CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC)"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC) O presente trabalho foca o estudo e a construção de uma aplicação de banco de dados usando uma linguagem emergente chamada XML (extensible Markup Language) e outras tecnologias, como SQL, COM+, Visual Basic (VB) e ASP. A XML é uma linguagem de marcação, assim como a HTML, porém seu objetivo reside em descrever dados salientando sua estrutura. Médicos, pacientes e laboratórios na área de ginecologia compõem o sistema desenvolvido e interagem dentro dele. Ao médico confere-se o acesso à ficha completa dos seus pacientes, podendo ele requisitar novos exames, solicitar medicamentos, ver anotações de outros médicos que já atenderam sua paciente e ainda observar resultados de exames anteriormente feitos pela mesma. Assim o médico pode acompanhar o histórico da paciente e diagnosticá-la com maior precisão. No próprio sistema, a paciente pode escolher em qual laboratório pretende realizar seu exame e este recebe a notificação da escolha para posteriormente entrar em contato com a paciente e marcar o horário de atendimento. Projetou-se o sistema como uma aplicação em três camadas, assim alguns passos bem definidos foram cumpridos. O primeiro passo englobou a escolha do sistema e suas funcionalidades. O segundo, a definição e construção das tabelas de banco de dados no SQL Server 7.0 e de stored procedures em SQL que implementam as funcionalidades especificadas no primeiro passo. Ao terceiro passo atribuiu-se o desenvolvimento de toda camada de regras de negócio usando VB. E, por último, o estudo do ASP associado ao XML e XSL. The current project focuses on the study and the construction of a database application using the XML (extensible Markup Language) and other technologies: SQL, COM+, Visual Basic (VB) e ASP. The XML is a markup language like the HTML, but its objective is to describe data by emphasying to data structure. Doctors, patients, and laboratories in gynecologic area form the system. The doctor can access the patient s card, and can later request new exams and medication, see the notes of other doctors who already served his patient, and access the results of exams that these other doctors demanded. On this way, the doctor can follow patient history and diagnose her with more precision. In the system, the patient can choose the laboratory where she will take the exam and the laboratory receives the ask for call the patient and schedule an appointment. The system was design as a three layers application, and some steps are followed for this. The first one was to choose the system and its functions. The second step was to define and develop the database tables in SQL Serve 7.0 and the stored procedures using SQL that implements functions from the first step. The development of the Business Service layer takes place in the third step, using VB. At the last step, the study of ASP associated to XML and XSL was undertaken.

2 1. O CONTEXTO DO SISTEMA Existem alguns inconvenientes enfrentados pelas pessoas ao fazer seu acompanhamento médico, são eles: guardar seus exames anteriores e mudar de médico. Guardar exames é necessário para que o médico possa acompanhar a evolução de um problema detectado ou a situação do organismo. Caso o médico não tenha acesso aos exames anteriores aumentará a complexidade de uma decisão de tratamento, pois ele irá encarar o problema do paciente como novo e passar vários exames de modo a embasar o diagnóstico. Entretanto, tomar o problema como novo é ineficiente, já que o mesmo tem um passado a ser levado em consideração. Comumente se muda de médico. Pelo serviço público de saúde, o paciente às vezes não pode escolher qual médico deseja ir e acaba realizando sua consulta com um médico diferente do que lhe atendeu anteriormente. As pessoas que têm plano de saúde também sentem o problema de mudar de médico quando trocam de plano, caso o novo plano não possua convênio com os especialistas utilizados anteriormente. O inconveniente da mudança reside em ter que explicar ao novo médico qual seu problema, os exames antes realizados, os medicamentos tomados e as recomendações recebidas. Seria mais fácil se o médico sempre possuísse acesso aos dados históricos da paciente para poder diagnosticar melhor. 2. O SISTEMA PROPOSTO Neste trabalho relata-se a implementação do protótipo de um sistema voltado ao atendimento de pacientes na área da Ginecologia. Tal escolha reside no fato das mulheres possuírem acompanhamento ginecológico durante toda sua vida, a partir de aproximadamente treze anos de idade, estando, então, expostas aos dois inconvenientes básicos: guardar exames anteriores e mudar de médico. O ideal é o ginecologista estar ciente das alterações que por ventura ocorram em sua paciente e conseguir observar adequadamente o andamento destas alterações. Daí a necessidade de disponibilizar o histórico da mulher, com observações, exames e medicações feitas. Por outro lado, há remédios que causam complicações a certas pacientes e se, o médico dispuser desta informação, não irá receitar o mesmo remédio novamente. O sistema proposto consiste na interação entre paciente, médico e laboratório que realiza os exames. Um banco de dados gerencia as informações sobre os pacientes, os médico e os laboratórios; e a cada um dos três é oferecida uma interface diferente tendo em vista o atendimento de suas necessidades específicas. As principais funcionalidades que cada um deles poderá ralizar são: a) Paciente: acessar seus exames já realizados e as observações emitidas pelos médicos que lhe acompanharam, escolher em qual laboratório deseja realizar os exames requisitados e ver as instruções de seu médico quanto à utilização de um dado medicamento. b) Médico: ver a ficha de seus pacientes e seus exames antigos, requisitar novos exames, inserir novas observações sobre um determinado paciente, além de receitar os remédios a serem tomados. c) Laboratório: tem acesso aos exames que foram designados pelo médico e inserir os resultados no próprio sistema.

3 Editar dados Requisitar novo exame Ver exames anteriores Inserir observação Ver observações do médico paciente Ver exames requisitados Escolher o laboratório onde fará o exame Solicitar novo medicamento médico laboratório Ver médicos cadastrados Ver pacientes cadastradas Ver laboratórios cadastrados Ver exames a fazer Figura 1: Use cases do sistema 3. TECNOLOGIAS UTILIZADAS NO SISTEMA Entre as tecnologias empregadas no desenvolvimento do sistema estão: SQL: Usa-se a linguagem SQL (Structured Query Language) para se estabelecer uma interação com um banco de dados, sendo definida, pela ANSI (American National Standards Institute), como linguagem padrão de sistemas de gerência de banco de dados relacionais. Alguns dos sistemas de gerência de banco de dados relacionais mais utilizados são: Oracle, Sybase, Microsoft SQL Server, Access e Ingres. No presente projeto, optou-se pelo Microsoft SQL Server, o qual dispõe de recursos como stored procedures: funções em SQL que lidam diretamente com os dados mantidos no banco de dados. [17][18] COM+: Foi desenvolvido com a finalidade de simplificar a criação e o uso de componentes de software. COM+ provê runtime e serviços já usados por qualquer linguagem ou ferramenta de programação, além disso, permite interoperabilidade entre componentes sem se preocupar com como estes foram implementados. Alguns dos objetivos do COM+: Tornar-se simples para construção de componentes; Tratar questões chaves no desenvolvimento de aplicações; Prover novos serviços para os desenvolvedores; Prover um mecanismo de extensão de padrão para incorporar inovações. [12,13] Visual Basic: A Microsoft baseou o Visual Basic (VB) em uma linguagem de programação chamada BASIC (Beginner s All-purpose Symbolic Code). O BASIC é estritamente uma linguagem baseada em texto. Tanto o seu programa como sua saída são textuais e não produzem saídas gráficas em janelas como os programas atuais. Houve uma longa evolução desta linguagem até chegar no VB, que é gráfico e bastante simples de usar. O VB tornou-se bastante popular, porque pode ser utilizado tanto interpretado

4 quanto compilado. Pode-se testar um programa em VB executando-o de forma interpretada até eliminar todos seus bugs. Uma vez eliminado os bugs e depois de ter testado completamente o programa, o desenvolvedor pode então compilá-lo em um programa executável rápido e seguro que pode ser distribuído para outras pessoas utilizarem. [5][15] ASP: Active Server Pages (ASPs) são páginas Web que contêm server-side scripts em adição à mistura usual de texto e tags HTML (Hipertext Markup Language). Define-se server-side scripts como comandos especiais colocados nas páginas Web e processados no próprio servidor Web antes das páginas serem enviadas para o browser Web da pessoa que requisitou tais páginas. No sistema proposto, usamos o IIS (Internet Information Server) como servidor Web. XML: Significa extensible Markup Language, suas aplicações classificam-se em dois tipos: de documentos e de dados. A vantagem principal da XML em aplicações de documentos é que ela se concentra na estrutura do documento e o torna independente do meio de distribuição. Assim possibilita editar e manter documentos em XML e publicá-los automaticamente em diferentes meios com auxilio da XSL (XML Stylesheet Language). Como aplicações de dados, a XML pode ser usada na troca de dados. Sistemas computacionais e banco de dados contêm dados em formatos incompatíveis, e um desafio para os desenvolvedores habita na troca desses dados entre sistemas pela internet. Convertendo os dados para XML, reduz-se a complexidade, criando-se dados que podem ser lidos por diferentes tipos de aplicação. [3][6] 4. A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA O sistema foi desenvolvido como uma aplicação em três camadas, que consiste em duas aplicações cliente/servidor encadeadas. Existem três camadas porque são três partes envolvidas. Cada camada recebe um nome em especial, são elas: camada de dados (Data Services), camada de regras de negócio (Business Services) e camada de interface (User Services).[1] Camada de interface Cliente Camada de regras de negocio Camada de dados Banco de dados Figura 2: Esquema de uma aplicação em três camadas A camada de dados acessa diretamente o banco de dados Microsoft SQL Server 7.0, sendo, no sistema desenvolvido, representada pelas stored procedures em SQL. Um exemplo simples da criação de uma procedure utilizada para resgatar todas informações dos médicos cadastrados, é apresentada a seguir: CREATE PROCEDURE VERMEDICOS AS BEGIN SELECT * FROM MEDICOS END

5 A camada de regras de negócio contém os objetos que representam regras ou lógica do fluxo de operações que se deseja automatizar. Estes objetos, implementados em VB, recorrem aos da camada de dados quando desejam acessar o banco de dados e são gerenciados pela tecnologia COM+. Embora o Visual Basic não seja uma linguagem orientada a objetos, utilizou-se uma maneira alternativa para tornála orientada objetos, que consiste em implementar funções representando construtores e funções representando métodos de acesso às variáveis. Segue o exemplo de uma função destinada ao resgate de todos dados sobre os médicos: Public Function VerMedicos() As Collection On Error GoTo TRAP Dim CONNECTION As New CONNECTION Dim COMMAND As New COMMAND CONNECTION.ConnectionString = AUXCONNECTION CONNECTION.CommandTimeout = 0 CONNECTION.Open COMMAND.ActiveConnection = CONNECTION COMMAND.CommandText = "VERMEDICOS" COMMAND.CommandType = adcmdstoredproc Dim Recordset As New Recordset Set Recordset = COMMAND.Execute() If Recordset.EOF Then Call Err.Raise(1, "Não foi encontrado nenhum registro") End If Dim col As New Collection Dim med As New medico Do While Not Recordset.EOF Call med.newmedico(recordset("idmedico"), Recordset("NOME"), Recordset("ENDERECO"), Recordset("TELEFONE")) col.add med Set med = Nothing Recordset.MoveNext Loop Recordset.Close CONNECTION.Close Set VerMedicos = col Exit Function TRAP: Set VerMedicos = Nothing End Function A camada de interface contém os objetos (como formulários) sob a perspectiva do cliente, é conhecida como camada de apresentação porque nela se realiza a interface com o usuário final. As partes das telas do sistema, como barra de menu, foram desenvolvidas em HTML. Inseriu-se código ASP para processar as informações desejadas, chamando as funções dos objetos em VB. Nos casos onde há exposição dos dados na telas, como uma lista de exames ou de medicamentos, o ASP monta um documento XML cuja formatação é dada por uma folha de estilo XSL associada. Figura 3: Tela inicial da paciente e página com medicamentos a ela requisitados

6 5. CONCLUSÃO O desenvolvimento deste projeto permitiu uma visão total de uma aplicação voltada para internet, desde sua concepção até o objetivo final, que é obter um site funcionando. Percebeu-se a importância de um sistema em três camadas tanto para organização do código quanto para sua otimização. Em cada camada, as descobertas foram surpreendentes, proporcionando um aprendizado intenso de várias tecnologias. A maior dificuldade encontrada foi o aprendizado dos ambientes ainda desconhecidos, como o SQL Server 7.0 e o Visual Studio 6.0. Estudou-se o ambiente Microsoft SQL Server 7.0 no qual se emprega a linguagem SQL, objetivando construir as tabelas do banco de dados e procedimentos necessários para manipular seus dados. A importância do Visual Studio 6.0 foi observada no desenvolvimento de componentes em VB da camada de regras de negócio para prover uma maior divisão entre as camadas do sistema. Como conseqüência, houve um foco na pesquisa sobre a tecnologia COM+ e na própria manipulação da linguagem VB. No desenvolvimento da camada de interface, empregou-se ASP e XML. Assim pode se perceber a importância do ASP no processamento de informações de sistemas cliente/servidor e como é fácil se trabalhar com XML, permitindo uma excelente separação entre layout dos dados e os dados propriamente ditos, já que este layout pode ser atribuído pela aplicação de folhas de estilo XSL. AGRADECIMENTOS A Deus que me deu esta oportunidade de aprendizado e crescimento. E à minha família, que mesmo distante, conforta-me a todo momento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Wilson, Mark; Wilson, Tracey. XML Programação com VB e ASP. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda., 2001 (Trad. de XML Programming with VB and ASP); [2] McGrath, Sean. XML Aplicações Práticas, Como desenvolver aplicações de comércio eletrônico. Rio de Janeiro: Campus, 1999 (Trad. de XML by Example, por V.H.P Alves); [3] Marchal, Benoît. XML Conceitos e Aplicações. São Paulo: Berkey, 2000 (Trad. por Daniel Vieira); [4] Mitchell, Scott; Atkinson, James. Aprenda em 21 dias ASP Active Server Pages 3.0. Rio de Janeiro: Campus, 2000 (Trad. por E. Furmankiewicz e J. Figueiredo); [5] Perry, Greg. Aprenda em 21 dias Visual Basic 6. Rio de Janeiro: Editora Campus Ltda., 1999 (Trad. de Teach Tourself Visual Basic 6 in 21 Daysi, por Edson Furmankiewicz) [6] [7] [8] [9] [10] [11]http://msdn.microsoft.com/library/default.asp?url=/library/enus/dnguion/html/msdn_drguion asp [12] [13] /msj/1197/newnav.htm [14] default.asp [15] [16] [17] [18]

CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC)

CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC) CONSTRUÇÃO DE UMA APLICAÇÃO DE BANCO DE DADOS USANDO XML E ASP PROF. CELSO MASSAKI HIRATA (PQ) JULIANA DE MELO BEZERRA (IC) O presente trabalho foca o estudo e a construção de uma aplicação de banco de

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos :

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos : Atualização de Hiperdocumentos Links Estrutura lógica Estruturas de apresentação Conteúdo (textual, imagens paradas, imagens em movimento e sons) Conclusões O sucesso da WWW Motivos : Facilidade de utilização

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL OBJECTIVOS Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL O objecto DOCMD Este objecto permite o acesso a todas as operações sobre todos os objectos

Leia mais

EXCEL e VBA. Visual Basic for Applications. Tutoriais de VBA

EXCEL e VBA. Visual Basic for Applications. Tutoriais de VBA EXCEL e VBA Visual Basic for Applications Escopo da Apresentação Integração do VBA com Excel Descrição do ambiente de programação do VBA Conceitos básicos de programação Exemplos usando VBA Background

Leia mais

Validação de formulário : CEP, Email e CPF

Validação de formulário : CEP, Email e CPF Validação de formulário : CEP, Email e CPF Publicado em: 14/09/2003 A ASP.NET veio para facilitar ainda mais o desenvolvimento para WEB, trazendo consigo todo um conjunto inovações que visam facilitar

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Home Page da Estação Automática do IF-SC

Home Page da Estação Automática do IF-SC Home Page da Estação Automática do IF-SC Ana Paula Jorge Fraga Email: anaa_fraga@hotmail.com Artur da Silva Querino E-mail: arturquerino@gmail.com Kathilça Lopes de Souza E-mail: kathii16@hotmail.com Rayana

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES.

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. Fredericko Xavier Gonçalves - fredericko.xg@hotmail.com Geshner Inagaki Martins

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM ATUALIZADOR DE BANCO DE DADOS

PROTÓTIPO DE UM ATUALIZADOR DE BANCO DE DADOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO PROTÓTIPO DE UM ATUALIZADOR DE BANCO DE DADOS INTERBASE UTILIZANDO XML RANGEL JOSÉ BORDIN

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Segurança de Banco de Dados ( SQL Injection, APBIDS, Modelagem )

Gestão de Segurança da Informação. Segurança de Banco de Dados ( SQL Injection, APBIDS, Modelagem ) Segurança de Aplicações e Banco de Dados Gestão de Segurança da Informação pós-graduação Lato Sensu Segurança de Banco de Dados ( SQL Injection, APBIDS, Modelagem ) Patrick Tracanelli Francisco Temponi

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

Carregamento automatizado de Bases de Dados

Carregamento automatizado de Bases de Dados Carregamento automatizado de Bases de Dados André Neiva de Lemos nº 21276 Trabalho realizado sob a orientação de João Paulo Ribeiro Pereira Engenharia Informática 2014/2015 Carregamento automatizado de

Leia mais

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados.

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados. Ativando o MySQL Tutorial MySQL Passo1: Verificar onde (path, caminho) o MySQL está instalado. Figura 1. Diretório de instalação do MySQL Nome do Arquivo MySqld Mysqld-debug Mysqld-nt Mysqld-max Mysqld-max-nt

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Curso C# + Framework.NET

Curso C# + Framework.NET Curso C# + Framework.NET Objetivo 1ª Módulo De forma bastante prática, o participante alcançará o conhecimento conceitual da Framework.Net, utilizando C#.Net como ferramenta para este propósito. O treinamento

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE.

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. Bianca Antunes de S. R. Alves 1, Luciana M. C. Mira 2, Ana Paula Tavarez 3, José Alberto Ferreira 4, Luíz Henrique

Leia mais

Melhorias na IDE do Visual Studio 2010

Melhorias na IDE do Visual Studio 2010 Tecnologias Visual Studio 2010, ASP.NET 4, Silverlight 4, Entity Framework 4, WPF, Diagramas, Arquitetura, Cloud Computing Sumário Neste artigo vou mostrar as melhores justificativas para se adotar o Visual

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL)

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Índice Entendendo os storage engines do MySQL 5 1 As ferramentas 1 Mais algumas coisas que você deve saber 1 Com a mão na massa 2 Mais ferramentas Usando o

Leia mais

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Agregada em SQL-92 As ferramentas têm nomes para suas linguagens SQL procedurais/embutidas Oracle : PL/SQL Postgres PL/Pgsql SQL Server

Leia mais

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET D Ilton Moreira Silveira 1, Fabiano Fagundes 1, Deise de Brum Saccol 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP Rubens Prates Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP de Rubens Prates Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco)

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco) PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO PACIENTE EM ONCOLOGIA CLINICA/QUIMIOTERAPIA (PEP-Onco) Guilherme Vilar, Carlos Antônio Menezes Albuquerque, João Marcos Pedrosa de Vasconcelos, Rafael Marques Universidade Católica

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Por Edilberto Souza Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Agenda Introdução a alguns conceitos de ERP; Noções sobre o mercado de ERP; Arquitetura do Microsiga Protheus; Visão geral do ambiente

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012 Leandro de Matos Pereira Leandro dos Santos Marciano Ramon Alves de Souza Disciplina: Banco de Dados para Internet Tema do Trabalho: Tecnologias para acesso

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Cristiano Fornari Colpani (FURB) cristiano.colpani@senior.com.br Alexander Roberto Valdameri (FURB) arv@furb.br Resumo. Este artigo descreve um

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Ferramenta WEB de Monitoração, Administração e Extração de Informações de um SGBD Oracle

Ferramenta WEB de Monitoração, Administração e Extração de Informações de um SGBD Oracle Ferramenta WEB de Monitoração, Administração e Extração de Informações de um SGBD Oracle Rodrigo Luchtenber (FURB) rodrigo_luchtenberg@elosoft.com.br Alexander Roberto Valdameri (FURB) arv@furb.br Resumo.

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br

NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br A partir de 28/07/2004 (quarta-feira), ás 17:30 hs estaremos trocando nossos servidores de correio para ambos os domínios ic.uff.br

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

VBA e Access Modo de interacção

VBA e Access Modo de interacção VBA e Access Modo de interacção As funcionalidades do VBA estão completamente integradas com o Access Um bom exemplo dessa integração é o facto dos formulários e dos módulos fazerem por defeito parte integrante

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados para sites

Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados para sites UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (BACHARELADO) Aplicativo para geração automática de páginas de gerenciamento on-line de banco de dados

Leia mais

A interface do Microsoft Visual Studio 2005

A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Tarefa Orientada 1 A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Objectivos: Introdução à framework.net Iniciar o Visual Studio 2005. Criar um novo projecto de Windows Forms em Visual Basic Introdução à

Leia mais

Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net

Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Desenvolvimento de um gerador gráfico de consultas SQL via Web utilizando a plataforma.net Lucas Roberto Bechert Schmitz 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures)

PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures) PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS (Stored Procedures) 1. Introdução Stored Procedure é um conjunto de comandos, ao qual é atribuído um nome. Este conjunto fica armazenado no Banco de Dados e pode ser chamado a

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro 30 - Outubro 1 Como funciona um banco de dados Microsoft SQL Server? Fabricio Catae Premier Field Engineer Microsoft Certified Master Twitter: @fcatae WebSite: http://blogs.msdn.com/fcatae/ 2 Nossos Parceiros

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

HTML. Tópicos. Tags. Páginas WEB Arquitectura Definição HTML. O documento HTML Estrutura do documento Meta comandos Ferramentas de edição de HTML

HTML. Tópicos. Tags. Páginas WEB Arquitectura Definição HTML. O documento HTML Estrutura do documento Meta comandos Ferramentas de edição de HTML HTML Tópicos Páginas WEB Arquitectura Definição HTML Tags O documento HTML Estrutura do documento Meta comandos Ferramentas de edição de HTML Arquitectura Browser Pedido de resolução nome End. IP Pedido

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Treinamento em PHP Aula 1 Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Introdução PHP Hypertext Preprocessor Nome original era Personal Home Page Tools Criada por Rasmus Lerdorf e atualmente mantida

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2014/2015 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais