Palavras-chave: Lubrificação. Sistema. Gestão. Industrial. Lubrificantes.

5 5 SOARES, Sérgio Rinaldo Morato. Computer system management for industrial lubrication activities. 2010, 178 pages. Conclusion Work Course Technology Analysis and Systems Development - Connected Presence Teaching Center, Universidade Norte do Paraná, Piracicaba, ABSTRACT The activity of lubrication demand manage a large number of data, like all of the points, the type of lubricant, the ranges of action, keeps a record of consumption of lubricants and activities. The implementation of a computerized system for managing such information allows complete reliability to meet the basic requirements of the activity, which are lead to all lubrication points, the proper lubricant, at appropriate intervals, the amount recommended by the machine design, with the best practical activity. Key-words: Lubrication. System. Management. Industrial. Lubricants.

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Tela de um sistema ERP Figura 2: Tela do sistema ERP com o custo unitário para rolamento Figura 3 : Alemite (bico graxeiro) Figura 4: Carter de óleo de bomba centrifuga Figura 5: Fusos, correntes e filtros Figura 6: Visão microscópica de superfícies em movimento relativo Figura 7: Parte de fluxograma de processo produtivo Figura 8: Foto de um conjunto motor/bomba Figura 9: Fronteiras de um processo produtivo Figura 10 : Taxonomia de identificação de equipamentos industriais Figura 11: Dígitos compositores do TAG Figura 12 : Exemplo de uso dos identificadores de área, setor e linha Figura 13 : Listagem de TAG s de uma empresa Figura 14: Organograma básico da empresa Figura 15 : Tela de Login Figura 16: Tela de Menu Figura 17: Cadastro de clientes Figura 18: Cadastro de planos de lubrificação Figura 19: Cadastro de planos de lubrificação tela de confirmação Figura 20: Cadastro de pontos de lubrificação Figura 21: Consulta de HH por semana Figura 22: Distribuição gráfica de HH x semanas do ano Figura 23: Tela gerador de rotas Figura 24: Tela cadastro de sequencia de pontos para rotas Figura 25: Tela menu de consultas Figura 26: Tela para contato via

7 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1:Distribuição das causas de falhas em rolamentos...15 Gráfico 2: Comparativo lubrificação sem controle e lubrificação planejada...18

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT AGMA APACHE API BREAK-DOWN CHECK LIST DIGITAL BUTTON ERP HTML ID ISA ISO LOGIN MTBF MTTR MYSQL NLGI PDCA PHP PTFE RFID SAE SGDB T.I. TAG UML WEB Associação Brasileira de Normas Técnicas American Gear Manufacturer Association Apache HTTP Server - Servidor WEB livre American Petroleum Institute Parada de produção Lista de verificação Dispositivo de identificação digital tipo botão Correio eletrônico Enterprise Resource Planning HyperText Markup Language Identificador de equipamento (ativo) Industrial Standard Architeture Internacional Standards Organization Palavra de acesso a sistemas informatizados Mean Time Between Failure Mean Time To Recover Sistema Gerenciador de Banco de Dados Livre National Lubricating Grease Institute Plan Do Check Act Hypertext Preprocessor Politetrafluoretileno (nome comercial Teflon) Identificador por rádio-frequência Standards for Automotive Engineers Sistema Gerenciador de Banco de Dados Tecnologia de Informação Identificador de posição de processo industrial Unified Modeling Language Rede de alcance mundial - Internet

9 9 SUMÁRIO 1-INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICO REFERENCIAL TEÓRICO APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA MANUTENÇÃO A LUBRIFICAÇÃO INDUSTRIAL A LUBRIFICAÇÃO COMO PARTE DA MANUTENÇÃO MANUTENÇÃO CORRETIVA MANUTENÇÃO PREVENTIVA MANUTENÇÃO PREDITIVA MANUTENÇÃO DE MELHORIA A LUBRIFICAÇÃO NO CONTEXTO DA MANUTENÇÃO PREVENTIVA IDENTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS O USO DOS TAG s NAS ROTINAS DE LUBRIFICAÇÃO METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EM ESTUDO TECNOLOGIA HTML PHP APACHE MYSQL LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DIAGRAMA DE CASO DE USO DIAGRAMA DE CLASSES DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA ATIVIDADES ENGENHEIRO DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA ATIVIDADES PLANEJADOR DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA ATIVIDADES LUBRIFICADOR DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ENTIDADE RELACIONAMENTO TELAS DO SISTEMA CÓDIGO FONTE SQL PARA CRIAÇÃO DAS TABELAS DO SISTEMA CRONOGRAMA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...177

10 10 1 INTRODUÇÃO A atividade de lubrificar partes móveis de máquinas, tem aspectos importantes e cuidados fundamentais. Todo e qualquer tipo de máquina móvel necessita de algum tipo de lubrificação. Esta lubrificação tem características próprias oriundas do projeto da máquina, e definidas pelos esforços envolvidos (solicitações mecânicas,rotação de trabalho e temperatura). A empresa onde foi realizado o estágio, atua com a terceirização da atividade de lubrificação em indústrias, e o controle até então era realizado com planilhas eletrônicas, de difícil manutenção e sujeitas a falhas. Para o caso em estudo, levamos em conta indústrias de produção de papel e embalagens, onde os pontos de aplicação de lubrificantes chegam a quantidades superiores a pontos, espalhados por diversas máquinas em diversas áreas produtivas, cada ponto com seus aspectos e particularidades próprios. Sendo a atividade de lubrificação, como a de levar o lubrificante adequado, na quantidade adequada, em intervalos apropriados, e de forma correta, a fim de evitar desgastes prematuros e falhas catastróficas em máquinas, e considerando a quantidade de informações a serem tratadas, nossa proposta é viabilizar um sistema de gerenciamento informatizado, que possa automatizar todas as informações necessárias, de forma a garantir que a atividade de lubrificação seja efetiva.

11 11 2 JUSTIFICATIVA Lubrificar é aplicar uma substância (lubrificante) entre duas superfícies em movimento relativo, formando uma película que evita o contato direto entre as superfícies, promovendo diminuição do atrito e, conseqüentemente, do desgaste e da geração de calor. FONTE: Artigo O que é lubrificação acessado no site Todas as máquinas tem diversos pontos de aplicação de lubrificantes, como juntas articuladas, cames, mancais de rolamentos. E estes pontos por sua vez, tem particularidades inerentes a solicitação mecânica a que são expostos, como tipo de lubrificante, quantidade, tempo de reposição e método de aplicação. Considerando-se que estes aspectos geram uma enorme quantidade de informação a ser manipulada para que se tenha um plano de lubrificação eficiente, exige-se um apoio informatizado, onde todas essas informações estejam disponíveis em formato adequado. Uma lubrificação só poderá ser considerada correta quando o ponto de lubrificação recebe o lubrificante certo, no volume adequado e no momento exato. A simplicidade da frase acima é apenas aparente. Ela encerra toda a essência da lubrificação. De fato, o ponto só recebe lubrificante certo quando: - a especificação de origem (fabricante) estiver correta; - a qualidade do lubrificante for controlada; - não houver erros de aplicação; - o produto em uso for adequado; - o sistema de manuseio, armazenagem e estocagem estiverem corretos. O volume adequado só será alcançado se: - o lubrificador (homem da lubrificação) estiver habilitado e capacitado; -os sistemas centralizados estiverem corretamente projetados, mantidos e regulados; - os procedimentos de execução forem elaborados, implantados e obedecidos; - houver uma inspeção regular e permanente nos reservatórios. O momento exato será atingido quando: - houver um programa para execução dos serviços de lubrificação; - os períodos previstos estiverem corretos; as recomendações do fabricante estiverem corretas; a equipe de lubrificação estiver corretamente dimensionada; os sistemas centralizados estiverem corretamente regulados. FONTE:(TELECURSO 2000, Apostila 32 Lubrificação Industrial, Pag.1 Fundação Roberto Marinho, São Paulo : 2000) Considerando o custo médio mensal com insumos de lubrificação (óleo, graxa, filtros e etc.), para as indústrias do porte das que fizeram parte desta

12 12 pesquisa,(segmento papel, celulose e embalagem), temos um valor médio mensal da ordem de R$ ,00, valor este relativamente pequeno, frente a um orçamento médio mensal de manutenção da ordem de R$ ,00. Porém, considerando que,conforme informação dos grandes fabricantes de rolamentos (SKF, FAG e NSK), e que, rolamentos são a maioria do universo de pontos de lubrificação, a estimativa é que 36% das falhas em rolamento são decorrentes de má lubrificação : Gráfico 1:Distribuição das causas de falhas em rolamentos Fonte : acessado em 02/11/ Considerando ainda que nas empresas estudadas, 60% dos rolamentos superam o patamar de custo individual de R$ 5.000,00 (vide figuras abaixo) ;

13 13 rolamento em destaque. Figura 1: Tela de um sistema ERP, com o custo de troca de Fonte : Do autor Figura 2: Tela do sistema ERP de um dos clientes com o custo unitário para rolamento aplicado a um rolo de prensa de máquina de papel. Fonte : Do autor

14 14 - E levando-se em conta que, a média de pontos de aplicação de rolamentos e lubrificantes, nas empresas estudadas supera a casa dos ; A atividade de lubrificação, se bem organizada e gerida de forma a que nenhum ponto de aplicação seja negligenciado, pode trazer um beneficio da ordem estimada de R$ ,00 por ano, em redução do consumo de rolamentos. Ou seja, em média 5000 pontos de aplicação, dos quais 60% rolamentos de alto custo (acima dos R$ 5.000,00), e entre estes, 36% falham por deficiência de lubrificação, geram a estimativa de custo reportada no parágrafo anterior. Embora os rolamentos com vedação permanente, uma vez montados, são isentos de manutenção, cerca de 36 % das falhas prematuras são causadas por especificação incorreta e aplicação inadequada de lubrificante. Inevitavelmente, qualquer rolamento privado de lubrificação adequada falhará muito antes de atingir o fim da sua vida útil. Visto que os rolamentos são em geral os componentes menos acessíveis, com freqüência apresentam problemas por causa de lubrificação inadequada. Sempre que a lubrificação manual for inviável, os sistemas totalmente automáticos de lubrificação poderão ser especificados pelo fabricante para uma lubrificação ótima. Uma lubrificação eficaz usando-se apenas lubrificantes, ferramentas e técnicas recomendados pela fabricante ajudará a reduzir consideravelmente as paradas não programadas das máquinas. FONTE:(http://manutencaooffshore.com/2010/05/19/evite-maisde-60-das-falhas-prematuras-dos-rolamentos-2/)

15 15 3 OBJETIVO GERAL Formular um SGDB, que tenha uma interface bastante simplificada, e que utilize um motor de base de dados, capaz de implementar uma sistemática de mapeamento de todos os pontos de lubrificação, e de planejamento de todas as atividades correlatas, de forma a subsidiar com informações para a execução das tarefas de lubrificação, cumprindo as premissas de levar o lubrificante adequado, na quantidade adequada, em intervalos apropriados, e de forma correta, a todo o universo de partes lubrificadas de uma indústria. Supostamente, uma empresa sem um planejamento, controle e execução eficientes, promove uma lubrificação de forma totalmente incorreta, ao não se obedecer principalmente os intervalos de reposição e as quantidades de remonta, ou em outros termos, a quantidade de reposição do lubrificante, o que demonstramos na hipótese comparativa no gráfico abaixo : Gráfico 2: Comparativo entre lubrificação sem controle e lubrificação planejada em relação ao volume de lubrificante requerido pelo ponto.

16 16 4 OBJETIVO ESPECIFICO Permitir através da web, o cadastramento de todo universo de dados relacionados a atividade Lubrificação Industrial, em formato de hierarquia como segue ; - PLANTA : Unidade de produção Fabril; - ÁREA : Subdivisão de uma planta, local onde se concentra determinado processo produtivo ou de transformação e delimitado por estas mesmas características ; - POSIÇÃO DE PROCESSSO : Para o qual adotamos o jargão industrial de TAG, ou seja, conforme norma ISA S5.1, é um identificador de uma posição do processo, delimitado por uma atividade de transformação exclusiva, dentro deste mesmo processo ; - CONJUNTO : Identificador de um conjunto de máquinas ou equipamentos que somados produzem uma ação ou transformação no processo ; - PONTO : Localizador de um ponto de máquina ou dispositvo qualquer que requer lubrificação ; e para o qual são definidos o tipo de lubrificante, o intervalo de relubrificação, a tarefa a ser executada, o consumo estimado, o tempo estimado para execução e uma resposta a tarefa solicitada. Os pontos que recebem graxa normalmente são tratados como alemites, pequenos dispositivos em forma de bico, e que atuam como válvulas permitindo somente o ingresso de graxa, os reservatórios de óleo são comumente tratados como cárter, e os demais dispositivos envolvidos em lubrificação e tratados como pontos, são fusos, filtros, guias e etc. (Vide exemplos abaixo); Figura 3 : Alemite (bico graxeiro) : Fonte :

17 17 Figura 4: Carter de óleo de bomba centrifuga Fonte : Figura 5: Fusos, correntes e filtros Fontes : https://tst.interflon.net/bz/correntes.html - ROTA : Conjunto de pontos que tem características em comum, tais como : mesmo lubrificante, mesma freqüência de relubrificação, e mesma área, ordenados de forma a que fiquem geograficamente em uma sequência lógica;

18 18 - TIPO DE LUBRIFICANTE : Os lubrificantes podem ser agrupados genericamente em 3 tipos, como sendo óleo, graxa, e especiais (spray s, sólidos,e etc.), segundo suas unidades de consumo (Kilos, Litros, Latas, Bisnagas, etc); - LUBRIFICANTE : Descrição comercial e técnica do produto, com suas propriedades físico-quimicas, preço por unidade de consumo e nome usual ; - PLANO : Plano de lubrificação é a montagem de um cronograma de base semanal, (52 semanas/ano), onde constarão as rotas a serem efetuadas conforme suas freqüências de execução, e onde as datas de inicio de cada rota, são definidas através de um balanceamento de recursos, de forma a manter as necessidades de mão de obra dentro de limites factíveis, não permitindo semanas de ociosidade, e nem semanas com sobrecarga de trabalho.

19 19 5 REFERENCIAL TEÓRICO Dentre o universo industrial, há a segmentação de atividades em setores que se destinam a desempenhar um processo, ou uma parte da atividade fim da empresa. Conforme SILVESTRO (1999, p.401), um dos departamentos ligados a produção de uma fábrica é o de manutenção, que também pode estar presente em um hotel, hospital, ou transportadora por exemplo. E o que vem a ser esse departamento de manutenção? Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 1994), manutenção é: Combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo as de supervisão, destinadas a manter ou recolocar um item em um estado no qual possa desempenhar uma função requerida. Kardec e Nascif (1998) definem manutenção como: Garantir a disponibilidade da função dos equipamentos e instalações de modo a atender a um processo de produção e a preservação do meio ambiente, com confiabilidade, segurança e custo adequados. A origem da palavra diz tudo. Derivada do latim manus tenere, que significa manter o que se tem, a manutenção está presente na história humana há eras, desde que se começou a manusear instrumentos de produção. A maior parte de todos os autores contemporâneos, conceituam a manutenção dentro de 4 tipos : Manutenção corretiva, aquela que é feita após a quebra de forma que o equipamento ou máquina volte a condição de operação ; Manutenção Preventiva, realizada de forma a reduzir ou evitar a falha ou queda no desempenho, obedecendo a um plano previamente elaborado, baseado em intervalos definidos de tempo. Marçal (2004) subdivide a manutenção preventiva em: - Manutenção preventiva programada ou sistemática: é quando os serviços de manutenção são efetuados de maneira periódica, através de intervalos pré-estabelecidos, dias de calendários, ciclos de operações, horas de operações e outros desprezando as condições dos componentes envolvidos. - Manutenção preventiva de rotina: são as manutenções preventivas feitas com intervalos pré-determinados e de tempos reduzidos, com prioridades

20 20 claramente definidas e de curta duração de execução, na maioria das vezes apoiadas apenas nos sentidos humanos, sem causar a indisponibilidade da instalação ou equipamento. Geralmente são conhecidas como inspeções e verificações sistemáticas apoiadas pelo uso de check-list ou demais controles. Se houver bom treinamento, este tipo de preventiva poderá ser realizado pela própria equipe de produção a partir do uso do check-list e programação desenvolvida pela própria equipe de manutenção ou inspetores. Já a atividade de lubrificação, é parte fundamental do contexto de manutenção preventiva sistemática. Manutenção preditiva por outro lado,é a atuação realizada com base nas modificações dos parâmetros de condição ou desempenho, cujo acompanhamento obedece a uma sistemática. Marçal (2004) diz que a manutenção preditiva também pode ser definida como aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se de uma importante ferramenta da manutenção, porém ainda pouco usada, pois visa acompanhar o equipamento ou as peças, através de monitoramento, por medições e por controle estatístico para predizer a ocorrência de uma falha. Manutenção de melhoria : É a intervenção que visa implementar um melhoramento contínuo dos equipamentos e serviços, com intuito de reduzir o índice de indisponibilidade, aumento de performance, aumento do ciclo de vida e segurança, através da aplicação de novos dispositivos, bem como a adoção de novas técnicas de trabalho. Esta intervenção pode ocorrer antes do surgimento de defeito e deve ser informada ao projetista do equipamento ou sistema envolvido, a fim de efetuar as modificações necessárias já na concepção do projeto (MARÇAL, 2004, p. 6). O que todos os autores que escrevem sobre manutenção concordam é que um planejamento de lubrificação bem desenhado e uma equipe de técnicos de lubrificação preparada e com habilidades, pode aumentar a vida das máquinas e diminuir gastos de operação e manutenção. Enquanto a importância da lubrificação é aceita como parte vital para a confiabilidade da planta pela maioria dos administradores e profissionais de manutenção, a realidade é que esta é uma das atividades onde com muita freqüência inexiste esta relação entre este reconhecimento e sua implementação.

21 21 Neste estudo, tivemos contatos com diversas empresas do mesmo segmento (papel e embalagem), e pudemos constatar : 1- A necessidade de uma ferramenta de gestão; 2- O diferencial entre custo e confiabilidade de máquina, onde se tem gestão, e onde esta atividade é relegada ao descontrole ; 3- A necessidade de um sistema gerenciador de base de dados, de interface simples e que possa administrar todas as particularidades desta atividade de manutenção. Além disso, a lubrificação, além dos eventuais riscos de segurança durante a aplicação do lubrificante em lugares perigosos ou de difícil acesso, apresenta atualmente, riscos legais e ambientais. Lei dos Crimes Ambientais Lei n 9.605, resumidamente, faz referência a causar poluição com danos à saúde humana ou mortandade de animais ou a destruição da flora, por resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, detritos, óleos ou substâncias oleosas. Inclui o funcionário público que não deve fazer afirmação falsa ou enganosa, omitir a verdade, sonegar informações, dados técnicocientíficos; conceder licença, autorização ou permissão em desacordo com as normas ambientais, para as atividades, obras ou serviços. Esta Lei prevê aos contraventores multas de até R$ 50 milhões e reclusão de até 3 anos. Portanto, a Administração da empresa que utiliza ou aplica lubrificantes e afins, está sujeita a estas penalidades no caso da empresa causar algum acidente ambiental. Assim sendo, a ferramenta proposta deverá, como mínimo administrar o seguinte : 1. Cadastros de equipamentos, pontos,lubrificantes e profissionais; 2. Registro dos planos e rotas de lubrificação; 3. Emissão de ordens de serviço; 4. Registro de serviços executados e produtos utilizados; 5. Consumo de lubrificantes estimado e realizado; 6. Consumo de hora-homem estimado e realizado; 7. Gráficos e relatórios gerenciais personalizados; 8. Gerenciamento de custos de insumos e mão-de-obra;

22 APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA MANUTENÇÃO As práticas e conceitos sobre gestão do conhecimento podem ser aplicadas à realidade de qualquer empresa, independente do seu tamanho ou porte (KRUGLIANSKAS e TERRA, 2003). Deve-se ter em mente que a gestão do conhecimento não deve ser tratada como algo complicado. Ela, não exige, necessariamente, grandes investimentos, mas sim o uso de ferramentas modernas como a informática e a busca do conhecimento,de especialistas e consultores. Os conceitos de gestão do conhecimento podem ser bastante simples: respeito, valorização e satisfação são premissas simples que podem mudar a cultura organizacional quanto ao efetivo compartilhamento do conhecimento. Também na manutenção, mais especificamente nos seus diversos tipos, o simples planejamento e utilização do bom senso podem otimizar manutenções futuras, reduzindo-as ao máximo em relação ao tempo de parada e diminuindo os gastos com tais operações, implicando diretamente em que se tenha uma gestão eficiente de todo conhecimento que deve acompanhar toda a manutenção, bem como, e particularmente a prática das lubrificações. É notável que muitas das manutenções corretivas não planejadas ocorrem devido ao fato do desconhecimento, ou da omissão em relação a lubrificação.há empresas que desconhecem por completo o universo de pontos lubrificados em seu parque fabril, e após um recenseamento destes pontos, a reação de surpresa é inevitável, pois não raro, os gestores estimarem em menos de 10% a quantidade real destes pontos, dado o desconhecimento que acompanha e o desdém com que culturalmente, é tratada esta atividade nas empresas. Outro fator que costumeiramente provoca controvérsias depois de mapeado e planejado, é o fator mão-de-obra. Em todos os casos estudados, após o devido planejamento, verificou-se sobre-dimensionamento das equipes. Através do modelo de conversão do conhecimento, pode-se criar, adquirir, compartilhar e utilizar o conhecimento prévio e, com isso, minimizar o número de manutenções, bem como a geração de novas idéias e soluções de problemas.e a lubrificação, historicamente tem sido relegada a patamares inferiores de importância no contexto da manutenção. Como a criação do conhecimento em uma organização se dá, partindo do nível individual e num segundo momento, caminhando para os níveis

23 23 departamentais e organizacionais, é de suma importância que se estimule tal método e isso requer mudança de mentalidade e mudança de cultura. O trabalho de levantamento de requisitos para análise e modelagem de um sistema informatizado para esta atividade, teve que percorrer obrigatoriamente toda essa hierarquia. Para começar o processo de conversão do conhecimento é interessante que sejam estimuladas oportunidades para o compartilhamento de idéias, experiências, exposição de opiniões quanto ao trabalho na prática. Isso é extremamente relevante, pois erros posteriores, em equipamentos semelhantes serão suprimidos, e o sistema gerenciador, apresentará poucas necessidades de depuração. Após essa primeira etapa, as experiências devem ser documentadas. Tais documentações devem ser de fácil acesso para qualquer funcionário dentro da organização. Para isso, é que formulamos a propositura de um portal especifico para tratar os dados de lubrificação, e convertê-los em informações úteis, que tanto poderá ser interno (intranet), como externo (internet). O item da manutenção preventiva dedicado a lubrificação, é atendido, à medida que, através desses materiais criados, estrutura-se a atividade de lubrificação sistêmica, o que indubitavelmente irá reduzir a quantidade de falhas de equipamentos, o intervalo entre elas (MTBF) 1 e o tempo médio de reparação (MTTR) 2. Na finalização do processo, através do cruzamento das experiências explicitadas, novas informações e conhecimentos são criados por parte dos funcionários, dando início, a realimentação do processo como um todo. Nessa etapa, a depuração das informações, e a inserção de maiores detalhes, agregam valor a instituição, e conteúdo a gestão do conhecimento, e de forma subjetiva estimula-se a manutenção constante da prática do método PDCA (Plan, Do, Check, Act ; ou seja planejar, fazer, verificar, e atuar), que é o pilar da melhoria contínua. 1 MTBF ("Mean Time Between Failures") ou período médio entre falhas é um valor atribuído a um determinado dispositivo ou aparelho para descrever a sua confiabilidade. Este valor atribuído indica quando poderá ocorrer uma falha no equipamento em questão. Quanto maior for este índice, maior será a confiabilidade no equipamento e, consequentemente, a manutenção será avaliada em questões de eficiência. 2 MTTR é a abreviatura o termo Mean Time to Recovery, que significa Tempo Médio de Recuperação ou Tempo Médio de Reparo. Representa o tempo médio necessário para substituir ou reparar um componente defeituoso, ou mesmo para que o sistema volte a funcionar.

24 Ciclo PDCA, ciclo de Shewhart ou ciclo de Deming, é um ciclo de desenvolvimento que tem foco na melhoria contínua. O PDCA foi introduzido no Japão após a guerra, idealizado por Shewhart e divulgado por Deming, quem efetivamente o aplicou. Inicialmente deu-se o uso para estatística e métodos de amostragem. O ciclo de Deming tem por princípio tornar mais claros e ágeis os processos envolvidos na execução da gestão, como por exemplo na gestão da qualidade, dividindo-a em quatro principais passos.o PDCA é aplicado para se atingir resultados dentro de um sistema de gestão e pode ser utilizado em qualquer empresa de forma a garantir o sucesso nos negócios, independentemente da área de atuação da empresa. O ciclo começa pelo planejamento, em seguida a ação ou conjunto de ações planejadas são executadas, checa-se se o que foi feito estava de acordo com o planejado, constantemente e repetidamente (ciclicamente), e toma-se uma ação para eliminar ou ao menos mitigar defeitos no produto ou na execução. Fonte 24

25 A LUBRIFICAÇÃO INDUSTRIAL O maquinário industrial tem alto valor agregado, e quanto mais novos produtos forem criados,maior será a precisão e necessidade de produção mais rápida, ocasionado aumento de trabalho do maquinário e o conseqüente desgaste. Esse desgaste é, em sua maioria, oriundo do contato entre partes móveis do maquinário, já que a transmissão de movimento e potência é premissa de qualquer máquina de transformação. Inevitavelmente, o contato entre partes móveis, incorre em atrito, pois mesmo as superfícies mais polidas, em níveis microscópicos apresentam-se na forma de picos e vales. Vários fatores contribuem para aumentar este atrito, dentre eles a carga ou solicitação transmitida entre as tais partes móveis,e a velocidade do movimento. A função da lubrificação é interpor uma camada lubrificante entre as superfícies de forma a evitar o contato que poderia produzir a ruptura dos picos, transformando-os em partículas que por sua vez irão gerar ainda mais atrito. Figura 6: Visão microscópica de superfícies em movimento relativo Fonte: Um lubrificante pode ser, um gás, um sólido (grafite, bissulfeto de molibdênio, enxofre,fósforo), semi-sólido (vaselina, graxa vegetal, animal ou mineral) ou o mais utilizado, um líquido (água, óleo vegetal, animal ou mineral, sintético). Os lubrificantes mais utilizados na indústria são:

26 26 Óleo mineral; Óleo sintético; Semi-sólidos como as graxas e Sólidos como polímeros, exemplo: Teflon (PTFE). Os lubrificantes têm como suas principais funções: diminuir o atrito entre superfícies, evitar e/ou controlar corrosão e desgaste, proteção como isolante térmico (refrigeração) e elétrico, transmitir força (sistema hidráulico) e atuar como vedação e amortecimento de elementos de máquina.dentre suas diversas propriedades, vale aqui ressaltar a viscosidade de um lubrificante. Entende-se por viscosidade, a medida da resistência ao escoamento de um líquido. E a viscosidade é importante para a lubrificação pois é dela que se parte para escolha do lubrificante ideal. A viscosidade altera-se com a temperatura, ou seja, quanto maior a temperatura menos viscosidade é verificada no lubrificante. A viscosidade pode ser dinâmica ou cinemática, e pode ser entendida da seguinte forma: Viscosidade é a propriedade associada a resistência que o fluido oferece a deformação por cisalhamento. De outra maneira pode-se dizer que a viscosidade corresponde ao atrito interno nos fluidos devido basicamente a interações intermoleculares, sendo em geral função da temperatura. É comumente percebida como a "grossura", ou resistência ao despejamento. Viscosidade descreve a resistência interna para fluir de um fluido e deve ser pensada como a medida do atrito do fluido. Assim, a água é "fina", tendo uma baixa viscosidade, enquanto óleo vegetal é "grosso", tendo uma alta viscosidade. Fonte: As classes de viscosidades tem vários institutos que as regimentam segundo seu propósito ou aplicação. Os mais conhecidos são SAE, API, AGMA e ISO.Na indústria as classes mais utilizadas são a ISO VG ( Internacional Standards Organization : Viscosity Grade), e AGMA ( Association of Gear Manufacturers of America). As classificações SAE (Standards for Automotive Enginering) e API ( Association of Petroleum Institute), são direcionadas a área automotiva.

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Mantenha a frota em suas mãos.

Mantenha a frota em suas mãos. Mantenha a frota em suas mãos. SISTEMA DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA SOBRE A ASSISTE A ASSISTE tem sua sede em Piracicaba - SP e está presente em todo o Brasil e no Exterior, por meio de seus representantes

Leia mais

Treinamentos técnicos

Treinamentos técnicos Treinamentos técnicos CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A Empresa Ao longo dos 18 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado seu crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR

SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR Patenteado. Gerenciamento no século 21. Tópicos fundamentais que compõem o gerenciamento: Manutenção Produtiva Total (MPT): Estabelece

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

TREINAMENTO CURSO DE LUBRIFICAÇÃO

TREINAMENTO CURSO DE LUBRIFICAÇÃO TREINAMENTO CURSO DE LUBRIFICAÇÃO ABERTURA DO PROGRAMA: - Tempo: 30 minutos APRESENTAÇÃO DO INSTRUTOR: - Nome - Cargo - Tempo de Distribuidor - Experiência Profissional APRESENTAÇÃO DOS PARTICIPANTES:

Leia mais

RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500

RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500 RET Relatório Técnico de Encerramento Título do Teste TESTE DE HIDROVARIADOR DE VELOCIDADE HENFEL MODELO HFPM2500 APLICADO EM ACIONAMENTO DE TRANSPORTADORES DE CORREIA TMPM SÃO LUÍS - MA SAT 1260 Localidade,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Cada vez mais as empresas estão contratando serviços baseados em níveis de serviços, conhecidos pela sua sigla

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI)

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI) 40 Capítulo IX Resultados Parte I Por Marcus Possi* O objetivo deste artigo é finalizar o processo de trabalho da inspeção nas instalações elétricas, apresentando os resultados, não apenas relatórios ou

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA conceito 2 É aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. objetivos 3 determinar, antecipadamente,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal do Ceará Bacharelado em Computação cadeira de Engenharia de Software Estudo de Viabilidade Equipe: Carlos H. Sindeaux Edilson Júnior Emanuelle Vieira Franklin Chaves José M. Silveira

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais