Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas"

Transcrição

1 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Meta Apresentar o conceito, a origem e o destino do Orçamento Público e de organizações sem fins lucrativos, bem como as ferramentas utilizadas para sua execução. Objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: 1. reconhecer os conceitos que envolvem os elementos de Matemática Financeira; 2. realizar cálculos que envolvam regimes de capitalização: juros simples e juros compostos; 3. conhecer e diferenciar os diversos tipos de taxa de juros; 4. montar diagramas de fluxo de caixa; 5. utilizar uma planilha eletrônica para resolver problemas de Matemática Financeira. Requisitos Para esta aula, é importante que você tenha em mãos uma calculadora científica ou financeira. Também é recomendado ter um computador com o programa Excel instalado ou outro tipo de planilha eletrônica. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

2 82 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

3 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Há juros em (quase) tudo que vejo! Não sei se você já realizou o sonho da casa própria ; espero que sim. Mas caso essa ideia ainda seja um plano para o futuro, vamos imaginar que você já o alcançou. Continuando no campo da imaginação, vamos fantasiar que você recebeu como herança de um tio distante, sem herdeiros, uma boa casa em uma área valorizada da cidade onde ele morava. Mas você não quer se mudar para lá; então, o que você faria com essa surpresa? Bom; eu não tenho como saber a sua resposta, mas posso dizer a minha. Com certeza, eu alugaria essa casa. No aluguel, eu cedo a outra pessoa o direito de usar o meu imóvel em troca de uma remuneração, ou seja, um pagamento. Mas veja: eu só posso fazer isso porque tenho onde morar, ou seja, tenho um imóvel sobrando, correto? Agora eu pergunto: Podemos aplicar esse mesmo raciocínio com dinheiro, ou seja, faz sentido alugar dinheiro? Aluga-se Mandiberg Marek Kowalik Aluga-se Essa imagem está sob licença: Figura 4.1: O que você acha? É a mesma coisa? À primeira vista, você deve ter achado a ideia estranha, não é mesmo? Mas, se você voltar àquela história da herança e substituir a casa por uma grande quantia em dinheiro, verá que a ideia é absolutamente a mesma. Ou seja, podemos tratar o dinheiro como qualquer bem, como uma mercadoria, na verdade. E é isso que os bancos fazem. Como não precisam usar todo o dinheiro que têm disponível, eles alugam parte dele. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

4 Ao alugar o imóvel que herdou, você estaria abrindo mão de usufruir dele ou de vendê-lo, para gastar ou investir o dinheiro, assim como quem empresta dinheiro abre mão de consumir coisas no presente para consumir no futuro (quando o dinheiro é devolvido); em ambos os casos, é necessário ter alguma compensação financeira. O valor que é emprestado, assim como o imóvel que é alugado, são chamados de capital. Quando pegamos dinheiro emprestado, não devolvemos o mesmo valor, certo? Devolvemos sempre mais do que pegamos emprestado. Esse valor a mais é o que chamamos de juros. O juro nada mais é que o valor da remuneração devida pela utilização do capital. Ou seja, também poderíamos chamar de juros o valor do aluguel que pagamos para morar. Explicativo Juro corresponde ao valor do acréscimo no capital (emprestado ou aplicado), que representa a compensação por abrir mão do consumo no presente para consumir no futuro. Sendo assim, um aumento nos juros traz benefícios financeiros para os credores (emprestadores, financiadores ou aplicadores), enquanto uma redução nos juros beneficia os devedores. Mas por quanto se deve alugar um imóvel? Os avaliadores fazem uma conta bem simples para calcular esse valor. Eles aplicam um valor percentual sobre o valor do imóvel (capital), e o resultado é o valor do aluguel (juros). Para calcular os juros do aluguel de uma quantia em dinheiro é a mesma coisa. Multiplica-se um valor percentual sobre o capital e o resultado é o juro, que será devolvido junto com o dinheiro emprestado (capital), assim como você paga o aluguel e, quando vence o contrato, devolve o imóvel (capital). A taxa de juros é, em última instância, o preço do dinheiro ; ela é uma proporção entre os juros pagos e o capital. Para ficar mais claro, veja o seguinte exemplo: digamos que o gestor de uma escola alugou um espaço da escola para certo evento. Nessa transação, a escola arrecadou R$ ,00. O gestor planejava reformar a biblioteca da escola, mas precisava de algo em torno de R$ ,00 para colocar seu plano em prática. Sendo assim, foi ao banco consultar o gerente, que lhe indicou um fundo de investimento que estava rendendo a uma taxa de 20% ao ano, o que seria suficiente para conseguir os R$ 3.000,00 que faltavam para a reforma. Com esse exemplo, é possível identificar todos os atores de que falamos até agora. Os R$ ,00 que serão aplicados é o capital e os R$ 3.000,00 que o fundo de investimento acrescentará ao capital são os juros. Se você fizer as contas, poderá confirmar que 20% de é igual a 3.000: x = Ou seja, 20% é a taxa de juros, é o preço que o fundo de investimento paga pelo dinheiro que ficará parado durante um ano. No final de um ano, a escola receberá R$ ,00 esse valor é chamado de montante, que é a soma do capital mais os juros. 84 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

5 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Esse foi um exemplo simples do uso da matemática financeira. Essa disciplina possui diversas aplicações na área das finanças, aplicações essas de grande importância para a gestão em qualquer área. Temos que ter em mente que movimentações financeiras como empréstimos, financiamentos, compras, aluguéis e tantas outras envolvem taxas de juros. Sendo assim, é imprescindível saber definir o custo e o retorno dessas operações, para que seja possível tomar decisões objetivas e eficientes. Por sua importância, dedicaremos esta aula às ferramentas disponibilizadas pela matemática financeira. Ferramentas de matemática financeira A Escola EDUCAÇÃO EM PRIMEIRO LUGAR possui duas unidades que atendem aproximadamente alunos numa cidade do interior do Rio de Janeiro. A escola sempre apresentou resultados financeiros bastante satisfatórios. Levando em consideração os resultados positivos, o diretor da escola, que apresentava um perfil empreendedor, submeteu ao conselho administrativo a proposta de expandir os negócios para duas cidades vizinhas. A expansão consistiria na construção de duas novas unidades que teriam a capacidade para atender alunos cada uma. No entanto, para efetuar a expansão, a escola precisaria solicitar um crédito junto ao sistema bancário. Expansão da escola Cfi02 s EyeSerene Qual o valor que precisaremos investir e em quanto tempo teremos retorno desse valor? Será que a taxa de juros do mercado é factível com o retorno de investimento que faremos? Imagem sob as licenças: Figura 4.2: Veja que as questões levantadas na reunião, em relação à possível expansão da escola, mostram a preocupação com o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

6 Devido às incertezas em relação ao comportamento do dinheiro no tempo, achamos natural que, ao pedir algum dinheiro emprestado, teremos que, em algum momento, devolver a quantia emprestada acrescida de um determinado valor. Isso porque o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, o que você já deve ter percebido. Cem reais hoje não terão o mesmo valor daqui a um ano; você não conseguirá comprar as mesmas coisas com essa mesma quantia de dinheiro. Isso acontece porque ele perde o valor por influência de algumas variáveis, como a inflação e a taxa de câmbio (caso das compras internacionais), que afetam o poder de compra do dinheiro ao longo do tempo. É importante ressaltar que, mesmo na ausência da inflação e da variação cambial, haverá alteração do valor do dinheiro no tempo, uma vez que quem empresta dinheiro abre mão do consumo no presente e, portanto, precisa de alguma compensação. Dinheiro Wagner Magni Tempo Figura 4.3: Você já deve ter percebido que quanto maior é o tempo de um financiamento, maior é o valor referente aos juros que devemos pagar. O comportamento do capital no tempo depende do modo como foi aplicado, ou seja, depende do regime de capitalização. Podemos classificar os regimes de capitalização da seguinte forma: 86 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

7 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Os regimes de capitalização mais comuns são: Descontínuo simples nesse caso, o capital inicial, também chamado de principal, rende juros independentemente do número de períodos da aplicação; Descontínuo composto nesse caso, os juros são capitalizados a cada período e passam a render juros nos períodos posteriores. Você já deve ter ouvido a expressão juros sobre juros. Para ficar mais claro, vamos utilizar um exemplo. Imagine que a sua escola aplicou uma determinada quantia em um fundo de investimento. Ao final de um ano, você poderá retirar os juros e manter o capital aplicado ou não mexer e manter o montante (capital + juros) aplicado. Se retirar todo o valor referente aos juros, o dinheiro vai crescer de acordo com o regime de capitalização simples. Caso mantenha o montante aplicado, haverá uma capitalização composta. Capitalizado 1. Ajuntado ao capital: Capitalizar juros, capitalizar aluguéis; 2. Ajuntado, reunido: Capitalizar dados para a solução de um problema; 3. Acumulado de modo que forme um capital: Capitalizar para a velhice. Fonte: Dicionário Michaelis de Língua Portuguesa. Atividade 1 Aurélio é um empreendedor que possui boas ideias, mas não possui recursos para colocá-las em prática. Uma das ideias é abrir uma escola de formação profissional na área de petróleo e gás, pensando em atender uma demanda provocada pela chegada da empresa PETROGÁS na sua cidade. Um belo dia, um empresário se interessou pelo projeto e fez uma proposta para o Aurélio. A proposta do empresário foi a seguinte: ele financiaria a estrutura e o material para iniciar o curso e o Aurélio teria um período de 2 anos para devolver os recursos financeiros fornecidos, corrigidos por uma taxa de apenas 0,5% ao mês sobre todo esse valor. Com base na história acima, responda: a) Podemos dizer que a ajuda do empresário foi um investimento para ele e um empréstimo do ponto de vista do Aurélio? Por quê? b) Você deve ter percebido que essa história possui elementos de matemática financeira. Identifique, portanto, o que estaria representando: o valor dos juros; a taxa de juros; o capital; o montante; o regime de capitalização. RESPOSTA COMENTADA a) Neste caso, o empresário está realizando um investimento, porque ele está disponibilizando os recursos para o Aurélio criar o curso de formação profissional, mas em troca está exigindo a recompensa de 0,5% ao mês. Por outro lado, o Aurélio está pegando um empréstimo para abrir o seu negócio. Atenção! Neste caso, nós estamos falando dos investimentos financeiros porque, como veremos na Aula 6, o Aurélio estaria realizando um investimento produtivo, uma vez que, com a abertura do curso, ele espera gerar recursos suficientes para devolver ao empresário o valor do empréstimo acrescido de juros e ainda sobrar algum recurso para compensar o esforço aplicado na atividade (retorno do investimento). Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

8 b) Neste caso, temos as seguintes variáveis financeiras: valor dos juros valor que o empreendedor deverá pagar ao empresário acima do capital emprestado; taxa de juros 0,5% ao mês; capital valor do empréstimo, ou seja, valor da estrutura e do material necessários para iniciar o curso; montante valor total que o empreendedor terá que pagar ao empresário, ou seja, o valor dos recursos financeiros aplicados na montagem do curso mais os juros referentes, à taxa de 0,5% ao mês; regime de capitalização simples; uma vez que a taxa de juros incidirá sobre o valor inicial (capital). Juros simples Agora vamos atribuir valores a um exemplo para entender como funciona o sistema de juros simples. Suponha que a sua escola resolva aplicar R$ 5.000,00, por três anos, a uma taxa de juros de 8% ao ano. Observe, na Tabela 4.1, a evolução dessa aplicação no regime de juros simples. Tabela 4.1: Evolução da aplicação no regime de juros simples. JUROS SIMPLES Período Montante Juros , , , , Conforme podemos observar na Tabela 4.1, o montante em juros simples cresce linearmente, de acordo com uma progressão aritmética cuja razão é igual ao valor dos juros, isto é, R$ 400,00. É importante ressaltar que, no regime de juros simples, apenas o capital é reaplicado. Dessa forma, se quisermos saber o valor total dos juros a cada período (que, no caso do nosso exemplo, é igual a três anos), devemos considerar a seguinte equação: Onde: J = juros C = capital i = taxa de juro n = número de períodos J = Cin Assim, no exemplo da aplicação da escola, o valor dos juros sobre o capital de R$ 5.000,00, aplicado a uma taxa de 8% a.a., por três anos, apresentará a seguinte evolução: J = Cin J = x J = x 3 88 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

9 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Ou seja, após três anos, os juros sobre o valor de R$ 5.000,00 será de R$ 1.200,00. Se você voltar à Tabela 4.1, poderá confirmar que, ao somar os juros dos três anos (período), é exatamente este o valor. Você já sabe que o montante a cada período é igual ao capital mais o juro, correto? A equação básica, usando juros simples, que relaciona o montante, o capital, o número de períodos e a taxa de juro é: M = C (1 + in) Onde: M = montante C = capital (1 + in) = um mais a taxa de juro vezes o número de períodos M = ( x 3) M = x 1,24 M = Veja que o montante nada mais é que a soma do capital com o valor dos juros no período de três anos ( ). Saiba mais Mais veloz que pensamento! Xander89 Enzo Forciniti Alicia Solario Sanja Gjenero Imagem sob licenças: e Você aprendeu que existem dois tipos de regime de capitalização: o contínuo e o descontínuo. Nosso enfoque é o descontínuo, mas é interessante saber do que trata o outro tipo, não é verdade? Então, vamos entendê-lo! Você aprendeu que o regime de capitalização composto incorpora o juro ao capital e o juro do próximo período é calculado sobre esse montante, certo? Veja que o juro é creditado em um determinado momento, ou seja, após ter ocorrido o período de tempo relativo à taxa de juros (após um dia ou após um mês ou após um trimestre etc.). No regime contínuo, a ideia do juros sobre juros é a mesma; no entanto, o período de capitalização é contínuo, ou seja, os juros são creditados a todo instante, e esse instante é o menor período de tempo possível. Como você deve imaginar, esse tipo de capitalização é muito difícil de ser aplicado e, por isso, ele é pouco utilizado. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

10 Atividade 2 Vamos treinar os cálculos que você aprendeu? Pegue sua calculadora e resolva as questões a seguir. a) Calcule o valor do juro simples do capital de R$ ,00, aplicado à taxa de 35% a.a., durante o período de 1º de janeiro de 2010 a 31 de maio do mesmo ano. b) Qual a taxa de juro cobrada em um empréstimo de R$ 3.800,00, a ser resgatado no valor de R$ 6.900,00, ao final de 2 anos no regime de juros simples? c) A que taxa o capital de R$ ,00 rende R$ 1.170,00 em 6 meses no regime de juros simples? d) Apostando no aumento do orçamento nos próximos anos, um gestor solicitou um empréstimo no valor de R$ ,00 para modernizar os dois laboratórios de informática da escola. O banco emprestou a uma taxa de juros de 10% ao ano (regime de juros simples) durante 5 anos. Qual será o valor pago no final do contrato de empréstimo? RESPOSTAS COMENTADAS a) Dados do problema: C (Capital) = R$ ,00 i (taxa de juros) = 35% a.a. J =? n (período) = 1º de janeiro de 2010 a 31 de maio de 2010 = 151 dias Utilizando a fórmula de juros simples: J = Cin J = x x J= 6.753,05 Resposta: O valor dos juros é R$ 6.753,05. Obs.: Você deve ter percebido que o período (n) foi dividido pelo número 360 (corresponde ao número de dias do ano comercial). Isso foi necessário porque a taxa de juros é anual e o período era menor que um ano (151 dias). Quando isso acontece, é necessário dividir pelo número de dias em um ano comercial, ou seja, 360 dias. b) Dados do problema: C (Capital) = R$ 3.800,00 M (Montante) = R$ 6.900,00 n (período) = 2 anos i =? Utilizando a fórmula M = C (1 + in), podemos calcular o valor de i. 90 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

11 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas = x (1 + i2) = 1 + i2 1,8159 = 1 + i2 1, = i2 i2 = 0,8159 i = 0,40795 ou i = 40,79% Resposta: A taxa de juros é 40,79% ao ano. c) Dados do problema: Existem duas maneiras de resolver esse problema. A primeira é utilizando a fórmula: J = Cin, onde: C (capital) = R$ ,00 J (juros) = R$ 1.170,00 N (período) = 6 meses i (taxa de juros) =? = x i x i = i = 0,01083 ou i = 1,083% a.m. A outra maneira de resolver o problema é utilizando a fórmula M = C (1 + in): C (Capital) = R$ ,00 M (Montante) = R$ ,00 + R$ 1.170,00 = R$ ,00 Período = 6 meses i =? = x (1 + i6) = 1 + i6 1,065 = 1 + i6 i6 = 0,065 i = 0,01083 ou i = 1,083% a.m. d) Dados do problema: C (capital) = R$ ,00 n (período) = 5 anos i (taxa de juros) = 10% ao ano M (montante) =? Utilizando a fórmula M = C (1 + in), temos: M = ,00 (1 + 0,1x5) M = ,00 (1 + 0,5) M = ,00 x 1,5 M = ,00 Resposta: No final do contrato, a escola pagará R$ ,00. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

12 Juros compostos Já com o uso de juros compostos, o crescimento é exponencial, obedecendo a uma progressão geométrica de razão igual a 1 (um) mais a taxa da operação. Veja, na Tabela 4.2, o crescimento dos juros e do montante e compare com a evolução da aplicação com juros simples. Tabela 4.2: Evolução da aplicação com capitalização por juros compostos. JUROS SIMPLES JUROS COMPOSTOS Período Montante Juros Montante Juros , , , , , , , ,56 466,56 No regime de capitalização a juros compostos, a equação que relaciona os juros, o montante, o capital, o número de períodos e a taxa de juros é a seguinte: M = C (1 + i) n Onde: M = montante C = capital (1 + i) n = um mais a taxa de juro elevado ao número de períodos Vamos usar a fórmula para conferir o resultado apresentado na tabela. Se quisermos calcular o montante em um ano: M = ( )1 M = x 1,08 M = Se quisermos calcular o montante em três anos: M = ( )3 M = x 1, M = 6.298,56 Veja que os valores são exatamente aqueles encontrados na tabela. O valor dos juros é a diferença entre o montante e o capital inicial em cada período. 92 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

13 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Juros simples Andres Rueda Juros compostos G Schouten de Jel Kym Macleod Imagens sob licença: Figura 4.4: No regime de juros simples, o valor acrescentado é sempre o mesmo, pois é calculado sempre sobre o capital inicial. Já nos juros compostos, o valor dos juros vai aumentando, já que é calculado sobre o valor do montante, e não do capital. É importante que você saiba que o regime de juros simples e compostos não influenciam apenas no cálculo dos valores das prestações e da formação do capital. Esses conceitos também são importantes na hora de se levar em consideração as taxas de juros envolvidas. Antes de entender como isso funciona, que tal exercitar um pouco o que você acabou de aprender? Atividade 3 Com o objetivo de abrir seu próprio negócio, Carlos contraiu um empréstimo com uma financeira que cobrou uma taxa de juros (compostos) de 5% ao mês. Ao final de dois anos, ele deverá efetuar um pagamento de R$ ,00. Qual o valor do empréstimo que Carlos contratou? RESPOSTA COMENTADA Dados do problema: M = R$ ,00 n = 2 anos = 24 meses i = 5% ao mês C =? A fórmula dos juros compostos é: M = C (1 + i) n Como você quer calcular o valor do capital (C), é melhor reescrever a fórmula em função do C. Assim, passando o termo (1+ i) n para o lado do M, dividindo, temos: C = M x 1 (1 + i) n Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

14 Substituindo os valores das variáveis: 1 C = x (1 + 0,5) 24 C = x 0, C = ,19 Resposta: O empréstimo contraído foi de R$ ,19. Nem toda taxa de juros é igual Apesar do conceito de taxa de juros não mudar, ela pode receber uma nomenclatura diferente, por exemplo, dependendo do período a que se refere. Vejamos como essas diferenças caracterizam cada tipo de taxa de juros e como elas alteram a forma de resolver certos problemas financeiros. Taxas de juros diferentes, mas que determinam valores de capitais iguais, podem ser classificadas como: Proporcionais Equivalentes Duas taxas de juros são consideradas proporcionais quando, ao serem aplicadas ao mesmo capital durante o mesmo período de tempo, no regime de capitalização simples, gerarem um mesmo montante final. Por exemplo, uma taxa de 120% ao ano é proporcional a uma taxa de: 10% ao mês; 60% ao semestre; 25% ao trimestre; 0,333% ao dia. Mas como é possível encontrar o valor de uma taxa proporcional? É simples: você divide a taxa anual de forma a transformá-la no mesmo período da taxa final. Veja: Como um ano tem 12 meses Como um ano tem 2 semestres Como um ano tem 4 trimestres = 10% ao mês; = 60% ao semestre; = 25% ao trimestre; É preciso ter cuidado ao transformar a taxa anual em taxa diária, pois devemos dividir por 360, que corresponde ao número de dias do ano comercial, que é diferente do ano civil, que possui 365 (ou 366 em anos bissextos). Sendo assim 120% = 0,333% ao dia Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

15 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Svilen Milev Svilen Milev Figura 4.5: Algumas taxas são aparentemente diferentes, todavia, dependendo do período de capitalização a que se referem, podem levar à formação de um mesmo capital. Duas taxas de juros são consideradas equivalentes quando, ao serem aplicadas ao mesmo capital durante o mesmo período de tempo, no regime de capitalização composto, gerarem um mesmo montante final. Observe que a diferença relativamente às taxas proporcionais reside no tipo de regime de capitalização. Vamos utilizar o mesmo exemplo, para que você possa perceber, mais uma vez, a diferença do regime composto em relação ao simples. Para calcular taxas equivalentes, guarde a seguinte fórmula: Agora vamos converter uma taxa anual de 120% para mensal, usando a fórmula. Para isso, temos que começar igualando as duas taxas: (1 + i a ) = (1 + i m ) 12 ( ) = (1 + i m )12 (1 + 1,2) = (1 + i m ) 12 2,2 = (1 + i m ) 12 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

16 Multiplicando os expoentes por 1 12 (2,2) = 1 + i m Como 1 12 = 0,0833, temos: 1 12 temos: (2,2) 0,0833 = 1 + i m 1, = 1 + i m 1, = i m i m = 0, ou i m = 6,7883% ao mês Veja que a mesma taxa anual (120%) teve valores correspondentes diferentes, dependendo se a taxa é proporcional (juros simples) ou equivalente (juros compostos). A taxa equivalente mensal (6.7883%) é bem menor que a taxa proporcional mensal (10%), não é verdade? Isso acontece porque, no regime composto, a taxa de juros é aplicada sobre o montante acumulado; portanto, uma taxa de 6,7883%, que é inferior aos 10% do regime simples, gera os mesmos 120% em 12 meses. Mas a classificação quanto à equivalência de capitais não é a única. Existe outro tipo de classificação que independe do regime de juros. Esse tipo de classificação diferencia as taxa de juros em: Taxa nominal; Taxa efetiva; Taxa real. A taxa nominal é aquela em que o período de formação e incorporação dos juros ao capital não coincide com aquele a que a taxa se refere por exemplo, uma taxa de juros de 120% ao ano com capitalização mensal. Nesse caso, a taxa informada é anual; no entanto, a formação do capital é mensal. Por outro lado, a taxa efetiva é aquela em que o período de formação e incorporação dos juros ao capital coincide com aquele a que a taxa se refere, ou seja, taxa de juros de 120% ao ano tem capitalização anual. Nos casos em que a taxa efetiva é corrigida pela taxa de inflação do período da operação, chamamos essa taxa de taxa real. Yalcin Eren Svilen Milev Figura 4.6: A diferença entre taxas nominais e efetivas está no período de formação e incorporação dos juros ao capital. Mas será que faz alguma diferença usar uma taxa nominal ou uma taxa efetiva? A resposta é sim! Expressar a taxa de juros no formato nominal pode mascarar o custo efetivo das transações financeiras. Por isso, o Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8078/1990) determina, em seu artigo 52º, que as transações financeiras devem ser apresentadas na taxa efetiva. 96 Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

17 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Explicativo O artigo 1º do Código de Defesa do Consumidor estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos artigos 5º, inciso XXXII e 170º, inciso V da Constituição Federal. Agora vejamos o que diz o artigo 52º desse mesmo código: No fornecimento de produtos ou serviços que envolva outorga de crédito ou concessão de financiamento ao consumidor, o fornecedor deverá, entre outros requisitos, informá-lo prévia e adequadamente sobre: I - preço do produto ou serviço em moeda corrente nacional; II - montante dos juros de mora e da taxa efetiva anual de juros; III - acréscimos legalmente previstos; IV - número e periodicidade das prestações; V - soma total a pagar, com e sem financiamento. Fonte: Vamos conferir, então, se existe mesmo essa diferença entre as taxas nominal e efetiva, calculando o custo efetivo anual de uma taxa de 120% a.a. com capitalização mensal. No regime de juros simples, o período de capitalização não altera o resultado. Dividindo 120% por 12 meses, obtemos 10% ao mês. Mas... e no regime de juros compostos? Será que 10% ao mês são iguais a 120% ao ano? Para responder a essa pergunta, precisamos determinar a taxa equivalente anual da taxa mensal de 10%. Para isso, usaremos a fórmula: (1 + i a ) = (1 + i m ) 12 (1 + i a ) = ( )12 (1 + i a ) = (1 + 0,1) 12 (1 + i a ) = (1,1) 12 (1 + i a ) = 3,1384 i a = 3, i a = 2,1384 ou 213,82% Imagine que ofereçam a você um financiamento a uma taxa anual de 120% com capitalização mensal. Você aceitaria? Espero que, a partir de agora, você fique mais atento à nomenclatura da taxa de juros utilizada porque, nesse caso, você estaria pagando uma taxa efetiva de 213,82%. Mas essas não são as únicas ferramentas que você precisa conhecer para tomar decisões acertadas na hora de administrar suas finanças e as finanças da sua escola. Você precisa de mais instrumentos para suas avaliações. Por isso, nosso próximo assunto trata dos diagramas de fluxo. Atividade 4 Imagine que a sua escola necessite financiar a compra de uma geladeira cujo preço é R$ 1.400,00. A loja ofereceu duas alternativas de financiamento. A primeira é financiar a compra a uma taxa de juros nominal de 60% ao ano com capitalização mensal; a segunda é fazer o financiamento com uma taxa efetiva anual de 70%. Qual das alternativas você escolheria, por ser a mais vantajosa? Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

18 RESPOSTA COMENTADA Vamos lá! O primeiro passo é calcular a taxa efetiva anual referente à taxa de juros nominal de 60%. Dividindo os 60% por 12 meses, encontramos 5% ao mês. Agora precisamos calcular a taxa equivalente anual da taxa mensal de 5%. (1 + i a ) = (1 + i m ) 12 (1 + i a ) = (1 + 0,05) 12 (1 + i a ) = (1,05) 12 (1 + i a ) = 1,7959 i a = 1, i a = 0,7959 ou i a = 79,59% Possivelmente, sem fazer as contas, você escolheria a primeira opção, não é mesmo? Mas, após fazer a conversão da taxa nominal em taxa efetiva, você observou que a melhor opção, na verdade, é a segunda, com uma taxa efetiva anual de 70%, que é inferior aos 79,59% da primeira opção. Diagramas de fluxo de caixa O diagrama de fluxo de caixa é uma ferramenta importante para facilitar a compreensão dos elementos da matemática financeira (juros, taxa de juros, capital, montante, prestações). Montando um fluxo de caixa, você consegue reconhecer mais facilmente quais informações/elementos você tem em mãos e qual você precisa encontrar. Usualmente, as transações financeiras são representadas por diagramas, como esse do esquema a seguir: (+) Setas orientadas para cima indicam entrada de caixa ( ) Setas orientadas para baixo indicam desembolso de caixa O eixo horizontal representa o tempo (número de períodos) Digamos que você comprou uma geladeira para a escola no valor de R$ 2.000,00. O plano de pagamento foi realizado com juros e sem entrada, em quatro prestações mensais de R$ 600,00. Vamos agora representar essa compra utilizando um diagrama de fluxo de caixa. R$ R$ 600 R$ 600 R$ 600 R$ Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

19 Aula 4 Matemática Financeira: uma ferramenta para decisões estratégicas Veja que na linha horizontal está disposto o período de pagamento (4 prestações). A seta na vertical direcionada para cima representa o valor da geladeira (R$ 2.000,00), que representa uma entrada, um aumento no patrimônio. As setas verticais orientadas para baixo representam os valores de cada prestação (R$ 600,00). Veja que o diagrama simplifica o problema e facilita identificar qual elemento não temos. Acho que não ficou bom. Talvez, se as caixas estivessem com dinheiro, seria mais interessante. Marcelo Rubinstein Figura 4.7: O objetivo de montarmos o diagrama de fluxo é a organização. Dessa forma, fica mais fácil encontrar e avaliar os elementos envolvidos nas questões de matemática financeira. Atividade 5 Um investidor aplicou R$ 5.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a uma taxa de 3% ao mês no regime de juros simples. Mostre o crescimento desse capital no final de cada mês, a contar da data da aplica ção dos recursos, e informe o montante que poderá ser retirado pelo investidor no final do 5º mês. Para resolver esse problema, elabore um diagrama de fluxo de caixa e insira nele a resposta encontrada. RESPOSTA COMENTADA Dados do problema: Capital (C) = R$ 5.000,00 Taxa de juros (i) = 3% ao mês Período (n) = 5 meses J =? Capitalização simples A taxa de juros incide sobre o valor do capital = l inicial, portanto, o acréscimo de juros é constante ao longo do tempo. J = i x C J = 0,03 x (R$5.000) = R$150 Ao final de cada mês, ao saldo da conta será acrescentado o valor de R$ 150,00 referente aos juros. Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff,

20 Assim, temos: 5 x R$ R$ R$ 150 R$ 150 R$ 150 R$ R$ Atividade 6 No final do quinto mês, o investidor poderá retirar R$ 5.750,00. Um investidor aplicou R$ 5.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a uma taxa de 3% ao mês no regime de juros compostos. Mostre o crescimento desse capital no final de cada mês, a contar da data da aplica ção dos recursos, e informe o montante que poderá ser retirado pelo investidor no final do 5º mês, após a efetivação do último depósito. Para resolver esse problema, elabore um diagrama de fluxo de caixa e insira nele a resposta encontrada. RESPOSTA COMENTADA Dados do problema: Capital (C) = R$ 5.000,00 Taxa de juros (i) = 3% ao mês Período (n) = 5 meses Capitalização Composta A taxa de juros incide sobre o montante acumulado até o período avaliado. Sendo assim, o acréscimo de juros é crescente ao longo do tempo. J = i x M J1 = 0,03 x (R$ 5.000) = R$ 150,00 J2 = 0,03 x (R$ 5.150) = R$ 154,50 J3 = 0,03 x (R$ 5.304,50) = R$ 159,14 J4 = 0,03 x (R$ 5.463,64) = R$ 163,91 J5 = 0,03 x (R$ 5.627,54) = R$ 168,83 Assim, o fluxo de caixa terá a seguinte representação: R$ R$ 154,5 + R$ 159,14 + R$ 163,91 + R$ 168,83 + R$ R$ 150 R$ 154,50 R$ 159,14 R$ 163, R$ No final do quinto mês, o investidor poderá retirar R$ 5.796, Monteiro, J.E. Gestão Financeira. rio de janeiro: sesi/uff, 2011.

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Capítulo 7 Noções de Matemática Financeira 1 O valor do dinheiro no tempo A operação básica da matemática financeira é a operação de empréstimo. Alguém que dispõe de um capital C (chamado de principal),

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1

Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1 Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1 Grau de Dificuldade: 5 Olá turma... Nos próximos artigos, estarei exemplificando diversas maneiras para trabalhar com Juros Simples e Composto no

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados.

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados. Microsoft Excel Aula 4 Objetivos Trabalhar no Excel com cálculos de juros simples e compostos Trabalhar com as funções financeiras VF e PGTO do Excel Trabalhar com a ferramenta Atingir Meta Apresentar

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Apêndice. Funções financeiras do Excel

Apêndice. Funções financeiras do Excel Apêndice B Funções financeiras do Excel B.1. INTRODUÇÃO...2 B.2. CÁLCULOS FINANCEIROS BÁSICOS...3 B.2.1. NOMENCLATURA E CONVENÇÕES ADOTADAS...3 B.2.2. FUNÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS SIMULADOR DA HP 12 C..

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

Fundamentos de Finanças

Fundamentos de Finanças Fundamentos de Finanças Logística Prof. Marcelo dos Santos O que se espera do aluno ao final do curso? Capacidade para analisar fluxos de caixa; Saber avaliar alternativas de investimentos; Aumento da

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Habilidades: Calcular Juros Simples, Capital, Taxa e Tempo; interpretar e resolver exercícios sobre Juros Simples. DESAFIO DO DIA Conceito de Juros Didaticamente,

Leia mais

Curso. Matemática Financeira com HP 12C

Curso. Matemática Financeira com HP 12C Seja Bem Vindo! Curso Matemática Financeira com HP 12C Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial.

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial. 45 Capítulo 4 Juros, Taxas e tudo isso Neste livro não quero enfatizar as aplicações do Excel aos negócios, mas uma breve introdução ao uso das funções financeiras é indispensável, assim como, num capítulo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma breve revisão, de caráter mais teórico, sobre o conceito de porcentagem e juros. Na segunda parte, os alunos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS

EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS Muitas são as vezes nas quais é necessário fazer a troca de um ou mais títulos por outro(s), esta é uma situação que ocorre com freqüência, pois nem sempre um comerciante consegue

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2009 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I PROF: EDUARDO PICANÇO, D.Sc. MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO Autores: Eduardo Picanço Guilherme Guimaraes

Leia mais

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com ECONOMIA Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com Site: julianematematica.webnode.com 1. Introdução: O valor do dinheiro no tempo 1.1 O valor do dinheiro no tempo A matemática financeira

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

i ano = 2 x i semestre = 4 x i trimestre = 6 x i bimestre = 12 x i mês = 360 x i dia

i ano = 2 x i semestre = 4 x i trimestre = 6 x i bimestre = 12 x i mês = 360 x i dia que se aplicado a uma taxa de juros de 60% ao ano, por um período de um ano. Podemos representá-las da seguinte forma: MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 05/10 Taxas de juros Antes de iniciarmos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1 2 INTRODUÇÃO: O principal conceito que orientará todo o nosso raciocínio ao longo deste curso é o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Desta forma o cálculo dos juros compostos não será efetuado da mesma forma que foi feita para os juros simples.

JUROS COMPOSTOS. Desta forma o cálculo dos juros compostos não será efetuado da mesma forma que foi feita para os juros simples. UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE - FAC-CG CURSO: Graduação Tecnológica em Gestão Comercial Disciplina: Matemática Comercial e Financeira Prof: Rosemberg Trindade JUROS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade Curso Básico de Matemática Financeira Celso H. P. Andrade ÍNDICE JURO... 3 FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO... 4 JURO SIMPLES... 6 JURO COMPOSTO... 7 Equivalência de Taxa de Juros... 9 DESCONTO... 10 FLUXO DE

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas Avaliação de Investimentos Aula 2 Profa. Claudia Abramczuk Organização da Aula Proporcionalidade de taxas Equivalência de taxas Comparação entre proporcionalidade e equivalência VP e VF Contextualização

Leia mais

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de 1 Sumário Razão... 4 Proporção - Parte 1... 4 Proporção - Parte 2... 5 Proporção - Parte 3... 6 Proporção - Parte 4... 6 Média Aritmética... 7 Média Aritmética Ponderada... 8 Grandezas Proporcionais...

Leia mais

Gestão Financeira. União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR. Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta

Gestão Financeira. União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR. Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta União das Faculdades de Alta Floresta - UNIFLOR Rua T-2, s/n Caixa Postal n.º 431 Fone (066) 521-1676 CEP 78.580-000 - Alta Floresta-MT Faculdade de Ciências Contábeis de Alta Floresta CURSO: ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira http://www.oportunity.ubbihp.com.br 1 CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA A consideração explicita do fator tempo em qualquer processo de transferência de recursos financeiros

Leia mais

Valor do dinheiro no tempo

Valor do dinheiro no tempo Valor do dinheiro no tempo "Tempo é dinheiro - diz o mais vulgar ditado conhecido por qualquer idade ou pessoa. Coloque-o ao contrário e você obtém a mais preciosa verdade - dinheiro é tempo." (George

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA Curso: Informática Informática Gestão de Negócios. Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária. Professor(a): Darlan Marcelo Delgado. Lista de Exercícios:. Conteúdo

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

Aula 2 Matemática Financeira para BDMG

Aula 2 Matemática Financeira para BDMG Aula 2 Matemática Financeira para BDMG Equivalência Composta de Capitais... 2 Progressão Geométrica... 19 Cálculo da razão... 20 Termo Geral... 20 Séries Uniformes... 23 Elementos de uma série uniforme...

Leia mais

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4 EXCEL 2007 e 2010 2 ÍNDICE ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4 A série... 4 01 LISTA COM VALIDAÇÃO... 5 02 FUNÇÕES FINANCEIRAS... 7 03 FUNÇÃO DE BANCO DE DADOS... 12 04 RÓTULOS... 15 05 TABELA DINÂMICA... 18 06

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA Lilian Nasser Projeto Fundão (UFRJ) e CETIQT/SENAI lnasser@im.ufrj.br Resumo: A inclusão da Matemática Financeira na grade do Ensino Médio deve ser um

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Marcelo de Figueiredo Alves 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA É a análise das relações formais entre transações financeiras, que traduzem a um padrão equivalente, quantidades monetárias transacionadas

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Programa Avaliação Socioeconômica de Projetos. Matemática Financeira

Programa Avaliação Socioeconômica de Projetos. Matemática Financeira Programa Avaliação Socioeconômica de Projetos Matemática Financeira Brasília - 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

Matemática financeira

Matemática financeira Matemática financeira Apostila MATEMÁTICA FINANCEIRA - APOSTILA 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 4 AULA 1: REGIME DE CAPITALIZAÇÃO DE JUROS 6 INTRODUÇÃO 6 CONTEÚDO 6 INTRODUÇÃO 6 CONCEITO DE CAPITAL PRINCIPAL, JURO

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira 012G MATEMÁTICA FINANCEIRA 3E Desenvolvimento de conteúdo, mediação pedagógica e design gráfico Equipe Técnico Pedagógica do Instituto Monitor Monitor Editorial Ltda. Rua dos Timbiras,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

Apostila Básica sobre Microsoft Excel 2003. Sumário

Apostila Básica sobre Microsoft Excel 2003. Sumário Apostila Básica sobre Microsoft Excel 2003 Esta apostila básica para Microsoft Excel 2003 foi confeccionada para compor material de consulta do curso de Introdução a Informática Básica da Faetec. Para

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Fundamentos de Matemática Financeira

Fundamentos de Matemática Financeira UNIP ICET Fundamentos de Matemática Financeira FEV/2008 I Conceitos Fundamentais Aspectos envolvidos : Valor Presente (PV) ou Principal (P) Valor Futuro (FV) ou Montante (M) Prazo (n) Fator de Variação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Luiz Brandão

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Luiz Brandão MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Brandão Índice 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FLUXO DE CAIXA... 5 1.1.1 AMBIENTE... 6 1.1.2 DEFINIÇÕES... 6 1.2 JUROS... 7 1.3 EXERCÍCIOS... 7 2. JUROS SIMPLES 8 2.1 EXERCÍCIOS: JUROS

Leia mais