ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR"

Transcrição

1 COMPLEXO HOSPITALAR DO CEPON ROTINAS PARA SEGURANÇA DO PACIENTE: PREVENÇÃO DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Serviço de Educação Permanente de Enfermagem Serviço de Cirurgia Oncológica Coordenações de Enfermagem da Oncologia Clínica, Suporte Oncológico, Ambulatório de Intercorrências Oncológicas, Centro Cirúrgico Ambulatorial Março/2014 Página 1

2 SUMÁRIO 1. Introdução Patogenia Microbiologia Estratégia para prevenção de infecções relacionadas a catéter intravascular Rotina de inserção e manutenção de cateteres Cateter periférico Cateter central Hipodermóclise Sistemas de infusão Frascos para infusão Equipo para infusão Conectores Dânulas Tubos extensores para infusão Extensores multivias Bombas de infusão Cuidados com a manipulação e preparo de medicação...18 Referências...19 Página 2

3 1. INTRODUÇÃO: Infecções da Corrente Sanguínea (ICS) associadas a cateter vascular são responsáveis, de forma independente, por aumento da permanência hospitalar e dos custos relacionados a assistência (2). Estão também implicadas na elevação das taxas de mortalidade, as quais variam conforme a existência de outros fatores de risco (1). A melhora da qualidade da assistência, garantindo um desfecho favorável para o paciente assim como a redução dos custos de hospitalização justificam o esforço multidisciplinar para prevenir as infecções associadas a cateter vascular. Página 3

4 2. PATOGENIA: As Infecções de corrente sanguínea associadas a cateter podem ocorrer através de um dos seguintes mecanismos: 1. Migração de microrganismos da pele, a partir do sítio de inserção do cateter ao longo da superfície do mesmo com colonização da ponta do cateter (principal via para cateter de curta permanência). 2. Contaminação direta do cateter e conexões quando manipulados por mãos não higienizadas de forma adequada ou pelo contato com fluidos ou dispositivos (agulhas, etc.) contaminados. 3. Menos comumente, cateteres podem ser colonizados por via hematogênica a partir de outro sítio de infecção. 4. A infusão de líquidos contaminados também pode ser causa de infecção de corrente sanguínea. Fisiopatogenia da infecção. Fonte: Adaptado de: Maki, D. G. In Bennet, J.;Brachman, P.; eds. Jospital Infectios, 3rd ed. Boston: Little, Brown, , reproduzido a partir de :Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea, ANVISA, 2010 Página 4

5 3. MICROBIOLOGIA: Dados americanos indicam que os organismos comumente envolvidos nas ICS são: Staphilococcus coagulase negativo, Staphilococcus aureus, enterococos e cândida sp, gram negativos respondem por 19-21% dos casos (2). 4. ESTRATÉGIA PARA PREVENÇÃO DE INFECÇÕES RELACIONADAS A CATETER INTRAVASCULAR: Evidências indicam que a aplicação simultânea de um conjunto de medidas (bundles) é uma estratégia eficaz para redução de taxas de ICS. Medidas recomendadas para cateter venoso central (CVC): 1. Higienização das mãos. 2. Precauções de barreira máxima: higienização das mãos, uso gorro, máscara, avental, luvas estéreis e campos estéreis grandes que cubram o paciente. 3. Preparo da pele com digliconato de clorexidina. 4. Seleção do sítio de inserção de CVC: utilização da veia subclávia como sítio preferencial para CVC não tunelizado. 5. Revisão diária da necessidade de permanência do CVC, com pronta remoção quando não houver indicação. Página 5

6 5. ROTINA DE INSERÇÃO E MANUTENÇÃO DE CATETERES 5.1 Cateter periférico: Material necessário: Bandeja contendo: - gaze umedecida no álcool a 70%; - gaze seca; - dispositivo de punção periférica com trava de segurança, como abocath; - fita adesiva cortada no comprimento aproximado de 5 cm (4 pedaços); - bandagem adesiva (Stopper), se necessário; - garrote; - luva de procedimento; - soro conectado ao equipo/dânula /intermediário; Descrição do procedimento Preparar bandeja com o material necessário; Higienização das mãos: Deverá ser realizada antes e após tocar o sítio de inserção do cateter, bem como antes e após a inserção, remoção, manipulação ou troca de curativo. Higienização das mãos com água e sabonete líquido quando estiverem visivelmente sujas ou contaminadas com sangue e outros fluidos corporais. Quando não estiverem visivelmente sujas, preparação alcoólica 70% pode ser utilizada. O uso de luvas não substitui a necessidade de higienização das mãos. Confirmar o nome do paciente ao se apresentar para o mesmo; Orientar o paciente e acompanhante quanto à realização do procedimento; Solicitar o auxílio do paciente no posicionamento adequado; Calçar as luvas de procedimento; Seleção do cateter e sítio de inserção: Selecionar o cateter periférico com base no objetivo pretendido, na duração da terapia, na viscosidade do fluido, nos componentes do fluido e nas condições de acesso venoso. Garrotear o membro de escolha do paciente; Avaliar com o paciente o melhor membro para punção: não esteja edemaciado, com paresia ou plegia, esvaziamento ganglionar ou tenha sido irradiado; Certificar-se de que a veia escolhida não está endurecida e que esteja distante de articulações. Página 6

7 Restringir o uso de agulhas de aço para situações como, coleta de amostra sanguínea, administração de dose única ou bolus de medicamentos. Sítios preferenciais: veias das superfícies dorsal e ventral dos membros superiores. Não utilizar membros inferiores como sítio de punção. Preparo da pele: Realizar fricção da pele com solução a base de álcool 70%. Aguarde a secagem (espontânea) antes da punção. Somente uma aplicação é necessária. A degermação previamente à antissepsia da pele é recomendada quando houver necessidade de reduzir sujidade. Neste caso, utilizar o álcool 70%. Utilizar luvas não estéreis para a inserção do cateter venoso periférico. Não tocar o sítio de inserção do cateter intravascular após a aplicação do antisséptico. Se o toque for necessário utilizar luvas estéreis. A remoção dos pelos, quando necessária, deverá ser realizada com tricotomizador elétrico ou tesouras. Abrir o pacote do dispositivo, posicioná-lo com o bisel para cima e puncionar em um ângulo aproximado de 30; Após penetrar na pele, diminuir a angulação e progredir o dispositivo na veia após o aparecimento de sangue no reservatório; Realizar pressão sobre o dispositivo inserido e retirar a agulha gentilmente, conforme o tipo de trava de segurança, e conectar o equipo do soro; Iniciar o gotejamento o soro; Limpar o local da punção com gaze, caso tenha extravasado sangue do paciente; Estabilização: Lembre-se : O sítio de inserção do cateter prevê o acesso direto à circulação, portanto, o produto/material que entra em contato com o sítio de inserção deverá ser estéril. A estabilização do cateter deverá ser realizada utilizando técnica asséptica. Colocar três fitas adesivas cobrindo toda a punção; Utilizar a quarta fita adesiva para prender o equipo do soro no membro do paciente, para evitar que o dispositivo saia da veia; Página 7

8 A estabilização dos cateteres não deverá interferir no seu acesso, na monitorização do sítio de inserção ou impedir a infusão da terapia. Organizar o material; Lavar as mãos OBSERVAÇÕES: Caso o paciente refira ardência no local da punção, certifique-se de que a mesma encontre-se no local correto. Exemplo: abaixar o soro para ver o retorno venoso, conectar uma seringa com 10 ml de SF 0,9% na dânula, tracionar o êmbolo para ver o retorno venoso e após instilar o soro na veia a fim de notar reação do paciente e/ou soroma; Se o paciente permanecer relatando ardência e/ou aparecer soroma no local da punção, retirar o dispositivo imediatamente e repuncionar o paciente; Caso não consiga puncionar o paciente na primeira tentativa, retire o dispositivo, coloque a bandagem adesiva (stopper) no local da punção e tente novamente, de preferência no outro membro; Se o paciente tiver realizado esvaziamento axilar em um membro, este fica impossibilitado de ser utilizado para punção, por exemplo, nos pacientes mastectomizados e com melanoma. Se o paciente tiver realizado esvaziamento axilar em um membro, este membro fica impossibilitado de ser utilizado para punção, sempre sendo puncionado o outro membro. Coberturas: A cobertura deve ser semi-oclusiva (gaze ou fixador) ou membrana transparente semipermeável - MTS. A cobertura deve ser trocada em intervalos pré-estabelecidos. A cobertura deve ser trocada imediatamente, se houver suspeita de contaminação, e sempre quando úmida, solta, suja ou com a integridade comprometida. Proteger o sítio de inserção com plástico durante o banho quando utilizada cobertura não impermeável. Manutenção: Acessos vasculares devem ter sua permeabilidade mantida com cloreto de sódio 0,9% antes e após o uso para promover e manter o fluxo, além de prevenir a mistura de medicamentos e soluções. Examinar o sítio de inserção do cateter no mínimo diariamente. Por palpação através da cobertura para avaliar a sensibilidade e por inspeção por meio da cobertura de MTS em uso. Página 8

9 Remoção do cateter: Cateter periférico instalado em situação de Trocar tão logo quanto possível emergência com comprometimento da técnica asséptica Suspeita de contaminação, complicações, Retirar imediatamente mau funcionamento ou descontinuidade da terapia Cateter de teflon Trocar a cada 72h Cateter de poliuretano Trocar a cada 96h Acesso periférico limitado Considerar manter além de 72-96h conforme avaliação do cateter, da integridade da pele, da duração e do tipo da terapia prescrita sempre registrar no prontuário do paciente. Página 9

10 5.2 Cateter Central: As orientações abaixo se referem à colocação de cateter de curta permanência, particularmente quando esta ocorrer fora do centro cirúrgico. A colocação de cateter totalmente implantável é sempre realizada em centro cirúrgico e segue a rotina do setor. Profissional responsável: Execução: médico Checklist : enfermeiro (a) Material necessário: kit específico Checklist O médico realizou higiene das mãos com preparação alcóolica. Estão sendo utilizadas precauções de barreira máxima : Gorro Luvas estéreis Máscara e óculos Avental Campos estéreis cobrindo o paciente O preparo da pele do paciente foi feito com digliconato de clorexidina 0,5%. O sítio selecionado para inserção foi a subclávia. Caso outro sítio tenha sido escolhido justifique: Tratando-se de procedimento eletivo, a inserção do cateter não deverá ser iniciada até que todos os itens do checklist tenham sido conferidos pelo (a) enfermeiro (a) responsável pelo setor onde o procedimento será realizado e inadequações identificadas tenham sido corrigidas. Cateteres inseridos em situação de emergência e sem a utilização de barreira máxima devem ser trocados para outro sítio assim que possível, não ultrapassando 48 horas. No caso de pacientes em uso de cateter de curta permanência, a necessidade de manutenção do mesmo deve ser avaliada diariamente. Página 10

11 Local de punção: A escolha do sítio de inserção deve considerar tanto o risco de complicações infecciosas como as possíveis complicações mecânicas. Não realizar punção em veia femoral de rotina. Inserção: Higienizar as mãos com preparação alcoólica. Utilizar barreira máxima no momento da inserção, incluindo uso de gorro, máscara, avental estéril de manga longa, luvas estéreis e campo estéril ampliado. Utilizar também óculos de proteção. Profilaxia antimicrobiana: Não há recomendação de administração de profilaxia antimicrobiana. Preparo da pele: A remoção dos pelos, quando necessária, deverá ser realizada com tricotomizador elétrico ou tesouras; Realizar preparação da pele com solução de clorexidina alcoólica 0,5%. A degermação previamente à antissepsia da pele é recomendada quando houver necessidade de redução da sujidade. Cobertura, fixação e estabilização: A estabilização e fixação deve manter técnica asséptica; Usar gaze estéril para cobrir a inserção do cateter; Realizar a limpeza do sítio de inserção com clorexidina alcoólica 0,5% Realizar a troca da cobertura com gaze estéril a cada 72 horas, ou antes, se estiver suja, solta ou úmida. Cateter Semi-Implantáveis ou tunelizados: Após a cicatrização do óstio (em média duas semanas) manter o sítio de inserção descoberto. Manejo e manutenção: Toda manipulação deve ser precedida de higienização das mãos e desinfecção das conexões com solução contendo álcool. Os cateteres venosos centrais de curta permanência: devem ser mantidos com infusão contínua. Em situações extremas de restrição volêmica associada à dificuldade de acesso pode-se utilizá-lo de forma intermitente. Acesso para nutrição parenteral: utilizar via de infusão exclusiva para nutrição parenteral. Página 11

12 Punção de cateter totalmente implantável: Material Necessário: - mesa de Mayo; - solução degermante para uso tópico (digliconato de clorexidina degermante a 2%); - solução antisséptica para uso tópico (digliconato de clorexidina alcóolico a 0,5%); - seringa de 5 ml com SF 0,9%; - seringa de 10 ml com SF 0,9%; - seringa de 10 ml; - agulha Huber curva; - máscara cirúrgica; - pacote de curativo; - luva de procedimento; - luva estéril; - soro conectado ao equipo/dânula/intermediário; - fita adesiva cortada no comprimento aproximado de 10 cm (quatro pedaços); - recipiente para coleta de lixo; Descrição do procedimento: Preparar bandeja com o material necessário; Lavar as mãos; Confirmar o nome do paciente ao se apresentar para o mesmo; Orientar o paciente e acompanhante quanto à realização do procedimento; Solicitar o auxílio do paciente no posicionamento adequado; Observar a privacidade do paciente; Calçar as luvas de procedimento; Colocar a mascara; Dispor o material preparado de forma a facilitar a sequencia de procedimentos; Palpar a área a ser puncionada; Abrir o pacote de curativo; Fazer degermação durante 2 minutos (pode-se usar a mesma torunda); Retirar o excesso de degermante com o soro fisiológico da seringa de 5 ml; Secar; Aplicar a solução antisséptica tópica trocando de pinça; Retirar o excesso com gaze; Posicionar uma gaze seca em cima do cateter do paciente para preserva-lo; Página 12

13 Abrir o pacote da seringa de 10 ml e da agulha Huber seguindo a técnica asséptica e coloca-los sobre o pacote de curativos Calçar luva estéril; Acoplar a seringa de 10 ml na agulha Huber; Realizar a punção, segurando firmente o porte com os dedos indicador e médio e orientando o paciente para que respire fundo durante a punção; Puncionar em ângulo de 90 ; Aspirar aproximadamente 1 ml de sangue; Retirar a seringa de 10 ml; Conectar a seringa de 10 ml com SF 0,9% na agulha Huber e injetar 9 ml; Retirar a seringa; Adaptar a ponta do intermediário a agulha e iniciar o gotejamento; Fazer curativo protegendo a agulha e fixa-lo com a fita adesiva, fixar também o equipo sobre a pele; Organizar o material; Lavar as mãos; Registrar punção e características no livro de Registro de Cateter Totalmente Implantado. OBSERVAÇÕES: Cateteres totalmente implantados são dispositivos que apresentam menores riscos de IPCS. Cateter valvulado não necessita ser aspirado e deverão ser instilados 20 ml de SF 0,9%; Manter a agulha por até sete dias, protegida por cobertura estéril. Garantir estabilização da fixação, evitando mobilização da agulha Huber. Troca/remoção: Não realizar troca pré-programada de cateter venoso central, ou seja, não substituí-lo exclusivamente em virtude de tempo de sua permanência. 5.3 Hipodermóclise: Material necessário: - bandeja - gaze embebida em álcool a 70% - scalp n o 25 ou 27; - fita adesiva tipo micropore; - solução para preenchimento do scalp; Página 13

14 - luva de procedimento - material para tricotomia se necessário. Descrição do procedimento: Lavar as mãos; Preparar o material necessário (preencher o intermediário do scalp com solução); Orientar o paciente e familiar sobre o procedimento a ser realizado; Avaliar a área para punção; Calçar luvas de procedimento Realizar a antissepsia com digliconato de clorexidina alcóolico a 0,5%. Realizar degermação com digliconato de clorexidina degermante a 2 % apenas se sujidade. Realizar prega cutânea utilizando os dedos polegar e médio, a fim de fichar o tecido para punção; Introduzir a agulha com o bizel voltado para cima em uma angulação de 30 0 na linha média da prega; Fixar as asas do escalpe com fita adesiva tipo micropore de modo que local de inserção do escalpe com a pele fique visível para avaliação; Realizar identificação da punção conforme rotina da unidade, data, medicação, assinatura do responsável pela punção e calibre do escalpe. Recolher o material que não será mais utilizado conduzindo-o de forma adequada. Lavar as mãos. OBSERVAÇÕES: Observar a área puncionada, retirando o sítio subcutâneo no caso da presença de granuloma, calor, hiperemia, edema ou a presença de sangue; Realizar a punção observando o local de implantação do sítio, não posicionar o escalpe na região intradérmica ou intramuscular; Áreas irradiadas são desfavoráveis para a punção, assim como regiões adjacentes; Algumas drogas utilizadas no tratamento ao paciente oncológico podem desencadear hipertermia ou prurido que tendem a desaparecer alguns minutos após a administração da droga; A utilização de drogas de forma associada no sítio subcutâneo deve estar sempre baseada na farmacocinética e interação medicamentosa das drogas; Página 14

15 O uso de forma contínua; com administração de fluidos em períodos de tempo requer avaliação do local da punção com maior rigor, visando à detecção de acúmulo no local da infusão. A associação de solução fisiológica ou glicofisiológica com a enzima hialorunidaze na proporção de 500 ml de solução para 1 ml de enzima tem demonstrado na clínica, menor número de casos de acúmulo e saturação da área; Pacientes em uso de terapias anticoagulante ou com quadro de plaquetopenia, devem ser muito bem observados; com reservas para utilização da via terapêutica; Trocar o curativo se solto, sujo ou úmido. Recomenda-se a troca do sítio de inserção na suspeita ou vigência de complicações. 6. SISTEMAS DE INFUSÃO 6.1 Frascos para infusão: Deve conter dados de identificação do produto (data de fabricação e validade, lote, composição), e ainda, possuir dispositivo para a adição de elementos e de fácil manuseio livre de látex e autosselável. É contra indicada a perfuração do frasco semirrígido ou rígido, com objetivo de permitir a entrada de ar. A troca do frasco deve respeitar o tempo de infusão e a estabilidade da solução ou do fármaco reconstituído. 6.2 Equipo para infusão: No caso de equipo com injetor lateral, este deve ser confeccionado com material autosselável, isento de látex, para uso exclusivo com seringas, e adaptador tipo luer lock, na sua porção distal, como medida de segurança para evitar a desconexão acidental. Para utilização em frascos semirrígidos e rígidos, recomenda-se o uso de equipo que contenha respiro com filtro hidrofóbico de 0,22 ų, o injetor lateral se for utilizado, destina-se apenas a conexões com sistema sem agulha do tipo luer lock (seringas, equipos e extensores). Os equipos comuns (macrogotas e microgotas) devem apresentar, na porção proximal, um adaptador na forma pontiaguda para conexão nos frascos e bolsas de solução, uma câmara gotejadora flexível e transparente. Página 15

16 O tubo extensor confeccionado em PVC ou polietileno com comprimento adequado para a necessidade da terapia deve ser transparente e flexível. Para administração de fármacos fotossensíveis, o equipo deverá apresentar coloração âmbar. Presença de filtro na tampa protetora da porção distal do equipo, para eliminação do ar durante o preenchimento do tubo extensor. Sistema de conexão luer lock na porção distal do equipo, para adaptação segura em cateteres, dânulas entre outros. Troca do equipo: Infusão contínua Infusões intermitentes Nutrição parenteral Emulsões lipídicas Administração de sangue e hemocomponentes, antibióticos. Suspeita ou confirmação de ICS 72h 24h 24h 24h Troca a cada bolsa Troca imediata 6.3 Conectores: Devem ser autosseláveis. Devem ser compatíveis com a conexão luer lock. Devem ser preferencialmente transparentes, permitindo a visualização de seu interior e evitando o acúmulo de sangue. Os componentes devem ser isentos de látex. Resistente ao álcool. Permitir alto fluxo de infusão. Nenhum artefato metálico na sua composição, para permitir o uso durante a realização de ressonância magnética. Não ter resistência à infusão lipídica. Compatível com todos os acessórios e sistemas de infusão (sistema de conexão luer lock para adaptação segura em cateteres, dânulas e extensores multivias). Não dificultar a coleta de sangue para exames de laboratório. Realizar desinfecção das conexões com solução alcoólica por meio de fricção vigorosa com, no mínimo, três movimentos rotatórios, utilizando gaze limpa ou sache, sempre antes de acessar o dispositivo. Evitar o vazamento de solução após a desconexão de seringas, equipos, extensores e dânulas. Deve resistir a múltiplos acionamentos. A troca dos conectores: a cada 72h ou imediata na presença de coágulos. Página 16

17 6.4 Dânulas: A troca deve ser realizada juntamente com o sistema de infusão (72h). Presença de coágulos indica troca imediata. As dânulas devem ser confeccionadas com material transparente. O sistema de conexão luer lock deve ser usado para adaptação segura nos cateteres ou extensores. Devem ser utilizados, preferencialmente, conectores sem agulha. As entradas da dânula devem ser cobertas com tampas estéreis. Quando houver necessidade de uso de tampas na dânula, essas devem ser descartadas a cada uso. Realizar desinfecção das conexões com solução alcoólica por meio de fricção vigorosa com, no mínimo, três movimentos rotatórios, utilizando gaze limpa. 6.5 Tubos extensores para infusão: Nos cateteres periféricos pode ser considerado como parte do cateter. Em cateteres centrais a troca do extensor deve ser realizada junto com o sistema de infusão. A troca é imediata na presença de coágulos. O extensor deve ser confeccionado com material transparente, flexível e possuir protetores nas extremidades. A adaptação segura (tipo luer lock) em cateteres e equipos deve ser garantida. 6.6 Extensores multivias: Deve ser confeccionado com material transparente, flexível e possuir protetores nas extremidades. Sistema de conexão luer lock para adaptação segura ao sistema. Deve apresentar pinça corta-fluxo em cada via. A troca deve ser realizada junto com o sistema de infusão. 6.7 Bombas de Infusão: Deve ser realizada a manutenção preventiva de acordo com cronograma estabelecido pelo fabricante. Manter os registros das manutenções. A limpeza e desinfecção da superfície e do painel das bombas de infusão devem ser realizadas a cada 24 horas e na troca de paciente, utilizando água e sabão em caso de sujidade e álcool 70%. A troca de equipos deve ser feita a cada 72h ou imediatamente na presença de coágulos. Página 17

18 7. CUIDADOS COM A MANIPULAÇÃO E PREPARO DE MEDICAÇÃO Não use nenhum frasco de fluido parenteral se a solução estiver visivelmente turva, apresentar precipitação ou corpo estranho. Use frascos de dose individual para soluções e medicações. NUNCA misture as sobras de frascos de uso individual para uso posterior. Se o frasco multidose for utilizado, refrigerá-lo após aberto conforme recomendação do fabricante. Limpe o diafragma do frasco de multidose com álcool 70% antes de perfura-lo. Use um dispositivo estéril para acessar o frasco multidose. Descarte o frasco multidose se a esterilidade for comprometida. O conjunto de agulha e seringa que acessar o frasco multidose deve ser utilizado uma única vez e descartado após o uso em recipiente adequado. Utilizar frasco-ampola de 20 ml para a diluição de cada medicação. NÃO reutilizar sobra do diluente. Página 18

19 Referências 1. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea, Disponível em: manual+final+preven%c3%a7%c3%a3o+de+infec%c3%a7%c3%a3o+da+corre nte.pdf?mod=ajperes 2. Centers for Disease Control and Prevention. Guidelines for the prevention or intravascular catheter-related infections, Disponível em: Página 19

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SCIH SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA Introdução As infecções

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA

GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA GUIA DE APOIO CATETER TOTALMENTE IMPLANTADO IPO DE COIMBRA Este guia contém informações para os doentes com um cateter totalmente implantado (CTI) e para os profissionais de saúde que prestam assistência

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento, com urostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

MATERIAL DE ENFERMAGEM 2

MATERIAL DE ENFERMAGEM 2 Absorvente higiênico Adaptador para agulhas de coleta múltipla MATERIAL DE ENFERMAGEM 2 Absorvente higiênico tipo hospitalar, hipoalergênico, com absorção eficiente e bordas devidamente acabadas, constituído

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão 1 RESPONSÁVEIS Selma Furtado Magalhães Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba Camila Alves Machado Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão EDITORIAL Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara Revisão: Setembro de 2012

Leia mais

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS

DESCRIÇÃO AÇÕES AGENTES REFERÊNCIAS SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prevenir lesão de pele e promover higiene e conforto ao estomizado. 2. APLICAÇÃO: Pacientes internados, ambulatoriais e de pronto atendimento com colostomia ou ileostomia. 3. RESPONSABILIDADE:

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 52121 - COMANDO DO EXERCITO 160322 - HOSPITAL CENTRAL DO EXERCITO/RJ RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - CUBA APARELHO - USO LABORATÓRIO EQUIPO DE INFUSÃO

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

Dicas práticas para conjuntos de infusão

Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Dicas práticas para conjuntos de infusão Inserção da cânula Para inserir a cânula no organismo, é necessário fazer uma prega na pele para que ela fique tensionada.

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Norma: 01/2013 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Para: Diretor Presidente, Diretor de Processos Médicos, Diretor Administrativo-financeiro,

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO - HNSC Administração de Medicamentos Injetáveis ENFª GRAZIELLA GASPAROTTO BAIOCCO ORIENTAÇÕES HOSPITAL GERAIS FÊMINA

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A Capítulo IV- Pinhole Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A câmera pode ser construída de forma artesanal utilizando materiais simples. O nome

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses)

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) A influência do cuidado préoperatório e pós operatório para prevenir infecções Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) Prática Baseada em Evidências Uso consciente, explícito

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Enfermeiro Adilson Adair Böes Enfermeiro João de Deus Reck Lima Junior Rotina

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 26232 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 150247 - COMPLEXO HOSPITALAR E DE SAUDE DA UFBA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO EXTENSOR

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00030/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00030/2013-000 SRP 36000 - MINISTERIO DA SAUDE 250042 - HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00030/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO Descrição Detalhada: EXTENSOR

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 21/2014 Data de emissão: Março/2014 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 29/04/2014 Setor Centros de Saúde Tipo Assistencial TAREFA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA Executante

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis

ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis Agulhados ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Dispositivos intravenosos periféricos: Flexíveis ACESSO VENOSO CENTRAL: Dispositivos totalmente implantáveis Dispositivos Percutâneos Projeto coordenado pela profa. Dra.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

Sondas e Cateteres em 100% Silicone

Sondas e Cateteres em 100% Silicone B PF P Sondas e Cateteres em 100% Silicone CLASSE: I / II / III / IV Fabricado no Brasil 1113 BOTÃO PARA GASTROSTOMIA PERCUTÂNEA Cód. 3 TUBO DE EXTENSÃO PARA ALIMENTAÇÃO E DESCOMPRESSÃO DE BOTON Cód. TE3-03

Leia mais

CUIDADOS COM A PELE DO

CUIDADOS COM A PELE DO CUIDADOS COM A PELE DO ENFERMAGEM RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A pele do recém-nascido (RN) apresenta algumas peculiaridades que a

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS ATA 01

REGISTRO DE PREÇOS ATA 01 ELETRÔNICO Nº: ATA 01 : Registro de preços consignado em ata para aquisição de equipos e extensores para atender a demanda de forma contínua do HOB, conforme especificação técnica contida no Anexo I do

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 1. OBJETO: 2.1. Eventual AQUISIÇÃO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR (sondas, cânulas, tubos e drenos), destinados a atender as Unidades de Saúde do Estado de Roraima, conforme descrição neste Termo de Referência.

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM A. ANTISSEPSIA 1 - INTRODUÇÃO Antissepsia é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele ou em outros tecidos vivos. É realizada através de antissépticos que são formulações

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL Protocolo: Nº 51 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha Luiz Ernani

Leia mais

5Manutenções no Sistema de

5Manutenções no Sistema de Manutenção Preventiva dos Filtros do Ar A manutenção adequada deve incluir, também, uma inspeção completa dos sistemas. Todas as conexões, as tubulações ou dutos entre o filtro e o motor devem ser mantidos

Leia mais

PERFUROCORTANTES RÍGIDO

PERFUROCORTANTES RÍGIDO COLETOR PARA RESÍDUOS TÓXICOS Fabricado com plástico rígido proporcionando segurança e fácil limpeza Sistema de fechamento que garante a vedação da tampa evitando o escape do resíduo Translúcido, permite

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.00 03082011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Antes da utilização, é muito importante que você leia atentamente o manual de instruções, estas informações ajudam a prevenir acidentes e utilizar

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

RENASYS G ESTÉRIL KIT BÁSICO DE CURATIVOS DE GAZE

RENASYS G ESTÉRIL KIT BÁSICO DE CURATIVOS DE GAZE INSTRUÇÕES DE USO RENASYS G ESTÉRIL KIT BÁSICO DE CURATIVOS DE GAZE Descrição do produto O Renasys G Estéril - Kit Básico de Curativos é usado em conjunto com os Sistemas de Terapia por Pressão Negativa

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10 ANEXO 1 Nº Item Especificação UND QUANT P. Unit P. Total 1 Abocath n º 22 2 Abocath nº 20 3 Agulha descartável Cateter periférico de uso único, descartavel, confeccionado com terflon, radiopaco, indicado

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária guiada com uso de dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida e unidade estereotáxica adaptada

Leia mais

Portfolio de Segurança

Portfolio de Segurança Portfolio de Segurança Portfolio de Segurança Soft-Man Space Polifix com Safeflow Ecoflac Plus Intrafix Safeset t e m p o d e segurança Introcan Safety O ambiente hospitalar é composto por pacientes de

Leia mais

ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO

ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO. Nome Comercial: ZINNANTI- MANIPULADOR UTERINO 4,5mm x 33cm. Registro ANVISA nº: 80160409010. DISTRIBUIDOR: BIOSAT PRODUTOS MÉDICOS E ODONTOLÓGICOS

Leia mais

SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER

SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER Dilatadores Manual do Usuário Sondas Dilatadoras Amplatz EndoMaster Rev.00 E-MED PRODUTOS MÉDICO-HOSPITALARES LTDA. Rua André de Leão, 77 - CEP 04762-030 Vila Socorro

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP 26241 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA 153808 - HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPO ESPECIAL EQUIPO ESPECIAL, APLICAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos GIPEA/GGTES/ANVISA AGÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE FUNCIONAMENTO MANUAL DE FUNCIONAMENTO Prezado cliente, Nossas embaladoras são desenvolvidas para oferecer economia e, melhoria na apresentação de seus produtos, levando aos consumidores garantia de maior durabilidade

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 1 em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 2 CONTEÚDO - Pessoal e Local - Receita - Medicação - Sala de Aplicação - Higienização

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 064/2014 Aquisição de Material Médico - Equipos e Acessórios Diversos ADJUDICAÇÃO Com base no resultado da ata e no Parecer Técnico referente o julgamento das amostras apresentadas,

Leia mais

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário 110228-002 Guia do usuário Impressora microflash 2te: visão superior... 1 Utilização da bateria: orientações gerais... 2 Carregamento da bateria... 2 Determinação da condição da bateria... 2 Instalação

Leia mais

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG EENF CURSO DE GRADUAÇÃO Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia Profª Marta Riegert Borba - 2012 8. ASSEPSIA 8.1

Leia mais

Ponto O sistema auditivo de condução óssea da Oticon Medical. Guia de Cuidado do Ponto

Ponto O sistema auditivo de condução óssea da Oticon Medical. Guia de Cuidado do Ponto Ponto O sistema auditivo de condução óssea da Oticon Medical Guia de Cuidado do Ponto Parabéns Nas primeiras semanas após a cirurgia, é muito importante cuidar muito bem da pele ao redor do local do implante.

Leia mais

Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão. Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA

Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão. Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA Administração de Quimioterápicos: Tempo e Ordem de Infusão Enfa. Ms. Shirlei Ferreira HUPE/UERJ INCA Via Endovenosa Principais Complicações: Infecção; Flebite; Formação de vesículas ou necrose quando extravasado,

Leia mais

A PESQUISA DE PLASMÓDIO

A PESQUISA DE PLASMÓDIO Capítulo 3 A PESQUISA DE PLASMÓDIO PELA MICROSCOPIA A pesquisa de plasmódio pela microscopia pode ser feita tanto na gota espessa de sangue como em esfregaço delgado. Dependendo do objetivo do trabalho,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POPE: H-08 Página 1 de 9 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome:. Modelo: DM96 1.2 Número de série 31855 1.3 Número de patrimônio: N/A. 1.4 Data de aquisição: N/A. 1.4.1 Entrada no setor: 25/06/13 1.4.2

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter. MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504

INSTRUÇÕES DE USO. BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter. MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504 INSTRUÇÕES DE USO BOLSA COLETORA DE URINA SISTEMA FECHADO PARA DRENAGEM URINÁRIA - UROZAMM SFDH Meter MODELO: UROZAMM SFDH Meter 152504 1. INDICAÇÃO DO PRODUTO: Produto indicado para drenagem e coleta

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ANEXO II ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ITEM CORRELATO

Leia mais

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital?

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? Cartilha de Segurança do PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? CARO PACIENTE, Esta Cartilha foi desenvolvida para orientá-lo sobre

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS MANUAL DO UTILIZADOR www.praxair-crd.pt Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS 800 201 519 Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 3 Sistema de Nebulização

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.03 29112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

INTRODUÇÃO. Nesta apostila são apresentados os procedimentos de recarga para cerca de 99% dos cartuchos utilizados no mercado.

INTRODUÇÃO. Nesta apostila são apresentados os procedimentos de recarga para cerca de 99% dos cartuchos utilizados no mercado. INTRODUÇÃO A recarga é um procedimento que deve ser feito com muito cuidado e atenção, depende diretamente das condições de uso de seu cartucho original. Nesta apostila são apresentados os procedimentos

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepitel Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso correspondente. Não utilize instrução de uso com versão diferente

Leia mais