MINHA COLEÇÃO É MEU AUTORRETRATO : SOBRE OBJETOS BIOGRÁFICOS, PÁTINA E MODA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINHA COLEÇÃO É MEU AUTORRETRATO : SOBRE OBJETOS BIOGRÁFICOS, PÁTINA E MODA"

Transcrição

1 Moda Documenta: Museu, Memória e Design 2015 MINHA COLEÇÃO É MEU AUTORRETRATO : SOBRE OBJETOS BIOGRÁFICOS, PÁTINA E MODA MY COLLECTION IS MY SELF-PORTRAIT : ABOUT BIOGRAPHICAL OBJECTS, PATINA AND FASHION Aline Lopes Rochedo (UFRGS) 1 Resumo: Esta comunicação versa sobre pessoas, coisas e relações sociais a partir de reflexões acerca de indumentárias emprestadas para exposições temporárias em espaços museais e que, uma vez encerrados os eventos, retornaram às proprietárias e a seus circuitos. Guiada por teóricos das Ciências Sociais, como os antropólogos Janet Hoskins e Grant McCracken, e por exercícios etnográficos, exploram-se tensões em torno de artefatos que encontraram na fase museal relevantes pontos de inflexão para suas biografias culturais. Palavras-chave: Objetos biográficos; pátina; moda Abstract: This communication goes over people, things and social relations departing from reflections about garment lent for temporary museum exhibitions which, once the event is over, were returned to their owners and circuits. Guided by Social Science scholars, such as anthropologists Janet Hoskins and Grant McCracken, and ethnografic exercises, it explores tensions around artifacts that found in the museologist phases relevant points of inflection to their cultural biographies. Keywords: Biographical objects; patina; fashion O vestido biográfico Num pequeno artigo intitulado L objet biographique, publicado em 1969, Violette Morin cunhou duas categorias para os objetos: protocolares e biográficos. Segundo a socióloga francesa, a diferença entre essas categorias estaria na relação que cada um dos artefatos estabelece com seus portadores ou proprietários grosso modo, enquanto aquele que se encaixa no modelo biográfico envelhece com o guardião e lhe confere uma identidade e uma localização no tempo e no espaço, o protocolar não proporciona uma experiência personalizada, sendo facilmente substituído. 1 Mestranda em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com orientação da Dra. Maria Eunice Maciel, bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), graduanda em Ciências Sociais pela UFRGS e pesquisadora do Núcleo de Antropologia Visual (Navisual), também da UFRGS.

2 Às reflexões de Morin, a antropóloga norte-americana Janet Hoskins (2010) acrescentou a ideia de que nos narramos através de determinados objetos com os quais estabelecemos algum tipo de relação afetiva. Não haveria apenas um único objeto biográfico, mas uma porção deles, e que os acionamos em situações diversas. Por outro lado, como pontua a pesquisadora, existe um conjunto de coisas ao nosso redor com as quais não estabelecemos essa conexão assim como esses objetos vêm, eles vão. Os insights de Hoskins (2010) têm pautado parte de minhas reflexões na produção de minha dissertação de mestrado em Antropologia Social a ser defendida em No trabalho, exploro a biografia cultural (KOPYTOFF, 2008) de um vestido criado pelo estilista Rui Spohr, em 1971, em Porto Alegre, e adquirido pela senhora Heloisa Brenner, dama da alta sociedade gaúcha. Quarenta anos depois da aquisição da peça, Heloisa a elegeu para trajá-la nos seus 80 anos, quando recebeu os convidados ao lado de um retrato seu feito quatro décadas antes, também com vestido. Ao saber que o traje estava vivo, Rui o indicou como síntese de sua carreira de quase 60 anos ao ser convidado para integrar a mostra Moda no Brasil: criadores contemporâneos e memórias, no Museu de Arte Brasileira (MAB), em 2012, em São Paulo. Ou seja, através de um mesmo objeto, Heloisa e Rui empreenderam discursos sobre si mesmos. Daí minha inferência sobre o caráter biográfico do vestido que persigo em minha pesquisa nas trajetórias dos meus interlocutores. O fato de ter sido exibido temporariamente num espaço museal, e especialmente num museu de arte, fez com que o vestido encorajasse o estilista a reivindicar status de artista, um desejo antigo, mas que esbarra nas discussões entre moda e arte. Durante o primeiro ano da minha investigação, a dona o objeto também exaltava em nossos encontros a exposição no MAB, apesar de ter sido tornada invisível na narrativa proposta pelos curadores da mostra 2. Mas o retorno do item ao mundo cotidiano e a realização da minha pesquisa foram, aos poucos, potencializando disputas no campo sobre o futuro do objeto, afetando as relações entre estilista, cliente e vestido. Em todos os nossos encontros e entrevistas, Rui não escondeu o desejo de ter a vestimenta doada para o acervo que montou ao longo de seis décadas de carreira com croquis, 2 O vestido assinado por Rui integrou o módulo Costureiros, que reuniu peças criadas pelos chamados grandes costureiros brasileiros dos anos 1970 e 1980, como Dener Pamplona de Abreu, Clodovil Hernandes, Markito e Zuzu Angel, para citar alguns. Na composição do núcleo, constam informações sobre a data ou período da peça, a autoria e o material. Não eram fornecidas informações sobre os proprietários dos itens, que podiam ser familiares, fundações, colecionadores ou clientes.

3 fotografias, periódicos, acessórios e roupas por ele assinadas. A justificativa do estilista é a de ele teme pela sobrevivência da roupa. Como a cliente não tem filhas, apenas netas, estas talvez não dessem o mesmo valor à sua única criação já exibida num museu de arte. Portanto, a doação aumentaria as chances de um futuro mais seguro para o objeto, mesmo que Rui ainda não saiba exatamente qual será o destino do seu acervo. Heloisa, por sua vez, passou muito tempo desconversando a respeito das suas intenções em relação ao destino do longo adquirido há mais de 40 anos para uma festa no Rio de Janeiro. Algumas vezes, diante da minha insistência, limitava-se a repetir que havia pedido aos familiares que não a trajassem com o vestido quando ela morresse, pois queria ser cremada, e não seria bom queimarem uma obra de arte. E achava graça. Já nas conversas derradeiras, quando me preparava para mergulhar na escrita, Heloisa deu sinais de que a roupa poderia ficar na sua família. Um indício foi o comentário de que o mais importante na vida do vestido estaria no fato de ela, a proprietária, ter cuidado dele por tantos anos. Esta constatação seguia numa direção distinta da fala de Rui, para quem a roupa era importante porque, agora, é uma obra de arte. Ou seja, eram conexões e narrativas conflitantes em torno de um mesmo objeto biográfico. Figura 1: O vestido biográfico de Rui e Heloisa. Foto: Aline Lopes Rochedo, 2014.

4 Uma alegoria chamada Cecilia Enquanto analisava dados etnográficos e as diferentes perspectivas de Rui e Heloisa sobre o futuro e a importância do vestido que guia minha pesquisa e o futuro da roupa está em aberto, pois ela segue em circulação, estive na Itália para participar de um congresso em Milão. Na semana anterior ao evento, visitei a exposição Donne protagoniste, na Galleria del Costume, no Palácio Pitti, em Florença, experiência que acrescentou novos insights, complexificando as reflexões em torno de minha investigação e abrindo novas perguntas ao redor da ideia de objeto biográfico. Fazendo jus à suntuosidade do espaço museal, a mostra temporária era espetacular. Misturava peças de indumentária de diferentes períodos, fotografias e arte e prestava tributo a personalidades italianas consideradas referências no vestir, exaltando seus estilos e seus adornos. Assim, reunia objetos do acervo da instituição e peças emprestadas de coleções privadas. E justamente para este o ponto gostaria chamar a atenção: itens de vestuário expostos em mostras temporárias que, como o vestido Rui de propriedade de Heloisa, retornam ao uso cotidiano após serem contemplados por visitantes. Antes de adentrar o espaço dedicado a Cecilia Matteucci Lavarini, sobre quem nunca ouvira falar até então, delonguei-me diante de sua fotografia e de um texto a ela atribuído. Altiva, esguia e vaidosa, sua imagem encara de queixo erguido à lente do fotógrafo. A sobreposição de intervenções cirúrgicas no rosto não me permitia arriscar a idade da personagem, mas era uma senhora. Direcionei-me para a apresentação: colecionadora eclética de alta costura e roupas orientais. Em seguida, li as palavras de Cecilia: Moda é o presente, novidade e curiosidade, mas, ao mesmo tempo, é conhecer o passado. Para aqueles que têm a habilidade, significa inclusive ser capaz de ver o amanhã. Eu amo me destacar da multidão quando me visto. Sempre procuro por alguma coisa que seja bonita, preciosa e mesmo difícil de usar, desde que seja singular. Tenho o dom, ou o talento, de ser capaz de vestir o original e o impossível. Minhas coleções são meu autorretrato... é um trabalho feito o tempo todo solitário, sempre com o pensamento no destino hipotético: o museu. 3 No interior da sala, ou melhor, eram duas salas dedicadas a Cecilia, deparei-me com Yves Saint Laurents, Pradas, Nina Riccis, Comme des Garçons, Chanels, joias, uma capa da década 3 Tradução minha.

5 de Segundo uma funcionária do museu, a colecionadora selecionou e organizou os objetos protegidos por grandes caixas de vidro, promovendo combinações audaciosas que a retratavam. A protagonista daquele núcleo estava fisicamente ausente, mas moralmente presente, e chegava a ofuscar as lendas da alta costura pela extravagância. Roupas e acessórios faziam Cecilia ser Cecilia, e Cecilia fazia suas roupas e seus acessórios se destacassem na multidão. Os objetos narravam Cecilia, e Cecilia era a narrativa de seus objetos. Quando saíssem de lá, certamente adornariam a guardiã para continuarem sendo o que se tornaram desde que entraram no acervo e nos circuitos dela. Estimulada por aquela profusão de objetos, vi na exibição a composição de um objeto biográfico de Cecilia, uma forma de compreendê-la. Fui embora do museu pensando no autorretrato da personagem e na reflexão de Miller (2013), quando ele diz que as pessoas fazem coisas e que as coisas fazem as pessoas. Esforcei-me para não emitir juízo de valor. Queria decifrar aquela mistura de antiguidade com novidade, caleidoscópio de cores e estilos, pulsante mundo de frivolidade, ostentação e humor. Figura 2: Parte da coleção de alta costura de Cecilia Matteucci Lavarini emprestada à Galleria del Costume, em Florença. Foto: Aline Lopes Rochedo, Em pesquisa por sites e blogs na internet, soube que Cecilia reside em Bolonha, no coração da Itália, cercada por grifes a maior parte adquirida a partir dos anos 1980, em leilões Christie e Sotheby e brechós, objetos e arte. A excêntrica viúva de um barão do aço concede

6 poucas informações sobre o passado da família, além do fato de o avô ter possuído uma loja de departamentos do século XIX. O nome do marido não aparece nos textos, mas um dos hobbies do falecido é conhecido: coleção de selos. Por essas mesmas fontes, sabemos, ainda, que Cecilia nasceu em algum momento na Toscana (a idade parece segredo de Estado). E que ela não se importa de alardear a magnificência da coleção: mais de 3 mil itens entre roupas e acessórios, e boa parte já foi prometida à Galleria del Costume do Palácio Pitti. Ao que tudo indica, não há peças herdadas, mas um conjunto garimpado em cerca de 30 anos de um camafeu que pertenceu ao estilista Yves Saint Laurent a uma capa desfilada pela soprano Maria Callas. Como essas informações se repetem nas reportagens e nos blogs, arrisco afirmar que a coleção impulsionou um desejo explícito de Cecília: sobressair na multidão, ser única, mais exclusiva do que qualquer artefato ao seu entorno. Em comum, diria que o vestido de Heloisa e a coleção de Cecília compartilham o fato de acumularem em suas biografias culturais uma fase museal e já viveram suas fases mercantis e singulares (APPADURAI, 2008; KOPYTOFF, 2008). Ambos saíram dos museus e retomaram seus circuitos, ou seja, ao mesmo tempo em que são objetos de museu, são objetos de uso pessoal. Não ignoro que os artefatos da italiana tenham um currículo mais diversificado, uma vez que a inalienabilidade deles foi revertida algumas vezes em leilões e brechós, mas o objeto biográfico de Heloisa é denso de afetos, pois ela o vestiu na festa de seus 80 anos, último aniversário celebrado com o marido e um de seus quatro filhos, ambos falecidos. Cecília teria alguma coisa a ver com Heloisa? Acredito que sim o apreço declarado por objetos e a habilidade para se narrar através deles. Tanto a italiana quanto a brasileira emprestaram objetos de acervo pessoal para exposições temporárias sobre moda. No caso da primeira, foram dezenas de itens; no da segunda, um único vestido de autoria de Rui, criado em 1971, período em que o estilista gaúcho formado em Paris gozava do mais alto prestígio na moda nacional. São múltiplos relatos possíveis em meio a estratégias singulares de distinção social (BOURDIEU, 2008). Heloisa e as marcas do passado Herdeira da aristocracia rural do sul do país, Heloisa não é alegórica como Cecilia. Pelo contrário foi lapidada em colégio católico frequentado por filhas de fazendeiros e assimilou costumes e valores da boa sociedade do Brasil meridional. Aos 18 anos, casou-se com um

7 médico promissor, com quem teve quatro filhos. Na década de 1980, separada do primeiro marido, uniu-se a outro médico, permanecendo na rede de relações. Sua residência e seu estilo de vestir são contidos e clássicos, apesar de Heloisa exaltar o gosto por cores fortes. Porta mobiliário austero herdado da família, objetos regalados pela avó materna e a memória do clã. A exemplo de Cecília, aprecia leilões de arte e antiguidades. Minha interlocutora não tem uma coleção de alta costura nem consome roupas e acessórios em leilões não nos moldes da italiana. O ato de repetir um mesmo vestido da grife Rui 40 anos depois da compra correspondia a uma prática cada vez mais em desuso no mundo contemporâneo, mas ainda comum entre membros de famílias tradicionais: a recuperação nos próprios acervos de artefatos chamados vintage. O termo vintage foi cunhado por produtores de vinhos para marcar o ano da colheita e não se restringe hoje a roupas (há carros, joias, geladeiras vintage), mas foi incorporado e disseminado no campo da moda como marcador de roupa rara, autêntica e representativa de uma época ou de um costureiro (CERVELLON; CAREY; HARMS, 2012, p. 957). Há outra definição que ganhou espaço desde que o fenômeno se intensificou, a partir dos anos 1990: vintage se aplicaria a roupas criadas entre as décadas de 1920 e Peças anteriores seriam classificadas como antiguidade, e as posteriores, como itens modernos ou contemporâneos. Ainda no processo da minha etnografia, deparei-me com uma reportagem de 2008 versando sobre mulheres das elites paulistana e carioca que voltaram a pôr em circulação vestidos criados entre as décadas de 1960 e 1980 por costureiros brasileiros, peças mantidas nos roupeiros de suas próprias famílias. Reproduzo a seguir a abertura da matéria: Foi mexendo no guarda-roupa da sogra, ajudando-a a eleger a melhor produção para sua festa de 40 anos, que a empresária Tânia Derani esbarrou em uma caixa marrom, grande e empoeirada. Ao olhar com mais atenção, pode ler em letras brancas, que quase saltavam: Dener. Abri a caixa e caí para trás!, lembra Tânia. Descansava na embalagem, quase intacto, um vestido de alta costura do mais significativo costureiro brasileiro até o surgimento de uma nova geração de estilistas na década de 90 (JORDÃO, 2008, p. 68). Pois esta estratégia de recuperação dos próprios acervos, uma forma de distinção social (BOURDIEU, 2008), é chamada de pátina por McCracken (2003) e atua como uma prova física e simbólica de autenticidade de status longevo através de objetos que acumulam signos da idade em suas superfícies. Não é uma prática recente McCracken situa as origens no século XVI,

8 mas oferece vantagens em relação a outros antídotos adotados por detentores de dinheiro antigo para se diferenciar de novos ricos. Já na primeira conversa com Heloisa em sua residência, em Porto Alegre, confirmei que muitos artefatos ao nosso entorno pertenceram aos antepassados, e alguns foram adquiridos por ela e o marido em leilões e antiquários. No hall, há um relicário de jacarandá recuperado de uma das estâncias da família, e dentro da peça, imagens sacras arrematadas posteriormente. Enquanto narrava seus objetos, entendi que alguns permitiam a Heloisa traçar uma árvore genealógica e discorrer sobre familiares, sua rede de relações e seus gostos e hábitos de consumo, e que ela era o que McCracken chamaria de consumidora curatorial em um mundo moderno (2003). Até quando falava sobre os itens comprados em antiquários e leilões, Heloisa procurava remetê-los a lugares, episódios ou pessoas, acrescentando informações sobre usos ou locais de fabricação. Suas palavras transmitem responsabilidade pela continuidade e pertencimento a um determinado grupo ou uma pessoa. Conecta passado e presente. Em muitos aspectos, Heloisa lembra a senhora Lois Roget, a norte-americana a partir da qual McCracken ilustrou suas reflexões sobre o consumo curatorial, no final dos anos 1980, em Ontário, nos Estados Unidos (MCCRACKEN, 2003). Na época daquela pesquisa, Lois tinha 78 anos, descendia de uma aristocracia rural, recebeu boa educação formal, fora bem-casada, teve dois filhos e reunia em sua casa um conjunto de mobiliário e enfeites que pertenceram a diversos familiares. Tanto no caso de Heloisa quanto no de Lois, há uma ansiedade em garantir que suas memórias e as de suas famílias sejam preservadas após as suas mortes. Numa das visitas que fiz a Heloisa, ela chamou a minha atenção para etiquetas coladas em objetos decorativos, móveis e arte. Estava classificando e separando seu patrimônio em lotes para dividir entre os herdeiros queria uma partilha justa. Esta foi a deixa para eu colocar a pergunta sobre o futuro do vestido: em qual lote o longo entraria? Não sei, não pensei nisso. Agora que é obra de arte... Acho que vou colocá-lo no centro da sala, respondeu Heloisa. Achei prudente seguir omitindo o desejo de Rui em receber a roupa como doação para seu acervo, pois havia mais um ano de campo pela frente e não precisaria resolver a questão de pronto. Mas suspeitei que a chance de que Heloisa passe o vestido a uma de suas netas era muito maior do que ceder o item ao criador. No acervo de Rui, talvez a história de sua família se perdesse. O longo já havia adquirido a pátina, era capaz de autenticar o status da proprietária. Não visualmente, porque pouco se percebe a ação do tempo sobre o tecido da roupa, conservada

9 com esmero pela dona, mas com a exibição de uma fotografia de Foi até pela boa conservação que Heloisa optou por fazer do vestido o seu autorretrato : com o atestado de antiguidade do objeto, ela não era uma recém-chegada à presente posição social. Considerações finais McCracken (2003) afirma que, a partir do século XVIII, a moda entrou em cena como estratégia reativa à pátina, ou seja, como uma forma de reivindicar status que se contrapõe às práticas de exaltação do acúmulo de camadas de tradição através de gerações, tão em voga entre nobres a partir do século XVI. Hoje, essas duas formas de consumo e de relação com os objetos coexistem em nossa sociedade. Heloisa é um tipo cada vez mais raro. Valoriza a pátina para se legitimar e reivindicar aquilo que sempre lhe pertenceu, existindo no vestido e com o vestido existindo nela porque a família e a tradição em ambos estão contidas e juntas devem permanecer. Já Cecilia, a italiana das mais de 3 mil peças de roupas e acessórios, narra-se com as suas próprias coisas por meio de uma compilação de artefatos adquiridos de outrem, rearranjados e reelaborados numa coleção exuberante e frenética para representá-la e por ela ser igualmente representada. Confiando no desafio metodológico proposto Kopytoff (2008), que consiste em seguir as coisas em si mesas, em sua circulação e interação social, acreditando que esse processo pode nos levar a lugares distintos daqueles que poderíamos acessar seguindo apenas seres humanos, penso em Cecília e Heloisa a partir de seus artefatos e percebo características sobre estilos de vida, valores e relações, mas também reconheço a noção de objeto biográfico como meio potente de construção de narrativas. Pessoas não podem ser compreendidas separadamente de suas coisas. Ao seguir o vestido no jogo social, entendi (precipitadamente) a categoria cunhada por Morin (1969) e retrabalhada por Hoskins (2010) como sendo conferida a apenas um objeto ainda que este fosse transitório. A partir de Cecilia, compreendi que essa dimensão simbólica pode contemplar conjuntos de artefatos, como coleções ecléticas guiadas pela moda, fenômeno tão relacionado a um mundo que já oscila sem fronteiras claras entre o misturado e aberto e o fechado e protegido. Tanto Heloisa quanto Cecilia se autorretratam em seus artefatos. Como ensina Hoskins (2010), histórias geradas em torno de objetos promovem uma forma distanciada de

10 introspecção e facilitam a discussão sobre questões importantes para esses sujeitos e promovem reflexões sobre o significado de suas vidas (HOSKINS, 2010, p. 2). Paralelamente a construções e reconstruções narrativas das personagens, os objetos que lhes pertencem adquirem uma forma híbrida de compreensão em outros círculos para além de seus domínios. Nesse trânsito entre espaços extraordinários e ordinários, entre guarda-roupas e ambientes museais, entre o privado e o público, esses artefatos adquirem novos sentidos e modificam as relações sociais ao seu entorno. Porque essas indumentárias não são nada inocentes. Elas agem sobre os sujeitos, criam expectativas, provocam conflitos, acumulam memória e reforçam o que Miller (2013) sustenta: não são nada superficiais. Rui que o diga. Referências bibliográficas APPADURAI, Arjun. Introdução: mercadorias e a política de valor. In.: (org.). A Vida Social das Coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói, RJ: Eduff, BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre, RS: Zouk, BOURDIEU, Pierre; DELSAUT, Yvette. O Costureiro e sua Grife: contribuição para uma teoria da magia. In.: BOURDIEU, Pierre. A Produção da Crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre, RS: Zouk, CERVELLON, Marie-Cécile; CAREY, Lindsey; HARMS, Trine. Something Old, Something Used: determinants of women s purchase of vintage fashion vs second hand fashion. In.: International Journal of Retail & Distribution Management, vol. 40, nº 12, 2012, p HOSKINS, Janet. Biografical Objects: how things tell the stories of people s lives. Nova York, Londres: Routledge, JORDÃO, Claudia. Clássicos da moda brasileira. In.: IstoÉ, nº 2206, 3 set KOPYTOFF, Igor. A Biografia Cultural das Coisas: a mercantilização como processo. In.: APPADURAI, Arjun (org.). A Vida Social das Coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói, RJ: Eduff, MASETTI, Alessandro. Women in the spotlight in the twentieth century at the Galleria del Costume di Palazzo Pitti. Disponível em <http://thefashioncommentator.com/2013/11/donne-protagonistenel-novecento-alla.html> Acesso 01 fev

11 McCRACKEN, Grant. Cultura e Consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, MILLER, Daniel. Trecos, Troços e Coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rui de Janeiro: Zahar, MORIN, Violette. L object biographique. Communications. Paris: École Pratiques des Hautes Études, Centre d Études des Communications de Masse, n. 13, Who is Cecilia Matteucci Lavarini? In.: Rocaille. Disponível em <http://www.rocaille.it/who-iscecilia-matteucci-lavarini/> Acesso em 01 fev 2015.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo Mercados Contestados As novas fronteiras da moral, da ética,

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa

Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa Ana Carolina Rosa Posuelo de Oliveira Bruna Souza Passos Introdução É de conhecimento geral que o ensino de línguas na escola é principal

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação Para muita gente, os sonhos são apenas sonhos. Não levam necessariamente a ações diretas para transformar tais sonhos em realidade. Esta

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, R.J.

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, R.J. Aline Clark 2006 Copyright 2006 by Aline Clark Projeto gráfico e capa: Pedro Costa Diagramação: Pedro Costa Revisão: João Pinheiro CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros,

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br CONVOCATÓRIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA CASA JUISI 2015 Inscrições on-line www.phosphorus.art.br 01 de Março a 05 de Abril. O QUE É Residência CASA JUISI é um projeto realizado com o apoio do Rumos Itaú Cultural

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao Se você usa alguma delas, entre imediatamente em estado de alerta; você pode não ser um líder tão capaz quanto imagina Problemas, todos temos. Os chefes então, nem se fale. Mas, se aqueles que são terríveis

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

ISTOÉ - Independente. Brasil no circuito da arte

ISTOÉ - Independente. Brasil no circuito da arte ISTOÉ - Independente Imprimir Comportamento Edição: 2284 23.Ago.13-20:40 Atualizado em 29.Ago.13-13:32 Brasil no circuito da arte Movimento em alta nas galerias do País: novos consumidores são atraídos

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos.

Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos. Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos. Ana Paula Scheeren¹*(IC), Angélica Schossler¹ (IC), Vânia Beatriz Dreyer¹ (IC), Andréia Spessato De Maman¹ (PQ), Jane Herber¹(PQ) * apscheeren@univates.br

Leia mais

CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA

CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA Luciana Fávero UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução "Construir e organizar um álbum de fotografia para meus avós maternos, a fim de que o registro

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer personal cool brand Os holandeses Anouk Pappers e Maarten Schäfer, da CoolBrands, trabalham há 12 anos fazendo storytelling para marcas, que se trata de extrair histórias sobre elas por meio de conversas

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ PARTICIPANTES: AMANDA CAROLINE COLOGNI - 060.115.469-00 FRANCIELE PEREIRA ANTUNES - 067.639.869-39 NAIARA DA ROSA PIRES

Leia mais