Instituto Vianna Júnior Faculdade de Ciências Econômicas Vianna Júnior Curso Superior de Tecnologia em Desenvolvimento Web

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Vianna Júnior Faculdade de Ciências Econômicas Vianna Júnior Curso Superior de Tecnologia em Desenvolvimento Web"

Transcrição

1 Instituto Vianna Júnior Faculdade de Ciências Econômicas Vianna Júnior Curso Superior de Tecnologia em Desenvolvimento Web Profª. Lúcia Helena de Magalhães Profª. Lúcia Helena de Magalhães Especialista em Desenvolvimento de Aplicações Para Web Especialista em Matemática e Estatística Mestranda em Computação de Alto Desempenho / Sistema Computacionais

2 Não se mede o valor de um homem Pelas suas roupas Ou pelos bens que possui. O verdadeiro valor de um homem É o seu caráter, Suas idéias E a nobreza do seus ideais. Charles Chaplin 1

3 INDICE 1. INTRODUÇÃO O que é PHP? O que pode ser feito com PHP? Como surgiu a linguagem PHP? Razões para se usar PHP Sintaxe Básica Delimitando o código PHP Separador de instruções INICIANDO COM O PHP Noções básicas O que são scripts Como inserir comentário em um script Como exibir textos em um navegador Como enviar códigos HTML dentro de um script PHP Como enviar códigos HTML que contenham aspas MANIPULAÇÃO DE DADOS Conceito de variável Como dar nomes a variáveis CONSTANTES TIPOS DE DADOS DO PHP Numéricos Alfanuméricos Boolean Array Operadores Operadores Aritméticos Operadores de strings Operadores de atribuição Operadores Lógicos Comparação Expressão condicional Operadores de incremento e decremento Como fazer operações com variáveis de mesmo nome Prioridades dos cálculos Trabalhando com variáveis alfanuméricas Armazenando strings Como concatenar strings Como descobri o comprimento de uma string Como eliminar espaços em branco finais e iniciais de uma string Como converter caixas de texto Substrings Utilizando arrays (matrizes) Trabalhando com matrizes Usando matrizes para construir a página que exibe o dia da semana FORMULÁRIOS OPERAÇÕES CONDICIONAIS E LOOPS Estruturas de Controle Blocos Comandos de seleção If Else Switch Comandos de repetição while do... while For Continue

4 8 FUNÇÕES Função date( ) Os parâmetros da função date( ) BANCO DE DADOS MYSQL O que é um banco de dados Tabelas de dados Por que usar banco de dados na Internet Noções básicas de MySQL Como abrir um banco de dados para uso Como exibir as tabelas de um banco de dados Como exibir os campos de uma tabela Como exibir os dados de uma tabela Trabalhando com banco de dados O include em PHP LINGUAGEM SQL INSTRUÇÃO SELECT A instrução SELECT do SQL A cláusula WHERE A cláusula INNER JOIN... ON A cláusula ORDER BY Funções estatísticas A cláusula GRUP BY Pesquisando com formulários A INSTRUÇÃO INSERT A INSTRUÇÃO UPDATE A INSTRUÇÃO DELETE

5 1. INTRODUÇÃO 1.1 O que é PHP? PHP é uma linguagem que permite criar sites WEB dinâmicos, possibilitando uma interação com o usuário através de formulários, parâmetros da URL e links. A diferença de PHP com relação a linguagens semelhantes a Javascript é que o código PHP é executado no servidor, sendo enviado para o cliente apenas html puro. Desta maneira é possível interagir com bancos de dados e aplicações existentes no servidor, com a vantagem de não expor o código fonte para o cliente. Isso pode ser útil quando o programa está lidando com senhas ou qualquer tipo de informação confidencial. 1.2 O que pode ser feito com PHP? Coletar dados de um formulário, gerar páginas dinamicamente ou enviar e receber cookies. PHP também tem como uma das características mais importantes o suporte a um grande número de bancos de dados, como dbase, Interbase, msql, mysql, Oracle, PostgreSQL e vários outros. Construir uma página baseada em um banco de dados torna-se uma tarefa extremamente simples com PHP. Além disso, PHP tem suporte a outros serviços através de protocolos como IMAP, SNMP, NNTP, POP3 e, logicamente, HTTP. Ainda é possível abrir sockets e interagir com outros protocolos. Hoje o PHP é suportado pela grande maioria dos Web Servers, como Apache, Microsoft IIS, Microsoft PWS e iplanet. 1.3 Como surgiu a linguagem PHP? A linguagem PHP foi concebida durante o outono de 1994 por Rasmus Lerdorf. As primeiras versões não foram disponibilizadas, tendo sido utilizadas em sua home-page apenas para que ele pudesse ter informações sobre as visitas que estavam sendo feitas. A primeira versão utilizada por outras pessoas foi disponibilizada em 1995, e ficou conhecida como Personal Home Page Tools (ferramentas para página pessoal). Era composta por um sistema bastante simples que interpretava algumas macros e alguns utilitários que rodavam por trás das home-pages: um livro de visitas, um contador e algumas outras coisas. 4

6 1.4 Razões para se usar PHP Existem inúmeras razões para se usar a linguagem PHP. As principais são: PHP é gratuito O PHP não custa nada, é totalmente gratuito. PHP é embutido O PHP pode ser embutido dentro do próprio HTML, podendo ser facilmente adicionado ao código produzido por editores HTML gráficos como o DreamWeaver. PHP é compatível com outras plataformas O PHP pode ser instalado e executado de forma nativa em cada versão mais popular do Unix, Linux e Windows. Ele é compatível com os mais importantes servidores Web do mercado, como o Apache, o IIS e o Netscape. PHP é estável O servidor não precisa ser reinicializado com freqüência e que o software não sofre alterações e incompatibilidades radicais entre diferentes versões. PHP é rápido O PHP é muito mais rápido que os scripts de CGI em quase todas as finalidades. PHP é aberto Além da vantagem do custo zero de softwares de código aberto, outra conseqüência importante desta característica é que o código-fonte completo para qualquer distribuição. A vantagem mais imediata é que você pode compilar o PHP com somente aquilo que você precisa, aumentando a velocidade e a segurança. PHP trabalha bem com outros protocolos A conectividade de banco de dados é especialmente forte, com suporte nativo para aproximadamente 15 dos mais populares servidores de banco de dados, além do ODBC. Além disso, o PHP suporta um número grande de protocolos como POP3 e IMAP. PHP é popular PHP está se tornando rapidamente uma das escolhas mais populares para o chamado desenvolvimento de dois níveis (Web e dados). 5

7 1.5 Sintaxe Básica Delimitando o código PHP O código PHP fica embutido no próprio HTML. O interpretador identifica quando um código é PHP pelas seguintes tags: comandos <script language= php > comandos </script> <? comandos <% comandos %> O tipo de tags mais utilizado é o terceiro, que consiste em uma abreviação do primeiro. Para utilizá-lo, é necessário habilitar a opção short-tags na configuração do PHP. O último tipo serve para facilitar o uso por programadores acostumados à sintaxe de ASP. Para utilizá-lo também é necessário habilitá-lo no PHP, através do arquivo de configuração php.ini. 1.6 Separador de instruções Entre cada instrução em PHP é preciso utilizar o ponto-e-vírgula, assim como em C, Perl e outras linguagens mais conhecidas. 6

8 2 INICIANDO COM O PHP 2.1 Noções básicas O que são scripts Para transformarmos uma página estática em dinâmica, usamos um recurso que consiste na inserção de pequenos programas em um documento HTML. A esses programas damos o nome de scripts. No exemplo a seguir temos uma página simples, escrita em HTML. Como esse documento foi escrito somente utilizando HTML, sempre que for aberto no navegador, verá a frase: Olá! Hoje é 05/08/05, mesmo que você esteja visualizando essa página em outra data, pois, o HTML gera páginas estáticas. <head> <title>exemplo1</title> </head> <body> <b>olá! Hoje é 05/08/05</b> </body> </html> Vamos dar um pouco de vida ao exemplo anterior, inserindo um pequeno programa (script) para que exiba a data real em seu navegador. Exemplo1: <head> <title>exemplo1</title> </head> <body> <b>olá! Hoje é </b> echo date( d/m/y ); </body> </html> 7

9 Visualização do exemplo1: Veja como um simples script deu vida à sua página, transformando-a de estática em uma página dinâmica. 05/8/07 Todo script em PHP é sempre iniciado por intermédio da tag. Desta maneira, tudo aquilo que estiver entre estas tags será interpretado como sendo um script em PHP. Os scripts em PHP também podem ser iniciados por <script languagem=php e finalizados por </script> Exemplo: <script languagem=php> echo date( d/m/y ); </script> OBS.: Os códigos fonte desses scripts não serão visualizados no computador do cliente, pois eles foram previamente processados pelo servidor ao navegador como sendo uma página HTML pura, exatamente o contrário do que ocorre com o JavaScript, cujos scripts são processados pelo navegador do cliente, permitindo visualizar seus códigos fonte. Se a página possuir scripts em PHP ou ASP, eles não serão visualizados, mas sim seu resultado final em HTML Se for visualizado o código fonte do laboratório anterior, terá como resultado: <head> <title>exemplo1</title> </head> <body> <b>olá! Hoje é </b> 03/08/07</body> </html> 8

10 2.1.2 Como inserir comentário em um script Comentário de uma única linha São iniciados com duas barras de divisão consecutivas // ou #. Exemplo2: <head> <title>exemplo1</title> </head> <body> <b>olá! Hoje é </b> // A linha seguinte exibe a data atual do servidor echo date( d/m/y ); </body> </html> Comentário com mais de uma linha Possuem uma marca de início de comentário, iniciada com uma barra de divisão seguida de um asterisco /*, e uma marca de fim de comentário iniciada com um asterisco seguido de uma barra de divisão /. As linhas compreendidas entre /* e */ não serão executadas pelo navegador Como exibir textos em um navegador Trata-se de uma das operações mais triviais de uma linguagem de programação. Em PHP, usamos a instrução echo seguida pelo texto a ser exibido entre aspas. Exemplo3: <body> echo Esta frase foi impressa por intermédio da instrução echo do PHP ; </body> </html> 9

11 Visualização do exemplo3: Como enviar códigos HTML dentro de um script PHP Uma das coisas realmente úteis da linguagem PHP é a possibilidade de inserir tags HTML em seus scripts, mesclando instruções PHP com as tags do HTML. Exemplo4: <body> echo <b>olá, Amigos!</b>Bem-vindo ao PHP. ; </body> </html> Visualização do exemplo4: Como enviar códigos HTML que contenham aspas Existem situações em que as tags HTML também contêm aspas, como, por exemplo: <font color = #FF0000 >. Neste caso, a simples inclusão destas aspas em um script PHP provoca um erro na sua execução, pois a própria instrução echo() exige que seu complemento esteja entre aspas. Par solucionar este problema, usamos uma barra invertida (\) antes de cada uma das aspas contidas em uma tag HTML. 10

12 Exemplo5: <body> echo <b><font color = \ #FF0000\ > Olá, Amigos!</b></font>Bem-vindo ao PHP. ; </body> </html> Visualização do exemplo5: Exercício Crie uma página com os conhecimentos adquiridos até o presente momento, contendo um script PHP que exiba o resultado da figura abaixo em seu navegador. Insira as tags HTML em instruções echo. Escreva a frase Olá, amigos, centralizado na linha, com fonte arial, tamanho 4 e cor vermelha. Insira uma linha horizontal abaixo da frase Olá, Amigos (Use a tag <hr>). Escreva a frase Seja bem-vindo ao PHP como fonte arial, tamanho 6 e cor preta. 11

13 3 MANIPULAÇÃO DE DADOS 3.1 Conceito de variável Uma variável pode ser considerada uma caixa na qual guardamos um determinado valor, e sempre que quisermos usar esse valor, é só buscá-lo na referida caixa. As variáveis se constituem a essência de qualquer programa, sendo que os valores nelas contidos podem ser alterados, exibidos em uma página Web, enviados a um banco de dados, por , etc. Veja a seguir, algumas regras básicas para o uso de variáveis. Para que o computador saiba em qual caixa deve buscar um valor armazenado, é necessário darmos um nome a essa caixa (variável); O valor atribuído a uma variável pode ser definido pelo próprio programador, pelo resultado de um determinado cálculo dentro do programa ou por uma entrada de dados de um formulário. Uma variável pode armazenar somente um valor de cada vez. 3.2 Como dar nomes a variáveis É muito importante entender as regras definidas para o uso de variáveis em PHP, principalmente por ser esta linguagem case-sensitive. Para nomear as variáveis, algumas regras devem ser seguidas: Em PHP, todas as variáveis são obrigatoriamente iniciadas com o símbolo $ (cifrão), seguido pelo seu nome propriamente dito; Nunca inicie o nome de uma variável com um número. As variáveis somente podem ser iniciadas com uma letra ou um underscore ( _ ), ignorando o símbolo cifrão ($) que não é exatamente parte do nome da variável, mas sim uma imposição da linguagem PHP. Como exemplo para nome de variáveis, temos: $titulo, $_autor, etc. Você não pode usar: $1titulo, $3autor, etc. Procure usar variáveis de nomes curtos e que lembrem seu significado; Os nomes de variáveis não podem conter espaços em branco ou símbolos ( -, *, +, etc) Exemplo: $titulo Livro, nome+autor. O correto é $titulolivro, nomeautor. Para atribuir um valor a uma variável, usa o sinal de igualdade ( = ), seguido pelo valor a ser armazenado na variável. Os valores alfanuméricos (strings) a serem armazenados em uma variável devem estar sempre entre aspas ( ). Essas variáveis armazenam qualquer tipo de informação (letras, números e símbolos) desde que estejam entre aspas. 12

14 Valores numéricos são armazenados sem o uso das aspas. Ao contrário do que ocorre com muitas linguagens de programação, você não precisa definir uma variável para usá-la; basta atribuir um valor diretamente a ela, e a partir deste instante ela será automaticamente criada. Para exibir o conteúdo de uma variável em seu navegador, use a instrução echo. Exemplo: echo $titulo Exemplo 6: PHP com variáveis <body> $A = 5; $B = meu valor é 6 alfanumérico, e não numérico, pois estou entre aspas ; echo O valor da variável A é: $A <br> ; echo o valor da variável B é: $B ; <p>esta é minha página usando variáveis</p> </body> </html> Visualização do exemplo 6: 13

15 4 CONSTANTES Uma constante armazena um valor como uma variável, mas seu valor é configurado uma vez e então não pode ser alterado em outra parte no script. As constantes não mudam durante a execução do código e, por convenção, são declaradas com letras maiúsculas e sem o $ (cifrão) A constante pode ser definida utilizando a função define. Exemplo1: define ( CONSTANTE, Alô mundo. ); echo CONSTANTE; Exemplo2: $quantidade=5; define ("PRECO", "10"); $total = PRECO * $quantidade; echo "O preço total de 5 cadernos é <font color = red> R$ ".$total. " reais "; 5 TIPOS DE DADOS DO PHP 5.1 Numéricos Existem dois tipos de dados numéricos que podem ser armazenados em uma variável: Números inteiros ou absolutos e números fracionários, também conhecidos como ponto flutuante. Exemplos de variáveis que contêm números inteiros (Integer) $A = 21; $B = ; Exemplos de variáveis que contêm número fracionários (Float também chamado de double) $A = 21.6; $B = ; 14

16 5.2 Alfanuméricos Os dados alfanuméricos, também conhecidos por strings contêm uma cadeia de caracteres que podem ser simples letras ou palavras, até frases inteiras. De um modo geral, tudo aquilo que estiver entre aspas será interpretado como sendo um texto a ser armazenado em uma variável, mesmo que este texto seja um simples número. $A = Olá, amigos! ; $B = Boolean Utilizado para valores verdadeiros ou falsos 5.4 Array Utilizado para armazenar vários itens de dados do mesmo tipo, ou seja, uma variável do tipo array armazena mais de um valor ao mesmo tempo. 5.5 Operadores Operadores Aritméticos Só podem ser utilizados quando os operandos são números (integer ou float). Se forem de outro tipo, terão seus valores convertidos antes da realização da operação. Operador Operação + adição - subtração * multiplicação / divisão % Resto da divisão Operadores de strings Só há um operador exclusivo para strings:. concatenação Operadores de atribuição Existe um operador básico de atribuição e diversos derivados. Sempre retornam o valor atribuído. No caso dos operadores derivados de atribuição, a operação é feita entre os dois operandos, sendo atribuído o resultado para o primeiro. A atribuição é sempre por valor, e não por referência. 15

17 Utilização Equivalente a Operador += atribuição com adição $a +=$b $a = $a + $b -= atribuição com subtração $a -=$b $a = $a - $b *= atribuição com multiplicação $a *=$b $a = $a * $b /= atribuição com divisão $a /=$b $a = $a / $b %= atribuição com módulo $a %=$b $a = $a % $b.= atribuição com concatenação $a. =$b $a = $a. $b Exemplo: $a = 7; $a += 2; // $a passa a conter o valor Operadores Lógicos Utilizados para inteiros representando valores booleanos and e lógico or ou lógico xor ou exclusivo! não (inversão) && e lógico ou lógico Existem dois operadores para e e para ou porque eles têm diferentes posições na ordem de precedência Comparação As comparações são feitas entre os valores contidos nas variáveis, e não as referências. Sempre retornam um valor booleano. == igual a!= diferente de < menor que > maior que <= menor ou igual a >= maior ou igual a Expressão condicional Existe um operador de seleção que é ternário. Funciona assim: 16

18 (expressao1)?(expressao2):( expressao3) O interpretador PHP avalia a primeira expressão. Se ela for verdadeira, a expressão retorna o valor de expressão2. Senão, retorna o valor de expressão Operadores de incremento e decremento ++ incremento -- decremento Podem ser utilizados de duas formas: antes ou depois da variável. Quando utilizado antes, retorna o valor da variável antes de incrementá-la ou decrementá-la. Quando utilizado depois, retorna o valor da variável já incrementado ou decrementado. Exemplos: $a = $b = 10; // $a e $b recebem o valor 10 $c = $a++; // $c recebe 10 e $a passa a ter 11 $d = ++$b; // $d recebe 11, valor de $b já incrementado Como usar os operadores aritméticos Exemplo 7: <body> $A = 25; $B = 2; $C = $A + $B; $D = $A / $B; $E = $A % $B; $F = $D * 3; echo O valor de A é: $A <br> ; echo o valor da variável B é: $B<br> ; echo A+B é igual a: $C <br> ; echo A/B é igual a: $D <br> ; echo O resto de A/B é igual a: $E <br> ; echo D*3 é igual a: $F <br> ; 17

19 <p>esta é minha página usando variáveis</p> </body> </html> Visualização do exemplo7: 5.6 Como fazer operações com variáveis de mesmo nome O PHP permite efetuar operações com variáveis de mesmo nome. Neste caso, o valor armazenado na variável será o correspondente ao da última operação efetuada. Exemplo 8: <body> $A = 5; echo O valor da variável A é: $A <br> ; $A = $A + 6; echo Agora, o valor atual da variável A é: $A ; </body> </html> Visualização do exemplo 8: 18

20 5.7 Prioridades dos cálculos A prioridade adotada nos cálculos em PHP segue de acordo com as mesmas regras matemáticas, ou seja, os cálculos são executados de acordo com a seguinte ordem: Parênteses divisão multiplicação adição subtração. Exemplo 9: <body> $A = 2+4*5; $B = (2 + 4) *5; echo O valor da variável A é: $A <br> ; echo o valor da variável B é: $B ; </body> </html> Exemplo 9: Resumo de Precedência de operadores Para evitar erros de lógica em seus programas é fundamental que você conheça a ordem utilizada pelo PHP para tratar os operadores. È importante lembrar que primeiro o PHP executará todas as operações que estiverem entre parênteses. Se dentro do parênteses houver diversas operações, a precedência de operadores será utilizada para definir a ordem. Depois de resolver todas as operações que aparecem entre parênteses, o PHP resolverá o resto da expressão baseando-se na tabela anterior para determinar a ordem de avaliação dos operadores. Quando houver operadores de mesma prioridade em uma expressão, e não existirem parênteses, o PHP resolverá a expressão da esquerda para a direita. A tabela a seguir mostra a ordem decrescente de precedência que o PHP segue ao encontrar diversos operadores no programa: 19

21 Operador Descrição -! Negativo, não lógico, incremento e decremento * / % Multiplicação, divisão e resto da divisão + -. Adição, subtração e concatenação > < >= <= Maior, menor, maior ou igual, menor ou igual ==!= <> Igual e diferente & AND binário ^ XOR binário OR binário && AND lógico OR lógico = += -= *= /= %= &= ^= Operadores de atribuição AND AND lógico (de menor prioridade) XOR XOR lógico (de menor prioridade) OR OR lógico (de menor prioridade) 5.8 Trabalhando com variáveis alfanuméricas Armazenando strings As strings são armazenadas em variáveis de memória, sendo que seu conteúdo deve estar obrigatoriamente entre aspas. Exemplo: $A = Olá, pessoal! $B = Sejam bem vindos ao PHP $C = Como concatenar strings A concatenação de strings, também conhecida como junção de strings, é o processo usado para unir dois ou mais strings, ou seja, ou seja, o final de um com o início de outro. Para concatenar strings no PHP, usamos o ponto (. ) como sendo o operador de concatenação. Exemplo 10 20

22 <body> $A = Olá, pessoal! ; $B = Sejam bem vindos ao PHP ; $C = $A. $B ; echo $C <br> ; </body> </html> Visualização do exemplo 10: Como descobri o comprimento de uma string O PHP possui uma função interna que permite calcular o comprimento, em número de caracteres, de uma variável alfanumérica. Ao escrever seus scripsts, verá que em muitos casos esta propriedade pode ser útil. Ela é definida por strlen(). Exemplo 11: <body> $A = Olá, pessoal! ; $B = Sejam bem vindos ao PHP ; $C = strlen($a); $D = strlen($b); echo A variável A possui $C caracteres<br> ; echo A variável B possui $D caracteres<br> ; </body> </html> 21

23 Visualização do exemplo 11: Como eliminar espaços em branco finais e iniciais de uma string Imagine uma página que contenha um formulário para o cadastramento de um usuário. Em um determinado campo, deve ser inserida uma senha. Se por algum engano em espaço em branco for inserido ao final da senha, esse mesmo espaço será considerado um caractere e enviado ao banco de dados. Ao ser solicitada a senha, certamente o usuário não digitará o espaço em branco ao final dela, neste caso, ele não teria acesso a serviços exclusivos para usuário cadastrado. Para contornar este problema, o PHP fornece uma função que tem por objetivo eliminar os espaços em branco iniciais e finais contidos em uma string, denominada trim(). Exemplo 12: <body> $A = Olá, pessoal! ; $B = trim ($A) ; $C = strlen($a); $D = strlen($b); echo A variável A possui $C caracteres<br> ; echo A variável B possui $D caracteres<br> ; </body> </html> 22

24 Visualização do exemplo 12: Como converter caixas de texto A conversão de caixas de uma string permite converter todo o seu conteúdo em letras maiúsculas ou minúsculas. Isto é feito por intermédio de duas funções em PHP: strtoupper( ): Converte todos os caracteres contidos em uma string em letras maiúsculas. strtolower( ): Converte todos os caracteres contidos em uma string em letras minúsculas. Exemplo 13: <body> $A = Olá, pessoal! ; $B = strtoupper ($A); $C = strtolower($a); $D = strlen($b); echo $B<br> ; echo $C; </body> </html> Visualização do exemplo 13: 23

25 5.8.6 Substrings Pode-se definir uma substring como sendo parte de uma string. No PHP, uma substring é manipulada pela função substr( ), acompanhando a seguinte sintaxe: Substr (PosiçãoInicial, NumerodeCaracteres) Em que: PosiçãoInicial especifica a posição do primeiro caractere contido na string, a partir da qual a sequência de caracteres é retornada. Em uma string, a posição do primeiro caractere recebe o número 0. NúmerodeCaracteres especifica i número de caracteres contido na string a ser retornado. Exemplo: $Pais = BRASIL $B = substr($pais, 0,2) retorna BR $C = substr($pais, 3,1) retorna S Exemplo 14: Trabalhando com substrings <body> $A = Brasil ; $B = substr($a, 0,2); $C = substr($a, 2,2); $D = substr($a, 3,1); echo $A<br> ; echo $B<br> ; echo $C<br> ; echo $D; </body> </html> Visualização do exemplo 14: 24

26 Exemplo 15: Aplicação prática com substrings Formatando o campo de um formulário que deve conter o CNPJ seguindo o modelo xx.xxx.xxx/xxxx-xx. <body> $CNPJ = ; $CNPJformatado = substr($cnpj, 0,2)... substr($cnpj, 2,3)... substr($cnpj, 5,3). /. substr($cnpj, 8,4). -. substr($cnpj, 12,2); echo O CNPJ não formatado é: $CNPJ<br> ; echo O CNPJ formatado é: $CNPJformatado<br> ; </body> </html> Visualização do exemplo 15: 5.9 Utilizando arrays (matrizes) As variáveis que vimos anteriormente são variáveis que armazenam um único valor. Um array é uma variável que armazena um conjunto ou seqüência de valores. Cada elemento da matriz é relacionado a um índice, assim, pode se usar elementos de uma matriz referindo-se a eles através de seu número de índice. 25

27 Exemplo: Obs: Não é preciso utilizar apenas números como índices de uma matriz, é possível também usar strings. Exemplo: Trabalhando com matrizes Ao contrário do que ocorre com muitas linguagens de programação, você não precisa declarar uma matriz para usá-la em seu programa. Para armazenar em uma matriz o nome dos dias da semana, podemos usar a seguinte Sintaxe: $diasemana[0] = Domingo ; $diasemana[1] = Segunda-feira ; $diasemana[2] = Terça-feira ; $diasemana[3] = Quarta-feira ; $diasemana[4] = Quinta-feira ; $diasemana[5] = Sexta-feira ; $diasemana[6] = Sábado ; Usando matrizes para construir a página que exibe o dia da semana O PHP possui uma função denominada date( ) com uma série de parâmetros que manipulam datas. Por ora, apenas se preocupe em saber que o parâmetro w retorna um número entre 0 e 6 correspondente aos dias da semana. Assim, se o dia for Domingo, o valor retornado será 0. Exemplo 16: 26

28 <body> $hoje = Date( w ); $diasemana[0] = Domingo ; $diasemana[1] = Segunda-feira ; $diasemana[2] = Terça-feira ; $diasemana[3] = Quarta-feira ; $diasemana[4] = Quinta-feira ; $diasemana[5] = Sexta-feira ; $diasemana[6] = Sábado ; echo Hoje é: $diasemana[$hoje]<br> ; </body> </html> Visualização do exemplo 16: 27

29 6 FORMULÁRIOS Os formulários normalmente são palco de grande confusão por parte daqueles que estão iniciando em HTML, embora possam ser criados usando apenas as tags do HTML Isto ocorre devido ao fato de que, para que possamos trabalhar com os dados digitados em um formulário, devemos lançar mão de outras tecnologias, como ASP, CGI, PHP, etc. Caso contrário, não servirão para nada. Um formulário consiste em uma série de campos que são preenchidos pelo usuário e recebidos pelo servidor da Web para serem processados. Toda seção de uma página que contenha um formulário deve sempre estar entre as tags <Form>...</Form>. A tag <Form> contém uma série de atributos, sendo que os mais importantes são: Action: Informa ao servidor a página que deve ser carregada assim que o usuário clicar sobre o botão enviar contido no formulário. Method: Este atributo controla como as informações contidas no formulário devem ser enviadas ao servidor. Este procedimento pode ser executado de duas maneiras: uma usando o método GET e a outra usando o método POST. Uma vez definida a tag <Form>, vamos analisar os principais controles do HTML que são usados na coleta de dados de um formulário. O HTML disponibiliza uma série de elementos destinados ao preenchimento desses campos em branco. Os principais são: Caixa de texto de uma linha (Text); Caixa de texto de rolagem (TextArea); Caixa de seleção (CheckBox); Botão de opção (Radio); Menu suspenso (Select e Option); Botão de envio (Submit). 6.1 Caixa de texto de uma linha(text) Consiste em uma caixa na qual você digita um texto com um tamanho predefinido, como seu nome, endereço, , etc. Sintaxe: 28

30 <INPUT NAME= nome da caixa de texto TYPE="text" VALUE = texto default a ser exibido na caixa SIZE = "tamanho da caixa de texto" MAXLENGTH = Número máximo de caracteres permitido na digitação > Em que: Name: (Obrigatório) representa o nome a ser dado para a caixa de texto (entre aspas). Procure usar nomes que iniciem com Txt para facilitar a interpretação do programa. Exemplo: TxtNome. Type: (Obrigatório) constante que representa o nome do elemento usado. Deve ser sempre text (entre aspas) para caixa de texto de uma linha. Value: (Opcional) exibe um texto pré-preenchido na caixa de texto do navegador do usuário. Se esta cláusula for suprimida, nenhum texto será exibido na referida caixa (o texto default deve estar entre aspas). MaxLength: (Opcional) indica o número máximo de caracteres que pode ser digitado na caixa de texto (esse número deve estar entre aspas). Exemplo 17: Usando o elemento Caixa de texto <head> <title>formulário com caixa de texto</title> </head> <body> <form method="post" Action = "exemplo17.php"> Nome: <input type="text" size="30" name="txtnome"> <input type=submit value="enviar"> </form> </body> </html> Obs: Salve este exemplo como exemplo17.htm, pois trata-se de um formulário simples em HTML. Agora faça o exemplo17.php 29

31 <body> echo "Seu nome é:". $_POST['txtNome']; </body> </html> Visualização Exemplo 17.htm: Visualição após clicar no botão Enviar 6.2 Caixa de texto de rolagem (TextArea) Sintaxe: <<textarea rows="2" cols="20"></textarea> 6.3 Caixa de seleção (CheckBox) As caixas de seleção permitem a você selecionar ou desativar a opção a ela relacionada. Sintaxe: <input type="checkbox" name = nome da caixa de seleção > Texto da caixa Porém, o CheckBox é o campo mais trabalhoso de um formulário. Existem vários tipos de campo em formulários: de texto, de seleção, de seleção por botão radio, checkbox, textarea, invisível, e os botões de reset, submit, que não carregam valores normalmente, ou seja, são enviados com uma variável. Se criar uma caixa de texto e a chamar de "nome, mesmo se este campo não tiver valor nenhum, e mesmo se o usuário não digitar nada no campo de texto, o 30

32 PHP vai receber uma variável chamada "nome". A variável estará com valor vazio, mas existe. A única exceção é para o campo do tipo CHECKBOX. O campo do tipo checkbox tem dois estados: selecionado e não-selecionado. Vamos supor que eu tenho um checkbox de nome "categoria" e que ele é selecionado antes de ser enviado pelo formulário. Assim que submeter o formulário, VAI EXISTIR uma variável de nome "categoria", e seu valor será "on". É assim sempre! O grande problema é se não marcar o checkbox. A variável "categoria" NÃO VAI EXISTIR no script receptor. A solução a ser tomada para verificar se um CHECKBOX foi marcado não é verificar o valor da variável e sim verificar SE ELA EXISTE. Existe uma função em PHP chamada isset(). Esta função verifica se EXISTE ou NÃO EXISTE a variável requisitada. A função isset determina se uma variável está criada. E retorna true se a variável existir e false em caso contrário. Veja o exemplo abaixo: Exemplo 18: Usando o elemento Caixa de seleção <body> Quais os meios de comunicação de sua preferência? <form method = POST action = exemplo18.php > <p><input type="checkbox" name = chk1 > Jornal <input type="checkbox" name = chk2 > Revista<br> <input type="checkbox" name = chk3 > Internet<br> <input type = submit value = Enviar > </form> </body> </html>opcional 31

33 Agora faça o exemplo18.php Visualização Exemplo18.htm: Visualização após clicar no botão Enviar 6.4 Botão de Opção (Radio) Os botões de opção (radio) indicam opções exclusivas, ou seja, apenas uma das opções de cada vez pode ser selecionada pelo usuário. Sintaxe: <input type="radio" name = nome do botão de opção value = valor de retorno > Texto da caixa Em que: 32

34 Value: (Obrigatório) o valor a ser retornado quando um usuário selecionar esta opção (o valor deve estar entre aspas). Exemplo 19: Usando o elemento Botão de opção <body> Qual é o seu estado civil? <form method = POST action = exemplo19.php > <p><input type="radio" name = optestcivil value = Casado >Casado<br> <input type="radio" name = optestcivil value = Solteiro >Solteiro<br> <input type="radio" name = optestcivil value = Viuvo >Viúvo<br> <input type="radio" name = optestcivil value = Separado >Separado<br> <input type = submit value = Enviar > </form> </body> </html> Agora faça o exemplo19.php <body> echo "Seu nome é:". $_POST['txtNome']; </body> </html> Visualização Exemplo18.htm: Visualização após Enviar 6.5 Menu suspenso (Select e Option) 33

35 O menu suspenso, também conhecido como caixa de lista suspensa, tem como função exibir uma lista de opções, dentre as quais é possível escolher uma delas com um simples clique do mouse. Em que: Name: (Obrigatório) representa o nome a ser dado para o menu suspenso (entre aspas). Procure usar nomes que iniciem com Sel para facilitar a interpretação do programa. Option: (Obrigatório) contém cada uma das opções da lista. Value: (Opcional) valor a ser retornado se nenhuma opção for selecionada. Size: (Opcional): número de opções da lista visível na tela, se size for omitido, terá o mesmo efeito que size = 1. Exemplo 20: Usando o elemento Menu suspenso <body> Selecione um Estado: <form method = POST action = exemplo20.php > <p><select name = selestado size= 1 > <option>são Paulo</option> <option>rio de Janeiro</option> <option>rio Grande do Sul</option> <option>bahia</option> <input type = submit value = Enviar > </form> </body> </html> Agora faça o exemplo20.php <body> echo "O estado selecionado foi:". $_POST['selEstado'] ; </body> 34

36 </html> Visualização Exemplo20.htm Visualização Exemplo20.htm 6.6 Enviando s com o PHP O envio de s em PHP é um recurso largamente utilizado em páginas da Web, pois a cada dia que passa mais e mais as empresas estão adotando a comunicação por intermédio de s. O PHP é bastante generoso neste sentido, permitindo enviar um por intermédio de uma única função denominada mail( ). Esta função utiliza três argumentos básicos: O endereço eletrônico do destinatário; O assunto da mensagem a ser enviada; O corpo da mensagem propriamente dita. Sintaxe: Mail (<destinatário>, <assunto>, <mensagem>, <inf adicionais> Exemplo: Mail Aprendendo PHP, Aprendendo enviar s por intermédio de formulários., From: ) Em que: é o destinatário. Aprendendo PHP é o assunto. Aprendendo enviar s por intermédio de formulários é a mensagem. é o remetente Enviando sem conteúdo HTML 35

37 Exemplo 21a: Criando um formulário simples para o envio de . <body> <form method = POST action = exemplo21.php > <p> do destinatário: <input type = text name = para size= 50 ><br> Assunto: <input type = text name = assunto size= 20 ><br> Mensagem: <textarea rows = 3 name = mensagem cols= 35 ></textarea><br> do remetente: <input type = text name= de size = 50 </p> <p><input type = submit value = Enviar name = B1 ></p> </form> </body> </html> OBS: Salve este exercício com extensão.htm Faça o exemplo21a.php <body> $para = $_POST[ para ]; $assunto = $_POST[ assunto ]; $ mensagem = $_POST[ mensagem ]; $ de = $_POST[ de ]; mail ($para, $assunto, $mensagem, From: $de ); </body> </html> Enviando com conteúdo HTML A forma mais interessante, porém mais trabalhosa, de enviar s é adicionando conteúdo HTML ao mesmo. Podemos, dessa forma, utilizar todos os recursos que o código HTML nos oferece: backgrounds coloridos, inclusão de imagens, tabelas, etc. A grande alteração, para que possamos incluir código HTML, deverá ser feita no corpo (que deverá conter as tags HTML) e no header das mensagens. 36

38 Vejamos o exemplo21b: Salve-o como exemplo21b.html Exemplo21b.php Observe as alterações Note que a variável $msg contém código HTML e $header possui os headers que indicarão à ferramenta de correio eletrônico que trata-se de uma mensagem com conteúdo HTML Enviando com conteúdo HTML e imagens Outra forma interessante de darmos qualidade aos nossos s é adicionarmos imagens a eles. Para exibirmos a imagem corretamente no corpo de nossa mensagem, devemos fazer uma referência completa ao local onde a mesma está localizada. Exemplo: <img src= Vejamos agora um exemplo prático de inclusão de imagem ao conteúdo de um . Exemplo21c.html 37

39 Exemplo21c.php 7 OPERAÇÕES CONDICIONAIS E LOOPS 7.1 Estruturas de Controle As estruturas que veremos a seguir são comuns para as linguagens de programação imperativas, bastando, portanto, descrever a sintaxe de cada uma delas, resumindo o funcionamento Blocos Um bloco consiste de vários comandos agrupados com o objetivo de relacioná-los com determinado comando ou função. Em comandos como if, for, while, switch e em declarações de funções blocos podem ser utilizados para permitir que um comando faça parte do contexto desejado. Blocos em PHP são delimitados pelos caracteres { e }. A utilização dos delimitadores de bloco em uma parte qualquer do código não relacionada com os comandos citados ou funções não produzirá efeito algum, e será tratada normalmente pelo interpretador. Exemplo: if ($x == $y) comando1; comando2; Para que comando2 esteja relacionado ao if é preciso utilizar um bloco: 38

40 if ($x == $y){ comando1; comando2; } 7.2 Comandos de seleção Também chamados de condicionais, os comandos de seleção permitem executar comandos ou blocos de comandos com base em testes feitos durante a execução If O mais trivial dos comandos condicionais é o if. Ele testa a condição e executa o comando indicado se o resultado for true (valor diferente de zero). Ele possui duas sintaxes: if (expressão) comando; if (expressão): comando;... comando; endif; Para incluir mais de um comando no if da primeira sintaxe, é preciso utilizar um bloco, demarcado por chaves. Exemplo 22: Testando valores com if <body> $valor = 5; if ($valor = = 5) { echo A variável \$valor é: $valor ; } </body> </html> 39

41 Visualização Exemplo 22: Else O else é um complemento opcional para o if. Se utilizado, o comando será executado se a expressão retornar o valor false (zero). Suas duas sintaxes são: if (expressão) comando; else comando; if (expressão): comando;... comando; else comando;... comando; endif; A seguir, temos um exemplo do comando if utilizado com else: if ($a > $b) $maior = $a; else $maior = $b; O exemplo acima coloca em $maior o maior valor entre $a e $b 40

42 Em determinadas situações é necessário fazer mais de um teste, e executar condicionalmente diversos comandos ou blocos de comandos. Para facilitar o entendimento de uma estrutura do tipo: if (expressao1) comando1; else if (expressao2) comando2; else if (expressao3) comando3; else comando4; Foi criado o comando, também opcional elseif. Ele tem a mesma função de um else e um if usados seqüencialmente, como no exemplo acima. Num mesmo if podem ser utilizados diversos elseif s, ficando essa utilização a critério do programador, que deve zelar pela legibilidade de seu script. O comando elseif também pode ser utilizado com dois tipos de sintaxe. Em resumo, a sintaxe geral do comando if fica das seguintes maneiras: if (expressao1) comando; [ elseif (expressao2) comando; ] [ else comando; ] if (expressao1) : comando;... comando; [ elseif (expressao2) comando;... 41

43 comando; ] [ else comando;... comando; ] endif; Exemplo 23a: elseif Exemplo 23b: Usando formulário para testar valores com if e else <body> <form method = get action = exemplo23b.php > 1. O Egito é um pais localizado: <br> <input type = radio name = Q1 value = Europa >Na Europa<br> <input type = radio name = Q1 value = Ásia >Na Ásia<br> <input type = radio name = Q1 value = África >Na África<br> <input type = radio name = Q1 value = América >Na América Central<br> 2. Qual é a sua idade? <br> <input type = text name = txtidade >anos<br><br> <p><input type = submit value = Enviar > </form> </body> </html> OBS.: Salve o arquivo como exemplo24b.htm 42

44 Criando a página de resposta (exemplo23b.php) Visualização do exemplo23b.htm Visualização após clicar no botão Enviar Switch O comando switch atua de maneira semelhante a uma série de comandos if na mesma expressão. Freqüentemente o programador pode querer comparar uma variável com diversos valores, e executar um código diferente a depender de qual valor é igual ao da variável. Quando isso for necessário, deve-se usar o comando switch. O exemplo seguinte mostra dois trechos de código que fazem a mesma coisa, sendo que o primeiro utiliza uma série de if s e o segundo utiliza switch: 43

45 if ($i == 0) print i é igual a zero ; elseif ($i == 1) print i é igual a um ; elseif ($i == 2) print i é igual a dois ; switch ($i) { case 0: print i é igual a zero ; break; case 1: print i é igual a um ; break; case 2: print i é igual a dois ; break; } É importante compreender o funcionamento do switch para não cometer enganos. O comando switch testa linha a linha os cases encontrados, e a partir do momento que encontra um valor igual ao da variável testada, passa a executar todos os comandos seguintes, mesmo os que fazem parte de outro teste, até o fim do bloco. por isso usa-se o comando break, quebrando o fluxo e fazendo com que o código seja executado da maneira desejada. Veremos mais sobre o break mais adiante. Veja o exemplo: switch ($i) { case 0: print i é igual a zero ; case 1: print i é igual a um ; case 2: print i é igual a dois ; } 44

46 No exemplo acima, se $i for igual a zero, os três comandos print serão executados. Se $i for igual a 1, os dois últimos print serão executados. O comando só funcionará da maneira desejada se $i for igual a 2. Em outras linguagens que implementam o comando switch, ou similar, os valores a serem testados só podem ser do tipo inteiro. Em PHP é permitido usar valores do tipo string como elementos de teste do comando switch. O exemplo abaixo funciona perfeitamente: switch ($s) { case casa : print A casa é amarela ; case arvore : print a árvore é bonita ; case lampada : print joao apagou a lampada ; } Exemplo 23c: switch 7.3 Comandos de repetição while O while é o comando de repetição (laço) mais simples. Ele testa uma condição e executa um comando, ou um bloco de comandos, até que a condição testada seja falsa. Assim como o if, o while também possui duas sintaxes alternativas: while (<expressao>) 45

47 <comando>; while (<expressao>): <comando>;... <comando>; endwhile; A expressão só é testada a cada vez que o bloco de instruções termina, além do teste inicial. Se o valor da expressão passar a ser false no meio do bloco de instruções, a execução segue até o final do bloco. Se no teste inicial a condição for avaliada como false, o bloco de comandos não será executado. O exemplo a seguir mostra o uso do while para imprimir os números de 1 a 10: $i = 1; while ($i <=10) print $i++; Exemplo 24a: do... while O laço do..while funciona de maneira bastante semelhante ao while, com a simples diferença que a expressão é testada ao final do bloco de comandos. O laço do..while possui apenas uma sintaxe, que é a seguinte: do { <comando> 46

48 ... <comando> } while (<expressao>); O exemplo utilizado para ilustrar o uso do while pode ser feito da seguinte maneira utilizando o do.. while: Exemplo 24b: do while $i = 0; do { print ++$i; } while ($i < 10); For O tipo de laço mais complexo é o for. Para os que programam em C, C++ ou Java, a assimilação do funcionamento do for é natural. Mas para aqueles que estão acostumados a linguagens como Pascal, há uma grande mudança para o uso do for. As duas sintaxes permitidas são: for (<inicializacao>;<condicao>;<incremento>) <comando>; for (<inicializacao>;<condicao>;<incremento>) : <comando>;... <comando>; endfor; As três expressões que ficam entre parênteses têm as seguintes finalidades: Inicialização: comando ou sequencia de comandos a serem realizados antes do inicio do laço. Serve para inicializar variáveis. Condição: Expressão booleana que define se os comandos que estão dentro do laço serão executados ou não. Enquanto a expressão for verdadeira (valor diferente de zero) os comandos serão executados. Incremento: Comando executado ao final de cada execução do laço. 47

49 Um comando for funciona de maneira semelhante a um while escrito da seguinte forma: <inicializacao> while (<condicao>) { comandos... Exemplo 24 <body> <incremento> for ($x = -5; $x <=5; $x++) { echo O valor de x nesse momento é: $x <br> ; } </body> </html> Visualização exemplo24 Quebra de fluxo Break O comando break pode ser utilizado em laços de do, for e while, além do uso já visto no comando switch. Ao encontrar um break dentro de um desses laços, o interpretador PHP para imediatamente a execução do laço, seguindo normalmente o fluxo do script. 48

50 while ($x > 0) {... if ($x == 20) { echo erro! x = 20 ; break;... } No trecho de código acima, o laço while tem uma condição para seu término normal ($x <= 0), mas foi utilizado o break para o caso de um término não previsto no início do laço. Assim o interpretador seguirá para o comando seguinte ao laço Continue O comando continue também deve ser utilizado no interior de laços, e funciona de maneira semelhante ao break, com a diferença que o fluxo ao invés de sair do laço volta para o início dele. Vejamos o exemplo: for ($i = 0; $i < 100; $i++) { if ($i % 2) continue; echo $i ;} O exemplo acima é uma maneira ineficiente de imprimir os números pares entre 0 e 99. O que o laço faz é testar se o resto da divisão entre o número e 2 é 0. Se for diferente de zero (valor lógico true) o interpretador encontrará um continue, que faz com que os comandos seguintes do interior do laço sejam ignorados, seguindo para a próxima iteração. 49

51 8 FUNÇÕES O emprego das funções permite estruturar um programa de um modo bem mais eficiente e produtivo, pois garante a criação de pequenas seções de código que podem ser reutilizadas a qualquer momento. Podemos definir uma função como sendo um pequeno programa, inserido em um programa principal, que pode ser chamado a qualquer instante para executar uma determinada operação. As funções são extremamente úteis para o desenvolvimento de programas, reduzindo substancialmente suas linhas de código, tempo de depuração e aumento de performance. A sintaxe usada para a definição de uma função é a seguinte: Function nome_da_função (parâmetros) {... linhas de código da função [return <expressão>] } Exemplo 25: Entendendo uma função <body> function comissao($valor) { $valor = $valor * 0.06; return $valor; } echo Paulo vendeu R$25000 sua comissão é: R$. comissao(2500); echo <br> ; echo Ana vendeu R$12000 sua comissão é: R$. comissao(12000); </body> </html> 50

52 Visualização exemplo 25. Exemplo : Função recebendo dois argumentos Exemplo: Função sem argumentos 51

53 8.1 Função date( ) Os parâmetros da função date( ) Em alguns exemplos anteriores usamos a função date( ) com diferentes parâmetros. A tabela a seguir mostra estes parâmetros e seus significados. Parâmetro Significado a Retorna am ou pm, de acordo com o horário. A Retorna AM ou PM, de acordo com o horário. d Retorna o dia do mês com dois dígitos e zeros à sua esquerda (de 01 a 31). D Retorna as 3 letras iniciais do dia da semana, em inglês (Fri, Sat, Mon, etc). F Retorna o nome completo do mês do ano, em inglês (January, September, etc) h Retorna a hora no formato de 12 horas (de 01 a 12). H Retorna a hora no formato de 24 horas (de 00 a 23). g Retorna a hora no formato de 12 horas sem zeros à sua esquerda (de 1 a 12). G Retorna a hora no formato de 24 horas sem zeros à sua esquerda (de 0 a 23). i Retorna os minutos (de 00 a 59). j Retorna o dia mês sem zeros à sua esquerda (de 1 a 31) l Retorna o nome completo do dia da semana, em inglês (Saturday, Tuesday) L Retorna um valor boleano que define se um ano é ou não bissexto (0 = ano normal e 1 = ano bissexto). m Retorna o mês do ano representado por um número (de 01 a 12). n Retorna o mês do ano sem zeros à sua esquerda, representado por um número (de 01 a 12). M Retorna as três letras iniciais do mês do ano, em inglês (Jan, Sep, etc.). s Retorna os segundos (de 00 a 59). w Retorna o dia da semana numérico (0 = Domingo, 1 = Segunda, etc) Y Retorna o ano no formato de dois dígitos (00, 01, 02, etc). y Retorna o ano no formato de quatro dígitos (2000, 2001, 2002, etc). Exemplo 26 Construindo uma página para exibir a data de abertura e uma mensagem de saudação <body> $hora = date( G ); 52

54 $datadia = date( d ); $dataano = date( Y ); $dia = date( w ); $mes = date( n ); $diasemana[0] = Domingo ; $diasemana[1] = Segunda-feira ; $diasemana[2] = Terça-feira ; $diasemana[3] = Quarta-feira ; $diasemana[4] = Quinta-feira ; $diasemana[5] = Sexta-feira ; $diasemana[6] = Sábado ; $mesano[1]= janeiro ; $mesano[2]= fevereiro ; $mesano[3]= março ; $mesano[4]= abril ; $mesano[5]= maio ; $mesano[6]= junho ; $mesano[7]= julho ; $mesano[8]= agosto ; $mesano[9]= setembro ; $mesano[10]= outubro ; $mesano[11]= novembro ; $mesano[12]= dezembro ; if ($hora >= 0 && $hora <12) { $txtsaudacao = Bom dia! ; } if ($hora >= 12 && $hora <18) { $txtsaudacao = Bom Tarde! ; } if ($hora >= 18 && $hora <23) 53

55 { $txtsaudacao = Boa Noite! ; } echo txtsaudacao $diasemana[$dia], $datadia de $mesano[$mes] de $dataano ; </body> </html> Visualização Exemplo 26 54

56 9 BANCO DE DADOS MYSQL O PHP torna as páginas da Web dinâmicas, mas o que realmente faz com que o PHP seja uma linguagem largamente empregada na Internet é a sua capacidade em interagir com banco de dados. 9.1 O que é um banco de dados Podemos definir um banco de dados como sendo a coleção de informações que estão relacionadas a um determinado assunto ou finalidade. Um banco de dados deve ser capaz de gerenciar todas as informações contidas em todas as tabelas que o compõem, bem como seus relacionamentos e sua integridade referencial. Relacionamento: Uma associação estabelecida entre os campos comuns (colunas) e duas ou mais tabelas de um banco de dados. Integridade Referencial: regras que impõem a preservação dos relacionamentos entre tabelas de um banco de dados. Em resumo, um banco de dados nada mais é do que um conjunto de tabelas criteriosamente organizadas, em que informações são armazenadas e localizadas de maneira rápida e eficiente. 9.2 Tabelas de dados As tabelas de dados são elementos fundamentais para qualquer sistema de gerenciamento de banco de dados. Uma tabela representa um conjunto de dados de uma determinada entidade que contém um grupo de itens semelhantes. Entidade: Uma forma lógica de representar um conjunto de informações, como pessoas, objetos, etc. As tabelas de dados organizam esses dados de forma de linhas e colunas. As colunas de uma tabela representam um item de dado individual, também conhecido por campo. Já as suas linhas se constituem em um conjunto de campos relacionados, denominado registro. Cada campo da tabela é representado pelas colunas e cada registro da tabela é representado pelas linhas. 55

57 9.3 Por que usar banco de dados na Internet Uma livraria, uma loja de CDs ao exporem seus produtos na Internet, geram informações dinâmicas. Uma loja de CDs recebe diariamente alguns títulos novos que devem ser exibidos na Internet, o mesmo acontecendo com livrarias, editoras, etc. Se esses sites fossem exibidos simplesmente usando HTML, a sua manutenção seria praticamente impossível. Logo, a melhor maneira de publicar um grande volume de informações na Internet consiste na criação de páginas dinâmicas que acessem um banco de dados que contém essas informações. Nesse caso, qualquer alteração, inclusão ou cancelamento dos itens será feito diretamente no banco de dados e automaticamente exibidos em páginas da Internet Noções básicas de MySQL Como abrir um banco de dados para uso Para que possamos usar um banco de dados, é necessário que ele seja previamente aberto. Sintaxe: Use <nome do banco de dados> Como exibir as tabelas de um banco de dados Sintaxe: show tables; Como exibir os campos de uma tabela Sintaxe: show columns from <nome da tabela>; Como exibir os dados de uma tabela Os dados de uma tabela podem ser visualizados por intermédio da instrução SELECT do SQL Sintaxe: select * from <nome da tabela> 9.5 Trabalhando com banco de dados Com o uso das funções embutidas do PHP, podemos nos conectar virtualmente em qualquer banco de dados e acessar seu conteúdo. 56

58 A inserção de dados de uma tabela em uma página da Web exige a execução de algumas etapas preliminares, como: Efetuar um banco de dados; Executar uma consulta SQL ou outro procedimento, como inserir novos registros, alterar registros já existentes, etc.; Visualizar os resultados; Encerrar a conexão. a) Efetuar a conexão com o servidor MySQL Para trabalhar com um banco de dados em uma página da Web, é necessário, antes de mais nada, criar uma variável que contenha uma conexão com o servidor MySQL. Sintaxe: $<nome da variável de conexão> = mysql_connect (<nome do servidor>); Exemplo: $conexao = mysql_connect( localhost ) or die ( A conexão com o servidor não foi executada com sucesso ); Em que: $conexão é o nome da variável que contém a conexão com o servidor MySQL, mysql_connect é uma função do PHP para abrir uma conexão com o servidor e localhost é o nome do servidor local. A função die( ) foi usada para exibir uma mensagem de erro e encerrar o script, caso a conexão não possa ser executada. b) Selecionar o banco de dados Sintaxe: $<nome da variável que contem o banco de dados> = mysql_select_db( <nome do banco de dados>, <nome da variável de conexão>); Exemplo: $db = mysql_select_db( nomebanco, $conexao) or die ( Não foi possível selecionar o banco de dados ); Em que: 57

59 $db é o nome da variável que contém o banco de dados a ser utilizado, mysql_select_db é uma função do PHP para selecionar um banco de dados no servidor MySQL, nomebanco é o nome do banco de dados a ser usado e $conexao é o nome da variável de conexão com o servidor MySQL. c) Criar uma instrução SQL Uma vez conectado ao banco de dados, devemos criar uma variável que contenha uma instrução SQL para a manipulação de tabelas, como, por exemplo, visualizar seus registros. Sintaxe: $<nome da variável que contém a instrução SQL> = <instrução SQL> ; Exemplo: $sql = SELECT * FROM livros ORDER BY titulo ; Em que: Sql é o nome da variável que contém a instrução SQL. Neste exemplo, a instrução SQL é formada por SELECT * FROM livros ORDER BY titulo o que significa dizer: Selecione todos os registros da tabela livros ordenados por título. d) Criar uma variável com o resultado obtido pela instrução SQL Uma vez executada a instrução SQL, devemos armazenar o seu resultado em uma variável, para que possa ser exibido na tela do navegador. Sintaxe: $<nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL> = mysql_query (<nome da variável que contém a instrução SQL>, <nome da variável de conexão>); <instrução SQL> ; Exemplo: $rs = mysql_query ($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); Em que: $rs é o nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL, mysql_query é uma função do PHP que envia o resultado de uma declaração SQL, $sql é o nome da variável que contém a instrução SQL e $conexao é o nome da variável de conexão. 58

60 e) Formatar o resultado obtido Para que os campos de uma tabela possam ser corretamente exibidos, é necessário separarmos seus registros por linha, usando uma função interna do MySQL, denominada mysql_fetch_array( ). Sintaxe: $<nome da variável que contém o registro> = mysql_fetch_array (<nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL); $<nome da variável que contém o campo do registro a ser retornado > = <nome da variável que contém o registro> [ <nome do campo a ser retornado> ]; Exemplo: $linha = mysql_fetch_array($rs); $titulo = $linha[ titulo ]; Em que: $linha é o nome da variável que contém registro, mysql_fetch_array é uma função do PHP que coloca uma declaração SQL dentro da matriz, $rs é o nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL, $titulo é o nome da variável que contém o campo do registro a ser retornado e $linha[ titulo ] contém o valor do campo a ser armazenado na variável $titulo. f) Encerrar a conexão Ao terminar de usar uma tabela, você deve fechá-la, bem como sua conexão como o MySQL. Sintaxe: mysql_free_result(<nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL>); mysql_close (<nome da variável de conexão>); Exemplo: mysql_free_result($rs); mysql_close ($conexao); Em que: mysql_free_result é uma função do PHP que libera os recursos usados na conexão atual, $rs é o nome da variável que contém o resultado da pesquisa SQL, mysql_close é uma função do PHP que fecha a conexão atual e $conexao é o nome da conexão. 59

61 Exemplo 27: Exibindo o primeiro registro da tabela Livros. <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 2 color = red >Estes são alguns dados do primeiro livro, da Tabela Livros</font><br><br> $conexao = mysql_connect( localhost ) or die ( A conexão com o servidor não foi executada com sucesso ); $db = mysql_select_db( livraria, $conexao) or die ( Não foi possível selecionar o banco de dados ); $sql = SELECT * FROM livros ORDER BY titulo ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); $linha = mysql_fetch_array($rs); $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; echo Código: $codlivro ; echo <br> ; echo Título: $titulo ; mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> Visualização Exemplo 27: 60

62 Exemplo 28: Exibindo todos os registros da tabela Livros. <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 2 color = red >Estes são os livros da Tabela Livros</font><br><br> $conexao = mysql_connect( localhost ) or die ( A conexão com o servidor não foi executada com sucesso ); $db = mysql_select_db( livraria, $conexao) or die ( Não foi possível selecionar o banco de dados ); $sql = SELECT * FROM livros ORDER BY titulo ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; echo Código: $codlivro ; echo <br> ; echo Título: $titulo ; echo <br><br> ; } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> Visualização Exemplo 28: 61

63 Exemplo 29: Exibindo os dados em forma de tabela. O objetivo deste exemplo é mostrar como exibir dados retornados pelo PHP em um documento HTML. <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> $conexao = mysql_connect( localhost ) or die ( A conexão com o servidor não foi executada com sucesso ); $db = mysql_select_db( livraria, $conexao) or die ( Não foi possível selecionar o banco de dados ); $sql = SELECT * FROM livros ORDER BY titulo ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; $preco = $linha[ preco ]; $autor = $linha[ autor ]; $resenha = $linha[ resenha ]; <table width= 100% border= 0 cellspacing= 0 cellspadding= 2 > <tr bgcolor = # > <td width = 8% ><font face= Arial size = 2 color = #FFFFFF >Código</font></td> <td width = 11% ><font face= Arial size = 2 color = #FFFFFF >Preço</font></td> <td width = 45% ><font face= Arial size = 2 color = #FFFFFF >Título do livro</font></td> <td width = 36% ><font face= Arial size = 2 color = #FFFFFF >Autor</font></td> </tr> <tr bgcolor = #33CCCC > 62

64 <td width = 8% ><font face= Arial size = 2 color = # > echo $codlivro </font></td> <td width = 11% ><font face= Arial size = 2 color = # > printf ( %.2f, $preco) </font></td> <td width = 45% ><font face= Arial size = 2 color = # > echo $titulo </font></td> <td width = 36% ><font face= Arial size = 2 color = # > echo $autor </font></td> </tr> <tr bgcolor = #CCFFFF > <td colspan = 4 ><font face= Arial size = 2 color = # > echo $resenha </font></td> </tr> </table> <br> } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> Visualização Exemplo 29: 63

65 9.6 O include em PHP Se em um site é usada uma determinada instrução ou grupo de instruções em várias de suas páginas, a melhor forma de faze-lo é utilizando a técnica Include que consiste em criar subrotinas, fazendo uso de arquivos. Para executar este procedimento, usamos a instrução include cuja função é incluir um arquivo em uma página PHP. Sintaxe: Include <nome do arquivo> ; Os arquivos de inclusão não requerem uma extensão especial, porém é considerada uma boa prática de programação nomear os arquivos com a extensão.inc para distingui-los de outros tipos de arquivo. No entanto, se o arquivo de inclusão tiver códigos HTML e PHP, usa a extensão.php. Exemplo: Fazer um cabeçalho com a data atual para inserir em todas as páginas usando o include. Salve o exemplo ao lado como cabecalho.inc Exemplo: Chamando o cabecalho.inc nas páginas. <? php include cabecalho.inc; 64

66 Exemplo 30: Criando um arquivo de inclusão para se conectar a um banco de dados. $conexao = mysql_connect( localhost ) or die ( A conexão com o servidor não foi executada com sucesso ); $db = mysql_select_db( livraria, $conexao) or die ( Não foi possível selecionar o banco de dados ); Salve-o como abreconexao.inc 10 LINGUAGEM SQL INSTRUÇÃO SELECT O SQL (Structured Query Language) é uma linguagem criada pela IBM na década de 60. Graças ao seu alto desempenho e grande facilidade de manuseio, o SQL se transformou, em pouco tempo, em uma linguagem de uso universal e praticamente um padrão nos dias de hoje na manipulação de banco de dados. Usamos o SQL para realizar várias tarefas com banco de dados, entre elas: Fazer consultas simples ou complexas em uma base de dados; Administrar uma base de dados, mantendo suas tabelas atualizadas, por meio de inserções, alterações e cancelamento de registros; Inserir comandos SQL em um aplicativo A instrução SELECT do SQL A instrução SELECT permite fazer consultas em um banco de dados. Exemplo 1: SELECT * FROM Livros Neste exemplo, a instrução SELECT seleciona todos os registros e todos os campos (Representado pelo *) da tabela livros. Exemplo 2: SELECT titulo, autor FROM Livros Serão selecionados todos os registros, mas somente serão retornados os campos titulo e autor da tabela Livros. Exemplo 31: Usando a instrução SELECT 65

67 include abreconexao.inc ; $sql = SELECT codlivro, titulo, autor, preco FROM livros ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> <table border = 1 cellpadding = 3 cellspacing = 0 width = 700> while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; $autor = $linha[ autor ]; $preco = $linha[ preco ]; <td valign = top > echo $codlivro;</td> <td valign = top > echo $titulo;</td> <td valign = top > echo $autor;</td> <td valign = top > printf ( %.2f, $preco;</td> </tr> } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> 66

68 Visualização Exemplo 31: 10.2 A cláusula WHERE Devemos agregar à instrução SELECT a cláusula WHERE que permitirá filtrar uma consulta de acordo com as necessidades. Exemplo: SELECT titulo, autor, preco FROM Livros WHERE autor = Carlos Antônio José Oliviero Serão selecionados todos os registros da tabela Livros cujo campo autor seja igual a Carlos Antônio José Oliviero. Serão retornados apenas os campos titulo, autor e preço. A cláusula WHERE permite o emprego dos seguintes operadores: Operador Ação BETWEEN...AND Permite a comparação de dois valores NOT BETWEEN...AND O que não esteja entre dois valores LIKE Operador do tipo contém. NOT LIKE Negação do contém. Exemplo 32: Filtrando registros include abreconexao.inc ; $sql = SELECT codlivro, titulo, autor, preco ; $sql = $sql. FROM livros ; $sql = $sql. WHERE autor LIKE %oliviero% ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); 67

69 <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> <table border = 1 cellpadding = 3 cellspacing = 0 width = 700> while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; $autor = $linha[ autor ]; $preco = $linha[ preco ]; <td valign = top > echo $codlivro;</td> <td valign = top > echo $titulo;</td> <td valign = top > echo $autor;</td> <td valign = top > printf ( %.2f, $preco);</td> </tr> } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> Visualização Exemplo 32: 68

70 10. 3 A cláusula INNER JOIN... ON A cláusula INNER JOIN... ON permite selecionar registros de mais de uma tabela. Para isso, é necessário que as tabelas a serem retornadas estejam relacionadas entre si. Exemplo: SELECT categorias.nomecat, livros.codlivro, livros.titulo FROM categorias INNER JOIN Livros ON categorias.codcat = livros.codcat 10.4 A cláusula ORDER BY A cláusula ORDER BY permite ordenar uma consulta por intermédio de um ou mais campos. Esta ordenação pode ser crescente ou decrescente. Exemplo: SELECT titulo, autor, preco FROM Livros WHERE titulo <> Faça um site ORDER BY preco asc Retorna para a consulta apenas os registros cujo titulo seja diferente de Faça um Site, disposto em ordem crescente de preço, em que o argumento asc indica a ordem crescente. A ordem decrescente é indicada pelo argumento desc Funções estatísticas A linguagem SQL contém uma série de funções internas que tem como objetivo retornar valores estatísticos, muito usados nas páginas da Web. Elas também são conhecidas como funções de Agregação. Estas funções permitem calcular valores médios, máximos, mínimos, contar o número de registros retornados, somar valores em campos numéricos, etc. Função Descrição Count() Conta o número de registros obtidos pela instrução SQL. Sum() Soma os valores de um campo numérico. Max Retorna o maior valor de um campo numérico retornado pela instrução SQL. Min Retorna o menor valor de um campo numérico retornado pela instrução SQL. Avg Calcula a média aritmética de um determinado campo retornado pela instrução SQL. Sintaxe: SELECT função (<nome_do campo>) AS <nome_do_campo_soma> FROM <nome_da_tabela> 69

71 Exemplo 1: SELECT COUNT(codLivro) AS qtlivro FROM Livros Exemplo 2: SELECT AVG(preco) AS medpreco FROM Livros WHERE autor LIKE %Oliviero% Exemplo 33: Calculando a média de preços include abreconexao.inc ; $sqlmedia = SELECT AVG(preco) AS medprecos FROM Livros ; $sqlmedia = $sqlmedia. WHERE autor LIKE %Oliviero% ; $sql = SELECT codlivro, titulo, autor, preco ; $sql = $sql. FROM livros ; $sql = $sql. WHERE autor LIKE %Oliviero% ; $rsmedia = mysql_query($sqlmedia, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); $linhamedia = mysql_fetch_array($rsmedia); $medprecos = $linhamedia[ medprecos ]; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> <font face = arial size = 3 color= blue > A média de preços dos livros é: R$ printf ( %.2f, $medprecos)</font><br> <table border = 1 cellpadding = 3 cellspacing = 0 width = 700> while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; 70

72 $autor = $linha[ autor ]; $preco = $linha[ preco ]; <td valign = top > echo $codlivro;</td> <td valign = top > echo $titulo;</td> <td valign = top > echo $autor;</td> <td valign = top > printf ( %.2f, $preco);</td> </tr> } mysql_free_result($rs); mysql_free_result($rsmedia); mysql_close($conexao); </body> </html> Visualização Exemplo A cláusula GRUP BY Em muitos casos deparamos com a necessidade de agrupar informações para a emissão de relatórios ou consultas, a fim de permitir uma análise mais deputara da informação. Este procedimento permite criar uma seleção de registros e agrupá-los por um determinado campo. Exemplo 34: Agrupamento de registros include abreconexao.inc ; 71

73 $sql = SELECT categorias.nomecat, COUNT(categorias.nomecat) AS totalcat ; $sql = $sql. FROM livros, categorias ; $sql = $sql. WHERE livros.codcat = categorias.codcat ; $sql = $sql. GROUP BY categorias.nomecat ; $sql = $sql. ORDER BY 2 desc ; $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> <table border = 1 cellpadding = 3 cellspacing = 0 width = 700> while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $nomecat = $linha[ nomecat ]; $totalcat = $linha[ totalcat ]; <td valign = top > echo $nomecat;</td> <td valign = top > echo $totalcat;</td> </tr> } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> 10.7 Pesquisando com formulários Para que a instrução SELECT tenha uma função pratica, é necessário que o próprio internalta defina os valores a serem pesquisados, por intermédio de um formulário. Esse procedimento é feito em duas etapas: A primeira consiste em escrever uma página que contenha um formulário de pesquisa. 72

74 O segundo passo consiste em escrever uma página que recupere os valores repassados pela página anterir. Exemplo 35: Criando um formulário para consulta <head> <title> Acessando Banco de Dados</title> </head> <body bgcolor = #FFFFFF > <font face = arial size = 3 color = red ><b> Pesquisa por título:</b> Digite o título ou parte do mesmo a ser pesquisado.</font><br> <form method = POST ACTION = exemplo35.php> Título: <input type = text name = txttitulo > <input type = submit value = Pesquisar name = pesq > </form> </body> </html> Salvar como exemplo35.htm Criando a página exemplo35.php include abreconexao.inc ; $txttitulo = $_POST[ txttitulo ]; $sql = SELECT categorias.nomecat, livros.codlivro, livros.titulo, livros.autor, livros.preco ; $sql = $sql. FROM categorias ; $sql = $sql. INNER JOIN livros ; $sql = $sql. ON categorias.codcat = livros.codcat ; $sql = $sql. WHERE livros.titulo LIKE %$txttitulo% ; 73

75 $rs = mysql_query($sql, $conexao) or die ( Não foi possível efetuar a consulta ); $numregistros = mysql_num_rows($rs); <head> <title>acessando dados de um banco de dados MySQL</title> </head> <body> <font face = arial size = 3 >Livros</font><br><br> <font face = arial size = 3 color = blue >Total de Livros encontrados na pesquisa: echo $numregistros </font><br><br> <table border = 1 cellpadding = 3 cellspacing = 0 width = 700> while ($linha = mysql_fetch_array($rs)) { $codlivro = $linha[ codlivro ]; $titulo = $linha[ titulo ]; $autor = $linha[ autor ]; $preco = $linha[ preco ]; $nomecat = $linha[ nomecat ]; <td valign = top > echo $codlivro;</td> <td valign = top > echo $titulo;</td> <td valign = top > echo $autor;</td> <td valign = top > echo $nomecat;</td> <td valign = top > printf ( %.2f, $preco;</td> </tr> } mysql_free_result($rs); mysql_close($conexao); </body> </html> Salvar como exemplo35.php 74

76 11 A INSTRUÇÃO INSERT A instrução INSERT tem por objetivo adicionar um ou mais registros a uma determinada tabela de um banco de dados. A inserção de novos registros em uma tabela de dados consiste no preenchimento dos campos da tabela por intermédio de uma página de formulário. Sintaxe: INSERT into<nome_da_tabela>(campo1,campo_2,..., campo_n) VALUES (valor_campo1, valor_campo_2,..., valor_campo_n) Exemplo: INSERT into Categorias (categoria) VALUES ( Literatura ) Insere na tabela Categorias um novo registro em que o campo categoria recebe o nome de Literatura. Exemplo 36: Criando a página de fprmulário <head> <title>inserindo livros na tabela de livros</title> </head> <body bgcolor = #FFFFFF> <font face="arial" size="3" color="red"><b>inclusão de Livros</font></b><br> <font face="arial" size="2" color="black"><b>informe os dados do livro a ser inserido</font></b><br> <form name="formlivro" method="post" ACTION=exemplo36.php> <table border="0" cellpadding="0" cellspacing="0" width="100%"> <tr> <td width="20%">código: </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtcodlivro" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">código da Categoria: </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtcodcat" size="4"></td> </tr> <tr> 75

77 <td width="20%">título </td> <td width="80%"><input type="text" name="txttitulo" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">autor </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtautor" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">número de páginas </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtnpaginas" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">formato </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtformato" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">preço </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtpreco" size="4"></td> </tr> <tr> <td width="20%">resenha </td> <td width="80%"><textarea name="txtresenha" rows="5" cols="40"></textarea></td> </tr> <tr> <td width="20%">data Lançamento </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtdia" size="2"> <input type="text" name="txtmes" size="2"> <input type="text" name="txtano" size="4">(dia/mês/ano) </td> </tr> <tr> <td width="20%">imagem da capa </td> <td width="80%"><input type="text" name="txtcapa" size="25"></td> </tr> 76

78 <tr> <td width="20%"> </td> <td width="80%"> <input type="submit" value="inserir" name="btinsere"> <input type="reset" value="limpar campos" name="btlimpa"></td> </td> </tr> </table> </form> </body> </html> Obs: Salvar como exemplo36.htm Visualização Exemplo36.htm Criando a página para inserir registros na tabela de livros $txtcodlivro = $_POST[ txtcodlivro ]; $txtcodcat = $_POST[ txtcodcat ]; $txttitulo = $_POST[ txttitulo ]; 77

79 $txtautor = $_POST[ txtautor ]; $txtnpaginas = $_POST[ txtnpaginas ]; $txtformato = $_POST[ txtformato ]; $txtpreco = $_POST[ txtpreco ]; $txtresenha = $_POST[ txtresenha ]; $txtcapa = $_POST[ txtcapa ]; $txtano = $_POST[ txtano ]; $ txtmes = $_POST[ txtmes ]; $txtdia = $_POST[ txtdia ]; $txtcodlivro = trim($txtcodlivro); $txtcodcat = trim($txtcodcat); $txttitulo = strtoupper(trim($txttitulo)); $txtautor= trim($txtautor); $txtnpaginas = trim($txtnpaginas); $txtformato = trim($txtformato); $txtpreco = trim($txtpreco); $txtresenha = trim($txtresenha); $txtcapa = trim($txtcapa); $txtdtlanc = trim($txtano). trim($txtmes).trim($txtdia); include "abreconexao.inc"; $sqlins = "INSERT into Livros "; $sqlins = $sqlins. "(codlivro, codcat, titulo, autor, npaginas, formato, preco, resenha, dtlanc, capa) "; $sqlins = $sqlins. "VALUES ('$txtcodlivro', "; $sqlins = $sqlins. "$txtcodcat, "; $sqlins = $sqlins. "'$txttitulo', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtautor', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtnpaginas', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtformato', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtpreco', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtresenha', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtdtlanc', "; $sqlins = $sqlins. "'$txtcapa')"; 78

80 $rs = mysql_query($sqlins, $conexao) or die ("Não foi possível executar a instrução INSERT"); <head> <body> <font face="arial" size="2"<b>o livro echo $txttitulo; foi incluido com sucesso</font></b><br> <a href="exemplo36.htm"> Clique aqui para inserir um novo livro</a> </body> </html> mysql_close($conexao); Obs: Salvar como exemplo36.php Visualização 79

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PHP CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC O presente texto não tem a pretensão de ser uma referência na linguagem PHP, a intenção é apresentar uma breve introdução a esta tecnologia e despertar

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF Sempre que for necessária a tomada de decisão dentro de um programa, você terá que utilizar um comando condicional, pois é por meio dele que o PHP decidirá que lógica deverá

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25 9 Sobre o autor... 8 Introdução... 15 Capítulo 1 O que é o PHP?... 19 Características do PHP...20 Gratuito e com código aberto...20 Embutido no HTML...20 Baseado no servidor...21 Bancos de dados...22 Portabilidade...22

Leia mais

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe Unidade IV Introdução à Linguagem PHP Parte 1 Professor Fabiano de Paula Soldati fpsoldati@yahoo.com.br http://br.groups.yahoo.com/group/professorsoldati/ Conteúdo Linguagem Estática x Dinâmica O que é

Leia mais

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Mini-curso de PHP Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Aula 1 Breve introdução de HTML, Conceitos básicos de PHP, Sintaxe, Separador de instruções e Comentários (Cap 1

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP PHP - Introdução Vantagens do Uso do PHP O php é uma linguagem de programação para ambiente web ou seja com ela, você pode desenvolver aplicações que possam ser acessadas via browser (netscape,internet

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem PHP @wre2008 1 Sumário PHP: Tipos de dados; Manipulação de dados; Utilizando formulário. @wre2008 2 Tipos de dados As variáveis são declaradas no momento de sua

Leia mais

Linguagem de Programação. Introdução ao PHP. Prof Mauricio Lederer Ciência da Computação - UNIANDRADE 1

Linguagem de Programação. Introdução ao PHP. Prof Mauricio Lederer Ciência da Computação - UNIANDRADE 1 Linguagem de Programação Introdução ao PHP 1 O que é PHP? - significa: Hypertext Preprocessor - uma das linguagens mais utilizadas para web - transforma sites estáticos em dinâmicos - atualização de páginas

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP

Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP Desenvolvimento de Aplicativos Web em PHP Todos os direitos reservados para Alfamídia Prow. AVISO DE RESPONSABILIDADE As informações contidas neste material de treinamento são distribuídas NO ESTADO EM

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

Os componentes de um formulário são: Form, Input, Select e AreaText

Os componentes de um formulário são: Form, Input, Select e AreaText HTML Formulário O elemento FORM, da HTML, é o responsável por prover documentos interativos no ambiente WWW de forma que uma pagina web exibida a um usuário possa submeter um conjunto de dados, informados

Leia mais

HTML -- Criação de Home Page

HTML -- Criação de Home Page PPáággi innaa 1 LISTAS Na linguagem HTML existem elementos específicos para a criação de listas, que podem ser listas ordenadas (OL), listas sem ordenação (UL), ou listas de definição (DL). Um detalhe

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46 9 Sumário O Autor... 8 Introdução... 15 Quem deve ler este livro... 15 Como este livro está organizado...16 Download do código-fonte do livro... 18 Capítulo 1 Revisão de PHP... 19 Iniciando em PHP... 19

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1 SUMÁRIO Criar sites dinâmicos em PHP --------------------------------------------------------

Leia mais

Programação WEB II. Introdução. Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. Introdução. Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores. Thiago Miranda dos Santos Souza Introdução Variáveis, Constantes, Operadores, Estruturas de Seleção e Repetição Arrays e Vetores Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Ementa da Disciplina

Leia mais

O que é o Javascript?

O que é o Javascript? O que é o Javascript? JavaScript é uma linguagem para criação de Home-Pages. Funções escritas em JavaScript podem ser embutidas dentro de seu documento HTML. Com JavaScript você tem muitas possibilidades

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Formulários Os formulários em HTML são usados para selecionar diferentes tipos de entradas do usuário. Um formulário é uma área que

Leia mais

mkdir /srv/www/default/html/calculadora/imagens mkdir /srv/www/default/html/calculadora/blocos

mkdir /srv/www/default/html/calculadora/imagens mkdir /srv/www/default/html/calculadora/blocos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Criando uma Calculadora Primeiramente deve se criar uma estrutura para armazenar os arquivos necessários para o funcionamento da calculadora.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE

PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE FORMULÁRIO Na linguagem HTML é permitido que o usuário interaja com o servidor através de formulários ligados a scripts desenvolvidos em linguagens como PHP, Servlets,

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida

PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida PHP com MySQL Enviada por: José Henrique Monteiro De Almeida 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO AO PHP... 4 1.1. O QUE É PHP?... 4 1.2. COMO SURGIU A LINGUAGEM PHP?... 4 1.3. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM PHP... 5

Leia mais

UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Programação para Internet I

UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Programação para Internet I UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Programação para Internet I Aula 10 PHP: Trabalhando com Banco de Dados leticia@cafw.ufsm.br Acessando

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Desenvolvimento de Aplicações Web Programação Contextualização de aplicações Web: navegadores e servidores como interpretadores, tecnologias do lado do cliente (XHTML, CSS, Javascript) e do lado do servidor

Leia mais

13 Conectando PHP com MySQL 13.1 Introdução

13 Conectando PHP com MySQL 13.1 Introdução 13 Conectando PHP com MySQL 13.1 Introdução Agora que você já tem uma idéia básica de comandos MySQL, poderemos ver como a linguagem PHP pode interagir com este banco de dados através de inúmeras funções.

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 1 Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 HTML BÁSICO: O que é uma página WEB? Uma página WEB, também conhecida pelo termo inglês webpage, é uma "página" na World Wide Web, geralmente em formato

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes Desenvolvimento Web XHTML Formulários Prof. Bruno E. G. Gomes 2014 Introdução Um recurso bastante utilizado no desenvolvimento Web é o envio de dados de uma página para o servidor quando fornecemos informações,

Leia mais

Programação Web com PHP. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web

Programação Web com PHP. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Programação Web com PHP Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Agenda O que é PHP? O que da pra fazer com PHP? Como a web funciona? Onde, quando e por que

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO PHP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO PHP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA GRUPO PET - COMPUTAÇÃO Autores: André

Leia mais

Apostila de PHP Índice

Apostila de PHP Índice Índice O que é PHP?...3 História...3 Vantagens...3 Comunicação Cliente x Servidor Web...4 Configuração...4 Teste de Funcionamento...5 Sintaxe Básica do PHP...5 Organizando os seus Programas...6 Comentários...6

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1. PHP e MySQL O MySQL é o gerenciador de banco de dados mais usado com o PHP. Existem muitas

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Sumário 1. Introdução a Lógica... 03 2. Verdadeiro e Falso... 03 3. Conectivo E e OU... 03 4. Negação... 04 5. Introdução a Programação...

Leia mais

6. Introdução à Linguagem PHP

6. Introdução à Linguagem PHP 6. Introdução à Linguagem PHP A comunicação na Web exige dois agentes: o cliente web e o servidor web. O cliente requer informação (a partir de uma página HTML acessada pelo navegador) e o servidor fornece

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Programação para Internet I

Programação para Internet I Programação para Internet I Aulas 09 e 10 Fernando F. Costa nando@fimes.edu.br Formulários O formulário representa o modo mais importante de interatividade que a linguagem HTML oferece. Um formulário pode

Leia mais

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados:

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados: APOSTILA DE PHP 1ª AULA Assuntos a serem abordados: Conceito de PHP Conceito de Server Side Conceitos de Client Side Conceitos Servidor Web Conceito básico de Banco de Dados Funcionamento Ferramentas Utilizadas

Leia mais

PHP 5 Terceira edição

PHP 5 Terceira edição Guia de Consulta Rápida PHP 5 Terceira edição Juliano Niederauer Novatec Sumário Introdução ao PHP... 5 O que é PHP?...5 Download e instalação...5 Iniciando em PHP... 6 Variáveis... 7 Constantes... 7 Arrays...

Leia mais

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL.

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Procuraremos mostrar os principais procedimentos para fazer um cadastro de registros numa base de dados MySQL utilizando a linguagem

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Formulários HTML Aula 07: Formulários e Frames HTML Os formulários HTML são utilizados, geralmente, como entradas de dados prépreenchimento,

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações para Internet

Desenvolvimento de Aplicações para Internet Desenvolvimento de Aplicações para Internet Aula 03 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula de hoje... Javascript: introdução, operadores lógicos e matemáticos, comandos condicionais. Javascript:

Leia mais

FORMULÁRIOS HTML (FORMS) E ENTRADAS DE DADOS (INPUT)

FORMULÁRIOS HTML (FORMS) E ENTRADAS DE DADOS (INPUT) FORMULÁRIOS HTML (FORMS) E ENTRADAS DE DADOS (INPUT) Formulários (FORMS): Um formulário é uma área que pode conter elementos de formulário. Elementos de formulário são elementos que permitem ao usuário

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 ABRIR CONEXÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 Professor: Leonardo Pereira Email: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si Antes de podermos acessar informações

Leia mais

O que é o JavaScript?

O que é o JavaScript? JavaScript Introdução O JavaScript é utilizado por milhões de páginas na web para melhorar o design, validar forms, e muito mais O JavaScript foi inicialmente desenvolvido pela Netscape e é a linguagem

Leia mais

1-03/11/03 INTRODUÇÃO

1-03/11/03 INTRODUÇÃO 1-03/11/03 INTRODUÇÃO JavaScript é uma linguagem que permite injetar lógica em páginas escritas em HTML (HiperText Mark-up Language). As páginas HTML podem ser escritas utilizando-se editores de texto,

Leia mais

Introdução. HyperText Markup Language HTML. Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário

Introdução. HyperText Markup Language HTML. Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário Introdução HyperText Markup Language HTML Formulário Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br http://professor.ifsertao-pe.edu.br/nicolas.trigo/ O usuário interage com os serviços

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião PHP AULA1 Prof. Msc. Hélio Esperidião NAVEGADOR O navegador também conhecido como web browseré um programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos hospedados em um servidor Web. SERVIDOR

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO FORMULÁRIOS Constitui-se numa das formas de a máquina cliente enviar informações para que um programa no servidor receba estes dados, processe-os e devolva uma resposta ao usuário, por meio do navegador,

Leia mais

Instituto Federal do Sertão-PE. Curso de PHP. Professor: Felipe Correia

Instituto Federal do Sertão-PE. Curso de PHP. Professor: Felipe Correia Instituto Federal do Sertão-PE Curso de PHP Professor: Felipe Correia Conteúdo Parte I Parte II Introdução Funções de strings Instalação Constantes Sintaxe Operadores Variáveis if else elseif Echo/Print

Leia mais

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda.

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. 4a Edição Novatec Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Ambiente de Desenvolvimento Após instalar o Wamp Server, inicie o servidor. Um ícone aparecerá na SystemTray. A cor do ícone indica seu estado: Verde: servidor

Leia mais

Logo abaixo temos a Barra de Menus que é onde podemos acessar todos os recursos do PHP Editor.

Logo abaixo temos a Barra de Menus que é onde podemos acessar todos os recursos do PHP Editor. Nessa aula iremos estudar: A anatomia da janela do PHP Editor Iniciando o servidor Web O primeiro exemplo de PHP Anatomia da janela do PHP Editor Barra de Títulos: É a barra azul que se encontra na parte

Leia mais

Índice O que é PHP?...2 A Linguagem HTML...3 PHP...11 Funções para tratamento de strings...40 Funções para tratamento de arrays...46 Cookies...

Índice O que é PHP?...2 A Linguagem HTML...3 PHP...11 Funções para tratamento de strings...40 Funções para tratamento de arrays...46 Cookies... !"# 8:9 8:; ; < = 9 ;>8:;?A@ B.CD8@ CDB? $&%')(*,+.-)/0'214355 675 6 Índice O que é PHP?...2 A Linguagem HTML...3 Introdução...3 Criando Documentos HTML...3 Marcações Básicas...3 Interligando Documentos...4

Leia mais

Estruturas de Controlo... 25. While... 26. For... 26. Include... 26. Array... 27. Listas... 27. Popularização das Bases de Dados...

Estruturas de Controlo... 25. While... 26. For... 26. Include... 26. Array... 27. Listas... 27. Popularização das Bases de Dados... Manual de PHP Índice O que é PHP?... 4 Objectivo... 6 Justificativa... 7 Lógica de Programação... 8 Sequência Lógica... 9 PHP História... 10 PHP & MySql... 11 Comunicação Cliente x Servidor... 12 Delimitando

Leia mais

PHP. O navegador é responsável pelo tratamento do script. Utilizado para diminuir o processamento do servidor

PHP. O navegador é responsável pelo tratamento do script. Utilizado para diminuir o processamento do servidor PHP Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Scripts Client-Side O navegador é responsável pelo tratamento do script JavaScript e VBScript Utilizado para diminuir o

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Aula 05 HTML FORMULÁRIOS Prof. Daniela Pires Sumário

Aula 05 HTML FORMULÁRIOS Prof. Daniela Pires Sumário Sumário FORMULÁRIO EM HTML... 2 FORM... 2 ACTION... 2 METHOD... 2 INPUT... 2 INPUT TYPE TEXT... 2 INPUT TYPE PASSWORD... 2 CHECKBOX - Múltipla escolha... 4 RADIO - Escolha única... 4 Botões de ação...

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Formulários e JavaScript Como visto anteriormente, JavaScript pode ser usada para

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM NOVEMBRO / 2014 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec Construindo Aplicações Web com PHPe MySQL André Milani Novatec Sumário Agradecimentos...17 Sobre o autor...18 Prefácio...19 Convenções utilizadas neste livro...20 Numeração de linhas... 20 Capítulo 1 Bem-vindo

Leia mais

Formulários em HTML - O que são e para que servem

Formulários em HTML - O que são e para que servem Formulários em HTML - O que são e para que servem A tag - Os atributos action e method A primeira coisa que iremos fazer é usar a tag para podermos usarmos formulários. Antes de entrarmos

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

Criando um script simples

Criando um script simples Criando um script simples As ferramentas de script Diferente de muitas linguagens de programação, você não precisará de quaisquer softwares especiais para criar scripts de JavaScript. A primeira coisa

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

GUIA PHP com MYSQL Autor: Everton Mendes Messias

GUIA PHP com MYSQL Autor: Everton Mendes Messias PHP (Hypertext Preprocessor) : Linguagem de programação interpretada. Tags PHP: phpinfo(); Comentários: //, # - comentário de uma linha /* comentário de várias linhas */ GUIA PHP com MYSQL Autor: Everton

Leia mais

DESENVOLVIMENTO e APLICAÇÕES WEB. Profª. Cida Atum

DESENVOLVIMENTO e APLICAÇÕES WEB. Profª. Cida Atum DESENVOLVIMENTO e APLICAÇÕES WEB Profª. Cida Atum CONTEÚDO Apresentação 1 INTRODUÇÃO O que é PHP? Pra que serve o PHP? Como Funciona o PHP? EXERCÍCIOS PROPOSTOS 2 COMO INSTALAR O EASYPHP 3 CONFIGURANDO

Leia mais

PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados)

PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados) PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Seções Basicamente, as seções são métodos que preservam determinados dados ativos enquanto o navegador do cliente estiver

Leia mais

ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia3.zip dezembro 1995 Tutorial - Autoria em World Wide Web

ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia3.zip dezembro 1995 Tutorial - Autoria em World Wide Web RNP REDE NACIONAL DE PESQUISA Centro Regional de Brasília CR/DF ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia3.zip dezembro 1995 Tutorial - Autoria em World Wide Web Parte III - Hypertext

Leia mais

Minicurso PHP 5. Vinícius Costa de Souza. Julho de 2005. viniciuscs@unisinos.br

Minicurso PHP 5. Vinícius Costa de Souza. Julho de 2005. viniciuscs@unisinos.br Minicurso Vinícius Costa de Souza viniciuscs@unisinos.br Julho de 2005 1 Apresentações Nome Experiências com programação Conhecimentos de linguagens WEB / HTML Expectativas referentes ao curso Vinícius

Leia mais

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5 JavaScript Diego R. Frank, Leonardo Seibt FIT Faculdades de Informática de Taquara Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil difrank@terra.com.br,

Leia mais

Java Script Pág: 1. Índice

Java Script Pág: 1. Índice Java Script Pág: 1 Índice Índice... 1 Introdução ao JavaScript Básico... 2 Configurações... 2 Usando o Java Script.... 2 Comandos: script language - alert - /script... 3 Variáveis... 4 Regras para criar

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

SISTEMA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS PHP E MySQL 1. APRESENTAÇÃO

SISTEMA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS PHP E MySQL 1. APRESENTAÇÃO SISTEMA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS PHP E MySQL 1. APRESENTAÇÃO Este é um sistema de controle de produtos, onde o usuário irá entrar com o login e a senha, e se ele for um usuário cadastrado na tabela usuários

Leia mais