18/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "18/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan"

Transcrição

1 Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 2 Introdução à SQL 2.1 Conceitos iniciais 2.2 Sintaxe e comandos básicos 2.3 Operações da álgebra relacional em SQL 3 1

2 Objetos básicos do SQL A linguagem do SQL Server tem os mesmos recursos básicos das outras linguagens de programação comuns; Comentários /* */ ou -- ; Identificadores: Constantes, variáveis e nome de programas; Palavras-chave reservadas; 4 Tipos de dados Tipos de dados numéricos; Tipos de dados de string; Tipos de dados para data e/ou hora; Tipos de dados derivados. 5 Tipos de dados Numéricos INT Representa valores inteiros 4 bytes SMALLINT Valores inteiros entre e bytes DECIMAL(p,[s]) Descreve valores em ponto fixo. O argumento p 2 a 17 bytes (precisão) especifica o número total de algarismos com os dígitos s (escala) de ponto decimal pressuposto à partir da direita NUMERIC(p,[s]) Sinônimo de DECIMAL 6 2

3 Tipos de dados Numéricos FLOAT([p]) Representa valores em ponto flutuante, como real. P define a precisão, com p < 25 como precisão simples (4 bytes) e p >= 25 como precisão dupla (8bytes) - 4 e 8 bytes REAL e DOUBLE PRECISION Usado para valores de ponto flutuante. A faixa da valores positivos é de 2,23E-308 a 1,79E+308. Valores negativos é de -2,23E-308 a -1,79E Tipos de dados String CHAR[(n)] Representa uma string, onde n é o número de 1 a 8000 caracteres fixo dentro da string. O valor máximo bytes de n é Se n for omitido, o comprimento suposto será 1. VARCHAR[(n)] Descreve uma string de tamanho variável 1 a 8000 bytes. 8 BLOB - Firebird Tipo que possui tamanho variável; Não é conhecido o tamanho correto momento de criação; Poderá ser usado para armazenar qualquer dado em que não se sabe seu tamanho exato, como fotos, textos (memos), gráficos, etc. Não pode ser indexado. No momento de criação de um campo BLOB, deve se observar seu sub-tipo: SUB_TYPE 0 usado para armazenar dados binários - fotos; SUB_TYPE 1 usado para armazenar textos - memos; SUB_TYPE -1 inteiro negativo. 9 3

4 Date / Time DATE dd/mm/aaaa ou dd.mm.aaaa TIME hh:mm:ss TIMESTAMP dd/mm/aaaa hh:mm:ss 10 Esquema de uma relação Relação: normalmente chamada de tabela nos SGBDs relacionais do mercado. É composta por 2 partes: Cabeçalho: conjunto fixo de atributos, que são as colunas ou campos da relação. O número de atributos define o grau da relação. Corpo: conjunto variável de tuplas, que são as linhas da relação. O número de tuplas define a cardinalidade da relação. Código Nome Função Idade Salário 10 Ana Maria Analista Paulo Programador Beatriz Analista Leonardo Gerente Esquema de uma relação Nas relações podem ser observadas as seguintes propriedades: Não existem tuplas duplicadas; A ordem das tuplas é insignificante; A ordem dos atributos é insignificante; Os valores dos atributos são atômicos, sem grupos repetitivos; Os atributos podem ter valores nulos, sendo que nulo significa inexistência de valor, diferente, portanto, de zero e branco. 12 4

5 Domínios Conjunto de valores a partir do qual um ou mais atributos extraem seus valores. Os atributos são comparáveis entre si, se e somente se pertencerem a um mesmo domínio. No exemplo da relação de funcionários, poderíamos dizer que o domínio do atributo idade é um número inteiro entre 13 e 70 e o domínio do salário seria um número real entre 100,00 e , Domínios Domínio é um conceito semântico. Por exemplo, peso e peça são numéricos, mas têm significado diferente. O mesmo domínio pode ser utilizado múltiplas vezes em uma relação. Ex: relação Peça (Cod-Peça, Nome, Peso) 3 atributos diferentes com 2 domínios apenas Nos SGDBs podem ser criados os domínios específicos. 14 Chaves Chave Candidata: conjunto de atributos que definem unicamente e minimamente cada tupla de uma relação. Ex: Funcionario (Código, Nome, CPF). Código e CPF são chaves candidatas. Chave Primária (Primary Key): é uma chave escolhida entre as chaves candidatas para identificar a tupla da relação. Ex: Funcionario (Código, Nome, CPF). Código é a chave primária. Chave Alternativa: são as chaves candidatas não escolhidas para chave primária. Ex: Funcionario (Código, Nome, CPF). CPF é a chave alternativa. 15 5

6 Chave Estrangeira (Foreign Key): conjunto de atributos de uma relação R1 que constituem chave primária de uma outra relação R2. - As chaves estrangeiras funcionam como elo de ligação entre relações. - Ex: Funcionario (Cod-Emp, Nome, Cod-Depto(FK)) Departamento (Cod-Depto, Desc_Depto) 16 PK/FK X CARDINALIDADE Um-para-Muitos (1:N) A PK da entidade cuja cardinalidade é 1, é FK na entidade cuja cardinalidade é N. Departamento 1 Tem N NOMFUNC ENDFUNC SALFUNC CODDEP (FK) PK FK 17 Um-para-Um (1:1) A PK da entidade que tem o maior peso no relacionamento é FK na outra entidade. Agência 1 Chefia 1 CODAGE NOMEAGE MATRÍCULA NOMGERENTE CODAGE(FK) PK FK 18 6

7 Muitos-para-Muitos (N:N) As PKs das entidades são FKs no relacionamento que será implementado fisicamente como uma nova entidade. Normalmente, a concatenação das FKs formarão a PK desta nova entidade. Funcionário N Equipe N MATFUC NOMFUC ENDFUC CODPRJ MATFUC CODPRJ NOMPRJ DTAINI DTAFIM PK FK FK PK 19 Tipos de integridade de dados 20 Restrições Restrição de domínio Especifica que o valor de cada atributo A de uma relação deve ser um valor atômico. Ex: Atributo Cargo na entidade funcionário possui um único valor; Restrições de chave Tuplas de uma mesma relação não podem ter valores iguais para todos os seus atributos --> Chave Primária <> Restrições de Integridade de Entidade Nenhuma chave primária pode ser nulo 21 7

8 Restrição de Integridade Referencial Se uma entidade X possui uma chave estrangeira (FK) que corresponde à chave primária (PK) de outra entidade Y, então cada valor da FK da entidade X deve ser igual ao valor da PK da entidade Y e se não existir, ser totalmente NULA, ou seja, não possuir valor (Regra de Inclusão). T1[Fk]=T2[Pk], T2[Pk] onde T2 é alguma tupla de R2; ou T1[Fk] é nulo Na prática, implica que não são permitidos valores de chave estrangeira que não tenham sido cadastrados previamente como chave primária. 22 Para garantir a integridade, a exclusão de um valor de PK da entidade Y é dependente da existência de ocorrências de FK na entidade X (Regra de Exclusão). Cascade(C): A exclusão de um valor de PK implica na exclusão dos valores de FKs correspondentes. Restrict (R): A exclusão de um valor de PK só pode ser efetuada quando não houver valores de FKs correspondentes. Set Null (N): A exclusão de um valor de PK implica na atualização dos valores de FKs com NULO, para isso a natureza do preenchimento da FK deve ser opcional. 23 Constraint restrições que a tabela possui, incluindo chave primária, unicidade de campos, default de campos e verificação de consistências. Toda restrição constraint deve possuir um nome para controle interno. 24 8

9 PRIMARY KEY constraint: garante a integridade de entidade. Todas as colunas participantes de uma chave primária devem ser NOT NULL; Apenas uma restrição PRIMARY KEY por tabela. Ci Cria um índice exclusivo nas colunas especificadas. UNIQUE constraint: como uma tabela possui somente uma chave primária, as chaves alternativas ou candidatas que sejam únicas são implementadas através desta restrição. Permitem um valor nulo; Permitem várias restrições UNIQUE em uma tabela. 25 FOREIGN KEY constraint: a tabela referenciada deve possuir uma restrição de PRIMARY KEY ou UNIQUE. Esta restrição de chave estrangeira não cria índices automaticamente; Fornecem uma integridade id d referencial de uma ou várias colunas; 26 DEFAULT constraint: especifica o valor default que será gravado em uma coluna quando o valor do campo não for informado no momento do INSERT. Aplicam-se apenas a instruções INSERT; Apenas uma restrição DEFAULT por coluna; CHECK constraint: especifica a validação do domínio do campo. São usadas com as instruções INSERT e UPDATE; Podem fazer referência a outras colunas na mesma tabela; Não podem conter subconsultas. 27 9

10 Definição da Base de Dados em SQL CREATE TABLE CREATE TABLE table_name ( Atibuto 1 Dominio 1,, Atibuto n Dominio n <regras de integridade 1 >, <regras de integridade n > ) 28 CREATE TABLE CREATE TABLE Funcionario ( Matric INT NOT NULL, Nome CHAR(30) NOT NULL, Salario DECIMAL NOT NULL, Cargo CHAR(15) DEFAULT 'Analista', Estado CHAR(2) NOT NULL, Idade SMALLINT NOT NULL, Cod_Depto SMALLINT NOT NULL, CONSTRAINT chavefunc PRIMARY KEY (Matric), CONSTRAINT uniconome UNIQUE (Nome), CONSTRAINT checkestado CHECK (Estado IN ('MG', 'RJ', 'SP'))) 29 ALTER TABLE O comando ALTER TABLE pode ser usado para, por exemplo, acrescentar colunas numa tabela. A coluna é adicionada no final da tabela. ALTER TABLE Funcionario ADD Aniversario DATE ALTER TABLE Funcionario ADD CONSTRAINT CHAVEFUNC PRIMARY KEY (MATRIC); 30 10

11 DROP TABLE O comando DROP TABLE elimina a estrutura da tabela e os registros da mesma. DROP TABLE Funcionario; Em alguns SGBDs, ao se eliminar uma tabela, todas as estruturas relacionadas a mesma (visões, índices) são também excluídos automaticamente. 31 CREATE TABLE Departamento ( Cod_Depto SMALLINT NOT NULL, Desc_Depto VARCHAR(30)); ALTER TABLE departamento ADD CONSTRAINT CHAVECOD PRIMARY KEY (COD_DEPTO); Departamento Funcionario Funcionario ALTER TABLE Departamento ADD CONSTRAINT Depto_Func FOREIGN KEY (Cod_Depto) REFERENCES Funcionario (Cod_Depto); Departamento 32 CREATE INDEX ÍNDICES Os índices são estruturas físicas de banco de dados criadas para otimizar a performance no acesso. Os comandos SELECT que envolvem ORDER BY ficam mais rápidos após a criação de índices pelos campos de ordenação. Para escolher bem os índices, analisa-se quais campos da tabela participam das expressões WHERE de comandos de SELECT, UPDATE e DELETE

12 No entanto, o uso excessivo de índices pode ser prejudicial ao desempenho, pois todo comando que atualiza a tabela origem pode gerar uma alteração no índice. Os índices não são visíveis para o usuário, pois o algoritmo do otimizador do SGBD é que decide se deve ou não utilizá-los. Os índices geralmente são definidos em conjunto pelo DBA e pelo analista do sistema, que conhecem quais são as consultas mais críticas que evolvem um maior volume de acesso a dados. 34 Os índices podem ou não ser únicos (UNIQUE). O índice é único quando não se permitem repetições. Índice pela chave primária é sempre UNIQUE. Em alguns SGBDs este índice pela chave primária já é gerado automaticamente. ti t Portanto, os índices são criados usualmente para as chaves primárias e para as chaves estrangeiras, visando agilizar os comandos que envolvem junção de tabelas. 35 O índice deve ser o mais seletivo possível. Ex.: não se deve criar um índice para o campo Sexo só 2 valores. CREATE [UNIQUE] INDEX Nome-do-índice ON tabela (coluna ou lista-de-colunas) Exemplos: CREATE INDEX IX_Cod_Depto ON Funcionario (Cod_Depto); CREATE UNIQUE INDEX xfuncionarios ON Funcionario (Matricula); 36 12

13 DCL - Segurança e Controle de Dados - GRANT e REVOKE Os bancos de dados envolvem armazenamento de informações estratégicas, e às vezes sigilosas, da organização. O aspecto segurança de dados relaciona qual usuário ou grupo de usuários tem privilégio de INSERT, DELETE, SELECT ou UPDATE em uma tabela ou visão. O privilégio de SELECT é o mais usual, sendo os outros mais restritos. 37 Quando se deseja conceder todos os privilégios, a palavra chave ALL é utilizada. Quando se deseja conceder privilégios para todos os usuários, a palavra chave PUBLIC é utilizada. O comando REVOKE tem o efeito oposto do GRANT, pois revoga privilégios já concedidos. Cabe ao DBA em conjunto com o analista de sistema e o usuário gestor do sistema estabelecer a política de privilégios. 38 GRANT GRANT <lista de operações> ON <tabela ou visão> TO <usuário ou PUBLIC> Exemplos: GRANT SELECT, INSERT ON FUNCIONARIO TO MARIA GRANT ALL ON FUNCIONARIO TO CARLOS, ANTONIO GRANT SELECT ON DEPARTAMENTO TO PUBLIC GRANT ALL ON FUNCIONARIO TO PUBLIC Concede privilégios para todos nesta tabela

14 REVOKE REVOKE <lista de operações> ON <tabela ou visão> FROM <usuário ou PUBLIC> Exemplos: REVOKE SELECT, INSERT ON FUNCIONARIO FROM MARIA, CARLOS REVOKE ALL ON FUNCIONARIO FROM PUBLIC Retira privilégios de todos nesta tabela. 40 SELECT DML Sintaxe: SELECT <lista de atributos> FROM <nome das tabelas> WHERE <condição de pesquisa / filtro> create table Peca ( Peca Cod_Peca Nome_Peca Preco Qte 56 Peca X 23, Peca Y 56, Peca Z 80,00 0 Cod_Peca smallint not null, Nome_Peca varchar(30), Preco decimal(12,2), Qte int); alter table peca add constraint pkcodpec primary key (cod_peca); 41 Selecionar o código e o nome das peças com código menor do que 100: SELECT Cod_Peca, Nome_Peca FROM Peca WHERE Cod_Peca < 100 Selecionar todas as informações de todas as peças: SELECT * FROM Peca SELECT ALL Nome_Peca FROM Peca ALL palavra-chave que especifica explicitamente que as duplicidades não serão elimindas

15 INSERT - Inserção Sintaxe - Inserção Unitária: INSERT INTO <tabela> ( <lista-de-colunas>) VALUES ( <lista-de-valores>) l Inserir Cod_Peca, Nome_Peca, Preco INSERT INTO Peca (Cod_Peca, Nome_Peca,Preco) VALUES (380, Peca W,77.00) 43 Inserir uma Peca com todos os atributos INSERT INTO Peca VALUES (423, Peca K,100.00,15) Sintaxe - Inserção em Massa: INSERT INTO <tabela1> (<lista-de-colunas>) SELECT UPDATE - Alteração UPDATE <tabela> SET <coluna1> = <expressão1>, <coluna2> =<expressão2>,... WHERE <condição-de-alteração> 45 15

16 Exemplos: Alterar o Preco da peça 200 de 80,00 para 90,00 UPDATE Peca SET Peso = WHERE Cod_Peca = 200 Alterar o preco das peças cuja qte for menor que 10, para 50,00 UPDATE Peca SET Preco = WHERE Qte < 10 or Qte is null 46 DELETE (Exclusão) DELETE FROM <tabela> WHERE <condição-de-exclusão> Excluir a peça 200: DELETE FROM Peca WHERE Cod_Peca = 200 Excluir as peças que tem mais de 1000 na Qte: DELETE FROM Peca WHERE Qte > Funcionalidades do SQL Operadores: Comparação: =, <>, >, <, >=, <= Lógicos: AND, OR, NOT BETWEEN <expressão1> AND <expressão2>: testa intervalo IN ( <lista de valores>): testa presença na lista IS NULL: testa nulo LIKE: testa conteúdo de string de caracteres 48 16

17 Comparação de Padrões de Strings LIKE O operador LIKE é usado quando se deseja obter colunas de um registro que sigam um determinado padrão pré-especificado. p Quando se quer saber os nomes de todos os funcionários cujo nome começa com JOAO ou termina com SILVA, usa-se o LIKE. O caracter % dentro da expressão LIKE tem a mesma função do caracter * no MS-DOS, assim como o _ (underscore) tem a semelhança com o? do MS-DOS. 49 Like - resumo Resultado LIKE A% Quaisquer strings que iniciem com a letra A. LIKE %A Quaisquer strings que finalizem com a letra A. LIKE %A% Quaisquer strings que possuem a letra A em qualquer posição. LIKE A_ Strings de dois caracteres que tenham a primeira letra A e qualquer outro caractere na segunda posição. LIKE _A Strings de dois caracteres com qualquer caractere na primeira posição e a última letra seja a letra A. LIKE _A_ Strings de três caractere a segunda letra seja A - independentemente do primeiro ou do último caractere. LIKE %A_ Quaisquer strings que tenham a letra A na penúltima posição - a última posição seja qualquer outro caractere. LIKE _A% Quaisquer strings que tenham a letra A na segunda posição - o primeiro caractere seja qualquer outro caractere. LIKE Quaisquer strings com exatamente quatro caracteres. LIKE % Quaisquer strings com pelo menos quatro caracteres. 50 Like - Exemplos Código e Nome das Peças cujo nome inicia com Peca SELECT Cod_Peca, Nome_peca FROM Peca WHERE Nome_Peca LIKE 'Peca%' Código e Descrição do Deparmento cuja 3ª letra da descrição é p Select Departamento.cod_depto, Departamento.desc_depto From Departamento Where Departamento.desc_depto Like ' p%' E se tiver p escrito em maiúsculo e minúsculo? Where upper(departamento.desc_depto) Like ' P%' 51 17

18 Parâmentos Se desejar entrar com parâmetros em sentenças, utiliza-se o : (dois pontos) antes e o nome de uma variável; Uma janela para entrada de dados vai abrir. Exemplos: Where Nome Like :PNome Pode-se entrar com valores para PNome 52 Like Outras funções Concatenar (pipe) Todos os nomes de departamentos que iniciem e terminem com qualquer coisa. Possibilitar a digitação de caracteres que farão parte do nome. Where Departamento.desc_depto Like '%' :PNome '%' 53 Datas Utiliza-se a função extract com as palavras-chave day, month e year. Exemplo: where extract(month from campodata) = 8 Todos os meses de Agosto do campodata 54 18

19 Montagem de Filtros Na expressão WHERE, especificam-se as condições para seleção das linhas da tabela. Qualquer expressão lógica envolvendo os campos das tabelas é válida. Os campos que fazem parte da expressão WHERE não precisam necessariamente ter sido selecionados na expressão SELECT. Selecionar Código e Nome das Pecas que estão com Qte em estoque menor do que 5 unidades neste ano. SELECT Cod_Peca, Nome_peca FROM Peca WHERE Qte < 5 and extract(year from DataUltMov) = ORDER BY - Ordenação Exibir os registros em uma determinada ordem. Crescente (ASC default) ou decrescente (Desc). Caso a expressão não esteja presente, os registros serão exibidos na ordem em que foram inseridos na tabela. Os campos que constam da expressão ORDER BY devem obrigatoriamente estar presentes na expressão SELECT. Não é necessário possuir um índice fisicamente criado e composto pelos campos da ordenação para usar o ORDER BY. No entanto, caso o índice exista o comando será executado mais rápido. Pode-se utilizar números indicando que a ordenação será feita por determinado campo de acordo com a ordem do SELECT. 56 Exemplos Order by SELECT Cod_Func, Nome FROM Funcionario ORDER BY Nome SELECT Salario, Nome FROM Funcionario ORDER BY 1 DESC Nomes dos funcionários em ordem decrescente de salário

20 DISTINCT - Distinção Sintaxe: DISTINCT nome-do-campo O operador DISTINCT elimina ocorrências repetidas de um mesmo campo. Não faz sentido utilizar DISTINCT para um campo que já seja chave primária. SELECT DISTINCT Cod_Depto FROM Funcionario 58 Exemplos -Distinct SELECT DISTINCT Cidade FROM Clientes Nomes das cidades onde se têm clientes, sem repetições de cidades. SELECT COUNT (DISTINCT Cod_Depto) FROM Funcionario Quantidade de departamentos dos Funcionarios 59 IN - Pertinência O operador IN verifica se um elemento pertence a um conjunto, isto é, se um campo assume o valor de algum membro de uma lista de valores. É utilizado para substituir grandes expressões de OR para o mesmo campo. SELECT Nome, Salario FROM Funcionario WHERE Cargo IN ( ANALISTA, PROGRAMADOR, GERENTE ) É melhor ou pior? WHERE Cargo = ANALISTA OR Cargo = PROGRAMADOR OR Cargo = GERENTE 60 20

21 BETWEEN Intervalos O operador BETWEEN permite testar se um determinado campo assume o valor dentro de um intervalo especificado. É utilizado por ser mais prático do que o teste de >= e <=. SELECT Nome FROM Funcionario WHERE Salario BETWEEN 1800 AND 2000 É melhor ou pior? SELECT Nome FROM Funcionario WHERE Salario >= 1800 AND Salario <= NULL - Tratamento de Nulos A palavra chave NULL é usada para representar valores nulos, o que tem significado diferente de branco ou zero. O nulo significa não se aplica, ou seja, o campo não assume nenhum valor. No momento da criação da tabela é que se define se o campo pode ou não aceitar nulos. SELECT Nome FROM Funcionario WHERE Comissao IS NOT NULL Nome dos funcionários que recebem alguma comissão. 62 Questões para discussão 1 - É possível utilizar na linguagem SQL a sintaxe: UPDATE... SET... FROM...? 2 - Por que o * deve ser evitado em consultas de recuperação de dados (SELECT)? 3 - Alguns SGBD s permitem a construção de consultas de inserção de dados (INSERT) sem que sejam especificadas as colunas nas quais os dados devem ser inseridos. Quais as desvantagens dessa omissão? 63 21

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) M.Sc. Cristiano Mariotti mscmariotti@globo.com Introdução à SQL 1 Visão Geral Introdução Comandos de Definição de Dados Comandos de Manipulação de Dados Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados II

Laboratório de Banco de Dados II Laboratório de Banco de Dados II Esquema de um banco de dados relacional Em aulas anteriores, vocês implantaram um projeto físico de banco de dados com todos os seus elementos, inclusive tratando do projeto

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 3 Linguagem SQL Linguagem de manipulação de dados (DML) DISCIPLINA: Banco de

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SQL DDL Criando Tabelas e Restrições Instituto Militar de Engenharia IME Material extraido parcialmente de notas de aula de Maria Luiza Campos e Arnaldo Vieira Comandos de Definição de Dados Aplicação

Leia mais

4.6. SQL - Structured Query Language

4.6. SQL - Structured Query Language 4.6. SQL - Structured Query Language SQL é um conjunto de declarações que é utilizado para acessar os dados utilizando gerenciadores de banco de dados. Nem todos os gerenciadores utilizam SQL. SQL não

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01 Banco de Dados Módulo 7 - Modelo Relacional Definição do Esquema Relacional em SQL modulo07.prz 1 10/09/01 Introdução SQL linguagem padrão para SGBDs relacionais derivada do SEQUEL (Structured English

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina Introdução Banco de Dados SQL Fernando Fonseca Ana Carolina SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta, permitindo definição (DDL)

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Exemplos de Vistas SQL. Tipos em SQL. Linguagem de Definição de Dados (DDL) CREATE VIEW todososclientes As

Exemplos de Vistas SQL. Tipos em SQL. Linguagem de Definição de Dados (DDL) CREATE VIEW todososclientes As Exemplos de Vistas SQL Considere-se a vista (com o nome todososconsumidores) contento os nomes das agências e seus clientes CREATE VIEW todososclientes As Π nomebalcao,nomecliente (temconta conta) Π nomebalcao,nomecliente

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL (86); SQL-2 (92); SQL-3 (99) e SQL:2003 não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere...

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES BANCO DE DADOS GERENCIAL 1 AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES Integridade de domínio A integridade de domínio é a validade de entradas para uma coluna específica. É possível aplicar a integridade

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL- (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL-1 (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados SQL Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados Roteiro O que é SQL? Breve Histórico da SQL Usos da SQL Comandos SQL DDL Comandos SQL DML Comandos para consultas

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Banco de Dados II Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Material usado na montagem

Leia mais

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO Tutorial SQL Fonte: http://www.devmedia.com.br/articles/viewcomp.asp?comp=2973 Para começar Os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Relacionais (SGBDr) são o principal mecanismo de suporte ao armazenamento

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL Objetivos Revisando a sintaxe SQL SELECT, UPDATE, INSERT, DELETE Manipulando expressões Funções matemáticas, etc Condições de Pesquisa Funções de Agregação

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com MYSQL: TIPOS DE DADOS Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com TIPOS DE DADOS Bancos de dados, como falamos anteriormente, armazenam dados dentro de tabelas, na forma de linhas e colunas.

Leia mais

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 3 SQL Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto na Disciplina

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Linguagem de Consulta:SQL contéudo Structured Query Language Originalmente SEQUEL Structured English Query Language Projeta e Implementada pela

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados

SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados SQL: Definição de tabelas, Modificações à Base de Dados Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 24 Definição do esquema da base de dados O esquema da BD é composto pelas definições de

Leia mais

BANCO DE DADOS Parte 4

BANCO DE DADOS Parte 4 BANCO DE DADOS Parte 4 A Linguagem SQL Introdução Desenvolvida pelo depto de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R) Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL Banco de Dados I Adrovane Marques Kade 1 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia adrovane.kade@bento.ifrs.edu.br 2011/1 ( Structured Query Language

Leia mais

Linguagem SQL (Parte I)

Linguagem SQL (Parte I) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte I) Introdução

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS)

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL SQL, é uma linguagem de programação que foi desenvolvida para questionar bases de dados relacionais

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais