N P C L R D M MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "N P C L R D M MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA"

Transcrição

1 N P C L R D M MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA

2

3 N P C L R D M MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA

4 Rua Tobias de Macedo Junior, 319 Santo Inácio CEP Curitiba PR Brasil Supervisão Editorial Prof.ª M e. Lindsay Azambuja Análise de Informação Jerusa Piccolo Revisão de Texto Schirley Horácio de Gois Hartmann Capa Denis Kaio Tanaami Projeto Gráfico Bruno Palma e Silva Diagramação Regiane de Oliveira Rosa C346m Castanheira, Nelson Pereira Matemática financeira aplicada / Nelson Pereira Castanheira, Luiz Roberto Dias de Macedo. Curitiba : Ibpex, p. ISBN Matemática financeira Problemas, exercícios etc. I. Título CDD ed. Informamos que é de inteira responsabilidade do autor a emissão de conceitos. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou forma sem a prévia autorização do autor. A violação dos direitos autorais é crime estabelecido na Lei n /98 e punido pelo Artigo 184 do Código Penal.

5 Ao elaborar o texto deste livro, estivemos atentos à necessidade que as pessoas em geral têm em conhecer os fundamentos básicos da matemática financeira e, simultaneamente, à dificuldade que comumente encontram quando lêem uma obra sobre esse tema cuja linguagem seja demasiadamente rebuscada. Procuramos, então, produzir um material de fácil compreensão e com exemplos resolvidos a fim de possibilitar o estudo da matemática financeira sem que seja necessária a presença permanente de um professor ou profissional da área para auxiliar na aprendizagem. Temos a certeza de que, utilizada como livro-texto nas disciplinas de Matemática Financeira, Análise de Investimentos e Análise Financeira, esta obra poderá contribuir com alunos e educadores no desenvolvimento de suas práticas em sala de aula. Nossa experiência mostrou, ainda, que a iniciação aos princípios da matemática financeira deve ocorrer por meio do esclarecimento quanto à utilização das fórmulas algébricas. Só posteriormente cabe ensinar o uso da calculadora financeira, ferramenta indispensável para o profissional que necessita de agilidade na resolução de problemas matemático-financeiros no dia-a-dia. Optamos por oferecer explicações quanto ao manuseio da calculadora HP-12C. Caso o leitor sinta alguma dificuldade nesse sentido, poderá consultar o apêndice A desta obra. Assim, do modo como a organizamos, o leitor poderá desenvolver-se nessas duas habilidades, obtendo o máximo de aproveitamento dos seus estudos.

6 Tivemos a intenção também de atender a quem deseja aprender matemática comercial. Para tal, importantes conceitos foram acrescentados nos Apêndices B, C e D proporcionalidade, grandezas proporcionais, regra de três simples e regra de três composta. Dessa forma, ampliamos o alcance deste material e esperamos expandir os benefícios que podemos trazer ao leitor interessado. Os Autores.

7 Sobre os autores Nelson Pereira Castanheira é graduado em Eletrônica pela UFPR (1974) e em Matemática, Física e Desenho Geométrico pela PUC (1976). É especialista em Análise de Sistemas Processamento de Dados, em Administração Financeira e em Informatização. Concluiu seu mestrado (2002) em Administração de Empresas com ênfase em Recursos Humanos (UEX/Espanha) e atualmente cursa o doutorado em Engenharia da Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atuou como professor e coordenador da Escola Técnica Federal do Paraná, como gerente de produtos e serviços da Telebahia, como instrutor e analista de dados da Telepar, como professor da Uniandrade, em Curitiba, e como professor e assessor da coordenação do Curso de Administração da Universidade Tuiuti do Paraná. É professor e coordenador pedagógico do Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão Ibpex e professor da Faculdade de Tecnologia Internacional, Fatec onde também atua como professor de ensino a distância. No total são 35 anos de experiência no magistério e, em paralelo, 30 anos na área empresarial. Nos últimos dois anos, publicou seis livros. Luiz Roberto Dias de Macedo é licenciado em Matemática pela UFPR (1981). Atua profissionalmente como professor de Matemática há 24 anos, tendo ministrado essa disciplina em todas as séries da segunda fase do ensino fundamental 5ª a 8ª séries e nas três séries do ensino médio, tanto em escolas e colégios públicos quanto na rede privada.

8 É especialista em Magistério da Educação Básica pelo Instituto Brasileiro de Pós-graduação e Extensão Ibpex (1998) e mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR, onde defendeu a dissertação de mestrado A aprendizagem significativa dos conceitos matemáticos e seus reflexos em alunos dos cursos de Administração de Empresas (2004). Desde 2001, é professor do ensino superior e já lecionou as disciplinas de Raciocínio Lógico, Crítico e Analítico; Matemática Aplicada; Matemática Financeira; Estatística Aplicada e Métodos Quantitativos. Atua como professor da disciplina de Estatística Aplicada na Faculdade Internacional de Curitiba - Facinter e na Faculdade de Tecnologia Internacional Fatec Internacional, sendo que nesta última trabalha nas modalidades presencial e a distância, além de ser membro atuante da Assessoria da Direção Acadêmica. Possui outras obras publicadas pela Editora Ibpex: Matemática Aplicada e Dados numéricos da empresa: análise e interpretação, ambas em Participa de diversos eventos, seminários e congressos com apresentação de artigos que enfocam o ensino e a aprendizagem da Matemática.

9 Porcentagem 11 Operações financeiras 15 Capitalização simples 21 Desconto simples 39 Capitalização composta 51 Taxas 69 Desconto composto 81 Rendas ou séries uniformes 91 Taxa interna de retorno e valor presente líquido 121 Correção monetária e indicadores 129 Depreciação 139 Operação de arrendamento mercantil - leasing 149 Debêntures 153 Amortizações 163 Referências por capítulo 205 Referências 207 Respostas 215 Apêndices 215

10

11 capítulo Porcentagem

12 Capítulo 1 1 Porcentagem Sabemos que um por cento indica que dividimos o inteiro em 100 partes iguais e consideramos apenas uma dessas partes. Representamos isso da seguinte forma:, que chamamos de ou de e se lê. Usualmente, utiliza-se o símbolo % para representar porcentagem. No exemplo anterior, representaríamos um por cento da seguinte forma: 1%. Note que cem por cento corresponde ao todo e 100% = =1. Assim, chama-se 100% de. Chamemos P de principal, ou seja, o todo que temos ou que queremos. Porcentagem é uma parte do principal, ou seja, uma parte do todo. Chamemos, agora, i de taxa, ou seja, parte da unidade. A notação i%, que se lê i por cento, é usada para representar a fração de : Então, para determinarmos uma porcentagem x, basta aplicarmos uma regra de três simples, conforme vemos a seguir: Grandeza 1 Grandeza 2 P 100 x i Então: 1.1 Cálculo da porcentagem O cálculo de uma porcentagem é extremamente simples. Veja o exemplo 1. E 1 Imaginemos que desejo determinar quanto é 8% (que se lê 8 por cento) de Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

13 Primeiramente, lembre-se de que o símbolo % informa que devemos dividir por 100. Então, queremos determinar quanto vale de 250. Isso significa que transformamos 8% em uma razão porcentual. A seguir, substitua a preposição de pelo sinal de multiplicação. Assim, teremos: Porcentagem 8% de 250 = Poderíamos ter efetuado esse cálculo utilizando a proporção Teríamos então: 100. x = x = 20 Simples e fácil, você não achou? 1.2 Transformação de uma razão qualquer em razão centesimal (ou razão porcentual) A transformação de uma razão qualquer em razão centesimal tem como objetivo descobrir a quantos por cento corresponde a razão dada. Veja o exemplo 2. E 2 Desejamos saber a quantos por cento corresponde a razão. Escrevemos que 4. x = x = 75 Então, ou 75% Matemática Financeira Aplicada 13

14

15 capítulo Operações financeiras

16 Capítulo 2 2 Operações financeiras Em qualquer país em que estejamos, seja ele um país de economia bem desenvolvida ou não, tenha ele uma moeda forte ou fraca, operações são realizadas com a utilização de dinheiro (moeda), com o propósito de auferir lucro. Naqueles países considerados em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, suas economias são abertas visando receber investimentos externos e, em conseqüência, gerando novos empregos e contribuindo para o progresso do país. Essas operações, denominadas, requerem os conhecimentos que serão mostrados ao longo desta obra. 2.1 Regimes de capitalização A incorporação do juro ao capital que o produziu é denominada de -. Para que possamos compreender com facilidade esse conceito, é necessário, primeiro, entendermos o que é e o que é. 2.2 Capital Qualquer valor expresso na moeda corrente de um país e disponível para uma operação financeira denomina-se. Nós o representaremos por C. Temos outros sinônimos para capital, a saber: valor atual, valor presente ou principal. 2.3 Juro Num conceito bastante simples, porém abrangente, é a remuneração do capital. Nós o representaremos por J. O regime de capitalização é que determina a forma de se acumularem os juros. Caso o juro incida somente sobre o capital inicial, trata-se de, e o regime de capitalização correspondente denominamos de -. Caso o juro incida sobre o capital mais o juro acumulado anteriormente, trata-se de, e o regime de capitalização correspondente denominamos de. O conceito de, conforme Castanheira & Serenato 1, pode ser introduzido por meio das expressões: ~ dinheiro pago pelo uso de dinheiro emprestado, ou seja, custo do capital de terceiros colocado à nossa disposição; 16 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

17 ~ remuneração do capital empregado em atividades produtivas; ~ remuneração paga pelas instituições financeiras sobre o capital nelas aplicado; ~ remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Devemos ressaltar que o juro simples cresce linearmente ao longo do tempo, enquanto o juro composto cresce exponencialmente. Para melhor visualizar esse comportamento, observe o quadro 1. Consideramos uma pessoa que tenha obtido um empréstimo de R$ 100,00 em uma instituição financeira que utiliza uma taxa de juro de 80% ao ano. Qual será a sua dívida no final de quatro anos? Operações financeiras QUADRO 1 Cálculo do juro simples e do juro composto a partir de uma taxa de juro de 80% ao ano Ano Saldo no início de cada ano Juro de cada ano Saldo no final de cada ano Capitaliz. Capitaliz. Capitaliz. Capitaliz. Capitaliz. Capitaliz. simples composta simples composta simples composta 1 100,00 100,00 0,8x100=80,00 0,8x100,00= 80,00 180,00 180, ,00 180,00 0,8x100=80,00 0,8x180,00=144,00 260,00 324, ,00 324,00 0,8x100=80,00 0,8x324,00=259,20 340,00 583, ,00 583,20 0,8x100=80,00 0,8x583,20=466,56 420, , Taxa de juro Falamos em taxa de juro. Afinal, o que é essa taxa? O juro é calculado por intermédio de uma taxa percentual aplicada sobre o capital e que sempre se refere a uma unidade de tempo: ano, semestre, trimestre, bimestre, mês, dia. Nós a representaremos por i. Veja os exemplos de 3 até 8. Observe, nos mesmos exemplos, como se representa a unidade de tempo (a. a., a. s., entre outros). E 3 i = 48% ao ano = 48% a. a. E 4 i = 22% ao semestre = 22% a. s. E 5 i = 15% ao trimestre = 15% a. t. E 6 i = 9% ao bimestre = 9% a. b. Matemática Financeira Aplicada 17

18 Capítulo 2 E 7 i = 4% ao mês = 4% a. m. E 8 i = 0,3% ao dia = 0,3% a. d. E 9 Um capital de R$ 5.000,00 aplicado a uma taxa de juro simples de 36% ao ano proporcionará, ao final de um ano, um total de juro igual a: 36% de 5.000,00 = 36/ ,00 = 1.800,00 E 10 Um capital de R$ 5.000,00 aplicado a uma taxa de juro simples de 2% ao mês proporcionará, ao final de um ano, um total de juro igual a: 2% de 5.000,00 = 2/ ,00 = 100,00 Mas esse é o valor do juro após um mês. Como desejamos calcular o juro ao final de um ano, devemos multiplicar esse resultado por 12 (um ano tem 12 meses) e obtemos: J = 1.200,00 Que cuidados devemos ter ao resolver esses exemplos? Dois são os cuidados. Primeiro, observe que, para o cálculo do juro simples sobre um capital C, é necessário transformar a taxa de juro em uma fração decimal. Ou seja, 2% é igual a 0,02 (2 dividido por 100). Depois, devemos cuidar para que a taxa e o tempo sejam considerados na mesma unidade de tempo. Isso quer dizer que, se a taxa é apresentada ao mês, o tempo deve ser expresso em meses; se a taxa é apresentada ao semestre, o tempo deve ser expresso em semestres; e assim por diante. Se no problema apresentado isso não ocorrer, podemos tanto transformar a taxa quanto o tempo para a obtenção da homogeneidade entre ambos. 2.5 Por que se cobra juro? É comum questionarmos por que se cobra uma taxa de juro tão elevada nas operações financeiras. A composição da taxa de juro leva em conta que o possuidor do dinheiro, ao se dispor a emprestar seu patrimônio, está atento para os seguintes fatores: ~ nem sempre o tomador do empréstimo paga sua dívida ao possuidor do dinheiro (risco de crédito); 18 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

19 ~ é possível que o tomador do empréstimo atrase o pagamento da sua dívida (risco de liquidez); ~ o possuidor do dinheiro deseja ter lucro ao emprestar o seu patrimônio; ~ o possuidor do dinheiro precisa precaver-se quanto a uma possível desvalorização do capital ao longo do tempo, em função de um processo inflacionário (risco de mercado); ~ todo empréstimo implica despesas operacionais, contratuais e tributárias tais como impostos; Operações financeiras ~ há a possibilidade do não-retorno de investimento em função de problemas operacionais da instituição onde os recursos foram aplicados (risco operacional); ~ existe a possibilidade de perdas em função da situação econômica do país (risco-país). 2.6 Risco-país Outro fator responsável pela elevação ou pela diminuição da taxa de juro é o -. O nível do risco-país mostra a confiança que os investidores (em nível mundial) têm quanto ao fato de o país honrar ou não suas dívidas. Quanto maior for a incerteza ou o risco associado a uma aplicação financeira, maior é a taxa de juro exigida pelo investidor. Quanto mais alto for o risco-país, maior é a possibilidade, no ponto de vista do investidor, de que o país pode dar calote. Em conseqüência, quanto maior a possibilidade do calote, maior é o valor do juro que o país deve oferecer para convencer os investidores a comprar seus títulos. Caso tenhamos duas aplicações financeiras com riscos diferentes, ambas oferecendo o mesmo retorno (a mesma taxa de juro), parece-nos óbvio que os investidores optem pela aplicação menos arriscada. Para o cálculo do risco-país, é feita uma comparação entre o juro que um país paga por títulos de sua dívida e o que o Tesouro dos Estados Unidos da América paga pelos seus, pois ele é considerado como risco zero de calote. Imaginemos, como exemplo, que o risco-país do Brasil está em pontos. Isso quer dizer que os títulos da dívida brasileira pagam 10% acima dos juros pagos pelos Estados Unidos da América 2. Matemática Financeira Aplicada 19

20 Capítulo Montante Verificamos que um capital, ao longo do tempo, precisa ter seu poder de compra mantido. Para tal, investimos o capital com o propósito de recebermos juro. Com a soma do capital ao juro, obtemos um valor a que denominamos e que representaremos por M. Temos, então, a fórmula para o cálculo do montante: M = C + J 2.8 Período ou prazo Ao tempo sobre o qual um capital C ou recebe ou paga um juro J denominamos de ou e o representaremos por n. Em outras palavras, n indica o número de vezes que o capital será acrescido de juro. Pode ainda se referir à quantidade de parcelas de uma renda, como veremos adiante. 20 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

21 capítulo Capitalização simples

22 Capítulo 3 3 Capitalização simples Denominamos de o regime de capitalização em que a taxa de juro utilizada é simples. Nesse caso, o juro é calculado, sempre, sobre o valor do capital inicial. Observe que é indiferente se o tomador do empréstimo pagará o juro periodicamente (por exemplo, mensalmente) ou o pagará em uma parcela única ao final do período contratado, uma vez que ele é constante e proporcional ao capital sobre o qual incide. Como para cada intervalo (período ou prazo) a que corresponde a taxa de juro temos um mesmo valor de juro, se quisermos saber o total no período, basta multiplicar o valor de cada intervalo pelo número de intervalos. Já havíamos demonstrado esse fato no exemplo 10. Temos, então, a fórmula do Juro Simples: J = C. i. n Já mostramos que: M = C + J Então: M = C + C. i. n M = C. (1 + i. n) Essa é a fórmula geral da capitalização simples. Mas onde é utilizado o juro simples? Com que tipo de juro trabalha o mercado financeiro? O mercado financeiro utiliza tanto o juro simples quanto o juro composto nas suas operações. A calculadora financeira HP-12C está preparada para tal situação. O juro simples é utilizado, por exemplo, na aplicação denominada, que é um empréstimo diário e renovável, com juros comerciais e com taxas mensais, ou em descontos de cheques ou de duplicatas. Veremos adiante que, quando saldamos uma dívida em que temos períodos que não são inteiros (por exemplo, temos uma taxa de juro ao mês e atrasamos uma dívida por 23 dias), nos é cobrado o juro simples por ser mais danoso. Não podemos esquecer, ainda, a utilização do juro simples em contas vinculadas por saldo devedor (juro simples postecipado). Para a fixação de todos esses conceitos, precisamos analisar alguns exemplos resolvidos. 22 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

23 E 11 Imaginemos um empréstimo de R$ 5.000,00 que será quitado em uma parcela única cinco meses após, a uma taxa de juro simples de 2% ao mês. De quanto será o montante ao final do quinto mês? Mês Saldo inicial Juros Saldo final (m) , , , , , ,00 x 0,02 = ,00 x 0,02 = ,00 x 0,02 = ,00 x 0,02 = ,00 x 0,02 = , , , , , ,00 Capitalização simples Resolvendo esse problema pela fórmula geral da capitalização simples, teremos: M = C. (1 + i. n) M = 5.000,00. (1 + 0,02. 5) M = 5.000,00. (1,10) M = 5.500,00 Vamos, a partir de agora, utilizar a calculadora financeira HP-12C. Para a utilização da calculadora financeira HP-12C em operações de juro simples, é necessário atentar para o fato de que o período deve ser fornecido, sempre, em dias. A taxa de juro simples, por sua vez, deve ser fornecida, sempre, ao ano. Vejamos, então, como seria resolvido o exemplo 11. f REG limpa os registradores (memórias) financeiros f 2 duas casas decimais no visor 150 n introduz o período em dias (observar que consideramos o ano comercial, ou seja, 360 dias) 24 i taxa ao ano 5000 CHS PV capital inicial (data zero) com sinal de fluxo de caixa f INT valor do juro simples (500,00) + valor do montante (5.500,00) Matemática Financeira Aplicada 23

24 Capítulo 3 E 12 Um valor de R$ 5.000,00 foi aplicado à taxa de juro simples de 2% ao mês, durante oito meses. Qual é o valor do juro simples? Como resolver pela fórmula? J = C. i. n C = 5.000,00 i = 2% a. m. = 0,02 a. m. n = 8 m J = 5.000,00. 0,02. 8 J = 800,00 Como resolver esse problema utilizando a calculadora HP-12C? f REG limpa os registradores financeiros f 2 queremos duas casas decimais CHS PV capital com sinal de fluxo de caixa 2 ENTER 12 x i taxa de juro ao ano 8 ENTER 30 x n período em dias (ano comercial = 360 dias) f INT valor do juro simples (800,00) E 13 Qual o rendimento de R$ 3.200,00 em quatro meses, a uma taxa de juro simples de 36% ao ano? Resolvendo pela fórmula: C = 3.200,00 i = 36% a. a. = 36/12 % a. m. = 3,0% a. m. = 0,03 a. m. J = C. i. n J = 3.200,00. 0,03. 4 J = 384,00 24 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

25 Por que dividimos a taxa fornecida por 12? Porque o período fornecido é uma quantidade de meses e necessitamos manter a homogeneidade nos tempos das grandezas (n) e (i). Optamos por transformar a taxa anual em taxa mensal. Poderíamos ter mantido a taxa ao ano e transformado o período em anos (4 meses = 4/12 ano). Como resolver esse problema utilizando a calculadora HP-12C? f REG limpa os registradores financeiros Capitalização simples f 2 queremos duas casas decimais 3200 CHS PV capital com sinal de fluxo de caixa 36 i taxa fornecida ao ano 4 ENTER 30 x n período fornecido em dias f INT valor do juro simples (384,00) 3.1 Juro ordinário O juro é quando trabalhamos com o ano comercial, ou seja, quando consideramos que o ano tem todos os seus meses com 30 dias. Assim, o ano comercial tem 360 dias. 3.2 Juro exato O juro, como o nome sugere, considera o número exato de dias que tem cada mês do ano civil. O ano tem, portanto, 365 dias. No caso do ano bissexto, consideram-se 366 dias. Lembramos que, para a utilização da HP-12C, caso o tempo não esteja em dias, devemos transformá-lo; se a taxa fornecida não for ao ano, devemos transformá-la. E 14 Calcular o juro exato e o juro ordinário de um capital de R$ ,00 que foi aplicado durante os meses de julho e agosto, a uma taxa de 48% ao ano. a) Juro ordinário (ano comercial): C = ,00 i = 48% a. a. = 0,48 a. a. Matemática Financeira Aplicada 25

26 Capítulo 3 n = 2 meses = 2/12 anos J = C. i. n J = ,00. 0,48. 2/12 J = 800,00 Pela calculadora HP-12C: f REG f CHS PV 48 i 2 ENTER 30 x n f INT juro ordinário (800,00, considerando n = 60 dias) b) Juro exato (ano civil): C = ,00 i = 48% a. a. = 0,48 a. a. n = 62 dias = 62/365 anos J = C. i. n J = ,00. 0,48. 62/365 J = 815,34 Pela calculadora HP-12C: f REG f CHS PV 48 i 62 n f INT juro ordinário (826,67, considerando n = 62 dias) 26 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

27 R tecla roll down: mostra no visor o principal x >< y juro exato (815,34) Você observou nesse exemplo que a calculadora financeira HP-12C calcula, ao mesmo tempo, o juro ordinário e o juro exato. Para visualizar os dois, basta pressionar as teclas na seqüência mostrada no exemplo 14. E 15 Capitalização simples Calcular o montante acumulado ao final de 40 dias, a partir de um capital de R$ 1.000,00, com juro simples de 48% ao ano, nas hipóteses de ano comercial e de ano civil. a) Juro ordinário (ano comercial): M = C. (1 + i. n) M = 1.000,00. (1 + 0,48/ ) M = 1.053,33 Pela calculadora HP-12C: f REG f 2 40 n 48 i 1000 CHS PV f INT juro ordinário (53,33) + montante (1.053,33) b) Juro exato (ano civil): M = C. (1 + i. n) M = 1000,00. (1 + 0,48/ ) M = 1.052,60 Pela calculadora HP-12C: f REG f 2 Matemática Financeira Aplicada 27

28 Capítulo 3 40 n 48 i 1000 CHS PV f INT juro ordinário (53,33) R x >< y juro exato (52,60) + montante (1.052,60) E 16 Calcular o juro exato de um capital de R$ ,00 aplicado durante 60 dias, à taxa de 24% ao ano. C = ,00 i = 24% a. a. = 0,24 a. a. n = 60 dias = 60/365 anos J = C. i. n J = ,00. 0,24. 60/365 J = 1.972,60 Pela calculadora HP-12C: f REG f CHS PV 24 i 60 n f INT juro ordinário (2.000,00) R x >< y juro exato (1.972,60) 28 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

29 3.3 A regra do banqueiro Podemos ainda calcular o valor do juro simples utilizando a -. Para tal, ao se estabelecer a homogeneidade entre o período e a taxa de juro, é usado o ano comercial (360 dias) como no juro ordinário, mas o período (número de dias) segue o princípio do juro exato, ou seja, segue o calendário do ano civil. E 17 Capitalização simples Determinar o juro, pela regra do banqueiro, gerado por um capital de R$ ,00 aplicado durante o mês de março, a uma taxa de juro simples de 24% ao ano. C = ,00 i = 24% a.a. = 0,24 a. a. n = 31 dias = 31/360 anos J = C. i. n J = ,00. 0,24. 31/360 J = 1.033,33 Pela calculadora HP-12C: f REG f CHS PV 24 i 31 n f INT juro do banqueiro (1.033,33) E 18 Uma letra de câmbio de valor nominal de R$ 7.000,00, resgatável daqui a dois anos, está à venda. Por quanto devo comprá-la, sabendo que desejo um juro mínimo de 30% ao ano? O que é? Trata-se do valor expresso no documento. No caso, expresso na letra de câmbio. É, portanto, o valor de uma dívida da data do seu vencimento. Matemática Financeira Aplicada 29

30 Capítulo 3 Caso queiramos antecipar o pagamento da dívida, devemos calcular o da mesma. Valor atual é, portanto, o valor da dívida a qualquer momento antes da data do seu vencimento. C =? (valor atual) M = 7.000,00 (valor nominal) i = 30% a. a. = 0,30 a. a. n = 2 anos M = C. (1 + i. n) 7.000,00 = C. (1 + 0,30. 2) C = 4.375,00 Devo comprar a letra de câmbio por, no máximo, R$ 4.375, Juro do cheque especial Para o cálculo do juro aplicado no saldo devedor de um correntista, no seu cheque especial, os bancos utilizam-se de um método conhecido como. Consideremos diversos capitais (C 1, C 2,..., C n ) aplicados por diferentes prazos (n 1, n 2,..., n n ), utilizando-se uma taxa i, constante, de juro simples. Já sabemos que o juro simples é determinado pela fórmula J = C. i. n Então, o cálculo do juro devido em cada período n k, com k variando de 1 até n, é: J 1 = C 1. i. n 1 J 2 = C 2. i. n 2... J n = C n. i. n n Sabemos que o valor total do juro a ser pago ao final de certo prazo é: J = J 1 + J J n J = C 1. i. n 1 + C 2. i. n C n. i. n n 30 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

31 J = i. (C 1. n 1 + C 2. n C n. n n ) Então: J = i. C k. n k com k variando de 1 até n. Exemplo 19 O extrato de um correntista empresarial apresentou os seguintes saldos em determinado mês: Capitalização simples SALDO R$ ,00 + R$ ,00 R$ ,00 + R$ ,00 DIAS Calcule o valor do juro pago por essa empresa, nesse mês, para uma taxa de juros simples igual a 3% ao mês. J = 0,03. (58.000, ,00. 10) J = 0,03. ( , ,00) J = ,00 Observe que o cálculo do juro devido é efetuado considerando-se apenas os dias em que o saldo é negativo. 3.5 Saldo médio Para o cálculo do saldo médio (S m ) de um correntista, basta determinar a média aritmética ponderada entre os saldos do período considerado. Por exemplo, como determinar o saldo médio de um mês com 30 dias? Consideremos diversos capitais (C 1, C 2,..., C n ) aplicados por diferentes prazos (n 1, n 2,..., n n ), respectivamente. Então: S m = C 1. n 1 + C 2. n C n. n n n 1 + n n n Matemática Financeira Aplicada 31

32 Capítulo 3 E 20 O extrato de um correntista empresarial apresentou os seguintes saldos credores em determinado mês: SALDO DIAS R$ ,00 6 R$ ,00 2 R$ ,00 10 R$ ,00 12 Calcule o saldo médio dessa empresa nesse mês. S m = , , , , S m = , , , ,00 30 S m = ,33 Agora que você já analisou 20 exemplos resolvidos, está na hora de exercitar para melhor fixar os conceitos transmitidos até o momento. Vem aí uma série de 50 exercícios propostos. Resolva-os e confira as respostas encontradas. Você verá que é fácil. Mãos à obra! Lembre-se: Quando falamos de dinheiro, nossa moeda é o e só trabalhamos com centavos no nosso dia-a-dia. Então, devemos sempre considerar apenas duas casas após a vírgula. Entretanto, ao trabalhar com taxa de juro, devemos considerar, no mínimo, cinco casas após a vírgula. Isso porque, ao longo do tempo, um arredondamento na taxa de juro pode significar grandes perdas de dinheiro para alguma das partes envolvidas. E como fazer o arredondamento? A regra, na matemática, é simples. Ela vale também para as calculadoras financeiras, que, sozinhas, fazem esse arredondamento. 32 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

33 Considere os algarismos de 0 a 9 divididos em duas partes iguais: 0 a 4 e 5 a 9. Caso o algarismo que você deseja eliminar esteja no primeiro intervalo (0 a 4), apenas ignore o algarismo. No entanto, se esse algarismo estiver no segundo intervalo (5 a 9), ao eliminá-lo, não se esqueça de somar 1 (um) ao algarismo imediatamente anterior. Vejamos um exemplo. Queremos dividir 54 por 365 e apresentar o resultado com seis casas após a vírgula. Na divisão, obtivemos 0, Como queremos representar com seis casas após a vírgula, devemos eliminar as três últimas (a parte em negrito). Então, olhamos para o primeiro algarismo após a sexta casa: é um 2. Logo, para eliminar tudo a partir desse 2, basta ignorar os algarismos eliminados, pois o 2 encontra-se no intervalo de 0 a 4. Suponhamos, entretanto, que queiramos representar o resultado dessa divisão com apenas três algarismos após a vírgula. Então, devemos eliminar todos os algarismos a partir do 7. Como após o 7 temos um algarismo que pertence ao segundo intervalo (é um algarismo 9), ao eliminar esses algarismos (945205), devemos somar uma unidade ao algarismo imediatamente anterior ao 9. O resultado, portanto, será 0,148 (somamos 1 ao 7). Capitalização simples Matemática Financeira Aplicada 33

34 Capítulo 3 1. Qual será o montante, no final de oito meses, se aplicarmos um capital de R$ ,00 a uma taxa de juro simples de 54% ao ano? 2. Que capital, aplicado a uma taxa de juro simples de 36% ao ano, apresentou, após 1 ano 6 meses e 15 dias, um montante de R$ ,00? 3. Uma caderneta de poupança rendeu, em determinado mês, R$ 48,30. Supondo-se que nesse mês a rentabilidade total tenha sido de 1,15%, quanto estava depositado nessa poupança antes de ser creditado o rendimento? 4. Uma pessoa investiu R$ ,00 a uma taxa de juro simples de 1,2% ao mês, pelo período de cinco meses. Qual foi o montante obtido? 5. Qual foi o valor do montante bruto obtido por uma pessoa que investiu R$ ,00 por 20 dias, a uma taxa de juro simples de 2,7% ao mês? 6. Qual será o valor do juro a ser pago, correspondente a um empréstimo de R$ ,00, sendo a taxa de juro de 2,4% ao mês, por um período de cinco meses, no regime de capitalização simples? 7. Uma pessoa aplica R$ 1.000,00 por 125 dias, a uma taxa de juro simples de 3% ao mês. Calcule o juro e o montante obtidos. 8. Foram aplicados R$ 8.000,00 pelo período de 183 dias, que renderam R$ 1.024,80 de juro. Quais foram as taxas de juro simples mensal e anual aplicadas? 9. Qual foi o valor do juro obtido por um investidor que aplicou R$ ,00 pelo período de 40 dias, a uma taxa de juro simples de 1,8% ao mês? 10. Qual será o capital necessário para obter um montante de R$ ,00 daqui a seis anos, a uma taxa de juro simples de 25% ao ano? 11. Qual o montante de uma aplicação de R$ 7.500,00 pelo prazo de 20 dias, a uma taxa de juro simples de 1,5% ao mês? 12. Qual será a taxa mensal de juro simples que fará um capital de R$ ,00 formar um montante de R$ ,00 daqui a 12 meses? 13. Calcule o montante de uma aplicação de R$ 2.400,00 a uma taxa de juro simples de 30% ao ano, durante nove meses. 34 Nelson Pereira Castanheira ~ Luiz Roberto Dias de Macedo

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1 2 INTRODUÇÃO: O principal conceito que orientará todo o nosso raciocínio ao longo deste curso é o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital.

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. 2 Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Pode ser entendido também como o pagamento de um indivíduo pelo uso do capital de outro. O uso do capital pode ser realizado através de

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Juros e Capitalização Simples Matemática Financeira 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital.

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Pode ser entendido também como o pagamento de um indivíduo pelo uso do capital de outro. O uso do capital pode ser realizado através de um

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por Desconto Simples Títulos de Crédito Os títulos de crédito são instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) e são usados para formalizar dívidas que serão pagas no futuro, em prazo previamente

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês 19/12/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês Questão 31. Ana quer vender um apartamento por R$400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS

GABARITO DOS EXERCÍCIOS Bertolo 18/2/2006 MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin1 PAG.1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Juros Simples) 1.Calcule o montante de uma aplicação de R$ 50.000,00, à taxa de 2,5% ao mês, durante

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Curso. Matemática Financeira com HP 12C

Curso. Matemática Financeira com HP 12C Seja Bem Vindo! Curso Matemática Financeira com HP 12C Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2009 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Administração Financeira Orçamentária I 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA A matemática financeira tem como objetivo principal estudar o valor do dinheiro em função do tempo. Este conceito,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 01: CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITO Na capitalização simples, os

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de 1 Sumário Razão... 4 Proporção - Parte 1... 4 Proporção - Parte 2... 5 Proporção - Parte 3... 6 Proporção - Parte 4... 6 Média Aritmética... 7 Média Aritmética Ponderada... 8 Grandezas Proporcionais...

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira http://www.oportunity.ubbihp.com.br 1 CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA A consideração explicita do fator tempo em qualquer processo de transferência de recursos financeiros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Gestão Financeira. União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR. Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta

Gestão Financeira. União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR. Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR Rua T-2, s/n Caixa Postal n.º 431 Fone (066) 521-1676 CEP 78.580-000 - Alta Floresta-MT Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta CURSO: ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

DESCONTO SIMPLES Roteiro Roteiro Introdução Introdução Introdução N Valor Nominal Desconto D Valor Atual A d Taxa de Desconto 0 1 2 3 t Tempo de antecipação Fonte: PENIDO, Eduardo. Matemática Financeira

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos

Leia mais

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio.

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio. DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa data futura, é normal que entregue ao credor um título de crédito, que é o comprovante dessa dívida. Todo título de crédito tem uma data

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA TODOS Por: Washington Conrado de Souza Orientador Prof.ª : Ana Cláudia Morrissy Rio de Janeiro 2011

Leia mais

Apost Matematica Financeira

Apost Matematica Financeira Material de Estudo Comunidade Acadêmica Buscar arquivos, pessoas, cursoso Apost Matematica Financeira Enviado por: Warley Augusto Pereira 9 comentários Arquivado no curso de Administração na IESRIVER Download

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP-12C

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP-12C MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP-12C Prof. Msc. Osorio Moreira Couto Junior ÍNDICE 1. FUNÇÕES BÁSICAS DA HP-12C... 1.1 TECLA [ON]... 1.2 TECLA [. ]... 1.3 TESTES DE FUNCIONAMENTO... 1.3.1 TESTE Nº 1 (USANDO

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA DESCONTO SIMPLES MF2 1 DESCONTO SIMPLES INTRODUÇÃO Se uma pessoa (ou empresa) deve uma quantia em dinheiro para pagamento em uma data futura, ela dá um título de crédito para o credor,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF: EDUARDO PICANÇO, D.Sc. MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO Autores: Eduardo Picanço Guilherme Guimaraes

Leia mais

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado?

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? 1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? a) 3 meses e 3 dias b) 3 meses e 8 dias c) 2 meses e 23 dias d) 3 meses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 CAPÍTULO 1 JUROS SIMPLES MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 1.1) DEFINIÇÃO No cálculo dos juros simples, os rendimentos ou ganhos J em cada período t são os mesmos, pois os juros são sempre calculados

Leia mais

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I PROF: EDUARDO PICANÇO, D.Sc. MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO Autores: Eduardo Picanço Guilherme Guimaraes

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO Taxa de juros: relação percentual entre os juros cobrados, por unidade de tempo, e o capital [principal] emprestado. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Montante: capital

Leia mais

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Prof. Msc. Sergio Silva Braga Junior Consultor Financeiro Observações Gerais É indispensável o uso da calculadora financeira HP-12C O curso

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO EXCEL E DA HP12C EM MATEMÁTICA FINANCEIRA

UTILIZAÇÃO DO EXCEL E DA HP12C EM MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZAÇÃO DO EXCEL E DA HP12C EM MATEMÁTICA FINANCEIRA DENILSON NOGUEIRA DA SILVA Universidade Gama Filho UGF / RJ FAETEC / RJ denilson@abeunet.com.br LUIZ MARCOS CAVALCANTI PEREIRA Colégio PedroII /

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

ANDERSON DIAS GONÇALVES. Calculadora HP 12C. Treinamento com ênfase em Matemática Financeira.

ANDERSON DIAS GONÇALVES. Calculadora HP 12C. Treinamento com ênfase em Matemática Financeira. ANDERSON DIAS GONÇALVES Calculadora HP 12C Treinamento com ênfase em Matemática Financeira. SUMÁRIO 1 Conhecendo a Calculadora HP12C... 5 Testando a calculadora... 5 O teclado... 5 Número de casas decimais...

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais