Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL"

Transcrição

1 CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA (Idicado para as Áreas: Ecoomia, Admiistração, Cotabilidade, Matemática e Preparação para Cocursos) Coceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas fiaceiras Uso da calculadora HP-12C Uso da plailha EXCEL Prof. Ilydio Pereira de Sá

2 1) Itrodução: Curso Básico de Matemática Comercial e Fiaceira Todos ós sabemos da importâcia da Matemática Comercial e Fiaceira a vida de todas as pessoas. Ecoomistas, Admiistradores de Empresa, Professores, Empresários, Estudates, Cadidatos a Cocursos Públicos,... todos precisam estar familiarizados e atualizados com seus coceitos fudametais. Normalmete o que acotece a maioria dos cursos de graduação é que apredemos, de forma muito rápida, a usar a máquia a obteção das respostas dos problemas pricipais e, quase sempre, ão sabemos ao meos o que estamos fazedo e os coceitos que estão evolvidos a solução do problema. Em osso curso, procuraremos usar uma liguagem simples, com exemplos do mercado fiaceiro brasileiro, efocado sempre os coceitos matemáticos evolvidos em cada tópico estudado. As aplicações da Matemática Fiaceira serão abordadas através do uso de tabelas fiaceiras (mostradas em aexo, o fial da apostila), da calculadora HP-12C ou do uso da plailha Excel. HP 12 C "Apreder é descobrir aquilo que você já sabe. Fazer é demostrar que você o sabe. Esiar é lembrar aos outros que eles sabem tato quato você". (Richard Bach) Prof. Ilydio Pereira de Sá 2

3 2) RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C 2.1) Apresetação da HP 12-C A HP 12-C apreseta três fuções, uma a cor braca que é a fução primária, ode se ecotram os algarismos e outras iscrições; uma a fução amarela cujas iscrições ecotram-se logo acima do teclado e para usá-la se faz ecessário acioar ates a tecla f situada ao lado do ON, e outra a fução azul, que ecotra-se a parte iferior do teclado, e para utilizá-la acioa-se a tecla g, situada ao lado da tecla f. Para facilitarmos a idetificação das teclas a máquia, vamos sempre os referir a lihas e coluas da ESQUERDA para a DIREITA. Como exemplo, a primeira colua a máquia começa com e a primeira liha também. A Quita colua começa com FV e a terceira liha com R/S. A oitava colua com a terceira liha correspode ao algarismo 2. Quado o visor surgir um asterisco piscado, sigifica que as baterias da máquia precisam ser substituídas sob pea de daificação dos circuitos eletrôicos. Mateha o visor da máquia um c miúsculo que é coseguido pressioado STO (quarta colua, última liha) e EEX (sexta colua, seguda liha). Isso deve ser feito para que os juros calculados as frações de tempo sejam feitos de acordo com a coveção expoecial (juros compostos), que atede ao mercado brasileiro. PONTO E VÍRGULA A otação americaa para úmeros decimais é com um poto separado as casas decimais da parte iteira, assim: represeta 1230,45. A otação brasileira é com uma vírgula separado os cetavos dos reais. Para passarmos a máquia para operar de acordo com a otação brasileira você deve fazer o seguiite: Com a máquia desligada, mateha pressioado o poto (oitava colua com última liha) e ligue a máquia. Se estava com poto surgiu a vírgula com este procedimeto, se estava com vírgula volta para o poto da otação americaa. QUANTIDADE DE CASAS DECIMAIS Para trabalharmos com 2, 3, 4 ou mais casas decimais, devemos utilizar a tecla fução f (Seguda colua com última liha). Para colocarmos o visor 6 casas decimais, pressioe f e logo em seguida o algarismo 6 a fução braca. Para 2 casas pressioe F e em seguida 2 a fução braca. Lembrese que este formato só arredoda o visor, para os registros iteros e operações da máquia ela cotiua a cosiderar todas as casas decimais. PILHA OPERACIONAL Na HP 12-C os registradores (memórias) da chamada pilha operacioal são quatro, a saber: X, Y, Z e T. É a chamada otação Poloesa. Este recurso Prof. Ilydio Pereira de Sá 3

4 facilita uma cadeia de cálculos que fucioa mais ou meos como um rascuho através destes registradores adicioais. É o chamado cálculo do úmero pedete. Para ilustramos este euciado observe a seguir: a b c T 4 3 Z 3 2 Y 2 1 X 1 1 Na colua a verificamos os quatro registradores X,Y,Z e T. Na colua b verificamos os laçametos que foram efetuados ocupado os diversos registradores, que foi coseguido da seguite forma: 4 eter 3 eter 2 eter 1. Quado digitamos 4 este foi para o registrador X e ao pressioarmos ENTER o algarismo quatro foi copiado o registrador Y e cotiuou dispoível o visor que correspode ao registrador X. Ao digitarmos 3 e pressioarmos ENTER o 4 foi copiado o registrador Z, o 3 para o registrador Y e cotiuou dispoível o visor que é o X. Ao digitarmos 2 e pressioarmos ENTER, o 4 foi copiado o T, o 3 o Z, o 2 o Y e cotiuou dispoível o X que correspode ao visor. Ao digitarmos agora o algarismo 1 simplesmete, teremos a substituição do 2 o registrador X pelo 1. Coferido os úmeros os respectivos registradores, pressioaremos agora a tecla R (terceira colua com terceira liha). No primeiro comado veremos o visor o algarismo 2 (Y), o segudo comado o algarismo 3 (Z), o terceiro comado o algarismo 4 (T) e o quarto comado o algarismo 1 (X) que foi o poto de partida. Na colua c verificamos que agora o 1 foi copiado o Y. Isto sigifica que partido do último comado da colua a após a digitação do algarismo 1, foi pressioado ENTER. O 2 foi copiado para o Z, o 3 para o T e algarismo 4 foi perdido. É importate a compreesão deste mecaismo para facilitar uma série de cálculos com utilização de úmeros pedetes. Exemplo: 4+[4-(9/3)]. Na HP a sequêcia utilizado os recursos da pilha operacioal: 4 eter 4 eter 9 eter 3 divide meos mais visor = 5. TROCAR REGISTRO DE X POR Y E Y POR X. Por exemplo, se ao comadar a HP a divisão de 20 por 5, foi itroduzido primeiro o 5 e depois o 820. Para resolver o problema evitado assim ova digitação, deve-se pressioar a tecla x > < y (Quarta colua, terceira liha). 5 eter 20 x > < y divide visor = 4. Essa tecla pressioada faz a iversão dos valores digitados. 2.2) Teclado - Pricipais Fuções ON ligar e desligar; Prof. Ilydio Pereira de Sá 4

5 Teclas Fiaceiras prazo e/ou úmero de capitalizações; i taxa de juros; PV valor presete/atual/pricipal ou capital; (Preset Value) FV valor futuro/motate ou valor omial; (Future Value) PMT prestação ou pagameto (Periodic Paymet) Teclas da Taxa de Retoro CFo sigifica fluxo de caixa do mometo zero ou iicial; CFj fluxo de caixa os períodos seguites; Nj repete fluxos iguais e cosecutivos; IRR sigifica a taxa itera de retoro (TIR); NPV valor presete líquido Tabulação de Casas Decimais Para apresetar o visor o úmero de casas decimais desejadas, pressioe a tecla AMARELA - f e o úmero referete a quatidade de casas ( de 0 a 9 ); A tecla Clx - clear é usada para limpar somete os úmeros do visor. Se pressioado as teclas f Clx, todos os registros serão deletados. Iversão de siais Para alterar o úmero de: positivo para egativo ou vice-versa, basta pressioar a tecla CHS Fução Caledário Para ecotrar datas futuras ou passadas e o dia da semaa correspodete, pressioe as teclas g e D.My. Na seqüêcia itroduza a data cohecida, separado o dia e o mês pela tecla., e pressioe a tecla ENTER. Digite o úmero de dias correspodete ao itervalo de tempo e pressioe as teclas g DATE a seqüêcia. OBS: Na primeira vez que for usar a máquia você deve clicar a tecla g e, em seguida, a tecla D.My, para que o formato da data fique adequado ao padrão Brasileiro (dia, mês, ao). Irá surgir o visor da máquia a sigla D.My, que idica tal otação. Dia da semaa : Ex.: Digite , ENTER 0 (zero) g DATE = (sábado) 1 - seguda-feira; 2 - terça-feira; Prof. Ilydio Pereira de Sá 5

6 3 - quarta-feira; 4 - quita-feira; 5 - sexta-feira; 6 - sábado; 7 - domigo TECLAS CLEAR CLx ==> Clear x ==> Limpa O Visor f CLEAR FIN ==> Apaga os registradores fiaceiros, a saber:.n, I, PV, PMT, FV f CLEAR REG ==> Apaga todos os registros. OPERAÇÕES BÁSICAS + - x : x y X EXEMPLOS 1) =? PRESSIONAR NA HP: 87 ENTER 35 + ==> 122 2) =? PRESSIONAR NA HP: 55 ENTER 43 - ==> 12 3) 130 x 43 =? PRESSIONAR NA HP: 130 ENTER 43 x ==> ) 847,30 : 59 =? PRESSIONAR NA HP: 847,30 ENTER 59 : ==> 14,36 5) 80 3 =? PRESSIONAR NA HP: 80 ENTER 3 x y ==> ) 1356 =? PRESSIONAR NA HP: 1356 g x ==> 36,82 (SÓ UTILIZAMOS ESTA FUNÇÃO QUANDO FOR RAÍZ QUADRADA) Ou podemos trasformar a raiz em poteciação, assim: x 1356 ENTER 2 1/x y ==> 36,82 O que você fez ao digitar o 2, seguido de 1/x foi trasformar o úmero 2 a fração ½, que é o expoete correspodete à raiz quadrada. Prof. Ilydio Pereira de Sá 6

7 OBSERVAÇÃO IMPORTANTE SOBRE O CÁLCULO DA RADICIAÇÃO NA HP-12C O cálculo das demais raízes deve ser feito trasformado-as em potêcias de 3 expoetes fracioários. Ex: = 300 Na HP-12C, 300 ENTER 3 1/x ==> 6,69 1 COMO OPERAR AS MEMÓRIAS DA HP-12C? PARA ARMAZENAR ==> STO (STORE) PARA RECUPERAR ==> RCL (RECALL) PARA APAGAR ==> COLOCAR ZERO SOBRE PARA SUBSTITUIR ==> COLOCAR O NOVO NÚMERO PARA APAGAR TUDO ==> f CLEAR REG PARA CALCULAR COM NÚMEROS NA MEMÓRIA: SOMENTE OPERAÇÕES ARITMÉTICAS COMO CONSTANTE APLICAÇÃO Vamos supor que eu queira guardar a memória da máquia, algus dados (somete uméricos, ão esqueça). Em seguida, (posso até desligá-la) e recuperar ou mesmo modificar os dados guardados. COMO FAZER ISTO NA HP-12C? VAMOS ARMAZENAR O SEGUINTE: O valor do dólar paralelo de hoje ==> 2,70 a memória 1 O telefoe do João ==> a memória 2 O telefoe do Maria ==> a memória 3 FAZER NA HP-12C: 2,70 STO STO STO 3 (Já guardou tudo) PARA RECUPERAR O QUE FOI ARQUIVADO, FAZER: RCL 1 ==> APARECE NO VISOR 2,70 RCL 2 ==> APARECE NO VISOR RCL 3 ==> APARECE NO VISOR x y Dificuldades reais podem ser resolvidas; apeas as imagiárias são isuperáveis." Theodore N. Vail Prof. Ilydio Pereira de Sá 7

8 TIPOS DE ERRO QUE PODEM APARECER NO VISOR DA HP 12C ERROR 0 => OPERAÇÃO IMPRÓPRIA ENVOLVENDO O ZERO ERROR 1 => ULTRAPASSAGEM DA CAPACIDADE DO REGISTRADOR DE ARMAZENAMENTO ERROR 2 => DADOS IMPRÓPRIOS NOS REGISTRADORES ESTATÍSTICOS ERROR 3 => FLUXO DE CAIXA: CÁLCULO MUITO COMPLEXO - INTRODUZA UMA ESTIMATIVA DE JUROS E PRESSIONE RCL g R/S ERROR 4 => ENDEREÇAMENTO IMPRÓPRIO À MEMÓRIA ERROR 5 => JURO COMPOSTO - INTRODUÇÃO ERRADA - TROCAR SINAIS ERROR 6 => ANÁLISE DE FLUXO DE CAIXA, DESCONTADO - INTRODUÇÃO ERRADA DOS DADOS ERROR 7 => IRR - NÃO EXISTE SOLUÇÃO ERROR 8 => CALENDÁRIO - INTRODUÇÃO ERRADA DOS DADOS ERROR 9 => MAU FUNCIONAMENTO DA HP PR ERROR => MEMÓRIA CONTÍNUA APAGADA - FALHA NA ALIMENTAÇÃO * PISCANDO NA PARTE INFERIOR ESQUERDA DO VISOR => PILHA FRACA "Há grades homes que fazem com que todos se sitam pequeos. Mas o verdadeiro grade homem é aquele que faz com que todos se sitam grades." (Gilbert Keith Chesterto, escritor iglês) Prof. Ilydio Pereira de Sá 8

9 3) A Matemática Fiaceira e o Diheiro Os fatores de correção. Fote: Revista Veja Edição 1755 de 12 de juho de 2002 A reportagem acima, extraída da revista Veja, é uma excelete etrada para a itrodução do coceito de fatores correção. Após discutirmos os seus usos, voltaremos a ela, verificado a veracidade dos dados que estão a reportagem. Ousamos mesmo dizer que o uso adequado dos fatores de correção é o maior segredo da Matemática Fiaceira, como procuraremos mostrar ao logo dessa Uidade de osso curso. Muita gete acha que a Matemática do diheiro serve só para pagarmos ossas cotas, coferir trocos, coisas desse tipo. Mas ão é somete isso, sabemos que o diheiro, as trasações bacárias ou comerciais, estão cada vez mais presetes a vida de todas as pessoas. Se pergutarmos a uma pessoa qual o valor de 100 dólares, mais 100 marcos, mais 100 reais, ela provavelmete dirá que primeiramete precisamos coverter todos esses valores para uma mesma moeda, ates de efetuarmos a soma. Aalogamete, precisamos tomar cuidado com valores moetários o tempo. Será que 3 parcelas de 100 reais, pagas com itervalos de 30 dias, correspodem a um úico pagameto de 300 reais, uma Ecoomia com iflação? Ifelizmete, a maioria dos livros de matemática igora este fato, assim como igoram também a iflação. Esse tipo de erro é ecotrado tato em textos para o Esio Fudametal e para o Esio Médio. Você deve cocordar comigo que, sem a Matemática, ão coseguiríamos eteder ossos cotracheques, calcular ossos aumetos de salário, idetificar Prof. Ilydio Pereira de Sá 9

10 os produtos que aumetaram demasiadamete de preço, costatar e criticar as propagadas egaosas, reividicar ossos direitos trabalhistas, ou mesmo escolher a opção mais retável para um ivestimeto qualquer. Dessa forma, iremos agora abordar um coteúdo da Matemática que ormalmete é igorado a maioria das escolas ou mesmo currículos brasileiros a Matemática Comercial e Fiaceira. Nossa abordagem iicial será através de um importate segredo da Matemática do diheiro os fatores de correção. Você irá costatar rapidamete que, este coceito, é a base de quase tudo o que se estuda a Matemática Comercial e Fiaceira e, com o auxílio de uma calculadora simples, você poderá eteder e resolver uma grade quatidade de problemas que estão o osso cotidiao. 3.1 ) O GRANDE SEGREDO DA MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA: OS FATORES DE CORREÇÃO Temos a certeza de que o mais simples e também o mais importate coceito de matemática fiaceira é o coceito de FATOR DE CORREÇÃO. O domíio deste coceito será fudametal para que se possa acompahar todo o curso. FATOR DE CORREÇÃO: Vamos imagiar que uma mercadoria será aumetada em 23%. Você poderá descobrir o ovo preço de vários modos distitos: 1) Multiplicado o preço atigo por 23 e dividido por 100, somado o resultado com o preço atigo; 2) Multiplicado o preço atigo por 0,23 e somado o resultado com o preço atigo; 3) Simplesmete multiplicado o preço atigo por 1,23. O úmero 1,23 do exemplo é deomiado fator de correção para um acréscimo de 23 % e foi obtido a partir de 100 % (preço atigo) mais 23 % (aumeto). Em seguida dividimos por 100 para obter a forma de úmero decimal. A taxa 23% é a taxa percetual e a taxa 0,23 (i), é deomiada taxa uitária. OBS: Salvo qualquer meção em cotrário, sempre que em alguma fórmula de osso curso usarmos o símbolo i, estaremos os referido à taxa uitária e ão à percetual. Se, o exemplo apresetado o preço fosse dimiuído em 23 %, o fator seria 0,77, pois 100 % meos 23 % é igual a 77 %. Cocluímos que os fatores que represetam aumetos são maiores que 1 e os que represetam reduções são meores que 1. F = (100 + k ) :100 (Fator de Aumeto de k%) F = (100 - k ):100 (Fator de Redução de k%) ou F = 1 + i ou F i Vamos exercitar um pouco: Prof. Ilydio Pereira de Sá 10

11 1) Trasforme as taxas percetuais em uitárias e vice-versa. Taxa Percetual 23% 2,56% 2345% Taxa Uitária 0, ) Complete o quadro agora, trasformado as taxas os respectivos fatores de correção, e vice-versa. Taxa de aumeto 2,56 % 56,9 % 345,9 % Fator de Correção 1, ,897 EXEMPLOS: Flash Nº 1: O sehor Ekre Kado, gerete de um supermercado, tem que aumetar os preços de todos os produtos de um setor em 3,25 %. Qual o fator de aumeto? Quato passará a custar uma mercadoria do setor, que custava R$ 60,00? SOLUÇÃO : Fator de aumeto : 1,0325 [(100 % + 3,25 %) : 100] Novo preço : R$ 61,95 ( 60,00 x 1,0325 ) Flash º 2: Viícius, em Setembro, obteve uma correção salarial de 5,65 %, sobre o salário de Agosto, passado a receber R$ 422,60. Quato recebia em Agosto? SOLUÇÃO: A x 1,0565 = 422,60 A = 422,60 : 1,0565 = 400,00. Logo, em agosto Viícius recebia R$ 400,00 Flash º 3: Um remédio estava custado R$ 3,40, e passou a custar R$ 4,70. Qual o fator de correção e qual o percetual de aumeto? Prof. Ilydio Pereira de Sá 11

12 SOLUÇÃO : 3,40 x F = 4,70 F = 4,70 : 3,40 = 1,3824 (Fator de correção) 1,3824 x = 38,24 % (Aumeto) Flash º 4: Uma loja está vededo um produto com um descoto à vista de 15 %, ou etão com pagameto ormal, sem descoto, com um cheque pré-datado para 30 dias. Quato estará pagado de juros, em um mês, o cliete que optar pela seguda forma de pagameto? SOLUÇÃO : Vamos supor que o produto custe 100 dólares. Para quem pagar à vista ele custará 85 dólares (15 % de descoto). Para quem escolher o cheque pré-datado, estará, a realidade pagado 100 dólares por algo que custa 85 dólares. Logo o fator de correção iserido este aumeto é: 100 : 85 = 1,1765, o que correspode ao pagameto de 17,65 % de juros em um mês. RESUMINDO OS CONCEITOS ESTUDADOS NA UNIDADE: Dado um fator de aumeto, devemos subtrair 1 dele, para cohecer o aumeto havido. Exemplos: Fator de aumeto Aumeto gerado Percetual de aumeto 1,45 1,45 1 = 0,45 45% 1,953 1,953 1 = 0,953 95,3% 1,065 1,065 1 = 0,065 6,5% 2, 86 2,86 1 = 1,86 186% Dado um fator de redução, devemos subtraí-lo de 1 para cohecer a redução ou descoto havido. Exemplos: Fator de redução Redução gerada Percetual de redução 0,45 1 0,45 = 0,55 55% 0,95 1 0,95 = 0,05 5% 0,76 1 0,76 = 0,24 24% 0, ,86 = 0,14 14% Você reparou que: Todo fator de aumeto é um úmero superior a 1? O fator de aumeto pode ser obtido pela soma (100% + taxa de aumeto percetual) cujo resultado deve ser posto a forma decimal? Prof. Ilydio Pereira de Sá 12

13 Exemplo: fator de aumeto para um acréscimo de 24% = 100% + 24% = 124% = 124 /100 = 1,24. Todo fator de redução é um úmero iferior a 1? O fator de redução pode ser obtido pela subtração (100% - taxa de aumeto percetual) cujo resultado deve ser posto a forma decimal? Exemplo: fator de redução para uma perda de 24% = 100% - 24% = 76% = 76 /100 = 0,76. Aumetos ou reduções (ou mistura dos dois) cosecutivos, devem ser calculados pelo PRODUTO DOS FATORES DE CORREÇÃO, e ão pela soma das taxas a eles correspodetes? Exercícios de Fixação: 1) Qual o fator de correção correspodete a um aumeto de 34,5 %? a) 3,45 b) 4,45 c) 1,345 d) 2,345 2) Qual o aumeto gerado pelo fator de 2,4567? a) 245,67% b) 345,67% c) 145% d) 145,67% e) 95,87% 3) Um preço aumetou de 120 para 150 reais. Qual o percetual de aumeto correspodete? a) 47% b) 25% c) 35% d) 45% e) 34% 4) Um preço reduziu de 150 para 120 reais. Qual o fator de redução e qual o percetual de redução correspodete? a) 25% b) 15% c) 10% d) 40% e) 20% 5) Qual o aumeto acumulado, gerado por dois aumetos cosecutivos de 30 %? a) 40% b) 60% c) 69% d) 65% e) 62% 6) Qual a redução acumulada, gerada por dois descotos cosecutivos de 30 %? a) 51% b) 60% c) 54% d) 69% e) 62% 7) Num certo mês, a aumeto das mesalidades escolares foi de 42,7%. Se em uma escola essa mesalidade passou a ser de R$ 92,76, qual era o valor ates do aumeto? a)r$ 53,15 b)r$ 65,00 c) R$ 58,20 d) R$49,90 e) R$ 62,40 8) O preço de uma mercadoria subiu 300 %. Calcule que porcetagem se deve reduzir do seu preço atual, de modo a retorar ao seu valor de ates do aumeto? a) 25 % b) 75 % c) 300 % d) 400 % e) 20 % 9) Um fucioário teve um reajuste de 34% um certo mês; o mês seguite um ovo reajuste de 38%, passado a receber R$ 221,90. Quato recebia ates desses dois reajustes (aproximadamete)? a)r$120,00 b)r$90,80 c)r$118,00 d)r$124,80 e)r$ 132,00 10) Uma mercadoria sofreu três reduções sucessivas de 12%; 14% e 24%. Qual a redução total acumulada? a) 50 % b) 48 % c) 52 % d) 42,48 % e) 43,89 % Prof. Ilydio Pereira de Sá 13

14 11) Qual a iflação acumulada de um trimestre cujas taxas mesais foram: 34%: 38 % e 40%? a) 112% b) 132,56% c) 158,88% d) 145,78% e) 122% 12) (Telerj ) Uma loja vede seus artigos com pagameto em duas prestações, "sem juros". A primeira prestação é paga o ato da compra e a seguda, um mês após. Etretato, um descoto de 25 % é cocedido se o cliete pagar à vista. Na realidade, essa loja cobra, as vedas a prazo, juros mesais de taxa igual a: a) 100 % b) 75 % c) 50 % d) 25 % e) 12,5 % 13) (TRT ) Uma loja vede seus produtos com pagametos em duas prestações mesais iguais, "sem juros". A primeira prestação é paga o ato da compra e a seguda, um mês após. Etretato um descoto de 10 % é cocedido se o cliete pagar à vista. Na realidade, essa loja cobra, as vedas à prazo, juros mesais de : a) 10 % b) 20 % c) 25 % d) 30 % e) 50 % 14) (TRT ) Certa categoria de trabalhadores obteve em juho um reajuste salarial de 50 % sobre os salários de abril, descotadas as atecipações. Como ela havia recebido em maio uma atecipação de 20 % (sobre o salário de abril), a percetagem do aumeto obtido em juho, sobre o salário de maio, é de: a) 20 % b) 25 % c) 30 % d) 35 % e) 40 % 15) (Telerj ) Aumetado-se o raio de uma esfera em 100 %, de quato aumeta o seu volume? a) 100 % b) 300 % c) 500 % d) 700 % e) 800 % 16) (Telerj ) Uma mercadoria teve seu preço aumetado em 20 %. Em seguida, o ovo preço foi rebaixado em 20 %. O preço fial da mercadoria, em relação ao preço iicial é: a) igual b) 4 % maior c) 4 % meor d) 8 % maior e) 8 % meor 17) A iflação acumulada de um bimestre está em 13,5% e o mês seguite acusou uma taxa de 5,6%. Qual a iflação acumulada o trimestre em questão? a) 19,856% b) 18,965% c) 21,4% d) 23,34% e) 19,65% 18) Uma bodosa loja oferece um descoto à vista de 30%, ou etão o preço ormal, dividido em duas parcelas iguais, sedo a primeira o ato da compra e a seguda um mês após. Quato está pagado de juros esse mês, a pessoa que escolheu a seguda opção de pagameto? a) 120% b) 150% c) 135% d) 145% e) 200% 19) Mostre que a taxa de gaho real (descotada a iflação) da cadereta de poupaça, durate os oito aos do plao real (ver otícia a itrodução da Uidade) foi de 30%. 20) Mostre que a perda do dólar, esse mesmo período citado a otícia, foi de 7%. Prof. Ilydio Pereira de Sá 14

15 GABARITO: (PORCENTAGEM / FATORES DE CORREÇÃO) 1) C 2) D 3) B 4) E 5) C 6) A 7) B 8) B 9) A 10) D 11) C 12) A 13) C 14) B 15) D 16) C 17) A 18) B Para descotrair... Prof. Ilydio Pereira de Sá 15

16 4) MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA: CONCEITOS BÁSICOS JUROS E DESCONTOS 4.1) Termiologias e Represetações Iiciais Capital (C) ou Valor Presete (VP) É o valor evolvido em uma trasação, a data focal zero. No excel (versão portuguesa) o capital é represetado por VP, a calculadora HP 12C ele é otado por PV (Presete Value). Motate ou Valor Futuro (VF) Represeta o valor resultate de uma trasação fiaceira, sedo dessa forma refereciado a uma data futura. No Excel é represetado por VF e a HP-12C, por FV (Future Value). Prazo ou úmero de períodos () - Uma operação fiaceira pode evolver um úico período de tempo, como por exemplo o CDB (certificado de depósito bacário). Podemos ter aida frações ou múltiplos desse período, que represetaremos por. O Excel usa a represetação per (umber of periods). Juros (j) É a remueração exigida a utilização de capital de terceiros. Os juros recebidos represetam um redimeto e os juros pagos represetam um custo. OBS: O motate correspode à soma do capital com os juros, ou seja, M = C + j ou aida VF = VP + j Taxa de juros (i) É a razão etre o valor do juro de um período e o capital emprestado ou aplicado. A taxa pode ser expressa em sua forma percetual ou uitária. Ex: 15 % (forma percetual) ou 0,15 (forma uitária). Nas fórmulas que estudaremos em osso curso, a represetação i estará sigificado a taxa uitária ou cetesimal. Na plailha Excel, podemos usar um artifício para que a tabela apresete para ossa leitura a forma percetual (melhor de ser etedida por todos), mas que ela opere com a forma uitária em suas fórmulas. Basta proceder da seguite maeira: Digamos que você queira represetar a taxa 18%, a célula B2, da plailha: 1) digite a célula o valor 0,18 (taxa uitária correspodete) a célula B2. 2) clique o símbolo de % da barra de ferrametas do Excel. 3) O Excel vai exibir 15% e vai operar 0,15 as fórmulas que você utilizar. No exemplo abaixo estamos represetado um capital de 100 reais, aumetado de 18%. Verifique que a célula B3 ós iserimos uma fórmula (isso é feito clicado-se primeiro o sial de =). Fizemos a fórmula =B1*(1+B2). Egraçado, costumam dizer que eu teho sorte. Só sei que quato mais eu me preparo, mais sorte eu teho (Athoy Robbis) Prof. Ilydio Pereira de Sá 16

17 Note pelo resultado apresetado que a célula B3, o Excel multiplicou 100 por 1,18 ou seja, a fórmula que usamos multiplicou 100 por (1 + 0,18), que ada mais é do que o fator de correção para um acréscimo de 18%. OBS: A plailha Excel utiliza os seguites operadores aritméticos: + para adição - para subtração * para multiplicação / para divisão ^ para poteciação. Na calculadora HP-12C, temos uma tecla específica para porcetagem e, poderíamos ter seguido a seguite seqüêcia para este exemplo: 100 ENTER 15 % 15,00 (total do acréscimo) + 115,00 (Motate ou Valor Futuro) A Matemática apreseta iveções tão sutis que poderão servir ão só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar as artes e poupar trabalho aos homes. (Descartes) Prof. Ilydio Pereira de Sá 17

18 4.2) INFLAÇÃO CÁLCULO DE ÍNDICES Iflação é o processo de crescimeto geeralizado e cotíuo dos preços e serviços de uma ecoomia. Detre os pricipais problemas que a iflação ocasioa a uma ecoomia estão o crescimeto difereciado dos preços, o qual beeficia us e prejudica a outros, e o aumeto dos custos de trasação determiado pelas distorções que o processo iflacioário ocasioa ao sistema de preços ) Os úmeros ídices Mede-se a iflação através de idicadores ou ídices que tetam refletir o aumeto de preços de um setor em particular ou de um segmeto de cosumidores. Efetivamete, existem diversos ídices que são calculados para o atedimeto a várias fialidades. Os ídices de preços ao ``cosumidor" tetam medir a iflação média de um cojuto de produtos e serviços que se pressupõe sejam os adquiridos por um cosumidor com determiadas características de reda. A) Itrodução: Os úmeros ídices são um importate istrumeto para sitetizar modificações em variáveis ecoômicas durate um período de tempo. Esses úmeros idicam a variação relativa o preço, a quatidade, ou o valor (preço x quatidade) etre um poto aterior o tempo (período-base) e, um período qualquer, ormalmete o atual. Por exemplo, se uma pessoa percebe que o preço de um produto atualmete é o quítuplo do que custava há dois aos, está fazedo uso de certo tipo de úmero ídice comparativo. Quado um só produto está em jogo, o ídice é dito ídice simples, equato que uma comparação que evolva um grupo de artigos é chamada de ídice composto. Nos ídices compostos é ecessário ão só icluir as variações de preços, mas também as variações de quatidades, a fim de que possamos ter um quadro mais preciso da variação global. Em resumo, podemos destacar: Um úmero ídice é usado para idicar variações relativas em quatidades, preços, ou valores de um artigo, durate um dado período de tempo. Um úmero ídice é a razão usada para avaliar a variação etre dois períodos de tempo. Prof. Ilydio Pereira de Sá 18

19 B) Números Ídices Simples: Curso Básico de Matemática Comercial e Fiaceira Um úmero ídice simples avalia a variação relativa de um úico item ou variável ecoômica etre dois períodos de tempo. Ele é calculado como a razão etre preço, quatidade ou valor um dado período para o correspodete preço, quatidade ou valor um período-base. Podem-se calcular úmeros ídices, chamados de relativos de preço, quatidade e valor, mediate as seguites fórmulas: p relativo de preço =. 100 p 0 q q 0 relativo de quatidade =. 100 p. q p. relativo de valor = q 0 p o é o preço de um item o ao-base. q o é a quatidade de um item o ao-base. p é o preço de um item em determiado ao q é a quatidade de um item em determiado ao. Exemplo: A empresa Kobra Karo S.A, em 1992 vedeu 300 uidades do produto "X", cobrado 20 dólares por peça e, em 1993, vedeu 450 uidades do mesmo produto, cobrado 25 dólares por peça. Determiar os relativos de preço, quatidade e valor em 1993, tomado como base Solução: É usual a otação 1992 = 100, para deotar que 1992 é o ao base. 25 Relativo de preço - p92 93 =.100 = Relativo de quatidade - q92 93 =.100 = Relativo de valor - v92 93 =.100 = 187, Obs: Devemos otar que houve um aumeto de 25 % o preço, em relação ao ao base, uma aumeto de 50 % a quatidade e um aumeto de 87,5 % o valor. O aumeto do valor é, portato, o aumeto acumulado do aumeto de preço pelo aumeto de quatidade, ou seja, o produto dos ídices de preço e quatidade é o ídice de valor: ( 1,25 x 1,5 = 1,875 ). Prof. Ilydio Pereira de Sá 19

20 C) Relativos em Cadeia: Curso Básico de Matemática Comercial e Fiaceira O relativo em cadeia é o ídice de base fixa, ou seja, todos os relativos são calculados tomado-se por base uma determiada época. Exemplo: Vamos supor um bem de cosumo que apresetou o período 1990/1993 os seguites preços (em dólares): 40, 45, 50, 65. Os relativos em cadeia, tomado como base o ao de 1990, serão: p p p = = = = 90 = 90 = 112, ,5 Poderíamos compor a seguite tabela com os preços os referidos aos e os relativos em cadeia, ao base ANOS PREÇOS RELATIVOS , ,5 D) Elos de Relativos: Vários relativos formam elos quado cada um deles é calculado tomado por base o período aterior, é o que chamamos de base móvel. É usual, esse caso, ão represetarmos o relativo do primeiro período, já que ão existe aterior como referêcia. Exemplo: Vejamos, com os mesmos dados do exemplo aterior, como ficariam os elos de relativos p90 91 =.100 = 112,5 p91 92 =.100 = 111, 11 p92 93 =.100 = Teremos agora a seguite tabela de preços e elos de relativos: ANOS PREÇOS RELATIVOS l- 112,5 111, E) Ídices Agregativos: Os ídices que estudamos até agora servem apeas para caracterizar a marcha de preços referetes a um úico bem. No etato a variação de preços ormalmete exige a observação da variação de um cojuto de bes, como o caso do cálculo da variação da cesta básica. Para atigirmos esse objetivo, laçamos mão de um ovo tipo de ídice, deomiado agregativo. Prof. Ilydio Pereira de Sá 20

21 O ídice agregativo poderá ser simples: Médias de relativos (aritmética, geométrica ou harmôica) ou idice agregativo simples, se todos os bes tiverem a mesma importâcia o seu cálculo, ou poderado: Médias Poderadas de relativos (aritmética, geométrica ou harmôica) ou ídices poderados de Paasche, de Laspeyres ou Fischer, se os bes tiverem importâcia ou pesos difereciados o cálculo do ídice. O ídice agregativo simples é a razão etre a soma dos preços ou quatidades uma época qualquer e a soma dos preços ou quatidades a época base. pt qt Ias = x100 ou x100 p q 0 O ídice agregativo simples e as médias simples apresetam a vatagem de um cálculo simplificado e a desvatagem de cosiderarem todos os bes com a mesma importâcia o cálculo do ídice. Exemplo: Completar a tabela de preços abaixo com os relativos de preço, cosiderado o ao de 1993 como base, em seguida, calcular o ídice agregativo simples, referetes aos preços dos bes da tabela, 1993,1994. Mercadoria (espécie) Preço em 1993 Preço em 1994 A 40,00 50,00 B 50,00 100,00 C 120,00 200,00 Total 210,00 350,00 0 I as = 350 : 210 = 1,67 ou 167 %. Solução: Ídices agregativos poderados - Fórmulas de Laspeyres e de Paasche: No cálculo do ídice agregativo simples, todos os ites são colocados com uma mesma importâcia ou peso. Sabemos, porém, que a prática isso ão acotece; há bes de importâcia maior do que outros, o cálculo de um ídice. Evitamos tais distorções atribuido a cada item a importâcia que lhe cabe através de coeficietes de poderação e as médias de ídices passam a ser poderadas. De acordo com o que cosideramos como peso e com o tipo de média utilizada, temos também algumas variates de fórmulas para o cálculo de tais ídices agregativos. Iremos estudar, basicamete, duas dessas fórmulas (Laspeyres e Paasche). "O Ídice de Laspeyres" ou Método da Época Básica É o ídice poderado dos relativos (preços ou quatidades), sedo os pesos da poderação os valores (preço x quatidade) do ao base. Ou seja, é a média aritmética poderada dos relativos de preços, poderados aos valores do ao base. A fórmula para o ídice de Laspeyres, referete aos preços será: Prof. Ilydio Pereira de Sá 21

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Parte 2: Matemática Comercial e Fiaceira Prof. Ilydio Pereira de Sá Matemática Comercial e Fiaceira para Educadores Matemáticos Prof. Ilydio

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos).

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos). 1. FUNÇÕES ANCEIRAS: FLUXOS CONSTANTES Mateha sempre o FLAG C ligado o visor, executado STO EEX. Caso cotrário, o cálculo de períodos racioários (0,45 meses, por exemplo) será eito por juros simples, o

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS UNIDADE IX DESCONTOS Itrodução: Em cotabilidade, chama-se descoto a operação bacária de etrega do valor de um título ao seu detetor, ates do prazo do vecimeto, e mediate o pagameto de determiada quatia

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

Prof. Me. João Alexandre Thomaz

Prof. Me. João Alexandre Thomaz Prof. Me. João Alexandre Thomaz 1.1 A Calculadora HP 12C Linha financeira Ligar e desligar Função Amarela e Azul Acesso à memória Entrada 1.2 Ligando e desligando a calculadora Para ligar a sua calculadora

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Rio, Novembro / 203 * Matéria elaborada por Pedro Schubert. Admiistrador, Sócio Fudador da BMA Iformática & Assessorameto Empresarial Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Págia

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS João Ediso Tamelii Martis FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS & MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS Permitida a reprodução pelos aluos dos Cursos Técicos da ETE Prof. Camargo Araha 03 Apresetação

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais