Legal Letter. Destaques. Projeto de lei prevê reabertura de. Justiça invalida alteração da. Ministério do Trabalho esclarece

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legal Letter. Destaques. Projeto de lei prevê reabertura de. Justiça invalida alteração da. Ministério do Trabalho esclarece"

Transcrição

1 Legal Letter Destaques Projeto de lei prevê reabertura de prazo para o Refis da crise Justiça invalida alteração da contribuição de Riscos Ambientais do Trabalho (RAT) Ministério do Trabalho esclarece aplicação de aviso prévio Produzido por Oliveira Cardoso, Carvalho de Brito, Libardi Comarela e Zavarize Advogados Associados. Telefones: / Direitos Autorais reservados. Ajude-nos a preservar o meio ambiente. Evite imprimir desnecessariamente este material.

2 Projeto de lei prevê reabertura de prazo para REFIS da crise Projeto de lei, cuja justificativa foi baseada nas dificuldades trazidas pela legislação para a adesão foram de tal monta, que cerca de dois terços dos possíveis beneficiários não conseguiram ultimar os procedimentos dentro do prazo, pode reabrir os prazos do parcelamento instituído pela Lei /09, denominado REFIS da crise. Segundo o Deputado Mendes Thame, com o agravamento da crise econômica internacional, cujos efeitos já começam a atingir também o Brasil, renova-se a necessidade de medidas de caráter econômico destinadas a impulsionar o crescimento e a criação de empregos: o sucesso alcançado com as políticas adotadas nos últimos anos o comprova. O Projeto será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação e Constituição e Justiça e de Cidadania. O novo prazo proposto para a adesão ao programa, se aprovado o projeto de lei, será reaberto pelo período de seis meses após a publicação da nova lei.

3 Alteração da alíquota da Contribuição RAT - Riscos Ambientais do Trabalho é declara inconstitucional pela Justiça O TRF da 1ª região, acolheu a alegação de e inconstitucionalidade do art. 10 da lei /03, que trata da alíquota da Contribuição RAT - Riscos Ambientais do Trabalho. A alteração foi atribuída ao regulamento da previdência social, ou seja, sem que houvesse a necessidade de Lei aprovada pelo Congresso para regular a matéria, o que, segundo o Tribunal, viola o Princípio da Legalidade Tributária. A desembargadora Maria do Carmo Cardoso, argumentou que a limitação ao poder de tributar prevista no art. 150, I, da CF/88, assim como o art. 9.º, I, do Código Tributário Nacional, veda ao Fisco instituir ou majorar tributos sem que a lei o estabeleça.

4 Ministério do Trabalho esclarece aplicação de aviso prévio O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou uma nota técnica por meio da qual esclarece que o aviso prévio proporcional não possui validade para contratos objeto de rescisão antes da entrada em vigor da Lei , que alterou o aviso prévio, com acréscimo de três dias por ano trabalhado. O ministério ainda esclarece que não há permissão para a retroatividade da lei, não havendo a possibilidade de se aplicar o conteúdo da norma para avisos prévios já iniciados. Ou seja, os avisos prévios comunicados serão aplicados de acordo com a regra antiga, de apenas 30 dias indenizados.

5 Brasileiro trabalhou até o último dia 29 de maio para pagar tributos aos governos Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), mostrou que o contribuinte brasileiro trabalhou até o dia 29 de maio, somente para pagar os tributos (impostos, taxas e contribuições) exigidos pelos governos federal, estadual e municipal. A tributação incidente sobre os rendimentos (salários, honorários, etc.) é formada principalmente pelo Imposto de Renda Pessoa Física, pela contribuição previdenciária (INSS, previdências oficiais) e pelas contribuições sindicais. Além disso, o cidadão paga a tributação sobre o consumo já inclusa no preço dos produtos e serviços (PIS, COFINS, ICMS, IPI, ISS, etc) e também a tributação sobre o patrimônio (IPTU, IPVA, ITCMD, ITBI, ITR). Arca ainda com outras tributações, como taxas (limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos) e contribuições (iluminação pública,...).

6 Aumento do IPI para veículos importados será julgado pelo STF STF: o Min. Marco Aurélio determinou a apreciação definitiva, pelo Plenário da Corte, da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 245. Ajuizada pelo Democratas (DEM), a ADPF questiona o Decreto nº 7.567/2011, que instituiu benefício do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos fabricados no país. O DEM alega também que a fórmula de cálculo do benefício não inclui veículos importados por montadoras com fábricas instaladas no México ou Mercosul, que poderiam realizar as operações de importação sem alterar o seu coeficiente regional relativo a autopeças. Sustenta o Democratas que o benefício teve por finalidade exclusiva instituir tratamento discriminatório em relação a importações oriundas da Ásia, em favor do Mercosul e do México.

7 STJ confirma que contribuinte não pode ser obrigado a pagar complementação por efetuar depósito judicial O STJ entendeu ser ilegal que o Estado exija do contribuinte qualquer complementação sobre depósito judicial, quando o valor depositado em ação judicial que se questione tributos corresponder, na data do depósito, à integralidade do débito em discussão. A questão foi discutida por conta de modificações em legislações estaduais substituíram a aplicação da taxa SELIC como critério de correção de seus créditos tributários pelo cálculo de juros de mora diários, substancialmente mais elevados que a SELIC. O CTN é expresso ao determinar que o depósito em montante integral suspende a exigibilidade do crédito tributário (e, portanto, afasta a configuração da mora) e que a jurisprudência do STJ é favorável aos contribuintes em relação ao assunto. Boletim produzido por Oliveira Cardoso, Carvalho de Brito, Libardi Comarela e Zavarize Advogados Associados com base em informações relevantes do mês anterior. Direitos Autorais reservados Fotografias: Fabiano Carvalho de Brito, além de outras eventualmente cedidas pelo STF. Visite nosso site: As opiniões emitidas neste Informativo revelam apenas o ponto de vista dos autores, que não assumem qualquer tipo de responsabilidade pela utilização de suas conclusões, redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.