Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte. Mafon. Receita Federal. Ministério da Fazenda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte. Mafon. Receita Federal. Ministério da Fazenda"

Transcrição

1 Manal do Imposto de Renda Retido na Fonte 2007 Mafon Receita Federal Ministério da Fazenda

2 Mafon 2007 Atalizado até 22 de janeiro de 2007 Secretário da Receita Federal Jorge Antonio Deher Rachid Secretário-Adjnto da Receita Federal Carlos Alberto Freitas Barreto Coordenadora-Geral de Tribtação (Cosit) Regina Maria Fernandes Barroso Coordenador de Tribtos sobre a Renda e o Patrimônio (Cotir) Renato Wilson Chaves Lima Jnior Chefe da Divisão de Imposto de Renda de Pessoa Física (Dirpf) Newton Raimndo Barbosa da Silva Chefe da Divisão de Impostos sobre o Mercado Financeiro (Dimef) Maria da Consolação Silva Chefe da Divisão de Imposto de Renda de Pessoa Jrídica e de Contribição Social sobre o Lcro (Dirpj) Afonso Liz da Silva Filho Eqipe Técnica: Agsto Carlos Rodriges da Cnha (Dirpj) Cládia Lúcia Pimentel Martins da Silva (Dirpj) Flávio Teixeira Barbosa (Dirpj) Iacy Nogeira Martins Morais (SRRF01/Disit) João Pedro Mendes (DRF/BHE) José Antonio Belíssimo Campos (DRJ/POA) Palo Alexandre Correia Ribeiro (Dirpj) Ssanna Cinosi (Dirpf) É permitida a reprodção total o parcial deste manal, desde qe citada a fonte.

3 Missão, Visão e Valores da SRF Missão Prover o Estado de recrsos para garantir o bem-estar social; Prestar serviços de excelência à sociedade; Prover segrança, confiança e facilitação para o comércio internacional. Valores Respeito ao cidadão; Visão de ftro Integridade; Lealdade com a Institição; Legalidade; Profissionalismo. A Secretaria da Receita Federal qer ser reconhecida como ma organização: Dotada de política moderna de gestão de pessoas; Qe presta serviços de excelência (agilidade, conclsividade e integração); Integrada com os demais órgãos de Estado e organismos nacionais e internacionais - (Referência nacional e internacional); Jsta e sólida; Moderna e tecnologicamente avançada.

4 Índice RENDIMENTOS DO TRABALHO Código Especificação da Receita Página 0561 Rendimento do Trabalho Assalariado no País Rendimento do Trabalho Asente no Exterior a Serviço do País Rendimento do Trabalho Sem Vínclo Empregatício Rendimentos Decorrentes de Decisão da Jstiça do Trabalho Resgate de Previdência Privada e Fapi Benefício e Resgate de Previdência Privada e Fapi Remneração Indireta 16 RENDIMENTOS DE CAPITAL Código Especificação da Receita Página 5706 Jros sobre o Capital Próprio Aplicações Financeiras de Renda Fixa - Pessoa Jrídica Aplicações Financeiras de Renda Fixa - Pessoa Física Aplicações Financeiras em Fndos de Investimento - Renda Fixa Aplicações Financeiras em Fndos de Investimento Ações Aplicações Financeiras em Fndos de Investimento Imobiliário Ficart e demais Rendimentos de Capital Algéis e Royalties Pagos à Pessoa Física Rendimentos de Partes Beneficiárias o de Fndador Operações de Swap Operações Day Trade Mercado de Renda Variável 40 OUTROS RENDIMENTOS Código Especificação da Receita Página 8045 Comissões e Corretagens Pagas à Pessoa Jrídica Serviços de Propaganda Prestados por Pessoa Jrídica Pagamentos a Beneficiários Não Identificados Prêmios em Bens e Serviços Prêmios e Sorteios em Geral Prêmios de Proprietários e Criadores de Cavalos de Corrida Títlos de Capitalização Jogos de Bingo Permanente o Evental - Prêmios em Bens e Serviços 8673 Jogos de Bingo Permanente o Evental - Prêmios em Dinheiro Mltas e Vantagens Serviços Prestados por Associados de Cooperativas de Trabalho

5 Índice 1708 Remneração de Serviços Profissionais Prestados por Pessoa Jrídica 1708 Serviços de Limpeza, Conservação, Segrança e Locação de Mãode-obra Prestados por Pessoa Jrídica 5944 Pagamentos de Pessoa Jrídica a Pessoa Jrídica por Serviços de Factoring 6904 Indenização por Danos Morais Jros e Indenizações por Lcros Cessantes Segro de Vida com Clasla de Cobertra por Sobrevivência Rendimentos Decorrentes de Decisão da Jstiça Federal 61 RENDIMENTOS DE RESIDENTES OU DOMICILIADOS NO EXTERIOR Código Especificação da Receita Página 0422 Royalties e Pagamentos de Assistência Técnica Aplicações em Fndos de Conversão de Débitos Externos Jros e Comissões em Geral Jros sobre o Capital Próprio Algel e Arrendamento Aplicações Financeiras/Entidades de Investimento Coletivo Renda e Proventos de Qalqer Natreza Fretes Internacionais Previdência Privada e Fapi Remneração de Direitos Obras Adiovisais 76 ESCLARECIMENTOS ADICIONAIS 5

6 0561 RENDIMENTOS DO TRABALHO Trabalho assalariado no país Pagamento de salário, inclsive adiantamento de salário a qalqer títlo, indenização sjeita à tribtação, ordenado, vencimento, provento de aposentadoria, reserva o reforma, pensão civil o militar, soldo, pro labore, remneração indireta, retirada, vantagem, sbsídio, comissão, corretagem, benefício (remneração mensal o prestação única) da previdência social, privada, do Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e de Fndo de Aposentadoria Programada Individal (Fapi), remneração de conselheiro fiscal e de administração, diretor e administrador de pessoa jrídica, titlar de empresa individal, gratificação e participação dos dirigentes no lcro e demais remnerações decorrentes de vínclo empregatício, recebidos por pessoa física residente no Brasil. Participação dos trabalhadores nos lcros o resltados da empresa. Rendimento efetivamente pago ao sócio o titlar de pessoa jrídica optante pelo Simples, a títlo de pro labore, algel e serviço prestado. Pagamento de beneficio a pessoa física, por entidade de previdência complementar (aberta o fechada), exceto na hipótese de opção pela tribtação exclsiva de qe trata a Lei nº , de 2004, art. 1º (ver código 5565). (RIR/1999, arts. 43, 620, 624, 626, 633, 637 e 717; Lei nº , de 2004, art. 3º) Pessoa física residente no Brasil, remnerada em virtde de trabalhos o serviços prestados no exercício de empregos, cargos e fnções. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO 6 O imposto será calclado mediante a tilização da tabela progressiva mensal. Para efeito de determinação da base de cálclo sjeita à incidência do imposto na fonte, poderão ser dedzidas do rendimento brto: a) as importâncias pagas a títlo de pensão alimentícia em face das normas do direito de família, qando em cmprimento de decisão jdicial o acordo homologado jdicialmente, inclsive a prestação de alimentos provisionais; b) a qantia de R$ 132,05 por dependente; c) as contribições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios; d) as contribições para as entidades de previdência privada domiciliadas no Brasil e as contribições para o Fapi, cjo ôns tenha sido do contribinte, destinadas a cstear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social no caso de trabalhador com vínclo empregatício o de administrador qe seja também contribinte do regime geral de previdência social. e) a qantia de R$ 1.313,69 correspondente à parcela isenta dos rendimentos provenientes de aposentadoria e pensão, transferência para a reserva remnerada o reforma pagos pela Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios o por qalqer pessoa jrídica de direito público interno, o por entidade de previdência privada, a partir do mês em qe o contribinte completar 65 anos de idade. (ver esclarecimentos adicionais) OBSERVAÇÕES: 1) As importâncias recebidas pelos trabalhadores a títlo de participação nos lcros o resltados das empresas, na forma da Lei nº , de 19/12/2000, serão tribtadas na fonte, em separado dos demais rendimentos recebidos no mês, como antecipação do imposto devido na declaração de rendimentos. 2) No pagamento de remneração indireta o rendimento será considerado líqido, cabendo o reajstamento do respectivo rendimento brto, inclsive qando o beneficiário for identificado.

7 RENDIMENTOS DO TRABALHO Trabalho assalariado no país ) No caso de remneração indireta, a não identificação dos beneficiários das despesas implicará a tribtação exclsiva na fonte, mediante a aplicação da alíqota de 35% (trinta e cinco por cento) sobre o rendimento reajstado, tilizando para efeito de recolhimento o código ) Sobre definição de benefícios complementares assemelhados à previdência social a qe se refere o item d, ver ADN Cosit nº 9, de (RIR/1999, arts. 620,622 único a 626, 633, 636 e 626: Lei nº , de 2000, art. 3º, 5º; Lei nº 9.887, de 1999; Lei nº , de 2002, arts. 1º,2º e 15; Lei nº , de 2002, arts. 62 e 63; MP 340, de 2006; IN SRF n.º 704, de 2007, arts. 1º e 2º e ADN Cosit nº 9, de 1999) ISENÇÃO E NÃO-INCIDÊNCIA O acréscimo de remneração proporcional ao valor da CPMF devida sobre os benefícios de prestação continada e os de prestação única e dos proventos dos inativos, pensionistas e demais benefícios, limitados a dez salários mínimos, constantes dos Planos de Benefício da Previdência Social, de qe tratam a Lei nº 8.213, de 1991 e a Lei nº 8.112, de 1990, não integra a base de cálclo do imposto de renda da pessoa física, sendo considerado rendimento não-tribtável. Valores recebidos a títlo de pensão o aposentadoria qando o beneficiário for portador de doença grave com base em conclsão de medicina especializada mesmo qe a doença tenha sido contraída após a concessão da pensão o aposentadoria. Valores pagos a titlar o a sócio de microempresa o empresa de peqeno porte, qe optarem pelo Simples, salvo os qe corresponderem a pro labore, algéis o serviços prestados. Rendimentos recebidos pelas pessoas físicas decorrentes de segro-desemprego, axílio-natalidade, axílio-doença, axílio-fneral e axílio-acidente, pagos pela previdência oficial da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios e pelas entidades de previdência privada. Pagamentos efetados por pessoas jrídicas a títlo de incentivo à adesão a programas de demissão volntária (PDV). A partir de 01/01/96 não estão sjeitos ao imposto de renda os lcros e dividendos, aprados contabilmente pelas pessoas jrídicas tribtadas pelo lcro real, presmido o arbitrado, pagos o creditados a sócios, acionistas o titlar de empresa individal. A parcela dos rendimentos pagos o creditados qe exceder ao valor aprado com base na escritração, será imptada aos lcros acmlados o reservas de lcros de exercícios anteriores, ficando sjeita à incidência do imposto de renda calclado segndo o disposto na legislação específica, com acréscimos legais. Inexistindo lcros acmlados o reservas de lcros em montante sficiente, a parcela excedente será tribtada com base na tabela progressiva. (RIR/1999, art. 39, XXXI e XXXIII, 4º e 5º, XXXVII, XLII, XIX, 9º, XXIX, art. 42) O imposto retido será considerado redção do devido na declaração de rendimentos da pessoa física, exceto o relativo ao décimo terceiro. (RIR/1999, art. 620, 3º) Compete à fonte pagadora. (RIR/1999, art. 717; ADE Corat nº 9, de 2002) Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d)(ver esclarecimentos adicionais) 7

8 0561 RENDIMENTOS DO TRABALHO Asente no exterior a serviço do país Pagamento de rendimentos de trabalho assalariado, em moeda estrangeira, à pessoa física residente no Brasil, asente no exterior a serviço do País, por atarqias o repartições do governo brasileiro sitadas no exterior. (RIR/99, arts. 44 e 627) Pessoa física residente no Brasil e asente no exterior. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO O imposto será calclado mediante tilização da tabela progressiva mensal. Na determinação da base de cálclo mensal e na declaração, o rendimento tribtável corresponde a 25% do total dos rendimentos do trabalho assalariado recebidos do governo brasileiro. Para efeito de determinação da base de cálclo sjeita à incidência do imposto na fonte, poderão ser dedzidas do rendimento brto: a) as importâncias pagas a títlo de pensão alimentícia, qando em cmprimento de decisão jdicial o acordo homologado jdicialmente, inclsive a prestação de alimentos provisionais; b) a qantia de R$ 132,05 por dependente; c) as contribições para a previdência social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios; e d) as contribições para as entidades de previdência privada domiciliadas no Brasil e as contribições para o Fndo de Aposentadoria Programada Individal (Fapi), cjo ôns tenha sido do contribinte, destinadas a cstear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social no caso de trabalhador com vínclo empregatício o de administrador qe seja também contribinte do regime geral de previdência social. OBSERVAÇÕES: 1) Os rendimentos em moeda estrangeira serão convertidos em reais, mediante a tilização do dólar dos Estados Unidos da América fixado para compra pelo Banco Central do Brasil, para o último dia útil da primeira qinzena do mês anterior ao do pagamento do rendimento. 2) As dedções de qe tratam as alíneas a, c e d serão convertidas em reais, mediante a tilização do dólar do Estados Unidos da América fixado para venda pelo Banco Central do Brasil para o último dia útil da primeira qinzena do mês anterior ao do pagamento do rendimento. (RIR/99, arts. 44, 620 e 627, 1º e 4º; Lei nº 9.88, de 1999; Lei nº , de 2002, arts. 1º, 2º e 15; Lei nº , de 2002, arts. 62 e 63; MP 340, de 2006; IN SRF nº 704, de 2007, arts. 1º e 2º; ADN Cosit nº9, de 1999) O imposto retido será considerado redção do devido na declaração de rendimentos da pessoa física, exceto o relativo ao décimo terceiro salário. (RIR/99, art. 620, 3º) 8

9 RENDIMENTOS DO TRABALHO Asente no exterior a serviço do país 0561 Compete à fonte pagadora. (RIR/99, art. 717; ADE Corat nº 9 de 2002) Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d) (Ver esclarecimentos adicionais) 9

10 0588 RENDIMENTOS DO TRABALHO Trabalho sem vínclo empregatício Importâncias pagas por pessoa jrídica à pessoa física, a títlo de comissões, corretagens, gratificações, honorários, direitos atorais e remnerações por qaisqer otros serviços prestados, sem vínclo empregatício, inclsive as relativas a empreitadas de obras exclsivamente de trabalho, as decorrentes de fretes e carretos em geral e as pagas pelo órgão gestor de mão-de-obra do trabalho portário aos trabalhadores portários avlsos. (RIR/99: art. 628; MP nº , de 2001, art. 65) Pessoa física prestadora de serviços. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO O imposto será calclado mediante a tilização da tabela progressiva mensal. Para efeito de determinação da base de cálclo sjeita à incidência do imposto na fonte, poderão ser dedzidas do rendimento brto: a) as importâncias pagas a títlo de pensão alimentícia, qando em cmprimento de decisão jdicial o acordo homologado jdicialmente, inclsive a prestação de alimentos provisionais; b) a qantia de R$ 132,05 por dependente; e c) as contribições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios. OBSERVAÇÕES: 1) No caso de prestação de serviços de transportes, em veíclo próprio, locado o adqirido com reserva de domínio o alienação fidciária, o rendimento brto corresponderá a, no mínimo: qarenta por cento do rendimento decorrente do transporte de carga; e sessenta por cento do rendimento qando relativo a transporte de passageiros. 2) No caso de pagamento a beneficiário não identificado, a tribtação será exclsiva na fonte, mediante a aplicação da alíqota de 35% (trinta e cinco por cento) sobre o rendimento reajstado, tilizando para efeito de recolhimento o código 2063 o 5217, conforme o caso. 3) O imposto de renda incidente sobre honorários advocatícios e serviços prestados no crso de processo jdicial, tais como serviços de engenheiro, contador, leiloeiro, perito, assistente técnico, avaliador, médico, testamenteiro, liqidante, síndico etc., deve ser recolhido tilizando o código de receita próprio do rendimento (ver Eslarecimentos Adicionais). 4) Os pagamentos efetados por cooperativas de trabalho a associados pessoas físicas estão sjeitos à incidência do imposto de renda na fonte, com base na tabela progressiva mensal. (RIR/99: arts. 620, 629, 641, 674 e 675; Lei nº 9.887, de 1999; Lei nº , de 2002, arts. 1º, 2º e 15; Lei nº , de 2002, arts. 62 e 63; IN SRF nº 704, de 2007, arts. 1º e 2º; IN SRF nº 15, de 2001, art. 9º e 19, IV; Port. MF/MPAS nº 16, de 1997, art. 5º) 10

11 RENDIMENTOS DO TRABALHO Trabalho sem vínclo empregatício 0588 O imposto retido será considerado redção do devido na declaração de rendimentos da pessoa física. (RIR/99: art. 620, 3º) Compete à fonte pagadora. (RIR/99: art. 717; AD Cosar nº 20, de 1995) Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d) (Ver esclarecimentos adicionais) 11

12 5936 RENDIMENTOS DO TRABALHO Rendimentos decorrentes de decisão da Jstiça do Trabalho Rendimentos pagos em cmprimento de decisão o acordo homologado pela jstiça trabalhista, inclsive atalização monetária e jros. Pagamento de remneração pela prestação de serviços no crso do processo jdicial. (RIR/99, art. 718; Lei , de 2003, art. 28, IN SRF 491, de 2005, art. 3º) Pessoa física o jrídica ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO 1) O imposto será calclado mediante a alíqota de 1,5% (m inteiro e cinco décimos por cento) sobre o valor objeto do pagamento, qando o beneficiário for pessoa jrídica. 2) O imposto será calclado mediante a tilização da tabela progressiva mensal, se pago a pessoa física. Tratando-se de beneficiário pessoa física, para efeito de determinação da base de cálclo sjeita à incidência do imposto na fonte, poderão ser dedzidas do rendimento brto: a) a qantia de R$ 132,05 por dependente; e b) as contribições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mnicípios. c) as importâncias pagas a títlo de pensão alimentícia em face das normas do direito de família, qando em cmprimento de decisão jdicial o acordo homologado jdicialmente, inclsive a prestação de alimentos provisionais (ver esclarecimentos adicionais). OBSERVAÇÕES: 1) No caso de rendimentos recebidos acmladamente, o imposto incidirá, no mês do recebimento do rendimento o crédito, sobre o total dos rendimentos. 2) No pagamento de rendimentos tribtáveis sjeitos à tabela progressiva mensal se, no mês, hover mais de m pagamento, a qalqer títlo, pela mesma fonte pagadora, aplicar-se-á a alíqota correspondente à soma dos rendimentos pagos, exceto nos casos a segir, em qe o rendimento será considerado individalmente: a) honorários advocatícios; e b) remneração pela prestação de serviços no crso do processo jdicial, tais como serviços de engenheiro, contador, avaliador, leiloeiro, perito, assistente técnico, médico, liqidante, sindico, etc. 3) O imposto incidirá sobre o total dos rendimentos pagos, inclsive sobre os rendimentos abonados pela institição financeira depositária, no caso de pagamento efetado mediante levantamento de depósito jdicial. 4) Qando não for indicada pela fonte pagadora a natreza jrídica das parcelas objeto do pagamento o imposto será retido sobre o total da avença. (RIR/99, arts. 620, 2º, 640, 718; Lei 8.541, de 1992, art. 46; Lei 9.887, de 1999; Lei , de 2003, art. 28, 2º; MP 340, de 2006; IN SRF nº 15, de 2001, arts. 3º, 15, 19 e 24; IN SRF nº 704, de 2007, arts. 1º e 2º) 12

13 RENDIMENTOS DO TRABALHO Rendimentos decorrentes de decisão da Jstiça do Trabalho 5936 O imposto retido será considerado redção do devido na declaração de rendimentos da pessoa física, o exclsivo de fonte, conforme a natreza do rendimento. Pessoa jrídica: o imposto retido será dedzido do aprado no encerramento do período de apração anal o trimestral se aprado pelo lcro real, presmido o arbitrado. (RIR/99, arts. 620, 3º e 650) Compete à fonte pagadora o à institição financeira depositária, qando for determinado pelo jízo do trabalho, por não ter sido comprovado o recolhimento pela fonte pagadora. (RIR/99, art. 718; Lei , 2003, art. 28, 1º; ADE Corat nº 82,de 2003) Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d) (Ver esclarecimentos adicionais) 13

14 3223 RENDIMENTOS DO TRABALHO Resgate de previdência privada e Fapi Resgates totais o parciais pagos por entidade de previdência complementar, e Fndo de Aposentadoria Programada Individal (Fapi) em decorrência de desligamento dos respectivos planos, pagos a pessoa física residente no Brasil, qando não optante pela tribtação exclsiva de qe trata o art. 1º da Lei nº , de 2004 (ver código 5565). (RIR/99, arts. 633 e 634) Pessoa física. (RIR/99, art. 633) ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO A partir de 1º de janeiro de 2005, os resgates, parciais o totais, sjeitam-se à incidência de imposto de renda na fonte à alíqota de qinze por cento, calclado sobre os valores de resgate, no caso de planos de previdência, inclsive Fapi. (Lei nº , de 2004, art. 3º) ISENÇÃO E NÃO-INCIDÊNCIA Excli-se da incidência do imposto na fonte e na declaração de rendimentos o valor do resgate de contribições de previdência privada, efetados a partir de 1º de janeiro de 1996, cjo ôns tenha sido da pessoa física, recebido por ocasião de se desligamento do plano de benefícios da entidade, qe corresponder às parcelas de contribições efetadas no período de 1º de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de Não se configra como fato gerador do imposto de renda a transferência direta de reserva entre entidades de previdência privada e entre Fndos (Fapi), desde qe não haja mdança de titlaridade e qe os recrsos correspondentes, em nenhma hipótese, sejam disponibilizados para o participante o para o beneficiário do plano o fndo. Esta isenção não se aplica no caso de recrsos resgatados do Fapi e transferidos para segro de vida com clásla de cobertra por sobrevivência. (Lei nº 9.477, de 1997, art. 12; MP nº , de 2001, art. 7º; ADN Cosit nº28, de 1996; ADN Cosit nº 9, de 1999; IN SRF 588, de 2005, arts. 18, 20 e 21). O imposto retido será considerado antecipação do devido na Declaração de Ajste Anal da pessoa física. (Lei nº /04, art. 3º) Compete à fonte pagadora (RIR/99, art. 717; ADE Corat nº 9, de 2002) 14 Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d) (Ver esclarecimentos adicionais)

15 RENDIMENTOS DO TRABALHO Benefício o resgate de previdência e Fapi 5565 Pagamento de valores a títlo de benefícios o resgates de valores acmlados, relativos a planos de caráter previdenciário, estrtrados na forma de contribição definida o variável, bem como segro de vida com clásla de cobertra por sobrevivência e Fndo de Aposentadoria Programada Individal (Fapi), aos participantes o assistidos, optantes pelo regime de tribtação de qe trata o art. 1º da Lei nº , de (Lei nº , de 2004, art.1º) Pessoa física. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO Alíqota trinta e cinco por cento, para recrsos com prazo de acmlação inferior o igal a dois anos; trinta por cento, para recrsos com prazo de acmlação sperior a dois anos e inferior o igal a qatro anos; vinte e cinco por cento, para recrsos com prazo de acmlação sperior a qatro anos e inferior o igal a seis anos; vinte por cento, para recrsos com prazo de acmlação sperior a seis anos e inferior o igal a oito anos; qinze por cento, para recrsos com prazo de acmlação sperior a oito anos e inferior o igal a dez anos; e dez por cento, para recrsos com prazo de acmlação sperior a dez anos. Base de cálclo valor pago a títlo resgate no caso de planos de previdência o Fapi; rendimento representado pela diferença positiva entre o valor recebido e o somatório dos prêmios pagos, no caso de segro de vida com clásla de cobertra por sobrevivência. OBSERVAÇÕES: Prazo de acmlação é o tempo decorrido entre o aporte de recrsos no plano de benefícios mantido por entidade de previdência complementar, por sociedade segradora o no Fapi e o pagamento relativo ao resgate o ao benefício, calclado na forma reglamentada em ato conjnto da SRF e dos órgãos fiscalizadores de entidade de previdência complementar, segradoras e Fapi. Esse regime de tribtação é opção do participante a partir de 1º de janeiro de (Lei nº , de 2004, art. 1º 1º e 3º) Exclsivo na fonte. Compete à fonte pagadora. (Lei nº , de 2004, art. 1º) Até o último dia útil do 1 o (primeiro) decêndio do mês sbseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, d) (Ver esclarecimentos adicionais) 15

16 2063 RENDIMENTOS DO TRABALHO Remneração indireta Pagamentos efetados pela pessoa jrídica no caso de não identificação dos beneficiários das despesas a títlo de remneração indireta correspondente a: 1) contraprestação de arrendamento mercantil o o algel o, qando for o caso, os respectivos encargos de depreciação: a) de veíclo tilizado no transporte de administradores, diretores, gerentes e ses assessores o de terceiros em relação à pessoa jrídica; e b) de imóvel cedido para so de qalqer pessoa dentre as referidas na alínea precedente; 2) despesas com benefícios e vantagens concedidas pela empresa a administradores, diretores, gerentes e ses assessores, pagas diretamente o mediante a contratação de terceiros, tais como: a) a aqisição de alimentos o qaisqer otros bens para tilização pelo beneficiário fora do estabelecimento da empresa; b) os pagamentos relativos a clbes e assemelhados; c) o salário e respectivos encargos sociais de empregados postos à disposição o cedidos, pela empresa, a administradores, diretores, gerentes e ses assessores o de terceiros; e d) a conservação, o csteio e a mantenção dos bens referidos no item 1. (RIR/99, arts. 622, 674 e 675) Não identificado. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO 35% (trinta e cinco por cento) sobre os respectivos valores reajstados. OBSERVAÇÕES: 1) O rendimento será considerado líqido, cabendo o reajstamento do respectivo rendimento brto. 2) No caso de identificação dos beneficiários, os valores correspondentes deverão compor a remneração mensal do beneficiário e o imposto deverá ser calclado mediante a aplicação da tabela progressiva, tilizando-se as dedções permitidas na legislação e o código de recolhimento será 0561 o 0588, conforme seja o trabalho com o sem vínclo de emprego. (RIR/99, arts. 674 e 675) Exclsivo na fonte. (RIR/99, art. 675) Compete à fonte pagadora. (RIR/99, art. 717; AD Cosar nº 20, de 1995) 16 No dia de ocorrência do fato gerador, o seja, na data do pagamento do rendimento. (RIR/99, arts. 675, 2º, Lei , de 2005, art. 70, I, a.2)

17 RENDIMENTOS DE CAPITAL Jros sobre o capital próprio 5706 Jros pagos o creditados individalizadamente a titlar, sócios o acionistas, a títlo de remneração do capital próprio, calclados sobre as contas do patrimônio líqido da pessoa jrídica e limitados à variação, pro rata dia, da Taxa de Jros de Longo Prazo (TJLP). (RIR/99, art. 668) Pessoa física o jrídica, sócia, acionista o titlar de empresa individal, residente o domiciliada no Brasil. ALÍQUOTA/BASE DE CÁLCULO 15% (qinze por cento) sobre o valor dos jros pagos. OBSERVAÇÕES: 1) O imposto será retido na data do pagamento o crédito ao beneficiário. 2) O efetivo pagamento o crédito dos jros é condicionado à existência de lcros, comptados antes da dedção dos jros, o de lcros acmlados e reservas de lcros, em montante igal o sperior ao valor de das vezes os jros a serem pagos o creditados. 3) O valor dos jros pagos o creditados pela pessoa jrídica, a títlo de remneração do capital próprio, poderá ser imptado ao valor dos dividendos de qe trata o art. 202 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, sem prejízo da incidência do imposto de renda na fonte qando do pagamento o crédito. 4) Para fins de cálclo dos jros remneratórios, não será considerado, salvo se adicionado ao lcro líqido para determinação do lcro real e da base de cálclo da contribição social sobre o lcro líqido, o valor: a) da reserva de reavaliação de bens e direitos da pessoa jrídica; b) da reserva especial de qe trata o art. 460 do RIR/99; e c) da reserva de reavaliação capitalizada nos termos dos arts. 436 e 437 do RIR/99, em relação às parcelas não realizadas. 5) Aos jros e otros encargos pagos o creditados pela pessoa jrídica a ses sócios o acionistas, calclados sobre os jros remneratórios do capital próprio e sobre os lcros e dividendos por ela distribídos, aplicam-se as normas referentes aos rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa, inclsive qanto ao informe de rendimentos a ser fornecido pela pessoa jrídica. (RIR/99, arts. 347 e 668; IN SRF nº 93, de 1997; IN SRF nº 12, de 1999, arts. 1º e 3º) ISENÇÃO E NÃO-INCIDÊNCIA A incidência do imposto de renda na fonte sobre os jros remneratórios do capital próprio não se aplica à parcela correspondente à pessoa jrídica imne, mesmo na hipótese referida no 9º do art. 9º da Lei nº 9.249, de 1995, revogado pelo art. 88 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de O pedido de restitição o de compensação do imposto, no caso de retenção indevida, somente poderá ser formlado pela entidade imne. (IN SRF nº12, de 1999, art. 3º) 17

18 5706 RENDIMENTOS DE CAPITAL Jros sobre o capital próprio Pessoa jrídica tribtada com base no lcro real, presmido o arbitrado: o imposto retido será dedzido do aprado no encerramento do período de apração trimestral o anal. Pessoa jrídica isenta: definitivo. Pessoa física: definitivo. (RIR/99, art. 668, 1º) Compete à fonte pagadora. (RIR/99, art. 717; AD Cosar nº 8, de 1996) Até o 3 o (terceiro) dia útil sbseqüente ao decêndio de ocorrência dos fatos geradores. (Lei , de 2005, art.70, I, b.1) 18

19 RENDIMENTOS DE CAPITAL Aplicações financeiras de renda fixa, exceto em fndos de investimento 3426 Rendimentos prodzidos por aplicações financeiras de renda fixa, decorrentes de alienação, liqidação (total o parcial), resgate, cessão o repactação do títlo o aplicação. Rendimentos aferidos pela entrega de recrsos à pessoa jrídica, sob qalqer forma e a qalqer títlo, independentemente de ser o não a fonte pagadora institição atorizada a fncionar pelo Banco Central do Brasil. Rendimentos predeterminados obtidos em operações conjgadas realizadas: nos mercados de opções de compra e venda em bolsas de valores, de mercadorias e de ftros (box); no mercado a termo nas bolsas de valores, de mercadorias e de ftros, em operações de venda coberta e sem ajstes diários; e no mercado de balcão. Rendimentos obtidos nas operações de transferência de dívidas realizadas com institição financeira e otras institições atorizadas a fncionar pelo Banco Central do Brasil. Rendimentos periódicos prodzidos por títlo o aplicação, bem como qalqer remneração adicional aos rendimentos prefixados. Rendimentos aferidos nas operações de múto de recrsos financeiros entre pessoa física e pessoa jrídica e entre pessoas jrídicas, inclsive controladoras, controladas, coligadas e interligadas. Rendimentos aferidos em operações de adiantamento sobre contratos de câmbio de exportação, não sacado (trava de câmbio), bem como operações com export notes, com debêntres, com depósitos volntários para garantia de instância e com depósitos jdiciais o administrativos, qando se levantamento se der em favor do depositante. Rendimentos aferidos no reembolso o na devolção dos valores retidos referentes a CPMF/IOF. Ganhos obtidos nas operações de múto e compra vinclada à revenda, no mercado secndário de oro, ativo financeiro. Rendimentos aferidos em contas de depósitos de popança e sobre jros prodzidos por letras hipotecárias. (RIR/99, arts. 729, 730, 734, 1, 759 e 770; IN SRF n 25, de 2001, arts. 17, 18 e 35, 3º) Pessoas jrídicas, inclsive as isentas e as institições de edcação o de assistência social (ver Esclarecimentos Adicionais). (RIR/99, arts. 171, 1º, 175, 1º e 729) ALÍQUOTA A partir de 1º de janeiro de 2005, as alíqotas são de: vinte e dois e meio por cento, em aplicações com prazo de até 180 (cento e oitenta) dias; vinte por cento, em aplicações com prazo de 181 (cento e oitenta e m) dias até 360 (trezentos e sessenta) dias; dezessete e meio por cento, em aplicações com prazo de 361 (trezentos e sessenta e m) dias até 720 (setecentos e vinte) dias; qinze por cento, em aplicações com prazo acima de 720 (setecentos e vinte) dias; (RIR/99, arts. 730, I e II) 19

20 3426 RENDIMENTOS DE CAPITAL Aplicações financeiras de renda fixa, exceto em fndos de investimento BASE DE CÁLCULO A base de cálclo do imposto será: a) nas operações conjgadas qe permitam a obtenção de rendimentos predeterminados: o resltado positivo aferido no encerramento o liqidação das operações; b) nas operações de transferência de dívidas realizadas com institição financeira e demais institições atorizadas a fncionar pelo Bacen: a diferença positiva entre o valor da dívida e o valor entrege à pessoa jrídica responsável pelo pagamento da obrigação, acrescida do respectivo imposto de renda retido. c) nas operações de múto de recrsos financeiros o de aqisição de títlos o contrato de investimento coletivo: o valor dos rendimentos obtidos; d) nas operações de múto de oro, ativo financeiro: pelo valor pago o creditado ao mtante; e) nas operações de compra vinclada à revenda: pela diferença positiva entre o valor de revenda e o de compra do oro. OBSERVAÇÕES: 1) Nas operações de transferência de dívidas, considera-se valor da dívida o valor original acrescido dos encargos incorridos até a data da transferência, o o valor de face da dívida no vencimento, se não hover encargos previstos para a obrigação. 2) No caso de transferência de dívida expressa em moeda estrangeira, a conversão para reais dos valores objeto da operação será feita com base no preço de venda da moeda estrangeira, divlgado pelo Banco Central do Brasil, vigente na data da entrega dos recrsos pelo cedente. 3) Os jros e otros encargos pagos o creditados pela pessoa jrídica a ses sócios o acionistas, calclados sobre os jros remneratórios do capital próprio e sobre os lcros e dividendos por ela distribídos, sjeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte, aplicando-se as normas referentes aos rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa, inclsive qanto ao informe a ser fornecido pela pessoa jrídica. 4) A base de cálclo do imposto, em reais, na operação de múto, qando o rendimento for fixado em qantidade de oro, será aprada com base no preço médio verificado no mercado à vista da bolsa em qe ocorrer o maior volme de operações com oro, na data da liqidação do contrato, acrescida do imposto de renda na fonte. (RIR/99, art. 734; IN SRF nº 25, de 2001, arts. 18, 4º, I, II e 21; IN SRF nº 12, de 1999 art. 1º; ADN Cosit nº 19, de 1998) ISENÇÃO E NÃO-INCIDÊNCIA Está dispensada a retenção na fonte sobre aplicações financeiras de renda fixa de titlaridade de institições financeiras, sociedade de segro, previdência privada e capitalização, sociedade corretora de títlos, valores mobiliários e câmbio, sociedade distribidora de títlos e valores mobiliários o sociedade de arrendamento mercantil. (RIR/99, arts. 774, I; Lei nº 8.981, de 1995, art. 71; Lei nº , de 2004, art. 5º, IN SRF nº 25, de 2001, art. 35, I e 7º, IN SRF nº 588, de 2005, art. 10) 20

Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte. Ministério da Fazenda

Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte. Ministério da Fazenda 2008 Manal do Imposto de Renda Retido na Fonte Mafon Receita Federal Ministério da Fazenda www.receita.fazenda.gov.br Secretário da Receita Federal Jorge Antonio Deher Rachid Mafon 2008 Atalizado até

Leia mais

MANUAL DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE. Mafon 2005. Atualizado até março de 2005

MANUAL DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE. Mafon 2005. Atualizado até março de 2005 MANUAL DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Mafon 2005 Atualizado até março de 2005 Secretário da Receita Federal Jorge Antonio Deher Rachid Secretário-Adjunto da Receita Federal Carlos Alberto Freitas

Leia mais

Atualizado até maio de 2014

Atualizado até maio de 2014 1 Atualizado até maio de 2014 Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Paulo Ricardo de Souza Cardoso

Leia mais

Atualizado até 2013. Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa

Atualizado até 2013. Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa 1 Atualizado até 2013 Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa Coordenador-Geral

Leia mais

Atualizado até março de 2015

Atualizado até março de 2015 1 Atualizado até março de 2015 Secretário da Receita Federal do Brasil Jorge Antonio Deher Rachid Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Paulo Ricardo de Souza Cardoso Coordenador-Geral

Leia mais

Atualizado até Junho de 2011

Atualizado até Junho de 2011 1 Atualizado até Junho de 2011 Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa Coordenador-Geral

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 180 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Obrigações Acessórias DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

ANEXO II. Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA

ANEXO II. Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA ANEXO II Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO 0561 Trabalho Assalariado no País e Ausentes no Exterior a Serviço do País Pagamento de salário, inclusive

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E TRIBUTOS Orientador Empresarial IRRF - DIRF Ano Calendário 2010 Programa Gerador 2011 - Disposições INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 030 13/04/95 REPOSIÇÃO DAS PERDAS SALARIAIS DATA-BASE ABRIL/95 - LEI

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Códigos DARF. Tributos/Contribuições. IRPF - Imposto de Renda Pessoa Física

Códigos DARF. Tributos/Contribuições. IRPF - Imposto de Renda Pessoa Física IRPF - Imposto de Renda Pessoa Física Códigos DARF Tributos/Contribuições Quotas do Imposto Apurado na Declaração de Rendimentos 0211 Carnê-Leão Recolhimento mensal obrigatório 0190 Complementação mensal

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato 05/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do

Leia mais

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Manual prático de retenção na fonte

Manual prático de retenção na fonte Manual prático de retenção na fonte imposto de renda, CIDE, csll, pis/cofins, inss e iss Manual pratico de retencao.indd 1 3/6/2009 12:41:22 Manual pratico de retencao.indd 2 3/6/2009 12:41:22 Manual prático

Leia mais

Retenção de Tributos Chaves

Retenção de Tributos Chaves o I SUMÁRIO 1 Imposto de Renda sobre Rendimentos de Residentes ou Domiciliados no País, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Contribuinte, obrigações tributárias e responsável, 1 1.3 Imposto de Renda, 8 1.3.1 Da competência,

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - PARTE 1 - IRRF IMPOSTOS DE RENDA RETIDO NA FONTE O imposto de renda retido na fonte é um mecanismo criado pelo governo que obtetiva o seguinte: - maior controle

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências.

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. Lei nº 11.053 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS CÓDIGO 0561 Trabalho Assalariado no País e Ausentes no Exterior a Serviço do País Pagamento de salário, inclusive adiantamento de salário

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ANUAL DE RENDIMENTOS PAGOS OU CREDITADOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA. Imposto sobre ganhos líquidos em operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas

IMPOSTO DE RENDA. Imposto sobre ganhos líquidos em operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas IMPOSTO DE RENDA Código a Constar do DENOMINAÇÃO Campo 04 do DARF IRPF - IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IRPF - quotas da declaração 211 IRPF - carnê-leão 190 Multa e juros - carnê-leão recolhido com atraso

Leia mais

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2012: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2011. Elaboramos este

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA AUDITORIA-GERAL DO ESTADO COORD. DE PROCEDIMENTOS E CAPACITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Elaboração:

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

CÓDIGOS DO DARF CÓDIGOS A DENOMINAÇÃO

CÓDIGOS DO DARF CÓDIGOS A DENOMINAÇÃO CÓDIGOS DO CÓDIGOS A 1.1. IMPOSTO SOBRE A IMPORTAÇÃO Bagagem Acompanhada 0094 Outros 0086 1.2. IMPOSTO SOBRE A EXPORTAÇÃO Cacau 1089 Outros 0107 1.3. IR-PESSOAS FÍSICAS Quotas-Declaração 0211 Carnê-Leão

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 Altera a Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, para acabar com a tributação semestral sobre os rendimentos das aplicações em fundos de investimento. O CONGRESSO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO 0561 Trabalho Assalariado no País e Ausentes no Exterior a Serviço do País Pagamento de salário, inclusive adiantamento

Leia mais

não aplicada não aplicada

não aplicada não aplicada 45 3277/04 Mensal De janeiro a novembro de 2007 IRRF - Rendimentos de capital - Rendimentos de partes beneficiárias ou de fundador 46 3277/05 Decendial 1º, 2º e 3º decêndios de dezembro de 2007 IRRF -

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Ana Carolina Pereira Monguilod e Mário Shingaki Consultores tributários da Levy & Salomão Advogados No final do ano de 2004, o Governo Federal

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE LÚCIA HELENA BRISKI YOUNG Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte, calculado de acordo com a tabela progressiva mensal, os rendimentos do trabalho assalariado pagos

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS

ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS ANEXO I TABELA DE CÓDIGOS DE RECEITAS 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA CÓDIGO 0561 Trabalho Assalariado no País e Ausentes no Exterior a Serviço do País Pagamento de salário, inclusive adiantamento de salário

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Resenha de Matérias Técnicas Nº. 847, de 08 10 2015 Matéria Especial: IMPOSTO

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2013: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2012. Elaboramos este

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão Page 1 of 9 Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 DOU de 21.12.2009 Dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o programa gerador da Dirf 2010. Alterada

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Aprova o formulário Resumo de Apuração de Ganhos - Renda Variável, para o exercício de 2004, ano-calendário de 2003. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL

EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA ACE: UMA VISÃO GERAL EMPRESAS DE CONTAS SEGREGADAS RECURSOS DA : UMA VISÃO GERAL a simplicidade originária da complexidade Recrsos de contas segregadas da Gerenciar ses próprios riscos agora fico mais fácil. Nos últimos anos,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Subseção V. dos fatos geradores.

Subseção V. dos fatos geradores. I - o Capítulo I dispõe sobre a tributação das aplicações em fundos de investimento de residentes ou domiciliados no País; II - o Capítulo II dispõe sobre a tributação das aplicações em títulos ou valores

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Imposto de Renda Retido na Fonte Apresentação: Josemar Pereira da Silva AFRFB Mauro Alves Gomes - AFRFB Palestra proferida a

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ESMERALDA ROCHA Data de Nascimento: 19/02/1964 Título Eleitoral: 0153835060116 Houve mudança de endereço? Sim Um dos declarantes é pessoa com doença grave ou portadora

Leia mais

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO PARA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 1. INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar nossos clientes no

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento

Instruções Folha de Pagamento Instruções Folha de Pagamento Rotina 20 Instruções DIRF Informações Iniciais Entrega da Declaração (Instrução Normativa RFB. 1.216 15/12/2011) o A DIRF deverá ser entregue até as 23h59min59s (horário de

Leia mais

Despesas e Outras Despesas Operacionais do Grupo de Contas de Resultado do Plano Referencial do SPED Contábil

Despesas e Outras Despesas Operacionais do Grupo de Contas de Resultado do Plano Referencial do SPED Contábil Despesas e Outras Despesas Operacionais do Grupo de Contas de Resultado do Plano Por intermédio do portal de serviço SPED, constante na página inicial da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) no

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004

Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004 Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004 Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais; institui o Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

COORDENADORIA DO TESOURO ESTADUAL COTES COORDENADORIA DE GESTÃO FINANCEIRA COGEF MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE IRRF

COORDENADORIA DO TESOURO ESTADUAL COTES COORDENADORIA DE GESTÃO FINANCEIRA COGEF MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE IRRF MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE IRRF Versão 01 Janeiro de 2012 MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE IRRF Aplicável à Administração Direta do Estado

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS Este procedimento trata das incidências de INSS, FGTS e IRRF sobre as verbas trabalhistas. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF Rubricas INSS FGTS IRRF 1 - Abono pecuniário de

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno CÓDIGO DE GUIAS Códigos para Preenchimento do DARF Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código CIDE COMBUSTÍVEIS CIDE ROYALTIES Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Leia mais