A interface IDataSource retorna dados em formato tabular e disponibiliza apenas dois métodos: GetView e GetViewNames. O primeiro,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A interface IDataSource retorna dados em formato tabular e disponibiliza apenas dois métodos: GetView e GetViewNames. O primeiro,"

Transcrição

1 3 1CONTROLOS DATA SOURCE A plataforma ASP.NET disponibiliza um conjunto de controlos, designados de data source, que são capazes de fornecer dados que podem ser consumidos por outros, designados por data bound (são apresentados no próximo capítulo), sem que seja necessário escrever código. Estes controlos são analisados ao longo deste capítulo. 3.1 CONTROLOS DATA SOURCE A plataforma ASP.NET permite a realização de operações de binding entre controlos de apresentação de dados e controlos de acesso a dados, sem ser necessário utilizar código para estabelecer esse relacionamento. De forma a uniformizar este tipo de controlos, a equipa de desenvolvimento criou duas interfaces (IDataSource e IHierarchicalDataSource) que são implementadas pelos controlos data source (figura 3.1). FIGURA 3.1 Interfaces implementadas pelos controlos data source A interface IDataSource retorna dados em formato tabular e disponibiliza apenas dois métodos: GetView e GetViewNames. O primeiro, GetView, recebe o nome de uma view como parâmetro e retorna um elemento do

2 68 ASP.NET 4.0 CURSO COMPLETO tipo DataSourceView, que contém os dados mantidos por essa vista. Por sua vez, o método GetViewNames retorna uma colecção de strings que indicam quais as views associadas actualmente a essa instância do controlo. A classe DataSourceView expõe propriedades que nos permitem descobrir as operações que podem ser realizadas sobre os dados mantidos pela vista (tabela 3.1). PROPRIEDADES CANDELETE CANINSERT CANPAGE CANSORT CANRETRIEVETOTALROWCOUNT CANUPDATE DESCRIÇÃO Indica se a vista suporta a operação de eliminação. Permite-nos saber se a vista suporta operações de inserção de dados. Propriedade que informa acerca da disponibilidade de efectuar a paginação dos dados. Propriedade que informa acerca da disponibilidade de efectuar a ordenação dos dados. Indica se é possível obter o número total de registos devolvidos pela fonte de dados. Permite-nos saber se é possivel actualizar um determinado registo na fonte de dados. TABELA 3.1 Propriedades da classe DataSourceView Como seria de esperar, a classe apresenta também um conjunto de métodos capazes de executar essas operações (tabela 3.2). NOMES DOS MÉTODOS DELETE INSERT SELECT UPDATE DESCRIÇÃO Responsável por eliminar um ou mais registos da fonte de dados. Método que efectua a inserção de um registo na base de dados. Operação responsável por obter um conjunto de dados a partir da fonte de dados. Método capaz de efectuar uma operação de actualização aos dados contidos na vista. TABELA 3.2 Métodos disponibilizados pela classe DataSourceView Por outro lado, a interface IHierarchicalDataSource é implementada por classes capazes de fornecer dados em formato hierárquico (figura 3.3). A interface possui apenas um método, GetHierarchicalView, capaz de devolver um elemento do tipo IHierarchicalDataSourceView usado para representar a vista que contém os dados.

3 CONTROLOS DATA SOURCE 69 FIGURA 3.2 Hierarquia de controlos IDataSource Note-se que muitas das classes que permitem o acesso a dados em formato tabular limitam-se a usar a classe DataSource como base. Por outro lado, a classe abstracta HierarchicalDataSourceControl é utilizada como base dos controlos que retornam dados em formato hierárquico. É importante salientar que os controlos data source hierárquicos fornecidos pela plataforma também são capazes de fornecer dados em formato tabular (figura 3.3). FIGURA 3.3 Hierarquia de controlos IHierarchicalDataSource

4 70 ASP.NET 4.0 CURSO COMPLETO Apesar de executarmos as operações através do controlo, convém referir que estas são sempre realizadas pelas vistas associadas ao controlo (isto é, o controlo delega a realização das operações na vista). É interessante verificarmos que praticamente todos os controlos data source disponibilizados pela plataforma mantêm apenas uma vista interna responsável pela realização das operações pedidas (este tipo de comportamento é apenas definido pelo próprio controlo e não pela interface usada para sinalizar este tipo de elementos). Os controlos de acesso a dados em formato tabular mantêm sempre uma vista derivada da classe DataSourceView (normalmente designada de DefaultView), como podemos verificar através da figura 3.4. FIGURA 3.4 Relacionamento entre controlos data source tabulares e vistas Por outro lado, as vistas sobre os dados hierárquicos são sempre representadas por elementos derivados da classe HierarchicalDataSourceView (figura 3.4). As classes SiteMapDataSource e XmlDataSource conseguem manter internamente duas vistas necessárias à satisfação de pedidos em formato tabular (via interface IDataSource) e em formato hierárquico (através da interface IHierarchicalDataSource figura 3.5).

5 CONTROLOS DATA SOURCE 71 FIGURA 3.5 Relacionamento entre controlos data source hierárquicos e vistas OPERAÇÕES DE DATA BINDING Estes controlos dispensam a escrita de código para efectuar uma operação de data binding já que podemos associá-los a controlos data bound (capazes de apresentar dados) através de atributos na markup da página. Para tal, temos apenas de utilizar a propriedade DataSourceID, disponibilizada por todos os controlos data bound. Esta propriedade espera uma string com o ID do controlo do tipo data source que fornecerá os dados que serão apresentados ao utilizador. 3.2 CONTROLO SQLDATASOURCE O controlo SqlDataSource permite-nos aceder a qualquer base de dados desde que exista um provider capaz de estabelecer uma ligação a esse SGBD. Por predefinição, a classe permite a ligação à base de dados SQL Server através do provider System.Data.SQLClient (o provider usado pode ser controlado através da propriedade ProviderName). A propriedade ConnectionString permite-nos definir a string utilizada pelo controlo para estabelecer uma ligação à base de dados. O controlo possui várias propriedades (tabela 3.3) que permitem definir os comandos SQL executados pelo controlo.

6 72 ASP.NET 4.0 CURSO COMPLETO PROPRIEDADES SELECTCOMMAND INSERTCOMMAND UPDATECOMMAND DELETECOMMAND SELECTCOUNTCOMMAND CANCELSELECTONNULLPARAMETER DESCRIÇÃO Instrução SQL usada para obter dados a partir do SGBD. Instrução SQL responsável por adicionar novos registos a uma tabela. Instrução SQL que efectua a actualização de um registo. Instrução SQL que indica os elementos que deverão ser eliminados de um SGBD. Instrução SQL que permite obter o número de registos existentes. Propriedade do tipo boleano, usada para indicar se a operação de obtenção de dados deve ser cancelada caso algum dos parâmetros possua o valor NULL. Por predefinição, esta propriedade possui o valor true. TABELA 3.3 Propriedades do controlo SqlDataSource Cada uma das propriedades apresentadas na tabela 3.3 pode conter um comando SQL ou o nome de uma stored procedure. O tipo de instrução definido é identificado através das propriedades DeleteCommandType, InsertCommandType, UpdateCommandType e SelectCommandType (estas propriedades obtêm os valores a partir da enumeração SqlDataSourceCommandType). Para ilustrar a utilização deste tipo de elementos, vamos começar por criar uma nova base de dados local (SQL Server 2008 Express) com o seguinte esquema: FIGURA 3.6 Tabelas usadas no exemplo O excerto seguinte apresenta o código definido na página cap03/ex1.aspx: Page Language="C#" %> <html> <body> <form id="form1" runat="server"> <asp:gridview runat="server" id="grid" DataSourceID="source" /> <asp:sqldatasource runat="server" ID="source"

7 CONTROLOS DATA SOURCE 73 connectionstring="<%$ ConnectionStrings:bd %>" SelectCommand= "select idalunos, nome, morada, codigopostal from alunos"/> </form> </body> </html Vamos ignorar a utilização do controlo GridView, uma vez que este controlo será analisado de forma aprofundada no próximo capítulo. Para já, o que nos importa saber é que a grid obtém automaticamente os dados devolvidos pelo SqlDataSource devido à utilização da propriedade DataSourceID. O SqlDataSource usado no exemplo anterior consegue apenas devolver dados já que definimos apenas um comando SELECT (através da propriedade SelectCommand). Qualquer tentativa de utilizar o comando para efectuar uma operação diferente (por exemplo, de UPDATE) resulta na geração de uma excepção. A string de ligação à base de dados (propriedade ConnectionString) é obtida através de uma expressão do tipo <%$ ConnectionStrings %> (estas expressões permitem obter ligações definidas na secção <connectionstrings>). Existem outras expressões semelhantes a estas que podem ser usadas para obter valores provenientes das secções de configuração <appsettings> e de ficheiros de recursos (estas expressões serão analisadas em capítulos posteriores). Se consultarmos o ficheiro web.config (do código que acompanha o livro), encontramos as seguintes entradas: <connectionstrings> <add name="bd" connectionstring="data source=.\sqlexpress2008;integrated Security=SSPI;AttachDBFilename= DataDirectory \alunos.mdf;use r Instance=true"/> </connectionstrings> O atributo name é usado para identificar cada entrada nesta secção, sendo o atributo connectionstring responsável por definir a string de ligação a base de dados. O aspecto mais importante a reter do exemplo anterior reside no facto de não termos escrito uma única linha de código (nem mesmo para obter a string de ligação à base de dados definida no ficheiro de configuração).

8 74 ASP.NET 4.0 CURSO COMPLETO DATAREADER VS DATASETS Os dados devolvidos pelo controlo SqlDataSource podem ser obtidos a partir de um DataReader ou de um DataSet. A escolha do elemento usado é feita através da propriedade DataSourceMode, cujo valor provém da enumeração SqlDataSourceMode (define os valores DataSet e DataReader). Por predefinição, é utilizado o valor DataSet. Algumas das operações efectuadas pelo controlo são apenas possíveis quando a propriedade DataSourceMode possui o valor DataSet. Por exemplo, as operações de caching, paginação e filtragem só podem ser executadas se os dados retornados do controlo forem encapsulados num DataSet UTILIZAÇÃO DE STORED PROCEDURES Apesar de o exemplo anterior apresentar uma instrução de SQL para obter os dados existentes na tabela alunos, podemos facilmente modificar esse código de modo a que esses dados passem a ser obtidos à custa da execução de uma stored procedure. Para tal, temos de atribuir o nome da stored procedure à propriedade SelectCommand e atribuir o valor StoredProcedure à propriedade SelectCommandType. A propriedade SelectCommandType indica se o valor definido na propriedade SelectCommand deve ser interpretado como o nome de uma stored procedure (StoredProcedure) ou como uma instrução SQL (Text). Por predefinição, a instrução definida na propriedade é interpretada como uma instrução SQL, pelo que, se quisermos usar uma stored procedure, temos de proceder à modificação da propriedade SelectCommandType UTILIZAÇÃO DE PARÂMETROS Na maior parte dos casos, estamos interessados em obter um subconjunto de todos os registos existentes em uma ou mais tabelas com base num determinado critério definido através do recurso a parâmetros. Por exemplo, se quisermos modificar o exemplo anterior de forma a obter todos os alunos cujo nome começa por uma determinada string, podemos escrever uma instrução SQL semelhante à seguinte: select idalunos, nome, morada, codigopostal from alunos where nome

9 CONTROLOS DATA SOURCE 75 Um controlo SqlDataSource pode receber um ou mais parâmetros que serão passados à instrução SELECT aquando da sua execução. Esses parâmetros deverão estar definidos numa colecção mantida pela propriedade SelectParameters: <asp:gridview runat="server" id="grid" DataSourceID="source" /> <asp:sqldatasource runat="server" ID="source" connectionstring="<%$ ConnectionStrings:northwindNormal %>" SelectCommand="select idalunos, nome, morada, codigopostal from alunos where nome <SelectParameters> <asp:parameter DefaultValue="L%" Direction="Input" Name="nome" Type="string" ConvertEmptyStringToNull="true" /> </SelectParameters> </asp:sqldatasource> O exemplo anterior (cap03/ex2.aspx) limita-se a configurar o controlo de forma a que este consiga obter todos os alunos cujo nome começa pela letra L. Ao efectuar o parsing da página, todos os parâmetros definidos no interior do elemento SelectParameters são adicionados a uma colecção exposta através da propriedade SelectParameters do controlo. PROPRIEDADES DEFAULTVALUE DIRECTION DESCRIÇÃO Esta propriedade permite-nos atribuir um valor predefinido ao parâmetro. O valor atribuído a esta propriedade provém da enumeração ParameterDirection e define a direcção do parâmetro (Input, InputOutput, Output e ReturnValue). NAME Permite-nos definir o nome do parâmetro usado na operação (é importante notar que não devemos utilizar no valor atribuído a esta propriedade). TYPECODE A enumeração TypeCode define o tipo do parâmetro. CONVERTEMPTYSTRINGTONULL Indica se o parâmetro deve possuir o valor NULL quando está associado a uma string vazia. SIZE Esta propriedade permite-nos definir o tamanho associado ao valor passado pelo parâmetro (apenas pode ser usado em determinadas situações). TABELA 3.4 Propriedades expostas pela classe Parameter

10 76 ASP.NET 4.0 CURSO COMPLETO DEFINIÇÃO DO VALOR PARÂMETRO DE FORMA DINÂMICA Como é óbvio, o exemplo anterior encontra-se muito longe do que é minimamente exigível no mundo real. Assim, vamos modificá-lo de forma a que o valor do parâmetro seja definido dinamicamente. A figura 3.7 mostra o aspecto do formulário utilizado. FIGURA 3.7 Filtragem dos dados através do uso de parâmetros O código utilizado para obter a funcionalidade é reproduzido no excerto seguinte: Page Language="C#" %> <script runat="server"> void ProcessClick( object sender, EventArgs args ) { source.selectparameters ["nome"].defaultvalue = letra.text + "%"; } </script> <html> <body> <form id="form1" runat="server"> Introduza a letra: <asp:textbox ID="letra" runat="server" /> <asp:button ID="bt" runat="server" Text="Button" OnClick="ProcessClick" /> <asp:gridview runat="server" id="grid" DataSourceID="source" />

Acesso a Dados ADO.NET

Acesso a Dados ADO.NET Acesso a Dados ADO.NET ADO.NET Data Source Controls Um control Data Source é um objecto no qual se pode declarativamente definir: Informação sobre a conexão com a base de dados Informação de pesquisa,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO)

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO) INTRODUÇÃO AO MODELO ADONET (DESCONECTADO) O modelo ADONET (Activex Data Objects NET) consiste num conjunto de classes definidas pela NET framework (localizadas no namespace SystemData) que pode ser utilizado

Leia mais

IHttpAsyncHandler. Para além destas duas interfaces, existe ainda uma outra,

IHttpAsyncHandler. Para além destas duas interfaces, existe ainda uma outra, HANDLERS E MÓDULOS As handlers e os módulos são dois dos pontos de personalização e/ou extensão mais usados nas aplicações ASP.NET. O objetivo deste capítulo é apresentar algumas das principais particularidades

Leia mais

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter Botão next na caixa de diálogo Se carregar em Cancel, o wizard é cancelado e podemos depois definir as propriedades

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView

Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView Objectivos: Criação de fonte de dados (Data Source) a partir de base de dados. Utilização de um controlo DataGridView para visualizar dados.

Leia mais

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Objectivos: Criação de tabelas teste Comando INSERT INTO Inserção de dados Comando INSERT Actualização de dados Comando UPDATE Eliminação de dados Comando DELETE

Leia mais

Criação de uma DAL com Typed DataSets

Criação de uma DAL com Typed DataSets Criação de uma DAL com Typed DataSets Do tutorial: Creating a Data Access Layer de Scott Mitchell http://www.asp.net/data-access/tutorials/creating-a-data-access-layer-cs 1. Abrir o Projecto Base Duplo

Leia mais

Introdução ao ASP.NET

Introdução ao ASP.NET Introdução ao ASP.NET Miguel Isidoro Agenda ASP ASP.NET Server Controls Separação de Código e Apresentação Acesso a Dados Web Services Aplicações Web ASP.NET 1 ASP Razões do Sucesso Modelo de programação

Leia mais

Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes

Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes Objectivos: Aplicação Manutenção de Facturas de Clientes Utilização de uma fonte de dados. Formulários Master/Detail. Adicionar consultas a

Leia mais

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Visual Studio > File > New Project > (Visual C#, Web) ASP.NET MVC 4 Web Application Name: MvcApplication11 Project Template: View Engine: Internet

Leia mais

Integração de Aplicações e Sistemas Abordagem Táctica da Integração

Integração de Aplicações e Sistemas Abordagem Táctica da Integração Integração de Aplicações e Sistemas Abordagem Táctica da Integração Enterprise Application Integration Tecnologias de Integração de Aplicações Transferência de Ficheiros Captura da Interface Utilizador

Leia mais

Acesso a Banco de Dados usando C#

Acesso a Banco de Dados usando C# Linguagem de Programação 3 Acesso a Banco de Dados usando C# Prof. Mauro Lopes 1-31 26 Objetivos Nesta aula iremos dar continuidade aos elementos de programação da Linguagem C#. Iremos aqui apresentar

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas.

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. MySQL 101 Recapitulando Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. As bases de dados são úteis quando necessitamos

Leia mais

Tarefa Orientada 20 Cursores

Tarefa Orientada 20 Cursores Tarefa Orientada 20 Cursores Objectivos: Declarar cursores Utilizar cursores Utilizar funções do sistema para trabalhar com cursores Actualizar dados através de cursores Um cursor é um objecto da base

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

Acesso a Dados: com Wizard (sem escrever código), e Programaticamente

Acesso a Dados: com Wizard (sem escrever código), e Programaticamente Acesso a Dados: com Wizard (sem escrever código), e Programaticamente Base de Dados: loja.mdb Tabelas: Categorias (IdCat, NomeCat) Produtos (IdProd, IdCat, NomeProd, Preco, Stock) Carrinho (IdCliente,

Leia mais

Tarefa Orientada 19 Triggers

Tarefa Orientada 19 Triggers Tarefa Orientada 19 Triggers Objectivos: Criar triggers AFTER Criar triggers INSTEAD OF Exemplos de utilização Os triggers são um tipo especial de procedimento que são invocados, ou activados, de forma

Leia mais

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a Transações A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a base de dados d servir várias clientes simultaneamente. Em SQL é possível definir explicitamente os limites de uma transação.

Leia mais

Hugo Pedro Proença, 2007

Hugo Pedro Proença, 2007 Stored Procedures À medida que a complexidade dos sistemas aumenta, torna-se cada vez mais difícil a tarefa de integrar o SQL com as aplicações cliente. Além disto, é necessário que todas as aplicações

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes. Ciência da Computação da PUC Minas

Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes. Ciência da Computação da PUC Minas Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes Ciência da Computação da PUC Minas 2 Camada responsável por armazenar em um repositório de dados e reconstituir objetos de

Leia mais

Acesso a Dados com Wizard (sem escrever código) e Programaticamente

Acesso a Dados com Wizard (sem escrever código) e Programaticamente Base de Dados: loja.mdb Acesso a Dados com Wizard (sem escrever código) e Programaticamente Tabelas: Categorias (IdCat, NomeCat) Produtos (IdProd, IdCat, Preço, Stock) Carrinho (ProdId, Quantidade) Clientes

Leia mais

ASP.NET 2.0. Jorge Ricardo Calejo Microsoft Student Partner http://weblogs.pontonetpt.com/calejo ricardo.calejo@gmail.com

ASP.NET 2.0. Jorge Ricardo Calejo Microsoft Student Partner http://weblogs.pontonetpt.com/calejo ricardo.calejo@gmail.com ASP.NET 2.0 Jorge Ricardo Calejo Microsoft Student Partner http://weblogs.pontonetpt.com/calejo ricardo.calejo@gmail.com Vamos abordar: O que é o ASP.net -Web Forms -Web e HTML Server Controls - Programação

Leia mais

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas Confuso com tantos conceitos novos, com tantas siglas e acrósticos? Qual provedor usar? Devo usar DataSet ou DataReader? Se essas e outras dúvidas te atormentam,

Leia mais

! "! # $ " % & ' ( # ( ) Página: 1

! ! # $  % & ' ( # ( ) Página: 1 & '( # ( ) Página: 1 * Web Applications... 3 GRIDVIEW... 3 DETAILSVIEW... 12 FORMVIEW... 18 DATALIST... 21 CLASSE DE NEGÓCIO... 24 TREEVIEW + XML... 33 TREEVIEW + DataAdapter... 36 TREEVIEW + DataReader...

Leia mais

Repeater no GASweb. Regiões

Repeater no GASweb. Regiões Repeater no GASweb Por: Rodrigo Silva O controle de servidor Repeater é um container básico que permite a você criar uma lista de qualquer informação que deseja em uma página Web. Ele não tem uma aparência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI Exercício 1 Neste exercício trabalharemos com alguns web controls básicos e praticaremos os tipos de dados do C#. Vamos criar

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Connection String usada por uma Class Library

Connection String usada por uma Class Library Connection String usada por uma Class Library Vamos considerar uma Class Library com o modelo de dados e com acesso à base de dados através do Entity Framework. Aonde deve ser colocada a connection string

Leia mais

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho. Universidade do Minho Departamento de Informática Camada de Dados - JDBC Aula 1 António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.pt 2 Camada de Dados A camada

Leia mais

FCA - Editora de Informática

FCA - Editora de Informática , INDICE GERAL O. INTRODUÇÃO............... 1 0.1 O que posso encontrar neste livro? 1 0.2 Requisitos 1 0.3 A quem é que este livro é dirigido? 2 0.4 Código e Samples 2 0.5 Convenções 2 0.6 Organização

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008. Aula 9

Bases de Dados 2007/2008. Aula 9 Bases de Dados 2007/2008 Aula 9 1. T-SQL TRY CATCH 2. TRATAMENTO ERROS RAISERROR 3. TRIGGERS 4. EXERCÍCIOS Sumário Referências http://msdn2.microsoft.com/en-us/library/ms189826.aspx (linguagem t-sql) http://www.di.ubi.pt/~pprata/bd/bd0405-proc.sql

Leia mais

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL OBJECTIVOS Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL O objecto DOCMD Este objecto permite o acesso a todas as operações sobre todos os objectos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

IDictionary

IDictionary<String, Object> 3 1OWIN E KATANA Durante anos, a plataforma ASP.NET dependeu sempre do IIS (Internet Information Server) para efetuar o hosting de aplicações Web. Com o lançamento de novas plataformas de alto nível como,

Leia mais

3. Desenvolvimento de Aplicações Web com ASP.net

3. Desenvolvimento de Aplicações Web com ASP.net Programação para Internet Avançada 3. Desenvolvimento de Aplicações Web com ASP.net Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt ASP.net? Tecnologia de servidor que pode ser implementada através

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Objectivos: Consultar dados de uma tabela Utilizar operadores aritméticos, relacionais, lógicos, de concatenação de cadeias de caracteres, LIKE

Leia mais

Exibindo imagens em um controle DataGrid

Exibindo imagens em um controle DataGrid Exibindo imagens em um controle DataGrid O ASP.NET além de oferecer uma interface muito amigável traz muitos controles que facilitam a vida de qualquer desenvolvedor. Um destes controles é o DataGrid.

Leia mais

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28.

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28. ACCESS 2007 MACROS & VBA - CURSO COMPLETO AS-44-33 Honda Civic YY-44-32 Opel Corsa UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno AA-00-01 Ford Transit TABELA ERRO! NÃO EXISTE NENHUM TEXTO COM O

Leia mais

P redigl o bal Pesquisa de Imóveis D o c u m e n t o d e I m p l e m e n t a ç ã o d e M ó d u l o s

P redigl o bal Pesquisa de Imóveis D o c u m e n t o d e I m p l e m e n t a ç ã o d e M ó d u l o s de Adicionar Imóveis Arquitectura de dados Este módulo manipula a tabela Imóveis que se encontra na Base de Dados e faz inserções dos respectivos dados sob a mesma: Elabo ra do por: Verificad o po r: Apro

Leia mais

Criando um carrinho de compras

Criando um carrinho de compras Criando um carrinho de compras Um carrinho de compras feito em ASP.NET para você adaptar ao seu negócio e incluir no seu site. Além de aprender conceitos importantes relacionados a tecnologia ASP.NET vai

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Aplicação ReadWriteData

Aplicação ReadWriteData Aplicação ReadWriteData Aplicação com 1 página, que mostra num controlo DataGrid uma tabela de uma base de dados. O controlo DataGrid permite editar os valores mostrados nas células, e efectuar as correspondentes

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------- Base de Dados Sales.mdb Tabelas: Customers (CustomerID, Name, Address, PhoneNb, FaxNb, EMail) Products (ProductID, Description, UnitPrice, StockQtd) Sales (SaleID, CustomerID, DateOfSale) SaleDetails (SaleID,

Leia mais

Programação por Objectos. Java

Programação por Objectos. Java Programação por Objectos Java Parte 2: Classes e objectos LEEC@IST Java 1/24 Classes (1) Sintaxe Qualif* class Ident [ extends IdentC] [ implements IdentI [,IdentI]* ] { [ Atributos Métodos ]* Qualif:

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2004 / 2005

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2004 / 2005 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2004 / 2005 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro ! Transact-SQL (T-SQL) Extensão ao SQL Permite controlo do fluxo de execução Permite comandos DDL (contrariamente ao PLSQL) T-SQL combina: poder de manipulação de dados

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos É um SGBD do tipo relacional para a utilização em windows. Ao abrirmos o Access, podemos efectuar várias operações: abrir uma base de dados existente, ou então criar uma nova base de dados. Se criarmos

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

Forms Authentication em ASP.NET

Forms Authentication em ASP.NET Forms Authentication em ASP.NET Em muitos sites web é necessário restringir selectivamente o acesso a determinadas áreas, ou páginas, enquanto para outras páginas pode permitir-se acesso livre. ASP.NET

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003 Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico Access 2003 28/07/2009 [Manual de Microsoft Access.] FICHA TÉCNICA DESIGNAÇÃO DA COLECTÂNEA Manual de Microsoft Access AUTOR Carlos Serranheira DESTINATÁRIOS

Leia mais

Notas de Versão do Windows Server Update Services 3.0 SP2

Notas de Versão do Windows Server Update Services 3.0 SP2 Notas de Versão do Windows Server Update Services 3.0 SP2 Estas notas de versão descrevem a versão do Windows Server Update Services 3.0 Service Pack 2 (WSUS 3.0 SP2). Este documento contém as seguintes

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Página: 1/16 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Módulo CBDS (Central de Banco de Dados Senior) A quem se destina: Todos que tiverem a necessidade de administrar os dados da base de dados da Senior Sistemas

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

trigger insert, delete, update

trigger insert, delete, update 1 Um trigger é um conjunto de instruções SQL armazenadas no catalogo da BD Pertence a um grupo de stored programs do MySQL Executado quando um evento associado com uma tabela acontece: insert, delete,

Leia mais

DSS 09/10. DSS 09/10 Que métodos é que fazem parte de cada camada? Aplicações Multi-camada JDBC. Aula 3 DSS 09/10

DSS 09/10. DSS 09/10 Que métodos é que fazem parte de cada camada? Aplicações Multi-camada JDBC. Aula 3 DSS 09/10 Universidade do Minho Departamento de Informática Aplicações Multi-camada JDBC Aula 3 António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jose.campos@di.uminho.pt 2 Programação

Leia mais

Validação de formulário : CEP, Email e CPF

Validação de formulário : CEP, Email e CPF Validação de formulário : CEP, Email e CPF Publicado em: 14/09/2003 A ASP.NET veio para facilitar ainda mais o desenvolvimento para WEB, trazendo consigo todo um conjunto inovações que visam facilitar

Leia mais

BD SQL Server. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04

BD SQL Server. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04 BD SQL Server SGBD SQL Server Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Bases de Dados 2003/04 BD SQL Server Criação da Ligação ao SGBD Entrar no Microsoft SQL Server / Enterprise Manager Criar

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

Guia rápido do utilizador

Guia rápido do utilizador Guia rápido do utilizador Índice Relatório de roubo 3 Criar um novo relatório de roubo 4 Fornecer detalhes do relatório de roubo Secção 1. Especificar o computador 5 Fornecer detalhes do relatório de roubo

Leia mais

SQL consulta com operadores

SQL consulta com operadores A empresa Virtual Data Comunication Ltda. Deseja fazer uma simulação de aumento de salário em R$ 100,00 sobre o salário de cada funcionário SELECT NOME, SALARIO + 100 FROM cadfun; Esta forma de apresentação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = "Título"

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = Título 1.1.1 OBJECT As variáveis do tipo Object representam referências a objectos alojados na memória, em endereços reservados. A partir do momento em que atribuímos um objecto a uma variável deste tipo, podemos

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

files, que devolve um objeto do tipo FileList.

files, que devolve um objeto do tipo FileList. WEB STORAGE 199 7.4.3 FILE API A File API foi introduzida para nos fornecer maior flexibilidade no acesso ao conteúdo de ficheiros a partir de uma página HTML. Por predefinição, o acesso a um ficheiro

Leia mais

DADOS COM MICROSOFT ACCESS

DADOS COM MICROSOFT ACCESS VIDAL DE CARVALHO ANA AZEVEDO ANTÓNIO ABREU BASES DE DADOS COM MICROSOFT ACCESS 2007 Portugal/2008 Microsoft is a registered trademark of Microsoft Corporation in the United States and/or other countries

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2014/2015 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1.

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1. Departamento de Engenharia Informática 2008/2009 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Nota prévia. Convenções

Nota prévia. Convenções Nota prévia O draft de diagrama de componentes, e respectivas interfaces, foi actualizado pela última vez em 07/12/2007. Este draft servirá de base para as implementações do CyberChair. Caso detecte alguma

Leia mais

Conceitos, tabelas e consultas

Conceitos, tabelas e consultas MICROSOFT ACCESS Conceitos, tabelas e consultas 1. CONCEITOS Base de Dados é um conjunto de dados organizados SGBD (Sistema de Gestão de Base de Dados) programa que permite fazer a gestão da base de dados.

Leia mais

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual NetOp Remote Control Versão 7.65 Adenda ao Manual Mover a perícia - não as pessoas 2003 Danware Data A/S. Todos os direitos reservados Revisão do Documento: 2004009 Por favor, envie os seus comentários

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Apresento neste artigo como criar uma aplicação web totalmente orientada a objetos usando o framework NHibernate e a linguagem C#. Nossa meta é construir

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Criar uma aplicação JPA2 com EclipseLink e H2

Criar uma aplicação JPA2 com EclipseLink e H2 Criar uma aplicação JPA2 com EclipseLink e H2 1) Criar uma aplicação Java no NetBeans. File > New Project > Java, Java Application > Project name: JPA2 Finish. 2) Acrescentar ao Projeto NetBeans a biblioteca

Leia mais

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04 BD Oracle SGBD Oracle Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Bases de Dados 2003/04 BD Oracle Introdução aos SGBD Base de Dados Colecção de dados que descrevem alguma realidade Sistema de

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Access 2010 Colecção: Software

Leia mais

Administração Regional de Saúde do Norte Formação em Informática Aplicada à Investigação (Tratamento de Dados) Microsoft Office Access 2007

Administração Regional de Saúde do Norte Formação em Informática Aplicada à Investigação (Tratamento de Dados) Microsoft Office Access 2007 Administração Regional de Saúde do Norte Formação em Informática Aplicada à Investigação (Tratamento de Dados) Microsoft Office Access 2007 Setembro 2011 Índice CONCEITOS GERAIS SOBRE BASES DE DADOS...

Leia mais

2 Arquitectura da Plataforma Reporting Services

2 Arquitectura da Plataforma Reporting Services Produção Dinâmica e Interactiva de Relatórios Baseados na Linguagem XML/RDL, com Foco na Geração de Queries MDX Paulo Santos 1, Alberto Rodrigues da Silva 2 1 INESC-ID e Instituto Superior Técnico, Rua

Leia mais

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem 1 JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem orientada a objectos. Tal como em ASP e PHP, os ficheiros

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Flash MX ActionScript

Flash MX ActionScript Flash Programação MX ActionScript Multimédia Flash MX ActionScript Pedro Costa / 2004 Introdução Neste momento, o ActionScript é provavelmente a ferramenta mais poderosa integrada no Flash. Esta linguagem

Leia mais