Figura 3.1 Curva de compactação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Figura 3.1 Curva de compactação"

Transcrição

1 3. Compactação O estudo da técnica e controle da compactação é relativamente recente e tem sido desenvolvido principalmente para a construção de aterros. A compactação é um processo no qual se visa melhorar as propriedades do solo garantindo certa homogeneidade, procedendo-se a eliminação do ar Introdução: Porter desenvolveu a teoria de compactação para verificar a influência do teor de umidade na qualidade final de um solo compactado. Ralph Proctor, em 1933, publicou uma série de artigos, divulgando o seu método de controle de compactação, baseado num novo método de projeto e construção de barragens de terra compactadas que estava sendo empregado na Califórnia; onde é apresentado que a densidade com que um solo é compactado, sob uma determinada energia de compactação, dependo do teor de umidade no momento de compactação Ensaios de Compactação Introdução Teórica Proctor desenvolveu um ensaio dinâmico para determinação experimental da curva de compactação (massa específica aparente seca (γ s ) versus teor de umidade (h)) (figura 3.1). γ s (g/cm³) γ s máx ramo seco ramo úmido h ot h (%) Figura 3.1 Curva de compactação Na figura 3.1, no ponto de inflexão da curva determinamos o teor de umidade ótimo (h ot ) que representa que se um solo for compactado com a energia do ensaio, nesse teor de umidade ele apresentará a massa específica aparente seca máxima. O ramo ascendente da curva de compactação é denominado ramo seco e o ramo descendente, de ramo úmido. No ramo ascendente, a água lubrifica as partículas e facilita o arranjo destas, ocorrendo por essa razão, o acréscimo da massa específica aparente seca. Já no ramo descendente, a água amortiza a compactação e começa a ter mais água do que sólidos, sendo por essa razão que a massa específica aparente seca decresce. 1/12

2 Para uma mesma energia, solos de granulometria diferente apresentam valores de teor de umidade ótimos e massa específica aparente seca máxima na ordem de grandeza da tabela 3.1, resultando em curva de compactação conforme estão dispostas na figura 3.2. Tabela 3.1. valores médios de teor de umidade ótimo e da massa específica aparente seca máxima dos solos, conforme sua granulometria. Granulometria h ot (%) γ smax. (kg/ m³) médios Areias 7 a Siltes 18 a Argilas 30 a γ s (g/cm³) areia silte argila Figura 3.2 curvas de compactação de solos compactados com a mesma energia. Já de acordo com a energia aplicada as curvas de compactação de um solo se dispõe segundo a figura 3.3. h γ s (g/cm³) E h (%) Figura 3.3 Curvas de compactação de um mesmo solo compactado com energias diferentes. 2/12

3 O ensaio de Proctor é normalizado pelo método de ensaio NBR 7182, sendo que as energias especificadas na norma são: normal, intermediária e modificada, variandose com esta finalidade, as dimensões do molde e do soquete, número de camadas e golpes, conforme pode ser observado na tabela 3.2. Tabela 3.2 Características inerentes a cada energia (compilado da NBR 7182). Cilindro Pequeno grande Característica inerentes a cada energia de compactação Energia Normal Intermediária Modificada Soquete Pequeno Grande Grande Número de camadas Número de golpes por camada Soquete grande grande grande Número de camadas Número de golpes por camada Altura do disco espaçador (mm) 63,5 63,5 63,5 O ensaio pode ser realizado de cinco maneiras: com ou sem reuso de material, sobre amostras preparadas com secagem prévia até a umidade higroscópica ou sobre amostras preparadas a 5 % abaixo da umidade ótima presumível ou sem reuso de material, sobre amostras preparadas a 3 % acima da umidade ótima presumível. Na figura 3.4 está apresentado a preparação da amostra desde a secagem ao ar livre, destorroamento até a umidificação para obtenção de diferentes pontos (5 teores de umidade). (a) (b) (c) (d) (e) Figura 3.4 Amostra deformada secando ao ar livre (a); seca (umidade higroscópica) (b); colocação em caixas (c); preparação da amostra com diferentes teores de umidade (5 teores) e (d) homogeneização (e). Após a amostra ter sido homogeneizada, é realizada a compactação, utilizando-se o molde pequeno ou o grande (vide figura 3.5) quando se compactar o solo para a realização do ensaio CBR. 3/12

4 (a) Figura 3.5 Compactação Proctor (a) cilindro pequeno e soquete pequeno (b) cilindro grande e soquete grande. É colocado o papel filtro (figura 3.6 (a)) e lançada a quantidade de solo em camadas (vide esquema da figura 3.6 (b), conforme energia especificada (energia, normal intermediária ou modificada), tomando-se o cuidado de escarificar a face superior da camada compactada, antes de lançar a próxima, para promover a aderência entre ambas. Na figura 3.6 (c) está apresentada a compactação utilizando-se o cilindro grande. Após a compactação, o cilindro com o solo é pesado (figura 3.6 (d)) e finalmente o corpo de prova é extraído do molde (figuras 3.6 (e) e (f)). (b) (a) (b) (c) (d) (e) (f) Figura 3.6 (a) Colocação de papel filtro no molde; (b) esquema de compactação (soquete leve e soquete pesado); (c) compactação cilindro grande; (d) pesagem do corpo de prova após a compactação; (e) e (f) extração do corpo de prova. Com os resultados obtidos no ensaio de compactação são efetuados cálculos para a: 4/12

5 a) determinação da massa específica aparente seca (γ s ), dada pela fórmula: M h x 100 γ s = ( 1 ) V x (100 + h) Onde: γ s = massa específica aparente seca, geralmente em g/cm³ ; M h = massa úmida do solo compactado, geralmente em g ; V = volume útil do molde cilíndrico (interno), geralmente em cm³ ; h = teor de umidade do solo compactado, em %. b) determinação da curva de saturação, dada pela fórmula: S γ s = h S ( ) γ a δ Onde: γ s = massa específica aparente seca, geralmente em g/cm³; S = grau de saturação, considerado igual a 100% ; h = teor de umidade em % ; γ a = massa específica da água, geralmente em g / cm ³ ( considerada igual a 1,00 g/cm³ ) ; δ = massa específica dos grãos do solo (determinado de acordo com a NBR 6508 ou 6458, em g/cm³) ; São apresentados os seguintes resultados: 5/12

6 a) curva de compactação : é a curva resultante da representação gráfica dos valores do teor de umidade em abcissas, versus os respectivos valores da massa específica aparente seca, e deve possuir o formato aproximadamente parabólico; b) valor da massa específica aparente seca máxima, com aproximação de 0,01 g/ cm³, obtido através da leitura da massa específica aparente seca do ponto de inflexão da curva de compactação; c) valor do teor de umidade ótimo, obtido pela leitura do teor de umidade correspondente ao de massa específica aparente seca máxima, obtido na alínea b), na curva de compactação, com aproximação de 0,1 % ; d) curva de saturação ( S = 100% ) ; e) características do ensaio: processo de preparação da amostra, energia; cilindro de compactação utilizados e processo de execução do ensaio Moisture Condition Value ( MCV ) O MCV é um ensaio de compactação por impacto, apresentado por Parsons (1976) do Transport and Road Research Laboratory Departament of Enviroment do Governo Britânico, que foi desenvolvido originalmente para: a) Avaliar rapidamente as condições de umidade dos solos nas camadas compactadas. b) O teor de umidade mais adequado para compactação do aterro. c) Avaliação das condições mais propícias para maior eficiência dos equipamentos de terraplenagem. Com as seguintes vantagens sobre o método proposto por Proctor: a) a energia é aplicada com soquete de seção plena, sendo portanto distribuída por igual em toda a superfície a ser compactada. b) têm-se uma família de curvas de compactação (teor de umidade versus massa específica aparente seca ), referente aos diversos valores de energia. O ensaio MCV consiste basicamente em determinar o número de golpes necessários para compactação completa de uma amostra de solo. Como aqui entre nós, tem sido utilizado o ensaio mini MCV, desenvolvido por Nogami e Villibor, e que apresenta uma classificação para solos tropicais Tipos de compactação pisoteamento no campo : é uma compactação realizada com rolo pé de carneiro, cuja massa com tambores vazios é de 5 a 12 tf, podendo ser enchido com lastro de areia úmida, aumentando a sua massa para de 7 a 17 tf. Cada tambor possui de 96 a 120 patas, sendo a pressão máxima dos pés sobre o solo quando o compressor apoia se em uma única fileira de patas, de 10 a 20 MPa (figura 3.7(a)). Após a compactação, o solo se apresenta como mostrado na figura 3.7 (b) e (c). Nas especificações gerais são fornecidos dados tais como o peso do equipamento, diâmetro do cilindro, número de patas, altura, área de contato, velocidade à frente e ré. O mecanismo de compactação se dá de baixo para cima (vide figura 3.8), em camadas com espessura menor que altura da pata, devendo o solo estar com teor de umidade próximo ao teor de umidade ótimo, com a finalidade de se obter a massa específica 6/12

7 aparente seca máxima. Se o solo estiver com o teor de umidade menor que h ot, deve-se umedecer a camada e caso contrário, deve-se revolver o solo com um escarificador e esperar secar (figura 3.9). (a) (b) (c) Figura 3.7 (a) Rolo pé de carneiro (b) e (c) superfície após a compactação. Figura 3.8 Esquema de compactação por camadas. Da esquerda para a direita, caminhão basculante, trator de esteiras (dozer) e rolo de compactação. Figura 3.9 Revolvimento do solo com escarificador para secagem. É principalmente recomendado para solos argilosos e siltosos. A espessura média da camada de solo solto é da ordem de 20 a 25 cm, sendo usual de 8 a 10 passadas, e a velocidade de compactação não ultrapasse 4 km/h. 7/12

8 Geralmente quando se interrompe a compactação de um aterro, é usual se selar a camada, passa para esta finalidade o rolo liso procurando dar caimento para o escoamento das águas pluviais. Antes de se iniciar ou reiniciar a compactação da camada selada (lisa), deve-se escarificá-la com a finalidade de se obter uma melhor aderência entre as camadas. Percebe-se visualmente que o solo está compactado quando o rolo de pé de carneiro não penetra mais no solo (anda na ponta dos pés) No laboratório: foi desenvolvido em 1948, na Universidade de Harward, compactando-se o solo em um cilindro de cerca de 10 cm² de área e 10 cm de altura, em 10 camadas com o pisoteador constituído por uma haste de 12 mm de diâmetro acionada por mola cujo esforço é geral de 9 kg e o número de golpes Impacto É uma compactação dinâmica No campo: É realizada com o sapo ou soquete vibratório, podendo ser a gasolina, com motor de 2 tempos ou a explosão diesel ou motor trifásico de 2CV, com massa de aproximadamente de 55 kg, compactando-se camadas com profundidade de até 30 cm. Existem os soquetes manuais de ar comprimido utilizados para compactar junto às paredes onde é impossível utilizar-se de outros compactadores, que são usualmente denominados de sapo, conforme mostrado na figura Figura 3.10 Soquete manual (sapo). Têm-se também utilizado grandes pesos de 10 a 40 tf que são erguidos através de guindaste, caindo de 10 a 20 cm de altura, podendo compactar camadas com espessura de 5 a 15 cm. 8/12

9 no laboratório: temos os ensaios: a) normal de compactação (Proctor standard) b) ensaio Proctor modificado: ensaio similar ao Proctor standard, utilizando-se o solo em 5 camadas com 55 golpes cada vibração no campo: equipamentos que utilizem vibração além do peso próprio. Placas e Rolos Vibratórios : são utilizados para compactar materiais granulares como os solos grossos com menos de 12% passando na peneira de malha 0,075 mm ( areia, pedregulhos, britas ), sendo também adequados para solos com 4 a 8% passando nessa peneira. A espessura da camada compactada deve situar se em torno de 20 a 25 cm, ou seja, a camada de solo é da ordem de 60 a 100 cm. O número de passadas está geralmente na faixa de 2 a 4, com uma pressão de 8 kgf/cm², sendo que sua velocidade ultrapassa 8 km/h. A vibração é geralmente causada pela ação de dois discos excêntricos movidos por um motor a gasolina. O vibrador pode ser montado sobre um rolo compressor liso ( ou mesmo rolo pé de carneiro ) sobre uma placa de aço lisa (figura 3.11). Figura 3.11 Efeito da compactação sobre a camada de solo. O controle de compactação é realizado visualmente, efetuando-se passadas suficientes para que não haja abatimento visível da camada, além de efetuar os controles de praxe (grau de compactação e desvio do teor de umidade). Milton Vargas desaconselha a utilização de rolos compressores vibratórios pé de carneiro, pois a vibração não pode produzir compactação alguma em solos que possuem alguma coesão, sendo que o efeito da vibração só serviria para aumentar o peso de pé de carneiro por efeito dinâmico, saindo, portanto, mais econômico aumentar lhe o peso estático estática no campo: pode ser do tipo: 9/12

10 a) Rolo Liso: composto por um cilindro de aço oco, podendo ser enchido com areia ou pedregulho, com a finalidade de aumentar a pressão aplicada. Podem ser de apenas uma roda ( rolo ), duas em tandem, em três. São indicados para compactação de pedregulhos, areia, pedra britada, com camadas de espessura de 5 a 15 cm. Por causa de sua pequena superfície de contato são utilizados na compactação do capeamento e em base de estrada (figura 3.12). Figura 3.12 Rolo liso. Os rolos tipo tandem são utilizados na compactação de bases e subleitos de estradas sendo encontrados com peso de um a vinte toneladas. Geralmente 4 passadas são suficientes para compactar camadas de 15 a 20 cm de profundidade. Já os de 3 rodas são utilizadas para compactar solos finos com pesos de 6 a 7 t para material de baixa plasticidade e de 10 t para material de alta plasticidade, sendo 6 passadas suficientes para compactar de 15 a 20 cm de espessura. b) Rolo Pneumático: são indicados para a compactação de solos de granulação fina arenosa (siltes ou areias finas), capas asfálticas, bases e sub-bases de estradas. E caracterizado pela pressão de área de contato com o solo, que dependem da pressão de área de contato com o solo, que dependem da pressão de enchimento dos pneus e do peso do compressor. Os pesos operacionais podem ir de 10 a 100 tf com pressões de 5 a 10 atm. Se de grande peso, com pneus de grande área de contato, podem compactar espessuras de 30 a 50 cm de solo solto. Como deixa um acabamento superficial liso, para aumentar a aderência entre a camada e a outra é preciso escarificar a superfície antes de compactar a próxima camada. O mecanismo de compactação se dá de cima para baixo. É usual dar-se de 4 a 6 passadas, sendo que sua velocidade situa-se na faixa de 4 a 6 km/h No laboratório: O ensaio é realizado no molde Harvard Miniatura de diâmetro interno igual a 3,5 e 9 cm de altura, sendo o corpo de prova (c.p.) levado a romper numa prensa hidráulica, por compressão simples. 10/12

11 3.4 Controle da Compactação Nos itens anteriores foram descritos vários controles práticos obrigatórios. Além dos métodos mais complexos, Milton Vargas resume que deve se observar: a) Lançamento das camadas com espessuras não maiores que 30 cm de material fofo, incluindo se nesse 30 cm, a parte superficial fofa da camada anterior ( 2 a 5 cm ). Esta espessura das camadas deve ser rigorosamente controlada por meio de estacas ( topografia ). Uma segunda condição será de que as camadas, depois de compactadas, não devem ter mais de 20 cm de espessura média. A medida dessa espessura média será feita por nivelamentos sucessivos da superfície do aterro, por exemplo, a cada 10 camadas compactadas; b) Manutenção do teor de umidade do solo próxima a ótima por meio manual: na umidade ótima, o solo pode ser aglutinado em bolas por esforço da mão, sem sujar as palmas. A correção da umidade é feita por secagem do solo acompanhada de aeração por meio de arados de discos, ou pelo contrário, por meio de caminhões e irrigadeiras; c) Homogeneização das camadas a serem compactadas, tanto no que se refere à umidade como ao material. Isso se obterá com o uso de escarificadores e arados de disco; d) Passagem do compressor pé de carneiro até que ele não consiga imprimir marcas de suas patas, no solo, com mais de 5 cm de profundidade. Quando a compactação é feita com compressor de pneus, ela será levada até a formação de uma superfície lisa, porém, depois essa deve ser escarificada, numa profundidade máxima de 5 cm, para se fazer a ligação das próximas camadas. Além de se especificar a espessura da camada, equipamento de compactação e número de passadas, é de suma importância a obtenção dos seguintes parâmetros de compactação: a) grau de compactação ( GC ) : é a relação entre a massa específica aparente seca a ser medida no campo e massa específica aparente seca máxima obtida no ensaio de laboratório. γ s ( campo ) GC = x 100 % γ smáx. ( laboratório ) Onde: GC = grau de compactação, dado em porcentagem; γ s ( campo ) = massa específica aparente seca obtida no campo γ s máx ( laboratório ) = massa específica aparente seca máxima obtida no laboratório. Para se obter a massa específica aparente seca do solo no campo, após a compactação pode-se utilizar o método para determinação da massa específica 11/12

12 aparente com emprego do frasco de areia (figura 3.13) ou o da cravação do cilindro (no caso do solo ser fino). Figura 3.13 Ensaio para determinação da massa específica aparente com emprego do frasco de areia. Um dos maiores problemas está na obtenção do teor de umidade, no campo, através de métodos simples e expeditos como: o da frigideira ou o do álcool, que apresentam o perigo de queimar partículas do solo, o do Speedy, onde a utilização das cápsulas de carbureto de cálcio levam à resultados pouco precisos com solos plásticos; o da estufa, que é incompatível com a liberação imediata da camada compactada e por fim, a utilização de outros métodos que apresentam custo elevado (estufa infra vermelho). Visando contornar esse problema, Jack Hilf do Bureau of Reclamation, desenvolveu uma teoria denominada método Hilf, através da qual é possível obter-se um controle rápido aproximado. O projetista geralmente especifica que o GC seja de no mínimo 95%. b) desvio do teor de umidade ( h) : é a diferença entre o teor de umidade do solo que foi compactado e o teor de umidade ótimo obtido no laboratório. h = h campo -h ótimo O projetista geralmente especifica que h seja mais ou menos 2% do hot. 12/12

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

COMPACTAÇÃO DOS SOLOS

COMPACTAÇÃO DOS SOLOS INTRODUÇÃO Compactação procedimentos visando aumentar a compacidade de um solo pela redução de vazios através esforços externos gerados por meios mecânicos. Objetivo melhoria e estabilidade de propriedades

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Unidades de tração ou tratores Representa a máquina matriz da terraplenagem. Trator: Unidade autônoma. Executa a tração ou empurra outros equipamentos para o aumento da tração

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/14 A reciclagem profunda de pavimento com adição de cimento Portland tem como objeto a obtenção de uma camada de pavimento reciclada, com aproveito dos materiais existentes e introdução

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

DNIT. Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço

DNIT. Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço DNIT Out/2009 NORMA DNIT 115/2009 - ES Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO

Leia mais

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 ; Antônio Lazaro Ferreira

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento

Leia mais

Pavimentação - base de macadame hidráulico

Pavimentação - base de macadame hidráulico MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 Centro Rodoviário, Parada de Lucas Rio de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS DIMENSIONAMENTO DE FILTROS Até o meio da barragem faço tudo para a água não chegar. A partir daí faço tudo para a água sair da maneira que quero Arthur Casagrande IV.8- DIMENSIONAMENTO DE FILTROS IV.8.1-

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS Cristiane Zuffo da Silva(1); Evandro Marcos Kolling (2); Tobias Jun Shimosaka (3); Ney Lysandro Tabalipa (4); Caroline Angulski da Luz

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento

Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento Rinaldo J. B. Pinheiro a *, José Mario D. Soares a a Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Av. Roraima, 1000,

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Profa. Andrea Sell Dyminski Maio/2009 Compactação em Campo 1)Escolha da área de empréstimo: É função de: Distância de Transporte Volume do material disponível Tipos de

Leia mais

RECICLAGEM DE CAMADA BETUMINOSA COMO SUB-BASE ESTABILIZADA COM CIMENTO NA BR 381: UMA EXPERIENCIA

RECICLAGEM DE CAMADA BETUMINOSA COMO SUB-BASE ESTABILIZADA COM CIMENTO NA BR 381: UMA EXPERIENCIA RECICLAGEM DE CAMADA BETUMINOSA COMO SUB-BASE ESTABILIZADA COM CIMENTO NA BR 381: UMA EXPERIENCIA I. APRESENTAÇÃO César Augusto Rodrigues da Silva Juarez Miranda Jr. Este trabalho apresenta a experiência

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos -

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos - Título:UTILIZAÇÃO DE SOLO-CIMENTO NA FABRICAÇÃO DE TIJOL Autores: C.R.S. Morais, R.L. Rodrigues, D.S.G. Lima, M.R. Patrício, G.A. Neves crislene@dema.ufpb.br, ricalirodrigues@yahoo.com.br, danengematl@bol.com.br,

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P19 CAMADA DE ROLAMENTO COM BLOCOS DE PARALELEPÍPEDO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. DESCRIÇÃO...3 3. MATERIAIS...3 4. EQUIPAMENTOS...4

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

DER/PR ES-P 11/05 PAVIMENTAÇÃO: SOLO-CIMENTO E SOLO TRATADO COM CIMENTO

DER/PR ES-P 11/05 PAVIMENTAÇÃO: SOLO-CIMENTO E SOLO TRATADO COM CIMENTO PAVIMENTAÇÃO: SOLO-CIMENTO E SOLO TRATADO COM CIMENTO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo-cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo-cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Base de solo-cimento - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INSTITUTO DE PESQUISAS

Leia mais

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica;

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica; MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

COMPACTAÇÃO. ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação. Prof. Dr. Rita Moura Fortes

COMPACTAÇÃO. ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação. Prof. Dr. Rita Moura Fortes COMPACTAÇÃO ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação Prof. Dr. Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br r s Massa sec a Volume Ms V M w w 1 100 V r s (g/cm 3 ) r s (g/

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Insumos - EQUIPAMENTOS

Insumos - EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS - AQUISIÇÃO 3127 Vibrador de imersão, diesel 4 hp UN 2.200,00 3130 Máquina para bloco intertravado, (prensa), gasolina 3 hp UN 12.200,00 3001-CA Trator de esteiras, com lâmina, diesel 110

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

BASES ESTABILIZADAS QUIMICAMENTE

BASES ESTABILIZADAS QUIMICAMENTE BASES ESTABILIZADAS QUIMICAMENTE Palestrante: Eng. Fernando Augusto Júnior e-mail: imperpav@terra.com.br 28/06/2012 1 PORQUE ESTABILIZAR MATERIAIS? - Meio Ambiente - Economia na execução dos pavimentos

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ROTINA

CONSERVAÇÃO DE ROTINA CONSERVAÇÃO DE ROTINA PARTE 3 Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/2009 1 CONSERVAÇÃO DE ROTINA Visa corrigir os defeitos que surgem no pavimento. Em alguns tipos de defeitos é possível dar duas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/17 A reciclagem profunda de pavimento com adição de espuma de asfalto tem como finalidade a obtenção de uma camada de pavimento reciclada, a partir do aproveitamento dos materiais

Leia mais

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO

1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO 02 CORREÇÃO DE CARIMBO E REVISÃO ORTOGRÁFICA NOV/2010 01 CORREÇÃO NO PLANO DE EXECUÇÃO MAR / 2007 NSAS IMG REV. MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO 1 BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO GERENTE

Leia mais

DER/PR ES-P 05/05 PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA

DER/PR ES-P 05/05 PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Patrício José Moreira Pires e José Tavares Araruna Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

8. MISTURAS ASFÁLTICAS

8. MISTURAS ASFÁLTICAS 8. MISTURAS ASFÁLTICAS CONCEITUAÇÃO Produtos obtidos em usina, a quente ou a frio, envolvendo agregados e ligantes asfálticos, adequadamente. CLASSIFICAÇÃO Pré misturados a quente (PMQ) - Temperatura 121

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Porto Alegre, de agosto de 0 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA ª REGIÃO Ref. OBRA OS0/ RUA DE JULHO, S/N - SANT O ÂNGELO/RS Ass.: Relatório de Sondagem Prezados Senhores: Vimos através desta apresentar-lhes

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70

Leia mais

Objetivo: Melhoria e Estabilidade de propriedades mecânicas dos solos:

Objetivo: Melhoria e Estabilidade de propriedades mecânicas dos solos: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS 1 Introdução Compactação: processo manual ou mecânico que visa reduzir o volume de vazios do solo, melhorando as suas características de resistência, deformabilidade e permeabilidade.

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

4 Equipamento e Metodologia de Ensaios 4.1 Introdução

4 Equipamento e Metodologia de Ensaios 4.1 Introdução 4 Equipamento e Metodologia de Ensaios 4.1 Introdução O bom desempenho de um liner depende do comportamento mecânico e hidráulico do solo compactado. Os métodos de compactação mais utilizados no laboratório

Leia mais

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS TEXTURA forma e tamanho das partículas GRANULOMETRIA medida dos tamanhos das partículas COMPORTAMENTO MECÂNICO TEXTURA PROPRIEDADES HIDRÁULICAS CLASSIFICAÇÃO TEXTURAL Quanto ao tamanho dos grãos solos

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

TT 051 PAVIMENTAÇÃO BASES SUB-BASES

TT 051 PAVIMENTAÇÃO BASES SUB-BASES TT 051 PAVIMENTAÇÃO BASES SUB-BASES Eng. Mário Henrique Furtado Andrade TT 051 - PAVIMENTAÇÃO BASES / SUB-BASES 5 ESCOPO 1. Classificação 2. Camadas estabilizadas granulometricamente 3. Camadas Flexíveis

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura urbana Pavimentação Asfáltica, Micro-drenagem e Sinalização Horizontal/Vertical Município: Vera Cruz/RS Local da obra: Rua São

Leia mais

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.1 Introdução A permeabilidade é a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento da água através s dele. O movimento de água através s de um solo é influenciado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA ITEM REFER. ESPECIFICAÇÕES UN QUANT P. UNIT. MELHORAMENTO, RECONSTRUÇÃO E REFORMA DO SISTEMA VIÁRIO NO DISTRITO DE ABRANTES. 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.0.1 ORSE 0004 1.0.2 1.1.4.27 1.0.3 SINAPI 12488

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas

Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas Sidney Fernandes de Andrade Moura Escola Politécnica de Pernambuco, Recife, Brasil, sidneyfam@hotmail.com

Leia mais

FATEC - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO

FATEC - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO 1- Introdução Vimos anteriormente que o solo escolhido para ser utilizado para uma dada finalidade como: camada de pavimento, corpo de aterro, base de reservatório, solo

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando S. Alves ABRIL 1992 Revisado JANEIRO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura urbana Pavimentação Asfáltica, Micro-drenagem, e Rede água potável. Município: Vera Cruz/RS Local da obra: Rua Cipriano O presente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO MACADAME SECO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de macadame seco em camadas

Leia mais

EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT

EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT Exemplos Numéricos: Classificação Geotécnica MCT EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT Depois de selecionada a jazida e feita a coleta de solo devem ser realizados os ensaios de Compactação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO AREIA ASFALTO A FRIO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-16/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de areia asfalto

Leia mais

REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO)

REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO) 1 / 6 REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO) 1. DEFINIÇÃO O Remendo Superficial é um serviço que se destina a restaurar a camada de revestimento asfáltico, em pontos isolados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DOUGLAS TISCOSKI

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DOUGLAS TISCOSKI UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DOUGLAS TISCOSKI ANÁLISE DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES DA MISTURA SOLO CIMENTO E PERMA-ZYME PARA FINS RODOVIÁRIOS CRICIÚMA,

Leia mais

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são:

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são: Misturas Betuminosas As misturas asfálticas constituem sistemas plástico-elásticos cujos componentes tem características, composta de uma fase sólida, que é constituída pelos agregados pétreos de elevado

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*)

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 38 PARTE IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 1. INTRODUÇÃO A reciclagem das camadas do pavimento pode ser executada na pista, ou em usina central ou fixa. Os processos de obtenção dos materiais

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais